SOFTWARE PARA CÁLCULO DE CURVA-CHAVE DE CANAIS NATURAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOFTWARE PARA CÁLCULO DE CURVA-CHAVE DE CANAIS NATURAIS"

Transcrição

1 SOFTWARE PARA CÁLCULO DE CURVA-CHAVE DE CANAIS NATURAIS ALEXANDRE AUGUSTO BARBOSA¹ ARTUR JOSÉ SOARES MATOS 2 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá Curso de Engenharia Ambiental Avenida BPS, 1303 Bairro Pinheirinho - Itajubá, MG, Brasil 2 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá Engenharia da Energia/Ambiental Avenida BPS, 1303 Bairro Pinheirinho - Itajubá, MG, Brasil Abstract. The aim of this paper is describe how to obtain a relation of stage-discharge in a natural channel and the software who was developed to do it. The software was developed on Visual Basic environment of Microsoft Excel and permits to calculate the relation of stage-discharge whit different Manning coefficient for each water depth. Keywords: Stage-discharge relationship, natural channels and Manning. 1. Introdução A curva-chave é uma relação cota-vazão para um dado curso d agua. Uma curvachave normalmente é desenvolvida para facilitar a determinação da vazão, seja de um rio, de um córrego ou de um canal artificial. Um gráfico Cota x Vazão é construído a partir de dados experimentais ou dados empíricos do canal. A partir de um nível de água obtém-se facilmente a vazão correspondente, sem ter a necessidade de se proceder a cálculos muito trabalhosos. 2. Objetivos O principal objetivo é o de desenvolver um software, que facilite o desenvolvimento de curvas-chaves em canais naturais. Visto que, nos canais naturais, por causa de suas irregularidades geométricas, a dificuldade de se obter uma relação como esta aumenta muito. Um segundo objetivo é o de se obter as curvas-chaves para duas estações de monitoramento de cheias na bacia do alto Sapucaí, sendo uma em um trecho do Bairro Cantagalo e outra na captação de água da Copasa, localizadas no rio Sapucaí no município de Itajubá-MG. 3. Metodologia O cálculo da curva-chave, neste trabalho, é baseado na fórmula de Manning: Q = 2 3. A. Rh n S 1 2 Equação 2-1 Onde: Q - vazão; A - área da seção transversal;

2 Rh - raio hidráulico; S - declividade da linha d água e n - coeficiente de Manning Conhecendo-se as características geométricas e de resistência do canal, para um determinado nível de água, obtém-se a vazão correspondente. A seção transversal de estudo pode ser dividida em quatro partes: calha principal, calha esquerda, calha direita e coluna d agua (acima da seção principal e entre as margens), como mostrado na Figura 1. Da Figura 1, temos: E é a margem esquerda D é a margem direita P é a calha principal C é a coluna de água Y é o nível da água 4. Dados de entrada Figura 1 Divisão de uma seção transversal em subseções Para o cálculo da curva chave é necessário caracterizar a seção a ser estudada. Com isso posto, o primeiro passo é se fazer uma boa topobatimetria, ou seja, saber como é o perfil transversal da seção. O segundo passo consiste em medir a declividade do canal natural, trabalho que pode ser feito de várias maneiras, mas, a mais apropriada é aquela em que o próprio nível d água seja medido, a, pelo menos, cinco vezes a largura da seção à montante e à jusante.

3 O último passo é o de caracterização do coeficiente de Manning, para a dada seção. Como citado em CHOW, V.T. (1959) o coeficiente de Manning é variável em função do nível de água. Trata-se do principal desafio em hidrometria e será um dos principais objetivos deste trabalho. 5. O Programa O programa foi desenvolvido em ambiente Visual Basic do Microsoft Excel e tem 2 planilhas com entradas de dados, mostradas na Figura 2 e na Figura 3. Figura 2 Dados de entrada e saída de dados para um dado nível Figura 3 Dados de topobatimetria da seção

4 O programa funciona de duas formas: 1) Inserindo um nível de água e pedindo para ele calcular a vazão somente para aquele nível, ou 2) Pedindo para calcular a curva chave para a dada seção. 6. Cálculos Os cálculos para a obtenção da curva-chave são feitos incrementando o nível da água, que vai de 0,001m até um valor estipulado pelo usuário. O valor do incremento é decidido também pelo usuário. Obtém-se assim para cada valor de cota, um valor de vazão e posteriormente é confeccionado um gráfico para melhor visualização. Para o cálculo da vazão para cada nível seguem-se os seguintes passos: a) Área da seção É calculada pela integração numérica dos dados de topobatimetria da seção para um dado nível b) Perímetro Molhado (Pm) É calculado em função dos pontos obtidos pela topobatimetria. c) Raio hidráulico (Rh) O raio hidráulico é calculado dividindo-se a área pelo perímetro molhado. d) Velocidade média(v) É calculada para cada subseção utilizando a formula de manning e) Vazão (Q) É calculada multiplicando-se a velocidade média pela área. 7. Estudo de caso e Resultados Foram calculadas as curvas-chaves para duas seções do Rio Sapucaí, sendo uma em um trecho do Bairro Cantagalo e outra na captação de água da Copasa, localizadas no município de Itajubá-MG. Seção do Cantagalo É mostrada na Figura 4, a seção do Cantagalo e na Figura 5 a sua curva chave calculada pelo programa.

5 Seção da Copasa Profundidade (m) 10, Distância (m) Nível da água calha Figura 4 Perfil da seção da Copasa Curva chave Altura da lamina d`agua (m) 9,00 7,00 5,00 3,00 1,00 0,00 0,000 50, , , , , , , , ,000 Vazão (m 3 /s) Curva chave Calha principal Figura 5 Curva-chave da seção da Copasa

6 Seção do Copasa É mostrada na Figura 6, a seção do Cantagalo e na Figura 7 a sua curva-chave calculada pelo programa. Seção Cantagalo ,00 7,00 Profundidade (m) 5,00 3,00 1, Distância (m) Nível da água calha Figura 6 Perfil da seção do Cantagalo Curva chave altura da lamina d`agua (m) 7,00 5,00 3,00 1,00 0,00 0,000 50, , , , ,000 Vazão (m3/s) Curva chave Calha principal Figura 7 Curva-chave da seção do Cantagalo

7 8. Conclusões a. As dificuldades de se trabalhar com um canal natural são muito maiores que se trabalhar com um canal artificial. Alguns parâmetros são mais difíceis e complicados de se levantar em campo, como o perfil da seção, o coeficiente de Manning e a declividade do canal. b. Uma dificuldade encontrada foi o cálculo da área da seção, devido a sua irregularidade. Em um primeiro momento experimentou-se ajustar uma curva com os pontos obtidos pela topobatimetria, mas as curvas ajustadas não retratavam a realidade. Optou-se então por integrar numericamente os pontos e este método se mostrou muito mais eficiente que o primeiro. c. Os dados coletados em campo devem ser coletados com cuidado e tentando-se retratar o máximo possível a realidade. A topobatimetria da seção transversal deve ser feita coletando o máximo de dados possíveis para se diminuir os erros da integração numérica. d. A obtenção da curva-chave facilita a programação de softwares de propagação de cheias em canais, pois se tem a relação direta de cota-vazão. e. A curva-chave facilita o acompanhamento e interpretação de dados de estações de monitoramento em tempo real por telemetria em canais naturais. Referências CHOW, Ven Te.Open Channel Hydraulics. 1st Ed., McGraw-Hill Book Co,New York, N.Y., p. Parigot de Souza, Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento, 2001, 372 p JACCON, G e Cudo, K J. Hiidrologia Curva Chave Análise e Traçado. Brasília, DNAE, 1989, 1 V, 273 p. SANTOS, Irani et all, Hidrometria Aplicada, Curitiba: CHPAR Centro de Hidráulica e Hidrologia prof. TUCCI, C.E.M. (org.),hidrologia-ciência e Aplicação. 2a Ed., ABRH, Porto Alegre, RS, 1997.

Medição de vazão. Capítulo

Medição de vazão. Capítulo Capítulo 5 Medição de vazão V azão é o volume de água que passa por uma determinada seção de um rio dividido por um intervalo de tempo. Assim, se o volume é dado em litros, e o tempo é medido em segundos,

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTUDO DO COMPORTAMENTO DA LINHA D ÁGUA EM UMA SEÇÃO DE TRANSIÇÃO DE UM CANAL COM MOVIMENTO GRADUALMENTE VARIADO, EM FUNÇÃO DA DECLIVIDADE DOS TALUDES. Rejane

Leia mais

PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS OBSERVADOS DE VAZÃO UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE MANNING

PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS OBSERVADOS DE VAZÃO UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE MANNING PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS OBSERVADOS DE VAZÃO UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE MANNING *Marilia Ferreira Tamiosso 1 & Camila Ferreira Tamiosso 2 & Ronaldo Kanopf de Araújo 3 & Jussara Cabral Cruz 4 & João

Leia mais

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica 15 - CANALIZAÇÃO E/OU RETIFICAÇÂO DE CURSO D ÁGUA 1 Definição: É toda obra ou serviço que tenha por objetivo dar forma geométrica definida para a seção transversal do curso d'água, ou trecho deste, com

Leia mais

Águas Pluviais: Introdução

Águas Pluviais: Introdução Águas Pluviais: Introdução Águas Pluviais: Introdução OBJETIVO GERAL Águas Pluviais: Objetivos de Projeto Recolher e conduzir as águas da chuva até um local adequado e permitido. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Construção de Curvas Chave dos Córregos dos Pires e Santo Antônio no Município de Jahu-SP Visando o Abastecimento Público

Construção de Curvas Chave dos Córregos dos Pires e Santo Antônio no Município de Jahu-SP Visando o Abastecimento Público Construção de Curvas Chave dos Córregos dos Pires e Santo Antônio no Município de Jahu-SP Visando o Abastecimento Público Dalva Maria de Castro VITTI, 1 Rafael Brasílio FERRAREGI, 2 Bruno Bernardo dos

Leia mais

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail 1 12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA Definição: Alteração do percurso natural do corpo de água para fins diversos. O desvio em corpo d água pode ser parcial ou total. O desvio parcial consiste na preservação

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definição DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Segundo a Resolução Interna Sanepar nº091/2007, o Estudo de Cota de Inundação (ECI) é a definição da cota de assente para estruturas de saneamento, seja de captação,

Leia mais

HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO

HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO Antonio Marozzi Righetto 1. Hidráulica é o ramo da ciência que trata das condições físicas da água em condições de repouso e em movimento. 2. Um volume de água aprisionado em um

Leia mais

2 -HIDROMETRIA (Medição de Vazão)

2 -HIDROMETRIA (Medição de Vazão) 2.1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 2 -HIDROMETRIA (Medição de Vazão) - Definição:

Leia mais

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA Prefeitura Porto Acre Fluviométrica 13610000 Curso d água Bacia Hidrográfica Área de Drenagem REFERÊNCIA CARTOGRÁFICA Carta Folha Escala Ano Latitude Longitude

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012 Polígonos de Thiessen para a bacia hidrográfica do rio da Várzea, no Rio Grande do Sul Géssica Weber Casado 1, Lidiane Bittencourt Barroso 2, Fabiana Perotto da Silva 3, Delmira Beatriz Wolff 4, Jussara

Leia mais

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 RESUMO: A ocorrência da cavitação em bombas hidráulicas traz consequências negativas

Leia mais

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL B. P. H. G. Cardoso 1 ; F. F de. Araújo 2 RESUMO: Este trabalho objetivou possibilitar um levantamento estatístico das vazões e cotas de

Leia mais

Autores: Alessandro de Araújo Bezerra Marco Aurélio Holanda de Castro

Autores: Alessandro de Araújo Bezerra Marco Aurélio Holanda de Castro X SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E AMBIENTAL ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE DRENAGEM URBANA: utilização do software UFC8 Autores: Alessandro

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MODELO HIDRÁULICO ASSOCIADO A UM SIG PARA A DEFINIÇÃO DE ÁREAS INUNDÁVEIS NA CIDADE DE GOVERNADOR VALADARES, MINAS GERAIS

UTILIZAÇÃO DE MODELO HIDRÁULICO ASSOCIADO A UM SIG PARA A DEFINIÇÃO DE ÁREAS INUNDÁVEIS NA CIDADE DE GOVERNADOR VALADARES, MINAS GERAIS UTILIZAÇÃO DE MODELO HIDRÁULICO ASSOCIADO A UM SIG PARA A DEFINIÇÃO DE ÁREAS INUNDÁVEIS NA CIDADE DE GOVERNADOR VALADARES, MINAS GERAIS Alice Silva de Castilho 1 ; Éber José de Andrade Pinto 1 & Graziela

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

Micro-ambientes marítimos: método para sua definição. Marítime microenvironment: method for its definition

Micro-ambientes marítimos: método para sua definição. Marítime microenvironment: method for its definition Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.12, p.93-99, Outubro, 2008 Micro-ambientes marítimos: método para sua definição Marítime microenvironment: method for its definition Sônia S. F. Bretanha 1 & André

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação Calha Parshall MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Setembro / 2004 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (0xx11)

Leia mais

SISTEMA PARA ANÁLISE DE DADOS HIDROLÓGICOS SiADH. COMPUTATIONAL SYSTEM FOR HYDROLOGICAL DATA ANALYSIS - SiADH

SISTEMA PARA ANÁLISE DE DADOS HIDROLÓGICOS SiADH. COMPUTATIONAL SYSTEM FOR HYDROLOGICAL DATA ANALYSIS - SiADH SISTEMA PARA ANÁLISE DE DADOS HIDROLÓGICOS SiADH Walszon Terllizzie Araújo Lopes 1,2* ; Gabriel Meldau Lemos 1 ; Luciana Roberto Sarmento Silva 1 ; Maria Célia Alencar Machado da Silva 1 ; Rita de Cássia

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ JULIA S. MELLO 1 ; DANIEL de C. VICTORIA 2 Nº 10505 RESUMO Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são importantes ferramentas

Leia mais

Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório.

Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório. 40 Capítulo 4 Calibração Onshore do Medidor Ultra-Sônico em Laboratório. Nesse capítulo chega-se ao ponto de partida para o pleno desenvolvimento desse trabalho, após um processo complicado de liberação

Leia mais

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Nome dos autores: Petrúcio Santos; Fábio Mendonça Bocheni José Roberto de Campos Costa Junior Instituição: Maccaferri

Leia mais

Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS. Capítulo 3 Determinação da Vazão de Projeto

Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS. Capítulo 3 Determinação da Vazão de Projeto Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS Capítulo 3 54 Capítulo 3 Para facilitar a compreensão das noções básicas de projetos de obras hidráulicas, no próximo capítulo desenvolve-se o projeto de uma pequena barragem.

Leia mais

MOLINX: UMA PLANILHA PARA DETERMINAÇÃO DE VAZÕES EM PEQUENOS RIACHOS

MOLINX: UMA PLANILHA PARA DETERMINAÇÃO DE VAZÕES EM PEQUENOS RIACHOS MOLINX: UMA PLANILHA PARA DETERMINAÇÃO DE VAZÕES EM PEQUENOS RIACHOS Cristiano das Neves Almeida 1 ; Luiz Simão de Andrade Filho 2; Davi de Carvalho Diniz Melo 3 RESUMO Este artigo apresenta a metodologia

Leia mais

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE REFERÊNCIA ASSUNTO: DIRETRIZES DE PROJETO DE HIDRÁULICA E DRENAGEM DATA DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE -309- ÍNDICE PÁG. 1. OBJETIVO... 311 2. RUGOSIDADE EM OBRAS HIDRÁULICAS...

Leia mais

CURVAS COTA-VOLUME E COTA-ÁREA DA LAGOA DA COCA-COLA LOCALIZADA NO DISTRITO INDUSTRIAL LUIZ CAVALCANTE

CURVAS COTA-VOLUME E COTA-ÁREA DA LAGOA DA COCA-COLA LOCALIZADA NO DISTRITO INDUSTRIAL LUIZ CAVALCANTE 1 CURVAS COTA-VOLUME E COTA-ÁREA DA LAGOA DA COCA-COLA LOCALIZADA NO DISTRITO INDUSTRIAL LUIZ CAVALCANTE Valmir de Albuquerque Pedrosa 1 RESUMO - Este artigo apresenta o processo de construção das curvas

Leia mais

Capítulo 69 Curva de remanso

Capítulo 69 Curva de remanso Capítulo 69 Curva de remanso 69-1 Capítulo 69- Curva de remanso 69.1 Introdução O objetivo é o cálculo da curva de remanso quando o movimento é uniforme e gradualmente variado. Primeiramente vamos recordar

Leia mais

MANUAL TÉCNICO PARA LEVANTAMENTO E DESENHO TOPOGRÁFICO Apresentação

MANUAL TÉCNICO PARA LEVANTAMENTO E DESENHO TOPOGRÁFICO Apresentação MANUAL TÉCNICO PARA LEVANTAMENTO E DESENHO TOPOGRÁFICO Apresentação A planilha de Melhor Caminho GPS serve para projetar e desenhar Planta Baixa, Perfil Longitudinal e Seções Transversais do Projeto, bem

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar Nº 20080901 Setembro - 2008 Maria Luiza Furtado de Mendonça, Luiz Roberto

Leia mais

EFEITO DA DISCRETIZAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL NA ESTIMATIVA DO HIDROGRAMA DE PROJETO

EFEITO DA DISCRETIZAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL NA ESTIMATIVA DO HIDROGRAMA DE PROJETO EFEITO DA DISCRETIZAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL NA ESTIMATIVA DO HIDROGRAMA DE PROJETO Manuel José Mahunguana 1* ; Juan Martín Bravo 2 ; Rafael Kayser 3 ; Felipe Mamedio 4 ; Fernando Mainardi Fan 5 ; Taison Bortolin

Leia mais

APOSTILA FLUVIOMETRIA CTH. Prof. Luis Emílio

APOSTILA FLUVIOMETRIA CTH. Prof. Luis Emílio 1 APOSTILA FLUVIOMETRIA CTH Prof. Luis Emílio 2 Geomorfologia Fluvial Introdução. Definição A Geomorfologia Fluvial interessa-se pelo estudo da interação entre os processos e as formas do leito relacionadas

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PARA ÁGUAS PLUVIAIS NBR 10844

DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PARA ÁGUAS PLUVIAIS NBR 10844 ÁREA DE CONTRIBUIÇÃO DADOS PLUVIOMÉTRICOS Localidade: Praça XV Ângulo de inclinação da chuva: θ = 60,0 Tipo: Coberturas s/ extravazamento Período de Retorno: T = 25 anos Intensidade pluviométrica*: i =

Leia mais

Ruralminas. Promovendo o desenvolvimento regional sustentável em Minas Gerais. Luiz Afonso Vaz de Oliveira Presidente

Ruralminas. Promovendo o desenvolvimento regional sustentável em Minas Gerais. Luiz Afonso Vaz de Oliveira Presidente Ruralminas Promovendo o desenvolvimento regional sustentável em Minas Gerais Luiz Afonso Vaz de Oliveira Presidente A Ruralminas A Fundação Rural Mineira Ruralminas é uma entidade pública voltada para

Leia mais

Capítulo 71 Bacia de dissipação em rampa conforme DAEE

Capítulo 71 Bacia de dissipação em rampa conforme DAEE Capítulo 71 Bacia de dissipação em rampa conforme DAEE 71-1 Capítulo 71- Bacia de dissipação em rampa conforme DAEE 71.1 Introdução Os canais em rampas (Smooth chute ou Spillways chute) apresentam a peculiaridade

Leia mais

DESEMPENHO DE FLUXÔMETRO DE BAIXO CUSTO

DESEMPENHO DE FLUXÔMETRO DE BAIXO CUSTO DESEMPENHO DE FLUXÔMETRO DE BAIXO CUSTO Junior Pommer*, Christopher Yuity Kuroda*, Paulo Henrique Tardelli*, Eudes José Arantes* *Engenharia Ambiental/UTFPR, Campo Mourão, Brasil e-mail: juniorpommer@hotmail.com

Leia mais

Como desenhar e numerar as Redes e Galerias no DRENAR

Como desenhar e numerar as Redes e Galerias no DRENAR Como desenhar e numerar as Redes e Galerias no DRENAR O presente documento visa orientar os Utilizadores do software DRENAR para Micro Drenagem Urbana como lançar a rede de drenagem em planta no CAD e

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IX-010 - DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÃO I-D-F DE CHUVAS INTENSAS DO POSTO PLUVIOGRÁFICO / PLUVIOMÉTRICO VIA ONZE BARRA DA TIJUCA RJ METODOLOGIA E ANÁLISE COMPARATIVA Reynaldo André Guerrieri de Castro (1) Engenheiro

Leia mais

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos. Profª Gersina N.R.C. Junior

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos. Profª Gersina N.R.C. Junior da Rede Coletora de Esgotos Profª Gersina N.R.C. Junior Rede de Esgoto - Após a definição do traçado, numeração dos trechos e indicação do sentido de escoamento da rede de esgoto: a) Cálculo da vazão a

Leia mais

4 ESCOAMENTOS COM SUPERFÍCIE LIVRE

4 ESCOAMENTOS COM SUPERFÍCIE LIVRE 4 ESCOAMENTOS COM SUPERFÍCIE LIVRE PROBLEMA 4.1 Trace as curvas representativas das funções geométricas S(h), B(h), P(h). R(h) e da capacidade de transporte de um canal de secção trapezoidal, revestido

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira 1 Centro de Ciências Agrárias-Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Análise de Incertezas de Observações Hidrológicas e sua Influência na Modelagem de Pequenas Bacias Urbanas

Análise de Incertezas de Observações Hidrológicas e sua Influência na Modelagem de Pequenas Bacias Urbanas RBRH Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume n. Jan/Mar 7, 7-6 Análise de Incertezas de Observações Hidrológicas e sua Influência na Modelagem de Pequenas Bacias Urbanas Guilherme de Lima, Rodrigo

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico Revisão 00 NOV/2013 Coordenador da Equipe Carlos Eduardo Alencar Carvalho CRBio 37538/4-D

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MAPAS E MODELO 3D DO BAIRRO CENTRO DE SANTA MARIA RS¹

ELABORAÇÃO DE MAPAS E MODELO 3D DO BAIRRO CENTRO DE SANTA MARIA RS¹ ELABORAÇÃO DE MAPAS E MODELO 3D DO BAIRRO CENTRO DE SANTA MARIA RS¹ TEIXEIRA, Laís²; BINS, Fernando³; TEIXEIRA, Marília 4 ; FENSTERSEIFER, Sandro 5 1 Trabalho de pesquisa_unifra ² Acadêmico do Curso de

Leia mais

MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS

MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS S CALHA PARSHALL REV 0-2012 MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS 1- INTRODUÇÃO O medidor Parshall desenvolvido pelo engenheiro Ralph L. Parshall, na década de 1920, nos Estados Unidos, é uma melhoria realizada

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE MICRO ASPERSOR

CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE MICRO ASPERSOR CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE MICRO ASPERSOR M. A. D. Marques 1 ; L. F. S. M. Campeche 2 RESUMO: O propósito deste trabalho foi avaliar hidraulicamente o emissor da marca Agropolo de um sistema de irrigação

Leia mais

RECURSOS HIDRICOS. SUDERHSA- DASP UFPR / DHS Curitiba, 10 de outubro de 2005 MONITORAMENTO EM PEQUENAS BACIAS HIDROGRÁFICAS

RECURSOS HIDRICOS. SUDERHSA- DASP UFPR / DHS Curitiba, 10 de outubro de 2005 MONITORAMENTO EM PEQUENAS BACIAS HIDROGRÁFICAS SUDERHSA- DASP UFPR / DHS Curitiba, 10 de outubro de 2005 MONITORAMENTO EM PEQUENAS BACIAS HIDROGRÁFICAS Autores: OSNERI ROQUE ANDREOLI, Engenheiro Civil, SUDERHSA MÍRIAM RITA MORO MINE, Profa. Dra. UFPR

Leia mais

Medição de Vazão. João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br

Medição de Vazão. João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 1 Medição de Vazão João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 2 Vazão 3 Definição Vazão: Refere-se a quantidade volumétrica de um fluido que escoa por um duto ou canal em unidade de tempo

Leia mais

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE 1 OBJETIVO Esta Norma fixa as condições exigíveis para a indicação

Leia mais

Ventilação de impulso em parques de estacionamento cobertos não compartimentados. João Viegas (LNEC)

Ventilação de impulso em parques de estacionamento cobertos não compartimentados. João Viegas (LNEC) Ventilação de impulso em parques de estacionamento cobertos não compartimentados João Viegas (LNEC) Enquadramento > Ventilação em parques de estacionamento cobertos destina-se a: realizar o escoamento

Leia mais

Figura 2.1. Esquema de uma bacia hidrográfica.

Figura 2.1. Esquema de uma bacia hidrográfica. Capítulo 2 Bacia hidrográfica Rita Cabral Guimarães ICAAM - Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas, Escola de Ciência e Tecnologia Universidade de Évora 1. Conceitos gerais A bacia

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS 2 INTRODUÇÃO A água da chuva é um dos elementos

Leia mais

Capitulo 86. Infiltração pelo Método de Horton

Capitulo 86. Infiltração pelo Método de Horton Capitulo 86 Infiltração pelo Método de Horton O engenheiro após 10 anos de formado quer aprender filosofia Prof. dr. Kokei Uehara 86-1 SUMÁRIO Ordem Assunto 86.1 Introdução 86.2 Método de Horton 86-2 Capitulo

Leia mais

Caderno de Prova M10. Ministério da Educação Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) Edital n o 016/UFFS/2012. http://uffs2012.fepese.org.

Caderno de Prova M10. Ministério da Educação Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) Edital n o 016/UFFS/2012. http://uffs2012.fepese.org. Ministério da Educação Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) Edital n o 016/UFFS/2012 http://uffs2012.fepese.org.br Caderno de Prova março 18 18 de março das 14:10 às 18:10 h 4 h de duração* 40

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS Prof. Adolar Ricardo Bohn - M. Sc. 1 A instalação predial de águas pluviais

Leia mais

Planilhas EXCEL para cálculo de Balanço Hídrico Climatológico com diferentes metodologias para estimativa da evapotranspiração potencial.

Planilhas EXCEL para cálculo de Balanço Hídrico Climatológico com diferentes metodologias para estimativa da evapotranspiração potencial. Planilhas EXCEL para cálculo de Balanço Hídrico Climatológico com diferentes metodologias para estimativa da evapotranspiração potencial. Gustavo D Angiolella 1 ; Vânia Lúcia Dias Vasconcellos 2 RESUMO

Leia mais

S I F Õ E S. Coroamento

S I F Õ E S. Coroamento UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD174 006. Prof. Raimundo Nonato Távora Costa S I F Õ E S 01. Definição: Denominam-se sifões os condutos forçados parcialmente,

Leia mais

SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO

SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO INTRODUÇÃO 1.1 Partes de um Sistema de Esgotamento Sanitário: Rede Coletora: Conjunto de tubulações destinadas a receber e Conduzir

Leia mais

Influência da declividade do canal e da posição do vertedouro do tipo sem contrações laterais

Influência da declividade do canal e da posição do vertedouro do tipo sem contrações laterais Influência da declividade do canal e da posição do vertedouro do tipo sem contrações laterais Autor: Adriano Machado da Costa adriano.machado@hotmail.com Co-autor: Denis Willian Ferreira Rupp caroline-y-denis@hotmail.com

Leia mais

Ecologia II: Ecossistemas fluviais. Manuela Abelho 2012

Ecologia II: Ecossistemas fluviais. Manuela Abelho 2012 Ecologia II: Ecossistemas fluviais Manuela Abelho 2012 8.1 Princípios básicos 8. RECUPERAÇÃO ECOLÓGICA 2 A e a recuperação de rios A consideração dos valores ambientais oferecidos pelos rios não impede

Leia mais

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC Willians Cesar Benetti (1) Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista PROBIC/UDESC. Centro de Ciências Tecnológicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q:

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q: Cálculo da Perda de Carga 5-1 5 CÁLCULO DA PEDA DE CAGA 5.1 Perda de Carga Distribuída 5.1.1 Fórmula Universal Aplicando-se a análise dimensional ao problema do movimento de fluidos em tubulações de seção

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO.

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO. DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO. Obra : EMBRAPA, Monte Alegre do Sul. Referente: Ao contrato n.ocs-spm n 085/2008. Assunto: Projeto de construção de tanques e respectivo sistema hidráulico. I Dados do projeto,

Leia mais

Introdução a Drenagem Urbana Microdrenagem

Introdução a Drenagem Urbana Microdrenagem Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Saneamento Básico Introdução a Drenagem Urbana Microdrenagem Renato de Oliveira Fernandes

Leia mais

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE -NOVO CÓDIGO FLORESTAL MINEIRO LEI 20922/13 Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE(APPs) ART. 8º - São aquelas cobertas ou não por vegetação

Leia mais

PLANILHA ELETRÔNICA EXCEL AULA 1. INTRODUÇÃO E FORMATAÇÃO PEDIDOS DO EXERCÍCIO 1

PLANILHA ELETRÔNICA EXCEL AULA 1. INTRODUÇÃO E FORMATAÇÃO PEDIDOS DO EXERCÍCIO 1 PLANILHA ELETRÔNICA EXCEL 1 AULA 1. INTRODUÇÃO E FORMATAÇÃO PEDIDOS DO EXERCÍCIO 1 1) Clique no link do arquivo EXCEL_EXERCÍCIO_1.XLS Escolha a opção Salvar e coloque no nome do arquivo a sua MATRÍCULA.XLS

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail:

Leia mais

Reformulação do Açude da Ponte da Bateira

Reformulação do Açude da Ponte da Bateira AdDP NEWTON Reformulação do Açude da Ponte da Bateira Abril de 2007 Símbolos Aqui REFORMULAÇÃO DO AÇUDE DA PONTE DA BATEIRA OBJECTIVOS DEFINIÇÃO DE UM NOVO PERFIL DO AÇUDE DA PONTE DA BATEIRA Permitir

Leia mais

Sistema de Monitoramento Hidrológico por Satélite. HidroSat. João Carlos Carvalho. Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica SGH/ANA

Sistema de Monitoramento Hidrológico por Satélite. HidroSat. João Carlos Carvalho. Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica SGH/ANA Sistema de Monitoramento Hidrológico por Satélite HidroSat João Carlos Carvalho Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica SGH/ANA Brasília, 18/08/2015 Estrutura da Apresentação Introdução Arquitetura

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO

BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO Pedro José Moacyr Rangel Neto pedrorangel@pucrs.br PUCRS Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Engenharia - Departamento de Engenharia

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Medição de vazão e curva-chave. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Medição de vazão e curva-chave. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Medição de vazão e curva-chave Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Conhecer um método analítico de estimar vazão em escoamento

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

PRODUÇÃO DE SEDIMENTO EM BACIA URBANA

PRODUÇÃO DE SEDIMENTO EM BACIA URBANA PRODUÇÃO DE SEDIMENTO EM BACIA URBANA Eloiza Maria Cauduro Dias de Paiva 1 ; Marcel Felipe Tonetto Costas 2 Resumo - Este trabalho apresenta resultados da produção de sedimentos da bacia hidrográfica Alto

Leia mais

ESCOAMENTO SUPERFICIAL

ESCOAMENTO SUPERFICIAL ESCOAMENTO SUPERFICIAL 1 Definição e abordagem introdutória No contexto do ciclo hidrológico, o escoamento superficial é um dos componentes mais importantes para dimensionamentos hidráulicos e manejo da

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Maria Osmarina da Silva Vaz de Lima. Ministro de Estado AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Jerson Kelman Diretor Presidente

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Maria Osmarina da Silva Vaz de Lima. Ministro de Estado AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Jerson Kelman Diretor Presidente DEFINIÇÃO DA PLANÍCIE DE INUNDAÇÃO DA CIDADE DE GOVERNADOR VALADARES ANA - AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS CPRM - SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL IGAM - INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA

MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA Dispositivo: Bueiro simples tubular concreto (BSTC) Aterro: sim I - INTRODUÇÃO 1. Parâmetros de dimensionamento do BSTC Segundo o Manual de Drenagem

Leia mais

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

Estudos de sedimentologia a partir do emprego de protocolos do EMAP: contribuições para avaliação de impactos sobre pequenos cursos d'água

Estudos de sedimentologia a partir do emprego de protocolos do EMAP: contribuições para avaliação de impactos sobre pequenos cursos d'água Estudos de sedimentologia a partir do emprego de protocolos do EMAP: contribuições para avaliação de impactos sobre pequenos cursos d'água Hersília de Andrade e Santos Stéphanie Fernandes Cunha Aline Pimenta

Leia mais

6 Mistura Rápida. Continuação

6 Mistura Rápida. Continuação 6 Mistura Rápida Continuação 2 Ressalto em medidor Parshall (calha Parshall): Foi idealizado por R.L. Parshall, engenheiro do Serviço de Irrigação do Departamento de Agricultura dos EUA. Originalmente

Leia mais

Capítulo 69 Movimento gradualmente variado

Capítulo 69 Movimento gradualmente variado Engenheiro Plínio Tomaz 4 de agosto de 011 pliniotomaz@uol.com.br Capítulo 69 Movimento gradualmente variado 69-1 Engenheiro Plínio Tomaz 4 de agosto de 011 pliniotomaz@uol.com.br Capítulo 69- Movimento

Leia mais

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br Ji-Paraná - 2014 Atividades realizadas pelo projetista da rede coletora de esgoto: Identificação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD

AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD 1 Délio Barroso de Souza, 2 Ulisses Fernandes Alves, 3 Valéria Viana Murata 1 Discente do curso de Engenharia Química 2 Bolsista

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Prof. Edberto Ferneda Software 1 Sistema Operacional Sistema Operacional Sistema Operacional Softwares aplicativos U s u á r i o s Freeware é o software pelo qual não se cobra

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS VARIÁVEIS HIDROLÓGICAS NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO 1

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS VARIÁVEIS HIDROLÓGICAS NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO 1 DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS VARIÁVEIS HIDROLÓGICAS NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO 1 Silvio Bueno Pereira 2, Fernando Falco Pruski 3, Luciano Farias de Novaes 4, Demetrius David da Silva 5, Márcio Mota Ramos

Leia mais

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP)

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Escola de Engenharia Civil - UFG SISTEMAS PREDIAIS Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Concepção de projeto Métodos de dimensionamento dos componentes e sistemas Prof. Ricardo Prado Abreu Reis Goiânia

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO COMPORTAMENTO SEDMENTOLÓGICO DO RIO MADEIRA E DO FUTURO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTONIO RELATÓRIO DE ANDAMENTO RA 1

MODELAGEM MATEMÁTICA DO COMPORTAMENTO SEDMENTOLÓGICO DO RIO MADEIRA E DO FUTURO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTONIO RELATÓRIO DE ANDAMENTO RA 1 UHE SANTO ANTÔNIO PROJETO BÁSICO MODELAGEM MATEMÁTICA DO COMPORTAMENTO SEDMENTOLÓGICO DO RIO MADEIRA E DO FUTURO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTONIO RELATÓRIO DE ANDAMENTO RA 1 JULHO LHO/2008 UHE SANTO ANTÔNIO

Leia mais

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul PESQUISA ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS DE QUALIDADE DE MISTURAS ASFÁLTICAS PRODUZIDAS NA ATUALIDADE NO SUL DO BRASIL E IMPACTOS NO DESEMPENHO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS. MANUAL DE OPERAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

Comportas Stop Logs Caixa D água Calha Parshall Peneiras Estáticas Tanques e peças especiais

Comportas Stop Logs Caixa D água Calha Parshall Peneiras Estáticas Tanques e peças especiais Medidor de Vazão Calha Parshall Finalidade A Calha Parshall é um dispositivo tradicional para medição de vazão em canais abertos de líquidos fluindo por gravidade. Muito utilizado em estações de tratamento

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA NA DOSAGEM DO CONCRETO COM O AUXILIO DA INFORMATICÁ

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA NA DOSAGEM DO CONCRETO COM O AUXILIO DA INFORMATICÁ TÍTULO: DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA NA DOSAGEM DO CONCRETO COM O AUXILIO DA INFORMATICÁ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA

Leia mais

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Folha 1 de 14 APRESENTAÇÃO Este Anexo é dividido em duas partes: A Seção I introduz a descrição da Infra-estrutura de Irrigação de Uso Comum do Projeto Pontal,

Leia mais

SIG aplicado à caracterização morfométrica de bacias hidrográficas estudo de caso da bacia hidrográfica do rio Cubatão do Sul Santa Catarina/Brasil

SIG aplicado à caracterização morfométrica de bacias hidrográficas estudo de caso da bacia hidrográfica do rio Cubatão do Sul Santa Catarina/Brasil SIG aplicado à caracterização morfométrica de bacias hidrográficas estudo de caso da bacia hidrográfica do rio Cubatão do Sul Santa Catarina/Brasil Marcelo Pedroso Curtarelli ¹ ¹ Universidade Federal de

Leia mais

*EMPRESA ENERGÉTICA DO MATO GROSSO DO SUL S/A CAMPO GRANDE, MS AV.GURY MARQUES N* 8000 CEP70072-900

*EMPRESA ENERGÉTICA DO MATO GROSSO DO SUL S/A CAMPO GRANDE, MS AV.GURY MARQUES N* 8000 CEP70072-900 SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI - 29 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XII GRUPO DE ESTUDOS DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

Estudo de Viabilidade de Transporte Aquaviário no Canal de Marapendi

Estudo de Viabilidade de Transporte Aquaviário no Canal de Marapendi Estudo de Viabilidade de Transporte Aquaviário no Canal de Marapendi CIV1730 Estágio de Campo 2 2013.1 Professor José Araruna - Rodrigo Gaudie-Ley - Phillipe Senez - Victor Costa - Denise Torres - Ana

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ Aline da Silva Rodrigues de Oliveira Graduanda em Geografia Licenciatura e Bolsista Voluntária

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais