Utilizando o estudo das redes capitalistas no leste asiático como benchmark para o processo de integração Sul-Americano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilizando o estudo das redes capitalistas no leste asiático como benchmark para o processo de integração Sul-Americano"

Transcrição

1 II FÓRUM BRASILEIRO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS/SP GT 08 RELAÇÕES INTERNACIONAIS Utilizando o estudo das redes capitalistas no leste asiático como benchmark para o processo de integração Sul-Americano Eduardo Urbanski Bueno 1 João Rodrigues Chiarelli 2 Luciana Silveira 3 Lídia Brochier 4 RESUMO A percepção de que o Leste Asiático tornou-se o centro dinâmico do capitalismo global na segunda metade do século XX leva à questão de como se deu esta emergência e como se relacionaram os principais atores regionais. O presente artigo busca demonstrar alguns dos fatores que levaram à emergência regional, focando-se na formação de sucessivas redes capitalistas nesta região ao longo do século passado. Para tanto, a abordagem analítica incidirá nas relações entre o Japão, os Estados Unidos e a China, com destaque para o primeiro. A pesquisa busca demonstrar quais são os determinantes dos movimentos japoneses neste palco e como ele vê a ascensão da China e a aliança com os americanos. Por fim, pretende-se demonstrar como esta análise de redes capitalistas pode ser utilizada como benchmark para avaliarmos o processo de integração sul-americano. 1 Mestrando em Economia pela UFRGS Porto Alegre/RS, bolsista CAPES, pesquisador do Instituto Sul Americano de Política e Estratégia (ISAPE), para contato: 2 Mestrando em Ciências Políticas pela UFSCar São Carlos/SP, pesquisador do Instituto Sul Americano de Política e Estratégia (ISAPE), para contato: 3 Mestranda do Departamento de Sociologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas IFCH pela UNICAMP Campinas/SP, bolsista CNPq, para contato: 4 Mestranda em Economia pela UNICAMP Campinas/SP, bolsista CAPES, para contato:

2 INTRODUÇÃO Para o economista Giovanni Arrighi a criação de redes está na base da perpetuação da empresa capitalista e, consequentemente, do fornecimento dos insumos necessários para a manutenção de uma sociedade inserida em dito sistema. Estas redes assumem diversas interfaces, desde a empresarial (citada abaixo), passando pela política, diplomática, cultural, financeira, etc. A criação destes laços entre nós geograficamente dispersos torna-se vital para que uma sociedade possa desenvolver-se com maior harmonia e bem-estar 5. Conforme Arrighi: Esta tendência de gerar ordens costumeiras é o que o capitalismo tem em comum com todos os sistemas sociais anteriores (...). Uma das principais atividades da maioria das empresas é montar redes de clientes (...) que comprarão rotineiramente produtos (...) a preços mais ou menos dados e em quantidades mais ou menos dadas. Sem uma rede estável deste tipo, nenhuma empresa capitalista poderia sobreviver por qualquer período de tempo. (ARRIGHI, 1998) Imbuído desta idéia e da noção de que o leste asiático tem-se transformado no centro dinâmico do capitalismo global ao longo da segunda metade do século XX e início do XXI, o presente artigo busca demonstrar alguns fatores que determinaram a formação de uma rede capitalista nesta região no último século. Para tanto, o recorte analítico será centrado na análise da relação entre o Japão, os Estados Unidos e a China, com ênfase maior para o primeiro 6. Buscar-se-á demonstrar quais são os condicionantes do movimento japonês dentro deste palco e como ele percebe a ascensão chinesa e a aliança com os estadunidenses. O objetivo central desta análise será buscar identificar mecanismos integracionistas que poderiam ser utilizados para compararmos o processo de integração regional na América do Sul. Para tanto o trabalho será dividido em quatro cortes cronológicos. Inicialmente analisar-se-á o período anterior à Segunda Guerra Mundial, com a formação de uma 5 Não pretende-se aqui afirmar que fora da economia capitalista não haja como uma sociedade atingir a harmonia e o bem-estar. A afirmação é de que a formação de redes é essencial para que haja uma coordenação efetiva do parque produtivo em uma economia global capitalista. 6 A Rússia seria um quarto país a ser incorporado à análise desta região, principalmente se quisermos entender a evolução política internacional da região, entretanto tal inclusão fugiria do corte analítico do trabalho que busca analisar a formação de uma rede capitalista japonesa no Leste Asiático ao longo dos séculos XX e XXI.

3 rede colonial japonesa na região. Em seguida, será analisado a recuperação japonesa no pós-guerra e o papel desempenhado pelos Estados Unidos na mesma. Na terceira parte será analisada a grande crise iniciada nos anos 70 e o seu papel para a expansão da rede capitalista pelo leste asiático, no processo que ficou conhecido como os gansos voadores (AKAMATSU, 1962). No último período cronológico analisado, demonstrase como se comportaram os três países diante das crises da década de 90 e dos anos Por fim, busca-se comparar o processo de integração regional asiático liderado pelo Japão com o processo sul-americano liderado pelo Brasil. PRÉ-GUERRA A virada do século XIX para o XX marca o início de uma profunda transição que começava a ser operada no leste asiático. Tal mudança era marcada pelo desmantelamento das antigas redes coloniais européias e pela emergência (ou pelo menos pela prefiguração da emergência) das três potências que determinarão a dinâmica da rede do Pacífico: o Japão, os Estados Unidos e a China (de forma incipiente). A formação desta tríade viria a determinar os principais rumos desta região ao longo do século XX e principalmente no início do século XXI. Historicamente, a região do leste asiático perpassou por vários projetos de unificação regional, podendo retomar a constituição do Estado chinês tomados pelos princípios confucianos 7 que pregava a constituição de um poder central como forma de dirimir divergências e conflituosidades nos interesses de monarcas sobre seus domínios. Desde a época dos Estados Guerreiros, do século III, até o expansionismo do Império Mongol no século XIII e as incursões japonesas e chinesas sobre a península coreana no século XVI foram princípios de unificação e consolidação de uma força hegemônica sobre o leste da Ásia (HENSHALL, 1999). Entretanto, apenas com a Restauração Meiji 8, em 1869, temos a adoção de ideais integracionistas como projeto de Estado no Japão. O movimento da Restauração foi o 7 Confucio (nome latinizado do pensador chinês Kung Fu-Tse), que viveu de 551 a.c. até 479 a.c. foi um dos principais pensadores da administração pública e de gestão de Estado na China Antiga. Seus ideias tinham como observação a manutenção da ordem pública e acerca da Governânica, sendo a principal referência para os Reis e Imperadores chineses e asiáticos, influenciando fortemente a forma de conduta dos líderes da região ao longos dos séculos, especialmente o Japão. 8 A ascensão do Imperador Mutsuhiro ao trono em 1868 é considerado o marco da Restauração Meiji. A Restauração Meiji é a denominação do processo que levou a modernização do Estado japonês e a sua posterior ascensão ao posto de primeira potência não ocidental no século XX. (MAGNO et. al. 2010b)

4 responsável pela construção do Estado moderno japonês. O seu objetivo era o de criar um Estado forte e soberano, capaz de se defender das potências ocidentais e interagir com elas em condição de igualdade. Os meios foram a industrialização, um exército forte e a ocidentalização do sistema político (MAGNO et. al. 2010b) Entretanto, logo se tornou patente que, devido à exiguidade territorial japonesa, a ampliação de uma rede econômica que desse suporte ao rápido processo de industrialização só seria viável através das práticas de expansão através doaumento dos laços com países estrangeiros. A necessidade de insumos tais como terras, mão-de-obra e matérias prima, impelia o Japão a este rumo. O caminho lógico a ser seguido foi uma tentativa de aproximação com os vizinhos asiáticos, devido à proximidade geográfica e à relativa similaridade cultural. Deste modo, a questão da integração asiática torna-se uma política de Estado no Japão na virada do século XIX para o XX. Entretanto, junto ao surgimento desta política de Estado emergiram diversas correntes propondo diferentes formas de atingir-se tal integração regional. Entre ditas correntes destacaram-se duas vertentes principais: uma pacifista 9, defendendo uma abordagem baseada principalmente no consenso, ao demonstrar aos vizinhos as vantagens dos mesmos em se aliarem a uma potência não européia visando conter a ameaça ocidental sobre o continente asiático 10 ; e outra militarista, que influenciada pelo imperialismo colonialista dos séculos XIX e XX, advogava uma política sustentada principalmente pela coerção. A primeira corrente foi predominante no início do século XX 11, porém a vitória japonesa sobre os russos na Guerra Russo-Japonesa em 1905 fez com que a segunda ala, formada pelos militares e alguns grupos de burocratas, começasse a aumentar seu poder no governo. A balança pendeu definitivamente para as forças militares no governo, que em 1932 deram fim a Democracia Taisho 12, quando 9 Não se deve confundir o termo com a não utilização da força militar quando necessário, o que seria impensável tendo em vista o ethos da Restauração Meiji. Tal termo designa a vontade de buscar inserir-se no subcontinente de forma mais cooperativa e consensual, mas tendo a força militar como um meio de manter a estabilidade. 10 As ações belicosas européias sobre a Ásia advêm desde a tomada da Indochina por forças francesas em 1887 como consequência da Segunda Guerra do Ópio. A conquista dos reinos do subcontinente indiano ocorre em 1858 com a constituição do Raj Inglês, que submete o controle da região à coroa inglesa e, em 1889 as Filipinas sã anexadas pelos Estados Unidos após a proclamação da independência do país asiático contra o domínio espanhol (CHIARELLI, 2009) 11 Dentre os principais pensadores da época sobre ideais Pan-Asiáticos, destaca-se o diplomata Minorosuke Kajima que atuou na Casa dos Representantes (A Câmara Baixa do Japão) em 1930 em defesa dos ideais decooperação regional que aprendera em sua missão na Europa. Também se destaca Hikomatsu Kamikawa da Universidade Imperial de Tóquio e Kazuo Matsubara, da Universidade de Tohoku, que após a Segunda Guerra, fundou o Instituto Japonês para Assuntos Exteriores, principal instituto que irá lidar com estudos sobre Relações Exteriores no Japão (TOZAWA, 2004)

5 uma conjuntura interna de aumento das liberdades políticas e a ascensão de uma China unificada por Chiang Kai-Shek passaram a ameaçar profundamente o poder destas elites. A ratificação da Lei de Preservação da Paz de 1925 e a segunda Guerra Sino- Japonesa de 1937 marcam a vitória desta via política militarista. Nesta conjuntura, o gabinete de Koneo Fumimaro torna-se refém dos projetos expansionistas do Exército e da Marinha japonesa (MAGNO et. al. 2010b). Entretanto, a prefiguração do controle deste rico continente por uma única potência passou a representar uma ameaça à integridade territorial norte-americana. O Pacífico, até então um escudo protetor para os Estados Unidos, começava a mostrar-se como um ponto vulnerável. De modo crescente tornava-se vital para os Estados Unidos estabelecerem instituições e mecanismos que permitissem a ampliação de sua rede e de sua governança na região. A sobreposição conflituosa das redes americana e japonesa (e em certo grau a chinesa) acabaram por levar à eclosão da guerra no Pacífico e às bombas de Hiroshima e Nagasaki. IMEDIATO PÓS-GUERRA Grande vencedor da guerra na Ásia, os Estados Unidos cedo perceberam que não poderiam penalizar o Japão do modo como pretendiam alguns governantes e generais 13, que defendiam a transformação deste país em uma economia rural e atrasada. A rápida escalada da Guerra Fria nesta região fez com que o Japão viesse a ser incorporado pelos EUA na governança regional e na formação de uma rede conjunta e cooperativa. A derrota japonesa e principalmente a derrota do projeto militarista na Segunda Guerra Mundial mostrou a debilidade de basear uma estratégia de Estado predominantemente na força militar. O resultado de tal postura foi a destruição do parque produtivo nipônico, a desestruturação do sistema político interno, aliados com uma profunda redução do status de potência regional do Japão, o que ameaçava 12 Democracia Taisho corresponde ao breve período de Governo Civil no início do século XX, experimentado pelo advento de empregos na melhoria da forma de conduta do novo Estado japonês após a Restauração. Contudo, devido a uma série de assassinatos de Primeiros Ministros na época, incidentes com países vizinhos e o Grande Terremoto de Tóquio em 1923 que podou o crescimento econômico da época, tal processo político foi contido e derrubado pelas alas militaristas. 13 Dentre os mais árduos defensores de um desmantelamento completo e irreversível da economia japonesa estava o General Douglas MacArthur, que defendia o desmonte da indústria japonesa, um forte tributo de compensação de Guerra e imposição de forças de ocupação em massa no país. Contudo, com o estouro da Revolução Vermelha e a Vitória de Mao na China, o governo americano muda sua postura e empossa George Keenan no comando das forças de ocupação, promovendo uma industrialização no Japão para dar suporte as forças aliadas na Guerra da Coréia, esta postura foi conhecida como Curso Reverso (MAGNO et. al. 2010a)

6 profundamente as perspectivas de retomada do desenvolvimento. As atrocidades cometidas em territórios ocupados (principalmente na Coréia e na China) tornaram estes países extremamente receosos frente às intenções japonesas, além de criar pressões sociais internas que demandavam um maior isolamento e enfraquecimento desta nação. Este foi um dos piores cenários que o Japão enquanto Estado poderia encontrar: o isolamento frente à sua esfera natural de co-prosperidade, o receio dos vizinhos dos quais o Japão necessita profundamente da cooperação para aumentar a interdependência e a perda de poder necessário para coordenar as políticas que permitissem o prosseguimento da industrialização interna. Apesar de todas estas consequências da derrota, o Japão não sentiu a desestruturação do tecido social a qual a Alemanha foi submetida após a Primeira Guerra Mundial. Este destino diferente deveu-se à posição nipônica no tabuleiro mundial da Guerra Fria. Para Monden Kazuhiro [a]s sucessivas derrotas dos chineses nacionalistas fizeram com que o governo americano realizasse movimentos de pressão sobre Tóquio em relação ao alinhamento diplomático do Japão, forçando a declaração de uma política externa próamericana (KAZUHIRO, 2008, apud CHIARELLI, 2009). Mas em compensação, para ter um aliado confiável (i.e. não propenso a grandes oscilações sociais internas), os norte-americanos tiveram que incentivar a reconstrução da economia japonesa. Segundo Alexandre Uehara: [C]om o afastamento da possibilidade de a China ser a principal aliada americana na região asiática, deixava de ser interessante fazer do Japão um país desmilitarizado e fraco. As circunstâncias estavam alteradas. Era preciso recuperá-lo, tê-lo como aliado, suficientemente forte para dar apoio às iniciativas e interesses americanos na região. (UEHARA. 2003, apud PERES, 2009). O último empurrão que levou à formação desta aliança estratégica e prioritária entre os dois países foi a Guerra da Coréia (1950), que demonstrou a necessidade dos norte-americanos contarem com uma base fornecedora de insumos para suas ações no continente asiático. Segundo Giovanni Arrighi (1998) a Guerra da Coréia delineou a

7 esfera capitalista na Ásia e funcionou como o Plano Marshall para o Japão 14. As bases estavam postas para a criação do que ficou conhecida como Doutrina Yoshida, uma estratégia de ação para o governo japonês formulada pelo premier Shigueru Yoshida ( e ). Segundo Lorenzo Peres os princípios que ficaram conhecidos como Doutrina Yoshida são o economicismo, o minimalismo diplomático e o bilateralismo dominante com relação aos Estados Unidos. (PERES, 2009) Por economicismo entende-se uma política voltada principalmente para o desenvolvimento econômico, necessitando para tanto manter uma diplomacia de baixo perfil (MAGNO et. al. 2010a). Esta necessidade explicava-se principalmente pela necessidade dos japoneses de negociarem com todos, precisando para tanto manter suas mãos desatadas em relação a alianças permanentes que ameaçariam estes objetivos. Por fim, dentro desta tríade de Yoshida, a aproximação incondicional frente aos Estados Unidos permitiu que os outros dois objetivos fossem alcançados: por um lado a inserção privilegiada japonesa dentro da rede norte-americana (rede comercial, tecnológica, diplomática, empresarial, etc.) permitiu que sua economia desenvolve-se mais rapidamente, beneficiando-se de incentivos estadunidenses, vindos na forma de transferência de tecnologias, investimentos externos diretos, proteção comercial, entre outros; pelo outro lado o minimalismo diplomático somente foi possível devido à proteção dada pelo guarda-chuva nuclear americano, que livraram o Japão do fardo de ter que garantir sua segurança. Neste período, conforme Arrighi [a] bem da segurança nacional, o governo dos Estados Unidos promoveu as exportações japonesas para seu próprio mercado interno e, mais ainda, tolerou que os investimentos norteamericanos fossem excluídos do Japão uma exclusão que forçou as empresas norte-americanas que buscavam acesso ao mercado japonês a fornecerem sua tecnologia, sob licença, a firmas japonesas. (ARRIGHI, 1996) É dentro desta estrutura estabelecida pela Doutrina Yoshida que o Japão passa a trabalhar novamente em prol da integração asiática. Impedido de exercer a liderança no extremo oriente devido à carência de poder, seja consensual ou coercitivo, coube a este 14 O Plano Marshall para o Japão aqui tratado se refere ao Plano Colombo, que pretendia reestruturar a economia de países asiáticos aliados dos Estados Unidos na região. Entre os principais países contemplados destaca-se o Japão, Índia e Indonésia. Sem iniciativas como esta, instituições tias como o Banco de Desenvolvimento Asiático não seriam possíveis.

8 país estabelecer uma nova estratégia para atingir seus objetivos regionais. Percebendo que a posição de fragilidade militar cristalizada no artigo 9º da constituição seria extremamente difícil de ser superada no médio prazo, os japoneses passaram a considerar trabalhar através da ampliação de seu soft power (NYE, 2009). Para tanto, foi estabelecida uma estratégia de diplomacia via os meios de pagamentos, onde os recursos das reparações pela guerra e das Assistências Oficiais para o Desenvolvimento (ODA, na sigla em inglês) passaram a ser usados visando permitir ao Japão atingir seus objetivos políticos externos (CHIARELLI, 2009). O apoio americano a esta iniciativa japonesa foi essencial para que o poder consensual nipônico fosse gradativamente sendo ampliado. Este arranjo beneficiava ambos os lados: seja os Estados Unidos, que usou o Japão como ponta de lança para fortalecer economicamente o bloco capitalista no extremo oriente; seja o Japão, que recebeu incentivos econômicos do hegemon na forma de acesso privilegiado ao mercado estadunidense, através das vistas grossas que este país fazia às barreiras comerciais nipônicas e principalmente através do fornecimento de tecnologias via licenciamento por empresas americanas de suas tecnologias para empresas japonesas. Entretanto, no início da década de 60, o aumento da dívida externa norteamericana começava a tomar ares alarmantes. A realização de reformas no sistema internacional tornava-se imprescindível. No âmbito da relação bilateral com os japoneses, os norte-americanos perceberam que a manutenção de um crescimento japonês financiado pelos bancos e consumidores americanos não seria sustentável. Neste sentido, os EUA começaram a trabalhar diretamente em prol dos objetivos do Estado japonês ao incentivar os países do Leste Asiático a passarem a exportar mais para o Japão, ao mesmo tempo em que deveriam importar mais deste país. Tal política buscava diminuir a dependência asiática do mercado americano, diminuindo assim os défices deste país. Destarte, o peso político e econômico dos EUA foi central para que os países da região deixassem os ressentimentos de lado e passassem a aceitar os investimentos japoneses (ARRIGHI, 1998). O auxílio norte-americano figurado no parágrafo anterior e a ampliação da diplomacia dos meios de pagamento característica da Doutrina Yoshida permitiram ao Japão nuclear a criação de uma segunda rede capitalista na região, paralela à rede americana. Diversas situações conjunturais da década de 60 e 70 apontavam para a importância vital que esta rede viria a assumir nos anos seguintes: (1) o final do período

9 de reconstrução, no início da década de 60, começou a introduzir entraves para o crescimento dos grandes zaibatsus (INOGUSHI, 2008:69 & ARRIGHI, 1998). O crescimento acelerado que se seguiu à reconstrução começou a criar sobreposições entre estas empresas, que diminuíam os ganhos das mesmas ao aumentar a competição entre elas; (2) a desvalorização forçada do dólar em 1971 e 73 encareceu os produtos nipônicos; (3) a entrada dos japoneses na Era da Informação e das Telecomunicações criou um novo mercado extremamente lucrativo a ser explorado por suas empresas 15 (PEREZ, 2002 & BERLIN, 2005). O capitalismo orientado japonês, que implicava em uma íntima relação entre a burocracia e as grandes corporações e entre os próprios zaibatsus 16 demonstrou-se ser bem sucedido, tendo em vista a rápida recuperação econômica apresentada, seguida de um crescimento acelerado. O sucesso do modelo japonês deveu-se à capacidade de suas elites planejarem o setor produtivo, evitando entrar em competições por mercados. Tal pacto político interno pode ter sua origem traçada a partir da estrutura de relação de comando entre interesses privados de famílias providas de recursos econômicos e políticos, visto que estas grandes corporações possuíam não só participação da decisão da própria empresa, como também participavam de setor estratégicos do governo. Além disso, a posição nipônica como principal aliado americano na região, permitia que os investimentos destas corporações usufruíssem de benefícios comerciais e tecnológicos únicos (MORI, 2006). Entretanto, no final da década de 60 e início da de 70, entraves relacionados à saturação crescente do mercado nipônico começaram a surgir. Por um lado, o aumento da escala produtiva e o esgotamento dos estoques de mão de obra barata domésticos fizeram com que crescentemente as grandes corporações começassem a se sobrepor na tentativa de competir pelo mercado consumidor e pelos trabalhadores. Esta sobreposição ameaçava o pacto que havia guiado suas atividades nas décadas anteriores (ARRIGHI, 1998). Por outro lado, a crescente dívida externa estadunidense levou a um aumento das pressões deste país para que o Japão contribuísse 15 O rápido desenvolvimento do Japão permitiu que o mesmo, já em 1970, possuísse capital financeiro suficiente para associar-se a Robert Noyce, o criador do semicondutor em base de silício, na viabilização financeira da Intel. Na época, as empresas americanas associadas aos europeus, como a Texas Instruments, contavam apenas com os semicondutores em base de germânio, os quais podiam ser economicamente viáveis para mísseis balísticos intercontinentais como o Titan, mas não para produtos eletrônicos de consumo de massa. 16 Os Zaibatsus são indústrias controladas por famílias que participavam do núcleo decisório do governo japonês. Tal característica demonstra uma articulação entre Estado e setor privado como formas de coordenar as economias sobre a influência japonesa (CHIARELLI, 2009)

10 mais com os custos da Guerra Fria através de uma diminuição de seu protecionismo e da valorização do iene 17. Outro fator essencial para entender esta maior pressão americana sobre a política econômica japonesa era o processo de aproximação da China com o mundo capitalista, o que retirava a exclusividade do Japão como único aliado americano na região. Mao Tse Tung, tendo consolidado o poder do Partido Comunista internamente, conseguiu utilizar sua envergadura política e icônica para promover uma maior aproximação com com o Japão, contornando um dos mitos fundadores da República Popular da China: a vitória sobre os japoneses. A necessidade deste peso da figura de Mao era necessário para controlar as forças internas que tendiam a usar temas relacionados ao Japão para obter poder ou para desestabilizar o regime (SHIRK, 2007). A aproximação chinesa com o Japão era vista como um modo de contrabalançar a influência americana sobre o mesmo. Esta relação foi realizada em grande parte de modo informal, sem estabelecer relações diplomáticas. No início dos anos 70, visando conter a principal ameaça à segurança de seu país, a União Soviética, Mao passa a buscar fortalecer as relações não somente com o Japão como também com os EUA 18. Deste modo, começa-se a estabelecer as bases sobre as quais se assentarão o processo de abertura da economia chinesa promovidos por Deng Xiaoping e que gerarão as bases para a rápida ascensão chinesa. A GRANDE CRISE DA HEGEMONIA AMERICANA O início dos anos 70 é marcado por alguns autores como Giovanni Arrighi como a grande crise da hegemonia americana, quando o seu poder passa a ser ameaçado pela emergência de novas potências. Estas análises, que avançaram até a virada do século, apontavam inicialmente para o Japão como o possível país a ultrapassar os Estados Unidos na liderança político-econômica global, passando, anos mais tarde, a mostrar a 17 Estas valorizações sucessivas tiveram início em 1971, quando dos Acordos de Smithsonian, passando por 1973, quando os EUA abandonam o câmbio fixo e atinge seu ápice nos acordos de Plaza em Cabe ressaltar que esta mudança no sistema monetário internacional ensejou um processo de transnacionalização das economias dos EUA e do Japão para a Ásia. Estas mudanças monetárias globais aliadas a mudanças tecnológicas profundas permitiram a estes países desterritorializar a base industrial, estabelecendo formas de gestão transregionais. Tal estratégia conduziu a um sistema societal de parcerias criadas entre os Estados Unidos e a Ásia que, devido o défice externo estadunidense, exigia uma governança compartilhada da própria base industrial (BUENO, 2009). O Japão neste contexto, teria a função de ser um dos acionistas deste sistema de governança econômica regional. 18 As relações oficiais com o Japão foram estabelecidas em 1972, 7 anos antes das relações com os EUA. Ao restabelecerem os laços, os japoneses pediram desculpas aos danos causados aos chineses, assim como Mao perdoou e não pediu qualquer indenização dos japoneses (SHIRK, 2007)

11 China como a futura grande potência. Alguns exageros postos a parte, o início dos anos 70 marca a crise das instituições instauradas pelo Bretton Woods, quando as elites empresariais do núcleo orgânico do capitalismo passaram a transnacionalizar-se buscando fugir das cada vez mais rígidas legislações trabalhistas e dos crescentes controles impostos pelos Estados. O desmantelamento do Bretton Woods teve início com a desvinculação do dólar frente ao ouro realizado por Richard Nixon em 1971, que tornou possível aos EUA incorrerem em elevados défices em transações correntes, que eram compensados com a entrada de fluxos automáticos de capitais financeiros. A transformação do dólar em ativo de maior liquidez e de reserva permitiu às elites norte-americanas promoverem a marcha para o leste, fortalecendo o processo de desenvolvimento dos países asiáticos. Ao mesmo tempo, a desvalorização do dólar e a ampliação da concorrência de empresas americanas começou a ameaçar a competitividade das empresas japonesas. Pressionado domesticamente e internacionalmente pela redução das margens de lucro, o setor produtivo japonês não encontrou alternativa a não ser seguir sua vocação natural e a tendência reintroduzida pela elite produtiva e financeira americana: transnacionalizar-se rumo aos seus vizinhos asiáticos. Neste momento os frutos da Doutrina Yoshida e de seus ODA s começaram a ser colhidos. O financiamento nipônico de projetos educacionais e produtivos nesta região havia criado um espaço cuja mão de obra qualificada estava intocada. O característico modelo de subcontratação nipônico, com grandes zaibatsus subcontratando suas atividades para pequenas e médias empresas, encontrou um terreno fértil para expandir-se. Através da intervenção das sogo shosha (enormes empresas comerciais detentoras de redes de contatos internacionais) as empresas japonesas passaram a transplantar maciçamente os setores produtivos intensivos em mão de obra para quatro países: Coréia do Sul, Formosa, Cingapura e Hong Kong. A revoada dos gansos começava, com os futuros Novos Países Industrializados (NPI) assumindo a produção de menor valor agregado, enquanto as empresas japonesas mantinham as fases de maior valor agregado intensivas em capital (VIZENTINI, 2005). O projeto de integração asiática baseada nos meios de pagamento iniciada pelo governo passou a ser seguido com maior força pelas corporações domésticas japonesas Isto não significa que o governo tornou-se passivo no processo, pelo contrário, a nova dinâmica criada pelo setor empresarial nipônico foi cristalizada em Manila, durante reunião da ASEAN em Na ocasião, o premier

12 O diferencial de salários entre os países asiáticos pavimentou o caminho para que o Japão liderasse uma crescente divisão do trabalho dentro da região. Dentro de uma abordagem centro-periferia, a expansão doméstica de cada ganso levava o mesmo a expandir crescentemente os setores de menor valor agregado para um país periférico. O amadurecimento das indústrias em cada país fazia com que os mesmos passassem as indústrias onde não tinham mais vantagem comparativa para países menos desenvolvidos (HAMAGUSHI, 2007). O sucesso do projeto de transnacionalização ensejado pela ampliação da rede capitalista japonesa permitiu que os países da região superassem as consecutivas crises econômicas internacionais das décadas de 70 e 80. A manutenção da liderança japonesa sobre os gansos voadores deveu-se à preservação da superioridade da rede capitalista japonesa no leste asiático no que diz respeito à rede produtiva (a manutenção da superioridade tecnológica mantinha as empresas japonesas no topo da divisão do trabalho asiática), à rede comercial (a ampliação das redes das sogo shosha) e à rede financeira (criação de um pujante mercado financeiro em Tóquio). A entrada da Ásia no quinto paradigma técnico-econômico de Carlota Perez (2002), a Era da Informação e das Telecomunicações (com sua base material nos semicondutores) 20, estaria na raiz do que Jeffrey Sachs denominaria de o ressurgimento da Ásia 21. Normalmente, este soerguimento do Leste Asiático é atribuído à revolução chinesa e à consecutiva reforma agrária que permitiram à China criar as bases para sua futura industrialização. Entretanto, ao adotar somente esta abordagem, corre-se o risco de esquecer que foi a microeletrônica que ofereceu o valor agregado que materializou o referido desenvolvimento acelerado. Tanto o milagre japonês, como o subsequente chinês e, mais recentemente, o sul-coreano (YUAN, 2010), teriam nas altas taxas de valor agregado dos produtos eletrônicos a chave de seu êxito. Além disso, tão Fukuda Takeo declarou os princípios da nova política externa japonesa (que viriam a ser conhecidos por Doutrina Fukuda), segundos os quais o Japão deveria engajar-se em consolidar a confiança mútua na Ásia, comprometendose para tanto a jamais travar guerras novamente e também a ser o primeiro prestador de assistência para os países vizinhos. Esta política visava estabelecer mecanismos duradouros para uma esfera de co-prosperidade asiática, que beneficiariam diretamente o setor produtivo nipônico, através da consolidação da rede capitalista japonesa. (CHIARELLI, 2009) 20 Como foi mencionado anteriormente, o empresariado japonês teve um papel protagonista na criação desta tecnologia revolucionária, ao viabilizar financeiramente e tecnologicamente o desenvolvimento dos primeiros chips da Intel. 21 A Ásia, com 66% da população mundial [em 1950], detinha menos de 19% da renda mundial, em comparação com os 58% que detinha em Em 1950, porém, teve início uma das maiores transformações da história moderna, com diversas economias asiáticas apresentando altas taxas de crescimento. Por volta de 1992, impulsionada por esta expansão acelerada, a participação da Ásia na renda mundial já atingia 33%. Esta mudança de maré tende a se prolongar, com a Ásia ressurgindo, já no início do século XXI, como centro mundial da atividade econômica. (RADELET & SACHS, 1997)

13 importante quanto este fator técnico-econômico, foi a formação de um pacto que institucionalizou um modelo de desenvolvimento nativo nucleado pelo Japão 22. Sob o prisma da política doméstica japonesa, o período do milagre nipônico que se seguiu à transnacionalização dos capitais provocou profundas mudanças que muitas vezes são esquecidas. Como foi visto, a rapidez com que esta nação ascendeu ao posto de segunda maior economia do mundo deveu-se principalmente à estrutura sóciopolítica da mesma. Esta estrutura era caracterizada principalmente pela aliança estabelecida entre a burocracia japonesa e os grandes conglomerados empresariais, a qual permitiu ao Japão criar um modelo de desenvolvimento politicamente orientado e que proporcionou o desenvolvimento robusto da economia nacional (OZAWA, 1994). Tal modelo era permeado por uma constante luta de poder entre estes dois atores, que buscavam a supremacia sobre as decisões políticas. Deste modo, se no período de reconstrução a burocracia levava vantagem, a transnacionalização dos capitais japoneses representaram a virada do jogo em prol das elites empresariais. (NAGASAKA, 2008) Enquanto isto na China, a transição do poder político de Mao Tse Tung para Deng Xiaoping representava uma alteração nos objetivos estratégicos do PCCh. Enquanto que o governo de Mao conseguiu consolidar a independência e a soberania da China continental, o novo governo passou a ter um foco no desenvolvimento econômico visando incorporar o enorme contingente de trabalhadores a um mercado de trabalho mais dinâmico do que o rural. Segundo Robert Kuhn (2010), a segunda geração do Partido Comunista, ao procurar uma maior abertura frente ao mundo, teve que romper com a centralidade ideológica da luta de classes característica do período maoísta. Este rompimento levou à centralidade para o PCCh da idéia de desenvolvimento econômico. Neste contexto, a maior abertura da economia chinesa para a cooperação com americanos e japoneses condizia com os interesses estratégicos da China. Quanto às relações sino-japonesas especificamente, Deng Xiaoping também contava com um enorme prestígio, de modo que pôde manter as relações estabelecidas por Mao com o Japão. O líder via que tal aproximação era vital para o projeto de 22 Assim como o Japão desenvolveu um sistema econômico nucleado por grandes corporações gerenciadas por poderosas famílias que dispunham de poderes não só econômicos, mas também políticos, destaca-se que, dentre os últimos Primeiros Ministros do Japão, dois destes, detinham relações com grandes empresas: Taro Aso (onde seu irmão mais novo, dirige a companhia de mineração Aso Group, com sede no Brasil inclusive) e Hatoyama Yukio (onde seu avô materno, Ishibashi Shôjiro é fundador da Bridgestone Corporation). Este modelo de corporação também foi adotado na República da Coréia, com a denominação de Chaebol, grandes conglomerados econômicos que são dirigidos por famílias tradicionais e que possuem influência sobre o governo local.

14 abertura econômica (que foi explicitado em dezembro de 1978). Apesar de rusgas táticas (como o cancelamento do pagamento a uma indústria japonesa que havia se instalado na China), a relação entre os dois países era amigável. Como exemplo pode ser citado a criação no início dos anos 80 da Associação Sino-Japonesa de Intercâmbio de Conhecimento Econômico, que buscava auxiliar os chineses a adotarem suas reformas econômicas. O forte crescimento econômico em ambos países permitia que seus líderes dobrassem a oposição que via com maus olhos esta aproximação. Um exemplo desta força política interna foi a visita do premier japonês Nakazone ao Santuário de Yasukuni em 1985, que promoveu uma onda de protestos estudantis na China. Contudo, este princípio de animosidade pôde ser contornado com um pedido de desculpas pelo governo japonês (algo que hoje geraria uma insustentável crise política no Japão) e através do controle das manifestações pelas autoridades chinesas, passando por cima daqueles estratos da elite política que viam com bons olhos os protestos dos estudantes. Entretanto, com o passar do tempo, a pujança destas duas economias e a liderança do ganso japonês começaram a ser ameaçadas. A relação sinérgica entre os três países dentro de uma rede compartilhada onde o centro era o Japão e os Estados Unidos passou a ser ameaçado pela introdução de dois novos processos: (1) a intensificação da dinâmica de globalização, figurada nos acordos de Plaza de 1985 e (2) a criação de uma terceira rede capitalista na região, a chinesa. Quanto ao primeiro fator, os acordos de Plaza são um marco para a economia e a política japonesa. Para Inogushi (2008) e Nagasaka (2008) tais acordos representam uma intensificação da transnacionalização do parque produtivo nipônico (tendo em vista a desvalorização do dólar acordada), a qual acarretaria, anos mais tarde, um aumento da contestação frente ao sistema político doméstico baseado na interação entre a burocracia e as grandes corporações. A ampliação da transnacionalização japonesa, entretanto, já não apresentava os mesmos efeitos da ocorrida na década de 70, quando a mesma mostrouse extremamente efetiva para manter as margens de lucros das corporações elevadas. Isto se deveu ao fato de a expansão dos gansos voadores ter criado novos centros de alta tecnologia rivais, que passavam a competir com os japoneses nos setores de alto valor agregado. A participação japonesa na divisão internacional do trabalho, que antes abarcava vastos setores no alto da cadeia produtiva, começava a apresentar uma redução

15 significativa. A crescente formação de uma rede comercial coreana, aos moldes da japonesa caracteriza esta diminuição do poder relativo. É importante ressaltar que o Acordo do Plaza visava incentivar através de estratagemas táticos o parque produtivo estadunidense. Esperava-se que a valorização do Iene e do Marco alemão levaria a um aumento das importações por estes países de mercadorias americanas, podendo então reverter a marcha para o leste iniciada nos anos 70. Entretanto, o Acordo não levou ao resultado esperado: ao invés de um aumento do consumo de bens americanos pelos japoneses, o que houve foi um aumento dos investimentos japoneses no mercado de capitais estadunidense, aproveitando-se da moeda valorizada. O resultado deste aumento dos fluxos de capitais para os Estados Unidos foi a amplificação da bolha especulativa que viria a explodir em Entretanto, mais determinante por ser estrutural para a diminuição da liderança do ganso japonês foi o segundo ponto: a formação de uma terceira rede capitalista, a chinesa. Logo no início da revoada dos gansos a possibilidade deste cenário era vislumbrada: entre os quatro NPI s, três (Formosa, Hong Kong, Cingapura) contavam com uma grande parcela de sua população composta por chineses da etnia Han. Detentores de pequenos negócios comerciais e industriais nestes países, esta parcela da população retinha grande parte do que ficou conhecido como capital chinês ultramarino. O desenvolvimento tecnológico e o crescimento econômico destes países sob influência dos japoneses permitiu um aumento quantitativo e qualitativo deste capital. Enquanto isso, na República Popular da China, a distensão iniciada pelo governo Nixon, as reformas econômicas instauradas por Deng Xiaoping e a associação chinesa ao vôo dos gansos começou a ameaçar a liderança japonesa ao promover uma crescente atração desta diáspora chinesa. As dimensões territoriais e populacionais chinesas, aliadas com sua independência política no cenário internacional, o apoio americano e a possibilidade de trazer de volta os capitais da diáspora chinesa transformavam este país comunista uma séria ameaça para a liderança japonesa no extremo oriente. O discurso do Partido Comunista Chinês de estabelecimento de uma nação e dois sistemas começou a atrair os capitais chineses ultramarinos. Inicialmente temerosas de investir na China, as corporações japonesas foram forçadas a tomar esta atitude tendo em vista o efeito manada e as oportunidades oferecidas pelo gigante vizinho. A integração da economia chinesa à rede produtiva asiática começou a nuclear uma nova rede produtiva regional,

16 com o potencial de deslocar o Japão da liderança das redes tecnológicas e comerciais no extremo oriente. Deste modo, os Acordos de Plaza e a ascensão chinesa determinaram o dilema japonês: onde investir os capitais excedentes criados pelo explosivo crescimento? (1) Por um lado, a manutenção dos investimentos elevados na expansão da rede de subcontratação significava ampliar o já robusto crescimento chinês, o que implicava na criação de um incontrolável rival gigante na vizinhança regional. (2) Por outro lado, manter os fluxos de investimentos em direção aos EUA mostrou-se temerário, tendo em vista que tais fluxos além de desencadear a animosidade dos norte-americanos diante da invasão japonesa estava criando uma bolha no mercado financeiro deste país, o que criava perspectivas negativas para o investidor japonês. Acuado pelas duas alternativas sub-ótimas, o Japão procurou trilhar uma terceira via igualmente sub-ótima: investir no próprio país. Parecia ser o mais sábio e acertado a fazer. Impossibilitado de ampliar aceleradamente os investimentos no setor de microeletrônica devido à ausência de um marco regulatório internacional que salvaguardasse estes investimentos e que criassem novos grande projetos lucrativos, os capitais japoneses passaram a migrar para o setor especulativo e para o setor de imóveis 23. Em outras palavras, a globalização ensejada pelos Acordos de Plaza e a entrada do dragão chinês na rede produtiva asiática, iniciando um processo de formação de uma terceira rede capitalista nucleada na República Popular da China, tiveram um efeito adverso sobre a economia japonesa. A desterritorialização do parque produtivo aliado com a pujança do modelo estabelecido (gansos voadores) refletiu-se em imensos influxos de divisas no Japão. O sucesso da estratégia empresarial nipônica levou à formação de uma bolha financeira que, ao estourar no início dos anos 90, lançou o Japão em uma recessão que duraria mais de uma década. O sucesso do modelo de transnacionalização do capital japonês levou à crise econômica nipônica. A estrutura político-econômica que sustentou o crescimento japonês do pós-guerra esgotou-se, 23 Cabe ressaltar que esta valorização dos imóveis e ações foi incentivada pelo governo. Após os Acordos de Plaza em 1985, o MOF passou a exercer uma política monetária expansionista e direcionada a corretoras que buscava valorizar os ativos das empresas (ações, terras, imóveis, etc.), de modo a ampliar os colaterais das mesmas, o que permitiria uma expansão da tomada de crédito. Além disso, tal política visava criar um efeito riqueza sobre as rendas das famílias, incentivando deste modo o consumo das mesmas. É necessário ressaltar que inicialmente tal política foi bem sucedida. Entretanto, a bolha criada explodiu na virada da década de 80.

17 demonstrando a necessidade da sociedade japonesa passar por reformas, que incluiriam mudanças em seu modo de agir internacionalmente. Segundo Lorenzo Peres: O biênio é chave para a história econômica do Japão. Nesse período, o país vivenciou uma grande crise econômica, ingressando em uma era de recessão que dura até os dias de hoje. Entre as causas principais dessa crise pode-se destacar o esgotamento do modelo econômico e político japonês, a revisão da aliança por parte dos Estados Unidos em função do fim da Guerra Fria e a natural perda de dinamismo frente ao avanço relativo da China. (PERES, 2009) No Japão, a eclosão da crise passou a gerar pressões internas por mudanças políticas, as quais colocaram sobre a mesa uma nova agenda política. Temas tais como a segurança nacional, práticas protecionistas e nacionalismo 24, acabaram por limitar o ciclo ascendente de cooperação mútua entre os países da região. Enquanto o Partido Liberal japonês pregava políticas de proteção econômica e de valorização de temas nacionais que criavam atritos com seus vizinhos, o Partido Comunista chinês retomou a agenda de fortalecimento da uma política baseada no hard power, não só como medidas de pressão contra postura de barganha dos investimentos japoneses na China, mas como sinal de se estabelecer um novo hegemon na ásia, um claro sinal para os Estados Unidos e Rússia. A situação chinesa também refletia estas mudanças pelas quais se passavam a rede capitalista regional. A necessária rapidez com que se desenvolveu o processo de abertura e desenvolvimento econômico chinês fez com que fosse criado um descompasso entre as evoluções econômicas e as políticas. Neste contexto, no mesmo ano em que ocorria a crise japonesa, os estudantes chineses ocupavam a Praça da Paz Celestial em Pequim, demandando o quinto passo da modernização: a democratização do país. Cabe ressaltar que as ondas de protestos estudantis tiveram início em 1985, como fruto da visita do premier japonês ao Santuário de Yasukuni, e coincidiram com comemorações relacionadas ao aniversário da invasão japonesa à Manchúria. Entretanto, como foi visto, o desejo de facções governantes do 24 Empregamos entre aspas o termo nacionalista porque, de acordo com uma visão nacionalista ortodoxa, aqueles que defendem um processo de integração regional mais forte e cooperativo não seriam nacionalistas. A concepção de que somente projetos militaristas são nacionalistas não seria verdadeira, do mesmo modo que a concepção de que os projetos de cooperação regional não possuem uma agenda de segurança própria é igualmente falha.

18 PCCh de aproximar-se com o Japão fez com que estes movimentos fossem dispersados. Insatisfeitos com a falta de representatividade uma vez que acreditavam que o governo preferia agradar aos imperialistas japoneses a escutar os seus estudantes e com outros fatores tais como a inflação crescente, as ondas de protestos estudantis se alastraram novamente e redundaram no grande confronto da Praça da Paz Celestial (SHIRK, 2007). A repressão violenta às manifestações estudantis levou não somente à interrupção da onda de protestos, como também ao início da emergência de um estrato da burocracia chinesa que via a aproximação com o Japão como potencialmente desestabilizador internamente. Este grupo pôs a culpa das turbulências internas nos governos que tentaram uma maior aproximação com o Japão, e passaram a defender uma postura mais confrontativa (ou pelo menos mais condescendente com os protestos anti-japão) de modo a obter apoio interno. Pode-se perceber que a virada dos anos 80 para os 90 representa o início da crise na relação entre as elites empresariais, políticas e burocráticas dos dois países, que caracterizaram o processo de expansão da rede capitalista no leste asiático desde os anos 70. A GRANDE CRISE DOS ANOS 90 As crises político-econômicas que se iniciaram no início da década de 90 na região assumiram uma trajetória de turbulências crescentes que desembocariam na crise asiática e na crise de 2008 nos Estados Unidos. Como pano de fundo e causador destas crises pode ser colocado a deterioração do pacto de elites transnacional que estabeleceu nos anos 70 um modelo de negócios e de desenvolvimento que incentivavam a migração dos capitais para as regiões que ofereciam menores salários, visando deste modo aumentar a competitividade das empresas. Este processo, além de provocar uma crescente instabilidade econômica (fruto dos desequilíbrios financeiros internacionais, ampliados pela acumulação de reservas nos países asiáticos após a crise de ), promoveu profundas turbulências político-econômicas dentro dos três países analisados neste artigo. No caso chinês, o resultado das ondas de protestos estudantis foi a emergência da terceira geração de governantes do PCCh, liderado pelo premier Jiang Zemin. Andando sobre o fio da navalha, Zemin teve que lutar para conciliar os interesses das

19 alas militaristas- nacionalistas que buscavam apoio popular via discursos antinipônicos ao mesmo tempo em que buscava se proteger deste grupo, que promoveu uma série de golpes nos bastidores que redundaram com a queda de seu antecessor Zhao Ziyang. Deste modo, seu governo foi marcado por um maior distanciamento frente aos grupos que buscavam a aproximação com os japoneses (vitais para a manutenção do desenvolvimento econômico e para a estabilidade política internacional), ao passo em que promovia uma maior institucionalização do Partido Comunista, visando garantir sua preservação no controle do partido. O governo de Zemin, assim como o governo de Xiaoping, legou para seu sucessor, Hu Jintao, os problemas oriundos do sucesso de suas políticas. De fato, a ascensão da quarta geração do PCCh encontrou como principal desafio lidar com os dois problemas criados por estes sucessos: (1) o aumento das desigualdades e as condições precárias de vida e de trabalho, frutos do crescimento acelerado iniciado por Xiaoping; (2) a percepção de que há um défice democrático no sistema político chinês, percepção que foi ressaltada pelo processo de institucionalização da burocracia governamental na China, aliado com a emergência da classe média e a pressão de grupos políticos de regiões não hegemônicas no Partido Comunista. Dentre estes grupos sub-representados, destacam-se a as elites locais de Hong Kong e Taiwan, além de minorias tibetanas e muçulmanas Uyghures. Visando lidar com estes problemas, o premier Hu Jintao lançou no 17º Congresso do Partido Comunista a Perspectiva Científica do Desenvolvimento, projeto que buscava manter o foco da política econômica do governo no crescimento, mas retomando o foco das mesmas no indivíduo, na população. Estabeleceu-se deste modo, os quatro principais problemas a serem lidados pelo governo: a desigualdade de renda, o desenvolvimento sustentável, a questão ambiental e a abertura política (KUHN, 2010). Tornava-se vital conciliar o crescimento com o desenvolvimento, ou seja, incorporar não somente as fases de menor valor agregado do processo produtivo, mas também os setores de P&D das multinacionais. Além disso, tornava-se necessário criar um arcabouço institucional internacional que permitisse a melhora nas condições de renda dos trabalhadores, buscando tornar a melhora de seus direitos algo que não gerasse uma diminuição nos investimentos diretos na China. Deste modo, a reaproximação com o Japão tornou-se novamente uma política do governo, buscando um parceiro que poderia auxiliar o governo de Hu Jintao a cumprir seus objetivos político-econômicos. Tal

20 aproximação tornou-se patente na série de acordos trilaterais ocorridos nos últimos anos entre a China, o Japão e a Coréia do Sul 25. Já no caso americano, a vitória sobre a União Soviética no final dos anos 80 criou a ilusão do fim da história e de que finalmente o mundo viveria sob um sistema unipolar. Entretanto, ao invés de promover uma maior aproximação com os supostos inimigos derrotados, a ascensão de governos conservadores fez com que os EUA adotassem uma política mais unilateral e belicista, levando a Rússia e a China a uma espécie de ostracismo político-econômico. A aliança com o Japão foi retomada, mas tomando um caráter muito mais militar e de contenção à China do que econômico e de desenvolvimento mundial. No âmbito da política econômica, houve a manutenção do processo de transnacionalização do capital americano e de manutenção do parque produtivo no exterior 26 (mantendo assim os desequilíbrios no balanço de pagamentos). A falha desta abordagem tornou-se evidente com o desenrolar das guerras do Afeganistão e do Iraque e com o unilateralismo do governo neocon 27 de George W. Bush. A vitória russa sobre um aliado americano na Guerra da Geórgia em 2008 ao mesmo tempo em que explodia a crise do subprime marca um enfraquecimento profundo desta via de governança global, redundando na eleição do democrata Barack Obama, que passou a defender uma política de maior cooperação com o Pacífico, em detrimento da agenda de segurança adotada pelos governos anteriores. No caso japonês, os anos 90 representam a consolidação de uma terceira rede capitalista nucleada na República Popular da China, a qual começou a tirar do Japão o controle da integração regional. A supremacia dos capitais nipônicos na região passou a ser corroída. O enfraquecimento internacional destas elites japonesas refletiu-se em uma crise no âmbito doméstico. Esta crise atingiu tanto o âmbito econômico quanto o 25 Em 28 de novembro e 1999 ocorre a primeira reunião mútua dos representantes de Estado dos três países da região, tendo a participação do Primeiro Ministro do Japão, Obuchi Keizo, o Primeiro Ministro da RPC, Zhu Rongji e o Presidente da República coreana, Kim Dae-Jung. Esta iniciativa foi essencial não só para estabelecer planos de cooperação conjunta entre estes países, como também viabilizou a constituição da ASEAN+3 neste mesmo período (CHIARELLI, 2009) 26 É interessante ressaltar que de fato há uma mudança na transnacionalização americana, que da Marcha para o Leste passa para uma Marcha para o Sul (Estados menos desenvolvidos dos EUA e México), entretanto esta mudança não atinge o marco regulatório que permitiria o desenvolvimento pleno do paradigma técnico-econômico da microeletrônica, lançado nos anos 70 (PEREZ, 2009) 27 Neocon refere-se a postura política protecionista e do emprego de mecanismos de Hard Power como mecanismo de manutenção ou perduração do poder hegemônico americano após a Guerra Fria. Neocon refere-se ao termo neo-conservadores.

Alguns dados sobre a China

Alguns dados sobre a China CHINA "...de que país a China é colônia? É colônia de cada país com quem firmou um tratado, e todos os países que têm um tratado com a China são seus donos. Assim, a China não é somente escrava de uma

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

China 1. Antes de 1949: a. História de ciclos economicos prosperidade e crise dinastias: a cada dinastia há momentos de auge e de crise, sendo que

China 1. Antes de 1949: a. História de ciclos economicos prosperidade e crise dinastias: a cada dinastia há momentos de auge e de crise, sendo que China 1. Antes de 1949: a. História de ciclos economicos prosperidade e crise dinastias: a cada dinastia há momentos de auge e de crise, sendo que nos momentos de crise, a China acaba perdendo território.

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Capítulo 1: Japão - Capítulo 2: China - Capítulo 4: Tigres Asiáticos Apresentação elaborada pelos alunos do 9º Ano C Monte Fuji - Japão Muralha da China Hong Kong

Leia mais

China: a. Professor Zé Soares. potência do século XXI

China: a. Professor Zé Soares. potência do século XXI China: a Professor Zé Soares potência do século XXI China: o país do espetáculo do crescimento e os problemas atuais Desenvolvimento da nova China; Problemas atuais; Olimpíadas de Pequim; A questão do

Leia mais

ATIVIDADES ONLINE 9º 3. Cidade chinesa que estreou economia de mercado completa 30 anos

ATIVIDADES ONLINE 9º 3. Cidade chinesa que estreou economia de mercado completa 30 anos ATIVIDADES ONLINE 9º 3 1) Leia atentamente. Cidade chinesa que estreou economia de mercado completa 30 anos Deng Xiaoping, pai da reforma econômica da China, decidiu no começo dos anos 80 testar as regras

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

Japão o país das tradições e da mudança. Andrea Spörl

Japão o país das tradições e da mudança. Andrea Spörl Japão o país das tradições e da mudança Andrea Spörl Império Japonês O Japão é herdeiro de uma civilização que remonta ao século VII antes de Cristo. No século IV, o clã Yamato unifica os vários estados

Leia mais

Profª: Sabrine Viviane Welzel

Profª: Sabrine Viviane Welzel Geografia 9 ano Japão 1- A importância de não nascer importante. Porque, essa frase de Eduardo Galeano, pode ser relacionada ao Japão? 2 A indústria japonesa desenvolveu-se aceleradamente no Pós-Segunda

Leia mais

CLIMAS. Japão POPULAÇÃO - DADOS JAPÃO. O Arquipelago Niponico ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 13/09/2015. Resumo - Geografia. Japão - Tigres - China

CLIMAS. Japão POPULAÇÃO - DADOS JAPÃO. O Arquipelago Niponico ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 13/09/2015. Resumo - Geografia. Japão - Tigres - China Resumo - Geografia Japão Japão - Tigres - China O Arquipelago Niponico Principais Ilhas 1. Hokkaido 2. Honshu 2 1 CLIMAS 3. Shikoku 4. Kyushu 4 3 JAPÃO ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Cerca de 127 milhões de hab.

Leia mais

João Novaes: China avança na Ásia e provoca contra-ataque dos EUA

João Novaes: China avança na Ásia e provoca contra-ataque dos EUA João Novaes: China avança na Ásia e provoca contra-ataque dos EUA Portal Vermelho - SP - MUNDO - 20/01/2012 Impulsionada por um crescimento econômico elevado e constante na última década, a China busca

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde?

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? África e Ásia (Neocolonialismo) e América (Imperialismo). Causas

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08

ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08 ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08 1-Na fase Pós-Guerra emergiram e se consolidaram dois grandes blocos rivais, liderados pelos EUA e a URSS, originando a Guerra Fria.

Leia mais

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Capítulo 1: Japão - Capítulo 2: China - Capítulo 4: Tigres Asiáticos Apresentação elaborada pelos alunos do 9º Ano D Monte Fuji - Japão Muralha da China Hong Kong

Leia mais

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO 2ªRevolução Industrial HOLDING TRUSTE CARTEL Empresas financeiras que controlam complexos industriais a partir da posse de suas ações. Formação de grandes conglomerados

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images) Economia A Economia do Japão em uma Era de Globalização Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Leia mais

Japão, Tigres asiáticos e China

Japão, Tigres asiáticos e China Japão, Tigres asiáticos e China Revisão Geral Prof. Josevaldo Aspectos socioeconômicos do Japão e dos Tigres Asiáticos Japão A partir do final da Segunda Guerra Mundial Transformou-se em exemplo de crescimento

Leia mais

Nova ordem mundial Mundo multipolar Prof. Rafael Souza

Nova ordem mundial Mundo multipolar Prof. Rafael Souza Disciplina de Geografia Área de ciências humanas Nova ordem mundial Mundo multipolar Prof. Rafael Souza Porto Alegre 2014 Com o final da União Soviética, a queda do Muro de Berlim, sabemos que apenas um

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria Professor Doutor GUILHERME SANDOVAL GÓES Chefe da Divisão de Assuntos Geopolíticos e de Relações

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Esta aula trata da história econômica e do processo de desenvolvimento da China, país que se tornou a segunda economia do mundo, atrás dos Estados

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã 1. As mudanças no panorama internacional representadas pela vitória socialista de Mao-Tsé-tung na China, pela eclosão da Guerra da Coréia e pelas crescentes

Leia mais

Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado

Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado ASSUNTO em pauta A Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado Razões e diferenças das políticas públicas e privadas no contexto do Sistema de Comércio

Leia mais

TIGRES ASIÁTICOS e CHINA

TIGRES ASIÁTICOS e CHINA TIGRES ASIÁTICOS e CHINA China Muito importante economicamente para o Brasil e para o mundo. Em muitos produtos vimos escrito: Made In China. O que os produtos chineses podem acarretar à produção dos mesmos

Leia mais

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

CHINA e TIGRES ASIÁTICOS

CHINA e TIGRES ASIÁTICOS CHINA e TIGRES ASIÁTICOS Os Tigres Asiáticos Hong kong Os Novos Tigres Asiáticos FAZEM PARTE DOS TIGRES ASIÁTICOS 1º GERAÇÃO ( DÉCADA DE 1970) CINGAPURA, CORÉIA DO SUL, HONG KONG, MALÁSIA E FORMOSA (TAIWAN)

Leia mais

ADAM SMITH EM PEQUIM: ORIGENS E FUNDAMENTOS DO SÉCULO XXI

ADAM SMITH EM PEQUIM: ORIGENS E FUNDAMENTOS DO SÉCULO XXI http:///br/resenhas.asp?ed=10&cod_artigo=172 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

China e Japão e a Segurança no Leste Asiático

China e Japão e a Segurança no Leste Asiático China e Japão e a Segurança no Leste Asiático Geraldo Lesbat Cavagnari Filho Texto disponível em www.iea.usp.br/artigos As opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade do autor, não refletindo

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

JAPÃO. O poder do extremo leste

JAPÃO. O poder do extremo leste JAPÃO O poder do extremo leste SOCIEDADE E TRANSFORMAÇÃO Primeiros japoneses: 60.000 anos, durante a última glaciação. 10.000 a.c já formavam uma complexa sociedade. Caça Coleta Produção de cerâmica A

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROF. FERNANDO NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL 1) (UDESC - 2012) São exemplos da indústria de bens de consumo (ou leve): a) Indústria de autopeças e de alumínio. b) Indústria de automóveis

Leia mais

Descolonização Afroasiática

Descolonização Afroasiática Aula 50 Descolonização Afroasiática 1 Fatores Setor 1602 2 Casos Nacionais 3 China ealvespr@gmail.com Objetivo da aula Analisar o quadro geral da descolonização afroasiática após a Segunda Guerra Mundial.

Leia mais

Divulgado relatório do Pentágono sobre as capacidades militares da China

Divulgado relatório do Pentágono sobre as capacidades militares da China Divulgado relatório do Pentágono sobre as capacidades militares da China Análise Segurança Cândida Cavanelas Mares 22 de junho de 2006 Divulgado relatório do Pentágono sobre as capacidades militares da

Leia mais

República Popular Chinesa (1912-1949)

República Popular Chinesa (1912-1949) China atual Revolução Chinesa Primeiro momento (1911): revolução nacionalista contra neocolonialismo, liderada por SunYat-sen e fundador do Kuomitang (Partido Nacionalista) Segundo momento (1949): revolução

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

Cenários brasileiros de recursos hídricos para 2025 Antonio Eduardo Lanna

Cenários brasileiros de recursos hídricos para 2025 Antonio Eduardo Lanna Cenários brasileiros de recursos hídricos para 2025 Antonio Eduardo Lanna Uma brevíssima história do século passado, a cada 20 anos Fonte: George Friedman, Os próximos 100 anos. 2 Brevíssima história do

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen ECONOMIA INTERNACIONAL Profa. Enimar J. Wendhausen Balanço de Pagamentos Registra contabilmente todas as transações econômicas realizadas entre residentes (pessoas físicas ou jurídicas, que tenham esse

Leia mais

Japão e Tigres Asiáticos. Prof.º Acácio Martins

Japão e Tigres Asiáticos. Prof.º Acácio Martins Japão e Tigres Asiáticos Prof.º Acácio Martins Aspectos gerais: natureza e sociedade Arquipélago montanhoso localizado no hemisfério norte, no extremo leste da Ásia; Área de 377.488 km² um pouco maior

Leia mais

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Análise Desenvolvimento Vinícius Tavares de Oliveira 01 de Julho de 2010 Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do

Leia mais

RESPOSTAS DAS SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO GEOGRAFIA 9 o ANO

RESPOSTAS DAS SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO GEOGRAFIA 9 o ANO RESPOSTAS DAS SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO GEOGRAFIA 9 o ANO Unidade 6 1. 2. a) Os outros países emergentes que formam o grupo Bric são Rússia, Índia e China, os três localizados na Ásia. b) O grupo Bric surgiu

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

O MUNDO MENOS SOMBRIO

O MUNDO MENOS SOMBRIO O MUNDO MENOS SOMBRIO Luiz Carlos Bresser-Pereira Jornal de Resenhas n.1, março 2009: 6-7. Resenha de José Luís Fiori, Carlos Medeiros e Franklin Serrano (2008) O Mito do Colapso do Poder Americano, Rio

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. 1 No seu relacionamento social como se posiciona face

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

Clube de Investimentos Resultados 4º trimestre de 2012

Clube de Investimentos Resultados 4º trimestre de 2012 Clube de Investimentos Resultados 4º trimestre de 2012 Marcelo Nazareth 31/01/13 NetQuant Tecnologia Financeira 1 Cenário Macroeconômico 2013 Global e Brasil NetQuant Tecnologia Financeira 2 Agenda Onde

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Corrida Espacial REVOLUÇÃO CHINESA Após um longo período de divisões e lutas internas,

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

A Guerra de Moedas: Riscos para a América Latina e o Papel dos Bancos Centrais

A Guerra de Moedas: Riscos para a América Latina e o Papel dos Bancos Centrais Comitê Latino Americano de Assuntos Financeiros Comité Latino Americano de Asuntos Financieros Latin American Shadow Financial Regulatory Committee Declaração No. 23 Novembro 16, 2010 Lima, Peru A Guerra

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 12R Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA CHINA 1. 1952: China Socialista. Um grande movimento guerrilheiro de base camponesa, liderado por Mao Tse Tung,

Leia mais

Guerra da Coreia: 1950-53

Guerra da Coreia: 1950-53 Guerra da Coreia: 1950-53 Esteve dominada pelo Japão durante a segunda guerra e foi dívida entre norteamericanos e soviéticos em 1945, na conferência de Yalta, pelo paralelo 38. Essa divisão era provisória

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido.

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido. Confronto entre os aliados, vencedores da 2ª Guerra: Inglaterra, França, EUA e União Soviética. Acordo pós-guerra definiria a área de influência da URSS, onde estavam suas tropas (leste europeu). Conferência

Leia mais

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Capítulo 1: Japão - Capítulo 2: China - Capítulo 4: Tigres Asiáticos Apresentação elaborada pelos alunos do 9º Ano B Monte Fuji - Japão Muralha da China Hong Kong

Leia mais

Exercícios sobre Tigres Asiáticos

Exercícios sobre Tigres Asiáticos Exercícios sobre Tigres Asiáticos Material de apoio do Extensivo 1. (UNITAU) Apesar das críticas, nos últimos tempos, alguns países superaram o subdesenvolvimento. São os NIC (Newly Industrialized Countries),

Leia mais

BRIC A EMERGÊNCIA OU INSURGÊNCIA DA PERIFERIA?

BRIC A EMERGÊNCIA OU INSURGÊNCIA DA PERIFERIA? BRIC A EMERGÊNCIA OU INSURGÊNCIA DA PERIFERIA? Ontem, Brasília foi realmente o foco das atenções mundiais. No Brasil, um pouco menos. Não foi o Brasil que inventou isso, mas a gente registrou o fenômeno

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 África: Colonização e Descolonização H40 2 Terrorismo H46 3 Economia da China H23 4 Privatizações

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

China e seu Sistemas

China e seu Sistemas China e seu Sistemas Em 1949, logo depois da revolução chinesa, a China possuía 540 milhões de habitantes, e se caracterizava por ser predominantemente rural, neste período o timoneiro Mao Tsetung, enfatizava

Leia mais

A Revolução Comunista na China 1949 Organização : Prof.: Fabrício Fernandes

A Revolução Comunista na China 1949 Organização : Prof.: Fabrício Fernandes A Revolução Comunista na China 1949 Organização : Prof.: Fabrício Fernandes Antecedentes Guerra Civil A partir de 1925 nacionalistas / kuomintang (Chiang Kai-shek) X comunistas (derrotados) desfecho: Partido

Leia mais

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça.

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. No campo das Relações Internacionais, Joseph Nye dispensa apresentações. Um dos fundadores da teoria liberal, Nye ajudou

Leia mais

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie Takahasi 17 de Março de 2012 Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie

Leia mais

Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999.

Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999. GESTÃO PARA UM MUNDO MELHOR Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999. RESUMO: Para o consultor e empresário Oscar Motomura, a sociedade global precisa evoluir, abandonando sua ganância

Leia mais

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs José Eustáquio Diniz Alves 1 O acrônimo BRIC (tijolo em inglês), formado pelas letras iniciais dos nomes de quatro países de dimensões continentais Brasil,

Leia mais

Os BRICS no capitalismo transnacional

Os BRICS no capitalismo transnacional Os BRICS no capitalismo transnacional William Robinson O s BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) são países considerados, pelos sistemas mundiais e por vários analistas, como estados ou

Leia mais

A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA. Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD

A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA. Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD Palestra UFMS 05/06/2013 CONTEXTO SISTÊMICO Maior complexidade da agenda internacional

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO João Ricardo Santos Torres da Motta Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 1. Nós, os Ministros da Fazenda e Diretores dos Bancos Centrais do G-20, realizamos nossa décima reunião anual

Leia mais