LEGISLAÇÃO PERTINENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEGISLAÇÃO PERTINENTE"

Transcrição

1 PERÍCIAS E PERITOS O processo penal regula a intervenção do Estado e garante a execução da justiça por meios eficientes para isso. No processo se reúnem os meios para verificar e sanar uma lesão do direito. O processo pode ser criminal, civil, administrativo e trabalhista. O processo criminal brasileiro é misto e consta de: a - INQUÉRITO - onde se verifica a existência de um crime e se indica um culpado b - SUMÁRIO - onde se verifica o valor das provas colhidas c - JULGAMENTO - onde o juiz ou o júri exaram a sentença. No processo civil há várias modalidades. Os fatos apreciados pela autoridade judiciária podem ser de duas naturezas: a - TRANSEUNTE - os que desaparecem logo depois de produzidos, não deixando vestígios materiais, logo a sua apreciação é feita por depoimentos de testemunhas e por presunção b - PERMANENTE - deixam vestígios materiais, recorrendo-se aos técnicos habilitados para a caracterização e interpretação dos fenômenos existentes (PERITOS). No foro penal, a perícia médico-legal colabora com a investigação policial na sindicância e em qualquer fase do inquérito, assim como no sumário (esclarecimento de dúvidas do laudo), no julgamento (esclarecer fatos ou verificar a possibilidade de novas versões), e até mesmo após a sentença (surgimento de sinais ou sintomas de doença mental art. 682 do CPP). Oferece provas objetivas para a diligência policial e aumenta a credibilidade das subjetivas. Presta esclarecimentos à justiça criminal indiretamente, através da polícia e, diretamente, por despacho do magistrado; à justiça civil somente diretamente, por despacho do juiz (recrutado de preferência entre os peritos oficiais art. 434 do CPP); à justiça trabalhista, indiretamente, servindo-se da perícia do INAMPS, ou diretamente, através do perito do juízo. Nas medidas de segurança, ou na sua revogação, é indispensável o parecer médico-legal (Art. 97, 1 º a 3 º do C.P. e arts. 172 a 174 da Lei de Execução Penal). A perícia deve ser realizada sempre por peritos, para evitar erros ou interpretações dúbias. É preferível deixar de realizar uma perícia do que ser feita por pessoas incompetentes ou inedôneas. Na ausência da perícia, outros meios de prova podem levar o juiz a formar sua livre convicção. O perito precisa conhecer toda a legislação, todas as formalidades jurídicas referentes à sua função para que possa desempenhá-la bem. PERITOS - são pessoas habilitadas (conhecimento e experiência) em determinados assuntos, designados pela justiça, com a incumbência de ver e repetir fatos de natureza permanente, cujo esclarecimento é de interesse num processo. Todo profissional ou artista pode ser perito. Nas perícias médico legais o perito é um médico, pela própria natureza do exame a ser realizado (de qualquer especialidade). A lei de 28/03/94 determina que, não havendo peritos oficiais, o exame será feito por duas pessoas portadoras de curso superior, escolhidas de preferência as que tiverem habilitação técnica na área. Tratando-se de peritos oficiais, um será suficiente (RT 520/384): jurisprudência do STF - súmula 382 inquinando de nulidade o exame realizado por um só perito (Código de Processo Penal interpretado - Júlio Fabbrini Mirabete, 2a. ed./06/94, pág. 225). No caso dos peritos leigos ou louvados, é obrigatória a aceitação, na esfera criminal, quando nomeado pela autoridade policial ou judiciária, sob pena de crime de desobediência (CP art. 330), exceto se houver impedimentos justificáveis, p. ex., se o médico, nomeado perito leigo estiver de plantão, sendo o único plantonista, não poderá abandonar o Serviço sob pena de ser acusado de abandono de serviço e negligência com os pacientes internados). Na esfera civil ou trabalhista, o Juiz escolherá o perito de juízo, determinando o 1

2 local, o dia e a hora em que será realizada a perícia, assim como estipulará os honorários (normalmente, estes dados são determinados de comum acordo entre a Autoridade Judicial e o perito). PERÍCIA MÉDICA - é toda sindicância promovida por autoridade policial ou judiciária, a um ou mais peritos médicos, previamente nomeados e compromissados na forma das leis. A perícia deve ser realizada dentro do espaço de tempo mais curto possível desde a produção da infração, para evitar alterações das condições das lesões, pois as características podem ser alteradas pelo tempo decorrido (equimoses, hematomas, etc.), por condições atmosféricas (calor e frio...), por animais, por dolo ou culpa. FALSA PERÍCIA - é a afirmação contra a verdade, a negação da verdade ou o silêncio sobre a verdade. É crime previsto no art. 342 do CPB. IMPERÍCIA - é ignorância, falta de conhecimento técnico-científico, conduzindo a uma das formas de crime culposo previsto no art. 18, II do CPB. PERÍCIA CONTRADITÓRIA - quando existe divergência entre os dois peritos sobre um mesmo fato (art. 180 CPP). Alguns tipos de perícias: Criminais - lesões corporais, conjunção carnal, gravidez, ato libidinoso, insanidade mental, determinação de idade, identificação. Civis - avaliação da capacidade civil, determinação de paternidade, anulação de casamento, identificação. Trabalhista - condições de trabalho, acidente de trabalho, doenças profissionais. Previdenciária - visa avaliar a capacidade laborativa do segurado. Os peritos oficiais são funcionários do INAMPS. Administrativa - Os serviços públicos dos três poderes têm serviços próprios (junta médica), para resolver questões administrativas dos seus servidores: posse, licença, benefícios e aposentadorias. Nos casos de acidente de trabalho com morte, as perícias serão realizadas no IML. Segundo os tipos de perícias, são AUTORIDADES REQUISITANTES das mesmas: Magistrados, Representantes do poder público, Delegados de polícia, Comandantes militares, Chefias administrativas. LEGISLAÇÃO PERTINENTE: Civil - CPC arts. 33, 145 a 147, 420 a 439 Criminal - CPP arts. 158 a 184, além das alterações feitas pela Lei No /94 (dois peritos oficiais, retirou da autoridade policial o poder de determinar correções no laudo, tornou obrigatório o comparecimento ao local de crime - arts. 6, I e II, 159, 160, 164, 169 e 181 do CPP). Trabalhista - CLT e Normas de Direito Processual do Trabalho As perícias podem ser feitas em pessoas, cadáveres humanos, animais e coisas. Pessoas: determinação da idade, diagnóstico de doenças ou deficiência mental, de gravidez, de conjunção carnal, lesões corporais, etc. Cadáveres: realidade da morte, causa jurídica, cronotanatognose, lesões intra-vitam ou post-mortem, exumações, etc. Animais: lesões que eles produzem, ferimentos que podem apresentar, pegadas deixadas no local do crime, etc. Coisas: roupas, instrumentos, substâncias, pelos, etc. O periciando poderá recusar o exame - anotar e comunicar ao juiz. 2

3 CÓDIGO DE PROCESSO PENAL DO EXAME DO CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Art Quando a infração deixar vestígios, será indispensável o exame do corpo de delito, direto ou indireto, não podendo supri-lo a confissão do acusado. Art. 159 (LEI Nº , DE 9 JUNHO DE 2008). O exame de corpo de delito e outras perícias serão realizados por perito oficial, portador de diploma de curso superior. 1o Na falta de perito oficial, o exame será realizado por 2 (duas) pessoas idôneas, portadoras de diploma de curso superior preferencialmente na área específica, dentre as que tiverem habilitação técnica relacionada com a natureza do exame. 2o Os peritos não oficiais prestarão o compromisso de bem e fielmente desempenhar o encargo. 3o Serão facultadas ao Ministério Público, ao assistente de acusação, ao ofendido, ao querelante e ao acusado a formulação de quesitos e indicação de assistente técnico. 4o O assistente técnico atuará a partir de sua admissão pelo juiz e após a conclusão dos exames e elaboração do laudo pelos peritos oficiais, sendo as partes intimadas desta decisão. 5o Durante o curso do processo judicial, é permitido às partes, quanto à perícia: I requerer a oitiva dos peritos para esclarecerem a prova ou para responderem a quesitos, desde que o mandado de intimação e os quesitos ou questões a serem esclarecidas sejam encaminhados com antecedência mínima de 10 (dez) dias, podendo apresentar as respostas em laudo complementar; II indicar assistentes técnicos que poderão apresentar pareceres em prazo a ser fixado pelo juiz ou ser inquiridos em audiência. 6o Havendo requerimento das partes, o material probatório que serviu de base à perícia será disponibilizado no ambiente do órgão oficial, que manterá sempre sua guarda, e na presença de perito oficial, para exame pelos assistentes, salvo se for impossível a sua conservação. 7o Tratando-se de perícia complexa que abranja mais de uma área de conhecimento especializado, poder-se-á designar a atuação de mais de um perito oficial, e a parte indicar mais de um assistente técnico. Art Os peritos descreverão minuciosamente o que examinarem e responderão aos quesitos formulados. Parágrafo único - Se os peritos não puderem formar logo o juízo seguro ou fazer relatório completo do exame, ser-lhes-á concedido prazo de até 10(dez) dias. Em casos especiais, esse prazo poderá ser prorrogado, razoavelmente, a requerimento dos peritos. Art O exame de corpo de delito poderá ser feito em qualquer dia e a qualquer hora. Art A autópsia será feita pelos menos 6(seis) horas depois do óbito, salvo se os peritos, pela evidência dos sinais de morte, julgarem que possa ser feita entes daquele prazo, o que declararão no auto. Parágrafo único - Nos casos de morte violenta, bastará o simples exame externo do cadáver quando não houver infração penal que apurar, ou quando as lesões externas permitirem precisar a causa da morte e não houver necessidade de exame interno para verificação de alguma circunstância relevante. Art Os cadáveres serão, sempre fotografados na posição em que forem encontrados. Art Não sendo possível o exame do corpo de delito, por haverem desaparecido os vestígios, a prova testemunhal poderá suprir-lhe a falta. Art Em casos de lesões corporais, se o primeiro exame pericial tiver sido incompleto, proceder-se-á a exame complementar por determinação da autoridade policial ou judiciária, de ofício, ou a requerimento do Ministério Público, do ofendido ou do acusado, ou de seu defensor. 1o. - No exame complementar, os peritos terão presente o auto de corpo de delito, afim 3

4 de suprir-lhe a deficiência ou retificá-lo. 2o. - Se o exame tiver por fim precisar a classificação do delito no art. 129, 1o.,I, do Código Penal, deverá ser feito logo que decorra o prazo de 30 dias, contado da data do crime. Art Os peritos registrarão, no laudo, as alterações do estado das coisas e discutirão, no relatório, as consequências dessas alterações na dinâmica dos fatos. Art Serão sujeitos a exame os instrumentos empregados para a prática da infração, afim de lhes verificar a natureza e a eficiência. Art Se houver divergência entre os peritos, serão consignadas no auto do exame as declarações e respostas de um e de outro, ou cada um redigirá separadamente o seu laudo, a autoridade nomeará um terceiro; se este divergir de ambos, a autoridade poderá mandar proceder a novo exame por outros peritos. Art No caso de inobservância de formalidade ou no caso de omissões, obscuridade ou contradições, a autoridade judiciária mandará suprir a formalidade ou complementar ou esclarecer o laudo. Parágrafo único - A autoridade poderá também ordenar que se proceda a novo exame, por outros peritos, se julgar conveniente. Art O Juiz não ficará adstrito ao laudo, podendo aceitá-lo ou rejeitá-lo, no todo ou em parte. DOCUMENTOS MÉDICO-LEGAIS É o meio através do qual a marcha e o resultado final de uma perícia médica chegam ao conhecimento da autoridade solicitante. O médico, como perito em saúde, tem fé de ofício, e, qualquer papel assinado pelo mesmo, é considerado como documento médico, estando sujeito ao segredo profissional e à responsabilidade médica. Quando passa a ter interesse para a Justiça (civil, criminal ou trabalhista), é denominado de documento médico-legal. Podem ser escritos ou orais. TIPOS: a) NOTIFICAÇÃO - é a comunicação escrita obrigatória, por força legal, de um fato médico. Esta comunicação deve ser feita à autoridade competente, para que sejam tomadas as providências sanitárias, judiciárias ou sociais cabíveis: o acidentes de trabalho (Lei 5.316/67, art. 19); o moléstias infecto-contagiosas de notificação compulsória (CP, art. 269); o doenças profissionais e doenças do trabalho (CLT, art. 169); o morte encefálica comprovada em estabelecimento de saúde (Dec /67, art. 18); o crimes de ação pública (LCP, art. 66). b) ATESTADO - é a afirmação simples e por escrito de um fato médico e de suas consequências; é qualquer declaração efetuada por alguém capacitado por lei. No nosso caso, atestado médico somente o médico pode emitir esse documento; o que é declarado só pode estar relacionado com o trabalho médico, ou seja, o fornecimento 4

5 do atestado médico faz parte do ato ou tratamento médico. O Código de Ética Médica (CEM), no art. 112 e seu parágrafo único, diz: É vedado ao médico deixar de atestar atos executados no exercício profissional, quando solicitado pelo paciente ou seu representante legal. Parágrafo único: o atestado médico é parte integrante do ato ou tratamento médico, sendo o seu fornecimento direito inquestionável do paciente (grifo nosso), não importando em qualquer majoração dos honorários. É um delito de ação privada. Juridicamente o atestado médico é equivalente a atestado expedido por uma autoridade constituída, assim sendo, um atestado médico só poderá ser contestado por médico, ou mediante sindicância ou inquérito, onde também um ou mais médicos atuarão como peritos. O Código Penal Brasileiro (CPB), no seu art. 302, diz: Dar o médico, no exercício da sua profissão, atestado falso : Pena detenção, de um mês a um ano. Parágrafo único - se o crime é cometido com o fim de lucro,aplica-se também multa. Como vemos o ato de atestar é muito mais sério do que possa parecer. Podem ser: 1 - administrativos - exigidos por autoridade administrativa licença, aposentadoria, vacinação, sanidade física e mental 2 oficiosos - solicitados pelo interessado ou por seu representante legal, visa interesse privado 3 judiciários ou oficial - requisitados por autoridade judicial. O assunto será melhor discutido no capítulo da Tanatologia. c) RELATÓRIO - é a descrição minuciosa e por escrito de todas as etapas de uma perícia médica, requisitada por autoridade policial ou judiciária, a um ou mais peritos, previamente nomeados e compromissados na forma das leis. No foro criminal são dois os peritos, o que redige o documento é o relator, sendo e segundo o revisor. Pode ser AUTO: ditado para o escrivão ou LAUDO : redigido de próprio punho. Possui as seguintes partes: 1 - Preâmbulo - o perito escreverá o seu nome, os títulos de que é portador, o nome da autoridade que o nomeou, o motivo da perícia, o nome e a qualificação do paciente a ser examinado, local, dia e horas da realização da perícia. É uma espécie de introdução. 2 - Histórico corresponde a anamnese dos exames clínicos; narrar tudo que possa interessar sobre os comemorativos do fato, localizando-os no tempo e no espaço. Quando se trata de relatório de necropsia, o histórico, normalmente, é retirado do Registro da Ocorrência ou da Guia de Encaminhamento. O histórico pode conter, ainda, referências a laudos anteriores, se existirem (exame complementar). É aconselhável a iniciar com expressões como refere que..., afirma o(a) periciando(a) que..., para evitar comprometimento com o que for informado. Prestar atenção no exagero das queixas apresentadas, assim como simulação de doença mental. Nas necropsias, os dados da guia de remoção são transcritos e não endossados ( Ofício No. ou Guia de Remoção No., assinada pelo Bel.(a) ou Dr..., Cremepe..., que diz..., para evitar acusações de acobertar falsas versões. 3 - Descrição (visum et repertum) - parte mais importante do relatório; descrição minuciosa e precisa de todo o exame externo e interno. Expor com método e documentar com esquemas, desenhos, gráficos e fotografias. Quando se tratar de cadáver constar : sinais de morte, elementos que permitam estabelecer a identidade, exame das vestes, exame externo e interno. Evitar idéias ou hipóteses preconcebidas, para que o próprio perito, ou outro, discutam outras possibilidades diagnósticas. Lembrar-se que a descrição não poderá ser refeita com a mesma riqueza de detalhes ( processos cicatriciais, 5

6 inflamatórios, fenômenos cadavéricos). O primeiro exame é sempre o mais importante, quando é feita uma boa descrição. 4 - Discussão - o perito fará os seus diagnósticos, externará a sua opinião, transcreverá os ensinamentos dos melhores autores e mostrará as vantagens e desvantagens dos diversos critérios e opiniões sobre o fato. Os dados do histórico são comparados com os achados do exame objetivo e, algumas vezes, quando surge discrepâncias, os dados são analisados sob novos ângulos, sendo necessário estudos mais detalhados e exames complementares. 5 - Conclusões - o perito deverá sintetizar o seu ponto de vista, baseando-o sempre em elementos objetivos e comprovados seguramente. Afirmar somente o que puder demonstrar cientificamente. Se houver mais de uma possibilidade quanto ao que ocorreu, deve mencionar cada uma das alternativas e a probabilidade de acerto. O perito não julga, ele esclarece, demonstra, ilumina. As conclusões podem ser afirmativas ou negativas. Quando não for possível firmar uma conclusão, o perito deverá referir que não tem elementos para afirmar ou negar; a impossibilidade de concluir já é uma conclusão. 6 - Quesitos perguntas cuja finalidade é a caracterização de fatos relevantes que deram origem ao processo. As respostas devem ser claras e sucintas, o mais possível concludente, não pode permitir interpretação duvidosa. Todos os quesitos devem ser respondidos, preferencialmente monossilábicos (sim/não) ou a afirmação de que a perícia não tem condições de esclarecer a dúvida levantada. No foro penal são padronizados para caracterização de um fato típico. O quesito: Se a morte foi produzida por meio de veneno, fogo, explosivo, asfixia ou tortura, ou por outro meio insidioso ou cruel, tem a finalidade de estabelecer as formas de homicídio qualificado, entretanto, nem sempre o perito tem elementos para determinar a causa jurídica da morte, sendo preferível responder como prejudicado e aguardar uma consulta posterior. Não existem quesitos oficiais no foro cível. d) CONSULTA - esclarecimento requisitado em consequência de duvidas ou omissões de ordem médica, sendo necessário ouvir a opinião de um mestre da medicina legal ou de uma instituição renomada. Deve ser feita com clareza e por escrito, devendo vir acompanhada de tudo que for pertinente ao caso, para facilitar o trabalho do especialista consultado (exames médico-legais, laudos, decisões judiciais e os próprios autos processuais). Pode ser solicitada pela Autoridade ou mesmo por outro perito, com a finalidade de complementar o seu laudo. e) PARECER - opinião pessoal sobre determinados fatos médicos; vale pelo prestígio e conceito. O especialista ou a instituição consultada responderão baseados nos dados fornecidos, sem qualquer grau de parcialidade. Deve ser feita de modo claro e lógico, fundamentada em citações de autores consagrados visando evitar futuras contestações. O valor e credibilidade do parecer dependerá do prestígio, bom conceito, renome científico e moral usufruído por aquele que o emite (parecerista). Trata-se de documento particular, unilateral, que não exige compromisso legal do parecerista, donde que nunca se possa enquadrar como falsa perícia. Consta das seguintes partes: 1 - Preâmbulo qualificação da autoridade solicitante, do parecerista com seus títulos, o número do processo e da vara criminal ou civil correspondente. 2 - Exposição o motivo da consulta, transcrição dos quesitos formulados e o histórico cronológico dos fatos do caso a ser analisado. 3 - Discussão parte mais importante de um parecer. Aqui, o parecerista deve demonstrar a sua cultura, capacidade de análise e poder de argumentação; são apontados os pontos falhos da perícia, sem excessos de linguagem para não ferir a ética. 4 - Conclusões síntese dos pontos relevantes da discussão, clara e sucinta. Podem ser colocadas `a medida que são respondidos os quesitos. 6

7 f) DEPOIMENTO ORAL - opinião pessoal sobre determinados fatos médicos; vale pelo prestígio e conceito. O especialista ou a instituição consultada responderão baseados nos dados fornecidos, sem qualquer grau de parcialidade. Deve ser feita de modo claro e lógico, fundamentada em citações de autores consagrados visando evitar futuras contestações. 7

8 LEI Nº , DE 9 JUNHO DE Altera dispositivos do Decreto-Lei no 3.689, de 3 de outubro de 1941 Código de Processo Penal, relativos à prova, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o Os arts. 155, 156, 157, 159, 201, 210, 212, 217 e 386 do Decreto-Lei no 3.689, de 3 de outubro de 1941 Código de Processo Penal, passam a vigorar com as seguintes alterações: Art O juiz formará sua convicção pela livre apreciação da prova produzida em contraditório judicial, não podendo fundamentar sua decisão exclusivamente nos elementos informativos colhidos na investigação, ressalvadas as provas cautelares, não repetíveis e antecipadas. Parágrafo único. Somente quanto ao estado das pessoas serão observadas as restrições estabelecidas na lei civil. (NR) Art A prova da alegação incumbirá a quem a fizer, sendo, porém, facultado ao juiz de ofício: I ordenar, mesmo antes de iniciada a ação penal, a produção antecipada de provas consideradas urgentes e relevantes, observando a necessidade, adequação e proporcionalidade da medida; II determinar, no curso da instrução, ou antes de proferir sentença, a realização de diligências para dirimir dúvida sobre ponto relevante. (NR) Art São inadmissíveis, devendo ser desentranhadas do processo, as provas ilícitas, assim entendidas as obtidas em violação a normas constitucionais ou legais. 1o São também inadmissíveis as provas derivadas das ilícitas, salvo quando não evidenciado o nexo de causalidade entre umas e outras, ou quando as derivadas puderem ser obtidas por uma fonte independente das primeiras. 2o Considera-se fonte independente aquela que por si só, seguindo os trâmites típicos e de praxe, próprios da investigação ou instrução criminal, seria capaz de conduzir ao fato objeto da prova. 3o Preclusa a decisão de desentranhamento da prova declarada inadmissível, esta será inutilizada por decisão judicial, facultado às partes acompanhar o incidente. 4o (VETADO) Art O exame de corpo de delito e outras perícias serão realizados por perito oficial, portador de diploma de curso superior. 1o Na falta de perito oficial, o exame será realizado por 2 (duas) pessoas idôneas, portadoras de diploma de curso superior preferencialmente na área específica, dentre as que tiverem habilitação técnica relacionada com a natureza do exame. 2o Os peritos não oficiais prestarão o compromisso de bem e fielmente desempenhar o encargo. 3o Serão facultadas ao Ministério Público, ao assistente de acusação, ao ofendido, ao querelante e ao acusado a formulação de quesitos e indicação de assistente técnico. 4o O assistente técnico atuará a partir de sua admissão pelo juiz e após a conclusão dos exames e elaboração do laudo pelos peritos oficiais, sendo as partes intimadas desta decisão. 5o Durante o curso do processo judicial, é permitido às partes, quanto à perícia: I requerer a oitiva dos peritos para esclarecerem a prova ou para responderem a quesitos, desde que o mandado de intimação e os quesitos ou questões a serem esclarecidas sejam encaminhados com antecedência mínima de 10 (dez) dias, podendo apresentar as respostas em laudo complementar; II indicar assistentes técnicos que poderão apresentar pareceres em prazo a ser fixado 8

9 pelo juiz ou ser inquiridos em audiência. 6o Havendo requerimento das partes, o material probatório que serviu de base à perícia será disponibilizado no ambiente do órgão oficial, que manterá sempre sua guarda, e na presença de perito oficial, para exame pelos assistentes, salvo se for impossível a sua conservação. 7o Tratando-se de perícia complexa que abranja mais de uma área de conhecimento especializado, poder-se-á designar a atuação de mais de um perito oficial, e a parte indicar mais de um assistente técnico. 9

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 155. No juízo penal, somente quanto ao estado das pessoas, serão observadas as restrições à prova estabelecidas na lei civil. Art. 156. A prova da

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial.

Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial. Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial. Perícia: na falta do conhecimento especializado ao juiz, este indica um técnico que possa fazer o exame dos fatos objeto

Leia mais

PARECER CREMEC nº 19/2013 20/09/2013

PARECER CREMEC nº 19/2013 20/09/2013 PARECER CREMEC nº 19/2013 20/09/2013 PROCESSO-CONSULTA Protocolo CREMEC nº 6924/2013 INTERESSADO: Médico Perito Legista ASSUNTO: CAUSA MORTIS INDETERMINADA PARECERISTA: DR. HELVÉCIO NEVES FEITOSA DA CONSULTA

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDOS PERICIAIS EM MEDICINA DO TRABALHO

GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDOS PERICIAIS EM MEDICINA DO TRABALHO GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDOS PERICIAIS EM MEDICINA DO TRABALHO 1ª edição 2002 2ª edição 2011 3ª edição 2014 ANTONIO BUONO NETO Médico Especialista em Medicina do Trabalho pela AMB. Ex-Presidente

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 Regula o Direito de Representação e o Processo de Responsabilidade Administrativa Civil e Penal, nos casos de abuso de autoridade. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

Responsabilidade em saúde

Responsabilidade em saúde Responsabilidade em saúde Cível:obrigação de indenização indene de prejuízo Constituição Federal/Código civil/cdc Elementos de responsabilidade Autor Ato Culpa Dano Nexo causal CÓDIGO CIVIL Art. 186 Aquele

Leia mais

Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes.

Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes. 1. O que significa a sigla CPC? Código Processo Civil (determina normas da Perícia) 2. Como definir a perícia? A perícia é a prova pericial que demonstra um conjunto de procedimentos técnicos e científicos

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL AÇÃO PENAL PÚBLICA tem início através de uma peça que se chama denúncia. Essa é a petição inicial dos crimes

Leia mais

Aspectos Éticos da Perícia do Erro Médico

Aspectos Éticos da Perícia do Erro Médico Aspectos Éticos da Perícia do Erro Médico Prof. Dr. Hermes de Freitas Barbosa Centro de Medicina Legal Departamento de Patologia e Medicina Legal Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de

Leia mais

2 Relatório Médico-legal

2 Relatório Médico-legal 2 Relatório Médico-legal Carlos Ehlke Braga Filho-médico legista O relatório médico-legal é a narração escrita e minuciosa de todas as operações de uma perícia médica, determinada por autoridade policial

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei n o 5.869, de 11 de janeiro de 1973

Leia mais

Seção 20 Da Gravação de Audiências

Seção 20 Da Gravação de Audiências Seção 20 Da Gravação de Audiências 2.20.1 Nas audiências criminais, salvo impossibilidade material momentânea, devidamente anotada em ata, o registro dos depoimentos do investigado, do indiciado, do ofendido

Leia mais

Programa de Educação Médica Continuada ATESTADO MÉDICO. Dr. Osvaldo M. Takayanagui Delegado CREMESP

Programa de Educação Médica Continuada ATESTADO MÉDICO. Dr. Osvaldo M. Takayanagui Delegado CREMESP Programa de Educação Médica Continuada ATESTADO MÉDICO Dr. Osvaldo M. Takayanagui Delegado CREMESP Documento de fé pública, é parte integrante do atendimento e tem como função confirmar a veracidade de

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 Capítulo I PROVAS... 13 1. Introdução... 13 2. Das provas aspectos gerais (arts. 155 a 157 do CPP)... 13 3. Ônus da prova, provas antecipadas e provas de ofício... 14 4. Prova

Leia mais

2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL

2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL 2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL O inquérito policial é um procedimento (não é processo) que tem por escopo a produção de provas, tudo para abalizar a denúncia (se for o caso) do membro do Ministério Público.

Leia mais

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES PARTE II INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS: ART. 112 CPP- DUAS HIPÓTESES: ABSTENÇÃO: ARGUIÇÃO PELA PARTE: PROCESSO ESTABELECIDO PARA EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO. ART. 252 E 253

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL

SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL FASE INICIAL DA PERÍCIA FASE INICIAL DA PERÍCIA DEFERIMENTO DA PROVA PERICIAL N Ã O NOMEAÇÃO DO PERITO SIM A C E I T A

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) Altera os arts. 161, 162, 164, 165, 169 e 292 do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941- Código

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou?

Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? CÓDIGO DE ÉTICA Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? Ruth Virgolino Chefe da DIPOC/DIRSAT/INSS CÓDIGO DE ÉTICA NOVO CÓDIGO DE ÉTICA E A PERÍCIA MÉDICA DO INSS Código de

Leia mais

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 14/10/2015) Interessado: Dr. M. F. C. N Expedientes n.º 8771/2015 Assunto: Análise jurídica. Perícia médico-legal em vítimas de violência

Leia mais

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas?

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A consultoria médico-legal e as perícias em seguros de pessoas revestem-se de grande importância na regulação dos benefícios

Leia mais

PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação

PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação Eduardo Assis Módulo IV Tema 2 Colaboração: EDUARDA DE MELO ASSIS OAB 127.502 1- Generalidades Quando a prova de determinados fatos alegados pelas partes depender de conhecimentos

Leia mais

A INTIMAÇÃO DO ADVOGADO CONSTITUÍDO PELO RÉU DAS DECISÕES

A INTIMAÇÃO DO ADVOGADO CONSTITUÍDO PELO RÉU DAS DECISÕES A INTIMAÇÃO DO ADVOGADO CONSTITUÍDO PELO RÉU DAS DECISÕES NO PROCESSO PENAL ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado e advogado I A INTIMAÇÃO DA SENTENÇA AO RÉU DISSONÂNCIA DA DOUTRINA

Leia mais

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia.

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia. Escrivao P.F Nível Superior DISCIPLINA:D.Proc.Penal Professor: Guilherme Madeira Aula 01 MATERIAL DE APOIO Processo Penal Professor Madeira Dicas: -Apenas caderno e lei na reta final! -Fazer uma prova

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no âmbito da Justiça Federal. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ÓBITO Código de Ética Médica (CEM sendo o seu fornecimento direito inquestionável do paciente A Declaração de óbito (DO),

DECLARAÇÃO DE ÓBITO  Código de Ética Médica (CEM sendo o seu fornecimento direito inquestionável do paciente A Declaração de óbito (DO), 1 DECLARAÇÃO DE ÓBITO Atestado é qualquer declaração efetuada por alguém capacitado por lei, podendo ser documento público ou particular, oficial (requisitado por autoridade judicial) ou oficioso (solicitado

Leia mais

Momento ético Prontuário Médico

Momento ético Prontuário Médico Momento ético Prontuário Médico Luiz Antonio da Costa Sardinha Conselheiro Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo PRONTUÁRIO MÉDICO Tem um morto no plantão. Por onde iniciar História Tudo

Leia mais

DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL

DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL * Da Carteira de Trabalho e Previdência Social Art. 13 - A Carteira de Trabalho e Previdência Social é obrigatória para o exercício de qualquer emprego, inclusive de natureza

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 07 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a vida; ; Homicídio simples Art. 121 CP. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. Vigência Regulamento Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no

Leia mais

IV Seminário Paulista de Perícias Judiciais

IV Seminário Paulista de Perícias Judiciais IV Seminário Paulista de Perícias Judiciais 26 de agosto de 2011 / IBAPE-SP Painel 1: O Perito Judicial e a Justiça Gratuita Dr. Sandro Rafael Barbosa Pacheco I Disposições Gerais. Dispositivos aplicados

Leia mais

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008 XIº FEMESC Fraiburgo PERÍCIA MÉDICA M ASPECTOS ÉTICOS Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES Maio 2008 OU COMO EVITAR PROBLEMAS COM O CRM NA REALIZAÇÃO DE UMA PERICIA MÉDICA PERÍCIA MÉDICAM PERÍCIA MÉDICA M Do

Leia mais

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC:

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC: Aulas Completas a partir de 10 de Agosto 2011, a saber: 1 Perícia (Continuação) 2 Prova Pericial 3 Perito 4 Inspeção judicial OBJETO DA PERÍCIA artigo 145 do CPC: Quando a prova do fato depender de conhecimento

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

A INDISPENSABILIDADE DO ESTUDO DA CRIMINALÍSTICA E DA MEDICINA LEGAL NO CURSO DE DIREITO

A INDISPENSABILIDADE DO ESTUDO DA CRIMINALÍSTICA E DA MEDICINA LEGAL NO CURSO DE DIREITO 1 A INDISPENSABILIDADE DO ESTUDO DA CRIMINALÍSTICA E DA MEDICINA LEGAL NO CURSO DE DIREITO Valquíria Belomo 1 RESUMO Com o fito do esclarecimento dos fatos e a demonstração da verdade, as provas periciais

Leia mais

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PEÇA D E S P A C H O 1. Autue-se o Auto de Prisão em Flagrante; 2. Dê-se o recibo de preso ao condutor; 3. Autue-se o Auto de Apresentação

Leia mais

Art. 1.776. Havendo meio de recuperar o interdito, o curador promover-lhe-á o tratamento em estabelecimento apropriado.

Art. 1.776. Havendo meio de recuperar o interdito, o curador promover-lhe-á o tratamento em estabelecimento apropriado. INTERDIÇÃO 1) CÓDIGO CIVIL Art. 1.767. Estão sujeitos à curatela: I aqueles que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário discernimento para os atos da vida civil; II aqueles que,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA CÓDIGO PENAL Artigo 154. Revelar alguém, sem justa causa, segredo, de que tem ciência em razão de função, ministério, ofício ou profissão, e cuja revelação possa produzir dano a outrem: Pena detenção,

Leia mais

PARTE EXPOSITIVA. SGAS 915 Lote 72 CEP: 70390-150 Brasília-DF FONE: (61) 3445 5900 FAX: (61) 3346 0231 http://www.portalmedico.org.

PARTE EXPOSITIVA. SGAS 915 Lote 72 CEP: 70390-150 Brasília-DF FONE: (61) 3445 5900 FAX: (61) 3346 0231 http://www.portalmedico.org. PROCESSO-CONSULTA CFM nº 9.936/10 PARECER CFM nº 15/12 INTERESSADO: INSS Instituto Nacional do Seguro Social ASSUNTO: Registro e comunicação de afastamento e/ou substituição de diretor técnico e clínico

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N.º 178/96

RESOLUÇÃO CFN N.º 178/96 RESOLUÇÃO CFN N.º 178/96 INSTITUI O CÓDIGO DE PROCESSAMENTO DISCIPLINAR PARA O NUTRICIONISTA HABILITADO (INSCRITO NO CONSELHO) O Conselho Federal de Nutricionistas (CFN) no uso das atribuições que lhe

Leia mais

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA TAESP Arbitragem & O Mediação, com sede nesta Capital do Estado de São Paulo, na Rua Santa Isabel, 160 cj.43, nos termos dos Artigos 5º, 13, 3º e 21 da Lei 9.307/96, edita o presente REGULAMENTO PARA PROCEDIMENTOS

Leia mais

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE PROMOTOR DE JUSTIÇA ASSESSOR DO CENTRO DE APOIO OPERACIONAL CRIMINAL DO MINISTÉRIO PUBLICO

Leia mais

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos.

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos. Consultas à Defesa Anualmente, o Departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) realiza cerca de mil atendimentos, esclarecendo dúvidas sobre uma série de assuntos e garantindo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CREMESC -

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CREMESC - 1 Consulta Nº: 2148/12 Consulente: G. G. G. Conselheiro: Rodrigo Bertoncini Ementa: A responsabilidade pelas atividades médicas em um hospital, qualquer que seja seu porte, é do Diretor Técnico e a responsabilidade

Leia mais

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMENTÁRIOS DA PROVA Questões da prova de Oficial de Justiça PJ-H/2014 Questão 48 (art. 325) Questão 47 (art. 312 parágrafo segundo) QUESTÃO 48 - GABARITO: D QUESTÃO 47 - GABARITO: C CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PROVAS (Arts. 155 ao 250 do CPP)

PROVAS (Arts. 155 ao 250 do CPP) PROVAS (Arts. 155 ao 250 do CPP) Professor Gladson Miranda www.gladsonmiranda.jur.adv.br Objeto O objeto das provas abrange o fato criminoso e sua autoria, todas as circunstâncias objetivas e subjetivas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA 1) A prova terá duração máxima de 3 horas. 2) Cada questão possui apenas uma resposta correta e, a marcação de mais de uma assertiva, implicará em sua nulidade. 3) Durante

Leia mais

Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999

Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO CORREGEDORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999 Dispõe sobre proteção e defesa do usuário do serviço público do Estado de São Paulo e dá outras

Leia mais

GABARITO SIMULADO WEB 1

GABARITO SIMULADO WEB 1 GABARITO SIMULADO WEB 1 PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL No dia 10 de outubro de 2014, Caio, na condução de um ônibus, que fazia a linha Centro Capão Redondo, agindo com imprudência, realizou manobra

Leia mais

PROCESSO PENAL - DPU. PONTO 1: Inquérito policial. PONTO 2: Ação Penal

PROCESSO PENAL - DPU. PONTO 1: Inquérito policial. PONTO 2: Ação Penal PROCESSO PENAL aula I Professor: David Data: 20.01.1020 PONTO 1: Inquérito policial PONTO 2: Ação Penal Artigos 4º a 23º do CPP 1. CONCEITO/NATUREZA. Trata-se de espécie de procedimento administrativo,

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 7331/2014 ASSUNTO: ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO PERITO E DO AUXILIAR DE NECROPSIA. PARECERISTA: CONSELHEIRO JOSÉ AJAX NOGUEIRA QUEIROZ

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Parecer 006/2015 CREFITO-4

Parecer 006/2015 CREFITO-4 Parecer 006/2015 CREFITO-4 ASSUNTO: Parecer do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 4ª Região acerca do prontuário fisioterapêutico e/ou multidisciplinar do paciente e do direito

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO. Repercussão Trabalhista, Previdenciária, Cível e Penal

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO. Repercussão Trabalhista, Previdenciária, Cível e Penal SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Repercussão Trabalhista, Previdenciária, Cível e Penal ÓBITOS NO MUNDO METODOLOGIA OIT BRASIL - 2009 92,7 milhões 2.496 ÓBITOS 2,693 BRASIL - 2008 92,4 milhões 2.817 ÓBITOS

Leia mais

Autores: Felipe Campoi Borguetti (2), Daniel Esteban (3), Adaíse Malvezzi Mendes (4),

Autores: Felipe Campoi Borguetti (2), Daniel Esteban (3), Adaíse Malvezzi Mendes (4), AS INFRAÇÕES ÉTICO-PROFISSIONAIS E OS MÉDICOS DENUNCIADOS QUE EXERCEM MEDICINA DO TRABALHO NO ESTADO DE SÃO PAULO(1) Estudo iniciado por estudante de medicina, no ano de 2007 e concluído no ano de 2009

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA 8ª. VARA

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA 8ª. VARA PORTARIA JEF/PB/8ª Vara n.º 01/2010 Dra. Cíntia Menezes Brunetta, Juíza Federal titular da 8ª Vara da Seção Judiciária da Paraíba, com sede em Sousa, no uso de suas atribuições e o Dr. Orlan Donato Rocha

Leia mais

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br AULA 01 O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Conflito de interesses - duas pessoas possuem interesse sobre o mesmo bem

Leia mais

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça.

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 11 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Foro por Prerrogativa de Função; Conexão e Continência. 3.5 Foro por Prerrogativa de Função: b) Juízes

Leia mais

O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto

O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto I - INTRODUÇÃO: O presente artigo, está sendo escrito, imaginando

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL.

EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL. EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL. 1.José foi inserido em medida sócio-educativa de internação, com prazo indeterminado. Durante o cumprimento da medida sócio-educativa, já tendo completado dezoito anos, praticou

Leia mais

[Aguarda cumprimento de procedimentos legais para a entrada em vigor.]

[Aguarda cumprimento de procedimentos legais para a entrada em vigor.] [Aguarda cumprimento de procedimentos legais para a entrada em vigor.] TRATADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DO SURINAME SOBRE ASSISTÊNCIA JURÍDICA MÚTUA EM

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PROCESSUAL PENAL 1 DIREITO PROCESSUAL PENAL PONTO 1: Prova Pericial PONTO 2: Interrogatório PONTO 3: Confissão PONTO 4: Prova testemunhal PONTO 5: Reconhecimento de pessoas e coisas PONTO 6: Acareação PONTO 7: Prova documental

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo Maratona Fiscal ISS Direito administrativo 1. É adequada a invocação do poder de polícia para justificar que um agente administrativo (A) prenda em flagrante um criminoso. (B) aplique uma sanção disciplinar

Leia mais

A p s e p c e t c os o s Ju J r u ídi d co c s o s n a n V n e t n ilaç a ã ç o ã o M ec e â c n â i n ca

A p s e p c e t c os o s Ju J r u ídi d co c s o s n a n V n e t n ilaç a ã ç o ã o M ec e â c n â i n ca Aspectos Jurídicos na Ventilação Mecânica Prof. Dr. Edson Andrade Relação médico-paciente Ventilação mecânica O que é a relação médico-paciente sob a ótica jurídica? Um contrato 1 A ventilação mecânica

Leia mais

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto A Lei que instituiu o processo judicial informatizado, em vigor desde março de 2007, aplica-se indistintamente aos processos civil, penal,

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS S u m á r i o 1. Portaria instauradora de processo administrativo disciplinar e sindicância contraditória...

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO. Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO

CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO. Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO Art. 1.º O Conselho Nacional do Trabalho, com sede na Capital da República e jurisdição em todo

Leia mais

PROVA DE DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PERÍODO VESPERTINO CADERNO DE QUESTÕES ORIENTAÇÕES GERAIS

PROVA DE DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PERÍODO VESPERTINO CADERNO DE QUESTÕES ORIENTAÇÕES GERAIS XXXIX CONCURSO DE INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROVA DE DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PERÍODO VESPERTINO CADERNO DE QUESTÕES ORIENTAÇÕES GERAIS 1 Mantenha seu documento de identificação

Leia mais

CONSULTA Nº 91.404/2012

CONSULTA Nº 91.404/2012 1 CONSULTA Nº 91.404/2012 Assunto: Dificuldades com internações de pacientes dependentes químicos, encaminhados por ordem judicial Relator: Conselheiro Mauro Gomes Aranha de Lima. Ementa: Hospital psiquiátrico.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE Curitiba, 21 de novembro de 2012 CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver conflito de interesses na apresentação desta palestra, sendo que

Leia mais

Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec"

RtgukfípekcfcTgrûdnkec Página 1 de 8 Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec" Ecuc"Ekxkn" Uudejghkc"rctc"Cuuupvqu"Lutîfkequ NGK"P "340625."FG"6"FG"OCKQ"FG"42330 Vigência Altera dispositivos do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Durante o carnaval do ano de 2015, no mês de fevereiro, a família de Joana resolveu viajar para comemorar o feriado, enquanto Joana, de 19 anos, decidiu ficar em

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS Os Juizados Especiais foram criados para atender; de uma forma rápida e simples, problemas cujas soluções podem ser buscadas por qualquer cidadão. Antes deles,

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo ESPÉCIES DE PRISÃO: 1. P. Penal sentença condenatória transitada em julgado 2. P. Processuais, cautelares ou provisórias antes da formação da culpa

Leia mais

MANUAL DE SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA

MANUAL DE SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA MANUAL DE SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA Diretora Geral das IES Promove de BH e de MG e Inforium: Profª.Tânia Raquel de Queiroz Muniz Diretor Geral das IES Kennedy e Alberto Deodato: Prof. João Evangelista

Leia mais

Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências.

Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. LEI N 9.434-4 de Fevereiro de 1997 Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber

Leia mais

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto:

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto: P rezados concursandos, Neste encontro, vamos estudar alguns itens de um ponto que tem provocado grande apreensão nos candidatos que participarão do concurso do ICMS do Estado do Ceará. Trata se do tópico

Leia mais

OAB. INCIDENTES PROCESSUAIS Breve Conceito: matérias que devem ser resolvidas antes do julgamento da causa principal.

OAB. INCIDENTES PROCESSUAIS Breve Conceito: matérias que devem ser resolvidas antes do julgamento da causa principal. INCIDENTES PROCESSUAIS Breve Conceito: matérias que devem ser resolvidas antes do julgamento da causa principal. 1) QUESTÕES PREJUDICIAIS: versam sobre direito material (penal ou extrapenal) e que devem

Leia mais

Karoline Cardoso Villaça 1 Cristian Kiefer da Silva 2 Banca Examinadora 3

Karoline Cardoso Villaça 1 Cristian Kiefer da Silva 2 Banca Examinadora 3 CAPACITAÇÃO TÉCNICA DE POLICIAIS SEM CURSO SUPERIOR PARA PERÍCIA DE POTENCIALIDADE DE ARMA DE FOGO:flexibilização do artigo 159 1º do Código e Processo Penal Karoline Cardoso Villaça 1 Cristian Kiefer

Leia mais

A Identificação e o Registro Profissional do Trabalhador

A Identificação e o Registro Profissional do Trabalhador 1 A Identificação e o Registro Profissional do Trabalhador 1 - A identificação e o Registro Profissional do Trabalhador 1.1 Introdução 1.2 - Como adquirir 1.3 - O modelo 1.4 - A emissão 1.5 - A obrigatoriedade

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Coordenadoria Estadual dos Juizados Especiais

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Coordenadoria Estadual dos Juizados Especiais ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Coordenadoria Estadual dos Juizados Especiais ENUNCIADOS DO FEJESC Fórum Estadual dos Juizados Especiais E Encontro de Turmas Recursais ENUNCIADOS CÍVEIS Nº

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann DAS PROVAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann DAS PROVAS DAS PROVAS Comprovação das alegações - art. 848, CLT Princípios: a) Princípio do contraditório e ampla defesa direito fundamental de se manifestar reciprocamente sobre as provas apresentadas, bem como,

Leia mais

SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ PARA ESTUDANTES DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7

SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ PARA ESTUDANTES DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ PARA ESTUDANTES DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 A FACULDADE 7 DE SETEMBRO, através do NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA,

Leia mais