BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA: controle integrado de doenças

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA: controle integrado de doenças"

Transcrição

1 BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA: controle integrado de doenças Luiz Sesti, Méd. Vet., MSc, PhD Gerente de Desenvolvimento Técnico Multimix Nutrição Animal Ltda Campinas, SP, Brasil 1. INTRODUÇÃO O que significa controle integrado de doenças na moderna avicultura industrial? Inicialmente, se faz necessário entender-se o que significa o termo integrado. De acordo com Houaiss et al (2001) integrar significa, entre outras definições,... incluir-se um elemento num conjunto, formando um todo coerente;... adaptar (alguém ou a si mesmo) a um grupo, uma coletividade;... unir-se formando um todo harmonioso; completar-se, complementar-se;.... Portanto, podemos certamente concluir que um controle integrado de enfermidades significa na verdade um conjunto de medidas cientificamente embasadas que visem prevenir a ocorrência de doenças em um sistema de produção ou visem controlar/erradicar determinadas doenças que já existam ou que consigam entrar no sistema. Estas medidas devem estar completamente integradas entre si, e com seus executores, de modo que funcionem como um todo perfeitamente integrado. 2. CONSCIENTIZAÇÃO Embora constantemente ignoradas, algumas máximas de nosso dia a dia, velhas conhecidas nossas, são portadoras de enorme sabedoria exatamente pela sua extrema singelez e profundidade. Algumas delas dizem respeito e podem ser utilizadas diretamente com referência à BIOSSEGURIDADE e SAÚDE ANIMAL na indústria avícola. São elas: Vale mais a pena (e é sempre muitíssimo mais barato) prevenir do que remediar.

2 Seguro morreu de velho. A construção de uma casa de 30m 2 ou de um edifício de 100 andares começa pela fundação (a não ser que sejam já construídos para cair como certas construções [leia-se programas de biosseguridade] realmente o são). Uma caminhada de 1000 km começa com o primeiro passo. O maior cego é exatamente aquele que não quer ver. Já se vão pelo menos duas décadas desde a época na qual a expressão aldeia global era algo nebuloso e relacionado com filmes de ficção científica. Estamos já, e cada vez mais sem passagem de volta, realmente vivendo em uma única comunidade mundial. Nesta, o crescimento da população mundial, as conseqüentes mudanças no meio-ambiente e as facilidades de fluxo de pessoas, materiais e animais fazem com que esteja permanentemente ocorrendo uma enorme mistura e/ou troca mundial de hábitos, costumes, idiomas, interesses econômicos e principalmente, de doenças de animais e humanos. Biosseguridade (conceitos e definições são detalhadas no item 4 abaixo) na indústria avícola já não é, há muito anos (desde pelo menos 1992; L. Sesti, comunicação pessoal) quando ocorreu a primeira apresentação formal do conceito biosseguridade no Brasil), uma tecnologia que poucas empresas de maior porte faziam de maneira parcial. É hoje, algo absolutamente primordial, essencial para a sobrevivência de todos os tipos de sistemas de produção e industrialização de aves. Por incrível que pareça, infelizmente, muitos empresários e médicos veterinários da indústria avícola ainda hoje não se deram conta desta verdade. É absolutamente essencial médicos veterinários, produtores, e demais profissionais envolvidos em avicultura tenham sempre em mente suas responsabilidades, objetivos e comprometimentos com a atividade. O tremendo crescimento mundial e modernização da indústria avícola nas últimas duas décadas tornou claro e evidente a necessidade de uma maior e mais detalhada atenção no que diz respeito à saúde dos plantéis. Principalmente porque o crescimento desta indústria está baseado em um grande aumento no tamanho dos sistemas de produção (granjas ou complexos de granjas e/ou unidades de

3 produção) com um conseqüente grande aumento na densidade animal em uma determinada área geográfica. Isto se traduz em uma situação ideal para a multiplicação, disseminação e perpetuação de vários patógenos de aves (vírus e bactérias principalmente) e a ocorrência de surtos de enfermidades que acarretam elevados prejuízos econômicos (por exemplo, os recentes surtos de Influenza Aviária de alta e média patogenicidade ao redor do mundo). Um outro aspecto muitíssimo importante na indústria avícola moderna é a preocupação com a saúde pública. Ou seja, os consumidores finais de produtos de aves estão sujeitos a serem acometidos por enfermidades causadas por patógenos (bactérias principalmente) presentes nestes produtos. Estes patógenos podem contaminar o produto final de várias maneiras, desde a via vertical, da galinha para os ovos férteis (progênie), passando pela contaminação horizontal durante as fases de incubação/eclosão e engorda dos frangos e/ou contaminação durante o processamento na indústria. A única maneira de se manter sistemas de produção e seus respectivos rebanhos comerciais livres ou controlados no que diz respeito à presença de agentes de enfermidades de impacto econômico na produtividade e/ou perigosos para a saúde pública (zoonoses) é através da utilização de um efetivo PROGRAMA DE BIOSSEGURIDADE. Este deverá contemplar todos os aspectos gerais da medicina veterinária preventiva bem com conter aspectos exclusivos direcionados a cada sistema de produção em particular. Saúde animal sempre foi, é, e sempre será, uma das principais, senão a principal barreira não tarifária para embargo de nossas exportações ao resto do mundo. Assim, BIOSSEGURIDADE é, e será cada vez mais, o certificado básico para a qualidade de nossos produtos, tanto para o cada vez mais exigente consumidor interno quanto, principalmente, para o mercado externo de exportação. O presente artigo tem como objetivo específico discutir aspectos conceituais e práticos fundamentais para a elaboração de um programa de biosseguridade efetivo na avicultura moderna (produção de frangos de corte e postura comercial).

4 3. MODERNA PRODUÇÃO AVÍCOLA E BIOSSEGURIDADE A galinha doméstica (Gallus gallus) é, das espécies exploradas comercialmente pelo homem, a que mais utiliza (em 2 o lugar estão os suínos) práticas tais como concentração da produção (alta densidade animal por m 2 ou Km 2 ) e integração vertical, bem como modernas metodologias científicas que objetivam uma maior e melhor compreensão das interações entre genética, produção, meio ambiente, manejo, nutrição, saúde de rebanho e saúde pública (zoonoses). Por causa destas características, a indústria avícola de corte e postura tem crescido rapidamente há um enorme volume de produção nas últimas três décadas, para suprir a população com proteína animal de altíssima qualidade produzida a custos bastante baixos. Este rápido crescimento significou uma rápida mudança à qual, a indústria em geral, tem procurado responder o mais adequadamente possível. Biosseguridade, de uma forma ou de outra, é geralmente encontrada na indústria avícola mundial. Todos os sistemas de criação comercial de frangos praticam algum tipo biosseguridade e normalmente todos os envolvidos possuem um maior ou menor conhecimento da importância deste conceito/filosofia técnica para a viabilidade da produção e segurança e qualidade do produto final (carne de frango e seus subprodutos). Acontecimentos mundiais recentes (Influenza Aviária e Humana na Ásia) tem forçado a indústria a reavaliar seus conceitos e grau de importância concedido à biosseguridade. Os fatores principais causadores desta pressão para uma reavaliação dos critérios de biosseguridade utilizados na indústria avícola são: 1) Globalização e GATT (2004a,b; General Agreement on Tariffs and Trade; Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio). Estes tem aumentado significativamente o potencial de mercado mundial, mas no entanto, tem forçado ainda mais a competitividade pelos dólares usados na compra de alimentos. A medida que as sociedades se tornam mais afluentes (ricas), com melhor educação e cultura e mais exigentes, a expectativa dos consumidores no que se refere à qualidade e segurança alimentar muda radicalmente.

5 2) Os governos, em um maior ou menor grau, tem respondido às preocupações dos consumidores, às expectativas da sociedade a quem servem, à pressão feita pela indústria avícola e/ou outros grupos individuais e várias regulamentações e legislação pertinente tem sido elaborada. 3) Preocupação mundial com resíduos químicos e/ou de drogas utilizadas na produção animal. 4) Contaminação bacteriana e/ou viral de produtos avícolas por agentes etiológicos de zoonoses. As características que tem causado as mudanças e o crescimento da indústria avícola no passado recente tem também contribuído para muitos dos temas que hoje são as principais forças motoras: - intensificação da produção - melhoramento genético - expectativas de qualidade por parte dos consumidores - preço e disponibilidade Apesar de haverem óbvias diferenças e especificidades geográficas e/ou regionais, a moderna produção de frangos é quase que padronizada ao redor do mundo no que se refere à infra-estrutura de produção, potencial genético, manejo operacional básico e tipos de desafios à saúde dos rebanhos. Sem qualquer dúvida, a mudança mais espetacular ocorrida na avicultura industrial nas últimas décadas foi tremendo aumento na taxa de crescimento dos frangos de corte ocorrido nas últimas três décadas (Figura 1). Este foi devido ao excelente trabalho realizado pelas várias empresas de genética avícola ao redor do mundo juntamente com um apropriado conhecimento das necessidades nutricionais destas aves melhoradas. AQUI FIGURA 1 Todo este melhoramento no potencial genético destas aves não veio sem custos. Além dos custos operacionais propriamente ditos, vieram também os custos metabólicos. Ou seja, para que ave cresça às taxas atuais é necessário que seu

6 metabolismo trabalhe sempre no limite fisiológico. Em verdade, uma das maiores causas, se não a maior, de mortallidade entre frangos de corte hoje em dia são problemas denominados de uma forma generalista de desordens metabólicas. Entre as mais importantes temos: a) morte súbita, b) desordens ósseas (espondiolistese, valgus & varus e discondroplasia tibial) e, c) ascite. Na prática a campo atualmente, é muito comentado por todos os técnicos da avicultura moderna o fato de que o frango de hoje parece ser menos resistente aos desafios normais do dia a dia da criação (estresses térmicos, alta densidade animal, pressão de infecção ambiental, etc...). No entanto, estas observações práticas necessitam ainda uma confirmação científica sólida, embora algumas evidências iniciais já tem sido publicadas (Kramer et al., 2003). O trabalho de Kramer et al. (2003) indica que quando as empresas de melhoramento genético introduzirem na rotina trabalho de seleção características indicativas da imunocompetência em geral, será muito importante a mensuração de não apenas um, mas vários aspectos do sistema imune (principalmente no que concerne à resistência à infecção por salmonelas). Médicos veterinários responsáveis pela biosseguridade de um sistema de produção de aves (reprodução e/ou produção de frangos e/ou postura comercial) enfrentam um significativo desafio ao irem de encontro às demandas competitivas do mercado às quais devem ser respondidas com mudanças estratégicas e operacionais no que se refere à biosseguridade do sistema de produção. Não existe fórmula mágica que determine quanta biosseguridade é suficiente. Obviamente, alguma biosseguridade é absolutamente essencial, mas qual é o limite? Como identificar excessos de biosseguridade? Excessos em biosseguridade significam perdas diretas no lucro líquido da empresa, por outro lado, biosseguridade deficiente significa perda de produtividade e de nichos de mercado nacionais e internacionais. Ao planejar e desenhar o programa de biosseguridade de um sistema de produção, o médico veterinário deverá trabalhar em uma muita estreita parceria com seus colegas dos departamentos comercial e marketing, para que este programa de biosseguridade reflita o máximo possível as necessidades atuais da empresa. No entanto, na atual conjuntura da indústria avícola mundial, as mudanças quanto à exigências de saúde de rebanho e/ou de saúde pública (zoonoses) pode m ocorrer muito rapidamente, não

7 permitindo muitas vezes, que os sistemas de produção se adeqüem em tempo. Por esta razão, todos os procedimentos de biosseguridade devem ser rotineiramente revisados e adaptados de acordo com as exigências atuais do mercado e mesmo daquelas que deverão vir a curto e médio prazo (planejamento estratégico). 4. BIOSSEGURIDADE 4.1 Conceitos e Nomenclatura Apropriada Biosseguridade é uma palavra relativamente nova em nosso vocabulário (±10-12 anos de uso na produção animal intensiva) e não é encontrada, com exceção de Blood & Studdert (1999), em dicionários gerais e/ou especializados. Em seu sentido geral ela significa o estabelecimento de um nível de segurança de seres vivos por intermédio da diminuição do risco de ocorrência de enfermidades agudas e/ou crônicas em uma determinada população. Este conceito geral é aplicável à populações de qualquer espécie animal. Em produção de aves, um programa de biosseguridade significa o desenvolvimento e implementação de um conjunto de políticas e normas operacionais rígidas que terão a função de proteger os rebanhos contra a introdução de qualquer tipo de agentes infecciosos, sejam eles vírus, bactérias, fungos e/ou parasitas. Uma vez que ocorra uma solução de continuidade na biosseguridade de um sistema de produção e determinado patógeno(s) contamina(m) o(s) rebanho(s) é necessário que o programa de biosseguridade seja imediatamente redesenhado e adaptado à nova situação de saúde do sistema em questão. Isto é, se for econômica, técnica e legalmente possível conviver com os agentes infecciosos agora presentes no sistema, o programa de biosseguridade deverá preconizar normas (e.g., novas vacinas, diferentes fluxos de produção, separação das fases de produção, etc, etc ) que possibilitem o máximo controle da multiplicação e disseminação destes agentes bem como um mínimo impacto na produtividade do sistema. Existem certamente muitas variações sutis, outras nem tanto, quando as pessoas definem biosseguridade, mas de um modo geral, todas as definições de biosseguridade devem, obrigatoriamente, incluir os seguintes princípios:

8 Controle da multiplicação de agentes biológicos endêmicos. Um crescimento descontrolado na população destes organismos poderá ocasionar um efeito negativo crônico (diminuição) na desempenho e produtividade dos rebanhos. Prevenção da contaminação dos rebanhos por organismos altamente contagiosos e potencialmente letais. Estes podem ter efeitos devastadores no sistema de produção. Controle (e prevenção) daqueles agentes infecciosos de importância na saúde pública (zoonoses). A presença de alguns destes agentes, por exemplo salmonelas, pode passar desapercebida porque nem sempre irão afetar o desempenho dos animais contaminados. Controle (e prevenção) daqueles agentes infecciosos de transmissão vertical que podem não somente afetar o desempenho e a produtividade da progênie como podem ser facilmente disseminados em uma grande área geográfica e afetar muitos sistemas de produção independentes. Biosseguridade é um conceito técnico, ou ainda, uma filosofia técnica aplicada à saúde de seres vivos animais, e no presente caso, a rebanhos da moderna avicultura industrial. Pela especificidade e ao mesmo tempo abrangência de sua conceituação técnica, o termo biosseguridade torna-se muito mais apropriado quando o assunto for saúde animal. Certas ditas expressões técnicas as quais vem sendo utilizadas há muitas décadas, tais como: manejo sanitário, controle sanitário, sanidade animal, sanidade dos suínos, barreira sanitária, programa sanitário, programa de sanidade e sanidade de rebanho... entre muitíssimas outras variações, tornam-se irrelevantes e sem sentido quando as comparamos com o conceito e filosofia de biosseguridade e seus termos correlatos. Senão, vejamos as definições literais destes termos (Houaiss et al, 2001):

9 Sanidade. S.f. (xxiii cf. FichIVPM) 1. Qualidade ou virtude do que é são. 2. Conjunto de condições que conduzem ao bem-estar e à saúde. 3. Normalidade, estabilidade física ou mental. ETIM lat. Santas, tis saúde ; Sanitário. Adj. (1844 cf. AGC)1. Relativo à saúde pública ou individual, ou à higiene (cuidados). 2. Relativo a banheiro, aposento com todo o aparelhamento (louça s.) /// sm. 3. Vaso sanitário, 4. p.met. local público ou privado, equipado com vaso sanitário; toalete, mictório, banheiro. ETIM sanit- + -ário; cp. fr. Sanitaire (1801). Ver sinonímia de latrina Tais expressões não expressam de modo algum a idéia e o conceito de saúde animal e medicina veterinária preventiva (ambos claramente relacionados com programas de biosseguridade para sistemas de produção animal) e devem ser substituídas por outras mais cientificamente apropriadas e esclarecedoras, tais como por exemplo, as seguintes recomendações: manejo sanitário, controle sanitário substituídas por Normas de Biosseguridade. sanidade animal substituída por Saúde Animal ou Saúde das Aves ou a espécie animal em questão. sanidade avícola substituída por Saúde Avícola. barreira sanitária substituída por Barreira de Saúde Animal. programa sanitário, programa de sanidade substituídas por Programa de Biosseguridade ou Programa de Saúde do Rebanho e sanidade de rebanho substituída por Saúde de Rebanho. Um dos exemplos mais típicos de expressões tecnicamente não apropriadas é o nosso muito conhecido Vazio Sanitário o qual, embora seja largamente utilizado, não tem o menor sentido como conjunto de palavras e é impossível de ser definido como tal. Certamente, a grande maioria dos médicos veterinários que trabalham na avicultura sabem que esta expressão significa um determinado período de tempo (dias, semanas, meses), após a retirada de um lote de aves de uma instalação e realizada completa limpeza e desinfecção, durante o qual a(s) instalação(ões)

10 fica(m) completamente vazia(s), sem a presença de qualquer espécie animal. Com absoluta certeza existem outros termos mais apropriados e corretos para expressar este mesmo procedimento de biosseguridade, como por exemplo: vazio das instalações (galpão, granja, etc ), descanso das instalações, intervalo entre lotes, etc, etc. Biosseguridade versus Biossegurança O termo biossegurança é freqüente e erradamente utilizado em substituição à biosseguridade. Estes termos tem conceitos diferentes (Blood & Studdert, 1999) embora a primeira vista pareçam significar o mesmo. Biosseguridade (já bem definida acima) é um conceito geral e refere-se à saúde animal. Já biossegurança refere-se quase que exclusivamente a assuntos de saúde humana e pode ser definida como prevenção à exposição a agentes de enfermidades e/ou a produtos biológicos/químicos/radioativos capazes de produzir doenças em seres humanos. Deste modo, o termo biossegurança deve ser utilizado, quando por exemplo, em referencia à: Normas de prevenção de contaminação de pessoas trabalhando em laboratórios de virologia e/ou microbiologia e qualquer outro tipo de laboratório. Normas de prevenção à contaminação por radiação. Normas de utilização de produtos modificados geneticamente (vegetais ou animais). Normas de manuseio e utilização de substâncias químicas em geral, substâncias carcinogênicas, Outras situações similares... Ambos termos,,biossegurança e biosseguridade, são traduções literais das palavras originais em inglês ( biosafety e biosecurity, respectivamente; Figura 2). AQUI FIGURA 2

11 Biossegurança, de uma maneira geral, indica aquelas normas e procedimentos relacionados com a saúde humana as quais são permanentes e normalmente inflexíveis, a não ser para se tornarem ainda mais restritivas. Já biosseguridade, indica diretamente algum tipo de procedimento que visa prevenir determinado evento relacionado com saúde animal. Estes procedimentos devem sempre, rotineiramente, serem revisados, e imediatamente modificados quando necessário, de acordo com mudanças nos objetivos econômicos, legais e de produtividade do sistema de produção animal em questão. A medicina veterinária, assim como todas as outras ciências correlatas da área biomédica, está em constante evolução não somente sob o ponto de vista técnico mas igualmente sob o ponto de vista filosófico/conceitual. É essencial que os profissionais desta área sejam capazes de reconhecer e assimilar esta evolução e adaptar-se rapidamente à mesma. Somente agindo deste modo é que estes profissionais terão amplas condições de implementar e operacionalizar novos conceitos e procedimentos técnicos a medida que os mesmos forem sendo desenvolvidos e validados. O fato de que determinada nomenclatura técnica errada e/ou equivocada é utilizada oficialmente (por exemplo, na legislação brasileira de saúde animal) NUNCA pode ser utilizado como argumento para a continuidade e perpetuação de tal tipo de erro de comunicação. É essencial que estas falhas sejam sempre apontadas e soluções oferecidas para a prevenção de erros futuros. Deste modo as novas gerações de técnicos estarão continuamente sendo submetidos aos conceitos corretos e, assim, formando já desde o início de suas carreiras profissionais um embasamento teórico cientificamente correto e apropriado. 4.2 Componentes da Biosseguridade Como relatado acima, biosseguridade são procedimentos desenhados para principalmente prevenir a entrada e a disseminação de enfermidades em um sistema de produção animal ou manter sob controle doenças existentes no sistema.

12 Isto é alcançado via mantença de o menor fluxo possível de organismos biológicos (vírus, bactérias, parasitas, fungos, roedores, animais silvestres, pessoas, etc., etc.) através das divisas do sistema de produção. Nenhum programa de prevenção de doenças será efetivo sem este procedimento básico. Biosseguridade tem basicamente nove componentes operacionais técnicos principais que funcionam como elos de uma corrente. Ou seja, um programa de biosseguridade somente alcançará pleno sucesso quando todos os elos desta corrente estiverem firmemente unidos uns aos outros. Cada um destes elos necessita permanente manutenção e revisão para evitar-se pontos de enfraquecimentos na corrente e conseqüente falha na biosseguridade do sistema. Ou seja, a efetividade de um programa de biosseguridade será sempre igual à resistência do elo (componente) mais fraco da corrente (Figura 3). AQUI FIGURA 3 Os elos da cadeia de biosseguridade já tem sido descritos, em diferentes níveis de detalhamento, em outras publicações (Sesti, 1998, 2001, 2003, 2004) e o presente artigo se limitará especificamente a alguns aspectos gerais principais relacionados com programas de biosseguridade para granjas de frangos de corte. No entanto, é importante enfatizar que todos os aspectos aqui discutidos podem, em sua totalidade, serem aplicados à granjas de engorda de perus. 5. DEFINIÇÃO DE DESAFIO E RISCOS Antes da elaboração e implantação de qualquer PROGRAMA DE BIOSSEGURIDADE, é necessário que seja realizada uma análise e definição dos riscos e desafios aos quais o sistema de produção de frangos está sujeito. Ou seja, as seguintes perguntas devem ser respondidas organizada e detalhadamente: - quais os desafios à saúde do rebanho (presença de agentes etiológicos e/ou ocorrência de sintomatologia e doença clínica) que devem ser prevenidos e/ou

13 controlados pelo programa de biosseguridade para evitar perdas de produtividade e lucratividade? - Quais as doenças (e seus agentes) que devem ser prevenidas e/ou controladas por força de legislação? - Quais as doenças (e seus agentes etiológicos) que devem ser prevenidas e/ou controladas por força de exigência de clientes estrangeiros importadores? - Quais as doenças (e seus agentes etiológicos) que devem ser prevenidas e/ou controladas por força de exigência de clientes nacionais? - Quais as doenças (e seus agentes etiológicos) com possibilidade de tornaremse, a curto ou médio prazo, de controle obrigatório (por exemplo, Campilobacter sp.) devem ser prevenidas e/ou controladas por força de legislação? - Quais as possíveis formas de entrada e manutenção/perpetuação (epidemiologia) destas doenças (e seus agentes etiológicos) no sistema de produção? - Quais as falhas do sistema de produção em questão com base nas respostas das questões anteriores? Com base nas respostas das perguntas acima, o médico veterinário do sistema poderá desenhar um programa de biosseguridade direcionado especificamente às necessidades do sistema. Este será efetivo somente ao sistema em questão e não poderá ser simplesmente transferido para outro sistema de produção. Somente os princípios operacionais básicos de um programa de biosseguridade (Figura 2) são aplicáveis a qualquer sistema de produção animal. Todas as normas operacionais (veja detalhes em Sesti, 2004) relacionadas com cada um dos princípios devem obrigatoriamente ser ajustadas, modificadas e adaptadas para as necessidades do sistema de produção (galpão, núcleo de galpões, granja, núcleo de granjas, etc...) onde serão implantadas especificamente. A avaliação de riscos deve ser parte integral de um programa de biosseguridade bem elaborado. Os riscos de introdução de um agente bem como os riscos à produtividade do plantel e ao desempenho comercial (vendas dos produtos finais) devem ser avaliados simultaneamente. Avaliar riscos é um processo difícil, e muitas vezes um grande número de aspectos devem ser assumidos, embora sempre devam ser assumidos com base em conhecimento epidemiológico científico. Existem algumas metodologias oficiais (protocolos, fórmulas, índices, etc...) para a

14 análise de riscos de entrada de doenças em sistemas de produção animal (Pérez- Guatiérrez, 2003). No entanto, embora estas metodologias sejam bem documentadas e confiáveis, normalmente se mostram muito mais efetivas e práticas para avaliações governamentais de risco de âmbito nacional e internacional. O ponto principal é que o médico veterinário responsável pelo programa de biosseguridade tenha algum tipo formal de avaliação dos riscos de biosseguridade do sistema de produção (por exemplo, escores ou índices de: a) infestação por roedores, b) nível de biosseguridade das instalações, c) nível biosseguridade da fábrica de ração, etc.... Somente assim, o programa de biosseguridade poderá realmente contemplar o maior número possível de falhas e brechas do sistema. Duas das mais importantes ferramentas que propiciam o sucesso de um programa de biosseguridade é a metodologia HACCP (do inglês: Hazard Analysis and Critical Control Points; Análise de Perigos [ou Riscos] e Pontos Críticos de Controle) e o GMP (do inglês: Good Management Practices; Boas Práticas de Manejo). O HACCP é uma metodologia científica de processos que visam identificar e minimizar perigos (riscos) biológicos e/ou microbiológicos, químicos ou físicos associados com a fabricação e operações de serviços da área de alimentação. Já o GMP é a metodologia utilizada na descrição de procedimentos e práticas que visam prevenir a introdução de patógenos que possam afetar a saúde das aves e/ou causar problemas de saúde pública. Ambas metodologias, HACCP e GMP, aplicadas à produção de frangos, estão muito bem descritas por Grando et al. (2004) e devem ser atentamente estudadas por todos aqueles envolvidos na elaboração, implantação e manutenção de um programa de biosseguridade. Qualquer médico veterinário envolvido na prática com o conceito biosseguridade tem certamente pleno conhecimento de uma velha conhecida chamada Lei de Murphy (Murphy, 2004ab), ou seja,...se existe algo de errado que possa ocorrer, este algo ocorrerá... entre outras definições na mesma linha de pensamento. Ou seja, na prática, ao desenharmos e implantarmos um programa de biosseguridade em um sistema de produção novo que estará sendo populado pela primeira vez com lotes de aves livres de doenças importantes ao sistema, tudo o que um bem

15 elaborado e implantado e, consequentemente efetivo programa de biosseguridade, irá fazer, será atrasar a contaminação dos rebanhos com as doenças para as quais era livre inicialmente. Portanto, a contaminação do rebanho é inevitável. Tudo o que se pode fazer é utilizar o programa de biosseguridade para que esta contaminação ocorra o mais tardiamente possível na vida útil do sistema de produção. Deste modo, proporcionando o tempo mais longo possível com máxima lucratividade do sistema. 5.1 Principais desafios à granjas de frangos de corte Os desafios à saúde dos rebanhos de frangos de corte podem ser divididos em três categorias distintas (Tabela 1). Estas enfermidades (e seus agentes etiológicos) normalmente ocorrem simultaneamente na grande maioria dos sistemas de produção. Na verdade, como já sugerido acima, se o programa de biosseguridade for direcionado e específico às necessidades do sistema de produção onde está implantado especificamente, muitos destes patógenos irão simplesmente passar despercebidos se não for objetivo do programa de biosseguridade implantado a monitoração dos mesmos. Por exemplo, muitos sistemas de produção de frangos no Brasil não tem qualquer tipo de prevenção e/ou controle sobre um importante problema de saúde pública que são as bactérias do gênero Salmonela. A razão desta não preocupação é simples, ou seja, não há qualquer exigência por parte de intermediários e consumidores finais dos frangos produzidos no sistema bem como não há exigência legal para controle deste patógenos nos lotes de frangos. Este tipo de situação está mudando rapidamente no Brasil e em muitos países em desenvolvimento a medida que aumenta o nível cultural (cultura geral) e o poder aquisitivo da população. AQUI TABELA Patógenos transmitidos verticalmente Um dos aspectos mais importantes para a prevenção e controle de doenças em frangos é fato de que muitas das enfermidades (ou seus agentes etiológicos) de frangos, que são alvo de PROGRAMAS DE BIOSSEGURIDADE, são transmitidas

16 verticalmente ao frango pela galinha via ovo fértil. Ou seja, o ovo fértil já é posto contaminado e o frango também irá eclodir contaminado. Esta contaminação ocorre basicamente de três maneiras (para maiores detalhes ver Sesti & Ito, 2000): 1. transmissão trans-ovariana (ocorre no ovário da galinha) 2. transmissão trans-ovidutal (ocorre durante a formação do ovo ao longo do trato reprodutivo) 3. transmissão trans-casca do ovo (imediatamente antes ou após a postura a superfícies externa do ovo é contaminada por patógenos presentes nas fezes da galinha na cloaca / presentes no ninho / no armazenamento dos ovos na granja / no incubatório e que penetram para o interior do ovo fértil) Existe um grande número de patógenos cuja transmissão vertical é possível de ocorrer (Sesti & Ito, 2000). Aqueles agentes de importância prática na produção de frangos no Brasil são listados na Tabela 2. AQUI TABELA 2 Portanto, nenhum programa de biosseguridade na produção de frangos será plenamente efetivo se em seu espectro de ação não estiverem incluídos os lotes de matrizes que originaram os ovos férteis. Obviamente, em muitas ocasiões, o sistema de produção de frangos não terá gerência técnico-administrativa sobre os lotes de matrizes e/ou incubatório que originaram os pintos de 1 dias alojados no sistema. No entanto, o monitoramento diagnóstico dos pintos de 1 dia de idade pode trazer fortes indicativos do estado de saúde dos lotes de matrizes que os originaram (por exemplo, positividade para as micoplasmoses e salmoneloses, transmissão de anticorpos maternais contra os vírus de Gumboro e da Anemia Infecciosa, etc...). Deste modo, auxiliando no diagnóstico de problemas de saúde nos rebanhos de reprodutores. Particularmente com relação às salmonelas que infectam frangos, os dois principais fatores de perpetuação desta contaminação em granjas de frangos de corte são: - alojamento de pintos já contaminados verticalmente pela galinha e/ou no incubatório nas primeiras horas após eclosão (poucos pintinhos que venham a

17 nascer eliminando salmonelas nas fezes podem contaminar uma enorme quantidade de outros pintos que nasceram sem salmonela) - população de roedores contaminados vivendo nos galpões de frangos Recentemente, embora com alguns anos de atraso, o Brasil deu um enorme salto à frente na luta contra as salmonelas de interesse na saúde pública presentes na produção avícola. O MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) liberou oficialmente a utilização de vacinas inativadas contra a Salmonela Enteritidis (MAPA, 2003). Esta vacina se constitui em uma efetiva ferramenta para a diminuição da taxa de transmissão vertical de Salmonela Enteritidis para ovos férteis em lotes de matrizes pesadas ou leves (confere também proteção cruzada contra outros sorotipos de importância na saúde pública, por exemplo, a Salmonelas Typhimurium) para ovos férteis. E, além disso, ao diminuir também a taxa de eliminação de salmonelas no meio ambiente, a utilização da vacina será de grande valia para um eventual trabalho de erradicação de salmonelas em granjas de reprodutores. Relatos extra oficiais verbais de algumas indústrias avícolas brasileiras e de outros países das América do Sul indicam significativo decréscimo na porcentagem de carcaças de frangos contaminadas por salmonela (algo como 23-28% para 5-11%) após a implantação de programas de vacinação contra Salmonela Enteritidis em granjas de reprodutores. No entanto, ainda há no Brasil uma total falta de dados confiáveis da epidemiologia e das taxas de contaminação por salmonelas na indústria avícola. Importante ter sempre em mente que qualquer, absolutamente qualquer tipo de vacina ou programa de vacinações são simplesmente apenas um dos muitos aspectos essenciais que compõe um programa de biosseguridade. Vacina nenhuma irá algum dia ser substituto de qualquer procedimento de biosseguridade. O grande impacto de doenças (ou seus agentes etiológicos) de transmissão vertical na produção de frangos é exatamente o enorme poder multiplicador da pirâmide de produção da avicultura de corte (Tabela 3). AQUI TABELA 3

18 No topo da pirâmide (nível 1) encontra-se a granja de melhoramento genético e multiplicação de linhas genéricas puras (linhas macho e fêmea). Normalmente, em programas de melhoramento genético de matrizes pesadas, cada uma destas populações de linhas puras estão divididas em vários grupos de acasalamento consistidos cada um de 1 macho e 10 fêmeas. Durante o período (normalmente 6-8 semanas) em que as aves de um destes grupos está contribuindo (ovos férteis) para o programa de melhoramento genético, aproximadamente 15 bisavós são produzidas por cada fêmea de linha pura do grupo de acasalamento, totalizando um número de 150 bisavós (nível 2). Cada uma destas, durante sua vida reprodutiva normal, irá produzir em torno de 40 avós o que perfazerá um total de 6 mil avós (nível 3). Do mesmo modo, estas avós irão multiplicar e produzir um total de 330 mil matrizes pesadas (55 matrizes por avó; nível 4) as quais por sua vez produzirão aproximadamente 45 milhões de frangos de corte (142 pintos de um dia por matriz menos 4% de mortalidade até o abate; nível 5). Ao abate destes frangos, serão produzidas em torno de 75 mil toneladas de carne de frango (peso vivo médio ao abate de 2,4 kg com 70% de rendimento de carcaça; nível 6). É portanto, bastante evidente que qualquer microorganismo patogênico sendo transmitido verticalmente ao longo desta pirâmide de produção poderá causar imensos prejuízos econômicos aos produtores e indústria. Além disso, se o patógeno transmitido verticalmente for de importância na saúde pública (salmonelas), as perdas para o mercado avícola poderão ser multiplicadas várias vezes pelo impacto da opinião pública e diminuição do consumo de produtos avícolas. 6. PROGRAMA DE BIOSSEGURIDADE, A RAÇÃO CONSUMIDA PELAS AVES E A SAÚDE PÚBLICA Não há qualquer dúvida de que os patógenos encontrados na produção avícola considerados zoonóticos (causadores de enfermidade, zoonoses, no homem) tornaram-se, nos últimos anos, o alvo principal da mídia e consumidores em geral com relação à exigências de qualidade microbiológica de produtos avícolas. Assim, a contaminação de aves e seus produtos por diferentes sorotipos de

19 bactérias do gênero Salmonela deve ser alvo principal de um programa de biosseguridade na produção de frangos. A importância das salmonelas nas toxi-infecções alimentares em humanos pode ser bem analisada no monitoramento contínuo realizado nos Estados Unidos pela rede de monitoramento ativo de toxi-infecções alimentares (Foodnet, 2004) realizado pelo órgão governamental CDC (Center for Disease Control; Centro para Controle de Doenças). A carne de frango e seu sub-produtos são elencados como a principal fonte de contaminação das pessoas. As estatísticas de contaminação de carcaças e subprodutos de frangos podem ser encontradas em FSIS (2004). Com relação ao Brasil, não existem dados estatísticos oficiais nem extra oficiais confiáveis (sob os pontos de vista estatístico & epidemiológico) sobre os dados de ocorrência de toxi-infecções alimentares causadas por agentes presentes em carne de aves e produtos avícolas industrializados e muito menos sobre as taxas de contaminação por salmonelas em carcaças de frangos de corte. Experiência de campo e algumas investigações científicas conduzidas em vários países da América e Europa demonstram claramente que o alimento administrado às aves pode ser uma das maiores, senão a maior (para alguns patógenos em particular) fonte de contaminação de rebanhos em sistemas industriais de produção de aves. Particularmente, contaminações por Salmonela sp, Clostridium sp, várias cepas patogênicas ou não de Escherichia coli e fungos produtores de micotoxinas. Já há muito tempo tem sido reconhecido que agentes infecciosos são mais efetivamente disseminados em um sistema de produção de aves via aves contaminadas ou alimento contaminado. Portanto, o controle da contaminação do alimento ingerido pelas aves tem grande efeito não somente sobre a saúde das aves, como também na saúde pública via controle da contaminação das aves e consequentemente menor taxa de contaminação de carcaças ao abate e dos produtos avícolas industrializados (Blackman et al, 1993; Coma, 2001). Correntemente, devido ao seu impacto na saúde pública e aceitação de produtos avícolas pelos consumidores, Salmonela sp são os microorganismos alvo de qualquer tratamento antimicrobiano em rações de aves e/ou suas matérias primas. Em geral, é assumido que os procedimentos para controle da contaminação por

20 Salmonela sp nos alimentos das aves e/ou suas matérias primas, quando efetivos, irão também controlar/reduzir a população de outros microorganismos importantes (E. coli, Campilobacter jejuni, Clostridium sp, etc...) para níveis aceitáveis à atividade avícola industrial. Dados de publicações técnicas e experiências de campo na indústria avícola (McIlroy, 1998; L. Sesti, dados não publicados) mostram que 2-12% do total de todas as partidas de matérias primas recebidas em uma fábrica de ração para aves e que em torno de 4% do total de amostras de ração final estão contaminadas com Salmonela sp (vários sorotipos ocorrem, incluindo Salmonela enteritidis, typhimurium, kentucky, hadar, agona, heidelberg, montevideo e seftenberg, entre outros). Portanto, qualquer sistema de produção que queira controlar efetivamente (obter baixa taxa de contaminação) ou mesmo manter-se livre ou erradicar (quando já contaminados) algum sorotipo específico de salmonela, jamais terá sucesso sem a implantação de procedimentos de biosseguridade direcionados ao controle da contaminação microbiana da ração final e/ou suas matérias primas. Salmonela enteritidis e/ou typhimurium tem sido isoladas de uma grande variedade de matérias primas de rações de origem vegetal, por exemplo, farelo de soja, milho, óleo degomado, farelo de trigo. E ainda, as salmonelas também tem sido freqüentemente isoladas de matérias primas de origem animal (farinha de carne e ossos, farinha de sangue, farinha de vísceras), especificamente naquelas produzidas, armazenadas e/ou transportadas de maneira imprópria, ou seja, com enorme falta de higiene. Os princípios básicos para o controle de contaminação de alimentos das aves e das fábricas de ração onde são fabricados são: Diminuir significativamente a contaminação da ração final e/ou matérias primas Prevenir multiplicação dos microorganismos na ração final e/ou matérias primas Prevenir a recontaminação da ração final e/ou matérias primas Contaminações pesadas (alta concentração de microorganismos) em alimentos de aves requerem medidas extremas para a destruição destes microorganismos. Estas

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006. Portaria Nº 136, DE 02 DE JUNHO DE 2006 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 05/06/2006, Seção 1, Página 4 Ementa: Submete à consulta pública, por um prazo de 60 (sessenta) dias, a

Leia mais

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP -

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - VII Simpósio Associação Brasileira de Proteção dos Alimentos ABRAPA - Melhorando a inocuidade da carne de aves

Leia mais

Biosseguridade na produção de matrizes pesadas

Biosseguridade na produção de matrizes pesadas CHAPTER 1 Biosseguridade na produção de matrizes pesadas Introdução Biosseguridade é hoje algo primordial para a sobrevivência de todos os tipos de explorações comerciais de aves domésticas. O enorme crescimento

Leia mais

"Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor

Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor "Se quer paz, prepara-se para guerra Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário rio Departamento de Saúde Animal, Diretor 8.514.876 km 2 202.828.531 habitantes 27 Unidades da Federação

Leia mais

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 36, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA Considerando, a importância da avicultura catarinense para a economia do estado; Considerando a necessidade de controle sanitário para evitar a reintrodução da

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE AUJESZKY EM SANTA CATARINA

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

HIGIENE ZOOTÉCNICA. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1.

HIGIENE ZOOTÉCNICA. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1. HIGIENE ZOOTÉCNICA Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1 Tortuga A HIGIENE NO PROCESSO DE PRODUÇÃO ANIMAL Genética Alimentação Produção

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRÉTARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 78, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2003 O

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRÉTARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 78, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2003 O MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRÉTARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 78, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2003 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES Pablo Zotti AMADOR 1 ; Maribel Barbosa da CUNHA 2 1 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC; 2 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC

Leia mais

1. De um Estabelecimento Produtor de Ovos e Aves SPF e Produtor de Ovos Controlados a:

1. De um Estabelecimento Produtor de Ovos e Aves SPF e Produtor de Ovos Controlados a: ANEXO NORMAS TÉCNICAS PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS, PRODUTORES DE OVOS E AVES LIVRES DE PATÓGENOS ESPECIFICOS (SPF) E DE OVOS CONTROLADOS E DOS ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS DE

Leia mais

1 As mudanças na agricultura

1 As mudanças na agricultura MANEJO DE QUALIDADE NA GRANJA, SEGURANÇA ALIMENTAR PRÉ-ABATE E CERTIFICAÇÃO DA INDÚSTRIA SUINÍCOLA Th. G. Blaha University of Minnesota College of Veterinary Medicine, St. Paul, MN 55108, EUA Resumo Comparada

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DDSA ÁREA DE SANIDADE AVÍCOLA ASA

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DDSA ÁREA DE SANIDADE AVÍCOLA ASA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N. º 005/2008 O CHEFE DA DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL - DDSA, no uso das atribuições legais e com fundamento no art. 8º, da Resolução nº. 029/06 -, de 14 de março de 2006, Considerando

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

INTEGRANDO SEGURANÇA DO ALIMENTO E VIGILÂNCIA EM SAÚDE ANIMAL

INTEGRANDO SEGURANÇA DO ALIMENTO E VIGILÂNCIA EM SAÚDE ANIMAL INTEGRANDO SEGURANÇA DO ALIMENTO E VIGILÂNCIA EM SAÚDE ANIMAL Claudia Valéria Gonçalves Cordeiro de Sá Fiscal Federal Agropecuário, Médica Veterinária, D.Sc. Cuiabá, 22 de outubro de 2015 Sumário 1.Introdução

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales - SP EE: Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação

Leia mais

Município: CEP: UF: Endereço eletrônico: 4. Atuação do Estabelecimento Área: Atividade: Classificação: Característica Adicional:

Município: CEP: UF: Endereço eletrônico: 4. Atuação do Estabelecimento Área: Atividade: Classificação: Característica Adicional: ANEXO I DO DECRETO Nº 13.064, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2010. FICHA DE CADASTRO DE ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS 1. Dados Gerais do Estabelecimento CNPJ/CPF: Inscrição Estadual ou Cadastro de Produtor: Número do

Leia mais

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil?

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil? 1. O que é influenza aviária? A influenza aviária (IA) também conhecido como gripe aviária é uma doença altamente contagiosa, transmitida pelo vírus da influenza tipo A, que ocorre principalmente em aves

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

Art. 2o Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. GABRIEL ALVES MACIEL ANEXO

Art. 2o Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. GABRIEL ALVES MACIEL ANEXO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 7 DE ABRIL DE 2006 (PUBLICADA NA EDIÇÃO Nº 69, DE 10 DE ABRIL DE 2006, DO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO) O SECRETÁRIO

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA

MEDICINA VETERINÁRIA MEDICINA VETERINÁRIA 1. TURNO: Integral GRAU ACADÊMICO: Médico Veterinário PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Para a boa formação

Leia mais

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE)

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE) OUTRAS DOENÇAS CAPÍTULO 2.10.1 Zoonoses Transmissíveis por Primatas não Humanos Artigo 2.10.1.1. Introdução Há cerca de 180 espécies diferentes de primatas não humanos pertencentes a duas subordens divididas

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º Fica revogada a Instrução Normativa nº 22, de 12 de agosto de 1999.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º Fica revogada a Instrução Normativa nº 22, de 12 de agosto de 1999. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 9 DE JANEIRO DE 2002 Revogado(a) pelo(a) Instrução Normativa Nº 78/2003/SDA/MAA O SECRETÁRIO

Leia mais

Bacharelado em Medicina Veterinária

Bacharelado em Medicina Veterinária Bacharelado em Medicina Veterinária INFORMAÇÕES Duração do Curso: 05 anos (10 semestres) Horário: Manhã Número de Vagas: 100 anuais Coordenador: Profº Dr. Carlos Tadeu Bandeira de Lavor O CURSO O Curso

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

Artigo Número 93 SEGURANÇA ALIMENTAR E SISTEMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE NA CADEIA PRODUTIVA DE FRANGOS DE CORTE

Artigo Número 93 SEGURANÇA ALIMENTAR E SISTEMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE NA CADEIA PRODUTIVA DE FRANGOS DE CORTE Artigo Número 93 SEGURANÇA ALIMENTAR E SISTEMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE NA CADEIA PRODUTIVA DE FRANGOS DE CORTE Ana Paula de Assis Maia 1 & Luciana Lacerda de Diniz 1 Introdução No atual mundo globalizado

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

XII Curso Básico de sanidade Avícola Bioosegurança na Avicultura

XII Curso Básico de sanidade Avícola Bioosegurança na Avicultura O termo biosseguridade em aves vem cada vez mais ganhando espaço dentro da indústria de alimentos. Não poderia ser diferente, pois a cadeia produtiva agropecuária, onde estão envolvidos animais vivos,

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias

1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias 1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias Dr. Luciano Bastos Lopes Pesquisador Embrapa Agrossilvipastoril Epidemiologia e Doenças Infecciosas Controle Sanitário em Bovinos

Leia mais

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira Localização da Suinocultura Norte e Nordeste Abates: 2% Exportações: 0% Matrizes

Leia mais

A nova reprodução começou

A nova reprodução começou A nova reprodução começou Alta competitividade é a marca do nosso tempo. Na suinocultura, ela vem significando um crescente dinamismo tecnológico, exatamente para renovar as vantagens competitivas da cadeia

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEM ESTAR ANIMAL - O FUTURO AVICULTURA DE CORTE José Euler Valeriano Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEA BEM ESTAR ANIMAL Como definir BEM ESTAR? O animal precisa encontrar no meio ambiente

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

CIRCULAR Nº 369/2003/DCI/DIPOA

CIRCULAR Nº 369/2003/DCI/DIPOA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO MAPA DIVISÃO DE CONTROLE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL - DCI DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL DIPOA

Leia mais

Ac ões do SVO para o controle de Salmonella Gallinarum

Ac ões do SVO para o controle de Salmonella Gallinarum Reunião Técnica do Sanidade Avícola: Fortaleza Nacional" Ac ões do SVO para o controle de Salmonella Gallinarum Regina Celia Freitas D`Arce Med Vet, MSc, PhD Fiscal Federal Agropecuário Serviço de Saúde

Leia mais

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO Irenilza de Alencar Nääs 1 O Brasil é um dos maiores produtores de aves no mundo. Crescimento mundial do consumo Preocupação

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR MICOPLASMOSE AVIÁRIA Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR Mycoplasma gallisepticum, M.synoviae, M.meleagridis

Leia mais

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 De acordo com a portaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento n.º 162/94,

Leia mais

Luciano LaGatta Médico Veterinário MSc. - Coordenadoria de Defesa Agropecuária Orientador: Prof. Dr. Augusto Hauber Gameiro

Luciano LaGatta Médico Veterinário MSc. - Coordenadoria de Defesa Agropecuária Orientador: Prof. Dr. Augusto Hauber Gameiro Estimativa do custo de implantação das medidas de biosseguridade preconizadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento sobre a postura comercial. Luciano LaGatta Médico Veterinário MSc.

Leia mais

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT)

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) Prof. Dr. Ernst E. Müller Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

Leia mais

Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011

Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 AviagenBrief Dezembro / 2011 Otimizando a Taxa de Conversão Alimentar do Frango de Corte Este artigo foi elaborado especificamente para produtores de aves

Leia mais

Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos

Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos Sanidade animal e seus impactos na inocuidade dos alimentos Prof. Luís Augusto Nero Departamento de Veterinária, Universidade Federal de Viçosa Tópicos Brasil: produtor e exportador Cadeias de produção

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014 Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425 A Importância da Diarréia Epidêmica Suína Novembro, 2014 Grupo: Alexandre Nunes Mendes Bruno Bracco Donatelli Carlos Eduardo Cardoso Consentini

Leia mais

BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira

BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira Tortuga O.I.E. e O.M.C. Foram criados dois organismos internacionais,

Leia mais

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Feira de Santana, 05 de maio de 2015 FFA Abel Ricieri Guareschi Neto Serviço de Saúde Animal Superintendência MAPA no PR Amparo legal

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL Antonio Gilberto Bertechini Professor Titular-UFLA Introdução O agronegócio tem tido papel fundamental para a economia brasileira e representa

Leia mais

28.10.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 281/7

28.10.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 281/7 28.10.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 281/7 REGULAMENTO (UE) N. o 1086/2011 DA COMISSÃO de 27 de Outubro de 2011 que altera o anexo II do Regulamento (CE) n. o 2160/2003 do Parlamento Europeu e

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

Osler Desouzart osler@terra.com.br

Osler Desouzart osler@terra.com.br Osler Desouzart osler@terra.com.br Entre out/08 e fev/09 parecia que o mundo acabaria em 2009 2009 foi severo para o mercado mundial de carnes. Apesar disso, a produção registrou um aumento de 0,5% em

Leia mais

Gestão na Suinocultura objetivando resultado econômico. Cuiabá - MT 28 de novembro de 2008 Luiz Grigoletto

Gestão na Suinocultura objetivando resultado econômico. Cuiabá - MT 28 de novembro de 2008 Luiz Grigoletto Gestão na Suinocultura objetivando resultado econômico Cuiabá - MT 28 de novembro de 2008 Luiz Grigoletto Considerações A suinocultura brasileira apresenta atualmente bom nível de desenvolvimento e ótimos

Leia mais

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados Melhorar A Eclodibilidade MELHORAR A ECLODIBILIDADE USANDO PERÍODOS DE INCUBAÇÃO CURTOS DURANTE A ARMAZENAGEM DE OVOS (SPIDES) 09 Ovos armazenados por longos períodos não eclodem tão bem quanto os ovos

Leia mais

OS CONCEITOS DO MERCADO MUDARAM

OS CONCEITOS DO MERCADO MUDARAM MAIO DE 2007 OS CONCEITOS DO MERCADO MUDARAM A segurança do alimento é a nova linguagem no mundo globalizado O comércio internacional, as exigências na área de segurança do alimento, a gestão da qualidade

Leia mais

Saúde Pública como Área de Residência em Medicina Veterinária

Saúde Pública como Área de Residência em Medicina Veterinária Saúde Pública como Área de Residência em Medicina Veterinária Prof. Ass. Dr. José Paes de Almeida Nogueira Pinto Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia UNESP, campus de Botucatu Ideias O Veterinário

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango

Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango 1 de 6 20/7/2009 14:35 Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango Valéria Maria Nascimento Abreu, DSc Pesquisadora Sistema de Produção de Aves - Embrapa Suínos e Aves O manejo inicial dos frangos

Leia mais

BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS

BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS BIOSSEGURIDADE é o estabelecimento de um nível de segurança de seres vivos, por meio da diminuição de ocorrência de doenças em uma determinada população. PROGRAMAS

Leia mais

PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA 2015/2020 TÉCNICAS MAIS AVANÇADAS, ALIMENTOS MAIS SEGUROS, CONSUMIDORES MAIS PROTEGIDOS.

PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA 2015/2020 TÉCNICAS MAIS AVANÇADAS, ALIMENTOS MAIS SEGUROS, CONSUMIDORES MAIS PROTEGIDOS. PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA 2015/2020 TÉCNICAS MAIS AVANÇADAS, ALIMENTOS MAIS SEGUROS, CONSUMIDORES MAIS PROTEGIDOS. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL PARA AVES E OVOS FÉRTEIS COM FINALIDADE DE PRODUÇÃO DE CARNE, OVOS E MATERIAL GENÉTICO

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL PARA AVES E OVOS FÉRTEIS COM FINALIDADE DE PRODUÇÃO DE CARNE, OVOS E MATERIAL GENÉTICO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL DSA COORDENAÇÃO DE TRÃNSITO E QUARENTENA ANIMAL CTQA MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA

Leia mais

A Segurança Alimentar no Âmbito da Autoridade Veterinária

A Segurança Alimentar no Âmbito da Autoridade Veterinária A Segurança Alimentar no Âmbito da Autoridade Veterinária Escola Professional de Hotelaria e Turismo da Madeira 7 de Junho de 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária Código Bases de

Leia mais

FINALIDADES E OBJETIVOS DO CURSO

FINALIDADES E OBJETIVOS DO CURSO 1.Identificação e situação legal - Identificação do curso, ato de criação, início do curso e ato de reconhecimento. CURSO: SITUAÇÃO LEGAL: Medicina Veterinária Dados de Criação/Autorização: Documento:

Leia mais

IMPACTOS DA INFLUENZA AVIÁRIA NO BRASIL

IMPACTOS DA INFLUENZA AVIÁRIA NO BRASIL REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

1. Programa Sanitário

1. Programa Sanitário Com metodologia baseada nos princípios da Medicina Veterinária Preventiva, este plano de trabalho foi estruturado para a implantação do Monitoramento Sanitário para Tilapicultura. 1. Programa Sanitário

Leia mais

31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR

31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR 31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR Departamento de Negociações Sanitárias e Fitossanitárias DNSF Principais Exigências Sanitárias e Fitossanitárias do Mercado Internacional

Leia mais

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS Projetos que utilizem microorganismos (bactérias, vírus, viróides, fungos, parasitas, etc.), tecnologias com DNA recombinante (rdna) ou tecidos,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 Situação: Vigente Instrução Normativa Nº 56, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2007 Publicado no Diário Oficial da União de 06/12/2007, Seção 1, Página 11 Ementa: Estabelece os Procedimentos para Registro, Fiscalização

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza 2 INDICE 1 Saúde Pública e Saneamento 2 Portaria 2914/2011 3 PSA 3 INDICE 1 Saúde Pública

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE)

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE) DEFINIÇÕES GERAIS E NOTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS ANIMAIS CAPÍTULO 1.1.1 Definições gerais Artigo 1.1.1.1. Para os fins do Código Sanitário paraanimais Terrestres: Abate Qualquer procedimento que cause a morte

Leia mais

Menu Dzetta. Alimento seguro é sempre um bom negócio! para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade!

Menu Dzetta. Alimento seguro é sempre um bom negócio! para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade! Menu Dzetta para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade! Alimento seguro é sempre um bom negócio! Rua Miguel de Frias, 206/403 Icaraí Niterói RJ Cep: 24.220-004 Tel: 55 (21) 2620-7474

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

para Operações Segura e Higiênica Industry Fact Sheet Setembro de 2012

para Operações Segura e Higiênica Industry Fact Sheet Setembro de 2012 Soluções Inteligentes para Operações na Produção de Alimentos, Segura e Higiênica Industry Fact Sheet Setembro de 2012 Soluções Inteligentes para Operações na Produção de Alimentos, Segura e Higiênica

Leia mais

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE Claudio Regis Depes 1983 Médico Veterinário Unesp (Jaboticabal) 2003 Especialização em Saúde Pública Veterinária Unesp (Botucatu) Trabalha na Coordenadoria de Defesa Agropecuária em Assis Gerente do Programa

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIGENTE A PARTIR DE 09/10/2015

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 TIPO DE INSTALAÇÃO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 TIPO DE INSTALAÇÃO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/SIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA MERCOLAB CASCAVEL SORO AVES

Leia mais

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo O que é? A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo ou febre de Malta, é uma zoonose causada por microrganismos do gênero Brucella sendo que a infecção é quase sempre transmitida

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

REGISTO DE MEDICAMENTOS E MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS

REGISTO DE MEDICAMENTOS E MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS ORIENTAÇÃO TÉCNICA CONDICIONALIDADE REGISTO DE MEDICAMENTOS E MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS Os medicamentos são meios de defesa da saúde e bem-estar dos animais, assumindo um papel importante como fatores

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE M. K. Eckman Departamento de Ciência Avícola Universidade de Auburn Auburn, AL 36849 5416 Prioridades Influência da Temperatura na Produção de

Leia mais

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão.

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão. DIAGNÓSTICO SANITÁRIO DO REBANHO: MAIS VANTAGENS COM A MESMA AMOSTRA. A Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH) apresenta a todos os associados, produtores e indústrias

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento D.O.U. Nº 225, sexta-feira, 24 de novembro de 2006. Pág. 10 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 65, DE 21 DE NOVEMBRO

Leia mais

Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento. Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa

Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento. Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa Coordinating surveillance policies in animal health and food safety: from farm to fork. Scientific

Leia mais

Tema: A FÁBRICA E A NUTRIÇÃO. Bem Vindos

Tema: A FÁBRICA E A NUTRIÇÃO. Bem Vindos Tema: A FÁBRICA E A NUTRIÇÃO O QUE NÃO PODE SER NEGLIGENCIADO NO GERENCIAMENTO DA FÁBRICA DE RAÇÕES Bem Vindos Cascavel PR, Setembro de 2015. Obrigado Pelo Convite Obrigado Pelo Patrocínio Mensagens Iniciais:

Leia mais