DELINEAMENTOS EXPERIMENTAIS PESQUISA CLÍNICA E LABORATORIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DELINEAMENTOS EXPERIMENTAIS PESQUISA CLÍNICA E LABORATORIAL"

Transcrição

1 DELINEAMENTOS EXPERIMENTAIS PESQUISA CLÍNICA E LABORATORIAL Cassiano Kuchenbecker Rösing.

2 ODONTOLOGIA É UMA CIÊNCIA! O cientista tem autoridade! Se existe uma classe especializada em pensar de maneira correta (os cientistas), os outros indivíduos são liberados da obrigação de pensar e podem simplesmente fazer aquilo que os cientistas dizem. (Alves, 1996)

3 NOVO PARADIGMA Medicina Baseada em Evidências epidemiologia clínica bioestatística informática NOVA FORMA DE PENSAR A CIÊNCIA jornalismo, economia, informática, psicologia...

4 ANTIGO PARADIGMA Experiências clínicas individuais como construção do conhecimento. Mecanismos básicos da fisiopatologia das doenças, perícia, treinamento e senso comum como guias suficientes para a prática clínica.

5 ANTIGO PARADIGMA Esta é a forma como eu sempre fiz e deu certo... Foi assim que eu aprendi... Nas minhas mãos funciona... O Dr. Fulano, em um congresso, disse que funciona e recomendou...

6 ODONTOLOGIA BASEADA NA AUTORIDADE ODONTOLOGIA BASEADA NA MINHA EXPERIÊNCIA CLÍNICA

7 PRÁTICA CLÍNICA BASEADA NO JULGAMENTO DA QUALIDADE DO CONHECIMENTO EXISTENTE!

8

9 ODONTOLOGIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS Uso consciente, explícito e prudente da melhor evidência corrente para tomar decisões clínicas sobre o cuidado de pacientes individuais. (Lawrence, 1998)

10 ODONTOLOGIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS MELHOR EVIDÊNCIA DISPONÍVEL HABILIDADES CLÍNICAS DO PROFISSIONAL PREFERÊNCIAS E CRENÇAS DOS PACIENTES

11 Não é fácil ter uma prática baseada em evidências!!! Questionar a prática do dia-a-dia Estar aberto para mudanças Em saúde não existem verdades absolutas Desenvolver raciocínio crítico Avaliar adequadamente as mudanças

12 POR QUE LER CRITICAMENTE? Posicionamento frente a condutas divergentes Condicionamento ácido da polpa Amálgama versus Resina Composta Estabelecimento de protocolos clínicos Novos produtos comercializados Decisão sobre o que utilizar

13 COMO LER CRITICAMENTE Princípios básicos de pesquisa Diferentes tipos de estudo e o grau de evidência gerada por cada um deles Peculiaridades dos participantes dos estudos Cuidados na mensuração dos desfechos clínicos Estudos em animais e in vitro...

14 TERMINOLOGIA IN VITRO no laboratório IN VIVO em seres vivos (Drosophilla, em plantas, rato, macaco, humano IN SITU no local EX-VIVO feito no local, analisado no laboratório

15 PRINCÍPIOS BÁSICOS EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO Sorteio TODOS TÊM QUE TER A MESMA CHANCE Aleatoriedade Distribuir igualmente as características (variáveis) que podem influenciar nos desfechos

16 PRINCÍPIOS BÁSICOS EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO Randomização estratificada é um recurso a ser que facilita pesquisas com n menor blocos de fumantes, gênero, extensão de doença, tipo de dente, n não obrigatoriamente igual nos grupos Entrada consecutiva NÃO é randomização A forma de randomização DEVE ser escrita cara-coroa, tabela de números aleatórios, STROBE CONSORT COCHRANE

17 PRINCÍPIOS BÁSICOS EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO CEGAMENTO evita tendenciosidade Participantes não sabem a que grupo pertencem Pesquisadores não sabem sobre os participantes Não-cego Cego Duplo-cego Triplo-cego NÁO PODE SER CAOLHO pirata

18 PRINCÍPIOS BÁSICOS EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO CEGAMENTO - Nem sempre é possível cegar fumante, manchamento por clorexidina, material restaurador, presença de biofilme ESTRATÉGIA: examinador desconhece objetivos do estudo PACIENTE NÃO PODE SER ENGANADO

19 PRINCÍPIOS BÁSICOS EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO CEGAMENTO CALIBRAÇÃO - Evitar a variabilidade do(s) examinador(es) de um estudo UM ÚNICO EXAMINADOR MAIS DE UM EXAMINADOR

20 PRINCÍPIOS BÁSICOS EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO CEGAMENTO CALIBRAÇÃO Pré-experimental Trans-experimental - NÃO É PROCEDIMENTO PARA EXECUÇÃO DE PROCEDIMENTOS! - SEMELHANÇA COM O ESTUDO - APÓS APROVAÇÃO ÉTICA REPRODUTIBILIDADE NÃO É ETERNA

21 PRINCÍPIOS BÁSICOS EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO CEGAMENTO CALIBRAÇÃO - DEVE SER INFORMADA NO PROJETO E NO ARTIGO - PERCENTUAL DE CONCORDÂNCIA DESCONSIDERA O ACASO - KAPPA - COEFICIENTE DE CORRELAÇAO INTRA-CLASSE

22 PRINCÍPIOS BÁSICOS EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO CEGAMENTO CALIBRAÇÃO CONTROLE DE VIÉSES Viés é um erro!!! de Seleção: amostra de Aferição: nas medidas realizadas de Confusão: outros fatores envolvidos Sobreviventes saudáveis

23 PRINCÍPIOS BÁSICOS EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO CEGAMENTO CALIBRAÇÃO CONTROLE DE VIÉSES GRUPOS DE COMPARAÇÃO CONTROLE POSITIVO tratamento padrão CONTROLE NEGATIVO placebo, ausência de tratamento, cirurgia-sham n pode ser diferente Grupo referência

24 PRINCÍPIOS BÁSICOS EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO CEGAMENTO CALIBRAÇÃO CONTROLE DE VIÉSES GRUPOS DE COMPARAÇÃO DEFINIÇÃO DE PLACEBO inócuo, em tudo semelhante ao teste Ética: enquanto não se tem a evidência inequívoca, não é ético não pesquisar REGRAS DE PARADA CODIFICAÇÃO DIFERENTE PARA EVITAR ROMPIMENTO DO CEGAMENTO

25 PRINCÍPIOS BÁSICOS EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO CEGAMENTO CALIBRAÇÃO CONTROLE DE VIÉSES GRUPOS DE COMPARAÇÃO REPRESENTATIVIDADE DA AMOSTRA representar uma população analisar semelhanças com a população analisar não respondentes/evasão

26 PRINCÍPIOS BÁSICOS EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO CEGAMENTO CALIBRAÇÃO CONTROLE DE VIÉSES GRUPOS DE COMPARAÇÃO TAMANHO DA AMOSTRA cálculo de amostra (projeto) cálculo do poder (artigo) É POSSÍVEL FAZER SEMPRE! DEPENDE DA VARIABILIDADE E DA PREVALÊNCIA/SIGNIFICÂNCIA CLÍNICA

27 PRINCÍPIOS BÁSICOS EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO CEGAMENTO CALIBRAÇÃO CONTROLE DE VIÉSES GRUPOS DE COMPARAÇÃO REPRESENTATIVIDADE E TAMANHO DA AMOSTRA QUALIDADE DOS ESTUDOS

28 DELINEAMENTOS DE ESTUDOS

29 TIPOS DE ESTUDO OBSERVACIONAIS Transversais (prevalência, associação) Caso-controle (associação) Longitudinais Coorte (incidência, associação, prognóstico)

30 Estudos Transversais Exemplo Estudo para avaliar a associação entre tabaco (variável independente) e doença periodontal (desfecho).

31 TRANSVERSAL (Prevalência, Seccional, Corte transversal) Definição Estudo que determina a freqüência de ocorrência de doença ou outros eventos em um grupo ou população.

32 TRANSVERSAL Finalidades Determinar prevalências Identificar fatores associados Planejamento de serviços de saúde Diagnósticos comunitários

33 TRANSVERSAL Pergunta Qual a prevalência da doença? Quais os fatores associados à doença? Há associação entre exposição e doença? Expostos Não expostos Doentes Não doentes Masculino Feminino Com trauma Sem trauma

34 Medidas de ocorrência Prevalência Qual a prevalência de doença nas populações A e B? Pop. A Pop. B Saudável Doente

35 Estudos Transversais Amostra População Exposição Fumantes Não fumantes Doença Com doença periodontal Sem doença periodontal

36 CAUSALIDADE UMA DIFICULDADE NA ÁREA MÉDICA Estudos transversais não são para isso

37 PLAUSIBILIDADE AUMENTO DO NÚMERO DE CATÁLOGOS TELEFÔNICOS AUMENTO DE FRATURA DE CRISTA ILÍACA

38 PLAUSIBILIDADE AUMENTO DO NÚMERO DE CATÁLOGOS TELEFÔNICOS URBANIZAÇÃO AUMENTO DO NÚMERO DE CARROS AUMENTO DO NÚMERO DE ACIDENTES AUMENTO DO NÚMERO DE FRATURAS DE CRISTA ILÍACA

39 O PARADOXO SIMPSON (Baelum, 1998) TABELA 1 10 chapéus pretos 9 servem (90%) 20 chapéus cinza 17 servem (85%) TABELA 2 20 chapéus pretos 3 servem (15%) 10 chapéus cinza 1 serve (10%) TABELA 3 30 chapéus pretos 12 servem (40%) 30 chapéus cinza 18 servem (60%)

40 Estudos de Coorte Exemplo Estudo para avaliar a associação entre tabaco (variável independente) e câncer de pulmão (desfecho).

41 Estudos de Coorte Amostra População (sem doença) TEMPO Exposição Fumantes Não fumantes Doença Com câncer de pulmão Sem câncer de pulmão

42 Análises dos estudos Age

43 CASO-CONTROLE Estudo que se baseia no DESFECHO para selecionar casos e controles. NÃO É ENSAIO CLÍNICO COM GRUPO TESTE E CONTROLE. Indicado para situações raras Associa as exposições com o desfecho

44 RELAÇÃO TEMPORAL transversal caso-controle longitudinal passado presente futuro

45 EPIDEMIOLOGIA COMO INSTRUMENTO CLÍNICO ESTABELECIMENTO DE FATORES DE RISCO

46 FLUXOGRAMA PARA O ESTABELECIMENTO DE FATORES DE RISCO Associação entre o fator e o desfecho em estudo epidemiológico de qualidade Identificação do fator com o desfecho em estudos longitudinais Associação deve ter uma plausibilidade de acordo com o conhecimento vigente Adaptado de Beck,1998 e Genco, 1996

47 FLUXOGRAMA PARA O ESTABELECIMENTO DE FATORES DE RISCO Quando se controla o modelo para outros fatores, esse permanece associado Deve existir uma relação dose-resposta Estudos em diferentes populações, com metodologias diferenciadas e períodos de tempo distintos confirmam os resultados Adaptado de Beck,1998 e Genco, 1996

48 TIPOS DE ESTUDO EXPERIMENTAIS Estudos in vitro Estudos em animais Ensaios clínicos OS PRINCÍPIOS BÁSICOS DE PESQUISA DEVEM SER CONSIDERADOS INDEPENDENTE DO TIPO DE ESTUDO

49 ENSAIOS CLÍNICOS BRAÇO ÚNICO RANDOMIZADOS, QUASE- RANDOMIZADOS, NÃO RANDOMIZADOS COM GRUPO CONTROLE POSITIVO COM GRUPO CONTROLE NEGATIVO NÃO CEGO, CEGO, DUPLO-CEGO, TRIPLO-CEGO

50 QUAL O MELHOR DELINEAMENTO? O MAIS BEM FEITO

51 DELINEAMENTO EM PARALELO n maior Variabilidade inter-individual amostra recomendável

52 DELINEAMENTO CRUZADO n menor Minimiza variabilidade inter-individual amostra

53 DELINEAMENTO DE BOCA DIVIDIDA n menor Minimiza variáveis inter-individuais Quadrantes Arcadas Dentes Fêmurs Espaços no dorso do animal ESTATÍSTICA DEPENDENTE

54

55

56 Grau de evidência gerada TIPO DE ESTUDO Relatos ou séries de casos Transversais Caso-controle Gerar hipótese Testar hipótese grau X - X X Longitudinais Ensaios clínicos X X +

57 HIERARQUIA DA EVIDÊNCIA OPINIÃO DE ESPECIALISTAS RELATO DE CASOS SÉRIE DE CASOS ESTUDOS TRANSVERSAIS ESTUDOS DE CASO-CONTROLE ESTUDOS LONGITUDINAIS ENSAIOS CLÍNICOS SEM GRUPO CONTROLE ENSAIOS CLÍNICOS NÃO RANDOMIZADOS COM GRUPO CONTROLE ENSAIOS CLÍNICOS RANDOMIZADOS COM GRUPO CONTROLE REVISÕES SISTEMÁTICAS REVISÕES SISTEMÁTICAS COM META-ANÁLISE

58 TOMADA DE DECISÕES CLÍNICAS ESTUDOS IN VITRO - princípios a serem estudados - difícil aplicação direta - Sistemas Adesivos, Cimentos Endodônticos ESTUDOS EM ANIMAIS - etapa na criação do conhecimento - etiopatogenia das doenças cárie e periodontal - Man is not a giant rat! (Allmon, 1993)

59 Importância Modelo Experimental Animal A utilização de animais nos trabalhos experimentais de pesquisa científica tem sido de fundamental importância, não só pelos avanços que permite o conhecimento dos mecanismos dos processos vitais, mas também no aperfeiçoamento dos métodos de prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças.

60 Modelo Experimental Animal Por que usamos animais? Qualquer discussão a respeito do papel dos modelos animais em pesquisas biomédicas se inicia com algumas colocações básicas. A primeira, que é o principal objetivo dessas pesquisas, é entendermos a nós próprios seres humanos e dessa forma gerar benefícios tanto para a qualidade de vida como para a prevenção e tratamento de doenças. A segunda é que nós estamos nos estágios iniciais de uma revolução genética que está acelerando o andamento das descobertas. Para que a revolução genética forneça os avanços esperados para se progredir na condição humana é necessário a existência de animais experimentais adequados.

61 Modelo ideal Modelo Experimental Animal Existem três condições essenciais para que se tenha um modelo animal bem sucedido do ser humano. A primeira é a conservação evolutiva; o modelo deve ter sistemas genéticos e fisiológicos e um metabolismo que verdadeiramente se pareçam com as condições humanas. Segundo, ele deve ser um sistema tecnicamente conhecido e bem entendido, permitindo facilmente experimentos poderosos e diversificados. E, finalmente, ele deve ser praticamente exeqüível, barato e de fácil transporte de um laboratório para outro.

62 Modelos Animais mais Utilizados na Odontologia

63 PESQUISA IN VITRO E EM ANIMAIS DEMANDA MESMOS PRINCÍPIOS PECULIARIDADES n cálculo amostral cegamento, randomização, etc. MEV repetição dos experimentos (?)

64 TOMADA DE DECISÕES CLÍNICAS NEM TUDO QUE FUNCIONA NO LABORATÓRIO OU EM ANIMAIS IRÁ FUNCIONAR EM HUMANOS!!!

65 ASPECTOS FUNDAMENTAIS ESTATÍSTICA ADEQUADA ANALISES MODERNAS (intenção de tratar, modelos multi-variados, etc) ANÁLISE DE NÃO- RESPONDENTES/EVASÃO TUDO BEM DETERMINADO DESDE O PROJETO

66 ASPECTOS FUNDAMENTAIS MONITORAMENTO DE EFEITOS ADVERSOS PUBLICAR OS RESULTADOS QUE DÃO E QUE NÃO DÃO CERTO RECONHECER O PAPEL/RESPONSABILIDADE DO PESQUISADOR

67 OU A MELHOR EVIDÊNCIA DISPONÍVEL?!

68

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO. Randomização Cegamento Calibragem Controle de vieses Uso de grupos de comparação Representatividade da amostra

EM PESQUISA RANDOMIZAÇÃO. Randomização Cegamento Calibragem Controle de vieses Uso de grupos de comparação Representatividade da amostra PRINCÍPIOS PIOS BÁSICOS B EM PESQUISA Randomização Cegamento Calibragem Controle de vieses Uso de grupos de comparação Representatividade da amostra Princípios gerais válidos v para todas as formas de

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda.

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. Avaliação do risco de viés de ensaios clínicos randomizados pela ferramentada colaboração Cochrane Alan P. V. de Carvalho,

Leia mais

Declaração de conflito de interesse. Não existe conflito de interesse em relação a esta apresentação

Declaração de conflito de interesse. Não existe conflito de interesse em relação a esta apresentação Declaração de conflito de interesse Não existe conflito de interesse em relação a esta apresentação Perguntas que os pacientes fazem frequentemente Perguntas que os pacientes fazem frequentemente O que

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA E SAÚDE BUCAL UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO

EPIDEMIOLOGIA E SAÚDE BUCAL UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO EPIDEMIOLOGIA E SAÚDE BUCAL UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Organizamos esta unidade para orientá-lo na revisão dos conteúdos trabalhados ao longo da disciplina. Siga as orientações desta apresentação,

Leia mais

Ensaios Clínicos. Alexander R. Precioso

Ensaios Clínicos. Alexander R. Precioso Ensaios Clínicos Alexander R. Precioso Diretor da Divisão de Ensaios Clínicos e Farmacovigilância - Instituto Butantan Pesquisador do Instituto da Criança HC / FMUSP Introdução Os recentes desenvolvimentos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE Mariane Alves Gomes da Silva Eliana Zandonade 1. INTRODUÇÃO Um aspecto fundamental de um levantamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA DEPT FMR PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DO TRABALHO Profª Drª Vanusa Caiafa Caetano 2012 Desenhos de Pesquisa Porque

Leia mais

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida 2 Fase conceptual da investigação 2.1. Objectivos e perguntas de partida Investigação científica Deve iniciar-se com a formulação de um problema O objectivo da investigação é a solução desse problema.

Leia mais

Dr. Ronaldo Pilati - Psicologia Social - Universidade de Brasília 1

Dr. Ronaldo Pilati - Psicologia Social - Universidade de Brasília 1 Métodos de Pesquisa em Psicologia Social Psicologia Social como Ciência Empírica Universidade de Brasília 1 Método Científico O que é o método científico? A produção do conhecimento em ciência está associada

Leia mais

Estudos de Coorte: Definição

Estudos de Coorte: Definição Estudos de Coorte: Definição São estudos observacionais onde os indivíduos são classificados (ou selecionados) segundo o status de exposição, sendo seguidos para avaliar a incidência de doença. São conduzidos

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS EM DANT. Iná S.Santos Univ. Fed. Pelotas

EPIDEMIOLOGIA E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS EM DANT. Iná S.Santos Univ. Fed. Pelotas EPIDEMIOLOGIA E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS EM DANT Iná S.Santos Univ. Fed. Pelotas DESAFIOS EM AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS Aceitar que ensaios randomizados não são os delineamentos de primeira

Leia mais

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento Epidemiologia Profa. Heloisa Nascimento Medidas de efeito e medidas de associação -Um dos objetivos da pesquisa epidemiológica é o reconhecimento de uma relação causal entre uma particular exposição (fator

Leia mais

A influência do cuidado préoperatório. para prevenir infecções. Antonio Tadeu Fernandes (total ausência de conflito de interesses)

A influência do cuidado préoperatório. para prevenir infecções. Antonio Tadeu Fernandes (total ausência de conflito de interesses) A influência do cuidado préoperatório e pós operatório para prevenir infecções Antonio Tadeu Fernandes (total ausência de conflito de interesses) Prática Baseada em Evidências Uso consciente, explícito

Leia mais

Metodologia em Estudos Clínicos

Metodologia em Estudos Clínicos Metodologia em Estudos Clínicos Gabriela Stangenhaus Livre Docente - USP Prof. Adjunto - UNICAMP Pesquisa Científica e Estudos Clínicos Pesquisa Científica Aquisição de novo conhecimento Pesquisa Científica

Leia mais

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial A. Introdução Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial Princípios éticos para as pesquisas médicas em seres humanos Adotado pela 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinque, Finlândia, junho do 1964

Leia mais

Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes

Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes Alexandre V. Schwarzbold Departamento de Clínica Médica Coordenação do Ambulatório de HIV/AIDS Simpósio Internacional de Ética em Investigação Fevereiro de 2008 Apresentação

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014 PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA 09/abril de 2014 Considerações Estatísticas para Planejamento e Publicação 1 Circularidade do Método

Leia mais

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins Noções de Pesquisa e Amostragem André C. R. Martins 1 Bibliografia Silva, N. N., Amostragem probabilística, EDUSP. Freedman, D., Pisani, R. e Purves, R., Statistics, Norton. Tamhane, A. C., Dunlop, D.

Leia mais

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade MEB Epidemiologia IV Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia e Bioestatística

Leia mais

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 Eixos longitudinais, conteúdos e objetivos cognitivos psicomotores Eixos transversais, objetivos Per. 1º Ano eixo integrador: O CORPO HUMANO CH INT. COMUM. HAB.

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ Elaboração e Leitura crítica de artigos científicos www.contemporaneo.com.br Artigos científicos Seria correto se todos os artigos publicados fossem cientificamente

Leia mais

Estudos Epidemiológicos. José de Lima Oliveira Júnior

Estudos Epidemiológicos. José de Lima Oliveira Júnior Estudos Epidemiológicos José de Lima Oliveira Júnior Estudos Epidemiológicos Para se conhecer melhor a saúde de uma população, os fatores que a determinam, a evolução do processo da doença e o impacto

Leia mais

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Comitê de Ética em Pesquisa Universidade de Caxias do Sul Sumário da Reunião de Educação Continuada sobre Ética em Pesquisa realizada

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd Conselho Universitário - CONSUNI Câmara de Ensino Curso de Graduação em Odontologia da UNIPLAC Quadro de Equivalência para Fins de Aproveitamento de Estudos entre duas Estruturas Curriculares Modulares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO Curso: FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO Prof MallisonVasconcelos Disciplina: 1614162 Tópicos Especiais em Fisioterapia:

Leia mais

Capítulo 1. Introdução a Cochrane. Nome é homenagem ao epidemiologista Archie Cochrane

Capítulo 1. Introdução a Cochrane. Nome é homenagem ao epidemiologista Archie Cochrane Capítulo 1 Introdução a Cochrane Nome é homenagem ao epidemiologista Archie Cochrane Objetivo Ajudar na tomada de decisão sobre à saúde preparando, mantendo e promovendo revisões sistemáticas. Ciência

Leia mais

Como calcular a amostra na pesquisa odontológica?

Como calcular a amostra na pesquisa odontológica? Como calcular a amostra na pesquisa odontológica? Mauro Henrique Nogueira Guimarães de Abreu Universidade Federal de Minas Gerais 2010 Referências 1. Babbie, E. Métodos de pesquisa de survey. Belo Horizonte:

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE 1º período Saúde, Trabalho e Meio- Ambiente I 150 10 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE Identificação da relação entre os modos de viver e o processo

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos Adotado da 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinki, Finlândia, Junho 1964 e emendas da

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Econometria de Avaliação de Políticas Públicas

Econometria de Avaliação de Políticas Públicas Econometria de Avaliação de Políticas Públicas Dados microeconômicos Prof. Cristine Xavier, Flavia Chein e Mônica Viegas CEDEPLAR/UFMG 2/2009 CEDEPLAR/UFMG (Institute) Avaliação de Politicas Públicas 2/2009

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

IV Prova de Epidemiologia e Bioestatística. Aluno:

IV Prova de Epidemiologia e Bioestatística. Aluno: IV Prova de Epidemiologia e Bioestatística Aluno: Questão 1. Em Julho de 2014 uma colônia de férias com de crianças de 10 a 13 anos detectou o aparecimento de uma doença viral. No início havia 50 crianças

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

Epidemiologia Veterinária: Introdução

Epidemiologia Veterinária: Introdução Epidemiologia Veterinária: Introdução Vítor Salvador Picão Gonçalves Universidade de Brasília Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Laboratório de Epidemiologia Veterinária - EpiPlan Questões abordadas

Leia mais

EVENTOS EM POPULAÇÕES DESENHOS DE ESTUDO PARA AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES EM DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS IMPLICAÇÕES DA DEPENDÊNCIA ENTRE EVENTOS

EVENTOS EM POPULAÇÕES DESENHOS DE ESTUDO PARA AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES EM DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS IMPLICAÇÕES DA DEPENDÊNCIA ENTRE EVENTOS EVENTOS EM POPULAÇÕES DESENHOS DE ESTUDO PARA AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES EM DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS Independentes Incidência em um indivíduo não depende da prevalência na população Dependentes Incidência

Leia mais

Problematização. Processo

Problematização. Processo Determinantes socioambientais em saúde bucal e estratégias de Promoção da Saúde 1 Problematização Serviços de saúde [e sua expressão humana, ou seja, os profissionais de saúde] não são potentes o suficiente

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA CAUSALIDADE. Programa de Pós P. Mario Vianna Vettore

EPIDEMIOLOGIA CAUSALIDADE. Programa de Pós P. Mario Vianna Vettore Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós P s Graduação em Saúde Coletiva EPIDEMIOLOGIA CAUSALIDADE Mario Vianna Vettore ASSOCIAÇÃO & CAUSALIDADE Tópicos da aula Teste de hipóteses e associação

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM Jussara Rafael Angelo São José dos Campos 30 de Junho de 2011 CONCEITOS BÁSICOS EM Concepção do processo saúde doença Tipos de estudo Intervenção Seccional Coorte Caso-controle Ecológico

Leia mais

O fumo e a saúde: uma atualização

O fumo e a saúde: uma atualização O fumo e a saúde: uma atualização Jonathan M. Samet, MD, MS Diretor do Instituto para Saúde Mental da USC (USC Institute for Global Health) Professor e Presidente do Flora L. Thornton, Departamento de

Leia mais

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 R1 CIT Vinícius Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 Prolongamento na sobrevida em pacientes com Câncer avançado não-pequenas células (CPNPC) Recentemente, 2 estudos randomizados,

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA Estrutura do Projeto de Pesquisa CAPA FOLHA DE ROSTO SUMÁRIO 1. RESUMO 2. PROBLEMA DE PESQUISA OU INTRODUÇÃO 3. REFERENCIAL TEÓRICO (REVISÃO DE

Leia mais

Conceitos e Princípios Básicos da Experimentação

Conceitos e Princípios Básicos da Experimentação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO EXPERIMENTAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO Conceitos e Princípios Básicos da Experimentação Mestranda:

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL/ FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE CARDIOLOGIA U N I D A D E DE P E S Q U I S A Reconhecida pelo Ministério da Saúde / Conselho Nacional de Saúde conforme Of/GAB/CNS/MS/Nº

Leia mais

Introdução. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner

Introdução. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner Introdução Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LUIZ, RR., and STRUCHINER, CJ. Inferência causal em epidemiologia: o modelo de respostas potenciais [online].

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSORA: CYNTHIA BARBOSA FIRMINO PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSORA: CYNTHIA BARBOSA FIRMINO PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSORA: CYNTHIA BARBOSA FIRMINO PLANO DE ENSINO FUNÇÃO: Gestão em saúde SUBFUNÇÃO: Controle de qualidade

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Profª Cristina Lacerda Soares Petrarolha Silva Questionário Muito comum na época das pesquisas eleitorais Existem regras para se fazer pesquisa na forma de questionários. Um exemplo: 1- Quando se faz

Leia mais

O cuidado integral para a saúde do idoso. Renato P. Veras

O cuidado integral para a saúde do idoso. Renato P. Veras O cuidado integral para a saúde do idoso Renato P. Veras Médico, formado pela UFRJ. Renato P. Veras veras@uerj.br www.unati.uerj.br Residência Médica, Especialização, MBA, e Mestrado Doutorado, no Guy

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

TEMA 2 DELINEAMENTO DA PESQUISA

TEMA 2 DELINEAMENTO DA PESQUISA TEMA 2 CRÉDITOS Reitor José Carlos Pettorossi Imparato Pró-Reitora de Graduação e Extensão Elaine Marcílio Santos Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa Renato Amaro Zangaro Pró-Reitor Administrativo

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia. Escola Secundária de Valongo. As Professoras:

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia. Escola Secundária de Valongo. As Professoras: Escola Secundária de Valongo Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia As Professoras: Cláudia Rocha Fátima Garcia Tema Organizador: Viver Melhor na Terra 1º PERÍODO

Leia mais

Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades

Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades , URL: http://www.ecmal.br/metodologia Página 1 de 5 Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades A iniciação científica é um instrumento que permite introduzir os estudantes de graduação

Leia mais

1ª. Submissão 2ª. Submissão. Título do Projeto: Pesquisador (a): Orientador (a): Contato do pesquisador (a): Fones ( E-mail:

1ª. Submissão 2ª. Submissão. Título do Projeto: Pesquisador (a): Orientador (a): Contato do pesquisador (a): Fones ( E-mail: Protocolo nº Data de Entrega / / 1ª. Submissão 2ª. Submissão Título do Projeto: Pesquisador (a): Contato do pesquisador (a): Fones ( ) E-mail: - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Estudo de caso: Campanhas por telefone para incentivar a vacinação de crianças: Elas são eficazes?

Estudo de caso: Campanhas por telefone para incentivar a vacinação de crianças: Elas são eficazes? Estudo de caso: Campanhas por telefone para incentivar a vacinação de crianças: Elas são eficazes? Este estudo de caso baseia-se em Comparing experimental and matching methods using a field experiment

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA-FORMAÇÃO ODONTÓLOGO

CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA-FORMAÇÃO ODONTÓLOGO CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA-FORMAÇÃO ODONTÓLOGO E-mail: odontologia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 228 Objetivos do Curso Formar Odontólogo para atuar em todos os níveis de atenção

Leia mais

Tratamentos estéticos sob suspeita

Tratamentos estéticos sob suspeita Tratamentos estéticos sob suspeita Não há estudos científicos consistentes que comprovem a eficácia de técnicas populares, como carboxiterapia, alertam especialistas 17 de julho de 2011 0h 00 Karina Toledo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 Define o currículo do Curso de Graduação em Odontologia. O REITOR

Leia mais

A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa

A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa M. Fátima Reis Unidade de Saúde Ambiental 1 ESTRUTURA 1. Enquadramento 2. Vigilância Epidemiológica Fundamentação Componentes

Leia mais

ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO

ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO 207 ANEXO 2 Em vigilância e em investigações de surtos, como em várias outras aplicações da epidemiologia, é importante conhecer os conceitos e aplicações

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS

PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS USO EXCLUSIVO DA COMISSÃO PROTOCOLO N o RECEBIDO EM: / / 1. Finalidade: [ ] Ensino [ ] Pesquisa [ ] Treinamento 2. Data: Início / / Término / / 3. Docente/ Pesquisador Responsável:

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Profª Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva email: alcione.miranda@gmail.com Introdução O primeiro passo

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Daniela Riva Knauth Departamento de Medicina Social PPG Antropologia e Epidemiologia UFRGS Pesquisa qualitativa Crítica ao Positivismo Todo

Leia mais

Ciência em Animais de Laboratório

Ciência em Animais de Laboratório 02/10/2012 Ciência em Animais de Laboratório Marcel Frajblat Universidade Federal do Rio de Janeiro Ciência em Animais de Laboratório 1 I Educação, bioética, legislação e biossegurança em animais de laboratório:

Leia mais

Agenda de hoje. Rever 2 conceitos Definição estudos observacionais Quais são estudos observacionais. Exemplos

Agenda de hoje. Rever 2 conceitos Definição estudos observacionais Quais são estudos observacionais. Exemplos Delineamento de estudos observacionais I e II Flávio E. Hirai Médico Assistente Departamento de Oftalmologia Universidade Federal de São Paulo Mestre em Saúde Pública e PhD em Epidemiologia Johns Hopkins

Leia mais

Ensaios Clínicos. Introdução ao planeamento e análise

Ensaios Clínicos. Introdução ao planeamento e análise Ensaios Clínicos Introdução ao planeamento e análise Estudos Interventivos Experiência feita com um grupo de pacientes com características totalmente controladas pelo investigador. Estudos Comunitários

Leia mais

Pesquisa experimental

Pesquisa experimental 1 Aula 7 Interação Humano-Computador (com foco em métodos de pesquisa) Prof. Dr. Osvaldo Luiz de Oliveira 2 Pesquisa experimental Wilhelm Wundt (1832-1920), Pai da Psicologia Experimental. Leituras obrigatórias:

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Técnicas de Pesquisas Experimentais LUIS HENRIQUE STOCCO MARCIO TENÓRIO SANDRA MARCHI Introdução O Planejamento de Experimentos (Design of Experiments, DoE), técnica utilizada

Leia mais

Seminário Métodos em Epidemiologia: ESTUDOS DE COORTE

Seminário Métodos em Epidemiologia: ESTUDOS DE COORTE Seminário Métodos em Epidemiologia: ESTUDOS DE COORTE Cesar Victora, UFPEL Rio, agosto de 25 Tópicos Tipologia e exemplos de coortes Coortes de Pelotas Metodologia Análise Por que fazer coortes no Brasil?

Leia mais

A ESTATÍSTICA. Mas enfim, o que é Estatística?

A ESTATÍSTICA. Mas enfim, o que é Estatística? A ESTATÍSTICA A Estatística é uma ferramenta indispensável para qualquer profissional que precisa analisar informações, tomar decisões no trabalho ou mesmo na vida pessoal. Muitas vezes, essas decisões

Leia mais

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Capítulo 1 PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Boas práticas de laboratório Maria de Fátima da Costa Almeida Doutora em Fisiologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e mestre em

Leia mais

UNIFESP Virtual - DIS

UNIFESP Virtual - DIS UNIFESP Virtual - DIS UNIFESP Virtual Avaliação 2003 http://www.virtual.unifesp.br Com o crescimento explosivo da Internet, da comunicação e do reconhecimento do potencial da rede em atuar na globalização

Leia mais

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL Protocolo Nº: 002-S. Unidade(s) de aprendizagem ou disciplina de referência: Diagnóstico Bucal ( Unidade de Aprendizagem); Patologia Buco Dental e Estomatologia I e II ( disciplina de referência) Ementa:

Leia mais

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS Ana M.B. Menezes 1 e Iná da S. dos Santos 2 1 Prof a Titular de Pneumologia Faculdade de Medicina UFPEL 1 Presidente da Comissão de Epidemiologia da SBPT

Leia mais

Método epidemiológico

Método epidemiológico Método epidemiológico Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 14/4/2014 17:47 1 Problema comum: causalidade Epidemiologia social determinantes sociais do processo saúde-doença Epidemiologia clínica (fatores de

Leia mais

Término Previsto: ---/---/-----

Término Previsto: ---/---/----- UNIVERSIDADE CAMILO CASTELO BRANCO CEUA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS PROTOCOLO N o. (Para uso exclusivo da CEUA) 1. FORMULÁRIO DE ENCAMINHAMENTO PARA PESQUISA ENVOLVENDO ANIMAIS Curso: Campus: Título

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ANÁLISE DE BANCO DE DADOS E ARTIGOS CIENTÍFICOS EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL FEMININO

ORGANIZAÇÃO E ANÁLISE DE BANCO DE DADOS E ARTIGOS CIENTÍFICOS EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL FEMININO ORGANIZAÇÃO E ANÁLISE DE BANCO DE DADOS E ARTIGOS CIENTÍFICOS EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL FEMININO Identificação Disciplina: Organização e Análise de Banco de Dados e Artigos Científicos em Patologia

Leia mais

Aula Inaugural 2005. Perspectivas Profissionais na Informática Biomédica Como ser um líder em sua profissão

Aula Inaugural 2005. Perspectivas Profissionais na Informática Biomédica Como ser um líder em sua profissão Aula Inaugural 2005 Perspectivas Profissionais na Informática Biomédica Como ser um líder em sua profissão Algumas perguntinhas que você deve estar se fazendo... O que eu estou fazendo aqui? O que é mesmo

Leia mais

INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira

INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Epi-INFO Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira No nosso exercício, vamos investigar um surto de gastroenterite aguda ocorrido após um jantar. Vamos

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS

ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS Gabriela Rodrigues A expressão é correntemente utilizada nas Ciências Sociais, particularmente entre a Antropologia e a Sociologia, e refere-se a um conjunto de técnicas de

Leia mais

Unidade de Pesquisa Clínica

Unidade de Pesquisa Clínica Unidade de Pesquisa Clínica A EQUIVALÊNCIA FARMACÊUTICA NO CONTEXTO DA INTERCAMBIALIDADE ENTRE MEDICAMENTOS GENÉRICOS E DE : BASES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS abril/04 SÍLVIA STORPIRTIS1,2; RAQUEL MARCOLONGO1;

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1 Portaria Credenciamento IES: Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01. Portaria Autorização Administração : Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01 Portaria Reconhecimento Administração : Portaria 3.519 D.O.U.14/10/05. Portaria

Leia mais