CONDIÇÕES DE OFERTA DO CURSO DE MEDICINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONDIÇÕES DE OFERTA DO CURSO DE MEDICINA"

Transcrição

1 CONDIÇÕES DE OFERTA DO CURSO DE MEDICINA Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte FMJ Portaria Nº 2.864, de 24 de Agosto de 2005

2 DADOS CADASTRAIS INSTITUIÇÃO Nome: Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte Sigla: FMJ Endereço: Tenente Raimundo Rocha SN, Planalto Município: Juazeiro do Norte CEP: UF: CE Telefone: (88) Fax: (88) Home page: Início de Funcionamento: Outubro 2000 ENTIDADE MANTENEDORA Nome: Sociedade de Ensino Superior do Ceará Sigla: SESCE Presidente: Professor João Clemente Baena Soares Endereço: Avenida Dom Luiz, 906. Município: Fortaleza CEP: UF: CE C.G.C.: / Telefone: (85) Fax: (85) Data de Fundação: 08 de abril de 1996 DIRIGENTES E TITULAÇÕES Diretor Geral Ângela Massayo Ginbo-Lima Mestre em Saúde da Criança e do Adolescente 4

3 Coordenação de Curso Coordenadora Geral do Curso Ana Cristina Gomes Duarte Especialista em Nefrologia DO CURSO Curso Medicina Ato Legal Reconhecido pela Portaria nº de 26 de maio de Publicado no DOU em 29 de maio de Conceito MB Habilitação Bacharelado Mensalidade R$ 2.609,39 (Dois mil seiscentos e nove reais e trinta e nove centavos) Integralização No mínimo de doze e no máximo de dezoito semestres letivos. Regime de Matrícula Crédito Semestral Missão Formar médicos com perfil de competência compatível com a atuação em qualquer área da medicina geral, imbuídos de espírito ético e humanístico, com percepção de sua responsabilidade social e da estrutura e funcionamento do sistema de saúde do País. Contribuir para a melhoria da qualificação de recursos humanos na área de saúde, através da oferta de cursos e de atividades de extensão e pósgraduação lato sensu e stricto sensu, contribuindo para o desenvolvimento social, através da integração permanente com a comunidade e o sistema de saúde. 5

4 Concepção Desde a sua criação em 2000, a FMJ vem passando por transformações baseadas em auto-avaliação crítica do currículo, do trabalho docente e do seu processo ensino-aprendizagem, buscando a melhoria contínua do seu desempenho, no que diz respeito à organização do trabalho escolar. O Projeto do Curso tem por princípios: 1. O estímulo à criação cultural e ao desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo; 2. O incentivo ao trabalho de pesquisa e investigação científica, visando ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia, desenvolvendo o entendimento do homem e do meio em que vive; 3. A promoção e a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que constituem o patrimônio da humanidade; 4. A comunicação do saber através do ensino, de publicações ou de outras formas de comunicação; e 5. O estímulo ao conhecimento dos problemas do mundo presente, buscando integração com a população local, conhecendo os problemas e nosologias prevalentes, assim como procura contribuir para a busca de soluções, visando a melhoria e o aprimoramento da qualidade de vida da comunidade na qual o curso está inserido. Para a adoção desses princípios, a FMJ entende que o desenvolvimento da capacidade técnica, humana e política do corpo docente é primordial. Sob a coordenação do Núcleo de Apoio Psicopedagógico, implementa o Programa de Educação Continuada para os Professores, com o intuito de desenvolver nos mesmos o espírito de educadores, imbuídos do espírito da pesquisa e das ações de extensão em sintonia com a capacidade dos alunos. Nessa perspectiva, o currículo foi estruturado dentro dos postulados mais modernos de ensino médico e da avaliação do aprendizado. É voltado para a inserção precoce do aluno nas práticas médicas, fortalecendo-se na integração interdisciplinar. O Currículo do Curso de Medicina da FMJ tem por finalidade, a formação do médico generalista, humanista, crítico e reflexivo. Ou seja, um profissional capaz de atuar, tendo a ética como elemento balizador no processo de saúde-doença de forma integrada, com ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde, com senso de responsabilidade social e compromisso com a cidadania. 6

5 A inserção da disciplina Saúde da Família ao longo de todo o curso contribui para a percepção da abrangência da prática médica pelo aluno, sendo ainda, o eixo integrador entre as várias especialidades nos diversos níveis de atenção. O objetivo da abordagem centrada na Atenção à Família no Cariri, é de contribuir para que a família construa e desenvolva as suas competências para lidar com as respostas aos problemas de saúde atuais e/ou potenciais e a cumprir as suas funções do modo mais saudável. Também corresponde à perspectiva do Ministério da Saúde que coloca a família como objeto de atenção na estratégia de Atenção Primária que é o Programa Saúde da Família (PSF). Nesta perspectiva, o médico é chamado a considerar a dinâmica familiar como um dos principais elementos do processo de conceitualização e contextualização dos cuidados, principalmente na Atenção Primária. Por este motivo, é importante considerar a discussão, elaboração e a produção de conhecimentos durante a formação do profissional de medicina para ancorar e subsidiar as práticas de cuidados e atenção centrada na abordagem da família. Finalidade Ciente da sua responsabilidade social, a FMJ tem por finalidade a transformação social através da geração e difusão do conhecimento, orientando suas ações de acordo com os paradigmas que norteiam o milênio: inovação, antecipação e excelência, utilizando estratégias, processos, controles e avaliações de acordo com os modernos princípios da pedagogia e das organizações de saúde modernas. Antecipa-se, quando oferece com base na análise de cenários futuros e de acordo com as necessidades locais, um curso na área médica, cursos de pósgraduação, atividades de extensão e projetos de pesquisa, que são essenciais para a formação de um novo profissional, capaz de atuar no mercado de trabalho de forma criativa e competente. Busca a excelência do seu processo educacional, através de um projeto pedagógico moderno, com atividades que envolvem parcerias com os serviços de saúde da Região, monitoria, iniciação científica, tutoria, estágio, voluntariado, estudo em biblioteca, pesquisa na Internet, aulas práticas, visitas técnicas, palestras e seminários, colocando em primeiro plano a qualidade dos serviços e, conseqüentemente, a satisfação dos alunos. 7

6 Áreas de Atuação A FMJ direciona suas ações para o ensino, a extensão e a pesquisa, oferecendo ao aluno um leque de projetos e programas complementares a fim de capacitá-lo plenamente para o exercício profissional e da cidadania. Com essa concepção de educação superior, busca a identificação dos problemas socioeconômicos e de saúde que afligem o País, a Região Nordeste, o Ceará e o Cariri. Isso conduz à formação de pessoas conscientes da realidade da região em que irão atuar. Nesse sentido, a FMJ atua nas áreas de Educação e Saúde, nos níveis de extensão, graduação e pós-graduação. Objetivos Objetivo Geral Formar médico generalista, humanista, crítico e reflexivo, sendo capaz de atuar, tendo a ética como principal elemento balizador, no processo de saúde-doença, conciliando as necessidades do cliente/pacientes, assim como da comunidade em que irá atuar como agente de transformação. Objetivos Específicos I. Formar médicos com excelência profissional, em consonância com a missão da instituição. II. Incentivar e apoiar a pesquisa e a produção acadêmica na Região do Cariri e seu diálogo com a comunidade acadêmica nacional e internacional. III. Realizar e incentivar projetos de extensão criativos, estimulando vocações e organizando programas particularmente vinculados às necessidades locais e regionais. IV. Estender o ensino à comunidade, mediante cursos e serviços especiais, em colaboração constante para a solução de seus problemas, com vistas ao cumprimento de sua responsabilidade social. V. Oferecer condições para a especialização e o aperfeiçoamento do corpos docente, discente, técnico-administrativo e profissionais de saúde da Região. VI. Estimular a participação dos docentes e discentes em projetos e programas instituídos pela FMJ. VII. Cooperar com a comunidade local, regional e nacional, como organismo de diagnóstico, consultoria, assessoria e prestação de serviços a instituições de 8

7 direito público ou privado, em matérias vinculadas aos seus fins e às suas atividades. VIII. Realizar convênios de cooperação técnica com vistas à realização de atividades de ensino, pesquisa e extensão na área da saúde. Competências e Habilidades A Faculdade deve conferir as competências e habilidades necessárias à atuação do graduado em qualquer uma das vertentes que ele queira seguir: assistencial, acadêmica ou de pesquisa. As competências e habilidades do médico a ser formado na FMJ implicam em conhecer os conceitos e métodos de epidemiologia descritiva e de vigilância epidemiológica, noções de programação em saúde local e de gestão de serviços que lhe permitirão estabelecer o equilíbrio desejado entre os recursos financeiros disponíveis e a necessidade de sua utilização. Para o enfrentamento das demais vertentes o aluno deverá ter grande embasamento científico, o desenvolvimento de compaixão (solidariedade) pelo doente, o respeito na relação médico/paciente, a cooperação com os outros profissionais de saúde e a atuação nos aspectos éticos, sociais, econômicos, ecológicos e de comportamento em geral, ligados à Medicina. Perfil do Egresso O médico formado na FMJ deverá ter formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, levando-se em consideração a singularidade e a subjetividade da população a ser atendida. Deve estar capacitado a atuar, pautado em princípios éticos, no processo saúde-doença em seus diferentes níveis de atenção, com ênfase na atenção primária e secundária, com ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde, na perspectiva da integralidade da assistência, com senso de responsabilidade social e compromisso com a cidadania, como promotor da saúde integral do ser humano (Resolução CNE/CES nº4 de 7 de novembro de 2001). Estrutura Organizacional A FMJ apresenta uma estrutura organizacional desenhada para o alcance dos seus objetivos. Além da estrutura operacional propriamente dita, conta com órgãos deliberativos que dão suporte às decisões de natureza acadêmica e administrativa. 9

8 Órgãos Normativos, Consultivos, Deliberativos e de Supervisão: NOME DATA DA INSTITUIÇÃO Conselho Superior de Administração - CONSAD 17/10/2000 Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão - CONSEPE Colegiado de Curso 17/10/ /02/2001 Órgãos Executivos NOME DATA DA INSTITUIÇÃO Direção Geral 10/10/2000 Secretaria Geral 18/10/2000 Assessoria Administrativo-Financeira 25/10/2000 Coordenação do Curso 10/10/2001 Órgãos de Apoio Acadêmico NOME DATA DA INSTITUIÇÃO NOME DATA DA INSTITUIÇÃO Gerência da Tecnologia da Informação GTI 23/02/2001 Comitê de Ética em Pesquisa* 29/07/2001 Núcleo de Pós-Graduação, Pesquisa - NUPPE 13/01/2004 Núcleo de Extensão NEX Núcleo de Apoio Psicopedagógico NAP 11/08/2004 Núcleo de Assuntos Educacionais NAE 11/08/2004 Laboratórios Técnicos Auxiliares de Laboratório A partir de outubro 2000 * O Comitê de Ética em Pesquisa está registrado na Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP) 10

9 Currículo A Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte tem como proposta curricular corroborar as recomendações das Diretrizes Nacionais para o ensino médico do Conselho Nacional de Educação/Ministério da Educação. Tem como foco o ensino centrado na formação dos alunos, inserindo-o desde cedo no seu futuro campo de trabalho, permitindo-lhe o reconhecimento precoce da realidade da população na qual realiza seu trabalho, o modelo de vigilância à saúde vigente no País e o Programa Saúde da Família como estratégia governamental de organização da atenção primária à saúde. Considera como prioridades educacionais a preocupação com o custobenefício do processo de diagnóstico e tratamento, a promoção da saúde e a prevenção e reabilitação das doenças. Considera ainda que o currículo do curso deve levar em consideração o atendimento às demandas atuais e futuras do mundo do trabalho, dando atenção às competências essenciais do profissional do campo da Medicina, sem esquecer, contudo, aspectos mais genéricos de formação humanista, filosófica, ética, política, legal e social. Matriz Curricular 1º Período Disciplina Código Tipo Créditos T P C Total Pré-Req BIOMORFOLOGIA I BM1 MÍNIMA BIOFISIOLOGIA I BF1 MÍNIMA ECOLOGIA S023 MÍNIMA PSICOPEDAGOGIA DO APRENDIZADO HS004 MÍNIMA SAÚDE DA FAMÍLIA I S056 MÍNIMA º Período Disciplina Código Tipo Créditos T P C Total Pré-Req BIOMORFOLOGIA II BM2 MÍNIMA BM1 BIOFISIOLOGIA II S004 MÍNIMA BF1 MICROBIOLOGIA S048 MÍNIMA PARASITOLOGIA S051 MÍNIMA SAÚDE DA FAMÍLIA II S057 MÍNIMA INFORMÁTICA MÉDICA INF1 ELETIVA º Período Disciplina Código Tipo Créditos T P C Total Pré-Req IMUNOLOGIA S034 MÍNIMA EPIDEMIOLOGIA S026 MÍNIMA

10 ANATOMIA PATOLÓGICA AP1 MÍNIMA BM2 FISIOPATOLOGIA FP1 MÍNIMA S004 SAÚDE DA FAMÍLIA III S058 MÍNIMA º Período Disciplina Código Tipo Créditos T P C Total Pré-Req MEDICINA LEGAL S047 MÍNIMA AP1 e FP1 METODOLOGIA DA PESQUISA HS003 MÍNIMA BIOESTATÍSTICA S002 MÍNIMA FARMACOLOGIA S028 MÍNIMA S004 ÉTICA MÉDICA S027 MÍNIMA SAÚDE DA FAMÍLIA IV S059 MÍNIMA SEMIOLOGIA SEM1 MÍNIMA S004 e BM2 5º Período Disciplina Código Tipo Créditos T P C Total Pré-Req CLÍNICA MÉDICA I S016 MÍNIMA SEM1 e FP1 e S028 CLÍNICA CIRÚRGICA I S013 MÍNIMA SEM1 e FP1 MEDICINA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE I S041 MÍNIMA SEM1 e FP1 SAÚDE DA FAMÍLIA V S060 MÍNIMA S056 e S057 e S058 e S059 IMAGENOLOGIA S033 MÍNIMA SEM1 e FP1 INGLÊS MÉDICO ING1 ELETIVA LIBRAS OPT01 ELETIVA TELEMEDICINA TM1 ELETIVA º Período Disciplina Código Tipo Créditos T P C Total Pré-Req CLÍNICA MÉDICA II S017 MÍNIMA SEM1 e FP1 e S028 CLÍNICA CIRÚRGICA II S014 MÍNIMA S013 MEDICINA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE II S042 MÍNIMA S041 SAÚDE DA FAMÍLIA IV S061 MÍNIMA S056 e S057 e S058 e S059 GENÉTICA MÉDICA GM1 MÍNIMA SEM1 e FP1 7º Período Disciplina Código Tipo Créditos T P C Total Pré-Req CLÍNICA MÉDICA III CM3 MÍNIMA SEM1 e FP1 e S028 CLÍNICA CIRÚRGICA III S015 MÍNIMA S013 CIRURGIA AMBULATORIAL S008 MÍNIMA S013 SAÚDE DA FAMÍLIA VII S062 MÍNIMA S056 e S057 e S058 e S059 SAÚDE DA MULHER S064 MÍNIMA SEM1 e FP1 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC MÍNIMA S002 e HS003 e S026 8º Período Disciplina Código Tipo Créditos T P C Total Pré-Req GESTÃO EM SAÚDE GS1 MÍNIMA SAÚDE MENTAL SM1 MÍNIMA SEM1 e FP1 NEUROLOGIA NEU1 MÍNIMA SEM1 e FP1 DERMATOLOGIA S021 MÍNIMA SEM1 e FP1 e S034 SAÚDE DA FAMÍLIA VIII S063 MÍNIMA S056 e S057 e S058 e S059 e S060 e S061 e S062 12

11 GERONTOLOGIA S031 MÍNIMA SEM1 e FP1 DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS S022 MÍNIMA SEM1 e FP1 e S048 e S051 e S034 Carga Horária de Atividades Complementares: Carga Horária de Estágio: º ou 9º ou 10º ou 11º ou 12º Período Disciplina Código Tipo Créditos T P C Total INTERNATO MEDICINA INTERNA INT_MI MÍNIMA INTERNATO CLÍNICA CIRÚRGICA INT_CC MÍNIMA INTERNATO PEDIATRIA INT_PED MÍNIMA INTERNATO TOCO-GINECOLOGIA INT_TG MÍNIMA INTERNATO MEDICINA COMUNITÁRIA INT_MC MÍNIMA Pré-Req Internato A metodologia de ensino corresponde a treinamento-em-serviço, sob supervisão, complementada por sessões do Programa de Educação Continuada do corpo clínico dos hospitais e unidades de saúde e/ou atividades didáticas especialmente destinadas aos alunos, tais como: sessões clínicas, anátomo-clínicas e clínico-radiológicas, clube de revista, sessões de revisão e atualização de temas, etc. Trata-se de treinamento contínuo, onde os alunos exercem atividades de rotina nos turnos da manhã e tarde, podendo realizar plantões no turno da noite, feriados e finais de semana, em regime de escalas, de acordo com as características e necessidades da área em que atua. O treinamento em urgências e emergências é contemplado ao longo de cada área. O aluno deverá desenvolver um Trabalho de Conclusão do Curso (TCC), que pode ser uma monografia, um artigo científico, produção de material educativo,etc., em uma das áreas do estágio. A avaliação dos alunos no internato incide sobre a freqüência e o aproveitamento (avaliação de habilidades e de conhecimento cognitivo, e de desempenho). É exigida uma freqüência mínima de 95% em todas as atividades programadas para o internato. É considerado aprovado o aluno que obtiver média final igual ou superior a sete e freqüência mínima de 95% por área de internato. Currículo Pleno Total geral do curso: 9.040h/aulas 13

12 Corpo Docente NOME DO DOCENTE MAIOR TITULAÇÃO RESIDÊNCIA C/H REGIME DE TRABALHO ADRIANA FERREIRA DE CARVALHO ALDA LÚCIA AFONSO FERREIRA SILTON NEONATOLOGIA PEDIATRIA 26 PEDIATRIA 12 ALEXANDRE JOSÉ STAUDINGER DA CIRURGIA GERAL; 26 SILVA CIRURGIA GERAL; UROLOGIA UROLOGIA ALOÍSIO ANTONIO GOMES MATOS 36 INTEGRAL BRASIL SAÚDE DA FAMÍLIA E CLÍNICA MÉDICA ANA CRISTINA GOMES DUARTE ANA FLÁVIA BARROSO DE MORAES BACALHAU ANAIR HOLANDA CAVALCANTE ESPECIALISTA NEFROLOGIA ESPECIALISTA PEDIATRIA MESTRE SAÚDE PÚBLICA NEFROLOGIA 04 PEDIATRIA 24 INTEGRAL 20 ANASTÁCIA MATIAS DE LUCENA GINECOLOGIA- 26 MEDICINA FETAL OBSTETRA ANDERSON PONTES ARRUDA MESTRE EM CIÊNCIAS 40 FISIOLÓGICAS ANDRÉ ALENCAR SULIANO DOUTOR EM SAÚDE 24 COLETIVA ANDRESA CARVALHO NOBRE ANDREZA DA CONCEIÇÃO SANTANA OLIVEIRA ÂNGELA MASSAYO GINBO-LIMA ANTONIA ERISMAR G. DE ARAÚJO ANTÔNIO BENITO CARNEIRO ANTONIO HELSON VIANA DE BRITO ANTÔNIO JOSÉ ESMERALDO CARDIOLOGIA - ECOCARDIOGRAFIA PEDIATRIA MESTRE EM SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PEDIATRIA MESTRE EM FARMACOLOGIA CIRURGIA GERAL MESTRE EM EDUCAÇÃO ORGANIZACIONAL CLÍNICA MÉDICA 16 PEDIATRIA INTEGRAL PEDIATRIA INTEGRAL CIRURGIA GERAL 14 8 HORISTA ANTONIO OTÁVIO LEITE FERNADES ESPECIALISTA CIRURGIA; 34 CIRURGIA; UROLOGIA UROLOGIA ANTONIO WISDAMY PINTO SARAIVA CIRURGIA GERAL; 24 CIRURGIA GERAL; CARDIOVASCULAR 14

13 CARDIOVASCULAR ASTRIDE ARMIDA DE FREITAS ESPECIALISTA CLÍNICA CLÍNICA MÉDICA/ 32 INTEGRAL MÉDICA/ PATOLOGIA PATOLOGIA CLÍNICA CLÍNICA BERNARDO PINHEIRO CARDOSO DE BRITO GONÇALVES CARLOS KENNEDY TAVARES LIMA CÍCERO DO JUAZEIRO JOB MACIEL CÍCERO FRANCISCO BEZERRA FELIPE CÍCERO ROBÉRIO ARAÚJO MOTTA CLÁUDIO GLEIDISTON LIMA DA SILVA ENDOCRINOLOGA E DIABETES ESPECIALISTA NEUROCIRURGIA NEUROLOGIA MESTRE EM FARMACOLOGIA MESTRE EM CLÍNICA MÉDICA MESTRE EM PATOLOGIA CLINICA MÉDICA 20 HORISTA NEUROCIRURGIA HORISTA 30 CLÍNICA MÉDICA 24 PATOLOGIA 40 TI INTEGRAL CLÓVIS COLARES DE CASTRO FILHO MEDICINA DE 20 MEDICINA DE FAMÍLIA E FAMÍLIA E COMUNIDADE COMUNIDADE CONCEIÇÃO MARIA SANTOS CORREIRA SOUZA PEDIATRIA E SAÚDE COLETIVA PEDIATRIA 30 INTEGRAL DAVID NEGRÃO GRANGEIRO MESTRE PEDIATRIA CIRURGIA PEDIÁTRICA 20 DJAILSON RICARDO MALHEIRO EDGLÊ PEDRO DE SOUSA FILHO GEOGRAFIA E MEIO AMBIENTE UROLOGIA 16 UROLOGIA 20 EDVAL ALBUQUERQUE GOUVEIA ANESTEDIOLOGIA 04 ANESTESIOLOGIA HORISTA ELIZABETE BERNARDO DE OLIVEIRA CLINICA MÉDICA 36 CLÍNICA MÉDICA INTEGRAL EPONINA RÉGIA DE SÁ BARRETO COUTINHO MESTRE EM NUTRIÇÃO 20 ERLANE MARQUES RIBEIRO MESTRE EM PEDIATRIA PEDIATRIA 28 EXPEDITO ARAÚJO SANTANA RADIOLOGIA 18 RADIOLOGIA FLÁVIO CÉSAR BRITO NUNES MESTRE EM 12 ENGENHARIA ELÉTRICA FRANCISCA ADILFA OLIVEIRA GARCIA MESTRE EM FARMACOLOGIA 08 HORISTA FRANCISCA DE CÁSSIA FERNANDES MESTRE EM SAÚDE DA OBSTETRÍCIA E 30 CRIANÇA E DO GINECOLOGIA 15

14 FRANCISCA MARIA DE OLIVEIRA ANDRADE ADOLESCENTE MESTRE EM SAÚDE PÚBLICA PEDIATRIA 8 HORISTA FRANCISCO AILTON ESMERALDO FILHO GINECOLOGIA E 20 GINECOLOGIA E OBSTRETÍCIA OBSTRETÍCIA FRANCISCO ANTONIO VIEIRA DOS SANTOS SAÚDE COLETIVA 08 HORISTA FRANCISCO COUTO BEM GINECOLOGIA E 20 GINECOLOGIA E OBSTRETÍCIA OBSTRETÍCIA FRANCISCO DANÚBIO ALVES PINTO CIRURGIA GERAL 06 CIRURGIA DA CABEÇA HORISTA E DO PESCOÇO FRANCISCO GILBERTO PINHEIRO CIRURGIA GERAL 28 CIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO FRANCISCO JOSÉ SALES DE SIQUEIRA CIRURGIA GERAL 12 MEDICINA LEGAL FRANCISCO PAULINO DE BRITO FILHO CLÍNICA MÉDICA 10 CARDIOLOGIA HORISTA FRANCISCO SORMANI DE LUCENA CLÍNICA MÉDICA 36 NEFROLOGIA INTEGRAL FRANKLIN HERBERT AGUIAR MARTINS CIRURGIA GERAL 40 CIRURGIA GERAL INTEGRAL GABRIEL D'ANNUZIO DOS SANTOS T. PEDIATRIA 20 NEVES SAÚDE DA FAMÍLIA GEAMBERG EINSTEIN CRUZ MACEDO CIRURGIA GERAL E 08 HORISTA CIRURGIA GERAL E CIRURGIA DE CIRURGIA DE CABEÇA CABEÇA E PESCOÇO E PESCOÇO GENI BALABAN GRANGEIRO DOUTORA EM PEDIATRIA 32 NUTRIÇÃO GEORGE WALLACE F. DE BARROS PEDIATRIA 20 PEDIATRIA GEOVÂNIA MARIA DE SANTANA CLÍNICA MÉDICA 16 FERREIRA CARDIOLOGIA HORISTA GIOVANY MICHELY PINTO DA CRUZ MESTRE EM CIÊNCIAS 40 FISIOLÓGICAS INTEGRAL GLAUCE SOCORRO BARROS VIANA DOUTORA EM 30 FARMACOLOGIA GLAUCIA VALÉRIA RESENDE BRITO ESPECIALISTA GINECOLOGIA E 20 GINECOLOGIA E OBSTRETÍCIA OBSTRETÍCIA HELLEN LÚCIA CRUZ CALDAS MESTRE EM SAÚDE DA 40 CRIANÇA E DO INTEGRAL 16

15 ADOLESCENTE HERBERT LIMA MENDES CARDIOLOIGA 36 CLÍNICA MÉDICA CARDIOLOGIA IRI SANDRO PAMPOLHA LIMA MESTRE EM 40 FARMACOLOGIA INTEGRAL ÍTALO NEY BEZERRA PAULINO GESTÃO DE SISTEMA LOCAIS DE SAÚDE 04 HORISTA JACIARA BEZERRA MARQUES MEDICINA DE 40 GERONTOLOGIA E FAMÍLIA E INTEGRAL SAÚDE COLETIVA COMUNIDADE JÁCIO BERARDO SAMPAIO MESTRE EM SAÚDE DA 16 CRIANÇA E DO ADOLESCENTE JOÃO ANANIAS MACHADO FILHO MESTRE EM SAÚDE DA NEUROLOGIA 30 CRIANÇA E DO ADOLESCENTE JOÃO BOSCO SOARES SAMPAIO CIRURGIA GERAL 12 CIRURGIA GERAL JOAQUIM JOSIAS DE CARVALHO JÚNIOR OTORRINOLARINGOL 08 OTORRINOLARINGOLO OGIA HORISTA GIA JOEL BOECHAT DE MORAIS JÚNIOR PATOLOGIA 20 PATOLOGIA HORISTA JOHNNY EMERSON LIMA RIBEIRO OBSTETRÍCIA E 18 OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA GINECOLOGIA JORGE ANDRÉ CARTAXO PEIXOTO MESTRE EM SAÚDE DA CLINICA MÉDICA 24 CRIANÇA E DO ADOLESCENTE JORGE LUIZ COELHO LEITE ORTOPEDIA E 08 ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA TRAUMATOLOGIA HORISTA JOSÉ AÉCIO ARAÚJO SANTANA 08 RADIOLOGIA HORISTA JOSÉ EVANDRO SANTOS DE SOUSA DERMATOLOGIA 16 DERMATOLOGIA JOSÉ FERREIRA LIMA JÚNIOR MESTRE EM ODONTOLOGIA PREVENTIVA E SOCIAL 08 HORISTA JOSÉ MAURÍCIO PEREIRA LOPES INFECTOLOGIA 32 INFECTOLOGIA JOSÉ PÉRICLES MAGALHÃES MESTRE EM CLÍNICA 08 VASCONCELOS MÉDICA HORISTA JOSIAS MARTINS VALE ANÁLISES CLÍNICA 12 PATOLOGIA 17

16 JÚLIO CÉSAR FERREIRA DA SILVA MESTRE EM 20 PATOLOGIA KELSILENE FARIAS DE LUCENA ESPECIALISTA PEDIATRIA 28 ECOCARDIOGRAFIA INTEGRAL PEDIÁTRICA LEONARDO BESERRA LANDIM ESPECIALISTA ANESTESIOLOGIA 24 ANESTESIOLOGIA LILIANNY MEDEIROS PEREIRA PEDIATRIA 24 PEDIATRIA LISIENE SIEBRA DE DEUS ALBUQUERQUE MESTRE EM 08 DESENVOLVIMENTO REGIONAL HORISTA LÚCIA CRISTIANE DE ARAÚJO LAPA 08 CLÍNICA MÉDICA E CARDIOLOGIA LUCIANA BARRETO SILVEIRA DE SOUZA MESTRE EM BIOLOGIA 12 DE FUNGOS LUIS LUCIANO NETO CIRURGIA GERAL 06 CIRURGIA GERAL HORISTA LUIZ CARLOS ALBUQUERQUE PINTO MESTRE EM 24 MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA MARCELO CRUZ OLIVEIRA 28 CARDIOLOGIA MARCELO GURGEL CARLOS DA SILVA DOUTOR EM SAÚDE 10 PÚBLICA MACIAL MORENO MOREIRA PSIQUIATRIA PSIQUIATRIA 08 HORISTA MÁRCIO ALVES LANDIM CARDIOLOGIA 08 CARDIOLOGIA CLÍNICA CLÍNICA HORISTA MÁRCIO FERNANDO GONÇALVES ANGIOLOGIA; 24 ARAÚJO ANGIOLOGIA E CIRURGIA CIRURGIA VASCULAR VASCULAR MARCO ANTONIO BEZERRA RULIM CIRURGIA GERAL 08 CIRURGIA GERAL HORISTA MARCOS ANTONIO DE O. MARTINS CIRURGIA GERAL 06 CIRURGIA GERAL HORISTA MARCOS ANTONIO XAVIER DE ALENCAR 2 0 REUMATOLOGIA MARGARET MAIA DE SOARES MESSAGI ESPECIALISTA E 12 ARRAIS GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA MARIA APARECIDA GUEDES BEZERRA 08 HORISTA MARIA APARECIDA TIBÚRCIO MESTRE EM SAÚDE DA GINECOLOGIA E 16 CRIANÇA E DO OBSTRETÍCIA ADOLESCENTE 18

17 MARIA AUXILIADORA NEVES PINHEIRO 08 DERMATOLOGIA HORISTA MARIA DA GRAÇA FARIAS BRASIL MESTRE EM 20 DESENVOLVIMENTO REGIONAL MARIA DAS GRAÇAS NASCIMENTO SILVA MESTRADO EM PEDIATRIA 40 PEDIATRIA INTEGRAL MARIA DENISE FERNANDES CARVALHO MESTRE EM CIÊNCIAS 10 FISIOLÓGICAS HORISTA MARIA DO CARMO PAGAN FORTI MESTRE EM CIÊNCIAS 20 DA RELIGIÃO MARIA DO CÉO FILGUEIRAS MENEZES 28 MEDICINA DA FAMÍLIA E COMUNIDADE MARIA DO SOCORRO SAMPAIO B. DOS ESPECIALISTA 20 SANTOS CIRURGIA PEDIÁTRICA MARIA ELIZABETH PEREIRA NOBRE MESTRE EM CIÊNCIAS 40 BIOLÓGICAS INTEGRAL MARIA LEOMAR MACEDO ESPECIALIZAÇÃO EM 12 SAÚDE DA FAMÍLIA HORISTA MARIA VALÉRIA LEIMIG TELLES MESTRE EM SAÚDE DA 40 CRIANÇA E DO INTEGRAL ADOLESCENTE MAURÍCIO DE MIRANDA MOREIRA ORTOPEDIA E 08 ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA TRAUMATOLOGIA HORISTA MOACIR PEREIRA LEITE NETO NEUROLOGIA NEUROLOGIA 10 HORISTA NAÉSIO COSTA PEREIRA CIRURGIA GERAL 30 CIRURGIA GERAL NILENE CLEMENTE BARROS ALVES DE MESTRE EM SAÚDE DA GINECOLOGIA E 26 OLIVEIRA CRIANÇA E DO OBSTRETÍCIA ADOLESCENTE NILO JOBSON DE MORAIS MARTINS PEDIATRIA 28 PEDIATRIA NILTON SILVA SANTOS ESPECIALIZAÇÃO EM 08 FISICA MÉDICA HORISTA PEDRO JORGE PINHO MALZONI 08 PSIQUIATRIA RAIMUNDO NASCIMENTO NETO CIRURGIA GERAL 20 CIRURGIA GERAL RÉGIS SANTANA FIGUEIREDO MESTRE EM OFTALMOLOGIA 20 FARMACOLOGIA CLÍNICA RICARDO SOUTO QUIDUTE CIRURGIA GERAL 08 MASTOLOGIA E HORISTA 19

18 CIRURGIA GERAL ROBERTINA PINHEIRO ROBERTO CLÍNICA MÉDICA 40 BARROS PENUMOLOGIA INTEGRAL ROGÉRIO SAMPAIO DE OLIVEIRA MEDICINA GERAL E 40 MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE INTEGRAL COMUNIDADE SAMIRA AZEVEDO MESTRE EM FITOPATOLOGIA 14 SAMYA ARAÚJO NEVES DOUTORA EM 20 BIOQUÍMICA SÉRGIO ARAÚJO CIRURGIA GERAL E 40 CIRURGIA GERAL E DO DO APARELHO APARELHO DIGESTIVO DIGESTIVO INTEGRAL SHEILA ULISSES PAIVA MESTRE EM SAÚDE DA OBSTETRÍCIA E 16 CRIANÇA E DO GINECOLOGIA ADOLESCENTE THALES ANÍBAL LEITE BARROS AGOSTINHO CLÍNICA MÉDICA CLÍNICA MÉDICA 20 HORISTA TÚLIO JOSÉ TEIXEIRA GOMES OBSTETRÍCIA E 40 OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA GINECOLOGIA VALTER MENEZES BARBOSA FILHO MESTRE EM CIÊNCIAS FISIOLÓGICA 08 HORISTA VIRNA TELES SOARES NEONATOLOGIA 30 NEONATOLOGIA VITOR LUNA DE SAMPAIO MESTRE EM CIRURGIA OFTALMOLOGIA 16 HORISTA VIVIAN SAMPAIO MADEIRO 20 CLÍNICA MÉDICA WELLIGTON ALVES DE SOUZA 14 PSIQUIATRIA WILMA JOSÉ SANTANA DOUTORA EM 40 MICROBIOLOGIA YANA PAULA SAMPAIO MEDICINA GERAL E 40 TI MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE INTEGRAL COMUNIDADE ZULEIDE FERNANDES DE QUEIROZ DOUTOR EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA 20 Critérios de Avaliação A avaliação do desempenho escolar é feita por disciplina, incidindo sobre a freqüência e o aproveitamento. Em cada disciplina, a média dos trabalhos escolares realizados durante o semestre, forma a média de aproveitamento no semestre. 20

19 Independentemente dos demais resultados obtidos, é considerado reprovado na disciplina o aluno que não obtenha freqüência de no mínimo, 75% (setenta e cinco por cento) das aulas e demais atividades programadas. O aluno é avaliado oficialmente nas disciplinas, nas etapas: a) PR1 Primeira prova parcial que vale de 0,0 (zero) a 10,0 (dez) pontos, inclusive centésimos. b) PR2 Segunda prova parcial que vale de 0,0 (zero) a 10,0 (dez) pontos, inclusive centésimos. c) Prova Final Avaliação para o aluno que não foi aprovado por média aritmética nas provas parciais, independente da média entre PR1 e PR2 o aluno deverá acertar 50% (cinqüenta por cento) das questões. Vale de 0,0 (zero) a 10,0 (dez) pontos, inclusive centésimos e não poderá ser inferior a 5,00 (cinco). Fica aprovado nas disciplinas o aluno que: a) Obtiver freqüência igual ou superior a 75 % das aulas ministradas nas disciplinas do 1º ao 8º semestre; b) Obtiver média aritmética na disciplina entre PR1 e PR2 igual ou maior que 7,0 ou c) Obtiver Grau Final na disciplina igual ou maior que 5,0. Fica aprovado no internato, o aluno que obtiver média final igual ou superior a sete e freqüência mínima de 95% por área do internato. Biblioteca A Biblioteca da FMJ teve início em outubro de 2000, e sua organização está fundamentada no papel que a biblioteca exerce enquanto parte intrínseca do complexo educacional. Tem como objetivo maior disponibilizar a informação nos mais diferentes suportes para as atividades de ensino, pesquisa e extensão, contribuindo na formação dos corpos docentes e discentes. Nesse sentido segue as modernas tendências do campo biblioteconômico, que preconiza ir além da formação de um acervo de qualidade, promovendo acesso à informação, onde quer que ela esteja. Disponibiliza informação nos mais diversos suportes e formatos. Descrição do acervo impresso por áreas do conhecimento Obras em formato digital/eletrônico por área do conhecimento 21

20 ACERVO DIGITAL E ELETRONICO ACERVO DIGITAL / ELETRÔNICO ÁREAS (CNPQ) QUANTIDADE DE ITENS DE ACORDO COM A MODALIDADE LIVROS PERIÓDICOS MATERIAL ÁUDIO VISUAL Títulos Volumes BASES DE DADOS PROGRAMA DE COMUTAÇÃO BIBLIOGRÁFICA Acesso à Bases de Dados Informatizadas e Programas de Comutação 22

21 CIÊNCIAS CIÊNCIAS AGRÁRIAS AGRÁRIAS CIÊNCIAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS BIOLÓGICAS CIÊNCIAS DA SAÚDE CIÊNCIAS DA CIÊNCIAS EXATAS E DA SAÚDE TERRA CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA Ciência e Tecnologia de Alimentos Biologia; Genética; Zoologia; 1 Biofísica; Parasitologia; 5 Imunologia; Microbiologia Fisioterapia; Educação Física; Fonoaudiologia;Odontologia; Medicina; Estatística; Matemática; Física; Química; Geologia; Oceonografia; CIÊNCIAS HUMANAS CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS ENGENHARIA/ TECNOLOGIA LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES MULTIDISCIPLINAR Bibliográfica Além do seu acervo local, oferece acesso a bases de dados e programas de comutação bibliográfica na área médica. 23

22 CIÊNCIAS HUMANAS CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS ENGENHARIA/ TECNOLOGIA LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES CIÊNCIAS AGRÁRIAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CIÊNCIAS DA SAÚDE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CIÊNCIAS HUMANAS CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS ENGENHARIA/ TECNOLOGIA LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES Artes Cênicas; Artes Visuais; Direito; Filosofia; Geografia; História; Pedagogia; Música; Administração; Ciências Sociais; Ciências da Informação; Comunicação Social; Hotelaria; Serviço Social; Turismo Arquitetura e Urbanismo; Computação e Informatica; Design; Engenharias e Meteorologia Linguística; Língua Portuguesa; Artes; Fotografia; Ciência e Tecnologia de Alimentos Biologia; Genética; Zoologia; Biofísica; Parasitologia; Imunologia; Microbiologia Fisioterapia; Educação Física; Fonoaudiologia;Odontologia; Medicina; Estatística; Matemática; Física; Química; Geologia; Oceonografia; Artes Cênicas; Artes Visuais; Direito; Filosofia; Geografia; História; Pedagogia; Música; Administração; Ciências Sociais; Ciências da Informação; Comunicação Social; Hotelaria; Serviço Social; Turismo Arquitetura e Urbanismo; Computação e Informatica; Design; Engenharias e Meteorologia Linguística; Língua Portuguesa; Artes; Fotografia; Bases de Dados Portal da Pesquisa: Infotrac OneFile: Possui mais de periódicos internacionais com artigos na integra e cerca de títulos indexados. Ao todo, oferece por volta de de artigos científicos, provenientes das mais diversas áreas de conhecimento, como humanas, exatas, tecnológicas, biomédicas, agroveterinárias e ciência da terra. Ovid, 77 Lippincott (Convênio CAPES e IES): Coleção com 77 periódicos da Editora Lippincott, especializada em várias áreas da Medicina. Oferece o texto completo dos artigos. EBSCO HOST Biomedical Reference Colltection: Comprehensive: Fornece aproximadamente 900 revistas científicas com texto completo, incluindo quase 850 publicações 24

Adriana Ferreira de Carvalho Preceptoria de Pediatria Especialista Pediatria

Adriana Ferreira de Carvalho Preceptoria de Pediatria Especialista Pediatria Adriana Ferreira de Carvalho Especialista Pediatria Alda Lucia Afonso Ferreira Silton Especialista Pediatria Aloísio Antonio Gomes de Matos Brasil Clinica Médica Preceptoria de Clinica Médica Especialista

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA Aprovado no CONGRAD: 14..06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 48 CURSO DE MEDICINA EIXOS TRANSVERSAIS E ÁREAS DO CONHECIMENTO DO CURRÍCULO PLENO ACADÊMI COS I FUNDAMENTOS CONCEITUAIS DO CURSO

Leia mais

V CONGRESSO CIENTÍFICO E ÉTICO DO CREMEC SECCIONAL DO CARIRI 12, 13 e 14 de agosto de 2010 JUAZEIRO DO NORTE/CEARÁ

V CONGRESSO CIENTÍFICO E ÉTICO DO CREMEC SECCIONAL DO CARIRI 12, 13 e 14 de agosto de 2010 JUAZEIRO DO NORTE/CEARÁ V CONGRESSO CIENTÍFICO E ÉTICO DO CREMEC SECCIONAL DO CARIRI 12, 13 e 14 de agosto de 2010 JUAZEIRO DO NORTE/CEARÁ 12 DE AGOSTO DE 2010- QUINTA FEIRA 10h 12h - Mesa-Redonda: CICLO DE VIDA SAÚDE DO IDOSO

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº /2010 Altera a estrutura curricular do Curso de Graduação em Medicina, do Centro

Leia mais

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA Escola Superior de Ciências da Saúde Período de Inscrição: 18 de janeiro de 2010 a 19 de fevereiro de 2010. Local de Inscrição:

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE MEDICINA DE DIAMANTINA - FAMED CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1 MED001 MED002 MED003

Leia mais

Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1

Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1 Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1 MED-100 - Unidades de Ensino da área de conhecimento das bases moleculares e celulares dos processos normais e alterados, da estrutura e função

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 179/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 179/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 179/2012 Altera o Currículo do Curso de Medicina, para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MED- 035/2012, aprovou e eu promulgo

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM UBERABA MG 2010 INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR ACADÊMICO

Leia mais

LABORATÓRIO / DISCIPLINAS

LABORATÓRIO / DISCIPLINAS LABORATÓRIO / DISCIPLINAS Laboratório de Farmacotécnica: Farmacotécnica, Cosmetologia e Farmacotécnica Homeopática e Fitoterápica. ÁREA CONTRUIDA (m 2 ) 80 Multidisciplinar I: Biofísica, Toxicologia, Fisiologia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/2007 CONSUNIV

RESOLUÇÃO Nº 012/2007 CONSUNIV RESOLUÇÃO Nº 012/2007 CONSUNIV Fixa o currículo do Curso de Graduação em Medicina, na modalidade Bacharelado, da Universidade do Estado do Amazonas. A REITORA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL N 08/2015 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO - MACAPÁ, SANTANA E MAZAGÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL N 08/2015 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO - MACAPÁ, SANTANA E MAZAGÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL N 08/2015 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO - MACAPÁ, SANTANA E MAZAGÃO ANEXO I - RELAÇÃO DAS VAGAS E REQUISITOS ESPECÍFICOS POR ÁREA DE

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Medicina Habilitação: Bacharel em Medicina Carga Horária: 8220 horas Regime: Semestral Turno de Aplicação: Integral

Estrutura Curricular do Curso de Medicina Habilitação: Bacharel em Medicina Carga Horária: 8220 horas Regime: Semestral Turno de Aplicação: Integral FAHESA - Faculdade de Ciências Humanas, Econômicas e da Saúde de Araguaína. ITPAC - INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS LTDA. Av. Filadélfia, 568 Setor Oeste Araguaína TO CEP 77.816-540 Fone:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO DE NUTRIÇÃO RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO DE NUTRIÇÃO RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO DE NUTRIÇÃO RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS Projeto REUNI Novos Cursos Para que a implantação e

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 12/2012 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 1) Área de Conhecimento:

Leia mais

1. Pediatria /Internato 03+ 01 TP-20

1. Pediatria /Internato 03+ 01 TP-20 MINISTERIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI EDITAL Nº. 01/2010UFPI, de 03 de fevereiro de 2010. CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR ANEXO DEPARTAMENTO MATERNO INFANTIL 1. Pediatria

Leia mais

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL ANEXO I DEMOSTRATIVO DE CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO,, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. CARGO: TECNOLOGISTA JUNIOR Cód. ÁREA DE ATUAÇÃO N O DE ÁREA 32 Arquitetura 12 Conservação e restauração de conjuntos

Leia mais

Seção I - CARACTERIZAÇÃO DA IES E DO CURSO

Seção I - CARACTERIZAÇÃO DA IES E DO CURSO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DE MEDICINA O presente instrumento se propõe a avaliar os cursos de medicina no Brasil, seu contexto e política institucional, projeto pedagógico, programa

Leia mais

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 Eixos longitudinais, conteúdos e objetivos cognitivos psicomotores Eixos transversais, objetivos Per. 1º Ano eixo integrador: O CORPO HUMANO CH INT. COMUM. HAB.

Leia mais

ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Vencimento Inicial em reais.

ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Vencimento Inicial em reais. ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Cód. Cargo 1 Ajudante de Carga e Descarga Vagas Vagas Reservadas Deficientes Vencimento Inicial

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL RESOLUÇÃO Nº 011/2008 FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ NORMATIZA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE NOVAFAPI. A Diretora

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS. Duração do Curso: semestral mínimo de 09 e máximo de 18 em horas-aula: 4.320. Vagas oferecidas: 50 semestrais - matutino)

INFORMAÇÕES GERAIS. Duração do Curso: semestral mínimo de 09 e máximo de 18 em horas-aula: 4.320. Vagas oferecidas: 50 semestrais - matutino) INFORMAÇÕES GERAIS Habilitação: Farmacêutico, podendo exercer todas as competências inerentes ao profissional farmacêutico, incluindo atuação em Farmácia Comunitária, manipulação de fórmulas magistrais,

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INFORMAÇÕES GERAIS 1 - A Residência em Medicina constitui modalidade de ensino de pós-graduação, destinada

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 1. Apreciação Global A existência de um Contrato de Desenvolvimento para a Medicina, celebrado entre a UNL e o Governo, em Dezembro de 2001, permitiu

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 13/2013 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 135-Área de

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 93/2006-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/08/2006 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 93/2006-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/08/2006 I RELATÓRIO: INTERESSADA: UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO - FOP ASSUNTO: RENOVAÇÃO DE RECONHECIMENTO DO CURSO DE ODONTOLOGIA RELATORA: CONSELHEIRA NELLY MEDEIROS DE CARVALHO PROCESSO

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

ANEXO I EDITAL DE ABERTURA Nº 076/2015-UFAM

ANEXO I EDITAL DE ABERTURA Nº 076/2015-UFAM Unidade Acadêmica QUADRO II VAGAS PARA O INSTITUTO DE SAÚDE E BIOTECNOLOGIA Área de Vagas Requisito Mínimo Carga Classe/ Nº de Conhecimento para Horária Padrão Vagas negros Comunidade ÁREA I Comunidade

Leia mais

Anexo 9 Especificações Mínimas de Equipamentos

Anexo 9 Especificações Mínimas de Equipamentos Anexo 9 Especificações Mínimas de s i CONTEXTUALIZAÇÃO... 1 AGRUPAMENTO... 1 LISTA DE EQUIPAMENTOS... 1 1.1 3º SUBSOLO... 1 1.2 1º SUBSOLO... 1 1.3 TÉRREO... 3 1.4 1º PAVIMENTO... 9 1.5 2º PAVIMENTO...

Leia mais

FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO SERTÃO FIS

FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO SERTÃO FIS FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO SERTÃO FIS Portaria MEC nº 1.931, de dezembro de 2006, publicada no DOU de 08 de Dezembro de 2006. Rua João Luiz de Melo, 2110. Bairro Tancredo Neves. CEP. 56909-205. Serra Talhada/PE/Brasil.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de Nutrição, na modalidade bacharelado,

Leia mais

Enfermagem. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

Enfermagem. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC Enfermagem Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: Enfermagem Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora residente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 A justificação da proposta de orçamento da Faculdade de Ciências Médicas para 2003 começava com uma nota introdutória na qual se reforçava de novo,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 004 Médico - Alergia e Imunologia

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

III - ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE AUTORIZAÇÃO DE CURSOS

III - ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE AUTORIZAÇÃO DE CURSOS I - APRESENTAÇÃO O presente documento completa a série de instrumentos elaborados pela Comissão de Especialistas de Ensino de Farmácia, compostos por Roteiro de Autorização de Novos Cursos, Roteiro de

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA-FORMAÇÃO FISIOTERAPEUTA

CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA-FORMAÇÃO FISIOTERAPEUTA CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA-FORMAÇÃO FISIOTERAPEUTA Coordenaçăo: Profª. Esp. Lidiane Alves Dias E-mail: fisioterapia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 219 Conceito É uma ciência da Saúde

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DO PRÉDIO I QUANTIDADE ÁREA (m 2 ) SUBSOLO. Redação Tele jornalística 01 80,00. Gráfica 01 20,00

DISCRIMINAÇÃO DO PRÉDIO I QUANTIDADE ÁREA (m 2 ) SUBSOLO. Redação Tele jornalística 01 80,00. Gráfica 01 20,00 DISCRIMINAÇÃO DO PRÉDIO I QUANTIDADE ÁREA (m 2 ) SUBSOLO Redação Tele jornalística 01 80,00 Gráfica 01 20,00 Estúdio Pedagógico de Áudio Visual 01 140,00 Laboratório de Rádio: Estúdio de Radio 01 24,00

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Medicina

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Medicina III MATRIZ CURRICULAR Matriz Curricular I (MC I), em atendimento às Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Graduação em Medicina, aprovadas no Parecer CNE/CES nº 1133/2001, de 7/8/2001. Aprovada

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

Bacharelado em Medicina Veterinária

Bacharelado em Medicina Veterinária Bacharelado em Medicina Veterinária INFORMAÇÕES Duração do Curso: 05 anos (10 semestres) Horário: Manhã Número de Vagas: 100 anuais Coordenador: Profº Dr. Carlos Tadeu Bandeira de Lavor O CURSO O Curso

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192) Página 1 de 17 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192) Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM nº 1.666/2003, que celebra o convênio de reconhecimento

Leia mais

Mantenedora FASIPE CENTRO EDUCACIONAL LTDA. Mantida FACULDADE FASIPE MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Mantenedora FASIPE CENTRO EDUCACIONAL LTDA. Mantida FACULDADE FASIPE MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Mantenedora FASIPE CENTRO EDUCACIONAL LTDA. Mantida FACULDADE FASIPE MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SINOP / MATO GROSSO MATRIZ CURRICULAR ENFERMAGEM 1º SEMESTRE Anatomia Humana I

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: ANHANGUERA EDUCACIONAL

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: ANHANGUERA EDUCACIONAL PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: ANHANGUERA EDUCACIONAL 1. INFRAESTRUTURA FÍSICA E SUA UTILIZAÇÃO As instalações destinadas ao curso atendem ao propósito de promover a formação em nível

Leia mais

FACULDADE DE ENFERMAGEM NOVA ESPERANÇA DE MOSSORÓ FACENE/RN QUADRO DE PROFESSORES POR ÁREA DE ATUAÇÃO

FACULDADE DE ENFERMAGEM NOVA ESPERANÇA DE MOSSORÓ FACENE/RN QUADRO DE PROFESSORES POR ÁREA DE ATUAÇÃO FACULDADE DE ENFERMAGEM NOVA ESPERANÇA DE MOSSORÓ Credenciada pelo MEC: Portaria nº 1.745, de 24/10/2006, Curso de Bacharelado em Enfermagem Autorizado pelo MEC: Portaria nº 781, de 25/10/2006, publicada

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS EM ENSINO EM MEDICINA VETERINÁRIA VERIFICAÇÃO

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE RESOLUÇÃO CFM Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002 Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, n. 81, 29 abr.2002. Seção 1, p. 265-66 Alterada pela Resolução CFM nº 1666/03 (Anexo II) O CONSELHO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO EDITAL 07/2012 - PROEN (Processo Seletivo de Vagas Ociosas para Ingresso nos Cursos de Graduação em 1º/2012) A UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO, por intermédio da Pró- Reitoria de Ensino (PROEN), com base

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre convênio de reconhecimento de especialidades médicas firmado entre o Conselho Federal de Medicina CFM, a Associação

Leia mais

Dados a serem fornecidos para inclusão de novas bibliotecas

Dados a serem fornecidos para inclusão de novas bibliotecas Dados a serem fornecidos para inclusão de novas bibliotecas Para exemplos, consulte Serviços>Guia> em: http://www.apcisrj.org Nome da instituição/sigla Nome da biblioteca Endereço completo, com CEP Telefone,

Leia mais

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada;

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada; CURSO: Farmácia Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas, ao controle,

Leia mais

CURRÍCULO MEDICINA. Código Disciplina/Pré-Requisito Caráter Créditos

CURRÍCULO MEDICINA. Código Disciplina/Pré-Requisito Caráter Créditos CURRÍCULO MEDICINA 2012/1 Período Letivo: Curso: MEDICINA Habilitação: MEDICINA Currículo: MEDICINA Créditos Obrigatórios: 578 Créditos Eletivos: 0 Créditos Complementares: 6 Total: 584 Obrigatória: 10477

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA UFSC. Atualizado para 2015.2

CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA UFSC. Atualizado para 2015.2 CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA UFSC Atualizado para 2015.2 1ª Fase I: MED 7001 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA MEDICINA I Anatomia 48 (+12 Integr.) Fisiologia 68 (+12 Integr.) Bioquímica 62 Histologia

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 07/2013 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 101-Área de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE Florianópolis, 09 de novembro de 2007. Da: Coordenadoria do Curso de Graduação em

Leia mais

PRÉ REQUISITOS* DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM. 1º Semestre Pré requisito. Estar regularmente matriculado no curso de bacharelado em

PRÉ REQUISITOS* DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM. 1º Semestre Pré requisito. Estar regularmente matriculado no curso de bacharelado em PRÉ REQUISITOS* DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 1º Semestre Pré requisito bacharelado em Metodologia da Pesquisa aplicada à Saúde Embriologia Humana Biologia Celular Psicologia Sociologia Produção

Leia mais

Residência Médica. Equivalência da Residência Médica com Curso de Especialização e Título de Especialista

Residência Médica. Equivalência da Residência Médica com Curso de Especialização e Título de Especialista Residência Médica A Residência Médica foi instituída no Brasil pela Lei nº. 6.932 de 07 de julho de 1981 e regulamentada pelo Decreto nº. 80.281, de 05 de setembro de 1977. Equivalência da Residência Médica

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCB UFV ENFERMAGEM. COORDENADORA Rita de Cássia Lanes Ribeiro rribeiro@ufv.br

Currículos dos Cursos do CCB UFV ENFERMAGEM. COORDENADORA Rita de Cássia Lanes Ribeiro rribeiro@ufv.br 146 Currículos dos Cursos do CCB UFV ENFERMAGEM COORDENADORA Rita de Cássia Lanes Ribeiro rribeiro@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 147 Bacharelado ATUAÇÃO O Curso de Graduação em da UFV apresenta

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 801 802 Médico Alergia e

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS-UFT SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR SUBSTITUTO 2014.1 EDITAL Nº 36/2014, DE 08 DE MAIO DE 2014

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS-UFT SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR SUBSTITUTO 2014.1 EDITAL Nº 36/2014, DE 08 DE MAIO DE 2014 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS-UFT SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR SUBSTITUTO 2014.1 EDITAL Nº 36/2014, DE 08 DE MAIO DE 2014 O REITOR DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - UNISALESIANO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - UNISALESIANO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - UNISALESIANO Laboratórios Didáticos Especializados Qualidade O Curso de Ciências Biológicas conta com laboratórios que atendem às necessidades de suas disciplinas e os laboratórios

Leia mais

31. Enfermagem Gerontológica I e II (Enfermagem) 32. Gestão em Saúde I e II (Enfermagem) 33. Primeiros Socorros I (Enfermagem) 34. Primeiros Socorros

31. Enfermagem Gerontológica I e II (Enfermagem) 32. Gestão em Saúde I e II (Enfermagem) 33. Primeiros Socorros I (Enfermagem) 34. Primeiros Socorros CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PARQUE DA JUVENTUDE SÃO PAULO EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES nº 159/02/2007 O Diretor da Escola Técnica Estadual

Leia mais

TURMAS 2008 E 2009. Nome da Unidade: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio / FIOCRUZ

TURMAS 2008 E 2009. Nome da Unidade: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio / FIOCRUZ TURMAS 2008 E 2009 Nome da Unidade: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio / FIOCRUZ CNPJ : 33.781.055/0017-00 Data: 01/09/2005 Área do Plano: Área Profissional Saúde Plano de Curso para: Especialização

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte Curso de Medicina Projeto Pedagógico do Curso. 1. Introdução

Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte Curso de Medicina Projeto Pedagógico do Curso. 1. Introdução 4 Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte Curso de Medicina Projeto Pedagógico do Curso 1. Introdução A Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte (FMJ) abriga o Curso de Medicina, voltado para a formação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº02/2014 PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSOR EFETIVO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº02/2014 PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSOR EFETIVO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº02/2014 PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I RELAÇÃO DAS VAGAS DO PROCESSO SELETIVO POR ÁREA DE CONHECIMENTO, REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Medicina

Estrutura Curricular do Curso de Medicina Quadro I. Disciplinas obrigatórias por carga horária (horas), créditos e pré-requisitos, aprovado na 63ª reunião do CEPE, de 25 de novembro de 2014. 2015/2º 1ª FASE Anatomia Médica I 1 33h20 50h00 83h20

Leia mais

FFARM Faculdade de Farmácia

FFARM Faculdade de Farmácia FFARM Faculdade de Farmácia Secretaria: Prédio12 - Bloco A Fone: 3320-3512 E-mail: farmácia@pucrs.br www.pucrs.br/farmacia Departamentos: Análises Clínicas e Toxicológicas n.º 351 Desenvolvimento e Produção

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1663, DE 02 DE JULHO DE 2012. Aprova o detalhamento das funções/especialidades dos cargos do Quadro Permanente da Função Saúde da Administração Pública

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 *****

Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 ***** Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 ***** Ementa: Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM n.º 1.634/2002, que celebra o convênio de reconhecimento

Leia mais

FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA

FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA 1º SEMESTRE 1. Anatomia Humana 90 60 30 06 2. Biologia (Citologia/Genética) 60 45 15 04 3. Educação em Saúde 30 20 10 02 4. Introdução a Enfermagem

Leia mais

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte Código da IES INEP: 1547 Caracterização da IES: Instituição Privada Sem Fins Lucrativos Estado: Ceará Cidade: Juazeiro do Norte Composição

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES ASSESSORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MONITORIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES ASSESSORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MONITORIA EDITAL DO CFP Nº 020/2011 COM FULCRO AO EDITAL PRE Nº 034/2011 PROCESSO SELETIVO DE MONITORES A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), por meio da Assessoria de Graduação do Centro de Formação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS EDITAL N O 001/2011-PRH 2 - DAS ÁREAS DE CONHECIMENTO, N O DE VAGAS, REGIME E LOCAL DE TRABALHO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS (01) Bioquímica Graduação em Química ou

Leia mais

Apresentação!!!!!! A Biblioteca Central da Universidade Paranaense é responsável pela Biblioteca do Campus Tiradentes, Biblioteca do Hospital

Apresentação!!!!!! A Biblioteca Central da Universidade Paranaense é responsável pela Biblioteca do Campus Tiradentes, Biblioteca do Hospital Apresentação!!!!!! A Biblioteca Central da Universidade Paranaense é responsável pela Biblioteca do Campus Tiradentes, Biblioteca do Hospital Veterinário e também dos multicampi nas cidades de Guaíra,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 002/2012 ADMINISTRAÇÃO DIRETA E AUTARQUIAS

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 002/2012 ADMINISTRAÇÃO DIRETA E AUTARQUIAS PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS COMISSÂO DE CONCURSO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 002/2012 ADMINISTRAÇÃO DIRETA E AUTARQUIAS ANEXO I CARGOS, VAGAS,

Leia mais

CPA AÇÕES PLANEJADAS E REALIZADAS:

CPA AÇÕES PLANEJADAS E REALIZADAS: CPA AÇÕES PLANEJADAS E REALIZADAS: Das reuniões realizadas com os diversos setores, serviços, coordenação de cursos e comunidade acadêmica a Comissão pode apresentar o seguinte quatro/cenário institucional,

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

DESCRIÇÃO DE LABORATÓRIOS

DESCRIÇÃO DE LABORATÓRIOS DESCRIÇÃO DE S SALA AULAS PRÁTICAS CAMPUS BL 08 Meio Ambiente e Saúde Biologia Celular Biologia Molecular Citogenética Bioquímica Ecologia de População Histologia e Embriologia Citologia A-II Medicina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA Resolução Nº 01/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Regulamenta o Estágio Curricular - Internato obrigatório do Curso de Medicina do CCBS/UFCG. O Colegiado do Curso de Graduação em Medicina, no

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 Define o currículo do Curso de Graduação em Odontologia. O REITOR

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA GERAL/FCSES EDITAL Nº009/2010 EDITAL DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA PARA O 2º SEMESTRE DE 2010 A Secretária Geral da Faculdade

Leia mais

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Consulta Pública para aprimoramento do Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Estamos disponibilizando para sugestões, avaliação e comentários o instrumento que será utilizado para a acreditação

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 2014

MANUAL DO ALUNO 2014 MANUAL DO ALUNO 2014 APRESENTAÇÃO Caro Acadêmico, Agradecemos por você ter escolhido o IESG para sua formação profissional. No Manual do Aluno você encontrará informações importantes e necessárias para

Leia mais

Dentística. Diplomacia. 547,04 Mestrado em Educação 765,58 796,20 956,97 995,25 Direito Administrativo

Dentística. Diplomacia. 547,04 Mestrado em Educação 765,58 796,20 956,97 995,25 Direito Administrativo Catálogo UCB 2007- - Pós-Graduação e Pesquisa, Graduação e Extensão CURSOS STRICTO SENSU 2007 2007 CURSOS LATO SENSU 2007 2007 Doutorado em Ciências Genômicas e Biotecnologia 765,58 796,20 765,58 796,20

Leia mais