FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE ELAINE SILVA MAIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE ELAINE SILVA MAIA"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE ELAINE SILVA MAIA Melhores práticas para a análise de risco no transporte rodoviário de cargas perigosas na era da sustentabilidade São Paulo 2010

2 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE ELAINE SILVA MAIA Melhores práticas para a análise de risco no transporte rodoviário de cargas perigosas na era da sustentabilidade Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia da Zona leste sob a orientação da Doutora Marly Cavalcanti para obtenção do diploma de Graduação no Curso de Logística. São Paulo 2010

3 MAIA, Elaine Silva Melhores práticas para a análise de risco no transporte rodoviário de cargas perigosas na era da sustentabilidade / Elaine Silva Maia Faculdade de Tecnologia da Zona Leste, São Paulo, p. Orientador: Dra. Marly Cavalcanti Trabalho de Conclusão de Curso Faculdade de Tecnologia da Zona Leste 1. Logística. 2. Sustentabilidade. 3. Logística e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos. 4. Estudo de caso

4 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE MAIA, Elaine Silva Melhores práticas para a análise de risco no transporte rodoviário de cargas perigosas na era da sustentabilidade Monografia apresentada à Faculdade de Tecnologia (Fatec) da Zona leste para obtenção do título de Tecnólogo em Logística Aprovado em: Banca Examinadora Prof. Dra. Marly Cavalcanti Instituição: Fatec Zona Leste_ Julgamento: Assinatura: Prof. Hilton Silva Instituição: Fatec Zona Leste_ Julgamento: Assinatura: Tecg. Ricardo Polezi Instituição: SABESP Julgamento: Assinatura: São Paulo, 09 de junho de 2010.

5 AGRADECIMENTO A Deus primeiramente, por me dar condições de realizar este trabalho. A minha família pela compreensão e auxilio durante o desenvolvimento. Ao meu namorado pela compreensão e por me incentivar no desenvolvimento deste trabalho. A minha orientadora por sua paciência e indicações valiosas sem as quais não seria possível a realização deste trabalho. A Fabiana Piffer e ao consultor Luiz Ferreira por ter despertado em mim o interesse por assuntos relacionados à sustentabilidade.

6 O Senhor é meu pastor e nada me faltará Salmos 23:1

7 MAIA, Elaine Silva, Melhores práticas para a análise de risco no transporte rodoviário de cargas perigosas na era da sustentabilidade, 105 p., trabalho de conclusão de curso, Faculdade de Tecnologia da Zona Leste, São Paulo, A sociedade tem pressionado as empresas para que estas demonstrem práticas sustentáveis. A forma com que as empresas encontraram para demonstrar estas práticas foi através da obtenção de certificados tais como o da ISO14001 e no caso das transportadoras de produtos perigosos, o SASSMAQ. Mas, muitas empresas, mesmo certificadas em virtude de proativas, comentem falhas na questão do planejamento e análise de risco. Em muitos casos, limitam-se a cumprir somente o necessário para se manterem dentro da legislação, dos parâmetros para serem certificadas e, assim, não perderem clientes. As organizações não enxergam os ganhos que o planejamento e uma atitude proativa podem trazer, encarando-os apenas como um custo necessário e não como investimento em longo prazo. Palavras-chave: sustentabilidade; rodoviário; perigoso; planejamento; risco.

8 MAIA, Elaine Silva, Melhores práticas para a análise de risco no transporte rodoviário de cargas perigosas na era da sustentabilidade, 105 p., trabalho de conclusão de curso, Faculdade de Tecnologia da Zona Leste, São Paulo, The Society has pressed the companies to demonstrate sustainable practices. The way that companies found to demonstrate these practices was by obtaining certificates such as ISO14001 and in the case of carriers of dangerous products, the SASSMAQ. But many companies, even certified as a result of proactive, committed faults on the issue of planning and risk analysis. In many cases, are limited to meet only what is necessary to remain within the law, the parameters to be certified and thus not losing customers. Organizations do not see the gains that planning and a proactive attitude can bring, seeing them only as a necessary cost and not as long-term investment. Key words: sustainability; road; dangerous; planning; risk.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 1 - Distorção da matriz de transportes brasileira e dos preços relativos em comparação com os EUA (2001)...24 Ilustração 2 Matriz de Transporte (2000)...25 Ilustração 3 Expressão Método Analise Custo Beneficio Ilustração 4 Questionário...87

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Acidentes totais...53 Tabela 2 Acidentes totais 2006 a Tabela 3 Composição Horizontal...54

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABIQUIM Associação Brasileira da Indústria Química EVA Economic Value Added (Valor econômico Adicionado) FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico ISO - (International Standard Operate) ONU Organização das Nações Unidas SASSMAQ Sistema de Avaliação de Saúde, Segurança, Meio Ambiente e Qualidade

12 Sumário Introdução Logística Conceito e definições Processo Logístico Produção Gestão de Estoque Armazenagem Distribuição física e transferência (Transporte) Transporte Modais Rodoviário Ferroviário Aquaviário Dutoviário Aéreo Tipos de Cargas Logística e a sustentabilidade Sustentabilidade de Gestão Conceitos e definições Sustentabilidade ambiental Sustentabilidade econômica Sustentabilidade ambiental versus econômica Análise de Risco Análise de risco empresarial Matriz de riscos Matriz de importância - desempenho Análise de risco ambiental Método Ad Hoc Método das Listagens de Controle Método da Superposição de cartas Método das Redes de Interação... 45

13 Método das Matrizes de Interação Método dos Modelos de Simulação Método da Análise Benefício-custo Método da Análise Multiobjetivo Seleção da Metodologia Logística e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Panorama histórico Legislação Decreto / Portaria n 204 de 20/05/ Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de Resolução CONTRAN/MJ 91 de 04/05/ Resolução nº 701, de 25 de agosto de Resolução nº 1.644, de 26 de setembro de NBR 7500/ NBR NBR NBR NBR NBR NBR NBR Alteração das NBR sobre transporte de produtos perigosos Atribuições específicas do fabricante, expedidor ou destinatário Sustentabilidade na atividade de transporte de produtos perigosos Análise de risco no transporte de produtos perigosos Estudo de Caso ISO Princípios de um Sistema de Gestão Ambiental Importância estratégica da gestão ambiental para as empresas ISO Gestão de Risco A Importância da Gestão de Risco... 78

14 4.3 SASSMAQ Sistema de Avaliação Empresa S Logística Histórico Política Questionário de Avaliação Avaliação Conclusão Referências Bibliográficas ANEXO A Certificado SASSMAQ

15 13 Introdução Atualmente uma palavra que se ouve com extrema freqüência é sustentabilidade. Seja ela na questão ambiental ou no mercado em que as organizações estão inseridas. Historicamente isto vem desde meados dos anos 90, após a fase expansiva da economia mundial (iniciada por volta de 1950 e que tornou visível o profundo impacto ambiental que a atividade produtiva acabou gerando). Além disto, uma série de comportamentos de cunho ambientalista por parte dos consumidores impôs padrões às empresas que, partir dos anos 90, adotaram a questão ambiental como estratégia mercadológica. (MONTIBELLER, 2007, p.103). Conforme Andrade (2002, apud Leite, 2003, p.124), pesquisas realizadas no Brasil em 1998 pelo CNI, pelo SEBRAE e pelo BNDES revelam que: 90% das grandes empresas e 35% das pequenas e microempresas realizaram investimentos ambientais, independentemente de legislação, mas com propósitos de melhoria de competitividade em exportações, de serviços aos clientes, de atendimento às comunidades, de atendimento as organizações não-governamentais e de melhoria da imagem coorporativa. Mas ainda assim, a natureza e seus ciclos naturais são submetidos às leis da racionalidade econômica. (LEITE, 2003, p-103). A retração dos mercados e ameaça de redução dos lucros em períodos de retração econômica, levam as empresas a desprezar as questões ambientais por estas geralmente implicarem em custos adicionais. (MONTIBELLER, 2007, p.102).

16 14 Voltando à palavra sustentabilidade, em poucas palavras, significa explorar de forma controlada a fim de garantir uma continuidade por um longo período (NUNES, 01/09/09 e WWF, 01/09/09). Já no sentido mais abrangente, conforme definição da comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, constituída pela ONU em 1991 (1998, apud Calderoni, p.54 e apud 2007, LEITE, p.127):... Aquele que atende as necessidades presentes sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem as necessidades [...] é um processo de transformação no qual a exploração de recursos, a direção dos investimentos, a orientação do desenvolvimento tecnológico e a mudança institucional se harmonizam e reforçam o potencial presente e futuro, a fim de atender as necessidades e aspirações humanas. Mas, qual a importância da sustentabilidade para as organizações, sobretudo as ligadas ao transporte de cargas nos dias de hoje? Sobrevivência. Pois o mercado possui riscos sendo caracterizado por incertezas e pela turbulência, tornando a demanda mais volátil e gerando caos na cadeia de suprimentos em razão de ações, tais como: promoção de vendas, incentivos para as vendas ou regras de decisão como as referentes à quantidade para repedido. Além disto, conta-se também a vulnerabilidade das cadeias de suprimento das organizações aos distúrbios e as disrupções tais como eventos externos - como os desastres naturais - ou internos como a mudança de estratégia de negócio - tais como enxugamento, ou ainda a Terceirização -. (CHRISTOPHER, 2007, p. 234). Além disto, através da análise do risco positivo, a empresa pode enxergar oportunidade de negócios. Em decorrência destes riscos, as organizações precisarão desenvolver programas para gerenciá-los, pois o impacto de eventos não-planejado e imprevisto podem causar sérios efeitos financeiros ao longo de uma rede como um todo. Na obra de Christopher (2007, p ), o exposto fica bem claro através da pesquisa feita na América do Norte onde sugere que organizações ao sofrerem disrupções em suas cadeias de suprimento verificarão significativo

17 15 impacto no preço de suas ações, uma vez que o problema torna-se público. Em média, as organizações que passaram por este problema viram a média de sua renda operacional despencar 107%, o retorno sobre as vendas cair 114% e o retorno sobre ativos cair 93%. Conforme Christopher (2007), as organizações tem se dedicado muito as questões da sustentabilidade do negócio, mas com um enfoque limitado, principalmente voltado para Tecnologia da Informação (TI) e gestão dos processos internos. Mas o risco da sustentabilidade do negócio pode estar na rede mais ampla da qual o negócio é apenas uma parte. Desta forma sugerese a determinação de um perfil de risco buscando localizar os pontos críticos onde se deve focalizar a atenção. Os principais pontos de risco de um negócio são: No fornecimento por ser vulnerável a interrupções, dependência de fornecedores, mau gerenciamento dos suprimentos. Na demanda por sua volatilidade, pelo efeito chicote e situações em que a demanda de um produto afeta a do outro. No processo pelos gargalos, resilência nos processos, capacidade adicional disponível, etc. Ambiental, devido às vulnerabilidades externas e aos impactos gerados pela atuação da empresa. Ficam muito claros os impactos no ambiente gerados por uma indústria, mas sabe-se que não é tão visível quando se trata de uma prestadora de serviços. Pois os capitais são induzidos a produzir enormes quantidades de mercadorias em giro muito rápido do processo produtivo visando o lucro em grande volume que superem as taxas de juros, condição imperiosa para o investimento exigindo mais da natureza pressionando seus processos naturais a ponto de ultrapassar a capacidade de absorção ou da reciclagem natural de resíduos e de rejeitos advindos das atividades de produção e consumo (MONTIBELLER, 2007, p. 103).

18 16 No caso de uma transportadora é mais evidente quando se trata do uso de combustíveis e dos resíduos gerados pela manutenção dos equipamentos (tais como empilhadeiras, porta-paletes, boxes de armazenagem) e dos veículos (peças inservíveis do caminhão). Mas, com uma análise um pouco mais profunda, verifica-se que outros elementos como consumo de água, combustível, papel, perdas no transporte e devoluções, quando submetidos a um planejamento e controle efetivos, além de se reduzir impactos negativos na natureza reduzem-se o custo fixo da empresa, colaborando com o provável aumento de EVA (Economic Value Added) desde que outros fatores sejam favoráveis (tais como uma boa administração da empresa e condições de mercado sem grandes turbulências). Desta forma fica óbvio que a sustentabilidade exige, num primeiro momento, investimentos tais como ajuste no telhado aliado à manutenção do ar condicionado, treinamento para boas práticas para que os funcionários desliguem o computador na hora do almoço para reduzir o consumo de energia elétrica, troca dos equipamentos de descarga e válvulas de pressão das torneiras por aquelas mais econômicas para diminuir o consumo de água, ajuste nas impressoras para impressão frente e verso, opção de selecionar apenas as partes interessantes para reduzir o consumo de papel, roteirização das entregas, de forma a aproveitar os melhores caminhos para economizar combustível, práticas legais para o descarte correto de materiais inservíveis oriundos da manutenção dos veículos e equipamentos de manuseio de carga, políticas para reaproveitamento de material oriundo da logística reversa. Estes exemplos apresentados trazem benefícios tanto para o planeta como para a organização com a redução de custos em longo prazo. O objetivo deste trabalho é mostrar os benefícios da implantação de uma consciência sustentável em empresas transportadoras de carga rodoviária.

19 17 1 Logística Logística é um termo, relativamente, recente e que no principio era ligada a uma imagem negativa da empresa por ser atribuída a culpa pelas entregas não terem sido feitas no prazo ou que simplesmente, não haviam acontecido. Ao mesmo tempo, havia a valorização dos profissionais que fossem capazes de fazer a tal logística acontecer. (ARBACHE, 2006, p. 20). A consciência da importância da logística mesmo estando presente em muitas empresas, ainda está por ser plenamente implementada. Mas, de um modo geral, a logística tem ganhado mais espaço em organizações de todas as atividades e setores. (CHRISTOPHER, 2007, xi). O caso da matéria do USA Today, ilustra que muitas vezes lhe são atribuídas funções que nem são imaginadas, como foi que lhe atribuía à função de atrasar a invasão norte-americana no Iraque. Mas se lhe são atribuídas tantas funções, porque a maioria das pessoas associa a logísticas apenas as operações de transporte e armazenagem dos produtos? (ARBACHE, 2006, p. 20). Para responder esta e outras questões serão apresentadas neste capitulo, os conceitos do que vem ser logística e demais conceitos e assuntos pertinentes ao entendimento da importância da logística nos dias de hoje. 1.1 Conceito e definições A definição de logística irá variar de acordo com o ramo de atividade que a organização desempenha. Por exemplo, para a Marinha que se refere à

20 18 logística como a ciência de prever necessidade e prover soluções. Já para o Council Logistics Management (sendo esta a maior referência em logística no mundo, principalmente em varejo uma vez que evoluiu do conselho de distribuição física), define logística como sendo o processo de planejar, implementar, e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços [...] cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender os requisitos do consumidor.desta forma, percebe-se que o escopo da logística vai além da movimentação e armazenagem dos produtos. (ARBACHE, 2006, p. 21). Christopher (2007, p. 3), constatou que: Logística é o processo de gerenciamento estratégico da compra, do transporte e da armazenagem de matérias-primas, partes e produtos acabados (além dos fluxos de informação relacionados) por parte da organização e de seus canais de marketing, de tal modo que a lucratividade atual e futura seja maximizada mediante a entrega de encomendas com o menor custo associado. A logística imaginada como apenas ligada à área de estoques e transporte, se deve ao fato destas serem suas atividades mais importantes. Porém, atualmente, com a concorrência tão acirrada gerou a necessidade de integrar os processos internos e externos para que os custos e as ineficiências fossem reduzidos. (ARBACHE, 2006, p. 22). A logística procura essencialmente criar um plano único para o fluxo de produtos e de informação ao longo do negócio. (Christopher, 2007, p. 4). Para Porter (1989, p. 22), a estratégia de uma unidade empresarial é o caminho para a vantagem competitiva que determinará o seu desempenho. Vantagem competitiva sustentável tem sido a preocupação de todo administradora que esteja consciente das realidades do mercado. (Christopher, 2007, p.6). Porém deve ser salientar que uma gestão logística eficiente e bem planejada pode não trazer a vantagem esperada caso tenha havido uma avaliação deficiente de mercado, dos clientes ou do poder de barganha dos fornecedores, por exemplo. (ARBACHE, 2006, p. 29).

21 19 A fonte da vantagem competitiva está na capacidade da organização se diferenciar de seus concorrentes perante o cliente, operando com um custo menor e conseqüentemente com maior lucro. (CHRISTOPHER, 2007, p. 6). O problema está em que alguns requisitos para atender o cliente da melhor forma possível implicam em gastos muito elevados chegando a alguns casos a ser inaceitável. Sendo este um desafio da logística na nova economia. (ARBACHE, 2006, p. 35). Christopher (2007, p. 7), afirma que tradicionalmente sugere-se que o principal caminho para a redução de custos é com o ganho em maiores volumes de vendas. O objetivo da empresa é que ela gere lucro, mas, devido à concorrência pode haver a necessidade de investimentos que podem gerar lucros decrescentes, devido aos consumidores buscarem um preço mais baixo e uma maior qualidade do serviço. (ARBACHE, 2006, p. 36). Se o produto que se oferece não é diferenciado em relação aquele oferecido pelo concorrente, então esse produto será tratado como commodity, ou seja, sem diferenciação, assim a venda tenderá para aquele que oferecer o menor preço. (CHRISTOPHER, 2007, p. 8). Se o produto for tratado como commodity então a empresa deverá investir em produtividade para diferenciar-se no preço, ou na estrutura para diferenciar-se em nível de serviço. (ARBACHE, 2006, p. 38). Arbache (2006, p. 37), em sua obra, afirma que: Para que seus produtos sejam adquiridos, as empresas deverão esforçar-se para atingir uma posição de liderança no mercado, por produtividade (baixo custo) ou fornecer um nível de serviço sem competidores. [...] Quando a empresa atinge a condição de líder em custos [...] devendo preocupar em [...] melhorar na mesma velocidade do mercado.

22 20 Observa-se que a força da marca tende a declinar. (CHRISTOPHER, 2007, p. 9). Neste contexto, apresenta uma nova postura no processo decisório de aquisição. (ARBACHE, 2006, p. 47). Desta forma, tornou necessário o uso de outros meios para ganhar vantagem competitiva, normalmente vinculada ao processo de desenvolvimento de relacionamento com clientes através da oferta de serviços. (CHRISTOPHER, 2007, p. 9). Nesta situação, o consumidor passa a dar maior importância ao conjunto de atributos oferecidos junto com o produto, e que o ajustem às suas necessidades específicas tais como disponibilidade, suporte técnico pós-venda e prazo de entrega que, em alguns casos, passam a ter mais importância do que o próprio produto. Se o cliente não encontrar o que ele busca na empresa, não hesitará em buscá-la em outra. (ARBACHE, 2006, pp ). O empresário pode pensar que um cliente não faz a diferença, mas as estratégias para redução de custo baseiam-se na economia obtida pela venda em escala. Perder um cliente significa um a menos para atingir a economia planejada. (CHRISTOPHER, 2007, p. 9) Para se evitar este gargalo, há um caminho cada vez mais eficiente que para se obter vantagem de custo que vem pela logística e pelo gerenciamento da cadeia de suprimentos. (CHRISTOPHER, 2007, p. 10). A vantagem competitiva tem origem nas atividades distintas que a empresa desempenha no projeto, produção, marketing, fornecimento e suporte do produto. Cada uma destas atividades contribuem com custos e podem criar uma base para diferenciação junto aos clientes, sendo o que Michael Porter chama de cadeia de valor. A vantagem competitiva depende de como a empresa organiza e desempenha estas atividades. As organizações devem olhar para cada uma destas atividades e avaliar se elas têm vantagem competitiva real. Se não, deve se considerar a terceirização desde que o terceiro ofereça esta vantagem. (CHRISTOPHER, 2007, pp ). De acordo com o exposto, percebe-se a importância da logística moderna, que, conforme Arbache (2006, p. 49):

23 21 [...] está baseada na gestão eficaz e eficiente das informações referentes aos dois pontos básicos da cadeia de negócios demanda e oferta -, de forma que a empresa possa atender às necessidades do mercado que atua, a um custo adequado, garantindo assim, a rentabilidade dos produtos ofertados. Os processos logísticos devem [...] criar valor para o cliente e construir um relacionamento duradouro. No item 1.2 deste capítulo serão discutidos os pontos de relevância do processo logístico. 1.2 Processo Logístico Os processos logísticos são as atividades tais como a produção, gestão de estoque, armazenagem e distribuição física que em conjunto são capazes de conferir ao cliente vantagem em valor em produtividade a fim de construir um relacionamento duradouro. (ARBACHE, 2006, p. 48). Serão abordados nos itens 1.2.1, 1.2.2, e deste capítulo cada uma destas atividades Produção A produção tem grande peso na estrutura de um produto, sendo responsável por até 30% destes. Para diminuir custos e atender a demanda quanto a customização dos produtos, algumas organizações passaram a utilizar o modelo de produção puxado, ou seja, o fluxo decisório passa a ser no cliente comandada pelos inputs oriundos dos pontos de venda, visando à diminuição do estoque no processo de produção e, conseqüentemente, os custos para a manutenção do mesmo. (ARBACHE, 2000, p. 51).

24 Gestão de Estoque Gestão dos estoques é um dos pontos mais importantes para a empresa, pois precisa ser muito bem executado. O motivo é que a existência do estoque tranqüiliza a empresa com relação às flutuações de demanda para a manutenção de seu nível de serviço, mas, por outro lado, é fonte de constante atrito devido ao capital investido. (ARBACHE, 2000, p. 54). Em épocas de inflação os custos com estoques não são sentidos porque, em sua maioria, os ganhos financeiros quase sempre compensavam o gasto com sua manutenção. Por outro lado, em tempos de estabilidade, a manutenção de estoques passa a ser bastante discutido devido aos indicadores econômicos, principalmente o valor econômico adicionado (EVA) serem diretamente afetados pelo custo de oportunidade de capital oriundo dos produtos em estoque. (ARBACHE, 2000, p. 54). Então, três pontos precisam ser conhecidos para que se faça uma boa gestão dos estoques. Até quanto tempo podemos adiar o processo de manufatura ou montagem de um produto até que a demanda seja realmente conhecida. (ARBACHE, 2000, p. 55); Previsão de demanda com previsível grau de assertividade, quanto mais próximo do ponto de consumo, melhor é a previsão. Por isto, tem crescido a busca por informações no ponto de venda por meios automatizados e estudos sobre as condições socioeconômicas da região. (ARBACHE, 2000, p. 55); O terceiro ponto refere-se à localização do estoque. Buscando qual é a melhor opção, se é centralizar ou descentralizar o estoque.

25 23 Esta definição depende de quatro variáveis: tempo de resposta, giro do produto, valor agregado e exigência de disponibilidade pelos mercados. (ARBACHE, 2000, p. 56) Armazenagem Seu planejamento e formatação terão impacto importante no desempenho da distribuição dos produtos. Por este motivo requer um gerenciamento moderno, com a adoção de processos e sistemas aplicados à movimentação e estocagem, mudando a visão tradicional de que uma instalação com armazenagem seja um local destinado à guarda de produtos. (ARBACHE, 2000, pp ) Distribuição física e transferência (Transporte) Conforme Fleury, (2000, p. 409): o transporte de cargas é o principal componente dos sistemas logísticos das empresas. [...] o transporte representa 64% dos custos logísticos, 4,3% do faturamento, e em alguns casos, mais que o dobro do lucro. Tanto para empresas públicas quanto para as privadas, a principal decisão com relação ao transporte de cargas é a escolha dos modais de transporte. (FLEURY, 2000, p. 409). Devido à importância desta escolha, será feita a explanação de cada um deles nos subitens do item 1.3.

26 Transporte Modais São cinco os modais de transporte de cargas: rodoviário, ferroviário, aquaviário, dutoviário e aéreo. (ARBACHE, 2006, p. 67). Conforme Fleury, (2000, p. 409), Cada um possui estrutura de custos e características operacionais específicas que os tornam mais adequados para determinados tipos de produtos e de operações. [...] em relação aos [...] custos, cabe destacar o nível de imobilização de capital em ativos fixos, a existência de economias de escala associadas ao seu uso e a presença de rendimentos crescentes ou decrescentes de escala no consumo de combustíveis, de lubrificantes e de materiais de reposição. [...] escopo dos serviços prestados, por sua vez, merece destaque à possibilidade de contratar junto com os transportadores de serviços de maior valor agregado com base em conhecimento, como, por exemplo, projetos de consultoria em logística [...]. Conforme Fleury, (2000, p. 412), no Brasil, os preços relativos aos modais de transporte possuem a mesma ordenação encontrada nos EUA: aéreo (maior), rodoviário, ferroviário, dutoviário e aquaviário (menor). [...]. Segue abaixo gráfico que ilustra o acima exposto: Ilustração 1 - Distorção da matriz de transportes brasileira e dos preços relativos em comparação com os EUA (2001) Fonte: Fleury, 2000, p. 419

27 A seguir será abordada uma breve descrição dos custos envolvidos e da operação para cada um dos modais Rodoviário Na questão de custos, o modal rodoviário apresenta pequenos custos fixos, uma vez que a construção e a manutenção de rodovias dependem do poder público e seus custos variáveis (por exemplo, combustível, óleo e manutenção) são medianos. (FLEURY, 2000, p. 412). Principal modal utilizado, o rodoviário responde por 60,34% do total de cargas movimentadas no Brasil. Sendo utilizado para o transporte de quase todos os produtos manufaturados. Sua predominância é oriunda da deficiência nos demais modais. (ARBACHE, 2006, p. 68). Ilustração 2 - Matriz de Transporte (2000) Fonte: Araujo, 2007, p. 20 O transporte rodoviário compete com o aéreo na preferência para o transporte de pequenas cargas com relação a peso e dimensões - e com o ferroviário nas grandes.

28 26 Este tipo de transporte é indicado para operações de coleta e de entrega de mercadorias, as denominadas pontas do serviço de cargas, devido à sua flexibilidade de roteirização e por quase não apresentar limites para onde chegar. (ARBACHE, 2006, p.68; FLEURY, 2000, p. 413). Este modal será abordado no capítulo 3 no que tange ao transporte rodoviário de um tipo de carga, a de produtos perigosos Ferroviário Este modal apresenta custos fixos elevados, devido à necessidade de substanciais investimentos em trilhos, terminal, locomotiva e vagões. Já seus custos variáveis são pequenos. (FLEURY, 2000, p. 412). O modal ferroviário deveria ser o grande modal de transporte brasileiro, mas durante muitos anos ficou restrito ao transporte de minérios e combustíveis. O processo de sucateamento e abandono impediu qualquer utilização racional desse modal. (ARBACHE, 2006, p. 68). Indicado para o transporte de grandes distâncias, devido ao seu menor custo, torna-se opção para a melhoria do desempenho dos produtos que tem sua competitividade comprometida pelos custos de transportes e manuseio. (ARBACHE, 2006, p. 68). O ponto de gargalo deste modal é o carregamento e o descarregamento. (Arbache, 2006, p.68), bem como a disponibilidade da malha ferroviária, a qual determina até onde este modal pode chegar. (FLEURY, 2000, p. 413). Com a privatização do sistema, deve-se início ao processo de recuperação deste modal, incluindo mudança de estratégia para atingir setores antes não servidos pela ferrovia. (ARBACHE, 2006, p. 68).

29 Aquaviário O modal aquaviário apresenta custos fixos medianos, decorrentes dos investimentos em embarcações e equipamentos, mas seus custos variáveis são pequenos graças à sua capacidade de transportar grandes volumes e toneladas. (FLEURY, 2000, p. 412). Compreende os modos: marítimo e o hidroviário. O marítimo é caracterizado pelo transporte de longo curso e a cabotagem (termo que define o transporte na costa de um país ou de países fronteiriços, e apresenta várias escalas). (ARBACHE, 2006, p. 69). Para Arbache, (2006, p. 69) o hidroviário, utiliza os rios, sendo indicado para o transporte de produtos volumosos, pesados, de baixo valor unitário e que possam ser carregados e descarregados por sistemas mecânicos. O Brasil pode obter vantagem competitiva no comércio internacional com a utilização deste modal graças ao seu baixo custo e grande capacidade de carga. (ARBACHE, 2006, p. 69; FLEURY, 2000, p. 413) Dutoviário Modal que apresenta os custos fixos mais elevados, devido ao direito de passagem, construção, estações de controle e capacidade de bombeamento. Em contrapartida, apresenta custos variáveis quase nulos, às vezes desprezíveis. (FLEURY, 2000, p. 412) O modal dutoviário é utilizado para transportar produtos específicos, tais como petróleo e seus derivados, gás natural, minério, água, grãos entre outros. (ARBACHE, 2006, p. 70)

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Fundamentos da gestão

Fundamentos da gestão Fundamentos da gestão A gestão da Ultrapar caracteriza-se pela estrutura enxuta e agilidade na tomada de decisão. A Ultrapar é uma organização moderna, adaptável e ágil, com padrões mundiais de excelência

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA Prof. Ms. Sidney E. Santana 1. Identificando os custos da qualidade Controlar a origem das receitas, produto da venda de

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

PROGRAMAS MANTIDOS RESULTADOS ALCANÇADOS

PROGRAMAS MANTIDOS RESULTADOS ALCANÇADOS PROGRAMAS MANTIDOS RESULTADOS ALCANÇADOS OBJETIVO DOS PROGRAMAS PREVENIR ATITUDES INSEGURAS NO TRANSPORTE POR MEIO DA CONSCIENTIZAÇÃO DOS MOTORISTAS. META ATINGIR O NÍVEL ZERO EM ACIDENTES SÉRIOS. PRINCIPAL

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Rodrigo Arozo O processo de gestão de estoques pode ser decomposto em quatro aspectos básicos: as políticas e modelos quantitativos utilizados, as questões

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS.

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. O Governador do Estado de Minas Gerais, no uso de atribuição que lhe confere o artigo 90, inciso VII, da Constituição do Estado,

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA DESCARGA DE CARVÃO COMPACTADO

OTIMIZAÇÃO DA DESCARGA DE CARVÃO COMPACTADO OTIMIZAÇÃO DA DESCARGA DE CARVÃO COMPACTADO 1 RESUMO O agarramento de material no fundo dos vagões sempre foi um dos maiores gargalos operacionais enfrentados na descarga de carvão mineral. Problema que

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais