METODOLOGIA DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIA DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO"

Transcrição

1 METODOLOGIA DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO

2 METODOLOGIA DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO A. J. Veal Tradução Gleice Guerra Mariana Aldrigui

3 Copyright Longman Group Limited, 1992 Copyright Financial Times Professional Limited, 1997 Copyright Pearson Education Limited, 2006 Copyright Editora Aleph, 2011 (edição em língua portuguesa para o Brasil) TÍTULO ORIGINAL: Research methods for leisure and tourism CAPA: Luiza Franco AQUARELA DE CAPA: Meire de Oliveira COPIDESQUE: Tânia Rejane A. Gonçalves REVISÃO: Hebe Ester Lucas PROJETO GRÁFICO: Neide Siqueira EDITORAÇÃO: Join Bureau EDITORES DE TURISMO: Guilherme Lohmann Alexandre Panosso Netto COORDENAÇÃO EDITORIAL: Débora Dutra Vieira Marcos Fernando de Barros Lima DIREÇÃO EDITORIAL: Betty Fromer Piazzi Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução, no todo ou em parte, através de quaisquer meios. Publicado mediante acordo com Pearson Education Limited. Edinburgh Gate, Harlow, Essex CM20 2JE. EDITORA ALEPH LTDA. Rua Dr. Luiz Migliano, 1110 Cj São Paulo SP Brasil Tel.: [55 11] Fax: [55 11] Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Veal, A. J. Metodologia de pesquisa em lazer e turismo / A. J. Veal ; tradução Gleice Guerra, Mariana Aldrigui. São Paulo : Aleph, Série turismo) Título original: Research methods for leisure and tourism. Bibliografia. ISBN Lazer Pesquisa 2. Pesquisa Metodologia 3. Turismo Pesquisa I. Título. II. Série CDD Índices para catálogo sistemático: 1. Lazer e turismo : Métodos de pesquisa Lazer e turismo : Pesquisa : Metologia

4 SUMÁRIO Introdução à edição brasileira Prefácio INTRODUÇÃO À PESQUISA: O QUÊ, POR QUE E QUEM? Resumo Introdução O que é pesquisa? Definição de pesquisa Pesquisa científica Pesquisa em ciências sociais Três tipos de pesquisa Pesquisa descritiva Pesquisa explicativa Pesquisa avaliativa Por que estudar pesquisa? Em geral Pesquisa em processos de definição de políticas, planejamento e gestão Formatos de pesquisa em diferentes contextos Quem pesquisa? Acadêmicos Estudantes

5 METODOLOGIA DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO Organizações públicas e privadas Consultores Gestores Acadêmicos e o mundo da prática: a importância de pesquisas publicadas para o planejamento e a gestão Questões Exercícios Para saber mais ABORDAGENS DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO Resumo Introdução As tradições disciplinares da pesquisa em turismo e lazer Introdução Estrutura interdisciplinar Disciplinas no estudo de lazer e turismo Sociologia Sociologia do lazer I: pesquisas sociais e modelos quantitativos Sociologia do lazer II: explicando os motivos Sociologia do lazer III: abordagem crítica Sociologia do turismo Geografia Economia Psicologia/Psicologia social História e antropologia Ciências políticas Abordagens e dimensões Pesquisa teórica e aplicada Pesquisa empírica e não empírica Indução e dedução Pesquisa descritiva e explicativa Pesquisa positivista e interpretativa Métodos experimentais e não experimentais Dados primários e secundários

6 SUMÁRIO Autoavaliação e observação Pesquisa qualitativa e quantitativa Validade e confiabilidade Questões Exercícios Para saber mais O INÍCIO: PROJETOS E PLANEJAMENTO DE PESQUISA Resumo Introdução O processo de pesquisa Planejando um projeto de pesquisa Seleção do tema Revisão bibliográfica Delimitação da estrutura conceitual Definição da(s) questão(ões) da pesquisa Relação das necessidades de informação Definição da estratégia de pesquisa Aprovação ética Condução da pesquisa Relato das descobertas Propostas de pesquisa Introdução Propostas de pesquisas autônomas Propostas responsivas termos de referência e licitações Estudos de caso Planejamento de projeto de pesquisa Questões Exercícios Para saber mais AMPLITUDE DOS MÉTODOS DE PESQUISA Resumo Introdução Cada macaco no seu galho Principais métodos de pesquisa Estudo científico Reflexão

7 METODOLOGIA DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO Fontes existentes uso da bibliografia Fontes existentes dados secundários Observação Métodos qualitativos Sondagens com aplicação de questionário Técnicas secundárias e transversais Sondagem por cupom/estudos de conversão Sondagens no trajeto/interceptação Sondagens de orçamento de horas Método de amostragem por experiência Estudos tipo painel Estudos longitudinais Sondagens patrocinadas pela imprensa Pesquisa-ação Pesquisa histórica Análise de texto Técnica Delphi Técnicas projetivas Uso de escalas Meta-análise Métodos múltiplos Triangulação Estudo de caso Estudos de caso na prática Escolha do método Questões de pesquisa ou hipóteses Pesquisas anteriores Dados disponíveis/acesso Recursos Tempo Validade, confiabilidade e generalização Ética Usos/usuários das descobertas Questões Exercícios Para saber mais

8 SUMÁRIO 5. LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO Resumo Introdução Uma tarefa essencial O valor das bibliografias Busca Catálogos de bibliotecas Publicações de bibliografia Diretórios de publicações e bancos de dados eletrônicos Internet Livros gerais sobre lazer/turismo Listas de referências Além de lazer e turismo Obtenção de cópias do material Compilação e manutenção da bibliografia Levantamento bibliográfico Tipos de pesquisa bibliográfica Leitura crítica e criativa Apresentação do resumo Referências bibliográficas Para que servem? Elaborando referências Citações e notas Questões Exercícios Para saber mais DADOS SECUNDÁRIOS: FONTES E ANÁLISE Resumo Introdução Sondagens nacionais de participação em lazer O fenômeno da sondagem nacional de lazer Validade e confiabilidade Tamanho da amostra Questão principal: período de referência da participação Faixa etária Atividades individuais e limitações do tamanho da amostra

9 METODOLOGIA DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO Características sociais A importância das sondagens de participação Sondagens de turismo Sondagens econômicas Censo populacional Planejamento das facilidades e a condução de estudos de viabilidade Área gerencial/marketing Avaliação de desempenho Segmentação de mercado Gerenciamento de dados Fontes documentais Uso de dados secundários Questões Exercícios Para saber mais OBSERVAÇÃO Resumo Introdução A natureza e o propósito da pesquisa observatória Possibilidades Brincadeiras de criança Uso de áreas informais de lazer/turismo Uso espacial e funcional de locais Perfil de usuário Comportamento desviante Teste de consumidor/incógnito Pesquisa complementar Rotina Comportamento social Principais elementos da pesquisa observatória Passo 1: Escolha do(s) local(is) Passo 2: Escolha do(s) ponto(s) de observação Passo 3: Escolha do(s) período(s) de observação Passo 4: Observação contínua ou amostral? Passo 5: Frequência da contagem

10 SUMÁRIO Passo 6: O que observar Passo 7: Divisão do local em zonas Passo 8: Registro da informação da observação Passo 9: Condução da observação Passo 10: Análise dos dados Fotografia e vídeo Fotografia aérea Fotografia simples Vídeos Fotografia time-lapsed Visão Questões Exercícios Para saber mais MÉTODOS QUALITATIVOS Resumo Introdução Qualidades e usos Méritos dos métodos qualitativos Processo de pesquisa qualitativa Variedade de métodos Introdução Entrevistas em profundidade Natureza Finalidades e situações Roteiro Processo de entrevista Registro Grupos focais Natureza Finalidades Métodos Observação participante Natureza Finalidades Métodos Análise de textos

11 METODOLOGIA DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO Natureza Romances e outras literaturas Cobertura da mídia de massa Filme Material cultural Pesquisa biográfica Natureza Biografia/autobiografia História oral Trabalho de memória Histórias de domínio pessoal Etnografia Análise de dados qualitativos Introdução Armazenamento de dados e confidencialidade Exemplo de estudo de caso Métodos manuais de análise Introdução Leitura Temas emergentes Mecânica Análise Análise qualitativa usando software introdução NVivo Introdução Rodando o software NVivo Início Criação de um projeto Criação de documentos Atributos do documento Configuração de um sistema de codificação Codificação do texto Análise Questões Exercícios Para saber mais Apêndice 8.1 Exemplo de roteiro para entrevista em profundidade

12 SUMÁRIO 9. SONDAGENS COM QUESTIONÁRIO Resumo Introdução Importância e limitações Méritos dos métodos de questionário Questionário preenchido pelo entrevistador ou pelo respondente? Tipos de sondagem com questionário Sondagem domiciliar com questionário Natureza Condução Sondagens múltiplas Estudos de orçamento de horas Sondagem de rua Natureza Condução Amostragem por cota Sondagem por telefone Natureza Condução Sondagem por correspondência Natureza Problema dos baixos índices de resposta Sondagens eletrônicas Sondagem com usuário/visitante/de local Natureza Condução Utilização das sondagens com usuários Sondagem de grupos cativos Natureza Condução Projeto do questionário Introdução: problemas de pesquisa e necessidades de informação Tipos de informação Redação das perguntas Perguntas comuns

13 METODOLOGIA DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO 9.10 Ordem das perguntas e disposição dos questionários Comentários introdutórios Ordem Disposição Codificação Perguntas de múltipla escolha Perguntas abertas Registrando informações codificadas Validade dos dados a partir de questionários Arranjos do trabalho de campo Condução de uma sondagem piloto Questões Exercícios Para saber mais AMOSTRAGEM Resumo Introdução A ideia de amostragem Amostras e população Representatividade Amostragem para sondagem domiciliar Amostragem para sondagem de local/usuário/visitante Sondagem de rua e amostragem por cota Amostragem para sondagem por correio Tamanho da amostra Nível de precisão Intervalos de confiança Detalhamento da análise proposta Orçamento Tamanho da amostra e populações pequenas Ponderação Amostragem para pesquisa qualitativa Questões Exercícios Para saber mais

14 SUMÁRIO Apêndice 10.1 Apêndice sugerido sobre tamanho da amostra e intervalos de confiança ANÁLISE DE SONDAGENS Resumo Introdução SPSS Preparação Casos e variáveis Determinando variáveis Começando Inserindo informações sobre variáveis Janela para visualização da variável Salvando o trabalho Inserindo dados Janela para visualização de dados Análise de dados de sondagem e tipos de pesquisa Pesquisa descritiva Pesquisa explicativa Pesquisa avaliativa Sobreposições Confiabilidade Procedimentos SPSS Iniciando uma sessão de análise SPSS Frequências Verificação de erros Múltiplas respostas Recodificação Médias Apresentação dos resultados: resumo estatístico Tabulação cruzada Ponderação Gráficos Processo de análise Questões Exercícios Para saber mais Apêndice 11.1 Arquivo de resultado das frequências do SPSS

15 METODOLOGIA DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO 12. ANÁLISE ESTATÍSTICA Resumo Introdução Abordagem estatística Estimativas probabilísticas Distribuição normal Significância Hipótese nula Variáveis dependentes e independentes Testes estatísticos Quais testes? Qui-quadrado Comparação de duas médias: teste t Diversas médias: análise unilateral de variância (ANOVA) Uma tabela de médias: análise fatorial de variância (ANOVA) Correlação Regressão linear Regressão múltipla Análise cluster e fatorial Conclusão Exercícios Para saber mais Apêndice 12.1 Detalhes do exemplo de arquivo de dados utilizado Detalhes das variáveis e dos dados Apêndice 12.2 Fórmulas estatísticas RELATÓRIO DE PESQUISA Resumo Introdução Começando Componentes do relatório Capa Folha de rosto Sumário Resumo

16 SUMÁRIO Prefácio/Apresentação Agradecimentos Parte principal dos relatórios: aspectos técnicos Numeração de seções Numeração de parágrafos Listas de tópicos Numeração de páginas Cabeçalhos e rodapés Hierarquia de títulos Formatação e espaçamento da digitação Tabelas e gráficos Referências Quem? Corpo do texto: estrutura e conteúdo Estrutura Entre métodos e resultados Público e estilo Funções do relatório: narrativa e registro Conclusão Outras mídias Comentário final Exercícios Para saber mais Referências

17 INTRODUÇÃO À EDIÇÃO BRASILEIRA Existe certa crítica justificada de que a pesquisa acadêmica/científica em lazer e turismo no Brasil precisa amadurecer, apesar de todo o esforço que muitos programas de graduação e pós-graduação, acadêmicos, pesquisadores e associações de pesquisa empreenderam para o avanço dessas áreas na última década. Parte dessa crítica está fundada em dois motivos principais: falta de um melhor entendimento do corpo teórico-conceitual, que está disponível na literatura internacional sobre lazer e turismo; e pouco conhecimento e uso de uma metodologia de pesquisa mais ampla e sofisticada. No que tange aos aspectos teórico-conceituais, a Aleph editora com mais títulos acadêmicos/científicos sobre turismo publicados no Brasil lançou, em 2008, o livro Teoria do Turismo: conceitos, modelos e sistemas. Agora, decidiu publicar um livro que aportasse sólido embasamento científico e técnico ao arcabouço metodológico da pesquisa em lazer e turismo. A escolha pela tradução da obra do professor Anthony Veal ocorreu por duas razões. A primeira, é a de que, não obstante a evidente evolução do uso de métodos de pesquisa em lazer e turismo no Brasil, nossos principais pesquisadores e centros de pesquisa ainda possuem, com raras exceções, uma forte tendência de abarcar o lazer e o turismo com acentuado senso descritivo, sem necessariamente apresentar técnicas sofisticadas de coleta e análise das informações que possibilitem um estudo crítico e fundamentado. Dessa forma, ferramentas amplamente utilizadas na análise de dados qualitativos e quantitativos pelas ciências sociais ainda não foram plenamente incorporadas à pesquisa em lazer e turismo. Apenas para citar um exemplo, o uso de softwares como SPSS e N-Vivo, descritos neste livro, raramente são aplicados nas publicações científicas, teses, dissertações e trabalhos de conclusão de curso em nossa área. Assim, neste momento, publicar um autor estrangeiro nos pareceu a melhor opção. A segunda razão foi que, apesar de existirem pelo menos três bons livros publicados em inglês sobre o tema, esta obra já se encontra em sua quarta edição a ser lan- 21

18 METODOLOGIA DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO çada em inglês no ano de 2011 (a presente tradução se baseia na terceira edição), e que seu conteúdo tem evoluído significativamente a cada nova edição. Ademais, a própria estrutura dos capítulos, quase em formato de um roteiro em que os diversos aspectos metodológicos são explicados passo a passo, pareceu-nos mais adequada não só para ser adotada na disciplina de Metodologia de Pesquisa, mas também para que pesquisadores independentes possam ser bem-sucedidos ao explorar o rico universo da metodologia de pesquisa, principalmente nas áreas das ciências sociais aplicadas e ciências humanas. Ao ler e, principalmente, ao estudar essa obra, esperamos que o leitor aprecie o enorme trabalho desenvolvido pela equipe da editora Aleph, a começar pela própria tradução, que foi muito bem executada, passando pelo nosso trabalho meticuloso como editores, quando, em determinados momentos, inclusive contatamos o próprio autor para obter alguns esclarecimentos. Dentro do possível, não medimos esforços para adaptar a obra para a realidade brasileira. Neste sentido, agradecemos à professora Valéria Barbosa de Magalhães (Curso de Lazer e Turismo da EACH/USP) pela colaboração com a inclusão do texto sobre as normas da ABNT, no Capítulo 5. Por outro lado, no Capítulo 11, infelizmente não conseguimos cópias dos softwares SPSS e N-Vivo em português para traduzir as figuras apresentadas no original. De qualquer forma, muitos leitores acabarão eventualmente utilizando cópias do software em inglês; ou mesmo aqueles que vierem a fazê-lo com a versão em português perceberão que o mais difícil não será a falta de tradução desses comandos, mas quebrar a cabeça para decifrar os processos utilizados para se chegar aos resultados almejados. Para aqueles que chegarem lá, podem ter certeza de que se divertirão muito brincando com números e palavras. Este é um livro fundamental para estar na biblioteca de nossas instituições e nas mãos de todo acadêmico sério em lazer e turismo, seja ele discente do último ano de graduação, pós-graduando ou pesquisador-doutor. Boa leitura e bons estudos! Novembro de Guilherme Lohmann School of Tourism and Hospitality Management, Southern Cross University, Austrália Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo Editores de Turismo da Editora Aleph 22

19 PREFÁCIO A primeira edição do livro Metodologia de pesquisa em lazer e turismo foi publicada em meados de 1992, e a segunda em Nesta edição, diversas alterações foram feitas, entre elas: atualização das diretrizes do Statistical Package for the Social Sciences 1 (SPSS) para a versão 12; acréscimo de mais detalhes sobre análise de dados qualitativos, incluindo um guia de utilização do programa de computador NVivo; utilização de exemplos concisos de estudos de casos de pesquisas na área de turismo e lazer tirados de publicações específicas do setor. Inúmeras outras mudanças foram feitas a partir da minha experiência e da de outras pessoas que dão aulas no ensino médio e na graduação com base neste livro. Sou particularmente grato ao meu colega da UTS, Dr. Simon Darcy, pelas diversas contribuições pertinentes para o desenvolvimento desta edição do livro. O objetivo do livro permanece o mesmo: oferecer um texto de como fazer e, também, auxiliar a compreender como os resultados de pesquisas são gerados, a fim de ajudar estudantes e gerentes atuantes a se beneficiarem da pesquisa de outras pessoas. A. J. Veal University of Technology, Sydney Maio, Programas de computador (softwares) de Estatística para Ciências Sociais. [N. do T.] 23

20 CAPÍTULO 1 Introdução à pesquisa: o quê, por que e quem?

21 METODOLOGIA DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO RESUMO Este capítulo aborda o O quê? da pesquisa, introduzindo e definindo seu conceito, e descreve três tipos de pesquisa que serão estudados neste livro: a descritiva, a explicativa e a avaliativa. O Por quê? da pesquisa é discutido, principalmente, no contexto da definição de políticas, planejamento e gestão, já que a maioria dos usuários do livro estudará para se colocar no mercado. As relações entre a pesquisa e as diversas etapas da definição de políticas, planejamento e gestão são discutidas usando o modelo racional-abrangente como estrutura, destacando também as diversas formas que os relatórios de pesquisa podem assumir no ambiente gerencial. Quem conduz a pesquisa é um aspecto importante e geralmente negligenciado: neste capítulo, os papéis dos acadêmicos, dos estudantes, das organizações públicas e privadas, dos consultores e dos gestores são discutidos. 1.1 INTRODUÇÃO Informação, conhecimento e entendimento a respeito do ambiente natural, social e econômico vêm se tornando a principal base de desenvolvimento cultural e material em sociedades e economias contemporâneas. A compreensão de como a informação e o conhecimento são gerados e utilizados, somada à habilidade de contribuir para essa base de informação e conhecimento por meio da pesquisa, podem, portanto, ser competências essenciais para gestores, em qualquer setor econômico, e um componente- -chave da formação do profissional moderno. A pesquisa não é, no entanto, apenas um pacote de habilidades sem estrutura: ela existe e é desenvolvida em uma grande variedade de contextos sociais, políticos e econômicos. O objetivo deste livro é oferecer uma introdução para o mundo da pesquisa social inserida no contexto do lazer e do turismo, vistos como negócios, temas de políticas públicas ou campos de investigação e reflexão acadêmica. A proposta é fornecer um guia para a condução de pesquisas, uma apreciação crítica da pesquisa teórica e aplicada existente e um entendimento do papel da pesquisa nos processos de formulação de políticas, planejamento e gestão das atividades de turismo e lazer. O primeiro capítulo, portanto, dedica-se a responder a questões preliminares: o que é, por que é feita e quem faz pesquisa. O foco do livro é lazer e turismo. Se, por um lado, a metodologia de pesquisa pode ser vista como universal, por outro, vários campos de pesquisa incluindo estudos de lazer e turismo desenvolveram suas próprias linhas metodológicas e corpos de conhecimento. Em algumas áreas de investigação a norma é realizar experiências de laboratório, enquanto em outras as sondagens sociais são mais comuns. Embora a maioria dos princípios de pesquisa seja universal, um livro especializado, como 26

22 INTRODUÇÃO À PESQUISA: O QUÊ, POR QUE E QUEM? este, reflete as tradições e práticas e se concentra em exemplos de aplicações relevantes de métodos em uma área específica, e nos problemas e questões que surgem em tais aplicações. A área de lazer e turismo é enorme, englobando um amplo leque de atividades humanas individuais e coletivas. É uma área cheia de problemas conceituais por exemplo, em alguns contextos a palavra recreação é usada como um sinônimo de lazer, mas em outros a recreação é vista como uma parte distinta e limitada do lazer ou, até, como completamente separada dele. Em alguns países, o termo tempo livre é associado preferencialmente à palavra lazer. Em algumas definições, turismo inclui viagens a negócios, enquanto em outras não. Em algumas situações, viagens de um dia são consideradas como turismo, embora em outras sejam excluídas do conceito. O objetivo deste livro é ser muito mais abrangente do que excludente. O lazer engloba atividades como recreação; jogos; brincadeiras; envolvimento em esportes e artes, como espectador, público ou participante; uso de mídia eletrônica e impressa; entretenimento ao vivo; hobbies; sociabilização; ato de beber; jogos de azar; visita a pontos turísticos; passeio a parques, litoral e campo; bricolagem; artes e atividades manuais; atividades em casa e fora dela; atividades com propósitos comerciais ou não; e a opção de não fazer nada em particular. O turismo é visto, essencialmente, como uma atividade de lazer que envolve uma viagem para longe do local normal de residência de uma pessoa. Mas o turismo também compreende atividades como viagens a negócios, participações em eventos e visitas a amigos e parentes: nesses casos, a pessoa, no mínimo e invariavelmente, envolve-se em atividades de lazer como complemento às atividades que foram as principais motivadoras da viagem. Considerando-se que este livro trata de turismo e lazer, excursões 1 estão incluídas, independentemente de serem consideradas como parte do turismo. Lazer e turismo são atividades realizadas por indivíduos e grupos, mas também é um setor de serviços que envolve os setores público, privado e o terceiro setor. A maior parte do livro está preocupada em como pesquisar. Assim, o objetivo deste capítulo de abertura é apresentar o quê, por que e quem da pesquisa: O que é pesquisa? Por que estudar pesquisa? Quem faz pesquisa? 1.2 O QUE É PESQUISA? Definição de pesquisa O que é pesquisa? O sociólogo Norbert Elias (1986, p. 20) definiu pesquisa em termos de seus objetivos, da seguinte forma: 1 Viagens de um dia. [N. do T.] 27

23 METODOLOGIA DE PESQUISA EM LAZER E TURISMO O objetivo, da maneira como entendo, é o mesmo em todas as ciências. Dito de modo rápido e simples, o objetivo é tornar conhecido algo anteriormente desconhecido à raça humana. É avançar o conhecimento humano, para torná-lo mais preciso ou mais apropriado [ ] O objetivo é [ ] a descoberta. A descoberta tornar conhecido algo anteriormente desconhecido pode ocorrer em inúmeras atividades, por exemplo, no trabalho de jornalistas ou de detetives. Elias, entretanto, também indicou que a pesquisa é uma ferramenta da ciência e que seu propósito é avançar o conhecimento humano aspecto que distingue a pesquisa de outras atividades investigativas Pesquisa científica A pesquisa científica é a pesquisa conduzida seguindo regras e convenções da ciência. Isso significa que é baseada na lógica, na razão e na análise sistemática de evidências. De forma ideal, o modelo científico dita que os mesmos ou outros pesquisadores devem conseguir reproduzir a pesquisa, chegando a conclusões similares (embora isso nem sempre seja possível ou viável). A pesquisa deve também contribuir para o conhecimento cumulativo de uma área ou um assunto. Esse modelo de pesquisa científica se encaixa melhor em ciências naturais, como física ou química. Na área de ciências sociais, que lida com pessoas como agentes sociais e membros de comunidades, o modelo científico precisa ser adaptado e modificado e, em alguns casos, abandonado Pesquisa em ciências sociais A pesquisa em ciências sociais é conduzida utilizando métodos e tradições da ciência social, que difere das ciências naturais por tratar de pessoas e de seus comportamentos sociais; pessoas são menos previsíveis que fenômenos inumanos. Pessoas podem saber a respeito de uma pesquisa realizada sobre elas e, portanto, deixarem de ser objetos puramente passivos; podem reagir aos resultados da pesquisa e alterar seu comportamento de acordo com eles. Pessoas em diferentes lugares no mundo e em diferentes épocas agem de forma diferente. O mundo social está em constante mudança, de modo que raramente é possível reproduzir uma pesquisa em uma época diferente ou em um local diferente e obter resultados similares. 28

Métodos qualitativos:

Métodos qualitativos: Métodos AULA 11 qualitativos: Pesquisa-Ação Quando iniciou-se a pesquisa-ação? Para Susman e Evered (1978), o termo pesquisa-ação foi introduzido por Kurt Lewin em 1946 para denotar uma abordagem pioneira

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Elaboração do Projeto de Pesquisa

Elaboração do Projeto de Pesquisa Elaboração do Projeto de Pesquisa Pesquisa Pesquisa é um conjunto de atividades, que tem como finalidade solucionar e esclarecer dúvidas e problemas; comprovar hipóteses; Utiliza procedimentos próprios,

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 1. Contextualização Pesquisa de Mercado Aula 1 Prof. Me. Ricieri Garbelini Tópicos Abordados 1. Identificação do problema ou situação 2. Construção de hipóteses ou determinação dos objetivos 3. Tipos de pesquisa 4. Métodos

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

AULA 07 Tipos de avaliação

AULA 07 Tipos de avaliação 1 AULA 07 Tipos de avaliação Ernesto F. L. Amaral 31 de março de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos Sociais. São Paulo,

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

O Projeto de Pesquisa

O Projeto de Pesquisa O Projeto de Pesquisa CLÁUDIA BARBOSA O objetivo desta unidade é ensinar ao aluno sobre a definição e elaboração de um Projeto de Pesquisa. Ao final desta aula o aluno deverá apresentar seu projeto de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA O projeto deve, OBRIGATORIAMENTE, ser elaborado pelo Coordenador do Projeto (titulação mínima Mestre PBIC/UniEVANGÉLICA; titulação mínima Doutor

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS Revista Interdisciplinaridade INTERDISCIPLINARIDADE é uma revista de periodicidade anual, cujo volume de cada ano será publicado em outubro e poderão ser realizadas

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE SURVEY Método de pesquisa amplamente utilizado em pesquisas de opinião pública, de mercado e, atualmente, em pesquisas sociais que, objetivamente, visam descrever, explicar e/ou explorar características

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL ELABORAÇÃO DOS PROJETOS PROFª: Daniele Dias de Oliveira Bertagnolli Mai/2012 PROJETO A palavra projeto (do latim projectu, particípio passado de projicere, lançar

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª série Empreendedorismo Administração A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional Por que Nos últimos anos, um número crescente

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Escolha do tema 2. Formulação do problema 3. Justificativa 4. Determinação dos objetivos 5. Referencial teórico 6. Referências 1 Escolha do Tema 1. Escolha do Tema Nesta

Leia mais

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, a primeira norma ambiental internacional do mundo tem ajudado milhares de

Leia mais

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Relação de laboratórios, oficinas e espaços

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Sumário Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Capítulo I CIÊNCIA, CONHECIMENTOS E PESQUISA CIENTÍFICA... 37 1. Conceito de ciência e tipos

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

Métodos qualitativos: Pesquisa-Ação

Métodos qualitativos: Pesquisa-Ação Métodos AULA 12 qualitativos: Pesquisa-Ação O que é a pesquisa-ação? É uma abordagem da pesquisa social aplicada na qual o pesquisador e o cliente colaboram no desenvolvimento de um diagnóstico e para

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema de pesquisa, temos que traçar um caminho a seguir durante a investigação. Realizar um estudo mais planejado dos aspectos que

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Dácio G Moura Eduardo F Barbosa Baseado no livro Trabalhando com Projetos Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Atividades baseadas em Projetos Conceito

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA Estrutura do Projeto de Pesquisa CAPA FOLHA DE ROSTO SUMÁRIO 1. RESUMO 2. PROBLEMA DE PESQUISA OU INTRODUÇÃO 3. REFERENCIAL TEÓRICO (REVISÃO DE

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS O Instituto Akatu é uma organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o Consumo Consciente. PERFIL DA VAGA: PERFIL GERAL DA FUNÇÃO

Leia mais

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VII Seminário, que acontecerá nos

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo ILHÉUS - BAHIA 2013 PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo Módulo

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ Elaboração e Leitura crítica de artigos científicos www.contemporaneo.com.br Artigos científicos Seria correto se todos os artigos publicados fossem cientificamente

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Métodos qualitativos: Estudo de Caso

Métodos qualitativos: Estudo de Caso Métodos AULA 10 qualitativos: Estudo de Caso Por que o estudo de caso? Ele vem sendo considerado um dos mais importantes métodos de pesquisa na gestão de operações, particularmente no desenvolvimento de

Leia mais