A FORMAÇÃO ESPORTIVA NA MED SPORT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FORMAÇÃO ESPORTIVA NA MED SPORT"

Transcrição

1 Brandão e Momjian p1 A FORMAÇÃO ESPORTIVA NA MED SPORT Neiva Cristina Paraschiva Brandão - Diretora Salete Momjian - Coordenadora Pedagógica MED SPORT ESCOLA DE ESPORTES UM POUCO DE HISTÓRIA Em 1981, três professores de Educação Física que trabalhavam como técnicos esportivos de equipes universitárias da Associação Atlética Acadêmica Oswaldo Cruz (AAAOC) da Faculdade de Medicina da USP, em Pinheiros (SP), imaginaram como o nível técnico de suas equipes seria diferente se, quando crianças, seus atletas tivessem tido estímulo e orientação para um desenvolvimento motor adequado. De um modo geral os calouros que ingressavam no curso médico apresentavam pouco repertório motor, mas muito interesse em fazer parte das equipes de competição que eram formadas e renovadas a cada ano, e para isso se dedicavam seriamente aos treinamentos. Aproveitando que o espaço físico privilegiado da atlética ficava ocioso fora dos horários de treinamento, em uma ação conjunta com a diretoria da época, os três técnicos idealizaram e criaram a MED SPORT ESCOLA DE ESPORTES, uma escola de iniciativa privada que atende crianças e jovens de 5 a 15 anos. De início havia uma certeza e um sonho: a certeza de que a prática diversificada de modalidades, explorando diferentes espaços em atividades ao ar livre e orientação adequada contribuiria na formação de crianças mais saudáveis e felizes; o sonho de que um dos alunos seria aprovado no concorrido vestibular e fizesse parte de uma das equipes competitivas da faculdade.

2 Brandão e Momjian p2 FUNDAMENTAÇÃO PEDAGÓGICA A proposta pedagógica contempla a formação de sujeitos que produzam conhecimentos do seu próprio corpo, compreendam o sentido e significado das práticas esportivas e desenvolvam formas diversificadas de expressão corporal. O trabalho fundamenta-se no princípio de que a prática esportiva pode e deve contribuir para que crianças e adolescentes sejam cidadãos conscientes, críticos e participativos. O objetivo de educar pelo esporte implica em assumir a prática esportiva como instrumento de aprendizagem física e social, que busca o desenvolvimento da autonomia, a cooperação, a participação social e a afirmação dos valores e princípios democráticos. O processo de ensino e aprendizagem de modalidades esportivas é utilizado como conteúdo e ao mesmo tempo como estratégia para proporcionar um desenvolvimento harmonioso das capacidades e habilidades motoras, cognitivas e afetivo-sociais. A escola procura criar condições para que todos os alunos desenvolvam suas potencialidades de forma democrática e não seletiva. Considerando-se o esporte como um processo essencialmente educativo, a iniciação esportiva surge como um instrumento de desenvolvimento integral do homem que vai, ao longo da prática esportiva, se preparando para vencer os desafios que se colocam neste âmbito de modo a transferir os conhecimentos e experiências vividas no ambiente esportivo para toda a vida (BALBINO, 2001). Freqüentando as aulas da escola o aluno é estimulado e orientado para a prática de diferentes modalidades esportivas. Propõe-se que ao longo do trabalho ele desenvolva e incorpore ao seu dia-a-dia o gosto pela prática de atividades físicas e esportivas, entendendo-a como saudável e prazerosa e valorizando-a pelo que ela proporciona no presente e pode proporcionar na vida futura em relação à qualidade de vida. Integração, socialização, espírito de equipe, auto-estima, conhecimento e respeito aos próprios limites e aos dos colegas, desenvolvimento das capacidades e habilidades físicas além do conhecimento das modalidades esportivas são alguns dos aspectos priorizados pela escola.

3 Brandão e Momjian p3 CARACTERÍSTICAS E ESTRUTURA DO TRABALHO A escola aproveita a estrutura da AAAOC, composta por um ginásio, uma quadra coberta e outra descoberta, quadra de tênis, campo de futebol, pista de atletismo e sala para ginástica artística. A equipe pedagógica da MED SPORT é composta por uma diretora, uma coordenadora e seis professores. Na contratação dos profissionais leva-se em consideração, entre outras coisas, a sua formação técnica e educacional para trabalhar com a maior quantidade de modalidades possível. As aulas são oferecidas em duas ou três vezes por semana (dependendo da faixa etária e da opção do aluno) e cada dia de aula é composto por 1h30min de atividade, dividida em duas aulas de 45 minutos. Em cada aula, o aluno pratica uma modalidade esportiva diferente, num espaço diferente. As turmas são mistas (meninos e meninas), heterogêneas (níveis de habilidade) e organizadas por faixa etária em ciclos de dois anos para as turmas de 5/6 anos, 7/8 anos, 9/10 anos e 11/12 anos e de três anos para a turma de 13/15 anos. Esta divisão por faixa etária serve como referência e é passível de flexibilidade para que cada aluno fique melhor integrado conforme suas condições e características, seja com colegas mais velhos ou mais novos, já que a preocupação é a de promover situações educacionais onde cada um encontre o seu lugar para aprender, se desenvolver e se expressar. A estrutura da MED SPORT contempla a escola de esportes, turmas de aperfeiçoamento e equipes de treinamento. O trabalho da escola de esportes é voltado para a formação poliesportiva, em um ciclo que se inicia aos 5 anos e se encerra aos 12 anos. A partir de 1999, a escola passou a oferecer treinamentos nas modalidades de futsal e handebol para os alunos de 13 a 15 anos, como alternativa aos que não tinham interesse ou condições de fazer parte de equipes competitivas dos clubes e federações. Em 2005, atendendo a uma demanda dos alunos, foram incluídas na programação da escola turmas de aperfeiçoamento a partir dos 10 anos nas modalidades de futsal, handebol, ginástica artística e tênis. Para participar das turmas de treinamento e aperfeiçoamento, o aluno necessita de um tempo mínimo de prática anterior e conhecimento da modalidade

4 Brandão e Momjian p4 que lhe garantam condições de se desenvolver. Essas turmas têm uma aula a cada dia de atividades com duração de 1h15min. O público alvo é formado por crianças e jovens de toda a comunidade. O ingresso no curso é feito mediante pagamento, conforme a disponibilidade de vagas para sua faixa etária. Todos os alunos têm acesso garantido às atividades, cada qual recebendo atenção e tratamento de acordo com suas possibilidades e capacidades físicas, cognitivas e afetivo-sociais. A escola oferece oito modalidades, a saber: cinco coletivas (basquete, futsal, handebol, tchoukball e voleibol) e três individuais (atletismo, ginástica artística e tênis). ESTRUTURA DA ESCOLA DE ESPORTES TURMAS (MANHÃ E TARDE) Iniciação Esportiva Geral (5/6 anos) Iniciação Poliesportiva (7/8 anos) Poliesportivo I (9/10 anos) Poliesportivo II (11/12 anos) MODALIDADES Locomoção (Atletismo), Estabilização (Ginástica Artística) e Manipulação (bola, corda, arco, bastão) Atletismo, Basquete, Futsal, Handebol, Ginástica Artística e Tênis Atletismo, Basquete, Futsal, Handebol, Ginástica Artística, Tênis e Voleibol Basquete, Futsal, Handebol, Tchoukball, Tênis e Voleibol LIMITE DE ALUNOS POR TURMA DURAÇÃO DIAS POR SEMANA 15 1h30min h30min 2 ou h30min 2 ou h30min 2 ou 3 No início do ano letivo os professores dialogam com os alunos sobre a organização do trabalho, composto de duas aulas diárias de 45 minutos cada uma. Cada aula contém roda de conversa, alongamento e aquecimento, desenvolvimento do conteúdo e roda de fechamento. Na seqüência, informam sobre a rotina do dia-a-dia: a) ao chegar na escola o aluno é recepcionado pela coordenadora e professores; b) no momento do início das atividades, o professor da 1ª. aula chama a sua turma e segue para o local determinado; c) em seguida ocorre a troca de turmas entre os professores e uma

5 Brandão e Momjian p5 pausa rápida para os alunos tomarem água e se deslocarem com o outro professor para o espaço onde ocorrerá a 2ª aula; d) ao final da 2ª aula a saída dos alunos é assistida pela equipe de professores e coordenadora. ESTRUTURA DO APERFEIÇOAMENTO E TREINAMENTO TURMAS MODALIDADES DURAÇÃO DIAS POR SEMANA Ginástica Artística 1h15min 2 Aperfeiçoamento (8 a 12 anos) (10/12 anos) Futsal 1h15min 2 Treinamento (13/15 anos) Tênis 1h15min 1 Futsal 1h15min 2 Handebol 1h15min 2 PLANEJAMENTO, PLANO DE AULA E AVALIAÇÃO O planejamento é um instrumento de organização da ação e de acompanhamento do processo de trabalho. Portanto, é ato de criação e recriação cotidiana. Não é estático, não é feito para permanecer no papel, mas é dinâmico, e necessita ser elaborado e refletido em consonância com o desenvolvimento do trabalho e com o movimento vital que integra o processo de ensino e aprendizagem. Desta forma, o planejamento se constitui, não somente no movimento de preparar ou de pensar a ação coletiva, mas também nos movimentos cotidianos fundamentais de decidir, agir e avaliar que acompanham o processo durante todo o tempo. No primeiro movimento de planejar, a equipe de trabalho efetua tomada de decisões, definição de encaminhamentos e direções que nortearão o início do processo e direciona o foco para a fundamentação e a organização da ação pedagógica a ser desenvolvida, considerando cada faixa etária, seus interesses e necessidades. Concluída esta etapa o foco passa a ser nos objetivos, conteúdos e estratégias específicas de cada modalidade esportiva, assim como no calendário de eventos internos e externos. Esses dois momentos acontecem antes do início de cada temporada a partir das considerações da temporada anterior. Este registro inicial certamente será transformado e enriquecido em função dos movimentos de reflexão e redirecionamento necessários ao desenvolvimento

6 Brandão e Momjian p6 do acompanhamento de todo o processo ao longo do ano. A equipe de professores organiza a sistemática de planejamento das aulas a partir do que foi considerado na análise e avaliação dos meses anteriores. Os planos de aula são preparados pelos professores e discutidos com a coordenadora no mês anterior ao que serão colocados em prática. Nesse momento, com a mediação da coordenadora, as atividades planejadas são problematizadas na busca de sintonia entre teoria e prática. Esse processo provoca reflexões que possibilitam à equipe de educadores pensar a prática na ação, no momento em que ela está acontecendo e sobre a ação, nos momentos de avaliação das aulas, tanto individual como em grupo nos encontros de formação. A avaliação é um processo permanente de reflexão cotidiana, portanto parte integrante do planejamento e, certamente, resulta em novas indagações, reflexões e propostas que irão enriquecer o planejamento. Cada professor é responsável por avaliar suas turmas e o seu trabalho nos seguintes momentos: a) avaliação bimestral, sobre os conteúdos e objetivos selecionados, planos e planejamentos, participação e aproveitamento dos alunos, a organização das turmas, a adequação dos espaços e a utilização dos materiais. Avalia-se o que foi desenvolvido nas aulas e que resultou em aprendizagem significativa dos alunos, do que foi feito e não foi positivo, do que pode ser modificado, do que pode ser mantido. b) avaliação semestral, quando se retoma o trabalho desenvolvido no semestre, estabelecendo relações com as avaliações anteriores, levantando os pontos mais relevantes e fazendo encaminhamentos para o semestre seguinte. c) avaliação de atividades e eventos internos e externos, situações diferentes da rotina de aula (festivais, semana da criança, etc). Ao término de cada semestre é realizada uma avaliação de desempenho dos professores composta pela avaliação da coordenação e auto-avaliação. Para que todo este processo de planejamento, planos de aula e avaliação seja efetivo, é preciso provocar reflexões em todos os integrantes da equipe e criar espaços para que elas sejam socializadas e discutidas, a fim de que todo o processo

7 Brandão e Momjian p7 seja visto e revisto ao longo do ano. Sendo assim, a escola proporciona formação continuada aos professores a partir da reflexão da prática técnico-pedagógica da iniciação esportiva e educacional, trazidas por eles ou identificadas nas observações de aula e eventos, tanto de forma individualizada - onde são trabalhadas com cada um questões específicas relacionadas à sua prática pedagógica, quanto coletiva - envolvendo questões comuns e/ou mais abrangentes. TRABALHO COM AS MODALIDADES COLETIVAS Como já mencionado anteriormente, a MED SPORT oferece a seus alunos uma iniciação poliesportiva que compreende modalidades individuais e coletivas. O trabalho com as modalidades individuais tem em comum muitos atributos do trabalho que é desenvolvido com as coletivas, porém com as peculiaridades específicas de cada modalidade. Já no trabalho com as coletivas (basquete, futsal, handebol, tchoukball e vôlei) muitas situações são comuns, já que o que se programa para uma pode ser também realizado em outra, com exceção do vôlei em algumas situações específicas, por se tratar de uma modalidade que não tem, entre outras coisas, utilização de espaço comum. Evolução do trabalho de 7/8anos a 13/15 anos O trabalho com as modalidades esportivas coletivas propriamente ditas começa na turma Iniciação Poliesportiva, aos 7/8 anos. É nessa turma que, após ter passado pela Iniciação Esportiva Geral onde foi enriquecido seu acervo motor através da exploração de movimentos, materiais e espaços, os alunos têm um primeiro contato mais formal com as modalidades, descobrindo e conhecendo suas características, história, quadra de jogo e bola, regras e fundamentos básicos do jogo e sua lógica. Em relação aos fundamentos, não existe a preocupação com o ensino da técnica e sim, que os alunos descubram a maneira mais eficiente de atingir o objetivo do jogo, ou seja, a melhor maneira de arremessar, chutar, quicar, passar e receber, etc. É através da descoberta guiada e busca de solução de problemas que os alunos experimentam e criam esses movimentos e, nesse sentido, o professor atua como um mediador, problematizando e orientando as descobertas. Em seguida, na turma Poliesportivo I (9/10 anos) a ênfase é dada na

8 Brandão e Momjian p8 limpeza dos movimentos que compõem os fundamentos básicos do jogo, na combinação entre eles e nas regras mais elaboradas. No estágio anterior os alunos apenas tiveram conhecimento, por exemplo, das linhas laterais, do fundo e centrais da quadra. Agora irão também conhecer as funções das outras linhas, vão receber mais informações sobre as reposições de bola nas laterais e no fundo entre outras. Fechando o ciclo de formação esportiva na turma de 11/12 anos, a introdução da tática individual e coletiva, o aperfeiçoamento dos fundamentos combinados e as regras agora quase formais compõem os conteúdos da turma Poliesportivo II. Essa etapa de conclusão da escola de esportes representa uma meta aos alunos de todas as idades que esperam ansiosamente a sua formatura, uma homenagem que a escola presta no final do ano aos alunos de 12 anos que completam o ciclo. Dando continuidade a este trabalho, os alunos têm a opção de seguir em turmas de 13 a 15 anos que se baseia no treinamento das capacidades e habilidades adquiridas durante o processo para vivência em jogos e competições formais em cada modalidade. É importante salientar que o trabalho é organizado em etapas e que a cada etapa novos conteúdos são planejados, considerando os conteúdos que os alunos já possuem para a construção de novos conhecimentos. Sendo assim, o ingresso do aluno na fase de Iniciação Esportiva Geral e sua continuidade até completar o ciclo de formação esportiva oferecem melhores condições para a sua formação esportiva e educacional. Contudo, é possível que o aluno ingresse em qualquer etapa do processo, já que todo o trabalho é realizado a partir dos conhecimentos que ele traz de suas experiências anteriores, tanto das aulas de Educação Física realizadas na escola, como de sua vivência motora livre. Estratégias de trabalho Ao longo dos anos a equipe de trabalho da MED SPORT foi estabelecendo algumas premissas para garantir a qualidade da formação esportiva de seus alunos. São elas:

9 Brandão e Momjian p9 a) que o aquecimento seja coerente com as exigências da atividade a ser desenvolvida, introduzindo-a; também seja um resgate do que foi desenvolvido anteriormente; b) que os alunos permaneçam em movimento e em atividade o maior tempo possível; c) que a execução dos movimentos seja consciente e não mera repetição mecânica da ordem do professor; d) que os alunos entendam o porquê de suas ações; e) que aos alunos sejam proporcionadas condições para fazer amigos e aprender o esporte; f) que é necessário considerar todo o conhecimento anterior trazido pelo aluno. A partir dessas premissas, a escola buscou nas teorias da Educação os subsídios que fundamentassem sua prática. Sendo assim, as teorias de Prática transferível de Claude Bayer, a Teoria das inteligências múltiplas de Howard Gardner, a Aprendizagem significativa de David Ausubel, a Concepção Sóciointeracionista de Vigotsky e a Concepção democrática da educação, de Paulo Freire são algumas que embasam o trabalho da escola. As seguintes estratégias de trabalho foram elaboradas a partir das premissas estabelecidas na prática e sua relação com as teorias, desde as turmas iniciais até as de treinamento: a) Utilizar o aquecimento para introduzir a modalidade a ser trabalhada em sua própria quadra, dando preferência a atividades que possam ser feitas com bola; b) Utilizar ao máximo os espaços da quadra, otimizando o tempo da aula e o aproveitamento do aluno; c) Elaborar as atividades e propor novos movimentos técnicos a partir do que os alunos já sabem, criando situações-problema para que eles alcancem o objetivo planejado; d) Discutir com os alunos nas rodas de conversa os objetivos das atividades propostas, o que cada uma trabalha e as soluções por eles

10 Brandão e Momjian p10 apresentadas; e) Planejar a aula privilegiando uma relação direta entre as atividades e o jogo, contribuindo para que o aluno adquira recursos que servirão de alternativa para as ações do jogo. Assim, através de situações reais e aproximadas de cada modalidade, o aluno faz a transferência do que experimentou, adquirindo autonomia de ação. f) Investir na formação do vínculo entre os alunos, entre eles e os professores, trabalhando o respeito às diferenças, o conhecimento dos próprios limites e o empenho para superá-los, o reconhecimento dos limites dos colegas e o incentivo aos mesmos. Exemplos de atividades A título de ilustração seguem duas atividades comentadas que podem ser utilizadas em qualquer faixa etária e em qualquer modalidade coletiva que se assemelhe ao basquete, futsal e handebol. A atividade 3 refere-se especificamente ao vôlei. Atividade 1 Objetivo: passe + chute ou arremesso Dinâmica: em vários trios ao mesmo tempo, cada um com uma bola, livres pela quadra. Dois alunos serão os atacantes e um o defensor; após terem trocado três ou mais passes sem que o defensor roube a bola, os atacantes têm o direito de finalizar a jogada (não podendo fazê-la ao mesmo tempo que outro trio no caso do futsal e do handebol para garantir a segurança do goleiro). Ao final de cada jogada, o defensor troca de lugar com quem finalizou ou perdeu a bola e outra jogada será iniciada, desta vez objetivando a meta do outro lado da quadra. Comentário: esta atividade está mais aproximada da realidade do jogo do que aquela em que, partindo um trio de cada vez com uma bola da linha de fundo em direção ao gol/cesta, vão trocando passes até que o aluno que está do lado direito finaliza a jogada e todos retornam ao início por fora da quadra trocando de colunas. Dessa forma os alunos fazem passe com pressão do marcador, exploram melhor o espaço da quadra (ao mesmo tempo que devem estar atentos para não colidirem

11 Brandão e Momjian p11 com outros trios), aprendem a proteger e a dominar a bola, permanecem o tempo todo em atividade e ficam mais satisfeitos. Atividade 2 Objetivo: condução de bola/quicar Dinâmica: alunos divididos em duas equipes, cada aluno da equipe A com uma bola posicionado para o ataque na área/garrafão defensivo. Os alunos da equipe B ficam espalhados para a defesa a partir do meio da quadra. A equipe A marcará pontos a cada integrante que atravessar a quadra e penetrar na área/garrafão da equipe B com sua bola sem perdê-la para os defensores. Após a tentativa da equipe A, invertem-se as posições tantas vezes quantas o professor determinar. Comentário: com este jogo os alunos deverão proteger a bola, levantar a cabeça para observar os espaços vazios e criar sua estratégia de ação, executar mudanças de direção, fintas, giros e dribles com a bola, trabalhar com o lado direito e esquerdo do corpo, tudo isso em velocidade e fugindo dos marcadores. Os fundamentos serão trabalhados de forma produtiva e eficiente, proporcionando aos alunos melhores condições de colocá-los em prática posteriormente no jogo formal do que os exercícios em que, cada um com a sua bola, conduz/quica livremente sobre as linhas da quadra. Além das habilidades, este jogo também permite ao professor ir trabalhando a competição com seus alunos, o que precisa ser feito com cuidado e que será comentado mais adiante. Atividade 3 Objetivo: aprendizagem ou aperfeiçoamento do toque Dinâmica: em grupos de três ou mais alunos com uma bola, formar um círculo. Todos os alunos recebem uma numeração. O número 1 dá um toque para cima e o número 2, após um pingo ou não no chão, repete a operação e em seguida todos executam o mesmo movimento até completar a seqüência, que equivale a um ponto para o grupo. Pode ser feito em forma de desafio que será vencido pelo grupo que conseguir mais pontos sem perder o controle da bola. Comentário: o aluno que recebe a bola vinda de um colega tem mais oportunidade

12 Brandão e Momjian p12 de utilizar recursos corporais que lhe garantam êxito no movimento: posicionamento ântero-posterior das pernas, encaixar a bola para a melhor eficiência do toque, estender as pernas e fazer transferência de peso no contato com a bola, controlar a direção e a altura que deverá tocar a bola para facilitar a continuidade das ações do grupo, entre outros. Enfim, tudo que ele precisa vivenciar, descobrir e aprender para colocar em prática os fundamentos e estratégias no jogo formal, incluindo a interação com os colegas da equipe. Uma atividade em o aluno fica de frente para a parede e executa toques com ela tantos quantos forem possíveis sem perder o controle da bola, dificilmente favoreceria da mesma maneira a aprendizagem do aluno. Vale ressaltar que nos três exemplos anteriores, em função das condições da turma a que estão sendo desenvolvidas as atividades, o professor deve aumentar ou diminuir a complexidade e organização para respeitar as capacidades e o desenvolvimento de cada faixa etária. Introdução na competição Nas atividades esportivas, o ganhar ou perder faz parte dos jogos e disputas e nessas ocasiões as crianças passam por um estado de alegria e tristeza, que acaba se refletindo na auto-estima e na ansiedade entre outros fatores. Na MED SPORT existe um cuidado especial em contribuir para que o processo competitivo seja vivenciado de maneira saudável, uma vez que a atividade competitiva pode ser boa ou ruim, dependendo da expectativa e da atmosfera criada em relação a ela e ainda, do julgamento que as crianças fazem de seu desempenho e em que parâmetros ele se baseia. Nesse sentido, a equipe de professores orienta os alunos para que comparem seu desempenho em relação aos resultados anteriores e estabeleçam metas realistas e atingíveis, desenvolvendo o domínio ou orientação para o sucesso, em vez do medo do fracasso. Considerando que é dos professores e pais a responsabilidade na formação de cidadãos participativos, críticos, solidários e responsáveis, cabe a eles ajudar a transformar as experiências das crianças em algo positivo e enriquecedor, não as

13 Brandão e Momjian p13 privando do sucesso ou fracasso, mas oferecendo suporte emocional tanto na vitória quanto na derrota. Para isso a escola promove eventos e intercâmbios e também participa de outros organizados por Escolas de Esportes parceiras, onde os alunos exercitam a atividade de jogar com uma outra equipe e não jogar contra, de ganhar e perder, de colocar em prática o que aprendeu, de respeitar e ser respeitado, de lidar com a ansiedade e com a expectativa de pais, professores, colegas e as próprias, enfim, de tudo o mais que se pode aprender de uma experiência de jogo. Normalmente essas atividades são desenvolvidas em forma de festivais com jogos adaptados ou com circuitos de habilidades, onde todos são premiados pela participação e não pelo desempenho. Mais adiante, a partir dos 11/12 anos é que surgem as primeiras competições formais, organizadas em forma de torneio (num único dia) e com regras adaptadas, proporcionando oportunidades para que todos os alunos da escola vivenciem este processo. Encaminhamento de talentos A iniciação esportiva e o desenvolvimento das capacidades e habilidades motoras nas crianças, juntamente com outros atributos referentes ao biotipo, intenção, etc, podem levar ao surgimento de um talento esportivo. Nesse caso, tendo o aluno manifestado esta condição, ele é encaminhado a clubes na modalidade preferida ou na recomendada pela equipe de professores para testes e ingresso na carreira competitiva. Fazem parte da história da escola casos de alunos que se destacaram como talentos e seguiram a carreira atlética, principalmente nas modalidades basquete, vôlei e handebol, alguns chegando à seleção nacional nas categorias de base.

14 Brandão e Momjian p14 CONSIDERAÇÕES FINAIS A prática de atividades físicas e esportivas diversificadas, bem planejadas e adequadas à faixa etária, proporciona benefícios para que ao longo de toda a vida o indivíduo colha os frutos desse investimento e adquira o gosto pela prática de uma atividade física e entenda o seu valor. A MED SPORT salienta a importância da pedagogia do esporte que trata da iniciação esportiva levando em conta as necessidades da criança em seus vários aspectos. Tendo o aluno sempre como referência, o professor, além do ensino da técnica esportiva, deve ter responsabilidade educacional com seus alunos. Partindo de um sonho e uma certeza, a escola sempre se dedicou a contribuir para o desenvolvimento global, amplo e harmonioso de seus alunos, respeitando as capacidades e habilidades individuais. Ao longo dos quase 25 anos de existência, a certeza foi sendo cada vez mais confirmada: o trabalho diversificado em relação às modalidades esportivas foi se mostrando eficiente quando as turmas de 11/12 anos passaram a participar de torneios que continham equipes que já se dedicavam aos treinos de uma modalidade específica. Os resultados positivos que foram obtidos ao longo desses anos comprovaram na prática que o trabalho diversificado de capacidades e habilidades, através da prática de várias modalidades esportivas, é imprescindível para o enriquecimento do acervo motor das crianças, que se reflete também em ganhos de autonomia, auto-estima, cooperação e integração. O atletismo nesse contexto tem lugar de destaque, uma vez que desenvolve habilidades e capacidades motoras que servem de base para todas as demais modalidades, pois trabalha com os movimentos naturais do ser humano. Os frutos obtidos a partir da certeza inicial garantiram a concretização daquele sonho de 1981, de um dia ver um dos alunos da escola freqüentando a atlética como atletas da faculdade de medicina: hoje há vários ex-alunos da MED SPORT participando das equipes de competição não só da faculdade de Medicina, mas também de outras instituições ou clubes. Também é motivo de muita satisfação saber que o vínculo de amizade entre

15 Brandão e Momjian p15 os alunos e suas famílias permanece mesmo quando eles já não fazem mais parte do quadro de alunos. Na verdade, esse é um fator que sempre recebe investimento por parte da equipe de trabalho, que acredita nos benefícios do estabelecimento de vínculos entre os alunos, entre eles e a escola, entre a equipe de trabalho e entre as famílias e a escola. É importante mencionar que a escola caminha apoiada na proposta que a fundamenta e no comprometimento e envolvimento da equipe de professores, e que toda mudança realizada é fruto de um processo de reflexões em relação ao que a escola se propõe. O que foi apresentado neste trabalho corresponde ao resultado da realidade vivenciada desde a criação da escola através de tentativas, erros, acertos, incertezas, estudos e reflexões. Assim, chegou-se ao que hoje a MED SPORT acredita ser um bom caminho na formação educacional e esportiva das crianças e jovens a ela confiados.

16 Brandão e Momjian p16 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARENA, S. S. Iniciação e especialização esportiva na Grande São Paulo. São Paulo: (Dissertação Mestrado) EEFE/USP, BALBINO, H. F. Jogos desportivos coletivos e os estímulos das inteligências múltiplas: bases para uma proposta em pedagogia do esporte. Campinas: (Dissertação de Mestrado) FEF/UNICAMP, BAYER, C. O ensino dos desportos coletivos. Lisboa: Dinalivro, FREIRE, J. B. Educação de Corpo Inteiro: teoria e prática da Educação Física. São Paulo: Scipione, FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática pedagógica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, GALLAHUE, D. L; OZMUN, J. C. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Phorte Editora, GRAÇA, A.; OLIVEIRA, J. O Ensino dos Jogos Desportivos. 3ª ed. Porto: Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto, MOREIRA, M. A.; MASINI, E. A. F. S. Aprendizagem Significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, MOREIRA, S. M. Pedagogia do Esporte e Karatê-dô: considerações acerca da iniciação esportiva e da especialização precoce. Campinas SP: (Dissertação Mestrado) FEF/UNICAMP, PAES, R. R. Pedagogia do esporte e os jogos coletivos. In: DE ROSE JR., D. Esporte e atividade física na infância e na adolescência: uma abordagem multidisciplinar. Porto Alegre: Artes Médicas, p PAES, R. R.; BALBINO, H. F. Processo de ensino e aprendizagem do basquetebol: perspectivas pedagógicas. In: DE ROSE JR., D.; TRICOLI, V. Basquetebol: uma visão integrada entre ciência e prática. Barueri: Manole, p PASSER, M. When should children begining? A pshycological perspective. In: Sport for children and youth. Champain: Human Kinetics, 1986, p TANI, G. et al Educação Física Escolar: fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. São Paulo: EPU Editora da Universidade de São Paulo, VIGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, WARSCHAUER, C. A Roda e o Registro: uma parceria entre professor, alunos e conhecimento. 1ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1993.

Ciclo de Vida das atividades esportivas nos clubes da implantação ao encerramento Case Esperia: Reestruturação de atividade esportiva

Ciclo de Vida das atividades esportivas nos clubes da implantação ao encerramento Case Esperia: Reestruturação de atividade esportiva Ciclo de Vida das atividades esportivas nos clubes da implantação ao encerramento Case Esperia: Reestruturação de atividade esportiva O PIDE - Programa de Iniciação Desportiva do Clube Esperia foi criado

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA ENSINO MÉDIO INTRODUCÃO

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA ENSINO MÉDIO INTRODUCÃO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA ENSINO MÉDIO Docente: André Luiz Sponhardi ANO:2013 INTRODUCÃO Há muitos benefícios provenientes das aulas de educação física para os alunos

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 7º ANO PROFESSORA:

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL PLANO DE TRABALHO FUTEBOL Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas.

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas. 1 Análise de comparação dos resultados dos alunos/atletas do Atletismo, categoria infanto, nos Jogos Escolares Brasiliense & Olimpíadas Escolares Brasileira. Autora: Betânia Pereira Feitosa Orientador:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. Lazer Grande variedade de ações e atuações humanas nos mais diversificados

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 13) Acerca do conceito de corporeidade descrito na Proposta Curricular de Santa Catarina, assinale a alternativa correta. A Corporeidade é presença no esporte, via corpo, que age e que, ao expressar-se,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

ESPORTES COMUNITÁRIA

ESPORTES COMUNITÁRIA ESPORTES COMUNITÁRIA 2014 Prezados pais e alunos, É com muita alegria e energia que esperamos a participação dos nossos alunos na Comunitária Esportes! Trabalhamos com empenho e carinho nos últimos preparativos

Leia mais

A ESCOLA, A EDUCAÇÃO FÍSICA E O ENSINO DO FUTEBOL E DAS COPAS DO MUNDO

A ESCOLA, A EDUCAÇÃO FÍSICA E O ENSINO DO FUTEBOL E DAS COPAS DO MUNDO A ESCOLA, A EDUCAÇÃO FÍSICA E O ENSINO DO FUTEBOL E DAS COPAS DO MUNDO CAROLINE SOUZA DE AZEVEDO Acadêmica do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal de Santa Catarina BRUNO VICENTE

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Atividades Extraclasse

Atividades Extraclasse Atividades Extraclasse No Marista Ipanema, o estudante também aprende e desenvolve habilidades além da sala de aula. As turmas das Atividades Extraclasse, para cada modalidade, são divididas de acordo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN GENERAL CARNEIRO 2010 OBJETIVOS GERAIS DA DISCÍPLINA Proporcionar ao aluno a cultura corporal

Leia mais

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12.

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. CARTA DE BOAS VINDAS Prezado Franqueado e Parceiro, Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. Acreditamos que esta

Leia mais

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATUAÇÃO DO PROFESSOR no Nível de Habilidade no Nível de Desempenho DIVERSIDADE DE CONTEÚDO Inserção no Grupo na Auto-estima CONCEITOS E INFORMAÇÕES Comportamentos e Atitudes

Leia mais

VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II

VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II Jackson Rodrigues Cordeiro 1, Cíntia Silva de Oliveira 2, Silas Queiroz de Souza 3, Marcelo

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO SOBRE HIGIENE EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO SOBRE HIGIENE EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO SOBRE HIGIENE EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL Trabalho de aproveitamento apresentado à disciplina Estágio Supervisionado I do Curso de Enfermagem da Universidade

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: PLANO DE CURSO Curso: Educação Física Disciplina: Teoria e Metodologia das Modalidades Coletivas - II Professor: Renan José Guedes Alcoforado Pereira Código: Carga Horária: 100

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 NATAÇÃO E DESEMPENHO ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DE UMA EXTENSÃO DA UFG COM UMA ESCOLA PÚBLICA Poliana Siqueira Pedroza 1 Luís César de Souza 2 RESUMO Comunidade Aquática é um projeto de extensão do curso de

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Bianca das Neves Silva Professora da rede municipal de Jundiaí Profa. Dra. Luciene Farias de Melo Coord. do Curso de Educação Física da Faculdade

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROJETO JUDÔ NA ESCOLA: A SALA DE AULA E O TATAME Projeto: Domingos Sávio Aquino Fortes Professor da Rede Municipal de Lorena Semeie um pensamento,

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 2 O Movimento e o Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar o desenvolvimento e o amadurecimento dos aspectos motores. 2 Relacionar os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs)

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA Educação Infantil METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA s s s Precisao e organizacao nos conceitos A agitação é a mesma. Com algumas adaptações ao espaço e ao tempo, a rotina e as histórias

Leia mais

MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR

MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR Rafael Rodrigo Klein, Universidade Federal de Santa Maria UFSM, Santa Maria, Rio Grande do Sul - Brasil RESUMO Este trabalho é um relato de experiência acerca de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brusque. Escola de Ensino Fundamental Padre Luiz Gonzaga Steiner Disciplina: Educação Física Professor: Tiago da Silva Mafra

Prefeitura Municipal de Brusque. Escola de Ensino Fundamental Padre Luiz Gonzaga Steiner Disciplina: Educação Física Professor: Tiago da Silva Mafra Prefeitura Municipal de Brusque Escola de Ensino Fundamental Padre Luiz Gonzaga Steiner Disciplina: Educação Física Professor: Tiago da Silva Mafra PROJETO ATIVIDADES CIRCENSES Brusque 2013 Sumário 1.

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro

O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro esportivo emancipado O Esporte como meio pedagógico... Por que? O Que? COMO? Ensinar Onde? Quando? Quem? Perguntas que definem o método: Incidental

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 6º ANO PROFESSORA:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Educação Física Inclusiva

Educação Física Inclusiva LUIZ HENRIQUE DE PAULA CONCEIÇÃO 1 RODRIGO HÜBNER MENDES 2 Educação Física Inclusiva O esporte para pessoas com deficiência teve seu início após a Primeira Guerra Mundial, como forma de tratamento de soldados

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Resumo Scheila Medina 1 - PUCPR Luís Rogério de Albuquerque 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol Autor: Daniel Brugni Guimarães Orientador: Prof. Me. Fabio Aires da Cunha Ar Rass Saudi Arabia 2012

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

MINAS OLÍMPICA GERAÇÃO ESPORTE

MINAS OLÍMPICA GERAÇÃO ESPORTE MINAS OLÍMPICA GERAÇÃO ESPORTE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DE EDUCADORES AS DIMENSÕES DO CONTEÚDO DE JOGOS E BRINCADEIRAS Oficina Teórica e Prática PROF. POLLYANNA PESSOA DIAS QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DE EDUCADORES

Leia mais

TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) 1.200 Horas (dois semestres) CBO: 3311-05

TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) 1.200 Horas (dois semestres) CBO: 3311-05 TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) 1.200 Horas (dois semestres) CBO: 3311-05 1 JUSTIFICATIVA 1. SUPEN/SEDUC.PI mediação tecnológica do Programa Mais Saber; 2. PI quarto lugar: índice de 35,9 matriculadas

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática

Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Passini, G.K.;Gonçalves, N. B.;Geraldello, F.H.S. 1 Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Gabriel

Leia mais

O HANDEBOL NO ENSINO MÉDIO

O HANDEBOL NO ENSINO MÉDIO O HANDEBOL NO ENSINO MÉDIO Derli Juliano Neuenfeldt 1 Cláudia Barth 2 Ricardo Caron Taís P. Cordeiro RESUMO Este trabalho, que fez parte da disciplina de Handebol I, caracteriza-se como um exercício de

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 7º ANO PROFESSORA:

Leia mais

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 Apresentação Produtividade do Grupo de Estudos e Pesquisas em Pedagogia do Esporte - GEPE Variáveis físicas, psicológicas

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA SERIADO ANUAL - MATUTINO/NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS

Leia mais

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO O GRUPO DOM BOSCO Este é o momento de dar espaço à curiosidade, de fazer novas descobertas e formar suas próprias ideias. SEDE HORTO - Berçário - Educação Infantil - 1º Ano

Leia mais

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS ISSN 2177-9139 O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS Morgana Fernandes da Silva 1 morganaf60@gmail.com Faculdades Integradas de Taquara,

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms.Camila Corrêa Moura Prof. Ms. Larissa Rafaela Galatti

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 1 O Movimento e o Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Resgatar alguns conceitos sobre o movimento e o desenvolvimento motor e suas fases. 2 Definir habilidade motora e identificar

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Objetivo construção de um cenário

Objetivo construção de um cenário Objetivo Levantar informações junto aos professores de Educação Física e aos diretores / vice diretores das escolas públicas brasileiras, de modo a permitir o mapeamento e a construção de um cenário sobre

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR Heloísa Luck O trabalho escolar é uma ação de caráter coletivo, realizado a partir da participação conjunta e integrada dos membros de todos os segmentos

Leia mais