ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO E PESQUISA EM SERVIÇO SOCIAL- ABEPSS TÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO E PESQUISA EM SERVIÇO SOCIAL- ABEPSS TÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES"

Transcrição

1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO E PESQUISA EM SERVIÇO SOCIAL- ABEPSS TÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1 - A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO E PESQUISA EM SERVIÇO SOCIAL ABEPSS com sede e foro jurídico e administrativo em Brasília/DF, é uma entidade civil, de natureza acadêmico-científica de âmbito nacional, de direito privado, sem fins lucrativos e com duração indeterminada. Parágrafo Único: A ABEPSS foi fundada sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESCOLAS DE SERVIÇO SOCIAL - ABESS, em , recebendo sua atual denominação, por deliberação da Assembléia Geral realizada no dia Art. 2 - A ABEPSS tem como finalidades: I - propor e coordenar a política de formação profissional na área de Serviço Social que associe organicamente ensino, pesquisa e extensão e articule a graduação com a pós-graduação; II - fortalecer a concepção de formação profissional como um processo que compreende a relação entre graduação, pós-graduação, educação permanente, exercício profissional e organização política dos assistentes sociais.

2 III - contribuir para a definição e redefinição da formação do assistente social na perspectiva do projeto ético-político profissional do Serviço Social na direção das lutas e conquistas emancipatórias. IV - propor e coordenar processos contínuos e sistemáticos de avaliação da formação profissional nos níveis de Graduação e Pós-Graduação. V estimular intercâmbios e colaborações nacionais e internacionais entre as Unidades de Formação Acadêmica, grupos de pesquisa, pesquisadores, entidades representativas da categoria dos assistentes sociais; VI - promover articulação entre associações acadêmicas e científicas congêneres; VII - apoiar iniciativas de criação de Programas de Pós-Graduação na área de Serviço Social no país; VIII - acompanhar o processo de autorização, reconhecimento e renovação dos cursos de Graduação e Programas de Pós-Graduação; IX - fomentar e estimular a formação e consolidação de grupos de pesquisa nas universidades e/ou outras instituições voltadas para a pesquisa; X estimular a publicação da produção acadêmica na área de Serviço Social e assegurar a publicação semestral da Revista Temporalis como revista nacional da ABEPSS; XI- divulgar cadastro de pesquisadores em Serviço Social; XII - promover eventos acadêmico-científicos na área do Serviço Social; XIII - manter atualizadas as subáreas de conhecimento e especialidades em Serviço Social nos órgãos de fomento à pesquisa adequando-as aos eixos temáticos de orientação acadêmico-científica definidos no âmbito da ABEPSS;

3 XIV - representar e defender os interesses da área de Serviço Social, nas agências de fomento no que se refere ao ensino, pesquisa e extensão; XV fortalecer a concepção de ensino de graduação presencial, denso, crítico, laico e numa perspectiva de totalidade. TÍTULO II DOS ASSOCIADOS Art. 3 - O quadro social da ABEPSS é constituído das seguintes categorias de associados: I - Unidades de Formação Acadêmica de Serviço Social na modalidade presencial; II - Sócios individuais. 1º. São Unidades de Formação Acadêmica as instâncias de formação de assistentes sociais nos níveis de graduação, em suas diferentes nominações (cursos, institutos, faculdades e departamentos) e de pósgraduação stricto sensu na área do Serviço Social. 2º. Para se filiar a ABEPSS a Unidade de Formação Acadêmica de Serviço Social deverá requerer inscrição à diretoria desta Associação, apresentar os comprovantes da documentação exigida, e haver formado, pelo menos, a sua primeira turma. 3º. Os documentos exigidos para o requerimento de filiação das Unidades de Formação Acadêmica em nível de graduação são os seguintes: Projeto pedagógico do curso e comprovante do

4 reconhecimento pelo órgão público da administração de ensino competente. 4º. Os documentos exigidos para requerimento de filiação das Unidades de Formação Acadêmica em nível de pós-graduação stricto sensu são os seguintes: Projeto do curso e comprovante de autorização ou reconhecimento pela CAPES. 5º. As Instituições de Ensino Superior que possuírem Unidades de Formação Acadêmica de graduação e pós-graduação na área de Serviço Social, os documentos exigidos para filiação, dessas unidades, devem respeitar os parágrafos terceiro e quarto, cabendo nesse caso o pagamento de apenas uma anuidade; 6º. São sócios individuais da ABEPSS, pessoas físicas pertencentes às seguintes categorias: I - docentes e pesquisadores em Serviço Social; II - assistentes sociais; III - estudantes de graduação de Serviço Social; IV - docentes e pesquisadores de áreas afins; 7º. Os documentos exigidos para requerimento de filiação dos sócios individuais são os seguintes: - docentes e pesquisadores na área de Serviço Social e de áreas afins, assistentes sociais, e profissionais de áreas afins: cópia do diploma de graduação. - estudantes de graduação em Serviço Social: declaração da Unidade de Formação Acadêmica de que o requerente é aluno regularmente matriculado.

5 Art. 4 - São direitos das Unidades de Formação Acadêmica associadas: I- votar e ser votada por meio de suas representações; II- propor alterações no Estatuto da ABEPSS; III ter acesso a informações sobre: a política de formação, andamento de pesquisas, eventos e publicações na área de Serviço Social; IV receber o volume anual da Revista Temporalis composto por dois números semestrais; V - participar das assembléias organizadas pela ABEPSS; VI- participar de forma efetiva das atividades que constituem as finalidades da ABEPSS conforme preceituado no artigo 2 deste Estatuto. VII - usufruir de todas as prerrogativas da Política Nacional da Entidade, conforme preceituado no artigo 2 deste Estatuto. Art. 5 - São direitos dos sócios individuais: I - votar; II - propor alterações no Estatuto da entidade; III ter acesso a informações sobre: política de formação, andamento de pesquisas, eventos e publicações na área de Serviço Social; IV receber o volume anual da Revista Temporalis composto por dois números semestrais; V- participar das assembléias organizadas pela ABEPSS; VI - participar de forma efetiva das atividades que constituem finalidades da Entidade conforme preceituado no artigo 2 deste Estatuto. VII - usufruir de todas as prerrogativas da Política Nacional da Entidade, conforme preceituado no artigo 2 deste Estatuto. VIII- usufruir de valores diferenciados da inscrição nos eventos promovidos pela entidade.

6 Art. 6º São deveres dos associados: I - pagar a anuidade definida pela Assembléia Geral da ABEPSS, ressalvando o disposto na parte final do parágrafo 5º. do art. 3º; II - Apresentar, sempre que requisitado pela Entidade, os documentos previstos nos parágrafos 5º. e 7º do Artigo 3º. e os que se fizerem necessários à atualização do banco de dados da instituição. III cumprir e fazer cumprir as normas deste estatuto, as decisões da Assembléia Geral e as da Diretoria Executiva da ABEPSS. IV- divulgar a condição de filiado a ABEPSS em materiais informativos e eventos promovidos pela unidade de formação acadêmica. Art.7º Perderão a condição de associados: I - Os associados que solicitarem o seu desligamento mediante requerimento à diretoria da ABEPSS; II - As Unidades de Formação Acadêmica e os sócios individuais que deixarem de pagar 3 (três) anuidades consecutivas ou 5 (cinco) intercaladas, respectivamente. III - Os sócios individuais que tiverem seus registros profissionais cassados pelos Conselhos Regionais de Serviço Social (CRESS) IV - I - Os associados que forem punidos com pena de exclusão por: a) Malversação ou dilapidação do patrimônio social; b) Grave ou reiterada violação deste estatuto ou do Regimento Interno; c) Cometimento de Injúria, calúnia, difamação ou declarada ameaça à integridade física e moral de membro associado, da diretoria, e ou do Conselho Fiscal da ABEPSS;

7 d) Apresentar ameaça ao patrimônio físico ou intelectual da entidade ou realizar indevida ou ilegal utilização dos bens da entidade; 1º. - São punições cabíveis aos associados: I - Advertência; II - Suspensão; III - Exclusão. 2º. - A perda da condição de associado a pedido do mesmo ou nos casos previstos nos inciso II, III, IV será decidida pelos membros da Diretoria Executiva Nacional ou pela Assembléia Geral em grau de recurso. 3º - Somente será admissível a exclusão do associando, havendo justa causa, assim reconhecida em procedimento disciplinar, quando ficará comprovada a infração. 4º. Definida a justa causa, será comunicado ao associado, através de notificação extrajudicial, dos fatos a ele imputados, para que apresente sua defesa prévia à Diretoria Executiva Nacional, no prazo de 20 (vinte) dias, contados do recebimento da comunicação, sendo garantido o amplo direito de defesa e de recurso; 5º. Após o decurso do prazo descrito no parágrafo anterior, independentemente da apresentação de defesa, a representação será submetida à análise dos membros da Diretoria Executiva Nacional, devidamente reunidos para esse fim, que deliberarão sobre a necessidade de produção de provas testemunhais e/ou periciais e decidirão pelo voto concorde da maioria dos presentes pela exclusão ou não do associado.

8 6º. - Da decisão da Diretoria Executiva Nacional, caberá recurso, uma única vez, à Assembléia Geral, que será extraordinariamente convocada para esse fim. Art. 8º - A readmissão ao quadro de associados da ABEPSS dar-se-á mediante: I - Apresentação de novo pedido de filiação quando se tratar de desligamentos previstos nos Incisos I e II do art. 7º. II Quitação do débito na tesouraria da ABEPSS e pedido de readmissão ao quadro de associados. Parágrafo único - Os pedidos de readmissão serão decididos pela Diretoria Executiva Nacional e homologados pela Assembléia Geral. TÍTULO III DA ESTRUTURA, ÓRGÃOS DE APOIO E COMPETÊNCIAS Art.9º Compõem a estrutura da ABEPSS: I - Assembléia Geral; II - Diretoria Executiva Nacional; III - Diretorias Regionais; IV - Conselho Fiscal; V- Órgãos de apoio Acadêmico-Científico e Técnico Administrativo.

9 SEÇÃO I DA ASSEMBLÉIA GERAL Art. 10 A Assembléia Geral é o órgão supremo da ABEPSS e é constituída pelos delegados devidamente credenciados e sócios individuais, que estejam quites com as suas anuidades e pelos observadores, com direito a representação nos termos que se seguem: I- As Unidades de Formação Acadêmica em nível de Graduação em Serviço Social filiadas terão direito a uma representação de 6 (seis) delegados na seguinte proporção: 2 (dois) docentes, 2 (dois) discentes e 2 (dois) supervisores de campo de estágio, eleitos por seus pares. II- Os programas de Pós-Graduação stricto sensu na área de Serviço Social terão direito à representação de 4 (quatro) delegados na proporção de 2 (dois) docentes e 2 (dois) discentes eleitos, por seus pares. III - Os sócios individuais poderão participar da Assembléia, sem número pré-definido, visto representarem a si mesmos. IV- A Assembléia Geral terá 2 (dois) observadores representando a Executiva Nacional de Estudantes de Serviço Social - ENESSO, 2 (dois) observadores representando o Conselho Federal de Serviço Social - CFESS, 2 (dois) observadores representando a Associação Latino Americana de Ensino e Pesquisa em Serviço Social ALAEITS, 2 (dois) observadores convidados e credenciados pela Diretoria da ABEPSS e 2 (dois) observadores (um docente e um discente) por Unidade de Formação Acadêmica filiada. Parágrafo único: São considerados delegados, a que se refere o caput do artigo, docentes e discentes vinculados a Unidades de Formação Acadêmica filiadas a ABEPSS, escolhidos por seus pares.

10 Art As votações serão feitas em todo e quaisquer temas ou situações, com peso proporcional diferenciado para o voto de cada categoria de sócios, a saber: I- Unidades Acadêmicas 80% II- Sócio Individual 20% Art A Assembléia Geral reunir-se-á ordinariamente de 2 (dois) em 2 (dois) anos e extraordinariamente quando necessário, por convocação do Presidente ou a requerimento realizado por parte de no mínimo 1/5 (um quinto) dos associados, que deverá ser dirigido ao Presidente da ABEPSS. 1º. - A convocação será feita por Edital a ser fixado no rol de entrada da sede da entidade, com subscrição da presidência da entidade, e, encaminhada cópia a todos os associados por , ou fac-símile, sendo que o Edital de convocação ficará nos arquivos da entidade, juntamente com a relação dos associados convocados. 2º - Serão consideradas aprovadas pela Assembléia Geral, inclusive, para fins de alteração do Estatuto, do Regimento Interno e dos critérios de eleição da Diretoria e Conselho Fiscal, as deliberações que tiverem aprovação da maioria dos sócios individuais e delegados presentes e quites com suas obrigações, ressalvado apenas os quóruns especiais dispostos nos artigos 41, 42 e 48 deste Estatuto. Art Compete à Assembléia Geral: I eleger a Diretoria; II- aprovar as diretrizes e a política de ação da entidade no âmbito do ensino, pesquisa e extensão na área de Serviço Social;

11 III - decidir, em última instância, sobre a admissão e exclusão de associado; IV - fixar a contribuição a ser paga pelos associados, garantindo valor correspondente a 50% da anuidade de sócio individual para os estudantes de graduação. V - aprovar o relatório e as prestações de contas da Diretoria; VI - aprovar a constituição, modificação e extinção de regionais; VII aprovar alterações nos estatutos da ABEPSS; VIII - destituir a Diretoria ou membros desta, sendo admissível somente, nos casos em que houver justa causa, assim reconhecida em procedimento disciplinar, quando ficar comprovado, grave desrespeito às deliberações da Assembléia Geral, malversação ou dilapidação do patrimônio, não cumprimento das normas estatutárias e regimentais da entidade e violação de dispositivo do Código de Ética Profissional do Assistente Social. SEÇÃO II DA DIRETORIA Art A Diretoria da ABEPSS, eleita em Assembléia Geral para cumprir mandato de 02 (dois) anos, com dinâmica colegiada, sendo o órgão responsável pela coordenação e execução das atividades da entidade, com base nas diretrizes e política de ação aprovadas pela Assembléia Geral. Art A Diretoria da ABEPSS é composta de: Diretoria Executiva Nacional, com os seguintes cargos:

12 I - (um) Presidente; II - (um) Secretário; III - (um) Tesoureiro; IV - (um) Coordenador Nacional de Graduação; V - (um) Representante Discente Nacional de Graduação; VI (um) Coordenador Nacional de Pós-graduação; VII (um) Representante Discente Nacional de Pós-graduação; VIII (um) Coordenador de Relações Internacionais; IX (seis) Vice-Presidentes; X- (dois) docentes suplentes da Diretoria Nacional; XI- (dois) discentes suplentes, sendo um suplente da representação discente nacional de graduação e outro suplente da representação discente nacional de pós-graduação. Diretorias Regionais com os seguintes cargos: I- (um) Vice-Presidente; II- (um) coordenador regional de graduação; III - (um) representante discente regional de graduação; IV- (um) coordenador regional de pós-graduação; V - (um) representante discente regional de pós-graduação; VI- (um) representante de supervisores de campo de estágio; VII- (seis) suplentes docentes, sendo um para cada uma das diretorias regionais; VIII (doze) suplentes discentes sendo um suplente discente da representação discente regional de graduação e um suplente discente da representação regional de pós-graduação para cada uma das diretorias regionais.

13 1º. Os cargos de vice-presidentes que compõem as diretorias regionais serão providos, obrigatoriamente, pelos mesmos vice-presidentes que compõem a diretoria executiva nacional. 2º. Serão eleitos na mesma assembléia que eleger a diretoria, o Conselho Fiscal da ABEPSS, que será composto de 3 (três) docentes, vinculados às Unidades de Formação Acadêmica associadas à entidade, cujas atribuições específicas estão previstas na Seção VI deste estatuto. 3º. A diretoria da ABEPSS contará, obrigatoriamente, com a participação de dois suplentes docentes para a Diretoria Executiva Nacional e um suplente docente para cada uma das diretorias regionais, eleitos na mesma assembléia geral que eleger a diretoria. 4º. A diretoria da ABEPSS contará, obrigatoriamente, com a participação de dois suplentes discentes, um de graduação e outro de pós-graduação para a Diretoria Executiva Nacional e dois suplentes discentes, um de graduação e outro de pós-graduação para cada uma das diretorias regionais, eleitos na mesma assembléia geral que eleger a diretoria. 5º. O Presidente, Tesoureiro e Secretário deverão, necessariamente, ser domiciliados no mesmo Estado da Federação ou Distrito Federal em que está sediada a diretoria executiva. 6º. A Diretoria Executiva Nacional, além dos cargos efetivos, terá dois suplentes que comporão a mesma chapa, eleitos na mesma Assembléia Geral, com mandatos idênticos. 7º. Caberão aos suplentes da Diretoria Nacional e das Regionais, eleitos na mesma Assembléia Geral, substituir os membros titulares, respeitadas as categorias docente e discente, em suas faltas e impedimentos, assumindo o cargo em caso de vacância.

14 8º. Os cargos titulares e suplentes da Diretoria só poderão ser providos por docentes, discentes e supervisores de campo de estágio vinculados às Unidades de Formação Acadêmica de Serviço Social associadas, vedada a reeleição para o mesmo cargo por mais de uma vez consecutiva. Art Compete à Diretoria Executiva Nacional: I - elaborar e executar programas de trabalho e outras atividades pertinentes à finalidade da entidade; II - defender os interesses da entidade em qualquer setor da atividade pública; III - encaminhar as resoluções da Assembléia; IV - submeter à Assembléia Geral o relatório dos trabalhos e a prestação de contas da Entidade; V - encaminhar questões de interesse do ensino e da pesquisa em Serviço Social; VI participar de processos de consulta com vista à indicação, pelos órgãos de fomento e outros órgãos públicos e privados, de coordenadores e formação de comissões da área do Serviço Social para efeito de formulação e implementação da política de ensino e pesquisa na área de Serviço Social; VII - aprovar o plano anual de receita e despesa da entidade apresentado pela Tesouraria; VIII - responder pelas obrigações sociais da Entidade; IX - autorizar a aquisição, ou alienação, de bens móveis ou imóveis;

15 X - aprovar a celebração de contratos, convênios, acordos com órgãos ou instituições públicas ou privadas, concernentes à finalidade da associação; XI - estabelecer os procedimentos administrativos e disciplinares necessários ao bom e eficaz funcionamento da associação; XII - fornecer ao Conselho Fiscal, quando requisitados, os elementos necessários ao fiel cumprimento das atribuições do mesmo. XIII- deliberar sobre as solicitações de filiação à ABEPSS. XIV- indicar os membros para a Comissão Editorial da Revista Temporalis; XV - viabilizar a publicação da Revista Temporalis sob a responsabilidade das coordenações nacionais de pós-graduação e graduação. Art Compete ao Presidente: I - Representar a ABEPSS ativa e passivamente, perante os órgãos públicos, judiciais e extrajudiciais, inclusive em juízo ou fora dele, podendo delegar poderes e constituir procuradores e advogados para o fim que julgar necessário; II - convocar e presidir as Assembléias Gerais e as reuniões da Diretoria; III - fazer cumprir as resoluções da Assembléia Geral e da Diretoria; IV - coordenar a elaboração e execução do programa de trabalho e outras atividades que se fizerem necessárias ao funcionamento da entidade; V - elaborar, com a colaboração do Secretário e do Tesoureiro, relatório anual dos trabalhos da entidade e apresentá-lo com a devida prestação de contas;

16 VI - abrir e manter conta bancária para depósito e movimentação dos valores pertencentes à entidade; VII - assinar, juntamente com o tesoureiro, as ordens de pagamento e o movimento financeiro da ABEPSS. Art Compete ao Secretário: I - secretariar reuniões, assembléias, encontros e outros eventos em âmbito nacional, promovidos pela ABEPSS; II - preparar e expedir as correspondências e demais expedientes da ABEPSS. Art Compete ao Tesoureiro: I - receber contribuições, auxílios e subvenções destinadas à entidade; II - movimentar as contas bancárias assinando cheques da Associação juntamente com o Presidente; III - manter em dia toda a escrituração da ABEPSS e apresentar balanço anual à Diretoria até 3 (três) meses após o término do ano social, bem como a proposta orçamentária anual até 3 (três) meses antes do início do exercício civil; IV - efetuar a cobrança das anuidades. SEÇÃO III DA COORDENAÇÃO NACIONAL DE GRADUAÇÃO Art A Coordenação Nacional de Graduação é composta por: I- 1 (um) Coordenador II- 1 (um) Representante discente de Graduação

17 Art Compete ao Coordenador de Graduação: I - acompanhar e subsidiar as Unidades de Formação Acadêmica, para elevação do padrão de qualidade da formação profissional, considerando: projeto pedagógico do curso, política de carreira, capacitação docente e condições de infra-estrutura; II - estimular a criação de mecanismos de avaliação permanente das Unidades de Formação Acadêmica em Serviço Social; III - estimular projetos de iniciação científica, grupos de pesquisa, atividades de extensão e publicação na área de Serviço Social; IV - acompanhar o processo de formação profissional, junto às Unidades de Formação Acadêmica, em âmbito nacional; V estimular a participação de docentes e profissionais em processos de capacitação continuada; VI- incentivar as Unidades de Formação Acadêmica em Serviço Social a promoverem ações de capacitação e articulação dos supervisores de campo de estágio; VII acompanhar, em articulação com o CFESS/CRESS e as Unidades de Formação Acadêmica, as demandas sociais e de mercado de trabalho para a área de Serviço Social; VIII- Manter as Unidades de Formação Acadêmica atualizadas quanto às informações sobre a política de formação e legislação no âmbito do Serviço Social; IX coordenar o processo de formulação e acompanhar a política nacional de estágio.

18 Art. 22 Compete ao representante discente de graduação: I- contribuir, com base nas demandas estudantis, para o alcance das finalidades da ABEPSS; II contribuir para o fortalecimento da organização político-acadêmica do Serviço Social consoante com as finalidades da ABEPSS; III - participar da construção e implementação das atividades desenvolvidas pela ABEPSS; IV- difundir as informações da entidade junto aos estudantes nas Unidades de Formação Acadêmica e nos fóruns estudantis. SEÇÃO IV DA COORDENAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO Art A Coordenação Nacional de Pós-Graduação é composta por: I - 01 (um) Coordenador; II - 01 (um) Representante discente de pós-graduação. Art Compete ao Coordenador Nacional de Pós-Graduação: I - incentivar e apoiar as iniciativas de criação e/ou consolidação dos programas de pós-graduação na área de Serviço Social; II - propor mecanismos de formação e consolidação de grupos de pesquisa nas Unidades de Formação Acadêmica na área de Serviço Social; III - promover a articulação dos grupos temáticos de pesquisa e pesquisadores da área de conhecimento do Serviço Social;

19 IV incentivar a articulação da área de Serviço Social com áreas de conhecimento afins. V - criar mecanismos e estratégias para veiculação das pesquisas e informações de interesse dos pesquisadores da área de Serviço Social; VI contribuir para organização e atualização de um sistema de informações da produção de conhecimento na área de Serviço Social; VII - captar recursos nas agências de fomento nacionais e internacionais para o desenvolvimento das atividades de pós-graduação e pesquisa da entidade; VIII - organizar e manter atualizado um cadastro de grupos de pesquisa, pesquisadores e pesquisas, por temáticas, já produzidas ou em andamento na área do Serviço Social; IX manter um canal permanente de comunicação com os Programas de Pós-Graduação, tendo por objetivo elaborar e acompanhar a política de ensino e pesquisa da pós-graduação na área de Serviço Social no Brasil; X - organizar e coordenar os eventos acadêmico-científicos da pósgraduação em Serviço Social de competência da ABEPSS em âmbito nacional. XI - incentivar a formação e o cadastramento de grupos e redes de pesquisa na área de Serviço Social nos órgãos de fomento. Art. 25- Compete ao representante discente de Pós-Graduação: I- contribuir, com base nas demandas estudantis, para o alcance das finalidades da ABEPSS; II contribuir para o fortalecimento da organização político-acadêmica do Serviço Social consoante com as finalidades da ABEPSS;

20 III - participar da construção e implementação das atividades desenvolvidas pela ABEPSS; IV- difundir as informações da entidade junto aos discentes nas Unidades de Formação Acadêmica e nos fóruns estudantis. Art. 26. Compete à Coordenação Nacional de Relações Internacionais: I- Propor a política de relações internacionais da entidade; II- Implementar a política de relações internacionais da entidade, em articulação com a Coordenação Nacional de Graduação e de Pós- Graduação; III- Organizar e manter atualizado cadastro das experiências de relações internacionais realizadas no âmbito do ensino e da pesquisa na área de Serviço Social; IV- Incentivar e apoiar a articulação internacional do Serviço Social Brasileiro, nos níveis de Graduação, Pós-Graduação e da pesquisa; V- Realizar estudos sistemáticos sobre as relações internacionais do Serviço Social Brasileiro no mundo; VI- Incentivar e apoiar o intercâmbio de estudantes e professores de Serviço Social por meio de publicações e dos programas dos organismos de financiamento; VII- Organizar e manter atualizado cadastro de organismos financiadores de ensino e pesquisa em âmbito internacional; VIII- Incentivar o debate sobre o internacionalismo e de sua incidência no Serviço Social brasileiro. SEÇÃO V

21 DAS DIRETORIAS REGIONAIS Art. 27 As Regionais da ABEPSS estão assim constituídas: I - Norte: Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Pará, Piauí, Rondônia, Roraima e Tocantins; II - Nordeste: Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe; III - Centro-Oeste: Distrito Federal, Goiás, Mato-Grosso; IV- Leste: Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro; V - Sul I: Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina; VI - Sul II: São Paulo e Mato Grosso do Sul. Art. 28. Compete à Diretoria Regional: I - encaminhar em âmbito regional as resoluções e determinações aprovadas nos órgãos nacionais da entidade, a saber: Assembléia Geral e Diretoria Executiva Nacional; II - elaborar e executar o plano de trabalho regional em consonância com o plano nacional da Entidade; III - elaborar o relatório de atividades para apresentação nas Assembléias Gerais; IV - divulgar e promover a entidade em âmbito regional; V - elaborar e desenvolver atividades que tenham como objetivo a captação de novos sócios para a Entidade. Art. 29. Compete ao Vice-Presidente Regional: I - exercer a direção geral do regional;

22 II - assegurar o funcionamento das Coordenações de Graduação e Pós- Graduação em âmbito regional, bem como a articulação entre elas; III - convocar e presidir os eventos regionais em consonância com o plano nacional da Entidade; IV - coordenar a elaboração e execução do programa de trabalho e outras atividades que se fizerem necessárias ao funcionamento da regional; V - coordenar a elaboração do relatório de atividades para a apresentação nas assembléias gerais; VI - representar a entidade em âmbito regional; VII - estimular a efetiva participação das Unidades de Formação Acadêmica, e o envolvimento dos supervisores de campo no processo de formação profissional e da política nacional de estágio. Art. 30. Compete ao representante dos supervisores de campo de estágio: I- contribuir com base nas demandas profissionais para o alcance das finalidades da ABEPSS; II contribuir para o fortalecimento da organização político-acadêmica do Serviço Social consoante com as finalidades da ABEPSS; III - participar da construção e implementação das atividades desenvolvidas pela ABEPSS; IV- difundir as informações da entidade junto aos supervisores de campo de estágio nas Unidades de Formação Acadêmica; V contribuir com a formulação e acompanhamento da política nacional de estágio.

23 SEÇÃO VI DO CONSELHO FISCAL Art O Conselho Fiscal da ABEPSS é o órgão que tem por finalidade zelar pelo funcionamento regular da gestão financeira da entidade, sendo constituído por 03 docentes ligados às Unidades de Formação Acadêmica associadas, os quais comporão a mesma chapa eleita em Assembléia Geral que eleger a Diretoria. Art Compete ao Conselho Fiscal: I - acompanhar e fiscalizar o exercício financeiro da entidade; II - examinar e emitir parecer sobre a proposta orçamentária da ABEPSS; III - examinar e emitir parecer sobre as reformulações orçamentárias da ABEPSS; IV - examinar e emitir parecer sobre a prestação de contas anual da ABEPSS; V - requisitar da direção da entidade os elementos necessários ao fiel cumprimento de suas atribuições fiscais. SEÇÃO VII DOS ÓRGÃOS DE APOIO ACADÊMICO-CIENTÍFICO E TÉCNICO- ADMINISTRATIVO Art. 33. São órgãos de apoio acadêmico-científico da ABEPSS: I - Grupos Temáticos de Pesquisa;

24 II - Comissão Editorial da Revista Temporalis; III - Comissões Temporárias de Trabalho. Art. 34. Os grupos temáticos GT de pesquisa na área de Serviço Social, articulados no âmbito da ABEPSS, são formados por pesquisadores de temáticas específicas que constituem sub-áreas ou especialidades de conhecimento do Serviço Social. Parágrafo único: Compete aos grupos temáticos de pesquisa: I - propor e implementar estratégias de articulação entre grupos e redes de pesquisa na perspectiva do fortalecimento da área do Serviço Social; II organizar estratégias de fortalecimento ou redimensionamento das linhas de pesquisa na área de Serviço Social; III- realizar levantamentos permanentes das pesquisas desenvolvidas e dos eixos temáticos de cada grupo; IV- coordenar ações acadêmico-científicas da entidade relativas aos eixos de cada grupo temático; V- propor à diretoria estrutura de organização temática para o Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social ENPESS. Art. 35. A Comissão Editorial da Revista Temporalis é formada por três membros indicados pela Diretoria Executiva Nacional da ABEPSS, por dois anos consecutivos, coincidindo com o mandato desta Diretoria. Parágrafo único: Compete a Comissão Editorial da Revista Temporalis: I - propor ao Conselho Editorial elementos para a definição do Plano Editorial da Revista Temporalis de acordo com Diretrizes Gerais da Revista;

25 II operacionalizar os encaminhamentos relacionados à editoração da Revista Temporalis; Art. 36. As Comissões Temporárias de Trabalho são formadas por membros indicados pela Diretoria Executiva Nacional para o desenvolvimento de atividades específicas, com duração correspondente ao período de realização da atividade. Parágrafo único: Compete às Comissões Temporárias de Trabalho: I desenvolver atividades específicas de acordo com os fins para os quais foram criadas. Art. 37. São órgãos de apoio técnico-administrativo: I- Secretaria Executiva da ABEPSS; II- Assessoria Jurídica; III- Assessoria Contábil; IV- Assessoria de Comunicação Art. 38. A Secretaria Executiva da ABEPSS, sediada em Brasília, é constituída por um corpo de funcionários permanente composto de, no mínimo, uma secretária e um auxiliar administrativo, contratados pela entidade, através de processo seletivo público. Parágrafo Único: Compete à Secretaria Executiva I- executar atividades de natureza técnico-administrativo pertinentes ao desenvolvimento do Plano de atividades da entidade.

26 Art. 39. As Assessorias Jurídica, Contábil e de Comunicação, serão constituídas por prestadores de serviços nas áreas especificadas. Parágrafo único: A Assessoria de Comunicação prestará serviços de comunicação à entidade entre os quais a página web da ABEPSS e a editoração on-line da Revista Temporalis. TÍTULO IV DAS ELEIÇÕES Art. 40. As eleições para a Diretoria Executiva e Conselho Fiscal realizarse-ão, conjuntamente, de 02 (dois) em 02 (dois) anos, por chapa completa de candidatos apresentada à Assembléia Geral, podendo seus membros serem reeleitos. 1º. A Assembléia Geral elegerá uma Comissão Eleitoral, composta de 5 (cinco) Delegados, com finalidade de coordenar os trabalhos eleitorais, com direito a voto, competindo-lhe estabelecer as normas do processo eleitoral; 2º - A impugnação de candidato ou da chapa deverá ser apresentada pelo impugnante, perante a Comissão Eleitoral, após o pedido de registro da Chapa e antes do seu deferimento; 3º - Da decisão que julgar a impugnação do candidato ou do registro da chapa caberá recurso à Assembléia Geral, que decidirá em instância final e irrecorrível.

27 DA PERDA DE MANDATO Art. 41. A perda da qualidade de membro da Diretoria Executiva ou do Conselho Fiscal será determinada pela Assembléia Geral, sendo admissível somente havendo justa causa, assim reconhecida em procedimento disciplinar, quando ficar comprovado: I. Malversação ou dilapidação do patrimônio social; II. Grave violação deste estatuto; III. Abandono do cargo, assim considerada a ausência não justificada em 03 (três) reuniões ordinárias consecutivas, sem expressa comunicação dos motivos da ausência, à secretaria da Associação; IV. Aceitação de cargo ou função incompatível com o exercício do cargo que exerce na Associação; 1º. Definida a justa causa, o diretor ou conselheiro será comunicado, através de notificação extrajudicial, dos fatos a ele imputados, para que apresente sua defesa prévia à Diretoria Executiva, no prazo de 20 (vinte) dias, contados do recebimento da comunicação; 2º. Após o decurso do prazo descrito no parágrafo anterior, independentemente da apresentação de defesa, a representação será submetida à Assembléia Geral Extraordinária, devidamente convocada para esse fim, composta de associados contribuintes em dia com suas obrigações sociais, não podendo ela deliberar sem voto concorde de 2/3 (dois terços) dos presentes, sendo em primeira chamada, com a maioria absoluta dos associados e em segunda chamada, uma hora após a primeira, com qualquer número de associados, sendo garantido o amplo direito de defesa.

28 DA RENÚNCIA Art. 42. O pedido de renúncia de membro da Diretoria e do Conselho Fiscal se dará por escrito, devendo ser protocolado na secretaria da Associação, a qual, no prazo máximo de 60 (sessenta) dias, contado da data do protocolo, o submeterá à deliberação da Assembléia Geral; 1º. - Ocorrendo renúncia coletiva da Diretoria e Conselho Fiscal, o Presidente renunciante, qualquer membro da Diretoria Executiva ou, em último caso, qualquer dos associados, poderá convocar a Assembléia Geral Extraordinária, que elegerá uma comissão provisória composta por 05 (cinco) membros, que administrará a entidade e fará realizar novas eleições, no prazo máximo de 60 (sessenta) dias, contados da data de realização da referida assembléia. 2º. Os diretores e conselheiros eleitos, nas condições previstas do parágrafo 1º. do presente artigo, complementarão o mandato dos renunciantes. TÍTULO V DO PATRIMÔNIO E DAS FINANÇAS Art. 43. O patrimônio da ABEPSS é constituído de todos os bens móveis e imóveis, doações e legados, contribuições dos sócios, subvenções e auxílios diversos, tudo sob Administração e responsabilidade da Diretoria da ABEPSS.

29 Art. 44. Constituem receitas da ABEPSS: I - as contribuições estatutárias devidas pelos associados; II - recursos provenientes de acordos, convênios, ajustes e outros instrumentos jurídicos para obtenção de apoio institucional e/ou destinados à execução de programas e atividades específicas, com instituições nacionais e estrangeiras, públicas ou privadas; III - doações, legados e subvenções de qualquer espécie; IV - investimentos e operações de crédito; V - rendas oriundas da comercialização da Revista Temporalis e outras publicações. VI rendas eventuais; TÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 45. Os Associados não respondem, mesmo subsidiariamente, pelas obrigações sociais assumidas pela Entidade. Art. 46. Os membros da Diretoria e do Conselho Fiscal não recebem remuneração, de qualquer espécie ou natureza, pelos serviços prestados no exercício de seus cargos. Art. 47. Os recursos ordinários e/ou extraordinários auferidos pela ABEPSS e as eventuais receitas patrimoniais, só poderão ser utilizadas na execução de seu plano de trabalho, podendo ser aplicados no

30 mercado financeiro oficial de valores mobiliários nacional, enquanto não utilizados, sob a responsabilidade do Presidente. Art. 48. A dissolução da ABEPSS só poderá ser decidida em Assembléia Geral extraordinária especialmente convocada para este fim, mediante aprovação de no mínimo 2/3 (dois terços) dos Associados com direito a voto. Art. 49. No caso da dissolução prevista no artigo anterior, a Assembléia Geral resolverá sobre o destino do patrimônio que será revertido à instituição congênere, com personalidade jurídica comprovada, devidamente registrada nos órgãos públicos competentes. Art As disposições deste Estatuto poderão ser complementadas por Regimento Interno. Art Os casos omissos neste estatuto serão decididos pela diretoria executiva nacional ad referendum da Assembléia Geral. Art. 52 O exercício social terminará em 31 de dezembro de cada ano, quando serão elaboradas as demonstrações financeiras da entidade, de conformidade com as disposições legais. São Luís/MA, 05 de dezembro de Marina Maciel Abreu Sandra Gonçalves Macêdo-adv. Presidente da ABEPS OAB/MG OAB/MA 5414-A

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE. Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE. Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE I Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ARTIGO 1 - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO REGIMENTO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI - Estatuto Social ESTATUTO SOCIAL

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI - Estatuto Social ESTATUTO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E QUADRO SOCIAL Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI, neste Estatuto designada, simplesmente, como Associação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades Art. 1º A Associação dos ex alunos do Centro Universitário do Distrito Federal doravante

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II O presente Estatuto foi elaborado em conformidade com a Lei 10.406 de 2002 Novo Código Civil. ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES..., doravante simplesmente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 008, DE 6 DE MARÇO DE 2012. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004.

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. (PUBLICADO NO DOE DE 26.04.04) Este texto não substitui o publicado no DOE Regulamenta a Lei nº 14.546, de 30 de setembro de 2003, que dispõe sobre a criação do

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE Capítulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração Artigo

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A Associação Piranguçuense de Artesanato, doravante denominada APA, fundada em 04 de outubro de 2008, é

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais;

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais; ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO RUY BARBOSA (Faculdade de Direito-UFBA) TÍTULO I DA ENTIDADE Capítulo I Da Natureza Jurídica Art.1º O Centro Acadêmico Ruy Barbosa (CARB), fundado em 25 de Outubro de 1999,

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - O INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF - ADAPTSURF, doravante designado por entidade, constituído em 30/12/2007,

Leia mais

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O GRUPO DE AJUDA À CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO também designado

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ TÍTULO I DA FINALIDADE E DA COMPETÊNCIA DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ CVSP Art. 1º O Campus Virtual

Leia mais

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social Jeep Clube de Brasília Estatuto Social CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO NATUREZA E FINS Art. 1º O JEEP CLUBE DE BRASÍLIA, com a sigla JCB, fundado em 17 de junho de 1989, é uma sociedade civil sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV c A ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV ADAPTAÇÃO AO CÓDIGO CIVIL LEI N" 10.406/2002 DESIGNAÇÃO E SEDE Artigo Io - A associação terá a denominação de Associação dos Amigos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL 1 ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E TEMPO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP Capitulo I Da DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A Afinidades GLSTAL Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transgênero de Alagoas também

Leia mais

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS Artigo 1º. O Centro Acadêmico IAG Paulo Marques dos Santos C.A.P.M.S. dos estudantes de Geofísica

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação, doravante denominada FINEDUCA, é uma associação civil de direito privado,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO REGISTRADO NO CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DA COMARCA DE CONCEIÇÃO DO COITÉ BAHIA, sob Número: 6.893, protocolo 2, fls. 117, Registro n.º 477, livro

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH RHEINBOLDT Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005.

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH RHEINBOLDT Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH RHEINBOLDT Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OBSTETRIZES E ENFERMEIROS OBSTETRAS - A B E N F O N A C I O N AL - ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OBSTETRIZES E ENFERMEIROS OBSTETRAS - A B E N F O N A C I O N AL - ESTATUTO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OBSTETRIZES E ENFERMEIROS OBSTETRAS - A B E N F O N A C I O N AL - ESTATUTO Alteração aprovada na Reunião do Conselho Diretor Nacional, realizada em 07/11/2004 durante o IV Congresso

Leia mais

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Capitulo I Da Sede. Fórum. Denominação e Finalidades Art. 1º - A Liga de Diabetes da Universidade de Uberaba é um órgão

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL, adiante denominada simplesmente

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO Capítulo I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1 A Fundação Irmão José Otão (FIJO), pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, instituída pela União

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSUNI/025/2008 * Cria o Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Envelhecimento Humano - NIEPEH e dá outras providências. O Conselho Universitário, CONSUNI, da UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011.

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. Dispõe sobre Criação de Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais - CEUA/URI. O Reitor da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

Parágrafo primeiro A AGATEF tem sua sede na rua Cristóvão Colombo, 1773, conjunto 403, bairro Floresta, na cidade de Porto Alegre, RS.

Parágrafo primeiro A AGATEF tem sua sede na rua Cristóvão Colombo, 1773, conjunto 403, bairro Floresta, na cidade de Porto Alegre, RS. NOVO ESTATUTO SOCIAL DA AGATEF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E OBJETIVOS Artigo 1º A Associação Gaúcha de Terapia Familiar, com sigla AGATEF, fundada em 1º de outubro de 1994, é uma Associação sem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPÍTULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV

Leia mais

ESTATUTO TÍTULO I DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES CAPÍTULO ÚNICO DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES ASSOCIATIVAS

ESTATUTO TÍTULO I DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES CAPÍTULO ÚNICO DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES ASSOCIATIVAS ESTATUTO TÍTULO I DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES CAPÍTULO ÚNICO DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES ASSOCIATIVAS Art. 1º - A Associação de Mantenedoras Particulares de Ensino Superior de

Leia mais

RESOLUÇÃO: JOÃO GRANDINO RODAS Reitor. RUBENS BEÇAK Secretário Geral REGIMENTO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO I

RESOLUÇÃO: JOÃO GRANDINO RODAS Reitor. RUBENS BEÇAK Secretário Geral REGIMENTO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO I Page 1 of 13 RESOLUÇÃO Nº 6311, DE 6 DE JULHO DE 2012. (D.O.E. - 11.07.2012) Baixa o Regimento da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. O Reitor da Universidade de São Paulo, usando de suas atribuições

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA, também designada

Leia mais

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp Resolução Unesp-38, de 10-9-2008 Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista o deliberado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento Interno do Curso de Mestrado em Biotecnologia e Área de concentração: Biotecnologia e REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL TÍTULO I Dos Objetivos

Leia mais

Estatuto Social do Sebrae/BA

Estatuto Social do Sebrae/BA Estatuto Social do Sebrae/BA TÍTULO I -DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I -DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, ALTERAÇÃO INSTITUCIONAL E DURAÇÃO Art. 1º - O CEAG/BA - Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI ESTATUTO DA ABRAFI ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE Título I Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Capítulo Único Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Associativas Art. 1 - A Associação

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINALIDADE, SEDE, FORO E DURAÇÃO. Art. 1º - A União Nacional das Cooperativas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI 0 RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JARAGUÁ DO SUL UNERJ. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI do Centro Universitário de Jaraguá do Sul UNERJ,

Leia mais

ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL. I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO

ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL. I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A "ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE DIREITO DE SEGURO -

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato Capítulo II Dos Associados dos Direitos e Deveres Capítulo III Da

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO Art. 1 - A Agência de Desenvolvimento do Turismo da Macrorregião Sul

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Física - Campus Curitiba Programa de Pós-Graduação em Física e Astronomia - PPGFA Regulamento Interno do Programa

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - A Casa do Cuidar é uma associação civil, de direito privado, sem fins lucrativos e econômicos e duração por tempo

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Proposta do Regimento Geral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Documento

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Jurídicas e Políticas Escola de Ciências Jurídicas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO REGULAMENTO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais

ATA DA ASSEMBLÉIA DE FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DO TRABALHO ABET

ATA DA ASSEMBLÉIA DE FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DO TRABALHO ABET ATA DA ASSEMBLÉIA DE FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DO TRABALHO ABET Aos trinta dias do mês de maio de mil novecentos e oitenta e nove, na sala de convenções do Hotel Panamericano, sito à

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências Humanas e Sociais, cursos de Mestrado

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE FOTÓGRAFOS DE NATUREZA-AFNATURA ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE FOTÓGRAFOS DE NATUREZA-AFNATURA ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE FOTÓGRAFOS DE NATUREZA-AFNATURA ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO A Associação de Fotógrafos de Natureza, neste estatuto designada simplesmente como AFNATURA,

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ,

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O Movimento de Alfabetização Regional

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto Artigo 1º A UPTICK PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se rege pelas leis e usos do comércio,

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro Artigo 1º A Associação dos Gestores de Tecnologia da Informação do Estado de Sergipe, denominada também pela sigla CIO-SE,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER PREÂMBULO O Estatuto do PSDB, aprovado em 1988, previu em sua Seção V, art. 73, 2º a criação do Secretariado da Mulher como parte integrante da Executiva

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS ESTATUTO SOCIAL DA FIAMA EMPRESA JÚNIOR AMAMBAI MS 2010 FIAMA -Empresa Júnior Rua Padre Anchieta, 202 Amambai-MS 2 EMPRESA JUNIOR Visando

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) Portaria FEPAGRO nº 154/2013. O Diretor-Presidente da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA)

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) Agosto/2011 CAPÍTULO I SEÇÃO I DA NATUREZA Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da União das Instituições de Serviço, Ensino

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL EDUMANGUE. Título I. Da Denominação, missão, prazo de duração e sede.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL EDUMANGUE. Título I. Da Denominação, missão, prazo de duração e sede. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL Título I Da Denominação, missão, prazo de duração e sede. Art. 1º - A Associação brasileira para Educação Ambiental em Áreas de Manguezal,

Leia mais

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de AGILE ALLIANCE BRAZIL, foi instituída em 14/11/2013, uma pessoa jurídica de direito

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Denominação, Sede e Duração

ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Denominação, Sede e Duração ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objetivos Denominação, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração ABM, fundada em 10 de outubro de 1944

Leia mais

ANER - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE EDITORES DE REVISTAS ESTATUTO SOCIAL ÍNDICE

ANER - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE EDITORES DE REVISTAS ESTATUTO SOCIAL ÍNDICE ANER - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE EDITORES DE REVISTAS ESTATUTO SOCIAL ÍNDICE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADE CAPÍTULO II DOS ASSOCIADOS, DIREITOS E DEVERES CAPÍTULO III DA CATEGORIA DE ASSOCIADOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 554/2011 * * * * *

RESOLUÇÃO N.º 554/2011 * * * * * MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 554/2011 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Especial e Inclusiva.

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais (PPEUR),

Leia mais

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 Aprova o Estatuto Social da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso

Leia mais

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA Estatuto Social Interaction Design Association IxDA-CURITIBA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1º A Interaction Design Association Capítulo Curitiba, também designada simplesmente como

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 11/2011

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 11/2011 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA-UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual nº 9.996, de 02 de maio de 2006 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 11/2011

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO 1 ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO ESTATUTO 2011 2 SUMÁRIO CAPÍTULO TÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins II Dos Associados III Da Administração IV Do Patrimônio V Da Prestação de Contas VI Das Disposições

Leia mais

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas (IQUANTA) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art. 1º - O Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas,

Leia mais