BALANCEAMENTO EM LINHA DE PRODUÇÃO DE INSERÇÃO MANUAL DE COMPONENTES ELETRÔNICOS: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DO POLO INDUSTRIAL DE MANAUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANCEAMENTO EM LINHA DE PRODUÇÃO DE INSERÇÃO MANUAL DE COMPONENTES ELETRÔNICOS: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DO POLO INDUSTRIAL DE MANAUS"

Transcrição

1 BALANCEAMENTO EM LINHA DE PRODUÇÃO DE INSERÇÃO MANUAL DE COMPONENTES ELETRÔNICOS: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DO POLO INDUSTRIAL DE MANAUS ADRIANO DA ROCHA SANTANA (UEA) ingrid maryana almeida da rocha (UEA) Marcel Mendes de Souza (UEA) Michelly Cristiny Durans Carvalho (UEA) WALTER MATIAS HIPOLITO DE OLIVEIRA (UEA) Este trabalho visa balanceamento de uma linha de produção com a aplicação dos estudos de tempos e métodos. Com determinação dos tempos das atividades de cada posto de trabalho através da cronoanálise, o estudo foi realizado em uma empresa do Polo Industrial de Manaus demonstrando que os dados colhidos e estudados são de suma importância para o controle da produtividade e capacidade. Palavras-chave: Balanceamento, Tempos e Métodos, Produtividade

2 1. Introdução Diante do cenário competitivo global, para se manterem em atuação no mercado as organizações estão em constante busca por métodos e processos de produção mais eficazes e enxutos que proporcionem aumento de produtividade, redução de mão de obra e melhor qualidade de seus produtos e serviços. Em uma indústria eletrônica do polo industrial de Manaus, fornecedora de serviços de manufatura eletrônica, foi aplicada a cronoanalise a fim de identificar pontos a serem estudados com o intuito de reduzir a mão de obra nos postos de trabalho ou aumentar a produtividade durante a jornada normal de trabalho. Através da identificação de tempos ociosos nos postos de trabalho para que, assim, fossem redistribuídas e otimizadas as atividades e da linha de montagem escolhida para aplicação deste estudo de caso. O foco está numa maior qualidade no método de trabalho atual, através de uma análise sistemática da rotina de trabalho. A qualidade de trabalho é, sem dúvida, influenciada pelas suas condições, portanto, os ambientes devem ser higiênicos e limpos, devem ter boas condições de temperatura, iluminação e ruído, ergonomia e as pessoas devem trabalhar motivadas (CUNHA,2012). A questão a ser respondida, em função deste é estudo, é: Como otimizar um linha de produção para eliminar desperdícios quanto ao tempo ocioso nos postos de trabalho? Assim ao final deste estudo, pretende-se inovar na otimização de uma linha, pois, segundo Schumpter (1984, apud Oliveira et al. 2005, p. 1) uma das maneiras de inovar é a introdução de um novo método de produção. Este artigo apresenta como objetivos específicos analisar os tempos e métodos usuais de trabalho, identificar postos ociosos, redistribuir as atividades para eliminar ociosidade balanceando, assim, a linha de montagem e introduzir novos métodos de produção ao trabalho. 2. Metodologia No presente artigo, foram realizados experimentos com os trabalhadores de uma indústria que 2

3 projeta e fabrica produtos eletrônicos, filmando-os para analise dos tempos de execução de suas atividades e observando movimentos para uma eventual melhoria. A metodologia utilizada foi de pesquisa bibliográfica com necessidade de conhecer as teorias quanto ao estudo de tempos e movimentos nas indústrias, pesquisa exploratória em compor uma avaliação da situação investigada, pesquisa descritiva utilizado de técnicas que esclarecessem e fornecessem dados necessários e pesquisa de campo com necessidade na realização de experimentos. 3. Referencial teórico 3.1. Estudo de tempos O estudo de tempos e movimentos advém da união das ferramentas de medição do trabalho desenvolvidas por Taylor e da sistematização dos movimentos dos trabalhadores desenvolvida por Gilbreth. Consiste em um estudo sistemático do trabalho objetivando determinar o tempo gasto por um funcionário devidamente treinado e trabalhando em ritmo normal para executar uma atividade específica (estudo de tempos) e desenvolver e padronizar o sistema e o método de trabalho preferido (estudo de movimentos), servindo de base para o treinamento de trabalhadores neste método (BARNES, 1977). O estudo de tempos movimentos e métodos de trabalho continuam tendo papel central na determinação da produtividade. Reproduzir o que foi determinado é um dos principais fatores de julgamento da qualidade de um funcionário, e fator importante para determinar sua permanência na organização. (PEINADO E GRAEML, 2004). O estudo de tempos de determinada atividade inicia com a seleção do funcionário que terá seu trabalho cronometrado. Este deverá, segundo Barnes (1977), estar devidamente treinado e apresentar pouca propensão à variabilidade na realização de suas atividades (funcionário padrão). O estudo de tempos e movimentos é a análise dos métodos, tempos, materiais, ferramentas e instalações que irão ser utilizadas na execução do trabalho (Toledo Jr, 1977) Para realizar determinada tarefa o que determinará a capacidade do operador será sua 3

4 experiência anterior, aproveitando ou não essa experiência para realização dessa tarefa. O treinamento e seleção de pessoas têm sido práticas exercidas por todas as empresas, a vantagem de selecionar pessoas e treiná-las de acordo com suas qualidades, aptidões e habilidades é que a empresa molda as pessoas a sempre estar apta a mudanças e dando treinamento correto elas terão noção de diminuir desperdícios de tempo, de diminuir fadiga (Toledo Jr, 2004). A base do estudo se fundamentará nas seis etapas fundamentais da Engenharia de Métodos, que segundo SLACK(2009) são: a) Selecionar o trabalho a ser estudado; b) Registrar todos os fatos relevantes do método presente; c) Examinar esses fatos criticamente e na sequência; d) Desenvolver o método mais prático, econômico e efetivo; e) Implementar o novo método; f) Manter o método pela checagem periódica dele em uso Cronoanálise A cronoanálise surgiu com os estudos de Frederick Taylor, juntamente com os de Frank Gilbreth, onde o primeiro enfatizou a divisão de operações em um processo de produção, e a real capacidade do operador. O segundo enfatizou a parte de movimentos englobando aspectos ligados à fadiga, economia de movimentos desnecessários, criando tabela de movimentos com seus respectivos valores e símbolos (Sugai, 2003). A Cronoanálise analisa os métodos, materiais, ferramentas e instalações utilizadas para a execução de um trabalho com o objetivo de encontrar uma forma mais econômica de se fazer um trabalho, normalizar os métodos, materiais, ferramentas e instalações, determinar de forma exata e confiável o tempo necessário para um empregado realizar um trabalho em ritmo normal (tempo padrão). (MIRANDA, 2009) Tipos de tempo 4

5 Existem três tipos de tempos para serem calculados e analisados, o tempo normal (TN), o tempo padrão (TP) e o tempo cronometrado (TC), esses tempos servem para avaliar a capacidade do operador de acordo com suas habilidades e tolerância (a perda em porcentagem de algum tempo em decorrência de algum fator de fadiga, ou quebra de máquinas ou por suas necessidades físicas, por isso a conceituação dará embasamento para melhor entendimento). Processo de avaliar a velocidade de trabalho do trabalhador relativamente ao conceito do observador a respeito da velocidade correspondente ao desempenho padrão. O observador pode levar em consideração, separadamente ou em combinação, um ou mais fatores necessários para realizar o trabalho, como a velocidade de movimento, esforço, destreza, consistência, etc. (SLACK5 et al.2002 apud PEINADO; GRAEML, 2004) Depois que o tempo normal é calculado levando em consideração o tempo cronometrado e o fator avaliação de ritmo, precisa-se levar em consideração as necessidades fisiológicas do operador com tolerância de tempo em % para encontrar um tempo justo de execução de tarefas (Peinado e Graeml 2004). O tempo padrão possui tolerâncias que se dividem em tolerância para necessidades pessoais, tolerância para alívio da fadiga e tolerância de espera.respectivamente a primeira trata das necessidades fisiológicas do operador,exemplo: levando em consideração as jornadas de trabalho de 8 horas, exemplo; o tempo de tolerância varia de 10 a 24 minutos,mas em jornadas de trabalho pesadas a variação aumenta bastante (Peinado e Graeml, 2004). Portanto, é o ritmo de trabalho o fator preponderante da variação da produtividade industrial sendo ele o responsável direto por uma menor ou maior quantidade de unidades produzidas por um operador em um determinado período de tempo, executando uma operação específica (TOLEDO Jr, 2004). Um operador normal é aquele que foi selecionado, treinado e julgado apto a executar certa tarefa. Sua idoneidade é implícita pelo fato de que recebe um salário pelo se serviço. Quanto ao esforço normal e aos meios de medi-lo,a resposta é categórica, precisamos utilizar nossa capacidade inata de avaliação. Até agora, não foi encontrado instrumento melhor (TOLEDO Jr, 1977) 5

6 3.4. Balanceamento Depois de cronometrados os tempos, algumas medições irão apresentar valores fora do contexto normal da atividade executada, muitas vezes, por uma queda de equipamento, interferência externa, etc. Esses valores fora do contexto têm que ser retirados da análise através de uma observação entre os tempos maiores e os tempos menores para melhor verificação da sua discrepância. É importante observar quais fatores estão influenciando para ocorrer irregularidades no processo, as condições de trabalho devem ser próximas ao método padrão de trabalho,pois maquinário desregulados e componentes sem condições de uso para se obter tempos normais não têm nenhum valor prático para o método (Mazzarolo 2008). O balanceamento seria a classificação das sequências operacionais dividindo-as em estações de trabalho, otimizando a utilização de mão de obra e equipamentos evitando tempos ociosos. Todavia o tempo de ciclo de cada estação precisa ser encontrado às vezes por um operador que pode realizar mais de uma tarefa ou dependendo do ciclo pode realizar apenas uma tarefa. É importante agrupar tarefas que com tempos de ciclo somados resultem no calculado. No caso estudado veremos como cada time foi dividido como estações de trabalho, permitindo que cada o tempo de cada operação somada resulte no tempo de ciclo de cada grupo (CARRAVILLA, 1988). O balanceamento da linha de produção consiste na atribuição de tarefas às estações de trabalho que formam uma linha, de forma que todas as estações demandem aproximadamente o mesmo tempo para execução das tarefas a elas destinadas.isto minimiza o tempo ocioso de mão-de-obra e de equipamentos... O tempo de execução da tarefa destinada a cada um dos operadores em seus centro de trabalho deve ser o mesmo, ou o mais próximo possível, para que não exista atraso das demais atividades. As linhas com bom nível de balanceamento apresentam um fluxo suave e contínuo de trabalho, porque todos os trabalhadores trabalham no mesmo ritmo, obtendo-se o maior grau de aproveitamento possível da mão-de-obra e dos equipamentos (AGUIAR; PEINADO; GRAEML, 2007). 4. Levantamento e análise dos dados 6

7 O estudo é feito em uma linha de produção de placas com inserção manual de componentes eletrônicos, a linha de montagem envolve máquinas, testes e operadores. A linha é composta de seis postos de inserção manual de componente, uma máquina de solda, quatro base de testes e o packout. A carga de trabalho são 8h por dia, 6 vezes por semana, e tem capacidade pra fazer 150 placas por hora. Com o auxilio de um cronômetro foi feita durante 6 dias a coleta dos tempos de cada posto e bancadas de testes e com a coleta de dados foi tirada a média para os dados ficarem mais próximos possível, com isso foi possível identificar o posto onde podíamos fazer uma melhoria, ou seja, desenvolver um método para reduzir tempo o ocioso nessa estação de trabalho Processo Antes do Balanceamento Número de Fases (Postos e Máquinas): 12; Horas Trabalhada: 8h/dia; Quantidade placas: 1.200/dia; Tempo de ciclo: 24 seg / unid; Numero mínimo de estações: 9,5. Quadro 1: Análise de Tempo dos Postos Posto Tempo de ciclo Média da cronometragem Tempo normal Tempo padrão Posto ,4 18,43 21,75 Posto ,9 20,81 24,55 Posto ,7 20,62 24,33 Posto ,8 20,71 24,43 7

8 Máquina de solda 24 22,64 21,51 25,38 Posto ,67 17,74 20,93 ICT 24 16,6 15,77 18,61 Posto ,07 12,42 14,65 VDSL 24 17,03 16,18 19,09 FT 24 18,8 17,86 21,07 Wifi 24 22,6 21,47 25,33 Packout 24 13,7 13,02 15,36 Quadro 2: Atividade dos operadores Posto Posto 1 Posto 2 Posto 3 Posto 4 Atividade Pega a placa do carrinho e coloca no carrier e trava. Insere 5 componentes. Insere 6 componentes na placa Insere 6 componentes na placa Insere 4 componentes na placa 8

9 Máquina de solda Solda os componentes Posto 5 ICT Posto 6 VDSL FT Wifi Packout Tira a placa do transporte e solda em dois pontos, revisa os componentes e logo em seguida registra no MÊS (Sistema de registro da empresa estudada). Pega placa da esteira, passa no scaner, coloca no ict e inicia o teste. Adiciona blindagem e dissipador. Pega a placa da esteira e coloca na bancada e adiciona blindagem e 3 componentes. Pega a placa da esteira e coloca no teste, onde suportam duas placas, em seguida conectar quatro fios e depois que foi aprovado, colocar na esteira novamente. Pega a placa da esteira e leva até o teste, conecta ao carregador enquanto o teste está ocupado, remove conectores da placa do teste e leva para a esteira. Traz nova placa para carregador e coloca placa do carregador no teste conectando entradas. Scanea a placa e inicia o teste Pega a placa da esteira e leva até o teste, conecta ao carregador enquanto o teste está ocupado, remove conectores da placa do teste e leva para a esteira. Traz nova placa para carregador e coloca placa do carregador no teste conectando entradas. Scanea a placa e inicia o teste Pegar caixa vazia e colocar na bancada, em seguida pegar a placa da esteira, revisar os componentes logo em seguida registrar no MES e depois colocar a placa no saco antiestático e em seguida colocar na caixa novamente. Figura 1: Fluxograma da linha de produção 9

10 POSTO 2 XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO POSTO 1 10

11 Com a análise de tempo, foi verificado que no posto 6 o colaborador está ocioso em relação aos demais postos, pois seu tempo está muito abaixo do tempo de ciclo, assim foi feita uma redistribuição de algumas atividades, e assim foi possível reduzir um operador da linha, sem interferir na produtividade da linha. Com a eliminação de um posto foi necessário fazer algumas mudanças nas bancadas do posto de teste ICT e nos postos 1 e 4 para suprir a necessidade daquele operador que foi removido e alocado em uma atividade dentro da organização Processo depois do Balanceamento Número de Fases (Postos e Máquinas): 11; Horas Trabalhada: 8h/dia; Quantidade placas: 1.200/dia; Tempo de ciclo: 24 seg / unid; Numero mínimo de estações: 9,3. Depois da retira do posto 6 da linha, foi feito uma nova redistribuição das atividades nas estações de trabalho e um balanceamento da linha. Dessa forma foi cronometrado o tempo novamente durante 5 dias para obter os seguintes resultados mostrados no Quadro 3. Quadro 3 - Análise de tempo dos postos após a redistribuição das atividades Posto Teclo De Ciclo Média Da Cronometragem Tempo Normal Tempo Padrão Posto ,4 20,33 23,99 Posto ,9 20,81 24,55 Posto ,7 20,62 24,33 Posto ,8 21,66 25,26 11

12 Máquina de solda 24 22,64 21,51 25,38 Posto ,94 21,79 25,72 ICT 24 19,74 18,75 22,13 VDSL 24 17,03 16,18 19,09 FT 24 18,8 17,86 21,07 Wifi 24 22,6 21,47 25,33 Packout 24 13,7 13,02 15,36 Quadro 4 Atividade dos operadores após a redistribuição das atividades Posto Posto 1 Posto 2 Posto 3 Posto 4 Máquina de solda Posto 5 ICT VDSL Atividade Pega a placa do carrinho e coloca no carrier e trava. Insere 6 componentes. Insere 6 componentes na placa Insere 6 componentes na placa Insere 6 componentes na placa Solda os componentes Tira a placa do transporte e solda em dois pontos, revisa os componentes e logo em seguida registra no MÊS (Sistema de registro da empresa estudada). Pega placa da esteira, passa no scaner, coloca no ict e inicia o teste. Adiciona 2 blindagem e dissipador. Pega a placa da esteira e coloca no teste, onde suportam duas placas, em seguida conectar quatro fios e depois que foi aprovado, colocar na esteira novamente. 12

13 FT Wifi Packout Pega a placa da esteira e leva até o teste, conecta ao carregador enquanto o teste está ocupado, remove conectores da placa do teste e leva para a esteira. Traz nova placa para carregador e coloca placa do carregador no teste conectando entradas. Scanea a placa e inicia o teste Pega a placa da esteira e leva até o teste, conecta ao carregador enquanto o teste está ocupado, remove conectores da placa do teste e leva para a esteira. Traz nova placa para carregador e coloca placa do carregador no teste conectando entradas. Scanea a placa e inicia o teste Pegar caixa vazia e colocar na bancada, em seguida pegar a placa da esteira, revisar os componentes logo em seguida registrar no MES e depois colocar a placa no saco antiestático e em seguida colocar na caixa novamente. Figura 2: Fluxograma da linha de produção após a redistribuição das atividades 13

14 POSTO 1 POSTO 2 POSTO 3 POSTO 4 MÁQUINA DE SOLDA POSTO 5 ICT VDSL FT WIFI PACKOUT 14

15 5. Conclusão O artigo apresentado mostrou a importância do estudo de tempos e métodos. Este estudo ajuda a tomada de decisões com base nos tempos colhidos, como por exemplo, determinar o planejamento correto de produção, uma vez realizado e determinado o tempos padrão é usado como pagamento de incentivos à mão de obra, tais como movimentadores de materiais e preparadores de produção e, por fim, usado como base do controle de custo de mão de obra também. O objetivo deste estudo de caso foi alcançado através das análises dos tempos padrões de cada posto de trabalho em uma linha de inserção manual de componentes eletrônicos, o qual foi possível verificar que o posto de número seis apresentava ociosidade em comparação aos outros. O balanceamento foi alcançado com a redistribuição da atividade deste posto aos outros e, assim reduzindo uma mão de obra na linha de produção, realocando-a em outra atividade. O estudo na linha de produção partiu de uma observação, no qual o trabalhador apresentava grande ociosidade. Este estudo pode ser aplicado a outras linhas de inserção manual de componentes eletrônicos, desde que seja observada ociosidade quanto a algum posto de trabalho. REFERÊNCIAS BARNES, R. Estudo de Movimentos e de Tempos: Projeto e Medida do Trabalho. São Paulo: Edgar Blücher, COSTA, Eliezer Arantes, Gestão Estratégica- Eliezer Arantes da Costa São Paulo : Saraiva,2003. CURY, A. Organização e Métodos. São Paulo: Atlas, GILBRETH, F. B. Motion Study. D. Van Nostrand Co., Princeton, New Jersey, p. 88. MIGUEL, P. A. C. Qualidade: enfoques e ferramentas. São Paulo: Arttliber Editora, MOREIRA, D. Administração da Produção e Operações. São Paulo: Cengage Learning, NIGEL S. Administração da Produção. Revisão técnica Henrique Correia, Irineu Gianesi-1.ed.-14.reimpr- São Paulo: Atlas

16 PONTES, H. L. J; et al. (2005). Melhoria no sistema produtivo de uma fábrica de café: estudo de caso. In Simpósio de Engenharia de Produção, 12, Bauru. Anais... São Paulo: SIMPEP, SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart; JOHSTON, Robert. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, ª ed. STEVENSON, Willian J. Administração das operações de produção. Rio de Janeiro: LTC, pp

UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO DE PALMITO: UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE LIMPEZA DO RECIPIENTE DO PALMITO

UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO DE PALMITO: UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE LIMPEZA DO RECIPIENTE DO PALMITO UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO DE PALMITO: UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE LIMPEZA DO RECIPIENTE DO PALMITO Jeferson Martins Araújo (araujojeferson.jm@gmail.com/ UFPA Campus de Abaetetuba) Marcel

Leia mais

ESTUDO DE TEMPOS E MÉTODOS PARA A ELABORAÇÃO DE FOLHA DE PROCESSOS NO SETOR DE MONTAGEM DE CADEIRAS

ESTUDO DE TEMPOS E MÉTODOS PARA A ELABORAÇÃO DE FOLHA DE PROCESSOS NO SETOR DE MONTAGEM DE CADEIRAS ESTUDO DE TEMPOS E MÉTODOS PARA A ELABORAÇÃO DE FOLHA DE PROCESSOS NO SETOR DE MONTAGEM DE CADEIRAS Franciele Bonatto (UTFPR ) bonatto.franciele@gmail.com Joao Luiz Kovaleski (UTFPR ) kovaleski@utfpr.edu.br

Leia mais

ANÁLISE DA CAPACIDADE PRODUTIVA DE UMA EMPRESA DE REFORMA DE PNEUS ATRAVÉS DO ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS

ANÁLISE DA CAPACIDADE PRODUTIVA DE UMA EMPRESA DE REFORMA DE PNEUS ATRAVÉS DO ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE DA CAPACIDADE PRODUTIVA DE UMA EMPRESA DE REFORMA DE PNEUS ATRAVÉS DO ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS Tulio Franco de Souza (UEPA) tfsengprod@yahoo.com.br

Leia mais

Ricardo Coêlho dos Santos Filho (UVV) ri.filho@uol.com.br Fabiano Cézar Gomes Nascimento (AM Tubarão) fabiano.cezar@ymail.com

Ricardo Coêlho dos Santos Filho (UVV) ri.filho@uol.com.br Fabiano Cézar Gomes Nascimento (AM Tubarão) fabiano.cezar@ymail.com XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Jonas Alves de Paiva (UFPB) jonas@ct.ufpb.br Thiago Miranda de Vasconcelos

Leia mais

ANÁLISE E COMPARAÇÃO DA CAPACIDADE PRODUTIVA DE UMA EMPRESA FOTOCOPIADORA COM BASE NAS TÉCNICAS DE ENGENHARIA DE MÉTODOS

ANÁLISE E COMPARAÇÃO DA CAPACIDADE PRODUTIVA DE UMA EMPRESA FOTOCOPIADORA COM BASE NAS TÉCNICAS DE ENGENHARIA DE MÉTODOS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DA CAPACIDADE PRODUTIVA DE UMA EMPRESA FOTOCOPIADORA COM BASE NAS TÉCNICAS DE ENGENHARIA DE MÉTODOS DAYANE DIAS DE JESUS (UEPA) dayane.dias15@hotmail.com julli anne miranda azevedo

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE UM VASO DE PRESSÃO EM UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE. Por: Dario Jorge Brandão Orientador Professora

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009 Versão: 2 Pág: 1/5 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 13/10/2009 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 2º Encontro - 17/02/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO DA

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Histórico: - Um dos registros mais antigos de produção gerenciada data de cerca de 5.000 a.c.: monges sumérios já contabilizavam seus estoques,

Leia mais

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Eberson de Andrade Moreira (SULZER) eng_eberson@hotmail.com Paulo Augusto Cauchick Miguel (USP)

Leia mais

OTIMIZAÇÃO E BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE CHASSIS DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS

OTIMIZAÇÃO E BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE CHASSIS DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS OTIMIZAÇÃO E BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE CHASSIS DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS Leonardo Almeida Favaro (UCS ) lfavaro@agrale.com.br Carlos Alberto Costa (UCS ) cacosta@ucs.br Marcos Alexandre Luciano

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

ESTUDO DE TEMPOS APLICADO NA INDUSTRIALIZAÇÃO DE GUARANÁ EM PÓ: UMA ABORDAGEM VOLTADA À ANÁLISE DE CAPACIDADE PRODUTIVA

ESTUDO DE TEMPOS APLICADO NA INDUSTRIALIZAÇÃO DE GUARANÁ EM PÓ: UMA ABORDAGEM VOLTADA À ANÁLISE DE CAPACIDADE PRODUTIVA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

O USO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE VISANDO A PADRONIZAÇÃO DO TAMANHO DA MASSA DA LASANHA PRODUZIDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA

O USO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE VISANDO A PADRONIZAÇÃO DO TAMANHO DA MASSA DA LASANHA PRODUZIDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA O USO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE VISANDO A PADRONIZAÇÃO DO TAMANHO DA MASSA DA LASANHA PRODUZIDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA Wherllyson Patricio Goncalves (UFCG) wherllyson@yahoo.com.br Suelyn Fabiana

Leia mais

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa.

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. 1. INTRODUÇÃO Prof. Carlos Maurício Duque dos Santos Mestre e Doutorando em Ergonomia pela Escola Politécnica

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

Lean na indústria gráfica: um estudo de caso

Lean na indústria gráfica: um estudo de caso Lean na indústria gráfica: um estudo de caso Osiran Lima* Este artigo mostra a implementação de células de manufatura em uma empresa gráfica, substituindo o layout linear pelo layout celular, onde foi

Leia mais

BALANCEAMENTO BALANCEAMENTO DE LINHA

BALANCEAMENTO BALANCEAMENTO DE LINHA BALANCEAMENTO O que é Balanceamento? De acordo com o dicionário online de português, a ação de balancear consiste em um movimento alternativo ou oscilatório de um corpo. Também é muito utilizado o termo

Leia mais

Soluções robóticas da Intelligrated

Soluções robóticas da Intelligrated Soluções robóticas Soluções robóticas da Intelligrated Setores atendidos: Alimentos A Intelligrated é uma integradora de robótica certificada com mais de 20 anos de experiência no fornecimento de soluções

Leia mais

AUDITORIA EM MEIO MAGNÉTICO

AUDITORIA EM MEIO MAGNÉTICO 1 AUDITORIA EM MEIO MAGNÉTICO VAZ, J.B. 1 RESUMO O avanço tecnológico ocorrido no campo da informática surte efeito nos trabalhos de auditoria contábil. Principalmente por ocorrer um aumento no volume

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO

VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) Edilaine Cristina Duarte de Souza, Unisalesiano de Lins e-mail: edilaine.duarte@ig.com.br Érika Yuri Kotaki, Unisalesiano

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos.

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Tatiana Sakuyama Jorge Muniz Faculdade de Engenharia de Guaratingüetá - Unesp

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de projetos na construção civil predial - uma proposta de modelo de gestão integrada GIULLIANO POLITO 19/09/2013 Título

Leia mais

Autores. Júlio César de Souza Ricardo Alves da Silva Flávia de Freitas Bastos

Autores. Júlio César de Souza Ricardo Alves da Silva Flávia de Freitas Bastos CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DA MINERAÇÃO DE GIPSITA NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE, PERNAMBUCO BRASIL Autores Júlio César de Souza Ricardo Alves da Silva Flávia de Freitas Bastos INTRODUÇÃO Toda atividade

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Gerenciamento do dia a dia

Gerenciamento do dia a dia CICLO DO PDCA Gerenciamento do dia a dia O Gerenciamento tem como premissa contribuir para melhorar cada vez mais os processos, permitindo que as lideranças e as equipes de trabalho realizem uma análise

Leia mais

Diogo Ariel Franken PROPOSTA DE BALANCEAMENTO EM UMA LINHA DE SOLDAGEM DE UMA EMPRESA DO RAMO METAL MECÂNICO. Horizontina

Diogo Ariel Franken PROPOSTA DE BALANCEAMENTO EM UMA LINHA DE SOLDAGEM DE UMA EMPRESA DO RAMO METAL MECÂNICO. Horizontina Diogo Ariel Franken PROPOSTA DE BALANCEAMENTO EM UMA LINHA DE SOLDAGEM DE UMA EMPRESA DO RAMO METAL MECÂNICO Horizontina 2013 Diogo Ariel Franken PROPOSTA DE BALANCEAMENTO EM UMA LINHA DE SOLDAGEM DE UMA

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO: UMA ANÁLISE POR MEIO DE ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CONFECÇÕES DO SUDOESTE DO PARANÁ

SISTEMA DE PRODUÇÃO: UMA ANÁLISE POR MEIO DE ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CONFECÇÕES DO SUDOESTE DO PARANÁ 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO: UMA ANÁLISE POR MEIO DE ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE CONFECÇÕES DO SUDOESTE DO PARANÁ Diego Machado 1 Débora Tazinasso 2 Área de conhecimento: Administração. Eixo Temático: Administração

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Laureilton José Almeida BORGES¹; Warley Alves Coutinho CHAVES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA 2 ; Adriana Giarolla VILAMAIOR 2 ¹ Estudante de Engenharia

Leia mais

Planejamento Estratégico da Produção: Uma análise teóricoconceitual

Planejamento Estratégico da Produção: Uma análise teóricoconceitual Planejamento Estratégico da Produção: Uma análise teóricoconceitual Raphaela Fernandes de Almeida 1 (EPA, FECILCAM) rapha_bela@hotmail.com Caroline Oliveira de Souza 2 (EPA, FECILCAM) carol_souza_16@hotmail.com

Leia mais

Exercícios de Gestão de Operações IV

Exercícios de Gestão de Operações IV 1 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária Departamento de Administração Exercícios de Gestão de Operações IV 1. Em um estudo de tempos

Leia mais

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com A história administração A história da Administração é recente,

Leia mais

Utilização das ferramentas de qualidade para melhor gerenciar o processo produtivo em uma empresa de produtos ortopédicos.

Utilização das ferramentas de qualidade para melhor gerenciar o processo produtivo em uma empresa de produtos ortopédicos. Utilização das ferramentas de qualidade para melhor gerenciar o processo produtivo em uma empresa de produtos ortopédicos. João Antonio Soares Vieira (joaoantonioep@gmail.com/ UEPA) Janine Campos Botelho

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

Edson Luis de Souza PROPOSTA E APLICAÇÃO DE UM MODELO DE CRONOANÁLISE PARA OS SETORES DE SOLDAGEM E MONTAGEM DE UMA EMPRESA DE AGRONEGÓCIOS

Edson Luis de Souza PROPOSTA E APLICAÇÃO DE UM MODELO DE CRONOANÁLISE PARA OS SETORES DE SOLDAGEM E MONTAGEM DE UMA EMPRESA DE AGRONEGÓCIOS Edson Luis de Souza PROPOSTA E APLICAÇÃO DE UM MODELO DE CRONOANÁLISE PARA OS SETORES DE SOLDAGEM E MONTAGEM DE UMA EMPRESA DE AGRONEGÓCIOS Horizontina 2012 Edson Luis de Souza PROPOSTA E APLICAÇÃO DE

Leia mais

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3 Max-Prod Resumo: O software possui três simuladores distintos, sendo que o presente descritivo enfoca o primeiro deles, no qual foram gerados

Leia mais

Análise do processo produtivo e logístico da linguiça de peito de frango da

Análise do processo produtivo e logístico da linguiça de peito de frango da Análise do processo produtivo e logístico da linguiça de peito de frango da indústria Frango Santana LTDA. Paulo Augusto dos Santos¹, Frederico Leocádio Ferreira¹, Helena Torres Gaitani Motta¹, Jaqueline

Leia mais

Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp

Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp Kishida, Marino (Lean Institute Brasil) Silva, Adriano Henrique (ThyssenKrupp) Guerra, Ezequiel (ThyssenKrupp) Este artigo mostra os

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

Prof. Dr.Onofre Miranda Agosto/2014

Prof. Dr.Onofre Miranda Agosto/2014 Prof. Dr.Onofre Miranda Agosto/2014 1 OBJETIVOS Objetivo Geral: Revisar conceitos e abordagens clássicas das Teorias da Administração (Introdução à Administração); Objetivos Específicos: Contextualizar

Leia mais

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias.

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias. Metodologia A Pesquisa CNT de Rodovias propõe-se a avaliar a situação das rodovias brasileiras a partir da perspectiva dos usuários da via. As características - pavimento, sinalização e geometria - são

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

AP03 OS MODELOS DE PRODUÇÃO DE HENRY FORD

AP03 OS MODELOS DE PRODUÇÃO DE HENRY FORD 1 2 Conhecer os princípios de produção em massa preconizados por Henry Ford Estabelecer correlações entre o Taylorismo e o Fordismo 3 Henry Ford e o modelo T Henry Ford (1863-1947) também é um dos precursores

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios.

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios. TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO 2016 CURSOS Formação prática em ferramentas essenciais para a melhoria dos processos e redução de desperdícios. Desenvolvimento de 1 Pessoas Propósito é o

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

GESTÃO ORGANIZACIONAL NA EMPRESA: A OLIVEIRA S INFORMÁTICA

GESTÃO ORGANIZACIONAL NA EMPRESA: A OLIVEIRA S INFORMÁTICA GESTÃO ORGANIZACIONAL NA EMPRESA: A OLIVEIRA S INFORMÁTICA Braulio Oliveira dos Santos Fo Adriana Guimarães de Oliveira Leuzenir Barth de Oliveira Resumo: Este artigo retrata a maneira pela qual foi desenvolvido

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO BANCÁRIA

GESTÃO DE PESSOAS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO BANCÁRIA GESTÃO DE PESSOAS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO BANCÁRIA FREITAS, Karen Medeiros 1 ; SCHLABITZ, Odette Ottila Brenner²; JUNGES, Vanessa de Campos 3 Palavras-Chave: Gestão de Pessoas. Recrutamento.

Leia mais

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. Ponto de Pedido PP = (D x TR) + ES Onde: D = Demanda do

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ANALYSIS OF APPLICATION OF PHILOSOPHY IN LEAN CONSTRUCTION COMPANIES

Leia mais

Fred s. Cadeia regional de varejo atualiza seu software de abastecimento de pedidos sem interrupções durante a transição ESTUDO DE CASO

Fred s. Cadeia regional de varejo atualiza seu software de abastecimento de pedidos sem interrupções durante a transição ESTUDO DE CASO Fred s Cadeia regional de varejo atualiza seu software de abastecimento de pedidos sem interrupções durante a transição automação que traz resultados Cadeia regional de varejo atualiza seu software de

Leia mais

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO 1 PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO Aline Silva SANTOS 1 RGM 088607 Andressa Faustino da SILVA¹ RGM 089712 Diego Dias dos SANTOS¹ RGM 087266 Tatiane Gomes dos SANTOS¹ RGM 089204 Viviane Regina

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO 1 Ana Carolina Ignácio da Silva 2 Flavio José Patrocínio 3 Marcia Tathiane da Silva Ribeiro Mantovani 4 Mariane Ichisato 5 Renata Cristina

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Caso de aplicação do Modelo 5+5 em uma empresa de agronegócios

Gestão do Conhecimento: Caso de aplicação do Modelo 5+5 em uma empresa de agronegócios Gestão do Conhecimento: Caso de aplicação do Modelo 5+5 em uma empresa de agronegócios Carlos Alberto Backes (FAHOR) carlos.backes@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Vilmar Bueno

Leia mais

MODELO DE DECISÃO PARA ALOCAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM PROJETOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MODELO DE DECISÃO PARA ALOCAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM PROJETOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MODELO DE DECISÃO PARA ALOCAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM PROJETOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ana Paula Cabral Seixas Costa (UFPE) apcabral@ufpe.br Lúcio Camara

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP/PECE ESPECIALIZAÇÃO EM TRANSPORTES PLANEJAMENTO DE SISTEMAS LOGÍSTICOS E DE TRANSPORTE - TE- 025

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP/PECE ESPECIALIZAÇÃO EM TRANSPORTES PLANEJAMENTO DE SISTEMAS LOGÍSTICOS E DE TRANSPORTE - TE- 025 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP/PECE ESPECIALIZAÇÃO EM TRANSPORTES PLANEJAMENTO DE SISTEMAS LOGÍSTICOS E DE TRANSPORTE - TE- 025 MANUTENÇÃO SEMAFÓRICA NA GERÊNCIA DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA DA CET/SP Luiz

Leia mais

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO ESTUDO ORGANIZACIONAL 1 REORGANIZAÇÃO Meta: sinergia Momento certo: Elevados custos Problemas com pessoal Baixo nível de qualidade dos produtos Baixa competitividade do mercado Dificuldade de crescimento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

PROJETO INFORMACIONAL APLICADO NO PROJETO DA COBERTURA DE UM TANQUE GRANELEIRO DE COLHEITADEIRA

PROJETO INFORMACIONAL APLICADO NO PROJETO DA COBERTURA DE UM TANQUE GRANELEIRO DE COLHEITADEIRA PROJETO INFORMACIONAL APLICADO NO PROJETO DA COBERTURA DE UM TANQUE GRANELEIRO DE COLHEITADEIRA Cleber Augusto Pedó (FAHOR) cp000647@fahor.com.br Gelson da Cruz Esteves (FAHOR) ge000649@fahor.com.br Fabiano

Leia mais

Planejamento e controle da produção utilizando a ferramenta MRP: estudo de caso em uma fábrica de tubos de concreto

Planejamento e controle da produção utilizando a ferramenta MRP: estudo de caso em uma fábrica de tubos de concreto Planejamento e controle da produção utilizando a ferramenta MRP: estudo de caso em uma fábrica de tubos de concreto Eduardo Henrique Bogaz (UEPA) edu.bogaz@gmail.com Felipe Rossato Marques (UEPA) felipe.rossato20@gmail.com

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE METODOLOGIA LEAN EM UMA LINHA DE ENSACADEIRA PARA ARGAMASSA.

IMPLEMENTAÇÃO DE METODOLOGIA LEAN EM UMA LINHA DE ENSACADEIRA PARA ARGAMASSA. IMPLEMENTAÇÃO DE METODOLOGIA LEAN EM UMA LINHA DE ENSACADEIRA PARA ARGAMASSA. Almeida, Mário Cesar marioengproducao@gmail.com Ferreira, Claudimar Evangelista claudimarevangelista@gmail.com Magnani, Eduardo

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 Alan Kardec Pinto A abordagem desta importante ferramenta estratégica será feita em cinco partes, de modo a torná-la bem abrangente e, ao mesmo tempo,

Leia mais

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing Documentação do produto PUBLIC Sourcing Índice 1 Sourcing.... 5 2 Fundamentos... 7 2.1 Gerenciamento do relacionamento com fornecedores... 7 2.2 Automação do gerenciamento do relacionamento com fornecedores...

Leia mais

Técnicas de ensino e domínios de aprendizagem

Técnicas de ensino e domínios de aprendizagem Técnicas de ensino e domínios de aprendizagem Realizado por Janeiro de 2009 De acordo com Bloom a aprendizagem ocorre em três domínios: cognitivo psicomotor (habilidades) afetivo (atitudes ) Domínio cognitivo

Leia mais

FLUXO DE OTIMIZAÇÃO EM PROJETO DE INOVAÇÃO UTILIZANDO

FLUXO DE OTIMIZAÇÃO EM PROJETO DE INOVAÇÃO UTILIZANDO FLUXO DE OTIMIZAÇÃO EM PROJETO DE INOVAÇÃO UTILIZANDO FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS EM CONJUNTO COM FORMULAÇÃO TEÓRICA Cristiano Marques de Oliveira 1 1 Delphi Automotive Systems E-mails: cristiano.m.oliveira@delphi.com

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5F)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4)2*OHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ANÁLIS CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

Leia mais

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Informações gerais sobre a prática Título Implantação da Norma Iso 9001:2008 no Departamento de Distribuição de Processos

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Origem e desenvolvimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING)

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) Coordenação Gerenciadora ABEMD Associação Brasileira de Marketing Direto Presidente: Efraim

Leia mais

Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl.

Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl. Onde encontrar Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl Para utilização em um único computador (Monousuário) RDL Completo software de instalação adequado para a utilização em somente um

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015! XXVIENANGRAD A LOGÍSTICA DENTRO DA CONSTRUÇÃO ENXUTA: ESTUDO DE CASO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA. LARISSE OLIVEIRA COSTA Andriele Pinto de Amorim ÁreaTemática GESTÃODEOPERAÇÕESELOGÍSTICA

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

ANÁLISE DE ARRANJO FÍSICO: ESTUDO DE CASO REALIZADO NA MINERADORA GRAFITE PEDRA AZUL.

ANÁLISE DE ARRANJO FÍSICO: ESTUDO DE CASO REALIZADO NA MINERADORA GRAFITE PEDRA AZUL. ANÁLISE DE ARRANJO FÍSICO: ESTUDO DE CASO REALIZADO NA MINERADORA GRAFITE PEDRA AZUL. Daniel Abraao de Melo (PUC) daniel.abrao@sga.pucminas.br Everton Lucinei da Rocha (PUC) everton_rochasg@yahoo.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3.

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1 Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. 1 Pesquisa realizada no curso de Administração da Unijuí 2 Aluna

Leia mais

O Processo de Engenharia de Requisitos

O Processo de Engenharia de Requisitos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo de Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 2o.

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Seqüência de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Seqüência de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

MAPEAMENTO DE PROCESSOS COMO FATOR DE MELHORIA DA QUALIDADE EM ORGANIZAÇÕES: ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA DO ESTADO DE RORAIMA

MAPEAMENTO DE PROCESSOS COMO FATOR DE MELHORIA DA QUALIDADE EM ORGANIZAÇÕES: ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA DO ESTADO DE RORAIMA MAPEAMENTO DE PROCESSOS COMO FATOR DE MELHORIA DA QUALIDADE EM ORGANIZAÇÕES: ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA DO ESTADO DE RORAIMA RAIANE DAMASIO DE ASSIS bel.belmira@gmail.com ESTÁCIO ATUAL KILDO

Leia mais

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM.

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM. Cluster: Computação de Alto Desempenho Hilário Viana Bacellar Instituto de Computação, Universidade Estadual de Campinas Av. Albert Einstein 1251, Cidade Universitária, CEP 13083-970 Campinas, SP, Brasil

Leia mais