CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO"

Transcrição

1 CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO VASSOURAS 2011

2 APRESENTAÇÃO Este Projeto expressa a prática pedagógica do curso de Medicina desenvolvido na Universidade Severino Sombra (USS). Esta prática compromete-se com a formação de um profissional médico de acordo com o que preconizam as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Medicina (MEC): um médico generalista, humanista, crítico e reflexivo, capacitado a atuar pautado em princípios éticos, no processo saúde-doença em seus diferentes níveis de atenção, com ações de promoção e recuperação da saúde além da prevenção às doenças na perspectiva da integralidade da assistência, com senso de responsabilidade social e compromisso com a cidadania, como promotor da saúde integral do ser humano. A organização da proposta do curso pressupôs a necessidade de uma gestão flexível do currículo que envolvesse não somente os conteúdos disciplinares, como também práticas pedagógicas capazes de ampliar os espaços e os tempos de aprender. Por considerarmos que as Universidades não são apenas instituições cujo trabalho se esgota na instrução, mas, ao contrário, são espaços complexos em que circulam culturas, ideologias e visão de mundo diferenciado e múltiplo compreendemos que na discussão sobre o projeto pedagógico de um curso de graduação não são apenas as questões relacionadas ao como e por que aprender que devem estar sendo discutidas, como também as relacionadas ao ensino. Nesta perspectiva, o Projeto Pedagógico do Curso (PPC) de Medicina da USS valoriza diferentes dimensões do processo de construção do conhecimento: cognitivas (raciocínio/memória), afetivas (valores/atitudes) e psicomotoras (condicionamento/habilidades). Assim moldado, o projeto não é um produto pronto e acabado, linear e estático, mas dinâmico e sempre passível de aperfeiçoamento. Exigiu na sua construção coletiva pelo Núcleo Doente Estruturante (NDE), uma reflexão acerca da concepção e das finalidades da educação, sua relação com a sociedade, sobre o homem a ser formado, a cidadania e a consciência crítica. A importância do Projeto Pedagógico do Curso de Medicina centra-se na possibilidade de uma maior integração dos componentes curriculares, na maior aproximação dos docentes entre si e com a comunidade e, conseqüentemente, uma maior aproximação com a Missão e a Visão da USS, articulada aos objetivos do curso de Medicina. Prof. Dr. João Carlos de Souza Côrtes Jr Coordenador do Curso de Medicina 1

3 SUMÁRIO I - CONTEXTUALIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR (IES) 1. DADOS GERAIS DA MANTENEDORA E DA MANTIDA PERFIL E MISSÃO DA IES DADOS SÓCIO-ECONÔMICOS DA REGIÃO BREVE HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO Políticas Institucionais de Ensino, Pesquisa e Extensão 10 II - CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO 2. DADOS GERAIS DO CURSO O CURSO HISTÓRICO DO CURSO 14 III - ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 3. PROJETO DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO ARTICULAÇÃO DO PPC PPI - PDI: AÇÕES IMPLEMENTADAS Núcleo de Orientação Pedagógica da Educação Médica (NUPEM) Política de aprimoramento da qualificação docente COERÊNCIA DO PPC E DA PROPOSTA CURRICULAR COM AS DCNs INSTÂNCIAS COLETIVAS DO CURSO: COLEGIADOS ESTRUTURA CURRICULAR Adequação da matriz ao perfil do egresso CONTEÚDOS CURRICULARES Ementas: articulação com perfil do egresso ATENDIMENTO AO DISCENTE Programa institucional de nivelamento Programa institucional de Monitoria Programa institucional de Tutoria 44 2

4 Apoio psicopedagógico Acesso a registros acadêmicos Condições de acesso para portadores de necessidades especiais Apoio à participação em eventos, divulgação de trabalhos e produção discente Apoio a organização estudantil PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO ATIVIDADES ACADÊMICAS ARTICULADAS À FORMAÇÃO Estágio Curricular Supervisionado Cenários de prática Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) Atividades Complementares AÇÕES ACADÊMICO-ADMINISTRATIVAS: ENADE, AUTO- AVALIAÇÃO DO CURSO E INSTITUCIONAL PERFIL DO EGRESSO DO CURSO DE MEDICINA Política Institucional de acompanhamento de egressos DA PESQUISA NO CURSO DE MEDICINA 58 IV- CORPO DOCENTE, CORPO TÉCNICO E ADMINISTRATIVO 4.1. COORDENADOR DO CURSO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CORPO DOCENTE 61 V - INSTALAÇÕES FÍSICAS 5.1. RECURSOS MATERIAIS: INFRA-ESTRUTURA DE APOIO AO FUNCIONAMENTO DO CURSO Hospital Universitário Sul Fluminense (HUSF) Laboratórios Específicos Laboratórios de Informática Biblioteca 68 VI - EMENTÁRIO - ANEXO 3

5 I - CONTEXTUALIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 1. DADOS GERAIS DA MANTENEDORA E DA MANTIDA Mantenedora: FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SEVERINO SOMBRA Município - Sede: Vassouras Estado: Rio de Janeiro Região: Centro Sul Fluminense C.G.C. / C.F. n / Mantida: UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA (USS) Município - Sede: Vassouras Estado: Rio de Janeiro Região: Centro Sul Fluminense Ato de Credenciamento: Decreto de 3 de julho de 1997 Data de publicação no DO: 04/07/1997 Processo: /90-76 Endereço: Praça Martinho Nóbrega, 40 Bairro: Centro Cidade: Vassouras CEP: Telefones: 0XX (24) / Home page: http//www.uss.br 1.1. PERFIL E MISSÃO DA IES A história da Universidade Severino Sombra (USS) se articula com a história da cidade de Vassouras. A USS possui importância histórica no desenvolvimento econômico, social e cultural do município de Vassouras e de seu entorno que constituem a região de governo denominada de centro sul fluminense. Interiorização e regionalização são categorias que articulam o ente federativo - MUNICÍPIO - a instituição de ensino superior - UNIVERSIDADE. Esta, desde a década de 70, cumpre a função social do ensino superior. Ao oferecer acesso a cursos de graduação, 4

6 fora dos grandes centros, cria chances objetivas para acesso a um diploma de ensino superior, ampliando a escolarização da população local, como também daqueles que provém de outros municípios do estado do Rio de Janeiro e/ou de outros estados de diferentes regiões do Brasil. Este fato expressa-se em sua missão, em sua visão de futuro, nos princípios filosóficos que orientam as práticas gestoras e pedagógicas. Todos identificados com o compromisso com a formação integral do ser humano como podemos observar em sua MISSÃO: Promover a formação integral do ser humano e sua capacitação ao exercício profissional, através do ensino, da pesquisa e da extensão, incentivando o aprendizado contínuo para o desenvolvimento nacional e em particular da região Centro Sul-Fluminense. A partir da sua missão, a Universidade Severino Sombra (USS) compromete-se com o desenvolvimento científico do país, a partir de uma educação superior que valoriza e incorpora as inovações tecnológicas, educacionais, em uma perspectiva multicultural e globalizante como podemos observar na VISÃO institucional. Transformar o contexto da educação superior brasileira, através da implementação de uma gestão compartilhada e inovadora capaz de concretizar uma idéia de formação multidimensional eficaz e de qualidade atendendo as diferentes realidades sociais. Para promover a formação integral do ser humano articulada ao desenvolvimento local, regional e nacional há necessidade de princípios que orientem as práticas. Dentre eles podemos citar os valores que permeiam as práticas gestoras e pedagógicas da USS: Autonomia: Estimular o desenvolvimento autônomo de conhecimentos e a autotransformação em busca do fortalecimento da tomada de decisões para a resolução de problemas de forma mais adequada e emergencial, em função da consciência de responsabilidade social. Conhecimento: Reconhecer o legado cultural que sustenta os indivíduos, favorecendo a critica e reflexão permanente; Relações éticas: Valorizar a diversidade ética e cultural, contribuindo para a difusão de práticas de inclusão; 5

7 Trabalho cooperativo: Estimular a cooperação e o compartilhamento de visões de mundo, de sociedade, de trabalho de equipe; Formação permanente: Compreender a formação como um processo permanente que orienta nossas ações no mundo e sobre o mundo, que favorece o aprimoramento individual e coletivo, pessoal, organizacional e social. Considerando a Missão, a Visão e os valores definem-se os objetivos da USS: Objetivo Geral: Oferecer ensino superior nos níveis de graduação e pós-graduação lato sensu e stricto sensu, de forma articulada com pesquisa e extensão. Objetivos específicos: 1. Incentivar formação autônoma e pessoal, por meio de práticas pedagógicas modernas despertando o desenvolvimento de múltiplas capacidades do discente; 2. Desenvolver formação humanista; 3. Incentivar articulação eficaz do binômio teoria e prática, buscando valorizar o aluno com um ser universal que possui suas experiências desenvolvidas em diferentes espaços de aprendizagem. 4. Valorizar e promover a contínua busca do conhecimento para que, concluído o curso, promovam seu próprio desenvolvimento intelectual e profissional autônomo e permanente; 5. Desenvolver habilidades e competências que possibilitarão ao aluno: Desenvolver comunicação eficaz; Ter um diálogo unívoco claro e convincente, apropriando-se do modo de argumentação adequado à sua formação e à sua área profissional; Utilizar línguas estrangeiras de maneira instrumental, ampliando sua competitividade profissional; Utilizar recursos tecnológicos que favorecem a busca e registro de dados, a produção intelectual e a comunicação; Articular com eficácia os instrumentos e as habilidades fundamentais de seu campo profissional, para nele atuar com responsabilidade e competência; Ter uma visão sistêmica de sua área de conhecimento, compreendendo para isto as relações multidisciplinares que ela estabelece; 6

8 .Pensar criticamente a própria experiência e o próprio entorno; Conceber criativamente e coletivamente visões compartilhadas de futuro DADOS SÓCIO-ECONÔMICOS DA REGIÃO O município de Vassouras localiza-se na região de governo denominada de Centro-Sul Fluminense. Sua posição geográfica está diretamente ligada pelo Caminho Novo aos primórdios da história do Rio de Janeiro e das Minas Gerais. A origem de seu nome, segundo a tradição, se deve à grande quantidade do arbusto chamado Tupeiçava ou Vassourinha, muito utilizado para fazer vassoura. Conhecida também como "Princesinha do Café", "Cidade das Palmeiras" e "Terra dos Barões", Vassouras exerceu importante papel no período do ciclo do café (séculos XVIII e XIX). Suas terras, inicialmente desbravadas por Garcia Rodrigues Paes Leme, transformaram-se logo num conglomerado de tropeiros e, em breve, a sesmaria de Vassouras e Rio Bonito daria lugar à Vila de Vassouras. Contando com privilegiada rede de transporte, destacando-se a via férrea, Vassouras foi elevada à categoria de cidade em Enriquecida com a economia cafeeira, em pouco tempo se transformaria em um dos principais núcleos da aristocracia fluminense e só declinaria com a abolição da escravatura. A monocultura cedeu lugar às pequenas lavouras de hortaliças e cereais. Sua economia hoje se resume às atividades agropecuárias, principalmente as de gado de corte e leiteiro e às lavouras de tomate. Considerada historicamente, como um dos mais importantes municípios do Vale do Paraíba, Vassouras guarda em suas características arquitetônicas os vestígios do período áureo do ciclo do café. O visitante se encanta com os calçamentos de suas ruas, com a beleza de seus prédios, praças, chafarizes, figueiras centenárias e gigantescas palmeiras. A Praça Barão do Campo Belo, encimada pela Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, é emoldurada pelo casario que serviu à aristocracia. Seu Conjunto urbanístico e arquitetônico, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), refere-se à parte central do distrito - sede. Data do século XIX e se destaca pela singularidade de suas ruas, pela beleza de suas praças e solares assobradados. A região apresenta ainda sedes de fazendas que preservam a beleza arquitetônica colonial rural. 7

9 Hoje, a Universidade Severino Sombra e Vassouras são indissociáveis, seus cerca de habitantes (IBGE, 2009) se misturam à população estudantil. O município é constituído de quatro (4) distritos: Vassouras, Andrade Pinto, São Sebastião dos Ferreiros e Sebastião de Lacerda. Assim permanecendo em divisão territorial datada de BREVE HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO A Universidade Severino Sombra surgiu na segunda metade da década de 1960, a partir da criação em 27/07/66 da Fundação Universitária Sul Fluminense (FUSF). Em 25 de março de 1975, cumprindo exigência do Conselho Federal de Educação, teve seu nome alterado para Fundação Educacional Severino Sombra (FUSVE). A partir de 03 de julho de 1997 as Faculdades Integradas Severino Sombra são transformadas na Universidade Severino Sombra (D.O. de 04/07/97). O primeiro curso a ser autorizado foi o de Medicina (decreto n de 13/12/68). A FACULDADE DE MEDICINA funcionou, inicialmente, em prédio cedido pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro- Palacete Barão de Massambará. Começava a realização do sonho do Professor Severino Sombra: o de implantar, na histórica cidade de Vassouras, a Coimbra Brasileira, isto é, uma Cidade Universitária. Tendo em vista o sentido humanitário de sua obra de prestar assistência às populações da região e, sobretudo para promover as atividades práticas do Ensino Médico, a FUSF, empenhou-se na instalação de um Hospital-Escola. Foi adquirida, em março de 1970, uma propriedade com m 2 de terreno arborizado com um imóvel em que funcionava a Sociedade Feminina de Educação e Assistência. Em abril do mesmo ano começou a funcionar o Ambulatório com 14 consultórios médicos e dois anfiteatros. A inauguração do Hospital-Escola Jarbas Passarinho (HEJP), ocorreu em 27/04/72, com a presença do Ministro da Educação e Cultura, Professor Jarbas Passarinho. Em 1984, o ciclo básico da Faculdade de Medicina foi transferido do antigo Palacete do Barão de Massambará para as novas instalações do Conjunto Universitário. Em 1988, foi autorizado o funcionamento da Residência Médica nas 04 (quatro) áreas básicas (pediatria, ginecologia/obstetrícia, clínica médica e clínica cirúrgica), pela Comissão Nacional de Residência Médica do Ministério da Educação e Cultura e, mais recentemente, através do Parecer nº 09/98, foram credenciadas as áreas de Anestesiologia, Nefrologia, Terapia Intensiva e, finalmente, em 2008 a de Medicina da Família. 8

10 No ano de 2005, a necessidade de promover uma mudança curricular com o objetivo da modernização do ensino médico, adequando-o às Diretrizes Curriculares Nacionais para Cursos de Graduação em Medicina, às necessidades reais da população e ao sistema de saúde vigente culminou com a Portaria R.013/05 que instituiu a Comissão Permanente para Melhoria do Curso de Medicina. Paralelamente à criação do Curso de Medicina observamos, no início da década de 1970, a criação e autorização, no município de Paraíba do Sul, da FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS (Decreto n , de 21/09/71, publicado no D. O. de 23/09/71). Por exigência do Conselho Federal de Educação foi transferida para a sede do Município de Vassouras (04/06/75), instalando-se provisoriamente no imóvel do Colégio Regina Coeli. No Final da década de 1970, visando ampliar seus Cursos, a Fundação Universitária Severino Sombra implantou a ESCOLA DE ENGENHARIA MECÂNICA E ELÉTRICA (Decreto n , de 14/05/84, publicado no D.O. de 15/04/84). Em função da ampliação das áreas de atuação, além do Curso de Medicina foi adquirido, a partir da década de 1970, o prédio da Estação Ferroviária do município de Vassouras; a Chácara Visconde de Araxá, onde foi construído o Campus Universitário. Foram também concluídas as obras de construção da quadra polivalente coberta do Centro Esportivo da FUSF e o Centro Esportivo Éric Tinoco Marques. O Campus Universitário ganhou em 1986, o Auditório Severino Sombra, com capacidade de 220 lugares. Como parte do Complexo Educacional Severino Sombra foram criados: o Colégio Sul Fluminense de Aplicação- COSFLAP- (Portaria n. 997/CDCE-E, de 04/12/90) e o Centro de Documentação Histórica, com a finalidade de desenvolver Pesquisa em Vassouras e no Vale do Paraíba. Destacamos também a Fazenda Experimental e o Hospital-escola veterinário. A Fazenda Experimental é de uso exclusivo da Instituição e oferece serviços de assistência especializada nas áreas de clínica, cirurgia, reprodução animal, formação de pastagens e nutrição animal. Oferece com apoio de uma equipe multidisciplinar a prática da Equoterapia, para pessoas portadoras de deficiências e/ou de necessidades especiais. O Hospital-Escola Veterinário oferece atendimento clínico/cirúrgico a pequenos animais e animais selvagens, proporcionando aos alunos aulas práticas e estágios com especialistas de diversas áreas, como: Clínica, Cirurgia, Laboratório Clínico, Radiologia e Ultra-sonografia. Possui ainda, infra-estrutura para criação e pesquisa de animais de laboratório (biotério) e canil. 9

11 A partir de então oferece cursos de graduação, nas modalidades de bacharelado, licenciatura e tecnólogo distribuídos em três (3) centros: a) Centro de Ciências da Saúde: Medicina, Biomedicina, Fisioterapia, Farmácia, Psicologia, Medicina Veterinária, Odontologia, Enfermagem e Tecnólogo em Radiologia. b) Centro de Ciências Exatas, tecnológicas e da Natureza: Engenharia Elétrica, Engenharia Ambiental, Química, Matemática, Sistema de Informação e Tecnólogo em Gestão Ambiental. c) Centro de Letras, Ciências Humanas, Sociais e Aplicadas: História, Letras, Ciências Biológicas, Pedagogia, Turismo (Bacharelado e Tecnólogo), Administração, Teologia, Tecnólogo em Agronegócios, Tecnólogo em Gestão Pública e Tecnólogo em Negócios Imobiliários. No que tange à administração, o general Severino Sombra de Albuquerque legou a Universidade Severino Sombra para o Município de Vassouras. A gestão da Universidade e da mantenedora FUSVE foi estabelecida a partir de eleição de um Conselho Gestor pelo voto da Comunidade Acadêmica e da Comunidade de Vassouras, representadas pelos membros dos Conselhos Eleitor, Diretor e Curador. Em 2005 o Hospital Universitário foi reconhecido como hospital de ensino pelo Ministério da Saúde e pelo Ministério da Educação Políticas Institucionais de Ensino, Pesquisa e Extensão Atualmente as Políticas institucionais da Universidade Severino Sombra (USS) buscam articular ensino-pesquisa e extensão. É a Pró-Reitoria de Ensino de Graduação que implanta e coordena as políticas de ensino através da oferta de cursos de graduação plena nas áreas das Ciências da Saúde; das Ciências Humanas e das Ciências Exatas e da Natureza. A política de ensino da Instituição busca estimular a inquietação, a dúvida, a provocação de novas idéias e a procura de novos métodos que comprometam o aluno com os problemas da sociedade através de uma formação multidisciplinar. Procura dotar os estudantes não apenas de uma excelente formação profissional, mas também de atitudes que expressem essa formação. Articulando formação profissional e formação política, a Instituição quer provocar em seus estudantes tomadas de atitude frente à situação atual, tornando-os profissionais politicamente responsáveis. 10

12 A compreensão do currículo como algo dinâmico, que se constrói cotidianamente, contribui para a reconfiguração das escolhas e decisões docentes, questionando uma suposta neutralidade do seu trabalho pedagógico provocando reflexão e tomada de decisão, que se desenvolvem assentadas em valores e princípios na maioria das vezes não explicitados. Pensar as mudanças no ensino e no Projeto Pedagógico implica pensar movimentos que envolvam ações em nível macro e micro. Como não são distintos os atores a intervir nestes dois cenários, é fundamental a articulação entre eles. A mudança não se constrói somente em nível macro, nem somente no espaço local. Os dois âmbitos devem estar articulados e os atores envolvidos têm que participar de algum modo nesses amplos espaços que estão configurados. É a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação o setor da Universidade Severino Sombra (USS) responsável por implantar, acompanhar e avaliar políticas institucionais de práticas de investigação e de iniciação científica. A Missão de uma Universidade não se restringe somente à transmissão do conhecimento, mas, sobretudo, abrange a produção de conhecimento científico. Diante disto, a Universidade Severino Sombra instituiu mecanismos de incentivo e viabilização para o desenvolvimento de pesquisas em sua comunidade acadêmica. Com a criação de meios que possibilitem gerar um ambiente propício à produção de novos conhecimentos, a Universidade busca contribuir para a qualificação e atualização de seu Corpo Docente em relação aos avanços científicos, ao intercâmbio de conhecimento científico, ao crescimento de sua comunidade acadêmica e finalmente, para a melhoria do processo de ensino - aprendizagem, através da aproximação entre o ensino e a pesquisa. Através da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação a USS vem investindo em ensino continuado desde a década de 1970 através de seus cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. A USS por atuar em toda a região centro sul fluminense é um importante pólo formador e fomentador do desenvolvimento científico e cultural, possibilitando a (re)qualificação profissional e uma melhor perspectiva de inserção no mercado de trabalho. Por sua tradição e pela qualidade dos cursos oferecidos a USS é hoje uma referência regional em Pós-Graduação ao oferecer cursos na Área da Saúde, da Educação e em Áreas Multidisciplinares. Na área da oferta de Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu oferece o Mestrado Acadêmico em História Social, o Mestrado Profissional em Educação Matemática e a partir de 2011, o Mestrado Profissional em Ciências Ambientais. A pesquisa na USS apresenta-se como atividade central do campo científico a partir de duas tônicas combinadas. A primeira estimula os docentes nas discussões do mundo científico, incentivando a organização de Grupos de Pesquisa. A segunda tônica tem 11

13 como público alvo os estudantes de graduação dos cursos superiores que complementam sua formação através da participação em Grupos de Pesquisa e de atividades de Iniciação Científica, contribuindo para despertar vocação científica e estimular o desenvolvimento do pensar cientificamente e da criatividade. A Iniciação Científica tem como um dos seus principais objetivos despertar a vocação científica dos estudantes de graduação e incentivar talentos em potencial. Este Programa estabelece incentivos e normas para o desenvolvimento acadêmico dos alunos de graduação da Universidade Severino Sombra, estreitando vínculos entre o ensino e a pesquisa e contribuindo para uma melhor formação do discente, através de seu engajamento em Projetos de Pesquisa desenvolvidos e orientados pelos docentes da Instituição. Ao mesmo tempo, os novos questionamentos e as novas práticas decorrentes do trabalho de pesquisa incidem diretamente sobre o rendimento acadêmico do aluno, tanto no desenvolvimento de suas aptidões e seu raciocínio, quanto na sua motivação. A USS possui Grupos de Pesquisa cadastrados no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico (CNPq). Desses grupos participam professores e alunos das áreas das Ciências da Saúde; Ciências Exatas, da Natureza e Tecnológica; das Ciências Humanas. Até o ano de 2007 a USS subsidiava os pesquisadores com gratificação de pesquisa e a partir de janeiro de 2008, esta gratificação passou a ser feita através da FUNADESP (Fundação Nacional de Desenvolvimento do Ensino Superior Particular) Os resultados das atividades de pesquisa têm propiciado que docentes e discentes possam participar de congressos, reuniões científicas internacionais, nacionais e locais com apresentação de trabalhos. Como resultado desses trabalhos de investigação tem ocorrido a publicação em livros e revistas indexadas. Como inúmeros trabalhos possuem dimensão social tem ocorrido à articulação das pesquisas com a extensão junto a comunidade local. Dentro desta perspectiva, a Universidade se propõe a ser um centro promotor e estimulador da pesquisa científica definindo Linhas e Grupos de Pesquisa voltados para o desenvolvimento regional, empenhados em contribuir para a diminuição dos desníveis setoriais da sociedade em que se encontra inserida e consoantes com o perfil de formação que pretende. As políticas de pesquisa da Instituição são definidas pelo Colegiado de Pesquisa, órgão colegiado, de natureza consultiva, normativa e deliberativa, formado por docentes das diferentes áreas do saber abrangidas na USS e eleitos por seus pares. 12

14 Desta forma, a Comunidade Acadêmica participa de forma atuante no estabelecimento das diretrizes de pesquisa e na criação das normas para sua operacionalização. O Comitê de Ética em Pesquisa (CEP-USS) tem papel - chave na monitorização dos Projetos de Pesquisa na Instituição, assegurando que o delineamento da pesquisa e o seu desenvolvimento sigam os parâmetros éticos estabelecidos. O Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) é um órgão colegiado interdisciplinar e independente, com munus público, de caráter consultivo, deliberativo e educativo, que existe nas instituições que realizam pesquisas envolvendo seres humanos no Brasil, criado para defender os interesses dos sujeitos da pesquisa em sua integridade e dignidade e para contribuir no desenvolvimento da pesquisa dentro de padrões éticos (Normas e Diretrizes Regulamentadoras da Pesquisa Envolvendo Seres Humanos Res. CNS 196/96, II.14). É responsável pela avaliação e acompanhamento dos aspectos éticos de todas as pesquisas envolvendo seres humanos. Sua missão é salvaguardar os direitos e a dignidade dos sujeitos da pesquisa, contribuir para sua qualidade e na discussão do papel da pesquisa no desenvolvimento institucional e social da comunidade. O CEP da Universidade Severino Sombra foi criado e registrado junto à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP), em 2000, sendo esta criação resultado de uma demanda apresentada por docentes do curso de medicina. Atualmente o Comitê é formado por dezessete participantes de diversas áreas de atuação, além de um representante dos usuários e vem promovendo campanhas educativas e realizado cursos de extensão gratuitos, abertos a toda a comunidade, sobre os procedimentos éticos em pesquisa envolvendo seres humanos. A CEUA, Comissão de Ética no Uso de Animais, tem por finalidade fazer cumprir as determinações dos aspectos éticos envolvendo a utilização em animais tanto em experimentos e quanto em atividades de ensino. A CEUA é uma comissão multidisciplinar formada por docentes, discentes e membros da sociedade civil que se reúne periodicamente com o objetivo de acompanhar, avaliar e regulamentar os procedimentos envolvendo animais na Instituição. Os parâmetros e os critérios adotados pela CEUA-USS são aqueles estabelecidos pela COBEA e pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária. Baseada neles a CEUA criou o Protocolo para uso de animais em experimentos e que deve ser seguido e utilizado tanto nas pesquisas científicas quanto nas atividades práticas dos cursos de graduação sempre que envolverem a utilização de animais. Este protocolo também regulamenta todos os procedimentos relativos ao biotério da USS. 13

15 Conceitualmente, a EXTENSÃO deve atender a três marcos: a bilateralidade da relação Instituição de Ensino Superior e sociedade, a indissociabilidade pesquisa-extensão e a interdisciplinaridade. A Extensão Universitária é um processo social, educativo, cultural e científico que, articulado ao ensino e à pesquisa, viabiliza a relação transformadora entre a dupla, com troca de saberes, resultante da atuação intencional do Curso na realidade e da participação efetiva da comunidade na construção da Universidade. O relacionamento com o ensino e a pesquisa reforça o processo extensionista como espaço de formação, alicerçado na produção de novos conhecimentos, na qual se incluem os novos métodos e tecnologias. No ensino da USS, a Extensão contribui para o aprofundamento do conceito compreensivo de sala de aula como espaço intra e extramural, para a superação do conceito de aula como processo informativo, buscando uma maior responsabilização do aluno na sua formação e reforçando o papel do professor como facilitador do processo de ensino-aprendizagem e não mero repassador de informação. II - CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO 2. DADOS GERAIS DO CURSO: 2.1. O CURSO Habilitação: Bacharelado Turno: Integral Endereço: Av. Expedicionário Oswaldo de Almeida Ramos 280, Centro, Vassouras, RJ Atos Legais Regulatórios: Autorização parecer 721/68 C.E.Su de 8/11/1968 (Proc. 1424/68 CFE) Renovação de conhecimento: portaria 3054 de 02/09/ HISTÓRICO DO CURSO: No ano de 1966, com o apoio do Governo Federal, foi estruturada a proposta de criação da Faculdade de Medicina de Vassouras, atendendo orientação do Ministério da Educação e Cultura (MEC) que definia, naquele momento, a criação de vagas para alocar um grande contingente de alunos excedentes dos vestibulares de Medicina. Em maio do mesmo ano, o Governo do Estado do Rio de Janeiro cedeu o Palacete do Barão de Massambará para funcionamento da Faculdade e Medicina de Vassouras. A autorização foi concedida pelo Conselho Federal de Educação, em 14 de junho de 1967, com 14

16 aprovação do Parecer nº 249/67. Em razão da política mencionada, foi acolhido pelo Conselho Federal de Educação o pedido de reconhecimento do referido Curso de Medicina, tendo sido aprovado em 10/10/1968 e confirmado através do Decreto nº 63800, de 13/12/68. No mês de março do ano seguinte foi realizado o 1º Concurso Vestibular de Vassouras e as atividades letivas iniciaram-se em 01/07/69. Começava a realização do sonho do Professor Severino Sombra: o de implantar, na histórica cidade de Vassouras, a Coimbra Brasileira, isto é, uma Cidade Universitária. Tendo em vista o sentido humanitário de sua obra de prestar assistência às populações da região e, sobretudo para promover as atividades práticas do Ensino Médico, a FUSF, empenhou-se na instalação de um Hospital-Escola. Foi adquirida, em março de 1970, uma propriedade com m 2 de terreno arborizado com um imóvel em que funcionava a Sociedade Feminina de Educação e Assistência. Em abril do mesmo ano começou a funcionar o Ambulatório com 14 consultórios médicos e dois anfiteatros. A inauguração do Hospital-Escola Jarbas Passarinho (HEJP), ocorreu em 27/04/72, com a presença do Ministro da Educação e Cultura, Professor Jarbas Passarinho. Em 1984, o ciclo básico da Faculdade de Medicina foi transferido do antigo Palacete do Barão de Massambará para as novas instalações do Conjunto Universitário. Em 1988, foi autorizado o funcionamento da Residência Médica nas 04 (quatro) áreas básicas (pediatria, ginecologia/obstetrícia, clínica médica e clínica cirúrgica), pela ComissãoNacional de Residência Médica do Ministério da Educação e Cultura e, mais recentemente, através do Parecer nº 09/98, foram credenciadas as áreas de Anestesiologia, Nefrologia, Terapia Intensiva e, finalmente, em 2008 a de Medicina da Família. No ano de 2005, a necessidade de promover uma mudança curricular com o objetivo da modernização do ensino médico, adequando-o às Diretrizes Curriculares Nacionais para Cursos de Graduação em Medicina, às necessidades reais da população e ao sistema de saúde vigente culminou com a Portaria R.013/05 que instituiu a Comissão Permanente para Melhoria do Curso de Medicina. Após várias reuniões da Comissão e ouvidos o corpo docente e as representações discentes, foram moldados os princípios da nova estrutura curricular. Aprovada pelo CONSU CONSEPE e pelo Colegiado de Curso de Medicina, a nova matriz entrou em vigor no primeiro semestre de 2007 e tem sido aperfeiçoada continuadamente. 15

17 III - ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 3. PROJETO DO CURSO: 3.1. OBJETIVOS DO CURSO A USS de acordo com o que preconizam as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Medicina (MEC), almeja formar um médico generalista, humanista, crítico e reflexivo: a) comprometido com princípios éticos que deverá: Atuar no processo saúde-doença em seus diferentes níveis de atenção; Contribuir com ações de promoção e recuperação da saúde e prevenção às doenças na perspectiva da integralidade da assistência; Atuar como promotor da saúde integral do ser humano. b) apto a enfrentar os desafios do novo milênio, principalmente: contribuindo na busca de soluções para os graves problemas de saúde que afligem a humanidade; fazendo com que as descobertas científicas e tecnológicas sejam usadas, com eqüidade, para o bem das pessoas e da sociedade; respondendo às necessidades em saúde da comunidade. O modelo pedagógico/curricular do curso de Medicina, da Universidade Severino Sombra, valoriza a qualificação de um profissional habilitado a: a) atuar nos diferentes níveis de atenção à saúde; b) prestar serviços adequados às necessidades de saúde da comunidade local; b) atuar de forma integrada, com o sistema de saúde da região geopolítica na qual se localiza; d) adequar o ensino às necessidades de saúde da localidade na qual se insere; e) desenvolver conhecimentos científicos, filosóficos e tecnológicos que objetivem a elevação do nível de atenção à saúde e com isto, a qualidade de vida da comunidade. Para concretizar esses objetivos gerais e específicos, o Curso de Medicina da Universidade Severino Sombra busca promover a formação do médico centrada na ética e na abordagem do processo saúde-doença do homem enquanto ser biopsicossocial. 16

18 3.2. ARTICULAÇÃO DO PPC - PPI - PDI: AÇÕES IMPLEMENTADAS O Projeto Pedagógico do Curso de Medicina da USS apresenta consonância com a Proposta Pedagógica (PPI e PDI) da Universidade e se coaduna com a missão e visão da mesma. Três são os compromissos que norteiam as diretrizes principais da programação do Curso de Medicina da Universidade Severino Sombra: a) compromisso educacional ser um Centro formador de recursos humanos; b) compromisso social ser um Centro prestador de serviços em saúde (preventiva e curativa) à comunidade na qual se insere; pretendendo, com isso, uma elevação do nível de saúde e de vida desta comunidade; c) compromisso cultural ser um Centro produtor e disseminador de conhecimentos científicos. Com base nas Diretrizes Curriculares (DCNs), o Curso se volta para a ação profissional e consciente do médico, considerando a integração entre teoria e prática, ensino e treinamento em serviço e interdisciplinaridade, tanto nos conteúdos como nas ações de natureza profissional. Como conseqüência, o Curso de Medicina se torna um núcleo comunitário, pois tem, nos seus propósitos, a função de integrar seu projeto educacional com o Sistema Único de Saúde (SUS) no Município de Vassouras e com a comunidade local. O modelo pedagógico/curricular de ensino de graduação em Medicina da Universidade Severino Sombra tem o objetivo de graduar médicos que correspondam às necessidades da sociedade e que sejam capazes de: a) ter postura ética e ciência de sua responsabilidade social enquanto cidadãos; b) valorizar o homem no processo saúde/doença enquanto ser biopsicossocial; c) desenvolver ações de promoção da saúde e prevenção das doenças; d) utilizar, adequadamente, os conhecimentos adquiridos para fundamentar suas tomadas de decisão na prática profissional; e) atuar, com ética e competência, nos principais problemas de saúde de sua região; f) atuar em sua profissão com zelo, integridade e competência; g) fazer o atendimento inicial em urgências e emergências médicas; h) lidar com os múltiplos aspectos da relação médico-paciente; i) utilizar as diferentes formas de comunicação do mundo atual; j) aprender a aprender, continuamente, para acompanhar a evolução da ciência médica; l) desenvolver senso crítico que permita a avaliação do próprio desempenho; m) desenvolver e aprimorar espírito de investigação; 17

19 n) participar das equipes de saúde como líder, quando necessário; o) avaliar criticamente a literatura técnica disponível e ser capaz de participar da produção do conhecimento; p) comunicar-se com a comunidade científica; q) atuar em equipe multiprofissional, relacionando-se com os demais membros em bases éticas; r) adequar-se à dinâmica do mundo do trabalho onde deverá atuar, sem afastar-se dos seus princípios éticos e m orais. As Diretrizes Pedagógicas do Curso de Medicina da USS são coerentes com a missão institucional e se refletem diretamente no perfil desejado do egresso, pois norteiam a seleção dos conteúdos programáticos, os princípios metodológicos, os processos de avaliação e políticas de estágio, pesquisa e extensão. Para atingir as metas propostas, o Curso de Medicina cria condições para: a) implementar visão da aprendizagem como um processo pessoal, ativo e contínuo; b) incentivar à utilização de metodologias ativas de ensino-aprendizagem; c) estímular à interação social que envolva cooperação e troca de idéias; d) desenvolver capacidade de aprender a aprender; e) estruturar currículo que permite a construção do próprio conhecimento; f) diversificar contextos e cenários de ensino Núcleo de Orientação Pedagógica da Educação Médica (NUPEM), A criação e implantação do Núcleo de Orientação Pedagógica da Educação Médica (NUPEM), no ano de 2010, se apresentou como proposta diferenciada do Curso de Medicina da Universidade Severino Sombra. São objetivos do NUPEM: a) oferta de serviço especializado, voltado integralmente para alunos e professores; b) acompanhamento do desempenho acadêmico, favorecendo o desenvolvimento profissional e realizando a interface com a escola; c) desenvolver programa de formação continuada para a formação profissional do Médico em condição de docente São procedimentos metodológicos das ações do NUPEM: 18

20 a) Definição do perfil do aluno ingressante no curso de Medicina. Como fonte para a construção do perfil são as informações obtidas na inscrição ao Processo Seletivo - questionário "Levantamento de Habilidades e Necessidades"; b) Análise dos dados possibilitando a organização das turmas. c) Adequação do projeto do curso de Medicina, considerando as especificidades de cada turma; d) Monitoramento de desempenho e da freqüência de alunos e turmas, ao término de cada termo/período, corroborando com a avaliação formativa diagnóstica que é desenvolvida; e) Coleta de informações a partir de banco de idéias e entrevistas com alunos; O procedimento é continuamente avaliado e, se necessário, revisto ao longo dos períodos, com a utilização dos dados coletados na relação dialógica entre docentes e discentes e orientador Educacional. Ainda, na gestão da informação, cria-se a Cultura da Unidade. Um trabalho conjunto, fruto de reflexões entre alunos e Universidade, presente na figura de alguns setores que reflitam o papel dos discentes, docentes, estagiários, funcionários e demais envolvidos da comunidade interna, no que tange ao processo ensino-aprendizagem. O trabalho é direcionado a partir das seguintes ações: a) a orientação do desenvolvimento de planos de ensino mais adequados ao processo de ensino aprendizagem; b) cronogramas com inclusão de práticas pedagógicas ativas; c) aprimoramento de seções tutoriais; d) elaboração de provas e acompanhamento de um processo avaliativo mais adequado a formação profissional desejada pelas diretrizes da educação; e) desenvolvimento contínuo de capacitações e rodas de educação permanente, bem como serviço de escuta aos professores nas suas diferentes demandas Política de aprimoramento da qualificação docente. Os atuais estudos na área de formação de professores no Brasil apontam para a necessidade de formação continuada. Esta, não apenas no sentido de solidificar suas bases teóricas ou técnicas nas finalidades disciplinares nas quais pretende atuar, mas para que se prepare para uma realidade de mudanças velozes as quais estamos vivenciando, onde os avanços tecnológicos, e novas tendências no cuidar em saúde despontam no sentido de dinamizar e 19

Projeto Pedagógico Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio

Projeto Pedagógico Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio Universidade Severino Sombra Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Ciências Exatas, tecnológicas e da Natureza Projeto Pedagógico Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Curso de Licenciatura em Matemática

Curso de Licenciatura em Matemática Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Ciências Exatas, Tecnológicas e da Natureza Curso de Licenciatura em Matemática Vassouras-RJ Junho de 2011 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO 6 UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE BIOMEDICINA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Vassouras 2011 7 APRESENTAÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E HUMANAS CAMPUS MARICÁ CURSO DE PEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E HUMANAS CAMPUS MARICÁ CURSO DE PEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E HUMANAS CAMPUS MARICÁ CURSO DE PEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO EQUIPE ADMINISTRATIVA DO CAMPUS Direção Geral: Professora M.S Ana Maria Almeida Leal Coordenador

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO Este Projeto expressa a prática pedagógica do Curso de Administração da Universidade Severino Sombra (USS) e é resultado de discussões e debates entre

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

Universidade Severino Sombra Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação CELCSAH CURSO DE PSICOLOGIA PEDAGÓGICO

Universidade Severino Sombra Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação CELCSAH CURSO DE PSICOLOGIA PEDAGÓGICO Universidade Severino Sombra Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação CELCSAH CURSO DE PSICOLOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Vassouras-RJ Julho de 2011 1 APRESENTAÇÃO O Projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, TECNOLÓGICAS E DA NATUREZA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, TECNOLÓGICAS E DA NATUREZA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, TECNOLÓGICAS E DA NATUREZA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGOSTO 2012 APRESENTAÇÃO Este Projeto expressa prática pedagógica

Leia mais

Curso de Letras (Português/Espanhol)

Curso de Letras (Português/Espanhol) Universidade Severino Sombra Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Letras, Ciências Sociais, Aplicadas e Humanas Curso de Letras (Português/Espanhol) Vassouras-RJ

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA Vassouras RJ 2011 APRESENTAÇÃO Este Projeto pode ser considerado o DNA do Curso Superior de Tecnologia em Radiologia

Leia mais

Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Letras, Ciências Sociais, Aplicadas e Humanas PROJETO PEDAGÓGICO

Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Letras, Ciências Sociais, Aplicadas e Humanas PROJETO PEDAGÓGICO 1 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Letras, Ciências Sociais, Aplicadas e Humanas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE HISTÓRIA Vassouras, RJ - 2011 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS E HUMANAS

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS E HUMANAS UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS E HUMANAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA JUNHO/2011 1 APRESENTAÇÃO Este Projeto Pedagógico

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Curso de Letras (Português/Inglês )

Curso de Letras (Português/Inglês ) Universidade Severino Sombra Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Letras, Ciências Sociais, Aplicadas e Humanas Curso de Letras (Português/Inglês ) Vassouras-RJ

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Letras, Ciências Sociais, Aplicadas e Humanas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA Vassouras-RJ Outubro de 2011 2 INTRODUÇÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRO-REITORIA DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS E SOCIAIS APLICADAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRO-REITORIA DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS E SOCIAIS APLICADAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRO-REITORIA DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS E SOCIAIS APLICADAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGOSTO 2014 APRESENTAÇÃO Este Projeto expressa prática pedagógica

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

CURSO EXCLUSIVO IBECO

CURSO EXCLUSIVO IBECO PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR EM ESTÉTICA CURSO EXCLUSIVO IBECO Destinado aos docentes que atuam ou que pretendem atuar no ensino superior e profissionalizante da área estética, o curso

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Curso de Ciências Biológicas

Curso de Ciências Biológicas UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Pró-Reitoria de Ensino Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Ciências Exatas, Tecnológicas e da Natureza Curso de Ciências Biológicas Licenciatura Vassouras-RJ julho/2011

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA

CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO VASSOURAS 2013 APRESENTAÇÃO Este Projeto expressa a prática pedagógica do curso de Medicina desenvolvido na Universidade Severino

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA BACHARELADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA BACHARELADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Projeto Pedagógico Vassouras - 2012 Agradecimento: Agradeço a todos os professores e funcionários que consolidaram este documento com muito carinho e dedicação.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório (Internato)

Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório (Internato) Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório (Internato) 6.ª Edição 2014 Versão Impressa / on-line www.uss.br Prof. Marco Antonio Vaz Capute Presidente da FUSVE Prof. Dr. Marco Antonio Soares de Souza

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E HUMANAS CAMPUS MARICÁ CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO

CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E HUMANAS CAMPUS MARICÁ CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E HUMANAS CAMPUS MARICÁ CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO EQUIPE ADMINISTRATIVA DO CAMPUS Direção Geral: Professora M.S Ana Maria Almeida

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação de Ensino e Tecnologia de Alfenas (FETA) UF: MG ASSUNTO: Recredenciamento da Universidade José do Rosário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Centro de Ciências Exatas, Tecnológicas e da Natureza. Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica

Centro de Ciências Exatas, Tecnológicas e da Natureza. Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica Centro de Ciências Exatas, Tecnológicas e da Natureza Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica Vassouras, RJ 2011 2 APRESENTAÇÂO No alvorecer deste milênio, novos desafios se colocam frente às

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO CIÊNCIAS HUMANAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO CIÊNCIAS HUMANAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CENTRO CIÊNCIAS HUMANAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO JULHO/2012 1 APRESENTAÇÃO Este Projeto Pedagógico de Curso integra o Catálogo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CECETEN - BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA CECETEN - BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Projeto Pedagógico Vassouras - 2011 Agradecimento: Agradeço a todos os professores e funcionários que consolidaram este documento com muito carinho e dedicação.

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Seção I - CARACTERIZAÇÃO DA IES E DO CURSO

Seção I - CARACTERIZAÇÃO DA IES E DO CURSO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DE MEDICINA O presente instrumento se propõe a avaliar os cursos de medicina no Brasil, seu contexto e política institucional, projeto pedagógico, programa

Leia mais

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 DCNs 2001 Motivações e Contexto Resolução CNE/CES n.º 4, de 9 de novembro de 2001

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Pró-Reitoria de Graduação

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FISIOTERAPIA

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FISIOTERAPIA 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FISIOTERAPIA Justificativa da oferta do curso O Curso de Fisioterapia da Universidade do Sagrado Coração inserido no âmbito do Centro de Ciências da Saúde

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

RESOLUÇÃO Nº 043/2010 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 043/2010 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Dá nova redação à Resolução nº 07/2004 AD REFERENDUM do CEPE, que regulamenta as atividades de Estágio Extracurricular dos estudantes de

Leia mais

METODOLOGIAS ATIVAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO: EXPERIÊNCIA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA UFS

METODOLOGIAS ATIVAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO: EXPERIÊNCIA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA UFS METODOLOGIAS ATIVAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO: EXPERIÊNCIA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA UFS INTRODUÇÃO Érika Hiratuka Andrezza Marques Duque Francisco Leal de Andrade Maria Natália Santos Silva Sandra Aiache

Leia mais