CURSO DE MEDICINA E CIRURGIA DA UNIVERSIDADE DO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE MEDICINA E CIRURGIA DA UNIVERSIDADE DO PARANÁ"

Transcrição

1 1 CURSO DE MEDICINA E CIRURGIA DA UNIVERSIDADE DO PARANÁ Denominações Posteriores: Curso de Medicina e Cirurgia da Universidade do Paraná (1912); Faculdade de Medicina do Paraná (1920); Faculdade de Medicina da Universidade do Paraná (1946); Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Paraná (1965) HISTÓRICO Já em 1892 se teve notícia da tentativa do historiador Francisco José da Rocha Pombo de fundar uma instituição de ensino superior no Estado do Paraná. Conseguindo aprovação para seu projeto, foi sancionada a lei n 63 de 15 de dezembro do mesmo ano, pelo então Presidente do Estado, Francisco Xavier da Silva. De acordo com seu artigo 1 : "É feita concessão por 50 anos ao cidadão Francisco José da Rocha Pombo ou empresa que organizar, para o estabelecimento de uma Universidade na Capital do Estado e conforme as plantas que forem aprovadas pelo Governo". (Apud COSTA, 1992, p.12) A lei previa ainda que a Universidade seria constituída pelos cursos de direito, letras, comércio, agronomia, agrimensura e farmácia (art. 4º). Nesta época, chegou a ser lançada a pedra fundamental do prédio da Universidade, no Largo Ouvidor Pardinho, atual Campo da Cruz. No entanto, aquele projeto não foi levado adiante, dificultado talvez pela eclosão da Revolução Federalista no ano seguinte no Estado do Rio Grande do Sul, que acabou por atingir também o Estado do Paraná. Posteriormente, em 1898, além da Faculdade de Medicina e Farmácia do Rio de Janeiro e da Faculdade de Medicina e Farmácia da Bahia, instaladas como escolas de cirurgia desde 1808, já haviam sido criadas no sul do país a Escola Livre de Farmácia de São Paulo e a Faculdade de Medicina e Farmácia de Porto Alegre, que foram mais tarde incorporadas à Universidade de São Paulo, em 1934, e à Universidade do Rio Grande do Sul, em 1947, respectivamente. Em 1912, tentou-se implantar um novo projeto de fundação da Universidade do Paraná. Criada em Curitiba no dia 19 de dezembro desse ano, como associação civil, a instituição não se estruturou em termos de faculdades ou escolas superiores; era una e suas atividades exercidas por intermédio de cursos (WESTPHALEN, 1987). Tinha por fim oferecer os cursos de medicina e cirurgia, farmácia, odontologia, obstetrícia, ciências jurídicas e sociais, engenharia, agronomia e medicina veterinária, além de curso preparatório. Contou para sua constituição com uma pequena contribuição do governo estadual de Carlos Cavalcanti, além de recursos provenientes dos próprios profissionais envolvidos em sua fundação. A iniciativa partiu principalmente do médico e deputado federal Victor Ferreira do Amaral e Silva, antigo Diretor da Instrução Pública do Estado do Paraná, e também do médico Nilo Cairo da Silva. Inicialmente, a Universidade do Paraná ficou sediada em prédio alugado na rua Comendador Araújo, nº 42, e já em 1914 transferiu-se para um imóvel próprio, embora ainda em construção, localizado na Praça Santos Andrade, em terreno doado no ano anterior pela Prefeitura Municipal de Curitiba. A nova sede foi projetada por Baeta de Faria, um dos lentes catedráticos do curso de Engenharia, e construída pela firma Bergonese. Paralelamente a esta iniciativa do Estado paranaense, houve tentativas por parte dos Estados do Amazonas e de São Paulo, de criarem estabelecimentos de ensino superior com uma estrutura universitária, que ficaram à revelia do poder central. Estas iniciativas, "consideradas como universidades passageiras" (CUNHA, 1980, p.177), foram a Escola Universitária Livre de Manaus,

2 2 cujos estatutos, de 1909, indicavam a implantação de cursos de medicina, farmácia e odontologia, e as Escolas Superiores de Farmácia, Odontologia e de Medicina e Cirurgia da Universidade Livre de São Paulo, que entraram em funcionamento no início de Em contrapartida, nesse mesmo ano a lei estadual nº de 19 de dezembro implantava a Faculdade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, que entrou em concorrência com aquelas escolas superiores, acabando por extinguir a Universidade Livre de São Paulo. Em 13 de setembro de 1913 foram aprovados os estatutos da então Universidade do Paraná pelo seu Conselho Superior, com base na Lei Orgânica do Ensino Superior e do Fundamental da República, aprovada pelo decreto nº de 05/04/1911, redigida e assinada pelo Ministro da Justiça e Negócios Interiores, Rivadávia Corrêa. Por esta lei, que ficou conhecida pelo nome do seu autor, foi estabelecida a autonomia, sob o ponto de vista administrativo, financeiro e didático, das instituições de ensino estatais, que deixariam de gozar de qualquer espécie de privilégio. As escolas superiores criadas pelos Estados e por particulares ficavam isentas de qualquer fiscalização por parte do Governo Federal, sendo a organização de seus currículos decidida pelo próprio corpo docente da instituição. Logo, os diplomas emitidos pela recém-criada Universidade do Paraná tinham o mesmo valor que os das escolas e faculdades superiores oficiais do Brasil. Reconhecida pelo governo estadual, a Universidade passou a receber deste dotações orçamentárias, além de ser beneficiada pela lei estadual nº de 24/04/1913. Essa estabelecia que somente os farmacêuticos diplomados ou os práticos de farmácia que fossem habilitados por aquela Universidade, podiam exercer a profissão no Estado do Paraná. De acordo com seus estatutos, aprovados em 1913, seus cursos da área biomédica ficaram constituídos pelas seguintes cadeiras: Medicina e Cirurgia: 1 ano: anatomia descritiva (1ª parte); histologia e fisiologia; 2 ano: anatomia descritiva (2ª parte); fisiologia (2ª parte); microbiologia; clínica propedêutica médica e cirúrgica; 3 ano: patologia geral; anatomia e fisiologia patológicas; anatomia médico-cirúrgica, operações e aparelhos; clínica propedêutica médica e cirúrgica; clínica médica com o curso de patologia médica; clínica cirúrgica com o curso de patologia cirúrgica; clínica dermatológica e sifilográfica; 4 ano: terapêutica clínica e experimental; farmacologia; física médica; química médica; clínica médica; clínica cirúrgica; clínica oftalmológica e otorrinolaringológica; 5 ano: higiene; medicina legal e toxicologia; homeopatia e terapêutica homeopática; ginecologia e obstetrícia; clínica médica; clínica cirúrgica; clínica homeopática; clínica neurológica e psiquiátrica; clínica obstétrica e ginecológica; clínica pediátrica médica e ortopedia. Obstetrícia: o curso tinha duração de apenas um ano, sendo constituído pelas cadeiras: elementos de anatomia e fisiologia; anatomia descritiva e topografia da bacia; anatomia e fisiologia do aparelho geniturinário feminino; obstetrícia e clínica obstétrica. Farmácia: 1 ano: física médica; química inorgânica e orgânica; história natural e noções de microbiologia e higiene. Estas cadeiras eram ministradas pelos médicos Manoel Antônio Lustosa dos Santos Carrão, Joaquim Pinto Rebello, Alfredo de Assis Gonçalves; e pelo farmacêutico José Cypriano Rodrigues Pinheiro.

3 3 2 ano: química analítica e toxicologia; química biológica e bromatológica; farmacologia galênica e homeopática. Odontologia: 1 ano: elementos de anatomia descritiva; anatomia descritiva e topográfica da boca e seus anexos; elementos de histologia e de anatomia microscópica; elementos de fisiologia e de patologia geral; clínica dentária; prótese dentária. Estas cadeiras eram ministradas pelos médicos Miguel Severo de Santiago, Abdon Petit Guimarães Carneiro, Nilo Cairo da Silva; e pelos cirurgiões-dentistas Mattos Azeredo e Álvaro Neves da Costa. 2 ano: noções de microbiologia e higiene; patologia dentária; matéria médica e terapêutica dentárias; clínica e prótese dentária. Os cursos de farmácia e odontologia tiveram início em 15 de março de 1913, com 10 e 13 alunos matriculados, respectivamente. Já o curso de medicina entrou em funcionamento somente a partir do ano de 1914, com 11 alunos matriculados. Com a aprovação do decreto nº de 18/03/1915, que instituiu a reforma de ensino Carlos Maximiliano, foram estabelecidas exigências mais severas para a manutenção das instituições de ensino mantidas pelos Estados e pelo setor privado, quando então foi perdida a autonomia didática, voltando a ser obrigatória a adoção dos programas oficiais. Depois de declaradas equiparadas às escolas oficiais do Governo Federal, quando eram observadas pelo inspetor a adequação dos currículos, a prestação do exame vestibular para ingresso dos alunos e a qualificação do corpo docente, entre outras condições, as escolas livres de ensino médico reivindicavam a validade dos seus diplomas junto à Diretoria de Saúde Pública (CUNHA, 1980). Com esta reforma de ensino, em 1918 a Universidade do Paraná, para sobreviver, foi desmembrada em três escolas: Medicina, Direito e Engenharia, funcionando assim como uma federação de faculdades. Cada uma dessas instituições passou a ser fiscalizada separadamente pelo Conselho Superior de Ensino. A Faculdade de Medicina devia incluir os cursos de Medicina e Cirurgia, de Obstetrícia, de Farmácia, de Odontologia e de Medicina Veterinária. A Faculdade de Engenharia englobava os cursos de Engenharia Civil, de Agronomia e de Agrônomos Práticos, ao passo que a Faculdade de Direito mantinha os cursos de Direito e Comércio. Desses cursos, o de Agronomia só foi instalado em 1918, como Escola Agronômica do Paraná, e o de Medicina Veterinária, a esta vinculado, em Mesmo com essas mudanças, em 1919 a Faculdade de Medicina já diplomara dois doutores em medicina e 13 médicos. No entanto, foi a última daquelas três faculdades a obter reconhecimento oficial, fato que se deu somente em fevereiro de 1922, após a fiscalização preliminar e o parecer dos professores do Conselho Superior de Ensino, Aloysio de Castro, André Gustavo Paulo de Frontin e Afonso Celso. Nesse mesmo ano, a Faculdade de Medicina recebeu auxílio da colônia alemã radicada em Curitiba para o acabamento da fachada do prédio em construção na Praça Santos Andrade. Neste período inicial, entre 1912 e 1922, a instituição funcionou precariamente, segundo relato de Milton Ericksen Carneiro (COSTA, 1992), calouro do curso médico em Havia escassez tanto de alunos como de professores, que foi solucionada, no primeiro caso, com a vinda de estudantes de outros Estados. Segundo Soares (1992), com a falência dos cursos oferecidos pela Escola Universitária Livre de Manaus e pela Universidade Livre de São Paulo, muitos dos seus alunos se transferiram para a Faculdade de Medicina do Paraná. Quanto à falta de professores, a solução encontrada foi um único professor acumular várias cadeiras. Logo, neste início, destacaram-se três professores: José Cypriano Rodrigues Pinheiro,

4 4 Alfredo de Assis Gonçalves e Abdon Petit Guimarães Carneiro, que receberam na época o apelido de "gramofones universitários" (COSTA, 1992). José Cypriano Rodrigues Pinheiro, farmacêutico, ficou responsável por todas as matérias relacionadas a química, farmacologia e ciências afins dos cursos de Farmácia e Medicina. Lecionou química analítica, toxicologia, química orgânica e biológica, bromatologia, física médica, farmacologia, farmácia galênica, terapêutica homeopática, alopática e matéria médica. Alfredo de Assis Gonçalves ensinou medicina legal nos cursos de Medicina e Direito; microbiologia e higiene nos cursos de Farmácia, Odontologia e Medicina; além de anatomia descritiva e topográfica da cabeça, fisiologia, matéria médica e terapêutica, clínica pediátrica cirúrgica, história natural e física farmacêutica, noções de embriologia, patologia geral, física médica e química analítica entre outras disciplinas. Entre 1918 e 1922, acumulou as atividades de professor com as de Secretário da Faculdade de Medicina. Em 6 de julho de 1945 foi eleito diretor da instituição. Abdon Petit Guimarães Carneiro lecionou as cadeiras de microbiologia, higiene, química biológica e bromatologia do curso de Farmácia; e física médica, história natural, parasitologia, histologia, anatomia (1ª parte - osteologia), anatomia (2ª parte), antropologia, miologia e angiologia, sistema nervoso e esplancnologia e microbiologia do curso de Medicina. Nilo Cairo da Silva, engenheiro civil e militar e médico homeopata, destacou-se como um dos seus principais fundadores. Além de ocupar o cargo de 1º Secretário da então Universidade do Paraná, lecionou fisiologia, patologia geral e anatomia patológica no curso de Odontologia; e homeopatia e terapêutica homeopática no curso de Medicina, entre outras disciplinas ministradas nos cursos de Farmácia e Engenharia. Demais professores que formaram o corpo docente por matéria lecionada na Faculdade de Medicina até o ano de 1930: Anatomia: Miguel Severo de Santiago, Eduardo Leite Leal Ferreira, José de Azevedo Macedo, José Pereira de Macedo, Carlos Estrella Moreira; Física médica: Olegário de Andrade Vasconcellos, José Guilherme de Loyola, Coriolano da Silveira Motta; Química: Manoel Antônio Lustosa dos Santos Carrão, José Guilherme de Loyola, Olegário de Andrade Vasconcellos, Eduardo Virmond Lima, José de Azevedo Macedo, Antônio Loyola de Macedo, José de Freitas Saldanha Sobrinho, Hastimphilo Rebello de Loyola, Francisco de Paula Soares Neto, Octávio da Silveira, Eurípedes Garcez do Nascimento, Maria Falce de Macedo; Fisiologia: Manoel Antônio Lustosa dos Santos Carrão, Eurípedes Garcez do Nascimento; História natural médica: Joaquim Pinto Rebello, Eduardo Leite Leal Ferreira, Manoel Mário Chaurais, Pedro Chagas Bicalho, Milton Ericksen Carneiro; Farmacologia: Aluízio França, Manoel Suplicy de Lacerda, Eurípedes Garcez do Nascimento; Patologia geral: Luiz Osmundo de Medeiros, Heitor Borges de Macedo, Cesar Beltrão Pernetta. Diretores: Victor Ferreira do Amaral e Silva ( ), Alfredo de Assis Gonçalves ( ).

5 5 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO De acordo com os Estatutos da Universidade do Paraná (1913), a administração ficava a cargo de uma única diretoria constituída por seis membros - diretor, vice-diretor, secretário, subsecretário, tesoureiro e bibliotecário. Esta diretoria era, por sua vez, assistida por um conselho econômico formado por três membros. O corpo administrativo tinha o mandato de dois anos. O Conselho Superior da Universidade era composto pela diretoria, pelo conselho econômico e pelas delegações dos corpos docentes dos diversos cursos. Cada curso tinha uma Congregação formada por lentes catedráticos e substitutos. Os professores dos cursos biomédicos mencionados acima constituíam uma única Congregação, assim como os de agronomia e medicina veterinária formavam outra. Para o ingresso na Universidade, os candidatos tinham que passar por exames que compreendiam provas orais e escritas de várias matérias, de acordo com o curso escolhido. O curso de Medicina e Cirurgia exigia provas de português, francês, inglês ou alemão, latim, matemática elementar, geografia e corografia do Brasil, cosmografia, história universal e do Brasil, física, química e história natural. Já os de Farmácia e Odontologia exigiam provas de português, francês, matemática elementar, geografia e corografia do Brasil, cosmografia, história do Brasil, noções de física e química e noções de história natural. Ficavam dispensados dos exames os candidatos que tivessem concluído o curso preparatório ministrado pela instituição em questão ou o curso completo dos ginásios e Escolas Normais, mantidas pela União ou governos estaduais. Os alunos também pagavam taxas de matrículas e mensalidades. Com a reformulação de seus estatutos, a partir da Reforma Maximiliano de 1915, a diretoria da instituição foi reduzida a cinco membros, assessorada por um conselho econômico formado por três membros, sendo que cada um deles devia pertencer a uma das três faculdades (Medicina, Direito e Engenharia). De acordo com esses estatutos, foi criada a categoria de lentes vitalícios para ministrarem trabalhos práticos. A partir de 1920, cada faculdade passou a reger-se por regimentos próprios, ficando cada uma com sua administração e patrimônio independentes. A direção passou a ser constituída por um diretor e um secretário, eleitos pela respectiva Congregação. Nesse mesmo ano, Victor Ferreira do Amaral e Silva foi eleito diretor da Faculdade de Medicina. O curso de medicina e cirurgia desde seu início contou com hospitais de ensino, sendo o primeiro a Maternidade do Paraná, fundada em 1913 e instalada na antiga sede da Universidade, na rua Comendador Araújo, e que por ela era mantida, obtendo o apoio da Associação das Damas de Assistência à Maternidade. Em 1930, durante gestão de Victor Ferreira do Amaral e Silva na Faculdade de Medicina, a Maternidade ganhou novas instalações e foi equipada com material cirúrgico importado da Europa e dos Estados Unidos. O diretor também conseguiu arrecadar donativos para a sua construção, além da doação do terreno pela Sra. Lili Santarre Guimarães, presidente da referida Associação das Damas. Em homenagem ao diretor, a instituição recebeu o seu nome. A maternidade funcionou para o ensino dos cursos de Medicina e Obstetrícia de 1930 até 1961, quando foi criado o Hospital das Clínicas. Já o ensino prático das cadeiras clínicas era ministrado nas enfermarias e ambulatórios do Hospital de Caridade da Santa Casa da Misericórdia do Paraná, fundada em As aulas técnicas e práticas eram dadas num pavilhão construído pela Faculdade de Medicina para este fim. Em 1928, por solicitação da Faculdade, foi instalado o Dispensário Infantil pela Santa Casa, onde era ministrada a disciplina de clínica pediátrica médica e higiene infantil, que foi transferido dois anos mais tarde para o Dispensário Infantil do Hospital de Crianças da Cruz Vermelha do Paraná. A Irmandade da Santa Casa colocava ainda as dependências de seu Hospício Nossa Senhora da Luz, criado em 1903, à disposição para o ensino das clínicas psiquiátrica e neurológica.

6 6 O Hospital Geral de Curitiba, do Serviço de Saúde do Exército, criado em 1924, cedeu também suas instalações para o ensino de clínica dermatológica e sifilográfica até 1937, quando essas disciplinas foram transferidas para a Santa Casa da Misericórdia. Pelo decreto-lei n de 06/06/1946, aprovado pelo Ministro da Educação e Saúde, Ernesto de Souza Campos, e pelo Presidente da República, Eurico Gaspar Dutra, foi restabelecida a Universidade do Paraná como instituição privada de ensino superior, equiparado aos oficiais. A partir de então, a Universidade do Paraná ficou constituída pela Faculdade de Medicina e escolas anexas de Farmácia e Odontologia; pelas faculdades de Filosofia e Ciências e Letras, fundadas em fevereiro de 1938; e pelas faculdades de Direito e de Engenharia. Em 1950, pela lei nº de 4 de dezembro, a Universidade do Paraná foi federalizada, passando a ser mantida pela União. Ainda em 1946, Victor Ferreira do Amaral e Silva ocupou o posto de Reitor da Universidade. Desde o seu início até então, a Faculdade de Medicina já havia diplomado 944 médicos, 460 cirurgiõesdentistas e 172 farmacêuticos. Os cursos de farmácia e odontologia ganharam oficialmente autonomia pela lei n de 20/11/1958, quando passaram a denominar-se Faculdade de Farmácia da Universidade do Paraná e Faculdade de Odontologia da Universidade do Paraná. Pela lei nº de 20/08/1965, todas as universidades que haviam sido federalizadas passaram a ser designadas como universidades federais. Logo, a instituição em questão passou a chamar-se Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Paraná. Suas antigas escolas anexas receberam também os nomes de Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Paraná e Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Paraná. FONTES - BRASIL. Decreto-lei n 9323, de 6 de junho de In: Coleção das Leis da República dos Estados Unidos do Brasil de Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, v. III. (BCOC) - BRASIL. Lei nº 3.463, de 20 de novembro de In: Coleção das Leis dos Estados Unidos do Brasil de Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, v. I.(BCOC) - CAMPOS, Ernesto de Souza. Instituições culturais e de educação superior no Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, (IHGB) - COSTA, Iseu Affonso da.; LIMA, Eduardo Corrêa (Orgs.). O ensino da medicina na Universidade Federal do Paraná. Curitiba: Ed. da UFPR, (BCOC) - CUNHA, Luiz Antônio. A Universidade Temporã; o ensino superior da colônia à era de Vargas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/ Edições UFC, (BCCBB) - ESTATUTOS da Universidade do Paraná. Curitiba: Typografia Hoffmann, (BN) - FARIAS SOBRINHO, José Ribeiro. 140 anos do ensino farmacêutico no Brasil: João Pessoa: ESLF, (BCOC) - SALLES, Pedro. História da medicina no Brasil. Belo Horizonte: Ed. G. Holman Ltda., (IHGB) - SOARES, Mozart Pereira, SILVA, Pery Pinto Diniz da. Memória da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre: UFRGS, (BCOC) - UNIVERSIDADE do Paraná (Equiparação). Ministério da Educação e Saúde. Serviço de Documentação, Folheto n. 39, (BN) - UNIVERSIDADE DO PARANÁ. Programmas do Curso de Pharmácia - 1 ano. Curitiba: Typ. Max Roesner Curityba, (BN) - UNIVERSIDADE DO PARANÁ. Programmas do Curso de Odontologia - 1 ano. Curitiba: Typ. Cezar Schulz Curityba, (BN) - WESTPHALEN, Cecília Maria. Universidade Federal do Paraná:75 anos. Curitiba: SBPH-PR, (IHGB)

7 7 FICHA TÉCNICA Pesquisa - João Arêas Braga, Verônica Pimenta Velloso Redação- Verônica Pimenta Velloso Revisão Francisco José Chagas Madureira.

ESCOLA LIVRE DE FARMÁCIA DE SÃO PAULO

ESCOLA LIVRE DE FARMÁCIA DE SÃO PAULO 1 ESCOLA LIVRE DE FARMÁCIA DE SÃO PAULO Denominações: Escola Livre de Farmácia de São Paulo (1898); Escola de Farmácia, Odontologia e Obstetrícia de São Paulo (1901); Escola de Farmácia e Odontologia de

Leia mais

ESCOLA LIVRE DE FARMÁCIA E QUÍMICA INDUSTRIAL DE PORTO ALEGRE

ESCOLA LIVRE DE FARMÁCIA E QUÍMICA INDUSTRIAL DE PORTO ALEGRE 1 ESCOLA LIVRE DE FARMÁCIA E QUÍMICA INDUSTRIAL DE PORTO ALEGRE Denominações: Escola Livre de Farmácia e Química Industrial de Porto Alegre (1897); Faculdade de Medicina e Farmácia de Porto Alegre (1898);

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO RECIFE

FACULDADE DE MEDICINA DO RECIFE 1 FACULDADE DE MEDICINA DO RECIFE Denominações: Faculdade de Medicina do Recife (1920); Faculdades de Medicina, Farmácia e Odontologia do Recife (1927); Faculdade de Medicina da Universidade do Recife

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 A justificação da proposta de orçamento da Faculdade de Ciências Médicas para 2003 começava com uma nota introdutória na qual se reforçava de novo,

Leia mais

1. Pediatria /Internato 03+ 01 TP-20

1. Pediatria /Internato 03+ 01 TP-20 MINISTERIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI EDITAL Nº. 01/2010UFPI, de 03 de fevereiro de 2010. CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR ANEXO DEPARTAMENTO MATERNO INFANTIL 1. Pediatria

Leia mais

LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960

LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade do Estado do Rio de Janeiro, e dá outras providências. O Presidente da República, Faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES Revisão e Atualização Diretoria de Arquivos Permanentes Diretoria de Acesso à

Leia mais

ESCOLA DE APLICAÇÃO MÉDICO-MILITAR

ESCOLA DE APLICAÇÃO MÉDICO-MILITAR 1 ESCOLA DE APLICAÇÃO MÉDICO-MILITAR Denominações: Escola de Aplicação Médico-Militar(1910); Escola de Aplicação do Serviço de Saúde do Exército (1921); Escola de Saúde do Exército (1933) HISTÓRICO Em

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 1. Apreciação Global A existência de um Contrato de Desenvolvimento para a Medicina, celebrado entre a UNL e o Governo, em Dezembro de 2001, permitiu

Leia mais

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL VETERINÁRIO [adaptação à Resolução 11/98 do Conselho Universitário, de 3 de dezembro de 1998] (Aprovado em reunião da Congregação em 15-04-99 e reformulado em 27-10-2000 atendendo

Leia mais

INSTITUTO DE VETERINÁRIA DE SÃO PAULO

INSTITUTO DE VETERINÁRIA DE SÃO PAULO 1 INSTITUTO DE VETERINÁRIA DE SÃO PAULO Denominações: Instituto de Veterinária de São Paulo (1917); Escola de Medicina Veterinária de São Paulo (1928); Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS EDITAL N O 001/2011-PRH 2 - DAS ÁREAS DE CONHECIMENTO, N O DE VAGAS, REGIME E LOCAL DE TRABALHO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS (01) Bioquímica Graduação em Química ou

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA Aprovado no CONGRAD: 14..06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 48 CURSO DE MEDICINA EIXOS TRANSVERSAIS E ÁREAS DO CONHECIMENTO DO CURRÍCULO PLENO ACADÊMI COS I FUNDAMENTOS CONCEITUAIS DO CURSO

Leia mais

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA Escola Superior de Ciências da Saúde Período de Inscrição: 18 de janeiro de 2010 a 19 de fevereiro de 2010. Local de Inscrição:

Leia mais

Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de

Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de boticários na Universidade de Coimbra. 1772: Reforma da

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 1º SEMESTRE 1. Anatomia Humana 30 30 60 04-2. Bioestatística Geral 30-30 02-3. Bioética 30-30 02-4. Biofísica 60-60 04-5. Citologia, Histologia e Embriologia

Leia mais

FFARM Faculdade de Farmácia

FFARM Faculdade de Farmácia FFARM Faculdade de Farmácia Secretaria: Prédio12 - Bloco A Fone: 3320-3512 E-mail: farmácia@pucrs.br www.pucrs.br/farmacia Departamentos: Análises Clínicas e Toxicológicas n.º 351 Desenvolvimento e Produção

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE BELO HORIZONTE

FACULDADE DE MEDICINA DE BELO HORIZONTE 1 FACULDADE DE MEDICINA DE BELO HORIZONTE Denominações: Faculdade de Medicina de Belo Horizonte (1911); Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais (1927); Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Medicina

Estrutura Curricular do Curso de Medicina Quadro I. Disciplinas obrigatórias por carga horária (horas), créditos e pré-requisitos, aprovado na 63ª reunião do CEPE, de 25 de novembro de 2014. 2015/2º 1ª FASE Anatomia Médica I 1 33h20 50h00 83h20

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARATAÍZES ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARATAÍZES ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL MARATAÍZES ESTA ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO 001/11 PMM ANEXO I S,, Nº,, E S. S DA ADMINISTRAÇÃO GERAL VALOR S OBJETIVAS Nº. TOTAL 01 Cozinheira 02 5,00 40 h 0 pontos NÃO SIM 02

Leia mais

VENCIMENTO. R$ 1.607,78 + R$ 10,45 de Auxílio Alimentação. R$ 3.617,51 + R$ 10,45 de Auxílio Alimentação. R$ 803,88 + R$ 10,45 de Auxílio Alimentação

VENCIMENTO. R$ 1.607,78 + R$ 10,45 de Auxílio Alimentação. R$ 3.617,51 + R$ 10,45 de Auxílio Alimentação. R$ 803,88 + R$ 10,45 de Auxílio Alimentação ANEXO I QUADRO DE VAGAS ADMINISTRAÇÃO DIRETA VAGAS REQUISITO PARA POSSE Agente Administrativo 21 Médio Assistente Social 03 Serviço Social e Prova de Títulos Feminino Masculino 15 Calceteiro 05 R$ 1.071,83

Leia mais

LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências

LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências Art. 1º É criada a Universidade Federal de Goiás, com sede em Goiás, capital do Estado de Goiás,

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Érika Guimarães Costa E-mail: farmacia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 217 O Curso forma o profissional

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITURAMA Estado de Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITURAMA Estado de Minas Gerais ANEXO III QUADRO DE PROVAS Agente de Serviços Gerais Agente de Vigilância 4 3 Agente Escolar Ensino Médio Analista de Gestão de Pessoas Analista de Sistemas 7 Analista em Engenharia Civil Arquiteto 9 Assistente

Leia mais

Decreto nº 19.852, de 11 de Abril de 1931

Decreto nº 19.852, de 11 de Abril de 1931 Decreto nº 19.852, de 11 de Abril de 1931 Dispõe sobre a organização da Universidade do Rio de Janeiro O Chefe do Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil DECRETA: Art. 1º Ficam congregados

Leia mais

EDITAL 01 NÍVEL SUPERIOR

EDITAL 01 NÍVEL SUPERIOR EDITAL NÍVEL SUPERIOR Quantidade de empregos por ocupação Concurso 25 Fundasus Emprego Público de Nível Superior Médico 100h 200h Médico Acupuntura 02 - em Saúde Anestesiologia 02 - Angiologia 03 - Antroposofia

Leia mais

ANEXO I EDITAL DE ABERTURA Nº 076/2015-UFAM

ANEXO I EDITAL DE ABERTURA Nº 076/2015-UFAM Unidade Acadêmica QUADRO II VAGAS PARA O INSTITUTO DE SAÚDE E BIOTECNOLOGIA Área de Vagas Requisito Mínimo Carga Classe/ Nº de Conhecimento para Horária Padrão Vagas negros Comunidade ÁREA I Comunidade

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 12/2012 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 1) Área de Conhecimento:

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS. Duração do Curso: semestral mínimo de 09 e máximo de 18 em horas-aula: 4.320. Vagas oferecidas: 50 semestrais - matutino)

INFORMAÇÕES GERAIS. Duração do Curso: semestral mínimo de 09 e máximo de 18 em horas-aula: 4.320. Vagas oferecidas: 50 semestrais - matutino) INFORMAÇÕES GERAIS Habilitação: Farmacêutico, podendo exercer todas as competências inerentes ao profissional farmacêutico, incluindo atuação em Farmácia Comunitária, manipulação de fórmulas magistrais,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 179/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 179/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 179/2012 Altera o Currículo do Curso de Medicina, para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MED- 035/2012, aprovou e eu promulgo

Leia mais

Curso de Medicina. Estágios

Curso de Medicina. Estágios Curso de Medicina Estágios Estágios 3.440 horas total 800h 9º Período 880h 10º Período 880h 11º Período 880h 12º Período 9º Período 4 Rodízios Estágio Trauma Ortopédico com 100 horas Estágio Emergências

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Medicina

Estrutura Curricular do Curso de Medicina Quadro I. Disciplinas obrigatórias por carga horária (horas), créditos e pré-requisitos, aprovado na 63ª reunião do CEPE, de 25 de novembro de 2014. 2015/1º 4ª a 12ª fases 1ª FASE Anatomia Médica I 1 33h20

Leia mais

LISTA DOS CURSOS DE MESTRADO AVALIADOS PELA CAPES NO PARANÁ Cursos novos que ainda não possuem nota não constam na lista

LISTA DOS CURSOS DE MESTRADO AVALIADOS PELA CAPES NO PARANÁ Cursos novos que ainda não possuem nota não constam na lista LISTA DOS CURSOS DE MESTRADO AVALIADOS PELA CAPES NO PARANÁ Cursos novos que ainda não possuem nota não constam na lista INSTITUIÇÃO CURSO NOTA DA CAPES CENTRO UNIVERSITÁRIO CAMPOS DE ANDRADE (UNIANDRADE)

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO AO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA

EDITAL DE SELEÇÃO AO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA Edital Monitoria Voluntária N 002/15 Cacoal, 21 de Agosto de 2015 EDITAL DE SELEÇÃO AO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA A Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal FACIMED, no uso de suas atribuições

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº02/2014 PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSOR EFETIVO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº02/2014 PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSOR EFETIVO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº02/2014 PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I RELAÇÃO DAS VAGAS DO PROCESSO SELETIVO POR ÁREA DE CONHECIMENTO, REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

ANEXO I ÁREA DE FORMAÇÃO E TITULAÇÃO MÍNIMA

ANEXO I ÁREA DE FORMAÇÃO E TITULAÇÃO MÍNIMA 1 CURSO DE MEDICINA CÓD. DISCIPLINAS 001 Inglês 1 I 12 Curso formação completo em língua Inglesa ou título proficiência em língua inglesa. 002 Interação à Saú Comunitária I 2 I 12 ou Saú Coletiva ou Graduação

Leia mais

Histórico da Educação Farmacêutica no Brasil

Histórico da Educação Farmacêutica no Brasil Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Departamento de Farmácia Programa de Educação Tutorial Histórico da Educação Farmacêutica no Brasil Renata Camargo Bolsista PET-Farmácia/UFPR Sumário

Leia mais

a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: História do Pensamento Econômico/História Econômica.

a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: História do Pensamento Econômico/História Econômica. Campus Governador Valadares Concurso 106: Departamento de Economia Proc. nº 23071.009825/2013-25 Vaga(s): 01(uma) Classe A: Professor Assistente A a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: Econometria. DAS PROVAS:

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE MEDICINA DE DIAMANTINA - FAMED CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1 MED001 MED002 MED003

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA Ciências Fisiológicas Ciências Morfológicas Patologia Saúde Coletiva SCF0013 Biofísica 1 60 60 120 4 2 6 SCF0014 Bioquímica 1 60 60 120 4 2 6 SCF0015 Fisiologia I 2 60 60 120 4 2 6 SCF0013, SCF0014, SCM0022,

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

Universidade Federal Do Triângulo Mineiro

Universidade Federal Do Triângulo Mineiro Universidade Federal Do Triângulo Mineiro UFTM está entre as dez melhores universidades do País. A UFTM, segundo o Índice Geral de Cursos - IGC, divulgado nesta quinta-feira, 17, pelo Inep - Instituto

Leia mais

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM 2015/1 * EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM 2015/1 * EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO Administração da Enfermagem na Atenção Primária a Saúde Enfermagem Administração de Produção Administração Administração de Produção II Administração Administração de Sistemas de Informação Administração/

Leia mais

A instrução ministrada no Campo Geral proporcionará o conhecimento a respeito de

A instrução ministrada no Campo Geral proporcionará o conhecimento a respeito de Ministrado no Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR), em Belo Horizonte/MG, OS os cursos de formação de Oficiais Médicos, Dentistas e Farmacêuticos, tem a duração aproximada de 18 (dezoito)

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 07/2013 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 101-Área de

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste CURSO DE FARMÁCIA 1 Biossegurança FAR1201 2 40 Cálculo Aplicado FAR1202 3 60 Química Geral Teórica FAR1203 3 60 Química Geral Experimental FAR1204 3 60 Anatomia FAR1205 5 100 Biologia Celular FAR1206 3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNÓLOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNÓLOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNÓLOGICA DA ESCOLA TÉCNICA AO SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNÓLOGICA UFPR: um pouco da história A Escola Técnica Federal do Paraná

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL N 08/2015 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO - MACAPÁ, SANTANA E MAZAGÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL N 08/2015 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO - MACAPÁ, SANTANA E MAZAGÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL N 08/2015 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO - MACAPÁ, SANTANA E MAZAGÃO ANEXO I - RELAÇÃO DAS VAGAS E REQUISITOS ESPECÍFICOS POR ÁREA DE

Leia mais

Curso. Administração. Arquitetura. Ciências Biológicas

Curso. Administração. Arquitetura. Ciências Biológicas FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA /FCSES EDITAL Nº002/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA PARA O 2º SEMESTRE DE 2014 1 A Secretária Geral da Faculdade Católica

Leia mais

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Semestre 1 01 Introdução às Ciências Farmacêuticas 30 30-2 - 02 Anatomia 75 30 45 5-03 Biologia Celular e Molecular 60 30 30 4-04 Química Geral e Inorgânica 75

Leia mais

ANEXO 1 PERFIS DE PROFESSOR

ANEXO 1 PERFIS DE PROFESSOR ANEXO 1 PERFIS DE PROFESSOR EDITAL 162/2013 Curso Sem. Disciplina Perfil do Docente Administração 1º Teoria Geral da Administração Administração 1º Empreendedorismo Administração 1º Sociologia das Organizações

Leia mais

LEI Nº995,DE 14 DE AGOSTO DE 2015.

LEI Nº995,DE 14 DE AGOSTO DE 2015. LEI Nº995,DE 14 DE AGOSTO DE 2015. Dispõe sobre a adequação de remuneração paga aos servidores que percebem remuneração inferior ao salário mínimo nacional. Fixa a Carga Horária do Terapeuta Ocupacional,

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXERAMOBIM GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXERAMOBIM GABINETE DO PREFEITO ADITIVO nº 01 ADITIVO AO EDITAL nº 005/2014 Concurso Público para Provimento de Cargos Efetivos de Nível Superior para a Prefeitura Municipal de Quixeramobim O Prefeito Municipal de Quixeramobim, no uso

Leia mais

FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO SERTÃO FIS

FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO SERTÃO FIS FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO SERTÃO FIS Portaria MEC nº 1.931, de dezembro de 2006, publicada no DOU de 08 de Dezembro de 2006. Rua João Luiz de Melo, 2110. Bairro Tancredo Neves. CEP. 56909-205. Serra Talhada/PE/Brasil.

Leia mais

Dados a serem fornecidos para inclusão de novas bibliotecas

Dados a serem fornecidos para inclusão de novas bibliotecas Dados a serem fornecidos para inclusão de novas bibliotecas Para exemplos, consulte Serviços>Guia> em: http://www.apcisrj.org Nome da instituição/sigla Nome da biblioteca Endereço completo, com CEP Telefone,

Leia mais

A FORMAÇÃO MÉDICA EM SÃO PAULO NO INÍCIO DO SÉCULO XX

A FORMAÇÃO MÉDICA EM SÃO PAULO NO INÍCIO DO SÉCULO XX A FORMAÇÃO MÉDICA EM SÃO PAULO NO INÍCIO DO SÉCULO XX Márcia Regina Barros da Silva Pesquisadora do Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde UNIFESP Mestre e Doutoranda - Departamento de História

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 076, DE 08 DE JANEIRO DE 2013. Aprova a distribuição de cargos, por função e especialidade, do Quadro Permanente de Pessoal da Administração Direta

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ. ANEXO I DO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO n. o 001/2007-PMC CARREIRAS/CARGOS/ÁREAS DE CONHECIMENTO/REQUISTOS BÁSICOS/VAGAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ. ANEXO I DO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO n. o 001/2007-PMC CARREIRAS/CARGOS/ÁREAS DE CONHECIMENTO/REQUISTOS BÁSICOS/VAGAS PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ ANEXO I DO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO n. o 001/2007-PMC CARREIRAS/CARGOS/ÁREAS DE CONHECIMENTO/REQUISTOS BÁSICOS/VAGAS Carreira: Regulação e Fiscalização Especialista em

Leia mais

Apresentação!!!!!! A Biblioteca Central da Universidade Paranaense é responsável pela Biblioteca do Campus Tiradentes, Biblioteca do Hospital

Apresentação!!!!!! A Biblioteca Central da Universidade Paranaense é responsável pela Biblioteca do Campus Tiradentes, Biblioteca do Hospital Apresentação!!!!!! A Biblioteca Central da Universidade Paranaense é responsável pela Biblioteca do Campus Tiradentes, Biblioteca do Hospital Veterinário e também dos multicampi nas cidades de Guaíra,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Areal Estado do Rio de Janeiro

Prefeitura Municipal de Areal Estado do Rio de Janeiro EDITAL 005/2010 ALTERAÇÃO DO CRONOGRAMA DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS O Prefeito Municipal de Areal RJ, no uso de suas atribuições legais, através da Comissão Especial Conjunta de Concurso Público, TORNA PÚBLICA,

Leia mais

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS POR CURSO EM 2010/1 EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS POR CURSO EM 2010/1 EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO Administração de Recursos Humanos II Administração de Sistemas de Informações Contabilidade Básica I Contabilidade Básica II Contabilidade Geral Economia Brasileira e Contemporânea

Leia mais

Biblioteca NMS/FCM ORIENTAÇÃO DE ESTANTES

Biblioteca NMS/FCM ORIENTAÇÃO DE ESTANTES Biblioteca NMS/FCM ORIENTAÇÃO DE ESTANTES ASSUNTO Classificação Estante Prateleira ABORTO espontâneo WQ 225 29 5 terapêutico WQ 440 30 5 ACIDENTES WA 250-292 15 3 ALERGOLOGIA veja em ANÁLISES CLÍNICAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA UFOB ANEXO I QUADRO GERAL DE VAGAS POR CAMPUS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA UFOB ANEXO I QUADRO GERAL DE VAGAS POR CAMPUS UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA UFOB ANEXO I QUADRO GERAL DE VAGAS POR CAMPUS CAMPUS BARRA Área do Conhecimento: Entomologia Agrícola Titulação: Graduação em Agronomia e doutorado em Entomologia

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1663, DE 02 DE JULHO DE 2012. Aprova o detalhamento das funções/especialidades dos cargos do Quadro Permanente da Função Saúde da Administração Pública

Leia mais

CURRÍCULO MEDICINA. Código Disciplina/Pré-Requisito Caráter Créditos

CURRÍCULO MEDICINA. Código Disciplina/Pré-Requisito Caráter Créditos CURRÍCULO MEDICINA 2012/1 Período Letivo: Curso: MEDICINA Habilitação: MEDICINA Currículo: MEDICINA Créditos Obrigatórios: 578 Créditos Eletivos: 0 Créditos Complementares: 6 Total: 584 Obrigatória: 10477

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 2015.2 MEDICINA

MATRIZ CURRICULAR 2015.2 MEDICINA Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Ensino de Graduação Centro de Ciências da Saúde MATRIZ CURRICULAR 2015.2 MEDICINA PRIMEIRO PERÍODO MORFOLOGIA BIOLOGIA CELULAR, TECIDUAL E DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/2007 CONSUNIV

RESOLUÇÃO Nº 012/2007 CONSUNIV RESOLUÇÃO Nº 012/2007 CONSUNIV Fixa o currículo do Curso de Graduação em Medicina, na modalidade Bacharelado, da Universidade do Estado do Amazonas. A REITORA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE

Leia mais

ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental).

ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental). 1 de 9 ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental). CARGO PERFIL PRÉ REQUISITO NÍVEL SUPERIOR Administrador Curso Superior

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 13/2013 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 135-Área de

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO em Administração e Gestão de Serviços de Saúde ESEnfCVPOA Mestre Fernanda Príncipe

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO em Administração e Gestão de Serviços de Saúde ESEnfCVPOA Mestre Fernanda Príncipe Curso Coordenação Direção CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO em Administração e Gestão de Serviços de Saúde ESEnfCVPOA Mestre Fernanda Príncipe ESEnfCVPOA Mestre Henrique Pereira Código: 3451 Descrição Objetivos Destinatários

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA COMPONENTES CURRICULARES E CORPO DOCENTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA SUJEITO A ALTERAÇÕES CARGA HORÁRIA TEMPO DE COMP CURRICULARES TEÓRICA PRÁTICA SESSÃO TUTORIAL TOTAL DOCENTES TITULAÇÃO EXERCÍCIO

Leia mais

Relação de Alunos (Aproveitamento)

Relação de Alunos (Aproveitamento) Curso: BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO Matrícula: 15103652 Aluno: Jannderson Santos Lima 1 de 5 MATEMÁTICA BÁSICA 2015 1 MICROECONOMIA 2015 1 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO I 2015 1 Curso: BACHARELADO EM ARQUITETURA

Leia mais

Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas

Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas UNIVERSIDAD DE COIMBRA (PORTUGAL) PROGRAMA DE FARMACIA Mestrado Integrado em Ciências s Ciências s voltar ao curso Plano de Estudos: Nome da Biologia Celular 1 01550003 Física Aplicada 1 01550014 Histologia

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.046, DE 22 DE MAIO DE 2003.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.046, DE 22 DE MAIO DE 2003. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.046, DE 22 DE MAIO DE 2003. Revoga a Resolução N.º 2.888/CONSEP, estabelece diretrizes e dispõe

Leia mais

A formação do professor de matemática: da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras à Universidade Federal do Paraná

A formação do professor de matemática: da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras à Universidade Federal do Paraná A formação do professor de matemática: da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras à Universidade Federal Resumo Este trabalho tem o objetivo de apresentar resultados sobre o estudo da história do primeiro

Leia mais

- Cursos oferecidos: Agrárias: Agronomia Montes Claros Aquicultura Ciência de alimentos Medicina Veterinária Zootecnia Montes Claros

- Cursos oferecidos: Agrárias: Agronomia Montes Claros Aquicultura Ciência de alimentos Medicina Veterinária Zootecnia Montes Claros -Conceito no MEC: Pelo terceiro ano consecutivo, a UFMG obteve conceito máximo (5) no Índice Geral de Cursos da Instituição (IGC), que mede a qualidade das universidades brasileiras, considerando os cursos

Leia mais

ANEXO I DEMONSTRATIVO DE CARGOS, QUALIFICAÇÃO, CARGA HORÁRIA, VAGAS E VENCIMENTOS ÁREA DE EDUCAÇÃO. Ensino médio completo com curso

ANEXO I DEMONSTRATIVO DE CARGOS, QUALIFICAÇÃO, CARGA HORÁRIA, VAGAS E VENCIMENTOS ÁREA DE EDUCAÇÃO. Ensino médio completo com curso DEMONSTRATIVO DE CARGOS, QUALIFICAÇÃO, CARGA, E VENCIMENTOS ÁREA DE EDUCAÇÃO NÍVEL MÉDIO CARGA curso Professor Docente I - com de formação de professores ou 100. especializações em Educação curso normal,

Leia mais

Reitoria EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA MONITORIA DE ENSINO

Reitoria EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA MONITORIA DE ENSINO 1 EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA MONITORIA DE ENSINO EDITAL Nº 26/2015 Estarão abertas as inscrições para o preenchimento de vagas de Monitoria de Ensino, no período de 03 a 14.08.2015, na secretaria

Leia mais

HORÁRIO DE AULAS DO CURSO DE FARMÁCIA EM 2014.2 TURMA: 1º SEMESTRE

HORÁRIO DE AULAS DO CURSO DE FARMÁCIA EM 2014.2 TURMA: 1º SEMESTRE 1º SEMESTRE 18:50 às 19:50 Matemática Química Geral Biofísica Metodologia Anatomia 19:50 às 20:50 Matemática Química Geral Biofísica Metodologia Anatomia 21:00 às 22:00 Leit. Prod. Texto Química Geral

Leia mais

C.H DISCIPLINAS T P CRÉDITO

C.H DISCIPLINAS T P CRÉDITO Resolução UNICASTELO GR/ nº. 070 / 09 O Reitor e Presidente do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão CONSEPE e do Conselho Universitário CONSUN, Gilberto Luiz Moraes Selber, no uso das atribuições legais,

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO DAS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS DA FACULDADE DE MEDICINA

REPÚBLICA DE ANGOLA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO DAS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS DA FACULDADE DE MEDICINA REPÚBLICA DE ANGOLA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO DAS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS DA FACULDADE DE MEDICINA CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.º (Âmbito) Sem prejuízo do disposto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 756, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 756, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 756, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Dispõe sobre o Registro de Título de Especialista em áreas da Medicina Veterinária, no âmbito dos Conselhos Regionais de Medicina Veterinária. O CONSELHO FEDERAL

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFESSORES. No. 06/ 2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFESSORES. No. 06/ 2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFESSORES No. 06/ 24 atribuições, O Diretor da Faculdade Maria Milza no uso das Faz saber que estão abertas as inscrições para o processo seletivo de professores, que será realizado

Leia mais

XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007

XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 Associação Nacional de História ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 A arte de curar faz escola em Curitiba. Caminhos de uma investigação histórica da Faculdade de Medicina do Paraná (1912-1945)

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Medicina

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Medicina III MATRIZ CURRICULAR Matriz Curricular I (MC I), em atendimento às Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Graduação em Medicina, aprovadas no Parecer CNE/CES nº 1133/2001, de 7/8/2001. Aprovada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURO DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CONCURSO PÚBLICO EDITAL N 002/2007-CONVOCAÇÃO 1ª CONVOCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURO DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CONCURSO PÚBLICO EDITAL N 002/2007-CONVOCAÇÃO 1ª CONVOCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURO DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CONCURSO PÚBLICO EDITAL N 002/2007-CONVOCAÇÃO 1ª CONVOCAÇÃO A PREFEITA DO MUNÍCIPIO DE LAURO DE FREITAS, Estado da Bahia, no uso de

Leia mais

CURSO: MEDICINA 1º PERÍODO Nº DE AULAS SEMANAIS AULAS. Anatomia Sistêmica e Aplicada I 04 06 200 166. Histologia 03 03 120 100

CURSO: MEDICINA 1º PERÍODO Nº DE AULAS SEMANAIS AULAS. Anatomia Sistêmica e Aplicada I 04 06 200 166. Histologia 03 03 120 100 CURSO: MEDICINA 1º PERÍODO Anatomia Sistêmica e Aplicada I 04 06 200 166 Histologia 03 03 120 100 Biologia Celular 03-60 50 Bioquímica Celular 04-80 66 Embriologia Aplicada 01 02 60 50 Iniciação á Prática

Leia mais

ANEXO I Edital 80/2014

ANEXO I Edital 80/2014 ANEXO I Edital 80/2014 UNIDADES DE ENSINO DE NITERÓI CLASSE A: ADJUNTO A - REGIME: 40H DE 1- Faculdade de Administração e Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Área de Conhecimento: CONTABILIDADE

Leia mais

PROGRAMA DATA LOCAL E INFORMAÇÕES HORÁRIO

PROGRAMA DATA LOCAL E INFORMAÇÕES HORÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - SANTA CASA DE PORTO ALEGRE COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 CALENDÁRIO DA 2ª

Leia mais

IATE CLUBE PETROLINA IATE: ANO 10

IATE CLUBE PETROLINA IATE: ANO 10 IATE CLUBE PETROLINA IATE: ANO 10 Corria o ano de 1966 e um grupo de freqüentadores mais assíduos da chácara de Dr. Balbino Oliveira, em Juazeiro próximo a Faculdade de Agronomia, se reuniam a beira de

Leia mais

SELEÇÃO EXTERNA DE PROFESSORES. Curso de Medicina EDITAL DE SELEÇÃO

SELEÇÃO EXTERNA DE PROFESSORES. Curso de Medicina EDITAL DE SELEÇÃO SELEÇÃO EXTERNA DE PROFESSORES Curso de Medicina EDITAL DE SELEÇÃO A coordenadora do curso de Medicina, Profa. Alessandra Duarte Clarizia, nos termos das regras fixadas pela Pró-Reitoria de Graduação do

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

Agente Comunitário em Saúde

Agente Comunitário em Saúde Agente Comunitário em Saúde Introdução a Informática Ações de Promoção do ambiente saudável A sociedade em que vivemos Construção de Redes Comunitárias e Promoção à Saúde Introdução à Profissão de Agente

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 93/2006-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/08/2006 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 93/2006-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/08/2006 I RELATÓRIO: INTERESSADA: UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - FOP ASSUNTO: RENOVAÇÃO DE RECONHECIMENTO DO CURSO DE ODONTOLOGIA RELATORA: CONSELHEIRA NELLY MEDEIROS DE CARVALHO PROCESSO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Paulo Afonso Estado da Bahia

Prefeitura Municipal de Paulo Afonso Estado da Bahia CÓDIGO CARGO/ FUNÇÃO VAGAS REQUISITOS VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SEMANAL VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SEMANAL VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SEMANAL E000 Ajudante 35 Alfabetizado R$ 380,00 E00 Arameiro

Leia mais

HOSPITAL CENTRAL ROBERTO SANTOS 201 Clínica Médica Recredenciado 02 anos 10 02 08 101 Cirurgia Geral Recredenciado 02 anos 10 00 10

HOSPITAL CENTRAL ROBERTO SANTOS 201 Clínica Médica Recredenciado 02 anos 10 02 08 101 Cirurgia Geral Recredenciado 02 anos 10 00 10 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO DE RESIDÊNCIA MÉDICA DA BAHIA 2008 C O M U N I C A D O A CEREM COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA, comunica a alteração das vagas disponibilizadas para 2008, com base nas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE Florianópolis, 09 de novembro de 2007. Da: Coordenadoria do Curso de Graduação em

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS Jaqueline Souza Lacerda 1,4 ; Eude de Sousa Campos 2,4 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues

Leia mais

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 Eixos longitudinais, conteúdos e objetivos cognitivos psicomotores Eixos transversais, objetivos Per. 1º Ano eixo integrador: O CORPO HUMANO CH INT. COMUM. HAB.

Leia mais