FERNANDA MOTTA LOPES NASCIMENTO GRASIELA SOARES DA SILVA KEYLLA ALVARENGA RIBETTI

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FERNANDA MOTTA LOPES NASCIMENTO GRASIELA SOARES DA SILVA KEYLLA ALVARENGA RIBETTI"

Transcrição

1 1 FERNANDA MOTTA LOPES NASCIMENTO GRASIELA SOARES DA SILVA KEYLLA ALVARENGA RIBETTI A IMPORTÂNCIA DO JOGO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Monografia apresentada ao programa de Graduação em Pedagogia da Escola Superior de Ensino Anísio Teixeira, como requisito parcial para obtenção do grau em Licenciatura Plena em pedagogia. Orientadora: Vânia Rosa Rodrigues SERRA 2011

2 2 FERNANDA MOTTA LOPES NASCIMENTO GRASIELA SOARES DA SILVA KEYLLA ALVARENGA RIBETTI A IMPORTÂNCIA DO JOGO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Monografia apresentada ao Programa de Graduação em Pedagogia da Escola Superior de Ensino Anísio Teixeira, como requisito parcial para a obtenção do grau de Licenciatura plena em Pedagogia. Aprovado em de Julho de 2011 COMISSÃO EXAMINADORA Prof.ª Vânia Rosa Rodrigues Escola Superior de Ensino Anísio Teixeira Orientadora Coord.ª Carina Sabadim Veloso Escola Superior de Ensino Anísio Teixeira Membro 1 Prof.ª Rosimar Alves Macedo Escola Superior de Ensino Anísio Teixeira Membro 2

3 Dedicamos a todos aqueles sorriram, choraram, vivenciaram a construção da nossa monografia e nos deram força e acreditaram que o nosso sucesso seria possível. 3

4 Ao bom Deus, pelo dom da vida, que possibilitou-nos o prazer de construir a nossa existência. Aos nossos pais, irmãos, namorados, marido e toda a nossa família, que com carinho e apoio, não mediram esforços para ajudar a vencer mais uma linda etapa em nossa vida. A Orientadora Vânia pela paciência, e incentivo e que não mediu esforço para nos ajudar. A todos os professores que passaram por nossa vida acadêmica que nos deixaram lições de vida. E às minhas amigas, pelos momentos de alegria, de dificuldades e cansaço que compartilhamos. 4

5 5 Soubéssemos nós adultos preservar o brilho e o frescor da brincadeira infantil, teríamos uma humanidade plena de amor e fraternidade. Resta-nos, então, aprender com as crianças Monique Deheinzelin

6 6 RESUMO O desenvolvimento deste trabalho tem como objetivo compreender a importância do jogo para o desenvolvimento e aprendizagem na Educação Infantil. É incontestável o fato de que os professores que atuam na área educacional, necessitam do uso dos jogos em suas atividades cotidianas. Através do lúdico, a criança desenvolve habilidades cognitivas, facilitando seu crescimento nos aspectos físicos, cognitivo, motor e social. Por meio dos jogos, a criança tem maior facilidade de se expressar, imitar e ouvir as pessoas com que convive, com isso, ela estará entendendo as formas de se comunicar. Para isso, buscou-se através da pesquisa bibliográfica, analisar as principais ideias dos mais renomados autores sobre o assunto. Considerando que não há prática eficaz sem a presença da teoria, é válida as considerações feitas por alguns importantes pesquisadores como Piaget, Dewey e Frobel, tendo como ponto de partida os jogos como ação essencial no processo de ensino-aprendizagem. É necessário que o educador conheça os princípios básicos e a utilização do lúdico para trabalhar especificamente as dificuldades dos alunos, aplicar e acompanhar todo o processo. O ato de brincar é mais do que uma simples recreação, é uma necessidade que a criança tem em compreender o mundo ao seu redor. O jogo possibilita a criança se movimentar, criar, imaginar, ver e de sentir. Ela está experimentando o mundo pela primeira vez, por isso ela precisa e quer viver tudo com intensidade, aprendendo todo o dia uma coisa nova. PALAVRAS-CHAVE: Lúdico. Educador. Cognitivo. Brincar

7 7 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO METODOLOGIA REFERÊNCIAL TEÓRICO CONCEITO DE INFÂNCIA BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO INFÂNCIA CONCEPÇÃO DE JOGO CARACTERÍSTICAS DOS JOGOS TIPOS DE JOGOS BREVE HISTÓRICO DOS JOGOS O JOGO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O JOGO NA EDUCAÇÃO SEGUNDO PIAGET, DEWEY E FROBEL O PROFESSOR COMO MEDIADOR NO JOGO A CONTRIBUIÇÃO DO JOGO NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIA WEBGRAFIA PESQUISA PERIÓDICA...59

8 8 1. INTRODUÇÃO O presente estudo parte do interesse em alcançar um entendimento sobre importância do jogo na educação infantil, sendo este fundamental para o desenvolvimento da criança, nos aspectos cognitivos, afetivos, sociais, físio-motores, na oralidade e criatividade. Partindo dessa concepção o jogo na educação infantil, é considerado auxiliar na construção cognitiva, não que seja empregado de forma aleatória, mas como parte do processo. É no jogo que a criança se expressa e recria representações do mundo concreto com a finalidade de entendê-lo. Nos jogos e brincadeiras dirigidas ou espontâneas, as crianças aprendem a conviver, a repartir, relaciona-se e respeitar os outros, estimula o sonho, dá prazer e cria espaço para a imaginação e a criatividade. Sendo assim o ato de jogar ajuda a criança a tornarse mais tarde adultos maduros e capazes de solucionar desafios. É importante que o professor conheça os jogos, suas alternativas de exploração e suas especificidades, assim como o histórico social da criança com as quais esteja trabalhando, a fim de se realizar uma pesquisa eficiente e que propicie resultados confiáveis que possam estabelecer novos rumos no trabalho pedagógico. É dever do educador, compreender o sucesso da utilização dos jogos e brincadeiras na sala de aula. O objetivo geral desse trabalho é compreender a importância do jogo para o desenvolvimento e aprendizagem nas crianças de educação infantil. Para tanto, é necessário percorrer sobre alguns caminhos para entender melhor esse processo, tais como: o conceito de infância, percorrendo sobre um breve histórico da educação infantil; concepção de jogo, as características e os tipos de acordo com alguns autores, o jogo na educação infantil, compreender melhor o jogo na educação segundo autores renomados como Piaget, Dewey e Frobel, o professor como mediador do jogo, e por fim o jogo como ferramenta no desenvolvimento da criança no processo ensino aprendizagem. Tendo como objetivo específico analisar o papel do jogo no desenvolvimento da criança na educação infantil, identificar os pontos mais relevantes nos aspectos cognitivos, social, motor, afetivo e criativo; identificar que tipos de jogos contribuem melhor para o desenvolvimento da criança, tendo como referência as leituras bibliográficas.

9 9 2. METODOLOGIA Tendo em vista o fato de que a pesquisa visa discutir a importância do jogo na educação infantil a opção metodológica desse trabalho será a pesquisa bibliográfica que segundo Ferrão (2008, p 103) é baseada na consulta de todas as fontes secundárias relativas ao tema que foi escolhido para a realização do trabalho. As pesquisas foram feitas tendo como norte autores estudiosos no assunto como: Friedmann, Kishimoto, Kami, Piaget, Vygotsky, Froebel e Dewey. O trabalho foi desenvolvido através de seguintes passos metodológicos: seleção bibliográfica, classificação dos livros, fichamentos dos livros, artigos, revistas e textos, análise das informações. A classificação da pesquisa é exploratória, conforme Gil (1996, p 45) Estas pesquisas têm como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais explícito ou a construir hipóteses. Pode se dizer que estas pesquisas têm como objetivo principal o aprimoramento de ideias ou a descoberta de intuições. Sendo assim, neste trabalho de pesquisa pretendemos trazer contribuições aos professores de educação infantil, que desenvolvem trabalhos utilizando os jogos, desenvolvendo um trabalho significativo e de qualidade.

10 10 REFERÊNCIAL TEÓRICO 3.1. CONCEITO DE INFÂNCIA Para entender a importância do jogo na Educação Infantil é necessário, primeiramente, entender o contexto da infância na sociedade e suas concepções, fazendo um breve passeio sobre a história da educação infantil. A criança deve ser entendida de forma diferente de um adulto, tanto por sua idade como pela sua maturação. As diferenças são notáveis quanto ao comportamento, sentimentos e entendimento do mundo. O entendimento de infância veio sendo moldado com o passar dos anos. De acordo com Almeida (2004), há maneiras diferentes de entender a infância, e as noções variam de acordo com a realidade de cada sociedade em determinada época. A ideia de infância não existiu sempre. Até o século XII, aproximadamente, havia um desconhecimento dessa etapa de vida porque em geral as crianças viviam muito pouco, devido a infecções e doenças. A partir do século XVI teve um aumento da expectativa de vida, pois diminuiu a taxa de mortalidade infantil. O sentimento de infância, a ideia, a representação da infância, todos esses fenômenos surgiram na civilização, muito vagarosamente e ligados a motivos os mais surpreendentes. Segundo Áries (1981), a aparição da criança como uma categoria social se dá lentamente entre os séculos XII e XVII, o autor destaca esse fator através do estudo de temas metafísicos religiosos presentes na iconografia medieval. Inicialmente a criança aparece em símbolos religiosos para representar anjos e o menino Jesus, depois a infância da Virgem Maria e dos outros santos. Nos séculos XV e XVI, a criança aparece em retratos reais que são encontrados inicialmente nas esfinges funerárias. Conforme o Autor: O aparecimento do retrato da criança morta no século XVI marcou, portanto, um momento muito importante na história dos sentimentos. Esse retrato seria inicialmente uma efígie funerária. A criança no inicio não seria retratada sozinha, e sim sobre o túmulo de seus pais. (ÁRIES, 1981, p.23) Áries (1981) diz que, até o início da época moderna não existia o conceito de infância esse período era considerado como período de transição, ou seja, a criança tinha uma infância

11 11 curta, sua passagem era pouco valorizada. Foi a partir do século XVII que a criança começou a ser valorizada e ter o seu próprio espaço nas imagens por ele analisadas. A partir desse século o sentimento de infância e os cuidados com a moral da criança surgiam com a chegada da burguesia começando dos nobres da sociedade, para os mais pobres. Para o Autor: Isso sem duvida significa que os homens dos séculos X XI não se detinham diante da infância, que esta não tinha para eles interesse, nem mesmo realidade. Isso faz pensar também que no domínio da vida real, e não mais apenas no de uma transposição estética, a infância era um período de transposição estética, a infância era um período de transição, logo ultrapassado, e cuja lembrança também era logo perdida. (ÁRIES, 1981, p. 52) A infância nos séculos X XI não tinha interesse nem mesmo realidade, era algo ultrapassado que não se dava importância cujas lembranças eram perdidas, a infância começava a ter um período de transição e transposição estética. A ideia da infância como um período particular somente se consolidou no século XVII, acompanhada da elaboração de uma teoria filosófica sobre a especificidade infantil, que tornou possível o posterior aparecimento de uma psicologia da criança e de seu desenvolvimento. Assim, para Áries (1981), a descoberta da infância começa no século XIII e evolui no XIV e XV, tornando-se significativo nos fins do século XVI e durante o XVII. Segundo Nunes; Silva: A criança passou a ser considerada detentora de sentimento, já que o índice de mortalidade era alto e, de certa forma as crianças não tinham nenhuma importância social proeminente, o que explicaria o cuidado emergente em preocupações com higiene e vacinação que começam aparecer tão somente nos séculos finais da Idade Média, revelando uma mudança lenta na indiferença anterior para mesma. (2000, p.21) Com o passar dos séculos a criança passou a ser considerada detentora de sentimento, não se dava importância a ela e com isso o índice de mortalidade era alto, não se preocupava com a higiene e nem com a vacinação e no final da idade media começou a ter uma mudança lenta na forma de pensar. Segundo Ariés (1978), as crianças eram consideradas um adulto em miniatura. Tinham que se vestir com trajes de adultos, porém em tamanho redizido. Na modernidade, a criança deixa

12 12 de ocupar lugar como resíduo da vida comunitária adulta e passa a ser percebida como ser inacabado e carente, portanto individualizado. Os quadros artísticos datados dessa época citam um texto de 1602, que traduz o pensamento daquele tempo em relação à preocupação dos pais quanto à educação das crianças. O autor considera que: Os pais que se preocupam com a educação de suas crianças merecem mais respeito do que aqueles que se contentam em pô-los no mundo. Eles lhes dão não apenas a vida, mas uma vida boa e santa. Por esse motivo, esses pais têm a razão em enviar seus filhos, desde a mais tenra idade, ao mercado da verdadeira sabedoria (o colégio), onde eles se tornarão os artífices de sua própria fortuna. (ÁRIES, 1978, p. 58) Na modernidade os pais passam a se preocupar somente com a educação de seus filhos, os enxergavam como uma fonte de renda, pois davam educação para que tivessem uma vida melhor, onde se tornarão os artífices de sua própria fortuna. O sentimento afetivo pela criança era sem importância, não se tinha muitos cuidados, pois de acordo com Áries (1981 p.56) como as crianças morriam em grande número a infância era tida como uma fase sem importância e não fazia sentido fixar sua memória na lembrança. Kramer evidencia que: A valorização e o sentimento atribuídos à infância nem sempre existiram da forma como hoje são concebidas e difundidas, tendo sido modificadas a partir de mudanças econômicas e políticas da estrutura social. Percebe-se essas transformações em pinturas, diários de família, testamentos, igrejas e túmulos, o que demonstram que a família e escola nem sempre existiram da mesma forma. (1995, p.17) Os sentimentos e a valorização à infância nem sempre existiram da forma como hoje são concebidas, estavam em processo de mudança. Conforme a política e a economia iam mudando poderia se perceber que começava a aparecer pinturas. Surgiram dois sentimentos novos em torno da criança, segundo Áries (1981), no meio familiar surge os mimos, pois via na criança a sua ingenuidade uma coisinha engraçadinha, motivo de distração e relaxamento para adulto, e outro pelos moralistas e educadores de

13 13 século XVII que viam na criança interesse psicológicos e preocupação com a formação do seu caráter e da moral, a partir deles que foi inspirada toda educação. Entre os estudiosos na área do desenvolvimento da criança, temos Piaget (1989) que dentre tantos outros estudos que desenvolveu, se dedicou a descobrir como o ser humano pensa, por que a criança raciocina diferente do adulto evoluído e apresenta pensamento próximo ao do adulto primitivo. Segundo o autor para a explicação do fenômeno é necessário acompanhar o desenvolvimento mental da criança. Piaget (1989) acreditava que a infância é considerada um período particular do processo de formação do pensamento, que só se completa na idade adulta, logo, o centro de seus estudos é o desenvolvimento do conhecimento, com base na biologia, ou seja, estudos de epistemologia-genética. Assim como Piaget, Heller (1989) segue essa mesma concepção que vê o homem como um ser que é fruto de sua vida em sociedade. Seus modos de perceber, de representar, seu funcionamento psicológico, a capacidade de expressar seus sentimentos em relação ao mundo, ao outro e a si mesmo, se constitui nas relações sociais. Conforme o autor: O homem participa da vida cotidiana em todos os aspectos de sua individualidade, de sua personalidade. Nele, coloca-se me funcionamento todos os seus sentidos, todas as suas capacidades intelectuais, suas habilidades manipulativas, seus sentimentos, paixões, idéias, ideologias. (HELLER,1989, p.16-17) O homem é fruto de sua vida em sociedade, tem capacidade de expressar seus sentimentos, age a partir de seus próprios pensamentos. Segundo Kishimoto (1997) a imagem de infância é vista pelos adultos por meio de dois processos: o primeiro está associado a todo um contexto de valores e absorção da sociedade e o segundo fala sobre a percepção dos próprios adultos, que relembra do seu tempo de criança, assim a imagem de infância se reflete no contexto atual dos adultos.

14 14 Como pesquisadora contemporânea, Kishimoto (1997) acrescenta que o comportamento infantil é moldado de acordo com a imagem de criança veiculada em formação da personalidade, é requerida também com o auxilio de concepções psicológicas e pedagógicas, que reconhece o papel de brinquedos e brincadeiras no desenvolvimento e na construção do conhecimento infantil. Para Kishimoto: A infância é, também, a idade do possível. Pode-se projetar sobre ela a esperança de mudança, de transformação social e renovação moral. A infância é portadora de uma imagem de inocência: de candura moral, imagem associada à natureza primitiva dos povos, um mito que representa a origem do homem e da cultura. (1997, p.19) A infância é um período em que podemos projetar sobre a criança esperança de mudança de transformação, pois nela podemos ver a sua inocência, onde os adultos podem moldar e fazer com que a possa ter uma infância com princípios e valores, fazendo com que ela não perca a melhor fase que o ser humano possa ter. O RCNEI (Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil) (1998, p.21, v 1) mostra como a criança vem sendo vista atualmente no Brasil, afirmando que as crianças possuem uma natureza singular, que as caracterizam como seres que sentem e pensam o mundo de um jeito muito próprio. Assim, durante o seu processo de construção do conhecimento, as crianças utilizam as mais diferentes linguagens e exercem a capacidade que possuem de terem ideias e hipóteses originais sobre aquilo que procuram desvendar. Para o referido documento: A concepção de criança é uma noção historicamente construída e consequentemente vem mudando ao longo dos tempos, não se apresentando de forma homogênea nem mesmo no interior de uma mesma sociedade e época. Assim é possível que, por exemplo, em uma mesma cidade existem diferentes maneiras de se considerar as crianças pequenas dependendo da classe social a qual pertencem do grupo étnico do qual fazem parte. Boa parte das crianças pequenas brasileiras enfrentam um cotidiano bastante adverso que as conduz desde muito cedo a precárias condições de vida e ao trabalho infantil, ao abuso e exploração por parte de adultos. Outras crianças são protegidas de todas as maneiras, recebendo de suas famílias e da sociedade em geral todos os cuidados necessários ao seu desenvolvimento. (RCNEI, 1998, p.19, v 1) A resolução CNE\CEB nº 20\ 2009 homologado no DOU de 09 de dezembro de 2009 institui no art. 4º as Diretrizes Curriculares Nacionais para educação infantil onde as propostas pedagógicas que deverão considerar a criança, apresentam a visão que o:

15 15 (...) centro do planejamento curricular, sujeito histórico e de diretos que nas interações, relações e pratica cotidianas de vivência, constrói sua identidade pessoal e coletiva, ao brincar, imaginar, fantasiar, observar, experimentar, narrar, questionar e constrói sentidos sobre a natureza e a sociedade, produzindo cultura. A criança deve ter uma infância em que ela possa contribuir sua identidade pessoal e coletiva como, por exemplo: ao brincar, imaginar, fantasiar, observar e experimentar, para que tenha uma vida em sociedade e produzir sua cultura. Muitas crianças brasileiras, porém, condicionadas pela classe social são obrigadas ao trabalho infantil. São negadas possibilidades dignas para se desenvolver, como educação de qualidade, proteção, afeto e liberdade como prevê a constituição de 1988 Art. 227 que dá garantia por meio de decreto seus direitos dentro da sociedade. A lei ressalta que: É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligencia, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. (BRASIL, 1988, p.29, 227) Percebe-se que desde Froebel (2001) o criador do jardim de infância em 1837, o jogo livre é adotado, assim como por Dewey (1965) um dos orientadores do movimento da Escola Nova, esta responsável pela divulgação do jogo como fator importante para a educação, pois nessa concepção o brincar surge como elemento indispensável para a aprendizagem. Veiga (2004) diz que, para compreender a infância em determinado contexto histórico é indispensável a busca de conhecimento e entendimento de cada etapa da vida da criança. É preciso compreender porque os adultos passaram a reconhecer e perceber a criança de forma diferente, e em que momento da vida social dos adultos ocorreu, e com que objetivos o tempo social da infância foi fixado e diferenciado. Para autora, o momento de distinção entre as gerações foram essenciais para o comportamento de classe social, que vieram acompanhadas da ampliação das produções sobre a infância e a criança como objeto de conhecimento. O que se pode inferir acerca desses sentimentos é que, historicamente, eles aparecem como complementares, perpetuando um conceito de infância ligado à ideia de essência infantil, a

16 16 sua materialidade, suas reais condições sociais. Dessa forma a ideia de criança e infância universais acaba por se manter, desconsiderando as várias infâncias e crianças, condicionadas pelas adversidades de existência. Para Kramer 1995 tal concepção, originaria da Idade Média, tem perpetuado a ideia de infância única, um ideal de criança abstrato, mas concretizado na infância burguesa, mascarando, assim, a realidade social. Independente da construção de infância que nos deparamos é imprescindível que não esqueçamos que as crianças são seres singulares, provenientes dos mais diversos cenários sociais e culturais, herdeiros de novas concepções de família. No documento: Educar significa, portanto, propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendizagens orientadas de forma integrada e que possam contribuir para o desenvolvimento das capacidades infantis de relação interpessoal, de ser e estar com os outros em uma atitude básica de aceitação, respeito e confiança, e o acesso, pelas crianças, aos conhecimentos mais amplos da realidade social e cultural. Neste processo, a educação poderá auxiliar o desenvolvimento das capacidades de apropriação e conhecimento das potencialidades corporais, afetivas, emocionais, estéticas e éticas, na perspectiva de contribuir para a formação de crianças felizes e saudáveis. (RCNEI, 1998, v.1, p.23) Educar não é só colocar na escola. Significa também proporcionar situações de cuidado, brincadeiras e aprendizagens orientadas. Os pais devem trabalhar em conjunto com a escola, fazendo assim com que a criança tenha bons relacionamentos e melhor formação. Para Arroyo (1996) a ideia de infância é dinâmica e vem crescendo em termos de relevância social, entretanto como ela antecede a idade adulta, no que se refere ao tempo cronológico acaba por permitir certa contradição entre a natureza biológica e o papel social ocupado pela criança nas diferentes culturas. Se por um lado a ideia de criança está relacionada a uma etapa do desenvolvimento que antecede à idade adulta, contraditoriamente a infância está permeada por significações ideológicas que determinam o seu papel na sociedade em que vive. A ideia de infância só tem

17 17 sentido, portanto, se percebida de acordo com as relações de produção da sociedade em determinada época. Daí a necessidade de tratarmos a criança como ser que se desenvolve dentro de um contexto determinado e contribuir para cultura de sua época histórica. Diante dessa nova perspectiva de infância, a educação de crianças pequenas, em nosso país, clama por atitudes que superem as práticas e concepções excludentes e impeditivas de que nossas crianças tenham acesso aos bens conquistados pela humanidade e possam ser respeitadas com sujeito de direito.

18 BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Para compreender o jogo na educação infantil, vamos fazer um breve comentário sobre sua história. Na antiguidade, a educação infantil era feita pela família e igrejas e com o passar dos anos essa forma de educar foi se modificando. No entanto a Educação Infantil nasceu da necessidade de obtenção de cuidados das crianças enquanto as mães trabalhavam. Depois do século XVI as escolas que existiam eram dirigidas pela igreja e reservadas para instruir pequenos grupos, principalmente meninos. De acordo com Áries (1981) nessa época ainda não havia preocupação com a educação da infância, pois não havia distinção de idades e nem divisão de classes. Com o surgimento dos colégios de caridade de século XVII abrem as portas tanto para pequenos burgueses nobres, como classes populares. A igreja perde o poder e a burguesia fica responsável pelo assistencialismo social. A partir do século XVIII, as famílias burguesas não aceitam que seus filhos se misturem com a classe popular, então a escola única foi substituída pela criação da escola primária e secundária que se diferenciava pela classe social: o colégio secundário é prolongado com formação de ensino técnico para o burguês e a escola primária com ensino curto e prático voltado para formação de mão de obra do povo. A partir dessa divisão a sociedade passa a se preocupa com a formação da criança para a vida adulta, pois a figura ideal era o homem burguês, que tinha sucesso, mas para se obter o que tanto se desejava deveria ter acesso à educação e está exigia certa condição financeira, a criança era inserida na escola visando o trabalho e a aquisição de bens. Para o autor: As aspirações educacionais aumentam à proporção em que se acredita que a escolaridade poderá representar maiores ganhos, o que provoca frequentemente a inserção da criança no trabalho simultâneo à vida escolar (...). A educação tem um valor de investimento a médio ou logo prazo e o desenvolvimento da criança contribuirá futuramente para aumentar o capital familiar. (KRAMER, 1995, p.23) A partir do século XVIII a educação para crianças era vista como um valor de investimento a médio ou longo prazo, os pais se preocupavam em colocar seus filhos nas escolas para que, futuramente aumentar o capital familiar.

19 19 Segundo Áries (1981) por conta da diferença entre a escola popular e a burguesa, a popular não durou muito tempo e tornou-se ineficaz, por conta desses problemas foram criados programas compensatórios, pois na visão de infância dos burgueses todas as crianças são iguais, porém, como as classes menos favorecidas não correspondia ao padrão estabelecido pela sociedade, por isso precisavam ser compensadas. Ao longo do século a creches e pré-escola formaram conceito de cuidado e para guardar as crianças, devida a prática de instituições formadas pelas igrejas e famílias da alta sociedade que prestava assistência e caridade as crianças pequenas. Nesse período, os pioneiros da educação pré- escolar, como Convênios, Rousseau, Pestalozzi, Decroly, Froebel, entre outros, buscavam descobrir formas de eliminar as punições físicas e estabelecer bases para um ensino mais centrado na criança. Embora enfatizassem propostas diferentes entre si, esses autores tinham em comum o reconhecimento de que as crianças tinham necessidades e características próprias e diversas à dos adultos. No Brasil as primeiras creches chegaram por volta do século XX a partir da Revolução Industrial, em meados de 1971 com a formulação da Lei n , na qual definiu que os sistemas receberiam crianças em idade inferior a sete anos para iniciarem uma vida escolar em escolas maternais ou jardins de infância. As mães operárias também conquistaram o direito à instalação de creches assistencialistas e salas de amamentação nas indústrias em que trabalhavam. Segundo Kuhlmann Jr (1998) a educação compensatória era tida, não como beneficio para seus filhos, mas sim como uma dádiva filantrópica. Segundo o autor: (...) As concepções educacionais vigentes nessa instituições mostravam explicitamente preconceituosas, o que acabou por cristalizar a idéia de que, em sua origem, no passado, aquelas instituições teriam sido pensadas como lugar de guarda de assistência, e não de educação. (KUHLMANN; JUNIOR, 1998, p.166) As concepções que tinham no século XX eram que as instituições serviam para guarda de assistência a criança e não lugar para ensinar seus filhos, as professoras eram vistas como babás.

20 20 A partir de 1970, devido ao crescimento acelerado das indústrias, o tema creches passou a ser considerado de interesse pelos setores oficiais. Por volta de 1979, houve um movimento de luta por creches, que reivindicava a participação do Estado na criação de redes públicas de creches. Na década de 1980, houve um avanço considerável com relação à Educação infantil. Nesse período, discutiu-se a função de creche/pré-escola, de forma a universalizar a ideia de que a educação da criança pequena é importante, independentemente de sua origem social. Assim, estabeleceu-se, na Constituição Federal de 1988, a creche e a pré-escola como direito da família e dever do Estado. Para o autor: Também em relação à creche no Brasil, temos apontado tal perspectiva política. Apenas quando segmentos de classe média foram procurar atendimento em creche para seus filhos é que esta instituição recebeu força de pressão suficiente para aprofundar a discussão de uma proposta verdadeiramente pedagógica, compromissada com o desenvolvimento total e com a construção de conhecimento pelas crianças pequenas. (OLIVEIRA, 2008, p 18) No Brasil a creche só teve mudança quando a classe média foi procurar atendimento em instituições para seus filhos. Nesse período as creches começaram a receber auxilio do governo para se manter e ser um local verdadeiramente pedagógico. Com a constituição de 1988 a educação passa a ser direito de todos e dever do Estado, da família e da sociedade. Sendo incluída na política educacional, tornou-se um referencial na busca e avanço nas soluções para superar as práticas de um ensino assistencialista ou preparatório para as séries seguintes. Nesta perspectiva a criança passa a ser vista como um ser social, histórico, pertencente a uma determinada classe social e cultural. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394/96 vem reforçar uma base maior para educação infantil com primeira etapa da educação básica. (Art. 29) com a finalidade de desenvolvimento da criança ate seis anos de idade. Reconhecendo que a educação começa nos primeiros anos de vida. A lei define como: A educação Infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até os seis anos de idade, em seus aspectos

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Ana Lucia da Silva 1 Franchys Marizethe Nascimento Santana Ferreira 2 O presente projeto justifica-se pela necessidade verificada,

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 975 O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Drielly Adrean Batista

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Adelson Carlos Madruga Universidade Federal da Paraíba adelsoncarlos1992@hotmail.com Elizangela Mario da Silva Universidade Federal

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR Introdução OBERJAN ROCHA KOZAN FABIANA LEIFELD RAFAEL TRENTIN SCREMIN FACULDADE SANT ANA, PONTA GROSSA/ PARANÁ/ BRASIL oberjan_15@hotmail.com O objeto de

Leia mais

A criança e o brincar: um olhar sobre a importância do brincar no desenvolvimento infantil

A criança e o brincar: um olhar sobre a importância do brincar no desenvolvimento infantil A criança e o brincar: um olhar sobre a importância do brincar no desenvolvimento infantil RESUMO: O presente artigo é resultado da pesquisa realizada na disciplina de Recursos Tecnológicos, Pedagógicos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil INTRODUÇÃO Currículo e Educação Infantil A Educação Infantil é dever e obrigação do Estado e responsabilidade política e social da sociedade e não apenas daqueles que vivenciam a realidade escolar, utilizando-se

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS Marcielen Vieira Santana (Autora) 1 Alessandra B. da Rocha (Co-autora) 2 Introdução Este trabalho surge da necessidade de compreender sobre

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934.

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Vygotsky, viveu na mesma época que Piaget (ambos nasceram em 1896 entanto Vygotsky

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

Elementos da Prática Pedagógica na Educação Infantil

Elementos da Prática Pedagógica na Educação Infantil Elementos da Prática Pedagógica na Educação Infantil Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 AMOSC-EGEM-FECAM Cuidar e educar como aspectos integrados; Construção de um currículo que

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais

Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil

Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil Profa. Cláudia Yazlle 29 e 30/março/2011 Objetivos da aula de hoje Refletir sobre a identidade da educação infantil Conhecer os objetivos gerais da educação

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo RIBEIRO, Amanda de Cassia Borges - UFSM acbr_amanda@hotmail.com JAHN, Angela Bortoli UFSM abjahn@terra.com.br BELING, Vivian Jamile UFSM

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês.

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA MUSICALIZAÇÃO I JOAO FORTUNATO SOARES DE QUADROS JUNIOR INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR MÚSICA NA CRECHE São Luís

Leia mais

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades?

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades? i dos Pais Temas O Brincar Todas as crianças são únicas e diferentes das outras, sendo que as suas diferenças individuais parecem estar diretamente associadas com a sua maneira de brincar e a imaginação

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1099 O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Docente

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

TRANSPARÊNCIA INSTITUCIONAL PROJETO BOA SEMENTE OFICINA SEMEANDO MOVIMENTO

TRANSPARÊNCIA INSTITUCIONAL PROJETO BOA SEMENTE OFICINA SEMEANDO MOVIMENTO TRANSPARÊNCIA INSTITUCIONAL PROJETO BOA SEMENTE OFICINA SEMEANDO MOVIMENTO O Orfanato Evangélico, através do Projeto Boa Semente, desenvolveu atividades direcionadas as crianças de 1 mês a 1 ano de idade,

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Londrina 2010 1 Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Relatório final

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e GEOGRAFANDO BELÉM Isaias Gomes de Jesus Junior 1 Resumo O presente artigo vem apresentar a Tecnologia Educacional Geografando Belém. Esta Tecnologia Educacional, de princípio, foi desenvolvida para apresentar

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE 689 O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: Este estudo traz os resultados de uma pesquisa de campo realizada em uma escola pública

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Regina Donato de Moraes 1 Lourdes Keila Casado Pulucena 2 Lucieni Vaz dos Santos 3 Aprender brincando não é apenas um passatempo, quando se trata de ensinar.

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Educação Infantil: Fundamentos. Teleaula 1. Apresentação do Professor. Ementa. Organização da Disciplina. Pedagogia

Educação Infantil: Fundamentos. Teleaula 1. Apresentação do Professor. Ementa. Organização da Disciplina. Pedagogia Educação Infantil: Fundamentos Teleaula 1 Prof. Me. Mônica Caetano da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Apresentação do Professor Pedagogia Ementa Políticas para a Educação Infantil: conceitos

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu. Internacional de Ufologia, História e Ciência. Victor Mostajo.

Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu. Internacional de Ufologia, História e Ciência. Victor Mostajo. Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu Internacional de Ufologia, História e Ciência Victor Mostajo. Cátia Bairro Ferreira Santa Maria, RS 2009. 1 Oficina Lúdico Pedagógica - Dinossauros A criança

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais