ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL"

Transcrição

1 ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL Índice de figuras, gráficos e tabelas...x Índice de apêndices...xv Agradecimentos...XVI Resumo...XVIII Abstract...XIX Preâmbulo...XX 1. INTRODUÇÃO Radiologia e sua aplicação em Medicina Dentária Forense Radiografias Periapicais versus Radiografias Panorâmicas Radiografia Convencional versus Radiografia Digital Anatomia radiográfica dentária A Identificação em Medicina Legal Evolução histórica da Identificação Métodos não dentários de Identificação Dactiloscopia Antropologia Física Forense Imagiologia Forense Reconstrução facial Sobreposição fotográfica Identificação pelo registo da voz Identificação Genética Evolução da Medicina Dentária Forense como ciência Métodos dentários de Identificação Identificação comparativa Identificação reconstrutiva ADN dentário Identificação Oral A peritagem em Medicina Dentária Forense A estimativa da idade em Medicina Legal Métodos não dentários de estimativa da idade...59 VII

2 ÍNDICE GERAL Métodos dentários de estimativa da idade...63 VIII Métodos de estimativa da idade baseados no desenvolvimento dentário Desenvolvimento do terceiro molar Métodos genéticos Métodos bioquímicos Métodos histológicos Métodos morfológicos Métodos radiológicos OBJECTIVOS MATERIAL E MÉTODOS Amostra Critérios de exclusão Metodologia Calibragem Análise estatística Material Considerações éticas e legais RESULTADOS Análise descritiva Panorâmicas Periapicais Calibragem da amostra Análise estatística Panorâmicas Periapicais Análise estatística complementar Estudo da sobrestimativa e subestimativa da idade real Panorâmicas Periapicais Estudo das diferenças obtidas entre as idades real e estimada segundo o género dos indivíduos...128

3 ÍNDICE GERAL Panorâmicas Periapicais DISCUSSÃO CONCLUSÕES BIBLIOGRAFIA APÊNDICE IX

4 ÍNDICE DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS ÍNDICE DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS FIGURAS Figura 1 Radiografia à mão da esposa de Röntgen...1 Figura 2 Primeira radiografia dentária...1 Figura 3 Exemplo de radiografias intra-orais: radiografias bite-wings...7 Figura 4 - Exemplo de radiografias intra-orais: radiografias oclusais...7 Figura 5 - Exemplo de radiografias intra-orais: status radiográfico constituído por 14 radiografias periapicais...8 Figura 6 Exemplos de radiografias extra-orais: telerradiografias de perfil e frontal...8 Figura 7 Exemplo de radiografias extra-orais: panorâmica digital...9 Figura 8 Anatomia radiológica dentária: 1 coroa; 2 raízes; 3 esmalte; 4 - cemento; 5 apex; 6 junção cemento-esmalte; 7 dentina; 8 polpa...18 Figura 9 Classificação dactiloscópica de Juan Vucetich...27 Figura 10 Shovel shaped teeth...44 Figura 11 - Tubérculo de Carabelli...44 Figura 12 Preensão de cachimbo pelos incisivos...47 Figura 13 Desgaste produzido por efeito mecânico resultante da preensão de pregos...47 Figura 14 Taxa de racemização do aminoácido ácido aspártico...72 Figura 15 Medição de alterações dentárias degenerativas...76 Figura 16 Esquema dentário das medições: CD = Comprimento do dente; CP = Comprimento da polpa; CR = Comprimento da raiz; A, B e C = Níveis a que se mediram as larguras da raiz e da polpa...89 Figura 17 Ortopantomógrafo convencional Orthophos - A: Vista frontal; B: Vista lateral...91 Figura 18 A: cassete; B: introdução da cassete no digitalizador; C: visualização da imagem no computador, com a possibilidade de a imprimir em película...92 Figura 19 A e B : equipamento radiográfico Satelec; C: máquina de revelação semi-automática Dürrperiomat...92 Figura 20 Avental e colar de chumbo...93 X

5 ÍNDICE DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS Figura 21 A: negatoscópio; B: óculos com lente graduada (2,5 X); C e D: craveira digital...93 GRÁFICOS Panorâmicas Gráfico 1 - Valor médio do Comprimento do Dente (CD), por escalão etário e tipo de dente...96 Gráfico 2 - Valor médio do Comprimento da Polpa (CP), por escalão etário e tipo de dente...96 Gráfico 3 - Valor médio do Comprimento da Raiz (CR), por escalão etário e tipo de dente...97 Gráfico 4 - Valor médio da Largura da Raiz no nível A (LRA), por escalão etário e tipo de dente Gráfico 5 - Valor médio da Largura da Raiz no nível B (LRB), por escalão etário e tipo de dente...98 Gráfico 6 - Valor Médio da Largura da Raiz no nível C (LRC), por escalão etário e tipo de dente...99 Gráfico 7 - Valor Médio da Largura da Polpa no nível A (LPA), por escalão etário e tipo de dente...99 Gráfico 8 - Valor Médio da Largura da Polpa no nível B (LPB), por escalão etário e tipo de dente Gráfico 9 - Valor Médio da Largura da Polpa no nível C (LPC), por escalão etário e tipo de dente Periapicais Gráfico 10 Valor Médio do Comprimento do Dente (CD), por escalão etário e tipo de dente Gráfico 11 Valor Médio do Comprimento da Polpa (CP), por escalão etário e tipo de dente Gráfico 12 Valor Médio do Comprimento da Raiz (CR), por escalão etário e tipo de dente XI

6 ÍNDICE DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS Gráfico 13 Valor Médio da Largura da Raiz no nível A (LRA), por escalão etário e tipo de dente Gráfico 14 Valor Médio da Largura da Raiz no nível B (LRB), por escalão etário e tipo de dente Gráfico 15 Valor Médio da Largura da Raiz no nível C (LRC), por escalão etário e tipo de dente Gráfico 16 Valor Médio da Largura da Polpa no nível A (LPA), por escalão etário e tipo de dente Gráfico 17 Valor Médio da Largura da Polpa no nível B (LPB), por escalão etário e tipo de dente Gráfico 18 Valor Médio da Largura da Polpa no nível C (LPC), por escalão etário e tipo de dente Panorâmicas Gráfico 19 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada por tipo de dente, no escalão etário dos 20 aos 29 anos Gráfico 20 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada por tipo de dente, no escalão etário dos 30 aos 39 anos Gráfico 21 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada por tipo de dente, no escalão etário dos 40 aos 49 anos Gráfico 22 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada por tipo de dente, no escalão etário dos 50 aos 59 anos Gráfico 23 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada por tipo de dente no escalão etário 60 anos Periapicais Gráfico 24 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada por tipo de dente, no escalão etário dos 20 aos 29 anos Gráfico 25 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada por tipo de dente, no escalão etário dos 30 aos 39 anos Gráfico 26 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada por tipo de dente, no escalão etário dos 40 aos 49 anos XII

7 ÍNDICE DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS Gráfico 27 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada por tipo de dente, no escalão etário dos 50 aos 59 anos Gráfico 28 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada por tipo de dente, no escalão etário 60 anos Panorâmicas Gráfico 29 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para o dente 11/ Gráfico 30 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para o dente 12/ Gráfico 31- Sobrestimativa e subestimativa da idade real para o dente 15/ Gráfico 32 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para o dente 32/ Gráfico 33 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para o dente 33/ Gráfico 34 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para o dente 34/ Gráfico 35 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para os dentes maxilares Gráfico 36 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para os dentes mandibulares Gráfico 37 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para os 6 dentes Peripapicais Gráfico 38 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para o dente 11/ Gráfico 39 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para o dente 12/ Gráfico 40 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para o dente 15/ Gráfico 41 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para o dente 32/ Gráfico 42 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para o dente 33/ Gráfico 43 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para o dente 34/ Gráfico 44 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para os dentes maxilares Gráfico 45 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para os dentes mandibulares Gráfico 46 - Sobrestimativa e subestimativa da idade real para os 6 dentes XIII

8 ÍNDICE DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS Gráfico 47 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada por tipo de dente e sexo dos indivíduos, utilizando as panorâmicas Gráfico 48 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada por tipo de dente e sexo dos indivíduos, utilizando as periapicais TABELAS Tabela 1 Evolução temporal da casuística relativa ao número de acidentes aéreos que foram identificados apenas com a ajuda da Medicina Dentária Forense (A) e aqueles que foram identificados por meio de técnicas de Medicina Dentária Forense e outras (B)...38 Tabela 2 Notação de dois dígitos da FDI: dentição permanente...52 Tabela 3 - Notação de dois dígitos da FDI: dentição decídua...52 Tabela 4 Sistema Universal de nomenclatura dentária: dentição permanente...52 Tabela 5 Sistema Universal de nomenclatura dentária: dentição decídua...52 Tabela 6 Desaparecimento das fontanelas à medida que a idade aumenta...60 Tabela 7 Valores do ângulo mandibular consoante a idade do indivíduo...63 Tabela 8 Distribuição da amostra populacional por escalão etário e por sexo...88 Tabela 9 Coeficiente de correlação de Pearson entre as duas medições Tabela 10 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada, por tipo de dente e em indivíduos com idades inferiores a 50 anos, utilizando as panorâmicas Tabela 11 Distribuição das diferenças entre a idade real e a idade estimada, por tipo de dente e em indivíduos com idades inferiores a 50 anos, utilizando as periapicais XIV

9 ÍNDICE DE APÊNDICES ÍNDICE DE APÊNDICES Apêndice 1 - Lista de abreviaturas, siglas e códigos de registo dos dados do estudo Apêndice 2 - Amostras populacionais relativas às radiografias panorâmicas e aos status radiográficos periapicais Apêndice 3 - Registo das medições e do cálculo das proporções e das variáveis nas radiografias panorâmicas e nas radiografias periapicais Apêndice 4 - Repetição das medições sub-amostras populacionais relativas a 25 radiografias panorâmicas e 25 status radiográficos periapicais Apêndice 5 - Cálculo dos valores médios dos diversos parâmetros por escalão etário e tipo de dente nas radiografias panorâmicas e nas radiografias periapicais Apêndice 6 - Registo dos valores obtidos no cálculo da idade e diferenças entre a idade real e a idade estimada nas radiografias panorâmicas e nas radiografias periapicais Apêndice 7 - Resultados obtidos na aplicação do teste t de Student nas radiografias panorâmicas e nas radiografias periapicais Apêndice 8 - Gráficos da diferença entre a idade real e a idade estimada nas radiografias panorâmicas e nas radiografias periapicais, para cada dente isolado e para cada conjunto de dentes Apêndice 9 - Resultados obtidos na aplicação do teste t de Student, em indivíduos com idade inferior a 50 anos, nas radiografias panorâmicas e nas radiografias periapicais Apêndice 10 Cálculo do coeficiente de correlação de Pearson entre a idade real e as proporções (CD/CR, CP/CR, CP/CD, LPA/LRA, LPB/LRB, LPC/LRC, M, W, L e W-L) para indivíduos com idade inferior a 50 anos, nas radiografias panorâmicas e nas radiografias periapicais Apêndice 11 - Sub-amostras populacionais relativas a 44 indivíduos, 22 de cada sexo, nas radiografias panorâmicas e nos status radiográficos periapicais XV

10 AGRADECIMENTOS AGRADECIMENTOS Ficarei eternamente grata a todas as pessoas que, sob a forma de intervenção directa, ou participando indirectamente, deram o seu importante contributo, tornando possível a elaboração e concretização desta dissertação. Destaco, em especial: O Professor Doutor João Aquino que aceitou, prontamente, o meu convite para orientar esta dissertação e na qualidade de orientador, me apoiou e incentivou em todos os momentos de dúvidas e dificuldades que foram surgindo. A sua sabedoria, aliada à sua experiência na área da Medicina Dentária Forense constituiriam uma mais valia imprescindível em todas as fases de desenvolvimento deste trabalho de investigação. A Professora Doutora Helena Geada que na qualidade de co-orientadora desta dissertação me ajudou no aperfeiçoamento e conclusão da mesma, sendo rigorosa nas correcções efectuadas e zelando pelo correcto cumprimento das diversas normas de elaboração. Agradeço-lhe, especialmente, os convites para a candidatura à frequência do XXIX Curso Superior de Medicina Legal e Ciências Forenses, e posteriormente para o reingresso no 2.º Curso de Mestrado, do mesmo tema, os quais foram os impulsionadores da minha inerente vontade de aprofundar conhecimentos nessa área. A amiga Cristina Veiga, licenciada em Matemática, cuja ajuda incansável no tratamento estatístico dos dados obtidos foi imprescindível para a elaboração da discussão e conclusões deste trabalho. O Dr. João Mendes, Chefe do Serviço de Medicina Dentária e Estomatologia do Hospital Militar Principal pela disponibilidade demonstrada para ajudar no que fosse preciso, evitando, inclusive, sobrecarregar-me com trabalho, na fase de conclusão da dissertação. O Presidente da Comissão do Conselho Científico da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa por ter aceite o projecto desta dissertação. O Professor Doutor António Vasconcelos Tavares, na qualidade de Director da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa e o Professor Doutor Luís Jardim, na qualidade de Presidente da Comissão de Ética da mesma, por autorizarem a consulta dos status radiográficos pertencentes ao arquivo da referida instituição. XVI

11 AGRADECIMENTOS O Major General Médico Joaquim Lopes Henriques, na qualidade de Director do Hospital Militar Principal e o General Rocha Vieira, na qualidade de Presidente da Comissão de Ética do mesmo, por autorizarem a elaboração do presente trabalho de investigação. As funcionárias das recepções da FMDUL e do HMP que me facilitaram o acesso aos ficheiros e a consulta dos processos. As funcionárias das Bibliotecas da FMDUL, do HMP e do INML pela colaboração na recolha bibliográfica. O funcionário Paulo da FMDUL sem o qual teria sido muito mais difícil e demorada a selecção dos status radiográficos. A técnica do departamento de radiologia da FMDUL, Manuela Girão, pela informação disponibilizada sobre o equipamento radiológico. O técnico de imagiologia do HMP, Manuel Lopes, pela informação disponibilizada sobre o equipamento radiológico. O Sr. Alberto Alves pelo apoio prestado a nível informático. O Sr. João Bento por ter facilitado a aquisição do material para efectuar as medições. O amigo Marco Bento, cuja paciência, compreensão e apoio incondicional, mesmo nos momentos de desânimo, bem como a motivação e incentivo à continuidade do estudo e ainda a colaboração na apresentação gráfica do mesmo, foram fundamentais para a sua concretização. E por último, mas não menos importante, toda a minha família, especialmente pais e irmão, por tudo aquilo que me aturaram ao longo destes três anos, pela forma como aceitaram e compensaram a minha falta de disponibilidade para lhes dar atenção e colaborar noutras tarefas. XVII

12 RESUMO RESUMO Nas Ciências Forenses, a estimativa da idade constitui um contributo importante para o estabelecimento da identidade dos indivíduos. A necessidade de encontrar técnicas precisas para a estimativa da idade aumentou, em função do número de cadáveres não identificados e de imigrantes ilegais. Os dentes são bons indicadores da idade dos indivíduos por serem os órgãos do corpo humano mais resistentes às influências externas, permanecendo disponíveis por longos períodos post-mortem. Existem vários métodos de estimativa da idade através dos dentes consoante as diversas fases de desenvolvimento do indivíduo. Tendo como referência o método de Kvaal et al. (1995), o objectivo geral deste estudo consistiu na aplicação desse método a uma amostra da população adulta portuguesa, baseado em medições do tamanho da polpa dentária efectuadas em dois tipos de radiografias. Observaram-se 100 panorâmicas digitais de utentes do serviço de Medicina Dentária e Estomatologia do Hospital Militar Principal e 100 status periapicais convencionais de utentes da Clínica Integrada da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa, constituindo uma amostra total de 200 indivíduos, de ambos os sexos, com idade igual ou superior a 20 anos. As medições dos vários parâmetros foram realizadas manualmente, nos seis dentes seleccionados, recorrendo a uma craveira digital, tendo-se efectuado a calibragem duma amostragem. Confirmou-se a aplicabilidade do método de Kvaal et al. a indivíduos menores que 50 anos, utilizando os dentes 11/21, 12/22 e 33/43 nas panorâmicas e utilizando os dentes 11/21, 12/22, 32/42 e 33/43 nas periapicais. Concluiu-se que com as radiografias periapicais, a percentagem de indivíduos abaixo dos 50 anos que registou diferenças entre as idades real e estimada inferiores a 10 anos foi superior à das panorâmicas, na maioria dos dentes/conjuntos de dentes utilizados. Este estudo poderá contribuir para a criação de uma base de dados representativa da população portuguesa. PALAVRAS CHAVE: Estimativa da idade, adulto, métodos radiográficos, radiografias periapicais, radiografias panorâmicas, população Portuguesa. XVIII

13 ABSTRACT ABSTRACT In Forensic Sciences, age estimation gives an important contribution for the identity establishment of an individual. The need to find accurate techniques of age estimation has increased depending on the number of not identified corpses and illegal immigrants. The teeth are good pointers of the individual s age for being the human organs more resistant to the external influences, remaining available for long post-mortem periods. There are several methods of age estimation using teeth in the different stages of the individual development. Having as reference the Kvaal s et al. method (1995), the purpose of this study was to apply that method to a sample of the Portuguese adult population, based on measurements of the size of the dental pulp performed on two types of radiographs. There were observed 100 digital panoramic radiographs from patients of the Department of Dental Medicine and Stomatology of the Main Military Hospital and 100 conventional periapical status from patients of the Integrated Clinic of University of Lisbon, Faculty of Dentistry, consisted in a sample of 200 individuals, of both sexes, ranging from 20 to over 20 years old. The measurements of different parameters were performed manually, in the six selected teeth, with a digital calliper, and the calibration of a sample was carried out. It was confirmed the applicability of the Kvaal s et al. method to the individuals below 50 years old, when using teeth 11/21, 12/22 and 33/43 in the panoramic radiographs and using teeth 11/21, 12/22, 32/42 and 33/43 in the periapical radiographs. In conclusion, with the periapical radiographs the rate of individuals below the 50 years old who recorded differences between the real age and the estimated age under 10 years was superior to the one of the panoramic radiographs, in most teeth used. This study it will be able to contribute for the creation of a representative database of the Portuguese population. KEYWORDS: Age estimation, adult, radiographic methods, periapical radiographs, panoramic radiographs, Portuguese population. XIX

14 PREÂMBULO PREÂMBULO A decisão de elaborar uma dissertação de mestrado prende-se com a vontade de querer dar um pequeno contributo às Ciências Forenses, tendo em conta que nas últimas duas décadas se tem verificado uma necessidade crescente de recorrer a uma colaboração médico-dentária no contexto da Medicina Forense/Legal. Esse facto deve-se ao aumento do número de casos em que é preciso proceder à identificação de indivíduos (vivos e mortos) por aumento da criminalidade e do terrorismo e ao elevado número de casos em que essa identificação só pode ser efectuada a partir dos dentes, visto serem, diversas vezes, os únicos órgãos a que se tem acesso, devido à sua elevada resistência às influências externas (agentes químicos, físicos, traumáticos). Actualmente, a Medicina Dentária Forense é uma ciência em expansão, sendo inúmeros os exemplos práticos da possível acção dos Médicos Dentistas nessa área, embora, em Portugal, ainda existam diversas limitações a essa actividade: XX Através dos dentes, conseguem obter-se dados sobre a idade, sexo, afinidade populacional, hábitos, tipo de alimentação e eventuais doenças sistémicas de um determinado indivíduo, essa informação pode ajudar na reconstrução do perfil desse indivíduo, permitindo chegar a uma identificação positiva do mesmo. Essa recolha de dados a partir dos dentes contribui para o processo de identificação em diversos casos: identificação individual; corpos mutilados ou em avançado estado de decomposição; acidentes de massa; áreas de conflito pós-guerra; actos de terrorismo; cenários de catástrofe; esqueletos arqueológicos com centenas ou milhares de anos; indivíduos vivos: refugiados e imigrantes ilegais. Efectuando a impressão de marcas de mordedura presentes nas vítimas ou em objectos existentes no cenário do crime, obtém-se o registo das arcadas dentárias que pode facilitar a procura do suspeito. Através das próteses dentárias e aparelhos ortodônticos também pode ser possível chegarse à identificação de um determinado indivíduo. O registo do esquema dentário ou odontograma efectuado pelos médicos dentistas é fundamental porque constitui uma importante base de dados anteriores/ante-mortem que pode vir a ser comparado com um registo posterior/post-mortem de modo a chegar-se a uma identificação positiva.

15 PREÂMBULO Os Médicos Dentistas podem ser chamados a efectuar perícias médico-legais em indivíduos vivos, por exemplo, em casos de má prática, fraude com seguradoras e/ou maus tratos na criança detectados através de lesões características. Dentro das diversas aplicações práticas da Medicina Dentária Forense, escolheu-se como tema para a dissertação, a estimativa da idade no adulto recorrendo a um método dentário baseado em dois tipos de radiografias. As razões da referida escolha prendem-se com os seguintes factos: quando se tenta fazer coincidir restos mortais não identificados com centenas de indivíduos desaparecidos, a idade é o factor primário crucial para os procedimentos preliminares de procura, constituindo um dos primeiros pedidos das autoridades judiciais durante a descoberta do cadáver, especialmente se não existir informação ante-mortem disponível e for necessário reconstruir o perfil pessoal. É o que se verifica nos corpos mutilados ou em avançado estado de decomposição, em casos individuais ou acidentes de massa, em áreas de conflito pós-guerra ou cenários de catástrofe. A estimativa da idade também pode ser efectuada em esqueletos arqueológicos com centenas ou milhares de anos e tornou-se crucial nos indivíduos vivos. Muitos países registaram um aumento no influxo de indivíduos sem documentos de identificação válidos (refugiados, imigrantes ilegais) o que resultou num aumento da detenção de estrangeiros com falsa documentação. O conhecimento da idade destes indivíduos pode ser requerido para esclarecer questões legais relativamente à imputabilidade de jovens ou adultos delinquentes, reclamação de pensões de indivíduos mais velhos ou pedidos de asilo político. Neste estudo, optou-se por testar um método radiográfico para estimativa da idade no adulto, numa pequena amostra da população portuguesa, utilizando dois tipos de radiografias. Tem a vantagem de ser um método simples e não destrutivo que não requer a extracção e secção de dentes, podendo ser aplicado em indivíduos vivos e cadáveres. Escolheu-se a idade adulta por ser aquela em que é mais difícil obter uma estimativa da idade com um intervalo de erro reduzido, tornando o desafio maior. XXI

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Envolvimento parental e nível sociocultural das famílias: Estudo comparativo num agrupamento escolar Marco Sérgio Gorgulho Rodrigues Dissertação

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

Previsão da Vida Útil de Pinturas de Fachadas de Edifícios Antigos. Metodologia Baseada na Inspecção de Edifícios em Serviço. www.construlink.

Previsão da Vida Útil de Pinturas de Fachadas de Edifícios Antigos. Metodologia Baseada na Inspecção de Edifícios em Serviço. www.construlink. Metodologia baseada na inspecção de edifícios em serviço Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Previsão da Vida Útil de Pinturas de Fachadas de Edifícios Antigos Metodologia Baseada

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome MENDES, CLÁUDIA SOFIA DA SILVA Morada RUA DR. FRANCISCO PISSARRA DE MATOS, Nº9, 1º DTO 6300-693 GUARDA Telefone 96 47 20 566 / 271 22 30 27 Correio

Leia mais

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA IDENTIFICAÇÃO HUMANA Identificação pelo DNA - Identificação Médico-Legal - Perícias Odontológicas VOLUME II Editora Millennium CAMPINAS/SP

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas dos Gabinetes de Consulta Jurídica Código: 485 Versão: 1.0 Abril de 2010 1 INTRODUÇÃO A operação estatística relativa aos Gabinetes de Consulta

Leia mais

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand)

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos. (Jean Rostand) Pensamento Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand) AGRADECIMENTOS Os meus primeiros agradecimentos, vão para a minha mãe por estar sempre presente e acreditar em mim, para o meu pai, pelas

Leia mais

Indice. Carlos Santos Moreira

Indice. Carlos Santos Moreira Indice A impressão desta Dissertação foi aprovada pela Comissão Coordenadora do Conselho Científico da Faculdade de Medicina de Lisboa em reunião do dia 16 de Dezembro de 2008 As opiniões expressas nesta

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO APRENDER CIDADANIA COM A DISCIPINA DE HISTÓRIA: 3 PERCURSOS NO CONCELHO DE ODEMIRA Rita Santos Agudo do Amaral Rêgo MESTRADO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

www.estheticschool.eu

www.estheticschool.eu www.estheticschool.eu Informações e inscrições: Email: geral@estheticschool.eu Tel: 22 600 94 05 PROGRAMA DO CURSO Metalo-cerâmica e ceramo-cerâmica As relações clínica/laboratório Prof. Dr. Marc OBRECHT

Leia mais

Deliberação n.º 762/2003

Deliberação n.º 762/2003 Deliberação n.º 762/2003 de 27 de Maio Deliberação n.º 763/2003. - Por deliberação da Secção Permanente do Senado, em reunião de 5 de Fevereiro de 2003, foi aprovada a criação do curso de Mestrado em Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS Mestrado em Ciências da Documentação e da Informação Variante de Arquivo A EXTERNALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUIVO GESTÃO E CUSTÓDIA DE DOCUMENTOS CONTRIBUTO PARA

Leia mais

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto: Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 27 de Outubro de 2009 9:21 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Importância do exame radiográfico

Importância do exame radiográfico Exames e Indicações Importância do exame radiográfico O exame radiográfico de rotina associado ao exame clínico é a maneira mais efetiva de se obter o índice diagnóstico de 100% de cárie (segundo Estevam

Leia mais

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Agradecimentos Um trabalho destes só é possível com a colaboração, participação e esforço conjugado de um elevado

Leia mais

ÍNDICE. Agradecimentos Resumo Introdução 1

ÍNDICE. Agradecimentos Resumo Introdução 1 AGRADECIMENTOS À Professora Dr.ª Maria Graça Sardinha, minha orientadora. A ela agradeço o rigor, o conhecimento, o apoio e compreensão durante a consecução desta dissertação. Ao Dr. Orlando Morais, Director

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII OBRIGA À DIVULGAÇÃO, POR ESCOLA E POR DISCIPLINA, DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12.º ANO DE ESCOLARIDADE, BEM COMO DE OUTRA INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR QUE POSSIBILITE O CONHECIMENTO

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 16 de Outubro de 2012 18:05 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Paula Carneiro, Mónica Barroso, Ana Cristina Braga Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho Workshop Atenção! Mais

Leia mais

Dentro da Rede Multicare. 1. Pagamento de Despesas. 2. Marcação de Consulta. 3. Marcação de Tratamento / Exame. 4. Autorização Prévia

Dentro da Rede Multicare. 1. Pagamento de Despesas. 2. Marcação de Consulta. 3. Marcação de Tratamento / Exame. 4. Autorização Prévia Dentro da Multicare O seu seguro Viva Melhor dá-lhe acesso a uma vasta lista de prestigiados médicos, clínicas, laboratórios, de todo o país a custos reduzidos. Pode consultar a lista em www.multicare.pt

Leia mais

Cirurgiã Dentista, Especialista em Radiologia, Especializanda em Ortodontia PLANO DE CURSO

Cirurgiã Dentista, Especialista em Radiologia, Especializanda em Ortodontia PLANO DE CURSO C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: RADIOLOGIA Código: ODO-14 Pré-requisito: ANATOMIA

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais Perguntas sobre a aplicação de Equipamento de Controlo de Assiduidade através de Tecnologia Biométrica para além de Equipamentos de Controlo de Assiduidade por Impressão Digital /Palma Perguntas: (1) Será

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

PNPSO - Saúde Oral para Grávidas e Saúde Oral para Idosos

PNPSO - Saúde Oral para Grávidas e Saúde Oral para Idosos PNPSO - Saúde Oral para Grávidas e Saúde Oral para Idosos Informação à Classe ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS Obtenha as respostas às seguintes questões: Como funciona o Programa do Cheque-dentista? Como funciona

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA JOÃO RAFAEL FREITAS DA SILVA INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

Leia mais

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER NOVO PROGRAMA [Revisto & Atualizado] CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER CURSO MODULAR DE FORMAÇÃO DE ASSISTENTES DENTÁRIOS 6.ª edição Início a 21 de novembro de 2015 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA UNIVERSIDADE PAULISTA CAMPUS DE BRASÍLIA CRONOGRAMA DOS MÓDULOS

II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA UNIVERSIDADE PAULISTA CAMPUS DE BRASÍLIA CRONOGRAMA DOS MÓDULOS II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA UNIVERSIDADE PAULISTA CAMPUS DE BRASÍLIA CRONOGRAMA DOS MÓDULOS MÓDULO MÊS DATAS I OUTUBRO/NOVEMBRO/07 29, 30, 31/10, 01/11 II DEZEMBRO/07

Leia mais

Curso de Prótese e Oclusão

Curso de Prótese e Oclusão Curso de Prótese e Oclusão Dr. Marc Obrecht - Director Científico 10 módulos no Porto com 1 dos módulos em parceria com ESORIB & New York University Início: 6 de dezembro de 2014 Durante os módulos são

Leia mais

Índice de Gráficos. vii

Índice de Gráficos. vii Índice de figuras Figura 1 Figura 2 Figura 3 Figura 4 Figura 5 Figura 6 Modelo de raciocínio e acção pedagógica (adaptado de Shulman e Marcelo por Tavares, 1997) Modelo reflexivo de desenvolvimento / formação

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

REGULAMENTO DA MEDIATECA DO BCI FOMENTO

REGULAMENTO DA MEDIATECA DO BCI FOMENTO 1 I Natureza e Funções REGULAMENTO DA MEDIATECA DO BCI FOMENTO A Mediateca do BCI FOMENTO é um centro de documentação integrado do BCI, SARL. A sua sede funciona na cidade do Maputo, dispondo de uma antena

Leia mais

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Catarina Isabel Fonseca Paulos Mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses 2005 Esta dissertação

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Leonardo Pimenta de Mello Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

FAQs Envio das Folhas de Férias por Ficheiro Electrónico - Seguro AT (prémio variável)

FAQs Envio das Folhas de Férias por Ficheiro Electrónico - Seguro AT (prémio variável) PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O nome do ficheiro obedece a alguma estrutura própria? Para aproveitar, mas simultaneamente diferenciar, o ficheiro para a Segurança Social, sugere-se que o nome do ficheiro a

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS 1 INDICE POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS... 1 INDICE... 2 1. Responsabilidade Legal e Social... 3 2. Processo de Contratação de Terceiros... 4 3. Categorias de

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Mestrado em Empreendedorismo e Serviço Social Titulo da Dissertação: PROGRIDE: foco de inovação social? Um estado de caso em três projectos PROGRIDE Mestranda: Vera Alexandra

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Tabela de preços convencionada para medicina dentária e estomatologia

Tabela de preços convencionada para medicina dentária e estomatologia Tabela de preços convencionada para medicina dentária e estomatologia Em consequência de condições específicas convencionadas com os prestadores, o valor assumido pela Pessoa Segura poderá, em algumas

Leia mais

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte À PROCURA DE UM INSTRUMENTO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA SAÚDE Grupo de Trabalho da Avaliação do Impacto dos Serviços de Saúde na

Leia mais

A A IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA PRESERVAÇÃO DE EVIDÊNCIAS MÉDICOM DICO-LEGAIS. Isabel Lourenço o / Professora Adjunta

A A IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA PRESERVAÇÃO DE EVIDÊNCIAS MÉDICOM DICO-LEGAIS. Isabel Lourenço o / Professora Adjunta A A IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA PRESERVAÇÃO DE EVIDÊNCIAS MÉDICOM Isabel Lourenço o / Professora Adjunta Instituto Superior Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de

Leia mais

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem.

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. O que é o Failure Score? O que prevê o Failure Score? Qual é a disponibilidade do Failure Score? Como é calculado o Failure Score? Qual o desempenho

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

TÍTULO TÍTULO. Subtítulo Subtítulo. Nome completo do Candidato Nome completo do Candidato

TÍTULO TÍTULO. Subtítulo Subtítulo. Nome completo do Candidato Nome completo do Candidato TÍTULO TÍTULO Subtítulo Subtítulo Nome completo do Candidato Nome completo do Candidato Dissertação / Trabalho de Projeto / Relatório de Estágio apresentada(o) como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

Em seguida, prestam-se breves esclarecimentos sobre algumas questões frequentes sobre o acordo mencionado acima:

Em seguida, prestam-se breves esclarecimentos sobre algumas questões frequentes sobre o acordo mencionado acima: Acordo Ibérico entre Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário (CESPU) e Universidade Alfonso X El Sabio de Madrid permite o ingresso de alunos licenciados em Ciências Biomédicas pela

Leia mais

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd Conselho Universitário - CONSUNI Câmara de Ensino Curso de Graduação em Odontologia da UNIPLAC Quadro de Equivalência para Fins de Aproveitamento de Estudos entre duas Estruturas Curriculares Modulares

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática SOLUÇÃO MIDDLEWARE PARA INTEGRAÇÃO COM SISTEMA LEGACY Rui Manuel Correia Sá Gonçalves TRABALHO DE PROJETO Versão Pública MESTRADO

Leia mais

Especialidades Odontológicas

Especialidades Odontológicas Especialidades Odontológicas Urubatan Medeiros Doutor (USP) - Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária (UERJ/UFRJ) - Consultor do Ministério da Saúde I - Introdução A Odontologia

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

Normas de Orientação Clínica em Radiodiagnóstico

Normas de Orientação Clínica em Radiodiagnóstico Número Zero - Avaliação Cruzada MoniQuOr Política de Prescrição Ao ler o número zero da Revista "Qualidade em Saúde" verifico que no artigo sobre os resultados da avaliação cruzada do projecto MoniQuOr,

Leia mais

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS RELATÓRIO DE ANÁLISE AOS INQUÉRITOS DE INGRESSO DOS NOVOS ALUNOS

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Técnicas de Representação Digital I Área Científica: Desenho (DES) Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 3º ECTS: 6 Tempo

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição: a) os titulares de grau de mestre ou

Leia mais

RESULTADO DO INQUÉRITO REALIZADO NO LABORATÓRIO DE CÁLCULO DOCENTES. Entre 20 de Outubro e 6 de Novembro de 2009

RESULTADO DO INQUÉRITO REALIZADO NO LABORATÓRIO DE CÁLCULO DOCENTES. Entre 20 de Outubro e 6 de Novembro de 2009 RESULTADO DO INQUÉRITO REALIZADO NO LABORATÓRIO DE CÁLCULO DOCENTES Entre 20 de Outubro e 6 de Novembro de 2009 Ao inquérito responderam 44 docentes. O tamanho da amostra é suficiente para tirar boas conclusões

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo APÊNDICE I Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos Actividades Outubro Estabelecer um horário semanal de estudo Fazer cumprir o horário semanal de estudo Verificar diariamente

Leia mais

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Bianca Snaiderman A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

Microempresas no Brasil: informalidade e contratos de trabalho

Microempresas no Brasil: informalidade e contratos de trabalho Joana da Costa Martins Monteiro Microempresas no Brasil: informalidade e contratos de trabalho Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo

Leia mais

Scanner de películas de memória VistaScan Mini pequeno, mas forte

Scanner de películas de memória VistaScan Mini pequeno, mas forte Scanner de películas de memória VistaScan Mini pequeno, mas forte Ar comprimido Aspiração Imagiologia Conservação dos dentes Higiene A nova dimensão do diagnóstico radiográfico Chairside O scanner de películas

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

A Gestão operacional total da clínica ou consultório

A Gestão operacional total da clínica ou consultório Descritivo completo Clínica 2008 A Gestão operacional total da clínica ou consultório Benefícios Fácil de utilizar; Totalmente integrada com o restante Software PHC; Maior eficiência na Gestão de Marcações;

Leia mais

Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS)

Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS) Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS) Este Regulamento aplica-se a todos os utilizadores do Serviço

Leia mais

Victor Silvano Resende. Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica

Victor Silvano Resende. Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica Victor Silvano Resende Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica Brasília 2014 Victor Silvano Resende Estabilidade da margem gengival após cirurgia

Leia mais

V PÓS-GRADUAÇÃO CLÍNICA EM ODONTOPEDIATRIA

V PÓS-GRADUAÇÃO CLÍNICA EM ODONTOPEDIATRIA 2015/16 V PÓS-GRADUAÇÃO CLÍNICA EM ODONTOPEDIATRIA ESTRUTURA CURRICULAR Contents Características do Curso... 2 Coordenação Pedagógica... 8 Coordenação Científica... 8 Coordenação Clínica... 8 Prática Clínica...

Leia mais

VistaScan Combi View Eficiência com precisão

VistaScan Combi View Eficiência com precisão VistaScan Combi View Eficiência com precisão O novo digitalizador de placas de fósforo com tela touch screen para todos os formatos Ar comprimido Aspiração Imagiologia Tratamento Higiene Placas de fósforo

Leia mais

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular Avaliação Final do Internato Médico de Medicina Geral e Familiar - Critérios- 1. Introdução O presente documento tem como finalidade dotar os júris constituídos para a Avaliação Final do Internato Médico

Leia mais

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho Política de Tratamento de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho 31 de Agosto de 2009 Índice INTRODUÇÃO-----------------------------------------------------------------------------------------------------------2

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais

Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais Raquel Rodrigues Santos Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012. Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012. Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02 PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012 Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02 A Lei n.º 5/2008, de 12 de Fevereiro, aprovou a criação de uma base

Leia mais

CONSENTIMENTO INFORMADO Versão #

CONSENTIMENTO INFORMADO Versão # FORMULÁRIO TIPO FOLHA DE INFORMAÇÃO AO PARTICIPANTE /FORMULÁRIO DE CONSENTIMENTO INFORMADO E AUTORIZAÇÃO PARA USO E DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO MÉDICA chilshflsdk. TÍTULO DO ENSAIO CLÍNICO: PROTOCOLO Nº.

Leia mais

TRAUMATISMO DENTÁRIO EM DENTIÇÃO DECÍDUA UM CASO CLÍNICO DE TRAÇÃO ORTODÔNTICA

TRAUMATISMO DENTÁRIO EM DENTIÇÃO DECÍDUA UM CASO CLÍNICO DE TRAÇÃO ORTODÔNTICA Prémio Ortodontia 2015 TRAUMATISMO DENTÁRIO EM DENTIÇÃO DECÍDUA UM CASO CLÍNICO DE TRAÇÃO ORTODÔNTICA ARTIGO VENCEDOR RESUMO Os traumatismos em dentição decídua poderão afetar a dentição permanente, afetando

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

Capítulo 1 1. Capítulo 2 63

Capítulo 1 1. Capítulo 2 63 Índice Os Autores... Nota da Coordenadora... M. Fátima Pinheiro Prefácio... Manuel Simas Santos IX XIII XV Capítulo 1 1 Desafios Ético-jurídicos da Prova Pericial Artur Pereira Introdução... 1 Bases de

Leia mais

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing André Luis Canedo Lauria Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009 Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água Ano de 2008/2009 Comissão Coordenadora Maria da Natividade Ribeiro Vieira Directora de Curso Vítor Manuel Oliveira Vasconcelos Luís Filipe

Leia mais

PROCEDIMENTO INTERNO

PROCEDIMENTO INTERNO 1. Objectivo Definir quais os procedimentos a adoptar nas práticas do funcionamento do Núcleo de Documentação do Centro Hospitalar Cova da Beira. 2. Aplicação Bibliotecas do Núcleo de Documentação do Centro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ODONTOPEDIATRIA 1. ODONTOPEDIATRIA PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO 2010 Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS... 4 1. RESULTADOS

Leia mais

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS Escola de Engenharia Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

8º Curso de Aperfeiçoamento em Implantologia e Prótese sobre Implantes (2014)

8º Curso de Aperfeiçoamento em Implantologia e Prótese sobre Implantes (2014) 8º Curso de Aperfeiçoamento em Implantologia e Prótese sobre Implantes (2014) ESTA PÓS GRADUAÇÃO DESTINA-SE A TODOS OS MÉDICOS DENTISTAS QUE PRETENDAM INICIAR OU APROFUNDAR CONHECIMENTOS NA ÁREA DE REABILITAÇÃO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Ana Teresa Dias Valente Marline Morais Conceição Vieira de Carvalho Ana Teresa Dias Valente Morais EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Dissertação de Mestrado em Intervenção

Leia mais