ANAIS. 2. A entrevista em profundidade na pesquisa qualitativa em Administração: considerações iniciais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS. 2. A entrevista em profundidade na pesquisa qualitativa em Administração: considerações iniciais"

Transcrição

1 ENTREVISTAS EM PROFUNDIDADE NA PESQUISA QUALITATIVA EM ADMINISTRAÇÃO: PISTAS TEÓRICAS E METODOLÓGICAS VERÔNICA MACÁRIO DE OLIVEIRA ( ) UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE MARIA DE FÁTIMA MARTINS ( ) UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE ANA CECÍLIA FEITOSA VASCONCELOS ( ) UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Resumo Recentemente, as entrevistas em profundidade têm atraído interesses de pesquisadores sociais, como método de coleta de dados, incluindo o campo da Administração. O objetivo deste artigo é apresentar apontamentos teóricos e metodológicos sobre o uso de entrevistas em profundidade na pesquisa qualitativa em Administração, considerando sua importância para obter informações sobre realidades sociais e contribuir para o aprimoramento do conhecimento nesta área. A metodologia deste estudo consiste de uma revisão bibliográfica de natureza exploratória. O uso da entrevista em profundidade ultrapassa as questões técnicas e, dependendo do fenômeno investigado e do problema de pesquisa, pode se caracterizar como principal caminho de coleta de dados. Palavras-chave: Pesquisa Qualitativa; Administração; Entrevistas em profundidade. 1. Introdução Durante muitos anos, a discussão metodológica da pesquisa qualitativa girou em torno da observação como o principal método de coleta de dados. Mais recentemente, são as entrevistas que têm atraído interesses e passaram a ser amplamente utilizadas nas pesquisas. As entrevistas em profundidade são aquelas que apresentam uma maior flexibilidade, permitindo ao entrevistado construir suas respostas sem ficar preso a um nível mais rigoroso de diretividade e mediação por parte do entrevistador, como acontece no caso do uso de questionário ou de uma entrevista totalmente estruturada. O uso de entrevistas em profundidade na pesquisa qualitativa deve ser apreciado e valorizado, considerando a riqueza de informações que podem ser obtidas e a possibilidade de ampliar o entendimento dos objetos investigados através da interação entre entrevistados e entrevistador, mas enfatizamos que a definição do método de pesquisa que deverá ser utilizado depende da natureza do objeto investigado, do problema de pesquisa e da abordagem paradigmática que guia o pesquisador. A área de Administração é considerada como multiparadigmática (LEÃO et al, 2009), de modo que a busca por compreender grande parte dos fenômenos organizacionais, atualmente, exige em vez de um conhecimento objetivo e explicativo, métodos que visam à obtenção de um conhecimento intersubjetivo e compreensivo (GODOI et al, 2010). É nesse sentido, que emerge a necessidade do uso de métodos qualitativos nas pesquisas em 1/12

2 Administração, que possam ser utilizados de forma exclusiva ou fazendo triangulação de métodos na realização de estudos organizacionais, com o intuito de enriquecer o conhecimento gerado. Mattos (2010) enfatiza que a entrevista em profundidade tem sido cada vez mais utilizada na pesquisa em Administração, considerando a inadequação da metodologia quantitativa à área, uma vez que muitos dos problemas e fenômenos das relações que permeiam as organizações escapam ao pesquisador quando expresso em números e estatísticas. Poupart (2008) ressalta que há ambiguidade ligada ao uso desse tipo de entrevista, a qual, por um lado, se constitui como uma porta de acesso às realidades sociais e, por outro, essas realidades sociais não se deixam facilmente apreender, sendo transmitidas através do jogo e das questões das interações sociais que a entrevista necessariamente implica, bem como do jogo complexo das múltiplas interpretações produzidas pelos discursos. Os argumentos que defendem o uso da entrevista como método de coleta de dados na pesquisa qualitativa se referem, principalmente, à exploração dos pontos de vistas dos atores sociais inseridos nos contextos de investigação, elementos essenciais ao conhecimento e à compreensão da realidade social. Por outro lado, as críticas circundam em torno do fato da entrevista ser um processo de interação social, o que pode acabar influenciando os entrevistados com a visão que o entrevistador possui dos fenômenos investigados. Nessa perspectiva, Flick (2009) justifica que o aumento no interesse pelo uso da entrevista aberta como método de coleta de dados na pesquisa qualitativa está associado à expectativa de que é mais provável que os pontos de vistas dos sujeitos entrevistados sejam expressos em uma situação de entrevista com um planejamento aberto do que em uma entrevista padronizada ou em um questionário. Por outro lado, Poupart (2008) discute argumentos de ordem epistemológica, éticopolítica e metodológica, como as justificativas habitualmente alegadas pelos pesquisadores para recorrer à entrevista do tipo qualitativo, a saber: 1) a análise das realidades sociais segundo a perspectiva dos atores sociais, considerada indispensável para uma exata apreensão e compreensão das condutas sociais; 2) denunciar os preconceitos, as práticas discriminatórias e as iniqüidades, porque abre a possibilidade de compreender e conhecer internamente os dilemas e questões enfrentadas pelos atores sociais; 3) e, por ser uma ferramenta de informação sobre as entidades sociais, capaz de elucidar as realidades sociais, mas, principalmente, por ser um instrumento privilegiado de exploração da experiência dos atores sociais. Embasado nestas considerações, este artigo tem como objetivo apresentar alguns apontamentos teóricos e metodológicos sobre o uso de entrevistas em profundidade como instrumento de coleta de dados na pesquisa qualitativa em Administração, considerando a sua importância para obter informações sobre realidades sociais e contribuir para o aprimoramento do conhecimento nesta área de investigação. A metodologia utilizada para realização deste estudo consiste de uma revisão bibliográfica de natureza exploratória que permite fazer o levantamento dos aspectos teóricos e metodológicos necessários ao alcance do objetivo estabelecido. Para tanto, iniciamos este artigo com algumas considerações teóricas e metodológicas sobre o uso da entrevista na pesquisa qualitativa em Administração. Em seguida, apresentamos os tipos de entrevista em profundidade utilizadas na pesquisa qualitativa e o papel que estas desempenham no método científico. No terceiro momento, 2/12

3 discutimos as vantagens e desvantagens do uso de entrevistas em profundidade como método de coleta de dados e, por fim, apresentamos as considerações finais. 2. A entrevista em profundidade na pesquisa qualitativa em Administração: considerações iniciais Os estudos organizacionais vivenciam um momento em que a multiplicidade de abordagens permite a análise de vários fenômenos dentro de várias perspectivas. Silva e Neto (2010) afirmam que as ciências sociais aplicadas aos estudos organizacionais fazem emergir debates e embates entre pesquisadores em torno dos melhores métodos para compreender um fenômeno social aplicado. Desta forma, é preciso adotar métodos de pesquisas flexíveis, que permitam uma compreensão maior da riqueza dos fenômenos sociais inseridos nos contextos organizacionais, oferecendo uma perspectiva plural do fenômeno organizacional que permita ampliar o conhecimento nesse campo de investigação. Godoi e Balsini (2010) ressaltam que a ênfase da pesquisa qualitativa é interpretar os significados e as intenções do atores sociais investigados, de modo que os dados são representações dos atos e das expressões humanas, o que exige a imersão do pesquisador no contexto que será analisado. Desse modo, no caso de estudos organizacionais qualitativos, o objetivo de usar a entrevista em profundidade como método de coleta de dados é abordar a complexidade organizacional e das relações que a permeiam, a partir do ponto de vista subjetivo dos atores sociais envolvidos nesse contexto. As entrevistas em profundidade são mais adequadas onde há pouco conhecimento sobre o fenômeno estudado ou onde percepções detalhadas são necessárias a partir de pontos de vistas individuais. Elas também são particularmente apropriadas para explorar temas sensíveis, sobre os quais os participantes podem não querer falar em um ambiente de grupo. Haguette (1997) define a entrevista como um processo de interação social entre duas pessoas na qual uma delas, o entrevistador, tem por objetivo a obtenção de informações por parte do outro, o entrevistado. Neste sentido, enfatizamos que a entrevista é utilizada para coletar dados essencialmente subjetivos, os quais se relacionam com os valores, às atitudes e às opiniões dos sujeitos entrevistados, enquanto que dados objetivos podem ser coletados a partir de diversas outras fontes. Poupart (2008) afirma que a entrevista sempre foi considerada como um meio adequado para levar uma pessoa a dizer o que pensa, a descrever o que viveu ou o que viu, ou aquilo que foi testemunha, de modo que uma boa entrevista deveria permitir que o entrevistado se reporte satisfatoriamente, e que aquilo que ele diz seja considerado, segundo as posições epistemológicas dos pesquisadores, como uma história verdadeira, uma reconstrução da realidade ou uma mera encenação da mesma. Nesse contexto, o autor apresenta alguns princípios que são, em geral, tidos como adquiridos e, de fato, comumente alegados com o objetivo de fazer com que o entrevistado possa verdadeiramente dar conta de sua visão ou de sua experiência na situação de entrevista, os quais são descritos na Figura 1. Princípio Obter a colaboração do entrevistado Descrição O entrevistado deve aceitar verdadeiramente cooperar, jogar o jogo, não apenas consentindo na entrevista, mas também dizendo o que pensa, no decorrer da mesma, o que requer várias negociações que podem ocorrer antes ou durante a entrevista. 3/12

4 Colocar o entrevistado à vontade por elementos de encenação Ganhar a confiança do entrevistado Levar o entrevistado a tomar a iniciativa do relato e a se envolver ANAIS O pesquisador deve tentar reconfortar ser interlocutor, partindo da ideia de que quanto mais ele ficar à vontade, mais ele falará com facilidade e abordará questões que lhes são significativas. O entrevistado deve se sentir suficientemente confiante para aceitar verdadeiramente falar, de modo que os pesquisadores devem tranquilizá-los quanto às suas boas intenções e quanto ao uso que será feito de suas palavras. Quanto mais o discurso do entrevistado for espontâneo, menos ele poderá ser maculado pelo pesquisador, permitindo assim a aproximação ao ideal pesquisado, de um discurso verdadeiro. O discurso mais significativo é aquele no qual o entrevistado se refere o mais próximo possível à sua própria vivência, ou seja, quando se envolve mais. Figura 1: Princípios adotados na entrevista como método de coleta de dados na pesquisa qualitativa Fonte: Elaboração própria com base em Poupart (2008) O autor aborda, na sequência, as principais estratégias que podem ser utilizada para alcançar tais princípios. As estratégias que os entrevistadores recorrerem para levar as pessoas solicitadas a colaborar na pesquisa são: convencê-las do interesse e da utilidade da investigação; intervir na rede social e se apoiar em laços de reciprocidade, como por exemplo, as considerações de amizade, familiares ou profissionais. Na falta destes laços, alguns pesquisadores tentam criá-los, fazendo-se aceitar no meio pesquisado, ou estabelecendo relações de amizade com membros da comunidade; caso as condições não os permitam criar tais laços, os entrevistados tentarão estabelecê-los durante a entrevista, através de atitudes como a escuta e a empatia; por último, não é raro que os entrevistadores apelem para a autoridade de um terceiro, para convencer eventuais entrevistados a participarem da entrevista. Essas várias estratégias suscitam um conjunto de questões éticas sobre as abordagens que podem ser aceitas para obter a colaboração dos entrevistados e para a existência de uma reciprocidade autêntica entre os entrevistadores e entrevistados. Para colocar os entrevistados à vontade, os pesquisadores devem intervir de forma mais ou menos consciente, o que Poupart (2008) diz que poderia ser denominado de elementos de encenação da entrevista, segundo a fórmula de Goffman (1973), cujo sucesso e margem de manobra dependem das situações e das pessoas entrevistadas, de modo que se aconselha que os entrevistadores façam o máximo para criar um ambiente e contexto favoráveis à entrevista. Dentre esses elementos, podem ser destacados: a escolha do momento mais propício à entrevista; encontrar o lugar mais favorável ao adequado desenvolvimento das entrevistas; usar técnicas para reduzir os efeitos possivelmente negativos dos instrumentos de registro das entrevistas, para que os entrevistados se esqueçam de sua presença, além de adotar uma indumentária adaptada às circunstâncias de entrevista. Na busca pela confiança dos entrevistados, os pesquisadores recorrem às seguintes estratégias: garantir aos entrevistados o anonimato, de modo que eles não tenham que temer pelas eventuais consequências de seus depoimentos; tentar convencê-los de sua neutralidade no processo de investigação; buscar aplacar os receios quanto à utilização que será feita de suas falas, assegurando-lhes que estas serão apresentadas corretamente e de forma anônima; além do uso da empatia, da escuta e do interesse no momento da entrevista e de utilizar regras elementares de sociabilidade, com base nas convenções sociais. Por fim, as estratégias utilizadas para facilitar a espontaneidade do entrevistado são: evitar interrompê-lo enquanto ele fala; respeitar os momentos de silêncios, de modo que ele possa encadear as ideias por si 4/12

5 mesmo, se necessário; e utilizar técnicas de reformulação com o objetivo de lhe explicitar ou esclarecer os temas abordados. Um aspecto que merece destaque é ressaltado por Atkinson e Coffey (2002) quando afirmam que é necessário dissociar o uso da entrevista do mito de inferioridade, associado a uma visão romântica do ator social investigado, em relação às demais técnicas de coleta de dados, mas considerá-la como uma forma igualmente válida de captar os entendimentos e as representações culturais compartilhadas do mundo social. Desta forma, ao projetar uma entrevista, é essencial fazer perguntas que são susceptíveis de produzir o máximo de informações possíveis sobre o fenômeno investigado, bem como, ser capaz de abordar as metas e objetivos da pesquisa. Nessa perspectiva, em uma entrevista qualitativa, boas perguntas devem ser abertas, neutras, sensíveis e compreensíveis (ou seja, exigem mais do que respostas do tipo sim/não). Assim, é aconselhado começar com as perguntas que os participantes possam responder com maior facilidade e, então, prosseguir com tópicos mais difíceis ou sensíveis. Isso pode viabilizar para que os entrevistados se coloquem à vontade, construam confiança e relacionamento e, muitas vezes gerem dados ricos, no desenvolvimento da entrevista (GILL et al, 2008). Godoi e Mattos (2010) ressaltam que a condução do entrevistado por certas trilhas não implica a previsibilidade da conversação, de modo que o conteúdo conversacional permanece imprevisível e submetido às regras não fixadas de formação de sentido e interpretação, mesmo que o movimento da conversação seja repetitivo e até redundante. Observamos, portanto, que a entrevista em profundidade não permanece presa às regras técnicas preestabelecidas, mas apresenta-se como um método flexível de coleta de dados que pode ser ajustado no momento em que a entrevista está ocorrendo para se adequar as necessidades do problema investigado. A partir dessas considerações iniciais abordamos, na sequência, o uso da entrevista em profundidade na pesquisa qualitativa em Administração. 2.1 O uso de entrevistas em profundidade na pesquisa qualitativa em Administração Como vimos, as entrevistas em profundidade são aquelas que apresentam uma maior flexibilidade, permitindo ao entrevistado construir suas respostas sem ficar preso a um nível mais rigoroso de diretividade e mediação por parte do entrevistador, como acontece no caso do uso de questionário ou de uma entrevista totalmente estruturada. Desse modo, neste artigo, consideramos como entrevistas em profundidade os tipos de entrevistas individuais que se classificam como não estruturadas ou semiestruturadas, que permitem um maior aprofundamento nas questões de pesquisa investigadas. Godoi e Mattos (2010) afirmam que é na década de 1930 que a entrevista começa a ser utilizada amplamente pelas ciências sociais nas tarefas de investigação e que estas, formalmente reconhecidas como tal, se diferenciam de algumas conversações da vida cotidiana porque há uma expectativa explícita na participação do entrevistado e do entrevistador que é um falar e o outro escutar, porque o entrevistador anima constantemente o entrevistado a falar, sem contradizê-lo e, por último, porque aos olhos do entrevistado, o encarregado de organizar e manter a conversação é o entrevistador, o que cria uma ilusão de fácil comunicação que faz parecer breve as sessões prolongadas. Mattos (2010) considerada que a entrevista não estruturada ou semiestruturada é uma forma especial de conversação, de modo que, em tal interação lingüística, não é possível 5/12

6 ignorar o efeito da presença e das situações criadas por uma das partes (o entrevistador) sobre a expressão da outra (o entrevistado) e que há sempre um significado de ação para além do significado temático da conversação. O propósito de utilizar a entrevista como método de coleta de dados na pesquisa qualitativa em Administração é explorar os pontos de vista, experiências, crenças e/ou motivações dos indivíduos sobre questões específicas no campo organizacional, atendendo principalmente a finalidades exploratórias, ao abordar experiências e pontos de vistas dos atores inseridos nestes contextos. Gill et al (2008) enfatizam que, de um modo geral, existem três tipos de entrevistas que podem ser utilizadas na pesquisa: entrevistas estruturadas, que são, essencialmente, os questionários administrados verbalmente aos entrevistados, a partir de uma lista de perguntas predeterminadas, com pouca ou nenhuma variação e sem margem para inserir perguntas que mereçam respostas com maior aprofundamento, o que as tornam rápidas e fáceis de aplicar, mas possuem pouca utilidade quando é necessário profundidade porque limitam as respostas dos entrevistados; por outro lado, as entrevistas não estruturadas que não refletem qualquer teoria preconcebida ou ideia e são realizadas com pouca ou nenhuma organização, podem simplesmente começar com uma pergunta de abertura e o seu progresso depender da resposta inicial, tornando-as mais demoradas e difíceis de serem gerenciadas, sendo utilizadas quando pouco se sabe sobre o assunto ou quando é necessário uma profundidade significativa; e, por fim, as entrevistas semiestruturadas que consistem de várias questões-chave que ajudam a definir as áreas a serem exploradas, mas também permitem o entrevistador ou entrevistado a divergirem a fim de obter uma idéia ou resposta em mais detalhes. Nesta abordagem, especialmente em relação às entrevistas estruturadas, também permite a descoberta ou elaboração de informações que são importantes para os participantes, mas que podem não ter sido pensadas como pertinentes pela equipe de pesquisa. Essas duas últimas são consideradas como tipos de entrevistas inseridas na pesquisa qualitativa porque são flexíveis, não estão presas a questões padronizadas e permitem obter profundidade de conhecimento nos fenômenos investigados e, portanto, para fins deste artigo, classificadas como entrevistas em profundidade. Desse modo, ao considerarmos a necessidade de que em estudos organizacionais é preciso integrar tematização e profundidade para compreender a complexidade dos fenômenos e das relações que os permeiam, escolhemos por abordar neste artigo a entrevista em profundidade como método de coleta de dados na pesquisa qualitativa em Administração. Flick (2009) ressalta que as entrevistas semiestruturadas têm atraído interesse dos pesquisadores e passaram a ser amplamente utilizadas, o que está associado à expectativa de que é mais provável que os pontos de vistas dos sujeitos entrevistados sejam expressos em uma situação de entrevista com o planejamento aberto do que em uma entrevista padronizada ou em um questionário. A opção entre a entrevista não estruturada e a semiestruturada relaciona-se com a ênfase na teoria, ou seja, com a existência de uma relação entre categorias e a antecipação de situações possíveis. Dessa forma, a entrevista não estruturada está associada a teorias mais abertas, enquanto a semiestruturada está associada à teoria a priori, com categorias analíticas definidas. Há uma variedade de designações utilizadas para as entrevistas individuais não estruturadas e semiestruturadas, mas neste artigo, utilizamos o termo entrevista em profundidade para designá-las no geral. Essas entrevistas apresentam, segundo vários autores, classificações mais específicas, entretanto, optamos por abordar aqui as apresentadas 6/12

7 por Flick (2009), a saber: entrevista focalizada, entrevista semipadronizada, entrevista centrada no problema, entrevista com especialistas e entrevista etnográfica, cujas descrições são apresentadas na Figura 2. Tipo de entrevista individual Descrição Apresenta-se um estímulo uniforme ao entrevistado e estuda-se o impacto deste sobre o entrevistado a partir de um guia de entrevista, Entrevista Focalizada com o objetivo de concentrar-se o máximo possível em um objeto específico e seu significado. O entrevistado possui uma reserva complexa de conhecimento sobre o tópico em estudo - teoria subjetiva, o qual possui suposições explícitas e imediatas que podem ser expressas pelo entrevistado de forma espontânea ao responder uma pergunta aberta, sendo estas Entrevista Semipadronizada complementadas por suposições implícitas, através do confronto com o entrevistador, com o objetivo de revelar um conhecimento existente e expressá-lo na forma de respostas, tornando-o acessível à interpretação. Utiliza-se um guia de entrevista que incorpora questões e estímulos narrativos, com base em três critérios centrais: centralização no Entrevista centrada no problema problema social pesquisado, orientação ao objeto pesquisado e orientação ao processo de pesquisa e no entendimento do objeto pesquisado. É considerada uma forma específica de entrevista semipadronizada, na qual há um menor interesse no entrevistado enquanto pessoa do que em ser um especialista para um determinado campo de Entrevista com especialistas atividade. Utiliza-se um guia de entrevista com uma função diretiva para excluir tópicos improdutivos em relação ao domínio de interesse. Devem ser utilizadas como uma série de conversas cordiais durante o processo de observação participante, nas quais o pesquisador Entrevista etnográfica lentamente introduz novos elementos para auxiliar os informantes a responderem como informantes. Figura 2: Variedade de entrevistas individuais em profundidade Fonte: Elaboração própria com base em Flick (2009) Flick (2009) apresenta quatro critérios que devem ser utilizados ao longo do planejamento da entrevista focalizada:1) o não-direcionamento, que é obtido por meio de diversas formas de perguntas; 2) a especificidade, que significa que a entrevista deve exibir os elementos que determinam o impacto ou o significado de um evento para os entrevistados; 3) o espectro, que visa assegurar que todos os aspectos e tópicos relevantes à questão de pesquisa sejam mencionados durante a entrevista; 4) e a profundidade e o contexto pessoal demonstrados pelos entrevistados que significam que os entrevistadores devem assegurar-se de obter um máximo de comentários autoreveladores no que se refere à forma como o material de estímulo foi experenciado. O autor supracitado destaca que esses critérios foram sugeridos por Merton e Kendall (1946) e alerta que não é possível reunir alguns objetivos desses critérios em cada situação, a exemplo da especificidade e profundidade versus espectro. Destarte, considera que esses critérios podem ser aplicados a outros tipos de entrevistas sem o uso de um estímulo antecipado e a busca de outras questões de pesquisa, ou seja, utilizados como uma orientação para a conceitualização e a condução de entrevistas de um modo geral. 7/12

8 Nas entrevistas semipadronizadas são reconstruídas os conteúdos da teoria subjetiva a partir de questões abertas, perguntas controladas pela teoria e direcionadas para as hipóteses e questões confrontativas. Esse tipo de entrevista caracteriza-se pela introdução de áreas de tópicos e pela formulação intencional de questões baseadas em teorias científicas sobre o tópico, reconstruindo os pontos de vista subjetivos. Na entrevista centrada no problema combinam-se narrativas com questões que visam focalizar a opinião do entrevistado em relação ao problema em torno do qual a entrevista está centrada. Portanto, o interesse está nos pontos de vistas subjetivos e a pesquisa baseia-se em um modelo do processo com o objetivo de elaborar teorias, com questões voltadas para o conhecimento sobre os fatos ou processo de socialização. Por último, os tipos de entrevistas apresentados por Flick (2009) são as entrevistas com especialistas e a entrevista etnográfica, consideradas tipos de entrevistas semipadronizadas que têm sido desenvolvidas para campos específicos de aplicação. Nas entrevistas com especialistas há um menor interesse no entrevistado enquanto pessoa (como um todo) e maior na sua capacidade de ser especialista para um determinado campo de atividade e a sua interpretação visa, principalmente, analisar e comparar o conteúdo do conhecimento do especialista. Nas entrevistas etnográficas, o principal problema a ser enfrentado é a elaboração e a manutenção das situações de entrevistas, que devem ser distinguidas de conversas cordiais durante a observação participante. Destacamos que a entrevista focalizada, a entrevista semipadronizada, a entrevista centrada no problema, e as entrevistas com especialistas e etnográfica podem ser utilizadas nas pesquisas em Administração, no desenvolvimento de estudos organizacionais. No entanto, a escolha de qual tipo de entrevista deverá ser utilizado depende da questão de pesquisa estabelecida e da forma como as pessoas recorridas serão conduzidas pelo entrevistador para atingir os objetivos da pesquisa. Por outro lado, Godoi e Mattos (2010) alertam para o perigo de esvaziamento do significado da entrevista e a recaída na prática investigatória do formalismo e dão ênfase para o papel da entrevista com um significado radicado na condição humana, como um evento de intercâmbio dialógico, que pode promover reformulação metodológica capaz de enriquecer a prática da pesquisa e construir novas situações de conhecimento. Nesse sentido, os referidos autores ressaltam que a entrevista em profundidade deverá ficar fora do alcance do formalismo técnico, para atender a três condições que eles consideram essenciais a pesquisa qualitativa: que o entrevistado possa expressar-se a seu modo face ao estímulo do entrevistador, que a fragmentação e ordem de perguntas não sejam tais que prejudiquem essa expressão livre, e que fique também aberta ao entrevistador a possibilidade de inserir outras perguntas ou participações no diálogo, conforme o contexto e as oportunidades, tendo sempre em vista o objetivo geral da entrevista. Estas condições não se limitam ao uso de entrevista como método de coleta de dados na pesquisa em Administração, mas se enquadram em qualquer campo de investigação que faça uso desse método. Quanto aos dados obtidos na entrevista, Baker (apud SILVERMAN, 2009) levanta as seguintes questões sobre o seu status: 1) Qual é a relação entre os relatos dos entrevistados e o mundo que eles descrevem: esses são relatos potencialmente verdadeiros ou falsos, ou nenhum dos conceitos é sempre apropriado a eles?; 2) Como deve ser entendida a relação entre entrevistador e entrevistado, governada por técnicas padronizadas de boa prática de pesquisa ou baseada nas práticas conversacionais usadas na vida cotidiana? Nesse contexto, o autor apresenta três tipos de respostas diferentes que os cientistas sociais poderiam dar a 8/12

9 esses questionamentos, dependendo da abordagem paradigmática adotada por eles. Para o positivismo, os dados das entrevistas têm o potencial de nos dar acesso a fatos sobre o mundo e, portanto, devem ser válidos e confiáveis, independente do local da pesquisa. Segundo, de acordo com o emocionalismo, os entrevistados são vistos como sujeitos experientes que constroem ativamente seus mundos sociais, de modo que a entrevista deve gerar dados que proporcionam um insight autêntico das experiências das pessoas. Por fim, no construcionismo, entrevistadores e entrevistados estão sempre ativamente engajados em construir significado, de modo que as entrevistas são tratadas mais como temas do que como um recurso de pesquisa. Estas três posições são resumidas na Figura 3. Abordagem paradigmática Positivismo Emocionalismo Construcionismo Status dos Dados Fatos sobre comportamentos e atitudes Experiências autênticas Construídas mutuamente Figura 3: Três versões dos dados da entrevista Fonte: SILVERMAN, 2009, p. 115 Métodos Amostras aleatórias Perguntas padronizadas Tabulações Entrevistas não estruturadas, abertas Qualquer entrevista tratada como tema Silverman (2009) afirma que os positivistas reconhecem que os entrevistadores interagem como seus sujeitos, mas exigem que essa interação seja estritamente definida pelo protocolo da pesquisa, enquanto que para os emocionalistas, as entrevistas são encontros inevitáveis entre sujeitos e, por fim, para os construcionistas, as entrevistas não são apenas representações do mundo, mas eles estão interessados em documentar como os relatos são parte do mundo que descrevem. Nos estudos organizacionais, o conhecimento gerado nas entrevistas em profundidade, no âmbito da pesquisa qualitativa, advém de um posicionamento mais flexível, onde entrevistados e entrevistadores interagem na construção de uma versão do mundo no campo da Administração, considerando não apenas o que é relatado na entrevista, mas procurando mostrar como o que está sendo relatado está relacionado ao contexto do problema de pesquisa investigado. A seguir, apresentamos as vantagens e desvantagens associadas ao uso da entrevista em profundidade na pesquisa qualitativa. 2.2 Vantagens e Desvantagens no uso da entrevista em profundidade Como vimos, anteriormente, o uso de entrevistas em profundidade na pesquisa qualitativa atende principalmente a finalidades exploratórias, sendo utilizada para o detalhamento de questões e formulação mais precisas dos conceitos relacionados, tornando-se uma rica fonte de informações para os estudos organizacionais. É uma forma de poder explorar mais amplamente uma questão, a partir de um processo conversacional, mas que, como qualquer outro método de coleta de dados, apresenta vantagens e desvantagens. Como vantagens, a entrevista em profundidade classificada como não estruturada apresenta inicialmente, a de se basear adequadamente na realidade do entrevistado, permitindo que estes falem o mais livremente possível, dando-lhes a escolha dos assuntos que eles julgam pertinentes, reduzindo até certo ponto os riscos de pré-estruturação do discurso 9/12

10 presentes na entrevista estruturada. Outra vantagem, é que este tipo de entrevista é visto como uma forma de enriquecer o material de análise e o conteúdo da pesquisa, o que também está relacionado à flexibilidade do método que favorece a emergência de dimensões novas não imaginadas, de início, pelo pesquisador, as quais podem ser determinantes para a compreensão do universo do entrevistado e do objeto pesquisado. A terceira vantagem apresentada é que a entrevista não estruturada oferece a possibilidade de explorar mais em profundidade as diferentes facetas da experiência do entrevistado, o qual goza de mais tempo para se expressar. Ainda como vantagem, menos frequentemente mencionada, é que este tipo de entrevista possibilitaria uma melhor exposição da experiência do entrevistado, explorando em profundidade o contexto de vida e do meio de pertencimento do entrevistado, que permite situar e melhor compreender o seu discurso, bem como evidenciar a sua experiência e seu ponto de vista. Essas vantagens se contrapõem à entrevista totalmente estruturada, na qual o conteúdo do material pesquisado é inteiramente ou parcialmente fixado de antemão, o entrevistado, não tem, então, a escolha das questões abordadas, bem como o próprio conteúdo de suas respostas já é fortemente estruturado, uma vez que estas devem necessariamente inserir-se nas categorias delimitadas de início (POUPART, 2008) Já no que se refere à entrevista semiestruturada, que também apresenta a vantagem de possuir certo grau de flexibilidade para inserção de novas questões no decorrer da entrevista, Flick (2009) ressalta que o uso consistente de um guia de entrevista pode também se constituir como vantagem, porque aumenta a comparabilidade dos dados, tornando-os mais estruturados como resultados das questões do guia. É, portanto, uma forma mais econômica de se alcançar a elaboração e enunciados concretos. Dessa forma, observamos que as comparações que evidenciam as vantagens do uso da entrevista em profundidade, sejam elas não estruturadas ou semiestruturadas, geralmente, estão relacionadas em contrapartida ao uso das entrevistas estruturadas, com base no nível de flexibilidade desses métodos que permitem um maior ou menor aprofundamento na investigação do problema de pesquisa e em uma maior ou menor estruturação dos resultados alcançados. Destarte, Flick (op. cit.) afirma que surgem alguns problemas ao se tentar garantir perspectivas subjetivas topicamente relevantes em uma entrevista, decorrente de problemas de mediação entre o input do guia do pesquisador e os objetivos da questão de pesquisa, por um lado, e o estilo de apresentação do entrevistado por outro. Há algumas decisões que devem ser tomadas ad hoc e que exigem um alto grau de sensibilidade para o andamento concreto da entrevista e do entrevistado na situação de entrevista. Hopf (1978, apud FLICK, op. cit.) alerta sobre a aplicação muito burocrática do guia de entrevista, o que pode restringir os benefícios da flexibilidade do método e das informações contextuais pelo excesso de rigidez do entrevistador ao fixar-se nesse guia. Isto nos leva a perceber que o sucesso no planejamento e na condução da entrevista em profundidade está diretamente relacionado à capacidade e a habilidade do pesquisador na utilização desse método de coleta de dados, pois os principais problemas na condução das entrevistas em profundidade se situam nos processos de mediação e direcionamento. Nessa perspectiva, Poupart (2008) afirma que subsiste certa imprecisão quanto à definição de entrevista do tipo qualitativo, e que, atrás deste rótulo, perfila-se uma variedade de práticas, a própria noção de não-diretividade e a maneira de como aplicá-las suscitam algumas divergências. O referido autor segue afirmando que, no ideal rogeriano, o entrevistador deveria orientar o menos possível as falas do entrevistado, enquanto que Palmer (1928) e Bourdieu (1993) avaliam que o entrevistador deve estabelecer um compromisso 10/12

11 entre a não-diretividade e uma certa orientação a dar à entrevista, em função do objeto pesquisado e, por último, cita Patton (1980) e Burgess (1984), que adotam uma lógica muito próxima aos métodos quantitativos, ao entender que uma maior não-diretividade prejudica a generalização dos resultados, tornando mais difíceis as comparações entre as entrevistas, o que revela concepções diferentes sobre a forma de conceber uma conduta ideal na forma de realizar entrevistas, ou quanto às relações a estabelecer com as pessoas entrevistadas. Por fim, observamos que o uso da entrevista em profundidade nas pesquisas em Administração apresenta como principal vantagem a possibilidade de enriquecimento do conhecimento no campo organizacional, por permitir que a questão investigada possa ser compreendida a partir da exploração da experiência e do ponto de vista individual dos atores sociais envolvidos no contexto organizacional, fazendo emergir dimensões de informações que poderiam escapar ao pesquisador quando este fica preso à números e estatísticas. Concordamos com Mattos (2010) ao afirmar que estas entrevistas servem a pesquisas voltadas para o desenvolvimento de conceitos, o esclarecimento de situações, atitudes e comportamentos, ou o enriquecimento do significado humano deles e que isso tem extensões poderosas na geração de teorias e decisões práticas, e não se confunde com outro tipo de utilidade, a generalização indutiva, propiciada pela estatística. 3. Considerações Finais O uso da entrevista ultrapassa as questões técnicas e envolve aspectos de ordem epistemológica, teórica e metodológica, como vimos no desenvolvimento deste artigo. Dependendo do fenômeno investigado e do problema de pesquisa, pode se caracterizar como principal caminho de coleta de dados para se atingir os objetivos estabelecidos ou se constituir como método complementar. No campo de investigação em Administração, Leão et al (2009) afirmam que olhar o fenômeno a partir de uma perspectiva multiparadigmática permite que pesquisadores que vêem os estudos organizacionais como sendo multifacetados desenvolvam trabalhos utilizando a triangulação de métodos e técnicas de pesquisa oriundos de diversas abordagens. O uso de entrevistas em profundidade nos estudos organizacionais pode possibilitar o enriquecimento do conhecimento relacionado ao contexto social investigado, considerando a Administração como uma área de investigação em emergência, que envolvem aspectos sociais e técnicos. Por outro lado, devemos destacar os aspectos éticos que envolvem o uso da entrevista como método de coleta de dados, ao tornar público os conhecimentos oriundos da nossa compreensão e interpretação sobre o que os outros estão dizendo no momento da entrevista, além dos meios utilizados para conseguir o consentimento das pessoas escolhidas para realização da entrevista. O pesquisador é parte na construção da realidade social investigada, se posicionando a partir da forma como descrevem os relatos dos atores sociais investigados. Por fim, ressaltamos que o uso da entrevista como método de coleta de dados na pesquisa qualitativa em Administração se propõe a produzir novos conhecimentos e a criar novas formas de compreender os fenômenos nos contextos organizacionais. Ao apresentar essas pistas teóricas e metodológicas, queremos provocar a reflexão dos pesquisadores na área de Administração para as possibilidades em se aventurar em explorar e produzir conhecimentos novos nos estudos organizacionais. Referências 11/12

12 ATKINSON, P.; COFFEY, A. Revisiting the relationship between participant observation and interviewing. In: GUBRIUM, J.; HOLTEIN, J. Handbook of interview research. Thousand Oaks, CA: Sage, FLICK, W. Introdução à pesquisa qualitativa. Tradução Joice Elias Costa. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed, GILL, P.; STEWART, K.; TREASURE E.; CHADWICK, B.. Methods of data collection in qualitative research: interviews and focus groups. In: British Dental Journal, v. 204, 2008, p GODOI, C. K,; MATTOS, P. L. C. L.. Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: SILVA, A. B.; GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELO, R. (orgs). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo, 2010, p GODOI, C. K.; BALSINI, C. P. V. A pesquisa qualitativa nos estudos organizacionais brasileiros: uma análise bibliométrica. In: SILVA, A. B.; GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE- MELO, R. (orgs). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo, 2010, p GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa qualitativa e o debate sobre a propriedade de pesquisar. In: SILVA, A. B.; GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE- MELO, R. (orgs). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo, 2010, p HAGUETTE, T. M. F. Metodologias qualitativas na Sociologia. 5a edição. Petrópolis: Vozes, LEÃO, A. L. M. S.; MELLO, S. C. B; VIEIRA, R. S. G.. O papel da teoria no método de pesquisa em Administração. In: Organizações em contexto, Ano 5, n. 10, julho-dezembro, MATTOS, P. L. C. L. Análise de entrevistas não estruturadas: da formalização à pragmática da linguagem. In: SILVA, A. B.; GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELO, R. (orgs). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo, 2010, p POUPART, J. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Tradução de Ana Cristina Nasser. Petrópolis, Rj: Vozes, SILVA, A. B.; NETO, J. R. Perspectiva multiparadigmática nos estudos organizacionais. In: SILVA, A. B.; GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELO, R. (orgs). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo, 2010, p SILVERMAN, D. Interpretação de dados qualitativos: métodos para análise de entrevistas, textos e interações. Tradução Magda França Lopes. Porto Alegre: Artmed, /12

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Métodos qualitativos:

Métodos qualitativos: Métodos AULA 11 qualitativos: Pesquisa-Ação Quando iniciou-se a pesquisa-ação? Para Susman e Evered (1978), o termo pesquisa-ação foi introduzido por Kurt Lewin em 1946 para denotar uma abordagem pioneira

Leia mais

Sumário. Estudos organizacionais: dilemas paradigmáticos e abertura interdisciplinar 17

Sumário. Estudos organizacionais: dilemas paradigmáticos e abertura interdisciplinar 17 Sumário / Introdução Pesquisa qualitativa e o debate sobre a propriedade de pesquisar.... 1 Christiane Kleinübing Godoi, Rodrigo Bandeira-de-Mello e Anielson Barbosa da Silva PARTE I ESTUDOS ORGANIZACIONAIS

Leia mais

Investigação experimental

Investigação experimental Investigação experimental Aproximação positivista Experiências laboratoriais: identificação de relações exactas entre as variáveis escolhidas num ambiente controlado (laboratório) através do uso de técnicas

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Código de Ética da Sociedade Brasileira de Sociologia

Código de Ética da Sociedade Brasileira de Sociologia Código de Ética da Sociedade Brasileira de Sociologia O Código de Ética da Sociedade Brasileira de Sociologia (SBS) baseia-se no Código de Ética da International Sociological Association, da qual a SBS

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

3 Definição da metodologia

3 Definição da metodologia 3 Definição da metodologia A Pesquisa-ação foi a metodologia escolhida para a realização desta pesquisa, por indicar a participação do autor e a interação de outros atores na produção de conhecimento a

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa O que é técnica? O que é instrumento? Tipos de técnicas e instrumentos de pesquisa Entrevista Questionários Observação 1. ENTREVISTA Encontro entre

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

A pesquisa e suas classificações FACULDADE DE COSTA RICA Prof.ª NELIZE A. VARGAS. nelizevargas@hotmail.com O que é pesquisa? MINAYO (l993,p.23), vendo por um prisma mais filósofico, considera a pesquisa

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Metodologias de Pesquisa Qualitativa

Metodologias de Pesquisa Qualitativa Metodologias de Pesquisa Qualitativa Pesquisa Qualitativa Subjetividade e interpretação do avaliador/pesquisador Entender um problema em profundidade. Não usa estatísticas e generalizações. Trabalha com

Leia mais

Métodos qualitativos: Estudo de Caso

Métodos qualitativos: Estudo de Caso Métodos AULA 10 qualitativos: Estudo de Caso Por que o estudo de caso? Ele vem sendo considerado um dos mais importantes métodos de pesquisa na gestão de operações, particularmente no desenvolvimento de

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Tipo de raciocínio - Indutivo. Método de Pesquisa (continuação) Tipo de raciocínio - Indutivo

Tipo de raciocínio - Indutivo. Método de Pesquisa (continuação) Tipo de raciocínio - Indutivo Tipo de raciocínio - Indutivo Método de Pesquisa (continuação) Analisa-se um aspecto particular e se procura gerar proposições teóricas a partir dos dados (May,2004). A teoria se forma a partir da observação

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck INTRODUÇÃO A escolha das técnicas está condicionada ao Problema de Pesquisa. Três perguntas básicas devem ser respondidas

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Modulo 4. Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação

Modulo 4. Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação Metodologia de Estudo e de Pesquisa em Administração Modulo 4 Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação UAB - UNEMAT Prof. Dr. Marcos Luís Procópio

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

AULA 13 Dados verbais

AULA 13 Dados verbais 1 AULA 13 Dados verbais Ernesto F. L. Amaral 05 de maio de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.105-118. OBJETIVO DA AULA 2 Apresentar

Leia mais

Métodos qualitativos: Pesquisa-Ação

Métodos qualitativos: Pesquisa-Ação Métodos AULA 12 qualitativos: Pesquisa-Ação O que é a pesquisa-ação? É uma abordagem da pesquisa social aplicada na qual o pesquisador e o cliente colaboram no desenvolvimento de um diagnóstico e para

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Técnicas de Pesquisa Técnica: Conjunto de preceitos ou processos de que se serve uma ciência. Toda ciência utiliza inúmeras técnicas na obtenção

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL Novo Hamburgo, abril de 2013. 1 APRESENTAÇÃO Estas orientações foram elaboradas baseadas

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

AULA 15 Análise de dados e conclusões

AULA 15 Análise de dados e conclusões 1 AULA 15 Análise de dados e conclusões Ernesto F. L. Amaral 12 de maio de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.131-140 & 141-147.

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

Preparação do Trabalho de Pesquisa

Preparação do Trabalho de Pesquisa Preparação do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Pesquisa Bibliográfica Etapas do Trabalho de Pesquisa

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Projeto de Intervenção do PROVAB ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO NO MODELO PADRÃO

Projeto de Intervenção do PROVAB ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO NO MODELO PADRÃO Projeto de Intervenção do PROVAB ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO NO MODELO PADRÃO Brasília Setembro de 2014 APRESENTAÇÃO Na perspectiva de formação e avaliação do profissional participante do Programa de Valorização

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Daniela Riva Knauth Departamento de Medicina Social PPG Antropologia e Epidemiologia UFRGS Pesquisa qualitativa Crítica ao Positivismo Todo

Leia mais

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA 1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA Procedimento racional e sistemático que tem por objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Requerida quando não se dispõe de informação

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos:

O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos: 3 Metodologia O presente capítulo descreve a metodologia utilizada pela pesquisa e aborda os seguintes pontos: A questão da pesquisa O tipo da pesquisa e metodologia utilizada A coleta dos dados e tratamento

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

Objetivos. Conteúdo programático: Aula Data Conteúdo

Objetivos. Conteúdo programático: Aula Data Conteúdo 1 PLANO DE ENSINO Curso: MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Área de concentração: Organizações, Empreendedorismo e Internacionalização Disciplina: MÉTODOS QUALITATIVOS DE PESQUISA EM ADMNISTRAÇÃO Carga Horária

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO João Souza Neto, Dr. joaon@ucb.br Diana L. N. dos Santos, MSc. dianas@mpdft.mp.br www.twitter.com/govtiapf http://govtiapf.com.br/blog/ Agenda Relacionamento

Leia mais

Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD

Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD Patrícia Roberta de Almeida Castro MACHADO (FL-UFG) patricia_cultura@hotmail.com Lucielena Mendonça de LIMA orientadora (FL-UFG) lucielenalima@gmail.com

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais