Regulamento do Curso de Mestrado em Direção Hoteleira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento do Curso de Mestrado em Direção Hoteleira"

Transcrição

1 Regulamento do Curso de Mestrado

2 ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS INDUSTRIAIS E DE GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DIREÇÃO HOTELEIRA DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º OBJETO O Instituto Politécnico do Porto (doravante IPP), através da Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão (doravante ESEIG), confere o grau de Mestre, organizado em dois ramos: Ramo I Hotelaria de Saúde e Bem-Estar e Ramo II Direção Comercial e Marketing. Artigo 2º ÁREA CIENTÍFICA O Curso de Mestrado tem como áreas científicas fundamentais Gestão e Administração e Hotelaria e Restauração. Artigo 3º DESTINATÁRIOS 1 O Curso de Mestrado dirige-se, em particular, a titulares do grau de licenciado ou equivalente legal nas áreas de Hotelaria, Turismo, Gestão ou afins. 2 Candidatos de outros domínios científicos podem, igualmente, apresentar a sua candidatura desde que apresentem um Curriculum Vitae relevante e/ou experiência profissional na área da Direção Hoteleira. Artigo 4º OBJETIVOS DO CURSO 1 O Mestrado apresenta uma vertente predominantemente profissionalizante, onde se acentua o conhecimento técnico/científico e a sua aplicação prática. 2 São objetivos do curso, entre outros, proporcionar uma formação de nível superior especializada (2º ciclo) na área da Direção Hoteleira, sustentada na investigação científica aplicada, permitindo criar conhecimento e novas soluções e aplicações na área da Direção Hoteleira. Esta formação pretende responder às atuais necessidades do mercado de emprego hoteleiro e conferir uma especialização, com o desdobramento desta em Ramos, i.e., Hotelaria de Saúde e Bem-estar e Direção Comercial e Marketing. A formação técnica, científica e especializada que cada um dos ramos oferece articula-se com um tronco 1 / 17

3 comum, onde se encontram reunidas as unidades curriculares centrais à formação de um gestor de topo na gestão hoteleira. Artigo 5º COMPETÊNCIAS GERAIS, ESPECÍFICAS E TRANSVERSAIS 1 No Mestrado são desenvolvidas as competências técnico-científicas para o exercício de funções de Direção Hoteleira. 2 O curso de mestrado é profissionalmente orientado, incluindo componentes baseadas em tarefas da profissão. 3 - Ao nível das competências gerais, o grau de Mestre é conferido a quem demonstrar ter desenvolvido competências que permitam uma melhor integração no mercado de trabalho e um acesso preferencial às funções de Gestão de Topo. Nomeadamente, a quem: a) demonstre competências para aprofundar e desenvolver os conhecimentos de nível de 1º ciclo; b) demonstre capacidades de aplicar os conhecimentos e de compreensão e resolução de problemas em situações novas e não familiares, em contextos alargados e multidisciplinares, ainda que relacionados com a sua área de estudo; c) demonstre capacidades para integrar conhecimentos, lidar com questões complexas, desenvolver soluções ou emitir juízos em situações de informação limitada ou incompleta, incluindo reflexões sobre as implicações e responsabilidades éticas e sociais que resultem ou condicionem essas soluções e esses juízos; d) tenha realizado investigação aplicada, num contexto multidisciplinar, com relevância para o exercício profissional; e) demonstre capacidade de comunicar as suas conclusões e os conhecimentos e raciocínios a elas subjacentes, quer a especialistas, quer a não especialistas, de uma forma clara e sem ambiguidades; f) tenha desenvolvido as competências que lhe permita uma aprendizagem ao longo da vida, de um modo fundamentalmente auto-orientado e autónomo. Ao nível das competências específicas, o grau de Mestre é conferido a quem demonstrar ter desenvolvido competências que lhe permitam: a) assegurar a direção de empresas do setor da hotelaria, garantindo o planeamento, coordenação e controlo das diversas áreas funcionais; b) apresentar uma visão global sobre o desenvolvimento do setor hoteleiro e formas de posicionamento perante o mercado; c) desenvolver estratégias de marketing mix tendo em conta as características de uma cultura de excelência de serviço hoteleiro; d) conhecer a natureza do setor da hotelaria, sua dimensão e importância, no desenvolvimento sustentado do território; 2 / 17

4 e) conceber e implementar sistemas de informação para a gestão, bem como utilizar as novas ferramentas de Web Business, para potenciar a rentabilidade; f) gerir e organizar as atividades hoteleiras em ambiente hospitalar, de spa e de termalismo, procurando identificar especificidades e características para implementar estratégias de marketing; etc. Pretende-se, igualmente, o desenvolvimento de competências transversais, aplicáveis a um conjunto diverso de áreas de atuação, nomeadamente no que concerne à liderança, tomada de decisão, trabalho em equipa, identificando oportunidades sem nunca descurar a orientação para o cliente. Do Mestre também se espera capacidade de questionar, de reconhecer a mudança e adaptar-se a ela, mostrando-se capaz de planear, organizar ou reestruturar todas as operações de um empreendimento turístico. Deverá estar munido de excelentes competências de comunicação oral e escrita, bem como de um raciocínio lógicomatemático que lhe permita não só analisar os dados da atividade mas também para definir que soluções devem implementadas para a excelência do empreendimento. Artigo 6º ÓRGÃOS DE GESTÃO 1 A coordenação do Curso de Mestrado encontra-se organizada em: Coordenador de Curso, Conselho do Curso e Plenário do Curso, nos moldes definidos nos Estatutos da ESEIG. 2 O Coordenador do Curso é docente em regime de tempo integral eleito de entre os docentes que integrem as unidades técnico-científicas de Contabilidade, Gestão e Economia e Hotelaria e Restauração. 3 O Coordenador do Curso é eleito pelos docentes que integrem as unidades técnico-científicas de Contabilidade, Gestão e Economia e de Hotelaria e Restauração e pelos docentes que, em regime de tempo integral, lecionem apenas nesse curso. 4 O Coordenador do Curso pode delegar competências nos membros do Conselho do Curso ou noutro docente da unidade técnico-científica de Contabilidade, Gestão e Economia e de e Hotelaria e Restauração. 5 Compete ao Coordenador do Curso: a) Representar o Curso junto dos diferentes órgãos da ESEIG, da Associação de estudantes e dos estudantes matriculados no Curso; b) Zelar pelo bom funcionamento do Curso; c) Apoiar os estudantes matriculados no Curso no processo de integração, no prosseguimento dos estudos e em outras atividades desenvolvidas pelo Curso e pela ESEIG; d) Cumprir e fazer cumprir as resoluções e normas decorrentes de disposições emanadas dos órgãos da ESEIG; 3 / 17

5 e) Promover uma gestão académica eficaz das unidades curriculares e recursos, em articulação com os coordenadores das unidades técnico-científicas, nos termos aprovados pelo Presidente da ESEIG; f) Coordenar a articulação dos conteúdos entre as diferentes unidades curriculares e a sua conformidade e coerência com os objetivos do Curso; g) Exercer as demais competências constantes neste Regulamento, no Regimento do Curso e as que lhe forem delegadas. 6 O Conselho do Curso apoia o Coordenador do Curso na gestão académica do mesmo, e é composto no mínimo por três elementos, incluindo o Coordenador do Curso, que preside. 7 O Conselho do Curso pode ser constituído como órgão de consulta obrigatória em algumas das competências do Coordenador do Curso, definidas nos termos do regimento do curso, podendo os seus pareceres ser vinculativos, condicionantes ou consultivos. 8 O Conselho do Curso tem as competências que lhe forem cometidas pelos órgãos da ESEIG e pelo Coordenador do Curso. 9 A convite do Conselho do Curso, quando tal seja considerado benéfico, podem participar nas suas reuniões quaisquer outras pessoas, sem direito a voto. 10 O Plenário do Curso é constituído por todos os docentes a lecionar no curso e é presidido pelo Coordenador do Curso. 11 O Plenário do Curso pode ser constituído como órgão de consulta obrigatória em algumas das competências do Coordenador do Curso ou do Conselho do Curso, nos termos do regimento do curso, podendo os seus pareceres ser vinculativos, condicionantes ou consultivos. 12 O Plenário do Curso é convocado pelo Coordenador do Curso, por iniciativa deste ou por deliberação do Conselho do Curso. 13 A convite do Coordenador do Curso, quando tal seja considerado benéfico, podem participar nas reuniões do Plenário do Curso quaisquer outras pessoas, sem direito a voto. HABILITAÇÕES DE ACESSO E CANDIDATURAS Artigo 7º REGRAS DE ACESSO AO CICLO DE ESTUDOS 1 Podem candidatar-se ao acesso ao ciclo de estudos: a) Titulares do grau de licenciado ou equivalente legal; b) Titulares de um grau académico superior estrangeiro conferido na sequência de um 1º ciclo de estudos, organizado de acordo com os princípios do Processo de Bolonha por um Estado aderente a este Processo; c) Titulares de um grau académico superior estrangeiro que seja reconhecido como satisfazendo os objetivos do grau de licenciado pelo Conselho Técnico-Científico da ESEIG; 4 / 17

6 d) Detentores de um currículo escolar, científico e/ou profissional, que seja reconhecido como atestando capacidade para realização deste ciclo de estudos pelo Conselho Técnico- Científico da ESEIG. 2 O reconhecimento a que se referem as alíneas b) a d) do número anterior tem como efeito apenas o acesso ao ciclo de estudos conducente ao grau de mestre e não confere ao seu titular a equivalência ao grau de licenciado ou reconhecimento desse grau. 3 Os estudantes que concluíram um ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado na ESEIG ou em outras Unidades Orgânicas do Instituto Politécnico do Porto, em áreas científicas afins às do mestrado, no ano letivo imediatamente anterior, poderão ser diretamente integrados no ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, concorrendo em contingente próprio. Artigo 8º PROCESSO DE CANDIDATURA 1 Das condições de acesso referidas no artigo anterior, do número de vagas para cada um dos contingentes, se os houver, dos prazos de candidatura, do número mínimo de inscrições para que o Curso funcione, e da propina fixada para a frequência do Curso será feita divulgação através de Edital disponibilizado no Portal Académico do Instituto, na página eletrónica da ESEIG ou afixado nas instalações da ESEIG e através de outros meios considerados apropriados. 2 As candidaturas fazem-se mediante o preenchimento do Boletim de Candidatura, que deverá ser entregue nos Serviços Académicos da ESEIG ou serem enviados por correio, conforme definido em Edital, juntamente com um Curriculum Vitae do candidato e documentos comprovativos das habilitações académicas, bem como de quaisquer outros elementos solicitados no Edital a que se refere o número anterior. Artigo 9º CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E SERIAÇÃO Os candidatos que reúnam as condições de natureza académica e curricular de acesso ao Curso serão selecionados e seriados por um júri, para cada um dos contingentes para os quais tenham sido fixadas vagas, tendo em atenção os seguintes elementos: a) Currículo escolar; b) Currículo científico; c) Currículo profissional. FUNCIONAMENTO E PLANO DE ESTUDOS Artigo 10º DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Mestrado tem a duração de quatro semestres curriculares. 5 / 17

7 Artigo 11º EUROPEAN CREDIT TRANSFER AND ACCUMULATION SYSTEM (ECTS) 1 O curso é regido pelo sistema de unidades de crédito ECTS (European Credit Transfer and Accumulation System). 2 Para a obtenção do grau de Mestre - Ramo I Hotelaria de Saúde e Bem-Estar e - Ramo II Direção Comercial e Marketing, o estudante tem de obter um total de 120 ECTS de acordo com o respetivo plano de estudos. Artigo 12º COMPROMISSO A ESEIG assegura as condições necessárias e suficientes para o bom funcionamento do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre, nomeadamente: a) Um projeto educativo, científico e cultural próprio, adequado aos objetivos fixados para este ciclo de estudos; b) Um corpo docente próprio, adequado em número e constituído, na sua maioria, por titulares do grau de doutor ou especialistas de reconhecida experiência e competência profissional nas áreas científicas integrantes deste ciclo de estudos; c) Os recursos humanos e materiais indispensáveis para garantir o nível e a qualidade da formação, designadamente espaços letivos, equipamentos, bases de dados empresariais, bibliotecas e laboratórios adequados. Artigo 13º ESTRUTURA CURRICULAR E PLANO DE ESTUDOS 1 O Ciclo de Estudos conducente ao grau de Mestre integra: a) um Curso de especialização pós-graduada, denominado Curso de Especialização em Direção Hoteleira, Ramo Hotelaria de Saúde e Bem Estar ou Ramo Direção Comercial e Marketing, composto pelas unidades curriculares correspondentes ao 1º ano, com um total de 60 créditos; b) no 2º ano, uma dissertação de natureza científica ou um trabalho de projeto, original e especialmente realizado para este fim, ou um estágio objeto de relatório final, a que corresponde um total de 55 créditos, e uma unidade curricular de Metodologias de Investigação, a que corresponde um total de 5 créditos, conforme o plano de estudos em vigor. Artigo 14º CALENDÁRIO ESCOLAR O Calendário Escolar é aprovado pelo Presidente da ESEIG. 6 / 17

8 Artigo 15º REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO E INSCRIÇÃO 1 A avaliação e o regime de frequência das unidades curriculares do 1º ano e da unidade curricular de Metodologias de Investigação segue o Regime de Avaliação em vigor na ESEIG. 2 A fixação dos elementos de avaliação previstos no Regulamento de Avaliação do Aproveitamento dos Estudantes implica a definição dos respetivos valores de ponderação. 3 Sempre que a aprovação numa unidade curricular incluir a realização de um exame final, este realizar-se-á nas épocas definidas no Calendário Escolar, de acordo com o Regulamento Geral de Exames. 4 As condições de transição de ano são as definidas no Regulamento de Avaliação do Aproveitamento dos Estudantes em vigor na ESEIG. DISSERTAÇÃO/PROJETO/ESTÁGIO Artigo 16º OBJETIVOS GERAIS DA UNIDADE CURRICULAR DISSERTAÇÃO/PROJETO/ESTÁGIO 1 A unidade curricular Dissertação/Projeto/Estágio insere-se no 2º ano do plano de estudos do Curso de Mestrado e é anual. 2 A unidade curricular Dissertação/Projeto/Estágio pressupõe a realização de um trabalho original e especialmente realizado para este fim, objeto de discussão pública. Artigo 17º MODALIDADES ADMITIDAS 1 O estudante poderá optar entre as seguintes modalidades para a realização da unidade curricular Dissertação/Projeto/Estágio: a) Dissertação; b) Trabalho de Projeto; c) Estágio, objeto de Relatório. 2 - Cada uma das modalidades é alvo de regulamentação específica no presente Regulamento, e no Regulamento de Estágio/Projeto. Artigo 18º DISSERTAÇÃO 1 A Dissertação tem por objetivo a realização de um trabalho de investigação conducente à preparação de uma dissertação de natureza científica sobre um tema da área de conhecimento do ramo do curso. 7 / 17

9 2 A dissertação deve envolver componentes de caráter teórico, podendo adicionalmente envolver componentes de caráter empírico, promovendo a abordagem de problemas novos, a seleção e recolha criteriosa de informação e de bibliografia adequada, a adoção fundamentada de metodologias de abordagem, a conceção de uma solução para o problema proposto e respetiva implementação, e a análise crítica dos resultados. 3 A dissertação deve demonstrar que o candidato é um especialista no tema da mesma. 4 A dissertação é um relatório de execução do trabalho de investigação realizado, escrito de acordo com o apresentado no ponto anterior, que deverá também incluir uma discussão sobre a relevância do problema considerado, o seu enquadramento e atualidade relativamente ao estado da arte na área da Direção Hoteleira, e ainda um exercício de síntese e conclusões. 5 A elaboração da dissertação é objeto de normas próprias. Artigo 19º PROJETO 1 O Projeto tem por objetivo a realização de um trabalho que vise a aplicação integrada de conhecimentos e de competências adquiridos ao longo do curso na execução de soluções inovadoras para problemas específicos na área de conhecimento do ramo do curso. 2 O trabalho de projeto deve assumir uma natureza multidisciplinar e envolver componentes de caráter científico e experimental, promovendo a abordagem de situações novas de interesse prático atual, a seleção e recolha criteriosa de informação e de bibliografia adequada, a adoção de metodologias e técnicas de abordagem, a conceção de uma solução para o problema proposto e respetiva implementação, o teste e análise crítica dos resultados face às especificações inicialmente impostas. 3 O trabalho de projeto deve ser escrito de acordo com o guião apresentado no ponto anterior e deverá incluir também uma discussão sobre a relevância do projeto definido, o seu enquadramento e atualidade relativamente ao estado da arte na área da Direção Hoteleira, e ainda um exercício de síntese e conclusão. 4 A elaboração do trabalho de Projeto é objeto de normas próprias. Artigo 20º ESTÁGIO 1 O Estágio visa complementar a formação académica realizada no decorrer da componente de especialização do curso de mestrado através da integração do estudante no exercício de uma atividade profissional ou no desenvolvimento de atividades em organizações propiciadoras de contactos reais com o mundo do trabalho. 2 Constituem objetivos do Estágio, entre outros: a) Adquirir habilidade e competências orientadas para o desempenho de atividades profissionais na área da Direção Hoteleira; 8 / 17

10 b) Promover um diálogo reflexivo com as situações concretas de modo a poder consolidar e desenvolver as competências adquiridas no curso de especialização do mestrado; c) Desenvolver a capacidade reflexiva e criativa em contacto com o mundo do trabalho, estimulando o estudante a propor soluções para problemas concretos e complexos suscitados pelo uso de informação da área de conhecimento do curso; d) Mobilizar, de forma integrada, os conhecimentos adquiridos nas diferentes componentes da formação do estudante com vista à resolução de problemas, em contextos novos e não familiares; e) Aprofundar ou aplicar de conhecimentos científicos no exercício da atividade profissional que potenciem o desenvolvimento de competências de síntese e comunicação; 3 O relatório final deve evidenciar uma abordagem profissional ao trabalho desenvolvido durante o período de estágio e o necessário conhecimento na área da Direção Hoteleira. 4 O relatório final deverá incluir uma descrição detalhada das diferentes fases do trabalho e os conhecimentos e competências adquiridos, uma discussão crítica e circunstanciada sobre a relevância do trabalho realizado no contexto da instituição onde teve lugar, a fundamentação teórica e prática das opções tomadas na resolução de cada um dos problemas, a explicitação das metodologias e ferramentas utilizadas, e, num exercício de síntese e conclusão, uma análise crítica dos resultados face aos objetivos/expectativas iniciais. 5 A elaboração do Relatório de Estágio é objeto de normas próprias. Artigo 21º REGULAMENTO E PROTOCOLO DE ESTÁGIO/PROJETO 1 O funcionamento da unidade curricular de Estágio, bem como a realização de trabalhos sob a forma de estágio no âmbito das outras unidades curriculares tem que ser suportado por um protocolo entre a instituição de acolhimento e a ESEIG, subscrito igualmente pelo estagiário. 2 O protocolo é elaborado pelo Coordenador do Curso e aprovado e subscrito pelo Presidente da ESEIG. 3 É da responsabilidade dos mestrandos encontrar e assegurar entidade acolhedora para realização de estágio ou projeto e respetivo supervisor nesta entidade. 4 O Estágio/Projeto é objeto de regulamento próprio. Artigo 22º ADMISSÃO À DISSERTAÇÃO, AO PROJETO OU AO ESTÁGIO 1 O pedido de admissão à dissertação, ao projeto ou ao estágio deverá ser formalizado com a apresentação ao Coordenador do Curso de requerimento, em impresso próprio, onde se indique o tema da dissertação, do projeto ou do estágio e respetivo plano de trabalhos, acompanhado de 9 / 17

11 declaração de anuência do(s) respetivo(s) orientador(es), no prazo de 45 dias após a inscrição na unidade curricular. 2 O disposto no número anterior não se aplica nos casos de reformulação da dissertação, do trabalho de projeto ou do relatório de estágio nos termos do artigo 29º. 3 Compete ao Conselho Técnico-Científico, ouvido o Coordenador do Curso, aprovar os temas da Dissertação, Projeto ou Estágio. 4 Em caso de indeferimento da proposta a que se refere o número 1 do presente artigo, esta terá de incluir uma justificação escrita e a indicação do prazo de entrega da nova proposta. 5 Uma vez aceite pelo Conselho Técnico-Científico o pedido a que se refere o número 1 deste artigo, a apresentação da dissertação, trabalho de projeto ou relatório de estágio tem que ocorrer de acordo com os prazos definidos em Calendário Escolar. Artigo 23º ORIENTAÇÃO DA DISSERTAÇÃO, DO TRABALHO DE PROJETO OU DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 A elaboração da dissertação, do trabalho de projeto ou do relatório de estágio é orientada por um docente das Escolas do IPP, nomeado pelo Conselho Técnico-Científico da ESEIG, sob proposta do Coordenador do Curso. 2 Poderá também ser orientada por um convidado externo, doutor ou especialista de mérito reconhecido pelo Conselho Técnico-Científico da ESEIG, e por este nomeado, sob proposta do Coordenador do Curso, devendo ter sempre um coorientador docente de uma das Escolas do IPP. 3 A orientação pode ser assegurada em regime de coorientação, quer por orientadores nacionais, quer por orientadores nacionais e estrangeiros. 4 Ao orientador compete: a) supervisionar a elaboração do plano de atividades; b) apoiar a execução das atividades a desenvolver, de acordo com o plano proposto; c) colaborar com o coorientador, caso exista, em todos os assuntos relacionados com o trabalho a desenvolver; d) supervisionar a elaboração do trabalho final; e) zelar pelo cumprimento dos prazos de entrega da dissertação, trabalho de projeto ou relatório de estágio; f) elaborar um parecer final sobre a dissertação, trabalho de projeto ou relatório de estágio, que acompanhará o requerimento de realização de provas; g) supervisionar a preparação do estudante na apresentação e discussão do ato público; h) integrar o júri de avaliação da prova pública; 10 / 17

12 i) as demais atribuições do presente Regulamento, do Regulamento de Estágio/Projeto e legislação em vigor. 5 Ao coorientador compete: a) colaborar na elaboração do plano de atividades; b) apoiar a execução das atividades a desenvolver, de acordo com o plano proposto; c) colaborar com o orientador em todos os assuntos relacionados com o trabalho a desenvolver; d) adjuvar na supervisão da elaboração do trabalho final; e) elaborar um parecer final sobre a dissertação, trabalho de projeto ou relatório de estágio, que acompanhará o requerimento de realização de provas; f) integrar o júri de avaliação da prova pública, quando delegada a sua presença em substituição do orientador, depois de ouvido o orientador pelo coordenador do curso; g) as demais atribuições do presente Regulamento, do Regulamento de Estágio/Projeto e legislação em vigor No caso do parecer referido nos pontos 4.f) e 5.e) ser desfavorável, o(s) orientador(es) pode(m) manifestar declaração da sua desvinculação. Artigo 24º SUSPENSÃO DA CONTAGEM DOS PRAZOS A contagem dos prazos para a entrega e para a defesa da dissertação, do trabalho de projeto ou o relatório de estágio pode ser suspensa pelo Presidente da ESEIG, ouvido o Coordenador do Curso, a requerimento dos interessados. Único: não será cobrada propina adicional se a referida suspensão se estender por novo ano letivo. Artigo 25º REQUERIMENTO DAS PROVAS 1 O requerimento das provas do ato público de defesa da dissertação, trabalho de projeto ou relatório de estágio tem como condição a realização prévia de 65 ECTS do plano de estudos. 2 - O requerimento para a realização das provas de mestrado, realizado em impresso próprio, dirigido ao Presidente da ESEIG será acompanhado por: a) três exemplares impressos da dissertação, trabalho de projeto ou relatório de estágio; b) um exemplar em suporte digital, formato pdf, com conteúdo igual ao da alínea anterior; c) parecer do(s) respetivo(s) orientador(es); d) três exemplares do Curriculum Vitae; e) declaração de autoria da investigação; 11 / 17

13 Artigo 26º COMPOSIÇÃO E NOMEAÇÃO DO JÚRI 1 A apreciação e a discussão pública da dissertação, do trabalho de projeto ou do relatório de estágio serão efetuadas por um júri. 2 O júri para apreciação da dissertação, do trabalho de projeto ou do relatório de estágio é nomeado pelo Presidente da ESEIG, sob proposta do Conselho Técnico-Científico da ESEIG, mediante sugestão do Coordenador do Curso, nos 30 dias posteriores à respetiva entrega. 3 O júri é constituído por três a cinco membros, devendo um destes ser o orientador. 4 Sempre que exista mais que um orientador apenas um pode integrar o júri. 5 O júri é presidido pelo Presidente da ESEIG, que poderá delegar no Presidente do Conselho Técnico-Científico da ESEIG, com capacidade de subdelegação no Coordenador do Curso de Mestrado ou na impossibilidade deste num dos docentes do Conselho do Curso de Mestrado. 6 Os restantes membros do júri devem ser especialistas no domínio em que se insere a dissertação, o trabalho de projeto ou o relatório de estágio e são nomeados de entre nacionais ou estrangeiros titulares do grau de doutor, especialistas reconhecidos nos termos da legislação em vigor aplicável, ou especialistas de mérito reconhecido pelo Conselho Técnico-Científico da ESEIG. 7 O despacho de nomeação do júri é afixado na ESEIG e comunicado ao requerente pelos Serviços Académicos no prazo de cinco dias úteis após a nomeação. 8 O candidato poderá apresentar reclamação, para o Presidente da ESEIG, da constituição do júri da prova que vier a ser fixado, fundamentada em situação de incompatibilidade pessoal ou institucional. Artigo 27º TRAMITAÇÃO DO PROCESSO 1 O júri profere, no prazo de 30 dias seguidos, um despacho liminar, a aceitar a dissertação, o trabalho de projeto ou o relatório de estágio ou a recomendar fundamentadamente, ao candidato, a sua reformulação. 2 No caso de ter sido recomendado ao candidato a reformulação da dissertação, trabalho de projeto ou relatório de estágio, o candidato disporá de um prazo máximo de 30 dias seguidos, durante o qual pode optar por: a) declarar que pretende proceder à reformulação da dissertação, do trabalho de projeto ou do relatório de estágio no prazo de 90 dias úteis, contados a partir da data em que foi notificado da decisão do júri; b) declarar que a pretende manter tal como a apresentou. 12 / 17

14 3 Esgotado o prazo previsto de 30 dias seguidos e não existindo qualquer indicação por parte do estudante, considera-se ter havido desistência. 4 Recebida a dissertação, o trabalho de projeto ou o relatório de estágio reformulado ou feita a declaração referida na alínea b) do número 2 deste artigo, o júri procederá, no prazo de 60 dias seguidos contados a partir da data da referida apresentação ou declaração, à marcação da data do ato público da defesa. Artigo 28º DISCUSSÃO DA DISSERTAÇÃO, DO TRABALHO DE PROJETO OU DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 O ato de defesa da dissertação, do trabalho de projeto ou do relatório de estágio é público. 2 A arguência da dissertação, ou do trabalho de projeto ou do relatório de estágio ficará a cargo de um membro do júri, podendo também intervir os restantes membros, mas proporcionando ao candidato tempo nunca inferior ao utilizado pelos membros do júri. 3 O previsto no número anterior do presente artigo só poderá ter lugar com a presença de um mínimo de três membros do júri, incluindo o Presidente, podendo ser precedida de uma apresentação pelo candidato, que terá a duração máxima de quinze minutos. 4 A duração da prova, incluindo a apresentação da dissertação pelo candidato prevista no número anterior, não deverá ultrapassar os 60 minutos. 5 A condução dos trabalhos, incluindo a distribuição dos tempos, é da responsabilidade do Presidente do júri. Artigo 29º DELIBERAÇÃO DO JÚRI 1 Concluído o ato público referido no artigo anterior, o júri reúne-se para a sua apreciação. 2 O resultado da defesa do ato público é traduzido pela menção "Aprovado" ou "Não aprovado". Esta deliberação do júri é tomada por maioria dos membros que o constituem, através de votação nominal justificada, não sendo permitidas abstenções. Em caso de empate, o Presidente do júri tem voto de qualidade. 3 Sempre que o resultado seja "Aprovado", é atribuída uma classificação expressa no intervalo de 10 a 20 valores da escala numérica inteira de 0 a 20. Caso não se verifique consenso na atribuição desta classificação, a mesma será obtida através da média aritmética das classificações atribuídas por cada membro do júri. 4 Quando o resultado for "Não aprovado", o estudante terá de realizar nova inscrição na unidade curricular. 5 Das reuniões do júri são lavradas atas, das quais constam os votos de cada um dos seus membros e a respetiva fundamentação, que pode ser comum a todos ou a alguns membros do júri. 13 / 17

15 6 A realização das provas assume caráter de urgência, razão pela qual não haverá audiência prévia dos candidatos relativamente à intenção de decisão do júri. 7 Compete ao Presidente do júri o preenchimento da pauta. 8 Após a realização da defesa, e no prazo máximo de 15 dias úteis, o estudante deverá entregar nos Serviços Académicos da ESEIG a versão final da dissertação em suporte digital, do trabalho de projeto ou do relatório de estágio, com inclusão da constituição do júri e com eventuais correções sugeridas pelo júri. 9 No ato da entrega do trabalho em suporte digital com a versão final, os Serviços Académicos devolvem ao estudante a versão inicial; 10 A versão final deverá ser acompanhada de uma declaração do respetivo orientador, confirmando que a mesma está conforme. 11 Não serão passadas certidões ou cartas de curso sem terem sido entregues os trabalhos definitivos. Artigo 30º DEPÓSITO 1 As dissertações de mestrado, trabalhos de projeto e relatórios de estágio, conducentes à atribuição do grau de mestre, estão sujeitos a depósito obrigatório de cópia digital no repositório institucional, nos termos do número 1 do art.º 50.º do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, a ser efetuado pela Biblioteca da ESEIG, no prazo máximo de 60 dias a contar da data de concessão do grau de mestre. 2 No caso de a dissertação incluir dados passíveis de serem alvo de restrições ou embargo, de acordo com o número 2 do art.º 50.º do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, poderá não ser depositada em regime de acesso aberto. 3 O período de embargo, caso exista, do todo ou de parte da dissertação, é de dois anos, contados a partir da data da deliberação do júri, podendo ser prorrogável por igual período. 4 A aplicação do disposto no n.º 2 do presente artigo é da competência do Presidente da ESEIG, e será objeto de despacho fundamentado sob requerimento do estudante, no qual demonstre a necessidade de sigilo ou a existência de direitos sobre as conclusões do trabalho efetuado. Artigo 31º CONCESSÃO DO GRAU DE MESTRE E DO DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO PÓS-GRADUADA 1 O grau de Mestre é conferido pelo Instituto Politécnico do Porto aos que, através da aprovação nas unidades curriculares que integram o plano de estudos e da aprovação no ato público de defesa da respetiva dissertação, do trabalho de projeto, ou do relatório de estágio, tenham obtido 120 créditos ECTS. 2 O grau de Mestre é titulado por um Diploma, com menção do ramo seguido. 14 / 17

16 3 O titular do grau de Mestre poderá requer também uma Carta de Curso. 4 O Diploma de Especialização é concedido mediante a aprovação em todas as unidades curriculares dos dois primeiros semestres do plano de estudos (60 ECTS). Artigo 32º CLASSIFICAÇÃO FINAL DO GRAU DE MESTRE OU DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PÓS-GRADUADA 1 Ao grau académico de Mestre é atribuído uma classificação final, expressa no intervalo de na escala numérica inteira de 0 a 20, bem como o seu equivalente na escala europeia de comparabilidade de classificações. 2 A classificação final do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre, conforme Despacho IPP/P-098/2008 de 1 de agosto é calculada através da seguinte fórmula: pm i i CF p i Sendo: CF - a classificação final do curso M i - a classificação obtida na unidade curricular i p i - os créditos ECTS associados à unidade curricular i. 3 A classificação obtida no Curso de Especialização pós-graduada corresponderá à média das classificações obtidas no curso de especialização, ponderada pelo número de créditos ECTS de cada unidade curricular de acordo com a fórmula seguinte: CPG pm i i p i Sendo: CPG- a classificação final do Curso de Especialização pós-graduada M i - a classificação obtida na unidade curricular i p i - os créditos ECTS associados à unidade curricular i. Artigo 33º PRAZOS DE EMISSÃO DE CERTIDÕES, CARTAS DE CURSO/DIPLOMAS E SUPLEMENTOS AO DIPLOMA 1 A emissão de certidões e diplomas será realizada no prazo máximo de 10 dias, a contar da data da entrada do pagamento dos documentos quando requeridos no sistema on-line, ou da data da entrega do requerimento quando requeridos ao balcão dos Serviços Académicos. 2 A emissão da carta de curso é da responsabilidade do Gabinete de Organização Académica do Instituto Politécnico do Porto. 3 Ao solicitar o diploma de curso, o estudante tem também direito ao suplemento ao diploma. 15 / 17

17 Artigo 34º REGIME DE PRESCRIÇÃO DO DIREITO À INSCRIÇÃO 1 Os estudantes que não tenham completado o curso de mestrado ou de especialização pósgraduada, nos prazos legais, poderão fazê-lo no âmbito da edição subsequente do mesmo curso, obedecendo aos seguintes requisitos: a) Deverão apresentar requerimento fundamentado ao Presidente da ESEIG para a inscrição nas unidades curriculares e /ou na dissertação, no trabalho de projeto ou no estágio em falta. b) O requerimento a que se refere o número anterior deverá ser informado por parecer do Coordenador do Curso, o qual deverá incluir informação sobre a creditação das unidades curriculares já efetuadas e sobre as unidades curriculares que o estudante terá que frequentar para completar a parte curricular do curso e, no caso da dissertação, no trabalho de projeto ou no estágio em falta, sobre o plano de trabalhos e orientação científica. c) Os requerimentos devem ser apresentados nos Serviços Académicos, no prazo previsto para a inscrição e matrícula na edição do curso à qual submetem nova inscrição. d) Os estudantes que frequentam uma nova edição dos cursos nas condições referidas são considerados como estudantes supranumerários. 2 Para determinação do número máximo de inscrições no curso de mestrado utilizar-se-á a tabela anexa constante da Lei nº 37/2003, de 22 de agosto, alterada pelas leis nº 49/2005, de 30 de agosto e 62/2007, de 10 de setembro. 3 Aos estudantes não enquadrados no número anterior e admitidos ao curso de mestrado por candidatura, poderá também ser concedida creditação de unidades curriculares nos termos definidos no presente regulamento. DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 35º CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO REALIZADA NO ÂMBITO DE OUTROS CICLOS DE ESTUDOS 1 No caso de estudantes com formação realizada na ESEIG ou noutros estabelecimentos de ensino superior, nacionais ou estrangeiros, a Comissão de Creditação/Certificação de Competências do curso avaliará, em função de cada pedido concreto, da creditação a ser atribuída, de acordo com as disposições do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto. 2 Para efeitos do estabelecido no número anterior, seguir-se-ão as normas gerais estabelecidas pelo Despacho IPP/P-059/2014, de 8 de agosto, no tocante aos aspetos processuais. 3 De acordo com as disposições do Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de março alterado pelo Decreto-Lei nº 107/2008, de 25 de junho, e ainda considerando as disposições do Decreto-lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, a Comissão de Reconhecimento e Creditação/Certificação de Competências fica ainda encarregue de creditar a formação realizada no âmbito dos cursos de 16 / 17

18 especialização tecnológica e de avaliar, através da atribuição de créditos, a experiência profissional e a formação pós-secundária. 4- Para efeitos do estabelecido no número anterior, qualquer pedido de validação e creditação de competências deve ser acompanhado de um dossier organizado pelo interessado e de que constem: a) Requerimento para Processo de Certificação, Validação e Creditação de Competências ; b) Curriculum Vitae elaborado de acordo com o modelo europeu, a que deve ser anexada uma descrição exaustiva de cada uma das funções e tarefas profissionais executadas no passado com relevo para o processo em apreço; c) Declarações comprovativas emitidas pela(s) entidade(s) empregadora(s) com identificação de funções, posição e período de execução das mesmas ou, quando não for possível entregar a declaração da entidade empregadora, comprovativo de desconto para a segurança social e identificação de funções, posição e período de tempo em questão; d) Certificados ou outros comprovativos de formação realizada no passado; e) Cartas de referência significativas; f) Outros elementos considerados pertinentes para a apreciação (estudos publicados ou outros documentos escritos, projetos realizados, referências profissionais concretas, etc.); g) Quando se revelar necessário, deve a Comissão responsável pela apreciação do processo solicitar uma entrevista e/ou a realização de provas de diagnóstico. 5 Sempre que houver lugar a um processo de creditação de competências a mesma é considerada ato curricular e como tal obriga a pagamento de emolumentos. Artigo 36º CASOS OMISSOS Os casos omissos serão resolvidos, segundo a matéria a que respeitem ou a sua natureza, por despacho da entidade competente para o efeito. Artigo 37º ENTRADA EM VIGOR O Presente Regulamento entra em vigor após a sua aprovação pelo Presidente da ESEIG. 17 / 17

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico DESPACHO/SP/42/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Fisioterapia na área de especialização de movimento humano, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO. (2º Ciclo de Estudos)

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO. (2º Ciclo de Estudos) REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO (2º Ciclo de Estudos) - não se aplica aos perfis da formação de professores - 1/8 O grau de mestre é conferido aos que demonstrem: a) possuir conhecimentos e capacidade

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Instituto Politécnico de Bragança Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Instituto Politécnico do Porto Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento

Leia mais

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 RG PR12 04 Elaborado: Verificado: Aprovado: Conselho Técnico Científico do IPB GPGQ Conselho Técnico Científico do IPB Pág. 1 de 16 Instituto

Leia mais

REGULAMENTO. CURSOS DE MESTRADO (2.º CICLO) Mestrado em Gestão DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS

REGULAMENTO. CURSOS DE MESTRADO (2.º CICLO) Mestrado em Gestão DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO CURSOS DE MESTRADO (2.º CICLO) Mestrado em Gestão DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 2015 PREÂMBULO O presente regulamento fixa as normas de funcionamento do curso de mestrado

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012 Reitoria Despacho RT-12/2012 Por proposta do Conselho Pedagógico do Instituto de Ciências Sociais, é homologado o Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente à obtenção do Grau de Mestre em Geografia, anexo

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014)

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MEIOS COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA MINISTRADO PELAS ESCOLAS SUPERIORES AGRÁRIAS DOS INSTITUTOS POLITÉCNICOS DE BRAGANÇA, DE CASTELO BRANCO,

Leia mais

Regulamento de Estágio/Projeto do Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial

Regulamento de Estágio/Projeto do Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial Regulamento de Estágio/Projeto do Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão do Instituto Politécnico do Porto CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP Guimarães confere o grau de Mestre em Animação Digital. O ciclo de estudos

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP - Guimarães confere o grau de Mestre em Desenho com Especialização em Prática

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais

Regulamento do Curso. Humanos. de Mestrado em Gestão. e Desenvolvimento de Recursos

Regulamento do Curso. Humanos. de Mestrado em Gestão. e Desenvolvimento de Recursos Regulamento do Curso de Mestrado em Gestão e Desenvolvimento de Recursos ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS INDUSTRIAIS E DE GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Finanças Empresariais

Regulamento do Curso de Mestrado em Finanças Empresariais Regulamento do Curso de Mestrado ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS INDUSTRIAIS E DE GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

Artigo 1.º Criação. Artigo 2.º Âmbito de aplicação. Artigo 3.º Objetivos do curso. Artigo 4º Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

Artigo 1.º Criação. Artigo 2.º Âmbito de aplicação. Artigo 3.º Objetivos do curso. Artigo 4º Regras sobre a admissão no ciclo de estudos UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DO DESPORTO (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição: a) os titulares de grau de mestre ou

Leia mais

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar Normas regulamentares Preâmbulo O regulamento do Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 de 26 de Outubro, da

Leia mais

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 0 APROVADO POR: Conselho Técnico-Científico 20 10 2010 Data: / / 20 10 2010 Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 1. INTRODUÇÃO As presentes normas aplicam se aos cursos de

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade

Leia mais

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1 1 PREÂMBULO O presente Regulamento organiza a unidade curricular de Projeto Estágio do Mestrado em Marketing e Comunicação. No ensino politécnico, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre deve assegurar,

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO Artigo 1.º Coordenador de Curso 1. A coordenação pedagógica e científica de um curso de formação não graduada cabe, em regra, a um docente

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Artigo 1º Objecto 1 O presente regulamento aplica-se

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 vem obedecer às orientações para este efeito emitidas por despacho do Director da FCSH. 2 A tese de doutoramento deverá ter um mínimo de

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007. Normas regulamentares

Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007. Normas regulamentares Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007 Normas regulamentares Artigo 1.º - Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências e Tecnologia, confere o grau de mestre em

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 102 27 de maio de 2015 13575

Diário da República, 2.ª série N.º 102 27 de maio de 2015 13575 Diário da República, 2.ª série N.º 102 27 de maio de 2015 13575 Joaquim Luís Oliveira Costa, na categoria de Assistente Convidado, a 55 %, pelo prazo de oito meses, com efeitos a partir de 26 de março

Leia mais

Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Higiene Oral para Pessoas com Necessidades Especiais

Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Higiene Oral para Pessoas com Necessidades Especiais Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Higiene Oral para Pessoas com Necessidades Especiais Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se ao Curso de Pós-Graduação em Higiene Oral para

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00 IV. Disposições específicas para mestrados Artigo 1º Concessão do Grau O grau de mestre é conferido através da aprovação em todas as unidades curriculares que integram o plano de estudos do mestrado e

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO

GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO 22 07 Conselho Científico (Deliberações CC-36/2009, de 29/05/09; CC-47/2009, de 16/07/06; CTC-99/2011, de 24/11/11, CTC-2012/01, de 26/01/12 e CTC-2013/67, de 24/10/2013) 2014

Leia mais

Regulamento do Curso. de Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial

Regulamento do Curso. de Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial Regulamento do Curso de Mestrado ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS INDUSTRIAIS E DE GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado

TÍTULO I TÍTULO II. Regras gerais sobre a oferta educativa da Universidade Aberta (UAb) Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado Diário da República, 2.ª série N.º 59 25 de março de 2013 10441 Consultoria e Registos, o referido na alínea l) quando se trate de questões do âmbito das respetivas atribuições e relativamente às quais

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR 1.1 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade Técnica

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º Grau 1. A ESAP confere o grau de Mestre em Arquitetura, através de Mestrado Integrado, na especialidade de Arquitetura e comprova um nível

Leia mais

Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Inovação Pedagógica da Universidade da Madeira

Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Inovação Pedagógica da Universidade da Madeira 1 Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Inovação Pedagógica da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO

7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO 7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO De acordo com o estipulado no artigo 20º do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre conferido pelo IST

Leia mais

Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto

Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto Artigo 1º Criação e objectivos 1. A Universidade do Porto, através da sua Faculdade de Desporto (FADEUP)

Leia mais

NCE/11/00621 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/11/00621 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/00621 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/00621 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO. Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º)

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO. Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º) REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º) Cap. II CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE DOUTOR EM DIREITO (artigos 4.º a 32.º) SECÇÃO I Disposições Gerais (artigos

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ANO LETIVO DE 2011-2012 WWWW.IPIAGET.ORG Índice

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Artigo 1.º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 155 11 de agosto de 2015 22537. CAPÍTULO I Princípios gerais ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL

Diário da República, 2.ª série N.º 155 11 de agosto de 2015 22537. CAPÍTULO I Princípios gerais ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL Diário da República, 2.ª série N.º 155 11 de agosto de 2015 22537 31 de agosto, e alterado pela Lei n.º 7/2010, de 13 de maio, autorizo a abertura dos seguintes concursos para recrutamento de professores:

Leia mais

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO INTERNO Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO DO ENSINO RECORRENTE Artigo 1º OBJETO E ÂMBITO 1. O presente regulamento estabelece as regras da organização e desenvolvimento dos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL.

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL. INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL Edição 2015-2017 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de Fevereiro,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação. Regulamento

Mestrado em Sistemas de Informação. Regulamento Mestrado em Sistemas de Informação Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Introdução 1 - O presente Regulamento fixa as condições de funcionamento do ciclo de estudos conducente ao grau de

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Regulamento para Atribuição do Título de Especialista na Escola Superior de Enfermagem Artigo 1º Objecto e âmbito 1. O Presente Regulamento titula as normas jurídicas aplicáveis ao procedimento de atribuição

Leia mais

Regulamento. do Mestrado em Gestão Ambiental

Regulamento. do Mestrado em Gestão Ambiental Regulamento do Mestrado em Gestão Ambiental Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF), concede o grau de Mestre em Gestão Ambiental. Artigo 2º Objectivos Gerais O curso de Mestrado em Gestão

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação: área

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Página 1 de 10 REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Preâmbulo A Portaria n.º 401/2007, de 5 de

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l 2014/2018 ÍNDICE ÍNDICE...2 PREÂMBULO...3 Capítulo I...3 Disposições Gerais...3 Artigo 1.º - Âmbito de aplicação...3 Artigo 2.º - Objeto...3 Artigo 3.º - Composição...3 Artigo 4.º - Designação dos representantes...3

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O R E G U L A M E N T O REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO JUNHO 2013 APROVADO PELO DESPACHO IPP/P-050/2013 [1 11] ÍNDICE Objeto... 3 Âmbito... 3 Conceitos...

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE INTRODUÇÃO O Mestrado em Teatro, área de especialização em Teatro e Comunidade, é um programa de segundo ciclo, constituído

Leia mais

Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação REGULAMENTO DO MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Instituto Politécnico da Guarda

Instituto Politécnico da Guarda Instituto Politécnico da Guarda R E G U L A M E N TO D O S C U R S O S D E M E S T R A D O D O I P G Data de Aprovação 2011-06-28 Órgão Conselho Superior de Coordenação do IPG Data de Homologação 2011-07-01

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO INTRODUÇÃO O Mestrado em Teatro, área de especialização Encenação, é um programa de segundo ciclo, constituído por quatro semestres e

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS CURSOS DE MESTRADO

NORMAS REGULAMENTARES DOS CURSOS DE MESTRADO NORMAS REGULAMENTARES DOS CURSOS DE MESTRADO (artigo 26º do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24/03, republicado pelo Decreto-Lei nº 115/2013, de 07 de Agosto) Conselho Técnico-Científico (Deliberação 58/2015,

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA.

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA. INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA Edição 2014-2016 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de Mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior

Leia mais

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO (PROPOSTA) Ú~e ~JU&~~L~ 6~i ~ / ~ 7J7t1 REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO Conforme o determinado pelo artigo 45 O A do Decreto Lei n 074/2006

Leia mais

ESTATUTO 10 de setembro de 2014

ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTRUTURA ORGÂNICA A Escola Artística e Profissional Árvore é um estabelecimento privado de ensino, propriedade da Escola das Virtudes Cooperativa de Ensino Polivalente

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009 Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico do

Leia mais

Artigo 1º (Objecto e âmbito)

Artigo 1º (Objecto e âmbito) Artigo 1º (Objecto e âmbito) 1. O presente Regulamento tem por objectivo complementar o Regulamento de Mestrados (2º Ciclo) do Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz (ISCSEM) com procedimentos

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 47 Data: 2013/12/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento de Formação Contínua. Para os devidos efeitos, informa-se a comunidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18 de maio

Leia mais

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Regulamento de Creditação de Formação e de Experiência Profissional Preâmbulo O n.º 1 do artigo 45.º-A do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, prevê

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 O presente Regulamento Geral (RG) aplica-se

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (edição 2012-2014) EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (edição 2012-) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março, com as alterações introduzidas pelo

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA SUPLEMENTO AO DIPLOMA (versão em português) A estrutura do suplemento ao diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. Tem por objetivo fornecer

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR Campus Académico de Santo André Escola Superior de Tecnologia e Gestão Jean Piaget do Litoral Alentejano REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO ANO LETIVO DE 2013-2014

Leia mais

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior OUTUBRO, 2015

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior OUTUBRO, 2015 Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior OUTUBRO, 2015 REG.CTC.08.01 Página 1 de 6 Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior da Escola

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

U LISBOA. [Diretor] Despacho D-11/201S. É criado, pela Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa, o Curso de

U LISBOA. [Diretor] Despacho D-11/201S. É criado, pela Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa, o Curso de U LISBOA r. FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA [Diretor] Despacho D-11/201S Por decisão do Conselho Científico da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa, na sua reunião de 4 de março de 2015,

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DOS

REGULAMENTO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DOS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ FORMAÇÃO ESPECIALIZADA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/FORMAÇÃO ESPECIALIZADA Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento estabelece, por deliberação do Conselho

Leia mais

UNIVERSIDADE da MADEIRA. Madeira (UMa). CaPítulo I Condições de Ingresso. Artigo 1'e Admissão do curso. Artigo 2'e Critérios de serioção

UNIVERSIDADE da MADEIRA. Madeira (UMa). CaPítulo I Condições de Ingresso. Artigo 1'e Admissão do curso. Artigo 2'e Critérios de serioção REGULAMENTO EspECíFtCO DO e CICLO EM ESTUDOS LINGUíSICOS r CULTURAIS O presente regulamento estabelece as normas previstas no "Regulamento dos cursos de e ciclo de estudos" da Universidade Madeira (UMa).

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

MESTRADO EM SEGURANÇA E QUALIDADE ALIMENTAR EM RESTAURAÇÃO

MESTRADO EM SEGURANÇA E QUALIDADE ALIMENTAR EM RESTAURAÇÃO MESTRADO EM SEGURANÇA E QUALIDADE ALIMENTAR EM RESTAURAÇÃO 1º Criação A Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE), confere o grau de Mestre em Segurança e Qualidade Alimentar em Restauração.

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Campus Académico do Nordeste/Macedo de Cavaleiros Escola Superior de Educação Jean Piaget/Nordeste REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ANO LETIVO DE 2011-2012 WWWW.IPIAGET.ORG

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO Preâmbulo Considerando o Decreto-Lei n.º 216/92 de 13 de Outubro; Considerando o Decreto-Lei n.º 16/94 de 22 de Janeiro; Considerando o Decreto-Lei n.º 42/2005

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO O presente regulamento decorre do Regulamento dos Segundos Ciclos de Estudos do Instituto

Leia mais

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso. Das Disposições Preliminares

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso. Das Disposições Preliminares Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso Das Disposições Preliminares Art. 1. Respaldado pelo disposto nos termos do parágrafo terceiro do Artigo 65 do Regimento Unificado da Associação Educativa Evangélica

Leia mais

EDITAL ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS INDUSTRIAIS E DE GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO

EDITAL ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS INDUSTRIAIS E DE GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO EDITAL ESCOLA SUPERIOR DE ESTUDOS INDUSTRIAIS E DE GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PÓS-GRADUADA EM DIREÇÃO HOTELEIRA Edição 2014/2015 Fernando Flávio

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Escola Superior de Educação Jean Piaget / Almada REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO BIÉNIO 2012-2014 Índice ÂMBITO, ESTRUTURA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO No cumprimento da sua missão, a FEUP tem desenvolvido uma significativa

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação Regulamento do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Economia Aprovado pelo Colegiado de Pós-Graduação em 17/02/2009 Título I Disposições Gerais Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais