Manual de Diretrizes de Conduta Ética da BB Consórcios S.A

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Diretrizes de Conduta Ética da BB Consórcios S.A"

Transcrição

1 Manual de Diretrizes de Conduta Ética da BB Consórcios S.A Versão Atualizada Outubro/2015

2 Introdução Este Manual define as diretrizes que obrigam e devem ser observadas por todos os colaboradores, em todos os níveis hierárquicos da empresa. Apresenta linhas gerais de conduta e espelha o contido no Código de Ética do Banco do Brasil. Todo indivíduo com autonomia e liberdade vivencia dilemas éticos, e estes, serão mais facilmente resolvidos quanto mais sólidos forem os princípios que tivermos e a preservação da integridade que desejarmos. Como a ética pressupõe nossa capacidade de decidir, julgar e avaliar, existem três perguntas que ajudam a definir nossa atitude. Quero? Devo? Posso? Eventualmente teremos dúvidas sobre fazer ou não fazer algo, e, as regras dispostas neste Manual, nos ajudarão a tomar decisões com maior assertividade. Nossa Missão: Ser uma administradora de consórcios competitiva e rentável, viabilizando a realização de sonhos de consumo de forma consciente. Nossa Visão: Sermos referência no mercado de consórcios, reconhecidos pelo desempenho e perenidade dos negócios e excelência no relacionamento com seus clientes. Nossos Valores: a) Espírito Público: Pensamos no todo e nas partes. b) Ética: Nossa conduta é baseada em princípios e valores morais, com responsabilidade e transparência. c) Potencial Humano: Valorizamos as qualidades e capacidades das pessos. d) Unicidade: Identidade que compartilhamos e que nos une. e) Sustentabilidade: Atuamos de forma a buscar o equilíbrio entre o econômico, social, cultural e ambiental. f) Competência: Estimulamos habilidades, atitudes e conhecimentos necessários par solução de desafios. g) Eficiência: Utilizamos os recursos da melhor forma para maximizar os resultados. h) Inovação: Incentivamos uma cultura de criação, que altera o nosso ambiente e gera valor. i) Agilidade: Possuímos a capacidade de realizar, de forma rápida e eficaz, ações que buscam a eficiência e a excelência no relacionamento. 1. Conduta do funcionário 2

3 a) Respeitar o pensamento discordante. b) Não discriminar por preferências políticas, sexuais, religiosas ou culturais. c) Evitar reproduzir boatos ou difundir informações com base em rumores. d) Cultivar a cordialidade nos relacionamentos e um ambiente de respeito à dignidade e a diversidade. e) Utilizar o bom senso e a polidez para desfazer mal-entendidos. f) Valorizar o trabalho em equipe sendo participativo, pontual, compartilhando conhecimentos e informações, respeitada a Política de Segurança da Informação da empresa. g) Cumprir as disposições dos códigos, regulamentos e normativos legais aplicáveis ao mercado de consórcios que digam respeito às suas atividades específicas, zelando pelo cumprimento das mesmas, numa atitude permanente de conformidade. h) Orientar sua atuação e exercer suas atividades em linha com a conduta esperada dos profissionais de mercado, prevista em legislação ou princípios de autorregulação, notadamente quanto à utilização de conhecimento privilegiado sobre atividades da empresa ou de seu negócio. i) Respeitar e fazer cumprir a segregação na administração dos recursos da empresa e de terceiros. j) Manter-se atualizado com as melhores práticas de mercado, buscando a manutenção de nível de capacitação e aperfeiçoamento profissional que lhe permitam o melhor desempenho de suas funções. k) Abster-se de manter sob sua subordinação imediata, em cargo ou função de confiança, cônjuge, companheiro (a) ou parente até o segundo grau em linha direta e colateral. l) Comunicar aos seus superiores a ocorrência de fatos ou procedimentos de que venha a tomar conhecimento e que não sejam condizentes com o Código de Ética e as Normas de Conduta do Banco do Brasil, assim como as Diretrizes de Conduta Ética da BB Consórcios. m) Repudiar práticas ilícitas, como suborno, extorsão, corrupção, propina, lavagem de dinheiro, financiamento ao terrorismo, em todas as suas formas. n) Utilizar o canal ouvidoria interna do Banco do Brasil S.A., em caso de denúncia para o reporte de violações a este Manual de Diretrizes de Conduta Ética da BB Consórcios, de forma identificada ou anônima. 1.2 Conduta da Liderança 3

4 a) Orientar os funcionários subordinados sobre a importância do cumprimento do disposto neste Manual. b) Estimular o diálogo, acolhendo a diversidade de opiniões e ideias. c) Responder aos questionamentos formulados pelos funcionários subordinados. d) Conceder tratamento isonômico a todos os funcionários subordinados. e) Mediar conflitos, incentivando a reflexão e a solução consensual. f) Encorajar um equilíbrio saudável entre o trabalho e vida pessoal, observadas as necessidades do negócio. 2. Vedações a) Utilizar informações obtidas no exclusivo exercício de suas atividades profissionais para favorecimento próprio ou de terceiros. b) Desenvolver negócios ou atividades particulares durante a jornada de trabalho. c) Transferir para si ou terceiros, trabalhos desenvolvidos para a empresa. d) Usar as instalações, equipamentos e outros recursos da empresa para fins particulares, exceto quando previamente autorizado pela Diretoria Executiva da BB Consórcios. e) Submeter as pessoas com as quais mantém contato profissional à intimidação, assédio ou qualquer atitude de discriminação de qualquer natureza. 3. Relacionamento com Terceiros 3.1 Clientes Internos e Externos a) Atender os clientes com eficiência e cortesia. b) Respeitar a liberdade de escolha, prestando informações claras, precisas e transparentes, necessárias à tomada de decisões conscientes. c) Acolher sugestões, críticas e dúvidas dos clientes buscando responder tempestivamente e com profissionalismo. d) Guardar total confidencialidade com relação às informações recebidas em decorrência do relacionamento com os clientes. 4

5 e) Recusar a participação ou intermediação de terceiros em negócios ou propostas que não estejam em conformidade com a legislação e regulamentação vigentes. f) Atuar em conformidade com as diretrizes internacionais, no que diz respeito à prevenção e ao combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, e repúdio à corrupção nacional e transnacional, vedando prometer, oferecer ou dar, direta ou indiretamente, vantagem indevida a agente público do governo brasileiro ou do governo estrangeiro, ou a terceira pessoa a eles relacionadas para a obtenção de vantagem imprópria. 3.2 Fornecedores e Prestadores de Serviços a) Adotar critérios transparentes de seleção e contratação. b) Cultivar relacionamentos baseados no profissionalismo e respeito mútuos. c) Orientar todos os parceiros a compartilhar nossos valores e princípios éticos. d) Observar a Política de Relacionamento da BB Consórcios com fornecedores. e) Não compactuar com o trabalho escravo e infantil, adotar práticas de combate à lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo, e repudiar a corrupção, ficando vedada a realização de negócio em nome da BB Consórcios de maneira imprópria. 3.3 Mercado e Concorrentes a) Pautar o relacionamento pelos princípios éticos deste Manual, pelas normas e legislação aplicáveis. b) Obedecer à prática de, em reuniões com representantes de instituições e outras pessoas que atuam no mercado de Consórcios, fazer-se acompanhar de, no mínimo, mais um funcionário da empresa. c) Agir em conformidade com os preceitos da livre concorrência. d) Participar de associações com espírito de cooperação e visando o aperfeiçoamento do setor. e) Manter relacionamento negocial como outras instituições financeiras que possuam políticas, normas e procedimentos para prevenção e combate à lavagem de dinheiro, ao financiamento do terrorismo e combate à corrupção ou qualquer espécie de ilícito. 3.4 Imprensa 5

6 a) Abster-se de efetuar declarações não autorizadas a respeito da Administradora e de seus consorciados aos meios de comunicação, qualquer que seja a forma. b) Solicitar orientação à Diretoria Estratégia da Marca do Banco do Brasil (Direm), para concessão de entrevistas e/ou prestação de declarações. c) Dar prévio conhecimento e obter prévia autorização da Diretoria Executiva da BB Consórcios para contato de qualquer natureza com a imprensa. d) Segregar o dever de informar das ações de promoção e publicidade. 3.5 Partidos Políticos a) A BB Consórcios não pode realizar doações a partidos políticos. 4. Acesso às dependências da empresa a) O acesso às dependências da BB Consórcios pelo corpo funcional é restrito ao cumprimento de suas atividades profissionais. Deve ser observado o contido no Manual de Segurança da Informação da BB Consórcios. b) Funcionários do Banco do Brasil e demais prestadores de serviços contratados, no estrito exercício de suas atividades profissionais rotineiras de prestação de serviços à BB Consórcios ou de interveniência por conta e ordem do BB, terão acesso às dependências mediante prévios conhecimento e autorização. c) Visitantes e convidados, funcionários do BB ou não, serão recepcionados preferencialmente nas salas de reunião. 5. Política de Brindes a) É vedado solicitar ou aceitar qualquer tipo de favorecimento pessoal em troca de negócios com a empresa. b) Poderão ser aceitos brindes de baixo valor, tais como canetas promocionais, agendas, camisetas, bonés e outros, limitado seu valor a R$ 100,00 (cem reais). c) Os brindes eventualmente recebidos a qualquer título, não enquadrados no item anterior, não procedentes de programa de reconhecimento interno, deverão ser doados pelo beneficiário à Fundação Banco do Brasil ou a Instituição beneficente sem fins lucrativos. 6

7 6. Política de Aquisição e Cessão de Cotas de Consórcio a) Não há restrição à contratação de cotas pelos funcionários da BB Consórcios, exceto pelos estatutários, aos quais está vedada a concorrência por lances ou sorteios, excluindo-se desta regra as cotas canceladas. b) No caso de cota contratada por funcionário da BB Consórcios, cônjuges ou parentes de primeiro grau, com taxa de administração similar a dos funcionários do Banco do Brasil, é vedada sua transferência antes do prazo de 12 meses de sua aquisição, exceto quando o cessionário também fizer jus às mesmas condições de taxas. c) Nenhum funcionário da BB Consórcios ou funcionários de empresas prestadoras de serviços à BB Consórcios pode promover qualquer ação, no que se refere à sua própria cota ou de cônjuge, utilizando-se de sua chave funcional/corporativa, nem utilizar-se da prestação de serviços dos demais colegas da BB Consórcios e terceirizados em benefício próprio ou de terceiros. d) As ofertas de lance das cotas dos funcionários da BB Consórcios, e respectivos cônjuges, somente podem ser realizadas até o dia 10 de cada mês. 7. Responsabilização Práticas éticas são de responsabilidade de todos os funcionários, que devem informar imediatamente aos superiores hierárquicos, eventual desobediência a quaisquer leis, regulamentos, políticas ou padrões estabelecidos pela empresa. Compete aos gerentes: a) Fazer cumprir na respectiva equipe os termos e vedações deste código. b) Dar imediata ciência formal ao superior hierárquico via , sob a classificação $40, de qualquer transgressão praticada ou comunicada por funcionário diretamente subordinado ou não. 7

8 8. Termo de Ciência e Declaração Anual O funcionário assinará o Termo de Ciência do Manual de Diretrizes de Conduta Ética da BB Consórcios: a) No primeiro dia útil do ano civil, ou quando da ocorrência de alterações, renovando-o anualmente. b) Na data da posse na empresa. c) Em caso de ausência do funcionário na data indicada na alínea a, o Termo deve ser assinado quando do imediato retorno. O funcionário assinará a Declaração Anual de Observância ao Manual de Diretrizes de Conduta Ética da BB Consórcios: a) No último dia útil do ano civil. b) Em caso de ausência do funcionário na data indicada na alínea a, a Declaração deve ser assinada quando do imediato retorno. 8

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Conceito 2. Objetivo 3. Abrangência 4. Regras e Normas 4.1 Conceito de Ética. Ponto de vista empresarial 4.2 Princípios

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PSIQUIATRIA. Código de Condutas Éticas

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PSIQUIATRIA. Código de Condutas Éticas 1 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PSIQUIATRIA Código de Condutas Éticas I - Mensagem do Presidente II Premissas III Condutas Éticas nas atividades da ABP 1. Cumprimento das leis 2. Relação com o Governo 3. Atividades

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL A Política de Prevenção à Corrupção tem como objetivo dar visibilidade e registrar os princípios e valores éticos que devem nortear a atuação dos empregados,

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta Ética das Empresas Concremat contempla os princípios que devem estar presentes nas relações da empresa com seus colaboradores, clientes,

Leia mais

Política Anticorrupção

Política Anticorrupção Soluções que impulsionam e valorizam sua empresa. Política Anticorrupção Ano fiscal 2016 Política Anticorrupção Objetivo Definir procedimentos para assegurar que todos os colaboradores, funcionários, sócios

Leia mais

Código de Ética - Ultra

Código de Ética - Ultra Código de Ética - Ultra Ética na gestão - Equidade, transparência e responsabilidade - Cumprimento das leis - Desenvolvimento sustentável Ética nos relacionamentos - Acionistas e investidores - Colaboradores

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO CÓDIGO DE ÉTICA DA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO 0 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ABRANGÊNCIA... 2 3 - PRINCÍPIOS GERAIS... 2 4 - INTEGRIDADE PROFISSIONAL E PESSOAL... 3 5 - RELAÇÕES COM

Leia mais

Política de Relacionamento com Fornecedores

Política de Relacionamento com Fornecedores Política de Relacionamento com Fornecedores Publicado em: 25/06/2013 1. Conceito O Santander tem como compromisso promover a sustentabilidade, conduzindo seus negócios em plena conformidade com a legislação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS 1. INTRODUÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS Em atendimento à Instrução CVM nº 497, de 03 de junho de 2011], o presente Manual dispõe sobre os procedimentos e regras

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA BC CONSULT Página 1 de 9 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PRINCÍPIOS... 4 INTEGRIDADE... 4 DISCRIMINAÇÃO... 4 CONFLITO DE INTERESSE... 4 CONFIDENCIALIDADE DE INFORMAÇÕES... 5 PROTEÇÃO AO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA

CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA Código de Ética e de Responsabilidade Social Propósitos A ACE Schmersal tem uma atuação corporativa pautada em valores éticos e morais. Estes mesmos valores regem

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SUPRIMENTO DE MATERIAL E SERVIÇOS GSS CÓDIGO DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SUPRIMENTO DE MATERIAL E SERVIÇOS GSS CÓDIGO DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS CÓDIGO DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS ELETRONORTE SUPERINTENDÊNCIA DE SUPRIMENTO DE MATERIAL E SERVIÇOS GSS CÓDIGO DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS 1 2

Leia mais

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições:

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições: 1.0 - CÓDIGO DE ÉTICA DO BANRISUL Preâmbulo O compromisso maior da instituição deve ser o de possibilitar continuamente a consecução de sua missão, a saber: Ser o agente financeiro do Estado para promover

Leia mais

Código de Ética LLTECH

Código de Ética LLTECH Código de Ética LLTECH Quem somos A LLTECH é uma empresa que oferece soluções inovadoras para automação e otimização de processos industriais, fornecendo toda a parte de serviços e produtos para automação

Leia mais

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições:

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições: 1.0 - CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO BANRISUL Preâmbulo O compromisso é servir como Guia Prático de Conduta Pessoal e Profissional, a ser utilizado por todos os Colaboradores do Banrisul, possibilitando a

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING O Código de Conduta Ética é um instrumento destinado a aperfeiçoar os relacionamentos da organização e elevar o clima de confiança nela existente. Este Código tem

Leia mais

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente Código de Ética OBJETIVO Este código de ética serve de guia para atuação dos empregados e contratados da AQCES e explicita a postura que deve ser adotada por todos em relação aos diversos públicos com

Leia mais

Código de Ética Rastru

Código de Ética Rastru CÓDIGO DE ÉTICA RASTRU O objetivo desse Código de É tica é definir com clareza os princípios éticos que norteiam as ações e os compromissos da organização Rastru, tanto da parte institucional como da parte

Leia mais

A Global e todos os seus Colaboradores comprometem-se a seguir os princípios abaixo como diretrizes de conduta em todas as suas relações:

A Global e todos os seus Colaboradores comprometem-se a seguir os princípios abaixo como diretrizes de conduta em todas as suas relações: POLÍTICAS CORPORATIVAS Assunto: Código de Ética e Conduta Objetivo O Código de Ética e Conduta objetiva estabelecer os princípios, conceitos e valores que orientam o padrão ético de todos os Colaboradores

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Estrutura do Código de Ética e Conduta 1. Introdução pág. 03 2. Mensagem da Diretoria pág. 04 3. Relações no Ambiente de Trabalho pág. 05 4. Relacionamento Externo pág. 07 5.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E INTEGRIDADE DE FORNECEDORES

CÓDIGO DE CONDUTA E INTEGRIDADE DE FORNECEDORES SUMÁRIO 1. Introdução... 04 2. Abrangência... 04 3. Objetivo... 04 4. Princípios Éticos... 05 5. Preconceitos e Discriminação... 05 6. Respeito à Legislação e Integridade nos Negócios... 05 7. Documentos,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS A quem se destina este Manual Este manual reúne o conjunto de normas e procedimentos a serem seguidos por TODOS aqueles que trabalham na S.C.C.V.M. S/A,

Leia mais

JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578

JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578 JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578 CÓDIGO DE ÉTICA Escopo Este Código de Ética ( Código ) reúne as principais normas de conduta que devem

Leia mais

TIPO DOC. RESOLUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA EMPRESARIAL DO SERPRO CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA EMPRESARIAL DO SERPRO

TIPO DOC. RESOLUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA EMPRESARIAL DO SERPRO CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA EMPRESARIAL DO SERPRO TPO DOC. 1/7 1. CONSDERAÇÕES O papel social de uma instituição vai além do que preveem as leis que a regem. O Serviço Federal de Processamento de Dados - SERPRO, ao prestar serviços baseados na tecnologia

Leia mais

PREÂMBULO TOV colaboradores, Compliance Outubro/2010

PREÂMBULO TOV colaboradores, Compliance Outubro/2010 PREÂMBULO A TOV, ciente da importância da ética nas relações profissionais nas comunidades onde atua e dos benefícios advindos do comprometimento e execução de diretrizes de conduta ética, divulga a todos

Leia mais

CÓDIGO ÉTICA E CONDUTA FRANCO ADVOGADOS

CÓDIGO ÉTICA E CONDUTA FRANCO ADVOGADOS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DE FRANCO ADVOGADOS ÍNDICE CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES 1 CAPÍTULO II OBJETIVO 2 CAPÍTULO III AMBIENTE DE TRABALHO 2 CAPÍTULO IV - REGRAS E PROCEDIMENTOS 2 CAPÍTULO V - VANTAGEM INDEVIDA

Leia mais

Apresentação. Após a leitura, o colaborador deve atestar que se compromete a respeitar os padrões estabelecidos nesse documento.

Apresentação. Após a leitura, o colaborador deve atestar que se compromete a respeitar os padrões estabelecidos nesse documento. CÓDIGO DE ÉTICA 1 2 3 Apresentação Apresentamos a todos o Código de Ética do Banco A.J Renner S.A. Este código contém as orientações que devem ser seguidas individual e coletivamente na busca pela excelência

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA OUTUBRO/2007

CÓDIGO DE ÉTICA OUTUBRO/2007 OUTUBRO/2007 ÍNDICE Página 1. APRESENTAÇÃO 1 2. OBJETIVOS 1 3. NORMAS, PRINCÍPIOS E VALORES ÉTICOS 2 4. CONFLITOS DE INTERESSES 5 5. CONFIDENCIALIDADE 6 6. DÚVIDAS COM A APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE ÉTICA 6

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética SUMÁRIO 1 Objetivo... 03 2 Abrangência... 03 3 Valores... 03 4 - Conduta ética da PPL com os diversos públicos 4.1 - Cliente: Foco de nossa atuação... 03 4.2 - Relação e interação com fornecedores e parceiros...

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Índice Nossos princípios diretivos 03 Proteção do patrimônio e uso dos ativos 04 Informação confidencial 05 Gestão e Tratamento dos Colaboradores 06 Conflitos de interesse 07

Leia mais

A SINIGAGLIA, endossa e pratica de forma sistemática os princípios do Pacto Global 1 da ONU, integrando-os a seus processos:

A SINIGAGLIA, endossa e pratica de forma sistemática os princípios do Pacto Global 1 da ONU, integrando-os a seus processos: INTRODUÇÃO O regime da livre iniciativa impõe às organizações e seus integrantes a conduzirem-se dentro de um ambiente de respeito e entendimento, zelando para que toda e qualquer forma de relacionamento,

Leia mais

Código de Ética, Valores e Conduta

Código de Ética, Valores e Conduta 2008 Código de Ética, Valores e Conduta Desenvolvimento Humano VJ SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA 12/11/2008 Código de Ética Nossa Missão Ser a maior, melhor e mais lucrativa empresa de prestação de serviços

Leia mais

Código de Ética e de Conduta Empresarial

Código de Ética e de Conduta Empresarial O da Irmãos Parasmo S/A leva em consideração os elementos essenciais existentes nas suas relações com os seus diferentes públicos acionistas, clientes, colaboradores, fornecedores, prestadores de serviços,

Leia mais

Código de Ética Nas Relações com as Partes Interessadas Com os Clientes e a Concorrência

Código de Ética Nas Relações com as Partes Interessadas Com os Clientes e a Concorrência Código de Ética Conduzimos nossos negócios dentro de uma estrutura de padrões profissionais, legislações, regulamentações e políticas internas. Entretanto, temos consciência que essas normas não necessariamente

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto

Leia mais

Código de Ética dos Profissionais Vinculados à Gestão de Ativos de Terceiros

Código de Ética dos Profissionais Vinculados à Gestão de Ativos de Terceiros Código de Ética dos Profissionais Vinculados à Gestão de Ativos de Terceiros Propriedade de Banco do Nordeste do Brasil S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. I. Premissas

Leia mais

Art. 1º - Os Integrantes do Escritório deverão observar e fazer com que sejam observados os seguintes princípios gerais:

Art. 1º - Os Integrantes do Escritório deverão observar e fazer com que sejam observados os seguintes princípios gerais: CÓDIGO DE ÉTICA OBJETIVO Disciplinar formalmente os nossos deveres e obrigações dentro do cenário nacional jurídico, na busca do melhor resultado na prestação de serviços que oferece para os seus clientes,

Leia mais

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 2 Sumário 1. Introdução...3 2. Postura pessoal e profissional...4 3. Relacionamento com público interno...6 4. Relacionamento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. 1 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. Este código de ética e conduta foi aprovado pelo Conselho de Administração da INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. ( Companhia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2.689 Documento normativo revogado, a partir de 30/3/2015, pela Resolução nº 4.373, de 29/9/2014. Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

Código de Ética e Conduta em Relações Comerciais Bridge Research

Código de Ética e Conduta em Relações Comerciais Bridge Research Código de Ética e Conduta em Relações Comerciais Bridge Research Missão Ser a referência no Brasil em soluções de pesquisa de mercado que utilizem tecnologia como uma plataforma para melhorar a decisão

Leia mais

Índice. 1. Princípios gerais. 2. Plano TCC: compromissos

Índice. 1. Princípios gerais. 2. Plano TCC: compromissos 1 Índice 1. Princípios gerais 2. Plano TCC: compromissos 2.1 Subornos 2.2 Doações a partidos políticos 2.3 Doações a organizações beneficentes e patrocínio 2.4 Tratamentos de favor 2.5 Presentes, alojamentos

Leia mais

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo Índice 1. Definições... 2 2. Objetivos e Princípios... 3 3. Definição de Ato ou Fato Relevante... 4 4. Deveres e Responsabilidade... 5 5. Exceção à Imediata Divulgação... 7 6. Dever de Guardar Sigilo...

Leia mais

Política de Publicação de Conteúdo do Site da CCEE

Política de Publicação de Conteúdo do Site da CCEE Política de Publicação de Conteúdo do Site da CCEE ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Padronização de textos e definições 1.1 O que é Notícia 1.2 O que é Artigo 1.3 O que é Comunicado 1.4 O que é Arquivo 1.5 O que é

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA FPP - FUNDAÇÃO PORTUGUESA DO PULMÃO 1/8

CÓDIGO DE CONDUTA FPP - FUNDAÇÃO PORTUGUESA DO PULMÃO 1/8 CÓDIGO DE CONDUTA DA FPP - FUNDAÇÃO PORTUGUESA DO PULMÃO Lisboa, Julho de 2015 1/8 I - ÂMBITO Artigo Primeiro Âmbito Pessoal O presente Código integra um conjunto de regras e princípios gerais de ética

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO 1. OBJETIVO A Política Corporativa de Prevenção à Corrupção ( Política ) tem o objetivo de reforçar o compromisso da empresa Via Boleto de cooperar

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta 1 de 7 Revisão Data Assunto / revisão / modificação 00 16/04/15 Emissão Inicial. Nome Cargo Data Assinatura Consultor / Gerente EMITENTE Maciel Amaro Técnico / RD Valéria Ap. R. Amaro Diretora administrativa

Leia mais

Princípio da Solidariedade: Responsabilidade de todos os cidadãos na concretização das finalidades do voluntariado;

Princípio da Solidariedade: Responsabilidade de todos os cidadãos na concretização das finalidades do voluntariado; 1. DEFINIÇÃO DE VOLUNTARIADO é o conjunto de acções de interesse social e comunitário, realizadas de forma desinteressada por pessoas, no âmbito de projectos, programas e outras formas de intervenção ao

Leia mais

c. Promover o comportamento ético no ambiente em que atuamos.

c. Promover o comportamento ético no ambiente em que atuamos. Introdução O Código de Ética e Conduta foi aprovado em reunião do Conselho de Administração em 03/08/2015. É um documento que resume as principais políticas e diretrizes que definem as regras orientadoras

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS 1. O CÓDIGO Este Código de Ética (Código) determina as práticas e padrões éticos a serem seguidos por todos os colaboradores da SOMMA INVESTIMENTOS. 2. APLICABILIDADE Esta política é aplicável: 2.1. A

Leia mais

Código de Ética. 31 de março

Código de Ética. 31 de março Código de Ética 31 de março 2015 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 4 2. MISSÃO, VISÃO E VALORES DA CETIP... 4 3. PÚBLICO-ALVO... 4 4. REGRAS E PRINCÍPIOS NORTEADORES DAS ATIVIDADES... 4 4.1. RELACIONAMENTO INTERNO...

Leia mais

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 28/11/2014 Verificado por Jose Eduardo em 28/11/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 04/12/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL Março de 2015 1ª edição MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta da RIP ( Código ) é a declaração formal das expectativas que servem

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Essas regras estão organizadas em torno das seguintes exigências:

CÓDIGO DE ÉTICA. Essas regras estão organizadas em torno das seguintes exigências: CÓDIGO DE ÉTICA O Grupo PSA Peugeot Citroën construiu seu desenvolvimento com base em valores implementados por seus dirigentes e funcionários, e reafirmados nos objetivos de desenvolvimento responsável

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO SISTEMA CECRED

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO SISTEMA CECRED POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO SISTEMA CECRED VERSÃO 01 MAIO DE 2015 SUMÁRIO Capítulo 1 Objetivo do documento... 3 Capítulo 2 Público - Alvo / Aplicabilidade... 5 Capitulo 3 Responsabilidades...

Leia mais

Código de Ética Fevereiro de 2015

Código de Ética Fevereiro de 2015 Código de Ética Fevereiro de 2015 Índice 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Ética... 3 2.1. Princípios e valores fundamentais... 3 2.2. Proibição de decisão em situação de conflito de interesses... 4 2.3.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. BADESUL Desenvolvimento S.A- Agência de Fomento 0800 642 6800 - Rua Gen. Andrade Neves, 175 - Porto Alegre - RS - CEP: 90010-210

CÓDIGO DE ÉTICA. BADESUL Desenvolvimento S.A- Agência de Fomento 0800 642 6800 - Rua Gen. Andrade Neves, 175 - Porto Alegre - RS - CEP: 90010-210 CÓDIGO DE ÉTICA Introdução O Código de Ética do BADESUL explicita os valores éticos que regem o desempenho de sua missão: Contribuir para o desenvolvimento econômico e social do Rio Grande do Sul, através

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR INTRODUÇÃO Ciente de sua responsabilidade como fornecedora de refeições coletivas e prestadora de serviços, o Grupo Vivo Sabor divulga seu Manual

Leia mais

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores 00 12/02/2015 Original Natalia Simões Araujo (Coordenadora Funções Corporativas e Compliance) Antonio Ferreira Martins (Vice- Presidente Jurídico e

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI Nº2. 830, DE 21 DE OUTUBRO DE 2011.

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI Nº2. 830, DE 21 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº2. 830, DE 21 DE OUTUBRO DE 2011. Estabelece diretrizes para a Política de boas práticas e padrões de qualidade no atendimento ao usuário de serviços públicos na cidade de Morrinhos e dá outras providências.

Leia mais

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING Índice INTRODUÇÃO... 2 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING... 2 2 COMPROMISSO DOS COLABORADORES... 2 3 PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO... 3 3.1 RELAÇÕES COM ADMINISTRADORES E COLABORADORES... 3 3.2 RELAÇÕES COM

Leia mais

Não empregamos nenhuma pessoa com idade menor que a permitida por lei.

Não empregamos nenhuma pessoa com idade menor que a permitida por lei. Código de Conduta SOSINIL Princípios Gerais A SOSINIL publica seu Codigo de Conduta e Ética que servirá de referencial para uma conduta adequada, coerente e uniforme a ser adotada com os envolvidos em

Leia mais

Adequação de Contratos Comerciais e Trabalhistas

Adequação de Contratos Comerciais e Trabalhistas Adequação de Contratos Comerciais e Trabalhistas As Cláusulas de Anticorrupção nos Contratos De modo a dar efetividade às normas de Compliance da Radix Engenharia & Software, bem como às da Controladoria-Geral

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do. Grupo Energisa

Código de Ética e de Conduta do. Grupo Energisa Código de Ética e de Conduta do Grupo Energisa Caro colaborador, A prática do Código de Ética e de Conduta do Grupo Energisa é tão importante que fazemos questão que cada colaborador tenha seu próprio

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Ano 2013 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Caro Colaborador Estamos entregando o Código de Ética e Conduta da Instituição, o qual fará parte

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA TARPON INVESTIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA TARPON INVESTIMENTOS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA TARPON INVESTIMENTOS S.A. I - DEFINIÇÕES E ADESÃO 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA - PORTAL

CÓDIGO DE ÉTICA - PORTAL 1. Disposições Preliminares Este Código de Ética tem como principal objetivo informar aos colaboradores, prestadores de serviço, clientes e fornecedores da Petronect quais são os princípios éticos que

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA ABRANGÊNCIA Este Código de Ética e Conduta destina-se aos colaboradores e, no que couber, aos prestadores de serviços, visitantes e fornecedores da Panificação Tocantins. INTEGRIDADE

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP 2008-2 1 Apresentação A SABESP a partir da sua própria missão de prestar serviços de saneamento, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do meio ambiente constitui-se

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A. CESUP Licitações (SP) CREDENCIAMENTO 2011/0262 (7421) SL CREDENCIAMENTO Nº 2011/0262 (7421) SL

BANCO DO BRASIL S.A. CESUP Licitações (SP) CREDENCIAMENTO 2011/0262 (7421) SL CREDENCIAMENTO Nº 2011/0262 (7421) SL CREDENCIAMENTO Nº 2011/0262 (7421) SL OBJETO: Credenciamento de pessoa jurídica, inclusive empresa individual devidamente registrada no CREA ou CAU, cujo objeto social contemple atividades técnicas de

Leia mais

POLÍTICA GERAL PARA PREVENÇÃO A LAVAGEM DE DINHEIRO

POLÍTICA GERAL PARA PREVENÇÃO A LAVAGEM DE DINHEIRO POLÍTICA GERAL PARA PREVENÇÃO A LAVAGEM DE DINHEIRO Sumário Introdução... 2 Quem comete crime de lavagem de dinheiro?... 2 Situações que podem configurar crime de Lavagem de Dinheiro... 2 Relacionadas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. Versão: Maio 2013 Página 1 Introdução Alinhado com o disposto na Instrução CVM nº 497/11 ( ICVM 497/11 ), o Banco

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento da Faculdade Católica do Tocantins (Facto), mantida

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

Norma de Política. Sistema Integrado de Normas. Título da Norma. Código de Ética - Área Suprimentos. Código COM011. Responsável

Norma de Política. Sistema Integrado de Normas. Título da Norma. Código de Ética - Área Suprimentos. Código COM011. Responsável Sistema Integrado de Normas Norma de Política Título da Norma Código Responsável Área: Processo: Subprocesso: Sistema: Cia de Alcance Código de Ética - Área Suprimentos COM011 Flavio Licio/CEN/BFE/Bunge

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA (Julho de 2005)

CÓDIGO DE ÉTICA (Julho de 2005) CÓDIGO DE ÉTICA (Julho de 2005) I. INTRODUÇÃO O Código de Ética da São Bernardo tem por objetivo refletir o padrão de conduta e os valores ético-morais a serem aplicados e demonstrados por todos aqueles

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Índice Apresentação... 3 Principais Objectivos do Código... 3 Finalidade do Código de Ética... 4 Âmbito de Aplicação... 4 Serviço Público... 4 Missão... 5 Visão... 5 Responsabilidade

Leia mais

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest [CÓDIGO DE ÉTICA] Este documento determina as práticas, padrões éticos e regras a serem seguidos pelos colaboradores, fornecedores e a todos aqueles que, direta ou indiretamente, se relacionem com a Interinvest.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC De origem grega, o termo ethos significa costumes e deve ser entendido com um conjunto de princípios básicos que visam disciplinar e regular, a moral e a conduta das

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia de Alimentos é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes

Leia mais

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum Controle de alterações 10 de março de 2008 emissão inicial 1 ÍNDICE 0. Condições Gerais... 3 1. Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 2. Abertura de Processo... 5 3. Processo Técnico Reconhecimento

Leia mais

Esta política define:

Esta política define: Esta política define: OBJETIVO ABRANGÊNCIA DEFINIÇÕES SOLICITAÇÃO DE CONTRATAÇÃO E APROVAÇÕES RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ADMISSÃO SALÁRIO ADMISSIONAL INTEGRAÇÃO OBJETIVO Definir uma política

Leia mais

NORMAS DE ATUAÇÃO DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO

NORMAS DE ATUAÇÃO DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO NORMAS DE ATUAÇÃO DOS AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO Versão: Maio 2013 Introdução Em atendimento à ICVM 497, artigo 17, Inciso I, o Banco Cooperativo Sicredi S.A. ( BANCO ) apresenta um conjunto de

Leia mais

DIRETRIZES DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES

DIRETRIZES DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES DIRETRIZES DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES INTRODUÇÃO Para a seleção e contratação de Empresas Fornecedoras e Prestadoras de Serviços e em todas as relações aplicáveis aos negócios, as Empresas Alibem/Agra

Leia mais

Manual Anticorrupção GDC Alimentos S.A.

Manual Anticorrupção GDC Alimentos S.A. Manual Anticorrupção GDC ALIMENTOS S.A. SUMÁRIO MENSAGEM DO PRESIDENTE... 5 1. INTRODUÇÃO... 6 2. APLICAÇÃO... 6 3. DEFINIÇÕES... 6 4. O QUE ESTABELECE A LEI 12.846/13?... 8 4.1 Atos lesivos segundo a

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS SUPORTE CORPORATIVO

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS SUPORTE CORPORATIVO 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Contém os requisitos e diretrizes básicas para o contrato/distrato, as condições de credenciamento, as normas de conduta e as responsabilidades dos Agentes Autônomos de Investimento,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental PRSA

Política de Responsabilidade Socioambiental PRSA 1. OBJETIVO Em atendimento à Resolução do Banco Central do Brasil nº 4.327 de 25 de abril de 2014, que dispõe sobre as diretrizes que devem ser observadas no estabelecimento e na implementação da Política

Leia mais

POLÍTICA GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DA DUN & BRADSTREET

POLÍTICA GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DA DUN & BRADSTREET POLÍTICA GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DA DUN & BRADSTREET JUNHO DE 2015 OBJETIVO DA POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO A Dun & Bradstreet está comprometida com os mais elevados padrões éticos. Acreditamos em conduzir os negócios

Leia mais

Gabinete do Procurador-Geral de Justiça ATO PGJ Nº 571/2016

Gabinete do Procurador-Geral de Justiça ATO PGJ Nº 571/2016 Gabinete do Procurador-Geral de Justiça ATO PGJ Nº 571/2016 Institui e regulamenta o Programa de Serviço Voluntário no âmbito do Ministério Público do Estado do Piauí. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Banco do Brasil Seguros. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Banco do Brasil Seguros. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Banco do Brasil Seguros. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO 1. CONCEITO 2. OBJETIVO 3. PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS 4. CONFLITOS DE INTERESSE 5. CUMPRIMENTO DO CÓDIGO 4 5 6 10 11

Leia mais

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos O código de ética DBA representa a necessidade de reforço aos valores e à cultura da empresa através da ética. Assim, é fundado nos valores essenciais da corporação e pode ser definido pelas normas padrões

Leia mais