4 - Seu Curso Informações Específicas sobre o Curso Histórico Objetivos Específicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Histórico. 4.1.3 - Objetivos Específicos"

Transcrição

1 4 - Seu Curso Informações Específicas sobre o Curso Histórico A Universidade Federal de Uberlândia, num esforço coletivo liderado pela atual gestão vem trabalhando na excelência de ensino, bem como na ampliação da oferta de vagas e de cursos, tanto na graduação, quanto na pós-graduação, amparados pela proposta de expansão de vagas do governo federal do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais - REUNI. Com o Reuni veio à criação de novos cursos, dentre eles o de fisioterapia. Foram então realizados todos os trâmites legais e operacionais para a criação do curso de fisioterapia. O curso de graduação de fisioterapia, modalidade bacharelado, com período integral, com oferecimento de 60 vagas anuais, ofertadas a partir do ano letivo de O curso foi aprovado sob a resolução nº 27/2008 do Conselho Universitário, em sua reunião realizada aos 19 dias do mês de setembro do ano de 2008, tendo em vista a aprovação do parecer 66/ 2008 de um dos seus membros. E em dezembro de 2008, foi realizado o processo de seleção de dois professores. A importância do curso de fisioterapia para a Universidade, bem como para a população são muito claros, o cumprimento da função moral, ética e social. Hoje a fisioterapia ocupa lugar de destaque em vários locais. No hospital sua função primordial está na prevenção de distúrbios cardiocirculatórios e pulmonares, sabe-se hoje que, o gasto pelo tempo prolongado de internação, uso de antibióticos, e complicações inerentes ao imobilismo são altos, a outra função é o tratamento das complicações, tanto respiratórias, cardiovasculares, osteomusculares e neurológicas. O ambulatório será a continuação do tratamento, também com profissionais competentes visando a reabilitação mais precoce possível. A criação do curso de Fisioterapia irá ampliar o quadro de servidores, bem como a expansão do campus Educação Física. Será utilizada a infra-estrutura existente, bem como a necessidade de ampliação de laboratórios, clínica de fisioterapia e salas de aula Objetivo Geral Capacitar o futuro profissional para o exercício de competências e habilidades gerais de atenção à saúde, tomada de decisões, comunicação, liderança, administração e gerenciamento, e educação permanente relacionados à prática da Fisioterapia. Se objetiva também, a preparar o aluno para ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação, tanto individual como coletiva, com alto padrão de qualidade e princípios éticos e de responsabilidade profissional Objetivos Específicos Para os profissionais formados no Curso de Graduação em Fisioterapia da Faculdade de Educação Física da UFU, espera-se que sua inserção no campo de trabalho seja orientada pela busca de melhoria na qualidade de humanização nos atendimentos prestados a comunidade:! Possibilitar a apropriação de conhecimentos biológicos, humanos e sociais, biotecnológicos e fisioterapêuticos que fundamentem a promoção, proteção, prevenção e recuperação em Fisioterapia;! Possibilitar a compreensão do indivíduo de forma integral em todas as dimensões de sua humanidade, considerando-se as circunstâncias éticas, políticas, sociais, econômicas, ambientais e biológicas porventura envolvidas;! Desenvolver o domínio de técnicas de intervenção exclusivas à sua atuação profissional e ferramentas voltadas para a ação profissional no âmbito coletivo, hospitalar e clínico, submetidos à atualização continuada, responsável e sistematizada;! Desenvolver o respeito à ética nas relações com clientes e usuários, com colegas, com o público e na produção e divulgação de pesquisas, trabalhos e informações na área da Fisioterapia;! Desenvolver a habilidade de atuar multiprofissionalmente e em diferentes contextos;! Desenvolver as competências e habilidades que configuram o perfil do fisioterapeuta a partir da prática profissional necessariamente alicerçada em conhecimentos científicos e em uma postura de pesquisa; 39

2 ! Desenvolver sólida formação científica, sob uma perspectiva de educação contínua e permanente;! Desenvolver postura crítica sobre o conhecimento disponível; Desenvolver a habilidade de identificar, definir e formular questões de investigação científica no campo da Fisioterapia; Desenvolver a habilidade de comunicação verbal e não-verbal necessárias para apresentação de trabalhos e discussão de idéias em público Perfil do egresso Pretende-se com essa proposta curricular formar profissionais capazes de representar com competência, compromisso e criatividade a classe trabalhadora a qual escolheu pertencer. O futuro profissional formado pela Faculdade de Fisioterapia, vinculado a unidade acadêmica FAEFI, deve ser um profissional capaz de atuar de maneira coerente na realidade sócio-cultural e política, trabalhando numa perspectiva de prática reflexiva, para que a intervenção possa resultar positivamente na evolução do paciente. Este perfil de formação está embasado também, em uma concepção da saúde emitida pela Organização Mundial da Saúde: Um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença ou enfermidade. Esta concepção vai ao encontro do conceito de qualidade de vida, cujo provento é a saúde, o bem estar, a prevenção de doenças e a busca de prolongamento da vida. A formação generalista, humanista, crítica e reflexiva torna o indivíduo qualificado para o exercício profissional com base no rigor científico e intelectual, pautado no princípio ético é a busca pela qualidade de vida dos cidadãos. O compromisso, a responsabilidade individual e a atuação segura deverão estar alicerçados em estudos, pesquisas e intervenção profissional e acadêmica, dentro de um contexto específico e histórico-cultural, para atender às diferentes manifestações na área da saúde Concepção, composição e matriz curricular A proposta deste curso é romper com a estrutura tradicional centrada nas disciplinas e na formação de determinadas especialidades profissionais e adotar uma política de educação interprofissional. Para isto a proposta curricular é a organização dos conteúdos em torno de módulos e eixos de formação que perpassam os anos de graduação. Eixos funcionam como coordenadas que orientam o trabalho pedagógico para uma dimensão, um valor, ou uma importância específica no processo de formação profissional. Em torno deles são desenvolvidos módulos concentrados dos conteúdos necessários à formação do fisioterapeuta. O desenho curricular do Curso de Fisioterapia esta representado pela inclusão de quatro eixos: EIXO 1: O Ser Humano em sua Dimensão Biológica Per Módulos Carga Horária Categoria Teórica Prática Total 1º º Das moléculas aos tecidos Obrigatória 2º º Sistemas Obrigatória 3º º Micro e macro-organismos benéficos e prejudiciais ao homem I Obrigatória 4º º Fundamentos biológicos das doenças e defesa do organismo I Obrigatória Micro e macro-organismos benéficos e prejudiciais ao homem II Obrigatória 5º º Fundamentos biológicos das doenças e defesa do organismo II Obrigatória Micro e macro-organismos benéficos e prejudiciais ao homem III Obrigatória 6º º Fundamentos biológicos das doenças e defesa do organismo III Obrigatória Carga Horária Total do Eixo horas 40

3 EIXO 2: O SER HUMANO E SUA INSERÇÃO SOCIAL Per Módulos Carga Horária Categoria Teórica Prática Total 1º º Saúde Coletiva I Obrigatória 2º º Saúde Coletiva II Obrigatória 3º º Indivíduo em Sociedade I Obrigatória 4º º Indivíduo em sociedade II Obrigatória 5º º Fundamentos Básicos em Gestão Obrigatória Carga Horária Total do Eixo horas EIXO 3: FUNDAMENTOS PARA O TRABALHO EM SAÚDE Per Módulos Carga Horária Categoria Teórica Prática Total 1º º Método I Obrigatória 2º º Método II Obrigatória 3º º Método III Obrigatória 4º º Método IV Obrigatória 5º º Método V Obrigatória 6º º Método VI Obrigatória 7º º Método VII Obrigatória 8º º Método VIII Obrigatória Carga Horária Total do Eixo horas EIXO 4: CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS EM FISIOTERAPIA Per Módulos Carga Horária Categoria Teórica Prática Total 1º º A Fisioterapia: história e atuação Obrigatória Tópicos Especiais em Fisioterapia Obrigatória 2º º Recursos manuais e físicos em fisioterapia I Obrigatória 3º º Recursos manuais e físicos em fisioterapia II Obrigatória Exercício terapêutico I Obrigatória Estudo do movimento I Obrigatória 4º º Exercício terapêutico II Obrigatória Estudo do movimento II Obrigatória Fisioterapia na atenção básica Obrigatória 5º º Fisioterapia cardiorespiratória I Obrigatória Fisioterapia musculoesquelética I Obrigatória Fisioterapia em saúde da mulher Obrigatória 6º º Fisioterapia neuromuscular I Obrigatória Fisioterapia na saúde do idoso I Obrigatória Fisioterapia na saúde da criança e do adolescente I Obrigatória 7º º Fisioterapia cardiorespiratória II Obrigatória Fisioterapia musculoesquelética II Obrigatória Fisioterapia na saúde do trabalhador Obrigatória 8º º Fisioterapia neuromuscular II Obrigatória Fisioterapia na saúde do idoso II Obrigatória Fisioterapia na saúde da criança e do adolescente II Obrigatória 9 º Estágio supervisionado I Obrigatória 10º º Estágio supervisionado II Obrigatória Total de Horas do Eixo

4 4.2 - Instruções Específicas de Matrícula no Curso Elaboração, apresentação e avaliação do trabalho de conclusão do curso O Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) é uma atividade acadêmica obrigatória, a ser desenvolvida pelo aluno do Curso de Graduação em Fisioterapia, sob orientação de um docente da Universidade Federal de Uberlândia, com investigação sistemática de um tema específico, não necessariamente inédito, relacionado à área de saúde e Fisioterapia. Nas situações em que o desenvolvimento do tema exigir a colaboração de professores de diferentes áreas do conhecimento, o Professor Orientador poderá solicitar a colaboração de Professores Coorientadores da Universidade Federal de Uberlândia ou de outras Instituições de Ensino Superior. O TCC deverá ser elaborado e apresentado na forma de monografia e/ou artigo científico, de acordo com as normas da ABNT e/ou das revistas científicas. O aluno receberá orientação, a partir do primeiro semestre do Curso, em relação a temas com caráter cientifico bem definido e que possibilitem a construção do conhecimento. A redação do projeto de pesquisa será feita através da coleta e análise de dados bibliográficos relacionados a um tema da área de saúde e Fisioterapia. O projeto será desenvolvido através de pesquisa clínica ou experimental, registro, tabulação e análise dos dados. A redação final do TCC deverá apresentar as conclusões obtidas com a investigação dos problemas ou hipóteses levantadas. Será obrigatória a apresentação pública do TCC que deverá ocorrer no 8º período do curso. O TCC tem como objetivos estimular a capacidade investigativa e produtiva do graduando, o desenvolvimento da sua capacidade crítica, e a sua maturação científica, o que certamente contribuirá para a formação profissional, mas também para a formação humanitária, social, econômica, científica, artística e política do nosso aluno de graduação. As bancas de avaliação do trabalho serão nomeadas através de portaria pelo Coordenador do Curso de Fisioterapia. A composição da banca deverá obrigatoriamente seguir os seguintes critérios: i) o Professor Orientador, ii) um Professor do Curso de Fisioterapia, e iii) um Professor de outras Unidades Acadêmicas da UFU, ou de outras Instituições de Ensino Superior, ligado ao tema.. Esta composição da banca de avaliação dos TCC é recomendada para que, pelo menos, dois membros da banca sejam professores do Curso de Graduação em Fisioterapia. Serão instrumentos para avaliação do TCC: i) análise dos relatórios elaborados sob supervisão do professor-orientador, ii) entrega da versão final do trabalho de conclusão do Curso, e iii) apresentação e discussão do TCC frente a uma banca pública. O aluno será reprovado por: i) não desenvolver o TCC, ii) não apresentar os relatórios, iii) plagiar ou apresentar / desenvolver qualquer outra espécie de conduta que seja considerada ilegal ou anti-ética pela Comissão de Professores do Curso de fisioterapia, e iv) obter nota inferior a sessenta por cento (60,0%), nos Módulos Método. Para os casos de ilegalidades e/ ou omissos será formada uma Comissão de Sindicância composta pelo professor orientador, pelo professor responsável pelos Módulos Método, e pela Coordenação do Curso de Fisioterapia, para o julgamento da questão. A apresentação dos Trabalhos de Conclusão de Curso será pública, com divulgação prévia do evento à toda Comunidade Universitária. Para a valorização do conhecimento produzido e/ ou reconstruído pelo aluno, como também para possibilitar aos demais discentes um papel ativo nesta atividade didática e científica, será incentivada a participação dos discentes na apresentação dos Trabalhos de Conclusão de Curso. Todos os professores do Curso de Graduação em Fisioterapia deverão participar da orientação dos TCC dos alunos. Esta atividade poderá ser exercida ou compartilhada com professores de outras Unidades Acadêmicas da Universidade Federal de Uberlândia, que tenham afinidade com os temas específicos dos trabalhos monográficos. A cada professor do Curso de Graduação em Fisioterapia, caberá a tarefa de orientar até 10 discentes por semestre. No caso de ultrapassar este número, o professor poderá recusar a orientação e o aluno deverá solicitar a orientação de outros docentes. Os Professores Co-orientadores devem auxiliar o Professor Orientador no planejamento, desenvolvimento, redação dos relatórios semestrais e do relatório final do TCC de acordo com os critérios estabelecidos pelo Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Fisioterapia. 42

5 4.2.2 Estágio supervisionado O estágio curricular no Curso de Fisioterapia é de caráter obrigatório, sendo de suma importância na complementação de estudos, assim como facilitador da prática profissional e da flexibilidade curricular. A programação do estágio é ajustada aos objetivos específicos do Curso de Fisioterapia da Universidade Federal de Uberlândia, e durante o processo será observada a execução dos procedimentos, bem como o acompanhamento de suas ações para fins de avaliação de desempenho do estudante, pelos professores dos Módulos de Estágio Supervisionado I e II. Dada a natureza do Curso, a carga horária do estágio supervisionado deverá ser cumprida em situações reais de vida e de trabalho obedecendo a aspectos como pontualidade e assiduidade, iniciativa e criatividade no desenvolvimento das atividades do estágio, capacidade de auto-avaliação e disposição para mudanças, postura ética e profissional. A avaliação da aprendizagem será um processo contínuo e cumulativo do desempenho do estudante variando de 0 (zero) a 100 (cem). Será considerado como aprovado (a) o estudante que obtiver média igual ou superior a 60 (sessenta) e freqüência mínima obrigatória de 75% (setenta e cinco por cento) do total de horas definidas no estágio supervisionado. Vale ressaltar que as notas e freqüências das áreas de estágios devem ser cumpridas independentes do aproveitamento nas outras áreas de estágios, ou seja, o estudante que não alcançar média igual ou superior a sessenta em alguns dos estágios, deverá cursar novamente essa área, independente da soma total das notas adquiridas em outras áreas do estágio. O estágio corresponde a um percentual significativo da carga horária total do Curso de Fisioterapia que, de acordo com as Diretrizes Curriculares do mesmo, equivalem a total de 1000 horas, sendo distribuídas nas áreas da Fisioterapia Respiratória, Musculoesquelética, Neurológica, Dermatofuncional e Preventiva, ressaltando que a carga horária mínima proposta pelo Parecer-Resolução da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação é de, no mínimo, 20% da carga horária total do curso. Os estágios funcionarão em forma de rodízio nos quais os estudantes participarão de todas as áreas de concentração durante o nono e décimo períodos. Cada turma será dividida em grupos de 6 a 8 alunos, orientados por um Coordenador Geral do Estágio e sempre acompanhados por um Supervisor de cada área, sendo distribuídos da seguinte maneira: Estágio Supervisionado I: realizado no nono período, no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HCU), através de convênio firmado entre a Instituição Concedente e a Faculdade de Educação Física, nas áreas de Clínica Médica, Cirúrgicas e Unidades de apia Intensiva; Estágio Supervisionado II: realizado no décimo período, na Clínica Escola do Curso de Fisioterapia da Universidade Federal de Uberlândia, Ambulatório Amélio Marques do HCU e Unidades Básicas de Saúde, nas áreas de Fisioterapia Respiratória, Musculoesquelética, Neurológica, Dermatofuncional e Preventiva. 43

6 4.3 - Matriz Curricular Per Módulos Carga Horária Teórica Prática Total Categoria 1º Das moléculas aos tecidos Obrigatória Saúde Coletiva I Obrigatória Método I Obrigatória A Fisioterapia: história e atuação Obrigatória Tópicos Especiais em Fisioterapia Obrigatória 2º Sistemas Obrigatória Saúde Coletiva II Obrigatória Método II Obrigatória Recursos manuais e físicos em fisioterapia I Obrigatória 3º Micro e macro-organismos benéficos e prejudiciais ao homem I Obrigatória Indivíduo em Sociedade I Obrigatória Método III Obrigatória Recursos manuais e físicos em fisioterapia II Obrigatória Exercício terapêutico I Obrigatória Estudo do movimento I Obrigatória 4º Fundamentos biológicos das doenças e defesa do organismo I Obrigatória Micro e macro-organismos benéficos e prejudiciais ao homem II Obrigatória Indivíduo em sociedade II Obrigatória Método IV Obrigatória Exercício terapêutico II Obrigatória Estudo do movimento II Obrigatória Fisioterapia na atenção básica Obrigatória 5º Fundamentos biológicos das doenças e defesa do organismo II Obrigatória Micro e macro-organismos benéficos e prejudiciais ao homem III Obrigatória Fundamentos Básicos em Gestão Obrigatória Método V Obrigatória Fisioterapia cardiorespiratória I Obrigatória Fisioterapia musculoesquelética I Obrigatória Fisioterapia em saúde da mulher Obrigatória 6º Fundamentos biológicos das doenças e defesa do organismo III Obrigatória Método VI Obrigatória Fisioterapia neuromuscular I Obrigatória Fisioterapia na saúde do idoso I Obrigatória Fisioterapia na saúde da criança e do adolescente I Obrigatória 7º Método VII Obrigatória Fisioterapia cardiorespiratória II Obrigatória Fisioterapia musculoesquelética II Obrigatória Fisioterapia na saúde do trabalhador Obrigatória 8º Método VIII Obrigatória Fisioterapia neuromuscular II Obrigatória Fisioterapia na saúde do idoso II Obrigatória Fisioterapia na saúde da criança e do adolescente II Obrigatória 9 º Estágio supervisionado I Obrigatória 10º º Estágio supervisionado II Obrigatória 44 Carga Horária Total: 3930 horas

7 Fonte: Prefeitura Universitária Fone: (34)

8 46 Fonte: Prefeitura Universitária Fone: (34)

9 Fonte: Prefeitura Universitária Fone: (34)

10 Calendário Acadêmico da Graduação para o ano letivo de 2009 Aprovado pelo Conselho de Graduação - RESOLUÇÕES N os 09 e 10/2008, de 21/11/2008. JANEIRO/09 Seg FEVEREIRO/09 Seg MARÇO/09 Seg Feriado 10 a 13 Matríc. Ingres.Proc.Selet 02 Início do Semestre 26 a 30 Matrícula Veteranos via internet Campi Uberlândia 02 a 06 Ajuste de Matrícula 11 e 12 Matrícula Ingres.Proc. Selet. 05 e 06 Matrícula de Transferência Campus Pontal 09 e10 Matrícula Alunos Convênio, Ouvinte 24 Recesso e Especial 12 Término prazo Solic. Matrícula Extemporânea 23 Térm. prazo Sol. Retif.Notas/Faltas 08/2 27 Colação de Grau Especial 30 Término prazo Solicitação Exame de Suficiência ABRIL/09 MAIO/09 JUNHO/09 Seg Seg Seg Feriado 01 Feriado 09 Trancamento Geral Semestral 14 Trancamento Parcial Semestral 11 Término prazo Solicitação de Dilação de Prazo 10 Término prazo Entrega Horários na DIRAC 21 Feriado 27 Término prazo para Solicitação de Opção de 11 Recesso 24 Colação de Grau Especial Curso, Reopção Curso, Mudança Turno e 26 Colação de Grau Especial Permanência Vínculo 28 Trancamento Parcial Anual 29 Colação de Grau Especial JULHO/09 AGOSTO/2009 SETEMBRO/09 Seg Seg Seg Colação de Grau Especial 10 Início do Semestre 07 Feriado 11 Reposição de sexta-feira 10 a 14 Ajuste de Matrícula 10 Término prazo Solicitação Exame de 11 Término do Semestre 13 e 14 Matr.Alunos Conv.,Ouvinte e Especial Suficiência 17 Prazo Limite Envio do Formulário de 15 Feriado 16 Feriado (Somente em Ituiutaba) Registro Resultados à DIRAC via internet 21 Término prazo Solic.Matríc. Extemporânea 24 Trancamento Parcial Semestral 24 a 28 Matrícula Veteranos via internet 28 Colação de Grau Especial 25 Colação de Grau Especial 30/31 Matrícula Ingres.Proc.Selet.Campus 31 Feriado (Somente em Uberlândia) Uberlândia OUTUBRO/09 NOVEMBRO/09 DEZEMBRO/09 Seg Seg Seg Aula de ado e Reposição de 2a.feira 02 Feriado 05 Aula de sábado e Reposição de 05 a 09 - Semana Acadêmica 04 Término prazo para Solicitação de Opção 2a.feira 12 - feriado de Curso, Reopção Curso, Mudança de 18 Colação de Grau Especial 13 - Término prazo Solic.Ret.Notas/Faltas/09-1 Turno e Permanência Vínculo 19 Término do Semestre 16 - Trancamento Geral Anual 07 Aula de ado e Reposição de 2a.Feira 25 Feriado 19 - Término prazo Solic. Dilação Prazo 19 Término prazo Entrega Horários na DIRAC 30 Prazo Limite para Envio do 28 Recesso 20 Recesso Formulário de Registro de 30 Colação de Grau Especial 23 Trancamento Geral Semestral Resultados à DIRAC via internet 27 Colação de Grau Especial 1 o Semestre dias letivos - Segunda 19; ça 18; rta 19; nta 18; ta 18; ado 18 2 o Semestre 110 dias letivos - Segunda 18; ça 19; rta 18; nta 19; ta 18; ado 18 48

Isto inclui o desenvolvimento de processos condizentes com a elaboração e a obtenção de produtos de interesse para as seguintes áreas:

Isto inclui o desenvolvimento de processos condizentes com a elaboração e a obtenção de produtos de interesse para as seguintes áreas: 1 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso É apresentada a importância crescente da Biotecnologia e os reflexos no campo de atuação de seus profissionais, em áreas como engenharia genética,

Leia mais

O Curso de Licenciatura em Matemática tem como objetivo principal a formação de professores da Educação Básica.

O Curso de Licenciatura em Matemática tem como objetivo principal a formação de professores da Educação Básica. 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivos O Curso de Licenciatura em Matemática tem como objetivo principal a formação de professores da Educação Básica. O Curso de Bacharelado

Leia mais

A partir do sétimo período, são oferecidos Tópicos Especiais nas áreas de marketing, finanças, operações, organizações e recursos humanos.

A partir do sétimo período, são oferecidos Tópicos Especiais nas áreas de marketing, finanças, operações, organizações e recursos humanos. 1 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso O Curso de Administração participa, desde 1996, do Exame Nacional de Cursos (PROVÃO), promovido pelo INEP/MEC. Obtivemos o conceito A por sete

Leia mais

4.2 Instruções Específicas de Matrícula no Curso

4.2 Instruções Específicas de Matrícula no Curso 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivos O Curso de Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia foi criado em 1975 e, desde então, visa formar profissionais qualificados

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

4.2 - Instruções Específicas de Matrícula no Curso

4.2 - Instruções Específicas de Matrícula no Curso 1 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivos Sólida formação nos conceitos da eng. mecânica, eletro-eletrônica, informática e controle; Preparo técnico e psicológico dos

Leia mais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos necessários à sistematização do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. O Presidente

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 Aprovar ad referendum do Conselho Universitário- CONSUN, o Regulamento para a Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade do Contestado - UnC. A Presidente do Conselho Universitário

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO Considerando o objetivo de formação de docentes em que a atividade prática de prestação de serviços especializados é relevante à sociedade, torna-se necessário

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 Regime de funcionamento do curso. 4.1.2 Natureza das disciplinas

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 Regime de funcionamento do curso. 4.1.2 Natureza das disciplinas 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso O objetivo deste Guia é apresentar as informações básicas sobre o Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Uberlândia, servindo

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS O componente curricular denominado Atividades Acadêmico-Científico- Culturais foi introduzido nos currículos

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO CULTURAL CAPÍTULO IV - DA ORGANIZAÇÃO, PLANEJAMENTO E CONTROLE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO CULTURAL CAPÍTULO IV - DA ORGANIZAÇÃO, PLANEJAMENTO E CONTROLE REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO CULTURAL CAPÍTULO I - DO CONCEITO, FINALIDADES E OBJETIVOS CAPÍTULO II - DAS ÁREAS, CAMPOS E ATIVIDADES CAPÍTULO III - DAS ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014 E CS 25/2015 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 38/2013, DE 1º DE OUTUBRO DE 2013

ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014 E CS 25/2015 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 38/2013, DE 1º DE OUTUBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS 1) Perfil do curso: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS O curso de Engenharia Civil da PUC Minas, campus de Poços de Caldas, tem como objetivo principal formar um profissional

Leia mais

Educação Profissional Cursos Técnicos. Regulamento de Estágio Supervisionado

Educação Profissional Cursos Técnicos. Regulamento de Estágio Supervisionado Educação Profissional Cursos Técnicos Regulamento de Estágio Supervisionado CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente Regulamento de Estágio Supervisionado refere-se à formação do aluno

Leia mais

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS DE GUANAMBI Distrito de Ceraíma, s/n - Zona Rural - Cx Postal

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL

INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS COMPLEMENTARES DE ESTÁGIO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL Art. 1 o O Estágio regulamentado pela Lei N o 11.788, de

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Artes Visuais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Artes Visuais ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Artes Visuais São as seguintes as disciplinas de Estágio Supervisionado do Curso de Artes Visuais (licenciatura): Estágio Supervisionado I (ART30049) 120 horas Propõe

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS/PORTUGUÊS INTRODUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU agosto / 2010 1 REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Sumário TÍTULO I - DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIOMEDICINA DA FAAPE

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIOMEDICINA DA FAAPE REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIOMEDICINA DA FAAPE NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Biomedicina da Faculdade do Agreste de Pernambuco ASCES constitui um

Leia mais

Normas para Elaboração do Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia

Normas para Elaboração do Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia Normas para Elaboração do Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia Petrolina PE Julho de 2015 1 Capítulo I Da natureza do TCC Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é um componente obrigatório

Leia mais

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02 Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia Manual de Estágios Currículo 2009.02 Belo Horizonte Dezembro de 2009 1 FICHA TÉCNICA CORPO ADMINISTRATIVO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Presidente

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária Apresentação do Curso 1. Apresentação dos alunos 2. Site e solicitação de cadastro www.moodle.pucsp.br - senha: PUCOMEX 3. Histórico Denominação: Carga Horária: 2040 horas (incluindo TCC, com 136 horas

Leia mais

FISIOTERAPIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

FISIOTERAPIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FISIOTERAPIA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: Fisioterapia Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 005, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003, DA CONGREGAÇÃO. Aprova o Regulamento do Estágio em Análises Clínicas do Curso de Graduação

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA. Estrutura curricular ou matriz curricular

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA. Estrutura curricular ou matriz curricular UNIVERSIDADE IGUAÇU FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA Estrutura curricular ou matriz curricular O curso foi estruturado com base nas Diretrizes Curriculares para Fisioterapia

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) (alterada pela Resolução Consepe n.º 24/2011) N.º 09/2010 Dispõe sobre as normas

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO UNIGRANRIO

BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO UNIGRANRIO BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO UNIGRANRIO Objetivos Considerando o perfil do profissional que deseja formar, o curso de Arquitetura e Urbanismo da UNIGRANRIO tem por objetivos: Objetivo Geral O

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO 1 DA DEFINIÇÃO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO 1 DA DEFINIÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GRADES 2008/2010 REGULAMENTO MARÇO 2012 (Substitui o regulamento

Leia mais

Datas do Calendário Acadêmico 2016 1

Datas do Calendário Acadêmico 2016 1 Campus Irati Datas do Calendário Acadêmico 2016 1 JANEIRO 01 Feriado Nacional Confraternização Universal 25 a Registro acadêmico dos novos estudantes (calouros) Data de publicação pela PROENS do Edital

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS METALÚRGICOS

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS METALÚRGICOS Serviço Público Federal Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Caxias do Sul REGULAMENTO

Leia mais

Datas do Calendário Acadêmico 2016 1

Datas do Calendário Acadêmico 2016 1 Campus FOZ DO IGUAÇU Datas do Calendário Acadêmico 2016 1 JANEIRO 01 Feriado Nacional Confraternização Universal 25 a 29 29 Registro acadêmico dos novos estudantes para calouros com ingresso no primeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular do

Leia mais

4.2 - Instruções Específicas de Matrícula no Curso

4.2 - Instruções Específicas de Matrícula no Curso 1 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Histórico A Universidade Federal de Uberlândia - UFU é sucessora da Fundação Universidade de Uberlândia, criada pelo Decreto-Lei 762,

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018)

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) 1. Introdução O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) busca nortear

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento para Atividades Práticas do Curso de Enfermagem, bacharelado, da Faculdade do Maranhão FACAM.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento para Atividades Práticas do Curso de Enfermagem, bacharelado, da Faculdade do Maranhão FACAM. RESOLUÇÃO CSA N 10/2010 APROVA O REGULAMENTO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS DO CURSO DE ENFERMAGEM, BACHARELADO, DA FACULDADE DO MARANHÃO FACAM. O Presidente do Conselho Superior de Administração CSA, no uso

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE BIRIGUI (TCC FACULDADE BIRIGUI)

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE BIRIGUI (TCC FACULDADE BIRIGUI) CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE BIRIGUI (TCC FACULDADE BIRIGUI) FUNDAMENTO: O Trabalho de Conclusão de Curso é componente obrigatório da grade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 074, DE 20 DE ABRIL DE 2016.

RESOLUÇÃO Nº. 074, DE 20 DE ABRIL DE 2016. RESOLUÇÃO Nº. 074, DE 20 DE ABRIL DE 2016. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº 43/2016

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E NATUREZA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E NATUREZA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E NATUREZA Art. 1º O Estágio é um componente curricular do processo de formação acadêmica,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 02/2010 CONSU/UNIFAP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 02/2010 CONSU/UNIFAP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 02/2010 CONSU/UNIFAP Regulamenta o Estágio Supervisionado, no âmbito da Universidade Federal do Amapá.

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) - EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) - EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) - EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO O Trabalho de Conclusão de Curso é componente curricular obrigatório, enriquecedor e implementador do perfil do formando. É concebido

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º- Considera-se estágio, as atividades de aprendizagem social, profissional, proporcionadas ao

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Dispõe sobre a Orientação do Trabalho de Conclusão de Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DA FACULDADE SÃO LUCAS- PORTO VELHO- RO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DA FACULDADE SÃO LUCAS- PORTO VELHO- RO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DA FACULDADE SÃO LUCAS- PORTO VELHO- RO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A ementa destas disciplinas tem como referência: Educação clínica.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Administração do Unisalesiano As Atividades Complementares são componentes curriculares que possibilitam o reconhecimento,

Leia mais

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente.

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente. INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS 1. CURRÍCULO Para cada curso de graduação é organizado um currículo. O currículo abrange uma sequência de disciplinas/módulos hierarquizados(as) por períodos letivos, cuja

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CLÍNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROPSICOPEDAGOGIA CLÍNICA

MANUAL DE ESTÁGIO CLÍNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROPSICOPEDAGOGIA CLÍNICA MANUAL DE ESTÁGIO CLÍNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROPSICOPEDAGOGIA CLÍNICA 1. INTRODUÇÃO O Centro de Estudos UNILAS atua em várias áreas educacionais e em vários cursos de pós-graduação em nível

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado para o Curso de Bacharelado em Jornalismo da Universidade Federal do Amapá

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado para o Curso de Bacharelado em Jornalismo da Universidade Federal do Amapá Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado para o Curso de Bacharelado em Jornalismo da Universidade Federal do Amapá Normatiza a organização e funcionamento do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CURSO DE JORNALISMO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CURSO DE JORNALISMO Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado para o Curso de Bacharelado em Jornalismo da Universidade Federal do Amapá Normatiza a organização e funcionamento do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 16/2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 16/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 16/2015 Ementa: Estabelece procedimentos para autorização de funcionamento de cursos técnicos e de

Leia mais

PROCESSO Nº 702/06 PROTOCOLO Nº 8.894.983-8 PARECER Nº 203/06 APROVADO EM 14/07/06

PROCESSO Nº 702/06 PROTOCOLO Nº 8.894.983-8 PARECER Nº 203/06 APROVADO EM 14/07/06 PROTOCOLO Nº 8.894.983-8 PARECER Nº 203/06 APROVADO EM 14/07/06 CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INTERESSADA: FACULDADE UNILAGOS MUNICÍPIO: MANGUEIRINHA ASSUNTO: Pedido de reconhecimento do curso de graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Instrução normativa Nº 01/2011 Revoga a Instrução Normativa N 02/2008 da comissão

Leia mais

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Biomedicina. O Presidente

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Dispõe sobre o Projeto Integrador do Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio da Faculdade de Castanhal. CAPÍTULO I DAS

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

CURSO DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. Do Trabalho de Conclusão de Curso De acordo com a resolução CNE/CES N o 3 de 19 de fevereiro de 2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO DA ENGENHARIA ELÉTRICA FACULDADE NOBRE

MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO DA ENGENHARIA ELÉTRICA FACULDADE NOBRE Faculdade Nobre de Feira de Santana Portaria nº. 965 de 17 de maio de 2001- D.O.U. 22/05/01 MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO DA ENGENHARIA ELÉTRICA FACULDADE NOBRE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÈDICAS DA SANTA CASA DE SÃO PAULO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÈDICAS DA SANTA CASA DE SÃO PAULO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÈDICAS DA SANTA CASA DE SÃO PAULO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1. APRESENTAÇÃO O objetivo deste manual é orientar o desenvolvimento dos estágios

Leia mais

Instruções. Formulário de Gerenciamento de Estágio Probatório

Instruções. Formulário de Gerenciamento de Estágio Probatório Instruções Formulário de Gerenciamento de Estágio Probatório 1. O instrumento de gerenciamento do estágio probatório está dividido em Dimensões (constituídas por Fatores) e Comportamentos, de acordo com

Leia mais

ANEXO 01 PLANO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM

ANEXO 01 PLANO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM ANEXO 01 PLANO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM PLANO DE ESTÁGIO DO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM A) JUSTIFICATIVA O estágio supervisionado do Curso Técnico em Enfermagem é elemento transformador do

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 57/2009/CONEPE Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DO IFPE NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DO IFPE NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR IMES - CATANDUVA CURSO DE PSICOLOGIA ATIVIDADES PRÁTICAS DE FORMACÃO

INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR IMES - CATANDUVA CURSO DE PSICOLOGIA ATIVIDADES PRÁTICAS DE FORMACÃO INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR IMES - CURSO DE PSICOLOGIA ATIVIDADES PRÁTICAS DE FORMACÃO 1 ATIVIDADES PRÁTICAS DE FORMACÃO O curso de Psicologia do IMES- se compromete com a organização e desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA E-TEC BRASIL CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COORDENAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA A DISTÂNCIA

PROGRAMA E-TEC BRASIL CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COORDENAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA A DISTÂNCIA PROGRAMA E-TEC BRASIL CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COORDENAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA A DISTÂNCIA O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul de Minas, campus Muzambinho, disponibiliza

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos da LDB 9394, de 20 de dezembro

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Objetivos. 4.1.2 - Perfil do Egresso. 4.1.3 - Estrutura Curricular

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Objetivos. 4.1.2 - Perfil do Egresso. 4.1.3 - Estrutura Curricular 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Objetivos O Curso de Bacharelado em Relações Internacionais, oferecido pelo IEUFU, tem como objetivo a formação de profissionais capazes

Leia mais

7- Atividades Complementares (CH60)

7- Atividades Complementares (CH60) 7- Atividades Complementares (CH60) As atividades complementares no curso de Fisioterapia estão dispostas na nova matriz curricular para os ingressantes a partir do ano de 2008. Visando a garantir a flexibilidade

Leia mais

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Informática Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel Belo Horizonte - MG Outubro/2007 Síntese

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Estágio Supervisionado em Administração (ESA), é a disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 07/2009 Aprova a estrutura curricular do Curso de do Centro de Educação e Saúde

Leia mais

INTERESSADA: Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA

INTERESSADA: Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA INTERESSADA: Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA EMENTA: Renova o reconhecimento do Curso Sequencial de Formação Específica em Gestão de Pequenas e Médias Empresas da Universidade Estadual Vale do

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO

PRÓ-REITORIA DE ENSINO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE ENSINO Regulamento do Programa de Monitoria de Ensino aprovado pelo Conselho Superior do IFS através da Resolução nº 07/CS/2011. Aracaju/SE

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Minuta de Projeto de Resolução para audiência pública de 11/12/2015 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Educação

Leia mais

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 07/04 Define o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelece diretrizes e normas para seu funcionamento.

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 554/2011 * * * * *

RESOLUÇÃO N.º 554/2011 * * * * * MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 554/2011 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Especial e Inclusiva.

Leia mais

REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE CLASSE

REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE CLASSE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE CLASSE Anexo à Resolução nº 19,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares constituem ações a serem desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Coordenadoria Geral de Estágios

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Coordenadoria Geral de Estágios DIRETRIZES E NORMAS PARA A ATIVIDADE DE ESTÁGIO NA PUC-SP Aprovadas pelo CEPE, em 11 de fevereiro de 2009 I INTRODUÇÃO A LDB trouxe à discussão a flexibilização curricular, a valorização da experiência

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: PROGRAMA DE DISCIPLINA DIREITO II. Disciplina: MONOGRAFIA I (D-50) Área: Ciências Sociais 9º Período Turno: Matutino e Noturno Ano: 2013.1 Carga Horária: 36 horas Créd. 02 III. Pré-Requisito

Leia mais

III PROGRAMA DE CADA CURSO OFERECIDO E DEMAIS COMPONENTES CURRICULARES, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO.

III PROGRAMA DE CADA CURSO OFERECIDO E DEMAIS COMPONENTES CURRICULARES, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. III PROGRAMA DE CADA CURSO OFERECIDO E DEMAIS COMPONENTES CURRICULARES, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM MARKETING 1º SEMESTRE

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

ANEXO REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP ANEXO REGULAMENTO INTERNO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP RESOLUÇÃO Nº 03, DE 27 DE JULHO DE 2004. Baixa o Regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso

Leia mais

REGULAMENTO 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO ENGENHARIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Foz do Iguaçu PR

REGULAMENTO 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO ENGENHARIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Foz do Iguaçu PR REGULAMENTO 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO ENGENHARIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Foz do Iguaçu PR Ministério da Educação 1 Disposições Gerais O presente regulamento tem por objetivo estabelecer os critérios

Leia mais