Sintonia fina baseada em ontologia: o caso de visões materializadas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sintonia fina baseada em ontologia: o caso de visões materializadas"

Transcrição

1 paper:11 Sintonia fina baseada em ontologia: o caso de visões materializadas Aluno - Rafael Pereira de Oliveira 1 Orientador - Sérgio Lifschitz 1 1 Departamento de Informática Programa de Pós-graduação / Mestrado Acadêmico Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO) Rio de Janeiro, RJ - Brasil - Caixa Postal Defesa de proposta 08/2014 Data prevista de defesa 12/2014 Ingresso no curso Conclusão prevista Etapas futuras: Defesa de proposta, defesa de dissertação. Resumo. Há uma crescente demanda por ferramentas que automatizem tarefas complexas relacionadas com sistemas computacionais. No caso particular de sistemas de informação e bancos de dados, especificamente no que diz respeito ao SGBD, podemos citar as tarefas relacionadas às atividades de sintonia fina (database tuning). Existe uma proposta de um framework, chamado Outer-tuning, que serve para apoiar a sintonia fina adicionando semântica ao processo. Trata-se de uma abordagem que oferece transparência e confiabilidade acerca das alternativas disponíveis para possíveis cenários no SGBD, possibilitando a combinação de estratégias independentes para solucionar um único problema e permitindo a extração de justificativas para possíveis ações de sintonia fina. Através do uso de uma ontologia específica para sintonia fina de bancos de dados relacionais, é possível entender os conceitos envolvidos e gerar, de maneira automática, novas práticas de sintonia fina, que podem ser obtidas a partir das práticas existentes (uso de inferências) ou de novas regras e conceitos que venham a surgir no futuro. Essa dissertação de mestrado propõe, inicialmente, a implementação do framework Outer-Tuning para apoiar o DBA (e possivelmente outros usuários) nas escolhas envolvidas na atividade de sintonia fina. Para isso é formalizada uma arquitetura de software adequada para atender os requisitos funcionais. Este trabalho também inclui a extensão da ontologia de domínio para contemplar soluções de sintonia fina com o uso de visões materializadas. Desta forma, é possível propor o uso de heurísticas na ontologia de tarefas para realizar a sintonia fina não somente por meio de índices mas também através do uso de visões materializadas. Essa ontologia pode ser usada no framework Outer-Tuning de forma a permitir uma avaliação experimental da qualidade dos resultados obtidos utilizando-se um benchmark. Palavras-chave: sintonia fina, visões, materialização, ontologia, framework. 346

2 1. Fundamentação teórica Apresenta-se aqui, os principais conceitos envolvidos no trabalho. Descreve-se brevemente 1 os conceitos de sintonia fina, ontologia e visão materializada para um melhor entendimento da proposta de pesquisa apresentada. As aplicações e os usuários que acessam bases de dados demandam cada vez mais que os Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados (SGBDs) respondam às suas requisições no menor tempo de resposta possível, e que tenham uma maior vazão (número de transações por unidade de tempo)[shasha and Bonnet 2002]. Para atingir esses objetivos, administradores de bancos de dados (DBAs) utilizam estratégias de sintonia fina (tuning) sobre o projeto físico do banco de dados, ajustando de suas configurações, parâmetros, projeto físico, seleção de estruturas de acesso, duplicação de estruturas físicas, determinação dos objetos a serem particionados e seus respectivos tipos de particionamento, de acordo com a carga de trabalho executada no banco [Shasha and Bonnet 2002][Bruno 2012][Ramarkrishnan and Gehrke 2008][Salles 2004]. Uma das ações de sintonia fina possível é a criação de visões materializadas (VM). Visões são tabelas virtuais definidas através de uma consulta sobre tabelas persistidas pelo banco de dados. O SGBD armazena as definições da consulta envolvida, mas não os seus dados retornados. Visão materializada é uma visão cujo resultado da consulta é fisicamente armazenado na base de dados e persistido como se fossem tabelas [Silberschatz et al. 2006]. Hoje já são implementadas pelos SGBDs mais populares do mercado como PostgreSQL, SQL Server, Oracle, e outros [Chirkova and Yang 2011]. Outro conceito importante para esta pesquisa é a ontologia. Na área de computação define-se ontologia como sendo um conjunto de primitivas representacionais, que modelam um domínio de conhecimento ou discurso. As primitivas são tipicamente classes (ou conjuntos de objetos), atributos (ou propriedades) e relacionamentos (ou relações entre membros de classes) [Gruber 2009]. 2. Caracterização da contribuição Encontrar uma configuração ótima do projeto físico de banco de dados para uma carga de trabalho de forma manual não é uma tarefa trivial. A sintonia fina de banco de dados tem se tornado uma atividade extremamente complexa para as aplicações atuais. É necessário um profundo conhecimento acerca dos detalhes de implementação dos sistemas gerenciadores de banco de dados (SGBDs) e da carga de trabalho submetida [Monteiro et al. 2008]. Faz parte do trabalho de um DBA descrever todas ou, se inviável, a maioria das soluções disponíveis e avaliadas em uma atividade de sintonia fina. Além da complexidade na seleção das soluções de sintonia fina o DBA enfrenta o desafio de justificar as decisões tomadas para melhorar o desempenho da execução de uma determinada carga de trabalho. Não há uma ferramenta integrada que o auxilie com argumentos suficientes para justificar as soluções escolhidas pelas ferramentas de sintonia fina, sejam automáticas ou semiautomáticas. Entretanto, um software que realize a sintonia fina de banco de dados, que apresente as alternativas que foram pensadas e, ao mesmo tempo, fundamente 1 Sugestão dos revisores para permitir detalhamento de outras seções. 347

3 a escolha de cada uma, trará uma maior confiança em relação ao uso de ferramentas automáticas, e facilitando o trabalho do DBA. Existe uma proposta de um framework, chamado Outer-tuning, que serve para apoiar a sintonia fina adicionando semântica ao processo, através da execução de heurísticas para este fim. O framework outer-tuning procura capturar a carga de trabalho e, com o apoio de uma ontologia de aplicação e do uso de uma máquina de inferências sobre os conceitos definidos, realizar a tarefa de sintonia fina (automática ou semiautomática, de acordo com a decisão do DBA) para a criação, remoção ou reindexação de índices em bancos de dados relacionais [Almeida 2013]. Cabe observar que o outer-tuning não foi implementado e têm-se apenas o modelo conceitual desse framework, envolvendo a ontologia de aplicação de sintonia fina e evidenciando heurísticas de manutenção de índices [Almeida 2013]. Por ser um framework definido sobre a ontologia de aplicação, basta que a mesma seja estendida para contemplar outras opções de soluções de sintonia fina. Diante disso, o presente trabalho propõe o projeto e a implementação do framework outer-tuning, o refinamento da sua ontologia de tarefa e a extensão da sua ontologia de domínio para contemplar os conceitos envolvidos no uso e execução de heurísticas que realizem a sintonia fina de banco de dados com visões materializadas. Espera-se que a ferramenta possa recomendar, e executar se solicitada, as possíveis alternativas de soluções para sintonia fina (semi)automática ao mesmo tempo que tenha o poder semântico necessário para justificar as decisões tomadas. O DBA poderá ter transparência, semântica e confiabilidade acerca das alternativas possíveis, por meio de justificativas concretas para as decisões que foram tomadas. Além disso, o framework outer-tuning será capaz de realizar mais de um tipo de sintonia fina, combinando e comparando soluções distintas como índices e visões materializadas e ter um maior espaço de possíveis soluções. As principais contribuições esperadas dessa dissertação são: a) projeto arquitetural e implementação do framework outer-tuning; b) definição de um processo para extensão da ontologia de domínio, que seja capaz de ser reutilizado em extensões para outros tipos de sintonia fina; c) execução da extensão da ontologia de domínio para contemplar soluções de sintonia fina com o uso de visões materializadas; d) definição de uma heurística para realizar sintonia fina através de visões materializadas que pode ser usada no framework; e) avaliação experimental da qualidade dos resultados obtidos a partir da execução do framework para execução de sintonia fina utilizando um benchmark. 3. Estado atual do trabalho Nesta sessão, são apresentados o estado de todas as tarefas da pesquisa, a situação do desenvolvimento do framework e a extensão da ontologia Tarefas A presente pesquisa já concluiu as seguintes tarefas:! Pesquisa de ferramentas de sintonia fina automáticas e semiautomáticas;! Pesquisa e classificação dos principais métodos de seleção de visões materializadas utilizados em ferramentas de sintonia fina automática e semiautomática; 348

4 ! Pesquisa de máquinas de inferência que se integrem à linguagem Java;! Implementação da estrutura base e do agente de captura da carga de trabalho;! Integração da máquina de inferência escolhida JESS 2 ;! Controle de execução das regras SWRL 3 da ontologia através da API do JESS;! Instanciação dos conceito de domínio através da captura da carga de trabalho; Segundo o planejamento de pesquisa, ainda estão abertas as seguintes tarefas: Instanciar os demais conceitos da ontologia de domínio; Implementar método de instanciação dos conceitos pré-condição das heurísticas; Implementar um método para execução das ações de heurísticas de sintonia fina, que vão resultar em comandos DDL sobre o banco de dados [Almeida 2013]; Realizar a extensão da ontologia de domínio para contemplar VM; Definir a heurística de seleção de visões materializadas baseadas na heurística de benefícios proposta por [Carvalho 2011] na ontologia de tarefa do framework; Realizar testes de validação do framework para a execução de sintonia fina com a seleção de visões materializadas, usando o benchmark. Escrita, revisão e defesa da dissertação. Em resumo, a arquitetura base do framework já foi montada e as referências bibliográficas levantadas Arquitetura da implementação O framework Outer-Tuning foi projetado com a arquitetura descrita na Figura 1: Figure 1. Arquitetura Framework Outer-tuning O componente CapturadorCargaDeTrabalho é o responsável por adquirir a carga de trabalho em tempos pré-determinados e alimentar o ExecutorDeFuncoes com o resultado da captura. 2 Jess, the Rule Engine for the JavaTM Platform. 3 SWRL Language. 349

5 As bibliotecas foram projetadas para conter funções destinadas a extrair informações da carga de trabalho de acordo com as pré-condições das heurísticas utilizadas. Esse desmembramento foi realizado para que, ao se estender uma ontologia para um novo tipo de sintonia fina, o framework seja capaz de absorver novas funções sem a necessidade da alteração de seu código fonte. A ontologia torna-se independente da versão do framework, podendo ser estendida com a inclusão de biblioteca(s) de funções(s). O componente ExecutorDeFuncoes recebe a) uma carga de trabalho do componente CapturadorCargaDeTrabalho; e b) uma lista de funções que são pré-condições de uma heurística, fornecida pela máquina de inferência. A partir daí, ele adquire as funções da lista através das bibliotecas de funções, executando-as utilizando a carga de trabalho como parâmetro de entrada para cada função. Feito isso, recebe o retorno das funções que serão sempre conceitos previstos na ontologia (ainda não instanciados na máquina de inferência) e os repassa para o componente InstanciadorDeConceitos. O componente InstanciadorDeConceitos recebe os conceitos adquiridos e os instancia na máquina de inferência. A máquina de inferência é responsável por ler a ontologia de um arquivo, fornecer a lista de funções que são pré-condição das heurísticas contidas na ontologia, e após ter todos os conceitos pré-condições instanciados, inferir as ações de sintonia fina previstas nas heurísticas, repassando-as para o componente ExecutorDeAcoes. O componente ExecutorDeAcoes é responsável por receber da máquina de inferência as ações de sintonia fina inferidas, e executá-las no banco de dados Extensão da ontologia Planeja-se implementar a heurística de seleção de visões materializadas como uma extensão da ontologia de [Almeida 2013]. Como o escopo dessa pesquisa não prevê a criação de uma nova heurística de seleção de visões materializadas, deverá utilizar-se uma heurística já descrita e validada na literatura. A heurística escolhida para a extensão foi a heurística de benefícios, originalmente proposta para índices [Salles 2004] e posteriormente adaptada para visões materializadas [Carvalho 2011]. Os motivos que levaram a essa escolha foram: trata-se de uma heurística já utilizada para a tarefa de seleção de visões materializadas; é a base da heurística de índices que foi implementada na ontologia de [Almeida 2013]; e tem-se a ferramenta de seleção de visões materializadas [Carvalho 2011], implementada e pronta para ser utilizada como base de comparação com os resultados do framework Outer-Tuning. A ideia básica da heurística de benefícios é atribuir um determinado valor a uma visão materializada, seja ela hipotética (não existe fisicamente no banco de dados) ou real. Esse valor é a diferença entre os custos obtidos através do plano de execução de uma determinada consulta da carga de trabalho com, e sem, a presença da visão materializada. Esse custo pode ser positivo, caso o uso da visão traga benefício na execução de uma consulta, ou negativo, em caso de malefício. Esse custo é recalculado sempre que uma consulta da carga de trabalho é capturada. Caso o valor de uma visão materializada hipotética chegue a um valor maior que o custo de criação da mesma, a heurística determina que a visão materializada seja criada fisicamente no banco de dados, e tem-se então uma ação de sintonia fina. 350

6 4. Trabalhos relacionados na área Existem muitas ferramentas para a seleção automática e semiautomática de visões materializadas que utilizam diferentes métodos de seleção do conjunto de consultas para a criação de visões materializadas. Entre elas, podemos citar: a) pesquisas que utilizam heurísticas gulosas como [Kumar and Kumar 2012], [Aouiche et al. 2006], [Chan et al. 2001]; b) métodos de seleção baseados em heurísticas randômicas como apresentados em [Kumar and Kumar 2013],[Yuhang et al. 2010], [Gao and Song 2010], [Sun and Wang 2009]; c) abordagens baseadas em heurísticas genéticas e evolucionárias como as apresentadas por [Kumar and Kumar 2012], [Talebian and Kareem 2010], [Lawrence 2006]; d) heurísticas híbridas como [Yuhang et al. 2010] que apresenta uma mistura de abordagens genética e randômica; e) heurísticas específicas como a de [Carvalho 2011]. Apesar de utilizarem a solução de visões materializadas para realizar sintonia fina, nenhuma das abordagens se propõe a fornecer ao DBA uma justificativa das decisões e tornar explícito o raciocínio utilizado na atividade de sintonia fina. Outra diferença é que ao contrário das pesquisas citadas, o framework outertuning tem a capacidade de combinar e comparar heurísticas através de inferências. Com isso, pode-se avaliar não apenas as soluções específicas de um mesmo tipo de estrutura de acesso, mas comparar soluções de tipos diferentes de técnicas de sintonia fina como a criação de índices, visões, particionamento e qualquer outra técnica de que esteja prevista na ontologia. 5. Avaliação dos resultados Para validar a proposta, planeja-se a execução do framework Outer-Tuning utilizando o benchmark TPC-H 4, Após obtidas as sugestões de visões materializadas do framework, elas deverão ser comparadas com soluções propostas por outras ferramentas, que sugerem ações de sintonia fina através de visões materializadas. Espera-se que as soluções sugeridas pelo framework Outer-Tuning tragam um benefício para a execução da carga de trabalho, tão bom quanto às ferramentas disponíveis e que não utilizam semântica para a seleção de visões materializadas. Os resultados obtidos até agora mostram a viabilidade no desenvolvimento do framework outer-tuning, visto que a máquina de inferência JESS já se é capaz de inferir todos os conceitos básicos da ontologia de domínio proposta, através das consultas da carga de trabalho capturada. Como a implementação ainda não foi finalizada, não se pode realizar ainda experimentos que apoiem resultados práticos e concretos e executar o ciclo completo da heurística de criação de visões materializadas proposta. Porém a estrutura base já projetada e implementada. Espera-se nos próximos passos então, a finalização do framework outer-tuning, a extensão da ontologia de domínio e a definição da heurística de seleção de visões materializadas e, por fim, realizar a avaliação experimental da qualidade dos resultados obtidos pelo framework e da ontologia proposta. 4 TPC-H. 351

7 References Almeida, A. C. B. d. (2013). Framework para apoiar a sintonia fina de banco de dados. PhD thesis, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-RIO. Aouiche, K., Jouve, P., and Darmont, J. (2006). Clustering-based materialized view selection in data warehouses. 10th East European conference on Advances in Databases and Information Systems. Bruno, N. (2012). Automated Physical Database Design and Tuning. CRC Press, New York, New York, USA. Carvalho, A. W. (2011). Criação Automática de Visões Materializadas em SGBDs Relacionais. MsC. thesis. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-RIO. Chan, G., Li, Q., and Feng, L. (2001). Optimized design of materialized views in a reallife data warehousing environment. Intl. Journal of Information Technology, 7(1):1 25. Chirkova, R. and Yang, J. (2011). Materialized Views. Foundations and Trends in Databases, 4(4): Gao, L. and Song, X. (2010). An Ant Colony based algorithm for optimal selection of Materialized view. Conf. Intelligent Computing and Integrated Systems. Gruber, T. (2009). Ontology. Encyclopedia of Database Systems, pages Kumar, T. and Kumar, S. (2012). Materialized view selection using genetic algorithm. Contemporary Computing, pages Kumar, T. and Kumar, S. (2013). Materialized view selection using iterative improvement. Advances in Computing and Information Technology, pages Lawrence, M. (2006). Multiobjective genetic algorithms for materialized view selection in OLAP data warehouses. GECCO 06, page 699. Monteiro, J. M., Brayner, A., and Lifschitz, S. (2008). Estado da Arte em Auto-Sintonia do Projeto Físico de BD. Monografias em Ciência da Computação - PUC-RIO. Ramarkrishnan, R. and Gehrke, J. (2008). Sistemas de gerênciamento de banco de dados. McGraw Hill. Salles, M. A. V. (2004). Criação autônoma de índices em bancos de dados. Shasha, D. and Bonnet, P. (2002). Database Tuning: Principles, Experiments, and Troubleshooting Techniques. Elsevier Science. Silberschatz, A., Korth, H. F., and Sudarshan, S. (2006). Sistema de banco de dados. CAMPUS - RJ. Sun, X. and Wang, Z. (2009). An Efficient Materialized Views Selection Algorithm Based on PSO. Intl. Workshop on Intelligent Systems and Applications, pages 1 4. Talebian, S. H. and Kareem, S. A. (2010). Lexicographic Ordering Genetic Algorithm for Solving Multi-objective View Selection Problem. Intl. Conf. on Computer Research and Development, pages Yuhang, Z., Qi, L., and Wei, Y. (2010). Materialized view selection algorithm CSSA VSP. Intl. Conf. Comput. Intel. and Natural Computing (CINC), pages

4 Implementação e Resultados Experimentais

4 Implementação e Resultados Experimentais 4 Implementação e Resultados Experimentais Com o objetivo de fazer a criação automática de visões materializadas, ou seja, prover uma solução on-the-fly para o problema de seleção de visões materializadas,

Leia mais

Tuning e Self-Tuning de Bancos de Dados

Tuning e Self-Tuning de Bancos de Dados Tuning e Self-Tuning de Bancos de Dados Dr. José Maria Monteiro Universidade de Fortaleza (UNIFOR) monteiro@unifor.br Secretaria da Fazenda do Estado do Ceará Sefaz-CE monteiro@sefaz.ce.gov.br 1 Self-Tuning

Leia mais

5 Trabalhos Relacionados

5 Trabalhos Relacionados 5 Trabalhos Relacionados Existem ferramentas (por exemplo, (Morelli et al, 2012), (Bruno et al, 2011), (Rangaswamy et al, 2011), (Monteiro et al, 2012), (Elghandour, 2010) e (Goasdoué et al, 2011)) e abordagens

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE DESEMPENHO

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE DESEMPENHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE DESEMPENHO DE SISTEMAS DE TRANSFERÊNCIA ELETRÔNICA DE FUNDOS PROPOSTA DE TRABALHO

Leia mais

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica 3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica Este trabalho tem o objetivo de integrar o controle de acesso no projeto de aplicações na web semântica. Uma arquitetura de software

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2

GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2 GEE051 - Banco de Dados (BD) Plano de Curso Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/bd UFU/FACOM - 2011/2 Motivação Problemas reais encontrados por engenheiros exigem uma visão

Leia mais

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS Eugênio de O. Simonetto 1, Cristiano R. Moreira, Duncan D. A. Ruiz 2, Luciano C. Ost 1, Glauco B.V.Santos 1 RESUMO O trabalho apresenta uma ferramenta

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 2.2 1 2 Material usado na montagem dos Slides Bibliografia

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web paper:25 Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web Aluno: Gleidson Antônio Cardoso da Silva gleidson.silva@posgrad.ufsc.br Orientadora: Carina Friedrich Dorneles dorneles@inf.ufsc.br Nível: Mestrado

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Introdução Dados Informações Banco de Dados Conceitos Básicos em Bancos de Dados Definição BD - Banco de Dados SGBD - Sistema de Gerenciamento de BD Programa de Aplicação

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

INE 5336 Banco de Dados II

INE 5336 Banco de Dados II UFSC-CTC-INE Curso de Ciências da Computação INE 5336 Banco de Dados II Ronaldo S. Mello 2008/2 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5336 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia Cronograma

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Uma Abordagem Não-Intrusiva para a Manutenção Automática do Projeto Físico de Bancos de Dados

Uma Abordagem Não-Intrusiva para a Manutenção Automática do Projeto Físico de Bancos de Dados José Maria da Silva Monteiro Filho Uma Abordagem Não-Intrusiva para a Manutenção Automática do Projeto Físico de Bancos de Dados Tese de Doutorado Tese apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Jonathan Brilhante(jlgapb@cin.ufpe), Bruno Silva(bs@cin.ufpe) e Paulo Maciel(prmm@cin.ufpe) Agenda 1. 2. 3. 4. 5.

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução. Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução. Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Introdução Prof. Humberto Brandão humberto@dcc.ufmg.br aula disponível no site: http://www.bcc.unifal-mg.edu.br/~humberto/ Universidade Federal de

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS Marcos Mitsuo Ashihara 1, Nelson Tenório Jr 2, Rita Cristina Galarraga

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Arquitetura de SGBD Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Agenda Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

INE 5432 Banco de Dados II

INE 5432 Banco de Dados II UFSC-CTC-INE Curso de Ciências da Computação INE 5432 Banco de Dados II Ronaldo S. Mello 2010/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5432 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia Cronograma

Leia mais

TÍTULO: ELICITAÇÃO DE REQUISITOS DE INTEGRIDADE PARA SISTEMAS SEGUROS UTILIZANDO ASPECTOS E DOMÍNIOS

TÍTULO: ELICITAÇÃO DE REQUISITOS DE INTEGRIDADE PARA SISTEMAS SEGUROS UTILIZANDO ASPECTOS E DOMÍNIOS TÍTULO: ELICITAÇÃO DE REQUISITOS DE INTEGRIDADE PARA SISTEMAS SEGUROS UTILIZANDO ASPECTOS E DOMÍNIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

INE 5613 Banco de Dados I

INE 5613 Banco de Dados I UFSC-CTC-INE Curso de Sistemas de Informação INE 5613 Banco de Dados I 2009/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5613 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia 1 Objetivo Esta disciplina

Leia mais

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 Prezados Senhores da comissão de licitação da UENF, seguem alguns questionamentos acerca do edital de concorrência 01/2013 para esclarecimentos: 1. ANEXO

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Autor:Thiago França Naves 1, Orientador: Carlos Roberto Lopes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática 2006.2 Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento

Leia mais

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Luiz Cláudio Hogrefe Orientador: Prof. Roberto Heinzle, Doutor Roteiro Introdução Fundamentação teórica

Leia mais

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies Ricardo de Almeida Falbo Engenharia de Ontologias Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Preocupações Principais do

Leia mais

Conhecendo os usuários de um Sistema de Banco de Dados

Conhecendo os usuários de um Sistema de Banco de Dados Conhecendo os usuários de um Sistema de Banco de Dados Palestra Grupo PET/DSC 09 de Dezembro de 2009 Prof. Carlos Eduardo Pires cesp@dsc.ufcg.edu.br Agenda Conceitos Gerais Sistema de Banco de Dados Tipos

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada. Conceitos básicos Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Conceitos introdutórios de Modelagem de dados Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Motivação/Justificativa Conteúdo fundamental para a Formação Tecnológica

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

Marcos Antonio Vaz Salles. em Bancos de Dados. Mestrado em Informática DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA

Marcos Antonio Vaz Salles. em Bancos de Dados. Mestrado em Informática DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Marcos Antonio Vaz Salles Criação Autônoma de Índices em Bancos de Dados DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Pós graduação em Mestrado em Informática Rio de Janeiro Julho de

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Centro Universitário Feevale ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Fernando Mertins Prof. Orientador: Rodrigo Rafael Villarreal Goulart Dezembro de 2007 Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

MODELO RELACIONAL - UFMA

MODELO RELACIONAL - UFMA MODELO RELACIONAL Universidade Federal do Maranhão - UFMA Departamento de Informática Projeto de Banco de Dados Profª.MSc Simara Rocha simararocha@gmail.com/simara@deinf.ufma.br www.deinf.ufma.br/~simara

Leia mais

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software Modelo para Documento de Especificação de Requisitos de Software (Baseado na norma IEEE Std 830-1993 - Recommended Practice for Software Requirements Specifications) A boa organização lógica do documento

Leia mais

INE 5616 Banco de Dados II

INE 5616 Banco de Dados II UFSC-CTC-INE Curso de Sistemas de Informação INE 5616 Banco de Dados II Ronaldo S. Mello 2011/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5616 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia Cronograma

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO Jader dos Santos Teles Cordeiro Orientador Prof. Paulo Guilhermeti PERSISTÊNCIA EM OBJETOS JAVA: UMA ANÁLISE

Leia mais

Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés

Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés Introdução Trabalhos Relacionados Abordagem Proposta Considerações Finais Conclusão Trabalhos Futuros 2 Agentes

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs O objetivo deste documento é fazer uma revisão bibliográfica para elucidar as principais diferenças entre os SGBDs, apontando

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL SQL APOSTILA INTRODUÇÃO Uma linguagem de consulta é a linguagem por meio da qual os usuários obtêm informações do banco de dados. Essas linguagens são, tipicamente, de nível mais alto que as linguagens

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados

Laboratório de Banco de Dados Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Laboratório de Banco de Dados Conteúdo Administração de Usuários de Papéis; Linguagens

Leia mais

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Simone Diniz Junqueira Barbosa Versão: 1.0.4 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Sumário 1 Introdução... 3 2 Projeto

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software Modelo para Documento de Especificação de Requisitos de Software Prof. Dr. Juliano Lopes de Oliveira (Baseado na norma IEEE Std 830-1993 - Recommended Practice for Software Requirements Specifications)

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

Projeto Final de Engenharia de Computação

Projeto Final de Engenharia de Computação Orientações para Desenvolvimento do Projeto Final de Engenharia de Computação compilado por: Noemi Rodriguez texto baseado em: Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final, de Simone Barbosa

Leia mais

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)?

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)? Roteiro BCC321 - Banco de Dados I Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Conceitos Básicos Banco

Leia mais

Lucas Nascimento Santos

Lucas Nascimento Santos Lucas Nascimento Santos Mobile Application Developer lucassantoos56@gmail.com Resumo Lucas Nascimento Santos (@ll_ucasn), engenheiro de software. Estudante de Ciência da Computação na Universidade Salvador

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 NA AULA PASSADA... 1. Apresentamos a proposta de ementa para a disciplina; 2. Discutimos quais as ferramentas computacionais

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais