João Marinho Alves. 1º Ano 1º Semestre Nº

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "João Marinho Alves. 1º Ano 1º Semestre Nº 20110204"

Transcrição

1 Observação geral: o trabalho que revela algum trabalho de pesquisa, capacidade de observação... Porém: 1) A falta de qualquer análise de aspectos concretos (apesar do que é prometido na Introdução) resulta num texto meramente descritivo e mesmo nessa qualidade demasiado fragmentário; tal é ainda acentuado por uma linguagem deficiente e inúmeras gralhas... Existe ainda assim a tentativa de comparação (meritória!); porém, esta comparação é demasiado breve e pouco clara para permitir alguma conclusão específica a reproduzir sinteticamente na Conclusão do trabalho... 2) Ao nível dos requisitos formais, faltam completamente as referências às fontes utilizadas pelo autor, a lista de referências às imagens na Bibliografiae outras deficiências menores (v. notas no texto); Tudo isto impede uma classificação positiva. Recomendo a correcção, pelo menos, da 2ª deficiência referida para poder dar outra classificação (cf. exemplos e explicações no site da cadeira) João Marinho Alves 1º Ano 1º Semestre Tal como está - 9 valores Nº Turma: E1 Lisboa,9 Janeiro, 2012

2 Indíce Introdução Dadaísmo Marcel Duchamp Man Ray Graffiti - Stencil Banksy Dadaísmo e Banksy Conclusão Bibliografia

3 Introdução Este trabalho foi realizado no âmbito da disciplina de Historia da Arte e da Técnica, 1º ano, 1º semestre. Este trabalho tem como objectivo a comparação entre a movimento artistico do Dadaísmo, que surgiu no ano de 1915 e marcou pela sua irracionalidade, e o artista comtemporâneo Banksy, que por sua vez usa a forma de arte urbana stencil graffiti, para atingir as esferas politicas e sociais. Para tal, foram consultados diversos documentos, com o intuito de fundamentar o mesmo, entre os quais o filme, Exit Through The Gift Shop The Banksy Film. Vão fazer parte deste trabalho, as caracteristicas do moviemento Dadaísmo, bem como os principais artistas e suas obras. Contudo, também vão estar presentes as caracteristicas do graffiti e do stencil, assim como alguns dos aspectos fundamentais da obra do artista Banksy. No final deste trabalho existe também uma comparação, entre estes dois movimentos vanguardistas, bem como a conclusão do mesmo. teria sido necessário incluir na Bibliografia com referência completa - link completo e data de consulta... Texto fragmentário e com deficiências; impede a compreensão dos objectivos gerais - de quais movimentos fala o autor aqui para além do Dadaísta? A descrição ( ainda que breve) dos aspecto concretos que serão analisados (descritivo sintético das secções do trabalho) ajudaria o leitor a compreender melhor aquilo que o autor afirma pretender demonstrar... 2

4 Dadaísmo Dadaísmo, ou movimento Dáda, surgiu em 1915, como um movimento de vanguarda em Zurique, durante a Primeira Guerra Mundial. Este movimento teve início no Cabaret Voltaire, um clube nocturno, fundado pelo filósofo e romancista Hugo Ball, bem como um grupo de escritores, poetas e artistas plásticos. A palavra Dadá, em francês significa cavalo de madeira, contudo, a utilização desta palavra definindo um movimento artístico, marca-o pela falta de sentido do mesmo (como na fala de um bebé). Com intuito de reforçar esta ideia, estabeleceu-se um mito de que este nome terá sido escolhido ao acaso. Simbolizando o caracter anti-racional deste movimento, contrariando o padrão que se fazia sentir durante a Primeira Guerra Mundial e os movimentos artísticos que se faziam sentir na época. Poucos anos mais tarde, este movimento alcançou cidades como Barcelona, Berlim, Nova York e Paris. Muitos dos seus seguidores deram início ao movimento surrealismo, e os seus parâmetros influenciam a arte até hoje. O movimento Dáda, ficou conhecido pela oposição de qualquer tipo de equilibro, non-sense, pessimismo irónico e ingenuidade radical, cepticismo e improvisação. Estes artistas enfatizaram o ilógico e o absurdo. Contudo o principal objectivo deste movimento, através de uma estratégia bem delineada, era denunciar e escandalizar, criticar o capitalismo, numa altura em que o sentimento de medo e a força da guerra se faziam sentir, dominando as populações. A tendência extravagante do Dadaísmo, baseada no acaso, serviu de base para o surgimento de novos movimentos artísticos no seculo XX, movimentos como o Surrealismo, a Arte Conceitual ou a Pop Art. Este movimento tinha como objectivo, soltar a expressão artísticas das amarras racionalistas que se faziam sentir, e fosse resultante, apenas, de uma vontade, de um automatismo, um processo irracional psíquico, que combinava elementos por acaso. Com esta nova corrente, deixa de existir lógica e organização na arte, acabando por embeber estes artistas em acções espontâneas e gratuidade total. Negando por completo a cultura, o movimento defendia o absurdo a incoerência, a desordem e o caos. Politicamente, firma-se como um protesto contra uma civilização que não conseguiria evitar a guerra. O Dadaísmo, como actividade de grupo, teve o seu fim por volta de Aqui e nas páginas seguintes - onde estão as referências às fontes de onde todos estes dados factuais e históricos foram extraídos pelo autor do trabalho? Para corrigir esta deficiência séria, cf. site da cadeira, secção Normas e Metodologia => item «Requisitos Fig. 1 Tristan Tzara, Dadaísmo, 1916 formais» => botões «Fontes», «Bibliografia» => exemplos gráficos 3

5 Marcel Duchamp. ( ) Pintor e escultor francês. As suas obras abriram caminho para movimentos como a pop art e a op art nas décadas de 1950 e Duchamp reinterpretou o movimento cubista á sua maneira, apelando ao movimento das formas. Adoptou ideias radicais, extravagantes, como os peculiares ready-mades e intervenções. Duchamp recolhia objectos banais do quotidiano, escolhidos ao acaso, aleatoriamente, e elevava-os ao estatuto de obra de arte. Assinava estes objectos, intitulava-os e colocava-os em exposição, tendo como objectivo demonstrar o desprezo pela arte e valores tradicionais. Fig. 2 Marcel Duchamp, A Fonte, 1917 Fig. 3 Marcel Duchamp, L.H.O.O.Q.,

6 Man Ray. ( ) Man Ray, era um fotógrafo e pintor norte-americano. Conhece Duchamp em 1915, com o qual fundou o grupo Dadá nova-iorquino. Trabalhou como fotógrafo para financiar as suas pinturas e nova actividade. Desenvolve a fotograma e cria imagens abstractas, obtidas sem o auxílio da camara, mas com a exposição á luz de objectos previamente dispersos sobre papel fotográfico. Fig. 4 Marcel Duchamp, L.H.O.O.Q., 1917 Fig. 5 Man Ray, "Cadeau" 5

7 Graffiti - Stencil Graffiti, é o nome utilizado em pinturas, expressões, inscrições feitas em paredes, desde o Império Romana. É considerado um graffiti, qualquer forma de expressão, pintada ou gravada, num suporte que não seja o convencional, que não esteja preparado ou que não é previsto ser para tal finalidade. Com o passar dos anos, esta arte, tem vindo a assumir um papel importante e actualmente o graffiti é considerado uma forma de expressão contemporânea incluída nas artes visuais, street arte e arte urbana. Estes artistas, aproveitam espaços públicos e utilizando uma linguagem própria, intencional, direccionada á população com a finalidade de interferir com a mesma, ser parte dela. No entanto, ainda há quem não concorde com esta nova forma de expressão, street arte, e acabe comparando, inevitavelmente, graffiti com assinaturas rápidas, nick names, de nome tags. Sendo o graffiti uma forma de expressão ilegal em espaços públicos, surgiu a necessidade de reduzir o risco na execução destas obras. Surge o stencil. Fig. 6 Banksy, Elephant graffiti stencil O stencil é uma forma popular de aplicação de graffiti, reduzindo o risco de exposição do artista, maior rapidez de execução, permitindo uma maior complexidade na conjugação das formas em menos tempo. Este técnica é utilizada para aplicar desenhos, imagens ou ilustrações, podendo representar símbolos ou letras. Também podem ser utilizadas formas, imagens figurativas ou abstractas. O stencil resulta na aplicação de tinta, num corte ou perfuração feito em papel ou cartão. É produzida uma prancha com preenchimento do desenho vazado, por onde irá passar tinta. Uma vez que a matriz é criada, pode ser utilizada nas mais diversas superfícies. Desde o cimento ao tecido, utilizando varias cores e podendo ser utilizado várias vezes. 6

8 Banksy. (1974) Banksy nasceu em Bristol, Londres. É artista pioneiro na técnica de graffiti stencil. Banksy usa a arte satírica e subversiva, combinando humor negro e stencil. A sua arte baseia-se em criticas socias e politicas, podendo ser encontradas nos mais diversas cidades do mundo. A arte de Banksy envolve artistas das mais diversas áreas, colaborações com outros artistas e músicos tornam a suas obras reconhecidas mundialmente. Segundo Tristan Manco, autor e designer gráfico, Banksy nasceu em Bristol no ano de 1974, e desenvolveu a sua técnica durante a década de 80, quando se deu o boom do aerossol e do graffiti em Bristol. Banksy é conhecido pelo seu desprezo e desagrado pelo governo, que sempre classificou e rotulou a arte do graffiti como vandalismo. A sua arte é exposta em locais públicos, paredes e ruas, de todo o mundo, chegando a usar objectos para expô-las. A arte de Banksy é feita de criticas sociais, subentende uma total aversão aos conceitos de autoridade e poder. Através do stencil, Banksy exerce as suas criticas á sociedade, ao mundo politico mas também comportamentais, de uma forma geralmente agressiva e sarcástica, que provoca aos observadores uma sensação de concordância e de identidade. Estas obras, não são de cariz humorístico ou caricaturas, no entanto a reacção natural é o riso, espontâneo e involuntário, perante as suas obras. Uma vez mais, aqui e nas páginas anteriores e seguintes: onde estão as referências às fontes de onde todos estes dados biográficos e históricos foram extraídos? Cf. site da cadeira, secção Normas e Metodologia => item «Requisitos formais» => botões «Fontes», «Bibliografia» => exemplos gráficos Fig. 7 Banksy, Ballon girl 7

9 Dadaísmo e Banksy Nos dois temas sobre arte anteriormente apresentados, Dadaísmo e o artista de stencil Banky, existêm aspectos em comum. Em ambos os trabalhos, a critica á sociedade, á cultura das sociedades, ás forças politicas está presente. No Dadaismo, por um lado é transmitido através do caos, obras espontâneas, sem lógica, que contrariavam todo o sentimento que se fazia sentir durante a Primeira Guerra Mundial. frase sem sujeito..? Por outro lado Banksy, transmite este sentimento através de obras agressivas e sarcásticas, com um explícito desagrado pela esfera politica e social. No entanto, independentemente da época, o espirito critico, revolucionário e sarcástico está presente nestas obras e embora os métodos de aplicação das mesmas sejam diferentes, estes artitas encontram as formas mais expressivas para a sua arte. qual sentimento? Esta comparação, demasiado curta, redigida numa linguagem deficiente, não permite perceber quais as as semelhanças e diferenças entre Banksy e a corrente dadaísta... Fig. 9 Banksy, Exit Through The Gift Shop The Banksy Film Fig. 8 Marcel Ducamp, Roda de bicicleta 8

10 Conclusão Em suma, apesar dos anos que separam as duas correntes artisticas apresentadas neste trabalho, a vontade de alertar a sociedade, criticar, evoluir o pensamento e a maneira de olhar o mundo da população em geral é a raíz destes artistas. Através de artistas como Banksy, a arte urbana, tem vindo a deixar para trás os paradigmas da cultura do hip-hop, e tem vindo a olhar para artistas de vanguarda como novos ícones a explorar. teria valido a pena explicar também este conceito... Esta conclusão não apresenta o essencial: os resultados da análise de questões concretas, o que decorre do facto de tal análise ser praticamente ausente nas partes anteriores do trabalho... 9

11 Bibliografia ) Os materiais nesta bibliografia deveriam estar organizados em subsecções (consoante o tipo) e formatados correctamente, de acordo com os exemplos gráficos no site da cadeira... 2) Falta a secção com as referências às imagens reproduzidas no trabalho... (cf. secção Normas e Metodologia) Falta um título descritivo para cada uma destas entradas (fonte) consultadas online e uma data aprox. de consulta. Cf. secção Normas e Metodologia => item «Requisitos formais» => botões «Fontes», «Bibliografia» 10

6) - D A D A I S M O VANGUARDAS PROFESSORA CABRIELLA NOVELLO

6) - D A D A I S M O VANGUARDAS PROFESSORA CABRIELLA NOVELLO 6) - D A D A I S M O 1916 VANGUARDAS PROFESSORA CABRIELLA NOVELLO DADAISMO Dadaísmo Movimento de contestação artística que recusa todos os modelos plásticos e a própria ideia de arte. Nascido na Suiça,

Leia mais

Dadaísmo 1916-1925. Impacto causado pelo Dadaísmo justifica-se plenamente pela atmosfera de confusão e desafio à lógica por ele desencadeado

Dadaísmo 1916-1925. Impacto causado pelo Dadaísmo justifica-se plenamente pela atmosfera de confusão e desafio à lógica por ele desencadeado "Eu redijo um manifesto e não quero nada, eu digo portanto certas coisas e sou por princípios contra manifestos (...). Eu redijo este manifesto para mostrar que é possível fazer as ações opostas simultaneamente,

Leia mais

Contexto do Dadaísmo

Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá O movimento Dadá ou Dadaísmo foi uma vanguarda moderna iniciada em Zurique, em 1916, no chamado Cabaret Voltaire, por um grupo de escritores e artistas

Leia mais

Grafite e o Design Gráfico

Grafite e o Design Gráfico Universidade federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Bacharelado em Design Gráfico Introdução aos estudos de Design Grafite e o Design Gráfico Gabriel Corá, Hugo Ribeiro e Melissa de Britto Goiânia

Leia mais

futurismo Filippo Marinetti Oswald de Andrade Anita Malfatti

futurismo Filippo Marinetti Oswald de Andrade Anita Malfatti FUTURISMO O futurismo é um movimento artístico e literário, que surgiu oficialmente em 20 de fevereiro de 1909 com a publicação do Manifesto Futurista, pelo poeta italiano Filippo Marinetti, no jornal

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Arte Moderna Expressionismo A busca por expressar os problemas da sociedade da época e os sentimentos e emoções do homem no inicio do século xx Foi uma reação ao impressionismo, já que o movimento preocupou-se

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Financiou sua reconstrução com empréstimos norte americanos.

Financiou sua reconstrução com empréstimos norte americanos. No início dos anos 20, a Europa foi sacudida por uma onda de greves e por um crescente desemprego, provocado pela queda da produção agrícola e industrial. Financiou sua reconstrução com empréstimos norte

Leia mais

Movimentos da Arte Moderna. Surrealismo. III Trimestre: turmas 181, 182 e 183

Movimentos da Arte Moderna. Surrealismo. III Trimestre: turmas 181, 182 e 183 Movimentos da Arte Moderna Surrealismo III Trimestre: turmas 181, 182 e 183 Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes O surrealismo foi o movimento da arte moderna que representou o irracional

Leia mais

Surrealismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes

Surrealismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes Surrealismo Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes O surrealismo foi o movimento artístico moderno da representação do irracional e do subconsciente. Suas origens devem ser buscadas

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO)

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

DADAÍSMO Profa. Cristiane Lourenço

DADAÍSMO Profa. Cristiane Lourenço DADAÍSMO Profa. Cristiane Lourenço DADAÍSMO Formado em 1916 em Zurique por jovens franceses e alemães que, se tivessem permanecido em seus respectivos países, teriam sido convocados para o serviço militar,

Leia mais

A Problemática da Pirataria

A Problemática da Pirataria A Problemática da Pirataria Márcio Miguel Rodrigues Francisco Departamamento de Engenharia Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal mfranc@student.dei.uc.pt

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Evocar hoje, dia 8 de Março de 2007, o Tratado que instituiu a Comunidade Económica Europeia, assinado em Roma há 50

Leia mais

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE Anexo 2 O documento que se apresenta em seguida é um dos que consideramos mais apelativos neste estudo visto ser possível ver Cecília Menano e João dos Santos e a cumplicidade que caracterizou a sua parceria

Leia mais

SURREALISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012)

SURREALISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) SURREALISMO História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) SURREALISMO Dadaísmo: - fundado durante a 1ª Guerra Mundial. Surgiu na Europa (Zurique) no ano de 1916. Características: - Objetos

Leia mais

Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund

Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund Freud, que mostram a importância do inconsciente na

Leia mais

Português 3º ano Wilton. Vanguardas na Europa e no Brasil

Português 3º ano Wilton. Vanguardas na Europa e no Brasil Português 3º ano Wilton Vanguardas na Europa e no Brasil Roberson de Oliveira 1 Vanguardas na Europa e no Brasil No dia 20 de dezembro de 1917, o jornal O Estado de S. Paulo publicou o artigo Paranoia

Leia mais

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de História da Cultura e das Artes 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 724/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova:

Leia mais

LETRA DE PROFESSOR: IMPLICAÇÕES EM AULAS DE MATEMÁTICA

LETRA DE PROFESSOR: IMPLICAÇÕES EM AULAS DE MATEMÁTICA LETRA DE PROFESSOR: IMPLICAÇÕES EM AULAS DE MATEMÁTICA Nilson de Matos Silva Fundação Helena Antipoff nilson.ise@gmail.com Resumo: Algumas universidades do mundo oferecem a disciplina de caligrafia em

Leia mais

como a arte pode mudar a vida?

como a arte pode mudar a vida? como a arte pode mudar a vida? LONGE DAQUI, AQUI MESMO 1 / 2 Longe daqui, aqui mesmo 1 Em um caderno, crie um diário para você. Pode usar a escrita, desenhos, recortes de revista ou jornais e qualquer

Leia mais

GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA

GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA RESUMO DESTE ESTUDO Os principais jornais diários portugueses divulgaram

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918 Prof. Dr. Vanessa Bortulucce A proposta desta comunicação é realizar uma reflexão acerca dos elementos que constituem a estética

Leia mais

DADAÍSMO. Dada não significa nada. Dada não significando nada, significa tudo. O termo nada significa DADAÍSMO

DADAÍSMO. Dada não significa nada. Dada não significando nada, significa tudo. O termo nada significa DADAÍSMO DADAÍSMO DADAÍSMO Dada não significa nada. Dada não significando nada, significa tudo. 1.Marcel Duchamp 2.Marcel Duchamp: Fonte, 1917, urinol de porcelana, 23,5 X 18 X 60 cm O termo nada significa O Dadaísmo

Leia mais

definição de tendências e percepção da arte

definição de tendências e percepção da arte JOSEPH BEUYS definição de tendências e percepção da arte JOSEPH BEUYS DEFINIÇÃO DE TENDÊNCIAS E PERCEPÇÃO DA ARTE JOÃO GASPAR TEORIA E HISTÓRIA DA CRÍTICA DE ARTE II CIÊNCIAS DA ARTE E DO PATRIMÓNIO 2014-15

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS

Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS CONTEXTO HISTÓRICO As vanguardas européias foram manifestações artístico-literárias surgidas na Europa,

Leia mais

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS PAUTA DO ENCONTRO Início : 13hs30 1. Parte teórica 20 2. Oficina elaboração de mapas conceituais e infográficos ( processo) 40 3. Socialização dos resultados ( produto) 40 4. Avaliação geral da proposta

Leia mais

O livro que falava com o vento e outros contos

O livro que falava com o vento e outros contos LER a partir dos 10 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro que falava com o vento e outros contos JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Alain Corbel Apresentação da obra O Livro Que Falava com o Vento

Leia mais

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13 APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre Aula 13 Identidade Visual Embora você possa nunca ter ouvido falar em identidade visual, todos nós estamos sempre sendo bombardeados pelas identidades

Leia mais

Danças Luso Ibéricas 2011

Danças Luso Ibéricas 2011 Danças Luso Ibéricas Sevilhanas Pilar Madeira 11 Conteúdo 1. Introdução:... 3 2. Identificação de necessidades:... 4 3. Fundamentação da acção:... 4 4. Objectivo geral:... 5 4.1 Objectivo específico:...

Leia mais

estética carlos joão correia 2015 2ºSemestre

estética carlos joão correia 2015 2ºSemestre estética carlos joão correia 2015 2ºSemestre Vanessa Bell: The Memoir Club (1943) Dir-se-á que os objectos que provocam esta emoção variam de indivíduo para indivíduo e que, por isso, um sistema de estética

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Nascemos a ver ou aprendemos a ver?

Nascemos a ver ou aprendemos a ver? Nascemos a ver ou aprendemos a ver? A visão é uma função essencialmente aprendida pelos organismos superiores. Podemos dizer que o processo de visão compreende a sensação e a percepção. A sensação consiste

Leia mais

MOVIMENTOS DE VANGUARDA IMPORTANTES:

MOVIMENTOS DE VANGUARDA IMPORTANTES: ARTES PROFESSORA: NATÁLIA Fauvismo: MOVIMENTOS DE VANGUARDA IMPORTANTES: Fauvismo é o nome dado à tendência estética na pintura que buscou explorar ao máximo a expressividade das cores na representação

Leia mais

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA Em seu sentido literal, vanguarda (vem do francês Avant Garde, guarda avante ) faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante

Leia mais

Prova Escrita de História A

Prova Escrita de História A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História A 12.º Ano de Escolaridade Prova 623/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt O evidente decréscimo de conhecimento básico de matemática por parte dos alunos nos cursos de engenharia,

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Metodologia do Ensino de Educação

Leia mais

ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO

ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO Maria João Valente Rosa Membro do Conselho Superior de Estatística; Professora Universitária da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/ Universidade Nova de Lisboa;

Leia mais

Ficha de Reflexão Individual :: Ano Letivo: 2011/2012

Ficha de Reflexão Individual :: Ano Letivo: 2011/2012 Disciplina: Educação Visual Unidade de trabalho: Apresentação Ano: 7º Turma: A Aula Nº: 3 e 4 Data: 22 de Setembro 2011 ANÁLISE CRÍTICA (1ª aula assitida) A aula decorreu com normalidade, houve um controle

Leia mais

Aprender com o scratch. E.B. 2,3 José Afonso, Alhos Vedros Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática

Aprender com o scratch. E.B. 2,3 José Afonso, Alhos Vedros Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática Aprender com o scratch Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática 2012 Aprender com o scratch Filomena Benavente e Ricardo Costa 2012 Designação: Aprender com o scratch Enquadramento curricular

Leia mais

SÉRIE 7: Trabalho. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Jean-François Millet As respigadeiras 1857 Óleo sobre tela.

SÉRIE 7: Trabalho. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Jean-François Millet As respigadeiras 1857 Óleo sobre tela. 27 The Bridgeman Art Library SÉRIE 7: Trabalho Jean-François Millet As respigadeiras 1857 Óleo sobre tela. 28 Ministério da Cultura e Endesa Brasil apresentam: Arteteca:lendo imagens (PRONAC 09-7945).

Leia mais

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Adminisiração. n. 1. vol. I. 1988-1., 13-19 REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Alexandre Rosa * 1. INTRODUÇÃO A realidade da educação em Macau no final dos anos oitenta é o resultado de um processo

Leia mais

Do Quarto de Dormir para o Mundo Rita Espanha, 16 Nov. 2010, UCP, Lisboa

Do Quarto de Dormir para o Mundo Rita Espanha, 16 Nov. 2010, UCP, Lisboa Do Quarto de Dormir para o Mundo Rita Espanha, 16 Nov. 2010, UCP, Lisboa Este livro, da autoria de Gustavo Cardoso, Rita Espanha e Tiago Lapa, e publicado pela Editora Âncora, é sobre mediação e literacias.

Leia mais

CURSO DE STENCIL. Leandro Aluisio Scholz 15.08.2011

CURSO DE STENCIL. Leandro Aluisio Scholz 15.08.2011 CURSO DE STENCIL Leandro Aluisio Scholz 15.08.2011 O que é? Técnica para aplicar um desenho/ilustração através da aplicação de tinta em uma matriz; A matriz pode ser de diversos materiais e é ela que possui

Leia mais

Comité Europeu da VW. Autoeuropa. Comissão de Trabalhadores Tel: 21 211 2606 / Fax: 21 211 3195 www.ctautoeuropa.com

Comité Europeu da VW. Autoeuropa. Comissão de Trabalhadores Tel: 21 211 2606 / Fax: 21 211 3195 www.ctautoeuropa.com Comité Europeu da VW Criação do Comité Europeu do Grupo VW Inicialmente era composto por Actualmente é composto por Num total de 25 membros. Criação do Comité Mundial do Grupo VW Desenvolvimento das estruturas

Leia mais

Arte Postal, uma alternativa estética na produção cultural contemporânea

Arte Postal, uma alternativa estética na produção cultural contemporânea Arte Postal, uma alternativa estética na produção cultural contemporânea por Adriana Manfredini Sociedade Philatelica Paulista - SPP E ntre as diversas correntes da arte contemporânea, uma se destaca pela

Leia mais

Daniel Senise Fernando Cocchiarale

Daniel Senise Fernando Cocchiarale Texto publicado no catálogo da exposição do artista na XX Bienal de São Paulo, em 1989 Fundada na necessidade essencial de marcar sua diferença em relação à representação naturalista, elaborada pelo Renascimento,

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

Museus como plataformas para a inovação social:

Museus como plataformas para a inovação social: Museus como plataformas para a inovação social: Projecto-piloto educativo em espaços culturais Um projecto-piloto para jovens em situação de vulnerabilidade e exclusão social a desenvolver em colaboração

Leia mais

CARTA DE EMPREGO. A carta de emprego/apresentação deverá ser usada em duas situações: Resposta a ofertas/anúncios de emprego Candidaturas espontâneas

CARTA DE EMPREGO. A carta de emprego/apresentação deverá ser usada em duas situações: Resposta a ofertas/anúncios de emprego Candidaturas espontâneas CARTA DE EMPREGO A carta de emprego/apresentação deverá ser usada em duas situações: Resposta a ofertas/anúncios de emprego Candidaturas espontâneas ANÚNCIOS DE JORNAIS (CARTA DE RESPOSTA) Redigida de

Leia mais

Bullying - A Agressividade Entre Pares. A Agressividade Entre Pares

Bullying - A Agressividade Entre Pares. A Agressividade Entre Pares Bullying - A Agressividade Entre Pares A Agressividade Entre Pares Conceito de Bullying Dan Olweus (1991), definiu o conceito de Bullying afirmando que um aluno está a ser provocado/vitimado quando ele

Leia mais

DISCURSIVIDADES CONTEMPORÂNEAS E DICIONÁRIO. Objetivamos neste trabalho refletir sobre a inserção de discursividades

DISCURSIVIDADES CONTEMPORÂNEAS E DICIONÁRIO. Objetivamos neste trabalho refletir sobre a inserção de discursividades DISCURSIVIDADES CONTEMPORÂNEAS E DICIONÁRIO José Horta Nunes Universidade Estadual Paulista (UNESP) Objetivamos neste trabalho refletir sobre a inserção de discursividades contemporâneas em dicionários

Leia mais

Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de

Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de 2012. ENQUADRAMENTO 2ºs PRÉMIOS DE JORNALISMO CEPSA ESTRADAS

Leia mais

8 Conclusões, recomendações e desdobramentos

8 Conclusões, recomendações e desdobramentos 8 Conclusões, recomendações e desdobramentos 136 8 Conclusões, recomendações e desdobramentos 8.1. Introdução Finalmente inicia-se a etapa conclusiva deste trabalho. Com base nos resultados da pesquisa

Leia mais

esquerda e direita guia histórico para o século xxi

esquerda e direita guia histórico para o século xxi esquerda e direita guia histórico para o século xxi lisboa: tinta da china MMXV à Marta, por tudo 2015, Rui Tavares e Edições tinta da china, Lda. Rua Francisco Ferrer, 6A 1500 461 Lisboa Tels: 21 726

Leia mais

Direito Comunitário II. Comentário ao Acórdão C-176/03

Direito Comunitário II. Comentário ao Acórdão C-176/03 Luís Marques Direito Comunitário II Comentário ao Acórdão C-176/03 Faculdade De Direito Da Universidade de Coimbra Coimbra 2008 Luís Marques (2ª Turma) Direito Comunitário II Comentário ao Acórdão de 13

Leia mais

A luta voltou ao muro Ricardo Campos

A luta voltou ao muro Ricardo Campos ENSAIO VISUAL A luta voltou ao muro Ricardo Campos Análise Social, 212, xlix (3.º), 2014 issn online 2182-2999 edição e propriedade Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Av. Professor

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

Cubismo. 9º Ano 2015 1º Bimestre Artes Prof. Juventino

Cubismo. 9º Ano 2015 1º Bimestre Artes Prof. Juventino Cubismo 9º Ano 2015 1º Bimestre Artes Prof. Juventino Guernica Cidade... Loucura... Ou...Arte? Pablo Picasso Nome: Pablo Picasso Nascimento : Andaluzia 1881 Filho de: José Ruiz Blasco E de: Maria Picasso

Leia mais

Vanguardas Históricas I

Vanguardas Históricas I Vanguardas Históricas I As transformações do início do século XX e as vanguardas históricas Os avanços da ciência realizados a partir do século XIX mudaram a percepção da realidade e conduziram, no campo

Leia mais

Docente: Adriana Severino da Silva Ano: 2013

Docente: Adriana Severino da Silva Ano: 2013 Planejamento Anual de Arte- história da arte ENSINO MÉDIO Docente: Adriana Severino da Silva Ano: 2013 I. INTRODUÇÃO Ensinar história da arte no ensino médio significa fortalecer a experiência sensível

Leia mais

MÍDIA KIT BLOG JOSIVANDRO AVELAR JOÃO PESSOA-PB 2015 JOSIVANDROAVELAR.COM.BR

MÍDIA KIT BLOG JOSIVANDRO AVELAR JOÃO PESSOA-PB 2015 JOSIVANDROAVELAR.COM.BR MÍDIA KIT BLOG JOSIVANDRO AVELAR JOÃO PESSOA-PB 2015 JOSIVANDROAVELAR.COM.BR Visão geral sobre o Blog Josivandro Avelar O Blog É a página oficial de Josivandro Avelar, criada em 23 de dezembro de 2008.

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo 1 O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e psiquiatra francês André Breton em 1924. Inserido

Leia mais

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS Evandro Marcelo da Silva 1 - PUCPR Kauana Domingues 2 PUCPR Edinéia Aranha 3 Grupo de Trabalho Educação e Direitos Humanos Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM PSICOLOGIA do DESPORTO e do EXERCÍCIO PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Introdução à Psicologia do Desporto e Exercício

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular 0x08 graphic Programa de Unidade Curricular Faculdade de Arquitectura e Artes Mestrado Integrado em Arquitectura Unidade Curricular : PROJECTO III Recuperação Arqcª e Urbana Planeamento Urbano Semestres:

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História da Cultura e das Artes 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 724/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova:

Leia mais

ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR. Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo. coordenação / documentação Teresa Santos

ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR. Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo. coordenação / documentação Teresa Santos ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo coordenação / documentação Teresa Santos O Atelier-Museu Júlio Pomar é um espaço dedicado à conservação, ao estudo e

Leia mais

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes Soluções Web Centradas no Utilizador Ivo Gomes 1 Soluções Web Centradas no Utilizador Os interfaces gráficos foram desenvolvidos para dar controlo às pessoas sobre os seus computadores. Colmatar as necessidades

Leia mais

I ENCONTRO NACIONAL DAS EMPRESAS DO SECTOR DA CONSTRUÇÃO E IMOBILIÁRIO Lisboa, 5 de Junho de 2012

I ENCONTRO NACIONAL DAS EMPRESAS DO SECTOR DA CONSTRUÇÃO E IMOBILIÁRIO Lisboa, 5 de Junho de 2012 I ENCONTRO NACIONAL DAS EMPRESAS DO SECTOR DA CONSTRUÇÃO E IMOBILIÁRIO Lisboa, 5 de Junho de 2012 Intervenção do Presidente da Direcção da APEGAC Associação Portuguesa da Empresas de Gestão e Administração

Leia mais

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral MOTIVAÇÃO DE ALUNOS COM E SEM UTILIZAÇÃO DAS TIC EM SALA DE AULA Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE npmeneses@gmail.com Doutora Sónia Rolland Sobral UNIVERSIDADE PORTUCALENSE

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

NOTA INFORMATIVA. 3. Como se constata, as modificações introduzidas reconduzem-se aos seguintes aspectos:

NOTA INFORMATIVA. 3. Como se constata, as modificações introduzidas reconduzem-se aos seguintes aspectos: NOTA INFORMATIVA Face às notícias que tem vindo a ser publicadas na imprensa, relacionadas com alegadas dificuldades na obtenção da isenção de Imposto sobre Veículos (ISV) pelas pessoas portadores de deficiência,

Leia mais

MUSEU REVIEW _N E W S L E T T E R # 2 MUSEU REVIEW 1ªS ACÇÕES

MUSEU REVIEW _N E W S L E T T E R # 2 MUSEU REVIEW 1ªS ACÇÕES MUSEU REVIEW _N E W S L E T T E R # 2 O Museu Review é um museu portátil ligado ao cinema, criado no âmbito da cadeira de Design de Comunicação I, Faculdade de Belas Artes de Lisboa. Utilizaremos esta

Leia mais

E S C O L A S E C U N D Á R I A D A T R O F A 13 DE FEVEREIRO H I S T Ó R I A E C U L T U R A D A S A R T E S A NO L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5

E S C O L A S E C U N D Á R I A D A T R O F A 13 DE FEVEREIRO H I S T Ó R I A E C U L T U R A D A S A R T E S A NO L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5 E S C O L A S E C U N D Á R I A D A T R O F A VISITA DE ESTUDO A LISBOA 13 DE FEVEREIRO H I S T Ó R I A E C U L T U R A D A S A R T E S A NO L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5 R E L AT Ó R I O D E V I S I TA D

Leia mais

Lista de livros FUVEST:

Lista de livros FUVEST: Nome: Nº: Ano/Série: 9 Ano Disciplina: Língua Portuguesa Professor: Aliny Horvath Barbosa Orientação de Trabalho Bimestre: 3º Data: Os grandes vestibulares do Estado de São Paulo publicam, todo ano, uma

Leia mais

PARECER N.º 1O/CITE/91. Assunto: Anúncios de Emprego e outras formas de publicidade - Discriminação em função do sexo

PARECER N.º 1O/CITE/91. Assunto: Anúncios de Emprego e outras formas de publicidade - Discriminação em função do sexo PARECER N.º 1O/CITE/91 Assunto: Anúncios de Emprego e outras formas de publicidade - Discriminação em função do sexo I - Justificação - A discriminação no acesso ao emprego está ainda patente nos anúncios

Leia mais

DAS IMAGENS DAS TELAS ÀS IMAGENS VIVIDAS

DAS IMAGENS DAS TELAS ÀS IMAGENS VIVIDAS DAS IMAGENS DAS TELAS ÀS IMAGENS VIVIDAS Stella Maria Peixoto de Azevedo Pedrosa Doutoranda - Depto. Educação - PUC-Rio Isabel da Silva Lopes dos Santos Professora do Ensino Fundamental INTRODUÇÃO O projeto

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 )

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) Tendo iniciado no presente ano lectivo 2005/2006 o funcionamento da plataforma Moodle na Universidade Aberta, considerou-se

Leia mais

O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO

O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO Trabalho apresentado ao módulo Realismo (1960) ou Novo Realismo, como requisito parcial para obtenção do título de especialista do curso de História

Leia mais

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX História da Arte Profª Natalia Pieroni IDADE CONTEMPORÂNEA LINHA DO TEMPO - HISTORIOGRAFIA Período PRÉ-HISTÓRIA Origens do homem até 40000 a. C IDADE ANTIGA 40000

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS I. O domínio das Ciências Sociais Características dos factos sociais no conjunto da acção humana Determinação de factos sociais II. Conhecimento e explicação nas

Leia mais

GOIÂNIA RECEBE AS VACAS DA COWPARADE

GOIÂNIA RECEBE AS VACAS DA COWPARADE GOIÂNIA RECEBE AS VACAS DA COWPARADE PARTICIPE! CRIE SUA VACA Elas já foram vistas em Nova York, Londres, Tóquio, Praga e muitas outras cidades do mundo. Recentemente estrearam nas ruas de Porto Alegre

Leia mais

PLANEJAMENTO FEVEREIRO/MARÇO 2014

PLANEJAMENTO FEVEREIRO/MARÇO 2014 CENTRO EDUCACIONAL DA LAGOA PLANEJAMENTO FEVEREIRO/MARÇO 2014 PROJETO VENCER OU PERDER: O desafio da vida FEVEREIRO Valor do mês - AMIZADE Sentimento fiel de afeição, simpatia, estima ou ternura entre

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

Proposta de reformulação da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade ESMAE-IPP (aumento para 60 créditos)

Proposta de reformulação da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade ESMAE-IPP (aumento para 60 créditos) Proposta de reformulação da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade ESMAE-IPP (aumento para 60 créditos) Claire Binyon, Hugo Cruz e Sónia Passos 1. Evolução da Pós-Graduação em Teatro e Comunidade na ESMAE

Leia mais

Promovendo a Inclusão Digital Por Meio do Projeto Multiplicadores

Promovendo a Inclusão Digital Por Meio do Projeto Multiplicadores PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ACÕES AFIRMATIVAS RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES (AGOSTO/2009 A AGOSTO/2010) Promovendo a Inclusão Digital Por Meio do Projeto Multiplicadores Paulo Eduardo Boeira Capeller Dr(ª).

Leia mais

DESENHO EM FOTOGRAFIA

DESENHO EM FOTOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS FLÁVIO CAETANO DE SOUZA KARLA ROGGE JASTROW UILLIAN TRINDADE OLIVEIRA DESENHO EM FOTOGRAFIA VITÓRIA 2008 FLÁVIO CAETANO

Leia mais

Pr Além do Mare Nostrum Um Guia para a Navegação Romano no Atlântico. Articulação de conteúdos didáticos com as matérias das disciplinas escolares

Pr Além do Mare Nostrum Um Guia para a Navegação Romano no Atlântico. Articulação de conteúdos didáticos com as matérias das disciplinas escolares História e Geografia de Portugal 5º Ano (2º Ciclo do EB) Pr Além do Mare Nostrum Um Guia para a Navegação Romano no Atlântico Articulação de conteúdos didáticos com as matérias das disciplinas escolares

Leia mais

A HISTÓRIA QUE SE TEM E A HISTÓRIA QUE SE QUER: SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE O LIVRO "TERRA VERMELHA" EM SALA DE AULA

A HISTÓRIA QUE SE TEM E A HISTÓRIA QUE SE QUER: SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE O LIVRO TERRA VERMELHA EM SALA DE AULA 121 A HISTÓRIA QUE SE TEM E A HISTÓRIA QUE SE QUER: SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE O LIVRO "TERRA VERMELHA" EM SALA DE AULA Aline Apolinário Furtunato - linefurtunato@hotmail.com Cinthia Torres Aranha - cta.cinthia.torres@hotmail.com

Leia mais