TIMOR-LESTE. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP. Maio de Parceiro estratégico:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TIMOR-LESTE. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico:"

Transcrição

1 TIMOR-LESTE Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Maio de 2014 Parceiro estratégico:

2 Índice 1. ASEAN. Enquadramento regional, político e económico Caracterização da comunidade Principais objetivos e aspirações da ASEAN Os Estados Membros da ASEAN Mecanismos de integração e prioridades no desenvolvimento da ASEAN A ASEAN enquanto comunidade económica As economias da ASEAN Timor-Leste. Uma economia dependente do petróleo Indonésia. O gigante do Sudeste Asiático Malásia. Uma economia fortemente industrializada Filipinas. Uma indústria de serviços Singapura. O hub financeiro Tailândia. Forte potencial na indústria automóvel Vietname. O ressurgir de uma economia Brunei. O segundo maior PIB per capita da ASEAN Laos e Mianmar e Camboja. Mercados em expansão Trocas comerciais na ASEAN Complementaridade das economias Comércio intrarregional Indonésia e Timor-Leste. A maior economia da região e o país CPLP Comércio extra-regional Principais parceiros comerciais da ASEAN Trocas comerciais entre a CPLP e a ASEAN IDE na ASEAN Setores de oportunidade nos países da ASEAN, principais portos e aeroportos Principais produtos importados pelos países do ASEAN e oportunidades para as empresas Portuguesas Indonésia - A principal economia da ASEAN Macroeconomia

3 PIB da economia da Indonésia Orçamento Geral do Estado Dívida pública Evolução das taxas de juro e variação da liquidez Taxa de câmbio Política económica Estrutura Produtiva PIB por setor Caraterização do setor empresarial do Estado Corredores Económicos Infraestruturas e energia Grandes projetos de investimento previstos em infraestruturas Abertura da economia e relações comerciais Principais setores de oportunidade Financiamento à economia Principais bancos presentes Bancarização da população Bolsa de valores Timor-Leste Macroeconomia PIB da economia timorense Orçamento Geral do Estado Dívida pública, Estrutura produtiva PIB por setor Caraterização do setor empresarial do Estado Corredores de desenvolvimento económico Política Económica Perspetivas futuras Prioridades estratégicas de Timor-Leste Desenvolvimento económico Agricultura

4 Produtos florestais e de madeira sustentáveis Turismo Infraestruturas e energia Abertura da economia e relações comerciais Principais setores de oportunidade Financiamento à economia Principais bancos presentes Bancarização da população Bolsa de valores Investir em Timor-Leste Breve descrição do mercado de trabalho e do regime de Segurança Social Como investir em Timor-Leste? Incentivos e benefícios ao investimento Principais mecanismos de financiamento Competitividade de Timor-Leste Atratividade de Timor-Leste no contexto regional Principais constrangimentos ao IDE e Exportação Exportações/Importações Barreiras aduaneiras: tarifas, barreiras não tarifárias, outros impedimentos Entrada e saída de capitais Estabilidade legal e fiscal - Barreiras legais, fiscais e regulamentares Obtenção de vistos Modelos de cobertura de riscos financeiros, operacionais, propriedade Sistema jurídico e judiciário Tipos de Sociedades Comerciais previstos Resolução extrajudicial de litígios Regimes contabilísticos nacionais Principais características dos Acordos de Timor-Leste no domínio do comércio e investimento Protocolos existentes na ASEAN e posicionamento de Timor-Leste face aos mesmos Acordos essenciais de Timor-Leste na área do comércio (ACI, APPRI, ADT) Acordos entre a UE e Timor-Leste Atratividade de Timor Leste no contexto da CPLP

5 Acrónimos e abreviaturas de termos utilizados ABMI Asian Bond Markets Initiative ACIA ASEAN Comprehensive Investment Agreement ACP Países de África, Caraíbas e Pacífico (African, Caribbean, and Pacific Group of States) ADT Acordo para evitar a Dupla Tributação AEC Comunidade Económica da ASEAN AEGC ASEAN Experts Group on Competition A AFAS ASEAN Framework Agreement on Services AICEP Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal APEC Cooperação Económica Ásia-Pacífico APPRI Acordos de Promoção e Proteção Recíproca de Investimentos ASEAN Associação das Nações do Sudeste Asiático (Association of Southeast Asian Nations) AWGIPC ASEAN working Group on Intellectual Property Cooperation BAsD Banco Asiático de Desenvolvimento BEI Banco Europeu de Investimento CEDEAO Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental CEEAC Comunidade Económica dos Estados de África Central CMIM Chiang Mai Initiative Multilateralisation CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa EAU Emirados Árabes Unidos EIU Economist Intellegence Unit EM Estados Membros EUA Estados Unidos da América FED Fundo Europeu de Desenvolvimento FMI Fundo Monetário Internacional ICSID Convenção para resolução de disputas relativas a investimentos IDE Investimento Direto Estrangeiro IDH Índice de Desenvolvimento Humano 5

6 IFD Instituições Financeiras de Desenvolvimento IPC Índice de preços ao consumidor MERCOSUL Mercado Comum do Sul MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (Multilateral Investment Guarantee Agency) ODM Objetivos de Desenvolvimento do Milénio OMC Organização Mundial do Comércio ONU Organização das Nações Unidas PEDN Plano Estratégico de Desenvolvimento Nacional (de Timor-Leste) PIB Produto Interno Bruto PME Pequenas e Médias Empresas PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PPPs Parcerias Público-Privadas PTA Acordos de Comércio Preferencial (Preferential Trade Arrangements) Rp ou IDR Rupia indonésia SADC Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (Southern African Development Community) TCI Índice de Complementaridade Comercial (Trade Complementary Index) TIC Tecnologias de Informação e Comunicação TPP Acordo trans-pacífico ( Trans-Pacific Partnership) UE União Europeia UNCTAD Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (United Nations Conference for Trade and Development) UNCTADstat Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento estatísticas ZCL Zona de Comércio Livre 6

7 Nota Prévia 7

8 Nota prévia O presente documento constitui resultado de um trabalho de pesquisa e análise que decorreu entre 1 de julho e 31 de Dezembro de 2013, ao abrigo de contrato celebrado entre a AIP Associação Industrial Portuguesa ( AIP ) e a PricewaterhouseCoopers&Associados Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda. ( PwC ). Os elementos estatísticos, dados e informação constantes do presente documento e que serviram de base à análise e conclusões obtidas, têm por base informação pública disponível, como referenciado ao longo do documento, as quais foram alvo de apreciação quanto à sua materialidade e aplicabilidade à análise, tendo presente critérios de razoabilidade e aderência às realidades locais e regionais, e que sejam do nosso conhecimento. Foram integrados alguns dados e elementos adicionais que foram publicados após a fase de pesquisa e análise dada a sua relevância para o estudo. Esta comunicação é de natureza geral e meramente informativa, não se destinando a qualquer entidade ou situação particular, e não substitui aconselhamento profissional adequado ao caso concreto. As conclusões obtidas e os cálculos efetuados estão dependentes da qualidade da informação obtida em todos os aspetos materialmente relevantes, sendo que a informação recolhida foi considerada como adequada, não tendo sido realizada qualquer forma de auditoria ou certificação, para além do referido, que não as de consistência com fontes concorrentes ou complementares, salvo indicação expressa em contrário. Os valores e as conclusões apresentados só terão sustentabilidade caso se verifiquem os pressupostos considerados, não podendo este estudo ser entendido como uma garantia ou confirmação de que esses pressupostos se verificarão. Desta forma, as nossas conclusões devem ser analisadas em função das limitações referidas. A PwC e a AIP, não se responsabilizarão por qualquer dano ou prejuízo emergente de decisão tomada com base na informação aqui descrita. Em nenhuma circunstância, assumiremos qualquer responsabilidade relativamente a terceiros que tenham acesso ao presente documento. Projeto Co-Financiado: 8

9 Sumário Executivo 9

10 Sumário Executivo A redefinição das centralidades de dinamismo económico, a par da relativa contração das economias desenvolvidas, confere uma nova relevância às economias emergentes. Entre estas, os países da CPLP e a Região Administrativa Especial de Macau (RAE Macau) assumem um papel relevantíssimo, não só pelo seu potencial intrínseco, mas também por se encontrarem inseridas em comunidades económicas regionais em crescente integração económica. Constituem, assim, um incontornável desafio e uma oportunidade única para os empresários nacionais. Com efeito, os países da CPLP e a RAE de Macau encontram-se integrados em sete espaços regionais económicos distribuídos por quatro continentes. Estima-se que o espaço lusófono tenha cerca de 258 milhões de habitantes e as regiões económicas que integram cerca de 1.8 mil milhões de habitantes. Os estados membros da CPLP e a RAE de Macau apresentam, no seu conjunto, potencialidades e características próprias que podem permitir aumentar as exportações das empresas portuguesas, potenciar novas parcerias para a sua internacionalização e atrair investimento direto estrangeiro. CPLP Características População CPLP 2012, % da população mundial 3,68% PIB 2012, % do PIB mundial % 3,67% Comércio CPLP (% Quota Mundial) CPLP - Total do comércio mundial Exportações totais CPLP Água disponível na CPLP 2012, % mundo 13,53% Importações totais CPLP % - Valor 3,9% - US$ 706 mil milhões 2,1% - US$ 379 mil milhões 1,8% - US$ 327 mil milhões Terra arável disponível na CPLP, % mundo 5,86% Fonte: Banco Mundial, FAO e UNCTADstat Acresce que muito embora os países da CPLP apresentem uma dinâmica de crescimento relevante, quando comparados com o resto do mundo, verificamos a existência de um gap. Ora, este gap deverá poder ser minimizado ou revertido, através do incremento da cooperação e da integração da CPLP, assente na proximidade cultural e na complementaridade de competências. 10

11 Taxa de crescimento estimada 5% 4.37% 4.46% 4.51% 4.49% 4.04% 4% 3.31% 3.24% 3.40% 3.38% 3.54% 3% 2.35% 2.60% 2% O reforço da integração no espaço comum lusófono e o estabelecimento de players regionais e de redes de empresas oriundas desse espaço facilitarão o acesso a novos consumidores, com preferências tendencialmente convergentes, e a mercados com elevadíssimo potencial de desenvolvimento e forte necessidade de investimento. Por outro lado, o desenvolvimento será exponenciado com o desenvolvimento dos grandes projetos de infraestruturas regionais, aumentando ainda o grau de integração de cada uma das comunidades económicas regionais. Fonte: FMI e análise PwC CPLP Mundo Adicionalmente, grandes áreas dessas regiões não apresentam, ainda, um nível de concorrência particularmente elevado, podendo conferir uma vantagem relevante (first mover) aos investidores que primeiro acedam ao mercado. As comunidades económicas regionais a que pertencem os demais países da CPLP e a RAE de Macau, são constituídas por 53 países, aos quais acrescem ainda os EM da União Europeia e do Espaço Económico Europeu. Apesar de Timor-Leste ainda só ser membro observador da ASEAN já apresentou o pedido formal de adesão à ASEAN. Comunidades económicas regionais* SADC Estados Membros: Angola, Botsuana, República Democrática do Congo, Lesoto, Madagáscar, Maláui, Maurícias, Moçambique, Namíbia, Seicheles, África do Sul, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbabué. MERCOSUL Estados Membros: Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela. CEEAC Estados Membros: Angola, Burundi, Camarões, República Centro - Africana, Chade, Congo, República Democrática do Congo, Guiné Equatorial, Gabão e São Tomé e Príncipe. ASEAN Estados Membros: Indonésia, Malásia, Filipinas, Singapura, Tailândia, Brunei Darussalam, Vietname, Laos, Myanmar e Camboja. Membros observadores: Papua Nova Guiné e Timor-Leste. CEDEAO Estados Membros: Benim, Burkina Faso, Cabo Verde, Costa do Marfim, Gâmbia, Gana, Guiné, Guiné-Bissau, Libéria, Mali, Níger, Nigéria, Senegal, Serra Leoa e Togo. *RP China e RAE Macau * A RAE Macau apesar de não se encontrar numa comunidade económica regional foi analisada enquanto plataforma para a China e RAE Hong-Kong. 11

12 O presente guia procura, portanto, enfatizar como os países da CPLP e a RAE de Macau podem contribuir para as exportações portuguesas e o IDE nacional, enquanto plataformas de acesso àqueles mercados de integração regional. E, reciprocamente, enfatizar ainda como Portugal pode tornar-se uma plataforma de acesso do resto do mundo àqueles mercados e, simultaneamente, promover também as exportações e o IDE oriundos daquelas regiões, enquanto plataforma de acesso à União Europeia e ao Espaço Económico Europeu. Para o efeito procurou-se caraterizar, nas suas múltiplas dimensões, os mercados das comunidades económicas regionais, o país com maior representatividade económica na região e o(s) país(s) da CPLP dessa região. Foi, assim, analisado um conjunto muito alargado de variáveis económicas e oportunidades nestes mercados, que se encontram na base do presente guia de investimento, não só para os mercados alvo, neste caso Timor-Leste, como também para a respetiva comunidade económica regional, neste caso a ASEAN (Associação das Nações do Sudeste Asiático), assim como para a economia dominante na região, neste caso Indonésia. Isto porque conhecer a estratégia regional comum e o nível de integração dos países integrantes, permitirá antecipar as tendências de desenvolvimento da economia, o comportamento dos mercados e a sua futura evolução, que será sempre reforçada pelo processo de integração destas regiões e consequente convergência económica. Timor-Leste No presente estudo procurou-se analisar em que medida o crescimento económico de Timor-Leste será potenciado pela a sua contínua integração na ASEAN, com grandes economias emergentes (como a Indonésia e a China), e da qual Timor-Leste é, atualmente, um Membro Observador. Bem como, adicionalmente, de que forma o incremento do seu potencial de crescimento permitirá o desenvolvimento de oportunidades comerciais e de IDE em Timor-Leste e nos mercados adjacentes, pelos agentes económicos da CPLP (e, inversamente, também oportunidades comerciais e de IDE na CPLP e demais Estados membros das correspondentes regiões de integração). Teve-se ainda presente que Timor-Leste assumirá a presidência rotativa da CPLP a partir de julho de Com efeito, as muitas potencialidades da ASEAN poderão ser exploradas por intermédio do país da CPLP que dela se encontra mais próximo e da qual é Membro Observador Timor Leste. É o país que apresenta características comuns aos demais países da CPLP, dado que tem o português como uma das suas línguas oficiais, possuindo ainda significativos laços culturais e canais de comunicação já estabelecidos. Acresce também que se tem verificado um continuado apoio explícito, por parte de Portugal, ao seu processo de desenvolvimento. Apesar de Timor-Leste apresentar, hoje, um PIB comparativamente modesto quando comparado com o PIB total da ASEAN (0,1%), até por ser uma nação recente e em fase de construção, é reconhecido como uma das economias mundiais que mais cresce anualmente. Não obstante também a sua reduzida dimensão geográfica e populacional, que justifica ainda o seu peso limitado na ASEAN, o desempenho económico de Timor-Leste tem sido muito positivo, tendo registado em 2012 uma taxa de crescimento do PIB de 9% e um crescimento médio do PIB entre 2008 e 2012 acima dos 11%. A expectativa de aceleração do crescimento baseia-se essencialmente no desenvolvimento e exploração de reservas de petróleo e gás, no futuro incremento na exportação de produtos agrícolas e no desenvolvimento do setor do turismo. A estes aspetos junta-se também o facto de Timor-Leste possuir potenciais reservas de ouro, magnésio, crómio, estanho e cobre. O setor petrolífero é estratégico para Timor-Leste, no sentido de suprir as necessidades estruturais do país (financiar o desenvolvimento de infraestruturas produtivas e responder às necessidades sociais que suportarão o crescimento futuro). Os valores gerados por este setor, que afluem para o Estado, estão a ser geridos com base nas melhores práticas internacionais, da qual faz parte a existência de um Fundo Petrolífero (que assegura parte das verbas do Orçamento do Estado). 12

13 Uma parte significativa da economia de Timor-Leste tem por base a exploração dos recursos naturais referidos, sendo esperado que este seja um setor dominante da economia (o que pode constituir simultaneamente uma ameaça, pelo risco de excessiva especialização futura). Ainda assim, a maioria da população vive da agricultura e de uma economia de subsistência, sendo o café o produto mais exportado (90% dos produtos exportados). Neste quadro é possível prespetivar a dinamização das explorações de arroz, de cacau e da madeira, (nomeadamente do bambu, de teca e do sândalo). Sublinha-se, também, a importância do arroz como um dos produtos mais importantes da base da alimentação dos timorenses, e ainda aquém de garantir a autossuficiência, o que se reflete no montante das correspondentes importações (o segundo produto mais importado, que em 2012 ascendeu a US$ 24 milhões). Dada a sua recente independência, era expectável que os setores chave do país fossem controlados por empresas estatais, o que se verifica de facto. No entanto, tem havido uma aposta do Governo no sentido da abertura da economia do país. Para promover o desenvolvimento económico e garantir um crescimento mais equilibrado no país, foram definidos corredores de crescimento económico e Zonas Económicas Especiais, sendo que estas últimas beneficiam de legislação específica para atrair IDE. Timor-Leste definiu um Plano Estratégico de Desenvolvimento Nacional (PEDN, ) para o crescimento económico, redução da pobreza e diversificação das fontes de receitas, concentradas no setor petrolífero. Neste âmbito definiu, entre outras, como prioridades o desenvolvimento das seguintes áreas: infraestruturas e correspondente atração de investimento; economia de mercado e fortalecimento do setor privado; autossuficiência no setor alimentar; desenvolvimento do turismo; formação de mão-de-obra qualificada; reforma do setor agrícola. Timor-Leste tem procurado construir infraestruturas de suporte à atividade económica, das quais se destaca, no setor energético, a construção de duas centrais de produção elétrica, com planos de novas unidades; no setor aeroportuário, a requalificação do seu aeroporto internacional e de um conjunto de aeroportos regionais; no setor das infraestruturas rodoviárias, a requalificação das suas redes viárias; e no setor da água, o alargamento do acesso a água potável, bem como projetos para obras nas infraestruturas de saneamento e distribuição. Importa salientar dois grandes projetos estruturais, os quais poderão ter um impacto significativo na economia e constituir uma forte oportunidade para as empresas da CPLP: i) o projeto de Tasi Mane, que prevê a implementação de uma zona industrial de cerca de 800ha para instalação de empresas de apoiar ao desenvolvimento da indústria do petróleo, criando assim um hub industrial e logístico, e, ii) o projeto do Porto da Baía de Tibar, a concluir em 2017, possibilitando que Timor-Leste possa servir de plataforma de acesso ao mercado da região (ao permitir o movimento de embarcações de maiores dimensões, com uma zona logística de apoio), como infra se salientará. Visando fortalecer o capital humano do país, o Governo pretende implementar um plano de atribuição de computadores pessoais a estudantes e funcionários da saúde. Facilitar-se-á, por um lado, o acesso a mais informação e, por outro, a comunicação entre os centros urbanos e as regiões mais remotas. Em termos de relações comerciais com o exterior, o saldo da Balança Comercial de Timor-Leste é acentuadamente negativo. As suas importações e exportações têm maioritariamente como parceiros comerciais os países asiáticos seus vizinhos. Neste quadro, a Indonésia é o maior fornecedor de Timor-Leste, tendo em 2012 representado cerca de 48% do total de importações do país. As importações de Timor-Leste a Portugal são reduzidas, no montante de cerca de US$ 10 milhões, mas com potencial de crescimento, em consequência do crescimento da economia timorense e da futura abertura do Porto da Baía de Tibar. Há, no entanto, a necessidade de estabelecer desde já as necessárias relações na região e correspondente criação de redes económicas. 13

14 Quanto às relações com os países da CPLP, só o Brasil tem relevância ao nível dos produtos importados por Timor-Leste. Em 2012, Timor-Leste importou dos seus parceiros comerciais um valor global de US$ 353 milhões, valor marginal quando comparado com o valor global das importações da ASEAN (US$ mil milhões). Existem significativas oportunidades para as empresas portuguesas, nomeadamente, vestuário e outros artigos têxteis, artigos de plástico, equipamentos de telecomunicação e materiais de construção (cimento), produtos alimentares e bebidas alcoólicas. Em especial, importa destacar a possibilidade das empresas portuguesas aumentarem, no curto prazo, a sua quota no mercado de bebidas alcoólicas que, em 2012, foi de cerca de 14% e no do azeite e óleos vegetais, que em 2012 foi de 4%, bem como no das estruturas de ferro, aço e alumínio. Do total dos produtos importados por Timor-Leste a Portugal, no total de cerca de US$ 10 milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 91% das importações, no total de cerca de US$ 9 milhões: Equipamento de telecomunicação; Material impresso; Bebidas alcoólicas; Estruturas e peças, de ferro, aço, alumínio; Válvulas e tubos catódicos; Aparelho para circuitos elétricos; tabuleiro, painéis; Gorduras vegetais e óleos, refinado; Carne, miudezas, comestíveis, preparados, conservados; Artigos de matérias têxteis; Preparações de cereais, farinha de frutas ou vegetais; Peixes frescos; Máquinas e aparelhos elétricos; Leite e produtos lácteos; Peixes, animais invertebrados, preparados, conservados; Máquinas de processamento de dados; Veículos automóveis para transporte de pessoas; Máquinas para a construção civil; Legumes, raízes, tubérculos, preparados, conservados; Talheres; Produtos comestíveis e preparações; Outras carnes e miudezas comestíveis; Equipamento mecânico manuseio e componentes; Peixes secos, salgados ou em salmoura; peixe fumado; Luminárias e acessórios; Equipamento para distribuição de energia elétrica. Fonte: UNCTADStat, dados 2012 Até 2012 Timor-Leste não tinha conseguido alcançar expressividade em termos do IDE. O Acordo de Dupla Tributação entre Portugal e Timor-Leste e os acordos que Timor-Leste venha a assinar na sequência da sua integração na ASEAN, deverão contribuir para a captaçao de IDE e para o desenvolvimento das suas relações comerciais. ASEAN - Associação das Nações do Sudeste Asiático Com uma população de mais de 600 milhões de habitantes, elevadas taxas de crescimento económico (dada a presença de economias com extremo dinamismo) e um mercado de consumidores com um crescente grau de exigência, este é um espaço comercial de extrema atratividade, presente e futura. No entanto, este crescimento resultou do reforço da competitividade relativa dos países que integram a região, particularmente no contexto de crise que se abateu sobre a UE e sobre os EUA (e que, em parte, foi já ultrapassada) e correspondente viragem do crescimento mundial a Leste. De resto e de acordo com o Fórum Económico Mundial, a ASEAN é uma das regiões mais competitivas a nível global. A ASEAN e a UE são parceiros comerciais relevantes: (i) a ASEAN é o 3.º maior parceiro da UE (EUA e China ocupam os primeiros lugares); e por outro lado, (ii) a UE é o 2.º maior parceiro comercial da ASEAN (sendo a China o primeiro). Adicionalmente, refira-se que a UE é ainda o maior investidor na ASEAN. No âmbito do processo de integração da ASEAN, e com o objetivo de aumentar a sua competitividade e atratividade, foi criada uma Zona de Comércio Livre entre os seus EM e decidida a criação de uma Comunidade Económica que deverá ser implementada até Esta, para além da livre circulação de bens (ZCL), prevê também a livre circulação de serviços, de capitais e do trabalho. Como referido, Timor-Leste apresenta ainda um nível reduzido de relações comerciais com os EM da ASEAN. No entanto, a sua localização geográfica, a facilitação das relações comerciais pelo futuro porto de Tibar e a expectável diminuição dos custos de contexto, permitem que Timor-Leste possa aspirar a desempenhar, a médio prazo, um papel de porta de entrada para a região, por parte dos países da CPLP e não só. Não obstante, esta estratégia, a concretizar no médio prazo, necessitará da ação e apoio de todos os EM da CPLP. 14

15 No comércio extrarregional a região importa maioritariamente dos países que lhe estão mais próximos geograficamente, como a China, Japão, Singapura, Coreia e EUA (para além do referido peso específico da UE). Um ponto a destacar é o facto de a ASEAN ter um leque muito variado de países fornecedores, o que a salvaguarda de eventuais flutuações na sua pauta de importações e no fornecimento das matérias-primas necessárias à sua indústria. Para alcançar o equivalente a 90% das importações totais da região é necessário agregar 25 países, o que demonstra a sua relativa flexibilidade perante os seus países fornecedores. Os produtos mais importados pela ASEAN em 2012 foram o petróleo refinado, os equipamentos de telecomunicação, no montante de US$ 37 mil milhões, as peças e acessórios para máquinas, no montante de US$ 22 mil milhões e os aparelhos para circuitos elétricos, no montante de cerca de US$ 22 mil milhões. Por outro lado, os principais destinatários das exportações da ASEAN são a China, o Japão, os EUA e Hong Kong e, como já referido, a UE. É de realçar a diversificação do destino das exportações, em resultado do modelo de crescimento adotado por uma parte significativa dos países da ASEAN. As exportações mais significativas da região consistem em maquinaria e equipamento de transporte, combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados, bem como em bens manufaturados e outros artigos manufaturados. Os EM da CPLP, enquanto fornecedores da ASEAN, representam um peso muito reduzido (0,90% em 2012). Ainda assim, nas trocas comerciais entre a ASEAN e os EM da CPLP, destaca-se o Brasil enquanto fornecedor. A maior parte das exportações brasileiras consistem em alimentos e animais vivos, bem como matérias-primas (não combustíveis) e alguns bens manufaturados. Do total dos produtos importados pela ASEAN no montante de US$ mil milhões identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 50 principais produtos que representam 71% das importações, no montante de cerca US$ 873 mil milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Os óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; Válvulas e tubos catódicos; Óleos brutos de petróleo, óleos de xistos; Equipamento de telecomunicação; Peças e acessórios para máquinas; Aparelho para circuitos elétricos, tabuleiro, painéis; Máquinas de processamento de dados; Máquinas e aparelhos elétricos; Peças e acessórios de veículos; Aeronaves e outros equipamentos; Ouro; Outras máquinas e aparelhos para as indústrias particulares; Aparelhos de medição, análise e controle; Máquinas para a construção civil; Produtos laminados planos de ferro, aço não ligado, não revestido; Veículos automóveis para transporte de pessoas; Cobre; Motores de pistão de combustão interna; Gás natural, com ou sem liquefeito; Metais comuns; Outras matérias plásticas em formas primárias; Embarcações; Tubos e perfis ocos, acessórios, ferro, aço; Alimentos para animais (sem cereais não moídos); Fertilizantes; Produtos diversos das indústrias químicas; Motores e motores, não elétricos; Equipamentos de aquecimento e refrigeração; Barras de ferro e aço, cantoneiras, perfis e seções; Geradores; Bombas, compressores a gás e ventiladores; Alumínio; Artigos de plástico; Veículo a motor para transporte de mercadorias; Ferramentas mecânicas, outras; Joias e artigos de matérias preciosas; Polímeros de etileno, em formas primárias; Medicamentos (incluindo medicamentos veterinários); Hidrocarbonetos e halogenados; Papel e cartão; Equipamento para distribuição de energia elétrica; Produtos laminados planos de aço ligado; Máquinas de energia elétrica e componentes; Produtos laminados planos, ferro, de aço não ligado, revestidos, folheados; Tecidos de malha; Lingotes, formas primárias, de ferro ou aço; Produtos comestíveis e preparações; Tecidos artificiais; Chapas, filmes, papel alumínio e lâminas, de plásticos; Trigo e centeio em grão. Fonte: UNCTADStat, dados 2012 Apesar das importações da ASEAN a Portugal estarem a diminuir, os produtos portugueses mais exportados para a região são essencialmente maquinaria e equipamento de transporte, bem como alguns produtos manufaturados, nos quais se inclui o papel. Em termos de IDE, a ASEAN tem apresentado um saldo positivo nos últimos anos, sendo que o maior montante de IDE tem sido canalizado para os países mais desenvolvidos da região. 15

16 A Indonésia Os números e peso relativo da Indonésia são reveladores do seu potencial: é o país com maior extensão territorial da ASEAN; é a 4.ª economia mundial mais populosa, representando cerca de 40% da população total da região; é a 16.ª economia mundial em termos de PIB e representa aproximadamente 38% do PIB da região; integra o grupo dos G20; é um dos maiores produtores de petróleo do mundo (estando incluído no Top 20); é o maior produtor mundial de óleo de palma; é o 2.º maior produtor mundial de carvão, estanho e de cacau; tem a 4.º maior reserva mundial de níquel; tem a 7.ª maior reserva mundial de bauxite; é um dos maiores produtores de aço, cobre e borracha; possui grandes reservas de energia geotermal e água (que servem de base à sua indústria); o turismo tem uma significativa quota regional (2,8%). A Indonésia é pois a economia mais desenvolvida da ASEAN, sendo claramente a economia motora da região, conseguindo conciliar um nível muito elevado de recursos naturais, com um forte desenvolvimento industrial, bem como com uma consolidada oferta no setor do turismo. A tudo isto junta-se ainda a aposta do Governo no desenvolvimento e modernização da economia indonésia, através de melhores práticas de gestão, canalizando os seus esforços para a agricultura, indústrias mineira, energética e marítima, turismo e telecomunicações, as quais poderão ainda contribuir para o desenvolvimento de outros setores de atividade, através do efeito de spillover. A Governo da Indonésia tem vindo a implementar medidas de política fiscal, que permitam atrair investidores, medidas de reforço da coesão social, que permitam a redução da pobreza e medidas para a redução do desemprego, através de programas de formação. Em consequência, não é de estranhar que o país tenha registado sólidas taxas de crescimento do PIB (na ordem dos 5-6% ao ano). As previsões para 2014 do Banco Mundial e do FMI estão em linha, indicando uma taxa de crescimento do PIB, respetivamente, na ordem dos 5,3% e dos 5,5%. O consumo privado, com um crescimento de 5%, tem sido o principal motor do crescimento. Os setores de atividade com maior potencial de crescimento estão relacionados com os grandes projetos de investimento em infraestruturas e ainda com o alargamento da classe média e do poder de compra, uma maior procura por produtos diferenciados, de maior qualidade e associadas a marcas e tendências regionais (Japão e China) e ocidentais (por influência da Austrália). As infraestruturas do país não foram, ainda, capazes de acompanhar o forte desenvolvimento económico do país, pelo que entre outras apostas se destacam: o desenvolvimento dos portos (para poder beneficiar das potencialidades decorrentes de ser atravessada por uma das rotas marítimas mais ativas em termos mundiais), bem como o reforço da capacidade de geração de eletricidade (através de energias renováveis). Por outro lado, a Indonésia tem tido dificuldades em responder ao aumento da procura interna de combustíveis, o que poderá vir a traduzir-se num aumento das relações comerciais com Timor-Leste. Com vista ao desenvolvimento económico e social do país e com o objetivo de incrementar o potencial da Indonésia, o Governo definiu, entre outras, as seguintes prioridades estratégicas para o país (com vista ao seu desenvolvimento e para atingir os Objetivos do Milénio - ODM): reforma administrativa (desburocratização) e sistema de governação; aumento do acesso à educação de qualidade; saúde (prevenção de doenças, melhoria da qualidade da água e redução de áreas degradadas); redução da pobreza; 16

17 o desenvolvimento de infraestruturas (estradas, portos, refinarias); melhoria do ambiente de investimento e de negócios; reestruturação energética e aposta na utilização de energias alternativas. A estratégia de crescimento e expansão da Indonésia baseia-se na implementação de corredores económicos e centros de crescimento, em que cada região contribui para o desenvolvimento de um conjunto de produtos específicos ou complementares. O desenvolvimento destes centros é gerido através de clusters industriais e Zonas Económicas Especiais, sendo que neste âmbito são concedidos incentivos pelo Governo (e.g. tributação mais favorável e/ou facilidades aduaneiras). A identificação destes centros, o levantamento das suas necessidades e o ajustamento de competências, são aspetos críticos para direcionar o IDE no país. Em 2012, 62% das importações da Indonésia concentraram-se em 6 países fornecedores, com destaque para o peso de Singapura, China e Japão. A Indonésia não tem um volume significativo de importações com origem nos países da CPLP, sendo de notar que o Brasil representou, em 2012, 79% das mesmas. Angola tem vindo a reforçar o seu peso, tendo alcançado em 2012, 19% do total das importações da Indonésia à CPLP. Tal como referido, Portugal não tem expressão enquanto fornecedor da Indonésia. Ainda assim, de entre os produtos portugueses importados pelo país são de referir os artigos de vestuário e calçado e a maquinaria e equipamentos diversos. Do total dos produtos importados pela Indonésia aos parceiros económicos, no total de US$ 191 mil milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 53% das importações, no total de cerca de US$ mil milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Os óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; Óleos brutos de petróleo, óleos de xistos, materiais em bruto; Equipamento de telecomunicação; Máquinas para a construção civil; Peças e acessórios para veículos; Aeronaves e outros equipamentos; Hidrocarbonetos e halogenados; Propano e butano liquefeito; Veículos automóveis para transporte de pessoas; Veículos a motor para transporte de mercadorias; Outras máquinas e aparelhos para as indústrias particulares; Produtos laminados de ferro, aço não ligado, não revestido; Máquinas e aparelhos elétricos; Alimentos para animais; Aparelhos para circuitos elétricos; tabuleiro, painéis; Máquinas de processamento de dados; Motores de pistão de combustão interna, peças; Outras matérias plásticas em formas primárias; Válvulas e tubos catódicos; Tubos e perfis ocos, acessórios, ferro, aço; Fertilizantes; Trigo (incluindo espelta) e centeio em grão; Aparelhos de aquecimento e de refrigeração; Embarcações; Lingotes, formas primárias de ferro ou aço. Fonte: UNCTADStat, dados 2012 Do total dos produtos importados pela Indonésia a Portugal, no total de US$ 23 milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 80% das importações, no total de cerca de US$ 18 milhões: Peças e acessórios dos veículos; Artigos de vestuário, de tecidos têxteis; Máquinas agrícolas (com exceção dos tratores) e peças; Vestuário para Mulher, de tecidos têxteis; Estruturas e peças de ferro, aço, alumínio; Máquinas de energia elétrica, e partes; Tubos e perfis ocos, acessórios, ferro, aço; Artigos de plástico; Ferramentas mecânicas, outras; Vestuário de tecidos para homem, não malha; Metais comuns; Equipamento de telecomunicação; Partes não elétricas e acessórios de máquinas; Vestuário para Mulher, de têxteis, de malha; Tecidos de algodão; Equipamento doméstico de metais comuns; Calçado; Produtos de arame e grades; Aparelhos de aquecimento e de refrigeração; Gravadores de som ou de reprodução; Máquinas de impressão e encadernação; Aparelhos para canalizações, caldeiras, reservatórios, cubas; Ferramentas para trabalhar metais; Aparelho para circuitos elétricos, tabuleiro, painéis; Pedra, areia e cascalho. Quanto às exportações da Indonésia, 59% tiveram como destino o Japão, China, Singapura, República da Coreia, EUA e Índia. O Brasil foi o país da CPLP para o qual a Fonte: UNCTADStat, dados 2012 Indonésia mais exportou em 2012 (76%), seguido de Timor-Leste com 13% das suas exportações. Em termos de oportunidades a Indonésia oferece, entre outras, as seguintes: um grande mercado interno e uma força de trabalho competitiva; políticas macroeconómicas com base no mercado e um regime cambial livre; parceiros potenciais de outsourcing; abundância de recursos naturais diversificados; localização estratégica, abrangendo várias rotas marítimas de transporte internacional; 17

18 um Governo empenhado em reformar e promover um clima de investimento favorável; setores dinâmicos: agricultura (arroz, açúcar, etc.), pescas, indústrias - química e farmacêutica, alimentar, madeira e artigos de mobiliário, papel e celulose, eletrónica, indústria automóvel, têxtil e vestuário; a criação de novas infraestruturas e a manutenção, conservação e melhoramento das existentes, (estradas, novo aeroporto, novos portos e centrais de produção elétrica). Conclusão Os níveis de crescimento da economia timorense, os seus recursos, a sua abertura ao exterior e o bom relacionamento existente entre os dois países, a par das inúmeras necessidades do no território, abrem boas perspetivas para a internacionalização aos empresários portugueses. Acresce que este é um país com recursos, sedento de investimento e de novas oportunidades de desenvolvimento. As suas reservas de petróleo e de outros recursos naturais irão gerar um acréscimo de rendimento na economia e na procura externa. Neste sentido e face às suas atuais previsões de crescimento, é expectável que Timor-Leste se venha a tornar num importante produtor de petróleo e num relevante parceiro comercial de Portugal. Adicionalmente, a construção do Porto da Baía de Tibar, o projeto de Tasi Mane e a futura integração de Timor-Leste como membro da ASEAN, originam um conjunto de oportunidades em termos de apoio ao desenvolvimento e investimento em infraestruturas e energia, incluindo recursos naturais, podendo constituir uma porta de entrada para a ASEAN (que aspira a uma maior integração e reconhece a necessidade de desenvolvimento de infraestruturas regionais). O crescimento da Indonésia deverá potenciar o crescimento das regiões que lhe estão mais próximas, como é o caso de Timor-Leste, não só pelo aumento no volume das trocas comerciais, como também pelo potencial fluxo migratório que poderá resultar do crescimento de determinadas regiões. A proximidade com a Indonésia e com as economias mais dinâmicas da ASEAN deverá pois ser uma prioridade para os agentes económicos da CPLP que pretendam aproveitar e explorar as oportunidades asiáticas. A abordagem a este mercado pode-se sintetizar no seguinte quadro: 18

19 Forças O português é uma das línguas oficiais de Timor-Leste Previsões de crescimento médio do PIB de cerca de 10% Perspetivas de desenvolvimento económico acima do expectável para a região e em termos mundiais Desenvolvimento da exploração de reservas de petróleo e gás Reservas de recursos naturais Integração na CPLP, assumindo a presidência rotativa em 2014 País observador da ASEAN e seu futuro membro A ASEAN é um dos maiores parceiros da UE Lei do Investimento Privado que concede benefícios fiscais e incentivos aduaneiros ZEE com regime especial para atrair IDE Projeto de Tasi Mane Futuro Porto da Baía de Tibar e possibilidade de se constituir como hub para a ASEAN Livre transferência de fundos Reforma dos sistemas jurídico, fiscal e judicial Reforma do quadro legal aduaneiro População jovem e carente de formação Outros fatores ligados ao turismo: praias, paisagem e hospitalidade Oportunidades Incremento do nível de integração na ASEAN O compromisso dos EMs da ASEAN pretenderem estabelecer uma Comunidade Económica até 2015 Crescimento económico esperado acima da média mundial Acordos de comércio preferencial celebrados Acordo de Dupla Tributação Portugal / Timor-Leste Parceria Estratégica Timor-Leste / Banco Mundial Acordo de Cotonu (aplicável a Timor-Leste) Incremento do peso das trocas comerciais entre Timor- Leste e os EM da ASEAN Dificuldade da Indonésia em responder ao aumento da procura interna de combustíveis, pode intensificar as relações comerciais com Timor-Leste Desenvolvimento de infraestruturas de transporte, eletricidade, água e telecomunicações Baixo nível de bancarização Investimento e desenvolvimento do setor petrolífero e exploração dos recursos naturais A liberalização do setor das comunicações em Timor- Leste, em 2017 Transformação da agricultura de subsistência em agricultura de produção empresarial Desenvolvimento do turismo S W O T Fraquezas Ambiente de negócios pouco desenvolvido Economia pouco diversificada e de pequena dimensão Baixo nível de rendimento Dificuldade na obtenção de crédito Reduzidas capacidades infraestruturais (água, energia, saneamento, estradas) Funcionamento da justiça está dependente de parceiros internacionais Baixo nível de literacia Falta de mão-de-obra qualificada Inexistência de uma definição clara da propriedade de terras Ameaças O elevado nível de concorrência internacional em alguns setores específicos (por ex. no turismo) Nível de saneamento e falta de acesso a cuidados básicos de saúde, contribuindo para a propagação de doenças Redução das expectativas das reservas de gás e petróleo A eventual descida dos preços do petróleo Excessiva especialização da economia nestes setores 19

20 20

21 01. ASEAN Enquadramento regional, político e económico 21

22 1. ASEAN. Enquadramento regional, político e económico Timor-Leste é um dos países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), tendo sido o último a integrar a Comunidade, o que ocorreu apenas em 2002, após a reconquista da sua independência. O investimento português em Timor-Leste não foi, até agora, suficientemente mobilizador para atrair mais empresas portuguesas a investir no território. A destruição da economia e das suas infraestruturas fez com que o país necessitasse de ajuda internacional para a sua reconstrução, tendo conduzido à contração do Produto Interno Bruto (PIB) durante o período de 2002 a Se no passado o comércio de sândalo foi uma das principais fontes de rendimento do país, atualmente aquele comércio perdeu importância, em detrimento da exportação do café, que representa hoje em dia mais de 90% das exportações, sem considerar as exportações petrolíferas. Neste momento o desenvolvimento da exploração de reservas de petróleo e gás justifica a expetativa de rápido desenvolvimento, assim como o incremento da exportação de produtos provenientes da agricultura. A atratividade deste país é grande, registando uma taxa de crescimento anual do PIB em torno dos 11%. As previsões do Banco Mundial apontam para que este registo se mantenha durante o ano de 2014, podendo, no futuro, constituir-se como um importante parceiro comercial de Portugal, bem como um relevantíssimo país de destino e origem de Investimento Direto Estrangeiro ( IDE ). A somar a estas dimensões, a potencial descoberta de novas reservas petrolíferas e o início da exploração do gás natural poderá alterar o posicionamento regional de Timor-Leste enquanto relevante produtor do setor do oil&gas. Neste quadro, Timor-Leste apresenta hoje em dia perspetivas de desenvolvimento económico muito atrativas e acima do que é expectável, quer a nível regional, quer mundial. Acresce ainda a vantagem da possível integração económica regional com a eminente adesão à Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), organização de que é membro observador, a qual permitirá incrementar o crescimento económico, o progresso social, o desenvolvimento cultural e a proteção da paz e estabilidade, assim como fomentar as relações comerciais com o Sudeste do Continente Asiático projetando Timor-Leste para um novo patamar do mundo desenvolvido. A ASEAN é o 3.º maior parceiro da União Europeia (UE) (depois dos Estados Unidos da América EUA e da China) com mais de 200 mil milhões em comércio de bens e serviços no ano de Da mesma forma, a UE é o 2.º maior parceiro da ASEAN (atrás da China), representando 11% das suas trocas comerciais. As empresas da UE investiram, entre 2000 e 2009, cerca de 9,1 mil milhões por ano, em média, nos países da ASEAN, sendo sem dúvida a UE o maior investidor nesta região do planeta. As maiores exportações da região consubstanciam-se em produtos químicos, máquinas e equipamento de transporte e produtos provenientes da agricultura, assim como têxteis e vestuário. A integração de Timor-Leste na CPLP (que a partir de julho de 2014 assume a presidência rotativa da Comunidade), e a futura integração na ASEAN, originam assim um quadro de oportunidades que se estendem desde o desenvolvimento e investimento em infraestruturas e energia, incluindo recursos naturais, ao desenvolvimento industrial e comercial, até à componente agroalimentar e agrícola. No entanto, é relevante ter presente os constrangimentos ao IDE e um ambiente de negócios ainda pouco desenvolvido. Nas páginas seguintes procura-se caracterizar sumariamente a ASEAN e as suas economias, o respetivo grau de integração comercial e as principais oportunidades e constrangimentos ao investimento e ao comércio na região, bem como o potencial da CPLP (tendo tido ainda em consideração as potencialidades existentes ao nível do comércio intra-cplp), enquanto catalisador de negócio nas regiões em que se inserem os seus Estados Membros (EM). 22

23 1.1. Caracterização da comunidade Principais objetivos e aspirações da ASEAN 1 A ASEAN é uma organização de âmbito regional, fundada a 8 de agosto de 1967, com a assinatura da Declaração de Banguecoque, na Tailândia, pelos Ministros dos Negócios Estrangeiros da Indonésia, Malásia, Filipinas, Singapura e Tailândia. Em janeiro de 1984 juntou-se o Brunei, em julho de 1995, o Vietname, em julho de 1997, Laos e Mianmar e, finalmente, em abril de 1999, o Camboja. A fundação da ASEAN surgiu por iniciativa da Tailândia, na medida em que se pretendia encontrar solução para os conflitos até aí existentes entre Indonésia, Filipinas e Malásia. Os principais objetivos contidos na referida declaração relacionavam-se com a aceleração do crescimento económico, o progresso social e o desenvolvimento cultural da região; a promoção da estabilidade e da paz, respeitando a lei e a justiça nas relações entre os EM e aderindo aos princípios constantes da Carta das Nações Unidas; a promoção de uma colaboração ativa em matérias de interesse comum nas áreas económica, social, cultural, técnica e científica; a expansão das trocas comerciais entre os países e a promoção da atividade económica através da melhoria das redes de transporte e comunicações e da manutenção da cooperação com outras organizações internacionais e regionais com interesses similares. A sede da ASEAN está localizada em Jacarta, capital da Indonésia, o país economicamente dominante da região. O seu lema é Uma Visão, uma Identidade, uma Comunidade. Desde a fundação da ASEAN, e através de vários Tratados, cresceram exponencialmente as trocas comerciais entre os seus EM, tendo sido implementada em 1992 uma zona de comércio livre que se vem aprofundando até hoje. Figura 1 Estados Membros da ASEAN A fundação da ASEAN incrementou significativamente as trocas comerciais entre os seus EM Fonte: ASEAN.org Seguidamente elencam-se as principais etapas históricas que se encontram na origem, bem como no desenvolvimento da ASEAN

24 Figura 2 - Principais etapas na criação da ASEAN Os Estados Membros da ASEAN Figura 3 - Mapa da ASEAN ASEAN ASEAN Estados Membros: Indonésia, Malásia, Filipinas, Singapura, Tailândia, Brunei Darassalam, Vietname, Laos, Mianmar e Camboja. Membros observadores: Papua Nova Guiné e Timor-Leste. 24

25 Mecanismos de integração e prioridades no desenvolvimento da ASEAN Através dos Estatutos da ASEAN, elaborados aquando da 13.ª Conferência da ASEAN, em novembro de 2007, em Singapura, ficaram finalmente definidos os objetivos gerais da Associação e instituída a sua qualidade de organização intergovernamental. De entre os objetivos definidos, encontra-se a criação de um mercado único estável e próspero, altamente competitivo e economicamente integrado, através da facilidade das trocas comerciais e investimento, de onde se destaca a livre circulação de bens, serviços, trabalho especializado e capitais. Já na Cimeira de Bali (Declaração de Bali Concord II), em outubro de 2003, os líderes da ASEAN tinham declarado que a Comunidade Económica da ASEAN ( AEC ) deveria ser o objetivo ( pilar ) da integração económica regional até 2020, sendo os restantes dois pilares a Comunidade de Segurança da ASEAN e a Comunidade Socio-Cultural da ASEAN. Posteriormente, na 12.ª Cimeira de janeiro de 2007, os líderes afirmaram o compromisso na aceleração do estabelecimento da Comunidade ASEAN, em particular a Comunidade Económica, a ser implementada até 2015, através da ratificação da Declaração de Cebu (Filipinas). Nesta conformidade, a ASEAN, como comunidade económica, assentaria nos seguintes pontos: 1. Livre circulação de bens; 2. Livre circulação de serviços; 3. Livre circulação de investimento; 4. Livre circulação de capitais; 5. Livre circulação de trabalho especializado; 6. Celebração de acordos preferenciais de comércio. Missão e objetivos da ASEAN: - Manutenção e promoção da paz, segurança e estabilidade; - Promoção da resiliência regional, promovendo uma maior cooperação política, de segurança, económica e sociocultural; - Preservar o Sudeste Asiático como zona livre de armas nucleares bem como de outras armas de destruição maciça; - Assegurar que os cidadãos e os EM vivem em paz com o resto do mundo e num ambiente democrático e harmonioso; - Criação de um mercado único estável, próspero e competitivo e economicamente integrado através da promoção do comércio e investimento, livre circulação de pessoas, profissionais, talento, trabalho e de capitais; - Promover a assistência mútua e a cooperação de forma a combater a pobreza e diminuir o fosso de desenvolvimento; - Fortalecer a democracia e promover a boa governança e o estado de direito assim como promover e defender os direitos humanos e as liberdades fundamentais; - Responder a todas as formas de ameaças e crimes e promover o desenvolvimento sustentável de forma a incrementar a proteção da região e dos seus recursos naturais, a preservação da sua identidade cultural e a boa qualidade de vida; - Desenvolver os recursos humanos através de uma cooperação reforçada na educação, na aprendizagem ao longo da vida, ciência e tecnologia; - Promover o bem-estar dos cidadãos dos EM através do acesso a oportunidades de desenvolvimento humano, social e justiça e construção de um ambiente seguro e livre de drogas; - Encorajar toda a sociedade a participar, de forma a beneficiar da integração na ASEAN; - Promover uma identidade ASEAN, dando ênfase à herança cultural da região; - Manter o papel proativo nas relações com os parceiros externos, numa região aberta, transparente e inclusiva. 25

26 1 Livre circulação de bens À promoção da livre circulação de bens, está intimamente ligada a concretização e implementação da Zona de Comércio Livre ( ZCL ) que visa a liberalização das trocas comerciais entre os EM. O processo teve início em 1992 em Singapura, quando a ASEAN tinha apenas 6 membros: Indonésia, Malásia, Filipinas, Singapura, Tailândia e Brunei. Atualmente, Vietname, Laos, Mianmar e Camboja também estão incluídos. Através do estabelecimento da ZCL, a ASEAN já procedeu à abolição e diminuição de algumas taxas aduaneiras. Ainda assim, a ASEAN propõe-se eliminar os direitos de importação em todos os produtos, com certas especificidades no caso dos produtos incluídos nas Listas de Produtos Sensíveis e Altamente Sensíveis e nas barreiras não alfandegárias. A ASEAN pretende igualmente implementar Regras de Origem dos Produtos de forma a facilitar o comércio e investimento entre os EM e promover uma rede de produção regional. Cooperação agroalimentar A ZCL deverá estar plenamente operacional em 2015 Também se pretende reforçar a cooperação no âmbito dos produtos alimentares, agricultura e indústria florestal, de forma a tornar estas áreas competitivas no mercado internacional. Estabeleceram-se assim medidas sanitárias, de higiene e segurança, e harmonizaram-se requisitos e regulamentos nestas áreas. Reforçaramse ainda as regras de concorrência e propriedade intelectual, através do estabelecimento do ASEAN Experts Group on Competition (AEGC) e do ASEAN working Group on Intellectual Property Cooperation (AWGIPC). Propõe-se ainda implementar procedimentos aduaneiros de forma a diminuir os custos de transação e aumentar a competitividade das exportações. Importante é igualmente a integração dos serviços aduaneiros e a criação da ASEAN Single Window, de forma a potenciar a troca de informação entre os EM relativamente a procedimentos de desalfandegamento. 2 Livre circulação de serviços Um dos pontos essenciais na implementação da Comunidade Económica da ASEAN (AEC) é a liberalização dos serviços, que tem vindo a ser realizada através de negociações entre os EMs e o Comité Coordenador dos Serviços. Estas negociações têm produzido um conjunto de compromissos para os vários setores dos serviços por parte dos EMs, designado por ASEAN Framework Agreement on Services ( AFAS ). O objetivo destes compromissos é tornar o setor dos serviços mais transparente e competitivo, eliminar barreiras ao comércio de serviços e liberalizar o comércio de serviços, nomeadamente face ao Acordo Geral de Liberalização dos Serviços da Organização Mundial do Comércio (OMC). 3 - Livre circulação de investimento Um regime de investimento livre e aberto é primordial para incrementar a competitividade da ASEAN e atrair IDE, intra ou extra-asean. O ASEAN Comprehensive Investment Agreement ( ACIA ), assinado em 26 de fevereiro de 2009, tem como objetivo fazer face a um ambiente mais competitivo e tornar a ASEAN um destino de investimento atrativo. Pretende-se fomentar áreas tais como a indústria manufatureira, agricultura, pescas, indústria florestal, extração de matéria prima, assim como os serviços relacionados. 4 Livre circulação de capitais A livre circulação de capitais é crucial para reforçar o desenvolvimento e integração do mercado de capitais da ASEAN. A região pretende que até 2015 a integração dos mercados financeiros e de capitais esteja feita. Tal melhorará as trocas comerciais entre os EMs e a atrair IDE. De forma a promover a estabilidade financeira e integração na região do Sudeste Asiático, nomeadamente com a China, Japão e Coreia do Sul (ASEAN + 3), a ASEAN tem promovido uma série de iniciativas, tais como 26

27 a Chiang Mai Initiative Multilateralisation (CMIM), um swap de taxas de câmbio no valor de US$ 120 mil milhões com vista a ajudar países com problemas de liquidez de curto prazo, assim como a Asian Bond Market Initiative (ABMI) que pretende desenvolver o mercado de obrigações na região ASEAN Livre circulação de trabalho especializado Ao promover a livre circulação de trabalhadores, a ASEAN possibilita a cooperação e o desenvolvimento de competências e qualificações na região, promovendo um crescimento harmonizado dos EM e uma disciplina e cultura de trabalho partilhada que, a prazo, permitirá otimizar as trocas comerciais e fomentar a criação de parcerias entre organizações dos EM. 6 Celebração de acordos preferenciais de comércio Face à crise que se abateu sobre a Europa e com os EUA sem o fulgor dos anos 90, cada vez mais empresas e investidores estão atentos ao Continente Asiático, particularmente ao Sudeste Asiático. Com uma população de mais de 600 milhões de habitantes e altas taxas de crescimento económico (entre 1999 e 2012 a região cresceu a uma média anual de 5,5%) e consumo, impulsionado por uma crescente classe média que já não adquire apenas bens de primeira necessidade, mas também gadgets eletrónicos. Os países da ASEAN são também, hoje em dia, mais atrativos e competitivos. A ASEAN tem vindo, enquanto associação, a celebrar Acordos de Comércio Preferencial ( FTA ) com alguns parceiros económicos. Na mesma senda, alguns EM têm celebrado FTA s a título individual. A ratificação destes acordos promove a facilitação das trocas comerciais entre os EM da ASEAN e os seus parceiros económicos, com vista à implementação de uma parceria regional económica. Embora variem em termos de âmbito, especificidade e alcance, estes acordos tendem a cobrir diversas áreas chave e seguem os acordos e standards internacionais. As áreas chave supra referidas consistem em: Resolução de litígios A resolução de litígios entre EM da ASEAN vem regulada ASEAN Charter e aprofundada no Protocolo relativo à resolução de litígios. O Secretariado não tem competência para resolver litígios pelo que os EM terão de, bilateralmente, resolvê-los informalmente ou através de meios próprios. Poderão assim os EM, ao abrigo do Protocolo, procurar alternativas de mediação ou conciliação. Caso a disputa não fique sanada, apelar-se-á ao SEOM ( Senior economic officials meeting ). As decisões do SEOM devem ser tomadas por maioria de todos os EM, o que torna a resolução do litígio de extraordinária complexidade. Da decisão do SEOM pode haver recurso para um painel formado pelo Conselho Económico da ASEAN. 1. Redução de taxas e compromisso da sua redução no futuro; 2. Aplicação de regras de origem, promovendo cadeias de fornecimento na região; 3. Maior certeza e segurança jurídica e económica; 4. Instituição de uma plataforma de acordos económicos com a ASEAN, através de agendas e projetos de cooperação económica. Todos os países que integram a ASEAN são membros da OMC. Assim, os EM da ASEAN pertencentes à OMC estão adstritos ao regime jurídico estabelecido por esta organização.de notar ainda que a maior parte dos países da ASEAN (i.e. Brunei, Indonésia, Malásia, Filipinas, Singapura, Tailândia e Vietname) são membros da APEC (Cooperação Económica Ásia-Pacífico). Os objetivos da APEC, estabelecidos nos objetivos Bogor (1994) são o comércio livre e aberto e o investimento na região da Ásia-Pacífico, até 2010 para as economias industrializadas, e até 2020 para os países em desenvolvimento. Os três pilares da organização são a liberalização do comércio e do investimento, facilitação de negócios e cooperação económica e técnica. As decisões da APEC são tomadas por unanimidade e não existe qualquer tratado vinculativo entre os seus membros. Os compromissos são tomados voluntariamente. 27

28 1.2. A ASEAN enquanto comunidade económica Mesmo estando geograficamente ligados e tendo projetos comuns, as economias dos EM da ASEAN apresentam características distintas em muitos aspetos, como geografia, população e níveis de produção. Tabela 1 - Caracterização dos países membros da ASEAN e Timor-Leste País Extensão Territorial (em km2) População 2 População (% s/ total região) PIB (milhões de US$) PIB per capita Brunei ,07% Nível de IDH 3 Muito Alto Índice de Liberdade Económica 4 (World rank 2013) nd Camboja ,41% Médio 59 Filipinas ,68% Médio 58 Indonésia ,02% Médio 57 Laos ,08% Médio 50 Malásia ,74% Alto 66 Mianmar ,56% Baixo 39 Papua Nova Guiné ,16% Baixo nd Singapura ,86% Muito Alto 88 Tailândia ,38% Médio 64 Timor-Leste ,2% Baixo 44 Vietname ,39% Médio 51 ASEAN % A extensão territorial dos países membros oscila entre os 700 km2 de Singapura e os km2 da Indonésia que, além de ser o país com maior extensão territorial, é também o que tem mais habitantes (247 milhões), representando 40% do total da população da região, que se estima-se ultrapasse os 616 milhões de habitantes (incluindo Timor-Leste e Papua Nova Guiné). Desse total, 47% vivem em centros urbanos. Importa, no entanto, salientar que o grau de urbanização difere entre os diversos países que constituem a região. Enquanto em Singapura a população urbana representa 100% do total, no Camboja e em Timor-Leste representa apenas 21% e 28%, respetivamente. Entre 1980 e 2010, estima-se que o Continente Asiático tenha aumentado a sua população urbana em mais de mil milhões. Adicionalmente, a taxa de urbanização do continente (43%) e da ASEAN (47%), em comparação com o resto do mundo (52%), indica que estes valores deverão crescer ainda mais nas próximas décadas. 2 Dados de Dados de Dado que o PIB per capita não leva em conta níveis de educação e de saúde como dimensões mais próximas do desenvolvimento social, considerou-se o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), calculado pela ONU/PNUD (Organização das Nações Unidas / Programa das Nações Unidas de Desenvolvimento). Os resultados do IDH variam entre zero (na ausência completa de bem-estar social) e um (pleno desenvolvimento humano). 4 Index of Economic Freedom World Rankings, Heritage Foundation Quanto maior a classificação no ranking, melhor o Índice de Liberdade Económica. 5 PIB per capita da região = PIB / População Total 28

29 Milhões US$ Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Assim, os países da ASEAN caracterizam-se por uma alta taxa de densidade populacional urbana e um número elevado de megacidades (12 das 23 existentes no mundo segundo dados de 2010). Gráfico 1 PIB por setor - ASEAN 100% 90% 80% 36.38% 70% 60% Indústria 50% Serviços 40% 42.63% Agricultura 30% As economias de alguns países da região dependem fortemente da agricultura, sendo os principais produtos exportados o arroz e a borracha. Em Mianmar, quase 50% do PIB do país corresponde ao setor agrícola. O setor dos serviços tem crescido de forma exponencial, representando hoje cerca de 43% do PIB da região. Em Singapura, Filipinas e Timor-Leste este setor representa mais de 50% do PIB. Singapura é o 4.º principal centro financeiro do mundo e um dos 3 melhores em refinação de petróleo. O turismo tem sido um fator chave no desenvolvimento de muitos países do Sudeste Asiático, especialmente no Camboja. 20% 10% 0% 20.99% A Indonésia, mercado emergente, é a maior economia da região. Esta, juntamente com a Malásia, Tailândia e Filipinas, fazem parte do grupo de países recém-industrializados, enquanto Singapura e Brunei são economias desenvolvidas em ascensão. No setor industrial destaca-se o Brunei, com mais de 71% da sua economia dependente deste setor. Também o Vietname tem feito progressos notáveis produzindo têxteis, produtos tecnológicos e automóveis. Os países que mais cresceram nos últimos 5 anos ( ), foram Timor-Leste, Mianmar e Laos, com taxas de crescimento médias de 11,23%, e 8,7% e 8,01%, respetivamente. No entanto, sendo estes países economicamente pobres, têm um contributo proporcionalmente modesto para o crescimento da região. Os principais impulsionadores do PIB da ASEAN em 2012 foram a Indonésia e a Malásia. Gráfico 2 - Crescimento médio anual países ASEAN ,000, , , , , , , , , , % 5.38% 4.65% 8.01% 5.91% 4.19% 8.70% 7.43% 4.30% 11.23% 2.84% 5.88% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% *Observadores ASEAN PIB 2008 PIB 2012 Crescimento médio Economicamente, a região é dominada pela Indonésia 38% do PIB da região, seguida da Tailândia (15,7%). A economia da Indonésia, país que integra o G-20 e é já a 16.ª maior economia do mundo, tem a 6 Quadro resumo preparado pela PwC com base em dados do Banco Mundial 29

30 Crescimento do PIB 2012 Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP possibilidade de se tornar a 7.ª maior economia do mundo em Brunei, Camboja, Laos, Timor-Leste e Papua Nova Guiné representam, no seu conjunto, apenas 2,5% do total do PIB da região (dados de 2012). Gráfico 3 - Contribuição de cada EM para o PIB da ASEAN, 2008 e % 11.7% 0.04% 0.5% 6.0% 11.4% 2.1% % 0.7% 15.1% 33.4% 0.4% Brunei Cambodja Indonesia Laos Malasia Mianmar Filipinas Singapura Tailandia Vietname Timor* Papua Nova Guine* 15.7% 11.8% 10.8% 0.1% 0.7% 6.1% 2.3% 0.7% 0.6% 13.1% 37.8% 0.4% Nos últimos 5 anos, pode-se verificar que a contribuição de alguns EM para o PIB da região tem diminuído, como o caso do Brunei, Camboja, Malásia, Filipinas e Tailândia. O país que mais viu o seu peso aumentar na região, neste período, foi a Indonésia (na ordem dos 4,4%). Gráfico 4 - Evolução das economias da região % 11% 10% 9% 8% 7% 6% 5% 4% Tailândia; Filipinas; Malasia; 303,526 Camboja; Papua Nova Guiné; Laos; 9,299 Indonésia; 878,193 Vietname; 141,669 Mianmar; 53,140 Timor-Leste; % 2% 1% Brunei ; 16,954 Singapura; 274,701 0% 0% 1% 2% 3% 4% 5% 6% 7% 8% 9% 10% 11% 12% Crescimento médio do PIB Fonte: Cálculos PwC com base nos dados do Banco Mundial Em 2012, a Papua Nova Guiné denotou uma retoma do crescimento económico, crescendo acima da média que vinha apresentando nos últimos anos. O mesmo se passou com a Camboja, Filipinas, Malásia, Tailândia e Brunei, países que viram o seu peso reduzido no PIB da região nos últimos anos, como acima referido. No 30

31 Taxa de crescimento médio anual Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP entanto, todos estes países - com exceção da Tailândia -, possuem economias relativamente pequenas quando comparadas com o verdadeiro motor da região, a Indonésia, cujo crescimento se manteve em 2012 face à média dos últimos 5 anos. A região do Sudeste Asiático apresenta, em termos mundiais, índices de competitividade bastante acima da média em alguns países, como o caso da Singapura (2º lugar do ranking), Malásia (24º lugar) e Brunei (26º). Segundo o Fórum Económico Mundial o Sudeste Asiático é, atendendo aos fatores em avaliação, uma das regiões mais competitivas. Figura 4 Índice de competitividade global Fonte: Global Competitiveness Report O país da ASEAN que mais evolui em termos de competitividade global foi o Laos, que cresceu 8% e subiu quase 70 posições no ranking do Global Competitiveness Index do World Economic Forum (WEF) 7. Já Timor- Leste, que viu a sua posição diminuir em cerca de 10 posições, registou uma taxa média de crescimento de quase 12%, a maior da região. O Vietname foi o único país da região que não viu a sua posição alterada neste período de tempo. Mianmar, Camboja, Indonésia e Filipinas aumentaram entre 10 e 20 posições e mantiveram uma taxa de crescimento elevada. Gráfico 5 - Relação entre o crescimento do PIB e variação no Global Competitiveness Index % 10% 8% 6% 4% 2% Timor-Leste; 11,23% Vietname; 5,88% Singapura; 4,30% Tailândia; 2,84% Malásia; 4,19% Brunei; 0,63% Mianmar; 8,70% Laos; Indonésia; 8,01% 5,91% Filipinas; 4,65% Camboja; 5,38% 0% (20) (10) Alteração ao ranking 2008/9-2013/14 Fonte: Cálculos PwC com base nos dados do Fórum Económico Mundial 7 Índice de Competitividade Global do Fórum Económico Mundial 31

32 Áreas chave dos EM da ASEAN e Timor-Leste para fazer negócios? (1-144) 8 Gráfico 6 Qualidade dos fornecedores locais Gráfico 7 N.º de dias para abrir uma empresa Camboja Laos Tailândia Mianmar Vietname Timor-Leste Filipinas Brunei Malásia Singapura Indonésia Tailandia Camboja Laos Vietname Brunei Indonésia Singapura Malásia Filipinas Timor Leste dias Gráfico 7 - Disponibilidade dos serviços financeiros Camboja Laos Tailândia 142 Myanmar Vietname Timor-Leste Brunei Filipinas Malásia Singapura Indonésia Gráfico 8 - Proteção dos investimentos Timor-Leste Tailândia Filipinas Camboja Malásia Laos Singapura Vietname Indonésia Brunei Gráfico 8 - Qualidade das infraestruturas Timor- Leste Tailândia Filipinas 100 Camboja Malásia Laos Singapura Mianmar 56 Myanmar 146 Indonésia Vietname Brunei Singapura, Tailândia e Malásia distinguemse claramente no que toca ao ambiente de negócios que proporcionam aos investidores, registando dos melhores indicadores e rankings ao nível da qualidade das infraestruturas, disponibilidade de serviços financeiros e proteção do investimento. A Indonésia encontra-se, igualmente, nos lugares cimeiros nestas matérias. Timor-Leste, muito pelo contrário, a par do Mianmar e Vietname, tem ainda um longo caminho a percorrer, no sentido da criação de condições para melhorar a atratividade ao investimento local. 8 The Global Competitiveness report 2013 (Relatório sobre a Competitividade Global 2013). Informação não disponível nos Estados não identificados. 32

33 Uma parceria trans-pacífica Um novo acordo comercial Acordo Trans-pacífico ( Trans-Pacific Partnership - TPP) irá ser nos próximos meses implementado. Este clube de 12 membros liderado pelos EUA, pretende abrir uma nova era de acordos comerciais, e obviar às dificuldades sentidas nas conversações de Doha, iniciadas pela OMC em 2001 com o objetivo de eliminar as barreiras comerciais entre os Estados. Inicialmente um pacto de comércio assinado apenas entre Brunei, Chile, Nova Zelândia e Singapura, este sofreu uma reviravolta em 2008 dado o interesse dos EUA em integrar as conversações. Desde aí, a TPP já se expandiu a 12 membros, incluindo os membros originais do pacto e os EUA, assim como a Austrália, Canadá, Malásia, México, Peru e Vietname. Em 2013 o Japão entrou também nas conversações. Assim, se o TPP for efetivamente concretizado, abrangerá um terço do comércio internacional mundial. Do ponto de vista dos EUA, esta poderá ser a forma de: (i) Atualizar as normas da OMC, inalteradas desde 2004; (ii) Ter mais influência numa região dominada pela China e por acordos comerciais rivais ; (iii) Impulsionar as conversações de Doha. O TPP tem ainda como objetivos promover a proteção dos direitos de propriedade intelectual. Nesta conformidade, existem já vozes discordantes, que provêm nomeadamente de países mais pobres, que referem que este ponto é uma vitória do protecionismo e uma derrota do livre comércio. O acordo pretende ainda regular o papel das empresas públicas, para que estas não possam obter acesso injusto a licenças, contratos ou ajuda financeira por parte dos Estados. Esta medida também não é vista com bons olhos por países com economias como a da China. Adicionalmente, o acordo pretende ainda instituir procedimentos de resolução de litígios entre os investidores e os Estados, permitindo, na teoria, que as empresas possam intentar ações contra os Estados caso sintam que estão a ser alvo de tratamento injusto. De notar que alguns países, tais como o Vietname, pretendem regimes de exceção para determinadas indústrias. 33

34 1.3. As economias da ASEAN Timor-Leste. Uma economia dependente do petróleo Apesar de ainda não estar integrado na ASEAN como um membro efetivo, Timor-Leste é membro observador da ASEAN assim como membro do ASEAN Regional Forum. Gráfico 9 - PIB por setor 2011 Timor-Leste 100% 90% 18.51% 80% 70% 60% 55.72% 50% 40% 30% 20% 25.77% 10% 0% Fonte: WorldBank, 2013 Indústria Serviços Agricultura Com uma população jovem e um elevado ritmo de crescimento económico (superior a 10% em 2012), Timor-Leste tornou-se oficialmente independente em 2002, depois de 400 anos de colonização portuguesa e 24 anos de ocupação Indonésia. A maioria da população de Timor-Leste vive da agricultura e de uma economia de subsistência. Este setor, que emprega cerca de 75% da população, exporta essencialmente baunilha e café, que correspondem a cerca de 90% do total de produtos agrícolas exportados. O setor dos serviços tem forte implantação, representando cerca de 55,72% do PIB de Timor-Leste, destacando-se nomeadamente os serviços da Administração Pública. No que respeita ao setor da indústria, releva na economia timorense a exploração de petróleo, que tem exercido uma influência determinante sobre as condições macroeconómicas, repercutindo-se favoravelmente nas contas públicas e possibilitando a obtenção de excedentes nas contas externas. O setor petrolífero tem sido encarado pelas autoridades timorenses como setor estratégico para contrariar as fragilidades em termos de estruturas produtivas e as carências sociais consideráveis. Assim, este setor encontra-se enquadrado, desde meados de 2005, por uma estratégia inspirada nas melhores práticas internacionais, das quais faz parte o estabelecimento de um fundo petrolífero. Dada a relevância das receitas petrolíferas, Timor instituiu um Fundo Soberano que concentra as receitas do petróleo e que, em 2012, estava avaliado em US$ 10,35 mil milhões. A Lei do Fundo Petrolífero dispõe que as receitas petrolíferas devem ser transferidas para este fundo e investidas no exterior em ativos financeiros. As saídas do fundo admissíveis consubstanciam-se em transferências para o Orçamento Geral do Estado em conformidade com a aprovação parlamentar Indonésia. O gigante do Sudeste Asiático Representando cerca de 38% do PIB da ASEAN, a Indonésia possui relevantes reservas de petróleo que a tornam numa das vinte maiores produtoras de petróleo do mundo (com uma produção de barris/dia). Devido à sua riqueza em recursos naturais, o país é considerado o maior produtor de óleo de palma do mundo e o segundo maior produtor de carvão, assim como de cacau e estanho. Tem ainda a quarta maior reserva de níquel e a sétima maior reserva de bauxite. O país é também um dos maiores produtores de aço, cobre e borracha. 34

35 A indústria constitui assim o setor predominante na economia indonésia, representando cerca de 47,15% do PIB do país e é um dos principais países do mundo exportadores das seguintes matérias-primas, petróleo, estanho e borracha. A agricultura, incluindo a produção animal, a pesca e a silvicultura, tem tido uma grande importância na economia indonésia, tendo havido uma aposta crescente na modernização da mesma através da aposta na biotecnologia agrícola e na crescente melhoria das práticas de gestão em coordenação com as instituições públicas e privadas. O país possui ainda grandes reservas de energia geotermal e água, podendo assim auxiliar as principais indústrias do território, tais como a indústria têxtil, cimento, fertilizantes, produtos eletrónicos, pneus de borracha, calçado e processamento de madeira. Gráfico 10 - PIB por setor 2011 Indonésia 47.15% 38.13% 14.72% 0% O setor do turismo é também importante pela fonte significativa de obtenção de divisas estrangeiras. Em 2011, o número de turistas aumentou mais de 9% e as Fonte: WorldBank, 2013 receitas representaram US$ 8 mil milhões, tendo o país atingido uma quota regional de 2,8% e, a nível mundial, de 0,8%. O Governo tem feito uma aposta ao nível do desenvolvimento dos setores da agricultura, indústria mineira, energética, industrial, marítima, turismo e telecomunicações para fomentar o desenvolvimento de novas áreas estratégicas. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% Indústria Serviços Agricultura Malásia. Uma economia fortemente industrializada Representando 13% do PIB da ASEAN e com uma economia fortemente industrializada e relativamente aberta, a Malásia tem apresentado um crescimento relevante, em grande parte devido às exportações, principalmente de produtos eletrónicos. Desde a década de 90 a Malásia tem sido o maior produtor de circuitos integrados. A economia da Malásia apresenta-se como umas das mais desenvolvidas do Sudeste Asiático. O país é um dos maiores produtores de borracha, estanho e óleo de palma, madeira e têxteis. Cacau, coco e pimenta apresentam-se também como produtos relevantes para a economia. A agricultura, apesar de expressar uma parte significativa do PIB da Malásia representando 47,85% da economia do país, permanece fundamentalmente como uma atividade de subsistência destacando-se o cultivo de arroz, coco, óleo de palma, tabaco, cacau, chá, açúcar, legumes, mandioca, abacaxi, banana e batata-doce. Do ponto de vista dos recursos naturais subterrâneos, o país apresenta uma riqueza significativa destacando-se o estanho, o petróleo, o minério de ferro, a bauxite, o ouro, o Gráfico 11 - PIB por setor 2011 Malásia 100% 90% 80% 40.28% 70% 60% Indústria 50% Serviços Agricultura 40% 47.85% 30% 20% 10% 11.87% 0% Fonte: WorldBank,

36 gás, o manganês, o cobre, o carvão, fosfatos e antimónios. O setor do petróleo (crude e produtos derivados do petróleo) e gás tem ganho igualmente importância na economia da Malásia, na medida em que proporciona elevados montantes de receitas em impostos (a petrolífera nacional é a conhecida Petronas, que representou 44% da receita de impostos do Governo Federal em 2008). Destacam-se ainda como indústrias em crescimento a indústria metalúrgica, a engenharia, a petroquímica, a eletrónica, a indústria transformadora de produtos agrícolas. O turismo é também uma área explorada sendo a maior parte dos turistas oriundos de Singapura. De acordo com o Plano de Transformação do Turismo Malaio, esperam-se 36 milhões de turistas até Filipinas. Uma indústria de serviços Representando 11% do PIB da ASEAN, destaca-se na economia das Filipinas, o setor da agricultura e a produção de coco e ananás. A produção de arroz é igualmente importante, sendo considerado o 8.º país produtor mundial, apesar de também ser um dos seus maiores importadores. Ao nível do setor agrícola, destaca-se ainda a produção de cana-de-açúcar, milho, copra, e tabaco. O país é rico em minerais e energia geotérmica, tendo inclusive reservas de gás natural. As reservas de ouro, níquel, cobre, e cromite são das maiores do mundo. Existem ainda outros minerais tais como a prata e o carvão. Gráfico 12 PIB por setor Filipinas 100% 90% 31.40% 80% 70% A indústria naval é igualmente relevante, tendo sido o país o 4.º maior produtor do mundo em Rodeado por água e com portos naturais, o território filipino adequa-se à produção, construção e reparação de navios. Adicionalmente, diversos componentes para automóveis e para a indústria aeroespacial são produzidos no país. 60% 50% 40% 30% 55.81% Indústria Serviços Agricultura O setor dos serviços representa mais de metade do PIB da economia das Filipinas com uma percentagem de 55,81%. De notar que, a par da Índia, as Filipinas são os líderes em serviços de outsourcing 9. De facto, as maiores empresas americanas de outsourcing de serviços, nomeadamente call centers 10, estão localizadas nas Filipinas, empregando o setor cerca de pessoas. 20% 10% 12.79% 0% Fonte: WorldBank, Singapura. O hub 11 financeiro Integrando o grupo dos chamados Tigres Asiáticos, juntamente com Hong Kong, Coreia do Sul e Taiwan, Singapura tem uma das economias mais desenvolvidas do mercado, fomentada pela captação de investimento estrangeiro, representando 12% do PIB da ASEAN. A indústria de Singapura apoia-se bastante na área da biomédica, químicos, engenharia de transportes e de precisão e eletrónica, sendo o hub high tech e químico da Ásia. De facto, a área da tecnologia empregou em 2011 cerca de pessoas num país com cerca de 5 milhões de habitantes. 9 Outsourcing contratação externa de serviços 10 Call centres centrais telefónicas de atendimento 11 Hub centro internacional 36

37 Singapura constitui um dos maiores exportadores de petróleo refinado. Além disso, é também o principal centro asiático de intercâmbio de petróleo e a praça onde se fixam os preços do crude e seus derivados para todo o continente. Apesar de não possuir grandes recursos naturais, Singapura apresenta-se como um país exportador de produtos informáticos e farmacêuticos. No que toca ao setor dos serviços, este representa 73,40% do PIB da economia de Singapura. O setor dos serviços financeiros tem vindo a aumentar a sua importância, sendo o país considerado igualmente um hub financeiro e o 4.º centro financeiro mundial. Adicionalmente, com um mercado de capitais desenvolvido, a bolsa de valores de Singapura (SGX) conta com cerca de 800 empresas listadas. Gráfico 13 - PIB por setor 2011 Singapura 100% 90% 26.57% 80% 70% 60% 50% 40% 73.40% Indústria Serviços Agricultura 30% 20% 10% 0% Tailândia. Forte potencial na indústria automóvel Fonte: WorldBank, 2013 Representando 16% do PIB da ASEAN, a Tailândia possui uma elevada taxa de exportações (70% do PIB em 2010) constituindo um dos maiores produtores de arroz e camarão. Tem também produção de coco, milho, borracha, soja, óleo de palma, cana-de-açúcar e tapioca. A indústria tem tido grande expressão representando uma parte significativa do PIB da Tailândia (41,16%). De facto, o país tem-se tornado num importante centro da indústria automóvel, aspirando a ser o centro regional nesta Gráfico 14 - PIB por setor Tailândia área, tendo a produção de automóveis sido estimada em 2,2 milhões de veículos em 2012, de acordo com o Programa para a Indústria Automóvel para A exportação de peças automóveis é também relevante. É ainda produtor e exportador de produtos tais como o plástico, calçado e joias entre outros. 100% 90% 80% 70% 41.16% O setor da agricultura reveste igualmente importância na economia, sendo responsável por grande parte da empregabilidade da população tailandesa. O turismo é ainda um setor que também tem contribuído significativamente para o PIB do país. O setor financeiro beneficiou da implementação, em 2004, do Programa do Setor Financeiro ( Financial Sector MasterPlan ). A crise de foi o ponto de partida para instituir uma reforma sistémica no setor da banca. Atualmente na Fase II ( ), o programa visa reduzir os custos operacionais em todo o sistema, promover a concorrência e acesso a produtos financeiros e reforçar a infraestrutura financeira. 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 46.48% 12.36% Fonte: WorldBank, 2013 Indústria Serviços Agricultura 37

38 Vietname. O ressurgir de uma economia Representando 6% do PIB da ASEAN, a agricultura é um dos setores com relevância na economia vietnamita destacando-se a produção de arroz, café, chá e banana. Gráfico 15 - PIB por setor 2011 Vietname 100% A indústria tem ganho cada vez mais relevância, representando 40,79% do PIB da economia do Vietname, destacando-se nesta a indústria extrativa com a produção de carvão, petróleo, ouro, ferro, estanho, zinco e bauxite. A indústria manufatureira predomina, também nas áreas da alimentação, tabaco, têxteis, químicos e produtos elétricos. Destaca-se ainda o setor do turismo que tem apresentado uma relevância significativa no PIB da economia vietnamita. O setor financeiro e bancário é um setor que se encontra em expansão, tendo sido alvo de reformas nas últimas duas décadas. Tendo como objetivo o reforço e modernização do setor por forma a tornar o Vietname, uma economia de mercado. As reformas apostaram na reestruturação do sistema bancário, abertura ao investimento estrangeiro, privatização parcial de bancos estatais e implementação de medidas de reforço da capitalização dos bancos vietnamitas. 90% 80% 40.79% 70% 60% 50% 40% 37.19% 30% 20% 10% 22.02% 0% Fonte: WorldBank, 2013 Indústria Serviços Agricultura Brunei. O segundo maior PIB per capita da ASEAN Brunei apresenta o segundo maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos países do Sudeste Asiático, ficando apenas atrás de Singapura na classificação deste índice. Representando apenas aproximadamente 1% do PIB da ASEAN, a economia do Brunei baseia-se na exportação dos seus recursos naturais, como o carvão, o petróleo e o gás natural, representando o setor da indústria 71,67% do PIB da economia do Brunei. A produção de gás e petróleo representa 98% das exportações e 93% das receitas do Governo. Encontram-se previstos novos projetos na área da petroquímica e refinação. O país também pretende fomentar a área das infraestruturas, através da construção de mais redes rodoviárias, apesar de estar munido de uma boa rede de autoestradas. Gráfico 16 PIB por setor Brunei 100% 90% 80% 70% 71.67% 60% Indústria 50% Serviços 40% Agricultura 30% 20% 27.69% 10% 0% Fonte: WorldBank,

39 Laos e Mianmar e Camboja. Mercados em expansão Representando 0,4% do PIB da ASEAN, Laos tem tido um crescimento ao nível económico significativo (>8% ao ano). Contudo, permanece pouco desenvolvido em termos de infraestruturas, nomeadamente nas zonas rurais. Gráfico 18 - PIB por setor 2011 Laos 100% A economia é dependente da exportação de recursos naturais mas é a agricultura a fonte de subsistência da maior parte da população, nomeadamente através da plantação de arroz, representando 75% do emprego. Algodão, frutas e especiarias são também cultivados. A economia também beneficia das indústrias extrativas, nomeadamente o cobre, ouro, zinco e chumbo, contudo a falta de regulamentação é um entrave ao investimento nesta área. O setor do turismo é aquele que tem apresentado um maior desenvolvimento, tendo o número de turistas que visitam o país aumentado 22,27% em Este aumento deve-se em grande parte ao ecoturismo, uma área que se encontra em expansão. Tem-se registado um aumento ao nível das atividades das indústrias hoteleiras e da restauração. Representando 2% da economia da ASEAN, a economia do Mianmar está bastante baseada na agricultura, sendo esta a maior fonte de emprego, nomeadamente na plantação de arroz % 34.53% 30.80% Gráfico 18 PIB por setor Mianmar O país destaca-se também como o 2.º maior produtor de ópio tendo produzido 690 toneladas em 2012, atrás do 100% Afeganistão. A cana-de-açúcar também tem alguma expressão, sendo o Mianmar o 20.º maior produtor deste 90% 23.50% bem. Sementes e óleo de mostarda são também produtos originários do país. Os solos férteis não são muito 80% explorados devido ao alto custo de financiamento, sendo o 70% recurso ao micro crédito bastante procurado pelos agricultores mais pobres. 60% A exportação de gás natural também tem aumentado, à 39.82% Indústria medida que os campos de Zawtika, Kakonna e Gawthaka 50% Serviços vão ficando operacionais. Este projeto é detido em 80% pela Autoridade do Petróleo Tailandesa, sendo que a 40% Agricultura empresa pública petrolífera do Mianmar detêm os restantes 20%. Estima-se que o país tenha reservas equivalentes a 30% 3,2 mil milhões de barris de petróleo e 18 triliões de metros cúbicos de gás natural. A maior parte do gás natural é 20% 36.68% exportada para a Tailândia. 10% A indústria das pedras preciosas é também importante, nomeadamente na região de Mogok. Em 2013, o governo 0% tem ainda prevista a criação de um hub de pedras preciosas na capital Naypyidaw, local onde comerciantes e investidores Fonte: WorldBank, 2013 poderão abrir lojas e onde a indústria poderá crescer e desenvolver-se. O turismo aumentou 36% nos primeiros 2 meses de 2013 e a confiança neste setor tem sido incrementada pelo facto do país ser o anfitrião dos Jogos do Sudeste Asiático ( sea games ), em dezembro de % 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Fonte: WorldBank, 2013 Indústria Serviços Agricultura 39

40 Com cerca de 0,6% do PIB da ASEAN em 2012, o Camboja tem uma economia com pouca expressão na ASEAN, registando um dos PIB per capita mais reduzidos da região, só à frente do Mianmar. Apesar do ambiente global de alguma contração do crescimento económico a economia do Camboja, apresenta perspetivas de crescimento de 7 por cento em O seu crescimento tem sido sustentado pelo crescimento agrícola, com condições climáticas favoráveis, e por um forte desempenho do setor de turismo e resiliência à concorrência indonésia do setor do vestuário. A perspetiva económica enfrenta alguns riscos dada a possibilidade de alguma instabilidade política decorrente das eleições de Ainda não estão disponíveis dados sobre o impacto da incerteza política sobre o investimento direto estrangeiro (IDE) e sobre o setor do turismo. Os principais produtos agrícolas produzidos no Camboja são o arroz, a exploração de borracha, o milho, vegetais, a castanha de caju, mandioca e seda Gráfico 19 PIB por setor Camboja 100% 90% 32% 80% 70% 60% Serviços 27% 50% Agricultura 40% Indústria 30% 20% 41% 10% 0%. Fonte: WorldBank,

41 País importador Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP 1.4. Trocas comerciais na ASEAN Complementaridade das economias A intensificação das trocas comerciais exige complementaridade industrial das economias, implicando níveis de especialização diferenciada entre parceiros. O reduzido nível de industrialização das economias da região reduz essa possibilidade, que, no entanto, poderá ser estimulada pelo desenvolvimento económico e pelo esforço de diversificação das economias - uma aspiração de muito dos países da região. Tabela 2 - TCI (Trade Complementary Index) 12 intra-asean As exportações intra-asean representam 26,04% do total das exportações da região (2012) Fonte: UNCTADstat País exportador Brunei Camboja Filipinas Indonésia Laos Malásia Papua Nova Mianmar Guiné Singapura Tailândia Timor-Leste Vietname Brunei Camboja Filipinas Indonésia Laos Malásia Mianmar Papua Nova Guiné Singapura Tailândia Timor-Leste Vietname Fonte: Cálculo realizado pela PwC com base nos dados do UNCTAD, UNCTADstat O nível de complementaridade intrarregional da ASEAN é reduzido, sendo particularmente reduzidos os indicadores apresentados por Timor-Leste, Brunei e Mianmar. De facto 26,04% das exportações dos países da região ficam na região e Timor-Leste, Mianmar e Brunei apresentam graus de complementaridade que não excedem 10, 13 e 14 pontos, respetivamente. Não obstante, verifica-se que poderá existir um potencial de complementaridade e maior intensidade no relacionamento comercial entre alguns países da ASEAN.O índice de complementaridade entre a Singapura e Malásia (74 pts e 78 pts) revela uma relação potencial biunívoca. A estrutura de importações de Singapura poderá também potenciar as suas relações com Brunei (44 pts), Camboja (53 pts), Filipinas (55 pts), Laos (48 pts), Mianmar (46 pts), Papua Nova Guiné (48 pts), Tailândia (52 pts), Timor-Leste (33 pts) e Vietname (61 pts). Verifica-se ainda que o índice de complementaridade entre Singapura e Indonésia (69 pts) revela uma relação potencial unívoca. Por sua vez, o índice de complementaridade entre Tailândia e Indonésia (70 pts) revela uma relação potencial unívoca. Por seu lado a estrutura de importações da Tailândia poderá apresentar algum grau de complementaridade com as estruturas exportadoras de Brunei (54 pts), Camboja (51 pts), Filipinas (62 pts), Laos (58 pts), Malásia (61 pts), Mianmar (53 pts), Papua Nova Guiné (46 pts), Singapura (55 pts), Timor-Leste (50 pts) e Vietname (66 pts). A estrutura de importações da Indonésia poderá apresentar algum grau de complementaridade com os restantes países da ASEAN, destacando-se as Filipinas (55 pts), Malásia (51 pts), Singapura (55 pts), Tailândia (58 pts) e Vietname (51 pts). É notória que a alavancagem comercial intra-asean poderá ser potenciada fundamentalmente por 3 motores - Singapura, Tailândia e Malásia - ou seja, por 3 economias pertencentes ao top 4 das maiores economias da região. Estas economias poderão assumir o papel fundamental como porta de entrada na região. 12 O Trade Complementary Index (TCI) é um indicador utilizado para medir a compatibilidade do perfil comercial, através da comparação das estruturas de exportação e de importação entre países. Índices mais elevados revelam potenciais de complementaridade superiores e maior correspondência entra a estrutura de exportações/importações dos 2 países. TCI nulo é sinónimo de não complementaridade. 41

42 PIB em milhões (US$) Exportações em (milhões US$) Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Comércio intrarregional A ASEAN regista o 2º maior valor de trocas intrarregião, medido pelo rácio de exportações sobre o PIB, dos espaços de integração económica analisados, cujo nível de integração é liderado pela UE, o que indicia um nível de integração relevante, tendo em consideração o nível de desenvolvimento da região e o facto das trocas informais nestas regiões poderem representar o dobro das registadas. Tabela 3 - Comunidades económicas regionais em perspetiva (2012) Indicador SADC UE CPLP CEEAC MERCOSUL CEDEAO ASEAN Exportações intrarregião (milhões US$, 2012) Exportações intrarregião (% no PIB da região, 4,09% 21,90% 0,62% 0,47% 2,10% 2,86% 13,90% 2012) Exportações intrarregião (% das exportações mundiais, 2012) 0,15% 19,87% 0,09% 0,01% 0,37% 0,06% 1,77% Crescimento anual médio das exportações intrarregião ( ) 6,66% -2,17% 8,12% 3,43% 4,50% 4,27% 6,65% Fonte: UNCTAD, UNCTADstat A ASEAN apresenta o 2º maior valor de exportações intrarregião, milhões de US$, contribuindo com 13,90% no PIB da região. Em relação às exportações mundiais, a ASEAN contribui com 1,77%, contribuição liderada pela UE (19,87%). Além disso, estima-se que as exportações intrarregião da ASEAN tenham crescido em média 6,65% por ano, 1,47 pontos percentuais abaixo do crescimento registado pela CPLP. Gráfico 20 - Evolução do comércio intra-asean vs. evolução do PIB da região 13 2,500,000 2,179,960 2,326, ,000 2,000,000 1,530,845 1,538,923 1,888, , ,000 1,500, ,000 1,000, , , , , , , , ,000 50, Fonte: UNCTAD, UNCTADstat Exportações (milhões US$) PIB (milhões US$) Este crescimento do relacionamento comercial vem sendo acompanhado pelo ritmo de crescimento do PIB, que apresenta uma correlação positiva relativamente forte com este indicador, como seria expectável. 13 As exportações consideradas no gráfico apenas consideram os seguintes EM da ASEAN: Brunei, Camboja, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar, Filipinas, Singapura, Tailândia evietname. 42

43 Importações intra-asean (% no total das importações intra-asean) Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Apresenta, no entanto, uma elasticidade menor, ou seja, cresceu a um ritmo inferior ao do PIB, que desde 2008 cresceu a uma média de aproximadamente 11% ao ano 14. Gráfico 21 - Peso das exportações/importações intra-asean no total da região 30% Singapura 25% Malásia 20% 15% Tailândia Indonésia 10% 5% Vietname Brunei Mianmar Laos Filipinas Timor-Leste 0% Camboja 0% Papua N.G. 5% 10% 15% 20% 25% Exportações intra-asean (% no total das exportações da ASEAN) Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 Timor-Leste, Papua Nova Guiné, Brunei, Camboja e Laos apresentam uma contribuição residual para as trocas comerciais intra-asean, devido em grande parte à dimensão pequena das suas economias face aos restantes membros da região, Indonésia e Tailândia. Além de apresentarem balanças comerciais intrarregião positivas, as Filipinas e o Vietname têm contribuído com aproximadamente 13,8% do total de exportações intrarregião, 6,2% e 7,6% respetivamente. Destaque para a Malásia, a economia que mais tem contribuído para as exportações (24,4%) e importações (24,8%) e que simultaneamente, é a 3ª maior economia da região. Por outro lado, Tailândia e Indonésia, dois dos motores de crescimento da região, são responsáveis por 34,3% das exportações intrarregião e 33,1% das importações intrarregião. Os países que mais contribuem para a intensificação das trocas comerciais intra-asean são Singapura, Malásia e Indonésia, que simultaneamente são os que melhor se podem constituir como motores de desenvolvimento regional, à luz das conclusões inferidas ao nível da complementaridade comercial das suas economias. 14 Banco Mundial

44 Gráfico 22 - Trocas intra-asean 6% 6% 9% 10% 36% Maquinaria e equipamentos de transporte Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Bens manufaturados Químicos e produtos relacionados As principais trocas assentam em maquinaria e equipamentos de transporte (36%) e combustíveis (28%), nomeadamente, válvulas e tubos, acessórios para máquinas, equipamento de telecomunicações, óleos de petróleo e óleo de minerais betuminosos. 28% Outros artigos manufaturados Alimentos e animais vivos As bebidas e tabaco, matériasprimas e óleos vegetais e animais têm baixa representatividade. fico Indonésia e Timor-Leste. A maior economia da região e o país CPLP A Indonésia, a economia mais desenvolvida da ASEAN, mantém vínculos comerciais com todos os países membros da região, destacando-se dois principais parceiros comerciais, Singapura e Malásia, para onde a Indonésia exportou 67% do total das exportações intrarregião em 2012, sendo que 41% se destinaram à Singapura e 27% à Malásia. De 27% das exportações da Indonésia com destino à Malásia, 37 pontos percentuais respeitam a combustíveis. O principal produto exportado da Indonésia para Singapura é também o combustível, sendo Singapura o principal parceiro comercial de combustível da Indonésia (47%), em A 2.ª economia mais pequena da CPLP, não tem expressão nas trocas comerciais intra-asean, contribuindo com 0,13% do total de exportações intrarregião em O seu principal parceiro comercial é Singapura (total de exportações), sendo as principais exportações: óleo de petróleo, óleo de materiais betuminosos e crude. Tal como se pode concluir através da figura seguinte, as exportações com maior volume destinam-se a: Singapura (40,5%) Malásia (26,7%) Tailândia (15,7%). Verifica-se que a Indonésia tem um peso substancial nas exportações intra-asean (20,48%), exportando uma diversidade de produtos, destacando-se: Combustíveis (33,4%) Maquinaria e equipamentos de transporte (22,2%) Bens manufaturados (15,3%) Químicos e produtos relacionados (6,7%) Alimentos e animais vivos (6,6%). 44

45 Figura 5 - Principais exportações de Indonésia intra-asean, por produto Indonésia 20,5% das exportações da intra-asean Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 Figura 6 - Principais exportações de Timor-Leste intra-asean, por produto Timor-Leste Timor-Leste 0,13% 0,13% das intra-asean exportações intraasean das exportações da Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 Timor-Leste apresenta uma contribuição muito pequena para o total de exportações intra-asean, devendo, em grande parte, à dimensão da sua economia. O principal parceiro comercial de Timor-Leste é Singapura, para o qual exporta combustível. 45

46 Peso nas importações da ASEAN Importações em milhões US$ Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP 1.5. Comércio extra-regional Principais parceiros comerciais da ASEAN A ASEAN tem apresentado uma balança comercial positiva desde 1998, no entanto, desde 2010 esta tem apresentado um saldo positivo cada vez menos expressivo. Este facto deve-se à forte resiliência das economias que compõem a ASEAN e à diminuição do crescimento em algumas das principais economias para onde a ASEAN exporta, levando a que o ritmo de crescimento das importações se mantenha elevado e à diminuição do ritmo de crescimento das exportações ao longo dos últimos anos. Importações A ASEAN importa maioritariamente de países que lhe estão próximos geograficamente, como a China, o Japão, Singapura ou a Coreia, sendo os EUA a natural exceção à regra. Nota-se que tanto os EUA como o Japão têm vindo a perder importância relativa na pauta de importações da ASEAN, sendo que em contrapartida, a China tem conseguido reforçar o seu peso na região. Gráfico 23 Evolução das importações da ASEAN e principais países de origem, % 1,400,000 90% 1,158,798 1,225,742 1,200,000 80% 70% 60% 50% 40% 30% 942, , % 3.91% 3.84% 3.80% 3.65% 4.22% 4.43% 4.52% 4.34% 4.16% 4.99% 4.92% 5.13% 733, % 4.96% 6.53% 6.48% 6.38% 5.87% 5.83% 5.35% 5.61% 6.01% 6.08% 6.28% 7.53% 6.87% 6.70% 7.07% 6.82% 8.90% 9.05% 8.61% 7.95% 7.38% 1,000, , , ,000 20% 10% 0% 11.52% 11.23% 12.12% 10.91% 10.96% 12.02% 13.36% 13.33% 13.60% 14.65% ,000 - China Japão EUA Singapura Coreia Malásia Taiwan Tailândia Indonésia EAU Fonte: UNCTAD, UNCTADstat As importações da ASEAN cresceram, em média 8,79% por ano, desde

47 Gráfico 24 Importações da ASEAN Top produtos Alimentos e animais vivos 6% 2% 5% 3% Matérias-primas (exceto combustíveis) 23% Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Químicos e produtos relacionados 38% Bens manufaturados 13% 9% Maquinaria e equipamento de transporte Outros artigos manufaturados Commodities e transações n.e. Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 A região importa maioritariamente maquinaria e equipamento de transporte, combustíveis e bens manufaturados. Mais especificamente, a região importa aparelhos e equipamento elétrico, petróleo e aço. Nota-se a importância de Singapura na região que, sendo um dos principais portos da Ásia, é uma das principais plataformas logísticas de exportação e importação da ASEAN. Singapura importa mais de 44% dos combustíveis e mais de 33% da maquinaria e equipamento de transporte importado pela região A região encontra-se relativamente bem salvaguardada de variações em países específicos, pois importa de um número considerável de países. Para alcançar o equivalente a 90% das importações totais da região é necessário agregar 25 países, o que demonstra a sua relativa flexibilidade perante os países fornecedores. Adicionalmente, muitos dos mercados fornecedores da ASEAN são parcialmente substitutos, apesar de concorrerem com preços muito reduzidos. 47

48 Gráfico 25 - Importações ASEAN da China Gráfico 26 - Importações ASEAN do Japão 9% 3% 5% 9% 3% 7% 3% 8% 20% 21% 52% 56% Alimentos e animais vivos Matérias-primas (exceto combustíveis) Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Óleos vegetais e animais, gorduras e ceras Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Maquinaria e equipamento de transporte Outros artigos manufaturados Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Óleos vegetais e animais, gorduras e ceras Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Maquinaria e equipamento de transporte Outros artigos manufaturados Commodities e transações n.e. Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 A China fornece à ASEAN maioritariamente maquinaria e equipamento de transporte, bens manufaturados e alguns químicos e produtos relacionados. De igual forma, a ASEAN importa do Japão maioritariamente maquinaria e equipamento de transporte, bens manufaturados e alguns produtos químicos e produtos relacionados. Este fator deve-se à preponderância destes produtos nas importações da região. 48

49 Gráfico 27 - Importações ASEAN dos EUA Gráfico 28 - Importações ASEAN de Singapura 9% 7% 6% 5% 5% 12% 32% 41% 5% 53% 6% 10% Alimentos e animais vivos Matérias-primas (exceto combustíveis) Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Maquinaria e equipamento de transporte Maquinaria e equipamento de transporte Outros artigos manufaturados Outros artigos manufaturados Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 Mais de metade das exportações norte-americanas para a região são em maquinaria e equipamento de transporte, sendo que existe ainda alguma relevância dos produtos químicos e relacionados. A larga maioria dos produtos que Singapura vende aos seus parceiros na ASEAN centra-se em combustíveis e em maquinaria e equipamento de transporte. Nota-se que não sendo Singapura um produtor de combustíveis, o país é um dos principais portos, pelo que muito do combustível que é destinado à região passa e é tratado no país. 49

50 Peso nas exportações da ASEAN Exportações em milhões US$ Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Exportações Os principais destinos das exportações dos países da ASEAN são a China, Japão, EUA e Hong Kong, representando cerca de 37% das exportações totais da ASEAN em Gráfico 29 Evolução das exportações da ASEAN e principais países de destino, % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 990,430 1,058,542 1,251,763 1,260, ,399 3% 3% 3% 3% 4% 4% 4% 4% 4% 4% 4% 4% 4% 4% 4% 6% 6% 6% 5% 5% 5% 5% 5% 5% 5% 6% 6% 6% 6% 6% 6% 7% 7% 7% 6% 11% 10% 10% 9% 9% 11% 10% 10% 10% 10% 9% 10% 11% 11% 11% ,400,000 1,200,000 1,000, , , , ,000 - China Japão EUA Hong Kong Malásia Indonésia Singapura Coreia Austrália Tailândia Fonte: UNCTAD, UNCTADstat Gráfico 30 Exportações da ASEAN Top produtos As exportações do ASEAN cresceram, em média 7,8% por ano, desde 2008 Alimentos e animais vivos 11% 4% 6% 4% 19% Matérias-primas (exceto combustíveis) Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Óleos vegetais e animais, gorduras e ceras Químicos e produtos relacionados 35% 9% 4% Bens manufaturados Maquinaria e equipamento de transporte 9% Outros artigos manufaturados Commodities e transações n.e. Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de

51 As exportações dos EM da ASEAN baseiam-se em maquinaria e equipamento de transporte, combustíveis, produtos manufaturados e químicos e produtos relacionados. Dentro desses, destacam-se maquinaria elétrica e produtos relacionados, petróleo, vestuário e acessórios e químicos orgânicos. Pela sua localização geográfica a China, o Japão e Hong Kong encontram-se entre os principais destinos das exportações da ASEAN. Adicionalmente os EUA são outro dos grandes recetores dos produtos da região. No entanto, destaca-se que a ASEAN tem uma pauta de exportações bastante variada para um número de destinos considerável, sendo que muitos têm uma importância relativa pouco significativa pelo que é necessário considerar os 28 principais destinos de exportação da ASEAN para se obter o correspondente a 90% das exportações totais da região. Gráfico 31 - Exportações ASEAN para a China Gráfico 32 - Exportações ASEAN para o Japão 4% 4% 12% 11% 7% 6% 36% 16% 27% 31% 5% 7% 14% 10% 6% Alimentos e animais vivos Matérias-primas (exceto combustíveis) Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Óleos vegetais e animais, gorduras e ceras Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Maquinaria e equipamento de transporte Outros artigos manufaturados Alimentos e animais vivos Matérias-primas (exceto combustíveis) Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Maquinaria e equipamento de transporte Outros artigos manufaturados Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados 2012 Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados

52 Gráfico 33 - Exportações ASEAN para os EUA Gráfico 34 - Exportações ASEAN para Hong Kong 33% 9% 3% 4% 7% 8% 7% 3% 9% 3% 6% 40% 63% Alimentos e animais vivos Matérias-primas (exceto combustíveis) Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Maquinaria e equipamento de transporte Outros artigos manufaturados Alimentos e animais vivos Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Maquinaria e equipamento de transporte Outros artigos manufaturados Commodities e transações n.e. Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados 2012 Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados Trocas comerciais entre a CPLP e a ASEAN Importações Analisando as importações da ASEAN aos países membros da CPLP, praticamente apenas o Brasil apresenta valores historicamente relevantes, sendo que Timor-Leste e Angola têm vindo a ganhar peso e relevância ao longo dos últimos anos. Portugal tem vindo a perder importância no fornecimento de produtos aos mercados da ASEAN, passando a exportar apenas US$ 301 milhões em 2012 o que compara mal com as suas exportações de 2008, US$ 631 milhões. No todo a CPLP forneceu apenas pouco mais de 0,90% das importações anuais totais da ASEAN em 2012, tendo aumentado a sua importância relativa que se situava em apenas 0,75% das importações anuais totais da ASEAN em 2008, sendo que o Brasil foi responsável por perto de 77% deste aumento. Apesar de o Brasil ser o grande responsável pelos ganhos da CPLP como conjunto, Timor-Leste e Angola foram os países que mais rapidamente cresceram, dentro da CPLP, no fornecimento de produtos à ASEAN, com taxas médias anuais de crescimento superiores a 199% e 183% respetivamente, entre 2008 e 2012, dado que partiram de bases reduzidas. 52

53 Importações (milhões US$) Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Gráfico 35 - Importações da ASEAN aos países da CPLP 12,000 10,000 8, ,000 4,000 2, , , ,726 8,962 9, Angola Brasil Portugal Timor-Leste Fonte: UNCTAD, UNCTADstat Gráfico 36 - Importações ASEAN do Brasil As importações da ASEAN a estes 4 países da CPLP cresceram, em média, 11,7% por ano, entre 2008 e % 4% 11% 3% 10% 28% Alimentos e animais vivos Bebidas e tabaco Matérias-primas (exceto combustíveis) 33% 3% O Brasil destaca-se pela exportação de alimentos e animais vivos, o que reforça a importância da agro-indústria Brasileira. Adicionalmente o Brasil também exporta em quantidades significativas matérias-primas que não combustíveis, e alguns bens manufaturados. Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Maquinaria e equipamento de transporte Commodities e transações n.e. Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados

54 Figura 7 - Importações da ASEAN provenientes do Brasil ASEAN Fonte: UNCTAD, UNCTADstat 54

55 Figura 8 - Importações da ASEAN provenientes de Portugal Fonte: UNCTAD, UNCTADstat Gráfico 37 - Importações ASEAN de Portugal 14% 3% 4% 14% Apesar do valor das exportações portuguesas para a ASEAN não ser significativo, a maioria das exportações portuguesas centra-se em maquinaria e equipamento de transporte, sendo ainda de referir a exportação de alguns bens manufaturados, como o papel. Dado o elevado nível de importações da região, a taxa de penetração dos produtos portugueses poderá constituir uma oportunidade. 61% Matérias-primas (exceto combustíveis) Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Maquinaria e equipamento de transporte Outros artigos manufaturados 55

56 Exportações (milhões US$) Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Exportações A CPLP absorve pouco mais de 0,78% das exportações da ASEAN, sendo que o Brasil e Angola recebem a grande fatia das exportações da ASEAN de entre os países lusófonos. Gráfico 38 - Exportações da ASEAN para a CPLP 12,000 10, ,000 6,000 4, , ,273 7,099 4,949 4,008 2, , Angola Brasil Moçambique Portugal Timor Leste Fonte: UNCTAD, UNCTADstat Portugal tem vindo a perder importância na pauta de exportações da ASEAN, tanto a nível relativo como a nível absoluto, passando a importar desta região apenas US$ 598 milhões em 2012 quando em 2008 importava US$ 710 milhões. Em contrapartida, o Brasil aumentou consideravelmente a sua importância, tanto a nível relativo como absoluto, sendo responsável por 74% do total das importações dos países lusófonos à ASEAN e aumentando as suas importações da região a um ritmo médio de 12,5% por ano. As exportações da ASEAN para estes 4 países cresceram, em média, 9% por ano, entre 2008 e

57 Gráfico 39 - Exportações ASEAN para o Brasil Gráfico 40 - Exportações ASEAN para Angola 17% 3% 8% 6% 17% 7% 24% 6% 7% 42% 17% 9% 19% 17% Alimentos e animais vivos Matérias-primas (exceto combustíveis) Óleos vegetais e animais, gorduras e ceras Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Maquinaria e equipamento de transporte Outros artigos manufaturados Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados 2012 Alimentos e animais vivos Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Óleos vegetais e animais, gorduras e ceras Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Maquinaria e equipamento de transporte Outros artigos manufaturados Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados

58 Milhões US$ Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP 1.6. IDE na ASEAN Desde 2009 a ASEAN tem vindo a registar uma tendência de crescimento na competitividade à captação de IDE, seja por maiores montantes de capital (inward inflows), seja por maiores montantes de investimento no exterior (outward flows). O fluxo de inward apresentou um crescimento médio anual de 21,9% superior ao fluxo de outward, que teve um crescimento médio anual de 17,1% nos últimos 5 anos. De 2008 a 2012 a ASEAN apresentou um saldo de IDE positivo. Gráfico 41 - IDE na ASEAN - inward e outward, , , ,000 60,000 40,000 20, Inward Outward Fonte: UNCTAD, UNCTADstat Gráfico 42 - Peso de IDE inflows dos EM da ASEAN 2012 Tailândia 8% Laos 0.2% Singapura 51% Indonésia 18% Vietname 8% Outros 6% Filipinas 2% Camboja 0.9% Mianmar 1.8% Papua Nova Guiné 0.1% Timor-Leste 0.1% Brunei 0.7% Malásia 9% Fonte: UNCTAD, UNCTADstat 58

59 Tabela 4 - IDE nos EM da ASEAN (milhões US$) inward flow, Brunei Camboja Filipinas Indonésia Laos Malásia Mianmar Papua Nova Guiné Singapura Tailândia Timor-Leste Vietname ASEAN Fonte: UNCTAD, UNCTADstat Os fluxos de IDE têm-se apresentado heterogéneos entre os vários países da comunidade. Países como Timor-Leste, Laos, Camboja e Mianmar têm-se apresentado pouco atrativos ao investidor estrangeiro, em grande parte pela sua reduzida dimensão económica. Singapura (51%) e Indonésia (18%) são os principais drivers de IDE da ASEAN, registando um crescimento acentuado nos últimos 5 anos de (46,8%) e (20,8%) respetivamente. 59

60 Malásia Óleo de palma, borracha, cacau, arroz, madeira e pimenta Serviços financeiros, indústria petrolífera, energia, saúde, Business services, agricultura, indústria eletrónica, telecomunicações, turismo, educação KL International Airport, Kota Kinabalu International Airport, Kuching International Airport Langkawi, International Airport, Penang International Airport Bintulu, Johor Bahru, George Town (Penang), Port Kelang, Tanjung Pelepas Laos ASEAN Batata-doce, legumes, milho, café, cana-deaçúcar, tabaco, algodão, chá, amendoim, arroz; mandioca, suínos, bovinos, aves Minério de cobre, estanho e ouro, madeira, energia elétrica, agroindústria, borracha, construção, têxtil, cimento e turismo Luang Prabang International Airport, Pakse International Airport, Wattay International Airport, N/d Camboja Arroz, borracha, milho, vegetais, castanha de caju, mandioca e seda Turismo, agricultura, telecomunicações, têxtil, pesca, madeira e produtos de madeira educação, construção civil e tecidos Siem Reap International Airport, Phnom Pehn International Airport, Sihanouk International Airport Sihanoukville (porto marítimo), Phnom Pehn (porto fluvial) Brunei Arroz, legumes, frutas; galinhas, búfalos, gado, cabras, ovos Petróleo, refinação de petróleo, gás natural liquefeito, construção, agricultura, transporte Bandar Seri Begawan International Airport Muara Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP 1.7. Setores de oportunidade nos países da ASEAN, principais portos e aeroportos Região País Principais produtos agrícolas Oportunidades para o bloco (produtos e serviços associados) Principais aeroportos Principais portos 60

61 Vietname Arroz em casca, café, borracha, chá, pimenta, soja, caju, cana-de-açúcar, amendoim, bananas; aves; peixe, frutos do mar Agroindústria, Têxtil, calçado, construção de máquinas, mineração, carvão, aço, cimento, fertilizantes químicos, vidro, pneus, óleo, telefones celulares Can Tho International Airport, Lien Khuong International Airport, Da Nang International Airport, Cat Bi International Airport, Noi Bai International Airport, Tan Son Nhat International Airport, Phu Bai International Airport, Cam Ranh International Airport, Phu Quoc International Airport Cam Pha Port, Da Nang, Haiphong, Phu My, Quy Nhon Tailândia Arroz, mandioca, borracha, milho, cana-deaçúcar, coco, soja Indústria automóvel, biotecnologia, indústria eletrónica, indústria alimentar, indústria têxtil, engenharia aeroespacial, joias, tungsténio, estanho, turismo Suvarnabhumi International Airport, Don Mueang International Airport, Chiang Mai International Airport, Chiang Rai International Airport, Hat Yai International Airport, Phuket International Airport, Samui International Airport, U-Tapao International Airport Bangkok, Laem Chabang, Map Ta Phut, Prachuap Port, Si Racha Singapura Orquídeas, legumes, aves, ovos, peixe, peixes de aquário Indústria eletrónica, serviços financeiros, indústria petrolífera, indústria alimentar, indústria farmacêutica, biotecnologia, engenharia aeroespacial, engenharia naval, saúde Singapore Changi Airport, Seletar Airport Singapura Filipinas Cana do açúcar, coco, arroz, milho, banana, mandioca, abacaxi, manga, carne de porco, ovos, carne de bovino, peixe Turismo, agronegócio, telecomunicações, mineração, indústria farmacêutica, indústria do calçado, construção de navios, indústria eletrónica Ninoy Aquino International Airport, Mactan-Cebu International Airport, Francisco Bangoy International Airport, Lloilo International Airport Batangas, Cagayan de Oro, Davao, Liman, Manila Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Região País Principais produtos agrícolas Oportunidades para o bloco (produtos e serviços associados) Principais aeroportos Principais portos 61

62 1.8. Principais produtos importados pelos países do ASEAN e oportunidades para as empresas Portuguesas A ASEAN apresenta algumas oportunidades para as empresas portuguesas em termos de exportações e que, em muitos casos, poderão ser potenciados por via de Timor-Leste. Do total dos produtos importados pela ASEAN no montante de US$ mil milhões identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 50 principais produtos que representam 71% das importações, no montante de cerca US$ 873 mil milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Do total dos produtos importados pela ASEAN a Portugal no montante de US$ 300 milhões identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 72% das importações, no montante de cerca US$ 218 milhões: Os óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; Válvulas e tubos catódicos; Óleos brutos de petróleo, óleos de xistos; Equipamento de telecomunicação; Peças e acessórios para máquinas; Aparelho para circuitos elétricos, tabuleiro, painéis; Máquinas de processamento de dados; Máquinas e aparelhos elétricos; Peças e acessórios de veículos; Aeronaves e outros equipamentos; Ouro; Outras máquinas e aparelhos para as indústrias particulares; Aparelhos de medição, análise e controle; Máquinas para a construção civil; Produtos laminados planos de ferro, aço não ligado, não revestido; Veículos automóveis para transporte de pessoas; Cobre; Motores de combustão interna; Gás natural, com ou sem liquefeito; Metais comuns; Outras matérias plásticas em formas primárias; Embarcações; Tubos e perfis ocos, acessórios, ferro, aço; Alimentos para animais (sem cereais não moídos); Fertilizantes; Produtos diversos das indústrias químicas; Motores e motores, não elétricos; Equipamentos de aquecimento e refrigeração; Barras de ferro e aço, cantoneiras, perfis e seções; Geradores; Bombas, compressores a gás e ventiladores; Alumínio; Artigos de plástico; Veículo a motor para transporte de mercadorias; Ferramentas mecânicas, outras; Joias e artigos de matérias preciosas; Polímeros de etileno, em formas primárias; Medicamentos (incluindo medicamentos veterinários); Hidrocarbonetos e halogenados; Papel e cartão; Equipamento para distribuição de energia elétrica; Produtos laminados planos de aço ligado; Máquinas de energia elétrica e componentes; Produtos laminados planos, ferro, de aço não ligado, revestidos, folheados; Tecidos de malha; Lingotes, formas primárias, de ferro ou aço; Produtos comestíveis e preparações; Tecidos artificiais; Chapas, filmes, papel alumínio e lâminas, de plásticos; Trigo e centeio em grão. Válvulas e tubos catódicos; Veículos automóveis para transporte de pessoas; Peças e acessórios dos veículos; Produtos têxteis e máquinas de couro; Máquinas e aparelhos elétricos; Equipamento de telecomunicação; Gravadores de som ou de reprodução; Aparelho para circuitos elétricos; tabuleiro, painéis; Artigos de vestuário, de tecidos têxteis; Celulose; Papel e cartão; Outras máquinas e aparelhos para as indústrias particulares; Acessórios de tecidos; Vestuário para Mulher de tecidos têxteis; Matérias corantes orgânicas e sintéticas; Tecidos artificiais; Mobiliário e peças; Calçado; Rolamentos; Ferramentas manuais ou industriais; Motores de combustão interna; Fios têxteis; Obras de arte, peças de coleção e antiguidades; Medicamentos (incluindo medicamentos veterinários); Partes não elétricas e acessórios de máquinas. 62

63 Do total dos produtos importados pela Brunei aos parceiros económicos, no total de US$ 3.5 mil milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 57% das importações, no total de cerca de US$ 2 mil milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Do total dos produtos importados pelo Camboja aos parceiros económicos, no total de US$ 11 mil milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 63% das importações, no total de cerca de US$ 7 mil milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Os óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; Veículos automóveis para transporte de pessoas; Tubos e perfis ocos, acessórios, ferro, aço; Metais comuns; Outros artigos manufaturados diversos; Equipamento de telecomunicação; Aparelhos para canalizações, caldeiras, reservatórios, cubas; Arroz; Mobiliário e peças; Barras de ferro e aço, barras, cantoneiras, perfis e seções; Materiais de construção (cimento); Alimentos para animais (sem cereais não moídos); Medicamentos (incluindo medicamentos veterinários); Material de escritório e papelaria; Máquinas de processamento de dados; Aparelhos de medição, análise e controle de aparelhos; Aeronaves e outros equipamentos; Produtos comestíveis e preparações; Equipamento para distribuição de energia elétrica; Outras máquinas e aparelhos para as indústrias particulares; Bebidas não alcoólicas; Aparelho para circuitos elétricos, tabuleiro, painéis; Construções préfabricadas; Estruturas e peças de ferro, aço, alumínio; Ferramentas manuais ou industriais. Os óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; Tecidos de malha; Tecidos de algodão; Tecidos artificiais; Motocicletas e velocípedes; Açúcar e mel; Equipamento de telecomunicação; Tabaco; Veículos automóveis para transporte de pessoas; Fios têxteis; Embarcações; Barras de ferro e aço, barras, cantoneiras, perfis e seções; Fertilizantes; Alimentos para animais (sem cereais não moídos); Materiais de construção (cimento); Produtos comestíveis e preparações; Bebidas alcoólicas; Veículos a motor para transporte de mercadorias; Ouro; Artigos de plástico; Bebidas não alcoólicas; Motores de combustão interna e peças; Energia; Medicamentos (incluindo medicamentos veterinários); Pneus de borracha e câmaras-de-ar. Do total dos produtos importados pelo Laos aos parceiros económicos, no total de US$ 2.4 mil milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 64% das importações, no total de cerca de US$ 1.6 mil milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Do total dos produtos importados pela Malásia aos parceiros económicos, no total de US$ 196 mil milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 59% das importações, no total de cerca de US$ 115 mil milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Os óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; Veículos a motor para transporte de mercadorias; Veículos automóveis para transporte de pessoas; Máquinas de processamento de dados; Máquinas para a construção civil; Aeronaves e outros equipamentos; Equipamento de telecomunicação; Barras de ferro e aço, barras, cantoneiras, perfis e seções; Materiais de construção (cimento); Estruturas e peças de ferro, aço, alumínio; Outras carnes e miudezas comestíveis; Bebidas não alcoólicas; Energia; Carne de animais da espécie bovina, frescas ou congeladas; Motocicletas e velocípedes; Produtos comestíveis e preparações; Tratores; Equipamentos de aquecimento e refrigeração; Ferramentas mecânicas, outras; Pneus de borracha e câmaras-de-ar; Mobiliário e peças; Metais comuns; Equipamento para distribuição de energia elétrica; Açúcar e mel; Outras máquinas e aparelhos para as indústrias particulares. Válvulas e tubos catódicos; Os óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; Óleos brutos de petróleo, óleos de xistos; Equipamento de telecomunicação e peças; Aparelho para circuitos elétricos, tabuleiro, painéis; Peças, acessórios para máquinas; Aeronaves e outros equipamentos; Máquinas e aparelhos elétricos; Máquinas de processamento de dados; Cobre; Veículos automóveis para transporte de pessoas; Aparelhos de medição análise e controle; Ouro; Outras máquinas e aparelhos para as indústrias particulares; Borracha natural e semelhantes, em formas primárias; Gorduras vegetais e óleos, refinado; Peças e acessórios dos veículos; Carvão; Tubos e perfis ocos, acessórios de ferro, aço; Alumínio; Fertilizantes; Papel e cartão; Metais comuns; Joias e artigos de matérias preciosas. 63

64 Do total dos produtos importados pelo Mianmar aos parceiros económicos, no total de US$ 9.2 mil milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 62% das importações, no total de cerca de US$ 5.7 mil milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Do total dos produtos importados pelas Filipinas aos parceiros económicos, no total de US$ 65 mil milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 66% das importações, no total de cerca de US$ 43 mil milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Os óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; Máquinas para a construção civil; Tecidos artificiais; Gorduras vegetais e óleos, bruto e refinado; Barras de ferro e aço, barras, cantoneiras, perfis e seções; Embarcações; Óleos brutos de petróleo, óleos de xistos, materiais em bruto; Tubos e perfis ocos, acessórios, ferro, aço; Medicamentos (incluindo medicamentos veterinários); Produtos residuais de petróleo e materiais relacionados; Motocicletas e velocípedes; Pneus de borracha, bandas de rodagem ou abas e câmaras-de-ar; Tecidos de algodão; Outras matérias plásticas em formas primárias; Leite e produtos lácteos; Veículos a motor para transporte de mercadorias; Estruturas e peças, de ferro, aço, alumínio; Motores de combustão interna; Equipamento de telecomunicação e peças; Lingotes, formas primárias, de ferro ou aço; Fios têxteis; Materiais de construção (cimento); Produtos laminados planos, ferro, de aço não ligado, revestidos, folheados; Máquinas ferramentas que trabalhem por eliminação de material; Geradores. Válvulas e tubos catódicos; Óleos brutos de petróleo, óleos de xistos, materiais em bruto; Os óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; As peças, acessórios para máquinas; Veículos automóveis para transporte de pessoas; Aeronaves e outros equipamentos; Equipamento de telecomunicação; Alimentos para animais (sem cereais não moídos); Outras máquinas e aparelhos para as indústrias particulares; Trigo e centeio em grão; Aparelho para circuitos elétricos, tabuleiro, painéis; Minérios e concentrados de cobre; Medicamentos (incluindo medicamentos veterinários); Carvão; Produtos comestíveis e preparações; Leite e produtos lácteos; Fertilizantes; Papel e cartão; Máquinas e aparelhos elétricos; Outras matérias plásticas em formas primárias; Veículos a motor para transporte de mercadorias; Motocicletas e velocípedes; Gases de petróleo, outros hidrocarbonetos gasosos; Peças e acessórios dos veículos; Máquinas para a construção civil. Do total dos produtos importados por Singapura aos parceiros económicos, no total de US$ 379 mil milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 73% das importações, no total de cerca de US$ milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Do total dos produtos importados pela Tailândia aos parceiros económicos, no total de US$ 247 mil milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam cerca de 57% das importações, no total de cerca de US$ 140 mil milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Os óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; Válvulas e tubos catódicos; Óleos brutos de petróleo, óleos de xistos, materiais em bruto; Equipamento de telecomunicação; As peças, acessórios para máquinas de grupos; Máquinas de processamento de dados; Motores e motores, não elétricos; O gás natural, com ou sem liquefeito; Aeronaves e outros equipamentos; Aparelhos de medição, análise e controle; Aparelho para circuitos elétricos, tabuleiro, painéis; Outras máquinas e aparelhos para as indústrias particulares; Máquinas e aparelhos elétricos; Joias e artigos de matérias preciosas; Embarcações; Produtos diversos das indústrias químicas; Ouro; Tubos e perfis ocos, acessórios, ferro, aço; Bebidas alcoólicas; Polímeros de etileno, em formas primárias; Perfumaria, cosméticos ou de toucador preparação; Peças e acessórios dos veículos; Aparelhos de aquecimento e refrigeração; Outras matérias plásticas em formas primárias. Óleos brutos de petróleo, óleos de xistos; Válvulas e tubos catódicos; Ouro; Peças e acessórios dos veículos; Equipamento de telecomunicação; Aparelho para circuitos elétricos; tabuleiro, painéis; Máquinas e aparelhos elétricos; Máquinas de processamento de dados; Peças, acessórios para máquinas; Metais comuns; Gás natural; Motores de combustão interna; Aparelhos de medição, análise e controle de aparelhos; Óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; Cobre; Outras máquinas e aparelhos para as indústrias particulares; Produtos laminados planos, ferro, de aço não ligado, não revestido; Produtos laminados planos, ferro, de aço não ligado, revestidos, folheados; Fertilizantes; Geradores; Embarcações; Peixe fresco ou congelado; Produtos laminados planos de aço ligado; Bombas, compressores a gás e ventiladores. 64

65 Do total dos produtos importados pela Vietname aos parceiros económicos, no total de US$ 113 mil milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam cerca de 49% das importações, no total de cerca de US$ 56 mil milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Os óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; Equipamento de telecomunicação; Produtos laminados planos, ferro, de aço não ligado; Válvulas e tubos catódicos; Tecidos artificiais; Alimentos para animais; Tecidos de malha; Aparelho para circuitos elétricos; tabuleiro, painéis; Outras matérias plásticas em formas primárias; Tecidos de algodão; Fertilizantes; Outras máquinas e aparelhos para as indústrias particulares; Medicamentos (incluindo medicamentos veterinários); Os polímeros de etileno, em formas primárias; Cobre; Equipamentos de aquecimento e refrigeração; Máquinas e aparelhos elétricos; Fios especiais, tecidos especiais e afins; Produtos laminados e planos de aço ligado; Fios têxteis; Peças e acessórios dos veículos; Barras de ferro e aço, barras, cantoneiras, perfis e seções; Máquinas de processamento de dados; Metais comuns; Os óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%, outros. Países analisados autonomamente Do total dos produtos importados por Timor-Leste aos parceiros económicos, no total de US$ 353 milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 64% das importações, no total de cerca de US$ 226 milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Do total dos produtos importados por Timor-Leste a Portugal, no total de cerca de US$ 10 milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 91% das importações, no total de cerca de US$ 9 milhões: Óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; Arroz; Vestuário e outros artigos têxteis usados; Veículos automóveis para transporte de pessoas; O tabaco; Artigos de plástico; Produtos comestíveis e preparações; Equipamento de telecomunicação; Bebidas não alcoólicas; Materiais de construção (cimento); Carnes e miudezas comestíveis; Motocicletas e velocípedes; Bebidas alcoólicas; Veículos a motor para transporte de mercadorias; Açúcar e mel; Preparações de cereais, farinha de frutas ou vegetais; Estruturas, peças de ferro, aço, alumínio; Gorduras vegetais e óleos, refinado; Ferramentas mecânicas, outras; Produtos laminados planos, ferro, aço não ligado, revestidos, folheados; Mobiliário e peças; Farinha de trigo e farinha de trigo com centeio; Barras de ferro e aço, cantoneiras, perfis e seções; Sabonetes, limpeza e produtos de polimento; Metais comuns. Equipamento de telecomunicação; Material impresso; Bebidas alcoólicas; Estruturas e peças, de ferro, aço, alumínio; Válvulas e tubos catódicos; Aparelho para circuitos elétricos; tabuleiro, painéis; Gorduras vegetais fixos e óleos, refinado; Carne, miudezas, comestíveis, preparados, conservados; Artigos de matérias têxteis; Preparações de cereais, farinha de frutas ou vegetais; Peixe; Máquinas e aparelhos elétricos; Leite e produtos lácteos; Peixe, animais invertebrados, preparados, conservados; Máquinas de processamento de dados; Veículos automóveis para transporte de pessoas; Máquinas para a construção civil; Legumes, raízes, tubérculos, preparados, conservados; Talheres; Produtos comestíveis e preparações; Outras carnes e miudezas comestíveis; Equipamento mecânico manuseio e componentes; Peixe secos, salgados ou em salmoura; peixe fumado; Luminárias e acessórios; Equipamento para distribuição de energia elétrica. 65

66 Do total dos produtos importados pela Indonésia aos parceiros económicos, no total de US$ 191 mil milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 53% das importações, no total de cerca de US$ mil milhões, e a negrito os produtos que poderão representar oportunidades de exportação para as empresas portuguesas: Do total dos produtos importados pela Indonésia a Portugal, no total de US$ 23 milhões, identificamos de seguida, por ordem decrescente, os 25 principais produtos que representam 80% das importações, no total de cerca de US$ 18 milhões: Os óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70%; Óleos brutos de petróleo, óleos de xistos. materiais em bruto; Equipamento de telecomunicação; Máquinas para a construção civil; Peças e acessórios para veículos; Aeronaves e outros equipamentos; Hidrocarbonetos e halogenados; Propano e butano liquefeito; Veículos automóveis para transporte de pessoas; Veículos a motor para transporte de mercadorias; Outras máquinas e aparelhos para as indústrias particulares; Produtos laminados de ferro, aço não ligado, não revestido; Máquinas e aparelhos elétricos; Alimentos para animais; Aparelho para circuitos elétricos; tabuleiro, painéis; Máquinas de processamento de dados; Motores de combustão interna, peças; Outras matérias plásticas em formas primárias; Válvulas e tubos catódicos; Tubos e perfis ocos, acessórios, ferro, aço; Fertilizantes; Trigo (incluindo espelta) e centeio em grão; Aparelhos de aquecimento e de refrigeração; Embarcações; Lingotes, formas primárias de ferro ou aço. Peças e acessórios dos veículos; Artigos de vestuário, de tecidos têxteis; Máquinas agrícolas (com exceção dos tratores) e peças; Vestuário para Mulher, de tecidos têxteis; Estruturas e peças de ferro, aço, alumínio; Máquinas de energia elétrica, e partes; Tubos e perfis ocos, acessórios, ferro, aço; Artigos de plástico; Ferramentas mecânicas, outras; Vestuário de tecido para homem, não malha; Metais comuns; Equipamento de telecomunicação; Partes não elétricas e acessórios de máquinas; Vestuário para Mulher, de têxteis, de malha; Tecidos de algodão; Equipamento doméstico de metais comuns; Calçado; Produtos de arame e grades; Aparelhos de aquecimento e de refrigeração; Gravadores de som ou de reprodução; Máquinas de impressão e encadernação; Aparelhos para canalizações, caldeiras, reservatórios, cubas; Ferramentas para trabalhar metais; Aparelho para circuitos elétricos, tabuleiro, painéis; Pedra, areia e cascalho. 66

67 2.Indonésia A principal economia da ASEAN 67

68 2. Indonésia - A principal economia da ASEAN 2.1. Macroeconomia PIB da economia da Indonésia A Indonésia é a 4ª economia mais populosa do mundo e a 17ª economia em termos de PIB. É também o país com maior peso na ASEAN, representando 37,8% do total do PIB da região. Gráfico 43 - Representação da percentagem do PIB dos principais EM na ASEAN 15 Timor* Vietname 0.1% 6.1% Tailandia 15.7% Indonesia 37.8% Singapura 11.8% Filipinas 10.8% Mianmar 2.3% Malasia 13.1% Laos 0.4% De um país de baixo rendimento em meados dos anos 60, a Indonésia transformou-se num país de médio rendimento, com um PIB per capita em 2012 de US$ (Ba). O aumento do PIB per capita tem sido constante, não obstante a população da Indonésia também continuar a aumentar, prevendo-se que em 2013 possa ultrapassar 250 milhões de pessoas. Desde o final da crise financeira asiática de que a Indonésia tem registado sólidas taxas de crescimento do PIB, na ordem de 5-6% ao ano. O país superou, melhor que os seus vizinhos regionais, a crise financeira global, em grande medida porque as suas exportações têm pouco peso no PIB, e dado que a sua economia depende, em grande medida, do consumo doméstico. Num cenário de abrandamento económico global, o crescimento do PIB foi de 6,2% em 2012, ligeiramente abaixo de 2011 (6,5%), prevendo o Economist Intellegence Unit (EIU) para 2013 e 2014 um valor percentual semelhante ao registado no ano anterior. O consumo privado, que cresceu cerca de 5% em 2012 (55% do PIB), deverá continuará a desempenhar o papel de principal motor do crescimento, prevendo o EIU um crescimento médio anual de 5,4%, no período de 2013 a A formação bruta de capital fixo, responsável por cerca de 33% do PIB em 2012, aumentou 9,8% nesse ano. Segundo o EIU, espera-se um crescimento médio anual de 9,6% no período de 2013 a A taxa de inflação média foi de 4,3% em 2012, perspetivando-se que possa aumentar para 5,7% em Segundo o EIU, a continuação do aumento do salário mínimo, as baixas taxas de juro e maiores restrições à 15 Fonte: Banco Mundial 68

69 importação de produtos de baixo preço poderão provocar pressões inflacionistas, assim como a subida dos preços de comercialização da eletricidade em 2013, que, eventualmente, poderá atingir uma percentagem de dois dígitos. Nos últimos 5 anos ( ), o PIB tem vindo a crescer a um ritmo mais ou menos constante, tendo atingido em 2012 os milhões de US$. Gráfico 44 - Crescimento anual do PIB da Indonésia (últimos 5 anos) 1,000, , , , , , , , , , % 6.5% 6.2% 6.0% 4.6% 846, , , , , PIB (M USD) Crescimento anual do PIB (em %) 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% Neste período, o setor primário cresceu, em média, apenas 3,1%, com o setor agrícola a contribuir 3,8% para este crescimento, e o setor de mineração a contribuir com 2,4% de crescimento. Já o setor secundário cresceu, em média, 6,7%, com o setor industrial a contribuir 4,5%, a eletricidade, gás e abastecimento de água 8,4%, e o setor de construção civil 7,1%. O setor terciário cresceu, em média, 8,2%. O setor dos transportes e comunicações foi o que mais contribuiu para o crescimento do setor terciário (13,3%), seguido do setor de hotelaria e restauração (6,8%), e do setor de serviços financeiros (6,1%). No que respeita ao coeficiente de Gini 16, ao longo dos últimos 10 anos este variou ente 0,32 e 0,41. Embora tenha aumentado, existem ainda enormes desigualdades de rendimento na Indonésia. O valor médio deste coeficiente na Indonésia nos últimos 5 anos é menor quando comparado com o dos países vizinhos da ASEAN, como a Tailândia (0,40), Filipinas (0,43) e Malásia (0,46). Têm sido lançados pelo Governo da Indonésia inúmeros programas de redução da pobreza por forma a melhorar a qualidade dos recursos humanos. Com o aumento da qualidade dos recursos humanos, aumentam também as oportunidades de entrada no mercado de trabalho e, deste modo, o acesso a rendimentos mais elevados. Em 2013, o IDH da Indonésia melhorou 3 posições em relação ao ano anterior, de 124 para 121. Com base no Programa das Nações Unidas de Desenvolvimento (PNUD), a Indonésia marcou 0,629 pontos, um aumento de 0,009 em relação ao ano anterior. Esta subida no ranking deve-se à melhoria do nível de emprego, da saúde e da educação. Existem ainda diversos aspetos a melhorar, por um lado dada a ambição de elevar a qualidade de vida da população, e por outro dada a meta de atingimento dos ODM até Já foram alcançados 4 indicadores, num total de 8: aumento da educação básica, igualdade entre géneros, redução da mortalidade infantil, e a construção de uma parceria global para o desenvolvimento. Os ODMs que permanecem por atingir são: redução da pobreza, redução da mortalidade materna, diminuição da disseminação da SIDA, e a melhoria do meio ambiente, especialmente o problema de fornecimento de água. 16 Coeficiente de Gini - mede as desigualdades na distribuição do rendimento. 69

70 Orçamento Geral do Estado Em consonância com o tema de desenvolvimento para 2013: Uma economia para melhorar o bem-estar das pessoas, a política fiscal em 2013 foi estabelecida para acelerar o crescimento sustentável da economia e a reestruturação orçamental. Este tema mostra a importância da criação de uma situação orçamental sólida por forma a atingir um crescimento económico sustentável. As estratégias para manter a sustentabilidade da economia são não só otimizar as receitas do Governo, mantendo um ambiente propício ao investimento, mas também aumentar a qualidade das despesas do Governo e diminuir o rácio da dívida do PIB para uma taxa controlável. As perspetivas para a economia indonésia para 2013 foram fortemente influenciadas pela evolução da conjuntura externa. A política orçamental expansiva adotada pelo Governo no Orçamento de Estado de 2012 foi mantida em Com base nas estratégias e orientações da política fiscal, o Governo estimou para 2013 que: As receitas do Estado atingissem os Rp ,7 mil milhões, sendo Rp ,0 mil milhões de receitas fiscais, Rp. 332,2 mil milhões de receitas não fiscais e Rp. 4,5 mil milhões de subsídios; As despesas do Estado atingissem os Rp ,0 mil milhões, sendo Rp ,0 mil milhões de despesas do Governo Central e Rp. 528,6 mil milhões de transferências para as regiões; O défice do orçamento atingissem os Rp. 153,3 mil milhões (1,65% do PIB); O financiamento do Orçamento fosse assegurado através de fontes de financiamento internas (Rp. 172,8 mil milhões) e fontes de financiamento externas (Rp. 19,5 mil milhões). Gráfico 45 - Despesas de natureza funcional do OE 2013 % Assuntos Económicos 10.6% Serviços Públicos 62.4% Educação 10.3% Outros 16.7% Segurança e Ordem Pública 3.2% Defesa 7.1% Proteção Ambiental e Saúde 2.6% Habitação 2.7% Proteção Social, Turismo e Religião 1.2% Analisando as despesas do Estado numa ótica funcional, verifica-se que o setor dos serviços públicos foi o que absorveu a maior parte do orçamento (62,4%). Dentro deste, destacaram-se as despesas com órgãos executivos e legislativos, finanças e assuntos fiscais e estrangeiros (18,7%), gastos com empréstimos do Governo (15,7%) e gastos com pesquisas e estudos científicos (0,4%). 17 Rp ou IDR - Rupia indonésia 70

71 Gráfico 46 - Despesas de natureza económica do OE% 18 Despesas com capital 16.0% Subsídios 27.5% Doações e outras despesas 2.0% Beneficios Sociais 6.4% Outros 18.2% Juros 9.8% Aquisição de Bens e Serviços 17.4% Despesas com Pessoal 20.9% Dívida pública 19 Apesar de em 2012 o rácio da dívida pública face ao PIB ter sido inferior ao registado em 2011, em termos nominais verificou-se um aumento da dívida pública, de Rp mil milhões em 2011 para Rp mil milhões em A diminuição do rácio contribui para uma situação de sustentabilidade em termos fiscais, dado que houve um melhor desempenho da economia que foi superior ao aumento da dívida pública. Gráfico 47 Dívida pública ( ) 2,500 2,000 1, % 28.3% 34% 32% 30% 28% 1, % 24.4% 23.3% 26% 24% 22% Divida Pública (biliões de RP) Divida Pública/PIB (%) 20% Reservas de moeda estrangeira O nível de reservas de moeda estrangeira diminuiu US$ 20,11 mil milhões entre dezembro de 2012 (US$ 112,78 mil milhões) e agosto de 2013 (US$ 92,997 mil milhões), o que garantiu um nível equivalente a 6,1 meses das importações de bens e serviços do ano. 18 Dados do OE de Banco Mundial e Banco da Indonésia 71

72 Evolução das taxas de juro e variação da liquidez No início do ano de 2013, o Banco da Indonésia estabeleceu a taxa de juro de referência nos 5,75%. No entanto, em junho do mesmo ano, o banco central aumentou a referida taxa para 6%, como resposta às expetativas de aumento da inflação e à depreciação da taxa de câmbio da rupia. Gráfico 48 Taxas de juro (%) Taxa de juro de depósitos 8,50% 9,30% 7% 6,90% 5,90% Gráfico Taxa de juro de empréstimos 13,60% 14,50% 13,30% 12,40% 11,80% Evolução do crescimento Taxa de juro real do 20 PIB 3,90% 5,70% 4,60% 4,00% 7,00% Taxa de câmbio Como consequência, US$/IDR durante as reuniões dos governadores do Banco da Indonésia, em julho de 2013, o banco central Gráfico voltou 50 a Taxas aumentar de juro a taxa (%) de juro de referência para 6,5% e, um mês depois, para 7%. A tendência é que as taxas de juro de referência continuem a aumentar, por forma tornar a moeda nacional mais atrativa como investimento Taxa de câmbio O Governo e o Banco da Indonésia tomam regularmente medidas para manter a volatilidade da taxa de câmbio da rupia, fortalecendo a sinergia das políticas monetária e fiscal, a introdução de uma política monetária prudente, o controlo de trocas comerciais e o desenvolvimento e expansão do mercado de capitais. Essas políticas deverão ser capazes de manter a estabilidade da moeda, evitando uma excessiva volatilidade e assegurando a adequação das reservas de divisas estrangeiras. A introdução de políticas mistas macroeconómicas, com a aplicação de instrumentos de depósito a prazo, tem como objetivo atrair investimento para os mercados financeiros da Indonésia, o que, por sua vez, terá efeitos favoráveis no desenvolvimento económico do país. No futuro, a pressão sobre a moeda virá do declínio do excedente do saldo da balança comercial 21 e do abrandamento do crescimento económico na China, Índia e Brasil que poderá pressionar a desvalorização da moeda para manter as exportações para estes parceiros comerciais. As previsões, considerando o desenvolvimento económico nacional e internacional, estimam uma flutuação da taxa de câmbio Rupia/Dólar nos Rp sendo que o teto médio ao longo do ano de 2013 deverá ter sido de aproximadamente Rp por dólar americano. Tabela 5 Evolução da taxa de câmbio (US$/IDR) Taxa de câmbio US$/IDR Banco Mundial 21 Peso superior das importações sobre as exportações leva à desvalorização cambial 22 Banco Mundial e FMI 23 Base de dados do FMI 72

73 2.2. Política económica Visão do Banco Mundial e do FMI O Banco Mundial prevê um crescimento do PIB de 5,6% em 2013 e de 5,3% em A redução da estimativa para 2014, que anteriormente era de 6,2%, reflete as pressões da crise mundial. No entanto, o volume das exportações pode vir a aumentar, em resultado da esperada melhoria das condições económicas mundiais. Quanto à produção, os setores com mais potencial de crescimento são a indústria, o comércio, o turismo (hotéis e restaurantes) e os transportes e comunicações. Gráfico 51 Evolução do crescimento do PIB 7.0% 6.5% 6.5% Gráfico 52 Evolução do crescimento do 6.2% PIB 6.0% 6.0% 6.2% 5.5% 5.0% 4.5% 4.6% 5.6% 5.5% 5.3% 5.3% 4.0% FMI Banco Mundial No período espera-se que economia nacional cresça cerca de 7%, apesar de ainda se prever que haja alguns desafios por enfrentar. Neste sentido, o Banco da Indonésia continuará a reforçar as combinações de políticas existentes, por forma a antecipar esses desafios. Quanto ao défice (2,8% do PIB em 2012), o Banco Mundial prevê que este aumente para US$ 29 mil milhões em 2013 (3,4% do PIB), mas volte a diminuir em 2014, para 2,6% do PIB. As previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI) mantêm-se em linha com as do Banco Mundial. Este prevê que a economia do país deverá registar um crescimento real de 5,3% em 2013 e de 5,5% em Visão do Governo da Indonésia Em 2013, a política macroeconómica baseia-se no reforço da economia doméstica por forma melhorar o bemestar das pessoas, conforme mencionado no Plano de Trabalho do Governo O Governo da Indonésia dá elevada prioridade ao desenvolvimento económico e social da nação, tendo traçado um conjunto de ambiciosos objetivos que devem ser atingidos até Estes objetivos incluem: Uma sociedade ordenada, desenvolvida, pacífica e socialmente justa; Uma população competitiva e inovadora; Uma democracia justa; Igualdade social entre todas as pessoas e zonas do país; Tornar-se numa importante economia global e numa força diplomática. Por forma a atingir estes objetivos, o Governo desenvolveu três planos de desenvolvimento, interrelacionados e interdependentes entre si, sendo um de Longo Prazo (RPJPN), outro de Medio-Prazo (RPJMN) e também um Plano Diretor para a Expansão e Aceleração do Desenvolvimento Económico da Indonésia (MP3EI). O RPJPN é hierarquicamente o mais importante e estende-se por um período de 20 anos, entre 2005 e 2025 (Caixa 1). Este, por razões de planeamento e eficiência, está dividido em 4 fases, cada qual com uma duração de 5 anos. Através destes planos de médio prazo, os diferentes Governos podem estabelecer as suas próprias prioridades no processo de desenvolvimento económico nacional. 73

74 Atualmente, está a ser executado o Plano Nacional de Desenvolvimento de Médio-Prazo , pelo Governo de Bambang Yudhoyono. O MP3EI foi implementado em 2011 com o objetivo de prestar apoio ao plano de desenvolvimento em vigor. Caixa 1 - Visão e Missão do RPJPN Estabelecer um país desenvolvido e confiante, justo e democrático, pacífico e unido: - Desenvolvido e confiante, para incentivar o desenvolvimento que assegura a igualdade no país, suportado por recursos humanos de qualidade, infraestruturas desenvolvidas, e apoiado pela implementação de uma política externa livre e ativa; - Justo e democrático, para incentivar o desenvolvimento que assegura um Estado de Direito justo, consistente, não discriminatório, que sirva os interesses públicos e apoie a manutenção da democracia; - Pacífico e unido, para incentivar o desenvolvimento que permita transmitir paz e segurança a toda a população. No decorrer deste plano, o desenvolvimento económico tem como objetivos alcançar: - O estabelecimento de uma estrutura sólida na qual os setores agrícola e extrativo constituem a base de uma economia eficiente e moderna, na qual a indústria é mundialmente competitiva e o motor da economia, e os serviços se tornam na chave da resistência económica; - PIB per capita de US$ em 2025, e um segmento da população pobre correspondente a menos de 5% do total da população; - Atingir a autossuficiência em termos alimentares. Planos de Médio Prazo 1. RPJMN ( ) Este plano foi executado durante um período de choques externos provocados pela crise nos EUA e na Europa. Embora a Indonésia tenha conseguido mostrar algum crescimento, estes choques tiveram impacto negativo, especialmente em indicadores sociais como a pobreza e o desemprego; 2. RPJMN ( ) Esta fase pretende consolidar a reforma do país em todos os aspetos, salientando os esforços na melhoria da qualidade dos recursos humanos, incluindo o reforço da competitividade económica; 3. RPJMN ( ) A 3ª fase tem como objetivo a consolidação do desenvolvimento em todos os campos, salientando a competitividade dos recursos naturais e da qualidade dos recursos naturais e humanos e aumentando a capacidade tecnológica; 4. RPJMN ( ) Tem como objetivo ter uma sociedade autossuficiente, avançada, justa e próspera, acelerando o desenvolvimento em diversas áreas. Requisitos de Investimento no Fundo Nacional de Desenvolvimento Com Figura vista 9 a Corredores atingir as metas Económicos de desenvolvimento, da IndonésiaCaixa as políticas 1 - Visão de financiamento e Missão do RPJPN ao investimento procuram assegurar a disponibilidade e otimização dos fundos de desenvolvimento por forma a torná-los autossuficientes. Estabelecer um As país principais desenvolvido estratégias e confiante, de financiamento justo e democrático, do desenvolvimento pacífico e unido: são: - Desenvolvido e confiante, para incentivar o desenvolvimento que assegura a igualdade no país, suportado (1) Otimizar por as recursos fontes existentes, humanos de bem qualidade, como os infraestruturas desenvolvimentos desenvolvidas, futuros; e apoiado pela implementação (2) Aumentar a de qualidade uma política do financiamento externa livre do e ativa; desenvolvimento. - Justo e democrático, para incentivar o desenvolvimento que assegura um Estado de Direito justo, O investimento consistente, total não entre discriminatório, Rp ,2 e que Rp. sirva ,6 os interesses mil milhões públicos é necessário e apoie para a manutenção atingir um da crescimento médio de democracia; 6,3 a 6,8% por ano. Deste investimento, espera-se que cerca de 18% sejam assegurados pelo Governo - Pacífico em e unido, O financiamento para incentivar do Governo o desenvolvimento é obtido através que permita das receitas transmitir fiscais paz e e não segurança fiscais (doações a toda a e financiamento população. externo e doméstico). O restante investimento pode ser obtido através de investidores privados e No bancos, decorrer instituições deste plano, não financeiras, o desenvolvimento mercados económico financeiros, tem entre como outros. objetivos alcançar: - O estabelecimento de uma estrutura sólida na qual os setores agrícola e extrativo constituem a base Com o objetivo de uma de economia aumentar eficiente as receitas e moderna, do Governo, na qual este a indústria continuará é mundialmente a desenvolver competitiva e melhorar e as o políticas motor da fiscais, mantendo economia, um e os clima serviços de investimento se tornam na favorável. chave da Entretanto, resistência por económica; forma a aumentar a eficiência na gestão dos seus - PIB gastos, per capita o Governo de US$ deve tomar em 2025, as seguintes e um segmento medidas: da população pobre correspondente a menos de 5% do total da população; - Atingir a autossuficiência em termos alimentares. 74 Planos de Médio Prazo 5. RPJMN ( ) Este plano foi executado durante um período de choques externos provocados pela crise nos EUA e na Europa. Embora a Indonésia tenha conseguido mostrar

75 Melhorar a qualidade das despesas, consolidando a implementação do Quadro de Despesas de Médio-Prazo, reestruturando programas e atividades e formulando indicadores de desempenho precisos e mensuráveis; Aumentar e fortalecer o planeamento e a orçamentação que vinculam o Governo Central através de melhorias na formulação do RP JMN, nos Planos Estratégicos dos Ministérios, no Plano Anual de Trabalhos do Governo, entre outros. Da mesma forma, os Governos Regionais irão também melhorar a formulação do Plano de Desenvolvimento Regional de Médio Prazo; Estabelecer metas orçamentais mais eficazes por forma a atingir os objetivos e dar prioridade a atividades que possam criar oportunidades de emprego e apoiar os esforços na melhoria da qualidade dos serviços públicos; Reforçar o controlo e avaliação no processo do planeamento, implementação e orçamentação; Tornar mais responsáveis e céleres os mecanismos de gestão do orçamento. Plano Diretor para a Aceleração e Expansão do Desenvolvimento da Economia da Indonésia Por forma a acelerar o processo de crescimento económico sustentável na Indonésia, o governo desenvolveu e implementou, em maio de 2011, o Plano Diretor para a Expansão e Aceleração do Desenvolvimento Económico da Indonésia (MP3EI). Este plano contempla um elevado grau de cooperação entre o Governo Central, os Governos Locais, as empresas estatais e o setor privado. O Governo irá atuar como regulador, facilitador e catalisador para apoiar o crescimento económico, e proporcionará incentivos fiscais e não fiscais. Ao setor privado será dado um papel importante no desenvolvimento económico, particularmente na área de infraestruturas. O MP3EI tem dois fatores essenciais: aceleração e expansão. Através da aceleração, espera-se que a Indonésia seja capaz de acelerar o desenvolvimento de vários programas de crescimento já existentes, enquanto a expansão se destina a fazer com que este desenvolvimento seja positivamente sentido em todos os setores da economia. Prioridades estratégicas para o país 24 O objetivo geral do Governo da Indonésia é Desenvolvimento para todos. O Plano de Desenvolvimento de Médio Prazo tem uma estratégia de desenvolvimento abrangente, inclusiva e baseada na equidade, justiça e diversidade. O plano destaca o desenvolvimento das capacidades regionais dentro de uma economia nacional integrada, e identifica 11 programas prioritários nacionais, que integram plenamente o desenvolvimento sustentável e a boa governação. Reforma burocrática e Governação Este objetivo deverá ser atingido através de esforços de melhoria da performance do trabalho de forma integrada, assegurando integridade, o cumprimento da lei, credibilidade e transparência. A qualidade dos serviços públicos deverá ser suportada pela estrutura eficiente do Governo, quer ao nível central quer ao nível local. Educação Aumentar o acesso a uma educação com qualidade, de baixo custo, eficiente, por forma a atingir o bem-estar das pessoas, a sua autonomia e um forte caráter nacional. O desenvolvimento do ensino é direcionado para a obtenção de um crescimento económico suportado pela harmonia entre a disponibilidade de mão-de-obra qualificada e competência, criando oportunidades de emprego ou empreendedorismo e respondendo aos desafios da necessidade de qualificação. 24 Relatório Orçamento do Estado 2013 Indonésia 75

76 Saúde Centra-se no desenvolvimento da saúde na prevenção das doenças. Não apenas na saúde preventiva e curativa, aumentando a saúde da comunidade e do ambiente, mas também aumentando a disponibilização de água tratada e reduzindo as áreas degradadas, por forma a aumentar a esperança média de vida de 70,7 anos em 2009 para 72 anos em 2014 e atingir todos os ODM em Redução da pobreza O objetivo desta prioridade é a redução da pobreza de 14,1% em 2009 para 8-10% em 2014 e melhorar a distribuição dos rendimentos através da segurança social baseada nas famílias, do fortalecimento das comunidades e do aumento das oportunidades económicas para as pessoas de menores rendimentos. Segurança Alimentar e setor agrícola Esta prioridade refere-se aos esforços no sentido de aumentar a segurança alimentar e continuar a revitalização do setor agrícola por forma a torná-lo num setor autossuficiente, aumentando a competitividade dos produtos agrícolas e o nível de rendimento dos agricultores, preservando o ambiente e os recursos naturais. O objetivo é aumentar a taxa de crescimento do setor agrícola para 3,7% e os termos de troca dos agricultores para em Infraestruturas Infraestruturas nacionais desenvolvidas têm maior capacidade de conduzir a um maior crescimento económico e a um desenvolvimento social justo, o que aumenta o interesse da população e encoraja a sua participação. Ambiente de investimento e de negócios Aumentar os investimentos através de aumento da segurança jurídica, da simplificação de procedimentos, da melhoria dos sistemas de informação e do desenvolvimento de Zonas Económicas Especiais (ZEE). Energia Alcançar a segurança energética nacional, que assegure a continuidade do crescimento nacional através da reestruturação institucional, e otimizando a utilização mais ampla possível de energias alternativas. Ambiente e gestão de desastres naturais Proteção e utilização do meio ambiente natural que suporta o crescimento económico sustentável e aumenta o bem-estar das pessoas, acompanhado pelo controlo e gestão dos riscos de desastres, antecipando os impactos das mudanças climatéricas. Fronteiras, áreas periféricas e áreas pós-conflito O programa de ação para estas áreas tem o objetivo de assegurar o seu crescimento e desenvolvimento, mantendo a paz. Cultura, criatividade e inovação tecnológica O desenvolvimento e a proteção da diversidade cultural, das obras de arte, da ciência e a sua valorização para enriquecer as capacidades intelectuais e artísticas, por forma a consolidar a identidade e capacidade competitiva do país, acompanhados pelo desenvolvimento da inovação, ciência e tecnologia. Estas prioridades nacionais têm os seguintes objetivos: 76

77 Primeiro: Acelerar o desenvolvimento das infraestruturas (Prioridades 5, 6, 8 e 10) Segundo: Melhorar as infraestruturas imateriais (Prioridades 1 e 7). Terceiro: Reforçar as infraestruturas sociais (Prioridades 2, 3, 4 e 9). Quarto: Desenvolver a criatividade (Prioridade 11) Estrutura Produtiva PIB por setor A Indonésia tem recursos naturais renováveis (produtos agrícolas) e não renováveis (minérios e minerais) abundantes. A Indonésia apresenta-se como um dos maiores produtores mundiais de um alargado conjunto de matérias-primas. É atualmente o maior produtor e exportador mundial de óleo de palma, o 2º maior produtor de cacau e estanho e o 4º maior produtor de níquel. É ainda um dos maiores produtores de aço, cobre e borracha. Figura 10 - Indicadores-chave por indústria Tem também reservas de energia em grandes quantidades - carvão, energia geotermal e água, que têm sido usadas no suporte a outras indústrias primárias do país, como a indústria têxtil, transportes e bebidas. Ao longo dos últimos cinco anos, o setor industrial tem sido o setor com maior peso na estrutura produtiva da Indonésia, representado, em 2012, 24,3% do PIB, seguido pelo setor agrícola, 14,7%, e a hotelaria e restauração, 13,8%. Os setores que mais cresceram no ano de 2012 foram o setor dos transportes e comunicações (11,8%), da hotelaria e restauração (7,3%) e da construção (7,5%). 77

78 Gráfico 53 - Contribuição para o PIB dos setores de atividade na Indonésia (2012) 25 Industria Extrativa 11.9% Outros serviços 10.5% Construção 10.3% Transportes e Comunicações 6.6% Hotelaria e Restauração 13.8% Agricultura, Pescas e Floresta 14.7% Outros 14.6% Industria Transformadora 24.3% Serviços Financeiros 7.2% Eletricidade, Gás e Água 0.8% Em termos de produção, todos os setores tiveram melhor desempenho em Os setores agrícola, a indústria transformadora, aa construção, e a hotelaria e restauração continuaram a ser os setores que mais contribuíram para o crescimento do PIB indonésio. As previsões para 2013 indicavam que era esperado que o setor agrícola crescesse cerca de 3,7%, o mesmo que em Já na indústria transformadora previa-se um crescimento de 6,5% em 2013, superior a 2012 (5,9%). O desenvolvimento industrial tinha como objetivo aumentar o valor acrescentado de determinados produtos das várias regiões do arquipélago. O desenvolvimento do setor industrial estava direcionado para o desenvolvimento das indústrias de transformação de recursos naturais como sendo os principais geradores de emprego. Tabela 6 - Taxas de crescimento por setor Agricultura 3,70% 3,70% Indústria extrativa 3,10% 2,80% Indústria 5,90% 6,50% Eletricidade, gás e água 6,40% 6,60% Construção 7,50% 7,50% Comércio, hotelaria e restauração 7,30% 8,90% Transportes e comunicações 11,80% 12,10% Serviços financeiros 6,80% 6,10% Outros serviços 6,80% 6,00% Previa-se para 2013 que o setor da construção mantivesse o seu crescimento de 7,5%. Este crescimento deveria ser suportado por vários projetos de infraestruturas, que são uma das prioridades estratégicas nacionais para o desenvolvimento. A este respeito, as atividades relacionadas com a melhoria das ligações domésticas e com o desenvolvimento dos corredores económicos 26 mantiveram-se como o foco principal. Quanto ao setor do comércio, hotelaria e restauração, estimava-se um crescimento de 8,9%. Esperava-se a manutenção da capacidade de compra da população, o que funcionaria como motor de crescimento do setor. A par deste, o setor dos transportes e comunicações é o que mais tem contribuído para o crescimento do PIB do país. 25 Fonte: National Bureau of Statistics 26 Vias de conservação expansão e fortelecimento económico financeiro, vide ponto

79 Caraterização do setor empresarial do Estado Na Indonésia, as empresas detidas pelo Estado incluem geralmente o sufixo Persero, que significa que são totalmente/maioritariamente detidas pelo Estado. O Governo assume o controlo destas empresas através de um ministério, o Ministério das Empresas Estatais, que atua como CEO das mesmas. Gráfico 54 - Número de empresas detidas pelo Estado Cotadas Não cotadas Special Purpose Entities Total empresas detidas pelo Estado As 141 empresas público-privadas da Indonésia contribuem fortemente para a economia do país. As suas receitas totais foram, em 2011, de cerca de US$ 154 mil milhões, aproximadamente 50% do PIB do país. Estas empresas controlam os setores energético e agrícola. As empresas detidas pelo Estado são líderes de mercado em setores estratégicos e competitivos, como o setor das telecomunicações, banca, cimento, energia, indústria extrativa e infraestruturas: - Telecomunicações móveis - 53,2% do total do setor; - Bancos - 38,4% to total do setor; - Cimenteiras - 45,8% do setor. Algumas das empresas detidas pelo Estado são: - Bank Mandiri, Bank Rakyat Indonesia e Bank Negara Indonesia Setor Bancário; - Pertamina Setor da Energia, Petróleo e Gás - Garuda Indonesia Companhia Aérea - Telkom Indonesia Setor das Telecomunicações - Perusahaan Listrik Negara Companhia Elétrica - PT Kereta Api Indonesia Ferroviária Nacional - Pos Indonesia Serviços Postais Nacionais - TVRI Companhia Nacional de Televisão - PT Krakatau Steel Produtora de ferro - PT Dirgantara Indonesia Indústria (Fabricação aeronaves) - PT Industri Kereta Api Indústria (Fabricação comboios) - PT Barata Indonesia Manufatura - PT Boma Bisma Indra Manufatura - Antara - Agência de notícias Em janeiro de 2012, o Ministério das Empresas Estatais decidiu fundir as empresas industriais manufatureiras, por forma a aumentar a eficácia deste setor. A primeira fase deste projeto contempla a aquisição da PT Bisma pela PT Barata. 27 Euromoneyconferences 28 Entidades criadas para satisfazer objetivos específicos ou temporários. 79

80 2.4. Corredores Económicos O crescimento e a expansão do desenvolvimento económico da Indonésia baseiam-se no desenvolvimento dos centros de crescimento já existentes, e na criação de novos. Esta estratégia de desenvolvimento é, essencialmente, uma integração das abordagens de desenvolvimento setorial e regional. O objetivo de desenvolver novos centros de crescimento é otimizar as vantagens de aglomeração, explorar as forças regionais e reduzir as assimetrias locais / regionais do desenvolvimento económico no país. Como parte dessa estratégia, cada região desenvolve os seus produtos locais específicos. O desenvolvimento dos centros de crescimento económico será gerido através do desenvolvimento de clusters (centros) industriais e Zonas Económicas Especiais (ZEE). Este deverá ser acompanhado por um aumento e melhoria das ligações entre os centros de crescimento e os principais clusters industriais, através de melhores infraestruturas incluindo estradas, portos, aeroportos, energia e água. Aumentar o potencial económico da região através dos corredores económicos tornou-se num dos três pilares do MP3EI. Sumatra Java Kalimatan Bali-Nusa Tenggara Sulawesi Papua-Kep. Maluku Produção e processamento de recursos naturais; Grandes reservas de energia Produção industrial e prestação de serviços Produção e processamento de minérios; Grandes reservas de energia Turismo e pecuária Produção agrícola, florestal, pesca, petróleo e gás Recursos naturais Figura 11 Corredores Económicos da Indonésia Figura 12 Corredores Económicos da Indonésia A criação de novas regiões económicas, externas aos centros de crescimento económicos já existentes, é fundamental à aceleração e expansão do desenvolvimento da economia. Nesse sentido o Governo irá conceder incentivos especiais como apoio ao desenvolvimento desses centros, especialmente daqueles que estão localizados fora de Java, e para empresas que estejam dispostas a financiar a construção de instalações de apoio e infraestruturas. O objetivo destes apoios é estimular as empresas a comprometerem-se com o desenvolvimento dos novos centros de crescimento económico, numa perspetiva a longo prazo. 80

81 Estes incentivos incluem não só uma tributação mais favorável e facilidades aduaneiras, mas também uma maior regulamentação no trabalho. Por forma a evitar entraves, os Governos centrais e locais irão incentivar ligações mais fortes entre os centros de crescimento e as áreas industriais adjacentes. O desenvolvimento de corredores económicos é semelhante ao desenvolvimento regional que visa criar uma base económica integrada e sustentável. No entanto, o desenvolvimento dos seis corredores económicos consegue dar ainda mais ênfase ao desenvolvimento económico: 1. Vai enfatizar o aumento da produtividade e da criação de valor na gestão de recursos naturais através da expansão e criação de uma cadeia de atividades a montante e a jusante; 2. Incidirá sobre o desenvolvimento económico diversificado e inclusivo, que liga os corredores a outras regiões por forma a desenvolver oportunidades com base nas potencialidades locais e na especialização; 3. Identificar sinergias de desenvolvimento setorial e regional, para reforçar as vantagens competitivas e comparativas; 4. Vai destacar o desenvolvimento económico integrado entre os transportes e logística, bem como as comunicações e sistemas de informação por forma a abrir o acesso regional; 5. Os corredores serão apoiados por incentivos fiscais e não fiscais, facilidades de regulamentação e licenciamento e acesso a serviços públicos de qualidade Infraestruturas e energia O estado das infraestruturas na Indonésia A falta de qualidade e quantidade de infraestruturas tem colocado entraves ao desenvolvimento económico e social da Indonésia. Quer se trate de infraestruturas materiais (como estradas, aeroportos e eletricidade), ou de infraestruturas imateriais (como o bem-estar social e os cuidados de saúde), a Indonésia tem tido dificuldades em alcançar um desenvolvimento eficiente das mesmas. O plano de desenvolvimento da Indonésia prevê US$ 440 mil milhões de investimentos em autoestradas, centrais elétricas e estradas Na mais recente edição do índice de competitividade global do World Economic O plano Forum, de a desenvolvimento Indonésia ocupava da o 92º lugar entre os 144 analisados no que respeita ao nível das suas infraestruturas. Indonésia prevê US$ 440 mil milhões de investimentos As infraestruturas do arquipélago não foram capazes de acompanhar a forte expansão em autoestradas, centrais macroeconómica verificada desde a recuperação da crise financeira asiática no elétricas final e estradas de 1990 e, como consequência, o crescimento económico ainda não alcançou o seu pleno potencial. Rodoviário Em termos de estradas, o Índice de Competitividade Global da Indonésia situa-se abaixo da média dos países da ASEAN. O lento desenvolvimento e a baixa capacidade das autoestradas face ao rápido crescimento do nível de tráfego (70% das cargas e 82% do tráfego de passageiros é feito por via terrestre) justificam os tempos médios de viagem tão elevados, quando comparados com os dos países vizinhos: 2 a 4 horas por cada 100 km na Indonésia e 1 a 1,5 horas por cada 100 km na Malásia, Tailândia e China. 81

82 A extensão total da rede de estradas do país é de km, dos quais apenas 46% estão pavimentadas. A rede de estradas está mais desenvolvida nos centros urbanos de Java, Sumatra e Bali. Através do programa de despesas públicas , a rede das estradas nacionais tem aumentado em cerca de km por ano, quer através da construção de novas estradas, quer pela reclassificação de outras. Tabela 7 Extensão das estradas da Indonésia (em kms) Ano Pavimentadas Não pavimentadas Total Apesar de o Governo ter dado elevada importância aos programas de despesas públicas, a construção de estradas na Indonésia tem progredido a um ritmo lento. Nos últimos 5 anos, apenas 85 km dos km projetados para novas autoestradas foram efetivamente construídos. Ferroviário A geografia da Indonésia não é favorável ao desenvolvimento de uma extensa rede de transportes ferroviários. Com cerca de ilhas permanentemente habitadas, muitas das quais de terreno acidentado, o desenvolvimento económico tende a agrupar-se em torno de cidades costeiras que eram, até muito recentemente, isoladas umas das outras. No entanto, o transporte ferroviário tem potencial para desempenhar um papel muito importante em mercados específicos de transportes particularmente, mas não exclusivamente, nas exportações a granel e no transporte de passageiros. Para concretizar plenamente este potencial, é vital que o quadro institucional e regulatório promova a segurança, eficiência e confiança no transporte ferroviário. A extensão total da rede ferroviária da Indonésia é de km, dos quais km são em Java. Cerca de 565 km da rede são eletrificados. Atualmente, as linhas férreas da Indonésia operam apenas em 4 regiões: Java, Sumatra Sul, Oeste e Norte. O Presidente Susilo A contribuição para as receitas e o volume do tráfego variam Bambang Yudhoyono significativamente entre as 4 linhas ferroviárias. A linha ferroviária de Java representa cerca de 75% das receitas totais e transporta 83% do total dos planeia investir cerca de passageiros. A linha Sumatra Sul representa 20% das receitas totais, US$ 195 mil milhões em enquanto as linhas norte e oeste representam apenas 2 e 3%, estradas, pontes, portos e respetivamente. Na linha Sumatra Sul apenas existe transporte de cargas. ferrovias Em 2012 a PT KAI a maior operadora de caminhos-de-ferro, totalmente detida pelo Estado - atribuiu US$ 2,2 milhões para restaurar e renovar 20 locais e caminhos-de-ferro históricos nas ilhas de Java e Sumatra 29 Statistics Indonesia Figura 13 Portos Indonésia e Timor-LesteO Presidente Susilo Bambang Yudhoyono planeia investir cerca de US$ 195 mil milhões em estradas, pontes, portos e ferrovias 82

83 Marítimo 30 A Indonésia é o maior arquipélago do mundo, com um comprimento de cerca de km e uma largura de km. Tem acesso direto ao maior mercado do mundo, uma vez que é atravessada por uma das rotas marítimas mais ativas - o Estreito de Malaca 31 e é a rota primária para navios de contentores mundiais. A Indonésia está localizada a apenas 5 horas de viagem de duas das maiores economias mundiais, da Índia e da China. No entanto, os portos da Indonésia são relativamente pequenos quando comparados com os outros países asiáticos, necessitando de investimentos e melhorias. Sendo o transporte marítimo um aspeto vital da infraestrutura comercial do país, transportando mais de 90% dos bens comercializados internacionalmente, este reveste particular importância e preocupação. Além disso, o transporte entre ilhas é o meio mais utilizado para distribuição de bens entre os portos. O volume de carga transportado nestas travessias ultrapassa os 300 milhões de toneladas, ultrapassando de longe o volume transportado internacionalmente. Cerca de 14 milhões de passageiros por ano optam por viajar de barco entre as ilhas, principalmente entre as mais isoladas. Existem centenas de pequenos portos espalhados pelas ilhas do arquipélago. Destes, 111 são portos comerciais, geridos por empresas estatais (PT Pelindo I, II, III and IV), sendo apenas 11 portos de contentores. A Indonésia necessita de portos de grande escala com capacidade para receber embarcações transoceânicas, o que, aliado à limitada capacidade dos portos, criou um sistema altamente ineficiente, o que faz com que grande parte das mercadorias tenha de passar pela Malásia e Singapura. 30 Indonesian Port Corporation Annual Report O Estreito de Malaca faz parte de uma das rotas marítimas mais importantes do mundo. O estreito é o principal canal de navegação entre o Oceano Índico e o Oceano Pacífico que liga as principais economias asiáticas, como Índia, China, Japão e a Indonésia. Mais de viagens passam pelo estreito por ano, transportando cerca de um quarto dos bens comercializados no mundo, incluindo petróleo, produtos manufaturados chineses, entre outros. O estreito só dispõe de uma profundida máxima de navegação de 25 metros o que faz com que navios de porte superior utilizem outras rotas, nomeadamente o estreito de Lombok, localizado entre as ilhas de Bali e Lombok na Indonésia. Dado o enorme tráfego marítimo há um ponto específico, conhecido como canal Phillips, perto do sul de Singapura, o Estreito de Malaca restringe seu tamanho natural a 2,8 km de largura, criando um dos maiores pontos de estrangulamento marítimo do mundo. 83

84 Os maiores obstáculos que impedem as empresas e os consumidores de obter o máximo proveito das crescentes ligações comerciais globais são os elevados custos resultantes das ineficiências dos portos, os congestionamentos e as transações fronteiriças. Figura 14 Portos da região da Indonésia e Timor-Leste (Porto de Dili) Gráfico 55 Capacidade instalada por tipo de combustívelfigura 15 Portos Indonésia e Timor-Leste Fonte: Relatório Anual Indonesia Port Corporation II O porto de Jacarta, também conhecido por Tanjung Priok Port, é o maior porto marítimo da Indonésia e um dos maiores portos da bacia do mar de Java, com uma capacidade anual de tráfego de cerca de 45 milhões de toneladas de mercadoria e TEU s de contentores. Ainda assim, abaixo de valores de 300 milhões de toneladas/ano de outros portos principais da região. Este porto, estrategicamente localizado próximo de uma área comercialmente ativa, recebe atualmente navios de passageiros e de cargas. Correntemente, o porto de Tanjung Priok tem capacidade de distribuição logística para todas as cidades do arquipélago. Apoiado por modernas tecnologias e instalações, o porto tem sido capaz de receber os mais recentes tipos de navios, com capacidade superior a TEU s, que chegam diretamente de vários centros internacionais de comércio. Tabela 8 Facilidades do Porto de Tanjung Priok (Jacarta) 32 Tamanho do cais Profundidade do canal Tamanho do terminal (não contentores) Armazém ,75 m 14 m m2 10 Ha 32 Indonesian Port Corporation Annual Report

85 Aéreo O transporte aéreo tem crescido rapidamente ao longo dos últimos anos, não apenas devido à falta de condições dos transportes terrestres e marítimos, mas também por este ser o modo mais cómodo e rápido de viajar entre as centenas de ilhas do arquipélago e até o único, em alguns casos. Atualmente existem 620 aeroportos, dos quais 171 têm estradas pavimentadas. A Indonésia possui 64 heliportos. Existem 5 aeroportos principais: Soekarno Hatta Jacarta, Ngurah Rai Bali, Sultan Hasanuddin Makassar, Juanda Surabaya e Polonia Medan. Tabela 9 Passageiros Passageiros (milhões) 58,3 66,0 72,5 As principais companhias aéreas na Indonésia são a Lion Air e a Garuda Indonesia. Juntas, estas controlam mais de 50% do mercado. No entanto, não são concorrentes, uma vez que a Lion Air é uma companhia low cost e a Garuda Indonesia é a única companhia aérea 4 estrelas do país. A Garuda Indonesia tem a sua própria companhia aérea low cost, a Citilink. Tabela 10 Top 10 das maiores companhias aéreas por n.º de passageiros 34 Milhões de passageiros Passageiros domésticos Passageiros internacionais Lion Air 23,94 1,94 Garuda Indonésia 14,07 3,18 Sriwijaya Air 8,10 0,18 Batavia Air 6,02 0,41 AirAsia 1,72 3,19 Wings Air 2,09 0,09 Merpati 2,12 0,06 Citilink 1,44 - Trigana Air 0,70 - Kalstar Aviation 0,40 0,01 Dos investimentos recentes realizados nos aeroportos indonésios importa destacar o investimento realizado no aeroporto de Denpasar em Bali, de cerca de US$ 262 milhões, que permitirá uma maior capacidade de movimentação de passageiros que se estima atingir os 25 milhões de passageiros até 2025, de acordo com a entidade gestora do aeroporto. O terminal internacional do aeroporto expandiu de cerca de m 2 para cerca de 120 mil m 2. As autoridades preveem um crescimento das taxas aeroportuárias a partir de A capacidade crescente deste aeroporto poderá criar um importante hub aéreo na região e potenciar o crescimento do setor do turismo e das atividades conexas. 33 Ministério dos transportes 34 Fonte: Investor Daily 85

86 Energia Outrora grande exportador de petróleo, hoje o país luta para conseguir atrair investimentos suficientes para fazer face ao crescente consumo de energia, devido às infraestruturas inadequadas e ao ambiente regulatório complexo. Ao mesmo tempo foi o maior exportador mundial de cobre e o 8.º maior exportador de gás natural em O consumo primário de energia na Indonésia cresceu cerca de 50% entre 2001 e O petróleo continua a representar a parte mais significativa deste consumo, cerca de 30% em 2011, apesar de ter vindo a diminuir nos últimos anos. Na última década, o consumo de carvão triplicou e ultrapassou o consumo de gás natural. O país é também um consumidor significativo de biomassa tradicional no setor residencial, particularmente nas zonas mais isoladas do país. Eletricidade 35 O arquipélago da Indonésia, pela sua localização e disposição geográfica, vê na energia um desafio particularmente difícil. O estímulo do desenvolvimento económico nas regiões localizadas fora de Java depende da qualidade do acesso à eletricidade. No final de 2011, a capacidade energética total instalada no país era de 31 GW, com uma cobertura elétrica de apenas 71%, deixando cerca de 80 milhões de pessoas sem acesso a eletricidade. Em 2003, o Governo tinha estabelecido para 2020 a meta de 90% para a cobertura elétrica e de 26% para a redução da emissão de gases com efeito estufa. Estes objetivos têm servido para identificar necessidades de investimento na capacidade elétrica do país, bem como para chamar a atenção para as inúmeras oportunidades que existem no setor, particularmente em energias renováveis. No que respeita às taxas de eletrificação, a ilha de Java tem as taxas mais elevadas, registando uma média de aproximadamente 77%. As cidades com taxa de eletrificação mais baixa são as localizadas no sul do arquipélago, nomeadamente Nusa Tenggara Oeste (49%) e Este (43,5%). Figura 16 - Taxa de eletrificação por cidade 2012 Fonte: Ministério da Energia da Indonésia 35 Global Business Guide Indonesia

87 Quanto ao setor energético da Indonésia, a empresa pública Perusahaan Listrik Negara (PLN) assegura cerca de 84% da distribuição total de eletricidade, enquanto os produtores independentes distribuem o restante (16%). Em termos de fontes de energia, o carvão é a fonte dominante, sendo responsável por cerca de 40% do total da capacidade das centrais elétricas, seguido pelo gasóleo, 29% e pelo gás, 21%, e finalmente pelas energias renováveis responsáveis por apenas 10%. A procura interna de eletricidade tem acompanhado o crescimento económico do país. No entanto, o aumento da capacidade de gerar eletricidade não tem conseguido acompanhar a taxa de crescimento da procura, não só devido à falta de investimento, mas também à elevada dependência de combustíveis fosseis. O país tem um enorme potencial em termos de energias renováveis. A energia hidroelétrica é a que tem maior potencial, seguida da biomassa e da energia geotermal. Tabela 11 Fontes de energia e capacidades potenciais 36 Fonte de energia renovável Potencial Capacidade instalada Rácio capacidade instalada / potencial Hidroelétrica 75,67 GW 4,2 GW 5,55 % Geotermal 28,53 GW 1,19 GW 4,2 % Biomassa 49,81 GW 445 MW 0,89 % Solar 4,8 kwh/m 2 /dia 14,1 MW -- Eólica 3-6 m2 1,4 MW 0,015 Nuclear (urânio) 3 GW Carvão A produção de carvão na Indonésia atingiu cerca de 320 milhões de toneladas em 2010, enquanto em 2009 era de apenas 250 milhões de toneladas, o que torna o país no 6º maior produtor de carvão, atrás da China, EUA, Austrália, Índia e Rússia. No entanto, em termos de exportações de carvão térmico, a Indonésia tornou-se no maior exportador mundial dado a sua localização estratégica e capacidade de produção a baixo custo. A maior parte das atividades de carvão desenvolvem-se no Sul de Kalimantan, Riau, centro de Kalimantan, Jambi e este de Kalimantan. Gráfico 56 Capacidade instalada por tipo de combustível * Gráfico 57 Capacidade 11% 1% instalada por tipo de combustível 5% Gráfic 10% 2016* o 58 2% Habita 38% 25% ções com comp 25% 58% utador 25% es (%)20 12 Carvão Gás Diesel Hidrelétrica Geotermal 36 Ministério da Energia da Indonésia (*) Estimativa do Ministério da Energia e dos Recursos Naturais da Indonésia 87

88 Água e saneamento Apesar de ser um país emergente e em franco desenvolvimento, apenas cerca de 40% dos agregados familiares urbanos tem acesso a água potável e apenas metade a saneamento básico. O setor da água e saneamento não tem sido uma prioridade a nível nacional, em parte devido à prioridade dada aos setores da educação e saúde. Com cerca de 21% do total das reservas de água doce da região do pacífico asiático, muitas das questões relacionadas com a segurança e qualidade da água na Indonésia têm a ver com o rápido desenvolvimento do país e com as infraestruturas deficitárias. O crescimento económico não trouxe, contudo, a necessária expansão e modernização de infraestruturas, assim como não trouxe o aumento adequado da capacidade existente. Tais factos são consubstanciados pelo seguinte: quase 1 em cada 2 indonésios não tem acesso a água potável, e mais de 70% da população depende de fontes contaminadas. O país tem sofrido mudanças significativas em relação ao uso do solo, desflorestação e indústrias extrativas, o que tem levado ao aumento da poluição, deixando muitas áreas ainda mais vulneráveis a desastres naturais, como as cheias e as monções. Até 2011, apenas 55% da população do arquipélago tinha acesso a água potável, estando ainda longe de atingir a meta proposta nos ODM 2015, de 68,87%. No ano de 2013, as 335 empresas que fornecem e distribuem água potável cobriram 42% das áreas urbanas e menos de 14% das áreas rurais%. Muitas destas empresas não são bem geridas, para além de terem recursos humanos pouco qualificados e limitados. Desde 1993, a Indonésia duplicou a percentagem de agregados familiares com acesso a melhores condições sanitárias. No entanto, ainda está longe de atingir os ODM até Para atingir estes objetivos, é necessário que mais 26 milhões de pessoas tenham acesso a melhores condições sanitárias até essa data. Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) Apesar de o acesso aos computadores e internet permanecer baixo (cerca de 20% e 21%, respetivamente), a Indonésia tem-se tornado um mercado alvo para os investidores e os gastos em tecnologia têm aumentado, tendo-se previsto um crescimento médio de 15% por ano até Gráfico 59 Habitações com computadores (%) % % % % % 0% 5% 10% 15% 20% 25% A Indonésia tornou-se no maior investidor em tecnologias de informação do Sudeste Asiático. De acordo com o Plano Diretor de Desenvolvimento Económico da Indonésia (MP3EI) e o projeto Palapa Ring, o arquipélago tem a ambição de acelerar o desenvolvimento económico através das infraestruturas de telecomunicações No entanto, o desafio será fazer com que estes planos sejam postos em prática e capazes de proporcionar melhores acessos às TIC nas zonas localizadas fora dos grandes centros urbanos. Fonte: Statistics Indonesia 88

89 Gráfico 62 Assinantes de serviços móveis (%) % % % % % % 0% 20% 40% 60% 80% 100% 120% Fonte: Statistics Indonesia O arquipélago é o mercado de telefones móveis que mais cresce na região do pacífico asiático, prevendo-se que atinja os 391 milhões em Com 9 operadoras móveis e 98% dos utilizadores a optar por serviços pré-pagos, este mercado é um dos mais atrativos para as empresas estrangeiras. Os maiores operadores móveis são a Telkomsel, Indosat, e Excelcomindo (XL). A Indonésia tem um total de 298,6 milhões de assinantes de serviços móveis (dados de 2012), o que representa uma taxa de penetração de 119,9%. Espera-se que o mercado continue a crescer até atingir, em 2017, uma taxa de penetração de 147,7%. Espera-se também um aumento no número de utilizadores de internet, de 40 milhões em 2011 para 175 milhões em 2016, acompanhado por um crescimento exponencial no número de subscritores de dados, que se espera que cresça de 52 milhões em 2011 para 167 milhões em O nível de penetração das ligações aumentou para 80% em 2009 e ultrapassou os 100% em

90 2.6. Grandes projetos de investimento previstos em infraestruturas Para garantir um crescimento amplo e potenciar ainda mais o crescimento do país, são necessários avultados investimentos em infraestruturas. Para os próximos 5 anos, o país tem o objetivo de construir não só cerca de km de estradas e de centrais elétricas, como também outras infraestruturas, como portos e refinarias. O Governo tem vindo a definir formas de melhorar o mecanismo de preparação, implementação e controlo destes projetos. As Parcerias Público-Privadas (PPP) têm sido a forma de financiamento que veio colmatar o fosso entre os organismos públicos e os privados. Tabela 12 Projetos de investimento previstos em estradas Projeto Valor do investimento (IDR Bio) Target Ponte da Ilha de Balang Palu Parigi Hub Autoestrada Balikpapan Samarinda Manado Autoestrada Bitung Medan Autoestrada Binjai Palembang Autoestrada Indralaya Pekanbaru Kandis Autoestrada Dumai Bakauheni Autoestrada Terbanggi Besar Tebing Tinggi Kisaran Autoestrada Rantau Prapat Panimbang Autoestrada Serang Enarotali Estrada Tiom Estrada de acesso à zona industrial de Purwakarta Lubuk Pakam Autoestrada Tebing Tinggi Tabela 13 - Projetos de investimento previstos em água e saneamento Projeto Valor do investimento (IDR Bio) Target Sistema de abastecimento de água de Jatiluhur Rede de esgotos de Jacarta Barragem de Raknamo e de Kolhua Sistema de abastecimento de água de Umbulan Sistema de abastecimento de água de Bali Selatan

91 Tabela 14 - Projetos de investimento previstos em portos Projeto Valor do investimento (IDR Bio) Target Novo porto de Makassar n/d 2014 Porto marítimo de Kuala Tanjung Porto marítimo de Maloy Porto marítimo da Baía de Lembar Porto marítimo de Sorong n/d 2014 Porto internacional de Kuala Tanjung Porto internacional de Bitung Em cálculo 2017 Porto e estrada de acesso - Cilamaya Tabela 15 - Projetos de investimento previstos em aeroportos Projeto Valor do investimento (IDR Bio) Target Construção do aeroporto de Kertaji Construção do aeroporto de Karawang e estradas de acesso Tabela 16 - Projetos de investimento previstos em caminhos-de-ferro Projeto Valor do investimento (IDR Bio) Target Ligação Solo Madiun Ligação Medan Kualanamu Ligação Madiun Surabaya Ligações Purukcahu-Bangkuang/Mangkatip-Batanjung Ligação Makassar Pare-Pare Tabela 17 - Projetos de investimento previstos em energia Projeto Valor do investimento (IDR Bio) Target Central elétrica de Panglakan Susu 2 x 200 MW Central elétrica Takalar 2 x 100 MW Central elétrica Indramayu 4 (1 x 1000 MW) Central elétrica Asamasan 5-6 (2 x 100 MW)

92 Tabela 18 - Projetos de investimento previstos em TIC Projeto Valor do investimento (IDR Bio) Target Cabo nacional de fibra ótica - Palapa Abertura da economia e relações comerciais A intensidade das trocas comerciais da Indonésia (exportações e importações) tem-se mantido relativamente estável, situando-se na ordem dos 40% do PIB do país. As Balanças Corrente e Comercial mantiveram-se positivas até 2012, ano em que o valor das importações superou o valor das exportações do país. Tabela 19 - Abertura da economia da Indonésia Indonésia Abertura da Economia 37 52,18 39,54 41,37 45,00 43,47 Taxa de câmbio (1US$=xIDR) 9,698 10,389 9,090 8,770 9,386 Inflação (IPC 38, %) 9,77 4,81 5,13 5,35 4,27 Balança Comercial (US$) (1.887) Balança Corrente (em % do PIB) 0,02 1,96 0,72 0,19 (2,74) Fonte: Banco Mundial, UNCTAD, UNCTADstat De facto, desde 2008 que a Indonésia vinha apresentando superavits comerciais. Em 2012 registou um aumento das importações, acompanhado pela retração das exportações, resultando num saldo comercial marginalmente negativo, impulsionado fundamentalmente pelo aumento das importações da China e do Japão e pela redução das exportações para quase todos os mercados, em particular para o mercado japonês. No entanto, enquanto a Balança Comercial indonésia com a China se vem tornando cada vez mais negativa, no caso do Japão, o saldo comercial vem beneficiando cada vez mais a economia indonésia. Relativamente a Singapura, 3º parceiro comercial da Indonésia, esta tem vindo a perder relevância a favor da China, em particular no que respeita à redução das exportações. No entanto, continua a manter uma Balança Comercial favorável à economia de Singapura. A CPLP, em 2012, apresentou um saldo comercial positivo de cerca de US$ 0,4 mil milhões, contrariando o défice de cerca de US$ 0,3 mil milhões registado no ano anterior. Esta alteração surge fundamentalmente como resultado da intensificação das relações com Angola, de onde a Indonésia importou mais US$ 0,3 mil milhões em 2012, e de uma melhoria favorável à Balança Comercial brasileira, resultante o aumento das 37 [(Importações + Exportações)/PIB)]* Índice de preços ao consumidor 92

93 Importações % Importações (Milhões US$) Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP exportações do Brasil para a Indonésia e de uma simultânea redução das importações deste país. Timor-Leste apresenta um peso reduzido nas relações comerciais, sendo um país fundamentalmente importador da Indonésia. Importações Após uma redução do valor das importações em 2009, o valor global das importações da Indonésia aumentou cerca de 40% em 2010, 31% em 2011, e 8% em O valor agregado dos seis principais mercados fornecedores da Indonésia representou em 2012 cerca de 62% do total das suas importações nesse ano. A Singapura é, desde 2008, o principal fornecedor, tendo representado 18% do total das importações em 2012, seguido da China, e do Japão, com quotas na ordem dos 16% e 11%, respetivamente. As quotas da China e da Tailândia aumentaram sempre entre 2009 e 2012, contrariamente à Malásia, que só em 2012 viu a sua quota aumentar ligeiramente. Gráfico 64 - Evolução das importações da Indonésia e principais países de origem, % 250,000 Tailândia 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 4.8% 5.3% 5.6% 5.7% 4.62% 191, , % 19.1% 19.0% 17.6% 20.78% 135, ,244 96, % 4.8% 5.4% 5.8% 5.29% 5.9% 7.3% 6.6% 5.7% 5.36% 11.8% 10.6% 9.56% 10.3% 10.9% 12.4% 14.33% 15.2% 15.3% 16.1% , , ,000 50,000 Singapura Malásia República da Coreia Japão China Importações total Fonte: UNCTAD, UNCTADstat Ao analisar a relação comercial na vertente das importações da Indonésia com os países pertencentes à CPLP, verifica-se que apenas o Brasil apresenta níveis significativos no que respeita ao volume de produtos importados pelo país, representando cerca de 79% do total das importações da CPLP, em Por outro lado, Angola tem vindo a ganhar importância enquanto fornecedor da Indonésia, entre 2010 e 2012, representando neste último ano 19% do total das importações à CPLP. 93

94 Importações (milhões US$) Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Gráfico 65 - Importações da Indonésia à CPLP, ,000 2,500 2,000 1,500 1,000 1, Fonte: UNCTAD, UNCTADstat 8 1,080 1,643 Gráfico 66 - Importações da Indonésia - Top Produtos Angola Brasil Moçambique Portugal 34 1, ,931 Apenas o Brasil apresenta níveis significativos no que respeita ao volume de produtos importados pela Indonésia à CPLP Apenas o Brasil apresenta níveis significativos no que respeita ao volume de produtos importados pela Indonésia à CPLP. Alimentos e animais vivos 5% 7% 4% Matérias-primas (exceto combustíveis) 33% 22% Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados 15% 12% Maquinaria e equipamentos de transporte Outros artigos manufaturados Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados 2012 A evolução das importações da Indonésia, nos últimos cinco anos ( ), não revelou alterações significativas, no que respeita ao tipo de produtos mais importado. Os principais agrupamentos de produtos importados em 2012 foram as máquinas e equipamentos de transporte (veículos automóveis, componentes e acessórios, assim como equipamentos mecânicos e elétricos), seguido dos combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados, que representaram, em conjunto, aproximadamente 55% do total das importações. Com menor peso que os produtos anteriores, mas ainda com alguma expressão económica, são de destacar as categorias de produtos referentes aos bens manufaturados (15%), químicos e produtos relacionados (12%) e alimentos e animais vivos (7%). 94

95 10,5 M US$ Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Gráfico 67 - Importações da Indonésia - Evolução por tipo de produtos, % Commodities e transações n.e. 100% 4% 4% 4% 4% 5% Outros artigos manufaturados 80% 34% 36% 35% 32% 33% Maquinaria e equipamentos de transporte Bens manufaturados 60% 16% 15% 15% 14% 15% Químicos e produtos relacionados 40% 12% 12% 12% 12% 12% Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados 23% 22% 19% 20% 20% 22% 5% 5% 5% 5% 4% 0% 6% 7% 7% 8% 7% Matérias-primas (exceto combustíveis) Bebidas e tabaco Alimentos e animais vivos Fonte: UNCTAD, UNCTADstat Figura 17 - Principais importações da Indonésia a Singapura Singapura: 18% das importações da Indonésia em 2012 Singapura: 18% das importações da Indonésia em 2012 Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados 14,5 M US$ Maquinaria e equipamentos de transporte 10,5 M US$ Químicos e produtos relacionados 3,3 M US$ Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados 2012 Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados 14,5 M US$ 95 Maquinaria e equipamentos de transporte

96 Gráfico 68 - Importações da Indonésia a Singapura 31% 5% 43% Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Os combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados são a fatia com maior peso nas importações da Indonésia a Singapura (43%), seguido da maquinaria e equipamentos de transporte (31%) e dos químicos e produtos relacionados (10%). 7% 10% Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados 2012 Maquinaria e equipamentos de transporte Outros artigos manufaturados Os combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados são a fatia com maior peso nas importações da Indonésia a Singapura (43%), seguido da maquinaria e equipamentos de transporte (31%) e dos químicos e produtos relacionados (10%). Figura 18 - Principais importações da Indonésia à China China: 16% das importações da Indonésia em 2012 Maquinaria e equipamentos de transporte 14 M US$ Bens manufaturados 7 M US$ Outros artigos manufaturados 3,4 M US$ Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados 2012 Maquinaria e equipamentos de transporte 14 M US$ 96 Bens manufaturados

97 Gráfico 69 - Importações da Indonésia à China Relativamente aos produtos vindos da China, destacam-se as importações de máquinas e equipamentos de transporte e bens manufaturados, que correspondem a mais de metade do total de importações da Indonésia. 11% 4% 4% 11% Alimentos e animais vivos Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados 44% 22% Maquinaria e equipamentos de transporte Relativamente aos produtos vindos da China, destacam-se as importações de máquinas e equipamentos de transporte e Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 bens manufaturados, que correspondem a mais de metade do total de importações da Indonésia. Outros artigos manufaturados Japão: 11% das importações da Indonésia em 2012 Maquinaria e equipamentos de transporte 11,9 M US$ Bens manufaturados 4,9 M US$ Químicos e produtos relacionados 1,5 M US$ Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados 2012 Maquinaria e equipamentos de transporte 11,9 M US$ Bens manufaturados 4,9 M US$ Químicos e produtos relacionados 97 1,5 M US$

98 Exportações % Exportações (Milhões US$) Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Gráfico 70 - Importações da Indonésia ao Japão 57% Matérias-primas (exceto combustíveis) 2% 4% 6% 7% Químicos e produtos relacionados 23% Bens manufaturados Maquinaria e equipamentos de transporte Outros artigos manufaturados As importações da Indonésia ao Japão estão concentradas em dois grandes grupos de produtos maquinaria e equipamentos de transporte e bens manufaturados que representam no seu conjunto 81% do total importado. Commodities e transações n.e. Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 As importações da Indonésia ao Japão estão concentradas em dois grandes grupos de produtos maquinaria e Exportações equipamentos de transporte e bens manufaturados que representam no seu conjunto As exportações da Indonésia não apresentaram uma tendência clara nos últimos 81% cinco do anos total (2008 importado. 2012). Os seus valores registaram aumentos em 2010 e 2011, após uma retração, em Em 2012, o Japão foi o principal cliente da Indonésia, com uma quota de 16% no respetivo valor global das exportações. Seguiram-se a China (11,4%), Singapura (9%), a República da Coreia e os EUA (com 8% cada), e com menor relevância a Índia (7%). Estes seis mercados representaram em 2012, no seu conjunto, cerca de 59% do total das exportações da Indonésia para o exterior. Gráfico 71 - Evolução das exportações da Indonésia e principais países de destino, % 250,000 60% 50% 40% 30% 20% 9.5% 9.4% 6.7% 137, % 9.1% 8.8% 8.7% 7.0% 8.0% 116, % 15.9% 16.3% 203, % 200, % 190, , % 9.0% 8.1% 7.9% 16.6% 15.9% 150, ,000 EUA Singapura República da Coreia Japão Índia China 10% 0% 6.4% 6.3% 6.6% 6.6% 5.2% 8.5% 9.9% 9.9% 11.3% 11.4% ,000 Exportações total Fonte: UNCTAD, UNCTADstat 98

99 Exportações M US$ Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP O Brasil é atualmente o principal destino das exportações da Indonésia na CPLP, absorvendo cerca de 76% das exportações para a CPLP, em 2011, e 72% em 2012, tendo registado um aumento significativo desde Timor Leste surge em segundo lugar, representando, em 2012, cerca de 13% do valor global das exportações para a CPLP. Gráfico 72 - Exportações da Indonésia à CPLP 2,500 O Brasil é, entre os países da CPLP, o principal destino de exportações da Indonésia. 2,000 1, Figura Principais exportações da Indonésia 118 para o BrasilO 258 Brasil é, entre os países 103 da CPLP, o principal 81 destino de exportações 100 da Indonésia. Timor - Leste Portugal 1, ,528 1,735 1,486 Moçambique Brasil Angola Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 Figura 20 - Principais exportações da Indonésia para o Brasil Bens manufaturados 407 M US$ Figura 21 - Principais exportações da Indonésia para o Brasil Óleos vegetais e animais, gorduras e ceras Brasil 314 M US$ Brasil Bens manufaturados 407 M US$ Óleos vegetais e animais, gorduras e ceras 314 M US$ Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de

100 2.8. Principais setores de oportunidade A Indonésia é responsável por quase 40% do PIB da ASEAN, sendo que o seu crescimento irá necessariamente alavancar o crescimento das regiões de proximidade e integrantes na região, não só pelo incremento de trocas comerciais, bem como pelo fluxo migratório que potencialmente poderá ser gerado pelo maior crescimento de determinadas regiões. Com uma Balança Comercial tendencialmente equilibrada, o crescimento económico dos próximos anos coloca um forte desafio à manutenção deste equilíbrio. Em 2010, a Indonésia era o 4º país mais populoso do mundo e com um poder de compra cada vez maior. As estimativas da EIU, apontam para que o desenvolvimento da economia indonésia seja bastante motivado pelo crescimento do consumo privado, inicialmente pelo crescimento do consumo de bens não duradouros, com um acelerar do consumo dos bens duradouros, posteriormente, com todas as oportunidades que este fator poderá potenciar ao nível dos setores de grande consumo e a montante. De facto, a agricultura surge como uma das prioridades de desenvolvimento do Governo para combate à pobreza. Por outro lado, embora seja um player relevante na exploração de petróleo, a Indonésia tem apresentado dificuldades em responder à intensificação da procura interna por combustíveis, o que requererá que o setor continue a desenvolver-se e, provavelmente, intensifique as relações comerciais com Timor-Leste no abastecimento deste recurso. Relativamente ao investimento, estima-se que este continue a crescer cerca de 10% ao ano até 2017, motivado fundamentalmente pelas prioridades de desenvolvimento de infraestruturas, com especial enfoque na rede de estradas, novo aeroporto, rede energética e portos prioridade estratégica para desenvolvimento das trocas comerciais. Estas iniciativas fomentarão as atividades de engenharia, construção e fiscalização de obra, bem como o fornecimento dos materiais de construção necessários ao país. Os investimentos de base tecnológica efetuados e a necessidade de desburocratização do país constituem oportunidades para o desenvolvimento do setor de serviços profissionais e as indústrias criativas. O arquipélago oferece, assim, um vasto leque de oportunidades para os investidores, as quais incluem: Um grande mercado interno e uma força de trabalho competitiva, decorrentes da sua economia e da dimensão da população, ou seja, a maior economia do Sudeste Asiático com uma população de mais de 220 milhões de pessoas; Políticas macroeconómicas com base no mercado e regime cambial livre de moeda estrangeira; Parceiros potenciais de outsourcing provenientes do grande grupo de Pequenas e Médias Empresas (PME) do país (cerca de 42 milhões); Abundância de recursos naturais diversificados; Localização estratégica, abrangendo várias rotas marítimas de transporte vitais internacionais; Um Governo eleito democraticamente e empenhado em reformar e promover o clima de investimento favorável no país. 100 A Indonésia é o maior produtor de pérolas do mar. Cerca de 43% da quantidade de pérolas necessárias no mundo são fornecidas pela Indonésia A Indonésia é o maior produtor de pérolas do Mar Antártico. Cerca de 43% da quantidade de pérolas necessárias no

101 Setores de oportunidade: Agroindústria a agroindústria é um setor de crescimento, nomeadamente relativos ao cultivo do arroz, do milho, à extração da borracha, à produção de óleo e minerais vegetaus, o cultivo e tratamento do cacau, do café e da cana-de-açúcar; Arroz: a produção de arroz deve crescer cerca de 14,6 % até 2017, atingindo o objetivo do país de se tornar autossuficiente na produção de arroz; Açúcar: o consumo de açúcar, impulsionado pelo aumento dos rendimentos, maior urbanização, crescimento populacional e aumento da procura da indústria alimentar, deverá crescer 27,9 % até 2017, continuando a ser superior ao crescimento da produção. Pescas atendendo à extensa costa marítimo e ao consumo de peixe, bem como o aumento do PIB per capita da população é previsível um crescimento exponencial da setor da pesca de água marinha e salobra; Indústrias é previsível o crescimento de indústrias de menor mão de obra intensiva e da criação de condições de investimento na produção local de indústrias ligadas ao setor químico e farmacêutica, alimentar, madeira e artigos de mobiliário, papel e celulose, eletrónica, indústria automóvel, têxtil e vestuário; Infraestruturas o desenvolvimento dos corredores económicos e dos projetos de investimento irão dinamizar os setores da construção cívil e atividades conexas, bem como atrair investidores para a construção e futura gestão de algumas das infraestruturas anteriormente identificadas, nomeadamente ao nível da rede de estradas, dos novos aeroportos, portos e centrais elétricas; o o Serviços associados à arquitetura, construção, engenharia e fiscalização de obra; Serviços financeiros; Serviços comércio, turismo, telecomunicações e indústrias criativas e serviços profissionais (desburocratização e tecnologia / e-government) Comparando com outros países emergentes, a Indonésia tem um nível relativamente baixo de infraestruturas: o acesso a água potável e saneamento básico é insuficiente, a densidade de estradas é baixa e apenas metade da população tem acesso a eletricidade. São necessárias mudanças nas políticas do Governo, por forma a criar um bom ambiente de negócios e reduzir a incerteza e riscos. O objetivo é tornar as infraestruturas como uma nova classe segura de investimentos, atrativa para os investidores. Por exemplo, se os custos de infraestruturas forem competitivos e regulados por contratos que protejam os investidores, os ganhos possíveis tornam-se pouco arriscados e capazes de atrair mais capital. Gráfico 73 - Volume médio diário das ações transacionadas (milhões de ações)comparando com outros países emergentes, a Indonésia tem um nível relativamente baixo de infraestruturas: o acesso a água potável e saneamento básico é insuficiente, a densidade de estradas é baixa e apenas metade da população tem acesso a eletricidade. São necessárias mudanças nas políticas do Governo, por forma a criar um bom ambiente de negócios e reduzir a incerteza e riscos. O objetivo é tornar as infraestruturas como uma nova classe segura de investimentos, atrativa para os investidores. Por exemplo, se os custos de infraestruturas forem competitivos e regulados por contratos que protejam os investidores, os ganhos possíveis tornam-se pouco arriscados e capazes de atrair mais capital. 101

102 2.9. Financiamento à economia Principais bancos presentes Desde 2011 que o número de bancos comerciais se mantém inalterado, sendo atualmente 120 no total. Quanto ao número de subsidiárias de bancos comerciais, existem atualmente Tabela 20 Número de instituições financeiras Instituições Financeiras Total Bancos Comerciais 120 Bancos Rurais Seguradoras 137 Fundos de Pensões 269 Sociedades Financeiras 200 Sociedades de Capital de Risco 89 Garantias 6 Gestores de investimentos 754 Corretoras 1 O número de bancos rurais atingiu em 2012 os 1.837, com cerca de filiais. No que respeita à distribuição geográfica, a maior parte das subsidiárias dos bancos (cerca de 74% do total), tanto comerciais como rurais, estão concentradas nas ilhas de Java e Sumatra. Na última década, a Indonésia fez grandes avanços na estabilização do setor financeiro, com progressos a nível da supervisão e regulação bancária, na classificação e provisão de empréstimos, no reforço dos capitais próprios, e na imposição de limites à exposição cambial. Por outro lado, os resultados dos testes de stress (FSAP39) confirmam a estabilidade sustentável do sistema financeiro e identificam reformas prioritárias para aumentar a sua resiliência: o quadro legal e de governação, a coordenação da supervisão prudencial e gestão de crises e o desenvolvimento do mercado de capitais. Tabela 21 Principais bancos presentes na Indonésia 40 Bancos Total de ativos (US$ mil milhões) Bank Mandiri 60,9 Bank Negara Indonesia 33,0 Bank Rakyat Indonesia 51,9 Bank Central Asia 42,1 Bank Danamon Indonesia 15,7 Panin Bank 13,8 Bank International Indonesia 10,5 Bank Permata 11,2 39 Financial Sector Assessment Program realizado pelo Banco Mundial. 40 BES Research, junho

103 Bancarização da população Com o objetivo de proporcionar melhores acessos ao sistema financeiro, a expansão das sucursais bancárias pelo arquipélago tem sido uma das principais políticas do setor. O indicador de referência da inclusão financeira é o número de sucursais de bancos em relação à população (rácio de densidade). Entre 2010 e 2012, este rácio melhorou consideravelmente: em 2010, existia apenas 1 banco por cada habitantes, e em 2012 este número reduziu para habitantes Bolsa de valores 41 A bolsa de valores da Indonésia (IDX), sedeada em Jacarta, inicialmente conhecida por Jakarta Stock Exchange (JSX), alterou a sua denominação em 2007, após fusão com a bolsa de valores de Surabaya (SSX). Em 2010, existiam 420 empresas cotadas, valor que no final de 2012 aumentou para 462, com uma capitalização de mercado de US$ 426,78 mil milhões. Gráfico 76 - Valor médio diário das ações transacionadas (mil milhões de Rp) Gráfico 74 - Volume médio diário das ações transacionadas (milhões de ações) 6,000 5,000 4,000 3,000 2,000 4,436 4,046 4,801 4,953 4,537 7,000 Gráfico 75 - Volume 6,090 médio diário das ações transacionadas 6,000 (milhões de 5,432 ações) 4,873 5,000 4,284 4,000 3,286 3,000 2,000 1,000 1, O valor total transacionado diminuiu cerca de 9% para Rp mil milhões em 2012 tendo, nesse mesmo ano, o valor médio diário transacionado sido de Rp 4,537 mil milhões por dia. O volume total transacionado diminuiu 12,45% em relação a 2011, sendo em 2012 de 1,05 mil milhões de ações, com um volume médio diário de transações de 4,28 mil milhões de ações por dia. A frequência total das ações negociadas em 2012 foi de 29,9 milhões, com uma média diária de 121 mil transações. A bolsa de valores da Indonésia tem como missão criar uma vantagem competitiva por forma a atrair investidores e empresas cotadas através da capacitação dos seus membros e participantes, da criação de valor acrescentado e da implementação de uma boa governação. 41 Fact Book Indonesia Stock Exchange 103

104 3.Timor-Leste 3.Timor-Leste 104

105 3. Timor-Leste 42 Independente desde 2002 da Indonésia, a política que se tem desenvolvido em Timor- Leste tem tido como principal enfoque a redução da pobreza e o alcance da segurança e estabilidade do país. Nos últimos anos, Timor-Leste tem conseguido alcançar a paz e a estabilidade desejadas, além da sua economia ter entrado numa fase de crescimento exponencial. Geograficamente, Timor-Leste situa-se no Sudeste Asiático. Tem uma área total de cerca de Km2 e apresenta como limite fronteiriço terrestre a Indonésia e como limite fronteiriço marítimo a Austrália. O seu posicionamento geográfico permitelhe favorecer as ligações entre a população, entre as áreas rurais e urbanas e o Governo facilitando assim a integração nacional e o desenvolvimento económico. O facto de Timor-Leste pertencer à região da Ásia Oriental, permite-lhe ainda o contacto com algumas das grandes economias emergentes tais como a China ou a Indonésia. Figura 22 - Mapa do Sudeste Asiático Estima-se que a população de Timor-Leste seja constituída por habitantes, apresentando-se como um país maioritariamente jovem, com cerca de metade da população com uma idade inferior a 19 anos. A maioria da população é de origem malaio-polinésia e papua, existindo outras minorias étnicas, nomeadamente chineses, árabes e europeus. Apesar de predominar na população a religião católica (90%), destacam-se outras religiões minoritárias, tais como a religião protestante e a religião muçulmana. Em termos demográficos, existe uma grande concentração da população na cidade de Díli. Em Timor-Leste uma parte significativa da população vive da agricultura, sendo que o país possui uma economia essencialmente baseada em recursos naturais, apresentando quantidades relevantes de petróleo e de gás natural. Tem reservas minerais de ouro, magnésio, crómio, estanho e cobre. Apesar disso, Timor-Leste apresenta uma economia em reconstrução na sequência da devastação que assolou o país após a independência. Timor-Leste é um país observador da ASEAN, beneficiando assim de relações privilegiadas com alguns países. 42 Plano Estratégico de Desenvolvimento Governo de Timor-Leste 105

106 3.1. Macroeconomia 43 Timor-Leste apresenta um PIB de 1,3 mil milhões de US$ sendo um dos países que tem registado, no seio dos países da CPLP, uma das mais elevadas taxa de crescimento do seu PIB, destacando-se ainda como o segundo país asiático com maior crescimento, logo a seguir à Mongolia, e o país com maior crescimento médio do PIB entre 2008 e 2012 na região da ASEAN. Durante esse mesmo período registou taxas de crescimento do PIB sempre acima dos 9% e uma taxa média de crescimento acima dos 11%. Apesar disso, o país ainda enfrenta grandes desafios. Em maio de 2002, foi aprovado o Plano Estratégico de Desenvolvimento Nacional (PEDN), que tem vindo a ser atualizado, e tem como principal objetivo o crescimento económico e a redução da pobreza. O PEDN visa incidir sobre vários setores, dos quais se destacam, em primeiro lugar, o setor das infraestruturas (água, eletricidade, estradas, portos, aeroportos, comunicações), e em segundo lugar o setor dos serviços (educação, saúde, ambiente, cultura e inclusão social). Do ponto de vista do IDH e de acordo com o relatório anual sobre o desenvolvimento humano para o PNUD, Timor-Leste ocupa a 134.ª posição de entre 189 países (índice de 0,576) PIB da economia timorense Timor-Leste representou 0,1% do PIB da ASEAN em Gráfico 77 - Representação da percentagem do PIB dos EM na ASEAN Malásia 13.1% Filipinas 10.8% Singapura 11.8% Indonésia 37.8% Tailândia 15.7% Outros 10,8% Vietname 6.1% Mianmar 2.3% Laos 0.4% Timor-Leste 0.1% Brunei 0.7% Papua Nova Guine 0.7% Camboja 0,6% Fonte: Banco Mundial A economia de Timor-Leste é uma economia que tem apresentado um crescimento significativo em grande parte devido aos recursos naturais existentes, em particular devido ao aumento das receitas petrolíferas. O setor petrolífero tem tido um papel importante no desempenho macroeconómico do país, o que permitiu a criação de um Fundo Soberano (2002). Este Fundo tem facilitado o financiamento das despesas públicas, nomeadamente, o desenvolvimento das infraestruturas do país

107 Gráfico 78 - Crescimento anual PIB Timor-Leste (últimos 5 anos) 16% 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 15% % 788 9% 875 1,091 11% 1,293 9% 1,400 1,200 1, % PIB (M USD) Crescimento Anual PIB(%) Fonte: Banco Mundial O crescimento do PIB não tem apresentado uma tendência clara nos últimos cinco anos ( ). A sua taxa de crescimento registou um ligeiro aumento entre 2010 e 2011, após uma redução em 2008 e Não obstante, segundo o Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD), Timor-Leste tem registado um crescimento económico significativo, representando no ano de 2013 o segundo país do continente asiático com maior crescimento económico, logo a seguir à Mongólia. O BAsD prevê um crescimento semelhante para o ano de 2014, sendo que as previsões para o elevado crescimento económico assentam no aumento do nível dos gastos orçamentais e também em aumentos em setores variados e distintos do setor petrolífero Orçamento Geral do Estado 44 O Orçamento Geral do Estado (OGE) de Timor-Leste para 2013 foi fixado em 1,6 mil milhões de dólares americanos, sendo constituído por juros do Fundo Petrolífero aplicados em instituições financeiras. O OGE evidenciou um aumento das transferências de receitas do Estado com origem no setor petrolífero, face ao previsto nos orçamentos para anos anteriores. Do ponto de vista da despesa, os setores prioritários para o Governo têm sido para além dos hidrocarbonetos, setores como o da construção e das obras públicas incluindo as infraestruturas e ainda setores como o turismo, comércio, saúde, energia, telecomunicações e transportes. O défice fiscal previsto foi de US$ 1.501,219 milhões, sendo financiado através do Fundo Petrolífero (US$ 787 milhões), do recurso ao crédito público (US$ 43,6 milhões), de fundos especiais que incluem o fundo de infraestruturas e o fundo de desenvolvimento do capital humano (US$ 409,8 milhões) e através do saldo da conta do tesouro (US$ 260,8 milhões). De seguida é apresentada uma tabela com as dotações orçamentais previstas no OGE de Timor-Leste para 2013: 44 Orçamento Geral do Estado de 2013, in (governo de timor-leste) Lei n.º2/2013 de 1 de março. 107

108 Tabela 22- Orçamento Geral do Estado para 2013 (US$ Milhões) Salários e vencimentos 160,531 Bens e serviços 441,530 Transferências públicas 238,985 Capital menor 49,595 Capital de desenvolvimento 756,877 Fonte: Lei n.º 2/2013 de 1 de março De acordo com o OGE para 2013, a dotação orçamental com maior peso no quadro acima referido foi a relativa ao capital de desenvolvimento, revelando-se desta forma uma das prioridades visadas pelo país encontra-se relacionada com a necessidade de investimento em projetos de capital de desenvolvimento. O PEDN de Timor-Leste estabelece um modelo com metas previstas para as despesas e as receitas tendo como principal objetivo o crescimento económico do país. Tabela 23 - PEDN Metas para as receitas e despesas (US$ milhões) Componentes/Ano Total Total Receitas 907, , , , , ,5 Receitas domésticas não petrolíferas 96,4 163,7 324,4 594, , ,1 Levantamentos do Fundo do Petróleo 811, , ,9 851,5 681, ,4 Total Despesas 758, , , , , ,5 Fonte: PEDN Timor-Leste Em conformidade com o PEDN , prevê-se que o total das receitas passe de US$ 907,4 milhões (2010) para US$ 1.356,3 milhões (2020) e para US$ milhões (2030). No que toca ao total da despesa prevista, o PEDN prevê que este valor passe de US$ milhões (2010) para US$ 1.355,9 milhões (2020) atingindo os US$ milhões em A política orçamental visada pelo país tem como principal objetivo a diversificação de fontes de receita na economia que sejam distintas das provenientes do setor petrolífero, além do controlo das despesas totais do Estado Dívida pública 45,46 Timor-Leste não tem registado nenhum valor de dívida pública ao longo dos últimos anos (2008, 2009, 2010 e 2011). No entanto, o Banco de Portugal perspetivou durante o ano de 2011 a existência de dívida pública para o ano de 2012, correspondente a 3% do PIB não petrolífero. 45 Banco de Portugal 46 Ministério das Finanças de Timor-Leste Relatório sobre a Gestão do Fundo Petrolífero no ano de

109 Milhões US$ Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Tabela 24 - Finanças Públicas Indicadores (programado) 2011 (estimado) 2012 (programado) 2012 (estimado) Dívida Pública (%PIB não petrolífero) Fundo Petrolífero (milhões de US$) Fundo Petrolífero (% PIB não petrolífero em milhões de USD) Apesar da previsão de existência de dívida para 2012 por parte do Banco de Portugal, não existe indicação por parte da Standard & Poor s de qualquer rating de dívida pública existente até ao ano de O Governo de Timor-Leste aprovou no ano de 2011 em Conselho de Ministros um conjunto de propostas legislativas no sentido de possibilitar o recurso ao crédito externo para o financiamento relativo a grandes projetos, nomeadamente ao nível do setor das infraestruturas. O financiamento da economia timorense é em grande parte assegurado pelo Fundo Soberano e pelo Fundo Petrolífero de Timor-Leste, constituindo este último, a base de financiamento do Governo. O fundo foi estabelecido em 2005 através da Lei n.º 9/2005 Lei do Fundo Petrolífero, tendo mais tarde sido alterada pela Lei n.º 12/2011. O Fundo Petrolífero distingue a entrada de receitas petrolíferas dos gastos, sendo que todos os rendimentos derivados do petróleo são integrados no fundo previamente à sua transferência para o OGE, prevendo-se que o seu valor estimado em 2012 varie entre os USD (Banco Mundial) milhões e (Ministério das Finanças de Timor-Leste). O montante que constitui o fundo é investido em aplicações financeiras internacionais, com o principal objetivo de obter uma rentabilidade real de 3%, no sentido de garantir a sustentabilidade da política fiscal. Gráfico 79 - Valor de mercado do Fundo Petrolífero 14,000 12,000 10,000 8,000 6,000 4,000 2,000-11,775 9,310 6,904 5,377 4,197 2,086 1, Fonte: Ministério das Finanças de Timor-Leste Relatório sobre a Gestão do Fundo Petrolífero no ano de 2012 Estima-se que a rentabilidade do fundo em 2012 tenha sido de cerca de US$ 2,1 mil milhões. O Fundo é a principal fonte de recursos financeiros de Timor-Leste e do seu orçamento. Dada a prudente utilização de tais recursos, a economia de Timor-Leste está a crescer tendo o FMI previsto um crescimento real do PIB não petrolífero de pelo menos 10%, ao longo dos próximos 5 anos. No que respeita aos títulos de dívida do Fundo Petrolífero, e de acordo com a notação da Standard &Poor s, estes foram classificados com a notação AA+. Esta é uma notação alta que significa que existe um risco baixo ou nulo de incumprimento. 109

110 Tabela 25 Notação dos títulos de dívida do fundo petrolífero Títulos de rendimento fixo internacionais e títulos 31/12/2012 (US$) 31/12/2011 (US$) de mercados cambiais AA Total Estrutura produtiva PIB por setor A economia de Timor-Leste tem por base a exploração de recursos naturais, principalmente reservas de gás natural e petróleo, apresentando ainda como principais recursos o ouro, o magnésio e o mármore. A economia é dominada pela mineração (principalmente petróleo) a 80% do PIB, a agricultura, com cerca de 4,5% e os serviços financeiros em 4,4%. As receitas do petróleo são a principal fonte de rendimento detimor- Leste e, em 2012, o valor do PIB do petróleo triplicou o valor do PIB não petrolífero. O setor agrícola tem um peso de 26% no PIB não petrolífero de Timor-Leste. A agricultura é um setor preponderante na economia do país, na medida em que corresponde a uma parte significativa do PIB timorense, mas também porque este setor é responsável pela empregabilidade de cerca de 70% da população. O setor industrial representa cerca 18% do PIB de Timor-Leste. Importa destacar destas indústrias, entre setor primário e secundário, a importância da produção do café, arroz, milho, extração de madeira, pesca, especiarias, coco, cacau, sândalo e baunilha. Destacam-se também as indústrias de artesanato, têxteis, estampagem entre outras. A área florestal de Timor-Leste é de cerca de 50% da área terrestre total, o equivalente a aproximadamente hectares. Gráfico 80 - Timor-Leste, PIB (não petrolífero) por setor % 56% Agricultura Indústria Serviços 18% Fonte: AICEP, FMI, CIA O setor dos serviços, tem um peso relevante no PIB de Timor-Leste representando mais de metade do PIB não petrolífero do país perfazendo 56% do PIB de Timor-Leste. 110

111 Caraterização do setor empresarial do Estado O Governo de Timor-Leste detém uma participação na Timor-Telecom, sendo esta empresa a única prestadora de serviços de telecomunicações. O Governo é detentor de 20,6% das ações, sendo a Telecomunicações Públicas de Timor (TPT), a maior acionista com uma cerca de 54%. A Timor-Telecom detém a exclusividade da rede móvel e fixa até ao ano de No entanto, o Governo está a considerar a liberalização do acesso ao mercado tendo vindo a afirmar que outras empresas estrangeiras têm já demonstrado interesse. O Governo constituiu no ano de 2011 a empresa de petróleo TimorGap, detida a 100% pelo Estado e parceira de empresas internacionais que se destinam à exploração e ao desenvolvimento de recursos petrolíferos em Timor-Leste. A TimorGap é supervisionada pela Secretaria de Estado dos Recursos Naturais e tem uma estrutura societária independente. Já no domínio das instituições públicas, destacam-se a Rádio e Televisão de Timor-Leste (RTTL) e a Autoridade Nacional de Petróleo (ou ANP, responsável pela regulação do setor petrolífero e gás) Corredores de desenvolvimento económico A atividade económica de Timor-Leste encontra-se concentrada maioritariamente nos centros urbanos, onde habita a maioria da população, mas também nas planícies dos corredores norte e sul da ilha. Para permitir uma melhor repartição geográfica no que diz respeito ao desenvolvimento das atividades económicas e garantir um crescimento mais equilibrado, Timor-Leste pretende desenvolver um Quadro Nacional de Planeamento que abaixo se representa: Figura 23 Quadro Nacional de Planeamento Fonte: PEDN

112 O Quadro Nacional de Planeamento abrangerá dois Corredores de Desenvolvimento Regional: O Corredor de Desenvolvimento Norte (do Oeste de Díli para Liquiçá, Batugade e Mota ain até ao leste de Díli a Hera, Manatuto e Bacau); O Corredor de Desenvolvimento Sul (de Suai a Beaço). Poderá ainda incluir zonas especiais que poderão permitir o desenvolvimento de áreas geográficas de algumas regiões por forma a atenuar as diferenças entre as zonas rurais e não rurais. As Zonas Estratégicas Nacionais encontram-se repartidas nos Corredores de Desenvolvimento Regional Norte e Sul, na travessia fronteiriça, e no Enclave de Oe-Cusse Ambeno e são as seguintes: Díli-Tibar-Hera Zona relevante para serviços, comércio e desenvolvimento. Inclui o Porto de Tíbar e o complexo industrial de Hera; Suai-Betano-Beaço Zona Económica Especial que inclui quatro distritos (Covalima, Ainaro, Manufahi e Viqueque) e contém uma plataforma de abastecimento em Suai que permitirá o desenvolvimento da plataforma, de uma refinaria em Betano e o desenvolvimento de uma instalação de Gás de Petróleo Liquefeito (GPL) no Beaço; Liquiçá-Ermera-Aileu Zona com relevância para plantações (produção de café, alimentar); Manatuto-Baucau-Lautém Zona relevante e propícia ao desenvolvimento de novos setores tais como a criação de animais, plantação (noz moscada, coco e cacau), peixe e turismo. Bobonaro-Cova Lima Zona com importância para comércio, serviços de alfândega, imigração entre outros; Enclave de Oe-Cusse Ambeno Zona com potencial para o desenvolvimento do comércio internacional, pescas, criação de animais, plantação e turismo. Outro ponto relevante previsto no PEDN é a criação de ZEE que constituem áreas geográficas delimitadas às quais é aplicada uma legislação específica empresarial por forma a atrair IDE. A criação de ZEE em Timor-Leste irá permitir o aumento tanto do investimento nacional como do investimento estrangeiro aumentando a competitividade e o empreendedorismo na região. 112

113 3.4. Política Económica Perspetivas futuras Gráfico 81 - Crescimento do PIB real 6.4% 6.2% 6.0% 6.3% 6.1% 5.9% 5.9% 5.8% 5.6% 5.8% 5.7% 5.7% 5.7% 5.4% PIB Fonte: FMI Apesar da crise mundial, a atividade económica teve um crescimento significativo no período de Em 2012, o crescimento real do PIB de Timor-Leste atingiu 6,3%. Este crescimento ficou a dever-se em grande parte à política orçamental expansionista que anunciou como principais medidas um Plano Estratégico de Desenvolvimento Nacional (PEDN) para o período de No período de , o PIB previsto deverá manter-se nos 5,7%, prevendo-se de seguida para o período um novo aumento do PIB para 5,9%. Do ponto de vista económico, o PEDN ( ) prevê que, até ao ano de 2030, exista no país uma economia diversificada (não petrolífera) e ocorra uma diminuição substancial da pobreza extrema, permitindo assim a Timor-Leste situar-se nos países de rendimento médio superior. Para atingir o referido objetivo, o PEDN estabelece as três seguintes fases: 1ª fase Plano de Desenvolvimento a Curto Prazo (2015); 2ª fase Plano de Desenvolvimento a Médio Prazo ( ); 3ª fase Plano de Desenvolvimento a Longo Prazo ( ). Até 2015 (primeira fase), o PEDN prevê um desenvolvimento ao nível do setor agrícola, baseado principalmente num esperado aumento do nível da produtividade. Está também prevista uma expansão ao nível do setor do turismo. Adicionalmente, prevê-se o crescimento das PME s e o aumento da relevância do setor privado. De 2016 a 2020 (segunda fase), o PEDN prevê um crescimento económico, resultante principalmente da melhoria ao nível do setor das infraestruturas permitindo também a consolidação ao nível do setor privado. De 2021 até 2030 (terceira fase), o PEDN prevê que os níveis de pobreza até então existentes em Timor-Leste tenham diminuído significativamente e que tenha havido uma eliminação da pobreza extrema. Ao nível da economia, prevê-se que nesta fase exista uma economia diversificada (não-petrolífera). 113

114 Prioridades estratégicas de Timor-Leste Pese embora os avanços significativos verificados em determinadas áreas, Timor-Leste continua a debater-se no sentido de resolver alguns desafios. O Governo apresenta como principais prioridades para o progresso do país, o desenvolvimento das infraestruturas e o investimento neste setor, a educação e a criação de postos de trabalho. Por sua vez, o PEDN apresenta como principais objetivos, o desenvolvimento do país através do avanço ao nível da escolarização e qualificação da população, melhoria na prestação de serviços de saúde e melhoria ao nível do setor das infraestruturas, entre outras. A reestruturação e a diversificação da economia timorense constituem também uma das principais prioridades para o desenvolvimento do país. Para a concretização destas prioridades, PEDN prevê o desenvolvimento das seguintes áreas de atuação até 2030: Infraestruturas: o o o Investimentos em infraestruturas básicas (tendo como principal área de atuação as estradas e pontes, água e saneamento, eletricidade e telecomunicações); Remoção de entraves ao crescimento do país (tendo como principal atuação os portos marítimos, aeroportos); Instalação de banda larga (telecomunicações). Economia: o o o o o Economia de mercado e fortalecimento do setor privado (telecomunicações); Reforma do setor agrícola (desenvolvimento rural e agrícola); Autossuficiência no setor alimentar (agricultura); Pequenos e micro negócios (agricultura) Desenvolvimento do turismo. Capital Social: o o o Indústrias de pequenas dimensões (cultura e património); Mão-de-obra qualificada (educação e formação); Reforma do setor agrícola (desenvolvimento rural e agrícola). 114

115 3.5. Desenvolvimento económico Timor-Leste é um País com baixos rendimentos com um setor privado reduzido e emergente, com diversificação económica limitada e concentrado sobretudo na produção agrícola, dependente da produção petrolífera e com potencialidades no setor do turismo. Analisaremos cada um dos setores e autonomamente o setor petrolífero Agricultura Cerca de 75% da população de Timor-Leste reside em áreas rurais e, de acordo com seu o plano estratégico para o desenvolvimento , mais de 70% das famílias de Timor-Leste dependem de algum tipo de atividade agrícola para a sua sobrevivência. Os dados do último Censos à população de 2010 indicam que 68% da população com empregos remunerados nas zonas rurais trabalham para o Governo de alguma forma e 32% para o setor privado, por norma em pequenos ou muito pequenos negócios. Destes trabalhadores do setor privado, estima-se que apenas 10% sejam remunerados. Dada a dimensão e dependência da maioria da população do setor agrícola o Governo está apostado em melhorar a sua produtividade contribuindo para o aumento do rendimento per capita da população das zonas rurais o que, inevitavelmente, conduzirá a uma maior procura de outros bens e serviços nas áreas rurais, encorajando o crescimento do setor privado. A grande parte da produção agrícola destina-se à alimentação das famílias dos respetivos agricultores, havendo relativamente pouco comércio. A título exemplificativo, apenas 25% do arroz cultivado em Timor- Leste é comercializado. Os sistemas de irrigação em Timor-Leste necessitam de investimento de modo a que a sua rede possa ser requalificada e alargada e, por outro lado, os sistemas de retenção das águas é insuficiente para responder às necessidades durante o período de seca. De modo a aproveitar este potencial agrícola o governo pretende avançar com um projeto-piloto de construção de diques e avaliação da construção de barragens. Principais culturas e oportunidades associadas As principais culturas agrícolas de Timor Leste, de acordo com o último Censos, são o Milho, a Mandioca, os Vegetais, Coco e Café. Na cultura de subsistência, o arroz, é um alimento básico em Timor-Leste, com os principais distritos produtores de arroz (em Viqueque, Baucau, Bobonaro e Manatuto) a representarem cerca de, 77% da produção total. A produção local, não consegue responder à procura, pelo que Timor-Leste a restante procura é suprida pelas importações. O Milho é cultivado por 80% das famílias timorenses tendo sido identificado como objetivo do Governo para esta cultura melhorar a sua produtividade e capacidade de armazenamento. O Governo pretende dinamizar cultura de rendimento, através da dinamização de empresas agrícolas de valor acrescentado em áreas, tais como, a extração de óleo de coco e o processamento de café nas explorações agrícolas, utilizando melhores máquinas de descasque. 115

116 O café, a noz-moscada e o coco são as colheitas de rendimento com maior importância e que, no seu conjunto empregam cerca de agricultores, ainda assim, com uma grande margem de melhoria do seu potencial económico. O café constituiu em média nos últimos anos cerca de 80% das exportações não-petrolíferas. A exportação anual em 2011 foi de toneladas. As principais áreas de produção são Aileu, Ainaro, Bobonaro, Ermera, Liquiçá e Manufahi, com Ermera a representar metade da produção total de café. Embora Timor-Leste produza menos de 0,2% do fornecimento de café a nível global, possuí uma vantagem competitiva a nível da produção orgânica, dado que é um dos maiores produtores de café orgânico do mundo, o Timor Hybrid, um enxerto natural das variedades Robusta e Arábica, e reconhecido no mercado internacional como café orgânico de alta qualidade. No entanto, um dos principais problemas da agricultura é a posse das terras: por exemplo, as plantações de café envolvem grandes extensões de terreno e a existência de disputas prejudicam decisões sobre investimento e impedem a concessão do financiamento bancário por falta de garantias. Há assim um conjunto de questões que o Governo procura resolver de modo a melhorar a produtividade do setor agrícola entre as quais, programas para encorajar o setor privado em áreas rurais, programas de formação vocacional, reforma da lei da posse de terras e a dinamização de empresas agrícolas. Reforma da lei da posse de terras A reforma, da lei relativa a posse de terras, é fundamental, para o desenvolvimento a longo prazo, da agricultura, do setor privado e do desenvolvimento económico, em especial no que se refere a colheitas de rendimento, tais como: o café e outros potenciais indústrias agrícolas, que precisam atrair investimento. Timor-Leste enfrenta três tipos de desafios, na reforma das terras: terrenos agrícolas sob práticas consuetudinárias; terrenos urbanos, que necessitam de divisão em zonas e de direitos de propriedade claros, e terrenos do governo que podem ser utilizados para investimento publico e privado, como por exemplo desenvolvimento do turismo ou do petróleo. De momento não existem serviços de registo de terras mediante solicitação sendo que este facto contribui para a lentidão do desenvolvimento agrícola, sendo, a par deste facto, uma das principais causas que levam ao atraso do desenvolvimento económico timorense. Embora esta situação não coloque problemas aos agricultores de subsistência, dificulta, no entanto, o trabalho progressivo dos agricultores: por exemplo, um agricultor que pretenda obter um empréstimo bancário para investir em melhorias, a nível de irrigação, precisa ter uma garantia em como, o terreno em causa lhe pertence. Atualmente, estes agricultores não conseguem obter estas garantias e, como tal, não tem acesso a financiamento. Para corrigir este problema, será fornecido um serviço de títulos, mediante solicitação aos agricultores dispostos a pagar pelo serviço. Empresas agrícolas O setor privado será encorajado a fornecer serviços de desenvolvimento, em especial na área das empresas Agrícolas, a qual devera vir a ser uma parte muito importante do desenvolvimento do setor privado. Os serviços típicos podem incluir: Estudo de mercado; Desenvolvimento de estratégias de comercialização; Avaliação e planeamento de empresas; Política e advocacia; Formação e assistência técnica; Tecnologia e desenvolvimento de produtos; Mecanismos de financiamento. 116

117 Produtos florestais e de madeira sustentáveis A área florestal de Timor-Leste é de cerca de 50% da área terrestre total, o equivalente a aproximadamente hectares e apesar das principais extrações de madeira terem sofrido um excesso de exploração o governo está empenhado na reflorestação das suas principais espécies e na implementação de práticas sustentáveis da sua exploração. O recurso florestal mais abundante de Timor-Leste é o Bambu, dispondo de variedades ricas de espécies que incluem o Bambusa lako, o conhecido Bambu Preto, espécie que é altamente apreciada como bambu ornamental, na Austrália. Além do Bambu, a exploração das madeiras de mogno, teca e sândolo também representam oportunidades em Timor-Leste. No passado a indústria madeireira do sândalo foi um motor para a economia local, não sendo de ignorar o papel que pode voltar a vir a ter no futuro Turismo A beleza natural, história rica e património cultural de Timor-Leste, a proximidade à Austrália, as ligações à CPLP e a futura adesão à ASEAN, a estabilidade social, a política de vistos, a abertura ao investimento estrangeiro e a futura requalificação do aeroporto internacional contribuem para um forte potencial do setor do turismo. O setor do turismo, depois do forte crescimento registado em 2009 em virtude do aumento do número de quartos, entre 2010 e 2011 registou alguma estagnação em termos de dormidas apesar do aumento do número de hóspedes. De registar a existência de 18 hotéis em Timor-Leste. Os valores do quadro ao lado resultam de inquéritos aos hotéis com mais de 20 quartos. Tabela 26 Dormidas e hóspedes nos maiores hotéis ( ) Fonte: Direção Geral de Estatística de Timor Leste, relatório de 2012 O governo pretende dinamizar o setor do turismo, orientado o setor para o turismo relacionado com experiências turísticas que aproveitem a beleza natural, a cultura e o património. Pretende igualmente melhorar a sua oferta em nichos de mercado para visitantes que procurem turismo de aventura, mergulho com botija e turismo marítimo, caminhadas ou experiencias de turismo cultural e histórico. Serão visados os seguintes mercados: Turismo ecológico e marítimo; Turismo histórico e cultural; Turismo de aventura e deporto; 117

118 Turismo religioso e de peregrinação; Turismo de conferências e convenções (a médio prazo). A estratégia de desenvolvimento do turismo passa pela concentração da aposta do setor em três zonas turísticas em Timor-Leste: Oriental, Central e Ocidental. Zona Turística Oriental De acordo com o Governo, esta zona será um destaque das ofertas turísticas de Timor-Leste, com praias tropicais cristalinas e um cenário montanhoso impressionante, e oferecerá caminhadas de aventura, arquitetura portuguesa histórica e cultura local de aldeias. Zona Turística Central Sendo a capital e a principal porta de entrada do país, o governo pretende dinamizar o desenvolvimento turístico da cidade. Zona Turística Ocidental Pretende-se que a parte ocidental da Grande Estrada da Costa Norte, ofereça vários alojamentos do tipo de cabana ecológica e estância, refletindo o património e a história das comunidades locais. A cidade costeira de Liquiçá irá expor a sua arquitetura da era portuguesa e constituirá uma viagem com a duração de um dia a partir de Díli. Além das zonas turísticas previstas pelo Governo de Timor-Leste são de destacar o Ilhéu de Jaco e o Ilhéu de Ataúro, dada a sua beleza natural e as suas caraterísticas climáticas. 118

119 3.6. Infraestruturas e energia Timor-Leste apresenta um território atualmente constituído pela ilha de Timor, a ilha de Ataúro, o ilhéu de Jaco (no extremo leste) e pelo enclave de Oecussi- Ambeno. Do ponto de vista administrativo, Timor-Leste está dividido em 13 distritos, que por sua vez se encontram divididos em 67 subdistritos. Os 13 distritos são: Bobonaro, Liquiçá, Díli, Baucau, Manatuto e Lautém a norte, Cova-Lima, Ainaro, Manufahi e Viqueque a sul, Aileu situado no interior e Oecussi-Ambeno, que constitui um enclave no território indonésio. O estado das infraestruturas em Timor-Leste tem constituído um entrave ao crescimento do país, destacandose por exemplo, a fragilidade ao nível das infraestruturas de transporte, eletricidade, água e telecomunicações que constituem uma barreira ao investimento e consequentemente um entrave à competitividade do país. A construção e o desenvolvimento de infraestruturas constituem uma prioridade no seio da sociedade timorense, encontrando-se de momento em desenvolvimento vários projetos relacionados com este setor. Estes encontram-se previstos no PEDN de Timor-Leste e estão divididos pelas seguintes três fases: 1ª fase Plano de Desenvolvimento a Curto-Prazo ( ) - com principal enfoque no desenvolvimento de recursos humanos; indústrias estratégicas e infraestruturas; 2ª fase Plano de Desenvolvimento a Médio Prazo ( ) com principal enfoque nas infraestruturas, no reforço dos recursos humanos e na formação de mercados ; A Companhia Nacional de Petróleo de Timor-Leste, a TIMOR GAP, EP, assinou o seu primeiro contrato de partilha de produção em Abril de 2013, com ENI e a INPEX, permitindo assim a Timor-Leste participar diretamente, pela primeira vez, numa parceria de exploração e desenvolvimento de recursos de petróleo e de gás no Mar de Timor. Fonte: Ministro de Estado e da Presidência do Conselho de Ministros 3ª fase Plano de Desenvolvimento a Longo Prazo ( ) com principal enfoque na irradicação da pobreza extrema, no reforço do setor privado e na diversificação do setor nãopetrolífero. Gráfico/Imagem 82 Projeto de Tasi Mane, áreas de desenvolvimentoa Companhia O financiamento estimado para o desenvolvimento das infraestruturas previstas no país provém do OGE de Nacional de Petróleo de Timor- Timor-Leste, do BAsD e de um financiamento concedido pelo Japão. Leste, a TIMOR GAP, EP, assinou o seu primeiro contrato Em particular, no que toca setor das infraestruturas, apresentam-se de seguida as principais ações previstas de partilha de produção em neste setor, assim como a respetiva fase de concretização de cada uma. Abril de 2013, com ENI e a INPEX, permitindo assim a Petróleo Timor-Leste participar diretamente, pela primeira vez, O setor do Petróleo é um setor base para a economia de Timor-Leste, sendo numa essencial parceria para de o crescimento exploração e económico e para todos os projetos de investimentos promovidos pelo Governo. desenvolvimento de recursos de petróleo e de gás no Mar de Atualmente Timor-Leste não possui as infraestruturas, indústrias de apoio e recursos Timor. humanos fundamentais para o setor petrolífero. Fonte: Ministro de Estado e da Para atingir estes objetivos pretende instalar a Companhia Nacional de Petróleo, Presidência Timor do GAP, Conselho EP, de criada Ministros em Abril de 2013, em Tasi Mane na costa Sul, dinamizando um conjunto de valências e infraestruturas de apoio que permitam aos timorenses adquirir as qualificações e experiência de que necessitam, para liderar e gerir o desenvolvimento da indústria petrolífera. 119

120 O projeto de Tasi Mane O projeto Tasi Mane, um projeto plurianual que visa a criação de três polos industriais na costa Sul de Timor Leste. O projeto envolve o desenvolvimento da zona costeira que liga Suai a Beaco garantindo as infraestruturas necessárias para dinamizar uma indústria petrolífera doméstica em crescimento. O projeto de Tasi Mane inclui três áreas distintas (agrupamentos) que se complementam: (i) Área/agrupamento da plataforma de abastecimento de Suai; (ii) Área/agrupamento da Refinaria e Industria Petroquímica de Betano; (iii) Área/agrupamento da instalação de GPL de Beaco. Gráfico/Imagem 83 Projeto de Tasi Mane, áreas de desenvolvimento Gráfico/Imagem 84 Projeto de Tasi Mane, áreas de desenvolvimento (i) Plataforma de abastecimento de Suai O Governo pretende criar uma base logística para o setor petrolífero em Suai que permita desenvolver na Costa Sul, além do setor petrolífero nacional, indústrias e empresas relacionadas e de apoio ao setor. Esta base servirá de porta de acesso do material e equipamentos que serão necessários para construir as infraestruturas e instalações da indústria petrolífera. Esta plataforma, com cerca de 800ha, irá proporcionar uma alavanca para o crescimento da indústria geral em torno da área de Suai que se pretende seja um polo de formação de competências para as futuras Pequenas e Médias Empresas de Timor-Leste, permitindo a criação de empregos e oportunidades de negócios, e de catalisador para o desenvolvimento da região sul. O investimento público será usado para construir: Um porto marítimo em Kamanasa, Suai, incluindo parque de contentores, área logística de armazenamento, escritórios e instalações de armazenamento de combustível; Um complexo habitacional em Kamanasa; Uma indústria metalúrgica; Instalações de construção e reparação de embarcações; Reabilitação do Aeroporto do Suai. 120

121 (ii) Refinaria e Industria Petroquímica de Betano A Área/Agrupamento de Betano consistirá num parque industrial onde serão localizadas uma refinaria e instalações da indústria petroquímica, juntamente com uma cidade administrativa da indústria petrolífera. A cidade providenciara habitação e serviços sociais e formará uma nova base de emprego na costa Sul. O estabelecimento de um centro de refinaria e indústria petroquímica será concretizado através de cooperação entre o setor público e o setor privado. A Companhia Nacional de Petróleo de Timor-Leste terá um papel fundamental neste desenvolvimento. Pretende-se que na fase inicial se construa uma refinaria com capacidade para barris por dia, podendo aumentar este número de forma progressiva ate barris por dia, à medida que a indústria petroquímica for crescendo. Pretende-se, igualmente, que as necessidades domésticas a nível de combustível, tais como gasóleo, gasolina, combustível para aviões e asfaltos sejam cobertas por esta refinaria. Adicionalmente, muitos produtos da refinaria serão exportados de modo a aumentar o comércio de produtos de petróleo e de gás. Estão em estudo novas explorações de petróleo no mar, tendo sido retomadas analises a jazidas com utilização de novas tecnologias entretanto surgidas. A existência petróleo on-shore é uma matéria que ainda não foi estudada. Em Fevereiro de 2014, São Tomé e Príncipe e Timor- Leste reavaliaram o acordo de petróleo bilateral e vão avançar com um estudo para a criação de um consórcio de exploração onshore da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). Fonte: Governo de Timor-Leste (iii) Instalação de GPL de Beaco Estão em estudo novas explorações de petróleo no Pretende-se que o agrupamento da Instalação de GPL de Beaco seja a área onde mar, o tendo gasoduto sido de retomadas gás natural chegue a Timor-Leste e na qual seja localizada a instalação de GPL para processar analises o gás. a jazidas O agrupamento com irá incorporar o complexo da instalação de GPL e os desenvolvimentos de Nova Beaco utilização e Nova de novas Viqueque. tecnologias entretanto O aeroporto, existente em Viqueque, será renovado com capacidade para operar surgidas. como um aeroporto de chegada e saída para operadores da instalação de GPL, servindo igualmente como aeroporto regional. A existência petróleo on-shore A primeira fase do desenvolvimento da instalação de GPL será o estabelecimento é uma de uma matéria capacidade que ainda de não produção de 5 milhões de toneladas por ano (MTPA) ou um compressor, capacidade foi estudada. esta que poderá ser alargada, no futuro, para ate 20 milhões de toneladas por ano (MTPA) ou 4 compressores. Em Fevereiro de 2014, São Será construída uma estrada entre Suai e Beaco para ligar os três agrupamentos Tomé e apoiar e Príncipe o crescimento e Timor- da indústria petrolífera. Esta estrada será construída por etapas. Cada etapa será Leste desenvolvida reavaliaram de acordo o acordo com de a necessidade económica e o crescimento da indústria. Estima-se que o projeto tenha petróleo início bilateral até 2015 e vão e esteja concluído em 5 anos. avançar com um estudo para a criação de um consórcio de exploração onshore da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). Energia Fonte: Governo de Timor-Leste Têm sido feitos relevantes investimentos neste setor por parte do Governo, nomeadamente através da construção de duas centrais de produção de energia elétrica (através de diesel) e através da implementação de uma rede de distribuição de média tensão por todo o país. Apresentam-se abaixo as principais ações que irão ser desenvolvidas neste setor ao longo das três fases acima enunciadas. 121

122 1ª fase, até 2015: O desenvolvimento da rede elétrica por forma a chegar a toda a população e de forma ininterrupta (24 horas por dia); Construção de duas centrais elétricas em Hera e Betano (com 250 MW de eletricidade); A construção de um parque eólico de Lariguto; O estabelecimento de um centro solar na cidade de Díli; O desenvolvimento de um modelo de gestão para o setor baseado em regras internacionais; A realização de estudos de viabilidade a longo prazo por forma a atrair instalações de processamento de gás para Timor-Leste, possibilidade de construção de uma central termoelétrica tendo por base resíduos domésticos e industriais da cidade de Díli e potencial das centrais minihídricas em Timor-Leste. 2ª fase, até 2020: O desenvolvimento de fontes renováveis de energia, por forma a chegar a uma cada vez mais significativa parte da população timorense (estima-se que a cerca de metade da população); Prevê-se que aumente o fornecimento de energia solar (cerca de famílias). 3ª fase, até 2030: Acesso a energia elétrica por parte de todos a população, quer através da rede de distribuição elétrica, quer através da utilização de energia renovável. Água e Saneamento No que respeita ao setor da água e saneamento, existem diversos projetos previstos para a realização de obras de saneamento e distribuição de águas: 1ª fase, até 2015: Alargamento do acesso à água potável (para pelo menos a 75% da população); Melhoria das instalações sanitárias (atingindo 60% das áreas urbanas); Manutenção e melhoria do sistema de drenagem de Díli. 2ª fase, até 2020: Aumento do número de habitações com casas de banho diretamente ligadas ao sistema de esgotos; Aumento do número de habitações com fossas sépticas ou acesso a instalações sanitárias comunitárias; Aumento da disponibilização de água potável canalizada nas escolas públicas; 122

123 Desenvolvimento de infraestruturas para recolha, tratamento e eliminação de esgotos em Díli e melhoramento do sistema de drenagem em 13 distritos. 3ª fase, até 2030: Melhoramentos nos sistemas de drenagem de todos os subdistritos; Desenvolvimento de sistemas de esgotos adequados para todos os distritos e todos os subdistritos. O financiamento para as obras que se perspetival provêm do orçamento de Estado de Timor-Leste, do ADB (Asian Development Bank) e também de financiamento concedido pelo Japão. Transportes Transportes rodoviários O desenvolvimento de uma rede de estradas adequada constitui uma das prioridades do Governo para permitir a ligação entre as sedes dos diversos distritos: 1ª fase, até 2015: Atualização e ampliação da ligação rodoviária Díli-Matatuto-Baucau tendo em conta a observância de regras internacionais; Modernização e ampliação da ligação rodoviária Manatuto-Natarbora tendo em conta a observância de regras internacionais; Reabilitação da ligação rodoviária de Díli-Liquiça-Bobonaro; Conclusão das redes rodoviárias de Pante Makassar Oesilo Pante Makassar - Citrana Oesilo - Tumin; Reabilitação das estradas rurais por empresas locais; Realização de estudos de monitorização sobre as condições das estradas de forma a identificar eventuais necessidades de manutenção; Conclusão do plano para a Circular Rodoviária Nacional. 2ª fase, até 2020: Reabilitação de todas as estradas nacionais e regionais tendo em conta a observância de regras internacionais; Conclusão do projeto de reabilitação de Díli-Aileu-Maubisse-Aituto-Ainaro-Cassa; Conclusão do projeto de reabilitação de Suai-Cassa-Hatu Udo-Betano-Natarbora-Viqueque-Beaço. 123

124 3ª fase, até 2030: Conclusão da Circular Rodoviária Nacional; Construção de novas pontes para a facilitação do acesso aos eixos rodoviários, nacionais e distritais. Transportes marítimos Os portos comerciais em Timor-Leste são administrados e geridos pela autoridade portuária nacional, APORTIL, uma autoridade portuária, sob a supervisão do Ministério dos Transportes e Comunicações (MTC). Atualmente, Dili Porto é o único porto em Timor-Leste que lida com o tráfego internacional de carga seca. Dado que o Porto de Dili atingiu o limite da sua capacidade de gestão de carga e apresenta um capacidade de expansão muito limitada (incluindo espaço para armazenamento), o Governo decidiu em 2013 avançar com o projeto de construção de um novo em Tibar, Porto da Baía de Tibar, que irá substituir as movimentações de carga comercial no Porto de Dili. Estima-se que o novo Porto de Tibar esteja operacional em Os serviços de passageiros continuará a ser realizado no porto de Díli para que a nova operação do Porto da Baía de Tibar seja exclusiva a operações de carga. A gestão do Porto de Dili é da responsabilidade da APOTRIL, que gere igualmente o armazenamento e os serviços de amarração. Todos os serviços de movimentação de carga são geridos pelo setor privado, com 10 estivadores existentes, em O comprimento total do Porto de Dili é de 285 metros de cais e o que só permite a amarração de embarcações entre 3 a 4 mil toneladas de peso morto. Atendendo ao cais e às limitações geográficas do Porto de Dili, apenas pequenos navios conseguem atracar, normalmente com menos de 500 toneladas. Este é um porto de águas pouco profundas, o que obriga as embarcações de maior calado a fazer o transbordo da carga para outros navios, o que provoca atraso nas movimentações de carga para dentro e para fora do porto. As operações portuárias do Porto de Dili são dominadas por importações. As exportações apenas representam entre 2 a 5% da movimentação de contentores. De acordo com os dados da APORTIL, entre janeiro a outubro de 2012, a carga seca não contentuarizada totalizaram toneladas. Na sequência da apresentação de propostas, o governo timorense pré-seleccionou o consórcio luso-belga Mota-Engil Ambiente e Serviços, Mota-Engil Engenharia e Construção e Besik Group, as empresas Peninsular and Oriental Steam Navigation Company (P&O) do Reino Unido, subsidiária do grupo DP World do Dubai e International Container Terminal Services Inc. das Filipinas e o Bolloré Consortium de França A parceria público-privada com o governo de Timor-Leste contempla uma concessão de 30 anos para a construção, operação e manutenção do porto de Tibar, sendo previsto que os custos em capital se situem entre 300 milhões e 400 milhões de dólares. Nos termos do caderno de encargos, o governo de Timor- Leste pretende que a construção do porto de Tibar fique concluída e sejam iniciadas operações entre 2016 e 2017, dispondo de uma capacidade de processamento de carga de um milhão de toneladas/ano e possibilidade de receber navios comerciais e de passageiros. O projeto inclui a construção de uma estrada entre a capital, Dili, e Tibar, a uma distância aproximada de 10 quilómetros, um molhe, instalações diversas e sistemas de drenagem. In Macauhub, Março de

125 O tráfego de contentores no porto de Díli tem crescido fortemente nos últimos 5 anos a partir de TEU (contentor de 20 pés), em 2006, para TEU em Um crescimento médio de 22,7 por cento ao ano. Este crescimento deverá aumentar com o crescimento da economia de Timor-Leste. A construção de portos marítimos tem constituído uma prioridade por forma a facilitar o crescimento da economia timorense: 1ª fase, até 2015: Operacionalização do porto marítimo do Suai; Melhoramento das instalações portuárias de Com, Ataúro,Vemasse e Oe-Cusse Ambeno; Construção do porto de águas profundas de Tibar (próximo de Díli) em regime de parceria pública privada e empréstimo do Banco Mundial. 2ª fase, até 2020: Operacionalização do Porto de Tibar e funcionamento do mesmo como porto principal de Timor-Leste; Desenvolvimento das instalações portuárias em Caravela e na costa sul próximo de Beaço. Projeto do Porto da Baia de Tibar O projeto do porto de Tibar, localizado em zona de águas profundas, resulta de um Plano de Desenvolvimento a 30 anos para que a nova infraestrutura do porto de Tibar possa ir de encontro às necessidades a longo prazo da ilha de Timor-Leste. O custo inicial estimado do projeto é de cerca de US$ 424 milhões, dos quais o Governo de Timor-Leste contribui com US$ 346 milhões e o setor privado, um investimento de US$ 79 milhões. O projeto inclui a construção da seguinte infraestrutura, em duas fases, a primeira fase inclui: Gráfico/imagem 85 Projeto do Porto da Baía de Tibar Construção do terminal com dois cais de amarração, com a extensão de 630m, no lado ocidental da Baía de Tibar, atendendo às necessidades operacionais e minimizando os custos e os impactos ambientais/ sociais. Construção do terminal de contentores, a oeste do muro cais com uma capacidade entre TEU, para carga geral, alfândega e edifícios da administração para o sul. O desenvolvimento da fase 2 está dependente do desenvolvimento do Porto e do volume de tráfego, com o investidor 125

126 privado a ser parte do processo de tomada de decisão. O projeto a longo prazo inclui : Um projeto de cais final com uma capacidade para TEUs. A dragagem inicial deve ser suficiente para responder a uma previsão de operações de navios nos próximos 30 anos. Movimentação de carga com base em um conceito operacional moderno, flexível, usando guindastes de cais móvel, ferroviário, com capacidade de lidar com contentores e carga geral. Porto da Baía de Tibar Investimento do setor privado US$ 79 milhões Poupança por via da resolução do congestionamento do Porto de Díli - US$ 20.2 milhões Poupança por via da redução nos custos de frete e aumento da concorrência - US$ 7,6 milhões Potencial para expansão, se necessário, a longo prazo (a partir de 2044), embora esta expansão não esteja incluído na concessão inicial. É expectável que permita reduzir os custos de importação para o país e dinamize o crescimento econômico. O projeto do Porto da Baía de Tibar envolve uma forte Fonte: IFC Banco Mundial, 2013 cooperação entre várias instituições da Ajuda Pública ao Desenvolvimento, incluindo o International Finance Corporation, do Banco Mundial, a Public Private Infrastructure Advisory Facility (PPIAF) 47, que irá apoiar o desenvolvimento do quadro regulamentar necessário, bem como a Agência Australiana Porto para da o Desenvolvimento Baia de Tibar Internacional (AusAID). Investimento do setor privado US$ Estima-se que o novo porto tenha um efeito transformador económico, 79 eliminando milhões o congestionamento e permitindo mais tráfego com navios maior porte. O porto irá permitir um melhor acesso das mercadorias a Timor-Leste com menores custos para a importação e exportação de mercadorias, Poupança por incluindo via da resolução o comércio do com novos mercados. congestionamento do Porto de Díli - US$ 20.2 milhões Transportes aéreos concorrência - US$ 7,6 milhões O Aeroporto Internacional Presidente Nicolau Lobato, em Díli, é o único aeroporto internacional em Timor-Leste com ligações de serviços regulares com É expectável Darwin (Austrália), que sperado para reduzir Denpassar (Indonésia) e Singapura. Dado o crescimento económico os custos de importação para o país, recente de Timor-Leste é expectável que o tráfego aéreo aumente resultando Remodelação crescimento do Aeroporto econômico. nos próximos anos não tendo o aeroporto capacidade de resposta e Internacional (valores estimados) de segurança no caso do aumento do número de passageiros. Fonte: IFC Banco Mundial, 2013 O aeroporto internacional é gerido pela empresa estatal ANATL- Administração Navegação Aérea, responsável, entre outras funções, pela administração dos aeroportos nacionais e serviços de navegação aérea, pelo handling do aeroporto e abastecimento dos aviões. O atual terminal do aeroporto exige renovação e a pista de metros de comprimento apresenta uma extensão limitada que impedem aviões de maior porte aterrarem e, consequentemente, das ligações aos principais destinos possam ter uma menor limitação de carga. A renovação do aeroporto Presidente Nicolau Lobato tem sido Poupança por via da redução nos custos de frete e aumento da Investimento inicial do setor privado US$ 10 milhões dólar Número de passageiros adicionais por ano a Adequação a normas de segurança internacionais Crescimento sustentável e dinamização do turismo Fonte: IFC Banco Mundial, PPIAF é um mecanismo de assistência técnica de multi-doadores, financiado por 17 doadores bilaterais e multilaterais, a saber: Banco de Desenvolvimento Asiático, Austrália, Áustria, Canadá, Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento, França, Alemanha, International Finance Corporation, Itália, Japão, o Millennium Challenge Corporation, Holanda, Suécia, Suíça, Reino Unido, Estados Unidos, e do Banco Mundial. Fundos PPIAF estão soltos e subsídios são fornecidos em um basi orientada pela demanda O Governo de Timor-Leste anunciou a 8 de novembro de 2013, que decidiu atribuir o 126 contrato de construção do aeroporto do Suai, na costa sul do país, à empresa pública indonésia

127 identificada como uma prioridade nacional, que deverá ser implementado dentro do mandato do atual Governo ( ). O Governo de Timor-Leste pretende realizar obras de ampliação no Aeroporto Internacional Presidente Nicolau Lobato de modo a que a pista passe dos atuais metros para metros, bem como proceder à construção de um novo terminal em 2020, com capacidade para um milhão de passageiros por ano. O Governo de Timor-Leste anunciou a 8 de novembro de 2013, que decidiu atribuir o contrato de construção do aeroporto do Suai, na costa sul do país, à empresa pública indonésia Waskita Karya Por via do investimento na remodelação do aeroporto o Governo pretende aumentar outros setores da economia timorense, nomeadamente o turismo. Por outro lado, o Governo pretende que, deste modo, o aeroporto possa alcançar O Governo os padrões de Timor-Leste internacionais o que será mais um fator a contribuir para suas aspirações de se juntar à Associação anunciou de a Nações 8 de novembro do Sudeste Asiático (ASEAN). de 2013, que decidiu atribuir o contrato de construção do Este projeto apoiado pelo IFC-Banco Mundial, o Governo de Timor-Leste, será aeroporto realizado do através Suai, na de costa uma parceria pública privada. sul do país, à empresa pública indonésia Waskita O custo inicial do aeroporto deverá ser de acordo com o IFC de cerca de US $ Karya 25 milhões, dos quais 11 milhões dólares serão financiados através de investimentos do setor privado com o restante financiamento a ser da responsabilidade do Governo. Aeroportos regionais - Lospalos, Same, Viqueque, Suai, Baucau Timor-Leste está a desenvolver um programa de aviação distrital que identifique os atuais e futuros aeródromos, assim como as necessidades da financiamento para a modernização e reabilitação das mesmas. O plano incluirá a reabilitação ou construção de aeródromos, em Suai, Oe-Cússe Ambeno, Lospalos, Maliana, Viqueque, Same e Ataúro. O aeroporto de Baucau também será desenvolvido, como uma alternativa ao aeroporto de Díli, através da construção de uma torre de controlo e terminal. Projetos no setor dos transportes aéreos: 1ª fase, até 2015: Conclusão do plano para o Aeroporto Internacional Presidente Nicolau Lobato assim como as instalações e do novo terminal incluindo uma pista mais extensa; Reabilitação dos aeroportos distritais de Maliana, Baucau e Oe-Cusse Ambeno. 2ª fase, até 2020: Operacionalização do aeroporto de Baucau em substituição do aeroporto de Díli e operacionalização do mesmo como base militar; Operacionalização da rede de aeroportos distritais de Suai, Baucau, Oe-Cusse Ambeno, Lospalos, Maliana, Viqueque, Ataúro e Same; O Aeroporto Internacional Nicolau Lobato terá capacidade estimada para servir cerca de 1 milhão de passageiros por ano. 127

128 TIC O Governo entende que a existência de uma rede de telecomunicações operacional e moderna é fundamental. Nesse sentido pretende iniciar um conjunto de investimentos na construção de infraestruturas de telecomunicações que permita apoiar o desenvolvimento do setor da saúde e da educação, bem como fator de dinamização da economia. Em 2002, o governo concedeu o monopólio das telecomunicações a um único operador, a Timor Telecom, empresa participada pelo Grupo Portugal Telecom a 44,17%, por um período de 15 anos, que termina em O contrato de concessão exclusivo foi atribuído após concurso realizado para garantir uma rápida restauração dos serviços de telecomunicações em Timor-Leste. Desde então, a procura de serviços tem aumentado substancialmente, inclusivamente nas áreas rurais, entendendo o Governo que este mercado deverá ser mais competitivo. O Governo irá avançar com a liberalização do mercado e a introdução da concorrência, através da participação do setor privado. O contrato de concessão que atribuiu o monopólio das comunicações em Timor- Leste termina em O Governo anunciou a intenção de liberalizar o mercado através da participação do setor privado. Fonte: PEDN A dinamização do setor das telecomunicações permitirá dinamizar a educação através de salas de aula virtual, com alunos e professores em outras aldeias ou nações, e o acesso a materiais de pesquisa, tais como documentários, programas educacionais e novos livros digitais que terão o potencial de trazer melhorias educacionais. O contrato de concessão que atribuiu o monopólio das À medida que os custos unitários dos dispositivos de internet diminuírem, Timor-Leste comunicações poderá em aproveitar Timor- ao máximo a era da internet dinamizando o acesso das escolas à informação e ao Leste conhecimento. termina em A visão O deste progresso corresponde a um futuro em que cada aluno terá acesso individual à Governo rede, através anunciou de um a intenção portátil, ou computador fixo, como ferramentas educacionais online. de liberalizar o mercado através da participação do Por outro lado, pretende dinamizar o setor da saúde através de consultas online, setor via privado. vídeo, com médicos especialistas de modo que uma pessoa, nas montanhas de Timor-Leste, seja capaz de procurar aconselhamento médico em Díli ou em Singapura. O apoio em tempo real e interativo Fonte: PEDN e formação para profissionais de saúde, também se tornará possível em todo o País. 1ª fase, até 2015: Fornecimento de uma cobertura de telefone móvel a todos os habitantes; Acesso à internet de alta velocidade em todos os distritos e áreas adjacentes; Ligação à internet a partir de todas as escolas, postos e clínicas de saúde; Estabelecimento de regulação no mercado de telecomunicações. 2ª fase, até 2020: Acesso, em todo o território e por toda a população, a uma rede de internet de alta velocidade e fiável; Acesso a dispositivos portáteis de internet para todos os estudantes e profissionais de saúde; Inserção de Timor-Leste no chamado mundo tecnológico. O Governo de Timor-Leste pretende que todas as escolas tenham acesso à internet até 2015 e que cada aluno e profissionais da saúde possam dispor de um computador portátil para aceder a ferramentas educacionais online até

129 3.7. Abertura da economia e relações comerciais A intensidade das trocas comerciais de Timor Leste (exportações e importações) não tem apresentado uma tendência clara. As importações aumentaram entre 2008 e 2012, ao contrário das exportações, que após uma descida em 2009, registram um ligeiro aumento em 2010, mantendo-se estabilizadas desde então. O saldo da Balança Comercial de Timor Leste é acentuadamente negativo (tendência mantida nos últimos anos), o que indica um coeficiente de cobertura das importações pelas exportações negativo. Segundo dados da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), este coeficiente registou nos últimos anos valores percentuais sempre inferiores a 10%. Tabela 28 - Abertura da economia de Timor-Leste Timor Leste Abertura da economia 48 39,57% 35,95% 33,63% 30,12% 28,20% Taxa de câmbio 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00 Inflação (IPC, %) 9,1 0,7 6,8 13,5 11,8 Balança Comercial (US$) (256) (287) (281) (328) (368) Balança Corrente (em % do PIB) 304,0 163,1 190,5 218,6 n.d. Fonte: Banco Mundial. UNCTAD, UNCTADstat Com efeito, desde 2008 que Timor Leste apresenta um deficit comercial. Em 2012 registou um aumento das importações acompanhado pela estagnação das exportações, resultando num saldo comercial negativo mais significativo. Este facto ficou a dever-se fundamentalmente a um aumento das importações (provenientes da Indonésia e de Singapura). As importações do Timor-Leste têm origem, em grande parte, dos vizinhos da Ásia. Singapura, Indonésia e China foram os principais fornecedores, somando 78% do total em Destaque ainda para as importações ao Vietname (6%) e Austrália (5,3%), no mesmo ano. Paralelamente, também as vendas de Timor-Leste ao exterior estão concentradas nos países vizinhos da Ásia, que responderam por mais de metade das exportações do país em Singapura e República da Coreia foram os principais destinos das exportações, representando 84% do total. Destacaram-se também no mesmo ano, o Japão (14%) e a Alemanha (1%). As trocas comerciais entre Timor-Leste e a CPLP, em 2012, apresentaram um saldo comercial favorável à CPLP em cerca de US$ 0,4 mil milhões, contrariando o valor de cerca de US$ 0,3 mil milhões registado em 2011 favorável a Timor-Leste. Esta alteração surge fundamentalmente como resultado da intensificação das relações com Angola, de onde importou mais US$ 0,3 mil milhões em 2012, e de uma melhoria favorável à Balança Comercial brasileira, resultante o aumento das exportações do Brasil para a Indonésia e de uma simultânea redução das importações deste país. Timor-Leste apresenta um peso reduzido nas relações comerciais, sendo um país fundamentalmente importador da Indonésia. 48 [(Importações + Exportações)/PIB)]*

130 Importações % Importações (milhões US$) Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Importações Entre 2008 e 2012, as importações de Timor-Leste aumentaram de forma consistente, com destaque para a aceleração deste crescimento na segunda metade de 2011, comparativamente com o período homólogo, em 2009 e O aumento nos dois últimos anos ficou a dever-se ao acréscimo das importações de petróleo, relacionadas com a entrada em funcionamento da Central Térmica de Hera (central com capacidade de 36 MW e com linhas de transmissão de Hera para a Central de Díli). A Indonésia constitui o principal fornecedor de Timor - Leste, tendo representado 48% do total das importações em 2012, seguido, a larga distância, da Singapura, e da China, com quotas de 18% e 12%, respetivamente. De referir o ano atípico de 2010, no que respeita aos principais parceiros comerciais, em que surge a Índia como principal fornecedor de maquinaria e equipamentos, em particular embarcações e estruturas flutuantes, que vieram a representar cerca de 60% das importações de Timor-Leste nesse ano. Gráfico 87 - Evolução das importações de Timor-Leste e principais países de origem, % 90% 80% 70% 60% 50% 250 8% 0% 28% 0% % 6% % 18% Vietname Singapura Indonésia 40% 30% 20% 35% 46% 6% 0% 19% 43% 48% China Austrália 10% 0% 3% 7% 14% 5% 12% 12% 10% 6% 6% 5% Importações total Fonte: UNCTAD, UNCTADstat Analisando a relação comercial na vertente das importações de Timor Leste com os países pertencentes à CPLP, apenas o Brasil apresenta níveis significativos no que respeita ao volume de produtos importados pelo país à CPLP. O peso relativo do Brasil enquanto país exportador para Timor-Leste aumentou substancialmente entre 2010 e 2012, após a quebra significativa registada entre 2009 e

131 Importações (milhares US$) Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Gráfico 88 - Importações de Timor - Leste à CPLP, ,700 1,500 1,300 1, (100) Apenas o Brasil Brasil Moçambique apresenta níveis significativos no Fonte: UNCTAD, UNCTADstat que respeita ao volume de produtos Relativamente aos principais produtos importados por Timor-Leste em termos globais (Top importados Produtos, por conforme gráfico que se segue), destacam-se as importações de alimentos (21%), de máquinas e equipamentos Timor-Leste à de transporte (21%) e de combustíveis minerais, lubrificantes e outros materiais relacionados CPLP (17%). Juntos, estes três grupos de produtos totalizam quase 60% das importações timorenses. Apenas o Brasil apresenta níveis significativos no que respeita ao volume de produtos importados por 1689 Timor-Leste à CPLP Gráfico 89 - Importações de Timor-Leste - Top Produtos Alimentos e animais vivos Bebidas e tabaco 9% 21% Matérias-primas (exceto combustíveis) 21% 6% Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Óleos vegetais e animais, gorduras e ceras 7% Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados 13% 4% 2% 17% Maquinaria e equipamentos de transporte Outros artigos manufaturados Commodities e transações n.e. Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 Não obstante o peso dos produtos importados, em particular alimentos e equipamentos de transporte, importa realçar o crescimento que as importações de combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados tiveram entre 2010 e 2012 (mais 8% em 2011, face ao ano anterior, e mais 5% em 2012, face a 2011). 131

132 Gráfico 90 - Importações timorenses Evolução por tipo de produtos % Commodities e transações n.e. 100% 80% 3% 2% 6% 5% 2% 7% 9% 5% 7% 9% 30% 17% 12% 51% 60% 13% 10% 4% 14% 4% 3% 11% 4% 40% 2% 13% 4% 17% 13% 12% 7% 12% 5% 7% 6% 20% 3% 38% 6% 4% 1% 18% 2% 17% 21% 11% 0% % 21% Outros artigos manufaturados Maquinaria e equipamentos de transporte Bens manufaturados Químicos e produtos relacionados Óleos vegetais e animais, gorduras e ceras Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Matérias-primas (exceto combustíveis) Bebidas e tabaco Alimentos e animais vivos Fonte: UNCTAD, UNCTADstat Figura 24 Principais importações Timorenses da Indonésia Indonésia: 48% das importações de Timor Leste em 2012 Indonésia: Combustíveis 48% das minerais, importações lubrificantes de Timor e materiais Leste em 2012 relacionados 47 M US$ Bens Manufaturados 27 M US$ Alimentos e animais vivos 25 M US$ Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados 47 M US$ Bens Manufaturados 27 M US$ Alimentos e animais vivos M US$

133 Gráfico 91 - Importações timorenses da Indonésia 14% 16% 8% 5% 3% 15% 28% 8% 2% Alimentos e animais vivos Bebidas e tabaco Matérias-primas (exceto combustíveis) Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Óleos vegetais e animais, gorduras e ceras Químicos e produtos relacionados Bens manufaturados Maquinaria e equipamentos de transporte Outros artigos manufaturados Como um todo, os combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados são a fatia com maior peso nas importações de Timor - Leste, provenientes da Indonésia, seguido dos bens manufaturados (28% e 16%, respetivamente). Analisando em maior detalhe, importa destacar a importação de alimentos, assim como máquinas e equipamentos de transporte, que representam no seu total cerca de 30% do conjunto das importações. Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, 2012 Como um todo, os Figura 25 Principais importações timorenses de Singapura combustíveis minerais, lubrificantes e materiais Singapura: 18% das importações relacionados de Timor Leste são a fatia em 2012 com maior peso nas importações de Timor - Leste, provenientes da Indonésia, seguido dos Singapura: 18% das importações bens de manufaturados Timor Leste em (28% Maquinaria e equipamentos e 16%, de transporte 2012 respetivamente). 18 M US$ Analisando em maior Matérias-primas (exceto detalhe, combustíveis) importa destacar a importação de 15 M US$ alimentos, assim como Alimentos e animais máquinas vivos e equipamentos de transporte, que 11 M US$ representam no seu total cerca de 30% do conjunto das importações. Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, 2012 Maquinaria e equipamentos de transporte 18 M US$ Matérias-primas (exceto combustíveis) 15 M US$ Alimentos e animais vivos 11 M US$ 133

134 Gráfico 92 - Importações timorenses de Singapura 27% 4% 6% 13% 16% 22% 9% Alimentos e animais vivos Bebidas e tabaco Matérias-primas (exceto combustíveis) Combustíveis minerais, lubrificantes e materiais relacionados Bens manufaturados Maquinaria e equipamentos de transporte Relativamente aos produtos vindos de Singapura, destacamse as importações de máquinas e equipamentos de transporte (27%), matérias-primas (excluindo combustíveis) (22%) e de alimentos e animais vivos (16%). Com menor importância, mas ainda com alguma expressão económica, surge a importação de combustíveis, bebidas e tabaco. Outros artigos manufaturados Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, 2012 Figura 26 Principais importações timorenses da China XINJIA NG XIZA NG QING HAI CHINA Cheng du SICHU AN YUNN AN JILI N Sheny ang NEI HEB BEIJING LIAON SHI EI MONGOL ING Beiji TIAN NING SHAng XIA NXI SHAND JIN GAN ONG SU SHAA HEN JIANG NXI AN SU Shang ANH hai SHANGHA HUB I SHI CHONG EI UI QING HUN JIAN ZHEJI GUIZH AN GXI ANG OU Guangz hou GUANGUANGD GXI ONG MAC AU HAIN AN HONG KONG FUJI AN HEILONGJ IANG TAIW AN Relativamente aos produtos vindos de Singapura, destacamse as importações de máquinas e equipamentos de transporte (27%), matérias-primas (excluindo combustíveis) (22%) e de alimentos e animais vivos (16%). China: 12% das importações de Timor Leste em 2012 Com menor importância, mas ainda com alguma expressão Maquinaria e equipamentos económica, de surge transporte a importação de combustíveis, bebidas e China: 12% 16,4 das importações M US$ de Timor Leste tabaco. em 2012 Bens manufaturados 10 M US$ Outros artigos manufaturados 9,4 M US$ MALAYSIA BRUNEI Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 Maquinaria e equipamentos de transporte MALAYSIA BRUNEI 16,4 M US$ INDONESIA Bens manufaturados Arafura Sea Timor r 10 M US$ Indian Ocean INDONESIA Outros artigos Arafura manufaturados Sea Timor r 9,4 M US$ Great Barrier Reef Great Barrier Reef Coral Sea Coral Sea 134

135 Gráfico 93 - Importações timorenses da China (2012) 23% 7% 5% Alimentos e animais vivos Químicos e produtos relacionados 24% Bens manufaturados Maquinaria e equipamentos de transporte 40% Outros artigos manufaturados Fonte: UNCTAD, UNCTADstat As importações de Timor Leste à China estão concentradas em três grandes grupos de produtos, que representam no seu conjunto quase 90% do total das importações. A maquinaria e equipamentos de transporte representam 40% das importações de Timor-Leste à China, o que indica uma dependência quase total de Timor-Leste face aos países industrializados, e em especial, a dependência do país no desenvolvimento de infraestruturas locais. Em segundo lugar, com 24% das importações, estão os bens manufaturados (papel e fabricação de papel, couro, borracha e materiais ferrosos) e por último (23%) outros artigos manufaturados (materiais diversos e obras diversas). 135

136 Exportações % Exportações (milhões US$) Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Exportações Em 2012 o total das exportações atingiu 12 milhões de US$ (tendência mantida em 2011), o que, face a 2010, revela uma evolução negativa (quebra das exportações entre 2010 e 2011, de menos 4,7 milhões de US$). Nos últimos 5 anos, Singapura tem vindo a aumentar substancialmente o seu peso enquanto destino da exportações de Timor-Leste, sendo em 2012 o seu principal importador (66%). Este país, juntamente com a República da Coreia, responderam por 84% das exportações timorenses. Por outro lado, o Japão tem visto o seu peso diminuir bastante enquanto principal destino das exportações de Timor-Leste, posição que mantinha até Gráfico 94 - Evolução das exportações de Timor-Leste e principais países de destino, % % 80% % 0.3% % 83.3% % 32.6% 66.1% % 20% 0% 50.0% 26.8% 17.6% 9.5% 14.2% Austrália Alemanha Japão República da Coreia Singapura Importações total Fonte: UNCTAD, UNCTADstat 136

137 Exportações (milhares US$) Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Gráfico 95 - Exportações timorenses - CPLP Moçambique é, entre os países da CPLP, o maior importador de Timor - Leste Brasil Cabo Verde Moçambique Figura 27 - Principais exportações timorenses para MoçambiqueMoçambique é, entre os países da CPLP, o maior importador de Timor - Leste 4.05 Fonte: UNCTAD, UNCTADstat Moçambique é atualmente o principal destino das exportações timorenses dentro da CPLP, absorvendo cerca de 43% em 2011, e 59% em 2012, do total das exportações de Timor-Leste. Não obstante, o peso das exportações timorenses para os demais países lusófonos tem vindo a diminuir significativamente nos últimos 3 anos ( ). Figura 28 - Principais exportações timorenses para Moçambique Kasa Son TANZAMas Figura 29 - Principais Mzu exportações timorenses para Moçambique Mue Lubumb Lak da ZAI RE ZAM Peta Kab Lusa Za Har Lupa ZIMBA Catand ica Mut Chim oio Bei ra Gwa Francist BOTSW Vilancu Chicualac los uala Pala Pieters Massin gir SOUTH Xai Nelsp Xai Preto Map SWAZIL Mbab Pem Lichi Lilon ba nga Tet e Zom Indian Mila Mozambique Namp ula MOZAMBIQUE 0 MALAYSIA BRUNEI MALAYSIA BRUNEI Químicos e outros produtos relacionados 0,72 m US$ Bens manufaturados 0,41 m US$ INDONESIA Arafura Sea Fonte: UNCTAD, UNCTADstat, dados de 2012 Indian Ocean Timor r INDONESIA Arafura Sea Timor r Great Barrier Reef Coral Sea Coral Sea Great Barrier Reef 137

138 3.8. Principais setores de oportunidade 49 Timor-Leste tem uma economia pouco diversificada e de baixos rendimentos. No entanto, apresenta oportunidades económicas relevantes para se tornar num país competitivo e de rendimentos médios, por forma a diminuir as desigualdades existentes no seio da sua população (em termos de nível de rendimentos). Do ponto de vista económico, existem ainda setores que constituem oportunidades relevantes na economia timorense, nomeadamente os setores da agricultura, do turismo, do petróleo e gás natural, das infraestruturas e das TIC. No que diz respeito aos diversos setores, identificam-se na tabela abaixo as principais áreas suscetíveis de constituírem áreas/oportunidades de desenvolvimento: Tabela 29 Setores de oportunidade Fonte: PEDN Agricultura Turismo Petróleo Culturas alimentares Zona Leste Timor, Gás e Petróleo Culturas de rendimento Zona Central Tasi Man Pecuária Zona Oeste Costa Sul Pescas - - Floresta - - Água e saneamento Um dos setores com potencial desenvolvimento é o setor da água e saneamento, para o qual diversos projetos se encontram já previstos (cfr acima referido). As Águas de Portugal (AdP) reativaram a empresa participada em Timor-Leste no sentido de apoiar o desenvolvimento de infraestruturas, nomeadamente ao nível da água e do saneamento. A reativação da empresa tem como principal objetivo a prestação de serviços nas áreas de abastecimento, saneamento e recolha de resíduos. Desta forma pretende colmatar as deficiências do setor relacionadas com a falta de acesso a água canalizada e saneamento básico, nomeadamente na gestão de resíduos sólidos, saneamento e drenagem. Agricultura Outro dos setores com potencial para crescer economicamente. Foram feitos diversos investimentos, entre outros, em infraestruturas, máquinas agrícolas, sementes e fertilizantes. Constitui um setor de oportunidades para transformar a agricultura de subsistência numa agricultura de produção empresarial (incluindo produtos agrícolas, gado e pescas). Existem no entanto ainda um conjunto de necessidades a colmatar: Nível de formação de mão-de-obra do setor; Desenvolvimento de sistemas de irrigação; Rede de distribuição logística; 49 PEDN Banco Mundial 138

139 Capacidade de transporte do produtos agrícolas; Adequação às necessidades da população. O café, o continua a ser, além do petróleo os principais produtos de exportação de Timor-Leste e com forte capacidade de penetração nos mercados da ASEAN. Turismo Possui um elevado potencial para o desenvolvimento económico de Timor-Leste. Este setor encontra-se numa fase inicial do seu desenvolvimento. Constitui um setor de oportunidades em grande parte devido a localização de Timor-Leste na região Ásia Pacífico, mercado que se encontra em expansão. Existem limitações ao desenvolvimento deste setor nomeadamente no que diz respeito às infraestruturas existentes (por exemplo redes rodoviárias e poucas opções em termos de oferta de alojamento). Petróleo e gás natural Constitui um pilar fundamental da economia Timorense. O petróleo constitui um dos recursos naturais mais importantes da economia, sendo também a mais relevante fonte de receitas do OGE. É um setor que pode potenciar a criação de emprego. Além do petróleo a construção na costa Sul de uma zona/agrupamento de Gás de Petróleo Liquefeito no Beaço poderá constituir oportunidades para as empresas de construção ou de exploração de gás natural. Infraestruturas Destaca-se neste setor o projeto Tasi Mane, que permite a criação de vários polos industriais na costa Sul de Timor-Leste e tem em vista o desenvolvimento da zona costeira de Suai e Beaço, contribuindo desta forma para a criação de uma indústria petrolífera doméstica. Abrange ainda a plataforma de abastecimento do Suaio agrupamento da Refinaria e Indústria Petroquímica de Betano e o agrupamento de Gás de Petróleo Liquefeito no Beaço. Destacam-se igualmente as obras de requalificação nos aeroportos de Timor-Leste e em particular no aeroporto internacional, as obras de requalificação e construção da rede viária e os projetos de requalificação dos portos, em particular as obras de construção do novo porto da Baía de Tibar que poderá servir, em 2017, de posto comercial para Timor-Leste como plataforma para a região da ASEAN. TIC A abertura ao mercado em 2017 da concessão de licenças as comunicações em Timor-Leste, a modernização da rede de comunicação, a intenção do governo de atribuir a cada aluno e funcionário da saúde um computador portátil, assim como a criação de conteúdos de formação nas áreas da educação e saúde poderão constituir oportunidades a curto prazo para as empresas. Atendendo ao estado de desenvolvimento do país e confirmando-se a possibilidade de exploração de novas reservas de petróleo e gás é expectável um aumento do PIB per capita dos timorenses que, passando a dispor de maior rendimento, poderão criar novos setores de oportunidades, nomeadamente: 139

140 Setor da construção de habitação e habitação social; Recuperação e construção de novas estradas e acessos, em parte associado ao plano de desenvolvimento das infraestruturas rodoviárias, incluindo sinalética rodoviária; Educação e formação profissional através do desenvolvimento de competências nos vários níveis de formação e associados a programas de educação financiados por instituições financeiras de apoio ao desenvolvimento; O apoio ao desenvolvimento e formação dos funcionários públicos; O apoio ao desenvolvimento das estruturas e organismos públicos, entre outras, na área da saúde, das forças de segurança, militar, justiça, segurança social e finanças. O desenvolvimento de indústrias locais de apoio aos setores estratégicos de desenvolvimento: cimento, tijolos, tintas, aparelhos elétricos, máquinas para a construção civil, veículos de transporte de materiais, etc. O desenvolvimento de redes de distribuição alimentar; O desenvolvimento de empresas de transportes de bens; Empresas de prestação serviços vocacionadas para os setores de: oil&gas, construção e formação. Atendendo às necessidades de importação de Timor e ao reconhecimento da marca e qualidade dos produtos portugueses, identificamos de seguida alguns dos setores que poderão constituir oportunidades: Setor têxtil; Energia associados às redes de distribuição elétrica Setor associado aos materiais de impressão; Setor do papel e celulose; Plásticos; Alimentar Incluindo farinhas, azeite e óleo alimentar; Telecomunicações Incluindo aparelhos; Bebidas incluindo bebidas não alcoólicas; Mobiliário e peças; Indústria associada a produtos de limpeza e de higiene; Indústria farmacêutica; Indústria das conservas. 140

141 3.9. Financiamento à economia Principais bancos presentes 50 O sistema bancário em Timor-Leste encontra-se em fase de desenvolvimento, dispondo, à data, em três sucursais de bancos comerciais estrangeiros, que recebem depósitos, prestam serviços de câmbio externo e efetuam transferências internacionais. O sistema bancário do país é ainda composto por uma instituição especializada em microcrédito o Instituto de Microfinanças. Estabelecido em 2001 pela UNTAET ( United Nations Transitional Administration in East Timor ), fundado pelo BAsD, o seu estabelecimento tinha em vista a redução da pobreza no país, através da concessão de empréstimos de valor reduzido à população mais carenciada. Com o desenvolvimento do país, o Instituto de Microfinanças desviou-se do seu objetivo inicial, tendo o BAsD, em 2008, recomendado que o Instituto de Microfinanças passasse a operar enquanto banco comercial, para tanto tornando-se necessária a sua transformação numa sociedade anónima de capitais exclusivamente públicos as ações do Instituto de Microfinanças foram, nesse mesmo ano, transferidas na sua totalidade, para o Governo. Gráfico 96 - Rácio sucursais de bancos comerciais : adultos Número sucursais de bancos comerciais (por adultos) Os bancos a operarem no país prestam serviços limitados fora de Díli, assegurando um valor mínimo em empréstimos comerciais, tendo esta situação resultado numa procura sem resposta por financiamento a longo prazo e a taxas acessíveis. Estima-se que esta procura corresponda, aproximadamente, a US$ 50 milhões, tornando-se necessário, para o crescimento económico do país e o desenvolvimento do setor privado, que haja um maior acesso ao crédito. Apesar disso ainda existem restrições na concessão de crédito por não existir uma definição clara da propriedade de terras e de bens imóveis que impede a apresentação de garantias, pela impossibilidade legal de se efetuarem registos prediais (pelo facto de estes terem sido destruídos), pela falta de legislação nacional no sentido de regular instrumentos de financiamento, e ainda, pelo facto de o Estado não aplicar nem movimentar o seu dinheiro nos bancos que operam no território. 50 BAsD, 2013; Plano Estratégico de Desenvolvimento, Banco Mundial 141

142 Assim, o PEDN para o período entre 2011 e 2030 perspetiva a criação de um Banco Nacional de Desenvolvimento cujo único objetivo será o de conceder crédito a longo prazo ao setor privado timorense. O Banco Nacional de Desenvolvimento, que irá ser maioritariamente detido pelo Estado, concederá empréstimos que terão por base critérios comerciais normais a taxas de juro competitivas (e não concessionais). Cabe ao Banco Central do país supervisionar as instituições bancárias do país: Banco Nacional Ultramarino (sucursal do Grupo Caixa Geral de Depósitos); Australia and New Zealand Banking Group, Ltd (sucursal de banco australiano); Bank Mandiri (sucursal de banco indonésio). O Banco Central de Timor-Leste (BCTL), formalmente criado a 13 de setembro de 2011, tem como objetivo principal alcançar e manter um sistema financeiro e monetário sustentável, visando, consequentemente o desenvolvimento económico do país. O BCTL assegura ainda que os meios e sistemas de pagamentos são eficientes e eficazes, promovendo a segurança e credibilidade do setor. Cumpre referir que em agosto de 2013, e refletindo os avanços bancários no país, o BCTL anunciou o lançamento de um concurso internacional para a aquisição de um sistema de pagamento automatizado. Este sistema deverá ser implementado em 2015, passando a possibilitar transferências imediatas entre as entidades bancárias presentes em Timor-Leste Bancarização da população 52 Apesar do setor bancário em Timor-Leste estar ainda numa fase embrionária, o crescimento contínuo da economia do país ao longo dos últimos anos tem impulsionado um crescimento nos depósitos bancários 10,5% ao ano 53. Nas tabelas seguintes, constata-se esta evolução. Tabela 30 Depósitos bancários 2012 (em US$ milhões) 54 Mês Total depósitos Janeiro 338,76 Fevereiro 328,86 Março 344,46 Abril 354,94 Maio 338,86 Junho 359,21 Julho 379,33 Agosto 385,65 Setembro 384,04 Outubro 380,17 Novembro 394,78 Dezembro 414,62 52 BAsD, Estimativa BCTL para Banco BCTL 142

143 Tabela 31 Depósitos bancários 2013 (em US$ milhões) 55 Mês Total depósitos Janeiro 433,98 Fevereiro 412,74 Março 398,55 Abril 397,46 Maio 397,82 Junho 396,65 Julho 398,05 Agosto 404,53 Por outro lado, a concessão de crédito também tem vindo a aumentar. O crescimento do crédito ao setor privado foi 10,3% mais alto em junho de 2013 do que no ano anterior, tendo atingido um máximo de US$ 165,6 milhões. No primeiro semestre de 2013, registou-se um crescimento do crédito a particulares de 13,1%, e um aumento de 25,2% do crédito a empresas comerciais e financeiras Bolsa de valores 56 Timor-Leste não tem ainda bolsa de valores. No entanto, cumpre referir que vários EM da ASEAN se juntaram para criar um conjunto de bolsas de valores (ASEAN Exchanges), cuja capitalização bolsista ronda os US$ 2 mil milhões, oferecendo, coletivamente, mais de empresas onde investir. Esta colaboração inclui as bolsas de valores da Malásia, do Vietname, da Indonésia, das Filipinas, da Tailândia, e de Singapura. Ao disponibilizar mais oportunidades de investimento a um maior número de (potenciais) investidores, a ASEAN Exchanges pretende promover o mercado de capitais da região, bem como aumentar os níveis de liquidez dos EM participantes. Note-se ainda que a ASEAN Exchanges visa implementar medidas que racionalizem o acesso à região, introduzir mecanismos transfronteiriços de harmonização, e criar produtos centrados na região, o que poderá acabar por vir a beneficiar Timor-Leste (ainda que, por enquanto, o país não seja um EM efetivo da região, nem participe nesta colaboração). 55 Banco Central de Timor-Leste 56 Banco Central de Timor-Leste; 143

144 144

145 4.Investir em Timor-Leste 145

146 4. Investir em Timor-Leste 4.1. Breve descrição do mercado de trabalho e do regime de Segurança Social População Ativa Com pouco mais de 1 milhão de habitantes, Timor-Leste tem uma população ativa maioritariamente rural e masculina, que representa cerca de 53% dos seus habitantes. Com uma estrutura etária muito jovem, em que cerca de 41% da população tem menos de 14 anos e apenas cerca de 5% dos cidadãos atinge os 65 anos de idade, estima-se que a população ativa de Timor-Leste se mantenha em níveis bastante elevados nos próximos anos. Não obstante, Timor-Leste enfrenta ainda uma dificuldade significativa no que respeita à formação e literacia da sua população, na medida em que apenas cerca de 25% da população ativa tem capacidade de falar, ler e escrever em língua portuguesa. Este indicador é ainda mais negativo no que diz respeito à língua inglesa apenas cerca de 15% da população ativa tem capacidade de a falar, ler e escrever. Assim, de forma a aumentar o nível de mão-de-obra qualificada no país, o Governo de Timor-Leste pretende implementar a Política Nacional de Conteúdos Laborais (PNEC), a qual estabelece requisitos para o emprego e formação com o intuito de envolver os timorenses em projetos nacionais. O PNEC exigirá que todas as principais novas empresas assegurem que uma percentagem mínima do valor da mão-deobra em todos os principais projetos em Timor-Leste se destine ao emprego ou à formação acreditada de cidadãos timorenses. Esta política será aplicada às empresas internacionais a operarem no país e a todos os contratos governamentais. O Governo de Timor-Leste pretende ainda reforçar e fomentar a resolução de conflitos laborais através da criação de mecanismos de mediação e conciliação. Desemprego Objetivos da Parceria Estratégica entre Timor-Leste e o Banco Mundial: 1. Melhorar a gestão e distribuição de serviços nas áreas da educação, saúde, nutrição e proteção social; 2. Criar infraestruturas de base que permitam o acesso das populações aos mercados; 3. Promover o desenvolvimento económico do setor não-petrolífero; 4. Reforçar a capacidade das instituições no plano da qualidade e eficiência das suas despesas. Objetivos da Parceria Estratégica entre Timor-Leste e o Banco Mundial: Segundo os dados disponíveis mais recentes, divulgados em 2010, a taxa de desemprego no país ascende a cerca de 18%, registando-se uma evolução favorável relativamente aos 1. Melhorar dados apurados a gestão em e distribuição 2006, quando de o nível de desemprego ascendia a cerca de 20%. serviços nas áreas da educação, saúde, nutrição e proteção social; O Governo de Timor-Leste está empenhado na implementação de medidas que fomentem a criação de emprego, nomeadamente nas áreas rurais, onde reside cerca de 75% 2. da Criar população infraestruturas do país. de base que permitam o acesso das populações aos A aposta do Governo de Timor-Leste, expressa no Programa do Governo mercados; para a legislatura de 2012 a 2017, recai sobre o setor privado a operar nas áreas rurais e é focada em três indústrias essenciais: agricultura, turismo e petróleo. Tendo em vista o suporte ao crescimento destas três 3. Promover indústrias o essenciais, desenvolvimento o Governo económico pretende apoiar também os setores dos transportes e estradas, água do e saneamento, setor não-petrolífero; eletricidade, saúde e educação. 4. Reforçar a capacidade das instituições no plano da qualidade e eficiência das suas despesas. 146

147 Desigualdades Ainda que a Constituição do país estabeleça a igualdade de tratamento entre homens e mulheres em todos os aspetos da vida, alguns usos e costumes tradicionais entre géneros continuam a afetar a sociedade timorense. Desde a independência do país, o Governo de Timor-Leste tem vindo a desenvolver esforços sérios para corrigir a desigualdade de géneros, quer através de políticas e produção legislativa, quer por via de campanhas de sensibilização à população. Breve descrição do regime de Segurança Social A Lei n.º 6/2012, de 29 de fevereiro, aprovou o Regime Transitório de Segurança Social, que define a política de garantias do direito a pensões em caso de velhice, invalidez e morte para os trabalhadores do Estado. Não obstante, a Constituição da República Timorense prevê o direito à segurança e à assistência social para todos os cidadãos, sendo esta a primeira lei de Segurança Social existente no país. Apesar de ser aplicável apenas aos trabalhadores que apresentem vínculo de trabalho com o Estado timorense, espera-se que esta lei seja o primeiro passo para a criação de um sistema social único que abrangerá tanto os trabalhadores do setor público como os do privado. O Regime de Segurança Social atualmente em vigor é um sistema único ao abrigo do qual os seus benificiários e respetivos familiares terão acesso à mesma cobertura de riscos pelas prestações sociais e às mesmas condições na determinação dos montantes das pensões, regendo-se pelos princípios da universalidade e da igualdade. Os beneficiários do atual Regime de Segurança Social são as pessoas que desempenhem funções remuneradas no Estado e respetivos familiares, designadamente: Funcionários e agentes integrados em organismos da administração direta e indireta do Estado; Embaixadores, cônsules e os funcionários e agentes integrados em embaixadas ou postos consulares em Timor-Leste; Membros de conselhos de administração de organismos de administração indireta do Estado, que desempenhem funções a tempo inteiro; Pessoal administrativo de órgãos de soberania e instituições públicas; Magistrados judiciais, magistrados do Ministério Público e defensores públicos; Militares e pessoal civil das Forças de Defesa de Timor-Leste, bem como da Polícia Nacional de Timor-Leste; Pessoal nomeado exercer funções nos gabinetes dos titulares dos órgãos de soberania e dos membros do Governo. 147

148 4.2. Como investir em Timor-Leste? A Lei n.º 14/2011, de 28 de setembro, denominada Lei do Investimento Privado, unifica os regimes aplicáveis ao investimento privado interno e externo, não fazendo distinção entre ambos. O diploma veio, assim, criar um regime jurídico único, mais atrativo para os investidores. Ao abrigo do novo regime, o investimento pode ser destinado a todos os setores de atividade, exceto: Comercialização de propriedade imobiliária; Empreendimentos vocacionados para a venda direta de bens e equipamentos ao consumidor final; Prospeção, pesquisa e produção de petróleo e gás natural; Atividades na indústria extrativa de recursos minerais. A lei prevê que o investimento a realizar no país possa consistir no seguinte: Estabelecimento de uma empresa, nos termos da lei vigente no país; Aquisição de parte ou totalidade das participações sociais duma empresa ou participação no aumento de capital; Celebração e alteração de contratos de consórcio, associações em participação, joint ventures e qualquer outra forma de contrato de associação permitida, ainda que não prevista na lei vigente no país; Celebração e alteração de contratos envolvendo a propriedade ou a gestão de empresas, estabelecimentos de natureza agrícola, industrial e comercial, complexos imobiliários e outras instalações ou equipamentos destinados ao desenvolvimento de atividades económicas; Empréstimos ou prestações suplementares de capital feitos por um investidor a uma empresa onde participe ou quaisquer empréstimos relacionados com reinvestimento na empresa ou participação nos lucros; Compra, arrendamento ou aquisição de quaisquer outros direitos reais sobre bens imóveis em território nacional, quando essa aquisição se integre em projetos de investimento privado, em conformidade com a legislação vigente no país. Por forma a aceder aos incentivos e benefícios estabelecidos na Lei do Investimento Privado, os investidores deverão investir, pelo menos: US$ , no caso dos investidores nacionais residentes, devendo a percentagem de investimento em capital ser de, pelo menos, 10% do valor total do investimento ou reinvestimento; US$ 1,5 milhões, no caso dos investidores estrangeiros ou nacionais não residentes, devendo o investimento em capital consistir em, pelo menos, 50% do valor total do investimento ou reinvestimento; US$ , no caso de contratos de associação entre investidores estrangeiros e nacionais residentes, em que os nacionais residentes controlem, pelo menos, 75% das participações sociais com direito a voto das empresas envolvidas. A entidade responsável pela promoção e registo do investimento privado é a Agência Especializada de Investimento, que gere a concessão de Certificados de Investidor. Este certificado consiste num documento 148

149 comprovativo dos direitos e deveres do investidor e descreve os benefícios fiscais e incentivos aduaneiros a conceder pelo Estado, as condições de revogação do certificado e as seguintes obrigações do investidor: Data de início e de conclusão do projeto; Prazos de implementação e custos do projeto; Localização e infraestruturas requeridas; Bens e equipamentos de capital a importar; Postos de trabalho a criar e planos de capacitação funcional para trabalhadores efetivos timorenses; Autorizações de residência e vistos de trabalho necessários já obtidos e outros registos e licenças necessários já concedidos, designadamente fiscais, comerciais, de propriedade intelectual, de construção ou ambientais, entre outros, devidamente anexados. Pelo processamento e tramitação do pedido de concessão do Certificado de Investidor é cobrada uma taxa única de US$ 500 ou US$ 2.000, consoante se tratem de investidores nacionais ou estrangeiros, respetivamente, a qual deve ser paga no momento da submissão do pedido de autorização de investimento nos serviços competentes do Ministério das Finanças ou em conta bancária deste que vier a ser indicada. Após a concessão de autorização do projeto de investimento ou reinvestimento, este deve ser registado na Agência Especializada de Investimento, sendo este registo independente do registo comercial da empresa. A Lei do Investimento Privado confere ainda os seguintes direitos e deveres aos investidores: Deveres do investidor Direitos do investidor Cumprir a legislação de Timor-Leste e as obrigações previstas no certificado de Investidor; Observar os prazos de início, implementação e conclusão dos projetos de investimento ou reinvestimento, de acordo com o estabelecido pelo Certificado do Investidor; Empregar trabalhadores timorenses e promover a sua formação profissional para o desempenho de funções qualificadas de natureza técnica ou de gestão; Implementar as regras e procedimentos de proteção ambiental, de saúde e de segurança no trabalho, nos termos da legislação em vigor; Cumprir as regras e procedimentos aplicáveis em matéria de constituição de fundos e reservas, realização de provisões, contabilidade organizada e instrumentos de prestação de contas, nomeadamente atendendo às disposições da Lei das Sociedades Comerciais e demais legislação em vigor; Cumprir as regras e procedimentos aplicáveis à transferência de fundos conforme legislação em vigor; Igualdade de tratamento entre nacionais e estrangeiros, exceto quanto aos valores mínimos de investimento e propriedade da terra; Acesso aos tribunais; Defesa da propriedade privada, sujeito aos limites previstos pela Constituição; Direito de importação e exportação de bens e equipamentos; Direito de recurso ao crédito interno e externo; Direito à livre transferência de fundos para o estrangeiro; Direito à contratação de trabalhadores estrangeiros; Direito à proteção de direitos de propriedade intelectual; Direito ao sigilo profissional, bancário e comercial. Disponibilizar à Agência Especializada de Investimento e outras autoridades competentes os dados relativos ao seu empreendimento, mediante solicitação efetuada de acordo com a legislação aplicável no país. 149

150 Sumário de procedimentos para constituir uma sociedade comercial em Timor-Leste: Passo Tempo estimado Custos associados Depósito do capital social mínimo numa instituição bancária 1 dia n/a Verificação de que não existe nenhuma sociedade registada com o mesmo nome e registo do nome; e apresentação da documentação necessária junto do Ministério da Justiça Publicação dos Estatutos no Jornal da República (Boletim Oficial) 3 semanas n/a 30 dias n/a Pedido de número de identificação fiscal 7 dias n/a Notificar as autoridades do setor laboral, para verificar se os contratos de trabalho cumprem as leis em vigor (opcional) Requerer uma licença de atividade temporária ao Ministério do Turismo, Comércio e Indústria 2 dias n/a 21 dias US$ 105 Obter o carimbo da empresa e legalizar os livros da empresa 2 dias US$ 10 Obter o certificado final da empresa (Matrícula) 10 dias n/a 4.3. Incentivos e benefícios ao investimento Para além de definir o regime jurídico aplicável ao investimento interno e externo, a Lei do Investimento Privado regula o regime de benefícios e incentivos de natureza fiscal e aduaneira existentes em Timor-Leste, com vista a potenciar a atratividade do investimento e a flexibilidade de adaptação do regime de investimento timorense às necessidades dos investidores. A Lei do Investimento Privado aplica-se aos investidores privados, nacionais ou estrangeiros, entendendo-se como tal: Investidor privado: qualquer pessoa singular ou coletiva privada, nacional ou estrangeira, residente ou não residente, que seja titular de um Certificado de Investidor; Investidor estrangeiro: qualquer pessoa singular nacional de outro Estado ou uma pessoa coletiva em que, pelo menos, 25% das participações sociais com direito a voto sejam detidas por pessoas singulares nacionais de outro Estado ou por outras pessoas coletivas também estrangeiras; Investidor nacional: qualquer pessoa singular de nacionalidade timorense ou uma pessoa coletiva em que, pelo menos, 75% das participações sociais com direito de voto pertençam a pessoas singulares de nacionalidade timorense ou a outras pessoas coletivas também nacionais. Por outro lado, o investimento relevante para efeitos da Lei do Investimento Privado é qualquer investimento direto ou indireto no país realizado por conta e risco do investidor privado, com moeda ou outros bens suscetíveis de avaliação pecuniária, como: a) Bens e equipamentos de capital ou outros; b) Recursos financeiros provenientes de contração de empréstimos bancários; c) Participações de capital ou indústria em sociedades comerciais, bem como novas entradas ou prestações suplementares de capital; d) Tecnologia patenteada, processos técnicos, segredos industriais e modelos de utilidade, franchising e transmissão de know-how, marcas, logótipos, nomes ou insígnias de estabelecimento registados, bem como qualquer forma de propriedade intelectual; 150

151 e) Todos os direitos reconhecidos por lei ou contrato e todas as licenças ou autorizações emitidas de acordo com a lei. Qualifica ainda para efeitos de acesso aos benefícios e incentivos previstos na Lei do Investimento Privado o reinvestimento, isto é, qualquer investimento realizado num empreendimento com recurso aos lucros e dividendos resultantes da atividade económica desse empreendimento. Benefícios e incentivos O sistema de benefícios e incentivos visa atrair o investimento privado para zonas fora das áreas urbanas de Díli e Baucau, atribuindo aos projetos situados nestas zonas rurais condições mais vantajosas. Assim, consideram-se Zonas Especiais as seguintes regiões: Zonas Rurais - são aquelas localizadas fora dos limites dos seguintes subdistritos: Cristo Rei; Dom Aleixo; Nain Feto; Vera Cruz; e Baucau. Zonas Periféricas são as do distrito de Oe-cussi e do subdistrito de Ataúro. Tabela 32 - Incentivos fiscais ao investimento aplicáveis em Timor-Leste Imposto sobre o Rendimento Imposto sobre vendas (a) Imposto sobre serviços (b) Direitos aduaneiros e de importação Isenção no valor de 100% por um período de 5 anos a contar da data de início do projeto Isenção no valor de 100% por um período de 8 anos a contar da data de início do projeto Investimento ou reinvestimento a realizar fora das Zonas Rurais ou das Zonas Periféricas Isenção de 100% sobre todos os bens e equipamentos de capital utilizados na construção ou gestão do projeto de investimento ou reinvestimento, por um período de 5 anos a contar da data de início do projeto. Isenção de 100% nos empreendimentos vocacionados para a prestação de serviços especificados, nos termos indicados na Lei Geral Tributária, por um período de 5 anos a contar da data de início do projeto. Investimento ou reinvestimento a realizar total ou parcialmente em Zonas Rurais Isenção de 100% sobre todos os bens e equipamentos de capital utilizados na construção ou gestão do projeto de investimento ou reinvestimento, por um período de 8 anos a contar da data de início do projeto. Isenção de 100% nos empreendimentos vocacionados para a prestação de serviços especificados, nos termos indicados na Lei Geral Tributária, por um período de 8 anos a contar da data de início do projeto. Isenção de 100% dos direitos aduaneiros de importação sobre todos os bens e equipamentos de capital utilizados na construção ou gestão do projeto de investimento ou reinvestimento, por um período de 5 anos. Isenção de 100% dos direitos aduaneiros de importação sobre todos os bens e equipamentos de capital utilizados na construção ou gestão do projeto de investimento ou reinvestimento, por um período de 8 anos. Investimento ou reinvestimento a realizar total ou parcialmente em Zonas Periféricas Isenção no valor de 100% por um período de 10 anos a contar da data de início do projeto Isenção de 100% sobre todos os bens e equipamentos de capital utilizados na construção ou gestão do projeto de investimento ou reinvestimento, por um período de 10 anos a contar da data de início do projeto. Isenção de 100% nos empreendimentos vocacionados para a prestação de serviços especificados, nos termos indicados na Lei Geral Tributária, por um período de 10 anos a contar da data de início do projeto. Isenção de 100% dos direitos aduaneiros sobre todos os bens e equipamentos de capital utilizados na construção ou gestão do projeto de investimento ou reinvestimento, por um período de 10 anos. 151

152 Benefícios comuns a todas as Zonas São considerados como custos, para efeitos de determinação da matéria coletável, até 100% de todas as despesas realizadas com a construção e reparação de infraestruturas de acesso viário, não associadas ao exercício de atividades empresariais tributáveis, que beneficiem trabalhadores e populações das respetivas áreas. Para além das isenções referidas nesta tabela, são considerados como custos fiscalmente dedutíveis as despesas de formação funcional dos trabalhadores efetivos timorenses realizadas nos termos previstos no plano de capacitação especificado pelo Certificado de Investidor. O Estado timorense pode celebrar com os investidores titulares de Certificado de Investidor um contrato de arrendamento de um imóvel do Estado, pelo prazo máximo de cinquenta anos, renovável por igual período uma única vez. (a) A lei define as categorias e quantidades de bens e equipamentos de capital isentos de pagamento de imposto sobre vendas face a cada setor de atividade económica, bem como as condições de revenda após o respetivo desalfandegamento. Governo timorense quer investimentos de Portugal para acelerar desenvolvimento Jornal Expresso, 24 de maio de 2013 (b) A lei define as categorias e quantidades de bens e equipamentos de capital isentos de pagamento de direitos aduaneiros de importação face a cada setor de atividade económica, bem como as condições de revenda após o respetivo desalfandegamento. Procedimentos a adotar para aplicação dos benefícios fiscais previstos Os benefícios fiscais e incentivos aduaneiros a conceder pelo Estado timorense aos investidores são especificados no Certificado de Investidor. A Agência Especializada de Investimento está encarregue de remeter cópia de cada Certificado de Investidor que preveja benefícios fiscais ou aduaneiros às autoridades competentes do Ministério das Finanças. Por outro lado, os investidores titulares de um Certificado de Investidor que preveja benefícios fiscais devem submetê-lo, numa base anual, ao Ministério das Finanças, juntamente com a declaração de imposto e outros documentos necessários, declarando que não pagam imposto Principais mecanismos de financiamento O setor privado de Timor-Leste tem vindo a enfrentar obstáculos ao seu desenvolvimento devido à dificuldade ou inexistência de disponibilização de crédito a longo prazo com taxas acessíveis. Deste modo, os principais mecanismos de financiamento dos investidores continuam a ser as linhas de apoio ao investimento oriundas do exterior. Perante os problemas de acesso a financiamento, o Governo assumiu o objetivo político de estabelecer um Banco Nacional de Desenvolvimento com capacidade para estimular o crescimento do setor privado. Este banco irá conceder crédito para lá da disponibilidade de outras entidades bancárias, incidindo a sua ação apenas em empréstimos, de forma a dar resposta à procura de crédito comercial que ainda não é satisfeita pelo mercado. Outro meio de obtenção de financiamento poderá ser o Banco Nacional de Comércio de Timor-Leste, responsável pelo financiamento da atividade das micro, PME e particulares, através de mecanismos de microcrédito. 152

153 Ainda assim poderão procurar-se soluções junto da banca comercial no país de origem do investimento. Por outro lado, a SOFID Sociedade para o Financiamento do Desenvolvimento uma sociedade financeira portuguesa, de capitais maioritariamente públicos, que fará parte do futuro banco de fomento de Portugal, que tem como missão ajudar a promover o crescimento económico e social de países emergentes e em vias de desenvolvimento, nomeadamente de alguns dos países da CPLP, como é o caso de Timor-Leste. Neste âmbito, podem apresentar projetos de investimento à SOFID empresas privadas e públicas, desde que geridas de forma comercial, e com uma participação acionista portuguesa mínima de 20%, cujos projetos cumpram os seguintes requisitos: Sejam investimentos de raiz, ampliações, reabilitações, modernizações ou aquisições de ativos; Integrem programas setoriais (múltiplos projetos promovidos por um único mutuário, PPPs, projetos regionais, parcerias entre empresas/empresários portugueses e de outros países); Não sejam projetos com impactos sociais ou ambientais negativos, nem projetos de caráter especulativo ou que envolvam trabalho infantil, entre outros; Os mutuários não sejam sociedades offshore sedeadas em locais que integrem a lista da OCDE de paraísos fiscais não cooperantes. Vale a pena notar que são apoiados todos os setores relevantes para o desenvolvimento sustentado dos países de destino e que correspondam aos interesses da economia e das empresas portuguesas, mas são privilegiados os setores da agroindústria, da indústria transformadora, das infraestruturas, da energia, do turismo, comércio e serviços e ainda o setor financeiro. O montante mínimo de financiamento é de 250 mil euros e o máximo é de 2,5 milhões de euros. A SOFID, membro da EDFI (Association of European Development Finance Institutions), à semelhança das Instituições Financeiras ao Desenvolvimento locais, disponibiliza os seguintes tipos de produtos financeiros: Empréstimos de longo prazo, com taxas a juros de mercado ou bonificados; Participações de capital (private equity); Financiamento mezzanine ; Garantias; Donativos destinados ao financiamento de atividades específicas nos países de menor rendimento; Produtos de gestão de risco; Apoio à realização de estudos de sustentabilidade do projeto. Através da SOFID, ou do futuro banco de fomento, é possível também aceder a financiamento no âmbito do Fundo UE-África para as Infraestruturas, que canaliza fundos do Banco Europeu de Investimento (BEI), quer para entidades privadas quer públicas, para investimentos com carácter transfronteiriço ou regional, nos setores da energia, transportes, água, saneamento e tecnologias de informação. Outro instrumento disponível para o financiamento de investimentos de grande dimensão, e com reconhecido impacto económico, é o Fundo de Cooperação China-Países de Língua Portuguesa (Fundo). Este fundo, criado em 2010 com o intuito de fortalecer a cooperação e as relações de investimento entre a China e os países de língua portuguesa, disponibiliza um total de mil milhões de US$ para projetos de investimento que promovam a melhoria da qualidade de vida das populações e o desenvolvimento social e económico dos países destinatários do financiamento. Um dos critérios elegíveis para obtenção do financiamento é a aposta na utilização de tecnologia industrial avançada. O acesso a este fundo faz-se através do preenchimento da candidatura por parte da empresa ou investidor interessado, e depende da decisão da comissão de investimento, composta por membros da equipa de gestão do Fundo. Os montantes máximos de investimento em cada projeto são determinados pela equipa de gestão do Fundo e podem variar entre 5 e 20 milhões de US$. 153

154 No que se refere aos veículos de investimento, o Fundo admite a utilização de diversos instrumentos, adaptados em função das características das empresas e da natureza dos projetos. Nesse sentido, para além dos instrumentos de capital diretos, tais como ações ordinárias de empresas ou projetos, admite-se ainda investimentos de quasi-capital (instrumentos híbridos de capital e obrigações convertíveis) Competitividade de Timor-Leste Atratividade de Timor-Leste no contexto regional De acordo com os dados do relatório do Banco Mundial, no contexto da ASEAN, Timor-Leste é o país que está pior classificado quando se avalia a facilidade em fazer negócios. Tabela 33- Doing Business Posição por país da ASEAN Países Facilidade em fazer negócios Abertura de empresas Obtenção de alvarás de construção Obtenção de eletricidade Registo de propriedade Obtenção de crédito Singapura Malásia Tailândia Brunei Vietname Indonésia Camboja Filipinas Laos Timor- Leste Nota: O relatório não contém dados sobre o Mianmar. Analisando os fluxos do IDE indicados pelo World Investment Report (Relatório sobre os investimentos mundiais), das Nações Unidas, verifica-se que Timor-Leste registou em 2012 um volume de IDE de US$, 42 milhões o que corresponde a 0,04% do total de IDE da ASEAN (US$ milhões). 57 O Doing Business é uma publicação do Banco Mundial e da Sociedade Financeira Internacional que compara a regulamentação existente para fazer negócios e a sua implementação, em 183 países. 154

155 Tabela 34 IDE na ASEAN em 2012 Países Investimento em 2012 (em milhões de US$) Contributo para os valores de IDE na região Singapura % Indonésia ,8 % Malásia % Tailândia ,7 % Vietname ,5 % Filipinas ,5 % Mianmar % Camboja ,4 % Brunei 850 0,8 % Laos 294 0,26 % Timor-Leste 42 0,04 % Total % 4.6. Principais constrangimentos ao IDE e Exportação Exportações/Importações Barreiras aduaneiras: tarifas, barreiras não tarifárias, outros impedimentos O quadro legal aduaneiro tem sido alvo de uma profunda reforma, realizada pelo Governo de Timor-Leste, levando a alterações na regulamentação relativa ao Regime de Importação. O objetivo do processo passa por dotar a Administração Alfandegária de uma estrutura moderna e ágil, quer na sua relação com os agentes económicos, quer na área dos procedimentos estabelecidos. A Pauta Aduaneira de Timor-Leste (PAT) estabelece o quadro aduaneiro das mercadorias importadas, devendo a respetiva nomenclatura seguir o Sistema Harmonizado de Designação e Codificação das Mercadorias. É fundamental fazer acompanhar as mercadorias, pelo menos, dos seguintes documentos: Fatura comercial, com designação genérica das mercadorias e indicação do respetivo valor; Certificados sanitários e fitossanitários; Certificados de qualidade; 155

156 Documentos de transporte. Sempre que solicitado, a origem das mercadorias será justificada mediante a apresentação de um certificado de origem ou documento equivalente. A partir desse momento, os bens introduzidos no território são passíveis de controlo e podem ser submetidos à fiscalização alfandegária. Para que alguns produtos possam dar entrada em território timorense, nomeadamente plantas e animais vivos, produtos transformados de origem animal, cosméticos, máquinas agrícolas e alguns bens alimentares, é necessária a obtenção de uma licença de importação. O Código Aduaneiro foi aprovado pelo Decreto-Lei n.º 11/2004, e consagra a existência de Regimes Suspensivos e de Regimes Aduaneiros Económicos, entre os quais é exemplo o Regime de Importação Temporária. Regra geral, os direitos aduaneiros incidentes sobre as importações ascendem a 2,5% do valor aduaneiro das mercadorias (ad valorem, incluindo custo, seguros e fretes). No entanto, entre outras situações, estão isentos de direitos aduaneiros de importação os seguintes bens: Bens reimportados na mesma condição em que foram exportados; Bens, com exceção de álcool e tabaco, importados por organizações de solidariedade social registadas ao abrigo de qualquer legislação de Timor-Leste promulgada para esse efeito, quando esses bens se destinam a ser usados para fins de assistência humanitária, educação ou cuidados de saúde; Bens importados temporariamente, desde que o importador preste garantia relativa a direitos aduaneiros de importação nas condições exigidas; Bens para consumo dos funcionários internacionais da UNMIT 58 ou membros da Força de Manutenção da Paz dos países que forneceram contingentes militares, desde que os bens sejam vendidos de acordo com as regras de venda estabelecidas. Sobre as importações, e para além das tarifas alfandegárias previstas, há ainda lugar ao pagamento de: Imposto Seletivo de Consumo, a taxas variáveis consoante o tipo de produto em causa, conforme descrito tabela 33 infra; Imposto sobre Vendas, à taxa de 2,5%, que incide sobre o valor aduaneiro dos bens, acrescidos dos Direitos Aduaneiros de Importação e do Imposto Seletivo de Consumo, caso este se aplique. O Regime de Entreposto Aduaneiro é aplicável às pessoas coletivas que compram mercadorias, permitindolhes importar e armazenar bens em regime suspensivo, pagando os impostos devidos somente no momento da sua introdução ao consumo, à saída do entreposto aduaneiro e nos termos e nas condições previstas na lei. 58 UNMIT - United Nations Integrated Mission in Timor-Leste (Missão Integrada das Nações Unidas em Timor-Leste) 156

157 Entrada e saída de capitais Transferência de fundos para o estrangeiro ao abrigo da Lei do Investimento Privado Nos termos da lei que regula o investimento privado em Timor-Leste, é garantido a todos os investidores (que possuam um Certificado de Investidor) o direito de livre transferência de fundos provenientes de qualquer investimento em Timor-Leste para o estrangeiro, nomeadamente: Lucros e dividendos distribuídos em resultado da realização de um investimento; Capitais provenientes da alienação, liquidação e extinção de participações sociais ou empresas que constituam investimento, bem como a alienação de ativos de empresas que constituam propriedade do investidor; Capitais resultantes da redução de capital social de uma empresa que constitua investimento; Montantes devidos em função de contratos que constituam investimento, de acordo com as formas de investimento previstas na Lei do Investimento Privado; Prestações devidas em função de amortizações ou pagamento de juros financeiros que constituam investimento, de acordo com as formas de investimento previstas na Lei do Investimento Privado; Rendimentos pessoais obtidos no âmbito do exercício de funções de gestão e administração face a atividades económicas em que participe como investidor; Rendimentos provenientes da cedência de direitos de propriedade intelectual que constituam investimento; Indemnizações devidas pelo Estado, tendo por base a requisição ou expropriação por utilidade pública de parte ou de toda a propriedade de um investidor; Pagamentos resultantes de disputas sobre o investimento. Conversão de valores para moeda estrangeira A Lei do Investimento Privado refere ainda que todos os investidores podem requerer a conversão de valores para moeda estrangeira através do sistema bancário, bem como transferir esses valores para o estrangeiro para cumprimento de obrigações financeiras assumidas face a investimentos realizados, tais como: Pagamento de importações; Pagamento de capital ou juros de empréstimos contraídos no estrangeiro; Pagamento de direitos e serviços de gestão. Limitações O direito de livre transferência de fundos para o estrangeiro é apenas limitado pela aplicação de legislação de carácter geral, tal como a legislação fiscal e ambiental, e o cumprimento de todas as decisões judiciais. 157

158 Estabilidade legal e fiscal - Barreiras legais, fiscais e regulamentares Desde o processo de independência do país que têm sido desenvolvidos esforços para reformar o sistema fiscal de Timor-Leste. Durante a Administração Transitória das Nações Unidas, que exerceu a autoridade executiva e legislativa durante o período de transição para a independência, foram aprovadas múltiplas alterações que transformaram por completo o sistema fiscal, consagrando um quadro legal que visa proteger os interesses do (novo) Estado e dos próprios contribuintes. Assim, em 2008, entrou em vigor a Lei Tributária (Decreto nº 11/II), lei que agrega e especifica os impostos e os deveres dos contribuintes em Timor-Leste. De notar que a atividade petrolífera desenvolvida na área abrangida pela Área Conjunta de Desenvolvimento do Petróleo (Joint Petroleum Development Area - JPDA) no Mar de Timor, assim como a desenvolvida em Timor-Leste onshore e off-shore está sujeita a regras próprias. Tabela 35 - Resumo com os principais impostos de Timor-Leste Imposto Taxa Sujeito passivo/base tributável Imposto sobre o Rendimento 0% 10% 10% Pessoa singular residente com rendimento tributável até US$ Pessoa singular residente com rendimento tributável acima de US$ 6.000, incidente sobre o rendimento mundial Pessoa singular não residente, incidente sobre rendimentos de fonte timorense 10% Pessoa coletiva, incidente sobre rendimentos de fonte timorense 0% Salários mensais inferiores a US$ 500 Imposto sobre Salários 10% Salários mensais superiores a US$ % Salários de não-residentes Imposto sobre Vendas Imposto sobre Serviços Imposto de Retenção Aplicáveis aos Serviços 2,5% Bens tributáveis importados para Timor-Leste 0% 0% 5% Bens tributáveis vendidos em Timor-Leste e serviços tributáveis prestados em Timor-Leste Volume de negócios mensal sobre serviços de hotelaria, restaurante e bar e telecomunicações inferior a US$ 500 Volume de negócios mensal sobre serviços de hotelaria, restaurante e bar e telecomunicações superior a US$ 500 2% Rendimento de uma atividade de construção ou edificação 4% Rendimento de serviços de consultoria para construção 2,64% Rendimento de serviços de transporte aéreo ou marítimo 4,5% US$ 1,90 por litro Rendimento de uma atividade de exploração mineira ou de apoio à extração Mineira Cerveja Imposto Seletivo de Consumo US$ 2,50 por litro US$ 8,90 por litro US$ 19,00 por kg US$ 0,06 por litro Vinho, vermute e outras bebidas fermentadas Álcool etílico e outras bebidas alcoólicas Tabaco e outros produtos derivados do tabaco Gasolina, gasóleo e outros derivados do petróleo 158

159 Imposto Taxa Sujeito passivo/base tributável 35% do valor que exceda US$ % do valor Armas e munições Automóveis ligeiros de passageiros cujo valor exceda US$ % do valor Isqueiros para fumadores 12% do valor Cachimbos para fumadores 20% do valor Barcos de recreio e aviões privados Timor-Leste regista bons resultados no ranking do Relatório Paying Taxes da PwC, destacando-se dos restantes países de língua oficial portuguesa. Para este resultado, contribuem os níveis relativamente baixos de impostos sobre os lucros das empresas, o tempo reduzido que é gasto com o cumprimento das obrigações fiscais e o escasso número de pagamentos que a Administração Fiscal requer que sejam efetuados. Doing Business 2013 Posição no ranking por país da CPLP Países Paying taxes Timor-Leste 61 Portugal 77 Cabo Verde 102 Moçambique 105 São Tomé e Príncipe 144 Guiné-Bissau 146 Angola 154 Brasil Obtenção de vistos Existem 6 modalidades de vistos para entrada em Timor-Leste: (i) o visto de trabalho, (ii) o visto de turismo e de negócios, (iii) o visto de trânsito, (iv) o visto de estudos, (v) o visto cultural e (vi) o visto para fixação de permanência. (i) Visto de trabalho: Destina-se a permitir ao seu titular a entrada em território timorense a fim de exercer temporariamente uma atividade profissional, a qual pode ser remunerada ou não remunerada, como trabalhador assalariado, trabalhador independente ou como profissional especializado. Com vista à sua obtenção, o requerente deve: Demonstrar o objetivo de trabalho, fornecendo para o efeito os documentos necessários e as declarações que sejam aptas a atestar que passará a exercer atividade no país; 159

160 Demonstrar que possui meios de subsistência suficientes; Demonstrar que possui preparativos de alojamento; Demonstrar que não possui antecedentes criminais; Demonstrar que possui condições físicas e psicológicas adequadas para o exercício da atividade profissional proposta; Possuir um bilhete de viagem de regresso, ou possuir fundos suficientes para suportar a sua partida no território nacional. Refira-se ainda que o visto: Pode ser válido para uma única entrada ou para múltiplas entradas; Pode ter uma duração de permanência total até um limite máximo de 1 ano; Apenas permite ao seu titular exercer a atividade profissional que justificou a sua concessão inicial; Está sujeito a uma taxa de US$ 50; Deve ser requerido junto dos postos consulares ou das missões diplomáticas de Timor- Leste. (ii) Visto de Turismo e de Negócios: Permite ao seu titular entrar e permanecer em Timor-Leste até ao limite de 90 dias para fins de turismo, visita a familiares, assim como para negócios (por exemplo, com o objetivo de explorar oportunidades de negócio, conduzir negociações ou ainda participar em reuniões ou encontros oficiais). O visto pode ser concedido à chegada ao país (via aeroporto ou porto de Díli), numa embaixada ou consulado timorense ou através da internet, mediante o pagamento de uma taxa de US$ 30. Refira-se que os cidadãos portugueses beneficiam de dispensa de obtenção de visto para efeitos de turismo. (iii) Visto de trânsito: Destina-se ao trânsito através do território nacional com destino a outro país, ou entre dois voos internacionais no aeroporto, permitindo uma única entrada com uma validade por um período máximo de 72 horas, sendo concedido mediante o pagamento de US$ 20. (iv) Visto de estudos: Permite ao seu portador a entrada em Timor-Leste para efeitos de estudos, por um limite máximo de 1 ano, sendo concedido mediante o pagamento de US$ 40. (v) Visto cultural: Permite ao seu portador a entrada em Timor-Leste para efeitos de, viagem cultural, investigação científica, na condição de artista ou desportista, ou como correspondente de órgão de comunicação social estrangeiro. É concedido por um período máximo de 1 ano, mediante o pagamento de US$ 40. (vi) Visto para fixação de permanência: Permite a entrada em Timor-Leste a fim de solicitar a emissão de uma autorização de residência. Os cidadãos estrangeiros que tenham obtido este 160

161 visto podem requerer a emissão de uma Autorização de Residência, após a sua chegada e entrada em território nacional, diretamente junto da sede do Departamento de Migração, em Díli Modelos de cobertura de riscos financeiros, operacionais, propriedade Em Portugal a cobertura de risco das exportações é assegurada pela empresa privada COSEC, S.A., que comercializa seguros de crédito à exportação, com ou sem a garantia do Estado português. O seguro de crédito à exportação, sem garantia do Estado português, é uma modalidade que tem por objetivo cobrir os riscos de não pagamento nas vendas a crédito de bens ou nas prestações de serviços efetuadas no estrangeiro e que consiste na emissão de uma apólice de seguro de créditos, através da qual o exportador português poderá cobrir os riscos associados à empresa importadora ou ao país de importação, quer estes se verifiquem aquando da preparação da encomenda, quer após a sua expedição. Poderão ser beneficiários deste produto as empresas que vendem a crédito nos mercados externos, podendo os créditos abrangidos ser de curto, médio ou longo prazos. A COSEC, S.A. disponibiliza ainda seguros de créditos à exportação com a garantia do Estado português, sendo este tipo de produtos destinado a proporcionar soluções para a cobertura de riscos políticos e extraordinários, designadamente: Atos ou decisão do Governo ou entidade pública do país importador; Expropriação, nacionalização, confisco e medidas de efeito equivalente; Dificuldades de transferência ou e conversão e moratória geral; Guerras (ainda que não declaradas), revoluções, motins, anexações ou eventos de efeitos análogos; Efeitos catastróficos (terramotos, maremotos, erupções vulcânicas, tufões, ciclones ou inundações). O seguro pode, no entanto, incluir igualmente o risco comercial. Através da subscrição do produto em causa, o Estado português garante o pagamento de indemnização, no prazo de 60 dias a contar da verificação do incumprimento: Seja por interrupção ou suspensão do fabrico (risco de fabrico); Seja pelo não pagamento do crédito concedido ao importador (risco de crédito). O âmbito dos seguros é determinado casuisticamente, abrangendo capital e juros remuneratórios. Existem diferentes percentagens de cobertura, designadamente: Mercados prioritários (definidos pelo Governo África do Sul, Brasil, China, Marrocos, México, Polónia, Tunísia e Rússia): operações a curto prazo: 98 % e operações a médio e longo prazos: 99% Outros mercados, em operações de curto, médio e longo prazo: 95%. Neste momento, Timor-Leste não se encontra expressamente excluído da lista dos países para os quais a COSEC, SA não concede cobertura, pelo que a avaliação deve ser efetuada caso a caso. 161

162 Sistema jurídico e judiciário O sistema de justiça em Timor-Leste tem vindo a ser construído de raiz em termos de infraestruturas, equipamentos, processos, procedimentos e recursos humanos. O Governo timorense assume esta reforma como uma prioridade e quer reforçar a confiança no setor judicial, considerando no entanto que este é um processo que levará algum tempo a consolidar. Após a destruição generalizada das infraestruturas em Timor-Leste, em 1999, praticamente todos os profissionais jurídicos afetos à administração indonésia abandonaram o território. O funcionamento do setor da justiça depende hoje, por isso, de parceiros internacionais vocacionados para a ajuda no desenvolvimento do país. Assim, após a independência, muitos dos cargos relevantes no sistema judicial foram ocupados por profissionais pouco experientes. Desde então, verifica-se um esforço significativo na formação de juízes, procuradores e defensores públicos timorenses, tendo sido igualmente contratados profissionais internacionais, de forma a garantir os serviços mínimos das instituições. As principais instituições do sistema de justiça até agora instituídas são: Um Tribunal de Recurso; Quatro Tribunais Distritais que abrangem todo o país, localizados em Díli, Baucau, Suai e Oe-Cusse Ambeno; Três prisões, localizadas em Díli, Gleno e Baucau (tendo sido esta última entretanto encerrada). São ainda agentes relevantes do sistema de justiça a Procuradoria-Geral da República, que representa o Estado em juízo, e o Gabinete do Defensor Público. No entanto, ainda estão por estabelecer algumas instituições previstas na Constituição, como o Supremo Tribunal de Justiça e o Tribunal de Contas. Para além disso, não existe de momento uma polícia especializada em investigação criminal, que garanta um tratamento competente e específico dos casos criminais. Atualmente o sistema de justiça em Timor-Leste encontra-se numa fase de subdesenvolvimento, estando ainda a ser levados a cabo esforços substanciais para atender às crescentes exigências da sociedade timorense e afirmar o Estado de Direito Tipos de Sociedades Comerciais previstos A Lei nº 4/2004, de 21 de abril, consagra o regime relativo às sociedades comerciais e define os tipos de sociedades comerciais previstos em Timor-Leste, os quais são semelhantes aos que vigoram no Direito português, como segue: As sociedades em nome coletivo; As sociedades em comandita; As sociedades por quotas; As sociedades anónimas. 162

163 Resolução extrajudicial de litígios À semelhança daquilo que se verifica no plano do sistema jurídico e judicial, os meios de resolução alternativa de litígios em Timor-Leste encontram-se ainda numa fase embrionária de desenvolvimento. De facto, o plano estratégico para o setor da Justiça prevê a criação de mecanismos que permitam resolver litígios sem necessidade de recorrer às instâncias formais. Neste âmbito, o Governo timorense tem vindo a analisar a viabilidade da criação de uma Lei de Mediação de Timor-Leste, recorrendo, para isso, a parceiros internacionais com experiência de produção legislativa nesta matéria. O diploma deverá ser baseado na tradição do país, de forma a evitar que muitos casos do foro civil, como sejam, por exemplo, matérias de ocupação ilegal de terras e propriedades privadas, se resolvam nos tribunais. A Proposta de Lei deveria ser elaborada ainda durante o ano de 2013, havendo, no entanto, necessidade de ouvir outras entidades ao longo do processo, como os Tribunais e a Procuradoria-Geral da República por forma a evitar conflitos com outras leis vigentes no sistema jurídico timorense. A regulação e a promoção de meios de resolução alternativa de litígios são objetivos que constam do Programa do Governo Constitucional de Timor-Leste, onde se especifica a necessidade de desenvolver mecanismos como a mediação, arbitragem ou a conciliação, com especial referência para as matérias laborais, familiares ou de disputa de terras Regimes contabilísticos nacionais Os investidores internacionais devem analisar as suas opções de relato financeiro, registo contabilístico e demais obrigações legais de reporte de informação contabilística, dado que, atualmente, Timor-Leste não possui um modelo institucionalizado de contabilidade organizada. Este aspeto local requer uma análise cuidadosa do modelo de gestão contabilístico e financeiro das entidades que vierem a ser domiciliadas no país, para garantir a sua eficiência administrativa, assim como o fornecimento atempado de informação qualitativa, completa e relevante aos stakeholders das entidades Principais características dos Acordos de Timor-Leste no domínio do comércio e investimento Protocolos existentes na ASEAN e posicionamento de Timor-Leste face aos mesmos A adesão de Timor-Leste à ASEAN é uma das prioridades do Governo Constitucional do país, pelo que foi, já em 2011, apresentada a candidatura para a adesão a essa comunidade. No mesmo sentido, Timor-Leste procura desenvolver um bom relacionamento com todas as nações da região, pelo que pretende ratificar também o Tratado de Amizade e Cooperação do Sudeste Asiático, e subsequentes protocolos de alteração, que haviam sido assinados pela ASEAN. O Tratado de Amizade e Cooperação do Sudeste Asiático foi assinado pelos cinco membros fundadores da ASEAN em 1976, tendo sido alargado a novos membros através de três Protocolos de alteração. 163

164 Acordos essenciais de Timor-Leste na área do comércio (ACI, APPRI, ADT). Há um conjunto de acordos bilaterais que são essenciais para compreender os mecanismos que poderão facilitar o acesso dos investidores portugueses aos mercados: os Acordos Comerciais de Investimento (ACI), os Acordos de Promoção e Proteção Recíproca de Investimentos (APPRI) e os Acordos para evitar a Dupla Tributação (ADT). Timor-Leste não dispõe de muitos acordos, sendo Portugal o seu principal parceiro no que a este tipo de instrumentos diz respeito. Tabela 36 - Acordos Bilaterais de Timor-Leste Tipo de Acordos Acordos assinados, mas ainda não em vigor Acordos em vigor Acordos de Promoção e Proteção Reciproca de Investimentos Alemanha, Qatar Portugal Acordos para Evitar a Dupla Tributação Portugal Não Adicionalmente, vale a pena ainda notar que: Timor-Leste é membro da Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (MIGA) e do BAsD; Timor-Leste é também membro do FMI e está presente na Direção (círculo eleitoral) do Brasil no Conselho Executivo deste organismo; Para além de ser membro da ONU, Timor-Leste é membro UNCTAD; Timor-Leste assinou a Convenção para resolução de disputas relativas a investimentos (ICSID); Timor-Leste celebrou um acordo aduaneiro com a China, que garante a isenção de taxas aduaneiras às empresas que se fixem em Timor e exportem para o mercado chinês; Timor-Leste celebrou um acordo de cooperação económica e desenvolvimento social com Portugal; Timor-Leste não é membro da OMC Acordos entre a UE e Timor-Leste O Acordo Cotonu O Acordo de Cotonu, assinado por 79 países em 2000, é o principal instrumento para a prestação de assistência da UE em matéria de cooperação para o desenvolvimento com os Estados ACP, e de cooperação da UE com os países e territórios ultramarinos. O Acordo Cotonu tem por objetivo promover e acelerar o desenvolvimento económico, cultural e social dos países ACP e trouxe uma nova visão da cooperação. A nova parceria combina a ajuda para o desenvolvimento, a dimensão política e os aspetos comerciais. O seu principal objetivo é a redução da pobreza nos Estados ACP, dos quais faz parte Timor-Leste. O Acordo de Cotonu previu a criação de um importante instrumento financeiro de apoio aos seus objetivos, o Fundo Europeu de Desenvolvimento (FED). O Acordo Cotonu prevê também a promoção de instrumentos de dinamização do IDE para os países ACP: 164

165 Promoção do investimento: Apoio e financiamento dos investimentos nos países da ACP através de subsídios para assistência financeira e técnica, serviços de assessoria e consultoria, capitais de risco para participações no capital ou operações assimiláveis, garantias de apoio a investimentos privados, nacionais e estrangeiros, bem como empréstimos e linhas de crédito, empréstimos a partir dos recursos próprios do BEI; Criação de instrumentos de garantias de investimento, através da disponibilização e utilização crescentes, entre outros, de: Seguros de risco enquanto mecanismo de diminuição do risco, no intuito de aumentar a confiança dos investidores nos Estados ACP; Fundos de garantia para cobrir os riscos associados a investimentos elegíveis, em especial, regimes de resseguros destinados a cobrir o investimento direto estrangeiro realizado por investidores elegíveis; Proteção dos investimentos, a promoção de acordos de promoção e de proteção dos investimentos que possam igualmente constituir a base de sistemas de seguro e de garantia. Estes mecanismos de apoio às empresas têm vindo a ser promovidos, entre outros, pelas Instituições Financeiras para o Desenvolvimento (IFD). Outros Acordos Além do Acordo de Cotonu, destacam-se a Declaração de Paris sobre a eficácia da ajuda, de 2 de março de 2005, e instrumentos subsequentes, bem como o Programa dos Media da UE em Timor-Leste. A China e Timor-Leste assinaram acordos de cooperação no domínio da economia, tecnologia e turismo, fortalecendo as relações bilaterais. Segundo o relato da agência Xinhua, a China e Timor-Leste concordaram em fortalecer a cooperação na construção de infraestruturas, produção alimentar e pescas, assim como nas áreas do turismo, desporto e intercâmbio cultural. Fonte: Macauhub, abril de 2014 A China e Timor-Leste assinaram acordos de cooperação no domínio da economia, tecnologia e turismo, fortalecendo as relações bilaterais. Segundo o relato da agência Xinhua, a China e Timor-Leste concordaram em fortalecer a cooperação na construção de infraestruturas, produção alimentar e pescas, assim como nas áreas do turismo, desporto e intercâmbio cultural. Fonte: Macauhub, abril de

166 166

167 5.CPLP Atratividade de Timor - Leste no contexto da CPLP Atratividade de Timor - Leste no contexto da CPLP 167

168 5. Atratividade de Timor Leste no contexto da CPLP No contexto do valor global de IDE dos vários países da CPLP que ascende a US$ 79,5 mil milhões o valor, o valor de de Timor-Leste é pouco expressivo, com cerca de US$ 42 milhões. Gráfico 97 - Valores (milhões US$) e percentagens de IDE na CPLP no ano de 2012, UNCTAD Brasil 82.02% IDE na CPLP Portugal 11.20% Moçambique 6.56% Outros 0.22% Timor-Leste 0.05% São Tomé Guiné-Bissau e Príncipe 0.02% 0.06% Cabo Verde 0.09% ,272 8,916 5, Relativamente à facilidade em se fazer negócios, quando comparado com os diferentes países da CPLP, Timor-Leste encontra-se numa das últimas posições do ranking, apenas com um ranking favorável no que se refere à obtenção de eletricidade. Tabela 37 - Doing Business 2013 Posição por país da CPLP Países Facilidade em se fazer negócios Abertura de empresas Obtenção de alvarás de construção Obtenção de eletricidade Registo de propriedade Obtenção de crédito Portugal Cabo Verde Brasil Moçambique São Tomé e Príncipe Timor-Leste Angola Timor-Leste

169 País importador Timor-Leste. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP A intensificação das trocas comerciais exige complementaridade industrial das economias, implicando níveis de especialização diferenciada entre parceiros. Tabela 38 - TCI da CPLP e Timor-Leste (%) País exportador Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe Timor Leste Portugal Macau Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe Timor Leste Portugal Macau Fonte: Cálculo realizado pela PwC com base nos dados do UNCTAD, UNCTADstat O nível de complementaridade comercial das economias da CPLP e Timor-Leste é muito baixo. De facto apenas 2,9% das exportações dos países da CPLP destinam-se a outros países da CPLP, peso relativo que tem vindo a reduzir-se desde Apesar das exportações intrarregião evidenciarem um decréscimo médio anual 0,4% de 2008 a 2012, verifica-se uma retoma favorável das exportações intrarregião de 20,8% (crescimento médio anual) a partir de Verifica-se um elevado potencial de complementaridade recíproco no relacionamento comercial entre alguns países da CPLP. O índice de complementaridade entre Portugal e Angola (83 pts e 80 pts) revela uma relação potencial biunívoca. A estrutura de importações de Portugal poderá também potenciar as suas relações com o Brasil (48 pts), Guiné-Bissau (38 pts), Moçambique (66 pts), São Tomé e Príncipe (51 pts) e Timor-Leste (37 pts). Por seu lado a estrutura de importações do Brasil poderá apresentar algum grau de complementaridade com as estruturas exportadoras de Angola (40 pts) e Portugal (47 pts). Por outro lado, O índice de complementaridade entre Portugal e Cabo Verde evidencia uma relação potencial unívoca, apresentando um grau de complementaridade de 72 pts. De facto, é notório que a alavancagem comercial intra-cplp poderá ser potenciada fundamentalmente por 2 motores, por Angola - país com maior relevância nas exportações intrarregião e por Portugal país CPLP que mais destaca nas importações intrarregião. Nesta medida Portugal poderá potenciar-se como hub comercial da CPLP, assumindo um papel fundamental de porta de entrada para os países da CPLP e destes para a UE. 169

170 Timor-Leste Valor total das importações, US$353 milhões, 2012 Principais produtos importados Maquinaria e equipamento de transporte Alimentos Combustíveis minerais Veículos automóveis Equipamento eletrónico Veículos automóveis para transporte de pessoas Equipamento de telecomunicação Cereais Produtos comestíveis e preparações Carnes e miudezas comestíveis Preparações de cereais Mobiliário e peças Farinha de frutas ou vegetais Óleos de petróleo ou de minerais betuminosos> óleo de 70% Produtos manufaturados Estruturas, peças de ferro, aço, alumínio Outros artigos manufaturados Bebidas Matéria prima (exceto combustíveis) Produtos químicos Fonte: UNCTAD, UNCTADstat Vestuário e outros artigos têxteis usados Artigos de plástico Bebidas não alcoólicas Bebidas alcoólicas Materiais de construção (cimento) Sabonetes, limpeza e produtos de polimento Potenciais fornecedores CPLP Brasil Portugal Brasil Portugal Angola Brasil Angola Brasil Angola Brasil Portugal Angola Brasil Angola Brasil Alguns dos produtos com potencial de produção local* Cereais Alimentos Carnes Café Combustíveis minerais Petróleo e gás natural Têxtil Produtos manufaturados Vestuário e calçado *Para mais dados ver estudo sobre setores. 170

171 Índice de Tabelas Tabela 1 - Caracterização dos países membros da ASEAN e Timor-Leste Tabela 2 - TCI (Trade Complementary Index) intra-asean Tabela 3 - Comunidades económicas regionais em perspetiva (2012) Tabela 4 - IDE nos EM da ASEAN (milhões US$) inward flow, Tabela 5 Evolução da taxa de câmbio (US$/IDR) Tabela 6 - Taxas de crescimento por setor Tabela 7 Extensão das estradas da Indonésia (em kms) Tabela 8 Facilidades do Porto de Tanjung Priok (Jacarta) Tabela 9 Passageiros Tabela 10 Top 10 das maiores companhias aéreas por n.º de passageiros Tabela 11 Fontes de energia e capacidades potenciais Tabela 12 Projetos de investimento previstos em estradas Tabela 13 - Projetos de investimento previstos em água e saneamento Tabela 14 - Projetos de investimento previstos em portos Tabela 15 - Projetos de investimento previstos em aeroportos Tabela 16 - Projetos de investimento previstos em caminhos-de-ferro Tabela 17 - Projetos de investimento previstos em energia Tabela 18 - Projetos de investimento previstos em TIC Tabela 19 - Abertura da economia da Indonésia Tabela 20 Número de instituições financeiras Tabela 21 Principais bancos presentes na Indonésia Tabela 22- Orçamento Geral do Estado para 2013 (US$ Milhões) Tabela 23 - PEDN Metas para as receitas e despesas (US$ milhões) Tabela 24 - Finanças Públicas Tabela 25 Notação dos títulos de dívida do fundo petrolífero Tabela 26 Dormidas e hóspedes nos maiores hotéis ( ) Tabela 27 Dormidas e hóspedes nos maiores hotéis ( ) Tabela 28 - Abertura da economia de Timor-Leste Tabela 29 Setores de oportunidade Tabela 30 Depósitos bancários 2012 (em US$ milhões) Tabela 31 Depósitos bancários 2013 (em US$ milhões) Tabela 32 - Incentivos fiscais ao investimento aplicáveis em Timor-Leste Tabela 33- Doing Business 2013 Posição por país da ASEAN Tabela 34 IDE na ASEAN em Tabela 35 - Resumo com os principais impostos de Timor-Leste Tabela 36 - Acordos Bilaterais de Timor-Leste Tabela 37 - Doing Business 2013 Posição por país da CPLP Tabela 38 - TCI da CPLP e Timor-Leste (%)

172 Índice de Gráficos Gráfico 1 PIB por setor - ASEAN Gráfico 2 - Crescimento médio anual países ASEAN Gráfico 3 - Contribuição de cada EM para o PIB da ASEAN, 2008 e Gráfico 4 - Evolução das economias da região Gráfico 5 - Relação entre o crescimento do PIB e variação no Global Competitiveness Index Gráfico 6 Qualidade dos fornecedores locais Gráfico 7 N.º de dias para abrir uma empresa Gráfico 8 - Proteção dos investimentos Gráfico 9 - PIB por setor 2011 Timor-Leste Gráfico 10 - PIB por setor 2011 Indonésia Gráfico 11 - PIB por setor 2011 Malásia Gráfico 12 PIB por setor Filipinas Gráfico 13 - PIB por setor 2011 Singapura Gráfico 14 - PIB por setor Tailândia Gráfico 15 - PIB por setor 2011 Vietname Gráfico 16 PIB por setor Brunei Gráfico 18 - PIB por setor 2011 Laos Gráfico 18 PIB por setor Mianmar Gráfico 19 PIB por setor Camboja Gráfico 20 - Evolução do comércio intra-asean vs. evolução do PIB da região Gráfico 21 - Peso das exportações/importações intra-asean no total da região Gráfico 22 - Trocas intra-asean Gráfico 23 Evolução das importações da ASEAN e principais países de origem, Gráfico 24 Importações da ASEAN Top produtos Gráfico 25 - Importações ASEAN da China Gráfico 26 - Importações ASEAN do Japão Gráfico 27 - Importações ASEAN dos EUA Gráfico 28 - Importações ASEAN de Singapura Gráfico 29 Evolução das exportações da ASEAN e principais países de destino, Gráfico 30 Exportações da ASEAN Top produtos Gráfico 31 - Exportações ASEAN para a China Gráfico 32 - Exportações ASEAN para o Japão Gráfico 33 - Exportações ASEAN para os EUA Gráfico 34 - Exportações ASEAN para Hong Kong Gráfico 35 - Importações da ASEAN aos países da CPLP Gráfico 36 - Importações ASEAN do Brasil Gráfico 37 - Importações ASEAN de Portugal Gráfico 38 - Exportações da ASEAN para a CPLP Gráfico 39 - Exportações ASEAN para o Brasil Gráfico 40 - Exportações ASEAN para Angola Gráfico 41 - IDE na ASEAN - inward e outward, Gráfico 42 - Peso de IDE inflows dos EM da ASEAN Gráfico 43 - Representação da percentagem do PIB dos principais EM na ASEAN Gráfico 44 - Crescimento anual do PIB da Indonésia (últimos 5 anos) Gráfico 45 - Despesas de natureza funcional do OE 2013 % Gráfico 46 - Despesas de natureza económica do OE% Gráfico 47 Dívida pública ( ) Gráfico 48 Taxas de juro (%) Gráfico 49 Evolução do crescimento do PIB Gráfico 50 Taxas de juro (%) Gráfico 51 Evolução do crescimento do PIB Gráfico 52 Evolução do crescimento do PIB

173 Gráfico 53 - Contribuição para o PIB dos setores de atividade na Indonésia (2012) Gráfico 54 - Número de empresas detidas pelo Estado Gráfico 55 Capacidade instalada por tipo de combustívelfigura 15 Portos Indonésia e Timor-Leste Gráfico 56 Capacidade instalada por tipo de combustível Gráfico 57 Capacidade instalada por tipo de combustível Gráfico 58 Habitações com computadores (%) Gráfico 59 Habitações com computadores (%) Gráfico 60 Assinantes de serviços móveis (%)Gráfico 61 Habitações com computadores (%) Gráfico 62 Assinantes de serviços móveis (%) Gráfico 63 Assinantes de serviços móveis (%) Gráfico 64 - Evolução das importações da Indonésia e principais países de origem, Gráfico 65 - Importações da Indonésia à CPLP, Gráfico 66 - Importações da Indonésia - Top Produtos Gráfico 67 - Importações da Indonésia - Evolução por tipo de produtos, Gráfico 68 - Importações da Indonésia a Singapura Gráfico 69 - Importações da Indonésia à China Gráfico 70 - Importações da Indonésia ao Japão Gráfico 71 - Evolução das exportações da Indonésia e principais países de destino, Gráfico 72 - Exportações da Indonésia à CPLP Gráfico 73 - Volume médio diário das ações transacionadas (milhões de ações)comparando com outros países emergentes, a Indonésia tem um nível relativamente baixo de infraestruturas: o acesso a água potável e saneamento básico é insuficiente, a densidade de estradas é baixa e apenas metade da população tem acesso a eletricidade Gráfico 74 - Volume médio diário das ações transacionadas (milhões de ações) Gráfico 75 - Volume médio diário das ações transacionadas (milhões de ações) Gráfico 76 - Valor médio diário das ações transacionadas (mil milhões de Rp) Gráfico 77 - Representação da percentagem do PIB dos EM na ASEAN Gráfico 78 - Crescimento anual PIB Timor-Leste (últimos 5 anos) Fonte: Banco Mundial Gráfico 79 - Valor de mercado do Fundo Petrolífero Gráfico 80 - Timor-Leste, PIB (não petrolífero) por setor Gráfico 81 - Crescimento do PIB real Gráfico/Imagem 82 Projeto de Tasi Mane, áreas de desenvolvimentoa Companhia Nacional de Petróleo de Timor-Leste, a TIMOR GAP, EP, assinou o seu primeiro contrato de partilha de produção em Abril de 2013, com ENI e a INPEX, permitindo assim a Timor-Leste participar diretamente, pela primeira vez, numa parceria de exploração e desenvolvimento de recursos de petróleo e de gás no Mar de Timor Gráfico/Imagem 83 Projeto de Tasi Mane, áreas de desenvolvimento Gráfico/Imagem 84 Projeto de Tasi Mane, áreas de desenvolvimento Gráfico/imagem 85 Projeto do Porto da Baía de Tibar Gráfico/imagem 86 Projeto do Porto da Baia de Tibar Gráfico 87 - Evolução das importações de Timor-Leste e principais países de origem, Gráfico 88 - Importações de Timor - Leste à CPLP, Gráfico 89 - Importações de Timor-Leste - Top Produtos Gráfico 90 - Importações timorenses Evolução por tipo de produtos Gráfico 91 - Importações timorenses da Indonésia Gráfico 92 - Importações timorenses de Singapura Gráfico 93 - Importações timorenses da China (2012) Gráfico 94 - Evolução das exportações de Timor-Leste e principais países de destino, Gráfico 95 - Exportações timorenses - CPLP Gráfico 96 - Rácio sucursais de bancos comerciais : adultos Gráfico 97 - Valores (milhões US$) e percentagens de IDE na CPLP no ano de 2012, UNCTAD

174 Índice de Figuras Figura 1 Estados Membros da ASEAN Figura 2 - Principais etapas na criação da ASEAN Figura 3 - Mapa da ASEAN ASEAN Figura 4 Índice de competitividade global Figura 5 - Principais exportações de Indonésia intra-asean, por produto Figura 6 - Principais exportações de Timor-Leste intra-asean, por produto Figura 7 - Importações da ASEAN provenientes do Brasil Figura 8 - Importações da ASEAN provenientes de Portugal Figura 9 Corredores Económicos da IndonésiaCaixa 1 - Visão e Missão do RPJPN Figura 10 - Indicadores-chave por indústria Figura 11 Corredores Económicos da Indonésia Figura 12 Corredores Económicos da Indonésia Figura 13 Portos Indonésia e Timor-LesteO Presidente Susilo Bambang Yudhoyono planeia investir cerca de US$ 195 mil milhões em estradas, pontes, portos e ferrovias Figura 14 Portos da região da Indonésia e Timor-Leste (Porto de Dili) Gráfico 55 Capacidade instalada por tipo de combustívelfigura 15 Portos Indonésia e Timor-Leste Figura 16 - Taxa de eletrificação por cidade Figura 17 - Principais importações da Indonésia a Singapura Figura 18 - Principais importações da Indonésia à China Figura 19 - Principais exportações da Indonésia para o BrasilO Brasil é, entre os países da CPLP, o principal destino de exportações da Indonésia Figura 20 - Principais exportações da Indonésia para o Brasil Figura 21 - Principais exportações da Indonésia para o Brasil Figura 22 - Mapa do Sudeste Asiático Figura 23 Quadro Nacional de Planeamento Figura 24 Principais importações Timorenses da Indonésia Figura 25 Principais importações timorenses de Singapura Figura 26 Principais importações timorenses da China Figura 27 - Principais exportações timorenses para MoçambiqueMoçambique é, entre os países da CPLP, o maior importador de Timor - Leste Figura 28 - Principais exportações timorenses para Moçambique Figura 29 - Principais exportações timorenses para Moçambique

175 r Um estudo realizado no âmbito do projeto nº 30030, apoiado pelo QREN, através do SIAC do Programa Operacional Fatores de Competitividade (COMPETE) pela: Apoio: Projeto Co-Financiado: 175

TIMOR-LESTE. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico:

TIMOR-LESTE. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico: TIMOR-LESTE Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Maio de 2014 Parceiro estratégico: Índice 1. ASEAN. Enquadramento regional, político e económico... 22 1.1. Caracterização

Leia mais

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Índice 1. Países de Língua Portuguesa/Comunidade de Países de Língua Portuguesa 1.1 Potencialidades da Espaço Lusófono 1.2 Comunidades Económicas Regionais

Leia mais

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa Agenda 1. A metodologia do Paying Taxes 2. Resultados de Portugal 3. Resultados da CPLP 4. Reforma

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO FICHA DE MERCADO ANGOLA BREVE CARACTERIZAÇÃO Situa-se na região da África Subsariana, apresentando uma economia em forte crescimento, que converge para uma economia de mercado. É um país extremamente rico

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP ENTRE: A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI), com sede na Praça das Indústrias em Lisboa, 1300-307 Lisboa,

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais Negócios Internacionais Capítulo 3.3 Integração da Economia Regional e Acordos Cooperativos International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Definir

Leia mais

www.pwc.pt Moçambique Oportunidades no setor da engenharia e da construção Tiago Abade 23 outubro 2014

www.pwc.pt Moçambique Oportunidades no setor da engenharia e da construção Tiago Abade 23 outubro 2014 www.pwc.pt Oportunidades no setor da engenharia e da construção Tiago Abade Agenda 1 2 3 O impulso do setor energético e o impacto no setor da engenharia e construção e a SADC 4 Conclusões - Oportunidades

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. 1 No seu relacionamento social como se posiciona face

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento Comércio & Desenvolvimento Saber mais O comércio tem sido um poderoso motor de crescimento para vários países, contribuindo para tirar milhões de pessoas de situações de pobreza. A política comercial da

Leia mais

CABO VERDE. Integração regional na CEDEAO e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico:

CABO VERDE. Integração regional na CEDEAO e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico: CABO VERDE Integração regional na CEDEAO e relacionamento com os países da CPLP Maio de 2014 Parceiro estratégico: Índice 1. CEDEAO. Enquadramento regional, político e económico... 21 1.1. Caracterização

Leia mais

GUINÉ BISSAU. Integração regional na CEDEAO e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico:

GUINÉ BISSAU. Integração regional na CEDEAO e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico: GUINÉ BISSAU Integração regional na CEDEAO e relacionamento com os países da CPLP Maio de 2014 Parceiro estratégico: Índice 1. CEDEAO. Enquadramento regional, político e económico... 22 1.1. Caracterização

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

ANGOLA. Integração regional na SADC e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico:

ANGOLA. Integração regional na SADC e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico: ANGOLA Integração regional na SADC e relacionamento com os países da CPLP Maio de 2014 Parceiro estratégico: Índice 1. SADC. Enquadramento regional, político e económico... 24 1.1. Caracterização da comunidade...

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

RAE DE MACAU. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico:

RAE DE MACAU. Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico: RAE DE MACAU Integração regional na ASEAN e relacionamento com os países da CPLP Maio de 2014 Parceiro estratégico: Índice 1. China... 20 1.1. Macroeconomia... 22 1.1.1. PIB da economia chinesa... 22 1.1.2.

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

RAE DE MACAU. Integração regional na China e RAE de Hong Kong e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico:

RAE DE MACAU. Integração regional na China e RAE de Hong Kong e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico: RAE DE MACAU Integração regional na China e RAE de Hong Kong e relacionamento com os países da CPLP Maio de 2014 Parceiro estratégico: Índice 1. China... 20 1.1. Macroeconomia... 22 1.1.1. PIB da economia

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

CABO VERDE. Integração regional na CEDEAO e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico:

CABO VERDE. Integração regional na CEDEAO e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico: CABO VERDE Integração regional na CEDEAO e relacionamento com os países da CPLP Maio de 2014 Parceiro estratégico: Índice 1. CEDEAO. Enquadramento regional, político e económico... 21 1.1. Caracterização

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 Alguns factos históricos 1487 Bartolomeu Dias chega ao Cabo da Boa Esperança 1652 Holandeses, ao serviço da Dutch East India Company, instalam-se no Cabo. Colónia

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Integração regional na SADC e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico:

MOÇAMBIQUE. Integração regional na SADC e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico: MOÇAMBIQUE Integração regional na SADC e relacionamento com os países da CPLP Maio de 2014 Parceiro estratégico: Índice Acrónimos... 5 1. SADC. Enquadramento regional, político e económico... 22 1.1.Caracterização

Leia mais

Estados Unidos da América

Estados Unidos da América FICHA DE MERCADO Estados Unidos da América I BREVE CARACTERIZAÇÃO Os EUA são um dos maiores países do mundo, ocupando a terceira posição tanto em termos de área, com uma superfície de quase 10 milhões

Leia mais

RÚSSIA Comércio Exterior

RÚSSIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC RÚSSIA Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

América Latina. Diferentes oportunidades

América Latina. Diferentes oportunidades América Latina Diferentes oportunidades Casa da América Latina Missão: estreitar relações culturais, cientificas e económicas entre AL e Portugal e vice-versa. Fundada em 1998, como uma divisão da Câmara

Leia mais

Por Francisco Almeida Leite

Por Francisco Almeida Leite Por Francisco Almeida Leite Água para o Desenvolvimento Pontes e Parcerias nos Países de Língua Portuguesa Porto, Teatro Rivoli, 7 e 8 de Maio de 2015 Bancos de desenvolvimento são instituições financeiras

Leia mais

BRASIL. Integração regional no MERCOSUL e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico:

BRASIL. Integração regional no MERCOSUL e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico: BRASIL Integração regional no MERCOSUL e relacionamento com os países da CPLP Maio de 2014 Parceiro estratégico: Índice 1.1. Caracterização da comunidade... 20 1.1.1. Principais objetivos e aspirações

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

HAITI Comércio Exterior

HAITI Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC HAITI Comércio Exterior Outubro de 2015 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

CPLP: Circulação de Pessoas, Bens, Capitais e Serviços. Prof. Doutor Esmeraldo de Azevedo Centro de Estudos Lusófonos

CPLP: Circulação de Pessoas, Bens, Capitais e Serviços. Prof. Doutor Esmeraldo de Azevedo Centro de Estudos Lusófonos Capitais e Serviços Prof. Doutor Esmeraldo de Azevedo Centro de Estudos Lusófonos 1. Como é do conhecimento, A CPLP apresenta-se como uma organização internacional, intergovernamental, caracterizada pela

Leia mais

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos Inteligência Institucional BRF Abril 2014 INDEX Introdução aos PTAs PTAs hoje -

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 Introdução A África alcançou um ponto de viragem crítico na sua luta contra a malária este ano à medida que objectivos, estratégias e planos globais e regionais

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

CHINA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO

CHINA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO FICHA DE MERCADO CHINA BREVE CARACTERIZAÇÃO A China, uma economia em forte crescimento, encetou em 1978, quando o país adotou a política de Reforma Económica e Abertura ao Exterior, um conjunto de processos

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. Integração regional na CEEAC e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico:

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. Integração regional na CEEAC e relacionamento com os países da CPLP. Maio de 2014. Parceiro estratégico: SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Integração regional na CEEAC e relacionamento com os países da CPLP Maio de 2014 Parceiro estratégico: Índice 1. CEEAC. Enquadramento regional, político e económico... 24 1.1. Caracterização

Leia mais

VANUATU Comércio Exterior

VANUATU Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC VANUATU Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar?

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? Wenjie Chen e Roger Nord 21 de dezembro de 2015 A promessa recente de apoio financeiro no valor de USD 60 mil milhões ao longo dos próximos três anos

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1 IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1. INTRODUÇÃO As identidades coletivas, em qualquer domínio considerado, assumem uma importância central; a sua afirmação dá sentido aos projetos comuns, promove

Leia mais

COREIA DO SUL Comércio Exterior

COREIA DO SUL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO SUL Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Estudo de viabilidade de produção de biocombustíveis na União Econômica e Monetária do Oeste Africano (UEMOA)

Estudo de viabilidade de produção de biocombustíveis na União Econômica e Monetária do Oeste Africano (UEMOA) Estudo de viabilidade de produção de biocombustíveis na União Econômica e Monetária do Oeste Africano (UEMOA) África Ocidental e Brasil frente aos desafios das energias renováveis CSAO/OCDE e CEREEC/CEDEAO

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

A União Europeia e o Mundo

A União Europeia e o Mundo A construção europeia é tão importante para os cidadãos europeus, como a sua existência constitui uma referência, tanto em termos sócio-económicos como politicos, fundamental ao equilíbrio mundial. Desde

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

120,0. Principais Produtos Exportados - 2014 Principais Produtos Importados - 2014

120,0. Principais Produtos Exportados - 2014 Principais Produtos Importados - 2014 Informação Geral sobre o Chile Área (km 2 ): 756 096 Risco de crédito (*): População (milhões hab.): 17,7 (estimativa ) Risco do país: A2 (A = risco menor; D = risco maior) Capital: Santiago do Chile Unidade

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LISBOA

DECLARAÇÃO DE LISBOA DECLARAÇÃO DE LISBOA A 2 de junho de 2014, em Lisboa, Portugal, por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP (CE-CPLP), em parceria com a CPLP, o Millennium BCP e a SOFID Sociedade para o Financiamento

Leia mais

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa A EMERGÊNCIA DA CHINA Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa Crescimento médio anual do PIB per capita - 1990-2002 10 8,8 5 0 Fonte: PNUD 1,3 Brasil China dinamismo econômico

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010. Artur Alves

Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010. Artur Alves Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010 Artur Alves Enquadramento A rede de países da CPLP apresenta um conjunto de valências, que exploradas

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos. Maio, 2007.

Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos. Maio, 2007. JURISTEP OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos Maio, 2007. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário

Leia mais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Comércio Internacional/Externo: Todas as transações efetuadas entre um país e os restantes países, isto é, entre unidades residentes e unidades não residentes

Leia mais

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente P R E S S R E L E A S E Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente Novo relatório do UNAIDS mostra que a epidemia da aids parou de avançar

Leia mais

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Sector da Construção Brasil 21 a 25 de Outubro de 2013 Enquadramento Com uma extensão territorial de aproximadamente 8,5 milhões km 2, vastos recursos

Leia mais

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira SETOR EXTERNO E ECONOMIA INTERNACIONAL O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira Gilberto Libânio * RESUMO - O presente trabalho busca discutir a importância do setor externo no desempenho

Leia mais

França - Síntese País

França - Síntese País Informação Geral sobre França Área (km 2 ): 543 965 Primeiro-Ministro: Manuel Valls População (milhões hab.): 66,3 (estimativa janeiro ) - Insee Risco de crédito: (*) Capital: Paris Risco do país: A (AAA=risco

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais