efeito de muitos impasses, tanto na metrópole paulistana como em muitas outras cidades brasileiras.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "efeito de muitos impasses, tanto na metrópole paulistana como em muitas outras cidades brasileiras."

Transcrição

1 1. Introdução Pretende-se fazer aqui, uma leitura da metrópole brasileira do início do século XXI, destacando a relação entre desigualdade social, segregação territorial e meio ambiente, tendo como pano de fundo a formação da própria sociedade marcada, inexoravelmente, pelo desenvolvimento do atraso (MARICATO, 2003:151). O processo de produção do espaço vem apresentando novas dinâmicas, muitas delas promovidas pela atual reestruturação do capitalismo, na qual as metrópoles se expandem territorialmente, assumem hegemonia maior e se hierarquizam globalmente. Essa realidade coloca novas questões sobre o processo de urbanização, sobre a relação entre o urbano e o regional e, principalmente, sobre como enfrentar o desafio de se buscar caminhos que permitam conduzir a uma gestão democrática das cidades. A relação mercado e exclusão social se mostra mais evidente nas regiões metropolitanas, sobremaneira nas áreas rejeitadas pelo mercado imobiliário ou públicas, onde a vigência de legislação de proteção e ausência de fiscalização define a desvalorização (MARICATO, 2003:154). No Brasil, um dos principais instrumentos de consolidação do planejamento é através das operações urbanas que nada mais são que um conjunto integrado de intervenções e medidas a ser coordenado pelo Poder Público, com a participação de recursos da iniciativa privada (DIÁRIO OFICIAL DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, 1991 apud. SOUZA, 2011: 275). Porém, a experiência mostra o quanto esse instrumento pode ser útil ao capital imobiliário, pois conforme Lúcio Kowarick (1993) afirmou, pela acumulação e a especulação andarem juntas, a localização da classe trabalhadora passou a seguir os fluxos dos interesses imobiliários, tendo só tardiamente o poder público se munido de instrumentos legais para tentar ordenar o uso e a ocupação do solo. Entretanto, muitas vezes os investimentos públicos vieram colocar-se a serviço da dinâmica da valorização-especulação do sistema imobiliário-construtor. Esse trabalho, tomando como estudo de caso a criação do Parque Linear do Tietê e seus desdobramentos, buscou compreender o chamado problema habitacional, causa e 10

2 efeito de muitos impasses, tanto na metrópole paulistana como em muitas outras cidades brasileiras. O parque Linear é uma medida compensatória em virtude dos danos ambientais causados pela ampliação da Marginal Tietê. No local onde se instalará o referido Parque está localizada a Várzea do Rio Tietê, onde residem aproximadamente famílias ameaçadas de despejo e desinformadas com relação ao destino de suas casas. Figura 1 Projeto do Parque Linear Fonte - Acessada em 26/03/1990 O acesso à moradia legal e à cidade exige a superação de obstáculos, sendo mais exatamente, a relação entre terra (urbanizada), financiamento, subsídios, Estado e mercado. Para Ermínia Maricato (2003), esse será o grande desafio da política urbana nas primeiras décadas do século XXI, ao lado do saneamento e do transporte de massa. (MARICATO, 2003:163). Apesar de as políticas urbanas e o planejamento no Brasil reconhecerem a problemática habitacional existente, sempre privilegiaram medidas de embelezamento urbanístico e a criação de infraestruturas que favorecessem a atuação do capital imobiliário, bem como privilegiasse uma minoria. O direito constitucional do acesso à moradia para todo cidadão, acaba tornando-se uma falácia, pois a lei vigente não é cumprida como deveria. 11

3 Desta forma, cabe analisar os impactos que os problemas sociais, a carência de infraestruturas, a densificação de áreas periféricas e inadequadas a ocupação, a segregação socioespacial e a degradação ambiental e de vida causam no espaço urbano para assim propor soluções. A partir do aprofundamento da reflexão em torno desses problemas na cidade e, considerando a lógica da produção do espaço urbano, a pesquisa aqui apresentada pretende averiguar as possibilidades das políticas públicas urbanas mudarem seu curso, voltando-se definitivamente para a promoção da melhoria da qualidade ambiental e de vida da população. 2. OBJETIVOS a. Objetivo geral: O presente trabalho tem como objetivo analisar as políticas urbanas e de habitação no país, discutindo a dualidade existente entre o planejamento urbano e as questões de moradia. E, para isso, tomaram-se como estudo de caso as recentes intervenções urbanas ocorridas na Região Metropolitana de São Paulo, principalmente o Parque Linear do Tietê. b. Objetivos específicos: Debater se o Parque Linear é uma medida compensatória eficaz à ampliação da Marginal Tietê; Analisar historicamente a Zona Leste de São Paulo; Questionar projetos que visem somente à sustentabilidade urbana; Discutir políticas públicas de urbanização que priorizem as condições sociais e ambientais, e não apenas os interesses econômicos; Apresentar propostas para uma reforma nas políticas urbanas brasileiras que viabilizem a solução dos problemas de uso e ocupação do solo e habitação. 12

4 3. JUSTIFICATIVA O governo brasileiro ao longo dos anos não formulou diretrizes que impedissem que o adensamento urbano ocorresse de forma caótica. A aprovação de projetos de ampliação de vias com grandes áreas impermeabilizadas, não levaram em consideração o impacto desses empreendimentos na macrodrenagem, provocando a sobrecarga do sistema hídrico. Assim, frequentemente, há necessidade de serem feitas canalizações, pontes, e medidas compensatórias como o Parque Linear, a fim de comportar os aumentos de vazão. Diante da problemática encontrada na área de estudo buscou-se uma visão mais imparcial e acadêmica da questão, um parecer que consiga conciliar as propostas do Estado com as necessidades dos moradores. Acreditando, que assim, esses problemas possam ser mais bem geridos pela administração pública, a presente pesquisa propôs-se a gerar conhecimentos para aplicação prática, que pudessem ser aproveitados e discutidos posteriormente. Nos últimos anos temos assistido a uma mudança de visão do poder público, através de novas formas de gestão, preocupadas com o discurso ambientalista, mas que ainda não conseguem solucionar ou amenizar a problemática social, uma vez que a segregação socioespacial permanece. O trabalho apresenta desta maneira, relevância tanto para as questões teórico-metodológicas nas áreas de Geografia Urbana e Planejamento Urbano, quanto práticas, uma vez que se analisando o Parque Linear Várzeas do Tietê e as comunidades atingidas pela sua criação, poder-se-á dar melhor suporte aos interesses políticos, sociais e ambientais que se evidenciam na área. Porém, antagonicamente, formas de planejamento do passado, marcadas por uma visão desenvolvimentista, de caráter rodoviarista, continuam sendo usadas como no caso da ampliação da Marginal Tietê em São Paulo. O discurso ambientalista do governo então, se trata muito mais de uma tentativa pouco eficiente para legitimar uma operação do que propriamente uma obra de real preocupação ambiental. Daí, a importância de se discutir essas mudanças atualmente. Portanto, se espera que as informações levantadas através desse estudo de caso, associadas aos demais dados obtidos, possam contribuir efetivamente para uma melhor gestão das áreas circundantes do Parque e desta forma, melhorar a qualidade de vida 13

5 não só da comunidade local, mas também de muitos habitantes da Região Metropolitana de São Paulo. 4. Metodologia A pesquisa apresenta uma abordagem qualitativa focada no Método Dialético, tendo como embasamento teórico a Geografia Crítica, que considera a cidade como produto e condição das relações sociais. Assim, o problema habitacional será fruto da desigualdade entre as classes e também a sua causa. A pesquisa constitui-se como um estudo de caso, caracterizado pelo estudo do Parque Linear e das comunidades atingidas devido a sua criação. Entretanto, os conhecimentos já disponíveis sobre o assunto são insuficientes para a explicação do fenômeno, levando à necessidade de se discutir a problemática contextualizada atualmente. O método de abordagem desse trabalho baseia-se na proposta de Henri Lefebvre, quem acredita que, o uso (o valor do uso) dos lugares, dos monumentos, das diferenças, escapa às exigências da troca, do valor de troca. É um grande jogo que se está realizando sob os nossos olhos, com episódios diversos cujo sentido nem sempre aparece. A satisfação de necessidades elementares não consegue matar a insatisfação dos desejos fundamentais (ou do desejo fundamental). Ao mesmo tempo em que lugar de encontros, convergência das comunicações e das informações, o urbano se torna aquilo que ele sempre foi: lugar do desejo, desequilíbrio permanente, sede da dissolução das normalidades e coações, momento do lúdico e do imprevisível. Este momento vai até a implosão-explosão das violências latentes sob as terríveis coações de uma racionalidade que se identifica com o absurdo. Desta situação nasce a contradição crítica: tendência para a destruição da cidade, tendência para a intensificação do urbano e da problemática urbana. (LEFEBVRE, 2006:79) 14

6 Esse estudo dividiu-se em quatro etapas, sendo: a FASE 1, a qual envolveu a obtenção de dados secundários advindos de levantamento bibliográfico (livros, teses, artigos de periódicos e material disponível na Internet), bem como aquisição de fotografias aéreas e mapas digitais para se conseguir um retrato pertinente da realidade em questão. Na FASE 2 buscando-se conseguir um retrato detalhado do que será o Parque Linear Várzeas do Tietê e seu entorno, realizou-se um trabalho de campo. Nele, as características geomorfológicas e hidrológicas da área ficaram mais bem compreendidas, assim como os aspectos sociais e políticos, abarcadas por meio de entrevistas. Na terceira etapa foi feita a análise dos dados levantados, os quais poderão subsidiar o planejamento e o uso adequado da região a partir da identificação das áreas vulneráveis e/ou adequadas à ocupação humana. Refletirão, também, a dinâmica ocupacional da área, evidenciando a composição de ambientes de maior criticidade. E, por fim, com a redação final, apresentaram-se os resultados e conclusões conseguidos nesse estudo. Todas essas etapas podem ser mais bem compreendidas no fluxograma a seguir: 15

7 FLUXOGRAMA DADOS SECUNDÁRIOS: FASE 1 LEVANTAMENTO DE DADOS BÁSICOS - Levantamento bibliográfico; - Levantamento cartográfico; - Utilização do Google Earth. VISITA A ÁREA DE CRIAÇÃO DO PARQUE: FASE 2 TRABALHO DE CAMPO - Conhecimento da realidade sociocultural e política; - Apreciação das características geomorfológicas e hidrológicas; - Análise da política urbana no Brasil; FASE 3 ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS - Análise da dualidade existente entre planejamento e política habitacional; - Análise final dos prós e contras da criação do Parque, considerando-se vários aspectos. FASE 4 Redação Final 5. Revisão Bibliográfica a. As metrópoles globais As cidades globais se constituem espaços estratégicos para a crescente internacionalização dos fluxos de bens, serviços e informações, dando origem a uma rede mundial de metrópoles onde são geradas decisões financeiras e mercadológicas capazes de definir estratégias para os acontecimentos mundiais. 16

8 As metrópoles globais comandam o território pelas multinacionais instaladas nestas produzirem e coordenarem informações estratégicas, não encontradas tão facilmente e com a mesma densidade em outros lugares da rede de cidades. Assim, uma cidade como São Paulo tem seu papel hegemônico subordinado aos interesses das corporações globais, mas também contribui para implantar práticas e influenciar na formação socioespacial. A modernidade incompleta conhecida pelos países em desenvolvimento gera antagonismos imensos na vida social. Criam-se na metrópole múltiplos lugares diferenciados: aqueles do interesse hegemônico, junto às redes, com insistentes processos de modernização, chamados por Milton Santos de espaços luminosos, e os lugares dos pobres, intensivamente permeando os primeiros, denominados por Santos de espaços opacos. Ou seja, essas novas formas, características do final do século XX, são descritas por Roberto Schwarz como um aspecto da impossibilidade crescente para os países atrasados, de se incorporarem enquanto nações e de modo socialmente coeso ao progresso do capitalismo (FIX, 2007:159). E isso, faz com que o conceito de cidade global ganhe status de mito. Pois, conforme Mariana Fix afirmou, certas cidades semiperiféricas como São Paulo, que tem vocação para serem globais, na prática funcionam apenas como facilitadoras da penetração do capital estrangeiro nas suas várias formas (FIX, 2007: 166). Cria-se, assim, uma nova paisagem de poder e dinheiro que mobilizam Estado e capital privado nacional, os quais caminham no sentido de transformar a cidade em uma espécie de título financeiro (FIX, 2007: 168). b. Políticas de Planejamento Urbano e Habitacional O planejamento pode ser definido como: o processo de escolher um conjunto de ações consideradas as mais adequadas para conduzir a situação atual na direção dos objetivos desejados (SABOYA, 2008). Assim, se planejar é sinônimo de conduzir conscientemente, não existirá então alternativa ao planejamento. Ou planejamos, ou somos escravos da circunstância. Negar 17

9 o planejamento é negar a possibilidade de escolher o futuro, é aceita-lo seja ele qual for (MATUS, 1976 apud. SOUZA, 2011: 47). Desta forma, esse trabalho tem o propósito de analisar as políticas de planejamento urbano que estão ocorrendo recentemente no município de São Paulo, e, além disso, alertar para o fato de que os erros do passado continuam a se repetir e, somente com uma gestão democrática da cidade, o planejamento urbano poderá ser uma política socialmente justa. O processo de urbanização como produto da produção industrial, que é pautada na divisão de classes, tem como característica a existência de desigualdades entre a população, gerando exclusão social e problemas urbanos, como a especulação imobiliária e a segregação socioespacial. Nas cidades capitalistas a ocupação de determinadas áreas se pautará nos seus aspectos de atração ou repulsão para à população, sendo que as primeiras tem boa infraestrutura e a segunda não. Entretanto, somente a população com maior poder aquisitivo é capaz de escolher onde morar, pois as áreas melhor estruturadas estão atreladas aos altos preços impostos pelo mercado imobiliário. Portanto, as áreas relegadas ou inadequadas à habitação são ocupadas pelas classes trabalhadoras. O poder público, sendo um dos principais agentes urbanos, não atua de forma uniforme ao produzir a cidade. Pois, conforme se pode perceber, a estrutura urbana apresenta uma heterogeneidade em seus equipamentos, favorecendo a segregação socioespacial, bem como as políticas sociais, muitas vezes, não promovem melhorias à população menos abastada. Isso fica evidente nessa colocação de Santos (1994), quem avalia que: O poder público, entretanto, não age apenas de forma indireta. Ele também atua de forma direta na geração de problemas urbanos, ainda que prometendo resolvêlos (SANTOS apud COMITRE e ORTIZOGA, 2010:5). É possível entender a atuação do poder público como fomentador da segregação socioespacial na cidade, pois, A produção da cidade segregada, a privatização do espaço público e a frequente submissão dos governos aos interesses do grande capital têm levado à ocorrência de graves problemas socioespaciais, prejudicando sobremaneira os interesses dos cidadãos e levando-os à perda da qualidade de 18

10 vida (ORTIGOZA, 2009 apud COMITRE e ORTIZOGA, 2010:6). Antes das décadas de 1980 e 1990, a inserção social nas relações capitalistas era difícil e muito trabalhador excluído do mercado imobiliário privado buscou as ocupações irregulares, como os loteamentos clandestinos e as favelas, como forma de moradia. Trata-se do produtivo excluído, resultado da industrialização com baixos salários. [...] A produção do ambiente construído e, em especial o ambiente urbano, escancara a simbiose entre modernização e desenvolvimento do atraso. Padrões modernistas detalhados de construção e ocupação do solo convivem com a gigantesca cidade ilegal onde a contravenção é regra (MARICATO, 2003:153). Com a expansão das periferias urbanas, principalmente a partir dos anos 80, estas passaram a ter um caráter marcado por imensas regiões onde a pobreza é homogeneamente disseminada. A segregação ambiental é uma das faces mais importantes da desigualdade social e parte promotora da mesma. À dificuldade de acesso aos serviços e infraestrutura urbanos somam-se menos oportunidades. Segundo Pedro Demo, a caracterização da pobreza a partir de números obscurece o cerne político da pobreza. Ser pobre não é apenas não ter, mas, sobretudo ser impedido de ter, o que aponta muito mais para uma questão de ser do que de ter (Demo, 1993, p. 2 apud MARICATO, 2003:153). A tolerância que o Estado tem demonstrado em relação às ocupações ilegais de terra urbana é extremamente preocupante, pois têm trazido graves consequências as cidades, como se pode notar quando se analisa a significância do êxodo rural brasileiro, no qual muitos migrantes se instalaram ilegalmente. Aparentemente constata-se que é admitido o direito à ocupação, mas não o direito à cidade (MARICATO, 2003:157). A negligência do Governo em relação à ocupação ilegal de áreas de proteção ambiental ou públicas, por parte das camadas populares, não significa uma política de respeito aos carentes de moradia ou aos direitos humanos. A população que aí se instala não compromete apenas os recursos que são fundamentais a todos os moradores da 19

11 cidade, como é o caso dos mananciais de água. Mas ela se instala sem contar com qualquer serviço público ou obras de infraestrutura urbana. Em muitos casos, os problemas de drenagem, obstáculo à instalação de rede de água e esgotos torna inviável ou extremamente cara a urbanização futura (MARICATO, 2003:158). A ocupação ilegal é tolerada quando não interfere nos circuitos superiores do capitalismo. Porém, com o crescimento urbano, o Estado teve dificuldades de suprir a demanda e foi negligente quanto à ocupação anárquica do solo, marcado pela lógica do mercado fundiário, especulativo, discriminatório e desigual. (MARICATO, 1999 apud MARICATO, 2003:160). É inegável que há uma relação direta entre moradia pobre e degradação ambiental, porém isto não exclui o fato de que a produção imobiliária privada e o Estado, através da produção do ambiente construído, também causem danos ao meio ambiente. Todavia, o que vale destacar é que grande parte das áreas urbanas de proteção ambiental estão ameaçadas pela ocupação com uso habitacional pobre, por absoluta falta de alternativas, e que as consequências de tal processo atingem toda a cidade. (MARICATO, 2003:160). No entanto, é inquestionável que a Constituição Federal de 1988 e o Estatuto da Cidade de 2000 modificaram as relações de poder fundiárias e imobiliárias urbanas. Porém, o verdadeiro nó da questão reside na aplicação desses instrumentos urbanísticos, que, muitas vezes, não é capaz de reestruturar o quadro da produção habitacional em áreas ilegais pela falta de alternativas políticas (MARICATO, 2003:162). O desenvolvimento urbano includente exige que se atue em dois eixos: urbanizar e legalizar a cidade informal conferindo-lhe melhor qualidade e o status de cidadania e produzir novas moradias para aqueles que, sem outras saídas e recursos técnicos ou financeiros, invadem terras para morar. Aparentemente, as ações governamentais começam a reconhecer o primeiro dos eixos descritos. A própria legislação recentemente aprovada abre mais caminho nesse sentido e menos no outro. A consolidação e melhoria da cidade ilegal e sem urbanização exige o contraponto da produção de novas moradias, do contrário estaremos consolidando a dinâmica da máquina de produzir favelas 20

12 com as políticas públicas correndo sempre atrás do prejuízo (MARICATO, 2003:163). i. Plano Diretor Os trabalhos que abordam o urbanismo em São Paulo, no período pós-1940 alegam a não efetividade dos planos, como de fato, somente em 1971 será aprovado o Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado. Rolnik (1997) entende a ineficácia da legislação em regular a produção da cidade como a verdadeira fonte de seu sucesso político, financeiro e cultural num contexto urbano de concentração de riqueza e poder. A lei age, segundo a autora, como delimitadora de fronteiras de poder, conferindo significados e gerando noções de civilidade e cidadania, mesmo quando não é capaz de determinar a forma final da cidade (FELDMAN, 2005: 25). O Plano Diretor Estratégico é um instrumento global da política de desenvolvimento urbano no município de São Paulo e, por isso, determinante para todos os agentes públicos e privados que neste atuam. Dentre os principais princípios regidos pelo PDE pode-se destacar: a justiça social, o direito à Cidade e à moradia digna para todos, a priorização do transporte coletivo público, a preservação e recuperação do ambiente natural e a participação da população nos processos de decisão, planejamento e gestão. Assim, será possível elevar a qualidade de vida da população, particularmente no que se refere às condições habitacionais, à infraestrutura e aos serviços públicos, de forma a promover a inclusão social, reduzindo as desigualdades que atingem diferentes camadas da população e regiões da Cidade. Do ponto de vista da infraestrutura urbana e das habitações devem-se destacar importantes passagens e objetivos que estão sendo aparentemente esquecidos ou deixados de lado pelos administradores da cidade de São Paulo. Dentre eles: a melhoria da circulação e do transporte urbano proporcionando deslocamentos intra e interurbanos que atendam às necessidades da população, reduzindo assim, o tempo de deslocamento entre habitação e trabalho, e aumentando a acessibilidade e mobilidade da população de 21

13 baixa renda. Ou seja, o PDE propõe adequar o sistema viário, tornando-o mais abrangente e funcional, especialmente nas áreas de urbanização incompleta. Em relação às questões habitacionais o plano dá prioridade à regularização fundiária e urbanização de áreas ocupadas por população de baixa renda visando sua integração, sempre respeitando o interesse público e o meio ambiente, bem como evitando que esses moradores de baixa renda sejam expulsos das áreas consolidadas da Cidade, providas de serviços e infraestrutura urbana. E, além disso, o escrito tenta coibir o surgimento de assentamentos irregulares, implantando um sistema eficaz de fiscalização. Nas áreas de intervenção urbana, onde ocorrem às chamadas Operações Urbanas, o PDE prioriza o atendimento habitacional às famílias de baixa renda, que venham a ser removidas em função das obras previstas no Programa de Intervenções, devendo preferencialmente, ser assentadas no perímetro dessas operações, nas proximidades ou, na impossibilidade destas opções, em outro local a ser estabelecido com a participação das famílias. Sem dúvida, os Planos Diretores constituem-se um grande avanço para efetivação das políticas públicas, entretanto o domínio deste instrumento é frágil, uma vez que o encadeamento proposta ação consequência, não é inteiramente previsível. Porém conforme Villaça já afirmou em seu texto As ilusões do Plano Diretor estes acabam por tornarem-se Planos de Gaveta, pois há um abismo que separa o discurso da prática da administração municipal e da desigualdade que caracteriza nossa realidade política e econômica. As ações governamentais acabam por serem muitas vezes influenciadas pelo capital privado e deixam de lado a participação da população diretamente envolvida, a qual muitas vezes, pertence a camadas mais necessitadas da população. Assim, o planejamento urbano no Brasil representado pelo Plano Diretor está a exigir uma revisão radical, devendo todos os seus pressupostos ser questionados. Mas, quando se fala em alterar as atuais limitações do planejamento implica-se, também, rediscutir modelos urbanísticos que respondam à nossa efetiva realidade e limitações institucionais, porque aspectos como a preservação da água de abastecimento e a funcionalidade da cidade dependem da somatória de ações, da totalidade e não de ações exemplares, porém pontuais (MARTINS, 2003). 22

14 Figura 2 Mapa contendo as áreas de intervenção Estatal no município de São Paulo. Fonte - Portal da Prefeitura de São Paulo Acessado em - 13/03/

15 ii. Zoneamento O zoneamento se mantem como principal instrumento de planejamento em São Paulo por abranger o conjunto da cidade e dividir o território urbano em zonas, nas quais se articulam diferentes parâmetros urbanísticos. Essa prática foi incorporada pela administração municipal a partir da criação do Departamento de Urbanismo, o qual tem influencia marcante de Anhaia de Mello e do urbanismo norte americano Da década de 1920 (FELDMAN, 2005). Enquanto os princípios do planejamento não ultrapassam o universo das ideias e representações, se inserindo no universo da historia da cidade ideal, o zoneamento remete a história da cidade real, à história de um processo em constante transformação, que se constrói socialmente, em função de interesses e atores concretos (FELDMAN, 2005). Um dos grandes críticos do urbanismo paulistano foi Lodi, quem defendeu a necessidade de atualização desse modelo urbanístico pautado em um urbanismo viário, que tem como ponto de partida as desapropriações para o alargamento de ruas. Este, segundo Lodi, advém de uma ideia errônea de progresso, pois apenas os planos viários nada resolvem, bem como alimentam a especulação imobiliária, na medida em que a ampliação das possibilidades de uso dos terrenos eleva seus valores. E, além disso, sempre defendeu a importância do desenvolvimento periférico (FELDMAN, 2005). Portanto, para a solução dos problemas urbanos é preciso dispor sobre a periferia: sem um trabalho periférico o melhoramento central tende a submergir. Se no centro ocorre um excessivo aproveitamento do solo urbano, que se manifesta em alturas excessivas, na periferia ocorre o loteamento indiscriminado pela transformação de terreno estéril em área urbana, sem reversão de capital em benfeitorias. Na periferia, a riqueza do terrenista se dá pela simples passagem de propriedade de terreno, comprado a baixo preço ao atacado, e vendido a valores astronômicos ao retalho. Para Lodi (1954:312), em ambos os casos, os gastos públicos são elevados e a comunidade prejudicada: O uso excessivo do solo cria problemas, o loteamento indiscriminado do terreno cria problemas, todos eles de solução difícil e onerosíssima, a depauperar as cidades e 24

16 enriquecer os particulares, poucos particulares (FELDMAN, 2005: 85). Atualmente, o PDE paulistano criou um novo instrumento jurídico de cunho urbanístico denominado de Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS), o qual permite ações de regularização fundiária e urbanística junto aos assentamentos informais e como fomentador da produção de novas unidades habitacionais destinadas à população de baixa renda (CALDAS, 2009: 21). Então, esse se constitui como um avanço nas questões do zoneamento na cidade de São Paulo. iii. Segregação Socioespacial O processo de urbanização em São Paulo seguiu um padrão periférico de crescimento urbano, o qual consolidou as periferias, levando grande parte dos seus moradores à exclusão dos direitos sociais básicos, significando, na prática, um déficit de cidadania e governabilidade. Nestas regiões, concentram-se os maiores índices de precariedade habitacional e urbana: A rigor, os processos de segregação socioespacial na cidade estão estreitamente relacionados com a precarização do mercado de trabalho e o desemprego, que afetam mais que proporcionalmente as camadas mais pobres, menos escolarizadas e que tiveram menos meios de resistir àquilo que se pode denominar de diáspora da classe trabalhadora. Este processo, associado à dinâmica especulativa de valorização do solo urbano e aos sentidos do investimento do capital imobiliário, incide sobre as condições e opções de moradia da população, o que, desde os anos 80, leva à expansão demográfica crescente das periferias em contraposição como esvaziamento populacional nas áreas centrais (bem servidas por infraestrutura) e à redistribuição das camadas mais ricas da população para novas fronteiras de ocupação delineadas pelos sentidos do investimento do mercado imobiliário (especialmente o quadrante sudoeste) (HUGHES, 2004: 94). 25

17 Historicamente segregada, a cidade informal periférica enfrentou a dificuldade de acesso aos recursos do Estado, apesar da pujança das mobilizações e reivindicações dos movimentos sociais a partir do final dos anos 70. Os domicílios pertencentes a essa realidade estão muitas vezes situados em áreas de risco e geralmente apresentam elevados índices de coabitação. A segregação socioespacial tornou-se assim, uma marca recorrente na consolidação das periferias, pois as demandas das classes trabalhadoras, maioria vivente nessas regiões nunca estiveram entre as prioridades estatais, sendo relegadas a um segundo plano. Isso gerou uma estrutura urbana precária, com insuficientes equipamentos sociais e de infraestrutura, fruto de uma ocupação desordenada que acaba por comprometer a qualidade de vida, a mobilidade e o acesso da população aos serviços e ao mercado de trabalho. Pode-se dizer também que o Estado teve uma controvertida presença na vida dos moradores das periferias pautada por mecanismos de controle social e repressão. Tal reflexão permite contrapor o contrato social que rege as relações sociais na cidade formal e na cidade informal, periférica, sugerindo a recorrência de distinções e diferenciações nas possibilidades de fruição das prerrogativas do Estado de Direito (HUGHES, 2004: 95). Diante disso, o mito do desenvolvimento ganha força, pois reaparecem os questionamentos sobre a (im)possibilidade da modernidade, uma vez que as dinâmicas da globalização e do neoliberalismo propiciam a existência de diferentes poderes sociais. Segundo Boaventura de Souza Santos (1998), a crise do contrato social produziu o fascismo do apartheid social. Trata-se da segregação social dos excluídos, por meio de uma cartografia urbana dividida em zonas selvagens e civilizadas [...] As selvagens são as zonas do Estado de natureza hobbesiano. As civilizadas são as zonas do contrato social; vivem sob a constante ameaça das selvagens. Para se defender, tornam-se castelos neofeudais, enclaves fortificados que caracterizam as novas formas de segregação urbana. Nas zonas civilizadas, o Estado age democraticamente, como protetor, ainda que muitas vezes ineficaz ou não confiável. Nas selvagens, age fascistamente, como Estado predador, 26

18 sem nenhuma veleidade de observância, mesmo aparente, do Direito (HUGHES, 2004: 95). Desta forma, a cidade informal, caracterizada pelas periferias, e a cidade formal acabam por receberem tratamentos diferenciados quanto à presença de forças policiais e de segurança pública. Essa controvertida atuação do Estado, associada às crescentes manifestações de violência, refletem uma grave crise política, pois o próprio aparato estatal é também gerador de violência (OFICINA DE IDÉIAS, 2003 apud HUGHES, 2004). iv. Ecologia e Sustentabilidade Urbanas A gestão do meio ambiente urbano representa um desafio complexo para as sociedades contemporâneas, pois deve aliar a preservação dos recursos naturais e assegurar condições de vida digna a toda população. Os trabalhos sobre ecologia urbana e meio ambiente urbano se referem aos elementos biológicos do meio urbano, relacionando-os a problemática da saúde das pessoas e aos riscos naturais, bem como busca equacionar o problema da gestão ou administração da cidade quanto ao ordenamento e uso do solo. A partir da década de 1980, com os avanços político-institucionais, a questão urbana é integrada à questão social, e os problemas urbanos deixam de ser reconhecidos como integrantes da questão social e passam a ser explicados como decorrentes do suposto divórcio entre a cidade e os imperativos da ordem econômica global, e o saber e a ação urbanísticos são mobilizados para fazer coincidir a cidade com o mercado (RIBEIRO, 2001: 135 apud SILVA, 2002: 3). Assim, os princípios diretores têm um papel essencial para a implementação das políticas públicas, especialmente em se tratando de proteção ambiental e ordenamento do território, pois estes protegem valores e interesses diversos. Entre os princípios que orientam as políticas públicas no meio ambiente urbano encontram-se, por exemplo, o princípio da supremacia do interesse público na proteção do meio ambiente urbano 27

19 sobre os interesses privados e a garantia do direito a cidades sustentáveis para todos (SILVA, 2002). A expressão sustentabilidade remete ao conceito de gestão durável dos recursos ambientais no espaço e no tempo. A adoção de políticas públicas buscando a sustentabilidade urbana implica, portanto, repensar o modelo de desenvolvimento, das relações sociais e econômicas na cidade e o direito à cidade sustentável. Trata-se, portanto, de gestão sustentável do espaço urbano, tendo em vista estratégias de inclusão social que possibilitem o acesso à terra, à moradia e à infraestrutura urbana para as presentes e futuras gerações conforme previsto no Estatuto das Cidades. Os problemas intraurbanos que afetam a sustentabilidade, como a dificuldade de acesso à terra urbanizada, o déficit de moradias adequadas, a ineficiência dos serviços de saneamento ambiental, a baixa qualidade do transporte público, a poluição ambiental, o desemprego e a marginalização social, por outro lado, acabam propiciando as cidades certos sinais positivos de desenvolvimento como um maior dinamismo econômico e social. Porém, para que as cidades brasileiras do século XXI possam se tornar sustentáveis serão necessárias mudanças nos padrões insustentáveis de produção e consumo que resultam na degradação dos recursos naturais e econômicos do país, afetando as condições de vida dos habitantes citadinos. Além disso, melhorias no padrão de uso e ocupação do solo e fortalecimento da capacidade de planejamento e de gestão democrática da cidade, com efetiva participação da sociedade. Não apenas a regulamentação do uso e da ocupação do solo urbano deve contribuir para a melhoria das condições de vida da população, mas também a promoção do ordenamento do território deve buscar que a todos sejam asseguradas a equidade no acesso aos equipamentos e serviços públicos bem como aos recursos ambientais, a eficiência na prestação dos serviços e a qualidade ambiental. Nesse sentido, destaque-se o Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE), instrumento de ordenamento do território, que deve ser obrigatoriamente seguido na implantação de planos, obras e atividades públicas e privadas. Esse instrumento estabelece medidas e padrões de proteção ambiental destinados a assegurar a qualidade ambiental, dos recursos hídricos e do solo e a conservação da biodiversidade, garantindo o 28

20 desenvolvimento sustentável e a melhoria das condições de vida da população (SILVA, 2002: 11). Por fim, a maior parte da sociedade brasileira já se encontra instalada em cidades, demonstrando a necessidade da efetivação de políticas públicas em prol do meio ambiente urbano, e ao lado da ação governamental são as parcerias públicoprivadas que devem auxiliar no processo de gestão sustentável das urbes. c. Impactos ambientais: rios e cidades A valorização do meio ambiente dentro da esfera das ações sociais é, sem dúvida, uma variável relevante quando analisamos as mudanças recentes na estruturação urbana, pois, entre outros fatores, a questão ambiental passa a ser entendida como causa e efeito das decisões que orientam as transformações do tecido urbano. Uma vez que, os impactos ambientais promovidos pelas aglomerações urbanas são, ao mesmo tempo, produto e processo de transformações dinâmicas e reciprocas da natureza e da sociedade estruturada em classes sociais (GUERRA, 2011: 21). Desta forma, se por um lado temos a demanda crescente pela qualidade de vida urbana associada à proximidade dos espaços verdes, por outro lado temos um aumento na pressão sobre o consumo do espaço urbano. Pelo meio ambiente ser social e historicamente construído, através da interação contínua entre uma sociedade em movimento e um espaço físico que se modifica permanentemente, este pode ser considerado passivo e ativo, pois ao ser modificado, torna-se condição para novas mudanças, modificando, assim, a sociedade. (GUERRA, 2011: 23). Assim, somente através de pesquisa de acompanhamento sistemático voltada para a compreensão das estruturas e dos processos não planejados e de longa duração é que podem ser explicados os impactos. Para Elias (1997), somente com tais estudos é possível decidir se os planos de curto prazo com vistas a remediar os problemas sociais não irão fazer mais mal que bem no longo prazo (GUERRA, 2011:24). 29

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso do Conjunto Habitacional Ana Paula Eleotério em Sorocaba-SP.

As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso do Conjunto Habitacional Ana Paula Eleotério em Sorocaba-SP. Felipe Comitre Silvia Aparecida Guarniéri Ortigoza Universidade Estadual Paulista UNESP Rio Claro fcomitre@rc.unesp.br As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ INTRODUÇÃO PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos Demian Garcia Castro Hipótese central: a nova rodada de mercantilização da cidade vem ampliando os processos de segregação socioespacial

Leia mais

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo:

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo: 1. (Fuvest 2013) Observe os gráficos. Com base nos gráficos e em seus conhecimentos, assinale a alternativa correta. a) Em função de políticas de reforma agrária levadas a cabo no Norte do país, durante

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO

ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO PLANO GERAL DE ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO PARA O ANO DE 2008 ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO Controle e uso do solo urbano e rural: parcelamento irregular/clandestino

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA SITUAÇÃO ATUAL INTEGRAÇÃO METROPOLITANA NA LEI ORGÂNICA DE CURITIBA TÍTULO IV - DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I - DA ORDEM ECONÔMICA

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA No Brasil, as capitais nordestinas são as que mais sofrem com a especulação imobiliária. Na foto, Maceió, capital do estado de Alagoas. Especulação imobiliária é a compra ou aquisição

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor DÉCADA DE 90 1990 - Criação do FUMAPIS Fundo Municipal de Apoio a Habitacão de Interesse Social que exerce, na prática, o papel de Conselho Municipal

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO DE... Tema do Pôster DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS ALUNO: EXEMPLO TURMA: XXXXXXXXXXX CURITIBA 2013 SUMÁRIO

Leia mais

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS ALÍCIA FERNANDINO RODRIGUES aliciarodrigues@terra.com.br Título: Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS GRUPO 1 : Planos Diretores e Sustentabilidade urbano-ambiental Planejamento Urbano

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS Nayane Cristina Costa Silva 1 ; Graciela Gonçalves de Almeida 1 ; Joelson Gonçalves Pereira

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros.

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Data: 05/12/2008 -Local: Instituto Pólis MORADIA É CENTRAL

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá Carlos Eduardo Silva Promotor de Justiça Abr. 2015 Direito à Cidade/Mobilidade Urbana O ambiente

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 estrutura da apresentação Trabalho Social? O trabalho social tornou-se componente obrigatório nos programas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

PRATICANDO EXERCÍCIOS - 2013. Colégio Santa Clara Prof. Marcos

PRATICANDO EXERCÍCIOS - 2013. Colégio Santa Clara Prof. Marcos PRATICANDO EXERCÍCIOS - 2013 Colégio Santa Clara Prof. Marcos Densidade e crescimento demográfico brasileiro (FUVEST 2011) E este mapa, por que que ele difere dos demais? a) Correlacione as informações

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Urbanização no Brasil. Prof Claudio F Galdino - Geografia

Urbanização no Brasil. Prof Claudio F Galdino - Geografia Urbanização no Brasil Prof Claudio F Galdino - Geografia Estruturas, Aspectos Gerais e Rede Urbana Origem: Cidades espontâneas (campo Belo, Rio de Janeiro) Cidades planejadas (BH, Brasília) Urbanização

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Planejamento e gestão da expansão urbana

Planejamento e gestão da expansão urbana CURSO GESTÃO DA VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA: Contribuição de Melhoria, Reajuste de Terrenos e Redesenvolvimento Belo Horizonte, 24 a 26 de outubro de 2012 Planejamento e gestão da expansão urbana Daniel Todtmann

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos Fortaleza 2040 Processos Gestão do Plano Fortaleza 2040 Integração de planos setoriais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos Fortaleza 2040 Processos Gestão do Plano Fortaleza 2040 Integração de planos setoriais DIRETORIA DO OBSERVATÓRIO DA GOVERNANÇA DIOBS Produtos Sala Situacional Rede de Salas de Situação Processos Monitoramento Agenda Estratégica Observatório da Governança DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL E URBANIZAÇÃO

PLANO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL E URBANIZAÇÃO As ocupações irregulares em áreas de Manancial configuram o principal problema ambiental da Região Metropolitana de Curitiba. A problemática ambiental que envolve o município de Campo Magro é complexa.

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE Quando focalizamos a condição de sermos moradores de um aglomerado, isso nos remete a uma posição dentro de um espaço físico, um território. Esse fato,

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F.

VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F. VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F. Junior¹ A relação da comunidade com o meio-ambiente é uma das mais importantes

Leia mais

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE Recife 500 Anos uma visão de cidade 1 Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã. Victor Hugo 2 Recife 500 Anos uma visão de cidade

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 PERCEPÇÃO AMBIENTAL NA MICRO BACIA DO CÓRREGO DA ÁGUA QUENTE, SÃO CARLOS SP: ÁREAS DEGRADADAS COMO FATORES DE INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO Karyna D Onofre Neves

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais