A FUNÇÃO SOCIAL DA PESQUISA EM CONTABILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FUNÇÃO SOCIAL DA PESQUISA EM CONTABILIDADE"

Transcrição

1 A FUNÇÃO SOCIAL DA PESQUISA EM CONTABILIDADE Paulo Cesar Starke Junior (PG UFPR) Viviane da Costa Freitag (PG UFPR) Jaime Crozatti (UEM, UFPR) Resumo O objetivo deste artigo é evidenciar a função social da pesquisa em contabilidade, bem como a importância da abordagem metodológica para a definição dos rumos da ciência contábil. Situar a contabilidade como ciência social aplicada e descrever os métodos e enfoques utilizados na pesquisa em contabilidade são condições para atingir o objetivo do trabalho. Adota-se postura normativa, utilizando-se o raciocínio dedutivo e pesquisa bibliográfica de caráter exploratório-descritivo. O objeto de estudo da ciência contábil, o patrimônio, se modifica pela ação direta ou indireta do homem. Isto significa que, enquanto estuda seu objeto principal, a atenção do cientista contábil deve estar voltada para o homem inserido na sociedade. Considerando que a verdadeira ciência é aquela que contribui para a dignidade do ser humano, os resultados do estudo apontam que a abordagem sociológica da pesquisa em contabilidade deve ser privilegiada como caminho para o desenvolvimento do bem estar econômico e social. A pesquisa em contabilidade tem como foco a riqueza das empresas, cuja função social tem foco no bem estar do ser humano. Palavras-chave: Conhecimento Científico. Pesquisa em Contabilidade. Abordagens Metodológicas. Introdução A contabilidade, área do conhecimento do rol das ciências sociais aplicadas, tem como objeto de estudo o patrimônio particular e suas variações, os quais ocorrem a partir da ação do homem. Enquanto ciência constrói um conhecimento a partir de métodos e abordagens que lhe são próprios. Em relação a seus processos de pesquisa, utiliza-se de uma metodologia para atingir seus fins, quais sejam: explorar, descrever e/ou explicar o patrimônio e suas variações. Para Demo (1995, p. 26), a demarcação científica em ciências sociais possui outros critérios além da competência metodológica como juízo crítico de ciência. Segundo o autor, o pesquisador social aparece como ator político no processo de construção científica. Logo, o cientista contábil é pesquisador e sujeito do conhecimento em contabilidade. Nesta dimensão, a orientação metodológica da pesquisa ganha nova importância. O pesquisador atua como sujeito ativo, interferindo nos rumos da ciência a qual se dedica, mas também no destino da Versão revisada do trabalho originalmente apresentado no II Seminário de Ciências Contábeis, Blumenau/SC, 22 a 24 de agosto de 2006.

2 2 própria sociedade. Isto na medida em que a contabilidade busca soluções para entidades que têm dever de gerenciar suas atividades com responsabilidade social e ambiental. A partir de tais pressupostos, a construção do processo de conhecimento contábil passa a ser entendida a partir de uma relação dinâmica em que sujeito e objeto interagem entre si, já que o cientista contábil é também observador e usuário do patrimônio e da informação sobre este. As proposições de Demo permitem enfatizar a responsabilidade do contador em relação ao patrimônio particular de uma empresa e em relação à sociedade, considerando o impacto social e ambiental provocado pelas alterações do objeto de estudo da ciência contábil. Permite especialmente destacar a responsabilidade do pesquisador contábil quanto ao processo de bem estar social, uma vez que este acontece através dos agentes econômicos empresas e indivíduos. Hopwood e Miller (1994, p. 1) iniciam o livro Accounting as Social and Institucional Practice 1 afirmando que, antes de ser uma função derivada ou secundária, o estabelecimento de relações sociais é função intrínseca da contabilidade, sendo que esta área do conhecimento tem sido considerada uma prática social e institucional. E os interesses despertados por estes aspectos da contabilidade têm levado os pesquisadores a ampliar o foco de pesquisa. Questões como a multiplicidade de agentes, empresas, instituições e processos influenciam a contabilidade. Contudo, a própria condição de ciência da contabilidade é questionada. Theóphilo (2004, p. 6) lembra que não há consenso acerca do status da Contabilidade enquanto campo do conhecimento: se é uma técnica ou ciência. Esta reflexão inicial serve de escopo para a discussão que se apresenta neste trabalho e que consiste em caracterizar a função social da investigação em contabilidade, bem como a importância da abordagem metodológica para a definição dos rumos da ciência contábil. A metodologia adotada, no desenvolvimento desse artigo, consistiu em uma postura normativa, onde se utilizou raciocínio dedutivo e pesquisa bibliográfica de caráter exploratóriodescritivo. Para atingir o fim almejado, será necessário discorrer acerca das áreas de conhecimento humano de modo a identificar o estado da arte da contabilidade, descrevendo também os métodos e abordagens metodológicas aplicadas à pesquisa em ciências contábeis. A abordagem sociológica receberá especial atenção, pois esse caminho para a construção do conhecimento vem demonstrar os meios para a participação da contabilidade na edificação do bem estar social. 1 A Contabilidade como uma Prática Social e Institucional (tradução livre dos autores).

3 3 Entende-se por bem estar social uma sociedade justa e sustentável no sentido de oportunizar condições de acesso à realização de projetos de vida a todos os seus membros, onde as empresas têm o papel de gerar e disponibilizar os recursos necessários a estes indivíduos por um preço justo e em condições de equidade. A Contabilidade como Conhecimento Científico Assim como o Instituto Brasileiro de Contadores IBRACON 2 (1992, p. 21), há quem evoque a contabilidade como um sistema de informações. Para outros, como evidenciou Gouveia (1978, p. 1), a contabilidade seria uma arte ou mesmo uma técnica. Outros ainda, assim como Oliveira (2003, p ), no entanto, a têm classificado como uma ciência social aplicada. Na prática, infelizmente, percebe-se que muitos contadores não possuem uma opinião consubstanciada a respeito de sua área de atuação. Mais ainda, possuem uma visão, em muitos aspectos inadmissível, de contabilidade como senso comum. Diante dessa problemática algumas indagações são necessárias: o que se entende por conhecimento, arte ou senso comum? Por que alguns pesquisadores partem do pressuposto que a contabilidade consiste em sistema de informações? Afinal, o que é ciência? Parte-se da compreensão de que o conhecimento define-se como a posse de informação para uso imediato. Ele consiste na relação entre a consciência e o objeto (OLIVEIRA, 2003, p. 36). Consiste, ainda, em um processo de saber que pode assumir várias formas: arte, técnica, filosofia, religião, senso comum ou ciência. Convém frisar que, para o mesmo autor, a construção do conhecimento realiza-se em quatro áreas do saber: conhecimento popular ou senso comum, religioso, filosófico e científico, assim caracterizadas (OLIVEIRA, 2003, p. 37): Conhecimento popular, vulgar ou senso comum: apresenta-se como valorativo, reflexivo, falível, assistemático, verificável e inexato. Conhecimento filosófico: é valorativo, racional, infalível, sistemático, não verificável e exato. Conhecimento religioso: valorativo, inspiracional, infalível, sistemático, não verificável e exato. Conhecimento científico: é considerado real, contingente, falível, sistemático, verificável e exato. 2 Atualmente, Instituto dos Auditores Independentes do Brasil.

4 4 Partindo desta tipologia estabelecida, constata-se que o conhecimento contábil é verificável e não é infalível. Portanto e, por eliminação, a contabilidade não se enquadraria no conhecimento religioso, tão pouco filosófico. Pode-se supor, por eliminação, que se estaria diante de um saber em nível de senso comum? Científico? Considerando que a contabilidade é um ramo de conhecimento pautado na exatidão, no sentido que é obtido de forma racional e lógica, entende-se a contabilidade como ciência. É importante destacar que essa ciência possui uma característica sui generis pelo fato de não descartar a utilização de conceitos valorativos. Citando Oliveira (2003, p. 53), quando, por exemplo, se efetua um registro pelo custo histórico ou quando pelo valor de mercado houve um julgamento a priori. Outro exemplo que demonstra essa característica é o cálculo da depreciação de ativos das empresas uma vez que essas instituições podem valorar de diversas formas a expectativa de utilidade temporal de determinada máquina, com exceção quando da escrituração para fins fiscais. A utilização de conceitos valorativos frente à tipologia de Oliveira (2003) pode levantar dúvidas quanto à contabilidade como ciência. Convém ressaltar, no entanto, que, mesmo quando necessária, a valoração deve buscar o real, característica do conhecimento científico. Exemplificando essa colocação a partir da mesma situação anterior, os profissionais contábeis, no exercício de suas funções, devem estimar o tempo de uso de determinado ativo de acordo com princípios lógicos e racionais, permitindo, assim, a mensuração do real resultado em relação às expectativas de produção. Logo, mesmo quando necessária a valoração, esta deve buscar o real, característica das ciências. A arte e a técnica seriam, a partir desse exercício de compreensão, expressões ou resultados da produção do conhecimento, assim como as teorias científicas e os dogmas religiosos. Santos, Schmidt e Machado (2005, p. 11) destacam ainda que, a arte, além de manifestação do belo, pode ser entendida, como a capacidade que tem o homem de pôr em prática uma idéia. Já a técnica, para esses mesmos autores, pode ser definida como o conjunto de regras que permitem a realização de coisas sensorialmente perceptíveis [...], ou seja, técnica indica o formal, o como fazer. (SANTOS, SCHMIDT e MACHADO, 2005, p. 13). Cumpre ressaltar que as colocações dos autores citados apresentam a contabilidade como ciência social. Esse ramo da ciência destaca-se ao delegar para o homem, por um lado, um papel de sujeito, ativo, racional, detentor de livre arbítrio e que age sobre o seu objeto, no caso da contabilidade o patrimônio de uma entidade. Por outro, o homem pode ser, ainda, o

5 5 próprio objeto de estudo. A contabilidade, desta forma, vai estudar o efeito da ação do homem sobre o patrimônio das entidades (OLIVEIRA, 2003, p. 53). Diferentemente das proposições dos autores até aqui destacadas, Martins (1988, p. 19) caracteriza a contabilidade como um sistema de informações. Iudícibus, em um prisma pragmático, também apresenta a contabilidade como um sistema, útil ao usuário, ou seja, um banco de dados de onde se extrai as informações necessárias para uma tomada de decisão (1997, p. 71). Concorda-se com tais proposições, no entanto, a compreensão acerca da contabilidade, conforme já vem sendo destacada, é mais abrangente. Pensar em outra direção implicaria em uma visão mecanicista do processo, pois se estaria diante de um sistema de informações que não enfatiza o profissional sujeito esse que observa, analisa, interpreta a informação gerada e a traduz ou sintetiza para o usuário em função da necessidade desse. Parafraseando Demo (1995, p. 28), não há contabilidade sem o contabilista. A contabilidade, classificada como um banco de dados informacional, inclusive pelos governos brasileiros quando a regulam para fins fiscais, não é mais do que técnicas de escrituração que não ultrapassam as barreiras do senso comum. É interessante apontar que, em linhas gerais, esta característica de regulamentação governamental da contabilidade não é exclusiva do Brasil. Lopes e Martins afirmam que esse processo ocorre intensamente nos países que adotam o direito romano (2005, p. 53), sendo que, nos países de direito consuetudinário como a Inglaterra e Estados Unidos, a regulamentação contábil também existe, no entanto, é exercida por iniciativa de órgãos privados (ibid, p. 53). Em ambos os casos, a regulamentação da contabilidade enquanto técnica procura definir padrões para satisfazer usuários específicos. Essa percepção pragmática de utentes como governos e acionistas serve como justificativa para a visão de contabilidade de Iudícibus: um grande banco de dados ou um cadastro básico de informações (2000, p. 331). Ou seja, a contabilidade seria um conjunto de técnicas e regras que visam atender às necessidades informacionais criadas a partir de um conhecimento comum ou padrão. Sob esta ótica, é válido dizer que pouca pesquisa pode ser realizada para desenvolver o conhecimento contábil, pois as informações necessárias já estão previamente reguladas por leis, normas e regras. Todavia, mesmo a partir de regras gerais, a contabilidade desenvolvida para registro, controle, análise e evidenciação do patrimônio de cada entidade particular utiliza-se de conceitos próprios e singulares que levaram muitos autores a classificar a contabilidade como arte: a arte de classificar e registrar fatos relativos ao patrimônio de uma entidade.

6 6 Essa visão é correta visto que é necessária toda uma gama de conhecimentos, técnicas geral e particular, para classificar cada fato ocorrido com o patrimônio da empresa e para apresentar o registro organizado desta classificação. Ademais, entende-se ainda que a simples necessidade de desenhar ou discorrer sobre um grupo de atividades relativo à determinada entidade já exige desta arte, conforme a definição de contabilidade dada por Gouveia (1978, p. 1), uma técnica precisa. Para esse autor, a contabilidade consiste na arte de registrar todas as transações de uma companhia, que possam ser expressas em termos monetários. E é também a arte de informar os reflexos dessas transações na situação econômico-financeira dessa companhia (GOUVEIA, 1978, p. 1). Enquanto a contabilidade somente registra e informa, como discorre este último autor, ela é uma arte, pois o fato de registrar e informar não exige uma observação profunda ou mesmo a sistematização de conceitos estruturados como nas ciências. Destarte, deve-se ressalvar que, tal como na advertência de Coquelin 3, citado por Hermann Júnior (1972, p. 23), A arte consiste em uma série de preceitos ou de regras a seguir e a ciência no conhecimento de certos fenômenos ou de certas relações observadas ou reveladas. A arte aconselha, prescreve, dirige; a ciência observa, expõe, explica. Logo, a contabilidade consiste em uma ciência. Ramo do conhecimento científico que emergiu a partir do momento em que o homem passou a observar fatos ocorridos sobre a riqueza individual, explicando-os, comentando-os, tirando conclusões, gerando teorias, a partir da análise, que podem ser aplicadas a todas as entidades ou à mesma entidade em tempos diferentes. Nesse sentido o contador não é um prestador de serviços, mas um cientista a serviço. Sobretudo, entende-se ainda que ela é uma das ciências sociais aplicadas já que, retomando as afirmações de Oliveira, o objeto de estudo da contabilidade é o patrimônio de qualquer entidade. Essas entidades são compostas de bens e pessoas voltados aos mesmos fins, formando um sistema social. Sendo uma ciência voltada à solução de problemas concretos observados nos relacionamentos entre pessoas e grupos de pessoas, a contabilidade é socialmente aplicada (2003, p. 53). Por ser uma área do conhecimento aplicada, Hermes (1986, p. 267), de forma pertinente, lembra que é imprescindível, (...) também no campo científico da contabilidade, que sejam planejadas e realizadas novas pesquisas com sistematização e continuidade. Vastos são os fenômenos contábeis a investigar cientificamente. (...) O progresso reclama melhor

7 7 apoio da ciência, mais colaboração entre as gentes, logo a nossa, os da Ciência Contábil. Assim, é lamentável que muitos profissionais da contabilidade não ultrapassem o nível do senso comum, por se limitarem a replicar aquilo que o processo de formação educacional lhes conferiu. Esses estão fadados ao ostracismo. Construirão suas carreiras sem ousar ou sem, ao menos, ensaiar uma obra de arte a ser apreciada pelos empresários. Não desenvolverão a técnica, nem tampouco a ciência que está em suas mãos. Contudo, é necessário acreditar em contabilistas que buscam soluções, que geram problemáticas e que buscam por respostas pautados na ciência contábil, campo amplo, inconcluso e por isso mesmo fascinante. Métodos de Pesquisa em Contabilidade No meio científico, pesquisar consiste em um processo de construção e verificação de teorias. Uma teoria representa um conjunto coerente de princípios hipotéticos, conceituais e pragmáticos formando uma estrutura geral de referência para determinado campo de estudo (OLIVEIRA, 2003, p. 48). A pesquisa em contabilidade resulta, portanto, nas teorias que formam a estrutura conceitual desta ciência, arcabouço este que é referência para as práticas contábeis e guia para o desenvolvimento desta área do conhecimento. Os métodos que fornecem as bases para a investigação ou pesquisa são, segundo Santos, Schmidt e Machado (2005, p. 20), dedutivo, indutivo, hipotético-dedutivo, dialético e fenomenológico. O método dedutivo caracteriza-se por sua racionalidade. Parte-se do geral para o específico através da razão que leva ao conhecimento verdadeiro. Um exemplo de utilização do método dedutivo na pesquisa em contabilidade é a escolha de determinado procedimento de avaliação de ativos para se atingir objetivos específicos. O contador pode, para avaliar os estoques da entidade, escolher diferentes ferramentas, como a média ponderada do custo de aquisição ou o PEPS (primeiro que entra, primeiro que sai). A partir de dedução, haverá o teste de cada método de avaliação, concluindo, ao final, por aquele que melhor atenda aos objetivos da empresa. Partiu-se, no exemplo, da teoria dos métodos de avaliação para a prática, do geral para o particular. O método indutivo, por sua vez, é empírico. Fundamenta-se na experiência particular para atingir a generalização. Este método pode ser utilizado, por exemplo, por um contadorprofessor que queira determinar o modelo de práticas de ensino que possa trazer melhores 3 Na obra não há referência ao autor.

8 8 resultados na aprendizagem de seus alunos. A partir das experiências particulares dos sujeitos envolvidos, o professor optará pelo modelo que atenda seus objetivos. Nesse caso, partiu-se do particular para o geral. O método hipotético-dedutivo utiliza-se de hipóteses as quais devem ser testadas a fim de serem corroboradas ou não. Utilizando-se desse método, o pesquisador contábil formula hipóteses, ou seja, afirmações temporárias que serão testadas a partir de informações, disponíveis em seu raio de ação, que condigam com sua realidade de interesse. O contador pode, por exemplo, procurar determinar que informações gerenciais ele pode gerar e que agregam valor ao serviço por ele prestado. A partir de hipóteses, ele apresentará novas informações geradas a seus clientes e qualificará a receptividade percebida, inclusive mensurando possíveis aumentos nos rendimentos futuros. O método dialético parte de contradições que se transcendem originando novas contradições que requerem soluções. Para Demo (1995, p. 88), este método é o que melhor convém às ciências sociais. O sujeito da contabilidade neste caso, o pesquisador contábil e seu objeto de estudo, o patrimônio, estão inseridos em uma dada realidade social e, portanto, sujeitos a influências subjetivas. Pode-se voltar, aqui, ao exemplo da depreciação de um ativo: a determinação do tempo de utilidade de um mesmo ativo pode variar de entidade para entidade, ou no próprio tempo. A utilização da dialética, em um processo de análise, antítese e síntese, é fundamental para valorar a utilidade temporal de uma máquina dentro de um processo racional e lógico. O método fenomenológico pauta-se na descrição da realidade como ela é. Aprecia-se a essência do fenômeno e não somente as superfícies observáveis, que não esgotam a totalidade do objeto (DEMO, 1995, p. 155). Para o pesquisador contábil esse método é extremamente relevante, pois considera que os fatos que alteram o patrimônio de uma entidade não são neutros, ou seja, estão envoltos a interesses particulares, muitas vezes conflituosos. Atualmente, os conflitos de interesses em contabilidade são estudados sob o foco da teoria da agência (LOPES e MARTINS, 2005, p. 28) e podem ocultar a essência de uma transação mais complexa. Levando em conta que os Princípios Fundamentais da Contabilidade enunciados no Brasil pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC, 1994) e pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM, 1986) consideram como um dos pressupostos da ciência contábil a evidenciação da essência, a autoridade do método fenomenológico aumenta. Apesar de Santos, Schmidt e Machado listarem os cinco métodos de construção do conhecimento contábil e, como visto, todos eles possuem importância para o contador,

9 9 autores renomados em contabilidade têm apresentado como métodos utilizados nesta ciência somente o dedutivo e o indutivo. Para Hendriksen e Van Breda (1999, p. 29), estes dois métodos caracterizam as teorias contábeis segundo o raciocínio de pensamento. Cumpre ressaltar que, concomitante ao método de pesquisa utilizado, a orientação da investigação é alterada pela postura do pesquisador. Essa poderá ser normativa ou positiva. Uma teoria normativa é prescritiva, ou seja, ela diz como as coisas devem ser. Uma teoria positiva é descritiva, isto é, ela diz como as coisas são. Via de regra, como explicitam Hendriksen e Van Breda (1999, p. 30), uma teoria normativa é dedutiva, e uma teoria positiva é indutiva. Estes autores classificam estas atitudes como caracterizadoras do tipo de decreto de determinada teoria, isto é, quanto à forma como uma teoria é decretada ela pode ser positiva ou normativa. Oliveira (2003, p. 50) lembra que ambas atitudes são desejáveis em contabilidade. Martins (2005, p. 3) também defende a mesma idéia. Em contribuição, pode-se afirmar que não existe superioridade de um método em relação a outro. As atitudes diversas na pesquisa são inclusive resultado das diferenças culturais e dependem do contexto onde se insere o pesquisador. (LOPES e MARTINS, 2005, p. 22). Quanto à linguagem, Hendriksen e Van Breda (1999, p. 29) caracterizam as teorias em três grupos: sintaxe, semântica e pragmática. Oliveira (2003, p. 50) também faz esta distinção denominando-as de classificações segundo os níveis de predição das teorias. Segundo estes autores, as teorias sintáticas explicam as práticas contábeis prevendo como o profissional reagiria diante de eventos específicos. Uma teoria semântica ou interpretativa centra-se no significado dos fenômenos contábeis. As teorias comportamentais ou pragmáticas enfatizam, por sua vez, o usuário da informação contábil. Enfim, pode-se adotar como definição da teoria aplicada à Contabilidade um grupo de princípios pragmáticos, conceituais e hipotéticos, que forma um conjunto de referências para o campo de investigação em contabilidade (OLIVEIRA, 2003, p. 50, grifo do autor). Retomando a discussão inicial, a investigação ou pesquisa propriamente dita e a ação do pesquisador frente à realidade são os fatores que permitem inserir a contabilidade no rol das ciências. Contudo, no Brasil, a pesquisa científica em contabilidade ainda não é suficiente para provocar impacto sensível na comunidade contábil, tampouco na sociedade como um todo (CROZATTI, 1994, p. 5). Esta realidade foi evidenciada mais recentemente em pesquisa feita por Cardoso et al (2005, p. 43). Nela conclui-se que a produção científica

10 10 em contabilidade é baixa. Talvez este seja um dos motivos pelos quais ainda existem muitos profissionais empregando o senso comum nas técnicas contábeis. Enfoques Metodológicos na Pesquisa Contábil Além dos diferentes métodos de pesquisa que podem ser aplicados na ciência contábil, o pesquisador poderá adotar abordagens ou enfoques metodológicos distintos. Segundo o Dicionário Universal, metodologia é subdivisão da lógica que estuda os métodos técnicos e científicos; arte de dirigir o espírito na investigação da verdade; conjunto de regras para o ensino de uma ciência ou arte. (DICIONÁRIO UNIVERSAL, 2006). Para uma pesquisa científica, considera-se metodologia ou métodos como os conjuntos de regras que orientam a pesquisa. Na expressão enfoques metodológicos ou abordagens metodológicas, o termo é empregado no sentido de direção conceitual do pesquisador na investigação realizada. Esses enfoques são enumerados pelos autores de formas distintas. Para Iudícibus (2000, p ), os principais enfoques consistem nas abordagens comportamental, ética, macroeconômica, sociológica e sistêmica. Essa última, Crozatti (1994, p.6-9) denomina de teoria da comunicação. Hendriksen e Van Breda (1999, p. 23), por sua vez, destacam seis enfoques como sendo àqueles mais usuais, quais sejam: fiscal, legal, ético, econômico subdividido em macroeconômico, microeconômico e sócio-empresarial, comportamental e estrutural. Já Oliveira (2003, p. 55) enumera, dentre as já citadas, também outras: a ética, da teoria do comportamento, econômica, sociológica, da teoria da comunicação, fiscal, teoria da agência e a sistêmica. Por aglutinar os enfoques enumerados pelos autores supracitados, Oliveira (2003, p ) servirá como base para as explicações que seguem. O enfoque ético, seguindo os pressupostos desse autor, busca a apresentação das informações de forma não tendenciosa para os diversos usuários. Toda a contabilidade, adotando essa compreensão, traça suas evidências pautada em uma ética. Porém, nisso reside uma dificuldade que convém ressaltar: a informação justa pode ser diferente para cada usuário precisamente pelos distintos conceitos sobre as matérias. A abordagem da teoria do comportamento, por sua vez, baseia-se na necessidade do usuário para escolher a melhor forma de evidenciação, mesmo que a informação não seja completa.

11 11 A ênfase econômica ou macroeconômica baseia-se na contabilidade como um instrumento para se atingir objetivos sociais macroeconômicos. Um exemplo que pode ser destacado refere-se à distribuição de resultados: o maior ou menor pagamento de dividendos pode interferir na liquidez econômica. O problema desta abordagem é a possível interferência na uniformidade das informações contábeis. A abordagem sociológica aponta para a contabilidade como mecanismo de bem estar social. A partir dessa abordagem, os relatórios contábeis deveriam evidenciar ao público as políticas e os procedimentos das empresas. Esta ênfase vê a entidade, ou melhor, a atividade por ela explorada, como uma concessão social. Já o enfoque da teoria da comunicação destaca que toda informação emitida pela contabilidade deve ser eficiente, ou seja, a evidenciação deverá levar o usuário à tomada de decisão correta. Esse enfoque baseia-se na idéia de que o receptor da informação, o usuário, deve entender claramente o que foi gerado pela contabilidade. Essa, por sua vez, deve preocupar-se com a qualidade da evidenciação. A nova ênfase da teoria da agência baseia-se na idéia de que a empresa é um conjunto de relações contratuais entre vários agentes interessados em suas atividades. A informação produzida pela contabilidade deve considerar as diferentes relações dos usuários com a entidade estudada. A abordagem fiscal considera as regras definidas pelos organismos governamentais tributários, sem considerar, no entanto, a correta informação contábil do ponto de vista do usuário sujeito a que se destina a informação. Por fim, a abordagem sistêmica considera a relevância da informação para a tomada de decisão. Ao final dessa exposição pode-se perceber que os diferentes enfoques utilizados tanto na pesquisa como na prática contábil não são excludentes. Ao contrário, muitas vezes complementam-se ao utilizar várias abordagens sem, contudo, entrar em contradição. Além disso, as várias abordagens, acima explicitadas, contribuem para o desenvolvimento da ciência contábil. Como afirmam Hendriksen e Van Breda, Cada um dos vários enfoques à teoria da contabilidade possui algum mérito no que diz respeito ao estabelecimento e à avaliação de princípios e procedimentos contábeis. Os enfoques econômico e comportamental ajudam a preparar o terreno para explicar o ambiente no qual opera a contabilidade e selecionar os dados que devem ser divulgados. O enfoque ético propõe objetivos fundamentais para o estabelecimento de padrões de contabilidade. Os enfoques social e macroeconômico ampliam as controvérsias a respeito do desenvolvimento e da aplicação da teoria, e assim por diante (1999, p. 33).

12 12 Destarte, independente da escolha feita pelo agente contábil, a abordagem por ele adotada resultará no aperfeiçoamento do pensamento desta ciência. Crozatti também lembra que a definição do enfoque está ligada aos objetivos e ao objeto da investigação (1994, p. 5). Logo, o escopo é central e implicará nos rumos científicos da contabilidade. Abordagens diversas revelam resultados diversos. Diferentes respostas revelam concepções diferentes da profissão e carregam implicações para a educação dos futuros contadores (LOPES e MARTINS, 2005, p. 2). Portanto, pode-se estimar o amanhã de uma área do conhecimento pela ênfase dada à determinada abordagem na investigação presente. Diante disso, a escolha de um método para o trabalho com contabilidade está longe de ser uma questão meramente científica e técnica e possui raízes profundas no ambiente social e na força exercida pelas instituições locais (LOPES e MARTINS, 2005, p. 22). Contrapondo-se às correntes de pensamento que colocam o mercado como destino da informação contábil, é que se alinha com o pensamento de Hopwood e Miller que caracterizam a contabilidade como uma prática social, como também com o texto de Lopes e Martins de que o mundo perfeito adotado como premissa das concepções econômicas não existe em contabilidade. Enfim, a contabilidade precisa ser vista fora das barreiras da firma, amplamente inserida em seu contexto cultural e social. (LOPES e MARTINS, 2005, p. 24). A Abordagem Sociológica e o Bem Estar Social A opção do pesquisador pela abordagem sociológica parte do pressuposto que A pesquisa em contabilidade não pode ser considerada de forma independente do ambiente social na qual ela está inserida; a própria pesquisa é um produto do meio social. (LOPES e MARTINS, 2005, p. 18). Como visto, enquanto ciência social, a contabilidade também tem por objeto de estudo o homem, e não somente o patrimônio das entidades. Isto significa que enquanto estuda seu objeto principal, a atenção do cientista contábil deve estar voltada para o homem em sociedade. O cientista social envolvido nessa área de conhecimento deve, a partir de referenciais teóricos e de pesquisas consubstanciadas, propor novos modos de organização, tendo como foco a riqueza das empresas, mas também o bem estar do ser humano. Pesquisar de forma dependente do contexto social significa visualizar entre os resultados possíveis o aumento do bem estar do homem arraigado na sociedade. O

13 13 pesquisador contábil deve pensar nas conseqüências dos fatos contábeis para o organismo social. Iudícibus conceitua a abordagem sociológica como uma abordagem do tipo bem estar social, no sentido de que os procedimentos contábeis e os relatórios emanados da contabilidade deveriam atender a finalidades sociais mais amplas, inclusive relatar adequadamente ao público informações sobre a amplitude e a utilização dos poderes das grandes companhias (2000, p. 25). Ferramentas já foram desenvolvidas para iniciar este processo de evidenciação. Entende-se que o Demonstrativo de Valor Agregado (DVA) é um exemplo significativo. Essa peça possibilita à contabilidade demonstrar para a sociedade como os recursos gerados por uma empresa foram distribuídos e a quem foram destinados. A transparência destas informações é essencial para justificar a ocupação de determinado nicho de mercado pela empresa que é objeto de análise. Um supermercado, por exemplo, que obtenha alto resultado mas destine uma parcela muito pequena do valor agregado para os funcionários, pode ser punido pela sociedade se esta for informada da política de relacionamentos da empresa. Porém, para Iudícibus a abordagem sociológica é uma ferramenta difícil de ser utilizada, principalmente em países com características semelhantes àquelas encontradas no Brasil, por ser contrária aos interesses de grandes empresas multinacionais. Segundo o autor, esta abordagem é praticada de maneira parcial em alguns países. Na Inglaterra, por exemplo, é obrigatória a publicação de demonstrações contábeis de alguns tipos de entidades e companhias evidenciando aspectos de impacto social (IUDÍCIBUS, 2000, p. 25). Nota-se, porém, inclusive considerando o grande poderio de companhias multinacionais em países como o Brasil, que a aplicação desta abordagem não só é possível mas de extrema necessidade: a contabilidade deve evidenciar a partir de demonstrações próprias o impacto positivo e o negativo da entidade na sociedade e contribuir com informações, e, por que não, também com novos métodos de se obter a informação, que possam ajudar no desenvolvimento social. E aqui entra um fator decisivo para que esta abordagem sociológica não perca o seu foco que é o bem estar social : o poder da classe contábil. Como entender que uma ciência possa desenvolver novos métodos a fim de contribuir com a sociedade, sem que seus cientistas não estejam realmente engajados com um ideal comum? Não é necessária igualdade de idéias, até porque é na diversidade que se faz a riqueza, mas é necessário um mesmo objetivo. O poder de uma ciência é com certeza maior que o poder de grupos de interesse. Se não, então para que ciência?

14 14 Demo afirma que não faz sentido buscar a cientificidade por ela mesma (...) Faz sentido, isto sim, fazer ciência para conseguirmos condições objetivas e subjetivas mais favoráveis de uma história sempre mais humana (1995, p. 260). Neste sentido, a contabilidade se coloca como ciência e investe em pesquisa porque está inserida na realidade e pode transformá-la, tanto porque a contabilidade conta com profissionais que estão agindo na sociedade, e aqui se contextualiza o poder do contador, como porque sendo ciência social é capaz de pesquisar e pensar métodos para melhorar a realidade da sociedade. Para Demo, construir ciências sociais não é pretender produtos acabados, verdades definitivas, mas cultivar um processo de criatividade marcado pelo diálogo consciente com a realidade social que a quer compreender, também para transformar (1995, p. 14). Esta proposição também é defendida por Hopwood e Miller que afirmam: a contabilidade é a way of intervening, a device for acting upon activities, individuals and objects in such a way that the world may be transformed 4 (1994, p. 2). A partir desta ótica o ator da contabilidade depara-se com duas problemáticas importantes ao desenvolvimento do enfoque contábil-sociológico: a ética e a imparcialidade. Não se pode conceber documentos que visem evidenciar a realidade das entidades sem estas duas premissas. Usar de métodos contábeis visando a diminuição do lucro a fim de se recolher menores impostos é uma atitude, no mínimo, antiética. Sendo ilegal, compromete possíveis benefícios à sociedade. Os tributos são o preço ou custo que deve ser pago para a manutenção de condições econômicas, sociais e de infra-estrutura necessárias para o desenvolvimento das atividades da empresa e que é disponibilizada pela sociedade. E a ciência contábil não pode ser usada, portanto, para interesses particulares. O trabalho do contador deve priorizar uma postura ética frente aos interesses da entidade. Outrossim, como demonstrar um impacto social ou ambiental negativo com a devida relevância que deve ter? Os interesses da ciência contábil devem estar acima de interesses pessoais, mesmo do cientista contábil. E estes interesses são o de uma ciência social. Além da abordagem sociológica que se dissertou, vale considerar que a abordagem macroeconômica também foca em benefícios à sociedade. Para Iudícibus, segundo essa abordagem de estudos, durante períodos de recessão, os relatórios contábeis poderiam ser elaborados obedecendo a um conjunto de princípios que favorecessem uma retomada do processo econômico, por meio da distribuição de dividendos ou de maiores gastos de capital. (...) Por outro lado, o inverso poderia ocorrer em períodos de expansão exagerada e de 4 A contabilidade é um meio de intervenção, um modelo para a ação sobre movimentos, indivíduos e objetos de modo que o mundo possa ser transformado (tradução livre dos autores).

15 15 conseqüente inflação de forma que as práticas contábeis desfavorecessem os investimentos (2000, p. 25). Esses pressupostos evidenciam a importância e a função social da ciência contábil. Para ressaltar o valor dessa ciência, pode-se afirmar que o bem estar social somente se dá com a integração entre homem e capital. Sendo a contabilidade a ciência do capital das entidades, ela detém parte da responsabilidade nesta relação entre o homem e o capital. A Função Social da Pesquisa em Contabilidade Considerações Finais Diante da dúvida que freqüentemente se instala quando das discussões sobre as características da contabilidade, torna-se evidente que esta área do conhecimento possui responsabilidades no que se refere a contribuir para a melhoria do bem estar da sociedade. Bem estar social é sinônimo de felicidade. Demo brilhantemente faz a ligação entre ciência e felicidade afirmando que, escondida no método e na forma, a ciência engole o homem. Sabemos demais como fazer guerra, como controlar o povo, como interferir na ecologia, mas sabemos quase nada, por vezes nada, de como sermos mais felizes. (DEMO, 1995, p. 260). A contabilidade tem a capacidade de desenvolver métodos de avaliação, mensuração, evidenciação: mede resultados, aponta caminhos para a solução de estruturas de capital, lucratividade e rentabilidade, regula custos e infere caixas futuros. No entanto, necessita também extrapolar esses limites de funções. Necessita se ocupar de descobertas, soluções, práticas à sociedade, que permitam: a) a mensuração de passivos ambientais; b) a evidenciação das riquezas geradas pelos funcionários da empresa; c) a mensuração do capital intelectual e seu impacto sobre a marca empresarial; d) a evidenciação da capacidade das pessoas de gerar caixas futuros para a entidade, alavancando as potencialidades do negócio e gerando benefícios à sociedade. Portanto, se o patrimônio está sendo alterado na sua capacidade de gerar benefícios futuros, é papel da contabilidade evidenciar esta alteração. Para tanto, novas pesquisas devem ser efetuadas. O pesquisador, deste modo, deverá ter a abordagem sociológica como uma das ferramentas necessárias para o desenvolvimento da investigação científica. Abordagem essa capaz de pensar o conhecimento contábil como de utilidade para a sociedade. Ortodoxias á parte, entende-se também que essa abordagem não responde a todas as problemáticas desta área do conhecimento. Cada estudioso contábil deverá desenvolver e aperfeiçoar métodos próprios de pesquisa e enunciação de teorias, em particular quanto à

16 16 forma de abordar os conceitos e objetivos da contabilidade. Os diferentes enfoques com os quais o profissional da contabilidade se depara ao longo de sua experiência decorrem do contexto social em que está inserido. Contudo, é a abordagem predominante na época em que esse pesquisador se insere que define os rumos da contabilidade. E na atual conjuntura, a função social da pesquisa em contabilidade convoca para um enfoque sociológico da ciência contábil. Referências CARDOSO, Ricardo Lopes; MENDONÇA NETO, Octávio Ribeiro de; RICCIO, Edson Luiz; SAKATA, Marici Cristine Gramacho. Pesquisa Científica em Contabilidade entre 1990 e Revista de Administração de Empresas. São Paulo: FGV, v. 45, n. 2, abr./jun. 2005, p COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Deliberação nº 29. São Paulo: CVM, CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Resolução nº 750. Brasília: CFC, Resolução nº 774. Brasília: CFC, CROZATTI, Jaime. Abordagens Metodológicas da Teoria da Contabilidade. Enfoque Reflexão Contábil. Maringá: UEM, n. 8, p. 5-10, jan./jun DEMO, Pedro. Metodologia Científica em Ciências Sociais. 3 ed. São Paulo: Atlas DICIONÁRIO UNIVERSAL. Disponível em: Acesso em: 01/05/2006. GOUVEIA, Nelson. Contabilidade. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, HENDRIKSEN, Eldon S.; VAN BREDA, Michael F. Teoria da Contabilidade. 1ª ed. Tradução de Antonio Zoratto Sanvincente. São Paulo: Atlas, HERMANN JÚNIOR, Frederico. Contabilidade Superior: teoria econômica da contabilidade. 9 ed. São Paulo: Atlas, HERMES, Gabriel. O bacharel em Ciências Contábeis. Brasília: Senado Federal, HOPWOOD, Anthony G. MILLER, Peter. Accounting as Social and Institucional Practice. London: Cambridge University Press, INSTITUTO BRASILEIRO DE CONTADORES. Princípios Contábeis. 2 ed. São Paulo: Atlas, IUDÍCIBUS, Sérgio de. Conhecimento, Ciência, Metodologias Científicas e Contabilidade. Revista Brasileira de Contabilidade. Brasília: CFC, n. 104, mar./abr. 1997, p Teoria da Contabilidade. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2000.

17 17 LOPES, Alexsandro Broedel. MARTINS, Eliseu. Teoria da Contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Atlas, MARTINS, Eliseu. Normativismo e/ou Positivismo em Contabilidade: Qual o Futuro? [Editorial]. Revista Contabilidade e Finanças. São Paulo: USP, n. 39, set./dez. 2005, p. 6. MARTINS, Eliseu. Uma Geral na Contabilidade. Revista do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: CRCRS, v. 17, n. 53, out. 1988, p OLIVEIRA, Antônio Benedito Silva. Et Alii. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Contabilidade. São Paulo: Saraiva, SANTOS, José Luiz dos; SCHMIDT, Paulo; MACHADO, Nilson Perinazzo. Fundamentos da Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, Coleção Resumos de Contabilidade, v. 6. STARKE Jr, Paulo Cesar. Contabilidade: Cumprindo a Função de Ciência Social Monografia (Graduação) - Departamento de Ciências Contábeis, Setor de Ciências Sociais e Aplicadas da Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa. THEÓPHILO, Carlos Renato. Pesquisa em Contabilidade no Brasil: uma análise críticoepistemológica Tese (Doutorado) - Departamento de Contabilidade e Atuária da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo.

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Aline Fernanda de Oliveira Castro Michelle de Lourdes Santos A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: TEORIA DA CONTABILIDADE

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: TEORIA DA CONTABILIDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: TEORIA DA CONTABILIDADE Código: CTB-305 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial 2 Contabilidade Empresarial Aderbal Nicolas Müller Antonio Gonçalves Oliveira Introdução Entre os agentes econômicos, ativos participantes da economia das nações, temos as organizações empresariais, que

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: TEORIA DA CONTABILIDADE

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: TEORIA DA CONTABILIDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: TEORIA DA CONTABILIDADE Código: CTB-305 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2014.2 Professor:

Leia mais

A pesquisa e suas classificações FACULDADE DE COSTA RICA Prof.ª NELIZE A. VARGAS. nelizevargas@hotmail.com O que é pesquisa? MINAYO (l993,p.23), vendo por um prisma mais filósofico, considera a pesquisa

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE A contabilidade é uma ciência de caráter essencialmente prático. Ao longo dos anos, diversos critérios foram desenvolvidos, diversas opções foram efetuadas, numa tentativa de

Leia mais

LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1

LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1 LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1 Joseellen Maciel Sousa2 Introdução O ambiente mundial esta passando por um profundo processo de transformação decorrente do alto grau de competitividade

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis www.pwc.com.br Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis Novembro de 2013 Agenda 2013 Normas novas e revisadas IAS 1 Apresentação das demonstrações financeiras

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS Curso de Ciências Contábeis

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS Curso de Ciências Contábeis FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS Curso de Ciências Contábeis A ÉTICA PROFISSIONAL EXERCIDA PELOS CONTADORES RESENHA LARISSA DE C. PAVÉGLIO RAQUEL F. SCHAEFER

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I! Como o risco influi na análise de crédito?! O risco e o Cs do crédito! O modelo matricial de crédito! A importância da elaboração dos cenários

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO. Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063

Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO. Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063 Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063 ALGUMAS REGRAS 2 não deixe para a última hora escreva leia alguns relatórios ou resumos faça um esboço

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

Curso de Especialização EM DIREITO ADMINISTRATIVO

Curso de Especialização EM DIREITO ADMINISTRATIVO Curso de Especialização EM DIREITO ADMINISTRATIVO ÁREA DO CONHECIMENTO: Direito. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Direito Administrativo. PERFIL PROFISSIONAL: Conhecer

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Projeto de Pesquisa. Profª Drª Lívia Haygert Pithan Supervisora do Setor de TCC da FADIR livia.pithan@pucrs.br

Projeto de Pesquisa. Profª Drª Lívia Haygert Pithan Supervisora do Setor de TCC da FADIR livia.pithan@pucrs.br PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO Projeto de Pesquisa Profª Drª Lívia Haygert Pithan Supervisora do Setor de TCC da FADIR livia.pithan@pucrs.br 1 1. Definição Projeto

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS MÜLLER, Alexandra Feldekircher. ReVEL na Escola: Linguística Aplicada a Contextos Empresariais. ReVEL. v. 11, n. 21, 2013. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A CONTABILIDADE AMBIENTAL: Uma Análise dos Indicadores Financeiros de Empresas participantes do Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&F BOVESPA. Rubiana Bezerra

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA.

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. Por: Prof. MSc Cláudio Marcelo Rodrigues Cordeiro 1 INTRODUÇÃO Considerando que a atividade de auditoria não se propõe a verificar a totalidade

Leia mais

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA 1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA Procedimento racional e sistemático que tem por objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Requerida quando não se dispõe de informação

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade !" $%&!" #$ "!%!!&$$!!' %$ $(%& )* &%""$!+,%!%!& $+,&$ $(%'!%!-'"&!%%.+,&(+&$ /&$/+0!!$ & "!%!!&$$!!' % $ $(% &!)#$ %1$%, $! "# # #$ &&$ &$ 0&$ 01% & $ #$ % & #$&&$&$&* % %"!+,$%2 %"!31$%"%1%%+3!' #$ "

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC n.º 750/93 (Esta Resolução possui o Apêndice II aprovado pela Resolução CFC nº 1111/07). Dispõe sobre os Princípios Fundamentais de Contabilidade (PFC). Dispõe sobre os Princípios de Contabilidade

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos O código de ética DBA representa a necessidade de reforço aos valores e à cultura da empresa através da ética. Assim, é fundado nos valores essenciais da corporação e pode ser definido pelas normas padrões

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O ENSINO E A PESQUISA

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O ENSINO E A PESQUISA 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O ENSINO E A PESQUISA Larissa Rivera Cremonini 1 Lauro Iatskiu Júnior 2 Ângela de

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais