Módulo 1: Formação para a consciencialização do fenómeno de bullying Manual do Formador

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo 1: Formação para a consciencialização do fenómeno de bullying Manual do Formador"

Transcrição

1 Módulo 1: Formação para a consciencialização do fenómeno de bullying Manual do Formador

2 I. Información general Objetivo Geral do Módulo 1 A formação para a consciencialização do fenómeno de bullying serve de introdução ao tema do bullying no local de trabalho e ao cyberbullying. São apresentados factos sobre o bullying e os formandos aprendem a reconhecer os seus sinais e os seus efeitos. Para além disso, aprendem a reconhecer o que realmente é o bullying, evitando-se assim confusões com outros fenómenos. De posse destas informações, os formandos poderão avançar para os módulos seguintes, sobre prevenção e intervenção. Explicação O módulo Formação para a consciencialização do fenómeno de bullying inclui quatro sub-módulos no que respeita ao conteúdo e um sub-módulo relativo ao resumo e à avaliação. Cada um dos sub-módulos é ministrado através do recurso a diferentes atividades. O Manual do Formador inclui as atividades recomendadas para que seja assegurado, por parte dos formandos, um conhecimento básico dos fenómenos de bullying no local de trabalho e do cyberbullying. Além disso, o manual inclui uma breve descrição do conteúdo de cada sub-módulo (vide II. Conteúdo) e uma breve descrição das fichas de trabalho disponíveis (vide II. Conteúdo das fichas de trabalho). A descrição detalhada das atividades encontra-se incluída na secção de Atividades. As atividades poderão ser adaptadas ao grupo-alvo ou expandidas através do recurso às atividades sugeridas no Anexo (A 1 material adicional para o Módulo 1 Formação para a Consciencialização do Fenómeno de Bullying ) Estrutura Este módulo tem a seguinte estrutura: a) Introdução O formador apresenta os objetivos do módulo (PowerPoint, slide 1): os formandos ficam com uma ideia genérica do que é o bullying. Vão aprender a reconhecer diferentes tipos de bullying, quem participa nessas situações e os efeitos que o bullying poderá ter. Ouvirão falar das formas tradicionais de bullying no local de trabalho, mas também do cyberbullying (cf. Módulo 1, PowerPoint, slide 1). b) Resultados de aprendizagem Módulo 1: Os seguintes resultados de aprendizagem esperados são explicados aos formandos antes de se dar início ao módulo (PowerPoint slide 2).

3 1) Aprender o que é o bullying no local de trabalho (sub-módulo 1.1): Os formandos aprendem factos importantes acerca do bullying no local de trabalho (atividade 1.1.1). Para além disso, aprendem a identificar casos de bullying (atividade 1.1.2) e a distinguir entre bullying, críticas e atos ilícitos (atividade 1.1.3). 2) Aprender o que é o cyber-bullying (sub-módulo 1.2): Os formandos aprendem factos sobre o cyberbullying (atividade 1.2.1). Aprendem a reconhecer diferentes tipos de cyberbullying (atividade 1.2.2). Aprendem ainda a reconhecer as semelhanças e diferenças que existem entre o bullying tradicional no local de trabalho e o cyberbullying (atividade 1.2.3). 3) Aprender a reconhecer sinais de bullying (sub-módulo 1.3): Neste sub-módulo, os formandos refletem primeiro sozinhos sobre possíveis sinais de bullying (atividade 1.3.1) e aprendem a distinguir entre o comportamento do agressor e o da vítima (atividade 1.3.2). Os critérios de avaliação para este módulo, definidos em função dos resultados de aprendizagem acima expostos, poderão ser encontrados nas Fichas de Trabalho para os Formandos, (Fichas de Trabalho n.ºs 21 e 22). Ambas as fichas deverão ser preenchidas em relação a cada formando. c) Sub-módulo Consciencialização do bullying, com atividades Depois de o resultado de aprendizagem esperado ter sido explicado, as atividades dos diferentes sub-módulos poderão ser iniciadas. Uma panorâmica do conteúdo e das atividades de cada secção poderá ser encontrada nas páginas que se seguem deste Manual do Formador. Na secção Atividades do Módulo 1, encontrará uma descrição detalhada das atividades recomendadas. Outras atividades que poderão ser promovidas no âmbito deste módulo encontram-se descritas no Anexo (A 1 Material adicional para o Módulo 1 Consciencialização do fenómeno de bullying no local de trabalho ). As atividades recomendadas têm como suporte o PowerPoint para o Módulo 1. Encontrará ainda mais material relativo ao Módulo 1 nas Fichas de Trabalho para os Formandos. d) Resumo e avaliação Depois de terem completado as atividades do sub-módulo, deverá ser pedido aos formandos que preencham uma ficha de avaliação (Fichas de Trabalho 1, 10, 16). Ser-lhes-á pois dado espaço para resumirem o que possam ter aprendido; poderão fazê-lo através de um desenho, escrevendo ou fazendo uma colagem. Deverão serlhes ainda dadas fichas de resumo (Fichas de Trabalho 2, 11, 17) relacionadas com os resultados de aprendizagem esperados para cada situação, e que os formandos poderão consultar mais tarde, depois de terem completado o curso. Em cada módulo encontrará a indicação das fichas que deverão ser entregues aos formandos.

4 Depois de cada sub-módulo ter sido completado, os formandos deverão proceder à avaliação geral dos resultados de aprendizagem esperados através do recurso a uma atividade (cf. 1.4).

5 II. Conteúdo Sub-módulo 1.1 Bullying no local de trabalho Introdução Resumo Para se ser capaz de dar uma resposta adequada a situações de bullying, é essencial que se conheça o tipo de comportamento do agressor. Existem diferentes tipos de bullying no local de trabalho, e são vários os intervenientes. Características do bullying no local de trabalho: Definição: comportamento negativo, dirigido contra uma ou mais pessoas de forma sistemática e durante muito tempo; o comportamento é injustificado e tem como objetivo a intimidação do seu alvo. Tipos: verbal, físico, gestual, social, extorsão, cyberbullying Participantes: o(s) agressor(s) (colegas, gerente, diretor, formador vocacional), a vítima, testemunhas, pessoas que passem por acaso Lugares onde a situação de bullying poderá ocorrer: no percurso para o trabalho, no local de trabalho, durante os períodos de descanso, através da Internet ou do telemóvel Efeitos: impacto no bem-estar, na saúde, na produtividade/desempenho no trabalho Atividades Exemplos de situações de bullying no local de trabalho: Bullying verbal no local de trabalho: gritar com os empregados, insultar e pôr alcunhas ofensivas, sujeitar a todo o tipo de humilhação pública, fazer críticas constantes sobre assuntos sem importância, acusar repetidamente de erros que não foram cometidos, espalhar boatos. Bullying social no local de trabalho: ignorar a presença de uma pessoa, encorajar alguém a não respeitar as ordens de outra pessoa, recusar-se a dar informação importante, implicar de forma persistente com uma pessoa Exemplos concretos de bullying no local de trabalho: Atribuir tarefas sem importância, ficar com os louros de ideias de outras pessoas, recusar pedidos razoáveis de férias, impedir a promoção de alguém, avaliar de forma falsa o desempenho profissional, retirar trabalho. Atividade Discussão de vídeo Atividade Estudo de Caso: Identificação de bullying no local de trabalho Atividade Jogo ativo: Distinção entre bullying, críticas, piadas e atos ilícitos

6 Fichas de Trabalho PowerPoint Slides 3 a 9 Anexo Ficha de Trabalho n.º 1 Avaliação: Bullying no local de trabalho Ficha de Trabalho n.º 2 Resumo: Bullying no local de trabalho Fichas de Trabalho n.º 3 a 7 Estudos de Caso 1 a 5 : Identificação de bullying no local de trabalho Ficha de Trabalho n.º 8 Distinção entre bullying, críticas, piadas e atos ilícitos Ficha de Trabalho n.º 9 Avaliação adequada da distinção entre bullying, críticas, piadas e atos ilícitos Tabela de Ficha de trabalho A1.1 para a atividade Estudos de caso Nota: No final da última atividade deste sub-módulo, devem ser distribuídas as Fichas de Trabalho n.ºs 1 e 2.

7 Sub-módulo 1.2 Cyberbullying Introdução Resumo Há um tipo especial de bullying que é feito através do telemóvel ou da Internet e que se chama cyberbullying. É feita a distinção entre diferentes tipos de bullying. Uma vez que o recurso aos media se encontra generalizado, os formandos deverão ser informados sobre o cyberbullying. Definição de cyberbullying: Mensagens hostis e agressivas, enviadas de forma repetida através de meios electrónicos ou digitais com a intenção de magoar ou causar desconforto a alguém 1. A publicação de uma só fotografia ou video-clip humilhantes ou embaraçosos é também uma forma de cyberbullying, pois cada vez que estes são visionados por mais uma pessoa, ou partilhados como outras pessoas (sendo publicados em outros locais), repete-se o ato de humilhação (havendo pois uma repetição da vitimização) 2. Diferentes canais de cyberbullying 3 : SMS: enviar mensagens mal-intencionadas. MMS: Tirar ou enviar fotografias e/ou vídeos embaraçosos. Chamadas: fazer chamadas telefónicas perturbadoras. Enviar s desagradáveis ou ameaçadores para uma vítima, ou para outras pessoas acerca de uma vítima. Chats: Intimidar ou abusar das outras pessoas ao participar em chats. Sites: revelar online segredos ou informação pessoal sobre outras pessoas, publicar comentários desagradáveis e malintencionados num site ou ainda fotografias ou vídeos humilhantes. Atualmente, o bullying feito através de telemóveis e da Internet sobrepõe-se de forma considerável, em virtude do crescente número de indivíduos que têm smart phones. Comportamento de cyberbullying 4 : enviar mensagens electrónicas com linguagem irada e grosseira enviar muitas mensagens desagradáveis, maldosas e insultuosas espalhar boatos com o objetivo de ferir reputações ou amizades fazer-se passar por outra pessoa 1 Tokunaga, R.S. (2010). Following you home from school: A critical review and synthesis of research on cyberbullying victimization. Computers in Human Behaviour, 26, Slonje, R. and Smith, P. K. (2008). Cyberbullying: Another main type of bullying? Scandinavian Journal of Psychology, 49, Smith, P. K. et al. (2008), citado em Cybertraining for parents ( 4 De acordo com Willard, N. (2007), cit in

8 Atividades Fichas de Trabalho revelar segredos ou informação pessoal convencer alguém a revelar segredos ou informação embaraçosa e depois publicá-la online excluir alguém de um grupo online de forma intencional e cruel perseguição repetida e intensa de forma a desmoralizar alguém; inclui ameaças e cria terror na vítima. Atividade Discussão do vídeo: Vamos combatê-lo juntos Atividade Estudos de caso: Tipos de cyberbullying Ficha de Trabalho n.º 10 Avaliação: Cyberbullying Ficha de Trabalho n.º 11 Resumo: Cyberbullying Fichas de Trabalho n.º 12 a 15 Estudos de caso: tipos de cyberbullying (Cenário 1 a 4) PowerPoint Slides 10 a 16 Anexo Atividade A 1.1 Semelhanças e diferenças entre o bullying tradicional e o cyberbullying Ficha de Trabalho 1.2. Nota: No final da última atividade deste sub-módulo, devem ser distribuídas as Fichas de Trabalho n.ºs 10 e 11.

9 Sub-módulo 1.3 Sinais de bullying Introdução As conclusões apresentadas pela Análise de Necessidades de Formação confirmaram que nem todos os casos de bullying são reportados. Contudo, o efeito do bullying sobre as pessoas envolvidas é tal que se torna importante detectar essas situações o mais cedo possível. Essa identificação atempada poderá beneficiar da familiarização dos formandos com os sinais de bullying. Resumo Sinais de que alguém poderá estar a ser vítima de bullying 5 Tem problemas de saúde mais frequentes: dores de cabeça, de estômago, dificuldade em adormecer, depressão Absentismo: não quer ir trabalhar, fica doente por causa do stress que lhe causa a situação de que é vítima, chega atrasado ao trabalho Alteração do comportamento e do estado emocional: perda de confiança, mudança de humor, nervosismo, ataques de ansiedade, mas também agressividade, ou então isolamento e fechamento (não fala, recusa a dizer o que se passa) Desinteresse por amizades ou mesmo perda de amizades: uma alteração numa relação de amizade pode ser sinal de bullying (ex. melhores amigos numa semana, e sem contacto na semana seguinte). Esta instabilidade poderá causar grande stress na vítima, pois informações privadas e segredos que possa ter partilhado com o melhor amigo podem tornar-se públicos, causando embaraço (o que constitui situação de bullying). Reações emocionais negativas depois de ter estado nas redes sociais: ficar furioso, preocupado ou ansioso depois de se ter estado na Internet ou de se ter lido uma SMS poderá indicar que existe uma situação de bullying. As testemunhas de bullying poderão evidenciar os mesmos sinais que as vítimas, talvez por se sentirem inseguras e terem medo de vir a ser também alvo de bullying. Sinais que identificam o agressor: Identificar o agressor é mais difícil se a situação de bullying não for denunciada ou testemunhada por alguém. Um sinal poderá ser a posição que ele tem no grupo: agressor pode ser o membro principal do grupo É desrespeitador e parece estar sempre a desafiar as pessoas Gosta de separar grupos e de recrutar gente para o seu grupo É importante não nos esquecermos de que, frequentemente, as 5 Inspirado em Cybertraining for parents (

10 vítimas de bullying são também agressores. Atividades Atividade Discussão Atividade Jogo ativo: Comportamento do agressor e da vítima Fichas de Ficha de Trabalho n.º 16 Avaliação: Sinais de bullying Trabalho Ficha de Trabalho n.º 17 Resumo: sinais de bullying Ficha de Trabalho n.º 18 Avaliação do comportamento do agressor Ficha de Trabalho n.º 19 Avaliação adequada de comportamento de bullying PowerPoint Slides 17 a 21 Nota: No final da última atividade deste sub-módulo, devem ser distribuídas as Fichas de Trabalho n.ºs 16 e 17.

11 Sub-módulo 1.4 Avaliação Introdução Atividades Fichas Trabalho Anexo de Para além do resumo e da avaliação no final de cada sub-módulo, através das fichas de trabalho correspondentes (cf. explicação da estrutura), o módulo é avaliado, na sua totalidade, através do recurso a pelo menos uma atividade (uma outra poderá ser encontrada no Anexo, A 1.2, Todos bem afinados! ). É importante que este feedback seja obtido, pois só assim é que o curso poderá ser melhorado. Atividade 1.4.1: Barómetro da disposição Ficha de Trabalho n.º 20 Questionário de Avaliação do Módulo 1 Ficha de Trabalho n.º 21 Critérios de Avaliação para o Módulo 1 Ficha de Trabalho n.º 22 Registo de avaliação do Formador: Ficha individual de aluno A 1.2 Atividade de avaliação: Todos bem afinados PowerPoint Slides 27 a 28 Nota: Depois da atividade de avaliação, os formandos deverão completar a Ficha de Trabalho n.º 20. As fichas de Trabalho n.ºs 21 e 22 deverão ser preenchidas pelo formador (uma por formando).

12 III. Conteúdo das Fichas de Trabalho Sub-módulo 1.1 Bullying no local de trabalho n Ficha de Trabalho n.º 1 Avaliação: Bullying no local de trabalho: Os formandos deverão assinalar as atividades em que participaram. Com a ajuda de 5 questões curtas, poderão avaliar o conteúdo do sub-módulo. Para além disso, terão a possibilidade de escrever ou desenhar ou fazer uma colagem representando o que aprenderam no sub-módulo. Ao completarem esta ficha de trabalho, os formandos estarão a resumir o que aprenderam. Esta estratégia potencia a hipótese de eles virem a lembrar-se do que aprenderam, pondo em prática essas estratégias no futuro. Outro aspeto importante é que passam a ter elementos de referência para consulta, mais tarde. O formador poderá ler o que escreveram ou desenharam os formandos, mas esta ficha deverá ficar na pasta destes últimos. n Ficha de Trabalho n.º 2 Resumo: Bullying no local de trabalho: Esta ficha serve não apenas para fornecer um resumo da matéria, mas sobretudo para integrar uma espécie de livro de referência que lhes possa vir a ser útil no futuro. Esta ficha deverá ser fornecida aos formandos quando todas as atividades tiverem sido terminadas, incluindo a avaliação. n Fichas de Trabalho n.º 3 a 7 Estudos de Caso 1 a 5 : Identificação de bullying no local de trabalho: Estas fichas de Trabalho acompanham a atividade Inclui a descrição de uma situação que os formandos terão de avaliar como sendo (ou não) um exemplo de bullying no local de trabalho. n Ficha de Trabalho n.º 8 Distinção entre bullying, críticas, piadas e atos ilícitos: Esta ficha acompanha a atividade 1.1.3, onde os formandos têm de decidir se as ações em foco constituem ou não exemplos de um comportamento de bullying. n Ficha de Trabalho n.º 8 Avaliação adequada da distinção entre bullying, críticas, piadas e atos ilícitos: Esta ficha deverá ser entregue aos formandos quando a Ficha de Trabalho n.º 8 tiver sido completada, pois ela inclui as respostas às questões colocadas nessa ficha, dando a respetiva justificação. Sub-módulo 1.2 Cyberbullying n Ficha de Trabalho n.º 10 Avaliação: Cyberbullying: No final do sub-módulo, os formandos deverão ser capazes de avaliar o conteúdo de 1.2. Para mais informações, ver a explicação na Ficha de Trabalho n.º 1. n Ficha de Trabalho n.º 11 Resumo: Cyberbullying: Resumo deste submódulo. Para mais informações, ver a Ficha de Trabalho n.º 2.

13 n Fichas de Trabalho n.º 12 a 15 Estudos de caso: tipos de cyberbullying (Cenário 1 a 4): Estas Fichas de Trabalho acompanham a atividade Incluem a descrição de uma situação e de palavras que os formandos terão de escolher para classificar o tipo de bullying em causa. Sub-módulo 1.3 Sinais de bullying n Ficha de Trabalho n.º 16 Avaliação: Sinais de bullying. n Ficha de Trabalho n.º 17 Resumo: sinais de bullying: Resumo deste submódulo, a ser entregue depois de terem sido completadas todas as atividades. Para mais informações, ver a Ficha de Trabalho n.º 2. n Ficha de Trabalho n.º 18 Avaliação do comportamento do agressor: Esta Ficha de Trabalho acompanha a atividade 1.3.2, onde os formandos têm de indicar se o comportamento em foco é o de um agressor ou o de uma vítima de bullying. n Ficha de Trabalho n.º 19 Avaliação adequada de comportamento de bullying : Esta Ficha de Trabalho inclui as soluções para a Ficha de Trabalho n.º 19 e deverá ser entregue depois de os formandos terem completado a Ficha de Trabalho n.º 18. Sub-módulo 1.4 Resumo e avaliação n Ficha de Trabalho n.º 20 Questionário de Avaliação do Módulo 1 Formação para a consciencialização do fenómeno de bullying n Faz parte da atividade Poderá ser completada pelos formandos, sozinhos ou ajudados por formadores, supervisores, etc. Poderá ser analisada e utilizada para melhorar este curso de formação, bem como para aperfeiçoar a forma como ele é ministrado. n Ficha de Trabalho n.º 21 Critérios de Avaliação para o Módulo 1: O formador avalia cada aspeto a fim de confirmar se os resultados de aprendizagem esperados foram alcançados. Deverá haver uma ficha para cada formando. n Ficha de Trabalho n.º 22 Registo de avaliação do Formador: Ficha individual de aluno : Esta ficha é completada pelo formador para confirmar se cada um dos formandos atingiu os objetivos do módulo. Anexo: n Ficha de Trabalho A1.1: Esta Ficha de Trabalho acompanha a Atividade Estudos de caso: Identificação do bullying no local de trabalho. A tabela pode ser colocada num flipchart. Para cada cenário, o formando verifica se uma

14 determinada característica se encontra aí presente. Somente quando todas as características estão presentes, se pode considerar uma situação de bullying. n Ficha de Trabalho A1.2 Semelhanças e diferenças entre o bullying tradicional e o cyberbullying: Esta Ficha de Trabalho acompanha a Atividade A1.1. Inclui a indicação das características específicas do bullying no local de trabalho, do cyberbullying e assinala as semelhanças entre os dois fenómenos.

Módulo 1: Consciencialização do fenómeno de bullying Fichas de Trabalho para os Formandos

Módulo 1: Consciencialização do fenómeno de bullying Fichas de Trabalho para os Formandos Módulo 1: Consciencialização do fenómeno de Fichas de Trabalho para os Formandos Módulo 1: Formação para a consciencialização do fenómeno de Na primeira secção, aprenderá n o que é o em contexto de trabalho

Leia mais

Módulo 1: Consciencialização do fenómeno de bullying Atividades

Módulo 1: Consciencialização do fenómeno de bullying Atividades Módulo 1: Consciencialização do fenómeno de bullying Atividades Sub-módulo 1.1 Bullying no local de trabalho Atividade 1.1.1 Discussão de vídeo Breve descrição: Introdução ao bullying no local de trabalho

Leia mais

Módulo 3: Prevenção: evite transformarse num agressor. Manual do Formador. Módulo 3 Manual do Formador

Módulo 3: Prevenção: evite transformarse num agressor. Manual do Formador. Módulo 3 Manual do Formador Módulo 3: Prevenção: evite transformarse num agressor Manual do Formador I. Informação geral Objetivo geral do Módulo 3 Prevenção: evite transformar-se num agressor Os resultados da Análise de Necessidades

Leia mais

Escola Profissional Fialho de Almeida - Vidigueira

Escola Profissional Fialho de Almeida - Vidigueira Um (cada um de nós) por todos (os outros) E todos (os outros) por um (nós). O BULLYING É UM FENÓMENO QUE DEIXA MARCAS PARA SEMPRE O bullying caracteriza-se por comportamentos de abuso sistemático de poder,

Leia mais

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador Prevenção do bullying Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador O que é bullying? Bullying não é um conflito nem uma briga. O bullying é o abuso físico, verbal ou emocional deliberado,

Leia mais

DGAJ/DF. Curso em E-learning

DGAJ/DF. Curso em E-learning Curso em E-learning Introdução O que é estudar a distância O estudo à distância é uma forma diferente de aprender. Para que uma pessoa possa estudar à distância, necessita desenvolver algumas habilidades

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

Riscos Psicossociais Associados à Violência nos Locais de Trabalho

Riscos Psicossociais Associados à Violência nos Locais de Trabalho Riscos Psicossociais Associados à Violência nos Locais de Trabalho Catarina Paulos 6 de Março de 2012 Auditório do IEFP VIOLÊNCIA NO LOCAL DE TRABALHO Uso intencional de poder contra uma pessoa ou um grupo,

Leia mais

Bullying - A Agressividade Entre Pares. A Agressividade Entre Pares

Bullying - A Agressividade Entre Pares. A Agressividade Entre Pares Bullying - A Agressividade Entre Pares A Agressividade Entre Pares Conceito de Bullying Dan Olweus (1991), definiu o conceito de Bullying afirmando que um aluno está a ser provocado/vitimado quando ele

Leia mais

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA O enfrentamento do BULLYING, além de ser uma medida disciplinar, também é um gesto cidadão tremendamente educativo, pois prepara os alunos para a aceitação, o respeito

Leia mais

Módulo 2: Protegendo-se do bullying no local de trabalho Manual do Formador. Módulo 2 Manual do Formador

Módulo 2: Protegendo-se do bullying no local de trabalho Manual do Formador. Módulo 2 Manual do Formador Módulo 2: Protegendo-se do bullying no local de trabalho Manual do Formador I. Informação geral Objetivo geral do Módulo 2: Protegendo-se do bullying no local de trabalho O Módulo 2 tem como objetivo ensinar

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO)

MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO) DR 22.04 Versão 2 MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO) Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia

Leia mais

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying = Violência?? 2 Violência versus Bullying 3 São duas realidades que costumam andar lado a lado mas que não são sinónimos,

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho

ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho Conferência sobre Assédio Moral: Uma Realidade no Local de Trabalho? Ana Paula Viseu UGT 7 de Março de 2009 1 TIPOLOGIA DO ASSÉDIO Assédio sexual Assédio

Leia mais

Navegar NA NET SEM PROBLEMAS

Navegar NA NET SEM PROBLEMAS r Navegar NA NET a SEM PROBLEMAS rr r rrr r rr r REDES SOCIAIS Atualmente a Internet faz parte das nossas vidas e todos utilizamos ou conhecemos alguém que utiliza uma ou várias Redes Sociais, que são

Leia mais

Declaração sobre a Política de Privacidade da Travian Games GmbH

Declaração sobre a Política de Privacidade da Travian Games GmbH Declaração sobre a Política de Privacidade da Travian Games GmbH O presente documento é a Declaração sobre a Política de Privacidade da Travian Games GmbH, Wilhelm-Wagenfeld-Str. 22, 80807 Munique (adiante

Leia mais

Como enviar e receber correio eletrónico utilizando o Gmail

Como enviar e receber correio eletrónico utilizando o Gmail Como enviar e receber correio eletrónico utilizando o Gmail Este módulo pressupõe que que já tenha criado uma conta de correio eletrónico no Gmail (caso já não se recorde como deve fazer, consulte o nosso

Leia mais

Guia rápido de criação e gestão de um espaço no SAPO Campus

Guia rápido de criação e gestão de um espaço no SAPO Campus Guia rápido de criação e gestão de um espaço no SAPO Campus O SAPO Campus é uma plataforma online, disponível em http://campus.sapo.pt, que permite a comunicação e a colaboração entre membros de uma Instituição

Leia mais

BULLYING NA ESCOLA: UM ESTUDO COM ALUNOS E PROFISSIONAIS DE ESCOLAS PÚBLICAS

BULLYING NA ESCOLA: UM ESTUDO COM ALUNOS E PROFISSIONAIS DE ESCOLAS PÚBLICAS BULLYING NA ESCOLA: UM ESTUDO COM ALUNOS E PROFISSIONAIS DE ESCOLAS PÚBLICAS CARVALHO, João Eloir PUCPR/ GELL joao.eloir@pucpr.br Eixo temático: Violências nas escolas Agência Financiadora: não contou

Leia mais

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Campanha Anti-bullying JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Se o mal é contagioso o bem também é. Deixemos-no contagiar pelo bem. Papa Francisco Caro jovem, família e educadores, Este material

Leia mais

RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO

RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Privado da escolaridade, o ser humano não abdica da sua condição de produtor de conhecimentos.

Leia mais

O ASSÉDIO SEXUAL E MORAL NO LOCAL DE TRABALHO

O ASSÉDIO SEXUAL E MORAL NO LOCAL DE TRABALHO O ASSÉDIO SEXUAL E MORAL NO LOCAL DE TRABALHO SEMINÁRIO INTERNACIONAL ISCSP - INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS UNIVERSIDADE DE LISBOA 1 LISBOA, 03 DE JUNHO DE 2015 Gostaria de começar

Leia mais

Cyberbullying. Luís Morais luis.morais@fccn.pt

Cyberbullying. Luís Morais luis.morais@fccn.pt Cyberbullying Luís Morais luis.morais@fccn.pt Agenda 2 Cyberbullying 1. O que é? 2. Como funciona? 3. Quais as motivações? 4. Como prevenir? 5. Como reagir? O que é? 3 O que é? 4 Cyberbullying = Cyber

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

Metas Curriculares de Português

Metas Curriculares de Português Metas Curriculares de Português Ensino Básico 1.º Ciclo O domínio da ORALIDADE Helena C. Buescu, Maria Regina Rocha, Violante F. Magalhães Objetivos e Descritores de Desempenho Oralidade 1.º Ano Objetivos

Leia mais

ERC/ISCTE Estudo de Recepção dos Meios de Comunicação. Questionários nas Escolas Pais portugueses

ERC/ISCTE Estudo de Recepção dos Meios de Comunicação. Questionários nas Escolas Pais portugueses ERC/ISCTE Estudo de Recepção dos Meios de Comunicação Questionários nas Escolas Pais portugueses Nº de inquiridos: 816 Percentagens de respostas válidas A CRIANÇA/ADOLESCENTE DO ESTUDO E A FAMÍLIA 1. Qual

Leia mais

Amigos de Carne e Osso

Amigos de Carne e Osso Passatempo Amigos de Carne e Osso Regulamento e Condições de Participação A Modelo Continente Hipermercados, S.A., com sede na Rua João Mendonça, 505, freguesia de Senhora da Hora, concelho de Matosinhos,

Leia mais

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Público: Sextos anos Data: 25/5/2012 Após a realização do Provão, nossos alunos do

Leia mais

Assinalar o Mês da Prevenção dos Maus Tratos na Infância; Dar a conhecer a Declaração Universal dos Direitos Humanos;

Assinalar o Mês da Prevenção dos Maus Tratos na Infância; Dar a conhecer a Declaração Universal dos Direitos Humanos; Oleiros, abril 2014 Objetivos: Assinalar o Mês da Prevenção dos Maus Tratos na Infância; Dar a conhecer a Declaração Universal dos Direitos Humanos; Divulgar a Declaração/ Convenção dos Direitos da Criança;

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS Dados sócio-demográficos: Género: F M Idade:... (anos) Escolaridade: Ensino Secundário Licenciatura Mestrado Doutoramento

Leia mais

Regulamento e Condições Gerais de Participação

Regulamento e Condições Gerais de Participação Passatempo Fim de semana Romântico Regulamento e Condições Gerais de Participação A Pharmacontinente Saúde e Higiene, S.A., com sede na Rua João Mendonça, 529, freguesia de Senhora da Hora, concelho de

Leia mais

Em FORMATO E-LEARNING PQ 11.04.A Página 1 de 6

Em FORMATO E-LEARNING PQ 11.04.A Página 1 de 6 Página 1 de 6 1. FUNCIONAMENTO Os cursos na modalidade de e-learning do são frequentados totalmente online, à exceção do Curso de Trabalhador Designado para a Segurança e Saúde no Trabalho em que a 1ª

Leia mais

Este documento pode ser baixado em: www.tearfund.org/cedra/forms

Este documento pode ser baixado em: www.tearfund.org/cedra/forms FORMULÁRIO 3+4 Modelos para o Levantamento CEDRA e o Plano de Ação Levantamento CEDRA Este documento pode ser baixado em: www.tearfund.org/cedra/forms Como preencher o Levantamento CEDRA O levantamento

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho

COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da 1ª Região Av.

Leia mais

Bullying não é brincadeira!

Bullying não é brincadeira! Bullying não é brincadeira! Nunca se discutiu tanto, nos meios de comunicação, nas escolas e universidades, a violência física e verbal que ocorre nas escolas. O bullying, popular inclusive entre os alunos,

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 6 MILHÕES de casas em Portugal O seu lar reflete-o OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 por APAV 02 FAMÍLIA 03 > FAMÍLIA 1 /semana A violência doméstica foi responsável por uma morte/semana

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016 DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual / Critérios de avaliação Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade/ tema) Subdomínio/Conteúdos Metas de Aprendizagem Estratégias/

Leia mais

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas OBJECTVOS: Avaliar a capacidade do/a professor(a) de integrar esta abordagem nas actividades quotidianas. sso implicará igualmente uma descrição

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo X Regulamento do Mérito Escolar Artigo 1.º Prémios de valor, mérito e excelência 1. Para efeitos do disposto na alínea h) do ponto 1 do artigo 7.º, conjugado

Leia mais

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador.

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Violência no namoro Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Poderão surgir algumas DÚVIDAS e PREOCUPAÇÕES: Será que ele/ela gosta mesmo

Leia mais

Relatório de Investigação da Escola julho 2015

Relatório de Investigação da Escola julho 2015 Microsoft Partners in Learning Relatório de Investigação da Escola julho 2015 Elaborado para julho 2015 Relatório do Estudo de Este relatório apresenta os resultados dos inquéritos à equipa diretiva e

Leia mais

Of. Circular n 01/2013 Juiz de Fora, 15 de abril de 2013

Of. Circular n 01/2013 Juiz de Fora, 15 de abril de 2013 Of. Circular n 01/2013 Juiz de Fora, 15 de abril de 2013 ASSUNTO: Agenda de Orientações Docente Prezados Professores, De modo geral, quando se conversa com nossos egressos e alunos sobre a Faculdade Machado

Leia mais

FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO

FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO 28 DE NOVEMBRO - 21 HORAS RECONHECER AS SUAS EMOÇÕES 1-TESTE DE AUTO-AVALIAÇÃO Indique até que ponto cada uma das seguintes afirmações o descreve. Seja franco e 1

Leia mais

A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de:

A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de: A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de: Novas relações de trabalho/precarização Pressões por produtividade Desumanização do ambiente de trabalho

Leia mais

Brasília, outubro de 2011

Brasília, outubro de 2011 Brasília, outubro o de 2011 1 Sumário Apresentação... 3 O que é assédio moral... 4 Como identificar o assédio moral... 4 Quem é o agressor?... 4 Danos ao agredido... 5 Exemplos de assédio moral... 5 Como

Leia mais

Bullying Que respostas?

Bullying Que respostas? 1 Bullying Que respostas? Maria Adelaide Morais Ventura (*) Educai as crianças para que não seja necessário punir os adultos Pitágoras Nos últimos tempos, mormente através das notícias veiculadas pela

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Guia do Formador drmadorr1manda. Aprender a Relação Humana

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Guia do Formador drmadorr1manda. Aprender a Relação Humana ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Guia do Formador drmadorr1manda Aprender a Relação Humana Autor: Micaela Ramos Título: Aprender a Relação Humana Coordenação da Mala Formativa:

Leia mais

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4 APRENDA A SER INOVADOR PARA FICAR À FRENTE DA CONCORRÊNCIA QUAIS OS PASSOS NECESSÁRIOS PARA PLANEAR E REALIZAR UMA CONFERÊNCIA ONLINE DE SUCESSO! COMO DAR AULAS NUMA SALA DE AULA VIRTUAL! CONTEÚDOS Como

Leia mais

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre Stalking, Cyberstalking, Bullying e Cyberbullying Preparado para: Associação

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre Stalking, Cyberstalking, Bullying e Cyberbullying Preparado para: Associação 1 Barómetro APAV Perceção da População Portuguesa sobre Stalking, Cyberstalking, Bullying e Cyberbullying Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) Junho de 2013 2 Índice 2 Metodologia

Leia mais

Política de Gestão de Risco de Fraude

Política de Gestão de Risco de Fraude Política de Gestão de Risco de Fraude Versão: 1.0-2015 Alterada: 2 de junho de 2015 Aprovado por: Conselho de Administração Data: 3 de junho de 2015 Preparado por: Conselho de Administração Data: 2 de

Leia mais

ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO

ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO Conceito: É toda e qualquer conduta abusiva (gesto, palavra, escritos, comportamento, atitude, etc.) que, intencional e freqüentemente, fira a dignidade e a integridade física

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

Rua Quatro Jacós, 26. CEP: 90.150-010 Porto Alegre - RS Fone: (051) 3224-2452 Fax: (051) 3224-3730 www.sindjus.com.br

Rua Quatro Jacós, 26. CEP: 90.150-010 Porto Alegre - RS Fone: (051) 3224-2452 Fax: (051) 3224-3730 www.sindjus.com.br Rua Quatro Jacós, 26. CEP: 90.150-010 Porto Alegre - RS Fone: (051) 3224-2452 Fax: (051) 3224-3730 www.sindjus.com.br Fontes consultadas: HIRIGOYEN, Marie-France. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio

Leia mais

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação...

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... Índice Introdução... 3 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... 4 II Entrada na Aplicação... 5 1. Informações... 6 1. Avaliação

Leia mais

Manual do Instar Mail v2.0

Manual do Instar Mail v2.0 Manual do Instar Mail v2.0 Sumário Conteúdo Menu Principal... 2 Menu Cliente... 3 Pagina Categorias do Instar-Mail... 4 Importação... 4 Campanhas... 8 Cadastramento de campanhas do Instar-Mail... 9 Ações

Leia mais

Projeto MEET: Management E learning Experience for Training secondary school's students

Projeto MEET: Management E learning Experience for Training secondary school's students Projeto MEET: Management E learning Experience for Training secondary school's students Código: LLP LDV TOI 10 IT 560 Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (2007 2013) Leonardo da Vinci: Projetos Multilaterais

Leia mais

Curso Online A Escola no Combate ao Trabalho Infantil Plataforma de Educação à Distância

Curso Online A Escola no Combate ao Trabalho Infantil Plataforma de Educação à Distância Página1 Apresentação Curso Online A Escola no Combate ao Trabalho Infantil Plataforma de Educação à Distância Olá Participante do Curso A Escola no Combate ao Trabalho Infantil (ECTI), Este tutorial pretende

Leia mais

GESTÃO DE VIOLÊNCIA NO LOCAL DE TRABALHO USF AMATO LUSITANO 2009

GESTÃO DE VIOLÊNCIA NO LOCAL DE TRABALHO USF AMATO LUSITANO 2009 GESTÃO DE VIOLÊNCIA NO LOCAL DE TRABALHO USF AMATO LUSITANO 2009 Violência no local de trabalho Introdução A escalada da violência dentro das Unidades de Saúde e a falta de segurança são motivo de preocupação

Leia mais

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying O Caracol Curioso Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying 1. Enquadramento O projeto pedagógico definido para este ano letivo pretende abordar um tema actual, que tem tanto

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL DE GIRA-PRAIA DE SUB. 16,18 e 20-2014

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL DE GIRA-PRAIA DE SUB. 16,18 e 20-2014 REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL DE GIRA-PRAIA DE SUB. 16,18 e 20-2014 ARTIGO 1º O Campeonato Nacional de Gira- Praia de Subs é uma competição de Voleibol de Praia de âmbito nacional, organizada pela

Leia mais

O FENÔMENO BULLYING NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

O FENÔMENO BULLYING NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES O FENÔMENO BULLYING NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Cristian Ericksson Colovini 1 Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo sobre a relação entre o Fenômeno Bullying e

Leia mais

World Café: Interligar para vencer

World Café: Interligar para vencer World Café: Interligar para vencer Principais Reflexões Tais reflexões resultam de uma sessão intitulada World Café: Interligar para vencer que ocorreu na Cruz Vermelha Portuguesa Centro Humanitário de

Leia mais

Guia do Professor/Tutor Online

Guia do Professor/Tutor Online Guia do Professor/Tutor Online INTRODUÇÃO E nsinar online é uma experiência única, muito estimulante para um Professor Tutor, mas requer algumas competências pedagógicas específicas. As notas que se seguem

Leia mais

Minuta - Regulamento de Uso de Veículos

Minuta - Regulamento de Uso de Veículos Minuta - Regulamento de Uso de Veículos Minuta - Regulamento de Uso de Veículos... 1 Secção I Disposições Gerais... 3 Artigo 1.º - Objeto... 3 Artigo 2.º - Âmbito... 3 Artigo 3.º - Caracterização da frota...

Leia mais

BULLYING PROFISSIONAL E O CONSTRANGIMENTO ILEGAL HIERÁRQUICO NO DIREITO ADMINISTRATIVO MILITAR

BULLYING PROFISSIONAL E O CONSTRANGIMENTO ILEGAL HIERÁRQUICO NO DIREITO ADMINISTRATIVO MILITAR BULLYING PROFISSIONAL E O CONSTRANGIMENTO ILEGAL HIERÁRQUICO NO DIREITO ADMINISTRATIVO MILITAR Eder Machado Silva * Resumo: O presente artigo tem por objetivo abrir uma discussão sobre essa visão de violência

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES (Des)motivação na sala de aula! Sugestões práticas da: Nota introdutória Ser professor é ter o privilégio de deixar em cada aluno algo que este possa levar para a vida, seja

Leia mais

TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA ORIENTADOR(ES): JOÃO ANGELO SEGANTIN, JOSLAINE APARECIDA REGIOLI DE ANGELIS

TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA ORIENTADOR(ES): JOÃO ANGELO SEGANTIN, JOSLAINE APARECIDA REGIOLI DE ANGELIS TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): LÚCIO FLÁVIO

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL GIRA-PRAIA (SUB. 16,18 e 20)

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL GIRA-PRAIA (SUB. 16,18 e 20) REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL GIRA-PRAIA (SUB. 16,18 e 20) I DISPOSIÇÔES GERAIS ARTIGO 1º O Campeonato Nacional Gira-Praia é uma competição de Voleibol de Praia de âmbito nacional, organizada pela

Leia mais

Na Internet (hi5, Facebook, Messenger, Picasa ) que informações posso dar?

Na Internet (hi5, Facebook, Messenger, Picasa ) que informações posso dar? Concurso 1 Na Internet (hi5, Facebook, Messenger, Picasa ) que informações posso dar? 1. Nome, morada, telefone, password 2. Nick, e-mail, clube de futebol preferido 3. Escola, piscina, local de férias

Leia mais

Comunicação Não-Violenta

Comunicação Não-Violenta Comunicação Não-Violenta Setembro 2014, São Paulo Palestrante: Sven Fröhlich Archangelo XII Congresso Latino-Americano de PNL Julgamentos Egoista, incompetente, dono da verdade, mentirosa, grosseiro,

Leia mais

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Português A2 Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Direção de Serviços de Língua e Cultura Composição Gráfica: Centro Virtual Camões

Leia mais

COMO SE PREPARA UMA REPORTAGEM i DICAS PARA PREPARAR UMA REPORTAGEM

COMO SE PREPARA UMA REPORTAGEM i DICAS PARA PREPARAR UMA REPORTAGEM COMO SE PREPARA UMA REPORTAGEM i DICAS PARA PREPARAR UMA REPORTAGEM Ver, ouvir, compreender e contar eis como se descreve a reportagem, nas escolas de Jornalismo. Para haver reportagem, é indispensável

Leia mais

3 Método 3.1. Entrevistas iniciais

3 Método 3.1. Entrevistas iniciais 3 Método 3.1. Entrevistas iniciais Os primeiros passos para elaboração do questionário foram entrevistas semiestruturadas feitas pelo telefone com o objetivo de descobrir o tempo máximo de lembrança das

Leia mais

Módulo 2: Protegendo-se do bullying no local de trabalho Fichas de Trabalho para os Formandos

Módulo 2: Protegendo-se do bullying no local de trabalho Fichas de Trabalho para os Formandos Assinatura do formando: Data: : Módulo 2: Protegendo-se do bullying no local de trabalho Fichas de Trabalho para os Formandos Nesta secção, aprenderá n a lidar com agressores n a tornar-se mais confiante

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo V Regulamento do Programa de Formação em Competências Básicas Artigo 1.º Objeto 1. O programa visa a aquisição, por parte dos adultos, de competências básicas

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

DISLEXIA PERGUNTAS E RESPOSTAS

DISLEXIA PERGUNTAS E RESPOSTAS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DISLEXIA PERGUNTAS E RESPOSTAS A avaliação é importante? Muito importante. Ela é fundamental para

Leia mais

Guia prático para professores

Guia prático para professores Guia prático para professores Não, Não e NÃO! Comportamentos de Oposição e de Desafio em sala de aula Sugestões práticas da: Nem todas as crianças são iguais, já ouvimos dizer muitas vezes.. Desde cedo,

Leia mais

A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria

A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria As aptidões essenciais de uma boa tutoria não são muito diferentes das do bom professor presencial. O que distingue umas e outras é o ambiente

Leia mais

Descubra seu Quociente de Inteligência Emocional, respondendo com franqueza TODAS as questões abaixo. 1 - Você está viajando de avião e, de repente, esse entra numa área de grande turbulência e começa

Leia mais

Angola Recomendações aos observadores eleitorais

Angola Recomendações aos observadores eleitorais Angola Recomendações aos observadores eleitorais Nas vésperas das eleições parlamentares em Angola, que deverão ter lugar no dia 5 de Setembro de 2008, a Amnistia Internacional apela aos observadores eleitorais

Leia mais

Condições de utilização para a MediaPedia. 1 Generalidades/definições. 2 Objecto. 3 Registo, palavra-passe

Condições de utilização para a MediaPedia. 1 Generalidades/definições. 2 Objecto. 3 Registo, palavra-passe Condições de utilização para a MediaPedia 1 Generalidades/definições 1. A MediaPedia é um serviço que permite a publicação gratuita na plataforma de informação MediaPedia, bem como o acesso a contribuições

Leia mais

Como criar e publicar um Website na Web 2.0 (Wordpress)

Como criar e publicar um Website na Web 2.0 (Wordpress) Como criar e publicar um Website na Web 2.0 (Wordpress) Este módulo irá ensinar-lhe como criar e publicar uma página de Internet (Webpage) na Web 2.0 usando o programa Wordpress. A produção e publicação

Leia mais

Pró-Reitoria de Educação a Distância. Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos

Pró-Reitoria de Educação a Distância. Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos Pró-Reitoria de Educação a Distância Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos Como acessar o ambiente 1. Entre no Ambiente Virtual de Aprendizagem localizado na página principal do Portal

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Prova Escrita de Português

Prova Escrita de Português EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Português Alunos com deficiência auditiva de grau severo ou profundo 12.º Ano de Escolaridade Prova 239/2.ª

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL)

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) % ABERTURA JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) Esta avaliação é constituída de 20 questões possíveis de ocorrer em uma empresa. Cada questão é composta por duas afirmativas. Você deve analisar

Leia mais

NetEtiqueta. É uma abreviação de Etiqueta na Internet. Aplica-se ao envio de e-mails, conversas de chat e envio de mensagens para Fóruns de discussão.

NetEtiqueta. É uma abreviação de Etiqueta na Internet. Aplica-se ao envio de e-mails, conversas de chat e envio de mensagens para Fóruns de discussão. NetEtiqueta É uma abreviação de Etiqueta na Internet. Aplica-se ao envio de e-mails, conversas de chat e envio de mensagens para Fóruns de discussão. No caso das comunicações virtuais é fácil esquecer

Leia mais

30/07 Sessão de Experiência Pedagógica

30/07 Sessão de Experiência Pedagógica 30/07 Sessão de Experiência Pedagógica INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO FUNDAMENTAL II UM CAMINHO DE PESQUISA Profª Drª Cleuza Pelá (Escola Cidade Jardim SP) Introdução Quando o Projeto de Minimonografia

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

BULLYING O QUE É E QUAIS AS SUAS CONSEQUÊNCIAS?

BULLYING O QUE É E QUAIS AS SUAS CONSEQUÊNCIAS? BULLYING O QUE É E QUAIS AS SUAS CONSEQUÊNCIAS? Pesquisador: Leonan Carvalho da Silva Universidade Nove de Julho Departamento de Pós-graduação Lato Sensu em Psicopedagogia Eixo Temático: Teologia Prática:

Leia mais

2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST

2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO: DESAFIO PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR 2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST ASSÉDIO (VIOLÊNCIA) MORAL

Leia mais

Bullying e Cyberbullying

Bullying e Cyberbullying Conhecendo para prevenir Bullying e Cyberbullying uma cartilha conhecendo para prevenir Este material, desenvolvido com muito carinho e responsabilidade, contempla informações úteis e objetivas sobre o

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais