PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA"

Transcrição

1 SA11757 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA

2 Antecedentes/Introdução: 1. Em 2004, a Cimeira Extraordinária de Chefes de Estado e de Governo da União Africana aprovou uma Declaração e um Plano de Acção para o Emprego e Alívio da Pobreza, com o seu respectivo Mecanismo de Acompanhamento. Após dez anos de implementação, ainda prevalecem desafios de alto nível de desemprego e subemprego. A avaliação da Cimeira Extraordinária de Ouagadougou de 2004 destaca o seguinte: A implementação foi limitada pela fraca capacidade institucional aos níveis nacional, regional e continental, poucos recursos financeiros, falta de capacitação e a vasta gama de Áreas Prioritárias Principais contidas no Plano de Acção com um grande número de recomendações. Outros factores se relacionam com a falta de metas e indicadores que facilitem a planificação e acompanhamento pelos Estados-membros, e à fraca coordenação com os empreendimentos pelos parceiros internacionais de desenvolvimento. 2. Durante o período de implementação, os líderes políticos a UA sublinharam a importância dos tópicos estratégicos tais como a protecção social dos trabalhadores da economia informal e rurais, melhoria de produtividade, em particular nas Empresas Pequenas e de Média Dimensão (EPMS), microempresas da economia informal e do sector público, migração laboral e necessidade de fortalecer a cooperação técnica entre os Estados Membros. 3. Subsequentemente, numa nova Década de compromisso para o trabalho, emprego e protecção social, as seis Principais Áreas Prioritárias a seguir foram determinadas para atenção especial: a. Liderança Política, Prestação de Conta e Boa Governação b. Emprego para Jovens e Mulheres c. Protecção Social e Produtividade para Crescimento Sustentável e Inclusivo d. Instituições do Mercado de Trabalho em bom Funcionamento e Inclusivas e. Migração Laboral e Integração Económica Regional f. Parceria e Mobilização de Recursos 4. Com o objectivo de facilitar a implementação efectiva do novo compromisso consagrado no presente Plano de Acção, algumas estratégias são articuladas com as seis Áreas Prioritárias Principais e atribui-se papéis a diferentes níveis de responsabilidade. O Plano de Acção será implementado através de programas periódicos que serão compartilhados com os parceiros de desenvolvimento internacionais por meio de fóruns apropriados a todos os níveis. A abordagem de implementação baseia-se no princípio da subsidiariedade, que coloca as CER no comando. 1

3 a. Principal Área Prioritária 1: Liderança Política, Prestação de Conta e Boa Governação Resultado Previsto: Liderança Política de Alto Nível concebida para alcançar um crescimento de base ampla e inclusiva, para erradicar a pobreza no trabalho, alcançar o emprego pleno e produtivo e assegurar a coesão social no contexto da Agenda de Desenvolvimento pós-2015, Agenda 2063 da UA e realização dos Objectivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Estratégias: Dos Estados Membros: a. Estabelecer uma Orientação e Revisão Política de Alto Nível ao nível de Chefes de Estado ou de Primeiros-ministros para apoiar e dirigir o envolvimento e apoio político às políticas e estratégias nacionais de emprego abrangentes; b. Desenvolver uma coerência das políticas para desenvolver complementaridades e sinergias entre as políticas macroeconómicas e de desenvolvimento sectorial com as de emprego a fim de promover o crescimento e erradicação da pobreza através aumento do emprego e de resultados de crescimento da produtividade; e combater más práticas tais como corrupção que dificultam o potencial de criação de empregos produtivos do sector privado e investimentos; c. Integrar/Traduzir as políticas de emprego em quadros jurídicos que permitam uma Abordagem eficaz Baseada em Direitos; d. Desenvolver uma coerência institucional sobre a gestão do mercado de trabalho, aumentando a coerência orgânica entre as principais funções do mercado de trabalho do emprego, do Trabalho, Ensino Técnico Profissional (ETP) e Desenvolvimento de Competências; e. Aumentar a atribuição orçamental adequada para políticas e programas de emprego, como parte do quadro macro tais como o Quadro de Despesas a Médio Prazo; f. Fortalecer o ambiente de negócios, governação política e económica para permitir os investimentos e a transferência de tecnologia na indústria manufatureira de trabalho altamente intensivo a fim de impulsionar um crescimento comandado pelo sector privado - que iria aumentar as oportunidades de emprego. 2

4 g. Criar plataformas que permitam aos cidadãos e actores não estatais (ONG), associações da sociedade civil, organizações de base comunitária) a levantar suas vozes sobre questões relativas à prestação de contas e transparência no que diz respeito ao emprego e crescimento inclusivo. Reforçar as políticas de planificação de recursos humanos, especialmente nas áreas principais tais como a saúde, a educação, onde a escassez de mão-de-obra pode ser prejudicial para o desenvolvimento humano e inclusivo. Pela CUA: a. Garantir a prestação de contas da Conferência dos Chefes de Estado através de avaliações do progresso bienais sobre a implementação das Principais Áreas Prioritárias pelos Estados Membros e as Comunidades Económicas Regionais, uma Avaliação Intercalar em 2019 e uma avaliação final em 2024; b. Usar os mecanismos de prestação de contas da UA existentes tais como o MARP; c. Desenvolver e implementar instrumentos para medir e reportar casos de exclusão social, com apoio técnico das agências da ONU e de peritos independentes; Área Prioritária Principal 2: Emprego para Jovens e Mulheres Resultado Previsto: Desemprego de Jovens e Mulheres e Redução do Subemprego 5. Os resultados previstos serão alcançados através da implementação acelerada do Pacto da UA para o Emprego dos Jovens e das Mulheres, em particular as intervenções consagradas nas estratégias a seguir. Estratégias: Pelos Estados Membros: a. Apoiar a participação dos Jovens e das Mulheres no diálogo político sobre o emprego e outras políticas relacionadas; b. Promover uma abordagem integrada ligando as políticas de emprego, da redução da pobreza e de desenvolvimento inclusivo para reduzir o elevado nível de pobreza de jovens e mulheres; 3

5 c. Tomar medidas urgentes para melhorar e aumentar a capacidade de resposta dos sistemas de educação e formação às necessidades actuais e futuras do mercado de trabalho, a fim de resolver a inadequação generalizada e estrutural de competências; realizar com urgência uma identificação e previsão das necessidades de competências para correspondência eficaz entre a demanda e a oferta de competências na economia formal e informal e para fazer face ao longo período de desemprego da maioria de jovens e mulheres. d. Apoiar o autoemprego e empreendedorismo dos jovens e das mulheres, através de uma melhor formação em competências básicas de negócios e um ambiente de negócios que é sensível às necessidades e expectativas dos jovens e das mulheres; e. Apoiar o empreendedorismo social e as empresas, em particular, as cooperativas como empresas de negócios sustentáveis e com sucesso, contribuindo para a geração de emprego, protecção social e erradicação da pobreza; o apoio deve ser alargado ao sector social das ONG, OBCS e OR como meio de promover crescimento inclusivo através emprego e intervenções de protecção social; f. Optimizar a força de trabalho feminina, através da promoção da igualdade de acesso ao trabalho e melhoria das condições de trabalho para as mulheres; e apoiar a implementação da Decisão EX/CL/117 (V) e da Declaração sobre a Igualdade de Género em África, adoptada pela Quinta Sessão Ordinária do Conselho Executivo e pela Terceira Sessão Ordinária da Conferência dos Chefes de Estado e de Governo; g. Oferecer incentivos fiscais e sociais adequados para apoiar a criação do emprego para jovens e mulheres nas Empresas Micros, Pequenas e Médias, na Agricultura, Economia Informal, Indústrias Culturais e Serviços, em particular os serviços baseados em TIC; h. Reforçar as ligações entre o emprego para jovens e mulheres e as Tecnologias da Informação e Comunicação e o crescimento do emprego impulsionado pelos sectores, tais como economia verde, agricultura, pesca, carreiras artísticas; i. Promover a inclusão financeira para aliviar restrições vinculativas representadas pela falta de acesso ao financiamento por parte de empresas, famílias e indivíduos, com foco na exploração de serviços financeiros inovadores (tais como poupança, seguros, crédito, transferência de dinheiro) para permitir o acesso ao emprego a mulheres e jovens nas áreas rurais; j. Apoiar instituições que podem ajudar jovens recém-chegados no Mercado de trabalho, incluindo emprego com base nas escolas e bazares de carreiras; e 4

6 k. Reconhecer os programas de aquisição de competências informal e formal. Pela CUA e CER: a. Integrar o emprego para jovens e mulheres nos Programas da NEPAD, CAADP, PIDA, AIDA e outros da UA; b. Intensificar o Diálogo sobre a Política Espacial com os órgãos decisores da UA para apoiar a visão comum e envolvimento sustentável sobre a promoção do emprego para jovens e mulheres numa perspectiva de muitos intervenientes; c. Promover trabalho digno para Jovens e Mulheres pela paz, reconstrução e desenvolvimento nos países acabados de sair de conflitos; d. Promover uma Campanha de Trabalho Seguro para Jovens e Mulheres, defendendo condições de trabalho mais seguras para jovens e mulheres; e. Implementar a Parceria Público-Privada continental obre a Promoção de Emprego para Jovens e Mulheres; f. Identificar factores económicos a nível regional e continental que ofereceriam amplas oportunidades de desenvolvimento industrial e criação de emprego através de desenvolvimento da força de trabalho qualificada necessária (diamante, ouro, madeira, couro, etc.) e promover iniciativas de desenvolvimento integrado; g. Oferecer gestão como Governos e alcançar uma coerência política nos Quadros de Certificação Nacionais e Regionais para o Ensino Técnico- Profissional, bem como desenvolvimento de Planos de Acção Nacionais e Regionais de Emprego para Jovens e Mulheres; h. Garantir o intercâmbio de experiências sobre o emprego para jovens e mulheres, incluindo através de publicação de brochuras de boas práticas no domínio do emprego para jovens e mulheres; Área Prioritária Principal 3: Protecção Social, Produtividade e Competitividade para Desenvolvimento Sustentável e Inclusivo Resultado Previsto: Cobertura alargada de protecção social para as categorias excluídas de trabalhadores (ou para os Trabalhadores da Economia Informal e Rurais) e membros das suas famílias e melhor produtividade e concorrência em África. 5

7 Estratégias: Pelos Estados Membros: a. Realizar estudos multissectoriais para avaliar a situação de protecção social para os trabalhadores da economia informal e rurais, e membros das suas famílias e utilizar as constatações para o desenvolvimento de planos nacionais para implementar o Plano de Proteção Social para os Trabalhadores da Economia Informal e Rurais (SPIREWORK) como prioridade para o governo, com o apoio de parceiros internacionais. b. O Plano de Proteção Social do País para a economia os Trabalhadores da Informal e Rurais (SPIREWORK) deve abranger: (i) um Pacote Mínimo de Proteção Social; (ii) um Quadro Jurídico e Regulamentar Favorável; (iii) Advocacia, Estatísticas e Gestão do Conhecimento; (iv) Organização e Criação de Redes para a Capacitação e Participação Eficaz dos Trabalhadores Informais; e (v) Diálogo Político e Social; c. Desenvolver viabilidade flexível, determinação de custos e estratégias de financiamento sustentável, combinando regimes contributivos e não contributivos para os programas SPIREWORK definidos a nível nacional, para reduzir os gastos públicos e aliviar a pressão sobre os escassos recursos públicos destinados a proteção social; d. Garantir a formalização progressiva da economia informal através de criação de um ambiente jurídico e regulamentar para empresas sustentáveis, desenvolvimento de competências, extensão progressiva do trabalho e da proteção social, desenvolvendo sinergias e complementaridades entre SPIREWORK e em conformidade com a Recomendação do Piso de Proteção Social da ONU (n o 202), promoção da produtividade e estímulo à organização de trabalhadores informais e das empresas; e. Tomar medida específica para alargar o trabalho e protecção social para os trabalhadores domésticos; e em geral, desenvolver políticas de protecção sociais e programas na economia informal mais sensíveis ao género; f. Promover uma abordagem integrada que estabelece ligação com a redução da pobreza, maternidade e protecção da saúde e acesso à proteção social para as mães que trabalham na economia informal a fim de lhes permitir uma melhor conciliação entre responsabilidades de trabalho, da família e de cuidado. g. Tomar medidas apropriadas para fazer advocacia contra e reduzir a incidência de formas inaceitáveis do trabalho em todas as suas formas. 6

8 h. Aumentar a produtividade das economias africanas, com foco nas EPM, Micro Empresas e no Sector Público, em harmonia com a agenda de Produtividade para África; i. Fortalecer a capacidade de centros de gestão de produtividade de nível nacional. Pela CUA: a. Integrar SPIREWORK no Programa Integrado de Desenvolvimento da Agricultura Africano (CAADP), alavancando as empresas cooperativas e instituições de micro-finanças para promover a protecção social dos trabalhadores rurais e dos membros das suas famílias; b. Implementar a iniciativa especial continental sobre a segurança social tendo como alvo as EPM, em colaboração com as CER; c. Acelerar a implementação da Agenda de Produtividade de África a fim de apoiar a aplicação das políticas da UA sobre o desenvolvimento da agricultura e industrialização; d. Desenvolver um Índice de Produtividade e Competitividade para África; e. Aumentar mais-valia da produtividade e concorrência das Economias Africanas, com ênfase nas EPM, Micro Empresas e o Sector Público; f. Promover a indução de uma cultura de produtividade no seio das pessoas em África e uma cultura de proteção social entre os trabalhadores da economia informal e rurais; e g. Desenvolver capacidade de planificação através do estabelecimento de um Centro Africano da Economia Informal (ACIE) e de um Conselho de Produtividade Africano. Pelos Parceiros de Desenvolvimento Internacionais: a. Empenhar-se numa coordenação melhor e regular das suas intervenções ao nível nacional, regional e continental; Área Prioritária Principal 4: Instituições do Mercado de Trabalho em Bom Funcionamento e Inclusivas Resultado Previsto: modernizadas Instituições do Mercado de trabalho melhoradas e 7

9 Estratégias: Pelos Estados Membros; a. Desenvolver e fortalecer sinergias e complementaridades entre os principais intervenientes do mercado de trabalho, permitindo que os Serviços Públicos de Emprego actuem como um centro para a melhoria da prestação de serviços sobre auto-emprego e intervenções de intermediação; b. Estabelecer Unidades Planificação, Monitorização e Avaliação de Emprego e de Recursos Humanos, com objectivo de criar e melhorar a capacidade de planificação estratégica nos ministérios responsáveis pelo trabalho, emprego, protecção social e ETP; c. Promover os mecanismos e instituições de diálogo social, enquanto se estende o seu domínio para a economia informal e o sector rural para apoiar o crescimento económico equilibrado e inclusão social; d. Acelerar a profissionalização das instituições do mercado de trabalho para apoiarem as políticas de desenvolvimento e planos de investimento, concertando-se na prestação de serviços profissionais de qualidade para as EPM e Micro Empresas na Economia Informal; e. Implementar o Quadro de Harmonização e Coordenação dos Sistemas de Informação do Mercado de Trabalho para fortalecer os Sistemas de Informação do Mercado de Trabalho e capacidades de Planificação dos Recursos Humanos a fim de melhorar a compreensão, participação e parceria na formulação, implementação e avaliação e monitorização de políticas de desenvolvimento inclusivo; f. Levar a cabo reformas institucionais, jurídicas e outras do mercado de trabalho, para aumentar o emprego e o crescimento, garantir a inclusão dos grupos vulneráveis; g. Adotar e aprofundar as reformas para garantir a flexibilidade do mercado de trabalho adequado e a eliminar distorções que incentivam as técnicas de produção intensivos do capital, em detrimento das do trabalho intensivo; h. Prosseguir políticas fiscais que promovam o investimento em trabalho intensivo no sector de infraestruturas e outros. Enquanto isso, as políticas monetárias devem prestar atenção ao crescimento e emprego, enquanto se garante a estabilidade dos preços; i. Fortalecer a capacidade das administrações descentralizadas e das autoridades locais ao participarem na implementação de políticas de emprego para o desenvolvimento local eficaz para o emprego local, no âmbito da Carta Africana 8

10 sobre os valores, princípios da descentralização, governação e desenvolvimento locais; j. Promover a coordenação de políticas internas entre os ministérios e outras instituições do Estado em matéria de elaboração de políticas para melhorar a coerência, eficiência e eficácia na integração do emprego nos planos e programas de desenvolvimento; Pela CUA: a. Implementar a Plataforma de Cooperação Técnica Intra-Africana para tirar proveito da valiosa experiência técnica acumulada pelos Estados Membros ao longo de décadas nas áreas de emprego, trabalho, migração de trabalhadores e gestão das políticas de proteção social; b. Realizar uma avaliação dos Centros de Administração Regionais de Trabalho Africana e elevá-los a estruturas africanas especializadas para apoiar a implementação de Políticas da UA sobre o trabalho, emprego, protecção social e migração; c. Promover o empreendedorismo social, incluindo o estabelecimento e fortalecimento de empresas cooperativas economicamente viáveis, para a criação de empregos e ampliação da proteção social para os trabalhadores da economia informal e rurais; d. Reforçar a capacidade das instituições do mercado de trabalho africanas com vista a identificar as futuras competências e necessidades de formação profissional para o crescimento inclusivo e a integração económica regional. Área Prioritária Principal 5: Migração de Trabalhador e Integração Regional Estratégias: a. Resultado Previsto: Governação da Migração de Trabalhadores Melhorada no seio de África para Integração Económica Regional e com outras Regiões Pelos Estados Membros: a. Harmonizar e coordenar os quadros jurídicos e regulamentares do trabalho e de segurança social e os códigos de investimento, bem como os quadros de acreditação de competências, a fim de atrair investidores e apoiar a implementação das políticas de desenvolvimento; adoptar políticas nacionais de emprego, que permitem a livre circulação de pessoas e trabalhadores a nível regional e intra-regional como componente essencial da cooperação económica e da integração regional; 9

11 b. Desenvolver a capacidade de Inspecções do Trabalho, Serviços Públicos de Emprego e Instituições de Previdência Social para regular a migração de trabalhadores através de políticas de migração laboral e legislação consistentes com as políticas de emprego e de estruturas administrativas e técnicas eficazes, incluindo as associações dos trabalhadores e organizações dos empregadores; c. Desenvolver quadros regulamentares para assegurar que as agências de colocação privadas envolvidas em recrutamentos internacionais estão a operar de acordo com as normas nacionais e internacionais, tendo em consideração o recrutamento ético internacional, a fim de assegurar a disponibilidade do conjunto de competências necessárias para o desenvolvimento dos países africanos; d. Desenvolver a recolha, análise e disseminação de dados de migração de trabalhadores através da melhoria dos sistemas de informação do mercado de trabalho; e. Criar mecanismos institucionais para o diálogo regular sobre migração entre os países de origem e os de destino, bem como criar sistemas de gestão de recrutamento estruturado em ambos os países de origem e de destino; f. Proporcionar igualdade de tratamento e não discriminação entre os trabalhadores migrantes e nacionais nas áreas de emprego, ocupação, condições de trabalho, remuneração, segurança social, educação e mobilidade geográfica; os trabalhadores migrantes devem ser ajudados a regressar e reassentar no seu Estado de origem, mediante, inter alia, incentivos fiscais para iniciar novos negócios bem com outros tipos de incentivos, tais como garantir a retenção dos direitos de segurança social dos trabalhadores migrantes; g. Facilitar a criação de mecanismos específicos de proteção social aos trabalhadores migrantes no sector da economia informal e rural e aos membros das suas famílias; h. Promover o respeito e a proteção dos direitos dos trabalhadores migrantes através da sensibilização, informação, comunicação que apoiam percepções públicas positivas em relação aos migrantes, a fim de combater a discriminação e xenofobia e melhor integrar os trabalhadores migrantes nas comunidades de acolhimento; i. Reforçar o emprego de jovens e mulheres para reduzir as crescentes pressões migratórios e os riscos da migração irregular e do tráfico de pessoas. 10

12 j. Desenvolver programas e actividades de sensibilização sobre o direito nacional e internacional respeitante aos trabalhadores migrantes, para combater a discriminação e xenofobia e para uma melhor integração dos trabalhadores migrantes nas comunidades de acolhimento. Pelas CER: a. Estabelecer intercâmbios regionais de trabalhadores, inclusive com a utilização das TIC, destinados a facilitar o emprego de recursos humanos disponíveis de um Estado Membro noutros Estados Membros que têm falta de mão-de-obra qualificada e apoiar o intercâmbio de boas práticas; b. Fortalecer a cooperação intra-regional e inter-regional em matéria de migração de trabalhadores e facilitar o diálogo regional nesta esfera através de órgãos políticos regionais e as autoridades técnicos competentes sobre o trabalho, emprego, protecção social e desenvolvimento de competências; c. Integrar a perspectiva do género nos programas de migração de trabalhadores, representando as necessidades específicas das mulheres no comércio informal transfronteiriço; d. Facilitar o reconhecimento das qualificações e credenciais, elaborando uma revisão anual de lacunas de competências e garantir a parceria dos sectores público-privada em todas as CER. e. Assegurar a ratificação e aplicação de protocolos regionais e convenções internacionais em matéria da livre circulação e direito de estabelecimento. f. Abordar os desafios relacionados com os trabalhadores domésticos migrantes dentro e fora de África, especialmente no que diz respeito a abusos, violação dos direitos fundamentais e vulnerabilidade social e económica. Pela CUA: a. Criar, com outras regiões de destino, mecanismos de diálogo sobre Mobilidade a de Trabalhadores e Migração Circular com vista a melhorar a compreensão das principais tendências e dos desafios, facilitar a identificação de preocupações políticas comuns e apoiar a migração regular de trabalhadores e o seu impacto sobre o desenvolvimento, acordo sobre o reconhecimento mútuo de habilidades e acreditação com compromisso de investir em recursos humanos, através da modernização dos sistemas do ETP nos países de origem para mitigar o desafio da fuga de cérebros; 11

13 b. Assegurar a coerência e a coordenação entre as políticas comerciais e do mercado do trabalho, para atingir uma taxa global superior de criação de emprego e atenuar algumas das pressões de uma concorrência global pelo emprego, em colaboração com as CER; c. Apoiar a Comissão dos Assuntos de Trabalho e Sociais no acompanhamento, monitorização e avaliação de políticas e programas sobre a migração de trabalhadores, incluindo o papel dos trabalhadores migrantes africanos no desenvolvimento social e económico. d. Desenvolver boas políticas de planificação de recursos humanos para fazer face à fuga de cérebro africano e desperdício de cérebro, promover a transferência do conhecimento e de competências e a contribuição dos migrantes altamente qualificados e das diásporas científicas em relação à educação, investigação científica e tecnológica e desenvolvimento social e económico. e. Criar um Comité Consultivo sobre Migração de Trabalhadores Africanos, com missão de avaliar a escassez de trabalho, dados demográficas e outros relacionados com a força de trabalho, aconselhar um melhor acompanhamento dos fluxos e saídas migratórios através para e fora do continente, em coordenação com os Estados Membros e as CER. Área Prioritária Principal 6: Parceria e Mobilização de Recursos Resultado Previsto: Melhor Parceria e Mobilização de Recursos para implementação eficaz da Declaração e do Plano de Acção a todos os níveis. Pelos Estados Membros: a. Envolver o Ministério das Finanças e Planificação do Desenvolvimento para aumentar a dotação do orçamento nacional para as políticas e programas do emprego e protecção social, inclusive através dos Quadros de Despesas a Médio Prazo desenvolvidos pelos Estados Membros; b. Envolver o Ministério das Finanças e Planificação do Desenvolvimento para definir o emprego e proteção social como áreas prioritárias no âmbito da agenda de cooperação internacional dos Estados Membros; c. Reforçar as parcerias baseadas nos programas de médio prazo com os parceiros internacionais de desenvolvimento; Pela CUA: a. Facilitar a avaliação da implementação, monitorização e avaliação do progresso do Plano de Acção, CUA elaborará um programa detalhado e 12

14 orçamentado com duração de quatro anos, com metas e indicadores, no âmbito do seu processo de planificação. Em 2019 e 2025 serão, respetivamente, produzidos relatórios de Avaliação Intercalar e Final; b. Através da implementação do Documento Estratégico de Mobilização de Recursos, aumentar a capacidade de planificação, monitorização e avaliação dos ministérios responsáveis pelo trabalho, emprego e ETP, para os mobilizar recursos necessários para a implementação de políticas do emprego; c. A CUA e o BAD devem considerar a criação de um Fundo de Emprego e Coesão Social para prestar apoio à implementação, acompanhamento, monitorização e avaliação da Declaração e do Plano de Acção com os mecanismos adequados a cada nível; d. Garantir a participação efectiva do continente no fórum global onde o emprego, a protecção social, migração, trabalho, produtividade e erradicação da pobreza são discutidos para a posição, definição de normas, formulação de directrizes e de políticas de desenvolvimento; e. Estabelecer a implementação, acompanhamento, monitorização e mecanismos de avaliação a serem utilizados em todos os níveis pelos intervenientes no seu esforço para atingir os objectivos da Declaração e do Plano de Acção. Por todas as Partes: a. Estabelecer/fortalecer Parcerias Público-Privadas a todos os níveis, incluindo programas de Responsabilidade Social Empresarial; b. Identificar e desenvolver, em todos os níveis, planos, programas e projectos, com orçamento, formulando os recursos necessários para o seu financiamento pelos orçamentos nacionais e em consulta com outros parceiros internacionais financiadores; c. Organizar uma mesa redonda com os parceiros internacionais de desenvolvimento para apoiar a implementação de políticas, programas e planos de acção desenvolvidos sobre o emprego, trabalho e proteção social; Organizar conferências periódicas de doadores (bienais) com os parceiros internacionais de desenvolvimento. Conclusão: 6. A implementação com sucesso e sustentável deste Plano de Acção e sua da Declaração exigem parcerias fortes e amplo um vasto mecanismo de financiamento sustentável a nível nacional, regional, continental e internacional. 13

15 Para o efeito, a cada Estado Membro compromete-se aumentar seu orçamento para as políticas de emprego e forjar e manter parcerias com Organizações Não- Governamentais, Sindicatos e Organizações de Empregadores, da Sociedade Civil, Religiosas, Comunitárias e do sector privado. 7. Os Estados Membros são, portanto, convidados a identificar as suas prioridades de acordo com as condições nacionais e especificidades, o seu estado de desenvolvimento, bem como os seus recursos humanos, financeiros e nacionais e capacidades institucionais. 8. A União Africana deve fortalecer as actividades de cooperação técnica em termos de capacitação com os Estados Membros e as CER, para uma melhor governação do emprego e para o reforço do seu papel fundamental no crescimento inclusivo e na integração económica regional 14

SESSÃO ESPECIAL DA COMISSÃO DE TRABALHO E ASSUNTOS SOCIAIS DA UNIÃO AFRICANA WINDHOEK, NAMÍBIA 23-25 DE ABRIL DE 2014 DOCUMENTO SÍNTESE

SESSÃO ESPECIAL DA COMISSÃO DE TRABALHO E ASSUNTOS SOCIAIS DA UNIÃO AFRICANA WINDHOEK, NAMÍBIA 23-25 DE ABRIL DE 2014 DOCUMENTO SÍNTESE SA11658 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone: 251 11-551 7700 Fax: 251 11-551 7844 website : www.africa- union.org SESSÃO ESPECIAL DA COMISSÃO DE

Leia mais

2.ª SESSÃO ORDINÁRIA DO COMITÉ TÉCNICO ESPECIALIZADO PARA JUVENTUDE, CULTURA E DESPORTO 13 17 DE JUNHO DE 2016 ADIS ABEBA, ETIÓPIA

2.ª SESSÃO ORDINÁRIA DO COMITÉ TÉCNICO ESPECIALIZADO PARA JUVENTUDE, CULTURA E DESPORTO 13 17 DE JUNHO DE 2016 ADIS ABEBA, ETIÓPIA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone: +251 11 551 7700 Fax: +251 115182072 Website: www.au.int SA17218 76/76/9/10 2.ª SESSÃO ORDINÁRIA DO COMITÉ TÉCNICO

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone +251 11 5517700 Website : www.au.int

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone +251 11 5517700 Website : www.au.int AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone +251 11 5517700 Website : www.au.int A União Africana, estabelecida como um único órgão continental Pan-africano

Leia mais

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Nós, os delegados tripartidos de 47 Estados Africanos membros da Organização Internacional do Trabalho ao Segundo

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu Nuno Teixeira CCDR-LVT 26.Novembro.2010 A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu 1 ÍNDICE I. A coesão no espaço europeu II. O Tratado

Leia mais

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos Texto adotado pela Cúpula Mundial de Educação Dakar, Senegal - 26 a 28 de abril de 2000. 1. Reunidos em Dakar em Abril

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA MINISTRY FOR FOREIGN AFFAIRS, SWEDEN UTRIKESDEPARTEMENTET Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com Moçambique 2015-2020 MFA 103 39 Stockholm Telephone: +46 8 405 10 00, Web site:

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP- UE Comissão de Desenvolvimento Económico, Finanças e Comércio 3.9.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o impacto do investimento directo estrangeiro (IDE) nos Estados

Leia mais

Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012

Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012 Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012 Contexto Os objetivos do Milénio para o desenvolvimento (OMD) tiveram como

Leia mais

TEMA: - DESAFIOS PARA O ACESSO INCLUSIVO E UNIVERSAL NOTA DE INFORMAÇÃO SOBRE A RESPOSTA AO ÉBOLA

TEMA: - DESAFIOS PARA O ACESSO INCLUSIVO E UNIVERSAL NOTA DE INFORMAÇÃO SOBRE A RESPOSTA AO ÉBOLA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone: +251 11 551 7700 Fax: +251 115 182 072 Website: www.au.intwww.africa-youth.org PRIMEIRA REUNIÃO DO COMITÉ TÉCNICO

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 ENVIO DE TEXTO de: Conselho (Emprego e Política Social) para: Conselho Europeu de Nice Nº doc. ant.:

Leia mais

Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências

Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências O programa do curso sobre a qualidade no desenvolvimento de competências irá

Leia mais

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02)

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) CONCLUSÕES DO CONSELHO de 27 de Novembro de 2003 sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA I. EM RELAÇÃO A QUESTÕES HORIZONTAIS:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, COM(2008)XXX COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES UE, África e

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA 1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA Fórum de Responsabilidade Social Corporativa () das Empresas Petrolíferas em Angola 1 Objectivos da da partes interessadas da final 2 Objectivos

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33 RECURSOS E MECANISMOS DE FINANCIAMENTO INTRODUÇÃO 33.1. A Assembléia Geral, em sua resolução

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão do Desenvolvimento Económico, das Finanças e do Comércio ACP-EU/101.516/B/13 18.08.2013 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a cooperação Sul-Sul e a cooperação

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

www.busanhlf4.org 1 dezembro 2011

www.busanhlf4.org 1 dezembro 2011 PARCERIA DE BUSAN PARA UMA COOPERAÇÃO EFICAZ PARA O DESENVOLVIMENTO QUARTO FÓRUM DE ALTO NÍVEL SOBRE A EFICÁCIA DA AJUDA, BUSAN, REPÚBLICA DA COREIA, 29 DE NOVEMBRO 1º DE DEZEMBRO DE 2011 1. Nós, Chefes

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

Avaliação final: Desenvolvimento Empresarial das Mulheres e Igualdade do Género na África Austral

Avaliação final: Desenvolvimento Empresarial das Mulheres e Igualdade do Género na África Austral Avaliação final: Desenvolvimento Empresarial das Mulheres e Igualdade do Género na África Austral Factos rápidos Países: Lesoto, Malawi, Moçambique, África do Sul Avaliação final Modo de avaliação: Independente

Leia mais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Novos PO detêm um valor global de quase 12,2 mil M de financiamento comunitário Alerta de Cliente Dezembro de 2014 Temas/Assuntos: Numa cerimónia realizada

Leia mais

Tema: Promover a Inclusão Social para a Energia Sustentável para Todos

Tema: Promover a Inclusão Social para a Energia Sustentável para Todos Nota explicativa CEDEAO - Workshop sobre Gênero e Energia para Validação da Política da CEDEAO para a Integração do Género no acesso à energia Tema: Promover a Inclusão Social para a Energia Sustentável

Leia mais

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020 Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno Lisboa, 02 de outubro de 2014 Tópicos: 1. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 2. Nova Lógica

Leia mais

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00)

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/0371(COD) 7.6.2012 ALTERAÇÕES 35-98 Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) sobre a proposta de regulamento

Leia mais

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem,

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: ASSESSOR TÉCNICO PARA A PROMOÇÃO DE AGRONEGÓCIOS NO.VA/NPCA/13/09

ANÚNCIO DE VAGA: ASSESSOR TÉCNICO PARA A PROMOÇÃO DE AGRONEGÓCIOS NO.VA/NPCA/13/09 ANÚNCIO DE VAGA: ASSESSOR TÉCNICO PARA A PROMOÇÃO DE AGRONEGÓCIOS NO.VA/NPCA/13/09 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo

Leia mais

AGENDA. Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia.

AGENDA. Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia. PORTUGAL A INOVAR O Desafio do Desenvolvimento Regional AGENDA Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia. Objectivos Plano Tecnológico, a resposta portuguesa

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL SÉNIOR DE PROGRAMAS, ADVOCACIA E MOBILIZAÇÃO DE PARTES INTERESSADAS - NO.VA/NPCA/14/15

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL SÉNIOR DE PROGRAMAS, ADVOCACIA E MOBILIZAÇÃO DE PARTES INTERESSADAS - NO.VA/NPCA/14/15 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL SÉNIOR DE PROGRAMAS, ADVOCACIA E MOBILIZAÇÃO DE PARTES INTERESSADAS - NO.VA/NPCA/14/15 A União Africana (UA), estabelecida como um órgão continental Pan-Africano único, é encarregada

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre a consolidação das relações UE-África

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre a consolidação das relações UE-África PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 10.11.2010 COM(2010) 634 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre a consolidação das relações UE-África 1 500 milhões de pessoas, 80

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 5517 700 Fax : 517844 website : www. au.int

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 5517 700 Fax : 517844 website : www. au.int AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 5517 700 Fax : 517844 website : www. au.int A União Africana, estabelecida como um único órgão continental

Leia mais

Síntese da Conferência

Síntese da Conferência Síntese da Conferência Sob o lema Saneamento para Todos, Responsabilidade de Todos realizou-se de 14 a 16 de Maio de 2014, a Conferência Nacional de Saneamento, no Centro de Conferências Joaquim Chissano,

Leia mais

P. O. Box 3243 Telephone +251 115 517 700 Website: www.african-union.org Fax: +251 115 517 844 Addis Ababa, ETHIOPIA ANÚNCIO DE VAGA

P. O. Box 3243 Telephone +251 115 517 700 Website: www.african-union.org Fax: +251 115 517 844 Addis Ababa, ETHIOPIA ANÚNCIO DE VAGA RE6785 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE ANÚNCIO DE VAGA UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243 Telephone +251 115 517 700 Website: www.african-union.org Fax: +251 115 517 844 Addis Ababa, ETHIOPIA COORDENADOR DO PROJECTO

Leia mais

Análise Comparativa à Filosofia, à Ideologia e aos Princípios de Atuação das Associações Sindicais e Patronais

Análise Comparativa à Filosofia, à Ideologia e aos Princípios de Atuação das Associações Sindicais e Patronais Estudo 2015 Análise Comparativa à Filosofia, à Ideologia e aos Princípios de Atuação das Associações Sindicais e Patronais OPBPL Novembro de 2009 e Março de 2015 http://opbpl.cies.iscte-iul.pt O OPBPL

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Valores

SUMÁRIO EXECUTIVO. Valores SUMÁRIO EXECUTIVO O Plano Estratégico da Província de Inhambane para o período 2011-2020 (PEP II) é parte integrante do processo provincial de planificação do Governo, com a finalidade de promover o desenvolvimento

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP)

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) Lisboa, 29 de Agosto de 2009 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros responsáveis

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

PTOJECTO DO RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DO CADM

PTOJECTO DO RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DO CADM TI13422 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 011-551 7700 Fax : 011-551 7844 website : www. africa- union.org 1 a SESSÃO EXTRAORDINÁRIA DA CONFERÊNCIA

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.8.2015 COM(2015) 408 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Projeto de Relatório Conjunto

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE ATUALIZAÇÃO DO EDIC - ESTUDO DIAGNÓSTICO SOBRE A INTEGRAÇÃO DO COMÉRCIO DE CABO VERDE CONVITE / CONCURSO I. ENQUADRAMENTO Cabo Verde é beneficiário

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL O Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), que define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos

Leia mais

Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública. Março de 2011 14-06-2012 1

Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública. Março de 2011 14-06-2012 1 Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública Março de 2011 14-06-2012 1 Modelo de Gestão em Rede. A Acção Pública deve combinar

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Declaração da Cidade de Quebec

Declaração da Cidade de Quebec Declaração da Cidade de Quebec Nós, os Chefes de Estado e de Governo das Américas, eleitos democraticamente, nos reunimos na Cidade de Quebec, na III Cúpula, para renovar nosso compromisso em favor da

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África O documento de apoio da Declaração de Gaborone para a sustentabilidade na África é um paradigma transformador na busca pelo

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org WG11036 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org ANÚNCIO E CONVITE PARA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada C 102 E/492 Jornal Oficial da União Europeia PT 28.4.2004 P5_TA(2004)0152 Conciliação entre vida profissional, familiar e privada Resolução do Parlamento Europeu sobre a conciliação entre vida profissional,

Leia mais

Agenda Nacional de Trabalho Decente

Agenda Nacional de Trabalho Decente Agenda Nacional de Trabalho Decente Brasília, 2006 Sumário Gerar Trabalho Decente para Combater a Pobreza e as Desigualdades Sociais A. Antecedentes...5 B. Prioridades...9 B.1. Prioridade 1: Gerar mais

Leia mais

de 9 de Março de 2005

de 9 de Março de 2005 24.3.2005 PT Jornal Oficial da União Europeia L 79/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. O 456/2005/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 9 de Março de 2005 que

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 ESPACE 19 COMPET 390 RECH 392 IND 161 TRANS 349 ENER 343 REGIO 95 ECOFIN 759 CODUN 47 ENV 804 EDUC 213 RESULTADO DOS TRABALHOS

Leia mais

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP WORKSHOP INTERNACIONAL Vencendo os desafios da Educação nos PALOP Seminário para o diálogo e a troca de conhecimento e experiências na área do ensino básico destinado aos Países Africanos de expressão

Leia mais

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p.

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p. RESUMO Programa de Ação Anual 2013, ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), a financiar pela rubrica orçamental 19 04 01 do orçamento geral da União Europeia 1.

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 251 11 551 77 00 Fax :251 11 551 78 44

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 251 11 551 77 00 Fax :251 11 551 78 44 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 251 11 551 77 00 Fax :251 11 551 78 44 SA14397 PRIMEIRA SESSÃO DO COMITÉ TÉCNICO ESPECIALIZADO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa da União Europeia na área de Ciência e Tecnologia Construir o futuro da Ciência e da

Leia mais

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português Tertiary Education for the Knowledge Society Summary in Portuguese O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento Sumário em Português O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento fornece uma investigação

Leia mais

Europa e África: que futuro comum? Conferência Sala 1 da Fundação Gulbenkian, Lisboa, 12 de Março de 2014. Declaração Final

Europa e África: que futuro comum? Conferência Sala 1 da Fundação Gulbenkian, Lisboa, 12 de Março de 2014. Declaração Final Europa e África: que futuro comum? Conferência Sala 1 da Fundação Gulbenkian, Lisboa, 12 de Março de 2014 Declaração Final Nós, representantes das Entidades 1 de referência para as diversas áreas específicas

Leia mais

AFR/RC50/9 Página 1 INTRODUÇÃO

AFR/RC50/9 Página 1 INTRODUÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO 1. A Organização Mundial de Saúde calcula que 80% da população rural dos países em desenvolvimento depende da medicina tradicional para as suas necessidades no campo dos cuidados de

Leia mais

UM NEW DEAL para o envolvimento em Estados frágeis

UM NEW DEAL para o envolvimento em Estados frágeis UM NEW DEAL para o envolvimento em Estados frágeis CONSTATAÇÕES 1.5 mil milhões de pessoas vivem em Estados frágeis ou afetados por conflitos. Cerca de 70% dos Estados em situação de fragilidade passaram

Leia mais

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Março 2015 (FEDER, Fundo de Coesão, FSE, FEADER e FEAMP) DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA

Leia mais

PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS

PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS VALORIZAÇÃO DOS RECURSOS SILVESTRES DO MEDITERRÂNEO - UMA ESTRATÉGIA PARA AS ÁREAS DE BAIXA DENSIDADE DO SUL DE PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

D/11/4 TEXTE PT. CONSELHO EUROPEU- CONCLUSÕES Bruxelas, 1-2 DE MARÇO DE 2012

D/11/4 TEXTE PT. CONSELHO EUROPEU- CONCLUSÕES Bruxelas, 1-2 DE MARÇO DE 2012 D/11/4 TEXTE PT CONSELHO EUROPEU- CONCLUSÕES Bruxelas, 1-2 DE MARÇO DE 2012 1 Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões do Conselho Europeu (1/2 de março de 2012). O Conselho Europeu discutiu

Leia mais

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de junho de 2016 (OR. en) 9200/16 ECOFIN 452 UEM 199 SOC 316 EMPL 212 COMPET 286 ENV 331 EDUC 186 RECH 178 ENER 194 JAI 440 NOTA de: para: n. doc. Com.: Assunto:

Leia mais

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental SUMÁRIO EXECUTIVO Optimização das políticas públicas de apoio ao empreendedorismo e inclusão social: estudando o acesso dos microempreendedores às medidas de promoção do auto-emprego 2 Sumário Executivo

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

CONCLUSÕES. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes:

CONCLUSÕES. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes: CONCLUSÕES 1. Súmula individualizada. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes: Tema: CONHECIMENTO E INOVAÇÃO (6) I. É da maior relevância estimular

Leia mais

Educação Financeira em Angola, um projecto do Banco Nacional de Angola. WORKSHOP SOBRE INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA Lisboa, 11 de Julho de 2013

Educação Financeira em Angola, um projecto do Banco Nacional de Angola. WORKSHOP SOBRE INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA Lisboa, 11 de Julho de 2013 001 WORKSHOP SOBRE INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA Lisboa, 11 de Julho de 2013 002 ÍNDICE 1. Programa de Educação Financeira Objectivos Metas 2. Estratégias de actuação 3. Resultados obtidos 4. Perspectivas

Leia mais

DECLARAÇÃO DO BRASIL

DECLARAÇÃO DO BRASIL DECLARAÇÃO DO BRASIL Um Marco de Cooperação e Solidariedade Regional para Fortalecer a Proteção Internacional das Pessoas Refugiadas, Deslocadas e Apátridas na América Latina e no Caribe Brasília, 3 de

Leia mais

Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis

Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis Carta de Leipzig sobre as Cidades Europeias Sustentáveis Adoptada na reunião informal dos Ministros responsáveis pelo Desenvolvimento Urbano e Coesão Territorial, em 24 e 25 de Maio de 2007, em Leipzig

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

Checklist sobre processos de reestruturação

Checklist sobre processos de reestruturação Checklist sobre processos de reestruturação Comissão Europeia Comissão Europeia Direcção-Geral do Emprego, dos Assuntos Sociais e da Igualdade de Oportunidades Unidade F.3 Manuscrito concluído em Fevereiro

Leia mais

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010»

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» C 161 E/8 Jornal Oficial da União Europeia 31.5.2011 Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» P7_TA(2010)0164 Resolução do Parlamento

Leia mais

O FOCO NOS RESULTADOS

O FOCO NOS RESULTADOS O FOCO NOS RESULTADOS Uma análise aplicada ao Programa Operacional Regional do 2014- O FOCO NOS RESULTADOS Uma análise aplicada ao Programa Operacional Regional do 2014- Os programas operacionais para

Leia mais

EXPORTAR DESENVOLVIMENTO LISBOA, 11 DE MAIO DE 2012

EXPORTAR DESENVOLVIMENTO LISBOA, 11 DE MAIO DE 2012 CONCORRÊNCIA LEAL. EXPORTAR DESENVOLVIMENTO LISBOA, 11 DE MAIO DE 2012 Forte interligação entre múltiplos temas RSE Concorrência leal. Competitividade e justiça económica. Comércio Mundial justo Desenvolvimento

Leia mais

Parecer do Comité das Regiões O papel dos órgãos de poder local e regional na consecução dos objectivos da Estratégia Europa 2020 (2012/C 9/10)

Parecer do Comité das Regiões O papel dos órgãos de poder local e regional na consecução dos objectivos da Estratégia Europa 2020 (2012/C 9/10) 11.1.2012 Jornal Oficial da União Europeia C 9/53 Parecer do Comité das Regiões O papel dos órgãos de poder local e regional na consecução dos objectivos da Estratégia Europa 2020 (2012/C 9/10) O COMITÉ

Leia mais

RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS

RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS Os peritos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, reunidos em sessões de trabalho

Leia mais

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes COMISSÃO EUROPEIA NOTA INFORMATIVA Estrasburgo/Bruxelas, 19 de novembro de 2013 «Erasmus+» - Perguntas mais frequentes (ver também IP/13/1110) O que é o «Erasmus+»? O «Erasmus+» é o novo programa da União

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais PARTE 3 Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais Os países em desenvolvimento precisam fortalecer as capacidades institucional e técnica. É necessário melhorar a formação profissional

Leia mais

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas.

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas. PLANO ESTRATÉGICO INTEGRADO DE ENSINO TÉCNICO, PROFISSIONAL E EMPREGO CONTEXTO: O Governo de Cabo Verde (CV) começou a trabalhar ao longo desta última legislatura na integração dos sectores da formação

Leia mais