ANPEd Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANPEd Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação"

Transcrição

1 ANPEd Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação Contribuições na Audiência Pública Regional Centro-Oeste sobre Diretrizes para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica em curso de Nível Superior, realizada em Goiânia, Iria Brzezinski * Considerações iniciais Em nome da Presidente da Anped, Profa. Nilda Alves, a quem represento neste momento, desejo cumprimentar o Conselho Nacional de Educação (CNE) pela iniciativa de convidar diversas entidades da sociedade civil para dar sugestões neste processo final de definição das Diretrizes Curriculares para a Formação de Professores para a Educação Básica. Cumprimento também a Secretaria de Estado da Educação e o Conselho Estadual de Educação de Goiás pela organização da presente audiência pública. Desde 1997, quando o CNE em atendimento ao prescrito na Lei n. 9394/96 (LDBEN) divulgou o Parecer n. 776 com as Orientações para as diretrizes curriculares dos cursos de graduação, a Anped vem participando de fóruns que vêm propondo indicações para essas diretrizes, no que concerne à formação de professores. Por essa razão, foi possível a essa associação não só acumular um acervo substantivo sobre as propostas de diretrizes, mas também estabelecer amplos diálogos com diversas associações e entidades que se preocupam com esse assunto, chegando a um pensamento comum. Neste momento bastante breve, serão apresentados alguns resultados da trajetória de estudos sobre formação de professores, iniciada muito antes de 1997, em particular, nos Grupos de Trabalho da Anped e enriquecida nos últimos tempos, com a maior intensidade de pesquisas e análises feitas por diversas entidades. As contribuições da Anped que serão aqui apresentadas guardam uma unidade de pensamento das associações e universidades às quais nossos pesquisadores estão vinculados, graças à afinidade de princípios a respeito das propostas de diretrizes curriculares. São algumas dessas associações entidades: Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação (Anfope), Associação Nacional de * Secretária Geral da Anped, Professora Titular da UCG e Pesquisadora Associada da UnB

2 2 (Anfope), Associação Nacional de Política e Administração da Educação (Anpae), Fórum dos Diretores das Universidades das Faculdades de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (Forumdir), Fórum em Defesa da Formação de Professores e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). As recentes reformulações dos cursos de formação de professores e a crescente valorização da carreira do magistério, em vários países do primeiro mundo, expressam a preocupação de que o sistema de ensino corresponda às exigências da sociedade do conhecimento e de que o professor seja o agente privilegiado das mudanças desse sistema. Como conseqüência, já se constata, nesses países, que o nível de formação docente tem se elevado, bem como que a profissão do magistério tem tido maior reconhecimento social. As políticas adotadas consideram que a qualificação para o ensino está relacionada com a formação inicial de professores e com a existência de uma carreira profissional estimulante, proporcionada pela garantia de mecanismos de formação contínua e de salários dignos. No tocante à qualificação profissional, essas políticas partem da concepção de que o professor não é um técnico reprodutor de conhecimento acumulado pela humanidade. É o profissional que domina o conhecimento específico de sua área e o conhecimento pedagógico em uma perspectiva de totalidade. Isso lhe permite perceber as relações existentes entre as atividades educacionais e a globalidade das relações sociais, políticas e culturais em que o processo educacional ocorre e b) atuar como agente de transformação da realidade (Anfope, 1989, p.13). Com essa identidade, o professor é o profissional dotado das capacidades, entre tantas outras, de produzir conhecimento sobre seu trabalho, de tomar decisões em favor da qualidade cognitiva das aprendizagens escolares e, fundamentalmente, de atuar no processo constitutivo da cidadania do aprendente 1, seja ele criança, jovem ou adulto. A identidade do professor como profissional do ensino, tal como foi definida, constrói-se como parte de um projeto de sociedade que se fundamenta na concepção histórico-social e tem como paradigma educacional as relações entre cultura, sociedade e 1. Termo utilizado por Shulman (1986) para designar aquele ser que aprende como autor de sua própria aprendizagem, em um trabalho coletivo e participado. Inclusive o professor que trabalha com esse aprendente shulmaneano também é considerado um aprendente. Neste sentido, esse conceito é diferente do significado dado tanto ao estudante que se isola para estudar como ao atribuído ao aluno (do grego sem luz) que ouve passivamente preleções nas aulas. atribuído ao aluno (do grego sem luz) que ouve passivamente preleções nas aulas.

3 3 educação. Esse paradigma leva em consideração as transformações sociais e do mundo do trabalho, transformações que, dialeticamente, provocam mudanças no papel atribuído ao professor. Diante da adoção desse paradigma, com o qual se busca a superação das desigualdades educacionais, a formação do professor para atuar na educação básica é entendida como um processo marcado pela complexidade do conhecimento, pela crítica, pela reflexão-ação e pela criatividade. Esse paradigma contrapõe-se àquele que concebe a educação como propulsora de um desenvolvimento sustentável com equidade (dar ao cidadão aquilo que lhe compete e não aquilo que merece), conceito coerente com a lógica do mercado mundializado. Decorrentemente desse modelo, o preparo do professor centra-se no desenvolvimento de competências para o exercício técnico-profissional, consistindo, pois, em uma formação prática, simplista e prescritiva, baseada no saber fazer para o aprendizado do que vai ensinar. Infelizmente esta é a concepção de formação de professores predominante no documento do CNE sobre as diretrizes curriculares para a formação inicial de formação de professores da educação básica em nível superior. Uma análise pormenorizada do referido documentos permite apontar alguns aspectos significativos para futuras discussões. Pontos significativos 1. Embora o documento dê enfase à pesquisa como elemento essencial na formação profissional do professor os seus elaboradores afirmam que a investigação que se desenvolve no âmbito do trabalho do professor não pode ser confundida com a pesquisa acadêmica ou científica (item 4.3). Pergunto: Existe pesquisa não-científica? Estariam os elaboradores do documento tão impregnados da concepção prática do saber fazer que desconsideram quão científica é a investigação sobre o cotidiano da realidade escolar? Estariam, então, negando o caráter científico da pesquisa-ação, da pesquisa participante, da investigação sobre o fazer pedagógico? Desse modo, os elaboradores desqualificam a pesquisa como princípio formativo e cognitivo da docência e se descuidam do vínculo da investigação com os demais componentes do ato educativo. Ao desqualificar a pesquisa como princípio formativo da docência, a proposta de

4 4 diretrizes curriculares desvincula a pesquisa do ensino e não leva em conta um compromisso histórico, assumido pela Universidade para a formação de professores, que é o de incentivar a pesquisa desde a graduação, com a iniciação científica, até a Pós-Graduação Stricto Sensu. Conseqüentemente, a proposta de diretrizes curriculares deixa explícito que a formação de professor es deve ser técnico-profissionalizante e, sendo assim, distancia-se do entendimento de que o professor deve ser um profissional culto, crítico e comprometido com a construção do saber.fica claro que a lógica da proposta é a do aligeiramento e da simplificação com visível economia de conteúdos essenciais para a formação do magistério. 2. A organização institucional das escolas de formação inicial é outro aspecto do documento que deve ser comentado. Os elaboradores da proposta advogam que a formação de professores deve ser realizada como um processo autônomo, com identidade própria, distinta dos cursos de bacharelado e dos programas ou cursos de formação de especialistas em educação e mantendo estreita parceria entre institutos, departamentos e cursos de áreas específicas (item, 5.4). À primeira vista, a organização institucional proposta parece basear-se na concepção de escola única de formação de professores, de Anísio Teixeira, na qual deveriam conviver todos os níveis e modalidades do ensino superior. No entanto, a concepção de escola de formação de professores desta proposta de diretrizes, indica uma ruptura entre o local de formação e o local em que se constrói conhecimento sobre cada área específica do currículo da escola básica o Bacharelado. Assim sendo, não há identidade entre o que é proposto e a concepção de Teixeira, pois esse educador defendia a importância de se garantir um forte vínculo orgânico entre a formação de professores e a produção do conhecimento. Esse vínculo favoreceria o intercâmbio entre os saberes pertencentes a cada campo de conhecimento e a interdisciplinaridade. 3. Outro ponto que gostaria de destacar é a indicação, feita no documento, segundo a qual os cursos que formam professores devem ser separados dos que formam especialistas da Educação. Essa indicação ignora a trajetória do Movimento Nacional de Educadores que defende a docência como a base da identidade da formação do educador, ou seja, que todo profissional da educação é um professor. A base comum nacional de conhecimentos necessária à formação docente,

5 5 sustentada por esse Movimento, possibilita uma formação teórica sólida, bem como a apropriação do conhecimento sobre o campo de trabalho onde o profissional deverá atuar, a escola. Desse modo, tal formação oferece condições, para que o professor busque as mais diferentes especializações como forma aperfeiçoar seu preparo, tanto na formação inicial como na continuada. Na contra mão da história que vem sendo escrita na luta dos educadores pela valorização dos profissionais da educação, a proposta de diretrizes não reconhece que as Faculdades de Educação, com o curso de Pedagogia atualmente ressignificado, já têm dado mostras de que constituem locus próprio para formar o professor da educação infantil e o professor multidisciplinar para atuar nas séries iniciais do ensino fundamental. No entendimento do Movimento Nacional de Educadores, partilhado pela Comissão de Especialistas da Pedagogia da SESU/MEC, essa é a organização institucional, já existente, adequada à formação necessária. Na Faculdade/Centro/ Departamento de Educação redimensionados é possível estabelecer-se uma vinculação com toda a universidade, como por exemplo, os Fóruns das Licenciaturas e com o mundo do trabalho. Internamente, a Faculdade/Centro/ Departamento de Educação efetivam sua organização verticalizada de formação docente, ou como queria Anísio Teixeira, organizam a Escola de Educação de formação dos professores, para que o profissional possa atuar no ensino infantil e nas séries iniciais do ensino fundamental e a formação do especialista da Educação e por áreas ou disciplinas, quer seja na graduação, quer seja na pós-graduação. O documento revela desprezo para com o curso de Pedagogia, pois sequer o cita como lugar de formação do professor da educação infantil e do professor multidisciplinar do ensino fundamental na instituição universitária. O documento apenas sinaliza que a universidade e os centros universitários poderão formar esses professores em outros cursos que, necessariamente, não precisam se denominar Curso Normal Superior, curso que a proposta de diretrizes destina à formar professores da educação infantil e das séries iniciais no contexto dos Institutos Superiores de Educação (ISEs). Em nenhum instante propõe que profissionais do ensino sejam formados no curso de Pedagogia. Causa estranheza que, os elaboradores, ao comentarem o conteúdo do Parecer

6 6 CNE/CES n. 133/01 2, não registrem que, para oferecer cursos de Licenciaturas nas áreas disciplinares, as Instituições de Ensino Superior, não universitárias, sejam obrigadas a criar de Institutos Superiores de Educação, exigência feita às escolas de formação de professores da educação infantil e das séries iniciais. É preciso destacar que o Movimento Nacional de Educadores que tem por princípio a defesa da escola pública, laica, gratuita e de qualidade para todos e garantida pelo Estado, reconhece a importância da diversidade de locus de formação de professores em nosso país de muitos brasis. O que é inaceitável é que a proposta de diversificação seja acoplada à defesa da livre iniciativa que poderá instalar qualquer tipo de escola de formação de professores, sem que se assegure a necessária qualidade de ensino. Merecem aplausos os Institutos Superiores de Educação que tenham por objetivo oferecer cursos de formação inicial presenciais, com ensino gratuito e de qualidade e que estimulem a relação entre o ensino e a pesquisa, relação indispensável a qualquer instituição formadora. Outro ponto significativo a ser comentado é o seguinte. 4. Existe, no âmbito educacional, uma falsa crença de que na formação de professores a prática é uma e a teoria é outra e de que a teoria guarda distância da prática. É uma falsa crença porque é impossível dissociar-se o que, pela natureza conceitual, é indissociável: a teoria da prática. No entanto, a proposta de diretrizes curriculares consegue indicar um mecanismo que poderá dissociar o indissociável, pois prevê a dispensa para os futuros professores não só de 800 horas pela prática anterior, mas também de 800 horas para aqueles que foram habilitados em cursos de Magistério em nível médio. Assim, um curso de fica reduzido a 1600 horas, o que significa reeditar legalmente a licenciatura curta, porém de forma imoral, porque agora não se trata mais de licenciatura curta, mas de curtíssima. 5. Um outro aspecto da proposta em questão a ser destacado diz respeito ao caráter iminentemente prático emprestado ao modelo de formação de professores. A maior 2. A respeito consulte a Proposta de Diretrizes para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica em Cursos de Nível Superior (2001, p. 15).

7 7 expressão desse caráter está na concepção de competência adotada, que enfatiza o que fazer na prática pedagógica. Como está definida no documento, competência se restrinje a um saber prático que vai se consolidando na situação de ensino que se materializa na relação que se estabelece entre duas individualidades, a do professor e a do aluno (UCG/EDU, 2001, p.2) e na vivência de problemas cotidianos como objeto das pesquisas para solucionar problemas práticos e imediatos. Além de conferir ao trabalho do professor um caráter muito próximo ao artesanal, a proposta desloca o eixo do ensino para a aprendizagem, com um forte enfoque na experiência, na prática, o que se contrapõe à idéia de formação que se fundamenta na produção de conhecimento teórico mediante a inserção em realidades concretas, ou seja, formação centrada na práxis. Gostaria de chamar a atenção dos conselheiros do CNE para uma lacuna existente na proposta. Trata-se da falta de indicações para a formação dos formadores, o professor que atua no ensino superior. Essa omissão é notada na própria LDB 9294/96. No meu entendimento essa questão primordial, historicamente negligenciada pelas políticas educacionais, deveria ser incluída na proposta em pauta e apresentada pelo CNE, em uma proposta específica de diretrizes sobre a matéria. Para finalizar, destaco o pr ofundo significado do diálogo que audiências públicas, como esta, permitem que se estabeleça entre o CNE e os representantes da sociedade civil interessados na questão educacional. A Anped se mantém comprometida com as participações e se coloca à disposição do CNE para diálogos futuros. Por outro lado, não posso deixar de lembrar a existência de um dissenso entre as posições do CNE e as das associações científicas e educacionais que vêm se dedicando à formação dos profissionais da educação. É minha crença, todavia, que esse órgão, pela abertura que tem demonstrado, venha a eliminar as questões polêmicas e não consensuais apontadas nesta audiência pública do Centro-Oeste e as demais questões que por certo surgirão no decorrer das outras audiências regionais.

8 8 Bibliografia ANPED. Parecer da Anped sobre a proposta elaborada pelo MEC para o Plano Nacional de Educação. São Paulo: Anped, Carta de Caxambu. Ao povo brasileiro e às autoridades constituídas. Caxambu, Anped, BRASIL/MEC/CNE. Proposta de diretrizes para a formação inicial de professores da educação básica, em cursos de nível superior. Versão preliminar. Brasília, fev.2001(mimeo). BRZEZINSKI, I. Pedagogia, pedagogos e formação de professores. Busca e movimento. Campinas: Papirus, (org) LDB interpretada. Diversos olhares se entrecruzam. 4 ª ed. São Paulo, Cortez, A Anped na comissão geral da Câmara dos Deputados. Boletim Anped, n. 02, Rio de Janeiro, agos./2000, p. 2. CONARCFE. IV Encontro Nacional. Documento final. Belo Horizonte, 1989 (mimeo). SHULMAN, L. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educacional Reserch, v.15, n.2, 1986, p UCG/EDU. Sobre o documento Diretrizes curriculares para a formação inicial de professores da educação básica em cursos de nível superior. Goiânia, UCG/Departamento de Educação, 2001(mimeo).

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação DOCUMENTO PARA SUBSIDIAR DISCUSSÃO NA AUDIÊNCIA PÚBLICA REGIONAL RECIFE 21/03/01. ANÁLISE DA VERSÃO PRELIMINAR DA PROPOSTA DE DIRETRIZES

Leia mais

Tese 1. A base do Curso de Pedagogia é a docência.

Tese 1. A base do Curso de Pedagogia é a docência. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO (ANPED)/ ASSOCIAÇÃO NACIONAL PELA FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO (ANFOPE)/ ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA. AUTORES DO TEXTO: Eudes Oliveira Cunha; Maura da Silva Miranda; Suely Bahia Alves

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA. AUTORES DO TEXTO: Eudes Oliveira Cunha; Maura da Silva Miranda; Suely Bahia Alves III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTORES DO TEXTO: Eudes Oliveira Cunha; Maura da Silva Miranda; Suely Bahia Alves Formação de professores da Educação Básica à luz das diretrizes nacionais RESUMO:

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

A PESQUISA COMO PRINCÍPIO FORMATIVO NO CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPA

A PESQUISA COMO PRINCÍPIO FORMATIVO NO CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPA 1 A PESQUISA COMO PRINCÍPIO FORMATIVO NO CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPA Angélica Cristina Bitar Miranda (UFPA) GT 02 Formação de Professores O curso de Pedagogia foi instituído no Brasil em 1939

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16.

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16. PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Saúde/Fundação Oswaldo Cruz

Leia mais

FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO CAMPO DE ATUAÇÃO

FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO CAMPO DE ATUAÇÃO FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO CAMPO DE ATUAÇÃO Autora: Kelly Brandão de Brito Graduanda em Pedagogia pela Universidade Federal do Piauí - UFPI, Campus Amílcar Ferreira Sobral - CAFS

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

Novas diretrizes para a licenciatura em Educação Física

Novas diretrizes para a licenciatura em Educação Física Novas diretrizes para a licenciatura em Educação Física Prof. Dr. João Batista Tojal, 1º Vice-Presidente do CONFEF O Ministério da Educação, através do Conselho Nacional de Educação / Conselho Pleno, designou

Leia mais

AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS

AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS RELATÓRIO DO PROGRAMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Básica A ampliação do Ensino Fundamental para nove anos vem sendo discutida pela Secretaria

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA Goiânia-GO, junho de 2003. APRESENTAÇÃO: O presente projeto de reformulação curricular

Leia mais

IDENTIDADE DOCENTE NA TUTORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IDENTIDADE DOCENTE NA TUTORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA IDENTIDADE DOCENTE NA TUTORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA IINTRODUÇÃO Educação a distância (EaD) é uma modalidade de educação na qual aluno e professor estão separados fisicamente, pautada no pressuposto de

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE BLUMENAU

CONTRIBUIÇÕES DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE BLUMENAU CONTRIBUIÇÕES DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE BLUMENAU Pós-graduação: Educação, Sociedade e Cultura/FURB Professor: Adolfo R. Lamar Silvana Schreiber RESUMO

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

A NECESSIDADE DA FORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A NECESSIDADE DA FORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DA EDUVALE Publicação científica da Faculdade de Ciências Sociais aplicadas do Vale de São Lourenço- Jaciara/MT Ano III, Número 05, outubro de

Leia mais

LICENCIATURAS E EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO INICIAL

LICENCIATURAS E EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO INICIAL LICENCIATURAS E EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO INICIAL Resumo Simone Maria de Bastos Nascimento1 - UNICENTRO/PR Grupo de Trabalho Formação de Professores e Profissionalização Docente Agência

Leia mais

ANPED - Sessão Especial 2001

ANPED - Sessão Especial 2001 ANPED - Sessão Especial 2001 PEDAGOGIA E SUA MULTIDIMENSIONALIDADE: Diferentes olhares A contribuição da ANFOPE para a compreensão da formação do Pedagogo no Brasil 1 Leda Scheibe 2 Desde 1996, com o estabelecimento

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

HISTÓRIA E CONSTRUÇAO DA PROFISSIONALIZAÇAO NOS CURSOS DE LICENCIATURAS

HISTÓRIA E CONSTRUÇAO DA PROFISSIONALIZAÇAO NOS CURSOS DE LICENCIATURAS 1 HISTÓRIA E CONSTRUÇAO DA PROFISSIONALIZAÇAO NOS CURSOS DE LICENCIATURAS Neide Cavalcante Guedes (UFPI) Maria Salonilde Ferreira (UFRN) A formação do professor e sua prática se constituem, atualmente,

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Revista Lusófona de Educação, 2005, 1, 143-152. Educação pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa.

Revista Lusófona de Educação, 2005, 1, 143-152. Educação pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa. , 2005, 1, 143-152 Profissionais da educação de vários setores da sociedade vêm discutindo a concepção de educação, a função da escola, a relação entre conhecimento escolar e a vida social e cultural e

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

CONAE/2010 POLÍTICAS E PROCESSOS EDUCATIVOS NO CAMPO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: PRESENCIAL E A DISTÂNCIA

CONAE/2010 POLÍTICAS E PROCESSOS EDUCATIVOS NO CAMPO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: PRESENCIAL E A DISTÂNCIA A N F O P E CONAE/2010 COLÓQUIO 3.2 PROCESSOS EDUCATIVOS, AMPLIAÇÃO DO ATENDIMENTO ESCOLAR E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO POLÍTICAS E PROCESSOS EDUCATIVOS NO CAMPO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES:

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 1 Art. 3º. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: [...] Art. 3 O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA E A SUA RELAÇÃO COM O CURSO NORMAL SUPERIOR: UMA REFLEXÃO A PARTIR DAS REFORMAS EDUCACIONAIS.

O CURSO DE PEDAGOGIA E A SUA RELAÇÃO COM O CURSO NORMAL SUPERIOR: UMA REFLEXÃO A PARTIR DAS REFORMAS EDUCACIONAIS. 1 O CURSO DE PEDAGOGIA E A SUA RELAÇÃO COM O CURSO NORMAL SUPERIOR: UMA REFLEXÃO A PARTIR DAS REFORMAS EDUCACIONAIS. Ana Teresa Silva Sousa (Base de Pesquisa Formar/UFPI) GT 02 Formação de Professores.

Leia mais

Palavras- chaves: Formação de Professores, Estágio Supervisionado, Saberes, Ensino Fundamental.

Palavras- chaves: Formação de Professores, Estágio Supervisionado, Saberes, Ensino Fundamental. ESTÁGIO SUPERVISIONADO: DESAFIOS E CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO INICIAL DO DOCENTE NO CURSO DE PEDAGOGIA. 1 Autora: Ariana da Silva Medeiros 2 ariana.bombom@bol.com.br Coautor: Gilmara Gomes da Silva gilmaragomes@hotmail.com

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA: HISTÓRIAS E DEBATES PÓS DCNs

O CURSO DE PEDAGOGIA: HISTÓRIAS E DEBATES PÓS DCNs O CURSO DE PEDAGOGIA: HISTÓRIAS E DEBATES PÓS DCNs Camila Lima Coimbra FACIP/UFU camilima8@gmail.com Esse artigo apresenta parte da tese de doutorado intitulada "A pesquisa e a prática pedagógica como

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 Contribuições para o Plano Municipal de Educação de Palmas Maio 22, 2012 DAS 20 METAS DO PNE, CINCO ESTÃO DIRETAMENTE LIGADAS ÀS INSTITUIÇÕES

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA Mônica Mota Tassigny Professora doutora da Universidade de Fortaleza, UNIFOR, Brasil 1. INTRODUÇÃO Numa sociedade mundial, na qual

Leia mais

A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA E AS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE SEUS PROFESSORES

A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA E AS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE SEUS PROFESSORES 1 A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA E AS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE SEUS PROFESSORES Adriana Paula Quixabeira Rosa e Silva Oliveira Santos (IFAL) apquixabeira@terra.com.br Resumo O artigo apresenta o

Leia mais

UNCME RS FALANDO DE PME 2015

UNCME RS FALANDO DE PME 2015 UNCME RS FALANDO DE PME 2015 DIRETORIA UNCME-RS VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO CONTATOS: Site: www.uncmers E-MAIL: uncmers@gmail.com.br

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA Dirce Pacheco e Zan O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA DIRCE PACHECO E ZAN * este texto, apresento algumas reflexões sobre o estágio em cursos de licenciatura, em especial, no direcionado

Leia mais

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO Gabriela Paulino do Nascimento 1 RESUMO: Este trabalho se propõe a investigar como

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA 1 A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA Ms. Rafael Ângelo Bunhi Pinto UNISO - Universidade de Sorocaba/São Paulo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA I Identificação: UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA PROJ ETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA Data do Reconhecimento: 23/01/64 Denominação: Curso de Pedagogia Modalidade

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE 05/06 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO

RESOLUÇÃO CEE 05/06 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO CEE 05/06 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 5, DE 9 DE MAIO DE 2006. Dispõe sobre a oferta de ensino religioso nas escolas públicas integrantes do Sistema de Ensino do

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE SALA DE RECURSOS E A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM MATO GROSSO: CONTEXTO E PERCURSO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE SALA DE RECURSOS E A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM MATO GROSSO: CONTEXTO E PERCURSO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE SALA DE RECURSOS E A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM MATO GROSSO: CONTEXTO E PERCURSO SILVA, Sérgio Carlos da - SEDUC/MT- SMEC/V.Grande sergioscs@hotmail.com MONTEIRO, Filomena Maria de

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

EDUCAR NA DIVERSIDADE E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAR NA DIVERSIDADE E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAR NA DIVERSIDADE E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES Autor (a): Cláudia Alves da Silva Graduanda de Pedagogia e Bolsista do PIBID/CAPES Coautor: Francisco Mateus Alexandre de Lima Graduando de Pedagogia e

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

A POLÍTICA DE FORMAÇÃO DO GESTOR ESCOLAR NO BRASIL

A POLÍTICA DE FORMAÇÃO DO GESTOR ESCOLAR NO BRASIL Anais da Semana de Pedagogia da UEM ISSN Online: 2316-9435 XX Semana de Pedagogia da UEM VIII Encontro de Pesquisa em Educação / I Jornada Parfor A POLÍTICA DE FORMAÇÃO DO GESTOR ESCOLAR NO BRASIL LUPPI,

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estudos Educacionais (DIRED)

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estudos Educacionais (DIRED) Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estudos Educacionais (DIRED) Prova Docente Profa. Dra. Marcella Laureano Prottis Novembro de 2012

Leia mais

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs) NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) E O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) AVINIO, Carina

Leia mais

A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Marilene Cesário 1 Ângela Pereira Teixeira Victoria Palma 2 José Augusto Victoria Palma 3 RESUMO

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL: REDEFINIR OU CONTINUAR EXCLUINDO?

EDUCAÇÃO ESPECIAL: REDEFINIR OU CONTINUAR EXCLUINDO? EDUCAÇÃO ESPECIAL: REDEFINIR OU CONTINUAR EXCLUINDO? Luciane Porto Frazão de Sousa, Renata Vidal Alves, Sandra Antônia Gonzaga * Mônica Pereira dos Santos ** O presente artigo refere-se `a redefinição

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Estadual Paulista - Unesp - Rio Claro

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR)

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) I ENCONTRO NACIONAL DE COORDENADORES DE CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES

Leia mais

Elaboramos muitas soluções para problemas que não são concretos e continuamos sem soluções para os problemas concretos das redes de ensino.

Elaboramos muitas soluções para problemas que não são concretos e continuamos sem soluções para os problemas concretos das redes de ensino. Problemas e novas perspectivas na formação inicial de professores no Brasil Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas Elaboramos muitas soluções para problemas que não são concretos e continuamos sem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Educação- Mestrado Linha de Pesquisa Teoria e Prática Pedagógica na Formação de Professores FORMAÇÃO CONTINUADA NOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

PRÓ-DOCENTE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PERMANENTE

PRÓ-DOCENTE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PERMANENTE www.unp.br PRÓ-DOCENTE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PERMANENTE Diretoria dos Pilares Estratégicos Núcleo de Apoio Psico-Pedagógico - NAPe Programa apresentado ao CONSELHO SUPERIOR UNIVERSI- TÁRIO ConSUni

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA: UM EIXO ARTICULADOR ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

A PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA: UM EIXO ARTICULADOR ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA A PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA: UM EIXO ARTICULADOR ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA Ana Teresa Silva Sousa (Base de Pesquisa Formar / UFPI) GT 02: Formação de Professores 1 CONTEXTUALIZANDO A FORMAÇÃO

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

A reforma do Ensino Superior no campo da formação dos profissionais da educação básica: As políticas educacionais e o movimento dos educadores

A reforma do Ensino Superior no campo da formação dos profissionais da educação básica: As políticas educacionais e o movimento dos educadores A reforma do Ensino Superior no campo da formação dos profissionais da educação básica: As políticas educacionais e o movimento dos educadores Helena Costa Lopes de Freitas* RESUMO: O presente trabalho

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL: DA ELABORAÇÃO À EFETIVAÇÃO

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL: DA ELABORAÇÃO À EFETIVAÇÃO DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL: DA ELABORAÇÃO À EFETIVAÇÃO Resumo SOARES, Solange Toldo UFPR solange_tsoares@yahoo.com.br BETTEGA, Maria Odette de Pauli UFPR mbettega@terra.com.br

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

OLIVEIRA, Francisnaine Priscila Martins de. PPGE/FCT/UNESP/Presidente Prudente francisnaine@yahoo.com.br

OLIVEIRA, Francisnaine Priscila Martins de. PPGE/FCT/UNESP/Presidente Prudente francisnaine@yahoo.com.br FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA AS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL E A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DOS MODELOS FORMATIVOS DE UNIVERSIDADES PAULISTAS OLIVEIRA, Francisnaine Priscila Martins de.

Leia mais

Duração: 8 meses Carga Horária: 360 horas. Os cursos de Pós-Graduação estão estruturados de acordo com as exigências da Resolução CNE/CES nº 01/2007.

Duração: 8 meses Carga Horária: 360 horas. Os cursos de Pós-Graduação estão estruturados de acordo com as exigências da Resolução CNE/CES nº 01/2007. Arte em Educação Considerando que a ação educacional é uma prática social mediadora da prática social mais ampla, nossa missão é: Formar o profissional de arte educação contemplando suas três dimensões:

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Educacional da Igreja Evangélica Assembléia de UF: PR Deus em Curitiba (AEIEADC) ASSUNTO: Credenciamento

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG Andréa Augusta de Morais Ramos 1 /UFCG-CDSA - andreaedu.15@gmail.com Fabiano Custódio de Oliveira 2 /UFCG-CDSA

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: A DISCIPLINA DIDÁTICA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

FORMAÇÃO DOCENTE: A DISCIPLINA DIDÁTICA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo FORMAÇÃO DOCENTE: A DISCIPLINA DIDÁTICA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Gabriela Clotilde Dos Santos Monteiro Helenice Maia Este trabalho apresenta uma discussão sobre a disciplina Didática

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES DO CURSO DE PEDAGOGIA: PROJETOS EM DISPUTA

DIRETRIZES CURRICULARES DO CURSO DE PEDAGOGIA: PROJETOS EM DISPUTA DIRETRIZES CURRICULARES DO CURSO DE PEDAGOGIA: PROJETOS EM DISPUTA Fernando José Martins 1 Resumo: O presente texto, inserido no eixo temático de políticas do ensino superior, visa, primeiramente, a examinar

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE PEDAGOGIA/2006: AVANÇOS OU RETROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS PROJETOS POLÍTICO PEDAGÓGICO

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE PEDAGOGIA/2006: AVANÇOS OU RETROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS PROJETOS POLÍTICO PEDAGÓGICO DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE PEDAGOGIA/2006: AVANÇOS OU RETROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS PROJETOS POLÍTICO PEDAGÓGICO Resumo: BALDINI, Márcia Aparecida - FAG marcia.baldini@hotmail.com

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão PELOZO, Rita de Cássia Borguetti Docente da FAHU/ACEG RESUMO: O presente trabalho procura evidenciar a importância

Leia mais

O currículo na Educação Infantil: uma análise teórica

O currículo na Educação Infantil: uma análise teórica Resumo O presente artigo faz uma análise teórica acerca do currículo e sua construção na Educação Infantil, discussão esta que tem como aporte teórico os estudos de Barbosa (2009), Oliveira (2011), Sacristán

Leia mais