Autoconsumo e a Produção de Energia em Portugal Continental

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autoconsumo e a Produção de Energia em Portugal Continental"

Transcrição

1 Autoconsumo e a Produção de Energia em Portugal Continental Matosinhos, 20 de novembro de 2015 EDP Distribuição

2 Agenda 1 A Produção em Regime Especial em Portugal 2 Micro e Miniprodução 3 Unidades de Produção (UP) Unidades de Pequena Produção (UPP) Unidades de Produção para Autoconsumo (UPAC) EDP Distribuição 2

3 1 A Produção em Regime Especial em Portugal EDP Distribuição 3

4 A Produção em Regime Especial em Portugal SEN Sistema Elétrico Nacional (1) (2) (2) (1) PRE Produção em Regime Especial PRO Produção em Regime Ordinário Atividades: (1)Em regime de mercado (2)Em regime de concessão EDP Distribuição 4

5 A Produção em Regime Especial em Portugal SEN Sistema Elétrico Nacional 14 PRO ligados à RND 995 PRE ligados à RND Grande Produção UPAC UPP Dados a 31 dezembro 2014 EDP Distribuição 5

6 A Produção em Regime Especial em Portugal distribuição da PRE em Portugal 31 dez Potência Instalada: MVA Potência Ligada: MVA EDP Distribuição 6

7 A Produção em Regime Especial em Portugal Produção vs Consumo 2014 P > 2x Consumo P > Consumo P < Consumo P < ½ Consumo Densidade Consumo MWh/km 2 x< <x< <x< <x<5000 x>5000 EDP Distribuição Fonte: EDP Distribuição 7

8 A Produção em Regime Especial em Portugal distribuição da PRE em Portugal RND vs RNT EDP Distribuição 8

9 A Produção em Regime Especial em Portugal PRE vs Consumo desde 2013 Consumo Rede de Transporte Rede de Distribuição Fonte REN EDP Distribuição 9

10 A Produção em Regime Especial em Portugal peso da produção renovável no mix energético nacional Fonte REN Dados Técnicos 2014 EDP Distribuição 10

11 2 Micro e Miniprodução EDP Distribuição 11

12 Micro e Miniprodução Potência total 159 MW Microprodução 94 MW Miniprodução 65 MW Tecnologia predominante: Fotovoltaica # Miniprodutores # Microprodutores Dados a 31 dezembro 2014 EDP Distribuição 12

13 Micro e Miniprodução Potência total 159 MW Microprodução 94 MW Miniprodução 65 MW Aproveitamento Hidroelétrico de Castelo de Bode Potência instalada: 159 MW Energia produzida em ano médio atinge 396,5 GWh EDP Distribuição 13

14 Micro e Miniprodução Energia produzida GWh 85 GWh Fonte EDP SU EDP Distribuição 14

15 Micro e Miniprodução Energia produzida GWh Permite alimentar o consumo de energia elétrica de cerca de 100 mil consumidores domésticos durante um ano* 148 GWh 85 GWh EDP Distribuição * Fonte: PORDATA 15

16 3 Unidades de Produção UP EDP Distribuição 16

17 Unidades de Produção Instalação de produção Corrente contínua Corrente alternada Inversor Contador de produção Rede eléctrica Venda à rede Consumo Autoconsumo Instalação com inversor e bateria integrada EDP Distribuição 17

18 Unidades de Produção Desafios para a Distribuição Apenas produção Autoconsumo Sistema isolado Geração de energia Venda de toda a energia produzida à rede Compra e venda de energia à rede Sem ligação à rede Ligação à rede eléctrica Com contador de produção autónomo do contador da instalação de consumo Com contador de quatro quadrantes N.A. Fluxo de energia Alteração dos fluxos de energia na rede, que pode ser relevante em produtores em zonas rurais ligados em linhas extensas Diminuição dos fluxos de energia na rede Contenção do crescimento de energia injectada na rede Perdas na Rede Diminuição de perdas se a geração é feita próxima das cargas; aumento em zonas rurais e linhas extensas com poucas cargas Diminuição de perdas por redução da energia na rede N.A. Tensão na Rede Aumento da tensão em zonas rurais ligadas a linhas extensas, sem consumos na proximidade e ligação monofásica Aumento da tensão da rede no local de consumo N.A. EDP Distribuição 18

19 Unidades de Produção Desafios para a Distribuição Limitações de produção por tensões altas Tensão alta nos circuitos com mais geração O último produtor pode ter tensões demasiado elevadas para que possa produzir a potência que deseja É recomendável um estudo prévio considerando a tensão no local, a distância ao PTD e a existência de outros produtores no ramal. EDP Distribuição 19

20 Unidades de Produção Desafios para a Distribuição Possível Dificuldade de controlo de tensão nos PTD Tensão alta nos circuitos com mais geração Tensão baixa nos circuitos apenas com carga Controlo do operador de rede apenas na tomada do transformador para ambos os circuitos EDP Distribuição 20

21 3 Unidades de Produção UP Unidades de Pequena Produção (UPP) EDP Distribuição 21

22 Unidades de Pequena Produção (UPP) Esquema de ligação UPP Consumo Contador Produção Contador Consumo Rede Ligação partilhada com consumo EDP Distribuição 22

23 Unidades de Pequena Produção (UPP) Notas: Esquema de ligação 1. O contador de produção, modem e cartão de comunicações são propriedade do produtor; Contador 2. UPP com ligação na MT, UPP devem ser acompanhados Produção pela EDP Distribuição através do Gestor da Direção Comercial; Ligação partilhada com 3. A topologia de ligação das UPP terá de observar umas das soluções consumo Contador de ligação Consumo referenciada e publicada no SERUP (www.dgeg.pt); Consumo 4. Proteções de Interligação nas ligações à Rede MT. Rede EDP Distribuição 23

24 Unidades de Pequena Produção (UPP) SERUP nº de registos: 129 potência instalada: 7,7 MW EDP Distribuição 24

25 Unidades de Pequena Produção (UPP) Nível de Tensão Tipo de Fonte 50 UPP ligadas: 6 MT 312 kva 44 BT 921 kva EDP Distribuição 25

26 3 Unidades de Produção UP Unidades de Produção para Autoconsumo (UPAC) EDP Distribuição 26

27 Unidades de Produção para Autoconsumo (UPAC) A potência instalada na UPAC não pode ser superior a duas vezes a potência de injeção na rede. No ato de registo de uma UPAC deve ser indicada a pretensão de injetar energia na rede e a respetiva potência de injeção. D. Lei nº 153/2014 de 20 Out, Portarias nº 14 e 15/2015 de 23 Jan. EDP Distribuição 27

28 Unidades de Produção para Autoconsumo (UPAC) Condições de Acesso Nota: - Caso UPAC pretenda transacionar garantias de origem está sujeito a registo prévio e à obtenção de certificado de exploração EDP Distribuição 28

29 Unidades de Produção para Autoconsumo UPAC Esquemas de ligação Esquemas de ligação Sem venda UPAC 1,5 kw UPAC Consumo Contador Consumo Rede UPAC > 1,5 kw UPAC Consumo Contador Produção Contador Consumo ou equipamento bidirecional Contador Consumo Venda Contador Venda Rede Com venda ( 1) Com dois Contadores UPAC Consumo Contador Produção Contador Consumo Contador Venda Rede Com Contador bidireccional UPAC Consumo Contador Produção Contador Consumo Venda Rede (1) Potência instalada na UPAC < 1 MW EDP Distribuição 29

30 Unidades de Produção para Autoconsumo (UPAC) SERUP 200 W < UPAC 1.5 kw nº de meras comunicações prévias concluídas: potência instalada: kw EDP Distribuição 30

31 Unidades de Produção para Autoconsumo (UPAC) SERUP 1,5kW < UPAC 1 MW nº de registos: 418 potência instalada: 20,9 MW 70% pretende a injeção de excedentes na rede (292 UPAC) EDP Distribuição 31

32 Unidades de Produção para Autoconsumo (UPAC) SERUP 1,5kW < UPAC 1 MW Nível de Tensão 174 UPAC certificadas: 41 MT kw 133 BT kw EDP Distribuição 32

33 Unidades de Produção para Autoconsumo Autoconsumo em MT EDP Distribuição 33

34 Unidades de Produção para Autoconsumo (UPAC) UPAC>1MW 7 pedidos: 6 solar 1 termoelétrica Potência: 23,4 MVA EDP Distribuição 34

35 Unidades de Produção para Autoconsumo (UPAC) UPAC Lojas EDP Os contadores de consumo existentes são de diversas tecnologias, sendo distinta a forma como a inversão do fluxo de energia elétrica é acomodada. Existem contadores parametrizados de modo a medirem toda a energia transitada no contador em módulo, configurando uma situação de incompatibilidade com o regime do autoconsumo. Haverá contadores de consumo existentes que terão de ser reparametrizados ou mesmo substituídos, antes da ligação da instalação de autoconsumo. Merecem particular atenção as instalações de autoconsumo com potência instaladas inferiores ou iguais a 200 W, pois essas não carecem de qualquer licenciamento EDP Distribuição 35

36 Unidades de Produção para Autoconsumo (UPAC) Equipamento de contagem Instalações com produção para autoconsumo com contrato de venda da energia excedente ou com potência instalada superior a 1,5 kw: Em instalações de consumo que já disponham de equipamento em telecontagem que permita a medição bidirecional - reparametrização remota do contador será efetuada pela EDP Distribuição sem custos para o produtor. Em instalações de consumo que não disponham de equipamento em telecontagem que permita a medição bidirecional o produtor pode adquirir, instalar e operar um equipamento de medição em série com o de consumo, de acordo com a lista de equipamentos aprovados no site da DGEG e do site da EDP Distribuição. Em instalações de consumo que não disponham de equipamento em telecontagem que permita a medição bidirecional o produtor pode dar o acordo à instalação pela EDP Distribuição de um equipamento de medição bidirecional. O custo da aquisição é do produtor; o custo da instalação, operação e das intervenções futuras, incluindo eventual substituição ficará a cargo da EDP Distribuição Custo do equipamento para o autoconsumidor pela aquisição da EDP Distribuição: Solução monofásica: 85,00 euros Solução trifásica: 115,00 euros EDP Distribuição 36

37 Conclusões A Produção Distribuída em Portugal assume já um peso significativo, encontrando-se ligada exclusivamente na RND; A sua integração traz novos desafios na gestão da rede nacional de distribuição; A ligação das Unidades de Produção (UPP/UPAC) na rede MT deve ser precedida de um contacto com a EDP Distribuição; Os clientes que instalem uma UPAC com potência inferior a 200 W devem entrar em contacto com a EDP Distribuição; Haverá contadores de consumo, que terão de ser substituídos ou reparametrizados; EDP Distribuição 37

38 EDP Distribuição 38

ALERTA LEGAL. Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro

ALERTA LEGAL. Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro ALERTA LEGAL Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro No dia 20 de outubro de 2014 foi publicada em Diário da República, I Série, o Decreto-Lei n.º 153/2014 que estabelece o regime jurídico aplicável

Leia mais

Manual de Ligações à rede elétrica de serviço público

Manual de Ligações à rede elétrica de serviço público Manual de Ligações à rede elétrica de serviço público Guia técnico e logístico de boas práticas Outubro 2015 5ª edição Nota Introdutória O Manual de Ligações é um documento genérico e graficamente exemplificativo,

Leia mais

EXPOREXEL - 21/05/2015

EXPOREXEL - 21/05/2015 EXPOREXEL - 21/05/2015 Eficiência Energética Autoconsumo Rexel / SMA Rexel Nuno Romão SMA Alexandre Cruz Eficiência Energética - Autoconsumo 1. O que é o Autoconsumo? 2. Enquadramento Legislativo 3. Diagrama

Leia mais

MicroGeração. Energia Solar

MicroGeração. Energia Solar MicroGeração Energia Solar PRODUÇÃO E VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA - Subdivisão em dois períodos, o primeiro com a duração de 8 anos a uma tarifa de 0.40 e o segundo com a duração dos subsequentes 7 anos

Leia mais

Eficiência Energética AUTOCONSUMO. PARA MAIS INFORMAÇÕES CONTACTE: 210 105 935 geral@solarwaters.pt. Eficiência Energética

Eficiência Energética AUTOCONSUMO. PARA MAIS INFORMAÇÕES CONTACTE: 210 105 935 geral@solarwaters.pt. Eficiência Energética AUTOCONSUMO Produção de energia para consumo próprio. ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA O QUE É O AUTOCONSUMO? O autoconsumo é a utilização de painéis solares fotovoltaicos para produção de energia para consumo

Leia mais

Decreto lei nº25/2013 de 19 de Fevereiro

Decreto lei nº25/2013 de 19 de Fevereiro Decreto lei nº25/2013 de 19 de Fevereiro O decreto lei nº25/2013 revê os regimes jurídicos de Microprodução e Miniprodução, define as suas últimas alterações e contempla as normas que regulamentam os dois

Leia mais

Enquadramento do novo regime de Produção Distribuída. Setembro de 2014

Enquadramento do novo regime de Produção Distribuída. Setembro de 2014 Enquadramento do novo regime de Produção Distribuída Setembro de 2014 Introdução Objectivos da apresentação Apresentar ponto de situação do atual enquadramento legislativo da Micro e Miniprodução Apresentar

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO Entre [ ]., com sede em [ ], matriculada na Conservatória do Registo Comercial de [ ], com o número de matrícula e pessoa coletiva

Leia mais

Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas

Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Pedro Cardoso Sistemas de Energia TEKTÓNICA 2015 06-05-2015 1 TEKTÓNICA 2015 Sistemas Solares e Eficiência Energética nas empresas Autoconsumo fotovoltaico

Leia mais

As soluções de Energia Solar EDP em autoconsumo, permitem à sua empresa produzir e consumir a sua própria eletricidade, e assim reduzir a fatura.

As soluções de Energia Solar EDP em autoconsumo, permitem à sua empresa produzir e consumir a sua própria eletricidade, e assim reduzir a fatura. O consumo elétrico pode representar um custo relevante para as empresas. As soluções de Energia Solar EDP em autoconsumo, permitem à sua empresa produzir e consumir a sua própria eletricidade, e assim

Leia mais

MICROGERAÇÃO. DL 363/2007 de 2 de Novembro PRODUZA E VENDA ENERGIA ELÉCTRICA À REDE ALTA RENTABILIDADE ALTA RENTABILIDADE DO INVESTIMENTO.

MICROGERAÇÃO. DL 363/2007 de 2 de Novembro PRODUZA E VENDA ENERGIA ELÉCTRICA À REDE ALTA RENTABILIDADE ALTA RENTABILIDADE DO INVESTIMENTO. MICROGERAÇÃO DL 363/2007 de 2 de Novembro PRODUZA E VENDA ENERGIA ELÉCTRICA À REDE ALTA RENTABILIDADE ALTA RENTABILIDADE DO INVESTIMENTO. As energias renováveis constituem uma fonte de energia inesgotável

Leia mais

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS

AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS AUTOCONSUMO NA PERSPECTIVA DE CONSUMIDORES DOMÉSTICOS Índice Enquadramento Novo regime de autoconsumo Mercado do autoconsumo doméstico Análise energética/técnica Análise económica Futuros modelos de negócios

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva N.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva N.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva N.º 20/2013 Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico O Regulamento da Qualidade de Serviço do setor elétrico (RQS) prevê que

Leia mais

GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO

GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS Julho de 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre a conexão de Sistemas de Microgeração Fotovoltaicos ao Sistema de Distribuição da Celesc em Baixa Tensão

Perguntas Frequentes sobre a conexão de Sistemas de Microgeração Fotovoltaicos ao Sistema de Distribuição da Celesc em Baixa Tensão Perguntas Frequentes sobre a conexão de Sistemas de Microgeração Fotovoltaicos ao Sistema de Distribuição da Celesc em Baixa Tensão 1. Existe algum documento da Celesc com as regras e procedimentos para

Leia mais

A perspectiva do Operador da Rede de. João Torres

A perspectiva do Operador da Rede de. João Torres A perspectiva do Operador da Rede de Distribuição João Torres A EDP é #1 em sustentabilidade e as renováveis têm um papel importante neste posicionamento Results of Sustainability Assessment (Absolute

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Diário da República, 1.ª série N.º 35 19 de fevereiro de 2013 1037 Artigo 21.º Norma transitória 1 - As instituições participantes no Fundo de Resolução, nos termos do disposto no n.º 1 do artigo 153.º-D

Leia mais

CENTRAL FOTOVOLTAICA DE VALADAS 1ª em PORTUGAL ligada à MÉDIA TENSÃO

CENTRAL FOTOVOLTAICA DE VALADAS 1ª em PORTUGAL ligada à MÉDIA TENSÃO 1ª em PORTUGAL ligada à MÉDIA TENSÃO PRESENTE (Potência instalada): 100KWp FUTURO (Potência a instalar): 360 KWp Dono da Obra ANTES Entidade Projectista: Autoria do projecto: Iolanda Sousa DEPOIS Entidade

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA. Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro

Legislação MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA. Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro Diploma Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro Estado: vigente Legislação Resumo: Cria os regimes jurídicos aplicáveis à produção de eletricidade destinada ao autoconsumo e ao da venda à rede elétrica

Leia mais

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada.

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada. O que é a geração fotovoltaica? A microgeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de painéis solares fotovoltaicos.

Leia mais

Guia para a certificação de uma unidade de microprodução

Guia para a certificação de uma unidade de microprodução Guia para a certificação de uma unidade de microprodução V 009-10/09 Página 1 Índice Página 0 Alterações efectuadas ao Guia relativamente à versão anterior 3 1 Siglas e definições 3 2 Regime remuneratório

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 4 591-A/2007

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 4 591-A/2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 4 591-A/2007 O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) n.º

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

Centro Cultural de Belém

Centro Cultural de Belém Audição Pública sobre a proposta de regulamentação do Gás Natural Centro Cultural de Belém Perspectiva dos consumidores A opinião da COGEN Portugal A. Brandão Pinto Presidente da Comissão Executiva ÍNDICE

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2016 721

Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2016 721 Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2016 721 b) Os perfis de consumo aplicáveis a instalações em Média Tensão (MT), Baixa Tensão Normal (BTN) e Baixa Tensão Especial (BTE), e o diagrama

Leia mais

Guia PFV - Painéis Fotovoltaicos

Guia PFV - Painéis Fotovoltaicos 2014 Guia PFV - Painéis Fotovoltaicos 17-07-2014 Índice 1 Objetivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quais as empresas que estão abrangidas pela legislação?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?...

Leia mais

O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL. António Sá da Costa

O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL. António Sá da Costa O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL António Sá da Costa 1. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO A ENERGIA NO MUNDO Existe uma nova realidade no setor da energia a nível mundial Consumo

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR ELÉCTRICO Julho 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal

Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal Lisboa, 9 de julho de 2015. Joaquim Delgado Jdelgado@estv.ipv.pt Sumário 2/16 1ª Parte Breve caraterização

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Apresentação do Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência Energética

Leia mais

MICROPRODUÇÃO Proposta Condomínio Pedras Altas Nossa ref. MP11 42053

MICROPRODUÇÃO Proposta Condomínio Pedras Altas Nossa ref. MP11 42053 MICROPRODUÇÃO Proposta Condomínio Pedras Altas Nossa ref. MP11 42053 08 de Agosto de 2011 Exmo/a. Sr(a).Administrador do Condomínio Pedras Altas, Queremos, desde já, agradecer o interesse e a confiança

Leia mais

GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS DE ENERGIA ELÉTRICA EM PORTUGAL CONTINENTAL

GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS DE ENERGIA ELÉTRICA EM PORTUGAL CONTINENTAL GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS DE ENERGIA ELÉTRICA EM PORTUGAL CONTINENTAL 23 de Dezembro de 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios ESQUEMAS TIPO DE UNIDADES DE PRODUÇÃO PARA AUTOCONSUMO (UPAC) março 2015 A secção 712: Instalações Solares Fotovoltaicas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO Junho 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Os textos agora propostos para consulta pública carecem ainda de aperfeiçoamentos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

Produtos Locais licenciamento, diferenciação e comercialização Análise e Propostas no Âmbito do GEVPAL

Produtos Locais licenciamento, diferenciação e comercialização Análise e Propostas no Âmbito do GEVPAL Produtos Locais licenciamento, diferenciação e comercialização Análise e Propostas no Âmbito do GEVPAL Maria José Ilhéu, DGADR Faro, 05 de junho de 2013 02-10-2013 1 GEVPAL Estratégia para a Valorização

Leia mais

REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO. Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia

REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO. Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia 1 REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO edp comercial abril 2013 Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia 2 No mercado regulado o preço da eletricidade e do gás natural é definido pelo governo, através

Leia mais

V Conferência Anual da RELOP

V Conferência Anual da RELOP V Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis em Portugal António Sá da Costa 1 Junho 2012 Distribuição do Consumo e da Produção de Electricidade entre as várias fontes existentes Valores para Portugal

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sessão de Divulgação Gestão de Energia - Novas Disposições Regulamentares, sua Articulação e Estratégias Auditório

Leia mais

A liberalização do mercado de Eletricidade e de Gás Natural o Como e quando mudar de Comercializador

A liberalização do mercado de Eletricidade e de Gás Natural o Como e quando mudar de Comercializador A liberalização do mercado de Eletricidade e de Gás Natural o Como e quando mudar de Comercializador GAI Gabinete de Apoio à Instituição julho 2012 Mercado de Eletricidade e de Gás Natural Este documento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2015 Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01

Leia mais

GESTÃO DOS PROCESSOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - ELETRICIDADE

GESTÃO DOS PROCESSOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - ELETRICIDADE GESTÃO DOS PROCESSOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - ELETRICIDADE Junho de 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

SOLUÇÕES FOTOVOLTAICO ISONUFER INVISTA NO FUTURO E USUFRUA DE TODAS AS VANTAGENS. ISONUFER ENERGIAS RENOVÁVEIS + INFORMAÇÕES. www.isonufer.com.

SOLUÇÕES FOTOVOLTAICO ISONUFER INVISTA NO FUTURO E USUFRUA DE TODAS AS VANTAGENS. ISONUFER ENERGIAS RENOVÁVEIS + INFORMAÇÕES. www.isonufer.com. SOLUÇÕES FOTOVOLTAICO ISONUFER INVISTA NO FUTURO E USUFRUA DE TODAS AS VANTAGENS. ISONUFER ENERGIAS RENOVÁVEIS + INFORMAÇÕES www.isonufer.com.pt SOLUÇÕES FOTOVOLTAICO ISONUFER INVISTA NO FUTURO E USUFRUA

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição da Directiva

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

Cadernos Temáticos ANEEL. Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica 2ª edição

Cadernos Temáticos ANEEL. Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica 2ª edição Cadernos Temáticos ANEEL Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica 2ª edição Cadernos Temáticos ANEEL Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO 934 Diário da República, 1.ª série N.º 59 25 de Março de 2010 o normal funcionamento da rede, não foi viável proceder à nomeação dos coordenadores e adjuntos de coordenação no prazo legalmente estipulado.

Leia mais

Gestão energética de edifícios

Gestão energética de edifícios Gestão energética de edifícios Cesar Serna Departamento Regulação, Controlo e Medição de Energia. Sedical, S.A. Os custos energéticos dos sistemas de aquecimento, ventilação, ar condicionado e iluminação

Leia mais

INFORMATIVO. Você já reparou que o mundo mudou, mas a forma como produzimos e consumimos energia continua praticamente igual há 50 anos?

INFORMATIVO. Você já reparou que o mundo mudou, mas a forma como produzimos e consumimos energia continua praticamente igual há 50 anos? INFORMATIVO Você já reparou que o mundo mudou, mas a forma como produzimos e consumimos energia continua praticamente igual há 50 anos? Ainda dependemos de grandes usinas que produzem energia a quilômetros

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

Sistema de Certificação Energética e de QAI

Sistema de Certificação Energética e de QAI Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Outubro 2007 Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição da

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, residente em com o número de contribuinte, adiante designado(a) abreviadamente por Produtor; e EDP Serviço Universal, S.A., com sede

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PROCEDIMENTO N.º 6 DO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO

ALTERAÇÃO AO PROCEDIMENTO N.º 6 DO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO ALTERAÇÃO AO PROCEDIMENTO N.º 6 DO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO Setembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão

Leia mais

autoconsumo fotovoltaico exemplo de dimensionamento e estudo económico

autoconsumo fotovoltaico exemplo de dimensionamento e estudo económico autoconsumo fotovoltaico exemplo de dimensionamento e estudo económico Neste artigo apresenta-se um caso de estudo relativo ao dimensionamento de uma Unidade de Produção para Autoconsumo (UPAC), ao abrigo

Leia mais

Energia Eólica. A ATMG oferece Soluções Eólicas de baixo custo específicas para cada capacidade de consumo.

Energia Eólica. A ATMG oferece Soluções Eólicas de baixo custo específicas para cada capacidade de consumo. Energia Renovável Energia Limpa Com a crescente preocupação em torno das questões ambientais e devido aos impactos causados pelas formas tradicionais de geração de energia, vários países vêm investindo

Leia mais

EDP Serviços. Colégio de Engenharia Geológica e de Minas. Optimização energética na indústria extrativa

EDP Serviços. Colégio de Engenharia Geológica e de Minas. Optimização energética na indústria extrativa EDP Serviços Colégio de Engenharia Geológica e de Minas Explorações a Céu Aberto:Novos desenvolvimentos Optimização energética na indústria extrativa Lisboa, 23 de Março de 2011 Agenda Contexto Consumos

Leia mais

Portugal Eficiência 2015 Análise 2008

Portugal Eficiência 2015 Análise 2008 Portugal Eficiência 2015 Análise 2008 Coordenação : Apoio : 0 Forte inversão da intensidade energética nos 2 últimos anos No entanto, a intensidade energética nacional continua significativamente acima

Leia mais

O consumidor e a mudança de paradigma

O consumidor e a mudança de paradigma O consumidor e a mudança de paradigma XIV Réunion Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energia 28 de Abril Maria Margarida Corrêa de Aguiar Índice 1. Envolvente do sector energético: tendências e

Leia mais

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Apresentação do novo sistema de reporte Dezembro 2012 Esquema da Apresentação Novo sistema de reporte Reporte de informação Casos práticos Área de Empresa

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL. Condições do Procedimento

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL. Condições do Procedimento Condições do Procedimento 1 Objecto Atribuição do uso privativo de 3 estabelecimentos, em regime de subconcessão. 2 Identificação do local Três estabelecimentos identificados na planta que constitui o

Leia mais

Voltar a explorar o mar

Voltar a explorar o mar Voltar a explorar o mar Voltar a explorar o mar Com uma visão de longo prazo, a EDP está constantemente a analisar as tecnologias de aproveitamento das energias renováveis, com vista à futura comercialização

Leia mais

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI Análise da proposta de condições gerais do Contrato de Uso das Redes - RARI Junho de 2006 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt www.erse.pt

Leia mais

A minigeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de

A minigeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de A minigeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de painéis solares fotovoltaicos. Essa energia pode então ser

Leia mais

Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas

Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas Nobreak senoidal on-line trifásico dupla conversao ~ 10 a 100 kva PERFIL Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas de 10 a 60 kva 75 e 100 kva A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez milhões

Leia mais

FICHA DE CURSO FINANÇAS PARA NÃO FINANCEIROS. Curso 02 Princípios de Análise Financeira

FICHA DE CURSO FINANÇAS PARA NÃO FINANCEIROS. Curso 02 Princípios de Análise Financeira FICHA DE CURSO FINANÇAS PARA NÃO FINANCEIROS Curso 02 Princípios de Análise Financeira DESCRIÇÃO DO CURSO Já sentiu necessidade de compreender melhor os conceitos financeiros que lhe permitem interpretar

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Ensaios de funcionamento e verificações gerais Protocolo de ensaios Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão:

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Transposição da Directiva Comunitária Regulamentação dos edifícios

Leia mais

Sessão de Divulgação: Avisos QREN Eficiência Energética em PME e IPSS Local: Auditório do NERGA - Guarda

Sessão de Divulgação: Avisos QREN Eficiência Energética em PME e IPSS Local: Auditório do NERGA - Guarda Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sessão de Divulgação: Avisos QREN Eficiência Energética em PME e IPSS Local: Auditório do NERGA - Guarda DATA

Leia mais

Ernesto F. Peixeiro Ramos, ANPQ

Ernesto F. Peixeiro Ramos, ANPQ Ernesto F. Peixeiro Ramos, ANPQ UTILIZAÇÃO DE ENERGIA A utilização de energia no mundo 53% até 2035 (base 2008) aumentará A utilização de energia na China vai duplicar nos próximos 10 anos O contínuo aumento

Leia mais

ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA

ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA CNICA Energia: o Passado e os Desafios e do Futuro José P. Sucena Paiva Técnico Lisboa 2 MICHAEL FARADAY, o experimentalista 1791-1867 1867 3 JAMES MAXWELL, o cientista 1831-1879

Leia mais

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 1. A ERSE na proteção dos consumidores e na promoção da concorrência Missão

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 736 澳 門 特 別 行 政 區 公 報 第 一 組 第 43 期 2014 年 10 月 27 日 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 澳 門 特 別 行 政 區 第 20/2014 號 行 政 法 規 核 准 太 陽 能 光 伏 並 網 安 全 和 安 裝 規 章 行 政 長 官 根 據 澳 門 特 別 行 政 區 基 本

Leia mais

INSTALAÇÃO DE CONTADORES DE PEQUENO CALIBRE

INSTALAÇÃO DE CONTADORES DE PEQUENO CALIBRE INSTALAÇÃO DE CONTADORES DE PEQUENO CALIBRE O presente documento visa fornecer as indicações necessárias para instalar um contador de pequeno calibre ( DN 40) em caixa. A informação aqui disponibilizada

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, com sede em, com o capital social de ( Euros), matriculada na Conservatória do Registo Comercial de, com o número de matrícula e

Leia mais

I - Agência Regional de Energia do Centro e Baixo Alentejo - Enquadramento. III Estratégia Nacional para a Energia 2020 Energia Solar

I - Agência Regional de Energia do Centro e Baixo Alentejo - Enquadramento. III Estratégia Nacional para a Energia 2020 Energia Solar Índice I - Agência Regional de Energia do Centro e Baixo Alentejo - Enquadramento II Estratégia Nacional para a Energia 2020 III Estratégia Nacional para a Energia 2020 Energia Solar IV - Potencialidades

Leia mais

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade XIV Reunión Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energía Salvador - Bahía 28 a 30 de Abril de 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia

Leia mais

O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS

O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS Índice I Qual a extensão da nova lei (em número de artigos), face à anterior? II Quem pode ser titular

Leia mais

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS SETOR ELÉTRICO. Outubro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS SETOR ELÉTRICO. Outubro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DO SETOR ELÉTRICO Outubro 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

Demonstrações Financeiras das Atividades Reguladas do Exercício de 2014 Em conformidade com as regras estabelecidas no Regulamento Tarifário

Demonstrações Financeiras das Atividades Reguladas do Exercício de 2014 Em conformidade com as regras estabelecidas no Regulamento Tarifário Demonstrações Financeiras das Atividades Reguladas do Exercício de 2014 Em conformidade com as regras estabelecidas no Regulamento Tarifário Relatório Sumário 30 de abril de 2015 Este texto foi escrito

Leia mais

REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO

REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO Outubro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

PV Net Metering project and Self Consumption Framework

PV Net Metering project and Self Consumption Framework PV Net Metering project and Self Consumption Framework 24 março UALg 2014 RELATÓRIO e CONTAS QUEM SOMOS»»» A AREAL é uma associação sem fins lucrativos composta por diversas entidades locais e nacionais;

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Nos termos regulamentarmente previstos, designadamente no artigo 185.º do Regulamento Tarifário, o Conselho de Administração da ERSE

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO ERSE N.º 8 / 2003

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO ERSE N.º 8 / 2003 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO ERSE N.º 8 / 2003 O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado pela ERSE através do Despacho n.º 18 413-A/2001 (2.ª série), de 1 de Setembro,

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO Entre [ ]., com sede em [ ], matriculada na Conservatória do Registo Comercial de [ ], com o número de matrícula e pessoa coletiva

Leia mais

QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS (2013)

QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS (2013) QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS (2013) Instruções de preenchimento: - Todas as questões dos pontos 1, 2 e 3 são de preenchimento obrigatório. Nos casos em que o preenchimento não é aplicável

Leia mais

Princípios fundamentais da nova legislação. Karl Moosdorf

Princípios fundamentais da nova legislação. Karl Moosdorf Princípios fundamentais da nova legislação Princípios fundamentais da nova legislação Autoconsumo Autoconsumo Uma ideia Muitos conceitos A rede como bateria Autoconsumo em tempo real Remuneração do excesso

Leia mais

Porto Santo Sustentável A importância do armazenamento de energia. fevereiro 2016

Porto Santo Sustentável A importância do armazenamento de energia. fevereiro 2016 A importância do armazenamento de energia fevereiro 2016 Fevereiro de 2016 1 A importância do armazenmento ÍNDICE Principais Constrangimentos Balanço Energético Áreas de Atuação Caracterização do Sistema

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 08/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 08/2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 08/2011 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural estabelece que os métodos e os parâmetros para o cálculo das tarifas sejam desenvolvidos

Leia mais

CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Valorizamos a sua energia

CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Valorizamos a sua energia CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Valorizamos a sua energia ÍNDICE AUTOCONSUMO FOTOVOLTAICO AR COMPRIMIDO CORREÇÃO FATOR DE POTÊNCIA DIAGNÓSTICO E AUDITORIA ENERGÉTICA ILUMINAÇÃO MONITORIZAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO PRODIMENTOS ASSO DE MICRO E MINI GERAÇÃO COM FONTES 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES... 2 3. DEFINIÇÕES... 3 4. CONDIÇÕES GERAIS... 8 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 11 6. VIGÊNCIA...

Leia mais