Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho"

Transcrição

1 Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho Maria Helena Franco, Alice C. Rodrigues, João Paulo Sousa Direcção de Serviços de Prevenção de Riscos Profissionais (DSPRP), Instituto de Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho (IDICT), Avª. da República, nº. 84, 5º Andar, 1600 LISBOA 1 - Introdução O Tratado de Roma que criou a Comunidade Económica Europeia em 1957, fixou como objectivo essencial, a melhoria progressiva das condições de vida nos locais de trabalho e da sociedade em geral, tratando a segurança e a saúde dos trabalhadores sob dois eixos fundamentais: Desenvolvimento de programas que eliminem barreiras técnicas e comerciais relativas à livre circulação de produtos; Desenvolvimento de programas no domínio da segurança, higiene e protecção da saúde no local de trabalho. Em 1985, foi introduzida a Nova Abordagem a qual permitiu reduzir o conteúdo e dimensão do normativo comunitário a um nível razoável, de carácter genérico, e remetendo a elaboração de requisitos técnicos para a normalização europeia. Em 1987, com a ratificação do Acto Único Europeu, esta Nova Abordagem foi Quadro 1 - Princípios fundamentais estipulados no Decreto-Lei n.º 441/91 OBJECTO Estabelece os princípios que visam promover a segurança, higiene e saúde no trabalho (SHST). ÂMBITO Aplica-se a todos os ramos de actividade, nos sectores público, privado ou cooperativo e social, aos trabalhadores por conta ou ao serviço de outrém e aos respectivos empregadores e ao trabalhador independente. PRINCÍPIOS GERAIS Garantir o direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e de protecção da saúde de todos os trabalhadores; Promover o desenvolvimento sócio-económico do trabalho no respeitante às condições de segurança, higiene e saúde; Desenvolver a prevenção dos riscos profissionais segundo determinados princípios, normas e programas. OBRIGAÇÕES DO EMPREGADOR Assegurar condições de segurança, higiene e saúde em todos os aspectos relacionados com o trabalho, devendo para tal, aplicar as medidas necessárias, tendo em conta os princípios gerais da prevenção; Disponibilizar informação actualizada e formação adequada aos trabalhadores, sobre SHST; Promover a participação e consulta dos trabalhadores; Garantir a organização das actividades de SHST; Notificar à Inspecção-Geral do Trabalho a ocorrência de acidentes mortais ou muito graves. OBRIGAÇÕES DO TRABALHADOR Cumprir as prescrições de SHST estabelecidas pelo empregador; Zelar pela sua segurança e saúde bem como pela dos outros; Cooperar na empresa para a melhoria do sistema de SHST. OUTROS INSTRUMENTOS DE ACÇÃO (OBRIGAÇÕES DO ESTADO) Educação, formação e informação sobre SHST; Investigação e formação especializada; Normalização; Licenciamento e autorização de laboração; Publicação de estatísticas sobre acidentes de trabalho e doenças profissionais; Inspecção das condições de SHST. Abril Boletim de Biotecnologia nº 62 27

2 incorporada no Tratado de Roma através dos novos artigos 118.º A e 100.º A sobre Segurança e Saúde no Trabalho e livre circulação de bens, respectivamente. A Nova Abordagem prevê que as Directivas Europeias que têm base jurídica no artigo 100.º A devem somente conter os requisitos essenciais da segurança e saúde relacionados com a concepção e construção do produto, devendo as especificações técnicas serem da responsabilidade do Comité Europeu de Normalização (CEN). Relativamente às normas técnicas europeias (EN), elas são de aplicação voluntária, contudo, um produto resultante destas normas, confere presunção de conformidade com os requisitos essenciais das Directivas Europeias envolvidas. Por outro lado, a nível comunitário foi rapidamente reconhecido que havia necessidade de criar a vertente social do regime concorrencial do Mercado Interno. A concretização dos objectivos sociais preconizados no Art.º 118.º A, traduziu-se num conjunto de Directivas, as quais estabelecem as prescrições mínimas de segurança e saúde a observar nos locais de trabalho. Neste enquadramento, surgiu a Directiva n.º 89/391/CEE, do Conselho, de 12 de Junho, geralmente denominada Directiva-Quadro, relativa à aplicação de medidas destinadas a promover a melhoria da segurança e saúde dos trabalhadores no local de trabalho. Esta Directiva foi transposta para o direito interno através do Decreto-Lei n.º 441/91, de 14 de. Este diploma preconiza os princípios fundamentais a observar no respeitante à segurança, higiene e saúde nos locais de trabalho, bem como os direitos e deveres dos trabalhadores e empregadores neste domínio. No Quadro 1, estão sumarizados alguns princípios de carácter geral relativos à segurança, higiene e saúde no trabalho. A organização de meios para implementar a Lei Quadro, traduz-se na obrigação de assegurar e manter o funcionamento dos serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho, cujo regime foi regulamentado pelo Decreto-Lei n.º 26/94, de 1 de Fevereiro. Este diploma foi posteriormente alterado, por ratificação, através da Lei n.º 7/95, de 29 de Março. 2 - Legislação sobre exposição a agentes biológicos Na sequência da Directiva-Quadro, surgiram várias Directivas Especiais, nomeadamente as Directivas relativas a agentes biológicos, já transpostas para o direito interno, através do Decreto- Lei n.º 84/97, de 16 de Abril, da Portaria n.º 405/98, de 11 de Julho e da Portaria n.º 1036/98, de 15 de Dezembro, como ilustra o Quadro 2. A uniformização de procedimentos e a comunicação de informação relativas à utilização confinada de organismos e microrganismos geneticamente modificados também foi legislada pela Comunidade Europeia através de Directivas, as quais foram transpostas para o ordenamento jurídico português através do Decreto-Lei n.º 126/93, de 20 de Abril (ver Quadro 2). Ao nível interno, o Decreto-Lei n.º 84/97 estabelece as prescrições mínimas de segurança e saúde dos trabalhadores contra os riscos de exposição a agentes biológicos durante o trabalho. A protecção dos trabalhadores é um processo abrangente, envolvendo a avaliação dos riscos devido à exposição a agentes biológicos, identificação dos agentes causadores de risco, a possibilidade de propagação na colectividade e o tempo de exposição efectiva ou potencial dos trabalhadores. Os agentes biológicos com efeitos nocivos para a saúde das pessoas em geral, podem formar-se por diversos processos biotecnológicos onde ocorre Quadro 2 - Legislação específica sobre exposição a agentes biológicos no ambiente de trabalho. DIRECTIVAS N.º TEMA LEGISLAÇÃO NACIONAL 90/219/CEE e Relativas à libertação deliberada no 90/220/CEE, de 23 de Abril. ambiente de organismos geneticamente modificados. geneticamente modificados. 90/679/CEE, de 26 Relativa à protecção dos trabalhadores de contra os riscos ligados à exposição a 93/88/CEE, de 12 de Outubro 95/30/CEE, de 30 de Junho 97/59/CEE, de 7 de 97/65/CEE, de 26 de agentes biológicos (7ª Directiva especial). Altera a Directiva n.º 90/679/CEE. Adapta ao progresso técnico a 7ª Directiva especial. Adapta ao progresso técnico a Directiva n.º 90/679/CEE. Introduz o agente responsável pela encefalopatia espongiforme bovina (BSE) na classificação comunitária dos agentes biológicos e reforça as medidas de protecção dos trabalhadores a eles expostos Decreto-Lei n.º 126/93, de 20 de Abril - Regula a utilização e comercialização de organismos Decreto-Lei n.º 84/97, de 16 de Abril - Estabelece as regras de protecção dos trabalhadores contra os riscos de exposição a agentes biológicos. Portaria n.º 405/98, de 11 de Julho - Aprova a classificação dos agentes biológicos. Portaria n.º 1036/98, de 15 de Dezembro - Altera a lista dos agentes biológicos classificados para efeitos da prevenção de riscos profissionais, aprovada pala Portaria n.º 405/98, de 11 de Julho. 28 Boletim de Biotecnologia nº 62 - Abril 1999

3 produção e/ou utilização destes agentes. Também os trabalhadores poderão estar expostos a agentes biológicos com riscos para a sua saúde em vários sectores de actividades, nomeadamente: trabalho em unidades de produção alimentar; trabalho agrícola; actividades em que há contacto com animais e/ou produtos de origem animal; trabalho em unidades de saúde; trabalho em laboratórios clínicos, veterinários e de diagnóstico; trabalho em unidades de recolha, transporte e eliminação de resíduos; trabalho nas instalações de tratamento de águas de esgoto. Os agentes biológicos (e.g. bactérias, fungos, parasitas e vírus) são classificados conforme o nível de risco que apresentam, como ilustrado no Quadro 3. Saliente-se que, não obstante o trabalho científico-tecnológico, ainda existem agentes biológicos que, devido às suas propriedades, não podem ser rigorosamente classificados apenas Quadro 3 - Classificação dos agentes biológicos conforme o nível de risco infeccioso. GRUPO DEFINIÇÃO 1 Agente biológico cuja probabilidade de causar doenças no ser humano é baixa Agente biológico que pode causar doenças no ser humano e 2 constituir um perigo para os trabalhadores, sendo escassa a probabilidade de se propagar na colectividade e para o qual existem, em regra, meios eficazes de profilaxia ou tratamento Agente biológico que pode causar doenças no ser humano e 3 constituir um risco grave para os trabalhadores, sendo susceptível de se propagar na colectividade, mesmo que existam meios eficazes de profilaxia ou de tratamento Agente biológico que causa doenças graves no ser humano e 4 constitui um risco grave para os trabalhadores, sendo susceptível de apresentar um elevado nível de propagação na colectividade e para o qual não existem, em regra, meios eficazes de profilaxia ou de tratamento num dos grupos definidos, pelo que, segundo a legislação vigente, deverão ser classificados no grupo de risco mais elevado que seja tecnicamente possível. Os princípios fundamentais preceituados neste diploma (e.g. Decreto-Lei n.º 84/97) no respeitante às notificações, avaliação dos riscos, medidas preventivas, formação e informação dos trabalhadores e registo das avaliações, estão sumarizados no Quadro Medidas e níveis de confinamento Quadro 4 - Princípios fundamentais resultantes do Decreto-Lei n.º 84/97. As medidas e níveis de confinamento devem ser aplicadas de acordo com a natureza das actividades, OBJECTO Estabelece as prescrições mínimas de protecção da segurança e saúde dos trabalhadores contra os riscos de exposição a agentes biológicos durante o trabalho. ÂMBITO Aplica-se a todos os ramos de actividade, nos sectores público, privado ou cooperativo e social, aos trabalhadores por conta ou ao serviço de outrém e aos respectivos empregadores e ao trabalhador independente. OBRIGAÇÕES DO EMPREGADOR Notificar o Instituto de Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho (IDICT) e a Direcção-Geral de Saúde (DGS); Avaliar os riscos; Implementar medidas que permitam reduzir o risco de exposição dos trabalhadores; Elaborar relatório com o resultado da avaliação de riscos, caso existam; Informar as autoridades (IDICT e DGS) de qualquer acidente ou incidente; Assegurar a vigilância da saúde dos trabalhadores; Garantir aos trabalhadores, medidas de higiene e protecção individual nas actividades em que são utilizados agentes biológicos com riscos para a segurança e saúde; Assegurar a descontaminação e limpeza do vestuário de trabalho e dos equipamentos de protecção individual; Informar e formar os trabalhadores para a SHST; Proceder ao registo, arquivo e conservação de documentos sobre: - resultado da avaliação de riscos - a lista de trabalhadores expostos a agentes biológicos dos grupos 3 ou 4 - os registos relativos à vigilância da saúde Abril Boletim de Biotecnologia nº 62 29

4 a avaliação do risco para os trabalhadores e a natureza do agente biológico em questão. Algumas das medidas poderão ser de aplicação obrigatória para qualquer dos níveis ou apenas recomendadas para alguns como consta do Quadro Confinamento para os processos industriais Os processos industriais onde ocorre manipulação e/ou utilização de agentes biológicos perigosos para a saúde aquando da exposição dos trabalhadores e/ou possibilidade de disseminação para a colectividade, em caso de acidente, requerem a adopção de medidas especiais de confinamento físico. Dependendo das medidas de confinamento e da natureza do agente 30 Boletim de Biotecnologia nº 62 - Abril 1999 Quadro 5 - Medidas e níveis de confinamento para os agentes biológicos. A - MEDIDAS DE CONFINAMENTO B -NÍVEIS DE CONFINAMENTO O local de trabalho deve estar separado de Recomendado quaisquer outras actividades no mesmo edifício. 2 - Os dispositivos de admissão e evacuação de ar do local de trabalho, devem ser munidos de filtros absolutos (HEPA) ou equivalentes., na evacuação do ar 3 - O acesso deve ser restrito aos trabalhadores autorizados. biológico, são adoptados diferentes níveis de confinamento, como ilustra o Quadro 6. 3 Substâncias Químicas Perigosas Os processos biotecnológicos, independemente da sua dimensão (e.g. laboratorial, piloto e industrial), recorrem à utilização de substâncias químicas, muitas das quais carecendo de cuidados especiais de segurança e higiene aquando da sua manipulação. Devido à perigosidade que muitas substâncias químicas apresentam, a Comunidade Europeia tem vindo a disponibilizar um vasto conjunto de instrumentos jurídicos, i.e., Directivas, relativos aos princípios gerais sobre notificação de substâncias químicas, troca de informações relativas a substâncias notificadas, avaliação dos, na admissão e evacuação do ar Recomendado, através de um compartimento estanque 4 - O local de trabalho deve poder ser hermeticamente Recomendado fechado a fim de permitir a desinfecção. 5 - Medidas de desinfecção especificadas. 6 - O local de trabalho deve ser mantido a uma pressão Recomendado negativa em relação à atmosfera. 7 - Controlo eficiente de vectores, por exemplo Recomendado roedores e insectos. 8 - As superfícies devem ser impermeáveis à água e de limpeza fácil., as bancadas, as bancadas e o pavimento, as bancadas, as paredes, o pavimento e o tecto 9 - As superfícies devem ser resistentes aos ácidos, Recomendado bases, solventes e desinfectantes Armazenagem com segurança de um agente biológico., armazenagem com segurança 11- Nas instalações deve existir uma janela de Recomendado Recomendado observação ou um dispositivo alternativo para que os ocupantes possam ser vistos O laboratório deve confinar o seu próprio Recomendado equipamento O material contaminado, incluindo qualquer Se for necessário, quando a animal, deve ser manipulado em câmaras de infecção for segurança ou isoladores ou outro meio de transmissível pelo ar confinamento apropriado Incinerador para carcaças de animais. Recomendado (disponível), no local respectivos riscos potenciais para a saúde humana e para o ambiente e classificação, embalagem, transporte e rotulagem de substâncias perigosas. Mais recentemente foram transpostas para o direito interno algumas Directivas que estabelecem limitações à comercialização e utilização de substâncias e preparações perigosas, em consequência do progresso científico e técnico, entretanto alcançado. Estes diplomas legais asseguram, assim, o duplo objectivo de garantir a livre circulação de mercadorias, sem prejuizo da salvaguarda da saúde humana e do ambiente. Os principais diplomas legais existentes ao nível interno neste domínio estão listados no Quadro 7, por ordem cronológica da sua publicação.

5 Quadro 6 - Medidas e níveis de confinamento para processos industriais. MEDIDAS DE CONFINAMENTO 1 - Os microrganismos viáveis devem ser confinados num sistema que separe fisicamente o processo do ambiente. 2 - Os gases de escape provenientes do sistema fechado devem ser tratados de modo a: 3 - A recolha de amostras, a adição de materiais ao sistema fechado e a transferência de microrganismos viáveis para outro sistema fechado devem ser feitos de modo a: 4 - Os fluidos de culturas em grande quantidade não devem ser removidos do sistema fechado a menos que os microrganismos viáveis tenham sido: 5 - Os sistemas de fecho devem ser concebidos de modo a: 6- Os sistemas fechados devem localizar-se numa área controlada: a) Devem ser afixados sinais de perigo biológico b) O acesso deve ser permitido apenas a pessoal autorizado c) O pessoal deve usar vestuário de protecção d) Devem ser previstas instalações de descontaminação e lavagem destinadas ao pessoal e) O pessoal deve tomar um duche antes de abandonar a área controlada f) Os efluentes provenientes dos tanques e chuveiros devem ser recolhidos e inactivados antes de serem escoados g) A área controlada deve ser convenientemente ventilada de modo a minimizar a contaminação do ar h) As áreas controladas devem ser mantidas a uma pressão negativa em relação à atmosfera i) O ar de alimentação e o ar extraído da área controlada devem ser filtrados (HEPA) j) A área controlada deve ser concebida de modo a conter o derramento de todo o conteúdo do sistema fechado k) A área controlada deve poder ser vedada de modo a permitir a fumigação l) Tratamento dos efluentes antes da descarga final NÍVEIS DE CONFINAMENTO Minimizar a libertação Minimizar a libertação processos Minimizar libertação, vestuário de trabalho processos a processos físicos ou químicos processos físicos ou químicos processos físicos ou químicos e de construção específica, através de um compartimento Uma muda completa processos físicos 4 Gestão de Resíduos A gestão dos resíduos produzidos nos diversos processos biotecnológicos é um processo complexo, mas que constitui um desafio inadiável para as sociedades modernas. Efectivamente, ao nível nacional, devido à dimensão do problema, já não é possível ao Estado corresponder à tarefa de defender a natureza e o ambiente, ou de preservar os recursos naturais, sem estruturar uma consciente política de gestão dos resíduos. A nova lei da gestão dos resíduos reafirma o princípio da responsabilidade do produtor dos resíduos e introduz um mecanismo autónomo de autorização prévia das operações de gestão dos resíduos, que não se confunde com o licenciamento das actividades em que por vezes tais operações se integram, como sucede, no caso dos resíduos industriais, com o licenciamento industrial. Foi também definida uma nova categoria de resíduos, designada outros tipos de resíduos, para além dos resíduos sólidos urbanos, hospitalares e industriais, evitando, assim, eventuais Abril Boletim de Biotecnologia nº 62 31

6 Quadro 7 - Diplomas relativos a substâncias químicas perigosas. DIPLOMA Decreto-Lei n.º 479/85, de 13 de Decreto-Lei n.º 221/88, de 28 de Junho Decreto-Lei n.º 47/90, de 9 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 275/91, de 7 de Agosto Decreto-Lei n.º 120/92, de 30 de Junho Decreto-Lei n.º 54/93, de 26 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 390/93, de 20 de Decreto-Lei n.º 232/94, de 14 de setembro Decreto-Lei n.º 82/95, de 22 de Abril Decreto-Lei n.º 141/95, de 14 de Junho Portaria n.º 732-A/96, de 11 de Dezembro Portaria n.º 1152/97, de 12 de Decreto-Lei n.º 264/98, de 19 de Agosto Decreto-Lei n.º 330-A/98, de 2 de CONTEÚDO Fixa as substâncias, os agentes e os processos industriais que comportam risco cancerígeno, efectivo ou potencial, para os trabalhadores profissionalmente expostos. Limita a comercialização e utilização, bem como estabelece condições de iluminação de algumas substâncias e preparações perigosas, nomeadamente PCB e PCT. Estabelece diversas medidas à relativas limitação do uso, fabricação e comercialização de certas substâncias perigosas. Proibe a produção e utilização de algumas substâncias químicas. Estabelece os princípios relativos à classificação, embalagem e rotulagem de preparações perigosas e sua colocação no mercado. Estabelece limitações à comercialização e uso de determinadas substâncias perigosas. Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 90/394/CEE, do Conselho, de 28 de Junho, que estabelece as prescrições mínimas de segurança e saúde relativas à protecção dos trabalhadores expostos a agentes cancerígenos. Estabelece limitações à comercialização e utilização de substâncias e preparações perigosas. Transpõe para a ordem jurídica interna várias Directivas que alteram a Directiva n.º 67/548/CEE, do Conselho, de 27 de Junho, relativa à aproximação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas respeitantes à classificação, embalagem e rotulagem de substâncias perigosas. Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 92/58/CEE, do Conselho, relativa às prescrições mínimas para a sinalização de segurança e de saúde no trabalho. Regulamento para a notificação de substâncias químicas e para a classificação, embalagem e rotulagem de substâncias perigosas. Aprova o novo regulamento para a Classificação, Embalagem e rotulagem das Preparações perigosas. Transpõe para a ordem jurídica interna as Directivas n.º 94/60/CE, 96/55/CE, 97/10/CE e 97/16/CE, que estabeleceram limitações à comercialização e utilização de determinadas substâncias perigosas. Relativa à aproximação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas respeitantes à classificação, embalagem e rotulagem das substâncias perigosas. Quadro 8 - Identificação do diploma sobre gestão de resíduos. DIPLOMA Decreto-Lei n.º 239/97, de 9 de Setembro CONTEÚDO Estabelece as regras a que fica sujeita a gestão de resíduos, nomeadamente a sua recolha, transporte, armazenagem, tratamento, valorização e eliminação, por forma a não constituir perigo ou causar prejuízo para a saúde humana ou para o ambiente. dúvidas quanto ao enquadramento legislativo de certas situações, nomeadamente sobre resíduos laboratoriais. O diploma basilar da gestão de resíduos encontra-se listado no Quadro 8. 5 Considerações Finais Com este documento, pretende-se divulgar a legislação existente, quer no espaço da União Europeia quer a nível nacional sobre agentes biológicos nos locais de trabalho, por forma a que esta seja acessível à comunidade técnicocientífica, trabalhadores e empregadores do sector biotecnológico e áreas afins. Complementarmente, são referidos os principais diplomas nacionais sobre substâncias químicas perigosas e gestão de resíduos, os quais estão directamente relacionados com as actividades desenvolvidas no sector. 32 Boletim de Biotecnologia nº 62 - Abril 1999

Decreto-Lei n.º 84/97 de 16 de Abril

Decreto-Lei n.º 84/97 de 16 de Abril Decreto-Lei n.º 84/97 de 16 de Abril Transpõe para a ordem jurídica interna as Directivas do Conselho n.º 90/679/CEE, de 26 de Novembro, e 93/88/CEE, de 12 de Outubro, e a Directiva n.º 95/30/CE, da Comissão,

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Portaria n.º 1127/2009, de 1 de Outubro [Republicada pela Portaria n.º 1324/2010, de 29 de Dezembro] Art.º 121.º da Lei n.º 64- A/2008, de 31 de Dezembro Aprova o Regulamento Relativo

Leia mais

Legislação sobre Resíduos

Legislação sobre Resíduos Legislação sobre Resíduos Eng. Cristina Marcelo Correia (APEA - Associação Portuguesa dos Engenheiros do Ambiente) 03 de Março 2004 Tipos de Resíduos Resíduos urbanos Resíduos industriais Resíduos hospitalares

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Critérios de decisão na escolha dos dispositivos médicos. Departamento da Qualidade na Saúde. Divisão da Qualidade Clínica e Organizacional

Critérios de decisão na escolha dos dispositivos médicos. Departamento da Qualidade na Saúde. Divisão da Qualidade Clínica e Organizacional Amália Espada IACS DA GESTÃO À PRÁTICA CLINICA I. as JORNADAS DE CONTROLO DA INFECÇÃO DO CENTRO HOSPITALAR DO PORTO 8e 9de Novembro de 2010 HOSPITAL DE SANTO ANTÓNIO Auditório Profº Alexandre Moreira Critérios

Leia mais

INFORMAÇÃO. A vigilância da saúde dos trabalhadores visa não só identificar o estado de saúde do

INFORMAÇÃO. A vigilância da saúde dos trabalhadores visa não só identificar o estado de saúde do PNSOC NÚMERO: 006/2013 DATA: 25/11/2013 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Gestão do Risco Biológico e a Notificação de acordo com O Decreto-Lei n.º 84/97, de 16 de Abril Riscos biológicos profissionais;

Leia mais

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores?

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? Perguntas Frequentes Pilhas e Acumuladores 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? É o Decreto-Lei n.º 6/2009, de 6 de Janeiro, que estabelece o regime de colocação

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009 2 Lista de Verificação Geral Selo Alimento Seguro Lista de Verificação Geral com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS Portaria n.º 355/97, de 28 de Maio Aprova o modelo do livro de reclamações

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

CAE Rev_3: 70220 - SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO

CAE Rev_3: 70220 - SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 70220 - SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO

Leia mais

amianto Riscos Associados à Remoção do Vanda Gatinho Graça Divisão de Prevenção e Segurança 23/24-Abril-2012 Auditório Eng.º Victor Matos - Aveiro

amianto Riscos Associados à Remoção do Vanda Gatinho Graça Divisão de Prevenção e Segurança 23/24-Abril-2012 Auditório Eng.º Victor Matos - Aveiro Riscos Associados à Remoção do amianto Divisão de Prevenção e Segurança Telm.: 961748337 Email: vanda.graca@soaresdacosta.pt São nossos objectivos Demonstrar as boas práticas em matéria de prevenção e

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGULAMENTO DO CENTRO DE RECOLHA ANIMAL DE CANTANHEDE. Preâmbulo

ALTERAÇÕES AO REGULAMENTO DO CENTRO DE RECOLHA ANIMAL DE CANTANHEDE. Preâmbulo ALTERAÇÕES AO REGULAMENTO DO CENTRO DE RECOLHA ANIMAL DE CANTANHEDE Preâmbulo O Centro de Recolha Animal de Cantanhede constitui a valência central no âmbito da recolha, captura e abate compulsivo de animais

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 447/VIII A QUALIDADE DO AR NO INTERIOR DOS EDIFÍCIOS. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 447/VIII A QUALIDADE DO AR NO INTERIOR DOS EDIFÍCIOS. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 447/VIII A QUALIDADE DO AR NO INTERIOR DOS EDIFÍCIOS Exposição de motivos A crise do petróleo no início dos anos setenta levou a uma maior tomada de consciência relativamente aos desperdícios

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Sector da Limpeza Industrial www.campanhaquimicos.eu Avaliação de riscos na utilização de substâncias perigosas Campanha Europeia CARIT Comité dos

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

Projecto de Lei nº 466/XI/2ª. Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico

Projecto de Lei nº 466/XI/2ª. Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico Projecto de Lei nº 466/XI/2ª Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico Exposição de motivos A problemática da gestão dos resíduos está hoje no centro de muitas opções essenciais de

Leia mais

Município de S. Pedro do Sul REGULAMENTO MUNICIPAL DO CANIL/GATIL DE S. PEDRO DO SUL

Município de S. Pedro do Sul REGULAMENTO MUNICIPAL DO CANIL/GATIL DE S. PEDRO DO SUL REGULAMENTO MUNICIPAL DO CANIL/GATIL DE S. PEDRO DO SUL PREÂMBULO Assumindo as responsabilidades que lhe estão cometidas por lei e interpretando o sentimento colectivo de que importa defender a higiene

Leia mais

JORNADAS RISCOS ESPECIAIS, ISEC, Lisboa, 21 MAIO 2015. Estrutura

JORNADAS RISCOS ESPECIAIS, ISEC, Lisboa, 21 MAIO 2015. Estrutura 1. Introdução JORNADAS RISCOS ESPECIAIS, ISEC, Lisboa, 21 MAIO 2015 2. Sistema da Objetivo Estrutura Âmbito Princípios - Prevenção de riscos, ecoinovação, ecoeficiência, sustentabilidade e Responsabilidade

Leia mais

Resíduos Hospitalares Riscos para a Saúde 2011-2016

Resíduos Hospitalares Riscos para a Saúde 2011-2016 Seminário Resíduos e Saúde Departamento de Ambiente e Ordenamento Universidade id d de Aveiro Resíduos Hospitalares Riscos para a Saúde Plano Estratégico dos Resíduos Hospitalares 2011-2016 Paulo Diegues

Leia mais

Despacho do Ministério da Saúde n.º 18/91, de 12 de Agosto (DR, 2.ª Série, n.º 209, de 11 de Setembro)

Despacho do Ministério da Saúde n.º 18/91, de 12 de Agosto (DR, 2.ª Série, n.º 209, de 11 de Setembro) Despacho do Ministério da Saúde n.º 18/91, de 12 de Agosto (DR, 2.ª Série, n.º 209, de 11 de Setembro) Boas práticas de fabrico de manipulados (Revogado pela Portaria n.º 594/2004, de 2 de Junho) O Dec.

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto.

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 162 da Organização

Leia mais

Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001

Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001 Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001 Reconhecendo que os poluentes orgânicos persistentes possuem propriedades tóxicas, são

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º PL 140/2009 2009-04-06 O Decreto-Lei n.º 441/91, de 14 de Novembro, assegurou a transposição para o direito interno português da Directiva do Conselho nº 89/391/CEE, de 12 Junho, relativa à aplicação de

Leia mais

Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos

Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Índice CAPÍTULO I Disposições Gerais... 1 CAPÍTULO II Tipos de Resíduos Sólidos... 2 CAPÍTULO III Definição do Sistema Municipal para a Gestão dos Resíduos Sólidos

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

BIBLIOTECA CENTRAL DE MARINHA BI PLANEAMENTO DA DE DESINFESTAÇÃO ACÇÕES DE - DESINFESTAÇÃO BIBLIOTECA BCM E ARQUIVO HISTÓRICO

BIBLIOTECA CENTRAL DE MARINHA BI PLANEAMENTO DA DE DESINFESTAÇÃO ACÇÕES DE - DESINFESTAÇÃO BIBLIOTECA BCM E ARQUIVO HISTÓRICO BIBLIOTECA CENTRAL I - OBJECTIVO A presente norma técnica tem por objectivo estabelecer o desenvolvimento das normas arquivistas e documentais do ARQUIVO HISTÓRICO (AH) decorrentes do REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2011

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2011 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2011 Transporte aéreo de mercadorias perigosas O transporte aéreo de mercadorias, a

Leia mais

AN1.13 - DESCRIÇÃO DAS MEDIDAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AN1.13 - DESCRIÇÃO DAS MEDIDAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AN1.13 - DESCRIÇÃO DAS MEDIDAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO ÍNDICE 1. Organização da Segurança... 2 2. Medidas de Segurança de Protecção dos Trabalhadores... 3 3. Sinalização e Equipamentos de Segurança...

Leia mais

Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens

Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado

Leia mais

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Linhas de Orientação Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves Definição da Política Revisão pela Direcção

Leia mais

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE I INTRODUÇÃO

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE I INTRODUÇÃO DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE I INTRODUÇÃO Considerando as atribuições da Entidade Reguladora da Saúde (doravante ERS) conferidas pelo artigo 3.º do Decreto-Lei n.º

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 Sistema da Indústria Responsável (SIR) 18 de outubro UMA de 2014/ ESTRATÉGIA António Oliveira PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Sistema da Indústria

Leia mais

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho PÁG. 1 DE 5 1. - OBJECTIVO Pretende-se definir: princípios básicos de adequados às actividades desenvolvidas pelas empresas do Grupo Santos e Vale visando prevenir os riscos profissionais e promover a

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o, L 268/24 REGULAMENTO (CE) N. o 1830/2003 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativo à rastreabilidade e rotulagem de organismos geneticamente modificados e à rastreabilidade

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 176 10 de Setembro de 2009 6167 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho A Assembleia da

Leia mais

GESTÃO RESÍDUOS LABORATORIAIS UNIVERSIDADE DO ALGARVE

GESTÃO RESÍDUOS LABORATORIAIS UNIVERSIDADE DO ALGARVE GESTÃO RESÍDUOS LABORATORIAIS UNIVERSIDADE DO ALGARVE 2012 1. HISTÓRIA DO GRUPO CARMONA INÍCIO Recolha de óleos usados, tratamento de slop s desmantelamento de barcos e limpezas NOVA ERA TRATAMENTO ÓLEOS

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO (Aprovado na 8ª Reunião Extraordinária de Câmara Municipal realizada em 17 de Dezembro de 1999 e na 1ª Reunião Extraordinária de Assembleia

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia

Jornal Oficial da União Europeia 6.2.2003 L 31/3 REGULAMENTO (CE) N. o 223/2003 DA COMISSÃO de 5 de Fevereiro de 2003 que diz respeito aos requisitos em matéria de rotulagem relacionados com o modo de produção biológico aplicáveis aos

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

Segurança Alimentar em cabo Verde. Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária

Segurança Alimentar em cabo Verde. Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária Segurança Alimentar em cabo Verde Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária Praia, 7,8,9 e 10 de Novembro de 2011 Segurança Alimentar em Cabo Verde 2 Mercado dos Géneros alimentícios

Leia mais

Perguntas Frequentes Pneus Usados

Perguntas Frequentes Pneus Usados Perguntas Frequentes Pneus Usados 1. Qual a legislação em vigor em matéria de gestão de pneus usados? O Decreto-Lei n.º 111/2001, de 6 de Abril, estabelece os princípios e as normas aplicáveis à gestão

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

Enquadramento legislativo para os materiais resultantes do sector do azeite

Enquadramento legislativo para os materiais resultantes do sector do azeite Feira Nacional da Agricultura Enquadramento legislativo para os materiais resultantes do sector do azeite Ágata Mendonça 07 de Junho de 2011 Enquadramento legislativo para os materiais resultantes do sector

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO (CE) n 1907/2006 - REACH) Data : 11/05/2015 Página 1/6 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros O revisor oficial de contas (ROC) é reconhecido na legislação e regulamentação em vigor

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

Seminários 2013 Resíduos Hospitalares. Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares. Francisco Valente

Seminários 2013 Resíduos Hospitalares. Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares. Francisco Valente Seminários 2013 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares Francisco Valente OBJECTIVOS Informação sobre as obrigações legais dos produtores de resíduos hospitalares;

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303) 1 7 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303) Nos termos do artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei

Leia mais

GESTÃO DE EQUIPAMENTOS COM ODS E FGHG

GESTÃO DE EQUIPAMENTOS COM ODS E FGHG Página 1 de 16 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 4 5.1 ENQUADRAMENTO... 4 5.2 OBRIGAÇÕES DA EDPR-PT...

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº 12/05 de 12 de Janeiro Considerando o disposto no Decreto nº 39/00. de 10 de Outubro, sobre a protecção do ambiente no decurso das actividades petrolíferas

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO 1. Disposições gerais 1.1. De acordo com o Art.º 12 do Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública, publicado no Diário da República de 17 de Setembro de 1999 e no Edital Camarário

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA

CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA NOTA JUSTIFICATIVA A aprovação quer do regime das finanças locais pela Lei n.º 2/2007, de 15 de Janeiro, quer do regime

Leia mais

FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE. MERCADORIAS - gerentes

FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE. MERCADORIAS - gerentes PL ANUAL DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE MERCADORIAS - gerentes CAPACIDADE PROFISSIONAL CPNI C/ PC PORTÁTIL Abordar de uma forma genérica os principais aspectos subjacentes à gestão diária

Leia mais

SEGURANÇA DE MÁQUINAS

SEGURANÇA DE MÁQUINAS Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS MÓDULO 8 SEGURANÇA DE MÁQUINAS E UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TRABALHO Formadora - Magda Sousa Decreto-Lei 441/91 Artigo 8.º

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PREÂMBULO O Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de Março, aprovou o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL

DECLARAÇÃO AMBIENTAL C Â M A R A M U N I C I P A L D E S I N E S DECLARAÇÃO AMBIENTAL Atento ao parecer das entidades consultadas e às conclusões da Consulta Pública, relativos ao procedimento de Avaliação Ambiental Estratégica

Leia mais

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC O Código Cooperativo Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Algumas notas sobre o Capítulo I Disposições Gerais Artigo 2º Noção 1. As cooperativas são pessoas

Leia mais

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA Índice 1. Introdução 2. Objectivo 3. Âmbito de aplicação 4. Activação do plano 4.1. Cadeia de Gestão 4.2. Cadeia de Comando e Controlo 4.3. Actividades Essenciais

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

São revogados o Decreto-Lei nº 47511 e o Decreto nº 47512, ambos de 25 de Janeiro de 1967.

São revogados o Decreto-Lei nº 47511 e o Decreto nº 47512, ambos de 25 de Janeiro de 1967. respectivamente, mais de cinco ou de três anos de funções técnicas na área da segurança e higiene no trabalho podem adquirir a equiparação ao nível de qualificação por meio de avaliação curricular, podendo

Leia mais

Novos Vectores de Enquadramento do Transporte Rodoviário O Pacote Rodoviário

Novos Vectores de Enquadramento do Transporte Rodoviário O Pacote Rodoviário Novos Vectores de Enquadramento do Transporte Rodoviário O Pacote Rodoviário Ana Pereira de Miranda Vogal do Conselho Directivo Data arial 10p O Pacote Rodoviário Regulamento do PE e do Conselho que estabelece

Leia mais

PARECER ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE. Rua S. João de Brito, 621 L 32 4100-455 PORTO TEL.:222 092 350 FAX: 222 092 351. www.ers.pt geral@ers.

PARECER ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE. Rua S. João de Brito, 621 L 32 4100-455 PORTO TEL.:222 092 350 FAX: 222 092 351. www.ers.pt geral@ers. PARECER Na sequência de diversas denúncias e exposições rececionadas pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS), e de informações prestadas a título de cooperação institucional 1, sobre prestação de cuidados

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

Perguntas Mais Frequentes Sobre

Perguntas Mais Frequentes Sobre Perguntas Mais Frequentes Sobre Neste documento pretende a Coordenação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa (PNDAE) reunir uma selecção das perguntas mais frequentemente colocadas

Leia mais

***I PROJECTO DE RELATÓRIO

***I PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 19.5.2011 2010/0377(COD) ***I PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a proposta de directiva do Parlamento Europeu e do

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 3677/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 3677/2011 9626 Diário da República, 2.ª série N.º 39 24 de Fevereiro de 2011 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 3677/2011 O artigo 72.º do Regulamento de Relações Comerciais do Gás

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO (CE) n 1907/2006 - REACH) Versão 2.1 (30/01/2014) - Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

2. Existem actividades dentro do sector dos alimentos para animais que estejam isentas de registo ou aprovação?

2. Existem actividades dentro do sector dos alimentos para animais que estejam isentas de registo ou aprovação? PERGUNTAS MAIS FREQUENTES- ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. Que estabelecimentos carecem de registo ou aprovação no âmbito do sector dos alimentos para animais? Todos os estabelecimentos, em nome singular ou colectivo,

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 Í N D I C E INTRODUÇÃO Págs. 1. Conceito 2. Objectivos. Destinatários 4. Serviços prestados 5. Capacidade 6. Recursos Humanos 7. Organização

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

CONTROLO DA POLUIÇÃO E NORMAS EUROPEIAS

CONTROLO DA POLUIÇÃO E NORMAS EUROPEIAS CONTROLO DA POLUIÇÃO E NORMAS EUROPEIAS José CAMPOS CORREIA 1 RESUMO O controlo da poluição hídrica exige concertação de esforços a variados níveis, sendo particularmente importante, para os Estados-Membros,

Leia mais

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo.

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo. Código de Conduta Preâmbulo O Crédito Agrícola Mútuo é uma das instituições mais antigas da sociedade portuguesa, com génese nos Celeiros Comuns e nas Misericórdias. Ao longo da sua história, o Crédito

Leia mais

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 Para os efeitos estipulados no artigo 14.º do Decreto -Lei n.º 305/2009 de 23 de Outubro, torna público que, a Assembleia de Freguesia em reunião

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA Edição revista no : 1. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. : Enumerados nos Anexos IV/ V do REACH, isentos de registo Uso

FICHA DE SEGURANÇA Edição revista no : 1. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. : Enumerados nos Anexos IV/ V do REACH, isentos de registo Uso Página : 1 ón 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção M«1 Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa Identificador do produto Designação Comercial : N Ficha de Segurança : Denominação

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

Na sequência dos compromissos

Na sequência dos compromissos Regime especial de exigibilidade do IVA dos serviços de transporte rodoviário nacional de mercadorias P o r R u i R i b e i r o G r i l o Foi publicada no «Diário da República», em 1 de último, a Lei 15/2009,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro. Regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro. Regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição,

Leia mais

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) I Introdução

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) I Introdução DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) I Introdução Considerando as atribuições da Entidade Reguladora da Saúde (doravante ERS) conferidas pelo artigo

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.1.2010 COM(2009)708 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES sobre a aplicação

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Divisão de Saúde Ocupacional 30 de Junho de 2004 LISBOA

DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Divisão de Saúde Ocupacional 30 de Junho de 2004 LISBOA DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Divisão de Saúde Ocupacional 30 de Junho de 2004 LISBOA Com a colaboração de: EngªHelena Franco Instituto de Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho DrªManuela Cano

Leia mais

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Sector da Panificação www.campanhaquimicos.eu Avaliação de riscos na utilização de substâncias perigosas Campanha Europeia CARIT Comité dos Altos

Leia mais