Aceitação de Tecnologia: Um Estudo da Adoção de Mídias Digitais a partir do Uso de E-Books para fins de Leitura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aceitação de Tecnologia: Um Estudo da Adoção de Mídias Digitais a partir do Uso de E-Books para fins de Leitura"

Transcrição

1 Aceitação de Tecnologia: Um Estudo da Adoção de Mídias Digitais a partir do Uso de E-Books para fins de Leitura Autoria: Mateus de Sousa Martins, Josivania Silva Farias, Danilo Santana Pereira RESUMO Para identificar efeitos de fatores influenciadores da Intenção de Uso e do Uso de livros digitais, aplicou-se o modelo Unified Theory of Acceptance and Use of Technology 2 (VENKATESH; THONG; XU, 2012). De uma população de brasileiros que leram e-books, retornaram questionários respondidos. Os dados foram analisados via modelagem de equações estruturais, mínimos quadrados generalizados e os erros-padrão foram obtidos via reamostragem (Jackknife). O modelo apresentou-se saturado devido à quantidade de parâmetros e relações existentes. Essa saturação paramétrica foi tratada, em parte, pelo método Jackknife. Entretanto, o coeficiente R² foi superior a 0.9, corroborando a saturação do modelo. 1

2 1. Introdução A tecnologia pode ser comparada à evolução humana, de modo que assim como os seres humanos evoluíram de seus precursores até chegar na condição de homo sapiens, a tecnologia evoluiu até chegar às sofisticações dos dias atuais. A tecnologia é desenvolvimento do pensamento humano e pode ser definida pelos elementos: literatura, pintura, música, bibliotecas, as leis e assim por diante. As milhares de letras de um código de computador e os milhares de letras de uma obra de Shakespeare são, ambos, formas de tecnologia (KELLY, 1994). A tecnologia anda lado a lado com a vida humana influenciando seu comportamento cultural e social, assim como a maneira de pensar. O livro digital ou e-book é a versão mais moderna de uma ferramenta de leitura e possui os mesmos atributos de armazenagem e difusão de informações de um livro impresso. A grande diferença entre esta ferramenta e a sua predecessora é o seu formato físico, sendo que para Borchers (1999), o livro digital é composto pelo software (programa) de leitura, um arquivo formato textual que pode ser lido e aberto por este software e um portátil, um hardware (parte física). Este sistema é capaz de exibir grandes quantidades de informação textual para o usuário e permite a este navegar nestas informações de maneira rápida e prática. As evoluções tecnológicas trazem consigo novas necessidades de adaptação dos usuários de tecnologia às suas funções. Segundo Vassiliou e Rowley (2008) os livros digitais vêm desempenhando um papel fundamental, provendo maior acesso e disseminando informação na comunidade. Mudanças tecnológicas também representam melhoria da qualidade de vida das sociedades a partir do momento em que afetam diretamente seu cotidiano, seja tornando os afazeres mais simples, seja trazendo entretenimento. Os livros digitais estão cada vez mais presentes no cotidiano devido à sua possibilidade de compartilhamento e facilitação da leitura, desenvolvendo-se, portanto, a necessidade de avaliar quais os fatores que podem gerar efeito sobre a aceitação desta tecnologia por parte de usuários. A adoção de uma ferramenta tecnológica pode ser considerada inovação se, de acordo com a percepção do sujeito ou da organização que a adota, trouxer melhorias significativas a uma ferramenta ou processo já existente. O livro digital, como ferramenta tecnológica, inova na medida em que possibilita que a realização da tarefa de leitura, que era realizada de maneira convencional desde a criação do livro impresso, seja feita de um modo completamente diferente, utilizando novas descobertas na área de tecnologia de informação para a criação de um e-book. Com o objetivo de estudar o nível de aceitação de tecnologias e os fatores que levam à melhor adaptação da tecnologia de livros em formato digital entre seus usuários para uso acadêmico ou recreativo, esta pesquisa verificou o efeito das variáveis Expectativa de Performance, Expectativa de Esforço, Influência Social, Condições Facilitadoras, Hábito, Custo-Benefício e Motivação Hedônica, moderadas por Idade, Gênero e Experiência, utilizando o modelo de aceitação de tecnologias (UTAUT2), proposto por Venkatesh, Thong e Xu (2012), sobre a aceitação da tecnologia de e- books, sejam estes livros, revistas ou artigos em formato digital. Os objetivos específicos da pesquisa foram: a) Verificar o efeito da variável Expectativa de Performance na Intenção Comportamental da tecnologia de e-books, considerando a moderação dos fatores de Gênero e Idade; b) Verificar o efeito da variável Expectativa de Esforço na Intenção Comportamental da tecnologia de e- books, considerando a moderação dos fatores de Gênero, Idade e Experiência; c) Verificar o efeito da variável Influência Social na Intenção Comportamental e Uso 2

3 Real da tecnologia de e-books, considerando a moderação dos fatores de Gênero, Idade e Experiência; d) Verificar o efeito da variável Condições Facilitadoras na Intenção Comportamental e Uso Real da tecnologia de e-books, considerando a moderação dos fatores de Gênero, Idade, Experiência; e) Verificar o efeito da variável Hábito na Intenção Comportamental e Uso Real da tecnologia de e-books, considerando a moderação dos fatores de Gênero, Idade e Experiência; f) Verificar o efeito da variável Custo-Benefício na Intenção Comportamental e Uso Real da tecnologia de e-books, considerando a moderação dos fatores de Gênero e Idade; g) Verificar o efeito da variável Motivação Hedônica na Intenção Comportamental da tecnologia de e-books, considerando a moderação dos fatores de Gênero, Idade e Experiência. 2. Abordagens teóricas sobre a aceitação de tecnologias O modelo Unified Theory of Acceptance and Use of Technology (UTAUT) foi desenvolvido por Venkatesh et al. (2003) a partir de revisões teóricas sobre oito diferentes modelos já desenvolvidos e aceitos no campo de estudos de aceitação de tecnologias e comportamento humano. Os autores unificaram várias teorias disponíveis através de uma discussão de seus conceitos e empregos em estudos na área da psicologia do comportamento humano, motivação, aceitação e difusão de tecnologias. O primeiro modelo, Theory of Reasoned Action (TRA), proposto por Fishbein e Ajzen (1975 apud VENKATESH et al., 2003) e desenvolvido por Ajzen e Fishbein (1980 apud VENKATESH et al., 2003), é até hoje uma teoria que influencia estudos do comportamento social. Os principais construtos desta teoria que influenciaram o modelo UTAUT foram: a intenção de se realizar uma ação, a atitude, o comportamento e as normas subjetivas. O segundo modelo analisado por Venkatesh et al. (2003) para a criação da teoria unificada (UTAUT), foi o Technology Acceptance Model (TAM), proposto por Davis (1989) para analisar a aceitação de tecnologia de informação (TI) no ambiente de trabalho. Os principais construtos desta teoria são: a utilidade percebida e a facilidade de uso percebida. O terceiro modelo discutido por Venkatesh et al. (2003) é o Motivational Model (MM). Davis (1992) propôs uma diferenciação dos fatores motivacionais, distinguindo aqueles que são externos e internos ao indivíduo, afetando diretamente a propensão à realização de uma ação. A auto-realização gerada no indivíduo ao completar com sucesso uma atividade ou atingir uma meta é exemplo de fator intrínseco. O salário pago a um indivíduo após certo período de trabalho é um exemplo de motivação extrínseca. A quarta teoria contribuindo no desenvolvimento do modelo UTAUT é a Theory of Planned Behavior (TPB) proposta por Ajzen (1981; 1991), que explica o comportamento e a intenção do comportamento, através das atitudes, normas subjetivas e controle percebido pelos indivíduos. Os principais construtos relativos a esta teoria são as variáveis: atitudes relacionadas ao comportamento, normas subjetivas e controle comportamental percebido. A quinta teoria estudada é uma combinação de teorias: Combined TAM and TPB (C- TAM-TPB). Desenvolvida por de Taylor e Todd (1995), este modelo funde os preditores da TPB com a variável percepção de uso do modelo TAM, criando um modelo híbrido. Os principais construtos deste modelo que influenciaram a criação do modelo UTAUT são os mesmos do modelo TPB: as atitudes relacionadas ao 3

4 comportamento, as normas subjetivas e o controle comportamental percebido, somados ao construto percepção de uso apresentado no modelo TAM. O sexto modelo que influenciou a criação do modelo unificado (UTAUT) de Venkatesh et al. (2003) foi o Model of PC Utilization (MPCU). Este modelo é derivado da Theory Of Human Behavior de Triandis (1977) e propõe uma perspectiva que compete (VENKATESH et al., 2003, p. 6) com os modelos TPB e TRA. Um estudo adaptado deste modelo por Thompson et al. (1991) em um contexto de sistemas de informação foi utilizado para prever a utilização de computadores pessoais A Teoria da Difusão de Inovações (Innovation Diffusion Theory - IDT) apresentada por Rogers (1962) é a sétima teoria comentada como uma possível influência para o desenvolvimento do modelo UTAUT. Tem seus fundamentos na sociologia, e vem sendo utilizada desde a década de 60 para o estudo de diversas inovações e em diversas áreas. Venkatesh et al. (2003) utilizam uma versão de Moore e Benbasat (1991) que apresentam algum construtos similares à TDI mas adicionam diversas variáveis que influenciam a difusão de uma inovação e como ela é comunicada, ou seja, como ela passa por diferentes canais ao longo do tempo, através dos membros de um sistema social. Alguns conceitos que são fundamentados nesta teoria influenciaram a criação do modelo UTAUT de maneira que procuram explicar como ocorre a difusão de tecnologias e quais são os fatores que influenciam para que esta ocorra. As variáveis estudadas por Moore e Benbasat (1991) são: Compatibilidade; Complexidade; Observabilidade; Testabilidade; Vantagem relativa; Visibilidade e Demonstrabilidade de Resultados. A última teoria de influência para criação do modelo UTAUT é a Social Cognitive Theory (SCT) proposta por Miller e Dollard (1941 apud VENKATESH et al., 2003) e é uma das mais importantes para a área de comportamento humano. Os principais construtos apresentados nesta teoria são os de resultado de desempenho, resultados pessoais, autoeficácia, afinidade e ansiedade. 2.2 A Unified Theory of Acceptance and Use of Technology (UTAUT) O primeiro modelo (UTAUT) apresentado por Venkatesh, et al. (2003), conforme poderá ser visualizado na Figura 1, a seguir, propôs o estudo da influência das variáveis moderadoras; Gênero, Idade, Experiência e Voluntariedade de uso sobre as variáveis de entrada do modelo: Expectativa de Performance, Expectativa de Esforço, influência social e fatores facilitadores. Estas relações entre variáveis de entrada e variáveis moderadoras, por sua vez influenciam a variável mista; Intenção Comportamental. A Intenção Comportamental e os fatores facilitadores possuem relação direta com a variável final: uso. 4

5 Figura 1- Modelo Unified Theory of Acceptance and Use of Technology (UTAUT) Fonte: Venkatesh et al. (2003) A Variável Expectativa de Performance refere-se ao grau em que os indivíduos creem que a tecnologia os auxiliará em suas tarefas sendo que esta influencia a Intenção Comportamental da tecnologia e é moderada pelas variáveis de Gênero e Idade. A Variável Expectativa de Esforço é a dificuldade associada ao uso do sistema por parte do usuário, sendo que esta influencia na Intenção Comportamental da tecnologia e é moderada pelas variáveis de Gênero, Idade e Experiência. A variável Influência Social refere-se ao nível em que o usuário acha que a tecnologia é importante para as outras pessoas que estão em seu convívio, sendo que esta influencia a Intenção Comportamental e uso da tecnologia e é moderada pelas variáveis Gênero, Idade, Experiência e Voluntariedade de uso. A variável Condições Facilitadoras refere-se ao grau em que o indivíduo acredita que a organização desenvolvedora da tecnologia dá suporte e feedbacks para os problemas relacionados ao uso e às dúvidas provenientes da relação usuário. Esta variável influencia a Intenção Comportamental e Uso da tecnologia e é moderada pelas variáveis de Gênero, Idade, Experiência. Quanto às variáveis moderadoras, Venkatesh et al. (2003) colocam a Idade, o Gênero, a Experiência e a Voluntariedade de uso como sendo as que possuem efeito de moderação nas relações entre as variáveis independentes no modelo. A Idade influencia as relações existentes entre a Intenção Comportamental e as variáveis independentes: Expectativa de Performance, Expectativa de Esforço, Influência Social, Condições Facilitadoras, Motivação Hedônica, Custo-Benefício e Hábito, além de exercer a moderação na influência direta do Hábito sobre o Comportamento de Uso. O Gênero pode moderar algumas influências das variáveis diretas (de entrada) no tocante à maneira como homens e mulheres lidam com determinada tecnologia. O Gênero modera as relações de influência entre a Intenção Comportamental e as variáveis independentes: Expectativa de Performance, Expectativa de Esforço, Influência Social, Motivação Hedônica, Custo-Benefício e Hábito, além de exercer moderação na influência direta do Hábito sobre o Comportamento de Uso. A Experiência que o indivíduo possui com a tecnologia modera as relações de influência entre a Intenção Comportamental e as variáveis independentes: Expectativa de Esforço, Influência Social, Condições Facilitadoras, Motivação Hedônica e Hábito, 5

6 além de exercer influência direta sobre a relação Intenção Comportamental- Comportamento de Uso. A variável Voluntariedade de uso modera o impacto da Influência Social sobre a intenção de uso e pode ser medida de acordo com a opção de adotar a tecnologia, se ela é voluntária ou obrigatória. 2.3 A ampliação da Unified Theory of Acceptance and Use of Technology (UTAUT) para a UTAUT2 Após a aplicação do modelo UTAUT (VENKATESH et al., 2003) no contexto organizacional, em que a adoção por parte dos funcionários era obrigatória, Venkatesh, Thong e Xu (2012) propuseram alterações no modelo, tais como a inclusão de novas variáveis, criando novas relações e também a exclusão da variável moderadora Voluntariedade de uso que foi descartada, pois o contexto tecnológico do UTAUT2 é de adoção opcional de uma tecnologia pelo consumidor. O estudo de 2012 foi realizado em Hong Kong, aplicando-o ao estudo da aceitação da tecnologia de Internet móvel. Em 2012, Venkatesh et al. (2012) propuseram a extensão do UTAUT para UTAUT2 sugerindo a inclusão de variáveis influenciadoras diretas na Intenção e Uso Real da tecnologia. As variáveis incluídas foram: 1) o Hábito, com a qual o indivíduo tende a realizar comportamentos automáticos por causa da aprendizagem ao lidar com a tecnologia, enquanto Kim (2005) a definiu como automação. O Hábito influencia a Intenção Comportamental e o Uso da tecnologia e é moderado pelas variáveis Gênero, Idade e Experiência; 2) a variável Custo-Benefício também foi adicionada, podendo ser definida pelo valor percebido a partir da adoção da tecnologia, ou seja, se o valor gasto com ela é compensado pela quantidade de fatores positivos que a ferramenta proporciona. Esta variável influencia a Intenção Comportamental e Uso da tecnologia e é moderada pelas variáveis de Gênero e Idade; 3) a variável Motivação Hedônica, também adicionada ao modelo, corresponde à diversão que a tecnologia pode proporcionar ao indivíduo, ou seja, o seu valor recreativo, influenciando a Intenção Comportamental de uso da tecnologia e sendo moderada pelas variáveis de Gênero, Idade e Experiência. Assim, o UTAUT2 (2012) amplia o UTAUT inicial (de 2003) e pode ser visualizado na Figura 2, a seguir. Este (UTAUT2) foi o modelo adotado na pesquisa aqui apresentada. 6

7 Figura 2 - Unified Theory of Acceptance and Use of Technology UTAUT2 Fonte: Venkatesh, Thong e Xu (2012) 3. Método Pode-se classificar o estudo como de natureza quantitativa, de caráter descritivo, realizado por meio de um levantamento por questionário (survey). O estudo aplica o modelo UTAUT2 proposto por Venkatesh, Thong e Xu (2012), no contexto da utilização da tecnologia de livros digitais, sendo a adoção dessa tecnologia por parte do usuário voluntária. Os sujeitos do estudo são usuários de livros digitais (ou e- books), que fazem utilização desta tecnologia para leitura com fins recreativos ou acadêmicos. Para a coleta, utilizou-se uma base de dados fornecida pelo Centro de Educação a Distância (CEAD) da Universidade de Brasília (UnB) que atua promovendo cursos na modalidade a distância desde Esta base de dados possuía endereços eletrônicos ( ) de participantes de cursos ofertados pelo CEAD, retornando questionários respondidos de modo voluntário pelos participantes da amostra. O CEAD oferece cursos de extensão universitária, graduação e pós-graduação lato sensu, promovendo o acesso à educação juntamente com os departamentos da Universidade de Brasília, de países da América Latina e países de língua portuguesa tendo como objetivo a democratização do conhecimento e a redução da desigualdade educacional. A grande quantidade de material e informações guardada e produzida por universidades e a necessidade de disseminação desta informação, torna o ambiente universitário um lugar propício para a instalação de uma tecnologia que facilitaria estas tarefas, de modo a promover um maior uso da tecnologia de livros em formato digital, por suas vantagens em relação à facilidade de leitura, pesquisa e armazenamento. O instrumento de coleta correspondeu a um questionário adaptado e traduzido de Venkatesh, Thong e Xu (2012), contendo 37 questões. Foram introduzidas seis questões iniciais que correspondiam ao perfil dos sujeitos. Em seguida, as demais (31) 7

8 perguntas traduzidas a partir do estudo de Venkatesh, Thong e Xu (2012) e adaptadas para a aceitação da tecnologia de livros digitais, foram divididas pelas variáveis do modelo e o participante assinalava seu grau de concordância com assertivas propostas, utilizando-se de uma barra de rolagem que variava de 0 (discordo totalmente) até 100 (concordo totalmente). A adaptação do instrumento apresentado por Venkatesh, Thong e Xu (2012), levou em consideração as variáveis que influenciam a aceitação de tecnologia pelo consumidor trazidas para a realidade da leitura de livros em formato digital (e-books). Quanto aos procedimentos de análise dos dados, utilizou-se o programa R, que contém o pacote SEM (modelos de equações estruturais), para o planejamento da modelagem e realização dos cálculos. Os parâmetros do modelo foram estimados via Mínimos Quadrados Generalizados com o intuito de corrigir quaisquer heterogeneidades presentes na amostra. Devido à complexidade do modelo (número excessivo de parâmetros e relações) fezse necessário a utilização do método de reamostragem conhecido como Jackknife (QUENOUILLE, 1956) para a estimação dos erros-padrão dos parâmetros do modelo. Ademais, os itens relativos a cada variável foram agrupados e as relações foram estimadas a partir do que propunha o modelo conceitual UTAUT2 (VENKATESH; THONG; XU, 2012). A definição das relações propiciou a elaboração do modelo de equações estruturais e possibilitou calcular o efeito (estimativa do parâmetro) de cada uma das variáveis do modelo sobre determinado construto juntamente com sua significância representada pelo erro-padrão e pelo nível crítico obtido. 4. Resultados Foram obtidos 348 questionários (34,29% do total) respondidos por homens e 667 questionários (65,71%) respondidos por mulheres. A Idade dos entrevistados variou de 18 até 68 anos e com relação ao grau de escolaridade, 3 (0,29%) possuíam o ensino fundamental completo, 29 (2,81%) possuíam o ensino médio completo, 287 (27,84%) possuíam ensino superior incompleto, 288 (27,93%) possuíam ensino superior completo, 345 (33,46) possuíam pós graduação lato sensu, 64 (6,21%) possuíam mestrado e 15 (1,45%) possuíam doutorado. Em relação à Experiência de leitura, 92 (8,95%) leem pelo menos um livro ao ano, 393 (38,23) leem de 2 a 4 ler livros ao ano, 236 (22,96%) leem de 5 a 7 livros ao ano, 134 (13,04%) leem de 8 a 10 livros ao ano e 173 (16,83%) leem mais de 10 livros ao ano. De acordo com a leitura de livros digitais, 536 (52,14%) respondentes informaram que apenas 1 dos livros lidos em um período de 1 ano estava em formato digital, 386 (37,55%) informaram que de 2 a 4 livros estavam em formato digital, 58 (5,64%) informaram que de 5 a 7 livros estavam em formato digital, 23 (2,24%) informaram que de 8 a 10 livros estavam em formato digital e 25 (2,43%) informaram que mais de 10 destes livros estavam em formato digital. Para fins de pesquisa, os dados coletados sobre a leitura de livros digitais, foram utilizados para medir a variável moderadora Experiência, de acordo com a quantidade de livros neste formato com o qual os pesquisados interagem no período de um ano. Essa variável (EXPD) classificou os respondentes de acordo com a quantidade de livros digitais lidos no período de um ano, da seguinte maneira: apenas 1 livro - pouco experiente; de 2 a 4 livros familiarizado; de 5 a 7 livros experiente; de 8 a 10 livros - muito experiente; mais de 10 livros - domina a tecnologia. 8

9 De acordo com a frequência de uso de outras tecnologias relacionadas a livros digitais, os respondentes opinaram em uma escala de zero a dez, qual o seu grau de relacionamento com as seguintes ferramentas tecnológicas: tablets, SMS, navegador de internet, livros e jogos eletrônicos. Estas ferramentas foram escolhidas como tecnologias que possuem características similares ou funções complementares às apresentadas em um livro digital. Para os tablets, a frequência de uso foi de 3,69, para SMS a frequência de uso resultou em um valor de 6,89, para navegadores de internet, a frequência de uso foi de 9,45, para livros, tradicionais ou digitais, a frequência de uso resultou em um valor de 7,10 e a frequência de uso de jogos eletrônicos foi de 3,52. Feitas as apresentações acerca do perfil dos participantes da pesquisa, segue-se a apresentação dos resultados de análise dos dados, que permite inferir que o UTAUT2 se trata de um modelo robusto e complexo, com todas as relações analisadas e apresentadas a seguir apresentando p<0,01. O maior enfoque da apresentação dos resultados foi dedicado à análise do efeito que as variáveis moderadoras Idade, Gênero e Experiência exercem sobre a relação de predição entre as variáveis de independentes e a Intenção de Uso e Uso Real da tecnologia estudada. O efeito da Expectativa de Performance (EP) na Intenção Comportamental (IC) foi positivo (0,000782). A variável Expectativa de Performance (EP) quando moderada pela Idade obteve um efeito de valor 3, Quando a relação foi moderada pelo Gênero o efeito foi de 8, A análise dos dados confirmou o modelo UTAUT2, com efeito (-0,007249) significativo entre a Expectativa de Esforço (EE) e a Intenção Comportamental (IC). A variável a Expectativa de Esforço (EE) quando moderada pela Idade obteve um efeito 4, Quando a relação foi moderada pelo Gênero o efeito foi de 10, O efeito exercido pela moderadora Experiência é de 82,706993, considerado muito forte se comparado com o efeito da moderadora Experiência sobre as outras variáveis. A análise dos dados confirmou o modelo UTAUT2 com um efeito entre a Influência Social (IS) e a Intenção Comportamental (IC) positivo (0,001471). A variável Influência Social (IS), quando moderada pela Idade, obteve efeito 3, Quando a relação foi moderada pelo Gênero o efeito foi de 7, O efeito exercido pela moderadora Experiência foi de 62, A análise dos dados confirmou o modelo UTAUT2 com efeito entre as Condições Facilitadoras (CF) e a Intenção Comportamental (IC) negativo (-0,000868). A variável Condições Facilitadoras (CF) quando moderada pela Idade obteve um efeito positivo (4, ). O efeito exercido pela moderadora Experiência é de 78,463796, considerado muito forte a p<0,01. A análise dos dados confirmou o modelo UTAUT2 com efeito entre a Motivação Hedônica (MH) e a Intenção Comportamental (IC) negativa (-0,003262). Quando esta relação foi moderada pela Idade obteve um efeito de 3, Quando a relação foi moderada pelo Gênero o efeito foi de 8, O efeito exercido pela moderadora Experiência é de 63,2585. A análise dos dados confirmou o modelo UTAUT2 com um efeito entre o Custo Benefício (CB) e a Intenção Comportamental (IC) negativo (-0,000167). Quando a variável foi moderada pela Idade obteve um efeito de 3, Quando a relação foi moderada pelo Gênero o efeito foi de 7, A análise dos dados confirmou o modelo UTAUT2 com um efeito entre o Hábito (HT) e a Intenção Comportamental (IC) positivo (0, ). A variável Hábito 9

10 (HT), quando foi moderada pela Idade, obteve efeito 3, Quando a relação foi moderada pelo Gênero o efeito foi de 7, O efeito exercido pela moderadora Experiência é de 61,265890, considerado o mais fraco se comparado com o efeito da moderadora Experiência sobre as outras variáveis. A variável Condições Facilitadoras (CF) possui uma relação direta com a variável de saída uso (USO). A força desta relação também foi medida e resultou no efeito 0, (p<0,01). Esta relação não é moderada por nenhuma outra variável. A variável Hábito (HT) também possui uma relação direta com a variável de saída uso (USO). A força desta relação foi medida e resultou no efeito 0, O efeito da moderação da variável Idade com a relação entre o Hábito (HT) e o uso (USO), foi de 5,934185, o efeito do Gênero na relação de Hábito e Uso, foi de 13, já o efeito da Experiência foi de 104,325102, como demonstrado na tabela A variável mista Intenção Comportamental (IC) recebe influência das outras sete variáveis de entrada apresentadas no modelo, para em seguida influenciar o uso, moderada pela Experiência. O efeito desta relação possui o valor de 0, e o efeito da moderação da Experiência com esta relação possui o valor de 102, Das variáveis de entrada observadas no modelo pode-se afirmar que aquela que possui maior efeito sobre a Intenção Comportamental é o Hábito com o valor de 0,007280, seguido pela Influência Social com 0, A variável que obteve a relação mais fraca em relação à Intenção Comportamental foi a Expectativa de Esforço com - 0, As variáveis de entrada que exercem efeito direto no uso de e-books apresentam efeitos mais fortes, o efeito do Hábito sobre o uso neste caso é de 0,016401, já o da Intenção Comportamental sobre o uso é de 0, A Tabela 1, a seguir, demonstra o resultado final dos efeitos (a um p<0,01) das variáveis influenciadoras diretas sobre as variáveis dependentes Intenção de Uso e Uso Real de livros digitais. Tabela 1: Efeito das Variáveis influenciadoras diretas sobre as variáveis dependentes Intenção de Uso e Uso Real de livros digitais Variáveis Efeito (p<0,01) EP->IC (Expectativa de Performance -> Intenção Comportamental) 0, EE->IC (Expectativa de Esforço -> Intenção Comportamental) -0, IS->IC (Influência Social -> Intenção Comportamental) 0, CF->IC Condições Facilitadoras -> Intenção Comportamental) -0, MH->IC (Motivação Hedônica -> Intenção Comportamental) -0, CB->IC (Custo-Benefício -> Intenção Comportamental) -0, HT->IC (Hábito -> Intenção Comportamental) 0, CF->USO (Condições Facilitadoras -> Uso Real) 0, HT->USO (Hábito -> Uso Real) 0, IC->USO (Intenção Comportamental-> Uso Real) 0, A seguir, serão apresentadas três tabelas (Tabelas 2, 3 e 4) enfocando de modo aprofundado o efeito das variáveis moderadoras (Idade, Gênero e Experiência) sobre as influenciadoras diretas da Intenção de Uso e do Uso Real de livros digitais. 10

11 O efeito (4,732390) da variável Idade, quando moderando as variáveis independentes (influenciadoras diretas) do modelo UTAUT2 (VENKATESH et al., 2012), foi mais forte em sua relação com as Condições Facilitadoras. A relação com a Expectativa de Performance é a mais fraca, resultando em um efeito 3, A variável Idade, quando modera a relação entre Hábito e Uso gerou um efeito de 5, As relações e os respectivos efeitos da variável moderadora Idade estão demonstrados na Tabela 2 a seguir: Tabela 2: Efeito da Variável moderadora Idade sobre as relações de predição do modelo UTAUT2 para o uso de livros digitais Variável Efeito (p<0,01) IDADE->EP 3, IDADE->EE 4, IDADE->IS 3, IDADE->CF 4, IDADE->MH 3, IDADE->CB 3, IDADE->HT 3, IDADE->(HT->USO) 5, P<0,01 O efeito (10,472413) da variável Gênero, quando modera as variáveis independentes (influenciadoras diretas) do modelo UTAUT2 (VENKATESH et al., 2012), foi mais forte em sua relação com Expectativa de Esforço. A relação com a Influência Social resulta em um efeito de 7, A variável Gênero moderando a relação entre Hábito e Uso Real de livros digitais gerou um efeito de 13, As relações e os respectivos efeitos da variável moderadora Gênero estão demonstrados na tabela 3 a seguir: Tabela 3: Efeito da Variável moderadora Gênero sobre as relações de predição do modelo UTAUT2 para o uso de livros digitais Variáveis Efeito (p<0,01) GENERO->EP 8, GENERO->EE 10, GENERO->IS 7, GENERO->MH 8, GENERO->CB 7, GENERO->HT 7, GENERO->(HT->USO) 13, P<0,01 O efeito (82,706993) da variável Experiência, quando modera as variáveis independentes (influenciadoras diretas) do modelo UTAUT2 (VENKATESH et al., 2012), foi mais forte em sua relação com Expectativa de Esforço. A relação com o Hábito apresenta menor efeito (61,265890). A variável Experiência moderando a relação entre Hábito e Uso Real de livros digitais gerou um efeito de 104, e moderando a relação de Intenção Comportamental e Uso Real gerou um efeito de 102, As relações e os respectivos efeitos da variável moderadora Gênero estão demonstrados na tabela 4 a seguir: 11

12 Tabela 4: Efeito da Variável moderadora Experiência sobre as relações de predição do modelo UTAUT2 para o uso de livros digitais Experiência Efeito (p<0,01) EXPD->EE 82, EXPD->IS 62, EXPD->CF 78, EXPD->MH 63, EXPD->HT 61, EXPD->(HT->USO) 104, EXPD>(IC->USO) 102, P<0,01 Finalizando a apresentação dos efeitos encontrados na aplicação do modelo ao contexto de usuários de livros digitais, o que resta claro é que, a um p<0,01 para todos os efeitos encontrados nas diversas relações propostas pelo UTAUT2, este modelo teórico mostra-se extremamente complexo e robusto, devendo ser considerado por pesquisadores interessados em sua aplicação para o alcance de respostas mais completas sobre a aceitação de tecnologias por usuários em situações em que a adoção é voluntária. A seguir, tem-se o quadro-geral dos efeitos a p<0,01, conforme se vê na Figura 3, que contém todas as relações entre as variáveis que influenciam a aceitação da tecnologia de livros digitais. 12

13 Figura 3 Quadro conceitual finalizado, contendo efeitos (p<0,01) das relações entre as variáveis que moderam ou influenciam diretamente e a aceitação de livros digitais 5. Conclusões Este estudo aplicou o modelo UTAUT2 de Venkatesh, Thong e Xu (2012) no estudo da aceitação de livros digitais (e-books) entre leitores da população brasileira, 13

14 verificando-se que o modelo é válido não somente para diferentes tecnologias, mas como também para diferentes culturas e países. Os modelos UTAUT e UTAUT2 foram aplicados originalmente em diferentes contextos, o primeiro em quatro organizações, cujos sujeitos foram trabalhadores que se depararam com a adoção de uma nova tecnologia em suas atividades laborais e o segundo no contexto de internet móvel em Hong Kong, provando a eficácia do modelo tanto para tecnologias de uso obrigatório quanto para aquelas de uso voluntário/espontâneo. Este estudo se propôs a aplicar o UTAUT2 na análise de uma tecnologia distinta dos modelos apresentados pelos proponentes do modelo, os e-books, e também em meio a uma população distinta (brasileira) do aplicado no modelo original (aplicado em Hong Kong). Pode-se inferir que o modelo UTAUT de Venkatesh, Thong e Xu (2012) apresentou aplicabilidade mesmo estando em contexto distinto daquele considerado no estudo inicial. Confirmou-se que todas as variáveis apresentadas no modelo produzem efeito em relação à Intenção Comportamental e ao Uso Real da tecnologia de livros digitais, sendo que a variável influenciadora direta que mais possui influência sobre a Intenção Comportamental (IC) é a variável Hábito (HT). Em relação às variáveis moderadoras, Idade, Gênero e Experiência, o efeito do Gênero sobre a Expectativa de Esforço (EE), demonstrou-se ser o mais forte. Em relação à Experiência, o fator mais impactante foi o da Expectativa de Esforço (EE). Em relação à variável Idade o efeito predominante foi sobre as Condições Facilitadoras (CF). Neste sentido o estudo confirma que o Hábito, a Expectativa de Esforço e as Condições Facilitadoras são variáveis importantes para que um sujeito adote tecnologias de livros digitais (e-books) e que variáveis de perfil como idade, gênero e experiência têm papel fundamental na moderação das relações entre expectativas de esforço e condições facilitadoras do uso da tecnologia estudada. Assim, tem-se um retrato de fatores que possam facilitar estudos de adoção desta tecnologia no Brasil. Finalmente, o modelo utilizado apresentou-se saturado devido à quantidade de parâmetros e relações existentes, essa saturação paramétrica foi tratada em parte por meio do método de reamostragem Jackknife, entretanto, o coeficiente de determinação do modelo (R²) apresentou um valor superior a 0.9, corroborando mais uma vez para a saturação do modelo. Nesse caso, sugere-se que estudos futuros utilizem um tamanho amostral que possibilite a presença de pelo menos duas observações distintas para cada combinação de relação utilizada no modelo, tratando assim a complexidade do modelo no que diz respeito ao número de parâmetros utilizados. 6. Referências AJZEN, I.; FISHBEIN, M.: Understanding attitudes and predicting social behavior. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, AJZEN, I.: From intentions to actions: A theory of planned behavior, SSSP Springer Series. Social Psychology, pp 11-39, Ajzen, I. The theory of planned behavior. Organizational Behavior and Human Decision Processes, 50, ,

15 AJZEN, I.: Perceived behavioral control, self-efficacy, locus of control, and the theory of planned behavior. Journal of Applied Social Psychology, vol. 32, n. 4, pp , BORCHERS, Jan O. Electronic books: Definition, genres, interaction design patterns. Conference on Human Factors in Computing Systems, CHI99 Workshop: Designing Electronic Books, DAVIS, F. D.: Perceived usefulness, perceived ease of use, and user acceptance of information technology, MIS Quarterly, Vol. 13, n. 3, pp , DAVIS, F. D.; BAGOZZI, R.P.; WARSHAW, P.R. User acceptance of computer technology: a comparison of two theoretical models. Management Science, 35 n. 8, pp , FISHBEIN, M.; AJZEN, I.: Belief, attitude, intention, and behavior: An introduction to theory and research. Reading, MA: Addison-Wesley, KELLY, Kevin. What technology wants. Penguin, KIM, S.S.; MALHOTRA, N.K.: A longitudinal model of continued is use: an integrative view of four mechanisms underlying postadopition phenomena. Managemente Science, v. 51, n. 5, p , MOORE, G. C.; BENBASAT, I. Development of an instrument to measure the perceptions of adopting an information technology innovation. Information Systems Research, v. 2, n. 3, p , QUENOUILLE, M. H. "Notes on Bias in Estimation". Biometrika 43 (3-4): , TAYLOR, S.; TODD, P.A. Assessing IT Usage: The Role of Prior Experience, MIS Quarterly, pp , THOMPSON, R. L.; HIGGINS, C. A.; HOWELL, J. M.: Personal Computing: Toward a Conceptual Model of Utilization. MIS Quaterly, v. 15, n. 1, VASSILOU, MAGDA; ROWLEY, JENNIFER: Progressing the definition of ebook, Department of Information and Communications, Manchester Metropolitan University, Manchester, UK, VENKATESH, VISWANATH; MORRIS, MICHAEL G.; DAVIS, GORDON B.; DAVIS, FRED D.: User Acceptance Of Information Technology: Toward A Unified View, MIS Quarterly, Vol. 27 n. 3, pp , VENKATESH, VISWANATH; THONG, JAMES Y. L.; XU, XIN: Consumer Acceptance And Use Of Information Technology: Extending The Unified Theory Of Acceptance And Use Of Technology: Forthcoming In MIS Quarterly, Vol. 36, n. 1,

Fatores que Influenciam o Uso e a Intenção de Uso das Tecnologias: Um estudo em uma Universidade

Fatores que Influenciam o Uso e a Intenção de Uso das Tecnologias: Um estudo em uma Universidade Fatores que Influenciam o Uso e a Intenção de Uso das Tecnologias: Um estudo em uma Universidade RESUMO Autoria: Viviane Alexandra Machado Saragoça, Maria José Carvalho de Souza Domingues Buscou-se analisar

Leia mais

Comunicação de Tecnologia a Públicos Não Especializados: Análise da Aceitação do Portal das Finanças

Comunicação de Tecnologia a Públicos Não Especializados: Análise da Aceitação do Portal das Finanças Mestrado em Marketing e Comunicação Comunicação de Tecnologia a Públicos Não Especializados: Análise da Aceitação do Portal das Finanças Cátia Alexandra de Almeida Figueiredo Coimbra, 2014 Cátia Alexandra

Leia mais

Ampliando as considerações sobre o uso da Tecnologia: o estado da arte do UTAUT

Ampliando as considerações sobre o uso da Tecnologia: o estado da arte do UTAUT Ampliando as considerações sobre o uso da Tecnologia: o estado da arte do UTAUT Autoria: Monize Sâmara Visentini, Debora Bobsin, Ionara Rech Resumo Estudos que utilizam modelos de aceitação da Tecnologia

Leia mais

XIII Coloquio de Gestión Universitaria en Américas

XIII Coloquio de Gestión Universitaria en Américas PROPENSÃO À ADOÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS POR PROFESSORES NA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO COM BASE NA TEORIA DA DIFUSÃO DE INOVAÇÕES Telma Regina da Costa Guimarães Barbosa - UFV Maria de

Leia mais

RAI - Revista de Administração e Inovação ISSN: 1809-2039 campanario@uninove.br Universidade de São Paulo Brasil

RAI - Revista de Administração e Inovação ISSN: 1809-2039 campanario@uninove.br Universidade de São Paulo Brasil RAI - Revista de Administração e Inovação ISSN: 1809-2039 campanario@uninove.br Universidade de São Paulo Brasil Gouvêa, Maria Aparecida; Japur de Sá, Leonardo Felipe; Nassif Mantovani, Daielly Melina

Leia mais

PATRÍCIA NUNES COSTA REIS

PATRÍCIA NUNES COSTA REIS OS FATORES QUE EXPLICAM O GRAU DE ACEITAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO ACADÊMICA UTILIZADO NOS PROCESSOS DE APOIO À GESTÃO DOCENTE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA IES PRIVADA PATRÍCIA NUNES COSTA REIS ( patricia.nunes@foa.org.br

Leia mais

Lívia Jordão. Marcos Kalinowski. livia.jordao@ice.ufjf.br. kalinowski@ice.ufjf.br

Lívia Jordão. Marcos Kalinowski. livia.jordao@ice.ufjf.br. kalinowski@ice.ufjf.br Lívia Jordão livia.jordao@ice.ufjf.br Marcos Kalinowski kalinowski@ice.ufjf.br Introdução MPS-SV e Serviços de Desenvolvimento Survey: Aplicabilidade do MPS-SV à Serviços de Desenvolvimento Planejamento

Leia mais

6 Conclusões e recomendações

6 Conclusões e recomendações 6 Conclusões e recomendações Este trabalho teve como objetivo investigar o quanto a autenticidade dos líderes melhora o desempenho no contexto, na tarefa e em segurança de seus seguidores, analisando especificamente

Leia mais

AULA 13 Dados verbais

AULA 13 Dados verbais 1 AULA 13 Dados verbais Ernesto F. L. Amaral 05 de maio de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.105-118. OBJETIVO DA AULA 2 Apresentar

Leia mais

Aceitação e Resistência à Educação a Distância: Um Estudo em uma Empresa de Grande Porte

Aceitação e Resistência à Educação a Distância: Um Estudo em uma Empresa de Grande Porte Aceitação e Resistência à Educação a Distância: Um Estudo em uma Empresa de Grande Porte Morgana Machado Tezza (UNIVERSIDADE DO VALE DE ITAJAI) Daiane Melo Heinzen (UNIVERSIDADE DO VALE DE ITAJAI) Resumo

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

A importância da Adequação Mútua entre o Sistema e as Tarefas no EaD: Uma análise com estudantes brasileiros

A importância da Adequação Mútua entre o Sistema e as Tarefas no EaD: Uma análise com estudantes brasileiros Association for Information Systems AIS Electronic Library (AISeL) CONF-IRM 2013 Proceedings International Conference on Information Resources Management (CONF-IRM) 5-1-2013 A importância da Adequação

Leia mais

O CIRCO: UM ENFOQUE NA PERCEPÇÃO DE COMPETÊNCIA DO ARTISTA CIRCENSE

O CIRCO: UM ENFOQUE NA PERCEPÇÃO DE COMPETÊNCIA DO ARTISTA CIRCENSE 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O CIRCO: UM ENFOQUE NA PERCEPÇÃO DE COMPETÊNCIA DO ARTISTA CIRCENSE Eduardo Rafael Llanos Parra 1 ; Marcela Garcia de Santana 1 ; Vânia de Fátima Matias

Leia mais

ADOÇÃO DE MOBILE BANKING NO BRASIL: PROPOSIÇÃO DE UM MODELO CONCEITUAL

ADOÇÃO DE MOBILE BANKING NO BRASIL: PROPOSIÇÃO DE UM MODELO CONCEITUAL ADOÇÃO DE MOBILE BANKING NO BRASIL: PROPOSIÇÃO DE UM MODELO CONCEITUAL ALEXANDRE DA COSTA GOULARTE UNINOVE Universidade Nove de Julho alexandre.goularte@uol.com.br SILVIA NOVAES ZILBER TURRI UNINOVE Universidade

Leia mais

Resumo. Abstract. Palavras-chave: TIC s na Educação, Formação de Educadores, sociedade.

Resumo. Abstract. Palavras-chave: TIC s na Educação, Formação de Educadores, sociedade. Aceitação e Resistência diante do Uso de Tecnologias: Um Estudo de Caso com Alunos de Licenciatura numa Universidade Pública Acceptance and Resistance to the Use of Technology: A Case Study with Education

Leia mais

Tecnologia Assistiva e Aprendizagem Colaborativa: Um survey com deficientes visual em ambiente virtual de aprendizagem a partir do Modelo TAM

Tecnologia Assistiva e Aprendizagem Colaborativa: Um survey com deficientes visual em ambiente virtual de aprendizagem a partir do Modelo TAM Tecnologia Assistiva e Aprendizagem Colaborativa: Um survey com deficientes visual em ambiente virtual de aprendizagem a partir do Modelo TAM Angélica Dias angelica@nce.ufrj.br Juliana França julibsf@gmail.com

Leia mais

Resistência à Educação a Distância na Educação Corporativa

Resistência à Educação a Distância na Educação Corporativa Resistência à Educação a Distância na Educação Corporativa Autoria: Marcus Brauer, Alberto Luiz Albertin Resumo Embora a resistência às tecnologias seja um problema freqüente nas empresas, as pesquisas

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Leia mais

A Propensão De Usuários À Adoção De Tecnologias: Um Estudo Com Usuários E Não Usuários Do Programa Nota Legal No Distrito Federal

A Propensão De Usuários À Adoção De Tecnologias: Um Estudo Com Usuários E Não Usuários Do Programa Nota Legal No Distrito Federal A Propensão De Usuários À Adoção De Tecnologias: Um Estudo Com Usuários E Não Usuários Do Programa Nota Legal No Distrito Federal Alternative Tittle: The Propensity Of Users To Technologies Adoption: A

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL DE UMA COOPERATIVA DE PROFISSIONAIS DO RAMO DE AGRONEGÓCIO DO NOROESTE DO PARANÁ

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL DE UMA COOPERATIVA DE PROFISSIONAIS DO RAMO DE AGRONEGÓCIO DO NOROESTE DO PARANÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL DE UMA COOPERATIVA DE PROFISSIONAIS DO RAMO DE AGRONEGÓCIO DO NOROESTE

Leia mais

5 A Metodologia de Estudo de Eventos

5 A Metodologia de Estudo de Eventos 57 5 A Metodologia de Estudo de Eventos 5.1. Principais Conceitos Introduzido em 1969 pelo estudo de Fama, Fisher, Jensen e Roll, o estudo de evento consiste na análise quanto à existência ou não de uma

Leia mais

Mundo. Usuários (em milhões) América Latina

Mundo. Usuários (em milhões) América Latina O Modelo Estendido da Teoria Unificada da Aceitação e Uso de Tecnologia no Contexto do Consumo (UTAUT2): Avaliando o Modelo no Brasil a Partir de Usuários de Internet em Smartphones. Autoria: Luiz Henrique

Leia mais

A competitividade de um país não começa nas indústrias ou nos laboratórios de engenharia. Ela começa na sala de aula.

A competitividade de um país não começa nas indústrias ou nos laboratórios de engenharia. Ela começa na sala de aula. 1 Introdução 1.1. Apresentação do Tema A competitividade de um país não começa nas indústrias ou nos laboratórios de engenharia. Ela começa na sala de aula. (Lee Iacocca) As inovações estão transformando

Leia mais

Analise dos Fatores Determinantes à Adoção de Rede Social Corporativa com Aplicação do Modelo UTAUT

Analise dos Fatores Determinantes à Adoção de Rede Social Corporativa com Aplicação do Modelo UTAUT Analise dos Fatores Determinantes à Adoção de Rede Social Corporativa com Aplicação do Modelo UTAUT Autoria: Rosana de Almeida Resumo As redes sociais virtuais têm trazido às organizações oportunidades

Leia mais

Aprimoramento através da integração

Aprimoramento através da integração Aprimoramento através da integração Uma parceria para implementar uma solução de aprendizagem em tempo recorde Visão Geral Com mais de 70 anos de excelência na produção de conhecimento no Brasil, a Fundação

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

3 Método 3.1. Entrevistas iniciais

3 Método 3.1. Entrevistas iniciais 3 Método 3.1. Entrevistas iniciais Os primeiros passos para elaboração do questionário foram entrevistas semiestruturadas feitas pelo telefone com o objetivo de descobrir o tempo máximo de lembrança das

Leia mais

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos Série Elementos Intel Educar Guia do Facilitador http://www.intel.com/educacao Copyright 2010 Intel Corporation. Página 1 de 19 Termos de Uso para o Guia do Facilitador da Série Elementos Intel Educar

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO 63 TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO CARLOS FERNANDO DE ARAUJO JR 1 ÁDERSON GUIMARÃES PEREIRA 2 RESUMO O trabalho procura demonstrar que a aplicação das tecnologias

Leia mais

Estimativa de Tamanho de Software Utilizando APF e a Abordagem NESMA

Estimativa de Tamanho de Software Utilizando APF e a Abordagem NESMA Estimativa de Tamanho de Software Utilizando APF e a Abordagem NESMA Werley Teixeira Reinaldo, Cristina D Ornellas Filipakis Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA)

Leia mais

Categorias Temas Significados Propostos

Categorias Temas Significados Propostos 91 5. Conclusão O objetivo do presente trabalho foi descrever a essência do significado da experiência consultiva para profissionais de TI que prestam de serviços de consultoria na área de TI. Para atingir

Leia mais

USO DE PRESERVATIVO ENTRE ADOLESCENTE: ESTUDO COMPARATIVO DE CRENÇAS

USO DE PRESERVATIVO ENTRE ADOLESCENTE: ESTUDO COMPARATIVO DE CRENÇAS USO DE PRESERVATIVO ENTRE ADOLESCENTE: ESTUDO COMPARATIVO DE CRENÇAS Simone Helena dos Santos Oliveira Autor (1); Tayse Mayara de França Oliveira Autor (2); Smalyanna Sgren da Costa Andrade Autor (3);

Leia mais

Adoção da Inovação em Gestão de Projetos de TI: Uma Comparação entre Pré e Pós-adoção Mediante o Uso de Equações Estruturais

Adoção da Inovação em Gestão de Projetos de TI: Uma Comparação entre Pré e Pós-adoção Mediante o Uso de Equações Estruturais Adoção da Inovação em Gestão de Projetos de TI: Uma Comparação entre Pré e Pós-adoção Mediante o Uso de Equações Estruturais Autoria: Silvio Popadiuk, Carlos Roberto dos Santos RESUMO A adoção de inovação

Leia mais

Mensuração de Resultados

Mensuração de Resultados Mensuração de Resultados A Educação Corporativa mais Próxima da Estratégia do Negócio coleção 3 02 olá! A Affero Lab, maior empresa de Educação Corporativa do Brasil, tem se envolvido com todos os aspectos

Leia mais

Engenharia de Software Tema da Aula Definição e Especificação de Requisitos I - Conceitos. Exercício

Engenharia de Software Tema da Aula Definição e Especificação de Requisitos I - Conceitos. Exercício Tema da Aula Definição e Especificação de Requisitos I - Conceitos Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Exercício Em grupo de 4 alunos (2 desenvolvedores e 2 usuários), simular uma reunião

Leia mais

Proposta de um questionário e de um roteiro para estudos sobre indícios de motivação intrínseca em atividades de divulgação científica

Proposta de um questionário e de um roteiro para estudos sobre indícios de motivação intrínseca em atividades de divulgação científica INSTITUTO DE FÍSICA - UFMS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS Produto Educacional gerado a partir da dissertação de mestrado: Um estudo exploratório

Leia mais

Revista Perspectiva. 2 Como o artigo que aqui se apresente é decorrente de uma pesquisa em andamento, foi possível trazer os

Revista Perspectiva. 2 Como o artigo que aqui se apresente é decorrente de uma pesquisa em andamento, foi possível trazer os OS SABERES CIENTÍFICOS SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL: continuidades e descontinuidades na produção acadêmica recente. CAMPOS, Mariê Luise Campos UFSC mariecampos10@gmail.com eixo: Educação e Infância / n.

Leia mais

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO por Wesley José Silva Setembro, 2004 A informática hoje vem sendo uma das soluções a ser implantada na didática de ensino aprendizagem, tendo como

Leia mais

Soma. Paulo Roberto Guimarães Junior

Soma. Paulo Roberto Guimarães Junior Soma Paulo Roberto Guimarães Junior Observatório Nacional de Segurança Viária. Rua 9 de Julho, 1953 - Vila Georgina - Cep: 13.333-070 - Indaiatuba SP Telefone: (19) 3801.4500 E-mail: onsv@onsv.org.br SÍNTESE

Leia mais

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Resumo André Alves Freitas Andressa Guimarães Melo Maxwell Sarmento de Carvalho Pollyanna de Sousa Silva Regiane Souza de Carvalho Samira Oliveira Os cursos

Leia mais

Tutorial 7 Fóruns no Moodle

Tutorial 7 Fóruns no Moodle Tutorial 7 Fóruns no Moodle O Fórum é uma atividade do Moodle que permite uma comunicação assíncrona entre os participantes de uma comunidade virtual. A comunicação assíncrona estabelecida em fóruns acontece

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO Educação a Distância para Servidores Públicos com o uso do Moodle: uma investigação em uma Instituição de Ensino Superior.

RELATÓRIO EXECUTIVO Educação a Distância para Servidores Públicos com o uso do Moodle: uma investigação em uma Instituição de Ensino Superior. UFPE - UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROPAD Programa de Pós-graduação em Administração MPA Mestrado Profissional em Administração RELATÓRIO EXECUTIVO Educação a Distância para Servidores Públicos

Leia mais

GESTÃO DA TECNOLOGIA: USO DO SISTEMA BIM PARA A COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS

GESTÃO DA TECNOLOGIA: USO DO SISTEMA BIM PARA A COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS GESTÃO DA TECNOLOGIA: USO DO SISTEMA BIM PARA A COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS leila soares viegas barreto chagas (IF Sertão) leila_viegas@hotmail.com marcos antonio padilha junior (IF Sertão) jr_padilhamarcos@hotmail.com

Leia mais

Educação corporativa a distância: por que tanta resistência? Corporate distance education: why such resistance?

Educação corporativa a distância: por que tanta resistência? Corporate distance education: why such resistance? Educação corporativa a distância: por que tanta resistência? Corporate distance education: why such resistance? Marcus Brauer Doutor, Professor da Faculdade SENAI/CETIQT, UNIRIO, UERJ e Universidade Católica

Leia mais

Relatório de Inteligência Emocional. Nome: Jane Smith

Relatório de Inteligência Emocional. Nome: Jane Smith Relatório de Inteligência Emocional Nome: Jane Smith Data: 8 maio 2008 Relatório de Inteligência Emocional (IE) Este relatório descreve as competências-chave para o da Inteligência Emocional (IE), que

Leia mais

Desenho de Cursos: introdução ao modelo ADDIE. Módulo6 Avaliação

Desenho de Cursos: introdução ao modelo ADDIE. Módulo6 Avaliação Desenho de Cursos: introdução ao modelo ADDIE Módulo6 Avaliação Atualizado em: abril de 2015 Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Gleisson Rubin Diretor de Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

FGV Online/ CTAE. Profº Leopoldo Antonio de Oliveira Neto. Junho de 2010. São Paulo

FGV Online/ CTAE. Profº Leopoldo Antonio de Oliveira Neto. Junho de 2010. São Paulo Percepções de alunos sobre uma experiência colaborativa baseada no software colaborativo wiki, em um ambiente de formação educacional presencial de pós-graduação FGV Online/ CTAE Profº Leopoldo Antonio

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais

MATEMÁTICA INTERATIVA: REFLEXÕES DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA USANDO OBJETOS DE APRENDIZAGEM

MATEMÁTICA INTERATIVA: REFLEXÕES DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA USANDO OBJETOS DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA INTERATIVA: REFLEXÕES DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA USANDO OBJETOS DE APRENDIZAGEM Nicélio José Gesser Universidade Federal de Santa Catarina niceliogesser@gmail.com Sonia Palomino Bean Universidade

Leia mais

Ontologias na Computação

Ontologias na Computação Ontologias na Computação Claudio Akio Namikata, Henrique Sarmento, Marcio Valença Ramos cjnamikata90@hotmail.com, rique-182@hotmail.com, maxtr3m3@hotmail.com Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento Patrícia B. Scherer Bassani 1 (FEEVALE) Elias Wallauer 2 (FEEVALE) Lovani

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

RESUMo. Luiz Henrique Lima Faria 1 Antônio Carlos Giuliani 2 Nádia Kassouf Pizzinatto 3 Andrea Kassouf Pizzinatto 4

RESUMo. Luiz Henrique Lima Faria 1 Antônio Carlos Giuliani 2 Nádia Kassouf Pizzinatto 3 Andrea Kassouf Pizzinatto 4 DOI: 10.5902/1983465913088 A Aplicabilidade do Modelo Estendido ao Consumo da Teoria Unificada da Aceitação e Uso de Tecnologia (UTAUT2) no Brasil: Uma Avaliação do Modelo a Partir de Usuários de Internet

Leia mais

A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD

A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD Ednei Nunes de Oliveira A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD UFGD/Faculdade de Educação a Distância Dourados MS, E-mail: edneioliveira@ufgd.edu.br Professor da FACED, Bolsista PIBID/EaD/UFGD. RESUMO Esta

Leia mais

Curtir Mais, Pagar Menos Adoção às Compras Coletivas pelo Consumidor Final

Curtir Mais, Pagar Menos Adoção às Compras Coletivas pelo Consumidor Final Curtir Mais, Pagar Menos Adoção às Compras Coletivas pelo Consumidor Final Autoria: Gustavo Hermínio Salati Marcondes de Moraes, Eduardo da Silva Flores, Alexandre Cappellozza, Emerson Feitosa Arrais Resumo

Leia mais

TEdAM. Educação Ambiental

TEdAM. Educação Ambiental 290 Educação Ambiental TEdAM Resumo O projeto TEdAm tem como meta principal introduzir novas formas de construção, cooperação e circulação de conhecimentos e informações, capazes de auxiliar o processo

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

Vantagens e desvantagens dos livros eletrônicos se comparado com os livros impressos (físicos) na opinião do público

Vantagens e desvantagens dos livros eletrônicos se comparado com os livros impressos (físicos) na opinião do público VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 Vantagens e desvantagens dos livros

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

ANÁLISES DAS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS AO RELACIONAR OS FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS COM SEU COTIDIANO

ANÁLISES DAS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS AO RELACIONAR OS FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS COM SEU COTIDIANO ANÁLISES DAS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS AO RELACIONAR OS FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS COM SEU COTIDIANO Wallison Fernando Bernardino da Silva (UFPB/CCA Bolsista Subprojeto Química PIBID/CAPES)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT Disciplina: Modelagem a Programação Orientada a Objetos

Leia mais

Que as novas tecnologias de

Que as novas tecnologias de Resenha A teoria e a prática de EAD GIUSTA, Agnela da Silva; FRANCO, Iara Melo (orgs.). Educação a Distância: uma articulação entre a teoria e a prática Paulo Roberto Salles Garcia Mestre em Comunicação

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

Experiência online personalizada para a indústria automotiva

Experiência online personalizada para a indústria automotiva Experiência online personalizada para a indústria automotiva Pesquisa da Accenture revela que consumidores desejam que a indústria automotiva ofereça experiência online personalizada por meio de ações

Leia mais

7 Mudanças Realizadas

7 Mudanças Realizadas 7 Mudanças Realizadas Este capítulo tem o objetivo de detalhar as mudanças realizadas no ambiente de trabalho da equipe estudada. Ele cita as alterações no produto de software utilizado pela equipe, que

Leia mais

A criação do projeto laboratório biblioteca digital como estratégia de ensino da disciplina bibliotecas arquivos e museus digitais

A criação do projeto laboratório biblioteca digital como estratégia de ensino da disciplina bibliotecas arquivos e museus digitais Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) A criação do projeto laboratório biblioteca digital como estratégia de ensino da disciplina bibliotecas arquivos e museus digitais Célia da Consolação Dias (ECI/UFMG) -

Leia mais

JOGAVOX: uma abordagem de aprendizagem colaborativa com pessoas deficientes visuais Angélica Dias UFRJ angelica@nce.ufrj.br

JOGAVOX: uma abordagem de aprendizagem colaborativa com pessoas deficientes visuais Angélica Dias UFRJ angelica@nce.ufrj.br JOGAVOX: uma abordagem de aprendizagem colaborativa com pessoas deficientes visuais Angélica Dias UFRJ angelica@nce.ufrj.br Juliana França UFRJ Juliana.franca@ppgi.com.ufrj.br Marcos Borges UFRJ mborges@nce.ufrj.br

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

AVANÇOS DAS AÇÕES EDUCATIVAS EM EAD, UTILIZANDO TELEDUC, DESENVOLVIDAS NA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE SANTOS COMPARTILHANDO SABERES NA REDE

AVANÇOS DAS AÇÕES EDUCATIVAS EM EAD, UTILIZANDO TELEDUC, DESENVOLVIDAS NA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE SANTOS COMPARTILHANDO SABERES NA REDE AVANÇOS DAS AÇÕES EDUCATIVAS EM EAD, UTILIZANDO TELEDUC, DESENVOLVIDAS NA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE SANTOS COMPARTILHANDO SABERES NA REDE Santos/SP- 02/2014 Carlos Eduardo da Silva Fontoura SEDUC/Santos

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico

Leia mais

AUTOEFICÁCIA DE GESTORES ESCOLARES: ALGUMAS PERCEPÇÕES

AUTOEFICÁCIA DE GESTORES ESCOLARES: ALGUMAS PERCEPÇÕES Mini Curso 03 AUTOEFICÁCIA DE GESTORES ESCOLARES: ALGUMAS PERCEPÇÕES Guerreiro-Casanova, Daniela Couto UNICAMP 1 Azzi, Roberta Gurgel UNICAMP Este estudo descritivo e quantitativo teve como objetivo analisar

Leia mais

Um estudo sobre os aspectos que contribuem para a adoção do canal on-line para compra de livros, CDs e DVDs

Um estudo sobre os aspectos que contribuem para a adoção do canal on-line para compra de livros, CDs e DVDs ISSN 0080-2107 Um estudo sobre os aspectos que contribuem para a adoção do canal on-line para compra de livros, CDs e DVDs Maria Aparecida Gouvêa Sandra Sayuri Yamashita Nakagawa Braulio Oliveira Recebido

Leia mais

Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas

Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas 264 Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas Maria Helena Franciscatto 1 Adriana Soares Pereira 1 Roberto Franciscatto 1 Liliana Maria Passerino 2 1 Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Colégio

Leia mais

2. Antecedentes Teóricos

2. Antecedentes Teóricos Using the Innovation Adoption Model to Analyze the Virtual Social Media Use by Brazilian Companies Uso do Modelo de Adoção de Inovação para Análise do Uso de Redes Sociais Virtuais por Empresas Brasileiras

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO Jorge Luiz Maria Junior 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Resumo Através dos sistemas de informação, as organizações mundiais buscam práticas

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

Aceitação de tecnologia em terminais de autosserviço aeroportuários: explorando os efeitos dos moderadores idade, experiência e gênero

Aceitação de tecnologia em terminais de autosserviço aeroportuários: explorando os efeitos dos moderadores idade, experiência e gênero Aceitação de tecnologia em terminais de autosserviço aeroportuários: explorando os efeitos dos moderadores idade, experiência e gênero Josivania Silva Farias 1, Susy Sanders 2, Carlos Denner dos Santos

Leia mais

UML Itens Estruturais - Interface

UML Itens Estruturais - Interface Itens Estruturais - Interface Coleção de operações que especificam serviços de uma classe ou componente Descreve o comportamento visível externamente Raramente aparece sozinha. Em geral vem anexada à classe

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

Introdução redes sociais mulheres Digg

Introdução redes sociais mulheres Digg O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres. (Tsvi Bisk, Center for Strategic Futurist Thinking, 2008) A Sophia Mind,

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

Implantação de um Laboratório de Trabalho Colaborativo e de Simulação no CEFET-RJ

Implantação de um Laboratório de Trabalho Colaborativo e de Simulação no CEFET-RJ Implantação de um Laboratório de Trabalho Colaborativo e de Simulação no CEFET-RJ Antonio José C. Pithon (CEFET-RJ) pithon@cefet-rj.br Marina Rodrigues Brochado (CEFET-RJ) marina@cefet-rj.br Resumo Atualmente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS ANEXOS PROGRAMA INSTITUCIONAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MODALIDADE PIBIC/ PIBIC-Jr) FORMULÁRIO Nº 1 FICHA DE INSCRIÇÃO EDITAL N 001/2015/DPI/PPGI/IFAM/IC Nº de Inscrição:

Leia mais

Como obter uma liderança eficaz

Como obter uma liderança eficaz Como obter uma liderança eficaz Camila CORTEZ 1 Dayane SILVA 2 Emanuel CALVO 3 RESUMO: Este artigo analisa como obter uma liderança eficaz, descrevendo primeiramente o que é liderança, suas características,

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Este caderno é constituído de 40 questões assim distribuídas: Conhecimentos Gerais, de 01 a 12; e Conhecimentos Específicos, de 13 a 40. 2. Caso o caderno esteja

Leia mais

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área.

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Autores: Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Salgado de Oliveira Faculdades Integradas Maria Thereza.

Leia mais

Apêndice A. Documento de Especicação de Requisitos de Software do Classroom experience

Apêndice A. Documento de Especicação de Requisitos de Software do Classroom experience Apêndice A Documento de Especicação de Requisitos de Software do Classroom experience 103 Especificação dos Requisitos do Software < Classroom experience > Versão 2.0 Preparado por < Taffarel Brant Ribeiro,

Leia mais

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 1 A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Maria Lúcia Ribeiro Da COSTA 1 João Cezario Giglio MARQUES 2 RESUMO: O estudo e a pesquisa de mercado

Leia mais

Cenários de inovação para a educação na sociedade digital

Cenários de inovação para a educação na sociedade digital Cenários de inovação para a educação na sociedade digital Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Paulo Dias Bento Duarte da Silva Organizadores Cenários de inovação para a educação na sociedade digital

Leia mais

Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31.

Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31. Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31. RESUMO INTERAÇÃO SER HUMANO COMPUTADOR: ASPECTOS DAS INTERFACES DE UM CURSO A DISTÂNCIA

Leia mais

DOCUMENTO TÉCNICO PARA ALÉM DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ALÉM DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

DOCUMENTO TÉCNICO PARA ALÉM DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ALÉM DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DOCUMENTO TÉCNICO PARA ALÉM DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ALÉM DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Para Além da Segurança da Informação 1 ACTUALMENTE O TRUSTED PLATFORM MODULE (TPM) REPRESENTA A MAIS INOVADORA

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 Carla Cristina MARINHO 2. Sadao OMOTE 3. Faculdade de Filosofia e Ciências,

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

PROJETOS, PARCERIAS E ARRANJOS INOVATIVOS: o caso do Núcleo de Documentação da Universidade Federal Fluminense

PROJETOS, PARCERIAS E ARRANJOS INOVATIVOS: o caso do Núcleo de Documentação da Universidade Federal Fluminense TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Dimensionamento dos impactos dos serviços digitais na Biblioteca PROJETOS, PARCERIAS E ARRANJOS INOVATIVOS: o caso

Leia mais