Universidade Potiguar. Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 1ª edição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Potiguar. Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 1ª edição"

Transcrição

1 Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 1ª edição Natal (RN) Setembro/2006

2 Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 3 Copyghit - Todos os direitos reservados à U58d UNIVERSIDADE POTIGUAR UnP Paulo Vasconcelos de Paula Chanceler Manoel Pereira dos Santos Reitor Sâmela Soraya Gomes de Oliveira Pró-Reitora de Graduação Lecy de Maria Araújo Gadelha Fernandes Pró-Reitora de Pesquisa e Pós-Graduação Jurema Márcia Dantas da Silva Pró-Reitora de Extensão e Ação Comunitária (pro-tempore) Eduardo Benevides de Oliveira Pró-Reitor Administrativo Eduardo Benevides de Oliveira Pró-Reitor para Assuntos Financeiros (pro-tempore) Editora - Edunp Francisca Sirleide Pereira Coordenadora Sistema Integrado de Bibliotecas da UnP SIB/UnP Apoio. Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão / Reitoria. Natal : Edunp, p. ; 22cm. 1. Diretrizes Institucionais. 2. Ensino, Pesquisa e Extensão UnP. I. Título. Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão RN/UnP/BCSF CDU: 378 UnP Av. Nascimento de Castro, nº 1597, Dix-Sept Rosado CEP Natal-RN Natal (RN) Setembro/2006

3 Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 5 As Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão instala o debate interno sobre o tema no momento histórico em que a comemora 25 anos de serviços educacionais no Rio Grande do Norte, dos quais apenas uma década na condição de Universidade. Neste ano festivo de 2006 a UnP conclui, também, o processo de preparação para o seu recredenciamento. Este contexto histórico institucional favoreceu a atualização do Projeto Pedagógico Institucional PPI, a elaboração do novo Plano de Desenvolvimento Institucional PDI para os próximos 10 anos ( ) e a revisão dos projetos pedagógicos dos cursos de graduação. Politicamente, a continua liderando uma posição privilegiada dentre as instituições de ensino superior existentes no Rio Grande do Norte. É a única universidade privada do Estado e uma das IES que mais cresceram nos últimos cinco anos. A UnP ampliou o espaço geográfico de oferta de serviços educacionais em território norte-rio-granapresentação

4 6 Diretrizes institucionais para a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 7 dense e alcançou a interiorização a partir da instalação de um campus na região Oeste do Estado. São, pois, referências históricas que honram a Instituição e que temos orgulho em preservá-las. Operacionalmente, a oferta um serviço educacional de qualidade, fazendo da excelência acadêmica um dos principais vetores de identificação institucional local e regional, incluindo nesse espectro a excelência de pessoas, da estrutura e da gestão. A Universidade concebeu e implantou projetos pedagógicos que modelam o perfil do egresso a partir de um perene movimento de aprendizagem embasado no senso crítico e no progresso do conhecimento. A pesquisa foi institucionalizada e atualmente está apta a alcançar o objetivo maior, que é produzir conhecimento e tecnologia e difundir seus resultados entre a comunidade acadêmica e a sociedade. Como a dimensão da extensão universitária é servir, o seu grande papel dentro da UnP é converter os resultados do ensino e da pesquisa em produtos e serviços em benefício de todos. Não é demais ressaltar que o melhor ensino e a melhor pesquisa seriam estéreis não houvesse a extensão como veículo propagador e condutor dos seus resultados para a solução dos problemas sociais. Exposto este quadro se deduz que o papel mais importante da Universidade Potiguar - ofertar ensino, produzir conhecimento e estender seus resultados a todos - tem como foco principal o homem, o seu meio e a sua realidade. Ao promover o debate sobre as Diretrizes para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão, a Administração Superior traz à tona o desejo de que essa tríade ocorra, na UnP, em todos os momentos da vivência universitária, seja dentro da sala de aula, na prática laboratorial, na investigação científica seja nas intervenções em ambientes externos à UnP. Nossa intenção é que essas diretrizes sejam para os gestores e colaboradores mais um programa de trabalho e não uma mera carta de intenções. Pretendemos que as linhas condutoras do nosso modo de fazer ensino, pesquisa e extensão interconectados ganhem concretude a partir da compreensão, do esforço e da capacitação de todos. Queremos mais. Que essas diretrizes representem o nosso diferencial e tenham a nossa cara. Em seus 25 anos de existência e por meio dos compromissos firmados em sua missão e visão, a imprime em suas diretrizes institucionais o seu modo de ser, sua personalidade própria. Que todos as transformem na essência do nosso trabalho. Manoel Pereira dos Santos Reitor

5 8 Diretrizes institucionais para a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 9 sumário apresentação 5 CAPÍTULO 1 A indissociabilidade a partir do conceito de universidade Conceitos de Universidade Na Constituição Federal Na LDB Responsabilidades advindas dos conceitos de Universidade Na constituição Na LDB 14 CAPÍTULO 2 A indissociabilidade a partir da missão e da visão da Cumprimento da Missão Institucional - PPI Cumprimento da Visão Institucional PDI Compromissos decorrentes da Missão da UnP Compromissos ampliados a partir da Visão da UnP Ser uma Universidade de excelência 23

6 10 Diretrizes institucionais para a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 11 CAPÍTULO 3 Planos de ação para a indissociabilidade Políticas Institucionais de Ensino, de Pesquisa e de Extensão e Ação Comunitária Políticas institucionais de ensino Políticas institucionais de pesquisa Políticas institucionais de extensão e de ação comunitária Diretrizes Operacionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Diretrizes operacionais para o ensino _ Diretrizes operacionais para a pesquisa Diretrizes operacionais para a extensão e ação comunitária 35 CAPÍTULO 1 A indissociabilidade a partir do conceito de universidade Referências 37 Glossário 39

7 Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 13 Os conceitos apresentados neste primeiro capítulo partem do que está exposto sobre universidade na Constituição da República Federativa do Brasil - edição publicada pelo Senado Federal no ano de 2004 e na Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Nacional - LDB n. 9394/96. Nestes dois marcos regulatórios estão as origens de nossas interpretações e orientações as diretrizes ditas da. Para tanto, disseca-se a missão e a visão institucionais e puxa-se, a partir daí, o fio condutor do processo formativo-integrativo de pessoas e profissionais na. Revela-se, também, neste capítulo, porque a UnP optou em servir ao estado, à região e ao país almejando a excelência no que faz: ensino, pesquisa e extensão. 1.1 Conceitos de universidade Na Constituição Federal Conforme a Constituição Federal, as Universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao principio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão Na LDB A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDB n. 9393/96 explicita no art. 52 que... universidades são instituições pluridisciplinares de formação dos quadros profi ssionais de nível superior, de pesquisa e de extensão e de domínio e cultivo do saber humano que se caracterizam por: I - produção intelectual institucionalizada mediante o estudo sistemático dos temas e problemas mais relevantes tanto do ponto de vista científico e cultural, quanto regional e nacional; II - um terço (1/3) do corpo docente, pelo menos, com titulação acadêmica de mestrado e doutorado; III - um terço (1/3) do corpo docente em regime de tempo integral.

8 14 Diretrizes institucionais para a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão Responsabilidades advindas dos conceitos de universidade Na Constituição Autonomia didático-científica A responsabilidade de definir o programa de trabalho, a formalização técnica e a gestão do processo com vistas a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão é da Universidade. A autonomia inerente à universidade lhe dá direitos, liberdade e agilidade, mas também gera obrigações e responsabilidades. Entre essas, a responsabilidade da sistemática adaptação do ensino à realidade. o princípio da indissociabilidade É norma constitucional e condição indispensável ao exercício da responsabilidade delegada obedecer a esse princípio. É, portanto, obrigação permanente, recorrente em tempo real, a integração da teoria com prática. Este princípio tanto deve ser cumprido como demonstrado o seu cumprimento Na LDB Enquanto instituição pluridisciplinar: A pluridisciplinaridade não deve ser vista, apenas, na oferta de vários cursos, em diferentes áreas do conhecimento. Ela exige a oferta do ensino superior em seus diversos níveis (graduação, pós-graduação, doutorado) e implica, também, na interdisciplinaridade da pesquisa e da extensão na forma de sua construção e disseminação. Enquanto instituição formadora de quadros profissionais de nível superior, de pesquisa e da extensão A oferta do ensino, a realização da pesquisa e a promoção da extensão devem primar pela formação de quadros profissionais. As três atividades compõem a proposta acadêmica da. Como tal, devem buscar a formação do profissional e não apenas satisfazer curiosidades ou alimentar devaneios. Enquanto espaço de domínio e cultivo do saber humano A proposta acadêmica para o ensino, para a pesquisa e para a extensão deve pressupor que a formação de cidadãos implica em dotá-los de condições que os tornem aptos a aprender a aprender e a conviver na sociedade como seres humanos e como profissionais, desenvolvendo atitudes de permanente inserção e atualização em sua contemporaneidade. Enquanto espaço de produção intelectual institucionalizada A proposta acadêmica para o ensino, para a pesquisa e para a extensão tem que ser institucional. Deve estar alinhada ao PPI e ao PDI e, em especial, aos projetos pedagógicos dos cursos, em qualquer nível que for oferecido. Os projetos pedagógicos dos cursos devem estar permanentemente atualizados e prever, formal e claramente, quais os momentos e os processos de integração do ensino com a pesquisa e com a extensão. A pesquisa deve, por sua vez, constituir-se formalmente em instrumento de construção e de acumulação do saber, alimentando o desenvolvimento do conhecimento e a atualização do ensino. A extensão, por outro lado, deve ser a canal aberto para a interação do ensino e da pesquisa com a sociedade. Isto pressupõe que os projetos de pesquisa, os programas e os projetos de extensão emanem das políticas institucionais e se exerçam no contexto dos projetos pedagógicos devidamente aprovados e aplicados na comunidade acadêmica. Estudo sistemático O ensino é, por sua natureza, um processo sistemático, sob pena de não cumprir com a sua missão acadêmica. Pela exigência constitucional e infraconstitucional da indissociabilidade, a pesquisa e a extensão não podem e não devem perder o caráter sistemático. Como tal, os temas a serem pesquisados devem atender ao processo de aprendizagem (aprender a aprender) da convivência na sociedade como seres humanos e como profissionais. A Instituição tem a obrigação de zelar por esse processo sistemático no planejamento, na execução e na avaliação da iniciação científica e da pesquisa aplicada. De temas e problemas mais relevantes do ponto de vista científico e cultural, quanto regional e nacional. É ampla a área de concentração para a definição da proposta acadêmica. A proposta deve, necessariamente, abordar temas e problemas relevantes, expressar um processo de integração com a realidade científica e cultural, ser um caminho de integração da teoria com a prática e significar a capacitação para a formação do cidadão e do profissional integrada à realidade onde ele vive e atua.

9 16 Diretrizes institucionais para a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 17 Elevada porcentagem de docentes com titulação acadêmica (mestres e doutores) e com tempo dedicado ao exercício das atividades acadêmicas Existe uma parcela do corpo discente que se disponibiliza a participar do processo de aprendizagem e dar a sua contribuição, e outra parcela do corpo docente habilitado, capacitado e com tempo disponível. Nesse caso é só aliar forças e sistematizar propostas e processos. CAPÍTULO 2 A indissociabilidade a partir da missão e da visão da

10 Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 19 Neste capítulo 2 se expõe como ocorrem as associações, no dia a dia da UnP, entre a missão institucional e o PPI e a visão institucional e o PDI. A prática da missão se dá por meio do cumprimento do Projeto Pedagógico Institucional enquanto a visão extrapola o abstrato a partir do cumprimento das políticas expressas no Plano de Desenvolvimento Institucional. Mostra-se, portanto, neste capítulo, quais os compromissos a Instituição firmuou com a sociedade e como cumprí-los, seja no ensino, na pesquisa e na extensão. Apresenta-se, também, caminhos para se atingir a excelência naquilo que a UnP faz. 2.1 Cumprimento da Missão Institucional - PPI O cumprimento da missão institucional da UnP formalizada perante a sociedade e expressa nos seus documentos oficiais, tal seja formar cidadãos comprometidos com valores éticos, culturais, sociais e profissionais, contribuindo - através do ensino, da pesquisa e da extensão de excelência - para o desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Norte, da Região e do País, dar-se-á por meio de suas ações acadêmico administrativas previstas no seu Projeto Pedagógico Institucional - PPI. 2.2 Cumprimento da Visão Institucional PDI Já o cumprimento da visão institucional, também formalizada na documentação oficial da UnP, qual seja ser uma Universidade de excelência na formação cidadã, pela prática efetivamente integrada do ensino, da pesquisa e da extensão, por uma gestão ética, ágil e inovadora e pela sua participação constante no desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Norte, da Região e do País ocorrerá, necessariamente, por meio do desenvolvimento do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI.

11 20 Diretrizes institucionais para a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão Compromissos decorrentes da Missão da UnP Na missão, a UnP assume o comprimisso de...formar cidadãos comprometidos com valores éticos, culturais, sociais e profissionais.. É desafiadora e significativa a missão de formar cidadãos até porque não basta formar, apenas, excelentes profissionais. O desafio maior é formar cidadãos aptos a exercer de forma cidadã, a sua profissional idade. Isso requer que a formação acadêmica da UnP ajude as pessoas a desenvolverem as competências do saber, do fazer e do ser; que ajude aos seus alunos a aprender a aprender, aprender a conhecer, aprender a fazer e ajude-os a posicionar-se diante de sua realidade social. Este é um desafio da contemporaneidade e exige dos colaboradores da UnP sejam docentes ou não - uma postura de pedagogo, e, essencialmente dos docentes, uma atitude de pesquisador interdisciplinar, engajado e comprometido. Exige, necessariamente, da Universidade, a oferta de um ensino integrado aliando, permanentemente, a teoria à prática. Para cumprir a sua missão, o ensino, a pesquisa e a extensão na UnP devem ter práticas indissociáveis. Só assim os futuros profissionais estarão preparados para ser agentes transformadores da realidade. Através do ensino, da pesquisa e da extensão Só é Universidade onde se apregoa, oferta e realiza a tríade ensino/pesquisa/extensão. Em sendo este o conceito de Universidade, a UnP pode se apresentar como uma IES que assumiu, formalmente, o ditame constitucional e da LDB. É, portanto, a UnP, uma Universidade de fato e de direito. Se, há alguns anos, foi sonho, hoje é realidade. A UnP é a primeira e única - até então - Universidade privada no Rio Grande do Norte - e não pode perder essa referência histórica. Por conseqüinte, no cumprimento do seu papel de Universidade o conhecimento tem que ser produzido, difundido e convertido em serviço para a sociedade. Na graduação, ao transmitir e questionar o saber, o docente desencadeia o senso crítico para uma constante revisão e progresso do conhecimento. Cada curso tem que focalizar os eixos temáticos integradores e formadores. A integração entre ensino e pesquisa encontra, na pós-graduação, o espaço privilegiado de sua ambientação. É que a pós-graduação se amplia na produção científica construída no ambiente da pesquisa. Entretanto, a investigação científica deve estar alinhada à missão e visão da Universidade, ao conteúdo dos projetos pedagógicos e ser desenvolvida de forma integrada em todos os níveis do ensino e, quanto possível, a outros cursos e às demais áreas do conhecimento. Essa integração, na, do ensino com a pesquisa e a extensão deve aproveitar toda a ambientação acadêmica para oferta do ensino, tal como: a) projetos pedagógicos atualizados e sempre revisados, focando eixos temáticos estruturantes e integradores; b) práticas pedagógicas que estimulam, pontuam e valorizam iniciativas de permanente associação da teoria à prática (estágios, práticas laboratoriais, atividades complementares, TCCs, processo de avaliação variado, e outros); c) infra-estrutura favorável à iniciação e investigação científica (laboratórios, equipamentos, campos de estágio externos, incentivo a iniciativas empreendedoras, unidades de prestação de serviços, etc.); d) corpo docente comprometido, habilitado, capacitado e apoiado. No campo da pesquisa a Universidade estruturou-se convenientemente. Núcleos, bases e linhas de pesquisa estão definidos e reorganizados, sintonizados com a realidade e direcionam, de forma integrada, coerente e convergente, os projetos de iniciação cientifica, os trabalhos monográficos e de conclusão de curso, as dissertações e teses da pós-graduação. Há, de fato, mecanismos internos de incentivo à pesquisa, como: I - Fundo de Apoio à Pesquisa FAP; II - Programa de Bolsa de Iniciação Científica PROBIC; III - Fundação para o Desenvolvimento Sustentável da Terra Potiguar - FUNDEP; IV - estruturação temática por núcleos, grupos, linhas e projetos; V - estrutura gerencial definindo critérios para: a)seleção de projeto; b) distribuição de carga horária para pesquisador, coordenador de núcleo e de líder de grupo; c) publicação de editais fixando normas e prazos; VI - publicação e divulgação de resultados de pesquisas em eventos internos e externos; VII - realização anual do Congresso Científico da UnP; VIII - integração da política de pesquisa da UnP com as diretrizes da Câmara de Ensino Superior (CES) e do Conselho Nacional de Educação (CNE). Do ponto de vista temático, a extensão da UnP segue o Plano Nacional de Extensão, consolidando as oito (08) áreas em quatro (04) programas e projetos. Operacionalmente, as atividades de extensão têm sido uma marca forte da UnP através de parcerias em prol do estado e da região.

12 22 Diretrizes institucionais para a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 23 Observe-se que há, ainda, a necessidade de tais ações e iniciativas extensionistas representarem mais a cara da Universidade, ou seja, concentrar os projetos e programas em iniciativas ou resultados provenientes da sala de aula e da investigação científica. Dessa forma, cumprir-se-á a diretriz de que a extensão, na UnP, deve fortalecer o ensino e a pesquisa a partir do seu trabalho de interação com a comunidade na qual está inserida. As ações extensionistas devem constar dos planos de ensino da graduação. Assim, o docente da UnP compreenderá que há um compromisso institucional de tornar a extensão um elemento intrínseco ao ensino e à pesquisa. As políticas e mecanismos internos do incentivo e de apoio à extensão são: a) definição clara de linhas de extensão por áreas de conhecimento; b) fundo de apoio; c) estrutura gerencial definindo processos e procedimentos e equipe gerencial constituída; d) realização anual da mostra de extensão; e) apoio à promoção e divulgação de eventos internos e externos. Excelência É compromisso da oferecer o ensino, a pesquisa e a extensão com padrão de qualidade excelente. Para concretizar essa qualidade se faz indispensável a atualização permanente dos projetos pedagógicos, das práticas de ensino, dos conteúdos ministrados, além da revisão e aperfeiçoamento de outros procedimentos diários. O ensino, o manuseio da tecnologia e o exercício da técnica devem servir de instrumentos do aprender a aprender e de base para o questionamento crítico e responsável. Já a pesquisa de excelência deve viabilizar ações compatíveis com as necessidades e potencialidades da população na qual a Universidade está inserida. O processo investigativo deve ser ágil e prático e não prescindir do acervo de conhecimento disponível na Instituição, até porque a prioridade deve ser para projetos que resultem em conhecimentos, benefícios e melhorias das comunidades interna e externa. A Extensão de excelência implica no desenvolvimento de programas e projetos que expressem a responsabilidade social da UnP, ou seja, será dada prioridade aos programas e projetos que sinalizem com contribuição para o desenvolvimento sustentável. Enquanto uma das principais ações de carater extensionista, a difusão de resultados - seja de conhecimento científico, de técnicas e tecnologias geradas na Instituição - devem, em sua essência, induzir à cidadania. Para o desenvolvimento sustentável Desenvolvimento sustentável pressupõe uma vivência do cidadão num ambiente de paz, de justiça e de uma melhor qualidade de vida para todos. É o exercício pleno da cidadania. Na prática, a UnP assume um papel de educadora de cidadãos aptos a conviver com a construção do desenvolvimento sustentável para todos. No Rio Grande do Norte, na Região e no País A Unp é uma universidade que assume o seu papel e demarca o seu território. Em sendo Potiguar preserva as características que lhe conferem identidade com o estado norte-rio-grandense e a região nordeste. Este é o foco de sua responsabilidade social: estar presente nos Estados do Rio Grande do Norte, da Paraíba e em Pernambuco. E a Instituição aproveita, sem dúvida, essa presença, para ser efetiva através do ensino, da pesquisa e da extensão de excelência em atitudes de parceria e participação, na busca de objetivos maiores da promoção do desenvolvimento sustentável. 2.4 Compromissos ampliados a partir da Visão da UnP Ser uma Universidade de excelência Essa postura consagra o compromisso já firmado na missão, esclarecendo definitivamente que a excelência deve ser perseguida e conquistada tanto no ensino, quanto via pesquisa e extensão, na razão da indissociabilidade inquestionável. Esse compromisso modula um jeito peculiar de fazer ensino, pesquisa e extensão na Universidade Potiguar porque sinaliza para a liderança dos seu cursos de graduação entre os melhores do Estado, da região e do País; requer fixação e alcance das metas dos cursos, a atualização constante dos projetos pedagógicos, o incentivo à participação crescente dos alunos de graduação em projetos de pesquisa e extensão e estímulo ao egresso a uma formação continuada em cursos de pós-graduação. Tudo isso torna-os aptos a alcançar a excelência em todos os aspectos. A pós-graduação lato e stricto sensu deve estar integrada ao ensino de graduação, à pesquisa e à extensão, e ser reconhecida no Estado e Região pela excelência dos cursos e eficácia da investigação científica e na prestação de serviços.

13 24 Diretrizes institucionais para a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 25 Quanto à pesquisa significa tornar-se uma Universidade produtora de conhecimentos voltados para a solução de problemas do Estado, da Região e do País, mediante adoção de linhas de pesquisa permanentemente voltadas para as demandas sociais. Exige, também, estimulo à integração com o ensino e a extensão, priorizando e monitorando projetos institucionais que atendam a esse critério. Em relação à extensão, a deve ser uma instituição com atividades extensionistas consolidadas e que tenham a sua cara, beneficiando comunidades locais com programas e projetos que sejam referência e que identifiquem a UnP. Essas Diretrizes sinalizam que a Universidade deve adotar programas que além de complementar a formação acadêmica contenham conceitos, atitudes e compromissos de responsabilidade social. Que seja, portanto, uma extensão que socialize tecnologias, métodos e conhecimentos, disponibilizando-os à sociedade, oferecendo a sua parcela de contribuição para o desenvolvimento sustentável. Pela prática efetivamente integrada ao ensino, da pesquisa e da extensão A palavra efetivamente significa um reforço no compromisso de que esta integração se dê na prática e não apenas no papel ou na intenção. Por uma gestão ágil e inovadora Isto representa a existência de uma estrutura bem definida, com ações de gestão estrategicamente planejadas, tornando-se uma organização sólida, capaz de oferecer segurança e credibilidade aos seus clientes e colaboradores internos e externos. Configura, também, ser a UnP uma organização desburocratizada, simples, rápida em seus processos decisórios, com critérios flexíveis e, ao mesmo tempo, comprometida com a excelência, a autosustentabilidade e o bem estar da comunidade interna e externa. CAPÍTULO 3 Planos de ação para a indissociabilidade Pela sua participação constante no desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Norte, da Região do País Esse aspecto consagra o caráter constante e não esporádico da participação da Universidade no processo de desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Norte, da Região e do País. É uma atitude permanente, que requer atenção, diligência, efetividade e atualização permanente na difusão, na geração de conhecimentos e na prestação de serviços.

14 Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 27 Este capítulo 3 aborda as ações no ensino de graduação da que consolidam a integração dos pilares centrais que constroem a concepção identitária de Universidade: do ensino com a pesquisa e do ensino com a extensão. Para tanto, apresenta-se as políticas institucionais contidas no Projeto Pedagógico lnstitucional - PPI - referentes aos três pilares (ensino, pesquisa e extensão), como também as diretrizes estratégias operacionais a serem adotadas em busca da consolidação da integração ensino-pesquisa-extensão. Anuncia-se, também, neste capítulo, os indicadores para avaliar o desempenho de eficácia dessas estratégias. 3.1 Políticas Institucionais de Ensino, de Pesquisa e de Extensão e Ação Comunitária Políticas institucionais de ensino Segundo o PPI da UnP, a graduação deve estar estruturada de forma que sejam viabilizadas atividades de pesquisa, de iniciação científica e de extensão/ação comunitária como instrumentos de desenvolvimento de processos teórico-epistemológicos de investigação, interpretação e intervenção na realidade. Considerando esses enunciados, assim como os diferentes contextos - quais sejam o sentido provisório e de incertezas do conhecimento e o avanço técnico-científico - os cursos de graduação devem propiciar o desenvolvimento de competências e habilidades situadas nos campos: a) da comunicação, abrangendo a capacidade de pensar, escrever e falar com clareza; de ouvir; de usar a linguagem simbólica - como a matemática e a linguagem do computador; de ser solidário e participativo; b) da convivência social, o que pressupõe a capacidade de se relacionar, de viver e trabalhar em equipe; agir socialmente, analisando problemas morais e éticos; de viver responsavelmente em determinados tempo, espaço e grupo social, respeitando as condições de preservação dos padrões de qualidade de vida, do meio ambiente e da cultura;

15 28 Diretrizes institucionais para a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 29 c) do raciocínio abstrato, abrangendo a capacidade de identificar, raciocinar e solucionar problemas com rapidez. Nesse campo é fundamental a capacidade de transitar com desenvoltura em múltiplas direções e de atuar com criatividade e rigor científico em situações imprevisíveis. Estas orientações apresentam desdobramentos manifestos no objetivo fundamental dos cursos de graduação da UnP: promover uma formação cidadã que articule as dimensões técnica e humana, em função de mudanças que promovam a constituição da cidadania, a partir de uma inserção política e ética. De acordo com as políticas institucionais, os Projetos Pedagógicos dos Cursos de Graduação são construídos e constantemente atualizados visando: I - a não fragmentação do conhecimento; II - o melhor aproveitamento do próprio corpo docente; III - currículos orientados por concepções e abordagens que privilegiam o papel dos contextos sociais; IV - a valorização de práticas extra-muros, principalmente aquelas desenvolvidas por ocasião de estágio, práticas de ensino, trabalhos de conclusão de curso e atividades complementares, como espaços do saber e do saber-fazer. Os cursos de graduação, na atualização de seus projetos pedagógicos, adotam alguns mecanismos comuns, como: a) b) c) d) analisam o perfil do egresso a ser alcançado; definem as competências e habilidades a serem desenvolvidas em função do perfil do egresso; delineiam as áreas temáticas essenciais a serem trabalhados ao longo de todo o curso, de maneira que modulem o perfil desejado; demarcam o currículo - este composto por disciplinas, TCCs, estágios e atividades complementares - de maneira que o currículo seja o instrumento a serviço da formatação do perfil do egresso Políticas institucionais de pesquisa A UnP, em seu Projeto Pedagógico Institucional - PPI, delineia suas políticas de pesquisa integradas ao ensino e à extensão. Assim, o ensino articulado à pesquisa pressupõe atitudes analíticas, reflexivas, questionadoras e problematizadoras, partindo a aprendizagem das observações mais imediatas para indagar sobre o conhecimento e a própria realidade. Regida por essa lógica, a pesquisa/unp deve ser implementada de forma que sejam efetivos: a) o questionamento crítico e contínuo da realidade, buscando-se intervenções mediante respostas criativas para os problemas emergentes do Estado, do Nordeste e do País; b) o estudo contínuo de novos e diferentes fenômenos, construindo-se e reconstruindo-se mapas conceituais e metodológicos e de ação política, social e comunitária, observadas as demandas sociais e as condições de aplicabilidade dos saberes produzidos. Esta mesma lógica deve ser aplicada aos processos de orientação e elaboração de trabalhos finais de cursos de graduação e pós-graduação - sejam monográficos ou experimentais - guardadas as devidas especificidades e nível de complexidade. O propósito é que, pela pesquisa e iniciação científica, ou, mesmo pelas práticas investigativas desenvolvidas no dia-a-dia das disciplinas, o estudante possa aprender a fazer e a intervir com segurança, ética e rigor científico Políticas institucionais de extensão e de ação comunitária A extensão, na, tem suas proposições básicas direcionadas para a disseminação da ciência e da cultura, para a transferência de técnicas e tecnologias e constituição da vida em cidadania, sob os princípios da liberdade, igualdade, diversidade, participação, solidariedade e compromisso social. Sob esse ponto de vista a extensão e a ação comunitária, na UnP, são assumidas por meio do desenvolvimento de programas, cursos, projetos, eventos e prestação de serviços que propiciem a integração entre a Universidade e a comunidade, observando- se as dimensões educativa, tecnológica e artístico-cultural. Essas formas de interação devem ser viabilizadas tendo à frente os objetivos de: a) b) c) formar profissionais cidadãos capacitados a responder, antecipar e criar respostas às questões da sociedade, constituindo-se a extensão em alternativa de produção do conhecimento, de aprendizado mútuo e de realização de ações transformadoras; dar a oportunidade de aliar a teoria à pratica, contribuindo para a excelência do ensino, expressando a responsabilidade social da UnP e sinalizando a contribuição para o desenvolvimento sustentável; veicular, permanentemente, a produção científica institucionalizada, de modo que a extensão seja um efetivo canal de comunicação com outros setores da sociedade e sua problemática, numa perspectiva contextualizada;

16 30 Diretrizes institucionais para a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 31 d) e) desenvolver práticas com conteúdos interdisciplinares e transdisciplinares a partir da compreensão de que a relação universidade/sociedade deve ocorrer sob a forma de intercâmbio, interação, influência e modificação mútua, enfrentamento de desafios e complementaridade; estimular os integrantes da comunidade acadêmica para a vivência social, política, profissional, solidária e co-participativa entre a UnP e a sociedade. Dessa forma, a extensão apresenta-se como elemento fundamental da formação cidadã, destacandose as dimensões pedagógica, de construção do conhecimento, de comunicação com diferentes grupos sociais e de intervenção comunitária, com vistas à melhoria da qualidade de vida das pessoas. Estruturada sob esse prisma e em consonância com a missão institucional, a extensão da Universidade Potiguar, em relação às áreas temáticas do conhecimento, acompanha a recomendação do Plano Nacional de Extensão. Dessa lógica resultam iniciativas de ações extensionistas institucionais na comunicação, cultura, direitos humanos, educação, meio ambiente, saúde, tecnologia e trabalho. As metas e ações dos cursos, programas e projetos devem estar situados nas seguintes linhas de pesquisa: a) b) c) d) e) f) g) h) i) alfabetização, leitura e escrita; artes integradas; desenvolvimento tecnológico; direitos individuais e coletivos; esporte e lazer; gestão do trabalho urbano e rural; questões ambientais; saúde humana; terceira idade. A extensão e a ação comunitária representam, pois, a Universidade agindo com e na comunidade, como partícipe na implementação de projetos de desenvolvimento dos setores público e/ou privado, firmando parcerias para promover o desenvolvimento sustentável. Nesse sentido, e na medida do desenvolvimento de ações pautadas na realidade, a Universidade intervém no desenvolvimento social com sustentabilidade, materializando, assim, princípios institucionais, como o exercício da cidadania e a participação integrada e solidária no processo de desenvolvimento sócioeconômico, artístico, cultural, científico e tecnológico do Estado, da Região e do País. 3.2 Diretrizes Operacionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária A, através das Pró-Reitorias de Graduação, Pesquisa e Pós-Graduação e Extensão e Ação Comunitária traçaram diretrizes operacionais, visando consolidar a integração do ensino com a Pesquisa e a Extensão e vice-versa. Essa conexão operacional é relevante para o sucesso das idéias que embasam a concepção de Ensino Superior adotadas na UnP Diretrizes operacionais para o ensino a) Nas ementas das disciplinas explicitar os temas que compõem o campo ou área de conhecimento no qual se insere a disciplina, deixando claro os conteúdos centrais a serem trabalhados. b) Nos planos de ensino identificar os objetivos geral e específicos da disciplina, vinculando-os ao desenvolvimento de habilidades e competências; definir, a partir do conteúdo programático, que habilidades e competências estão sendo desenvolvidas na disciplina a ser ofertada; explicitar a área temática a que a disciplina está vinculada e a correspondente linha de pesquisa e/ou de extensão; definir as atividades a serem desenvolvidas na disciplina, esclarecendo sua natureza (ligada a extensão ou a pesquisa); detalhar as atividades de pesquisa científica a serem desenvolvidas na disciplina, explicitando os objetivos gerais e os específicos; detalhar as atividades de extensão e ação comunitária a serem desenvolvidas na disciplina, explicitando os objetivos, a população-alvo e o local onde se realizarão as atividades; registrar, em formulário próprio (disponível no site), as atividades de pesquisa desenvolvidas durante a oferta das disciplinas e cadastradas nos Planos de Ensino.

17 32 Diretrizes institucionais para a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 33 c) Nos cronogramas de aula sinalizar as atividades a serem desenvolvidas extra-classe, como atividade de ensino, extensão e/ou de pesquisa, priorizando cenários diversificados de aprendizagem; priorizar, nos estágios e TCCs, atividades que sejam relevantes para seu desenvolvimento, de caráter extensionista ou de pesquisa e que devam ser desenvolvidas por todos os alunos, independente do campo de atuação e/ou investigação. d) Nos TCCs seguir, obrigatoriamente, as áreas temáticas definidas para assegurar o perfil de egresso pretendido, sendo esta obrigatoriedade estendida também à correspondência destas áreas temáticas às linhas de pesquisa e/ou de extensão e ação comunitária; estabelecer a continuidade da produção acadêmica, com a acumulação de conhecimento de forma verificável, através do uso de produções já desenvolvidas no curso/área em anos anteriores; somente atribuir carga horária ao docente orientador de TCC que detenha o perfil adequado.quando o TCC estiver relacionado à pesquisa, professores com experiência em orientação e titulação mínima de especialista; e na extensão, professores com expertise reconhecida na sua área; estabelecer o compromisso a ser firmado, por parte do docente, de divulgação acadêmica dos trabalhos desenvolvidos pelos alunos (publicação, apresentação em eventos acadêmicos, etc.); exigir, do docente-orientador, a apresentação, ao Coordenador de TCC, das questões/ problemas de investigação ou projetos pragmáticos de atuação, com os objetivos gerais e específicos a fim de assegurar a vinculação destes com a área temática e esta última com as linhas de pesquisa e/ou de extensão; incentivar, preferencialmente, nos cursos com Mestrado, o aproveitamento dos doutores na orientação de TCCs; assegurar espaços institucionais, nas linhas, grupos e núcleos de pesquisa e nos programas e projetos de extensão, para as áreas temáticas dos cursos; avaliar, de maneira integrada pelas Pró- reitorias e diretores de curso, a cada ano, o progresso na acumulação de conhecimento e produção acadêmica e científica dos curso; incentivar o desenvolvimento dos TCC's junto aos programas / projetos de extensão e/ou aos laboratórios e clínicas da Instituição. e) Nos estágios seguir, obrigatoriamente, as áreas temáticas definidas para assegurar o perfil de egresso pretendido, deixando claro, nos Planos de Estágio, a área temática e as ações de extensão desenvolvidas (atendimentos sociais, pedagógicos, clínicos, jurídicos, técnicos ou tecnológicos); estabelecer a continuidade dos resultados das ações comunitárias e sociais, com acompanhamento do impacto destes na área de atuação, em relatório a ser apresentado pelo Coordenador de Estágio às Pró Reitorias de Graduação, de Extensão e Ação Comunitária, e de Pesquisa e Pós- Graduação; avaliar o perfil do docente supervisor de estágios e se este apresenta expertise reconhecida na sua área; tornar obrigatório o registro das ações desenvolvidas pelos alunos e seu impacto social nos relatórios finais de estágio a serem entregues aos respectivos supervisores; exigir, do docente-supervisor, a apresentação dos planos de estágio, com ações de desenvolvimento prático, com os objetivos gerais e específicos a fim de assegurar a vinculação destes à área temática e esta última às linhas de pesquisa e/ou de extensão e ação comunitária; requerer, do Coordenador de Estágio, a entrega à Pró-Reitoria de Extensão e Ação Comunitária, a compilação dos planos de estágio; assegurar a devida relação entre as áreas temáticas dos cursos e os programas e projetos de extensão, e as linhas de pesquisa; avaliar, de maneira integrada pelas Pró- reitorias e diretorias de curso, a cada ano, o progresso dos resultados e impacto social a partir dos estágios. f) Nas atividades complementares planejar, a cada ano, possibilidades de oferta de cursos de extensão, atividades extracurriculares e eventos científicos que possam ser aproveitadas como atividades complementares, estando estes atrelados às áreas temáticas estabelecidas pelos cursos; avaliar continuamente as planilhas de atividades complementares em relação à descrição e pontuação das atividades e sua coerência com o grau de relevância para a formação.

18 34 Diretrizes institucionais para a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão Diretrizes operacionais para a pesquisa a) Nos projetos de pesquisa detalhar as atividades de pesquisa integradas ao ensino, informando o nome das disciplinas, nas quais parte ou toda a pesquisa será desenvolvida, bem como a metodologia a ser utilizada; detalhar as atividades de pesquisa que serão desenvolvidas em articulação com a extensão (programas, projetos e Pprestação de serviços); indicar o eixo temático do curso de graduação ao qual o projeto de pesquisa esteja vinculado. d) No Programa de Iniciação Científica - ProBIC o professor deverá estimular no aluno de graduação, a vocação para a prática da investigação científica, através da orientação docente, seja a prática remunerada ou voluntária. e) Nos formulários de resumo de TCC (Catálogo de TCC s) preencher os formulários conforme as normas da ABNT e informar, obrigatoriamente, a disciplina a que o TCC se relaciona, bem como o eixo temático do curso e as correspondentes linhas de pesquisa e de extensão. b) Nos relatórios de pesquisa mensurar, no campo específico, as atividades que, de fato, integraram o ensino à pesquisa; mensurar, no campo específico, as atividades de extensão (programas, projetos, prestação de serviços) em que a pesquisa se desenvolveu; confirmar o eixo temático do curso de graduação, informado no formulário do Projeto de Pesquisa. c) Nos grupos e linhas de pesquisa vincular os TCC's (graduação e pós-graduação: lato e stricto sensu) aos grupos e às linhas de pesquisa, estabelecendo a correspondência destas últimas com os eixos temáticos dos projetos pedagógicos dos cursos; estimular os professores pesquisadores no sentido de desenvolverem projetos de pesquisa utilizando os dados / informações gerados nas atividades de extensão (programas, projetos e prestação de serviços); vincular, obrigatoriamente, todos os projetos de pesquisa (do professor e do aluno de iniciação científica) aos grupos e linhas de pesquisas institucionais Diretrizes operacionais para a extensão e ação comunitária a) Nos programas de extensão integrar os programas de extensão, a partir das linhas de extensão, aos eixos temáticos estabelecidos pelos cursos de graduação e com as linhas de pesquisa; vincular, no mínimo, dois (2) projetos de extensão propostos aos cursos de graduação; explicitar as ações extensionistas que serão desenvolvidas por meio dos projetos vinculados como também o público alvo, o local, os dias da semana e horários onde serão realizadas; assegurar, institucionalmente, o desenvolvimento de atividades de extensão e de ação comunitária integrando o ensino e a pesquisa. b) Nos projetos de Extensão alinhar os projetos aos eixos temáticos instituídos pelos cursos de graduação, articulados com os projetos de pesquisa, constituindo-se em base para o estabelecimento de linhas de atuação dos TCC"s dos cursos; explicitar a metodologia de ação comunitária que efetivamente será utilizada no projeto e a contribuição para a disciplina e para o projeto de pesquisa a que se vincula;

19 36 Diretrizes institucionais para a indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão Diretrizes Institucionais para a Indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão 37 identificar, detalhadamente, as ações extensionistas a serem desenvolvidas, como também relacionar o público alvo que será beneficiado, o local, os dias da semana e horários onde serão realizadas; fazer o efetivo registro por meio de formulário próprio da extensão disponível na página da UnP. c) Nos cursos de extensão vincular aos eixos temáticos do curso de graduação a que se vincula; apresentar o parecer do diretor do curso de graduação da UnP, explicitando de que forma o curso irá contribuir para fortalecer o ensino e a pesquisa; fazer o registro por meio de formulário próprio da extensão, disponível na página da UnP. d) Nos eventos constar do calendário institucional de eventos da Universidade; incentivar a realização dos eventos anuais durante o Congresso Científico da UnP; priorizar os eventos que venham a contribuir, efetivamente, com o ensino e a pesquisa; detalhar o local, o horário e as ações de extensão e de ação comunitária desenvolvidas; fazer o registro por meio de formulário próprio da extensão, disponível na página da UnP. Referências República Federativa do Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília. Editora Congresso Nacional Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB n. 9394/96. Brasília. Editora Congresso Nacional Projeto Pedagógico Institucional - PPI. Natal. Edunp Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI. Natal. Edunp Declaração de Missão, de Valores e de Visão do Futuro. Natal. Texto Quälitas Brasil Lima, Roberto. : 25anos comprometidos com os valores éticos, sociais, culturais e profissionais.texto. Natal e) Na prestação de serviços avaliar, de maneira integrada, o conhecimento gerado para o ensino, a pesquisa e a extensão; incentivar a utilização das informações geradas nos atendimentos das clínicas e laboratórios, em projetos de pesquisa; fazer registro por meio de formulário próprio da extensão, disponível na página da UnP.

20 Glossário Termos/Terminologias usuais nos processos acadêmicos ALUNO PORTADOR DE NECESSIDADES ESPECIAIS - aluno que apresenta limitações de ordem física (auditiva, visual, mental, motora), psicológica ou emocional, relativamente à sua faixa etária e aos padrões vigentes. AQUISIÇÃO DE ACERVO (de biblioteca) - modo de constituição de um acervo, que pode se dar por meio de compra, por permuta ou através de doações recebidas. AUTONOMIA UNIVERSITÁRIA - princípio constitucional que consagra, às instituições de educação superior de grande envergadura e ampla dedicação ao ensino, à pesquisa e à extensão, prerrogativas de regulação própria no que tange a matérias acadêmica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial. BACHAREL - portador de grau acadêmico referente ao curso de graduação, na modalidade bacharelado (ver também GRAU DE BACHAREL). BACHARELADO - modalidade de oferta de curso de graduação que conduz ao grau de bacharel. Esse grau confere, ao diplomado, habilidades e competências num determinado campo do saber para o exercício da atividade profissional.

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PRÓ-DOCENTE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PERMANENTE

PRÓ-DOCENTE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PERMANENTE www.unp.br PRÓ-DOCENTE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PERMANENTE Diretoria dos Pilares Estratégicos Núcleo de Apoio Psico-Pedagógico - NAPe Programa apresentado ao CONSELHO SUPERIOR UNIVERSI- TÁRIO ConSUni

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO A CAPACITAÇÃO DOCENTE PACD

PROGRAMA DE APOIO A CAPACITAÇÃO DOCENTE PACD Coleção Documentos Normativos da UnP Série Verde: Gestão de Recursos Humanos Título: Programa de Apoio à Capacitação Docente - PACD Volume 8 PROGRAMA DE APOIO A CAPACITAÇÃO DOCENTE PACD NATAL/RN 2008 UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA. (aprovado pela Resolução Nº 015/2004-ConEPE-UnP, de 11/05/2004)

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA. (aprovado pela Resolução Nº 015/2004-ConEPE-UnP, de 11/05/2004) REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA (aprovado pela Resolução Nº 015/2004-ConEPE-UnP, de 11/05/2004) Série: Documentos Normativos da UnP Volume 02 Regulamento e Normas das Atividades Acadêmicas Número

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Altera os procedimentos acadêmicos e administrativos que regem a distribuição de carga horária para docentes que atuam nos CURSOS DE GRADUAÇÃO.

Altera os procedimentos acadêmicos e administrativos que regem a distribuição de carga horária para docentes que atuam nos CURSOS DE GRADUAÇÃO. RESOLUÇÃO HOMOLOGADA pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - ConEPE da Universidade Potiguar, na reunião realizada no dia 24 de junho de 2010, conforme registro na respectiva Ata. Conselho de Ensino,

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Capítulo I Do Regulamento Art. 1º. O presente Regulamento define e regula a Política de Formação e Desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG Maio de 2015 SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO...2 II - CONCEPÇÃO EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...3 III - CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Texto compilado Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

REGULAMENTO DA EXTENSÃO Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF

REGULAMENTO DA EXTENSÃO Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF REGULAMENTO DA EXTENSÃO Faculdade de Direito de Alta Floresta - FADAF 2010 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 DAS AÇÕES EXTENSIONISTAS... 4 CAPÍTULO III... 6 DA COMPETÊNCIA

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001.

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001. MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES No Curso de Licenciatura em Educação Física os alunos participam das atividades complementares de conteúdo curricular obrigatório como pré-requisito para obtenção do

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

NORMAS PARA A REALIZAÇÃO DE EXAME DE PROFICIÊNCIA

NORMAS PARA A REALIZAÇÃO DE EXAME DE PROFICIÊNCIA NORMAS PARA A REALIZAÇÃO DE EXAME DE PROFICIÊNCIA UNIVERSIDADE POTIGUAR UnP Av. Nascimento de Castro, nº 1597, Dix-Sept Rosado, CEP 59054-180. Natal-RN E-mail: reitoria@unp.br Paulo Vasconcelos de Paula

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Aprovado na CamEx, na 84 Sessão, realizada em 18 de março de 2015, apreciada no CONSEPE, na 54ª Sessão,

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

Curso de Serviço Social Manual do estagiário

Curso de Serviço Social Manual do estagiário Curso de Serviço Social Manual do estagiário I - Apresentação Caro aluno, A disciplina denominada Supervisão Acadêmica em Serviço Social, objetiva contribuir na compreensão das atividades relativas ao

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS A Faculdade Católica Dom Orione, Araguaína TO, torna pública a abertura das inscrições para

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

www.unp.br REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

www.unp.br REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL www.unp.br REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL (Aprovado pela Resolução Nº 021/2015-ConEPE-UnP, de 24/03/2015)

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FARMÁCIA. CAPITULO I Dos Fins

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FARMÁCIA. CAPITULO I Dos Fins REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FARMÁCIA Aprovado na CamEx, na 80ª Sessão, realizada em 11 de junho de 2014, apreciada no CONSEPE, na 47ª Sessão, realizada

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA Governo do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

www.faculdadelaboro.com.br [98] 3216 9900 Av. Castelo Branco, 605, 4 º andar - São Francisco. São Luís-MA CNPJ: 02.517.198/0001-00

www.faculdadelaboro.com.br [98] 3216 9900 Av. Castelo Branco, 605, 4 º andar - São Francisco. São Luís-MA CNPJ: 02.517.198/0001-00 FACULDADE LABORO UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DE BRAGA Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO: Administração e Organização Escolar Convênio de cooperação

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE Regulamenta o regime de trabalho de Tempo Integral, em Dedicação Exclusiva

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO Faculdade Internacional da Paraíba Rua Monsenhor Walfredo Leal nº 512, Tambiá CEP: 58020-540. João

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DA FINALIDADE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO (OBRIGATÓRIO) Art.

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - Sinaes Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais