BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR Nº 65/2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR Nº 65/2012"

Transcrição

1 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR Nº 65/2012 Comunica aos AGENTES FINANCEIROS as alterações nos procedimentos operacionais em operações com garantia do Fundo Garantidor para Investimentos FGI, no âmbito das operações de financiamento indireto do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES ou da Agência Especial de Financiamento Industrial FINAME. A Superintendente da Área de Crédito COMUNICA aos AGENTES FINANCEIROS as alterações nos procedimentos operacionais, em operações com garantia do FGI, decorrentes das alterações no Regulamento do Fundo, que tiveram como principal objetivo simplificar e tornar mais atrativa a utilização do BNDES FGI, sem abrir mão de controles que efetivamente trazem segurança à gestão do Fundo. As alterações são decorrentes de mudanças ocorridas no Regulamento do FGI contemplando: i. Criação de um glossário a fim de uniformizar a utilização de expressões, conceitos e siglas adotados nos normativos do Fundo; ii. Esclarecimento de que a garantia real exigida pelo BNDES FGI em operações de valor garantido superior a R$ 1 milhão não precisa cobrir o valor do ECG, e sim apenas o valor do crédito pleiteado pelo beneficiário; iii. Dispensa de comprovação do ajuizamento da medida judicial, previamente à solicitação de honra, para operações com principal inadimplido igual ou inferior a R$ 300 mil, devendo o Agente Financeiro seguir seus procedimentos usuais de cobrança, os quais devem ser informados ao Administrador do BNDES FGI quando alterados ou mediante solicitação deste; iv. Criação de um capítulo para tratar do cancelamento da garantia outorgada pelo BNDES FGI, seja a pedido do Agente Financeiro, seja a título de penalidade, assegurando-se nesse caso o direito de ampla defesa ao Agente Financeiro; v. Substituição do Saldo FGI pelo conceito de "Saldo do Adiantamento de Honra", o qual será apenas o valor do adiantamento de honra atualizado pelos encargos da ponta passiva, deduzido dos valores recuperados repassados ao Fundo; vi. Ampliação, para 90 dias corridos, do prazo para comunicação de valores recuperados pelos Agentes Financeiros ao Administrador do BNDES FGI, com a possibilidade de envio de arquivos consolidando mais de um evento de recuperação; vii. Definição de condições e de prazo para conversão do adiantamento de honra em honra definitiva e das obrigações em caso de prosseguimento da cobrança após a honra definitiva; e 1

2 viii. Consolidação das penalidades aplicáveis em operações com outorga de garantia do BNDES FGI em um único capítulo do Regulamento; além de modificações pontuais relativas a nova versão do Portal FGI. A redação a seguir constante desta Circular apresenta a versão atual consolidada dos procedimentos, em operações com garantia do Fundo Garantidor para Investimentos FGI, para a solicitação de honra de garantia, comprovação do ajuizamento da medida judicial para recuperação do crédito, recuperação de crédito, prestação de informações, cancelamento de garantia e liquidação de cobrança. 1. CONCEITOS E ESCLARECIMENTOS ADICIONAIS Adiantamento de honra É o desembolso realizado pelo FGI, por conta e ordem do Agente Financeiro, referente à parcela garantida do financiamento, para o reembolso, ao Agente Financeiro, de prestações inadimplidas e para o pagamento, ao BNDES ou à FINAME, das prestações vincendas do financiamento. Este adiantamento é realizado pelo FGI, proporcionalmente ao percentual de cobertura fixado em contrato e em função da obrigação financeira entre o Agente Financeiro e o BNDES ou a FINAME: (i) diretamente ao Agente Financeiro para as prestações vencidas e recolhidas, pelo Agente Financeiro, ao BNDES ou à FINAME; e (ii) diretamente ao BNDES ou à FINAME, em nome e por conta do Agente Financeiro, para o saldo vincendo do contrato. O adiantamento será convertido em honra definitiva uma vez atendidas as condições previstas no artigo 33 do Regulamento do FGI e constatada, pelo Administrador do FGI, a inviabilidade da recuperação do crédito remanescente. Cancelamento da garantia É a extinção da garantia outorgada, com restituição ao FGI do valor do adiantamento de honra, deduzidos os valores repassados ao FGI em razão de recuperação de crédito, havendo atualização pela Taxa Média Referencial do Sistema de Liquidação e Custódia Selic desde as respectivas datas dos pagamentos e recebimentos até a data da restituição. O cancelamento da garantia não ensejará devolução do Encargo de Concessão de Garantia - ECG e impossibilitará novas solicitações de honra de garantia para a operação em questão. Cesta Garantida É o conjunto de operações contratadas pelo Agente Financeiro em um determinado período de referência, com garantia do FGI. A Cesta Garantida é formada pelo conjunto de operações contratadas pelo Agente Financeiro dentro de um mesmo quinquênio (período de referência previsto no 2º do 2

3 artigo 24 do estatuto do FGI e descrito no artigo 12 do Regulamento do FGI) e garantidas pelo FGI. A primeira cesta tem início na data da subscrição inicial de cotas do Agente Financeiro, e cada nova cesta terá início no dia seguinte ao do vencimento da anterior. É determinante para a apuração do Índice de Cobertura da Inadimplência (ICI) e do Limite Disponível de Cobertura de Inadimplência (LDC), descritos adiante. Comprovação de Ações ou Medidas Judiciais para Recuperação do Crédito A apresentação ao BNDES de cópia da petição inicial da medida judicial, devidamente protocolizada, para recuperação do crédito. Na comprovação do ajuizamento da medida judicial o Agente Financeiro deverá cumprir os requisitos descritos na seção 4 desta Circular. Devolução do adiantamento de honra É a devolução, pelo Agente Financeiro, dos valores desembolsados pelo FGI a título de adiantamento de honra, subtraídos dos valores repassados ao FGI a título de recuperação de crédito. A devolução enseja atualização dos valores pagos, pela Taxa Média Referencial do Sistema de Liquidação e Custódia Selic e deve ocorrer mediante cobrança. Índice de Cobertura de Inadimplência (ICI) Indica as perdas cobertas pelo FGI, por Agente Financeiro, em operações contratadas em um período de referência. O Índice de Cobertura de Inadimplência (ICI) é utilizado para limitar as perdas cobertas pelo FGI em operações garantidas de um mesmo Agente Financeiro que foram contratadas em determinado período de referência (v. termo Cesta Garantida ), conforme descrito no artigo 12 do Regulamento do FGI. O índice é apurado para cada Cesta Garantida de cada Agente Financeiro, e sua apuração ocorre mensalmente, considerando como data-base o último dia do mês anterior, conforme a fórmula abaixo: ICI = VHO VRO VGL Onde: VHO = Valores honrados e a honrar pelo FGI das operações objeto de adiantamento de honra do período de referência (v. Cesta Garantida ); VRO = Valores recuperados ao FGI das operações do período de referência; e, VGL = Valores liberados dos financiamentos contratados no período de referência, ponderados pelos percentuais da garantia outorgada. Os valores componentes dos termos acima (VHO, VRO e VGL) são atualizados pelos encargos de normalidade das operações, dentro dos prazos e condições contratuais pactuados entre os Agentes Financeiros e o BNDES ou a FINAME. 3

4 O Índice de Cobertura de Inadimplência (ICI) será divulgado mensalmente pelo Administrador do FGI no portal de relacionamento do Fundo. Limite Disponível de Cobertura de Inadimplência (LDC) A diferença entre o valor correspondente ao limite previsto no artigo 24 do estatuto do FGI (sete por cento) e o valor total das coberturas autorizadas pelo FGI. O Limite Disponível de Cobertura de Inadimplência (LDC) será calculado para cada Cesta Garantida, de cada Agente Financeiro, para a realização do adiantamento de honra em novas solicitações de honra de garantia. A apuração deste limite ocorre mensalmente, considerando como data-base o último dia do mês anterior, conforme a fórmula abaixo: LDC = 7% x VGL VHO + VRO Onde: VHO = Valores honrados e a honrar pelo FGI das operações objeto de adiantamento de honra do período de referência (v. Cesta Garantida ); VRO = Valores recuperados ao FGI das operações do período de referência; e, VGL = Valores liberados dos financiamentos contratados no período de referência ponderados pelos percentuais das coberturas outorgadas. Os valores componentes dos termos acima (VHO, VRO e VGL) são atualizados pelos encargos de normalidade das operações, dentro dos prazos e condições contratuais pactuados entre os Agentes Financeiros e o BNDES ou a FINAME. O Limite Disponível de Cobertura de Inadimplência (LDC) será divulgado mensalmente pelo Administrador do FGI no portal de relacionamento do Fundo. Principal inadimplido saldo devedor relativo ao principal do financiamento, incluindo as prestações vencidas e vincendas. Medida Judicial para Recuperação do Crédito Procedimento judicial adotado pelo Agente Financeiro com vistas à recuperação da totalidade do crédito inadimplido. Solicitação de honra Pedido eletrônico de acionamento da cobertura em operação com garantia do FGI, enviado pelo Agente Financeiro por meio do Portal FGI. A solicitação de honra deverá atender os termos da regulamentação do FGI e os procedimentos operacionais descritos nesta Circular. Suspensão da Cobertura É o não deferimento da honra da garantia em razão de o valor dos adiantamentos de honra das operações contratadas em um determinado período de referência atingirem 7% (sete por cento) do somatório dos valores liberados dos financiamentos contratados pelo Agente Financeiro neste mesmo período de referência. 4

5 A suspensão dos adiantamentos de honra pode ocorrer caso as operações objeto de solicitação de honra de garantia não sejam processadas em função da insuficiência de Limite Disponível de Cobertura de Inadimplência (LDC) do Agente Financeiro na Cesta Garantida. Estas operações poderão ter nova solicitação de honra de garantia por parte do Agente Financeiro, observando-se o referido limite. Suspensão dos adiantamentos por descumprimento de obrigações É a suspensão dos adiantamentos de honra, em razão do descumprimento, por parte do Agente Financeiro, de alguma obrigação perante o FGI. A suspensão também poderá ocorrer caso o Agente Financeiro se encontre em situação de inadimplemento em uma cobrança emitida a favor do FGI ou em outra obrigação perante o Fundo. Neste caso, não será necessário o envio de nova solicitação de honra, sendo o adiantamento de honra realizado no mês posterior à liquidação ou regularização de tais obrigações pelo Agente. 2. CONDIÇÕES GERAIS 2.1. PORTAL DE RELACIONAMENTO Os procedimentos operacionais relativos à solicitação de honra e à comprovação do ajuizamento da medida judicial para recuperação do crédito, bem como aqueles relacionados à recuperação de crédito, ao cancelamento da garantia e ao envio e recebimento de relatórios de informações referentes a operações com garantia do FGI, deverão ser realizados por meio de portal eletrônico na rede mundial de computadores, em seção exclusiva de cada agente financeiro cotista do FGI, que pode ser acessada por meio do endereço ACESSO AO PORTAL O Agente Financeiro habilitado para a contratação de operações com garantia do FGI deve solicitar a criação de senha de acesso mediante o encaminhamento de informações de contato do solicitante ao correio eletrônico As instruções para a retirada e criação de senhas subordinadas para uso do Agente Financeiro serão fornecidas pelo BNDES ou estarão disponíveis no portal. 3. SOLICITAÇÃO DE HONRA DE GARANTIA 3.1. ENCAMINHAMENTO DA SOLICITAÇÃO 5

6 A solicitação de honra de garantia deverá ocorrer por meio de envio de arquivo eletrônico, através do portal de relacionamento do FGI, conforme layout definido no Anexo I a esta Circular, e deverá ser encaminhada entre o 1º e o 15º dia de cada mês ou, excepcionalmente, em datas fixadas pelo BNDES informadas através do portal. O encaminhamento pelo Agente Financeiro da solicitação de honra deverá ser precedido pelo ajuizamento da medida judicial para recuperação do crédito, salvo nos casos em que houver i) dispensa do ajuizamento, conforme previsto na seção 4.5; ii) dispensa da comprovação de adoção das medidas judiciais previamente à solicitação de honra, prevista na seção 4.6 desta circular; ou iii) dispensa condicionada da adoção das medidas judiciais previamente à solicitação de honra, prevista na seção 4.7 desta Circular. O envio da documentação de comprovação do ajuizamento deverá ser realizado, para cada contrato objeto de solicitação de honra de garantia, até o término do período para envio da respectiva solicitação de honra de garantia, nos termos das seções 4.1 a 4.4 desta Circular. O envio da solicitação por parte do Agente Financeiro poderá ocorrer em dias úteis ou não úteis. A data-limite para envio deverá ser respeitada independentemente de se configurar dia útil. O Agente Financeiro deverá listar no arquivo de solicitação todos os contratos para os quais deseja acionar a cobertura do FGI e prover as informações constantes do layout definido no Anexo I a esta Circular, inclusive a informação da data da prestação mais antiga não paga pela beneficiária que seja objeto da solicitação, no momento do envio. Valores e datas de recebimentos parciais associados a esta prestação deverão ser informados no arquivo. Para fins da solicitação de honra, quando houver quaisquer eventos de recebimentos prévios à solicitação de honra, o Agente Financeiro deverá efetuar a baixa das prestações inadimplidas na ordem da mais antiga para a mais recente. O Agente Financeiro deverá declarar a observância aos procedimentos constantes do instrumento contratual firmado com o FGI e do Regulamento do FGI, previamente ao envio do arquivo VALIDAÇÃO DA SOLICITAÇÃO A validação das solicitações de honra de garantia ocorrerá em quatro etapas subsequentes: I - Validação de Formato o formato do arquivo de solicitação será analisado por um mecanismo automático do sistema. Caso a análise identifique inconsistência de formato do arquivo, a solicitação será considerada inválida e o lote de contratos eventualmente constante deste arquivo será rejeitado como um todo. II - Validação de Conteúdo após a validação do formato, o conteúdo do arquivo será criticado pelo sistema (maiores informações sobre o layout dos arquivos estão disponíveis no Anexo I a esta Circular). A verificação de conteúdo será feita para cada contrato de maneira independente, contemplando as condições a seguir, cumulativamente: 6

7 a) o Agente Financeiro deve ter cumprido suas obrigações financeiras com o FGI, nos termos do Regulamento e da seção 8 desta Circular; b) o contrato deve ser do Agente Financeiro e também possuir garantia do FGI que não tenha sido cancelada; c) o Agente Financeiro deve ter cumprido suas obrigações financeiras com o BNDES ou a FINAME no contrato em questão; d) o contrato não pode ter sido objeto de adiantamento de honra pelo FGI; e) deve haver, no mínimo, 90 (noventa) dias corridos entre a data da obrigação financeira mais antiga não paga pela beneficiária e a data da solicitação de honra de garantia; f) não pode haver liquidação antecipada total no contrato ou liquidação antecipada parcial posterior à data da prestação mais antiga não paga pela beneficiária que seja objeto da solicitação; g) não pode haver prestações objeto de refinanciamento mediante linhas ou programas de refinanciamento do BNDES ou da FINAME REFIN; h) as prestações declaradas inadimplentes deverão ser existentes no financiamento entre o Agente Financeiro e o BNDES ou a FINAME. III - Validação de Limite Disponível de Cobertura (LDC) o valor a ser comprometido pelo FGI com o adiantamento de honra no contrato deverá ser inferior ao LDC aplicável à Cesta Garantida relacionada a este contrato. Esta validação será sequencial, observando a ordem de prioridade definida pelo Agente Financeiro no arquivo de solicitação de honra. O comprometimento do valor do adiantamento de honra de um contrato ocorrerá somente se restar limite após o comprometimento das demais solicitações relacionadas à mesma Cesta Garantida, seguindo a ordem constante no arquivo. Esta verificação será realizada somente para os contratos que atenderem integralmente às condições dos itens I e II desta seção. IV Validação da comprovação do ajuizamento da medida judicial para recuperação do crédito para cada contrato, de maneira independente, deverá constar, até a data-limite para envio da solicitação de honra, um arquivo válido de comprovação do ajuizamento da medida judicial para recuperação do crédito, conforme disposto nas seções 4.1 a 4.4, ressalvadas as hipóteses previstas nas seções 4.5 a 4.7. Não poderá haver prestação na solicitação de honra não constante da medida judicial para recuperação do crédito. Outrossim, o valor solicitado não poderá ser superior ao ajuizado. Contratos provenientes de arquivo de solicitação que tenha sido substituído pelo Agente Financeiro, nos termos da seção 3.4, serão desconsiderados. Os constantes de arquivo que não tenha sofrido tal substituição terão o seguinte tratamento: Contratos que satisfaçam integralmente as condições descritas nos itens I, II, III e IV desta seção serão considerados válidos, tendo como data de protocolo da solicitação a data de envio do arquivo da solicitação de honra pelo Agente Financeiro; Contratos que satisfaçam integralmente as condições descritas nos itens I, II e IV desta seção, sem atender à descrita no item III, terão seu protocolo considerado válido, mas não serão processados. Neste caso, o Agente Financeiro deverá encaminhar nova solicitação de honra de garantia para este contrato, observada a condição do item III; 7

8 Contratos que se submetam ao procedimento de dispensa condicionada da adoção das medidas judiciais previamente à solicitação de honra, conforme descrito na seção 4.7, serão considerados válidos, para fins de geração de protocolo, desde que satisfaçam as condições descritas nos itens I e II desta seção, devendo também satisfazer a condição descrita no item III para seu processamento. A validação do item IV desta seção será realizada após a comprovação do ajuizamento, nos termos da seção 4.7. Contratos que não satisfaçam qualquer das condições de validação do conteúdo descritas nos itens II e IV, terão sua solicitação considerada inválida RETORNO DA CRÍTICA Após o envio da solicitação de honra de garantia, o Agente Financeiro receberá, de maneira imediata no portal, mensagem de retorno. Essa mensagem indicará o resultado preliminar da validação realizada para o arquivo, considerando apenas a condição de validação descrita no item 3.2 I. desta Circular. Os arquivos de retorno, com a consideração das críticas de validação descritas nos itens 3.2 II. e 3.2 III. desta Circular, estarão disponíveis ao Agente Financeiro no portal em até 1(um) dia útil após a data do envio da solicitação de honra de garantia. A validação constante do item 3.2 IV. será realizada nos termos da seção 4.2 desta Circular SUBSTITUIÇÃO DE ARQUIVOS Dentro do período compreendido entre as datas fixadas para o encaminhamento de solicitações de honra de garantia na seção 3.1, será possível a substituição, pelo Agente Financeiro, do arquivo de solicitação encaminhado naquele mês. O último arquivo encaminhado no período, com formato considerado válido, de acordo com o item 3.2 I., substituirá eventual(is) arquivo(s) anterior(es), e será o único considerado para efeito de processamento. A cada substituição, o processo de validação (descrito na seção 3.2) será novamente aplicado e nova mensagem e arquivo de retorno serão disponibilizados para o Agente PROCESSAMENTO DA SOLICITAÇÃO DE HONRA Previamente ao processamento da solicitação de honra, para as solicitações consideradas válidas, nos termos da seção 3.2, serão novamente verificadas, ao final do mês, as condições constantes do item 3.2 II. O processamento será efetuado para os contratos que satisfaçam estas condições. O adiantamento de honra, nos termos do Regulamento do FGI, será realizado no dia 15 do mês subsequente à solicitação aprovada ou no dia útil imediatamente posterior. O FGI adiantará ao Agente Financeiro, mediante reembolso, os valores relacionados às prestações recolhidas ao BNDES ou à FINAME que não tenham sido pagas pela beneficiária nos 12 8

9 meses anteriores à solicitação de honra de garantia, multiplicado pelo percentual de cobertura da operação pelo FGI. Na mesma data, o Fundo adiantará, por meio de pagamento ao BNDES ou à FINAME, em nome e por conta do Agente Financeiro, o valor proporcional ao risco assumido pelo Fundo do saldo devedor da operação junto ao BNDES ou à FINAME, nos termos do Regulamento do FGI. São excluídas da garantia outorgada pelo FGI as liberações de crédito realizadas em situação de inadimplemento da Beneficiária perante o Agente Financeiro, portanto os valores liberados nessa situação não comporão o saldo do cálculo do adiantamento de honra. Também serão excluídas da cobertura do FGI as prestações objeto de refinanciamento mediante linhas ou programas de refinanciamento do BNDES ou da FINAME - REFIN, independentemente de ter havido devolução de prestações ao Agente Financeiro. Entende-se que, havendo REFIN, a beneficiária retorna à condição de adimplente. Caso o Agente Financeiro venha a solicitar honra após o refinanciamento, serão passíveis de honra as prestações a partir do primeiro vencimento acordado na Homologação da Solicitação de Refinanciamento. Exclusivamente no caso de nova solicitação de honra relativa a contrato que tenha tido sua cobertura suspensa por conta do LDC, será levada em consideração a data de protocolo da primeira solicitação de honra para consideração dos 12 (doze) meses anteriores à solicitação, desde que a primeira solicitação de honra tenha satisfeito integralmente as condições descritas nos itens 3.2 I., 3.2 II. e 3.2 IV. Estarão disponíveis no portal os extratos de processamento de cada mês, com informações dos contratos efetivamente processados e dos valores pagos pelo FGI a título de adiantamento de honra, por contrato, no período PROPORÇÃO DO INADIMPLEMENTO A apuração pelo BNDES do valor a ser pago a título de adiantamento de honra, referente à prestação em que tenha havido recebimento parcial pelo Agente Financeiro junto à beneficiária, considerará a proporção do inadimplemento, que será calculada da seguinte forma: PI = 1 mín {(VR/VP),1}, onde PI = proporção do inadimplemento VR = soma dos valores totais recebidos pelo Agente Financeiro associados à prestação, atualizados desde as datas dos respectivos recebimentos pela Taxa Média Referencial do Sistema de Liquidação e Custódia Selic VP = valor total da prestação paga pelo Agente Financeiro ao BNDES ou à FINAME, composta exclusivamente por principal e encargos de normalidade, atualizado desde a data do respectivo pagamento pela Taxa Média Referencial do Sistema de Liquidação e Custódia Selic 9

10 A proporção do inadimplemento obtida acima será multiplicada pelo valor da prestação recolhida pelo Agente Financeiro junto ao BNDES ou à FINAME, composta exclusivamente por principal e encargos de normalidade, sendo o resultado multiplicado pelo percentual de cobertura da operação pelo FGI. O valor obtido será atualizado de acordo com os termos do Regulamento do FGI, para a determinação do valor a ser pago a título de adiantamento de honra relacionado à prestação em questão. No âmbito do cálculo da proporção do inadimplemento, a apropriação de qualquer recebimento parcial será proporcional entre principal e encargos de normalidade FORMATO DOS ARQUIVOS O formato de arquivos relacionados à solicitação de honra deverá observar o layout definido no Anexo I a esta Circular. 4. COMPROVAÇÃO DO AJUIZAMENTO DA MEDIDA JUDICIAL PARA RECUPERAÇÃO DO CRÉDITO 4.1. PROCEDIMENTOS PARA COMPROVAÇÃO A comprovação do ajuizamento da medida judicial para recuperação do crédito deverá ocorrer até o 15º dia do mês da solicitação de honra da garantia, ressalvadas as situações de dispensa do ajuizamento, prevista na seção 4.5, de dispensa da comprovação de adoção das medidas judiciais previamente à solicitação de honra, prevista na seção 4.6, e de dispensa condicionada da adoção das medidas judiciais previamente à solicitação de honra, prevista na seção 4.7 desta Circular. Para a comprovação do ajuizamento da medida judicial para recuperação do crédito, o Agente Financeiro deverá encaminhar, por meio do portal, para cada contrato, cópia eletrônica da Petição Inicial protocolizada, em arquivo imagem, que deverá ser completa, legível e referente ao contrato objeto de comprovação. Obrigatoriamente, este arquivo deverá conter o protocolo do juízo e o demonstrativo do débito conforme protocolo do juízo, com informação de todas as prestações referentes ao contrato que compõem a dívida ajuizada e a composição desta dívida por prestação. As informações devem estar livres de distorções que impossibilitem seu processamento, como inconsistências na apropriação de prestações e valores VALIDAÇÃO DO ARQUIVO A validação do arquivo ocorrerá em duas etapas subsequentes: I - Validação de Formato para o arquivo descrito na seção 4.1 o formato do arquivo imagem descrito na seção 4.1 será analisado por um mecanismo automático do sistema. Caso a análise identifique inconsistência de formato do arquivo, a comprovação referente ao contrato 10

11 será considerada inválida e o Agente Financeiro será comunicado, por meio do portal. Os formatos aceitos serão informados por meio do portal de relacionamento. II - Validação de Conteúdo para o arquivo da seção após a validação do formato, o conteúdo do arquivo descrito na seção 4.1 será criticado pelo sistema. A validação de conteúdo será feita contemplando as condições a seguir, sendo que a inobservância de qualquer dos requisitos abaixo implicará na invalidade da comprovação referente ao contrato: a) o contrato deve ser do Agente Financeiro e também possuir garantia do FGI que não tenha sido cancelada; b) não pode haver comprovação do ajuizamento da medida judicial para recuperação do crédito relacionada ao contrato que tenha sido validada anteriormente, nos termos desta seção; Caso o arquivo enviado para o contrato em questão satisfaça integralmente as condições de validação acima, a comprovação será considerada válida e seu protocolo será a data de envio do arquivo pelo Agente Financeiro, não estando sujeita a rejeição em caso de disparidade com a solicitação de honra (item IV da seção 3.2). O Agente Financeiro será informado do resultado da validação por meio do portal RETORNO DA VALIDAÇÃO Após o envio do arquivo no âmbito da comprovação da medida judicial para recuperação do crédito, o Agente Financeiro receberá, de maneira imediata no portal, mensagem de retorno referente à validação do item 4.2 I. Esta mensagem de retorno indicará o resultado preliminar da validação realizada para o arquivo, sem considerar as condições de validação descritas no item 4.2 II. desta Circular. O retorno final referente à validação da comprovação, considerando a crítica de validação descrita na seção 4.2 desta Circular, estará disponível ao Agente Financeiro no portal, em área específica de retorno. Caso o retorno final indique que a comprovação não tenha sido validada, o Agente Financeiro deverá enviar novamente o arquivo retificado, considerando as condições descritas na seção 4 desta Circular SUBSTITUIÇÃO DE ARQUIVOS Anteriormente à validação da comprovação do ajuizamento da medida judicial para recuperação do crédito, nos termos da seção 4.2 desta Circular, será possível a substituição de arquivo no âmbito deste processo, sempre sujeita à validação nos termos da seção 4.2 desta Circular. O último arquivo encaminhado com formato considerado válido, de acordo com o item 4.2 I., substituirá eventual arquivo anterior para o contrato em questão e será o único considerado para efeito de processamento e análise. A cada substituição, o processo de validação (descrito na seção 4.2) será novamente aplicado e nova informação de retorno será disponibilizada para o Agente, observadas as condições da seção

12 4.5. DISPENSA DO AJUIZAMENTO DAS MEDIDAS JUDICIAIS O Agente Financeiro será dispensado do ajuizamento de medida judicial para recuperação do crédito para os contratos cujo principal inadimplido, tanto das prestações vencidas quanto das vincendas, seja igual ou inferior a R$ ,00 (trinta mil reais) DISPENSA DA COMPROVAÇÃO DE ADOÇÃO DAS MEDIDAS JUDICIAIS PREVIAMENTE À SOLICITAÇÃO DE HONRA O Agente Financeiro será dispensado da comprovação do ajuizamento de medida judicial para recuperação do crédito previamente à solicitação de honra, para os contratos cujo principal inadimplido, tanto das prestações vencidas quanto das vincendas, seja igual ou inferior a R$ ,00 (trezentos mil reais), mas superior a R$ ,00 (trinta mil reais), devendo adotar os procedimentos extrajudiciais e judiciais que usualmente empregar em suas operações de crédito, comprovando a adoção destas medidas para fins de honra definitiva e auditoria operacional, conforme previsto no Regulamento do FGI DISPENSA CONDICIONADA DA ADOÇÃO DAS MEDIDAS JUDICIAIS PREVIAMENTE À SOLICITAÇÃO DE HONRA Em caso de impossibilidade de propositura de medida judicial para recuperação do crédito em face da beneficiária ou dos coobrigados, devedores solidários e quaisquer outros garantidores, em razão de deferimento de processamento de pedido de recuperação judicial, o Agente Financeiro deverá encaminhar ao Administrador do FGI cópia eletrônica da documentação comprobatória de tal impossibilidade, via correio eletrônico, ao endereço a fim de obter a dispensa condicionada da adoção das medidas judiciais previamente à solicitação de honra, por meio da qual terá autorização para solicitar a honra de garantia sem o prévio ajuizamento de medida judicial. Independente do deferimento do pedido de recuperação judicial da devedora, caso o Agente Financeiro não esteja impossibilitado de propor as medidas judiciais necessárias em face de qualquer dos coobrigados, subsiste a obrigação de comprovar a adoção destas medidas em face dos mesmos, para fins de solicitação de honra de garantia, ressalvado o disposto nas seções 4.5 e 4.6, ou de auditoria operacional, conforme descrito no regulamento do Fundo. A duração da dispensa será determinada pelo Administrador do FGI e o Agente Financeiro deverá enviar a solicitação de honra para o contrato em questão dentro desse período, sob o risco de não usufruir dos efeitos desta dispensa. Caso o Administrador do FGI considere o pedido procedente, o Fundo adiantará ao Agente Financeiro, mediante reembolso, os valores relacionados às prestações recolhidas ao BNDES ou à FINAME que não tenham sido pagas pela beneficiária nos 12 meses anteriores ao mês da solicitação de honra, multiplicado pelo percentual de cobertura da operação pelo FGI, sem prejuízo das demais condições para a autorização da cobertura. 12

13 A partir da cessação dos efeitos da decisão que obstou o ajuizamento da medida judicial para a recuperação do crédito, o Agente Financeiro deverá ajuizar a medida judicial em até 60 dias e comprovar o ajuizamento, por meio do portal, em até 60 dias da adoção dessas medidas, sob pena de restituição ao FGI do adiantamento referente às prestações que sobejarem às vencidas nos 12 meses anteriores ao mês da comprovação da adoção da medida judicial, atualizado pela Taxa Média Referencial do Sistema de Liquidação e Custódia Selic, desde o respectivo desembolso. Eventuais disparidades constatadas na comprovação do ajuizamento da medida judicial em relação à solicitação de honra da garantia ensejarão a devolução da diferença ao FGI, atualizada pela Taxa Média Referencial do Sistema de Liquidação e Custódia Selic. 5. RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO 5.1. APLICABILIDADE A aplicabilidade das regras descritas nos artigos 31 e 32 do Regulamento do FGI, relacionadas à composição dos valores devidos ao FGI e ao rateio dos recursos recuperados, refere-se exclusivamente à recuperação de crédito de operações em que tenha havido adiantamento de honra pelo FGI. Caso ocorra o recebimento, pelo Agente Financeiro, de valores provenientes de operações com garantia do FGI, após a solicitação de honra de garantia e antes do início do adiantamento de honra, o Agente Financeiro deverá comunicar o fato ao BNDES imediatamente, através do contato indicado para suporte operacional no portal de relacionamento do FGI, para a realização de acerto financeiro ENCAMINHAMENTO DA INFORMAÇÃO SOBRE A RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO A informação sobre a recuperação de crédito de operações em que tenha havido adiantamento de honra pelo FGI deverá ser encaminhada pelo Agente Financeiro por meio de arquivo eletrônico, através do portal de relacionamento do FGI, conforme o layout definido no Anexo II a esta Circular. O envio da informação por parte do Agente Financeiro poderá ocorrer a qualquer tempo, em dias úteis ou não. Entretanto, é importante destacar que, de acordo com o artigo 32 do Regulamento do FGI, os valores recuperados deverão ser informados pelo Agente Financeiro no prazo de até 90 (noventa) dias corridos contados a partir de sua disponibilidade para o Agente Financeiro, sendo que, após este prazo, os valores deverão ser acrescidos de multa de 10% (dez por cento) e atualizados pela Taxa Média Referencial do Sistema de Liquidação e Custódia Selic, conforme previsto no artigo 42 do Regulamento. 13

14 O Agente Financeiro poderá enviar, a qualquer momento e sem limite mensal, arquivos contendo um ou mais eventos financeiros de recuperação de crédito associados a operações garantidas em que tenha havido adiantamento de honra pelo FGI. Eventos financeiros de recuperação de crédito associados a um mesmo contrato, porém ocorridos em datas distintas, deverão ser enviados em ordem cronológica, na qual serão processados. Eventos financeiros ocorridos num mesmo dia, referentes a um mesmo contrato, deverão ser enviados de maneira agregada, de modo que não haja duas ou mais recuperações informadas para, simultaneamente, um mesmo contrato e uma mesma data de recuperação, seja em um mesmo arquivo ou em mais de um VALIDAÇÃO DO ENVIO DA INFORMAÇÃO A validação do arquivo ocorrerá em duas etapas subsequentes: I - Validação de Formato o formato do arquivo de informação sobre a recuperação de crédito será analisado por um mecanismo automático do sistema. Caso a análise identifique inconsistência de formato do arquivo, a informação será considerada inválida e rejeitada. II - Validação de Conteúdo imediatamente após a validação do formato, o conteúdo do arquivo será criticado pelo sistema (maiores informações sobre o layout dos arquivos estão disponíveis no Anexo II a esta Circular). A verificação de conteúdo contemplará as condições a seguir, cumulativamente: cada contrato deve ser do Agente Financeiro e também possuir garantia do FGI que não tenha sido cancelada; cada contrato deve ter sido objeto de adiantamento de honra pelo FGI, em data anterior ou igual à do evento de recuperação informado; contratos informados no arquivo não podem constar em arquivo enviado anteriormente que esteja no estado Com pendências Entrar em Contato (ver adiante nesta seção); o cadastro (CNPJ ou CPF) da beneficiária de cada contrato informado no arquivo deve ser o mesmo registrado nas bases de dados do BNDES em relação ao contrato; o valor do repasse deverá ser consistente com o percentual de garantia ou com o percentual de repasse mínimo estipulado no artigo 32 do Regulamento do FGI, caso o Agente opte pela utilização desta regra de rateio; caso o arquivo seja retificador (ver seção 5.5), o código identificador do arquivo a ser retificado deverá corresponder a código existente. Arquivos que satisfaçam integralmente às condições descritas nos itens I e II desta seção serão considerados válidos, tendo como data de protocolo da informação a data de envio do arquivo pelo Agente Financeiro. Caso o valor de repasse ao FGI informado no contrato supere o saldo do adiantamento de honra atualizado pelas condições de repasse acordadas entre o Agente Financeiro e o BNDES ou a FINAME, a cobrança será emitida pelo valor do saldo remanescente. 14

15 Arquivos que não satisfaçam a qualquer das condições de validação do conteúdo descritas no item II terão seu envio considerado inválido. Caso o sistema identifique algum erro no valor a ser repassado ao FGI a título de recuperação de crédito, o arquivo assumirá o estado Com Pendências Entrar em contato. Nesse caso, o Agente Financeiro deverá submeter um arquivo retificador ou entrar em contato com o Administrador do FGI, a fim de sanar as pendências. O Agente Financeiro terá 30 dias para retificar o arquivo nos termos da seção 5.5 desta Circular, prazo após o qual o arquivo será recusado. Caso o arquivo assuma o estado Recusado, mas haja alguma informação de recuperação de crédito a ser enviada ao FGI, o Agente Financeiro deverá enviar novo arquivo (não retificador) a fim de proceder à devida informação RETORNO DA CRÍTICA Após o envio de informação sobre a recuperação de crédito, nos termos desta Circular, o Agente Financeiro receberá, de maneira imediata no portal, mensagem de retorno. Esta mensagem de retorno indicará o resultado preliminar da validação realizada para o arquivo, considerando apenas a condição de validação descrita no item 5.3 I. desta Circular. Ao confirmar o recebimento de um arquivo de informação sobre a recuperação de crédito, o sistema gerará um código de identificação correspondente. Este código deverá ser utilizado caso o Agente Financeiro deseje retificar a informação constante do arquivo. O arquivo de retorno indicando as divergências identificadas pelas críticas de validação descritas no item 5.3 II. desta Circular estará disponível ao Agente Financeiro no portal em até 1 (um) dia útil após a data do envio da informação sobre a recuperação de crédito SUBSTITUIÇÃO DE ARQUIVOS (arquivo retificador) Será possível a substituição de arquivos no âmbito do envio de informações sobre a recuperação de crédito, mediante o envio de arquivo retificador, conforme o layout definido no Anexo II a esta Circular. O arquivo retificador deverá conter a identificação do arquivo enviado anteriormente e estará sempre sujeito à validação nos termos da seção 5.3 desta Circular. A cada retificação de arquivo, o processo de validação (descrito na seção 5.3) será novamente aplicado a cada contrato e nova mensagem e arquivo de retorno serão disponibilizados para o Agente Financeiro. O último arquivo encaminhado pelo Agente Financeiro que tenha sido considerado válido de acordo com a seção 5.3 desta Circular substituirá o arquivo anterior correspondente e será considerado para efeito de processamento da cobrança pelo FGI dos valores recuperados, de acordo com as condições a seguir. 15

16 Caso a ficha de cobrança referente ao arquivo retificado: I não tenha sido emitida, a ficha já será emitida ao Agente Financeiro, para pagamento ao FGI, com base no arquivo retificador; II tenha sido emitida, mas não tenha sido liquidada pelo Agente Financeiro, a ficha será cancelada, sendo emitida posteriormente nova ficha de cobrança ao Agente Financeiro, para pagamento ao FGI, com base no arquivo retificador; III - tenha sido liquidada pelo Agente Financeiro, o pagamento será estornado, sendo emitida posteriormente nova ficha de cobrança ao Agente Financeiro, para pagamento ao FGI, com base no arquivo retificador FORMATO DOS ARQUIVOS O formato dos arquivos relacionados à informação sobre a recuperação de crédito de operações em que tenha havido adiantamento de honra pelo FGI deverá observar o layout definido no Anexo II a esta Circular. 6. PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE OPERAÇÕES COM GARANTIA DO FGI PELOS AGENTES FINANCEIROS 6.1. ENVIO DE INFORMAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DE OPERAÇÕES COM GARANTIA DO FGI EM FASE DE RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO O Agente Financeiro deverá enviar arquivo com informação sobre o acompanhamento de operações com garantia do FGI em fase de recuperação de crédito, conforme layout definido no Anexo III a esta Circular. O envio do arquivo deverá ocorrer semestralmente, até o dia 15 (quinze) dos meses de fevereiro e agosto de cada ano, sempre considerando como data-base, respectivamente, os dias 31 de dezembro e 30 de junho. Caso, na data-base, não haja qualquer operação com garantia do FGI em fase de recuperação de crédito, o Agente Financeiro ficará dispensado de tal envio.. A validação do arquivo ocorrerá em duas etapas subsequentes: I - Validação de Formato o formato do arquivo sobre o acompanhamento de operações com garantia do FGI em fase de recuperação de crédito será analisado por um mecanismo automático do sistema. Caso a análise identifique inconsistência de formato do arquivo, a informação será considerada inválida e rejeitada. II - Validação de Conteúdo imediatamente após a validação do formato, o conteúdo do arquivo será criticado pelo sistema (maiores informações sobre o layout dos arquivos estão 16

17 disponíveis no Anexo III a esta Circular). A verificação de conteúdo contemplará as condições a seguir, cumulativamente: a) todos os contratos devem ser do Agente Financeiro e também possuir garantia do FGI que não tenha sido cancelada; b) todos os contratos do Agente Financeiro que tenham sido objeto de adiantamento de honra pelo FGI, sem que tenham provimento definitivo de honra, deverão ser contemplados no arquivo. Arquivos que satisfaçam integralmente as condições descritas nos itens I e II desta seção serão considerados válidos, tendo como data de protocolo da informação a data de envio do arquivo pelo Agente Financeiro. Arquivos que não satisfaçam a qualquer das condições de validação do conteúdo descritas no item II desta seção terão seu envio considerado inválido. O Agente Financeiro receberá, de maneira imediata no portal, mensagem de retorno, após o envio de informação sobre o acompanhamento de operações com garantia do FGI em fase de recuperação de crédito, nos termos desta seção. Esta mensagem de retorno indicará o resultado preliminar da validação realizada para o arquivo, considerando apenas a condição de validação descrita no item 6.1 I. acima. O arquivo de retorno, com a consideração da crítica de validação descrita no item 6.1 II. acima, estará disponível ao Agente Financeiro no portal em até 1 (um) dia útil após a data do envio da informação. Será possível a substituição de arquivos no âmbito do envio de informação sobre o acompanhamento de operações com garantia do FGI em fase de recuperação de crédito, desde que ocorra até o último dia do segundo mês subsequente ao de sua data-base, mediante o reenvio de arquivo, conforme o layout definido no Anexo III a esta Circular. O novo arquivo estará sujeito à validação nos termos desta seção e a cada novo envio, nova mensagem e arquivo de retorno serão disponibilizados para o Agente. O último arquivo encaminhado que tenha sido considerado válido, de acordo com as condições desta seção, substituirá o arquivo anterior correspondente. 7. CANCELAMENTO DA GARANTIA O Agente Financeiro poderá solicitar o cancelamento da garantia do contrato por meio de área específica do portal de relacionamento do FGI, com a informação do número do contrato relacionado à solicitação, de acordo com o previsto no Regulamento do FGI. A garantia da operação será cancelada de forma definitiva, o que acarretará: i) cobrança de eventuais valores objeto de adiantamento de honra, atualizados pela Taxa Média Referencial do Sistema de Liquidação e Custódia Selic, deduzidos 17

18 ii) os valores eventualmente recuperados, no contrato, pelo Agente Financeiro ao FGI; e bloqueio imediato do pagamento do adiantamento de honra pelo FGI relacionado a esta operação. Neste caso, não poderá ser novamente solicitada honra de garantia para a operação. Caso o Agente Financeiro deixe de observar os normativos do FGI, caso seja constatada alguma irregularidade em auditoria ou caso seja constatada negligência por parte do Agente Financeiro na recuperação do crédito, a garantia poderá ser cancelada, nos termos descritos nesta seção e no Regulamento do FGI, e o Agente Financeiro será informado pelo BNDES. 8. LIQUIDAÇÃO DE COBRANÇA PROVENIENTE DA RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS OU DO CANCELAMENTO DA GARANTIA EM OPERAÇÕES COM GARANTIA DO FGI Os valores a serem repassados ao FGI, pelo Agente Financeiro, provenientes da recuperação de créditos ou do cancelamento da garantia de operações em que tenha havido adiantamento de honra pelo FGI, deverão ser liquidados por meio de fichas de cobrança emitidas pelo BNDES ao Agente Financeiro, para pagamento ao FGI, com previsão de liquidação a partir do primeiro dia útil posterior até o dia 15 subsequente à emissão da referida ficha. Caso este prazo seja excedido, a realização de adiantamentos de honra para este Agente Financeiro ficará suspensa enquanto a cobrança não tiver sido liquidada. As fichas de cobrança emitidas pelo BNDES ao Agente Financeiro, para pagamento ao FGI, serão enviadas através de área de recebimento de arquivos do Agente Financeiro no portal de relacionamento do FGI e pelo CobrançaNET. Esta Circular entra em vigor em , revogando-se a Circular nº 13/2012, de Rio de Janeiro, 31 de outubro de Cláudia Pimentel Trindade Prates Superintendente da Área de Crédito 18

19 Anexo I Layout para Solicitação de Honra de Garantia Arquivo XML com o seguinte formato: Classificação: Ostensivo Tag Descrição Multiplicidade <?xml version="1.0"?> Declaração do documento XML. <Honra versao=""> <AgenteFinanceiro> Identificador de arquivo de Solicitação de Honra. O atributo versao indica a versão dos formatos de arquivo FGI utilizada. CNPJ do Agente financeiro, contendo somente números (sem pontos, traços ou barras). <ListaContratos> Agrupador da lista de contratos. <Contrato prioridade= > [1..N] <Sistema> <Numero> <SaldoDevedor> <PrestacaoInicial> <ListaRecebimentos> <Recebimento> Agrupador das informações de solicitação de honra de um contrato. Ocorre uma vez (com as suas tags componentes) para cada contrato com honra solicitada. O atributo prioridade deverá conter a seqüência deste contrato na fila de processamento da honra. O valor do atributo deverá corresponder à ordem física dos contratos no arquivo. Sistema do contrato, constante dos Avisos de Cobrança enviados pelo BNDES. Número do contrato, constante dos Avisos de Cobrança enviados pelo BNDES. Saldo devedor total da Beneficiária junto ao Agente no contrato, em reais, na data da solicitação, com duas casas decimais separadas por um ponto decimal (.) em lugar da vírgula. Mês/ano (no formato AAAA-MM) da prestação inicial não paga. Esta prestação pode ter tido recebimentos parciais. Agrupador dos recebimentos parciais associados à Prestação Inicial. Agrupador de informação de um recebimento parcial. Ocorre uma vez para cada recebimento parcial. [0..1] [1..N]

20 <Data> <Valor> </Recebimento> </ListaRecebimentos> </Contrato> </ListaContratos> </Honra> Data do recebimento parcial, no formato AAAA-MM-DD. Valor bruto do recebimento parcial, em reais, com duas casas decimais separadas por um ponto decimal (.) em lugar da vírgula. Tag de fechamento da informação de um recebimento parcial. Tag de fechamento dos Recebimentos Parciais. Tag de fechamento das informações de um contrato. Tag de fechamento da lista de contratos. Tag de fechamento da Solicitação de Honra. [1..N] [0..1] [1..N] Instruções de preenchimento: A Solicitação de honra é identificada pela tag Honra como raiz do XML. o Esta tag tem o atributo versao que indica a versão da especificação do formato do arquivo. Informar versao= 1.0 ; Cada arquivo de Solicitação de Honra está associado a um Agente Financeiro, cujo CNPJ é indicado na tag AgenteFinanceiro. Somente os números do CNPJ (sem pontos, traços ou barras) devem ser informados; A Solicitação de honra envolve um ou mais contratos, agrupados na tag ListaContratos. Para cada contrato é necessário informar uma tag Contrato, com o conteúdo a seguir. o A tag Contrato contém o atributo prioridade, utilizado para indicar a ordem deste contrato na seqüência da fila de processamento da honra. O valor do atributo deverá corresponder à ordem física dos contratos no arquivo. Os valores dos atributos prioridade devem ser números inteiros, positivos, começados em 1 e incrementados de uma unidade a cada contrato subseqüente. Caso esta seqüência não corresponda à ordem física dos contratos no arquivo, ou a numeração não siga o padrão indicado, o arquivo será rejeitado como um todo, por erro de formato. o O sistema do contrato é indicado na tag Sistema, através de seu identificador numérico. Exemplo: 15 para contratos Finame, e 89 para contratos BNDES; o O número do contrato no BNDES (somente os números) é informado na tag Numero; o O saldo devedor da benefeciária junto ao Agente deverá ser informado para cada contrato na tag SaldoDevedor. o A primeira prestação inadimplente é informada na tag PrestacaoInicial. A prestação é identificada pelo ano/mês, no formato AAAA-MM; o Caso a prestação inicial tenha valores parciais recebidos, estes valores são indicados através da tag ListaRecebimentos. Para cada recebimento parcial é necessário informar uma tag Recebimento, com o conteúdo a seguir. A data do pagamento efetivo pela beneficiária é indicada na tag Data, no formato AAAA-MM-DD;

21 O valor bruto pago pela beneficiária é indicado na tag Valor. Este é o valor bruto pago pela beneficiária, expresso na data de pagamento (indicada na tag Data). O valor deve ser expresso em reais, com duas casas decimais, separadas por ponto decimal (.) em lugar da vírgula.

22 Exemplo: <?xml version= 1.0?> <Honra versao= 1.0 > <AgenteFinanceiro> </AgenteFinanceiro> <ListaContratos> <Contrato prioridade= 1 > <Sistema>15</Sistema> <Numero> </Numero> <SaldoDevedor> </SaldoDevedor> <PrestacaoInicial> </PrestacaoInicial> <ListaRecebimentos> <Recebimento> <Data> </Data> <Valor> </Valor> </Recebimento> <Recebimento> <Data> </Data> <Valor> </Valor> </Recebimento> <Recebimento> <Data> </Data> <Valor> </Valor> </Recebimento> </ListaRecebimentos> </Contrato> <Contrato prioridade= 2 > <Sistema>89</Sistema> <Numero> </Numero> <SaldoDevedor> </SaldoDevedor> <PrestacaoInicial> </PrestacaoInicial> <ListaRecebimentos> <Recebimento> <Data> </Data> <Valor> </Valor> </Recebimento> <Recebimento> <Data> </Data> <Valor> </Valor> </Recebimento> <Recebimento> <Data> </Data> <Valor> </Valor> </Recebimento> <Recebimento> <Data> </Data> <Valor> </Valor> </Recebimento> </ListaRecebimentos> </Contrato> </ListaContratos> </Honra>

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 09/2015

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 09/2015 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES Classificação: Ostensivo CIRCULAR AC Nº 09/2015 Comunica aos AGENTES FINANCEIROS as alterações nos procedimentos operacionais do Fundo Garantidor

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Chevrolet Card

BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Chevrolet Card BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Chevrolet Card Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Chevrolet Card de uso doméstico e/ou

Leia mais

Esta Carta-Circular entra em vigor nesta data, podendo ser atendidos os financiamentos contratados até 30 de junho de 2003.

Esta Carta-Circular entra em vigor nesta data, podendo ser atendidos os financiamentos contratados até 30 de junho de 2003. - 6-16. VIGÊNCIA Esta Carta-Circular entra em vigor nesta data, podendo ser atendidos os financiamentos contratados até 30 de junho de 2003. Para fins de controle de comprometimento dos recursos, o BNDES

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Nome do Participante/Assistido: Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Valor do Empréstimo: Quantidade de Prestações: Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: Valor liquido

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A.

BANCO DO BRASIL S.A. BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Smiles Banco do Brasil S.A. Pessoas Físicas Correntistas e Não-Correntistas Características do Cartão de Crédito Smiles

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1 REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA Março 2014 Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES... 3 CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA... 6 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES CAPÍTULO IV

Leia mais

CIRCULAR N 3.084. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009.

CIRCULAR N 3.084. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009. CIRCULAR N 3.084 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009. Dispõe sobre obrigação financeira, recursos não procurados, adiantamento a fornecedores, agregação de despesas e encerramento

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 24170-3 (FL. 1/4) SF 06/11 Via única CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Estas são as condições gerais do Empréstimo Pessoal, solicitado e contratado por você. Leia atentamente estas condições

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE PLANO PM 60/60

Leia mais

Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III

Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III Sumário - Objetivo -1/6 - Conceitos Básicos -1/6 - Competências - 2/6 - Condições para o Financiamento - 2/6 - Disposições Gerais - 6/6 - Vigência - 6/6 Objetivo.

Leia mais

REGULAMENTO BACEN JUD 2.0

REGULAMENTO BACEN JUD 2.0 REGULAMENTO BACEN JUD 2.0 Finalidade da Regulamentação ARTIGO 1º - A presente regulamentação visa a disciplinar a operacionalização e utilização do sistema BACEN JUD 2.0, bem como padronizar os procedimentos

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL. Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL. Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL Orientador Empresarial Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização INSTRUÇÃO NORMATIVA SRP 10/2005 DOU:

Leia mais

Anexo A Normas Operacionais BNDES PSI Exportação Pré-embarque 1

Anexo A Normas Operacionais BNDES PSI Exportação Pré-embarque 1 Linha de Financiamento BNDES Exim Pré-embarque Programa BNDES de Sustentação do Investimento BNDES PSI Subprograma BNDES PSI Exportação Pré-embarque Anexo A Normas Operacionais BNDES PSI Exportação Pré-embarque

Leia mais

CIRCULAR SUP/AOI Nº 14/2016-BNDES. Rio de Janeiro, 04 de abril de 2016. Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing

CIRCULAR SUP/AOI Nº 14/2016-BNDES. Rio de Janeiro, 04 de abril de 2016. Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 14/2016-BNDES Rio de Janeiro, 04 de abril de 2016 Ref.: Ass.: Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Refinanciamento de operações

Leia mais

Programa BNDES de Sustentação do Investimento BNDES PSI Subprograma Exportação Pré-Embarque NORMAS OPERACIONAIS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

Programa BNDES de Sustentação do Investimento BNDES PSI Subprograma Exportação Pré-Embarque NORMAS OPERACIONAIS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Programa BNDES de Sustentação do Investimento BNDES PSI Subprograma Exportação Pré-Embarque NORMAS OPERACIONAIS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1. ENCAMINHAMENTO DA OPERAÇÃO AO BNDES A operação será encaminhada

Leia mais

A CBLC atua como contraparte central nas Operações de Empréstimo de Ativos.

A CBLC atua como contraparte central nas Operações de Empréstimo de Ativos. C A P Í T U L O V I - S E R V I Ç O D E E M P R É S T I M O D E A T I V O S - B T C O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite: O registro de ofertas e o fechamento de Operações contra as

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 320, de 2 de março de 2006.

CIRCULAR SUSEP N o 320, de 2 de março de 2006. CIRCULAR SUSEP N o 320, de 2 de março de 2006. Dispõe sobre a concessão, pelas entidades abertas de previdência complementar e sociedades seguradoras de assistência financeira a participante de plano de

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Comissão de Valores Mobiliários INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Estabelece normas e procedimentos para a organização e o funcionamento das corretoras de mercadorias. O

Leia mais

1 BNDES. 1. ENCAMINHAMENTO DA OPERAÇÃO AO BNDES. A operação poderá ser encaminhada ao BNDES por meio de FRO Consulta ou Consulta Prévia.

1 BNDES. 1. ENCAMINHAMENTO DA OPERAÇÃO AO BNDES. A operação poderá ser encaminhada ao BNDES por meio de FRO Consulta ou Consulta Prévia. Capítulo III PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Os Procedimentos Operacionais contemplam as etapas de Encaminhamento da Operação (Item 1), Aprovação (Item 2), Contratação (Item 3), Liberação (Item 4), Prestação

Leia mais

SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS

SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES... 2 2. APRESENTAÇÃO... 2 3. ESTRUTURA DO CONTRATO DE SEGURO... 2 4. OBJETIVO DO SEGURO... 3 5. DEFINIÇÕES... 3 6. FORMA DE CONTRATAÇÃO... 4

Leia mais

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições:

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições: CONTRATO DE MÚTUO Prelo presente instrumento particular, [O Estudante, pessoa física proponente de empréstimo com determinadas características ( Proposta )], identificado e assinado no presente contrato

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS 1 Os débitos de qualquer natureza para com a Fazenda Nacional podem ser parcelados em até 60 (sessenta) prestações

Leia mais

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens de fabricação nacional, observadas

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA PLANO PM 30/30 - MODALIDADE:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU PLANO

Leia mais

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X Procedimento de Comercialização LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA RELATIVA À CONTRATAÇÃO DE ENERGIA DE RESERVA Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX,

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL TOMADA DE CONTAS ESPECIAL COMPARATIVO ENTRE A IN TCU Nº 13/1996 E A IN TCU Nº 56/2007 IN TCU Nº 13/1996 IN TCU Nº 56/2007 Art. 1º Diante da omissão no dever de prestar contas, da não comprovação da Aplicação

Leia mais

do momento em que for validado o aluno, você assume como verdadeiras as informações cadastradas pela Instituição de ensino (colégio).

do momento em que for validado o aluno, você assume como verdadeiras as informações cadastradas pela Instituição de ensino (colégio). Os termos e condições a seguir (doravante denominados simplesmente acordo ) regulam o fornecimento dos materiais impressos do(s) Programa(s) Educacional(s) SE e BE (doravante denominados material(is) ),

Leia mais

CONTRATO PADRÃO DE ADESÃO DO CARTÃO SICREDICARD VISA ELECTRON

CONTRATO PADRÃO DE ADESÃO DO CARTÃO SICREDICARD VISA ELECTRON CONTRATO PADRÃO DE ADESÃO DO CARTÃO SICREDICARD VISA ELECTRON Administradora de Cartões SICREDI Ltda., com sede, foro e administração em Brasília/DF, no SCS Qd. 06, BL. A, Nº. 141, Ed. Presidente, inscrito

Leia mais

PORTARIA Nº 133/2011-GS/SET, DE 19 DE OUTUBRO DE 2011.

PORTARIA Nº 133/2011-GS/SET, DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. DOE Nº 12.567 Data: 20/10/2011 Alterada pelas Portarias nºs: 002/2012-GS/SET 059/2012-GS/SET PORTARIA Nº 133/2011-GS/SET, DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre o credenciamento de contribuintes para recolhimento

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270 DECRETO Nº 13.270 Regulamenta o parcelamento e pagamento de créditos do município de Vitória e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Vitória, Capital do, no uso de suas atribuições legais, e

Leia mais

REGULAMENTO PARA SUBVENÇÃO DIRETA AOS PRODUTORES DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO NORDESTE, EXCLUSIVAMENTE NA SAFRA 2008/2009

REGULAMENTO PARA SUBVENÇÃO DIRETA AOS PRODUTORES DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO NORDESTE, EXCLUSIVAMENTE NA SAFRA 2008/2009 REGULAMENTO PARA SUBVENÇÃO DIRETA AOS PRODUTORES DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO NORDESTE, EXCLUSIVAMENTE NA SAFRA 2008/2009 1. DO OBJETIVO. Estabelecer, exclusivamente para a safra 2008/2009, as condições

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998.

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. Dispõe sobre a operação dos contratos previdenciários dos planos coletivos que tenham por finalidade a concessão de benefícios a pessoas físicas vinculadas

Leia mais

PROGRAMA BNDES-EXIM PÓS-EMBARQUE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

PROGRAMA BNDES-EXIM PÓS-EMBARQUE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PROGRAMA BNDES-EXIM PÓS-EMBARQUE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1. PEDIDO DE REFINANCIAMENTO O pedido de refinanciamento deverá ser formalizado mediante Consulta Prévia (Anexo 2), que poderá ser apresentada

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS Aprovado pela REDIR Nº. 257ª de 30/11/2010 e na 178ª Reunião do CD n 166ª de 03/12/2010. 1 REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS ÍNDICE 1.0 - DOS EMPRÉSTIMOS...Página

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDI-RÁPIDO CLIENTE - 1º TITULAR CPF CÓD. DA AGÊNCIA CLIENTE - 2º TITULAR CPF NÚMERO DA CONTA

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDI-RÁPIDO CLIENTE - 1º TITULAR CPF CÓD. DA AGÊNCIA CLIENTE - 2º TITULAR CPF NÚMERO DA CONTA CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDI-RÁPIDO CLIENTE - 1º TITULAR CPF CÓD. DA AGÊNCIA CLIENTE - 2º TITULAR CPF NÚMERO DA CONTA CLÁUSULAS GERAIS, que regem o Contrato de Abertura de Credi-Rápido, que são

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DA FITO

REGULAMENTO FINANCEIRO DA FITO REGULAMENTO FINANCEIRO DA FITO DOS CONTRATANTES Art. 1º - Pela matrícula, a Fundação Instituto Tecnológico de Osasco, doravante denominada FITO e o Aluno e/ou Responsável Financeiro estabelecem recíprocos

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

CONTRATO ASSOCIATIVO QUE DEFINE DIRETRIZES PARA AS RELAÇÕES ENTRE ASSOCIADOS E ACIME

CONTRATO ASSOCIATIVO QUE DEFINE DIRETRIZES PARA AS RELAÇÕES ENTRE ASSOCIADOS E ACIME CONTRATO ASSOCIATIVO QUE DEFINE DIRETRIZES PARA AS RELAÇÕES ENTRE ASSOCIADOS E ACIME CLÁUSULA PRIMEIRA OBJETO Art. 1 Este Contrato Associativo destina-se a regular as relações entre a ACIME e seus Associados,

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais Capítulo I: Aplicação e Objeto 1.1. Pelo presente documento, a ARBITRAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. ( Gestora ) vem, nos termos do Código ANBIMA

Leia mais

PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A.

PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A. PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A. 1. OBJETIVO DO PLANO O Plano de Opções de Compra de Ações ( Plano ) tem por objetivo a outorga de Opções de compra de ações de emissão da WEG S.A. ( Companhia

Leia mais

Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira

Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira Demonstrativo da Composição e Diversificação da Carteira Mês/Ano: 31 de março de 2016 Nome do Fundo: Alfa I - Fundo Mútuo de CNPJ: 03.919.892/0001-17 Administrador: Banco Alfa de Investimento S.A. CNPJ:

Leia mais

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Contrato do Seguro CNPJ 28.196.889/0001-43 Processo SUSEP nº 15414.003063/2009-70 Contrato do Seguro BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Processo SUSEP nº 15414.003063/2009-70 1 1.

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 462, DE 31 DE JANEIRO DE 2013. Dispõe sobre a forma de cálculo e os procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras,

Leia mais

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES

Leia mais

Estado do Acre DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012

Estado do Acre DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012. Publicado no DOE nº 10.952 de 21-12-2012.. Alterado pelos Decretos nºs 5.089/2013, 6.287/2013, 7.299, 8.251/2014, 1.490/2015, 2.301/2015, 2.884/2015 e 3.472/2015..

Leia mais

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL, entidade fechada de previdência complementar, com sede na Praia de Botafogo, nº

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. Objeto O objeto do presente Contrato é a prestação, pela EMBRATEL, do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

CIRCULAR N 3015. Art. 6º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Daniel Luiz Gleizer Diretor

CIRCULAR N 3015. Art. 6º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Daniel Luiz Gleizer Diretor CIRCULAR N 3015 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes para incluir título relativo a Transferências Postais. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada

Leia mais

matrícula, inscrito(a) no CPF sob o n.º

matrícula, inscrito(a) no CPF sob o n.º CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE CREDINÂMICO 13º SALÁRIO FEVEREIRO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais

MANUAL DO PORTAL FGI VERSÃO 3.0

MANUAL DO PORTAL FGI VERSÃO 3.0 MANUAL DO PORTAL FGI VERSÃO 3.0 CONTEXTO O Portal FGI é a ferramenta que serve para a comunicação entre o BNDES FGI e os Agentes Financeiros cotistas e como interface para o processamento operacional da

Leia mais

FGC- 081223 São Paulo, 12 de dezembro de 2008. INFORMAÇÕES SOBRE O PROGRAMA PARA APLICAÇÃO DE RECURSOS

FGC- 081223 São Paulo, 12 de dezembro de 2008. INFORMAÇÕES SOBRE O PROGRAMA PARA APLICAÇÃO DE RECURSOS São Paulo, 12 de dezembro de 2008. INFORMAÇÕES SOBRE O PROGRAMA PARA APLICAÇÃO DE RECURSOS FORMA 1 - O FGC concederá um limite para as médias e pequenas instituições associadas, de capital nacional, com

Leia mais

Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão de Crédito Bradesco

Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão de Crédito Bradesco Sumário Executivo Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão de Crédito Bradesco A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do

Leia mais

EDITAL N.º 001/2014, DE 28 DE JANEIRO DE 2014. CHAMAMENTO PÚBLICO

EDITAL N.º 001/2014, DE 28 DE JANEIRO DE 2014. CHAMAMENTO PÚBLICO EDITAL N.º 001/2014, DE 28 DE JANEIRO DE 2014. CHAMAMENTO PÚBLICO O MUNICÍPIO DE IBIRUBÁ-RS, Pessoa Jurídica de Direito Público, com sede na Rua Tiradentes, n.º 700, inscrito no CNPJ sob n.º 87.564.381/0001-10,

Leia mais

Gen Ex ERON CARLOS MARQUES Secretário de Economia e Finanças

Gen Ex ERON CARLOS MARQUES Secretário de Economia e Finanças MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DO EXÉRCITO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS PORTARIA N o 046 - SEF, DE 01 DE JULHO DE 2005. Estabelece Normas Complementares para Consignação de Descontos em Folha de Pagamento.

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES Procaminhoneiro

Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES Procaminhoneiro Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 22/2012-BNDES Rio de Janeiro, 12 de abril de 2012 Ref.: Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Ass.: Programa BNDES de Financiamento

Leia mais

VIPMAIS. CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Mais Versão Out./12

VIPMAIS. CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Mais Versão Out./12 VIPMAIS 2 VIP MAIS MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A que protege a sua família, caso algum

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 429, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre o registro de corretor e de sociedade corretora de seguros, sobre a atividade de corretagem de seguros

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco Básico Standard.

Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco Básico Standard. SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco Básico Standard. A seguir, você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações

Leia mais

Regulamento do Programa Desconto Amigo Versão 02/2016

Regulamento do Programa Desconto Amigo Versão 02/2016 Regulamento do Programa Desconto Amigo Versão 02/2016 1. O QUE É O PROGRAMA DESCONTO AMIGO E NO QUE CONSISTEM SEUS BENEFÍCIOS: 1.1. De acordo com este programa, terá direito ao beneficio, consistente em

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

Leia mais

CONSIDERANDO as contribuições apresentadas nas Audiências Públicas nº 063/2007 e nº 083/2008, RESOLVE:

CONSIDERANDO as contribuições apresentadas nas Audiências Públicas nº 063/2007 e nº 083/2008, RESOLVE: AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 2885, DE 09 DE SETEMBRO DE 2008 DOU de 23 DE SETEMBRO DE 2008 Estabelece as normas para o Vale-Pedágio obrigatório e institui os procedimentos de

Leia mais

PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS

PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS A Resolução da Secretária da Fazenda nº 108, publicada do DOE de hoje, institui o parcelamento especial dos débitos fiscais relativos ao ICMS decorrentes de fatos geradores

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PROJETO DE RESOLUÇÃO 03-00023/2011 da Mesa Diretora Institui no âmbito da Câmara Municipal de São Paulo Sistema de Consignação Facultativa em Folha de Pagamento na modalidade

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP 20 ANOS MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900585/2015-60

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

CAPÍTULO I Da Aplicação

CAPÍTULO I Da Aplicação CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS ORIGINÁRIAS DE PERDAS CONSTATADAS NAS ARMAZENAGENS DE PRODUTOS VINCULADOS À POLÍTICA DE GARANTIA DE PREÇOS MÍNIMOS PGPM E ESTOQUES REGULADORES DO GOVERNO

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO MINUTA DE RESOLUÇÃO Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso

Leia mais

ANEXO I. REGULAMENTO DA CAMPANHA FielCap

ANEXO I. REGULAMENTO DA CAMPANHA FielCap ANEXO I REGULAMENTO DA CAMPANHA FielCap 1. OBJETIVO 1.1 FielCap é uma campanha pontual com sorteios de prêmios desenvolvida pelo SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA visando a conquista de novos sócios para

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES 1. OBJETIVOS DO PLANO BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES 1.1. Os objetivos do Plano de Opção de Compra de Ações da BR Malls Participações S.A. ( Companhia

Leia mais

FICHA CADASTRAL PESSOA FÍSICA

FICHA CADASTRAL PESSOA FÍSICA FICHA CADASTRAL PESSOA FÍSICA DADOS GERAIS DO TITULAR 01. NOME 02. Nº PF (USO MODAL) 03. DATA ABERTURA (USO MODAL) 04. CPF 05. IDENTIDADE 06. ÓRGÃO EXPED. 07. UF EXPED. 08. DATA EXPED. 09. DATA NASCIMENTO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE 2 / 14 MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DAS ATIVIDADES DISPONIBILIZADAS PELA CETIP _6 CAPÍTULO

Leia mais

III - Início de Vigência Art. 3 - O Título entra em vigor na data do primeiro pagamento.

III - Início de Vigência Art. 3 - O Título entra em vigor na data do primeiro pagamento. Pé Quente Bradesco GP Ayrton Senna - Condições Gerais Plano PM 60/60 U GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento

Leia mais

CAPÍTULO III - DA COMPOSIÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CAPÍTULO III - DA COMPOSIÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º O CAIXA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRAS IV CAIXA FMP FGTS PETROBRAS IV, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é uma comunhão de recursos, constituído sob

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM e demais normas expedidas pela BM&F BOVESPA, define através deste documento, suas

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA FIDELIDADE PREMIADA

REGULAMENTO DA CAMPANHA FIDELIDADE PREMIADA 1. OBJETIVO REGULAMENTO DA CAMPANHA FIDELIDADE PREMIADA 1.1 Fidelidade Premiada é uma campanha pontual com sorteios de prêmios desenvolvida pelo SPORT CLUB INTERNACIONAL visando a conquista de novos sócios

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS ÍNDICE 1.0 - DOS EMPRÉSTIMOS...Página 2 2.0 - DA MODALIDADE... 2 3.0 - DOS LIMITES... 2 4.0 - DA CONCESSÃO... 3 5.0 - DOS PRAZOS... 4 6.0 - DA AMORTIZAÇÃO... 4

Leia mais

CARTA CONJUNTA SUP/AC 019/2012 SUP/AOI 242/2012. Rio de Janeiro, 04 de outubro de 2012

CARTA CONJUNTA SUP/AC 019/2012 SUP/AOI 242/2012. Rio de Janeiro, 04 de outubro de 2012 CARTA CONJUNTA SUP/AC 019/2012 SUP/AOI 242/2012 Rio de Janeiro, 04 de outubro de 2012 ASSUNTO: Programa BNDES Especial de Refinanciamento para os Setores de Bens de Capital e de Transporte Rodoviário de

Leia mais

ADMINISTRAR VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA

ADMINISTRAR VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA l Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1497, de 27 de maio de 2010 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

II - operação de crédito com vínculo a exportação (securitização de exportações); e

II - operação de crédito com vínculo a exportação (securitização de exportações); e CIRCULAR 3.027/01 PROGRAMA NACIONAL DE DESBUROCRATIZAÇÃO - Institui e regulamenta o Registro Declaratório Eletrônico (RDE) de empréstimos entre residentes ou domiciliados no País e residentes ou domiciliados

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 612, DE 16 DE MARÇO DE 2007. Dispõe sobre a implantação do Sistema de Registro de Preços nas compras, obras e serviços contratados pelos órgãos da

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13 LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13 Consolidada, alterada pela Lei nº: 3250, de 19.11.13 DOE n. 2343, de 19.11.13 Autoriza o Poder Executivo a realizar a compensação

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 08/2014

ORDEM DE SERVIÇO Nº 08/2014 ORDEM DE SERVIÇO Nº 08/2014 O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no exercício de suas atribuições legais, de conformidade com o art. 57, inciso XVIII, da Lei Orgânica do Município de Porto

Leia mais

OUROCAP FIADOR SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL

OUROCAP FIADOR SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL OUROCAP FIADOR SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO DA REDE DE BIBLIOTECAS

NORMAS DE ATENDIMENTO DA REDE DE BIBLIOTECAS 1. OBJETIVO As presentes NORMAS DE ATENDIMENTO regulam os procedimentos para utilização do espaço físico e acervo das Bibliotecas da Estácio. 2. DEFINIÇÕES Pergamum - Sistema Integrado de Bibliotecas utilizado

Leia mais

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 Viçosa Minas Gerais Fevereiro/2008 Índice Página Glossário - Capítulo II Das Definições... 3 Nome do Plano de Benefícios

Leia mais

(iii) Ofereçam opção de resgate nos próximos 30 dias (Art. 14, 2º);

(iii) Ofereçam opção de resgate nos próximos 30 dias (Art. 14, 2º); ANEXO 1 GLOSSÁRIO: CONCEITOS E DEFINIÇÕES Captações de atacado não colateralizadas são os depósitos, as emissões próprias de instrumentos financeiros e as operações compromissadas lastreadas por títulos

Leia mais

6. O KOERICH poderá criar outras categorias de relacionamento, como Cartões de Crédito, Débito, Convênio ou Presente.

6. O KOERICH poderá criar outras categorias de relacionamento, como Cartões de Crédito, Débito, Convênio ou Presente. REGULAMENTO DO CLUBE GENTE NOSSA 1. O CLUBE GENTE NOSSA (adiante "CGN"), criado, desenvolvido e administrado por Eugênio Raulino Koerich S/A - Comércio e Indústria (adiante KOERICH ), será o meio pelo

Leia mais