III FÓRUM DE VIGILÂNCIA DE DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS - MSP. Supervisão de Vigilância em Saúde Coordenadoria Regional de Saúde Leste

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III FÓRUM DE VIGILÂNCIA DE DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS - MSP. Supervisão de Vigilância em Saúde Coordenadoria Regional de Saúde Leste"

Transcrição

1 III FÓRUM DE VIGILÂNCIA DE DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS - MSP Supervisão de Vigilância em Saúde Coordenadoria Regional de Saúde Leste PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE LESTE SUPERVISÃO TÉCNICA DE SAÚDE SUPERVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

2 Coordenadoria Regional de Saúde Leste Área: 194 Km 2 Sete Subprefeituras 17 Distritos Administrativos População: habitantes Taxa de crescimento populacional : 1,9% Fontes: Portal Prefeitura de São Paulo acessado em 15/09/10. Portal Ceinfo/SMS acessado em 15/09/10.

3 EQUIPAMENTOS QUANTIDADE Unidades Básicas de Saúde modelo tradicional 57 UBS - Modelo PSF (Programa de Saúde da Família) 55 Assistência Médica Ambulatorial AMA ( 29 em UBS e 2 hospitalares ) 31 Ambulatório de Especialidade AE 06 CEO - Centro de Especialidade Odontológica 07 NIR/NISA 12 CPN - Centro de Praticas Naturais de São Mateus e de Guaianases 02 Casa SER 01 Serviço de Assistência Especializada - SAE - DST/AIDS 02 Centro de Testagem e Aconselhamento DST/AIDS - CTA 05 Centro de Atenção Psicossocial - CAPS 14 Centro de Convivência e Cooperativa - CECCO 04 Pronto Socorro Municipal / PA 04 Hospitais Municipais HM / O. S. 04 Hospitais Estaduais / O.S. 03 Hospitais Filantrópico / Conveniado 02 SUVIS 07 CRI - Centro de Referência do Idoso 01 Total 217

4 Enfrentamento Violência e Acidentes Realização de atividades de capacitação e sensibilização envolvendo profissionais, especialmente da Atenção Básica com o propósito de fortalecimento de todas as Unidades da rede de Saúde. Implementação do SIVVA - Sistema de Informação de Vigilância de Violências e Acidentes - apropriação das informações para o planejamento e execução das ações de controle da violência. Qualificação dos serviços para o acolhimento e atendimento humanizado das vítimas de violências. Organização de protocolos, fluxos, sistema de referência e contra-referência de atenção integral às vítimas de violências com o intuito de otimizar o atendimento dos casos. Articulação de ações intersetoriais e intersecretariais visando garantir a integralidade na atenção e na promoção da saúde (vítimas de violências ou em situação de violência). Formação de redes de atenção e de proteção (Redes de Proteção articuladas e integradas com os Serviços de Saúde). Estímulo à organização de Fóruns de Prevenção e Combate à Violência com a proposta de disseminação da Cultura de Paz.

5 Coordenadoria Regional de Saúde Leste Notificações segundo ano de atendimento CRS Leste Fonte: Tabnet SIVVA SMS PMSP Acessado em 21/09/2010.

6 Coordenadoria Regional de Saúde Leste Notificações segundo Coordenadoria de atendimento Coord de Saúde LESTE SUDESTE SUL NORTE CENTRO-OESTE TOTAL Notificações Fonte: Tabnet SIVVA SMS PMSP Acessado em 20/09/2010.

7 Ações desenvolvidas pela STS/SUVIS Cidade Tiradentes: Implementação do SIVVA - Hospital Tiradentes. Sensibilização (Atenção Básica). SAÚDE STS/SUVIS Projeto Ile de France. 16 dias de ativismo do fim da violência contra a mulher distribuição material informativo (serviços de atendimento as mulheres vitimas de violência e da Cartilha Maria da Penha). Patrulha do Silêncio; REDE (ações em parceria) Projeto Elas por Elas; Baile Permitidão Fórum Tecendo Redes de Paz (reuniões mensais).

8 Projeto Île de France Cidade Tiradentes É uma iniciativa que nasceu da parceria entre a PMSP e o Governo da região Île de France França, envolvendo várias áreas e profissionais da SMS. Capacitação do curso de Prevenção da Violência e Cultura de Paz dirigido às equipes de profissionais do PSF da Cid. Tiradentes sobretudo dos ACS. Em 2009 houve o lançamento do guia Rede de Apoio às Pessoas em situação ou Risco de Violência Cidade Tiradentes material de apoio pedagógico.

9 Cidade Tiradentes Desde 2008, a Supervisão Técnica de Saúde em parceria com a Subprefeitura da Cidade Tiradentes tem discutido o alto índice de acidentes e casos de violência neste território. Os dados foram obtidos através do SIVVA, Painel de Monitoramento e Planilha do Hospital Municipal Cidade Tiradentes, e com base nos mesmos foram desenvolvidas ações de impacto sobre a violência e os acidentes. Principais ações para o enfrentamento da violência e redução de acidentes: Patrulha do Silêncio; Projeto Elas por Elas; Baile Permitidão Praça Multiuso - localizada na Avenida dos Metalúrgicos, ao lado do supermercado Compre Bem, foi construída para abrigar shows, apresentações teatrais e até casamentos. Atividades acontecem aos finais de semana.

10 Patrulha do Silêncio Proposta de redução dos acidentes de trânsito; A Patrulha do Silêncio, trata-se de uma campanha para orientar os comerciantes sobre a importância do cumprimento da lei nº /99, bem como incentivar os moradores da região a denunciar os bares que incomodam com o barulho. Nos estabelecimentos visitados são afixados cartazes com informações sobre o horário de funcionamento dos bares, que não podem exceder uma hora da manhã. Cidade Tiradentes reduziu em 17,45% a média mensal de acidentes de trânsito, a partir do Programa Patrulha do Silêncio que completou dois anos (março/2010). A revelação dos dados é comprovada no levantamento realizado pelo Hospital Cidade Tiradentes que mostrou uma queda registra, no período entre março de 2009 e fevereiro de 2010, uma média mensal de 93,25 de atendimentos contra a média de 110,7 entre os meses de setembro de 2008 e fevereiro de Em relação às reclamações por barulho, o PSIU revela houve uma redução de 33% quanto ao número de denúncias.

11 Baile Permitidão Festival Funk CD só Permitidão é FUNK Baile Permitidão Objetivo: valorizar o jovem, proporcionando opções de lazer para diminuição do uso de alcool e drogas, e consequentemente da violência.

12 Projeto Elas por Elas - combate a violência doméstica através da música Levando mensagens de combate a violência contra a mulher, jovens cantoras de Cidade Tiradentes que frequentam a Estação da Juventude, lançam o projeto Cidade Tiradentes Elas por Elas, com o apoio da Subprefeitura Cidade Tiradentes. A obra é uma releitura de músicas consagradas na voz de grandes cantoras, em homenagem ao Dia Internacional da Mulher O objetivo do projeto é combater a violência contra a mulher, levando mensagens, por meio da música, para que os casos sejam denunciados e nenhuma mulher aceite esse tipo de agressão de maneira impune.

13 Estação da Juventude Um espaço destinado aos jovens entre 15 e 24 anos residentes em Cidade Tiradentes, nos bairros de média, alta ou altíssima vulnerabilidade social, com o propósito de propiciar a formação dos jovens em conceitos de cidadania, apoio educacional e capacitação com habilidades profissionais e repertório cultural nas áreas de produção musical, comunicação e expressão. Atividades: DJ e Produção Musical; CLAP Comunicação, Leitura, Análise e Produção Inglês/ Português; Cidadania e Orientação Profissional; Capoeira e Teatro; Estúdio de Música; Oficina de Dança.

14 Grife COHAB WEAR A Estação da Juventude, com apoio da Subprefeitura Cidade Tiradentes lançou, em abril deste ano, a grife CT COHAB Wear no conceituado Mercado Mundo Mix. O projeto CT COHAB Wear, que nasceu na Estação de Juventude em Cidade Tiradentes, visa combater dois problemas: a influência da criminalidade sobre os jovens e o desemprego entre a população da região que chega quase a 20%. Mais de 10 estampas foram criadas, por oito jovens que participam da Oficina de Grafite. Em suas artes eles se associaram aos modos e os costumes do cotidiano do jovem na periferia. A marca foi apreciada por mais de 6 mil visitantes durante os dois dias no Mercado Mundo Mix, no Clube Homes, na Avenida Paulista.

15 Ações desenvolvidas pela STS/SUVIS Guaianases: Implementação SIVVA - Hospital Geral de Guaianases (Fase articulação inicial). Capacitação e sensibilização CAPS AD. SAÚDE STS/SUVIS Abordagem do tema violência em grupos de usuários (Atenção Primária): Saúde da Mulher, Puericultura, entre outros. Rede de Proteção à Infância e Adolescência de Guaianases (com DRE, CRAS, Sociedade Civil Organizada e ONGs) Fase de formação. REDE (ações em parceria) Articulação com a Casa Viviane dos Santos para fortalecer a referência e contra-referência do atendimento de mulheres vítimas de violência.

16 Ações desenvolvidas pela STS/SUVIS Itaquera: STS Discussão/orientação permanente de casos e encaminhamentos específicos. Criação de Protocolo/Fluxo para notificação e atendimento de casos. SAÚDE STS/SUVIS Projeto Segurança Humana. Trabalho intersetorial com a Delegacia da Mulher, Conselho Tutelar, Vara de Infância e Juventude para melhor acolhimento e encaminhamento dos casos. REDE (ações em parceria) Rede de enfrentamento à violência contra a mulher - CCMI (Centro de Cidadania da Mulher) encontros mensais. Rede articulada por CAS Leste (Coordenadoria de Assistência Social) sobre criança e adolescentes situação de vulnerabilidade social (abrigos).

17 Projeto Segurança Humana Itaquera Uma proposta de trabalho que propõe a integração de quatro Agências ONU: OPAS/OMS, UNICEF, UNESCO e UNFPA de maneira sinérgica com três Secretarias da PMSP: Saúde, Educação e Assistência e Desenvolvimento Social. Essa iniciativa tem como objetivo contribuir para a redução da violência e a promoção da cultura de paz na região leste da cidade de São Paulo. Com duração de três anos (agosto/2208 a julho/2011) o projeto conta com o financiamento do Fundo das Nações Unidas para Segurança Humana, com recursos do governo japonês. No primeiro ano o PSH foi desenvolvido no distrito de José Bonifácio e no segundo ano (agosto/2009) foi ampliado para toda a STS Itaquera, abrangendo os D.A de José Bonifácio, Itaquera, Parque do Carmo e Cidade Líder. Entre as principais ações da OPAS e SMS para a Fase II (2009/2010) está a humanização e qualificação dos serviços públicos para o enfrentamento da violência.

18 Ações desenvolvidas pela STS/SUVIS São Mateus: Capacitação e sensibilização (Atenção Básica) ênfase no CAPS Infantil. SAÚDE STS/SUVIS Implementação SIVVA - Hospital Geral de São Mateus *Núcleo de Atendimento a Vítimas de Violência Doméstica *Promotoras Legais Populares (atendimento violência intrafamiliar). * Setor de Queimados Reuniões com Conselho Tutelar de São Mateus (fase inicial de articulação - fluxo da informação/atendimento). Encontros de Humanização - Hospital Geral de São Mateus (tema abordado: Violência Doméstica). REDE (ações em parceria) Articulação com a Rede de proteção na Casa Cidinha Kopcak. Fórum de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente de São Mateus.

19 Ações desenvolvidas pela STS/SUVIS E. Matarazzo: Implementação SIVVA - Hospital Alípio Correa Neto. SAÚDE STS/SUVIS Reunião Técnica com os funcionários do CCIH do Hospital ACN, com apresentação e discussão sobre questões referentes à Vigilância de Violência. REDE (ações em parceria) Reuniões bimensais na STS com enfoque na Cultura de Paz e discussão de casos Proposta de trabalho intersecretarial.

20 Ações desenvolvidas pela STS/SUVIS São Miguel: Hospital Municipal Tide Setubal = maior notificador do MSP. UBS - Vila Jacui é referência para o atendimento para vítima de violência da STS São Miguel. SAÚDE STS/SUVIS Reuniões bimensais com representantes de cada UBS juntamente com SUVIS/STS para discussão de casos e organização do fluxo de atendimento às vítimas de violência. * Apresentações de filmes, documentários ou textos que abordem a questão da violência. Encontro: Unidades Ensino /UBS Fórum Amb. Tito Lopes Articulação do Fórum Regional pela não Violência, com reuniões mensais toda última 6º do mês, no Anfiteatro da Sub-Prefeitura com participação da DRE, SAS, CRAS, STS, SUVIS, UBS,ONGs e GCM. REDE (ações em parceria) Parceria Projeto Recreio nas Férias - ONG Rede Fórum Subpref. São Miguel Criança de Combate a Exploração Sexual Infantil referência no atendimento vítimas violência.

21 Ações desenvolvidas pela STS/SUVIS Itaim Paulista: Capacitação e sensibilização (Atenção Básica) *01 Encontro (período manhã ou tarde) junto às 11 Unidades com Programa Saúde Família. SAÚDE STS/SUVIS (Re)Discussão do fluxo para notificação e atendimento de casos atendidos pela Casa se Isabel; SEMINÁRIOS REALIZADOS PELA CASA DE ISABEL AMZOL Associação de Mulheres da Zona Leste REDE (ações em parceria) Articulação com a Rede de Prevenção e Enfrentamento da Violência contra a Mulher da Zona Leste Centro de Cidadania da Mulher

22 Capacitação Vigilância Violência CRS Leste: Curso coordenado pela equipe de CCD/DANT/COVISA sendo oferecidas 200 vagas para o Município de São Paulos, e destas, 50 vagas destinadas aos profissionais da CRS Leste. OBJETIVO GERAL: Capacitar profissionais de saúde para atenção às pessoas em situação de violência, numa perspectiva mais ampliada para as ações de enfrentamento da violência, introduzindo conceitos da vigilância, promoção da saúde e garantia de direitos. Aula Profª Hilda OBJETIVOS ESPECÍFICOS Aula Profª Dagmar Aula Profª Hilda Reorientar a atuação profissional para o atendimento às pessoas em situação de violência na perspectiva da Vigilância em Saúde Pública. Qualificar o profissional para a melhor utilização do Sistema de Informação de Vigilância de Violências e Acidentes SIVVA. Subsidiar os profissionais para a discussão dos seguintes temas: 1. Violência e Saúde; 2. Construção da informação e vigilância de violência; 3. Tipificações da violência; 4.Ações de enfrentamento da violência. Aula Profª Dagmar CRONOGRAMA Turma CRS Leste Aula Prof. Marcelo A qualificação terá a duração de 16 semanas, com aulas e oficinas quinzenais, alternadas; Iniciada em junho e finalizada em setembro. Turma CRS Leste Aula Prof. Marcelo

23 Recomendações: Criar equipes de referência (Núcleo de Prevenção de Violência - NPV) em todas as unidades de saúde para o acolhimento, discussão, atendimento e acompanhamento dos casos de violência; Discutir e redefinir fluxos de notificação, atendimento, referência e contra referência das vítimas juntamente com os órgãos envolvidos na rede de proteção; Elaborar e divulgar boletim informativo eletrônico de ações relativas à DANT e de todo o trabalho em rede COVISA; Integrar atores envolvidos na prevenção e no atendimento às vítimas com a formação de uma rede de proteção integral, definindo-se obrigações e responsabilidades.

24 Programa Qualidade de Vida com Medicinas Tradicionais e Práticas Integrativas em Saúde

25 Atividades que integram o Programa: Acupuntura Homeopatia Plantas Medicinais e Fitoterápicos (instituído Programa de Produção de Fitoterápicos e Plantas Medicinais) Alimentação Saudável Práticas Corporais

26 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Desenvolvimento de ações para orientação e sensibilização da população sobre os benefícios de uma alimentação saudável; Capacitação dos serviços para o estímulo de ações que promovam escolhas alimentares saudáveis; Sensibilização dos profissionais de saúde para implementação de ações de promoção de alimentação saúdável nas Unidades Básicas; Qualificação dos serviços para a orientação e realização de ações de vigilância alimentar e nutricional para a prevenção e controle dos agravos e doenças decorrentes da má alimentação; Mobilização e capacitação dos profissionais de saúde da Atenção Básica para a promoção da alimentação saudável nas visitas domiciliares, atividades de grupo e nos atendimentos individuais como estratégia de prevenção, intervenção e controle de disturbios nutricionais e doenças associadas à alimentação e nutrição; Grupos Obesidade (Adulto e Gestantes), Acupuntura, Grupo de Aleitamento Materno, Grupo de Nutrição e Alimentação Saudável, Grupos Reeducação Alimentar (Gestantes, Idosos, Diabéticos);

27 UBS Nove de Julho STS SM GAAME Grupo de Apoio ao Aleitamento Materno Exclusivo Orientação e sensibilização da população usuária sobre os benefícios da amamentação.

28 UBS Thérsio Ventura STS MP GRUPO DE CHÁ DA TARDE : Os encontros são realizados na residência dos participantes (comunidade) mensalmente, todas ultima 4ª feira do mês, com duração em média de duas horas. GRUPO DE ALIMENTAÇAO SAUDÁVEL : Os encontros são realizados na UBS Dr. Thérsio Ventura, semanalmente, com duração de uma hora aproximadamente, toda sexta-feira. São realizadas discussões sobre os hábitos alimentares, plantas medicinais e ao final há degustação pelos participantes de alguma preparação saudável, acessível e de fácil reprodução além de orientações nutricionais e novas receitas. Os grupos tem como objetivos: Estimular o resgate de uma alimentação saudável através de alimentos naturais e regionais; Ensinar os benefícios de plantas medicinais, como utilizá-las, seus estudos e históricos; Apresentar receitas saudáveis, econômicas e criativas; Socialização.

29 Cursos e Oficinas Estão sendo organizados no Município de São Paulo cursos de Plantas Medicinais dirigidos a: servidores da PMSP e outros orgãos, entidades e público em geral com o objetivo de promover a Educação Ambiental para multiplicadores, visando o acesso seguro às plantas medicinais, com o uso adequado e manejo sustentável dos recursos ambientais e da biodiversidade bem como colaborar na elaboração de políticas públicas ambientais e de saúde.

30 Oficinas Culinária/Meio Ambiente CAPS STS SM Oficinas de Culinária/Oficina de Meio Ambiente (Hortaliças e Plantas Medicinais): As oficinas de culinária trabalham a questão da alimentação saudável através de receitas de fácil acesso, nutritivas, reaproveitáveis e didáticas, juntamente com a oficina de meio ambiente, que possui o papel de cultivo e colheita às hortaliças e leguminosas, sem agrotóxicos. UBS Nova Curuça STS IP Projeto chamado Viver Bem com o Melhor da Feira Projeto Minhocultura (parceira com a Subprefeitura do Itaim Paulista/Curuçá, Supervisão de Saúde, ABAST e SVMA, PAVS OSS Santa Marcelina visa a difusão de açõesde UBS Nova Curuça STS IP Educação Ambiental e a inclusão sócioambiental familiar a partir da criação de cooperativas de aagricultores familiares para a produção,consumo e comercialização do húmus de minhoca, bem como do aproveitamento máximo dos UBS resíduos Nova Curuça orgânicos - IPdas feiras livres da região do ItaimPaulista e Vila Curuça para realização de compostagem que subside o minhocário. CAPS STS SM CAPS STS SM UBS Nova Curuça - IP

31 PRÁTICAS CORPORAIS E ATIVIDADE FÍSICA Apoio à inserção de ações de práticas corporais/atividade física em 100% dos serviços de atenção básica; Ofertar aos usuários práticas corporais/atividade física como caminhadas, prescrição de exercícios, práticas lúdicas, esportivas e de lazer; Lian Gong (Crianças ) - UBS Thersio Ventura Caminhada Jd. Kemel Desenvolvimento de campanhas de estímulo aos modos saudáveis de viver com o propósito de reduzir fatores de risco para doenças não transmissíveis. Trabalhar o fortalecimento de ações já existentes no campo das práticas corporais em saúde na comunidade. Incentivar articulações intersetoriais e o estabelecimento de parcerias para a promoção projetos de práticas corporais e atividades físicas; Dança Circular, Grupos de alongamento e caminhada, Grupos de vivência corporal (Movimentação corpórea), Oficina de dança, Liang Gong em 18 terapias, Grupos de atividades esportivas recreativas, Ginástica localizada e aeróbica. Evento - Pq. Carmo Itaquera

32 Grupos de Práticas Corporais em MTC e Atividades Físicas CRS Leste FONTE: Fonte: TABWIN /Confere BPAMAG

33

34 Coordenadoria Regional de Saúde Leste Rodrigo Moreira de Sá Suvis/CRS Leste (011) / Ana Maria Rabaçal Assessoria Técnica/CRS Leste (011)

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO A Secretaria Municipal da Saúde, gestora do Sistema Único de Saúde no Município, é responsável pela formulação e implantação de políticas, programas e projetos

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DR. JOSÉ DE FILIPPI JR. COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE SUDESTE DRª KARINA BARROS CALIFE BATISTA SUPERVISÃO TÉCNICA DE

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DR. JOSÉ DE FILIPPI JR. COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE SUDESTE DRª KARINA BARROS CALIFE BATISTA SUPERVISÃO TÉCNICA DE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DR. JOSÉ DE FILIPPI JR. COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE SUDESTE DRª KARINA BARROS CALIFE BATISTA SUPERVISÃO TÉCNICA DE SAÚDE PENHA DR. CELSO GALHARDO MONTEIRO SAS SECONCI

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Possibilidades e limites da Vigilância em DANT com enfoque territorial e de redes no Município de São Paulo

Possibilidades e limites da Vigilância em DANT com enfoque territorial e de redes no Município de São Paulo Possibilidades e limites da Vigilância em DANT com enfoque territorial e de redes no Município de São Paulo Subgerência de Doenças e Agravos Não Transmissíveis CCD/COVISA Equipe DANT Carmen Helena Seoane

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP?

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Projeto de Informatização Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria Técnica

Leia mais

PENHA. Distritos Administrativos. População: 474.565 hab. Cangaíba Penha Vila Matilde Artur Alvim

PENHA. Distritos Administrativos. População: 474.565 hab. Cangaíba Penha Vila Matilde Artur Alvim PENHA Distritos Administrativos Cangaíba Penha Vila Matilde Artur Alvim População: 474.565 hab. ERMELINO MATARAZZO Distritos Administrativos Ermelino Matarazzo Ponte Rasa População: 207.736 hab. PENHA

Leia mais

desigual São Paulo uma cidade 10.886.518 milhões de habitantes muito 3,4 milhões São Paulo: maior concentração de pobreza das Américas

desigual São Paulo uma cidade 10.886.518 milhões de habitantes muito 3,4 milhões São Paulo: maior concentração de pobreza das Américas São Paulo São Paulo: maior concentração de pobreza das Américas uma cidade 10.886.518 milhões de habitantes muito Jornal Folha de São Paulo, 02/12/2007 3,4 milhões desigual de pessoas pobres (até ½ SM

Leia mais

Programa Academia da Saúde

Programa Academia da Saúde Programa Academia da Saúde Política Nacional de Promoção da Saúde Objetivos: Promover a qualidade de vida Reduzir a vulnerabilidade e os riscos à saúde relativos aos seus determinantes e condicionantes

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS Diagnóstico Operacionalização do Plano Estadual Contexto de vulnerabilidade 1. Relações desiguais de gênero Ações governamentais

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009 COORDENADORIA DE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO À SAÚDE - COPROM NÚCLEO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS NUPREV PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009 Responsáveis pela elaboração:

Leia mais

Rede de Atenção à. Pessoa em Situação de Violência

Rede de Atenção à. Pessoa em Situação de Violência Rede de Atenção à Pessoa em Situação de Violência AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Art. 198 da CF/ 1988: A ações e os serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem

Leia mais

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor.

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO PRIMÁRIA E VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE 2013 PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO PSE NO ANO DE 2013. Janeiro/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DO SURUBIM SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto?

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto? Projetos Sociais da Faculdade Campo Real A promoção da cidadania é qualidade de toda instituição de ensino consciente de sua relevância e capacidade de atuação social. Considerando a importância da Faculdade

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Mobilização Social. Núcleo de Mobilização Social da Assessoria de Comunicação Social - SES/MG

Mobilização Social. Núcleo de Mobilização Social da Assessoria de Comunicação Social - SES/MG Mobilização Social 2013 Núcleo de Mobilização Social da Assessoria de Comunicação Social - SES/MG Mobilizar é convocar vontades para atuar na busca de um propósito comum, sob uma interpretação e um sentido

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão

Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão OS RECURSOS FINANCEIROS DO ESPAÇO CRIANÇA ESPERANÇA TV GLOBO realiza CAMPANHA CRIANÇA ESPERANÇA com programa na TV UNESCO recebe DOAÇÃO e apóia diferentes

Leia mais

O compromisso da Rede de Saúde Santa Marcelina com o Meio Ambiente

O compromisso da Rede de Saúde Santa Marcelina com o Meio Ambiente O compromisso da Rede de Saúde Santa Marcelina com o Meio Ambiente Rede de Saúde Santa Marcelina Abrangência e População de Referência População: 2.500.000 habitantes Hospital Universitário Principal referência

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra de Projetos 2011 Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

FLUXO DE ATENDIMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL Superintendência de Atenção Primária S/SUBPAV/SAP

FLUXO DE ATENDIMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL Superintendência de Atenção Primária S/SUBPAV/SAP FLUXO DE ATENDIMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL Superintendência de Atenção Primária S/SUBPAV/SAP Betina Durovni Subsecretária de Atenção Primária, Vigilância e Promoção de Saúde 1 Introdução A violência contra

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE SUDESTE

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE SUDESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE SUDESTE Karina Barros Calife Batista Coordenadoria Regional de Saúde Sudeste MUNICIPIO DE SÃO PAULO 11.581.798 habitantes (SEADE

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2011 - SMDS O Município de Canoas, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, torna público o presente e convida os interessados e as interessadas a apresentar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO P.S.E. PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA.

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO P.S.E. PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO P.S.E. PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. QUIXADÁ CE Antônio Martins de Almeida Filho Secretário da Educação Selene

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional I FÓRUM DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional Ações do Ministério da Saúde Brasília-DF, 17/10/06 Educação Alimentar

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Política de Saúde da Pessoa Idosa

Política de Saúde da Pessoa Idosa Política de Saúde da Pessoa Idosa Conselho Estadual de Saúde LUCYANA MOREIRA Março/2015 O TEMPO É IRREVERSÍVEL Pernambuco em dados: PERNAMBUCO: 8.796.448 hab. 937.943 pessoas idosas 10,7% (IBGE- Censo

Leia mais

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo.

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo. REGIÃO SUL Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Realizar campanhas articuladas entre as políticas para prevenção do turismo sexual (agentes de saúde, professores

Leia mais

A Educação Infantil. Município de Perdões

A Educação Infantil. Município de Perdões A Educação Infantil Município de Perdões MATRÍCULA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2008 - PERDÕES INSTITUIÇÃO PÚBLICAS Berçário Maternal I Maternal II Maternal III 1º Período 2º Período LATEMP 25 16 21 CRECHE RISOLETATOLENTINO

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -Principais serviços que a Assistência Social possui para atendimento de idosos: - Proteção Social Básica (atendimento preventivo) - Centro de Convivência do Idoso - atualmente

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência;

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência; 1 Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação das diretrizes e metas na garantia de direitos às pessoas com deficiência

Leia mais

Programa de Metas 2013-2016. PPA 2014-2017 e LOA 2014

Programa de Metas 2013-2016. PPA 2014-2017 e LOA 2014 Descrição do Projeto Inserir aproximadamente 280 mil famílias com renda até meio salário mínimo no Cadastro Único para atingir 773 mil famílias cadastradas Beneficiar 228 mil novas famílias com. o Programa

Leia mais

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro 2013 Dimensão demográfica População em 2010: 190.755.799

Leia mais

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE 2º SEMINÁRIO NACIONAL HUMANIZA SUS Em Resposta, envio os dados sobre nosso trabalho: 1- Diretriz Valorização do trabalho e do trabalhador da saúde. 2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Março 2013

Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Março 2013 Saúde Março 2013 ADESÕES SEMANA SAÚDE NA ESCOLA Guia de Sugestões de Atividades para a Semana Saúde na Escola disponível em: www.saude.gov.br/pse CRONOGRAMA 2013 Semana Saúde na Escola Adesão - 20/02

Leia mais

Política Municipal de Saúde Perinatal. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte

Política Municipal de Saúde Perinatal. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte Política Municipal de Saúde Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte BH -REDE ASSISTENCIAL 9 Distritos Sanitários 147 Centros de Saúde 544 ESF 2.420 ACS CERSAM, UPA, outros 34 hospitais conveniados

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS Porta de entrada dos munícipes que necessitam das ações de assistência social que potencializam a família, a comunidade de referência, fortalecendo seus

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PARÁ

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PARÁ PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PARÁ Objetivo 1 - Garantir ações de enfrentamento do HIV/DST/aids para gays, outros HSH e travestis, do ponto

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Despacho 2007 Nº PROJETO DE LEI Nº 1099/2007 Considera de utilidade pública o Grupo de Formadores de Educadores Populares GEFEP. Autor: Vereador Eliomar Coelho. DECRETA: A Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 004/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PESSOAL PARA ATENDER A RECENSEAMENTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E A DIVERSOS OUTROS PROGRAMAS E SERVIÇOS

Leia mais

2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS

2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS 2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS Objetivo do PSE O Programa Saúde na Escola (PSE) vem contribuir para o fortalecimento de ações na perspectiva

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Coordenadoria de Proteção Social Especial Março/2014 CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Leia mais

NOTA TÉCNICA 26 /2013

NOTA TÉCNICA 26 /2013 NOTA TÉCNICA 26 /2013 Institui a Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde (SUS) - Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil. Brasília,

Leia mais

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Estruturar e organizar a rede de serviços de prevenção, tratamento e acolhimento do município de São Paulo destinadas aos cuidados

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

PROJETO SEGURANÇA HUMANA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

PROJETO SEGURANÇA HUMANA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Organização Pan-Americana da Saúde PROJETO SEGURANÇA HUMANA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO RELATOS DE UMA EXPERIÊNCIA INTERAGENCIAL E INTERSETORIAL DA ÁREA DA SAÚDE NA REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA E NA PROMOÇÃO DA

Leia mais

BH - REDE ASSISTENCIAL

BH - REDE ASSISTENCIAL BH - REDE ASSISTENCIAL 2.300.000 habitantes 9 Distritos Sanitários 147 Centros de Saúde 544 ESF cobertura 80% 2.420 ACS CERSAM e UPA regionais 34 hospitais 7 maternidades SUS Assistência - Regulação -

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 MINISTÉRIO DA CULTURA Diretoria de Infraestrutura Cultural Secretaria Executiva Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 1. Objetivos A Praça do PAC é de

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 Plano de Ação Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 APRESENTAÇÃO Nosso O Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de Juruti apresenta, no

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Implantar o Plano Diretor. Implantar o Orçamento participativo. Valorização pessoal do funcionário público municipal. Implantação

Leia mais

AÇÕES DE PROMOÇÃO À ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria Municipal da Saúde. Angela C. Lucas de Oliveira 2006

AÇÕES DE PROMOÇÃO À ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria Municipal da Saúde. Angela C. Lucas de Oliveira 2006 AÇÕES DE PROMOÇÃO À ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Secretaria Municipal da Saúde Angela C. Lucas de Oliveira 2006 Perfil nutricional de crianças menores de 5 anos usuárias das Unidades de Saúde da SMS 1991 a 2005

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Campos - SP Departamento de Políticas de Saúde Programa Municipal de Nutrição Atividades desenvolvidas em 2006 e 2007 O Programa Municipal de Nutrição, implantado

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA SEMANA DO BEBE E DA CRIANÇA DE TERESINA. (12 a 18 de outubro) Abertura da Semana do Bebe e da Criança no Município de Teresina

PROGRAMAÇÃO DA SEMANA DO BEBE E DA CRIANÇA DE TERESINA. (12 a 18 de outubro) Abertura da Semana do Bebe e da Criança no Município de Teresina PROGRAMAÇÃO DA SEMANA DO BEBE E DA CRIANÇA DE TERESINA (12 a 18 de outubro) Dia 13/10/15 terça-feira MANHÃ Abertura da Semana do Bebe e da Criança no Município de Teresina Local: Centro de Saúde Poti Velho

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00147/2013 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB) e Laércio Benko (PHS)

PROJETO DE LEI 01-00147/2013 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB) e Laércio Benko (PHS) PROJETO DE LEI 01-00147/2013 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB) e Laércio Benko (PHS) Estabelece diretrizes para a Política Municipal de Promoção da Cidadania LGBT e Enfrentamento da Homofobia, e dá

Leia mais

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3 Plano Plurianual 2.002 2.005 Saúde Objetivo Geral Principais secretarias envolvidas: SMS A Secretaria Municipal de Saúde, cumprindo o programa do Governo da Reconstrução, implantará o SUS no município.

Leia mais

Transtornos do Espectro do Autismo

Transtornos do Espectro do Autismo Transtornos do Espectro do Autismo O Município adotou o documento Ministerial, LINHA DE CUIDADO PARA A ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO E SUAS FAMILIAS NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL,

Leia mais

População total = 417 983 Censo 2000

População total = 417 983 Censo 2000 AS AÇÕES BEM SUCEDIDAS EM ALEITAMENTO MATERNO E ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR NUTR. JULIANA C. F. DE OLIVEIRA CHEFE DA SEÇÃO DE AÇÕES PREVENTIVAS COORDENADORIA DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE SECRETARIA

Leia mais

Programa Lixo e Cidadania

Programa Lixo e Cidadania Programa Lixo e Cidadania São Bernardo do Campo (SP) Elisabeth Grimberg e Sonia Lima in Segurança Alimentar e Nutricional: a contribuição das empresas para a sustentabilidade das iniciativas locais Fechar

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Região Metropolitana de São Paulo. Município de Diadema

Região Metropolitana de São Paulo. Município de Diadema Região Metropolitana de São Paulo Área total: 7.944 Km² População: 20,3 milhões de habitantes Densidade hab/km² Município de Diadema Área total: 30,7 Km2 População: 386.089 (IBGE/2010) Densidade demográfica:

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais