SEXOLOGIA FORENSE DIÓGENES DE MORAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEXOLOGIA FORENSE DIÓGENES DE MORAIS"

Transcrição

1 DIÓGENES DE MORAIS

2 É a parte a Medicina Legal que estuda os problemas médico-legais relacionados ao sexo. Divide-se em capítulos, em que são abordados aspectos específicos: Erotologia forense; Obstetrícia forense; Himenologia forense;

3 ErotologiaForense Estuda os crimes sexuais e as anomalias do instituto sexual, a prostituição e o perigo de contágio.

4 Pudor vergonha relacionada com o sexo e a sexualidade, a timidez daquilo que pode ferir a moral sexual Libido energia psíquica, especialmente aquela associada ao instinto sexual

5 TRANSTORNOS DA SEXUALIDADE: 1. INADEQUAÇÕES SEXUAIS(DISFUNÇÕES SEXUAIS). 2. TRANSTORNOS DA IDENTIDADE SEXUAL 3. TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL

6 INADEQUAÇÕES SEXUAIS(DISFUNÇÕES SEXUAIS). Desejo sexual hipoativo: anafrodisia homem nervosa glandular psíquica frigidez mulher psíquica vaginismo glandular

7 INADEQUAÇÕES SEXUAIS(DISFUNÇÕES SEXUAIS). Desejo sexual hiperativo ou Impulso sexual excessivo -Erotismo satiríase homem»ereção + ejaculação» ereção patológica, duradoura, dolorosa e sem ejaculação ninfomania mulher»sinônimo -uteromania»causas -inclui histeria

8 INADEQUAÇÕES SEXUAIS(DISFUNÇÕES SEXUAIS). Aversão e falta de prazer - anedonia sexual Falha de resposta genital Transtorno orgásmico Ejaculação precoce Vagisnismo Dispareunia

9 INADEQUAÇÕES SEXUAIS(DISFUNÇÕES SEXUAIS). Auto-erotismo:»coito sem parceiro,estimulação apenas psíquica Erotomania:»ideiafixa de amor etéreo, ideal, puro, sem desejo carnal Exibicionismo»obcessãoimpulsiva de exibir órgãos genitais»preferem locais de aglomeração»não há intenção carnal»forma discreta -decotes

10 TRANSTORNOS DA IDENTIDADE SEXUAL transexualismo inversão psico-social(candidatos à cirurgia)» síndrome de disforiasexual» pseudo-síndrome psiquiátrica» teorias genética fenotípica psicogênica neuroendrôcrina eclética

11 TRANSTORNOS DA IDENTIDADE SEXUAL transexualismo: classificação pseudotravestido: roupas do sexo oposto, para desfrutar de experiências temporárias. travestido-fetichista: uso de roupas do sexo oposto para obter excitação sexual transtorno de preferência. travestido verdadeiro : desejo de viver e ser aceito como sexo oposto

12 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL homosexualismo Homem Uranismo, Pederastia Mulher Safismo, Lesbianismo, Tribadismo»teorias intelectiva ou educacional - Kraft-Ebing psicogênita-fixação da libido de Freud endocrinológica -intersexualidadede Maranón

13 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL Frotteurismo-(frottement: do francês, fricção) fricção em órgãos genitais ou seios procuram aglomerações -ônibus, metrô o passivo não percebe as intenções o passivo não percebe as intenções Narcisismo (Narcisus-apaixonou-se por sua imagem refletiva em um lago) comum entre os débeis mentais beijam a própria foto se masturbam frente ao espelho

14 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: Fetichismo fixação patológica em objetos -calcinhas, camisolas, sutiãs partes do corpo -cabelos, mãos, pés funções do corpo -modo de andar, de dançar emanações do corpo -voz, odor

15 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL Onanismo (Onan-coito solitário de -denominação imperfeita -era coito interrompido) masturbação comum na puberdade pode ter conotação psicopáticana fase adulta Pluralismo mais de duas pessoas troilismo em francês: ménage à trois dois casais: swing no Brasil: suruba

16 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: Riparofilia preferência mórbida por parceiros sujos inclui a preferência a mulheres menstruadas Mixoscopia (voyeurismo) teleagnia-volúpia de ver prazer em ver coito de terceiros

17 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: Pigmalianismo(Pigmalião) amor por estátuas similar ao dolismo Dolismo(Doll: do inglês, boneca) atração por bonecas e manequins bonecas infláveis aptas à "cópula" vaginas artificiais Clismafilia (Klisma: do grego, clister) prazer em receber enemas introdução de líquidos no reto

18 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: Donjuanismo(Don Juan) ocorre geralmente nos homens aparentam virilidade que não possuem - alguns hipossexuais galanteios ruidosos e exibicionistas Pedofilia hetero ou homosexual simples observação ao ato libidinoso ou estupro comum na internet, filmes Crime tipificado

19 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: Pedofilia Crime tipificado: Art Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso: Pena -reclusão, de 6 (seis) a 10 (dez) anos. 1 o Se da conduta resulta lesão corporal de natureza grave ou se a vítima é menor de 18 (dezoito) ou maior de 14 (catorze) anos: Pena -reclusão, de 8 (oito) a 12 (doze) anos. 2 o Se da conduta resulta morte: Pena -reclusão, de 12 (doze) a 30 (trinta) anos. (NR)

20 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: DOS CRIMES SEXUAIS CONTRA VULNERÁVEL Art Induzir alguém menor de 14 (catorze) anos a satisfazer a lascívia de outrem: Pena -reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos. Parágrafo único. (VETADO). (NR) Ação penal Art Nos crimes definidos nos Capítulos I e II deste Título, procede-se mediante ação penal pública condicionada à representação. Parágrafo único. Procede-se, entretanto, mediante ação penal pública incondicionada se a vítima é menor de 18 (dezoito) anos ou pessoa vulnerável. (NR)

21 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: Pedofilia Crime tipificado: Estatuto da Criança e do Adolescente -L 8.069/1990» Art Produzir ou dirigir representação teatral, televisiva ou película cinematográfica, utilizando-se de criança ou adolescente em cena de sexo explícito ou pornográfica: Pena -reclusão de um a quatro anos, e multa. Parágrafo único. Incorre na mesma pena quem, nas condições referidas neste artigo, contracena com criança ou adolescente.» Art Fotografar ou publicar cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente: Pena -reclusão de um a quatro anos.

22 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: Pedofilia Crime tipificado:» Art. 244-A. Submeter criança ou adolescente, como tais definidos no caput do art. 2o desta Lei, à prostituição ou à exploração sexual: (Artigo acrescentado pela Lei nº 9.975, de ) Pena reclusão de quatro a dez anos, e multa. 1o Incorrem nas mesmas penas o proprietário, o gerente ou o responsável pelo local em que se verifique a submissão de criança ou adolescente às práticas referidas no caput deste artigo. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 9.975, de ) 2o Constitui efeito obrigatório da condenação a cassação da licença de localização e de funcionamento do estabelecimento. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 9.975, de )

23 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: Bestialismoou zoofilia prática sexual com animais geralmente masculino galinhas patos cabras éguas vacas eventualmente feminino cães cavalos Vampirismo prazer relacionado ao sangue -humano ou não pode estar relacionado a lesões corporais e homicídio

24 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: Necrofilia prazer em realizar sexo com cadáveres masturbação frente a cadáveres prazer em sexo em ambientes mortuários prazer em sexo em ambientes mortuários Urognalia prazer patológico em ser urinado ver a micção ouvir a micção sentir odor uréico

25 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: Coprofilia prazer em ser defecado ver a defecação sentir odor de fezes sentir odor de fezes Coprolalia prazer, antes ou durante o coito de dizer palavras obscenas ouvir palavras obscenas Edipismo tendência ao incesto impulso com parentes próximos

26 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: Algolanias-(algor-dor; lagnea-devassidão) sadismo -(Marquês de Sade) sente prazer em produzir sofrimento mais frequentenos homens pode chegar a lesões corporais graves e morte masoquismo -(LeopoldSacher-Masoch) sentimento álgico lhe traz prazer mais freqüente nas mulheres

27 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: Topo-inversões sodomia (Sodoma -antiga cidade da Ásia)» sexo anal homosexual-homem + homem heterosexual-homem + mulher coito inter-femura» fricção peniana entre as coxas -pode ser homosexual felação» sucção bucal peniana - pode ser homosexual cunilíngua» sucção bucal da genitália externa feminina -pode ser homosexual

28 TRANSTORNOS DE PREFERÊNCIA SEXUAL: Crono-inversões - gerontofilia jovens com velhos não se confunde com pedofilia -crianças regime de separação de bens obrigatório para > 70 anos - veja CC Art II Cromo-inversões manifestação erótica por pessoas de cor da pele diferente etno-inversões manifestação erótica por pessoas de etnia diferente

29 Crimes Sexuais Os crimes sexuais apresentam várias formas de apresentação em nosso Código Penal. Eis os mais freqüentes e a contribuição da perícia para sua caracterização:

30 Estupro - Conjunção carnal - Ato libidinoso - Violação sexual mediante fraude

31 A violência deve ser contra a mulher e não contra suas coisas, podendo ser: -violência efetiva: é a violência com emprego de forca física, geralmente deixando vestígios de lesões corporais, ou psíquica, empregando drogas ou recursos psicológicos para vencer a resistência da vítima (embriaguez, anestesia, uso de psicotrópicos); -violência presumida: ocorre em casos de mulheres menores de 14 anos ou quando há alienação ou debilidade mental que o ofensor conhecia ou qualquer causa que impossibilite a vítima de resistir (paralisia dos membros, enfermidade imobilizante).

32 Conjunção carnal é a intromissão parcial ou total do pênis em ereção na vagina, com ou sem ruptura do hímen, com ou sem orgasmo, resultando do amplexo heterossexual.

33 FSEXOLOGIA FORENSE O hímen é uma membrana mucosa que separa a vulva da vagina. Apresenta uma borda livre, que forma o óstio, orifício de morfologia variada, por onde escoa o fluxo menstrual e que se rompe usualmente no primeiro contato sexual.

34 FSEXOLOGIA FORENSE A rotura himenalé descrita de acordo com o tempo de evolução, extensão, quantidade, localização, método cronométrico, método goniométrico. É um indicativo de que ocorreu conjunção carnal, geralmente é feita pelo pênis, no entanto só tem relavânciana investigação de atos praticados há até 10(dez) dias.

35 FSEXOLOGIA FORENSE

36 A materialidade da conjunção carnal pode ser configurada pela: Ruptura do hímen: pode se dar na borda livre do óstio ou em qualquer outra parte da membrana. As rupturas do óstio, em geral, produzem hemorragia leve e passageira, podendo ir da borda livre até a borda de inserção, junto à parede vaginal (ruptura completa), ou deter-se em plena membrana (ruptura incompleta).

37 FORENSE Gravidez: A gestação traz implícito o defloramento, mesmo não havendo conjunção carnal no sentido estrito e portanto independentementedoestadodohímen.

38 Espermatozóides na vagina: se for encontrado esperma na vagina, pressupõe que houve conjunção. Uma só célula reprodutora masculina presente firmará o diagnóstico. No entanto, o tempo superior a 48 horas entre a perícia e a prática sexual e os próprios cuidados higiênicos da mulher dificultam ou impedem o seu encontro. Além disso, o método possibilita a ocorrência de resultados falsos negativos, já que se trata de uma amostra de material coletado junto à secreção encontrada na cavidade vaginal. O uso de preservativos por parte do homem praticamente elimina a positividade desse exame.

39 Também se considera, por presunção, que houve conjunção carnal quando se constata a presença de sêmen, podendo ser encontrado, emmédia,até4diasapósarelaçãosexual. (Hércules 2007,p.559)

40 Existem casos em que há ruptura himenal na ausência de conjunção carnal, como em situações de acidentes (laceração de períneo), doenças venéreas (sífilis) ou práticas libidinosas (masturbação ou introdução de objetos na vagina). Por outro lado, existem situações em que se estabelece a conjuncao carnal sem ruptura himenal, como em casos de cópula vestibular ou coito nas coxas, pênis insinuante e hímen dubitativo. Hímen dubitativo ou complacente é aquele que, pela elasticidade de suamembranaeamplitudedeseuóstio,permiteaconjunçãosemse romper. Estes apresentam distensibilidade excessiva, entalhes que possibilitam a ampliação do óstio e membrana exígua, ocorrendo numa freqüência entre 20 e 25% das mulheres. A contaminação venérea fala a favor da existência de conjunção, mas não tem caráter absoluto, podendo ter outra origem ou mesmo estar vinculada à prática de atos libidinosos diversos da conjunção carnal.

41 Virgindade é a absoluta falta de prática de conjunção carnal. Portanto, materialmente a única prova de virgindade é a integridade himenal. O conceito de virgindade perante a lei brasileira, no entanto, está ligado à ocorrência ou não de conjunção carnal e não só à integridade do hímen. Assim, para afirmarmos ou negarmos a virgindade, teremos que, além do estudo do hímen, analisar dois outros elementos periciais: a presença de espermatozóides na vagina e na gravidez.

42 A grave ameaça : É uma modalidade de violência moral em quearesistênciadamulherévencidapela promessa de prática de violência física ou chantagem contra a vítima ou qualquer pessoa próxima. Quando o estupro é praticado mediante grave ameaça, não deixa vestígios de violência no corpo da vítima,oquedificultaotrabalhopericial.

43 O correto encaminhamento dessas pacientes, vítimas de agressão sexual, é fundamental para o diagnóstico e prevenção da gravidez, doenças sexualmente transmissíveis (DST) e distúrbios psíquicos pós-agressao. Art Expor alguém, por meio de relações sexuais ou qualquer ato libidinoso, a contágio de moléstia venérea, de que sabe ou deve saber que está contaminado. Pena detenção,detrêsmesesaumano,oumulta 1ºSeéintençãodoagentetransmitiramoléstia. Pena reclusão,deumaquatroanosemulta Nos casos de pacientes atendidas na rede hospitalar, o registro adequado do atendimento e a documentação do exame são responsabilidade do médico. A sua ausência pode configurar negligência e conduta ética incorreta.

44 Posse sexual mediante fraude - conjunção carnal -mulherhonesta -fraude A conjunção carnal é a prova material do crime. A contribuição pericial resume-se a comprová-la. Somente o homem pode ser sujeito ativo do delito. A mulher honesta é toda aquela que permanece virgem depois dos 14 anos de idade ou que, tendo perdido a virgindade em decorrência de estupro, sedução ou casamento, sempre foi honrada de decoro e compostura, conforme os bons costumes.

45 Fraude é uma forma de expediente empregado para induzir alguém ao erro, para, por meio deste, preparar, facilitar ou realizar a execução do delito. Cabe à perícia, nesses casos, comprovar a existência de conjunção carnal. Nos casos de mulher com vida sexual pregressa, a perícia deve pesquisar a presença de espermatozóides na vagina. As provas de violência ou luta, como equimoses, estigmas ungueais e escoriações, são pesquisadas nas mais diversas regiões do corpo da vítima, como faces internas das coxas, braços e região cervical.

46 Os quesitos presentes no laudo de conjunção carnal incluem: primeiro: se a paciente é virgem; segundo: se há vestígio de desvirginamento recente; terceiro: se há outro vestígio de conjunção carnal recente; quarto: se há vestígio de violência e, no caso afirmativo, qual o meio empregado; quinto: se da violência resultou para a vítima incapacidade para as ocupações habituais por mais de trinta dias ou perigo de vida, ou debilidade permanente, ou incapacidade permanente para o trabalho, ou enfermidade incurável, ou deformidade permanente, ou aceleração de parto, ou aborto resposta especificada; sexto: se a vítima é alienada ou débil mental; sétimo: se houve outra causa, diversa de idade não maior de 14 anos, alienação ou debilidade que a impossibilite de oferecer resistência.

47 Ato libidinoso diverso da conjunção carnal Ato libidinoso é a prática que não emprega a conjunção carnal, que fuja à natureza pênisvagina.

48 Na configuração do delito não importa o sexo, podendo qualquer pessoa, homem ou mulher, ser o agente ou vítima. Manifesta-se em situações como cópula inter-crucis, cópula bucal ou felação, cópula bucovulvar ou cunilíngua, cópula anal, heteromasturbação, toques e palpação de mamas e vagina, etc. Excetuando os casos de cópula anal, os atos libidinosos descritos não costumam deixar vestígios, salvo eventuais manchas de sêmen ou de saliva nas vestes, pequenas equimoses ou escoriações, etc.

49 Obstetrícia Forense Estuda os aspectos médico-legais relacionados com fecundação, gestação, parto, puerpério, além dos crimes de aborto e infanticídio. Fecundação É o união do óvulo, macrogameta produzido no ovário, com o espermatozóide, microgameta produzido nas glândulas testiculares do homem, formando a célula ovo ou zigoto.

50 a fecundação pode ser a conseqüência de : - conjunção carnal; - ato libidinoso diverso de conjunção carnal; -fecundação artificial: em união dos gameta fora do organismo materno ( proveta); -inseminação artificial: processo para a introdução do artificial ou do gameta masculino no sistema e genital feminina, podendo ser: a) o homóloga: feita com sêmen do próprio marido. é plenamente aceita pelo código de ética médica e pelo direito; b) heteróloga: feita com o sêmen de um doador, fora do matrimônio; punida pelo código penal quando realizada sem o consentimento do marido.

51 Anticoncepção Para evitar a concepção e permitir a conjunção carnal, com menores riscos de gravidez, podem ser utilizados os seguintes métodos: a) cirúrgicos: laqueadura o ligadura de trompas, nas mulher, ou dos ductos deferentes, no homem; b) mecânicos: preservativo, diafragma, dispositivo intrauterino(diu); c) químicos: espermaticidas, anticoncepcionais orais; d) fisiológicos: coito interrompido, tabelinha.

52 Gravidez Corresponde ao período posterior à fecundação, em que o embrião e passa pelo desenvolvimento, a que a hora do parto. A gestação traz implícito o defloramento, mesmo não havendo conjunção carnal no sentido estrito e portanto independentemente do estado do hímen.

53 FSEXOLOGIA FORENSE

54 O diagnóstico de gravidez pode ser estabelecido de diferentes maneiras: a) sinais de presunção: - amenorréia: ausência de menstruação; -sinais mamários: maior volume e pigmentação no das mamas; -alterações gastrointestinais: náuseas, vômitos, constipação; -alterações cardiovasculares: edema nos membros inferiores; -alterações na pele: máscara gravídica (pigmentação acentuada no rosto)

55 b) Sinais de probabilidade: são sinais específicos e frequentesna gravidez, identificados no exame ginecológico pela alteração da forma, consistência e topografia do útero. Isoladamente ainda não definem o diagnóstico de gravidez. c) Sinais de certeza só correm na gravidez, estabelecendo, portanto, o quando presentes, o seu diagnóstico. são sinais certeza: -presença de batimentos cardiofetais(bcf), audíveis com o estetoscópio de Pinarda partir da 18ª semana e com monitores eletrônicos desde oitava semana; -o movimento fetais ativos e passivos, percebidos a partir da 18ª semana; -RX do esqueleto fetal, radiológica visível entre a 12ª e a 14ª semanas; -ecografia ou ultra-sonografia, estabelecendo diagnóstico na quarta semana.

56 Puerpério: é o período que se estende do fim do parto até a volta do organismo materno ao estado anterior à gravidez. Não deve ser confundido com o estado puerperal, conceito este que se aplicar a casos de infanticídio. Do ponto De vista médico legal, é de interesse determinar o sinais que possam vir a definir a ocorrência de um parto, recente ou antigo, tanto na mulher viva como também em cadáveres.

57 Os principais sinais estão abaixo: a) Sinais de parto recente ( em mulher viva ou morta): * externos: -edema de vulva e grandes lábios; - roturas hímenais no primeiro parto; - roturas do períneo; - eventuais sinais de episiotomia; - presença de lóquios: * rubra, até terceiro dia * flava, até o oitavo dia * alba, até décimo segundo dia - mamas túrgidas eliminando colostro; - involução do útero, que é palpável: * primeiro dia na cicatriz umbilical; * quinto dia 6 cm acima do púbis; * 12º dia atrás do púbis.

58 * internos: - edema, roturas e equimoses na mucosa vaginal; - colo uterino globosa, cheia de coágulos ou lóquios. b) Sinais de parto antigo ( em mulher viva ou morta) : * Externos: -pigmentação dos mamilos e da linha alba(linha escura que vai do umbigo ao véu pubiano); -cicatrizes no períneo (nas mulheres, começa na parte de baixo da vulae se estende até o ânus); -sinais de episiotomia(incisão realizada para ampliar o canal de parto); -hímen reduzido a um carúnculas mirtiformes(roturas antigas do hímen, cicatrizadas, em forma de tubérculos); - alterações do colo uterino.

59 Abortamento Abortamento, sob o ponto de vista jurídico, é interrupção da gravidez em qualquer fase da gestação, com morte do concepto e sua conseqüente expulsão ou retenção. Do ponto de vista obstétrico, é a interrupção da gravidez com feto ainda não viável, isto é, até vintesemanasdegestação,pesandoaté500ge com altura calcâneo-occipital máxima de 16,5 sentimentos.

60 O aborto pode ser classificado: a) Espontâneo ou acidental O espontâneo ocorrem quando condições materno-fetais endógenas impedem o procedimento da gestação, e o acidental quando fatores traumáticos, tóxicos o infecciosos, em circunstâncias eventuais, provocam a morte do feto. b) Provocado Ocorre quando agentes externos, com intuito de interromper a gestação de, são intencionalmente aplicados sobre a mulher grávida.

61 Podem ser divididos em: - Não-Puníveis: -necessário ou terapêutico: aborto realizado pelo médico para salvar a vida da gestante; -sentimental, piedoso ou moral: em caso de gravidez resultante de estupro; -Puníveis: - procurado: resulta da própria ação da gestante; - sofrido: provocado sem consentimento da gestante; -consentido: praticado por terceiro, com permissão da gestante.

62 O aborto eugênico, visando evitar o nascimento de criança defeituosa, é considerado crime pela legislação brasileira, apesar de algumas associações médicas considerarem que o defeito genético e a malformação do feto justificam o aborto. O aborto social, praticada por motivos econômicos, morais ou até estéticos, não apresenta qualquer justificativa legal, apesar de sua alta incidência.

63 Quando se pretende interromper uma gravidez, como nos casos previstos em lei, a evacuação uterina por curetagem ou sucção, nas primeiras doze semanas ou menos de gestação,tendeaserummétododeescolha.a curetagem por sucção é associada a menos complicações do que é curetagem crua cruenta. Nas gestações mais avançadas, procura-se promover previamente a expulsão fetal, utilizando para isso o misoprostol.

64 Diagnóstico de Aborto Provocado a) realidade do abortamento * sinais recentes - sinais de gravidez pré existente; - sinais de parto recente; -sinais de puerpérioimediato ( primeira semana); -sinais de puerpériomediato (três semanas seguintes).

65 * sinais antigos: - sinais duradouros de gravidez preexistente; - sinais de parto antigo; b) manobras abortivas * no colo do útero, identificando presença de corpo estranho ou sinais de pinçamento, no caso de curetagem; * na superfície corporal, demonstrando a presença de contusões, queimadura ou eventuais lesões corporais; * no sangue, pesquisando substânciasquímica.

66 A natureza do aborto e de fundamental importância, já que uma parcela significativa dos abortamentos não apresenta qualquer interesse jurídico, representando apenas uma complicação clínicadagestação.

67 Pelo seu caráter clandestino, não há estatísticas no Brasil sobre o abortamento provocado, mas se sabe sobre a grande morbidade a ele associada. Estudos realizados em nosso meio demonstram que as complicações pós-abortamento são a principal causa de mortalidade materna, responsável por 47% das mortes no período perinatal. Das mortes maternas decorrentes de infecção, 60% são devidas às técnicas de abortamento. São casos de abortamento praticados em clínicas clandestinas, cujas complicações graves decorrem do uso de instrumentos não esterilizados, perfurações uterinas e/ou intestinais/prática de técnicas rústicas e outros procedimentos inadequados. O envenenamento maternos e as hemorragias post abortum são outras complicações presentes nesse tipo de procedimento.

68 Quando ocorrer nascimento de feto viável, antes de seu completo desenvolvimento, estaremos diante de parto prematuro e a caracterização penal a ser estabelecida aplica-se à situação de aceleração de parto. Verificando a morte posterior do feto, em conseqüência de sua prematuridade, caberá a discussão quanto ao delito a ser qualificado: aborto ou aceleração de parto. De qualquer maneira, não é possível falar de aborto sem que haja demonstração de gestação prévia e sem provas segura de que tenha sido provocado.

69 Infantícidio SEXOLOGIA FORENSE É a morte, pela própria mãe, do recém-nascido durante ou logo após o parto, sob influência do estado puerperal. São elementos do crime de infanticídio: - própria mãe; -duranteopartooulogoapós; - influencia do estado puerperal; - recém-nascido com vida extra-uterina. O crime é executado pela mãe, sem auxílio ou induzimento, sem planejamento prévio, como resultado de gravidez ilícita, dissimulada durante sua evolução, e com parto clandestino e sem a assistência. não admite co-autor é crime própria.

70 Aexpressão " durante ou logo após o parto " compreende a fase de expulsão, desde a ruptura da bolsa, a insinuação do feto pelo canal vaginal até o seu desprendimento da vulva e o instante imediatamente após. Do ponto de vista médico-legal, o parto termina com o completo desprendimento fetal, mesmo que o recém-nascido ainda permaneça ligado à placenta pelo cordão umbilical.

71 O estado puerperal é um quadro de obnubilação e confusão mental, que segue o desprendimento fetal e que só ocorre na parturiente que não recebe assistência ou conforto durante o trabalho de parto. É desencadeado por fatores físicos, representados pela dor; químicos, proporcionados pelas alterações hormonais; e psicológicos, precipitados pela tensão emocional. Trata-se de um quadro de difícil determinação pericial, sendo muito discutida, do ponto de vista médico-legal, a sua real existência. Não deve ser confundido com o puerpério, nem como os estados de depressão pós-parto e de psicose puerperal. São processos muito diferentes, apesar da semelhança de nomes. Em casosdepsicosepuerperal,amulheréisentadepena.

72 A vida extra uterina é caracterizada, fundamentalmente, pela respiração autônoma, sendo que, se o feto não respirou, houve morte intra-uterina ou durante o trajeto pelo canal de parto. Este diagnóstico é estabelecido pelas docimasias, que são provas baseadas na possível respiração e seus efeitos. A violência durante o parto é caracterizada pela ocorrência de sufocação direta, esganadura, afogamento ou ferimentos contundentes, principalmente no couro cabeludo.

73 HimenologiaForense Estuda os problemas médico legais relacionados com o casamento. Casamento É um contrato bilateral e solene pelo qual um homem e uma mulher se unem, legais visando por ele suas relações sexuais, estabelecendo a mais estreita comunhão de vida e de interesseecomprometendo-seacriareeducaraprolequede ambos nascer. Com isso o casamento visa atender o instinto sexual de acordo com a moral, satisfazendo a natureza social do indivíduo dentro de normas legais, ao mesmo tempo em que protege o amor latente, próprio da psicologia humana.

74 Impedimentos matrimoniais São certas proibições estabelecidas pela lei e cujo descumprimento torna o casamento nulo, anulável ou simplesmente passível de sanções civis. Classificam-se em: a) Impedimentos absolutos São aqueles que tornam o casamento nulo, movidos por ação de ordem pública. Incluem: - parentesco: aplica-se a ascendentes, descendentes, colaterais até terceiro grau e afins por adoção; - vínculo: aplicado a pessoas já casadas( monogamia); - o adultério: a lei proíbe o casamento do adúltero comum coréu; - crime: pessoa condenada por tentativa ou consumação de homicídio sobre o cônjuge do outro.

75 b) Impedimentos relativos SEXOLOGIA FORENSE São aqueles que tornam o casamento anulável mediante ação privada. Aplicam-se nos casos de: * incapacidade de consentir: - o doente mental / oligofrenia com a falta de pleno entendimento; - surdo-mudo que não expressa sua vontade; -menoresde14anos. * menor idade nupcial: a lei estabelece como limites mínimos de idade16anosparaasmulherese18anosparaoshomens; * identidade: quando ocorrer erro na identidade física ou civil do outrocônjuge(troca-sedepessoanahoradocasamento);

76 Honra e boa fama: aplica-se quando conhecimento posterior ao casamento desta falsidade torna insuportável a conivência para o cônjuge enganado(homossexualismo); Defeito físico irremediável: inclui deformidades genitais (pseudohermafroditismo, agenesia de pênis ou vagina), deformidades extra genitais repugnantes (hirsutismo) e impotêncas anteriores e desconhecidas até o casamento; Moléstia grave e transmissível: inclui doença infecto-contagiosa e de caráter crônico e grave, perturbação mental e moléstias transmissíveis por herança genética( hemofilia, esquizofrenia); Defloramento anterior: cabe o marido recurso anulatório, a ser interposto em dez dias, e à perícia comprovar a ruptura himenal; Prazo de viuvez ou separação: o código civil exige prazo de 300 dias antes de a mulher estabelecer novo vínculo. Desconsidera se tal dispositivo se, antes desse prazo, a mulher der a luz a um filho, não valendo aborto ou atestado de inexistência de gravidez.

77 A lei não enumera as enfermidades capazes de proporcionar uma anulação de casamento, tendo em vista os constantes avanços da ciência no tratamento, principalmente de doenças infectocontagiosas. Neste sentido, as doenças graves mais alegadas nos processos de anulação são as doenças mentais, devendo também nestes casos ser anteriores ao casamento e desconhecidas por um dos cônjuges. Das anormalidades irremediáveis, a mais alegada em processos de anulação é a impotência no homem.

Quando suspeitar de abuso sexual Mesa-redonda Infanto-puberal. Dr Tarcísio Crócomo

Quando suspeitar de abuso sexual Mesa-redonda Infanto-puberal. Dr Tarcísio Crócomo Tarcísio Crócomo Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico ou

Leia mais

Roger Ancillotti. Considerações médico-legais sobre os crimes contra a liberdade sexual

Roger Ancillotti. Considerações médico-legais sobre os crimes contra a liberdade sexual Considerações médico-legais sobre os crimes contra a liberdade sexual Médico. Perito Legista, Professor de Medicina Legal. Ex-Diretor Geral do Instituto Médico Legal Afrânio Peixoto (RJ). Autor do livro

Leia mais

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases Dra.Ancilla-Dei Vega Dias Baptista Giaconi Maio/2014 0 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia Criada em 23 de Novembro

Leia mais

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma.

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma. SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

NOVO CÓDIGO PENAL E A RESPONSABILIDADE PENAL DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE. José Arthur Di Spirito Kalil

NOVO CÓDIGO PENAL E A RESPONSABILIDADE PENAL DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE. José Arthur Di Spirito Kalil NOVO CÓDIGO PENAL E A RESPONSABILIDADE PENAL DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE José Arthur Di Spirito Kalil O aborto e o Código Penal Atual (Dec. Lei 2.848, de 1940) O aborto e o Anteprojeto do Código Penal Aborto

Leia mais

Abortamento ou Aborto Interrupção da gravidez antes que o feto alcance a fase da viabilidade. Pode ser espontâneo ou provocado.

Abortamento ou Aborto Interrupção da gravidez antes que o feto alcance a fase da viabilidade. Pode ser espontâneo ou provocado. Abortamento ou Aborto Interrupção da gravidez antes que o feto alcance a fase da viabilidade. Pode ser espontâneo ou provocado. Ao longo do tempo e principalmente em fins do século XX, declinou a incidência

Leia mais

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... - Morfologia do Aparelho Reprodutor Feminino Útero Trompa de Falópio Colo do útero Vagina

Leia mais

FACULDADE DE IMPERATRIZ FACIMP

FACULDADE DE IMPERATRIZ FACIMP PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso DIREITO Disciplina MEDICINA LEGAL Área: Ciências Sociais Ano: 2013.1 Período: 7º Sétimo Carga horaria: 36 horas créditos 02 Pré-Requisito Turno: MATUTINO/NOTURNO Ementa DIREITO

Leia mais

7ª série / 8º ano U. E. 11

7ª série / 8º ano U. E. 11 7ª série / 8º ano U. E. 11 Os sistemas genitais masculino e feminino A espécie humana se reproduz sexuadamente. As células reprodutivas femininas os óvulos são produzidas nos ovários da mulher, e as células

Leia mais

Abstinência sexual: acto de privar-se temporária ou permanentemente da actividade sexual.

Abstinência sexual: acto de privar-se temporária ou permanentemente da actividade sexual. Glossário A Abstinência sexual: acto de privar-se temporária ou permanentemente da actividade sexual. Afrodisíaco: substância que se acredita excitar o desejo sexual e aumentar a capacidade para a actividade

Leia mais

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você:

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: CANCRO MOLE Pode ser chamada também de cancro venéreo. Popularmente é conhecida como cavalo. Manifesta-se

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS 1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Os métodos contraceptivos são utilizados por pessoas que têm vida sexual ativa e querem evitar uma gravidez. Além disso, alguns

Leia mais

7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10

7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10 7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10 Tipos de reprodução Reprodução é a capacidade que os seres vivos têm de gerar descendentes da mesma espécie. A união dos gametas é chamada fecundação, ou fertilização,

Leia mais

Aborto. Douglas Blanco

Aborto. Douglas Blanco Aborto Douglas Blanco Gravidez Indesejada Hoje em dia o principal motivo do aborto é a gravidez indesejada. A gravidez em adolescente pode ser considerado um exemplo, pois o mundo dos adolescentes se resumi

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273)

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) -DST (no passado conhecidas como doenças venéreas ou doenças de rua ); - São doenças transmitidas por meio de ato sexual ou contato com sangue do doente; -

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Curso DIREITO. Disciplina MEDICINA LEGAL. Área: Ciências Sociais Período: 7º PERÍODO Turno: MATUTINO/NOTURNO.

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Curso DIREITO. Disciplina MEDICINA LEGAL. Área: Ciências Sociais Período: 7º PERÍODO Turno: MATUTINO/NOTURNO. PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso DIREITO Disciplina MEDICINA LEGAL Área: Ciências Sociais Período: 7º PERÍODO Turno: MATUTINO/NOTURNO Pré-Requisito DIREITO PENAL III D- 26 Ementa Medicina Legal. Estudo dos

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes A violência sexual contra crianças e adolescentes acontece em todo o mundo, em diversas famílias e classes sociais. O QUE É A

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

CODIGO PENAL PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO

CODIGO PENAL PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO Homicídio simples Art 121. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte anos. TÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A VIDA Caso de diminuição de pena 1º Se o agente comete

Leia mais

Minha filha está ficando uma moça!

Minha filha está ficando uma moça! Minha filha está ficando uma moça! A UU L AL A O que faz as meninas se transformarem em mulheres? O que acontece com seu corpo? Em geral, todos nós, homens e mulheres, somos capazes de lembrar muito bem

Leia mais

SENSUALIDADE E SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA. Sexualidade X Sensualidade

SENSUALIDADE E SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA. Sexualidade X Sensualidade SENSUALIDADE E SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA A adolescência é uma fase de transição, mudança da infância para a vida adulta. Nesse momento acontecem várias modificações no corpo, surgem várias dúvidas, medo,

Leia mais

Escola Básica Vasco da Gama de Sines A REPRODUÇÃO HUMANA

Escola Básica Vasco da Gama de Sines A REPRODUÇÃO HUMANA Página1 A REPRODUÇÃO HUMANA Reprodução sexuada e dimorfismo sexual A reprodução é uma função dos seres vivos que permite dar origem a outros seres da mesma espécie. Reprodução sexuada Na espécie humana

Leia mais

Faculdade Cathedral Curso de Direito 6º Semestre Direito Penal IV Prof. Vilmar A. Silva AULA 1 A 4 PARTE 2

Faculdade Cathedral Curso de Direito 6º Semestre Direito Penal IV Prof. Vilmar A. Silva AULA 1 A 4 PARTE 2 Faculdade Cathedral Curso de Direito 6º Semestre Direito Penal IV Prof. Vilmar A. Silva AULA 1 A 4 PARTE 2 Crime qualificado pela provocação de lesão grave ou em razão da idade da vítima Art. 213, 1º Se

Leia mais

Gravidez. Métodos Anticoncepcionais

Gravidez. Métodos Anticoncepcionais Gravidez Métodos Anticoncepcionais Conhecendo o Corpo da Mulher e do Homem Para entendermos como a gravidez acontece, primeiramente precisaremos conhecer o funcionamento de algumas partes do corpo humano:

Leia mais

Professor Fernando Stuchi

Professor Fernando Stuchi REPRODUÇÃO Aulas 2 a 5 1º Bimestre Professor Fernando Stuchi Seres Vivos Segundo a Teoria Celular, todos os seres vivos (animais e vegetais) são constituídos por células (exceção dos vírus que não possuem

Leia mais

Perpetuando a vida - 2

Perpetuando a vida - 2 A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Perpetuando a vida - 2 Atenção - Maria, olhe só o resultado do exame: positivo para gonadotrofina coriônica! Alberto e Maria olharam um para o outro, sem

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009 9ª Aula: Parte Especial: Homicídio, Infanticídio, Participação no Suicídio, Aborto e Lesão Corporal. 1. HOMICIDIO 1. Homicídio simples: Caput pena de 6 a 20 anos de reclusão. É crime hediondo? Não, salvo

Leia mais

SESI AMIGA. Assuntos. Gravidez Menstruação Higiene Doenças Sexualidade

SESI AMIGA. Assuntos. Gravidez Menstruação Higiene Doenças Sexualidade SEXO? Eu prefiro contar para minhas colegas do que para minha mãe ou meu pai. Eu sinto medo de conversar com eles, porque eles não gostam de conversar, não consigo, eles não conversam comigo.. SESI AMIGA

Leia mais

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos SISTEMA GENITAL MASCULINO Testículos - São as gônadas ou glândulas sexuais masculinas. Estes encontram-se alojados numa bolsa de pele, o escroto (saco escrotal); - Na fase embrionária estão dentro da cavidade

Leia mais

Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007)

Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007) Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007) Leusink GL, Oltheten JMT, Brugemann LEM, Belgraver A, Geertman JMA, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

CIÊNCIAS NATURAIS E SAÚDE

CIÊNCIAS NATURAIS E SAÚDE CIÊNCIAS NATURAIS E SAÚDE Ciências biológicas, incluindo: biologia, química, fisiologia, zoologia e genética Ciências médicas, incluindo: medicina, odontologia, enfermagem e farmacologia Esportes Gravidez

Leia mais

PARTE ESPECIAL TÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A VIDA

PARTE ESPECIAL TÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A VIDA Homicídio simples Art 121. Matar alguém: PARTE ESPECIAL TÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A VIDA Pena - reclusão, de seis a vinte anos. Caso de diminuição de pena 1º Se o

Leia mais

Tratamentos convencionais

Tratamentos convencionais CAPÍTULO 17 Tratamentos convencionais A indicação terapêutica baseia-se na história clínica do casal, juntamente com a avaliação da pesquisa básica laboratorial. Levase também em consideração a ansiedade

Leia mais

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE 2.3.1 Introdução a) Crime de perigo os da periclitação da vida e da saúde são denominados como crimes de perigo, cuja consumação se dá com a exposição

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

Eu e a minha sexualidade. 2 de Fevereiro de 2009

Eu e a minha sexualidade. 2 de Fevereiro de 2009 Eu e a minha sexualidade Enf.ª Nádia Gonçalves 2 de Fevereiro de 2009 O QUE É A ADOLESCÊNCIA? É a transição entre a infância e a idade adulta; Etapa essencial da vida que permite ao ser humano conquistar

Leia mais

Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010)

Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010) Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010) Van Asselt KM, Hinloopen RJ, Silvius AM, Van der Linden PJQ, Van Oppen CCAN, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

CARTILHA DA GRÁVIDA 1

CARTILHA DA GRÁVIDA 1 CARTILHA DA GRÁVIDA 1 2 SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 PRIMEIROS SINTOMAS 5 ETAPAS DA GESTAÇÃO 6 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL 8 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO À MÃE 9 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO AO BEBÊ 10 OBJETIVOS

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 10ª 0 ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 10ª 0 ª- DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 10ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 DIREITO PENAL III 2 ABORTO CRIMINOSO Aborto provocado pela gestante ou com seu consentimento Art 124 - Provocar aborto

Leia mais

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas X COD PROTOCOLOS DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA ( ) 21.01 Abscesso e Cisto da Glândula de Bartholin ( ) 21.02 Acompanhamento das Gestantes Vacinadas Inadvertidamente (GVI) com a Vacina Dupla Viral (sarampo

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 15 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Só se constrói uma nação com cidadãos. Só se constrói cidadãos

Leia mais

1. DOS CRIMES CONTRA O SENTIMENTO RELIGIOSO

1. DOS CRIMES CONTRA O SENTIMENTO RELIGIOSO 1. DOS CRIMES CONTRA O SENTIMENTO RELIGIOSO Ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato a ele relativo Art. 208 - Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase.

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase. O que são DSTs? DSTs significa, doenças sexualmente transmissíveis, que são passadas nas relações sexuais com pessoas que estejam com essas doenças. São DSTs, a gonorréia, a sífilis, a clamídia, o herpes

Leia mais

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Nome: Data: / / 1. Os sistemas reprodutores masculino e feminino são diferentes apesar de serem constituídos por estruturas com

Leia mais

Métodos contraceptivos

Métodos contraceptivos Métodos contraceptivos O que são métodos contraceptivos? São processos que permitem evitar uma gravidez não desejada. Todas as pessoas usam o mesmo método contraceptivo? Existem vários métodos contraceptivos.

Leia mais

Unidade 7. Fecundação. Gestação. Parto

Unidade 7. Fecundação. Gestação. Parto Unidade 7 Fecundação Gestação Parto Reprodução Sexual A fecundação resulta na formação de uma nova célula (célula-ovo ou zigoto), que dará origem a um novo indivíduo. A célula deste novo indivíduo contém

Leia mais

Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA

Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA SEXOLOGIA CLÍNICA Rafaela Prado M. Fleury Fisioterapeuta em Urologia, Ginecologia, Obstetrícia e recuperação pós retirada

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

Biologia 1ª Série Resumo - Reprodução Humana

Biologia 1ª Série Resumo - Reprodução Humana Assim como as casas são feitas de tijolos, todos os organismos são formados por pequenas unidades, chamadas células. Extremamente pequenas, cabem centenas de células num pingo de um i Toda a programação

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

Violência Doméstica e Familiar Contra à Mulher

Violência Doméstica e Familiar Contra à Mulher Violência Doméstica e Familiar Contra à Mulher 1 Relações de gênero: são relações de poder que criam desigualdades, subordinações, posições e valores diferenciados para mulheres e homens. Tais relações

Leia mais

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com:

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L 3.1. Diagnóstico da Gravidez O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: Após confirmação da gravidez

Leia mais

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU)

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Material distribuído exclusivamente por profissionais de saúde às pacientes usuárias de SIU, a título de orientação.

Leia mais

1 de 5 18/10/2010 17:48

1 de 5 18/10/2010 17:48 1 de 5 18/10/2010 17:48 Noções sobre o Estupro RODRIGO DA SILVA BARROSO, Advogado. E-MAIL rodrigosbarroso@terra.com.br Noções Basicas e Gerais sobre o Crime de Estupro. Ultimamente estou sendo muito questionado

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida sempre em defesa do aperfeiçoamento das práticas e da observância aos princípios éticos e bioéticos

Leia mais

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica.

Leia mais

Aula 21 e 22 GRAVIDEZ, MÉTODOS CONTRACEPTIVOS E DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

Aula 21 e 22 GRAVIDEZ, MÉTODOS CONTRACEPTIVOS E DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Aula 21 e 22 GRAVIDEZ, MÉTODOS CONTRACEPTIVOS E DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Adolescência: formação escolar e profissional. Asseio íntimo com ducha vaginal depois da relação sexual previne a gravidez?

Leia mais

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil.

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. É legal saber! Gravidez Transar uma única vez, pode engravidar? Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. Minha menstruação na desceu. Estou grávida? Depende. É importante cada mulher

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Prof. André Maia

SISTEMA REPRODUTOR. Prof. André Maia SISTEMA REPRODUTOR Denomina-se reprodução a capacidade que os seres vivos possuem de produzir descendentes. Ocorre a reprodução sexuada no homem, ou seja, para que esta reprodução aconteça é necessário

Leia mais

Sexualidade na adolescência. Escola EB 2,3

Sexualidade na adolescência. Escola EB 2,3 Sexualidade na adolescência Escola EB 2,3 A nossa sexualidade inclui O nosso sexo: feminino e masculino O nosso corpo e o seu funcionamento As relações sexuais A gravidez e a contracepção As nossas orientações

Leia mais

Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual

Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual 645. (CESPE / Promotor de Justiça - MPE - ES / 2010) No ordenamento jurídico brasileiro, apenas o homem pode ser autor do delito de estupro; a mulher pode

Leia mais

Informe Público - Out/2010 Santa Maria / RS. www.labpasteursm.com.br SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO

Informe Público - Out/2010 Santa Maria / RS. www.labpasteursm.com.br SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO O início da vida sexual é um momento marcante na adolescência. São tantas dúvidas, medos preconceitos e mitos, que as vezes ficamos confusos! O exercício da sexualidade exige

Leia mais

Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP).

Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP). Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP). Parte I: Primeiramente abordaremos o cálculo da idade gestacional (IG), que tem o objetivo de estimar o tempo da gravidez

Leia mais

Amenorreia Ausência do fluxo menstrual.

Amenorreia Ausência do fluxo menstrual. AAcne Doença da pele típica da adolescência, caracterizada por uma inflamação crónica das glândulas sebáceas, com formação de espinhas e borbulhas, especialmente no rosto e nas costas. Adolescência ou

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Crime de Aborto e Suas Principais Características Carlos Valfrido Aborto Conceito: Aborto é a interrupção de uma gestação com a conseqüente morte do feto. Do latim ab (privação),

Leia mais

1. Questionamento: 2. Fundamentos:

1. Questionamento: 2. Fundamentos: 1. Questionamento: Preciso saber em qual dispositivo legal se encaixa o seguinte caso: Um senhor induziu um menor, com 12 anos de idade, a praticar ato sexual com animal (ovelha), porém não há indícios

Leia mais

Serviço de Psicologia e Orientação da Escola Secundária de Lagoa

Serviço de Psicologia e Orientação da Escola Secundária de Lagoa Serviço de Psicologia e Orientação da Escola Secundária de Lagoa Contracepção e métodos contraceptivos O que é a contracepção? A contracepção é uma forma de evitar a gravidez, pois interfere nas fases

Leia mais

ENTENDENDO A. A adolescência é a fase da vida onde acontecem as maiores modificações no corpo, nos sentimentos e na forma de perceber as coisas.

ENTENDENDO A. A adolescência é a fase da vida onde acontecem as maiores modificações no corpo, nos sentimentos e na forma de perceber as coisas. ENTENDENDO A ADOLESCÊNCIA A adolescência é a fase da vida onde acontecem as maiores modificações no corpo, nos sentimentos e na forma de perceber as coisas. Ao mesmo tempo, aumentam as responsabilidades

Leia mais

Será que estou grávida?

Será que estou grávida? A UU L AL A Será que estou grávida? - Alzira tá diferente... Tá com a cara redonda, inchada. Está com cara de grávida! - Não sei o que eu tenho. Toda manhã acordo enjoada e vomitando. - A Neide engordou

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA PROGRAMA DE INTERNATO EM GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA - 10º Período Corpo docente: Coordenação Obstetrícia: Glaucio

Leia mais

Reprodução. Revisão: O que é reprodução? Importância de se reproduzir? O que é reprodução sexuada? Etapas da reprodução sexuada:

Reprodução. Revisão: O que é reprodução? Importância de se reproduzir? O que é reprodução sexuada? Etapas da reprodução sexuada: Reprodução Revisão: O que é reprodução? Importância de se reproduzir? O que é reprodução sexuada? Etapas da reprodução sexuada: 1) Introdução O sistema reprodutor humano possui uma série de órgãos e estruturas

Leia mais

PLANEJAMENTO FAMILIAR

PLANEJAMENTO FAMILIAR PLANEJAMENTO FAMILIAR O que é? Qual a importância? A quem interessa? Como fazer? PLANEJAMENTO FAMILIAR (cont.) Fundamentação na legislação Constituição Federal 1988. Título VII Artigo 226 Parágrafo 7 o.

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO. Consa. Claudia Navarro C D Lemos. Junho/ 2011

O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO. Consa. Claudia Navarro C D Lemos. Junho/ 2011 O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO 1.957/2010 Consa. Claudia Navarro C D Lemos Junho/ 2011 Código de Ética Médica (1965) Art. 53: A inseminação artificial heteróloga não é permitida. A homóloga

Leia mais

Perpetuando a vida - 1

Perpetuando a vida - 1 A U A UL LA Perpetuando a vida - 1 Atenção Exercícios Lineu chegou radiante à lanchonete. Finalmente tinha recebido a notícia do médico, a notícia que tanto esperava. Em vez do tradicional suco de laranja,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO 2015

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO 2015 FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO 2015 2-INFORMAÇÕES GERAIS CURSO DE DIREITO 2.1-DISCIPLINA : MEDICINA LEGAL.FUNDAMENTOS MÉDICO- PSICOLÓGICOS DO DIREITO. 2.2-DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS COMPLEMENTARES

Leia mais

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos.

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. PROTOCOLO - OBS - 017 DATA: 10/01/2005 PÁG: 1 / 4 1. CONCEITO - PRENHEZ MÚLTIPLA A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. - GEMELIDADE MONOZIGÓTICA: fecundação de 1 óvulo com 1 espermatozóide, que

Leia mais

-VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO - OBRIGATORIAMENTE NECESSÁRIO PARA CIRURGIA DE VASECTOMIA.

-VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO - OBRIGATORIAMENTE NECESSÁRIO PARA CIRURGIA DE VASECTOMIA. Após Preenchimento entregar: ORIGINAL NA ULP; 01 CÓPIA P/ HOSPITAL; 01 CÓPIA P/ MÉDICO. -VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO - OBRIGATORIAMENTE NECESSÁRIO PARA CIRURGIA DE VASECTOMIA. DECLARAÇÃO DO

Leia mais

DA MULHER Manual prático para viver com saúde os melhores anos da vida

DA MULHER Manual prático para viver com saúde os melhores anos da vida Dr. JOSÉ BENTO Médico ginecologista e obstetra A MELHOR IDADE DA MULHER Manual prático para viver com saúde os melhores anos da vida Sumário Apresentação... 7 Introdução... 11 Capítulo 1 Um corpo de mudanças...

Leia mais

TD DE CIÊNCIAS 8ª. série PROFa. Marjory Tôrres. INTRODUÇÃO À GENÉTICA Os princípios básicos da Hereditariedade

TD DE CIÊNCIAS 8ª. série PROFa. Marjory Tôrres. INTRODUÇÃO À GENÉTICA Os princípios básicos da Hereditariedade TD DE CIÊNCIAS 8ª. série PROFa. Marjory Tôrres INTRODUÇÃO À GENÉTICA Os princípios básicos da Hereditariedade Todas as pessoas são diferentes, cada um é único, apresentam características que são próprias

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II

REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II Métodos Contraceptivos ou Anticoncepcionais 1 Coito Interrompido (Onanismo): Consiste

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Í N D I C E Código Disciplina Página DIR 05-00188 Direito Penal I 2 DIR 05-00361 Direito Penal II 3 DIR 05-00528 Direito Penal III 4 DIR 0-00684 Direito Penal IV 5 DIR 05-07407

Leia mais

Métodos contraceptivos podem ser:

Métodos contraceptivos podem ser: Oqueéacontracepção? É todo o método que vise impedir a fertilização de um óvulo ou impedir a nidificação do embrião. Métodos contraceptivos podem ser: Métodos naturais. Métodos não naturais Métodos mecânicos.

Leia mais

domingo, 3 de novembro de 2013 MÉTODOS

domingo, 3 de novembro de 2013 MÉTODOS MÉTODOS COITO INTERROMPIDO Método onde o homem retira o pênis de dentro do canal vaginal antes de ocorrer a ejaculaçao (ato sexual interrompido) GRANDE RISCO # o homem pode não retirar a tempo da ejaculação.

Leia mais

CRIMES CONTRA A INTEGRIDADE FÍSICA

CRIMES CONTRA A INTEGRIDADE FÍSICA LESÕES CORPORAIS Art. 129. Ofender a integridade corporal ou a saúde de outrem: Pena - detenção, de três meses a um ano. Lesão corporal de natureza grave 1º Se resulta: I - Incapacidade para as ocupações

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2007.

PROJETO DE LEI N o, DE 2007. PROJETO DE LEI N o, DE 2007. (Do Srº Luiz Bassuma) Dá nova redação ao parágrafo único do art. 6º e ao parágrafo único do art. 9º, ambos da Lei nº 9.263/96, que regula o 7º do art. 266 da Constituição Federal.

Leia mais

FAZER EXERCÍCIOS NA GRAVIDEZ PREJUDICA O BEBÊ? QUAIS TIPOS DE EXERCÍCIO SÃO INDICADOS?

FAZER EXERCÍCIOS NA GRAVIDEZ PREJUDICA O BEBÊ? QUAIS TIPOS DE EXERCÍCIO SÃO INDICADOS? A gestação é um período em que a mulher passa por diversas emoções e é natural surgirem dúvidas principalmente quando se trata do primeiro filho. Segundo o Ginecologista e Obstetra do Hospital e Maternidade

Leia mais

Aula 16: Métodos Anticoncepcionais

Aula 16: Métodos Anticoncepcionais Aula 16: Métodos Anticoncepcionais Hormônios sexuais femininos Os dois hormônios ovarianos, o estrogênio e a progesterona, são responsáveis pelo desenvolvimento sexual da mulher e pelo ciclo menstrual.

Leia mais

Nome: Mónica Algares. Ano: 9º Turma: B Nº 17

Nome: Mónica Algares. Ano: 9º Turma: B Nº 17 Nome: Mónica Algares Ano: 9º Turma: B Nº 17 Introdução Pretendo com este trabalho alertar para graves problemas que ao passar do tempo tem vindo a aumentar, as doenças sexualmente transmissíveis. Com a

Leia mais

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher Saúde da Mulher Realizado por: Ana Cristina Pinheiro (Maio de 2007) Saúde da Mulher Uma família equilibrada não pode ser produto do acaso ou da ignorância. O nascimento de uma criança deve ser o resultado

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993 Institui normas para a utilização de técnicas de reprodução assistida. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO

Leia mais