ARRANCAMENTO DAS PREGAGENS E CABOS DE AÇO NA MINA DO MOÍNHO - ALJUSTREL PULL TESTING OF ROCK BOLTS AND CABLES IN THE MOÍNHO MINE - ALJUSTREL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARRANCAMENTO DAS PREGAGENS E CABOS DE AÇO NA MINA DO MOÍNHO - ALJUSTREL PULL TESTING OF ROCK BOLTS AND CABLES IN THE MOÍNHO MINE - ALJUSTREL"

Transcrição

1 ARRANCAMENTO DAS PREGAGENS E CABOS DE AÇO NA MINA DO MOÍNHO - ALJUSTREL PULL TESTING OF ROCK BOLTS AND CABLES IN THE MOÍNHO MINE - ALJUSTREL TORRES SILVA COUTO, RUI* RESUMO O Centro de Geotecnia do Instituto Superior Técnico tem vindo a fazer o acompanhamento geomecânico das estruturas de suporte das minas de Aljustrel, nomeadamente dos aspectos de instrumentação geomecânica da mina de Moínho, em consonância com as prioridades estabelecidas pelas Pirites Alentejanas, S.A., tendo em vista a manutenção da estabilidade das aberturas subterrâneas que poderão desempenhar papel relevante na possível reabertura dos trabalhos de exploração da Mina. Este artigo tem por objectivo descrever as acções levadas a efeito para a determinação das capacidades de ancoragem das pregagens instaladas nos locais que se considerem críticos. O equipamento disponivel para o efeito é o Rock Bolt Pull Test- Model 30, de origem canadiana, que foi modificado para permitir o ensaio de pregagens por cabo e com qualquer inclinação, dado que originalmente se destinava apenas ao arrancamento de pregagens instaladas na vertical. O apreciável rigor com que estas determinações foram feitas, algumas das quais apresentadas no texto do artigo, fornecem uma contribuição valida para a definição das condições reais dos cabos ensaiados, servindo para o dimensionamento do suporte por pregagens e cabos de aço similares que poderão vir a instalar-se futuramente, assim como à determinação da funcionalidade de sistemas já colocados há varios anos, cuja eficácia necessite de ser avaliada. ABSTRACT The CEGEO of Instituto Superior Tecnico has studied the geomechanic behaviour of the suport structures of the Aljustrel Mines, namely the monitoring of the Moinho mine according to the priorities of Pirites Alentejanas S.A., with the purpose of stability maintenance of the underground works that may have relevant role on the future possible reopening of their exploitation works. The objective of this paper is to describe the studies and tests for determining the load support capacity for the already installed rock bolts and cables with resin and cement bonds. The available equipment of CEGEO is the canadian Rock Bolt Pull Test Model RPT 30 that was modified, allowing testing to be made for bolts an cables with any inclination. The several load versus displacement curves obtained are in accordance with typical curves, thus giving a good contribution for the support dimensioning and evaluation rock bolts and cables similar to those to be installed in the future, as the funcionablity of the existing systems must be evaluated. (*) Investigador do Núcleo de Rochas, Centro de Geotecnia do IST,

2 1. INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS O Núcleo de Rochas do Centro de Geotecnia do IST tem vindo a fazer um acompanhamento geomecânico das estruturas subterrâneas da Mina do Moínho em Aljustrel[1], em consonância com as prioridades estabelecidas pelas Pirites Alentejanas S.A., tendo em vista o plano de manutenção da estabilidade das aberturas subterrâneas que poderão desempenhar papel relevante na possível reabertura dos trabalhos de exploração das suas minas. Embora este plano de manutenção de estabilidade das estruturas subterrâneas seja bastante mais abrangente, este artigo tem por objectivo descrever as acções levadas a efeito para a determinação da integridade e das capacidades de ancoragem das pregagens por meio de cabos e tirantes instalados há vários anos nos locais que se consideraram críticos, bem como discernir sobre aspectos técnicos que conduzissem a uma optimização dos resultados pretendidos. Procurou-se também averiguar se os efeitos temporais, mecânicos e outros não afectaram as referidas pregagens e caso afirmativo, quantificar esses desvios e dar directrizes para o dimensionamento do suporte por pregagens e por cabos similares que poderão vir a instalar-se futuramente. 2. INSTALAÇÃO DE SUPORTES 2.1 Sustimento por meio de cabos Os trabalhos de colocação do sustimento com cabos têm sido efectuados pelas Pirites Alentejanas S.A., nomeadamente na secção 3 da rampa principal, segundo uma determinada malha, com aberturas que variam de 1,2 m x 1,2 m a 2 m x 2 m. O aproveitamento dos cabos de aço, existentes em significativas quantidades, permitiu uma minimização dos custos inerentes à sua aquisição, observadas que foram certas características, como sejam, o estado geral destes materiais, utilizações a que foram sujeitos, o seu grau de oxidação, se foram sujeitos a grandes esforços ou se apresentam ainda resquícios de lubrificação, motivando a degenerescência das suas propriedades de resistência mecânica. Tomados estes cuidados, a sua aplicação é vantajosa como sistema de suporte de maciços rochosos por ser um sistema durável e capaz, assim como flexível, em condições distintas de instalação, podendo ser fixados em comprimentos variados. Outro aspecto a ter em consideração é o de ordem técnica, onde estão em jogo a eficiência e validação do processo de fixação dos cabos. Assim, no âmbito deste relatório, dar- -se-á ênfase a considerações desta índole, à luz de abordagens teóricas que possam servir de orientação aos procedimentos praticados. Um dos aspectos mais sensíveis desta técnica, relaciona-se com as solicitações que actuam após a fixação dos cabos, nomeadamente na interface da superfície lateral dos cabos e a calda injectada. De facto, quando as tensões induzidas nesta interface se tornam superiores ao atríto ocorrerá a rotura e provocando a redistribuição dos esforços nas demais estruturas [2] e [3]. Acresce ainda que, para além dos cuidados nas técnicas e materiais utilizados, há que considerar as características do maciço onde são implantados estes suportes. O recurso ao sustimento por cabos e caldas torna-se inadequado quando a relação água / /cimento óptima não puder ser controlada, nos furos onde existam fluxos contínuos de águas subterrâneas, quando se verifiquem condições de instabilidade que obriguem à actuação

3 imediata do suporte, não existindo um período de repouso para a consolidação do agente de cimentação (tempo de presa do cimento) e quando seja previsível a presença de falhas abertas, a menos que seja possível o controle das injecções, o que se encontra às vezes relacionado com o tipo de diagrama de fogo utilizado, o qual deve ser corrigido, caso se verifiquem tais fenómenos [4]. Deve-se ter ainda em atenção que, na evolução dos trabalhos, o dimensionamento das estruturas deve ser reajustado, fazendo uso dos resultados das monitorizações e observações, procurando- -se sempre um bom compromisso entre economia e segurança, implementando as aplicações teóricas em conjunto com a experiência prática adquirida. 2.2 Avaliação do sistema de suporte A avaliação quantitativa dos cabos aplicados nas áreas mais sensíveis passa pelo estudo da densidade mínima necessária para que a área afectada confira condições de estabilidade. Para tal, considera-se serem válidas um conjunto de variáveis estabelecidas pelas características dos materiais e as condições em que são desenvolvidos os trabalhos, nomeadamente as dimensões e espaçamento com que são implantados os cabos, o rigor com que são efectuadas as operações de instalação e as características geológicas e geotécnicas inerentes do maciço. Assim, numa primeira abordagem, interessa prever qual será o comportamento do sistema implantado nas actuais condições, através do cálculo dos esforços admissíveis nos cabos, nas caldas de cimento utilizadas e nas tensões de rotura do maciço. Cabo de aço Para um cabo de 17 mm de diâmetro e considerando uma tensão de tracção do aço de 160 kg/mm 2 (1.600 MPa), resulta uma carga de rotura do cabo de aproximadamente 173,5 kn. Cimento Adopta-se o valor para a tensão de rotura do cimento, σ c, correspondente a 10 MPa. Maciço Atendendo-se à natureza e estado de fracturação do maciço, considera-se o valor médio representativo de70 MPa como resistência à compressão. Pela análise realizada pode-se concluir que, quando comparadas as magnitudes dos valores aferidos, o material que se apresenta mais susceptível aos esforços que possam actuar no sistema, corresponde à calda de cimento. Assim, devem haver especiais cuidados na sua preparação e colocação, devendo-se optar por outro tipos de suporte caso não se verifique eficiência do material, conclusões essas que só podem ser obtidas através da prática dos ensaios de arrancamento das pregagens. 2.3 Ensaios de arrancamento de cabos e pregagens Para a análise da eficácia do sistema de suporte utilizado, foram realizados ensaios de arrancamento tendo como base a metodologia indicada nos Suggested Methods da Sociedade Internacional de Mecânica das Rochas [5]. Estes ensaios destrutivos foram realizados in situ sob um certo número de cabos e pregagens, onde foram determinados os parâmetros necessários para a verificação das condições de actuação dos mesmos e, consequentemente, saber se o número de suportes instalados é o mais adequado.

4 A utilização do equipamento disponível, para o efeito, no Centro de Geotecnia do I.S.T é o Rock Bolt Pull Tester Model RPT-30, representado na Figura 1, que foi modificado para permitir o ensaio de pregagens, com qualquer inclinação, dado que originalmente se destinava apenas ao arrancamento das pregagens instaladas na vertical. Na hipótese de ocorrência de rotura numa área já sustida interessa considerar três situações distintas responsáveis pelo desabamento dos tectos de escavação. Na primeira destas, ocorre o desabamento do bloco do maciço, juntamente com o sustimento incorporado. Neste caso, o comprimento ou o número das ancoragens não se apresenta suficiente de forma a tornar o bloco individualizado pelas descontinuidades que o ligam ao remanescente maciço. Para tal dimensionamento, a avaliação do volume dos blocos soltos torna-se necessária, apesar das dificuldades relativas a esse levantamento; no entanto, uma primeira ordem de aproximação dos valores do volume, tamanho e orientação das descontinuidades que individualizam o bloco são suficientes para esta definição. Um levantamento mais elaborado do formato, volume e peso, assim como a direcção de escorregamento ou queda dos blocos das paredes ou dos tectos do túnel, pode ser feita com recurso à utilização da técnica de projecção estereográfica [6]. Uma vez obtida a informação sobre os blocos através desta técnica, pode ser determinado o número de cabos necessários ao sustimento do material individualizado pelas descontinuidades. A determinação do comprimento das pregagens basear-se-á simplesmente nas dimensões dos blocos a serem tratados. O comprimento dos mesmos deve ser tal que os segmentos fixados no maciço sejam capazes de suportar o peso resultante. Foi considerado importante dispôr de um sistema de aferição das capacidades de suporte que estariam a ser desempenhadas pelos cabos e pregagens já existentes na Mina do Moínho. Esta verificação aplicar-se-ia, também, aos cabos e pregagens recentemente instalados em zonas menos estáveis, uma vez que é importante determinar a sua capacidade de ancoragem.

5 Figura 1 Componentes do aparelho de arrancamento de pregagens 2.4 Necessidade de alteração do equipamento original O equipamento originalmente disponível para realizar ensaios na Mina do Moínho foi transportado até ao local (Rampa Principal a cota 100) e foram efectuadas diversas tentativas, todas incompletas, face às dificuldades seguintes: - O aparelho era especialmente destinado ao arrancamento de parafusos de tecto, que possuam a extremidade roscada, onde se aplica uma porca que entra no interior da câmpanula de distribuição de carga. No caso de se trabalhar com cabos, era necessário criar um encabeçamento do cabo compatível com os esforços a aplicar, que podem chegar aos 270 kn; - Verificou-se ainda a ausência de alongas na perna telescópica que permitissem ensaiar cabos instalados no tecto, devido à grande altura do mesmo relativamente ao piso de rodagem; - Foram assim tentados ensaios para cabos instalados nos hasteais, a alturas convenientes (1 a 1,8 m do piso) com a perna telescópica colocada na horizontal ou inclinada, fixando-se no

6 8º Congresso Nacional de Geotecnia, Lisboa 2002 veículo de carga. Porém, verificava-se encurvadura da haste devida ao seu peso próprio, facto que impedia o deflectómetro do aparelho de realizar medições de deslocamentos; - O encabeçamento da extremidade livre do cabo (contido no interior da câmpanula do aparelho) era realizado por "serra-cabos" de parafuso, que não exerciam convenientemente a sua função, deixando deslizar o cabo antes de este romper. Foi assim decidido suspender o ensaio e promover as seguintes modificações: - Alterar o sistema de encabeçamento do cabo, através do aproveitamento da sua própria cunha e bucha, e acrescentando-lhe uma bolacha de 55 mm de diâmetro exterior. - Executar uma placa de chapa, com 10 mm de espessura e 250 mm de lado, destinada a ser colocada entre a rocha e a campânula do macaco do aparelho de arrancamento; - Remover totalmente a perna telescópica do aparelho e substitui-la por um conjunto tubular, onde se posiciona o deflectómetro. Esta última peça, construída especialmente para o efeito, foi subsequentemente ensaiada no Laboratório, tendo fornecido apreciável melhoria no processo de registo das deformações, levando a dispensar completamente a referida perna telescópica (ver Figura 2). Feita a alteração referida, foi o sistema ensaiado em laboratório, antes de ser usado na Mina. Naturalmente que apenas foi aferido o comportamento à tracção que apresentava o conjunto formado pelo cabo de aço e o respectivo encabeçamento. A curva força-deslocamento típica que se obteve nos ensaios de laboratório efectuados está representada na Figura 3, revelando possuir três partes: a curva inicial de ajuste do sistema (caracterizada por um coeficiente de rigidez crescente), a fase elástica em que se verifica proporcionalidade entre forças e deslocamentos (tendo coeficiente de rigidez constante) e a fase plástica, com grandes deslocamentos para pequenos acréscimos de carga aplicada (coeficiente de rigidez decrescente). Figura 2 Conjunto tubular onde se posiciona o deflectómetro É de assinalar que a transição da fase elástica para a fase plástica se dá para a chamada carga de cedência do cabo, que deve ser o limite da sua utilização como elemento de ancoragem, sendo que a respectiva tensão de rotura ocorre para cargas ainda mais altas, no termo da fase plástica. Na Figura 3 está representada a curva característica obtida em testes de laboratório.

7 F (kn) F rotura F rotura Fase plástica Fase elástica Fase de ajuste do sistema Figura 3 - Comportamento obtido em testes laboratoriais de arrancamento 3. ENSAIOS EFECTUADOS E RESULTADOS OBTIDOS 3.1 Com cabos de aço e ligação com calda de cimento Deslocamentos Efectuaram-se quatro ensaios de arrancamentos de cabos, um dos quais foi anulado por razões de mau funcionamento do sistema de encabeçamento e fixação da extremidade do cabo de aço Figura 4. No Quadro 1 estão patentes os resultados dos ensaios efectuados na zona da cota 100 da Rampa principal. Em face dos ensaios efectuados, foram extraídas as características geométricas dos segmentos que constituem tais curvas, sendo as mesmas apresentadas no Quadro 1. Figura 4 Curva força/deslocamento do ensaio de arrancamento do cabo de aço

8 Quadro 1 - Valores dos coeficientes angulares dos ramos das curvas força vs. deslocamento para os 3 ensaios efectuados Fase Ensaio 1 Ensaio 2 Ensaio 3 Valores médios Ajuste 2.63 Não verificada Elástica Plástica não verificada 2.16 Tensão de rotura (MPa) Carga de rotura (kn) Verifica-se através do Quadro 1, que os ensaios se aproximaram bastante do valor calculado para a carga de rotura, se considerarmos o estado de uso do cabo apresentando alguma corrosão entretanto ocorrida desde que está em serviço. Face aos valores numéricos obtidos nos ensaios realizados na mina, chegou-se a algumas conclusões, que a seguir se enumeram. Entre os três componentes que poderiam ceder sob a acção das cargas aplicadas (rocha, cimento e cabo de aço) verificou-se que foi o último que constituiu o elo mais fraco, sendo a respectiva carga de rotura compreendida entre 123 e 148 kn, com uma média de 136 kn. Já os valores da carga de cedência, correspondentes ao final da fase elástica, cifram-se entre 120 e 137 kn, com um valor médio de 127 kn, indicativo do limite de carga que o cabo deverá suportar enquanto elemento de suporte de tectos e hasteais. Estes resultados não devem ser generalizados para outras situações que envolvam outros tipos de cabos, ou diferentes comprimentos de furos, ou ainda, distintas composições da calda de cimento a utilizar. Também a idade das pregagens constitui parâmetro a registar, face aos efeitos de corrosão que se verificam na Mina e que reduzem as suas capacidades de ancoragem com o decorrer do tempo. 3.2 Com pregagens de varão de aço e com ligante de resina Realizaram-se três ensaios e apresenta-se na Figura 5, a curva força versus deslocamento, relativa ao ensaio nº 3 realizado na galeria a muro 272 Norte, no acesso à câmara 16 no hasteal nascente. Interpretação No Quadro 2 estão patentes os resultados dos ensaios efectuados, referidos nos pontos anteriores. Em face dos ensaios efectuados, foram extraídas as características geométricas dos segmentos que constituem as curvas de variação das cargas aplicadas no arrancamento vs. deslocamentos na cabeça da pregagem, sendo as mesmas apresentadas no Quadro 2.

9 Fase Plástica Força (kn) Fase Elástica R2 = 4.63 ROTURA DA ROSCA DO PREGO R1 = Deslocamentos (mm) Figura 5 Curva força/deslocamento referente ao ensaio nº 3 RIGIDEZ (kn/mm) Quadro 2 Resultados dos ensaios de arrancamento de pregagens. Ensaio 1 Ensaio 2 Ensaio 3 Valores médios Fase Não Não 2.53 Ajustamento verificada verificada - Fase Elástica Fase Plástica Não verificada CARGAS (kn) Carga de resistência Elástica Carga de resistência Plástica Carga eficaz de resistência Não verificada * Rotura do parafuso à tracção σt=480 Mpa * 81.1 Os dois primeiros ensaios revelaram a cedência da resina que rodeia os tirantes, precedida, no primeiro caso, por um comportamento elástico, e no segundo, por uma fase plástica bem nítida[8]. Já o terceiro ensaio foi caracterizado por uma rotura do tirante (verdadeiro ensaio de tracção), após ter existido comportamento plástico, em que intervêm simultaneamente a resina e o tirante.

10 Assim, os ensaios serviram para demonstrar que a resistência eficaz do conjunto resina/tirante não deve ultrapassar 38 a 50 kn, correspondente ao termo da fase elástica de deformação. 4. ENSAIO NÃO DESTRUTIVO AVALIADOR DA INTEGRIDADE DAS PREGAGENS DE SUPORTE DA TELA TRANSPORTADORA NA RAMPA DE STº ANTÃO Com o objectivo de avaliar o comportamento das ancoragens que suspendem a estrutura metálica onde funciona a tela transportadora de minério, quando sujeitas a esforços de tracção, foram efectuados testes in situ. A determinação incidiu sobre as características elásticas das ancoragens e as condições da sua aderênia ao maciço rochoso em que as mesmas estão instaladas. c 4.1 Localização dos ensaios Por indicação de Pirites Alentejanas, o trabalho incidiu sobre duas das ancoragens de suporte da estrutura que suspende a tela transportadora nº 4, instalada na Rampa de Santo Antão da Mina do Moinho. As ancoragens de suporte da tela estão colocadas aos pares, distando 4 metros entre pares sucessivos, pelo que sustêm um peso morto da estrutura de cerca de 8 kn, ou seja, 4 kn por cada ancoragem. Tais ancoragens são constituídas por varões de aço nervurado com 2,5 a 3 metros de comprimento, estando ligadas ao maciço por meio de resina epoxy, ao longo de um comprimento aproximado de 1,5 a 2 metros, e com 1m abaixo do tecto da rampa. O diâmetro desses varões era de 17,7 milímetros e a resina utilizada para a sua instalação era da marca Celtite C5-3150, com 3 cartuchos de 50 cm por furo. O equipamento de ensaio constou de sistema de carga, de sistema medidor de extensões, de sistema medidor de deslocamentos e ainda, de medidor de temperaturas. O sistema de carga que foi preparado pela Empresa Pirites Alentejanas constou de uma "cesta" em varão de aço e de várias massas metálicas marcadas com os respectivos pesos. O sistema medidor de deformações foi constituído por extensómetros eléctricos de resistência, com base de medida 16 mm, e por um indicador de extensões Vishay, modelo P-3500, já o sistema medidor de deslocamentos foi constituído por comparadores digitais (deflectómetros) Mitutoyo, com precisão 1 µm e por hastes de fixação. O ensaio consistiu, fundamentalmente, na aplicação de cargas de tracção às ancoragens e na medição de extensões e deslocamentos motivados por essas cargas (ver Figura 6). Em complemento, para medição dos deslocamentos relativos das ancoragens, motivados pelas cargas a aplicar no ensaio, foram nelas instalados, a uma distância do tecto da rampa de cerca de 12 cm, comparadores digitais Nas proximidades dos extensómetros eléctricos de resistência colados à ancoragem (extensómetros activos), foi colocada uma placa de aço, livre de qualquer solicitação, na qual estavam colados dois extensómetros eléctricos de resistência (extensómetros compensadores) do mesmo tipo dos extensómetros activos. Estes estensómetros compensadores, para além de, conjuntamente com os extensómetros activos, constituirem meia ponte no indicador de extensões, permitem remover, das extensões a medir, os efeitos de qualquer variação de resistência nos extensómetros activos, resultantes de variações de temperatura durante o ensaio.

11 (1) Ancoragens (2) Extensómetros Deflectómetros Carga de Ensaio Aparelho de Leitura Figura 6 Ensaio de tracção sobre ancoragens Estabelecidas as ligações dos extensómetros eléctricos de resistência (activos e compensadores) ao indicador de extensões, e ajustados os comparadores digitais, colocou-se, na vizinhança das ancoragens a ensaiar, a ponta sensível de um par termo-eléctrico ligado a um aparelho medidor de temperaturas e iniciou-se o ensaio. No esquema apresentado na Figura 6 podem ver-se alguns aspectos do ensaio, a aparelhagem instalada nas ancoragens, e o sistema de aplicação de cargas. As ancoragens em ensaio foram submetidas a um ciclo de carga e descarga, no qual, quer as cargas, quer as descargas, foram efectuadas por incrementos (patamares). Decorridos cerca de 30 s após cada incremento foram medidos os correspondentes deslocamentos e extensões e, também, a temperatura ambiente. As massas marcadas, correspondentes às cargas de cada patamar do ensaio, foram introduzidas numa cesta metálica, cesta esta suspensa da viga I suportada pelas ancoragens em ensaio. Na aplicação das cargas de ensaio procurou-se que a linha de acção das mesmas se situasse, o mais possível, a meio da distância entre as ancoragens, por forma a que fossem equivalentes as forças de tracção transmitidas a cada uma delas.

12 Interpretação Na Figura 7 apresenta-se a curva força versus deslocamentos totais. A resistência do conjunto varão de aço + resina + rocha, admitindo 60 MPa como o valor mais aceitável para a resistência à tracção das resinas (epoxy e poliester), permite determinar o factor de segurança das ancoragens em causa da ordem de 3,1, que prova a integridade das ancoragens Forças aplicadas F (kn) Ancoragem 1 Ancoragem Deslocamentos totais, d (mm) Figura 7 - Variação das forças aplicadas com os deslocamentos totais nas ancoragens 1 e 2 Esta ordem de grandeza permite incorporar eventuais diminuições da resistência da resina em função do tempo que decorreu após a sua instalação, levando a considerar como segura a actual configuração das ancoragens da Rampa de Santo Antão. Esta conclusão não envolve a participação da rocha como elemento resistente, uma vez que ela possui resistências muito variáveis, dependendo da sua xistosidade, do grau de alteração, da presença de água e de falhas geológicas. Dada esta complexidade de comportamento, considera- -se importante não descurar o trabalho de observação contínua e de monitorização do desempenho dos tectos rochosos situados na vizinhança directa da tela. Dado o elevado número de ancoragens (da ordem das três centenas) que suportam a estrutura que suporta a tela transportadora nº 4, e tendo o ensaio incidido apenas sobre duas delas, para que as conclusões a tirar possam ser extrapoladas para o seu conjunto, recomenda-se que sejam efectuados ensaios complementares sobre alguns conjuntos de pares de ancoragens. 5. CONCLUSÕES FINAIS Face aos resultados dos ensaios de arrancamento de pregagens e cabos efectuados, provou-se que a carga eficaz do suporte dos conjuntos tirante/resina e cabos/cimento não ultrapassa valores que poderão ser utilizados em previsões da sua contribuição para a estabilidade das cavidades onde estão instalados[9]. Assim, a integridade das ancoragens ensaiadas ficou comprovada perante os resultados dos ensaios efectuados.

13 No entanto, dado o elevado número de ancoragens, e para que as conclusões a tirar possam ser extrapoladas para o seu conjunto, será aconselhável que sejam efectuados rotineiramente ensaios de arrancamento de pregagens. AGRADECIMENTO O autor está reconhecido à Administração de Pirites Alentejanas S.A. pela autorização concedida para a publicação desta comunicação. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] CEGEO/IST Janeiro de 2000;Janº,Fevº e Março de 2000;Abril,Maio e Junho de 2000; Julho e Dezº de Relatórios Trimestrais de Acompanhamento Geomecânico das Estruturas das Minas de Aljustrel, liderados pelo Prof C.A.J.V Dinis da Gama [2] Beniawski, Z. T Design Methodology in Rock Engeneering - A.A. Balkema, Rotherdam [3] Brady, B.H.G.; Brown, E.T 1985 Rock Mechanics for Underground Mining George Allen Unwin, Ltd London [4] Hoek, E ; Kaiser P. K.; Bawden W. F Support of Underground Excavations in Hard Rock A.A. Balkema / Brookfield [5] I.S.R.M Suggested Methods for Rock Bolt Pull Tests - Pergamon Press [6] Hoek, E.; Brown, E.T 1980 Underground Excavations in Rock Institution of Mining and Mettalurgy London [7] Peng, S. S Coal Mine Ground Control - John Wiley Sons New York [8] Walthan, A.C Foundations of engineering Geology Blackie Academie & Professional London [9] Hugon et A. Corts (1959) Le Boulonnanage des Roches en Souterrain Eyrolles Paris

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE LIGAÇÕES ESTRUTURAIS REFORÇO DE ESTRUTURAS E ESTRUTURAS MISTAS LIGAÇÕES ENTRE DIFERENTES MATERIAS ESTRUTURAIS LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS ENG. TIAGO ABECASIS

Leia mais

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65

CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 CHAPAS COLABORANTES PERFIL AL65 ÍNDICE Introdução....................................................... 2 Características mecânicas dos diferentes materiais das lajes mistas...... 3 Condições de apoio................................................

Leia mais

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima Física Geral Série de problemas Unidade II Mecânica Aplicada Departamento Engenharia Marítima 2009/2010 Módulo I As Leis de movimento. I.1 Uma esfera com uma massa de 2,8 10 4 kg está pendurada no tecto

Leia mais

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

Versão da ancoragem. HUS-H Parafuso para betão em aço carbono. Betão leve autoclavado

Versão da ancoragem. HUS-H Parafuso para betão em aço carbono. Betão leve autoclavado HUS-H Fixação por Versão da ancoragem HUS-H Parafuso para betão em aço carbono Vantagens - Instalação rápida e fácil - Baixas forças de expansão no material base - Instalação através do material a fixar

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Estruturas metálicas Características Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A.

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv. Rubens Ashcar CTEEP

ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv. Rubens Ashcar CTEEP IX/FI-22.7 COMITÊ 22 LINHAS AÉREAS DE ALTA TENSÃO ECONOMIA NAS FUNDAÇÕES DE TORRES ESTAIADAS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 460 kv Rubens Ashcar CTEEP RESUMO Este trabalho apresenta a economia obtida nas

Leia mais

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA P.B. LOURENÇO Prof. Associado EEUM Guimarães J. BARBOSA LOURENÇO Eng. Civil GPBL, Lda Porto D.V. OLIVEIRA

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DE VIGAS MISTAS EM AÇO E BETÃO LEVE

ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DE VIGAS MISTAS EM AÇO E BETÃO LEVE CMNE/CILAMCE 2007 Porto, 13 a 15 de Junho, 2007 APMTAC, Portugal 2007 ANÁLISE EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DE VIGAS MISTAS EM AÇO E BETÃO LEVE Isabel Valente 1 *, Paulo J. S. Cruz 2 1,2: Departamento de Engenharia

Leia mais

DEMIN/EM/UFOP MIN 746 Estabilidade de Escavações Subterrâneas. Prof. José Margarida da Silva junho/2010

DEMIN/EM/UFOP MIN 746 Estabilidade de Escavações Subterrâneas. Prof. José Margarida da Silva junho/2010 DEMIN/EM/UFOP MIN 746 Estabilidade de Escavações Subterrâneas Prof. José Margarida da Silva junho/2010 Escavações Subterrâneas Sumário Geomecânica Mecânica das Rochas Definições e terminologia Tensões

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

www.catari.net uma marca diferente.

www.catari.net uma marca diferente. www.catari.net uma marca diferente. cofragem modular perfeita! Com uma vasta gama de dimensões, permite solucionar todas as suas necessidades de cofragem vertical, em qualquer tipo de construção. O combro

Leia mais

www.ferca.pt Pré-esforço Aderente

www.ferca.pt Pré-esforço Aderente www.ferca.pt Pré-esforço Aderente Princípios O sistema T TM tension technology foi desenvolvido no âmbito da criação de um conceito integrado de soluções na área do pré-esforço com aplicação em obras de

Leia mais

Avaliação do desempenho estrutural de pontes

Avaliação do desempenho estrutural de pontes Avaliação do desempenho estrutural de pontes Luís Oliveira Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro Escola de Ciências RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DE CHAPAS REVESTIDAS Cliente AMT COATINGS Engenharia e Tratamento de Superfícies, Lda. CACE-Ruas das Novas Empresas, Fontiscos PT-4780-511 Santo Tirso PORTUGAL

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este trabalho tem como objetivo estudar a resistência do sistema de ancoragem composto de pinos com cabeça embutidos no concreto, quando submetidos a

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

Mecânica dos Materiais

Mecânica dos Materiais Mecânica dos Materiais Esforços axiais Tensões e Deformações Esforços multiaxiais Lei de Hooke generalizada 2 Tradução e adaptação: Victor Franco Correia (versão 1/2013) Ref.: Mechanics of Materials, Beer,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil CAP. XV ESTACAS CRAVADAS 1/47 1. INTRODUÇÃO 2/47 1 1. INTRODUÇÃO Pré-fabricadas Estacas cravadas Fundações indirectas (profundas) Alternativa às estacas moldadas 3/47 1. INTRODUÇÃO Processo pouco utilizado

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1

OE Seminário Aplicação do Eurocódigo 8 ao Projecto de Edifícios Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Projecto de estruturas para resistência aos sismos EC8-1 Exemplo de aplicação 2 Ordem dos Engenheiros Lisboa 11 de Novembro de 2011 Porto 18 de Novembro de 2011 António Costa EXEMPLO EDIFÍCIO COM ESTRUTURA

Leia mais

Estabilidade de Muros de Gravidade

Estabilidade de Muros de Gravidade Estabilidade de Muros de Gravidade Aluno: Douglas Rocha Matera Orientador: Prof. Celso Romanel Introdução Contenção de solos é uma importante área da engenharia geotécnica, responsável por garantir a segurança

Leia mais

www.tecnaria.com REFORÇO DOS SOALHOS DE MADEIRA Ligadores de pino e arpões

www.tecnaria.com REFORÇO DOS SOALHOS DE MADEIRA Ligadores de pino e arpões www.tecnaria.com REFORÇO DOS SOALHOS DE MADEIRA Ligadores de pino e arpões TECNARIA SISTEMAS MODERNOS DE REFORÇO A SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA Os velhos soalhos de madeira frequentemente necessitam de intervenções

Leia mais

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica 1. ÂMBITO Esta especificação diz respeito à instalação de tubagem e realização de ensaios em redes de colectores nos sistemas de drenagem de águas residuais domésticas. Tem por objectivo garantir a boa

Leia mais

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal aderência - 1 4. Aderência, ancoragem e emenda por traspasse 4.1. Aderência A solidariedade da barra de armadura com o concreto circundante, que impede o escorregamento relativo entre os dois materiais,

Leia mais

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO A execução de trabalhos em altura expõe os trabalhadores a riscos elevados,

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES 1. RESUMO Verificação das relações entre tensões e correntes no circuito primário e secundário de um transformador ideal. Realização da experiência do

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

DESCRIÇÃO GEOTÉCNICA DE TESTEMUNHOS DE SONDAGEM USANDO O SISTEMA RMR DE CLASSIFICAÇÃO GEOMECÂNICA

DESCRIÇÃO GEOTÉCNICA DE TESTEMUNHOS DE SONDAGEM USANDO O SISTEMA RMR DE CLASSIFICAÇÃO GEOMECÂNICA DESCRIÇÃO GEOTÉCNICA DE TESTEMUNHOS DE SONDAGEM USANDO O SISTEMA RMR DE CLASSIFICAÇÃO GEOMECÂNICA Aarão de Andrade Lima 1 ; Hans Dieter Max Schuster 2 RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar uma metodologia

Leia mais

Por que protender uma estrutura de concreto?

Por que protender uma estrutura de concreto? Por que protender uma estrutura de concreto? Eng. Maria Regina Leoni Schmid Rudloff Sistema de Protensão Ltda. RUDLOFF SISTEMA DE PROTENSÃO LTDA. Fig. 1 Representação esquemática de um cabo de cordoalhas

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

MODELAÇÃO NUMÉRICA DE UMA CENTRAL HIDROELÉCTRICA SUBTERRÂNEA UTILIZANDO PARÂMETROS GEOMECÂNICOS OBTIDOS ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

MODELAÇÃO NUMÉRICA DE UMA CENTRAL HIDROELÉCTRICA SUBTERRÂNEA UTILIZANDO PARÂMETROS GEOMECÂNICOS OBTIDOS ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL MODELAÇÃO NUMÉRICA DE UMA CENTRAL HIDROELÉCTRICA SUBTERRÂNEA UTILIZANDO PARÂMETROS GEOMECÂNICOS OBTIDOS ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Tiago Miranda & António Gomes Correia Universidade

Leia mais

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Engenharia Civil Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Gisele S. Novo Possato Engenheira, M.Sc., Doutoranda, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ESTRUTURAL EM COBERTURAS DE MADEIRA O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas

DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ESTRUTURAL EM COBERTURAS DE MADEIRA O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ESTRUTURAL EM COBERTURAS DE MADEIRA O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas Tiago Ilharco * tiagoid@fe.up.pt Luís Martins Luís.martins@parque-escolar.min-edu.pt Esmeralda

Leia mais

Reforço de lajes fungiformes com adição de nova camada de betão Ensaios experimentais e Modelo Teórico do Comportamento

Reforço de lajes fungiformes com adição de nova camada de betão Ensaios experimentais e Modelo Teórico do Comportamento Reforço de lajes fungiformes com adição de nova camada de betão Ensaios experimentais e Modelo Teórico do Comportamento Hugo Daniel Pereira Fernandes Relatório n.º 5 FLAT Comportamento de Lajes Fungiformes

Leia mais

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi 1. Descrição: Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes,

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

SISTEMAS DE ANCORAGEM AO SOLO CORTARTEC SP

SISTEMAS DE ANCORAGEM AO SOLO CORTARTEC SP SISTEMAS DE ANCORAGEM AO SOLO CORTARTEC SP COMPONENTES DOS CORDÕES PARTES TÍPICAS DE UMA ANCORAGEM AO SOLO PERMANENTE Tubo de injecção exterior corte logitudinall Comprimento livre não aderente calda de

Leia mais

Aderência entre Betão Húmido e Resinas Epoxídicas

Aderência entre Betão Húmido e Resinas Epoxídicas Aderência entre Betão Húmido e Resinas Epoxídicas J. Barroso de Aguiar Professor Associado, Departamento de Engenharia Civil, Universidade do Minho e-mail: aguiar@eng.uminho,pt Azurém, 4800-058 Guimarães,

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO PROJETO BÁSICO CAPÍTULO 14 FUNDAÇÕES Capítulo 14 Pág.1/22 CONTEÚDO 1. CRITÉRIOS DE PROJETO 1.1 Introdução 1.2 Normas Aplicáveis 2. PARÂMETROS GEOTÉCNICOS 2.1 Introdução 2.2 Solo Tipo I 2.3 Solo Tipo II

Leia mais

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL João F. Almeida Júlio Appleton Tiago Abecassis João N. Silva José N. Camara Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil JSJ, IST AP, IST TALPROJECTO AP JSJ,

Leia mais

PROPOSTA DE ÍNDICE DE AJUSTE (A w ) UTILIZANDO O GRAU DE INTEMPERISMO NO SISTEMA RMR (ROCK MASS RATING) DE CLASSIFICAÇÃO DO MACIÇO ROCHOSO

PROPOSTA DE ÍNDICE DE AJUSTE (A w ) UTILIZANDO O GRAU DE INTEMPERISMO NO SISTEMA RMR (ROCK MASS RATING) DE CLASSIFICAÇÃO DO MACIÇO ROCHOSO PROPOSTA DE ÍNDICE DE AJUSTE (A w ) UTILIZANDO O GRAU DE INTEMPERISMO NO SISTEMA RMR (ROCK MASS RATING) DE CLASSIFICAÇÃO DO MACIÇO ROCHOSO Yan Lucas de O. P dos Santos Geólogo da VOGBR Recursos Hídricos

Leia mais

TÓPICO 2 Reabilitação e Reforço das Estruturas

TÓPICO 2 Reabilitação e Reforço das Estruturas TÓPICO 2 Reabilitação e Reforço das Estruturas Inspecção, Diagnóstico e Reforço de coberturas antigas de madeira. O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas Ilharco, T. 1,a, Paupério, E. 2,b, Costa,

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO

Leia mais

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura Capítulo 5 (Cap. 6 Teoria) FUNDAÇÕES 1. Tipos de Fundações Fundações superficais D/B

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

de Susceptibilidade Geotécnica

de Susceptibilidade Geotécnica II Congresso Internacional de Riscos 24-25 Maio 2010, Coimbra Classificação de Susceptibilidade Geotécnica João Narciso 1, Pedro Santarém Andrade 2 1 Instituto de Engenharia de Estruturas, Território e

Leia mais

ESTIMATIVA DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DAS CAMADAS QUE FORMAM O SISTEMA PISO-CAMADA-TETO EM MINAS DE CARVÃO

ESTIMATIVA DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DAS CAMADAS QUE FORMAM O SISTEMA PISO-CAMADA-TETO EM MINAS DE CARVÃO ESTIMATIVA DO COMPORTAMENTO MECÂNICO DAS CAMADAS QUE FORMAM O SISTEMA PISO-CAMADA-TETO EM MINAS DE CARVÃO André Zingano Prof. Dr. DEMIN UFRGS andrezin@ufrgs.br Mariana Stein Estudante Eng. de Minas DEMIN

Leia mais

2 Processo de Laminação

2 Processo de Laminação 2 Processo de Laminação O processo de laminação atua na forma do material, modificando-lhe a sua geometria. Para isso, há necessidade da influência de agentes mecânicos externos; que são os meios de se

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO

SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO SOIL COMPOSITE /CONCRETE SYSTEMS: CHARACTERIZATION OF THE GEOCOMPOSITE- SOIL INTERFACE Carlos, Karina Gonçalves, UM, Guimarães,

Leia mais

Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte

Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte Escola Superior Nautica Infante D. Henrique CET Manutenção Mecânica Naval Fundamentos de Resistência de Materiais Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte Tradução: V. Franco Ref.: Mechanics

Leia mais

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

ENSAIOS DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLACAS ANGULARES DE FIXAÇÃO DE FRACTURAS ÓSSEAS DO FÉMUR

ENSAIOS DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLACAS ANGULARES DE FIXAÇÃO DE FRACTURAS ÓSSEAS DO FÉMUR ENSAIOS DE INTEGRIDADE ESTRUTURAL DE PLACAS ANGULARES DE FIXAÇÃO DE FRACTURAS ÓSSEAS DO FÉMUR P. A. M. Talaia 1, C. Relvas 1, L. Almeida 2, J. Salgado 2 e J. A. Simões 1 1 Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

Geotecnia e Fundações, Arquitectura. Capítulo 7 ESTRUTURAS DE SUPORTE DE TERRAS

Geotecnia e Fundações, Arquitectura. Capítulo 7 ESTRUTURAS DE SUPORTE DE TERRAS Capítulo 7 ESTRUTURAS DE SUPORTE DE TERRAS 1. Tipos de estruturas de suporte Há necessidade de construir uma estrutura de suporte sempre que se pretende um desnível de terreno com altura h e o terreno

Leia mais

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Tipos de Fundações Técnicas de Reforço Técnicas de Execução de Caves Casos Práticos Considerações Finais Tipos de Fundações

Leia mais

Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte. Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT

Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte. Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT Qualificação dos agentes e metodologias de inspecção e ensaio de obras de arte Carlos Mesquita, Engº. Oz, Lda/DT 1. INTRODUÇÃO Inspecções e ensaios na manutenção/conservação Boa oferta formativa, comparativamente

Leia mais

Cola de endurecimento rápido para ancoragens. Aspecto / Cor Componente A: branco. Componente B: preto. Mistura (A+B): cinzento claro.

Cola de endurecimento rápido para ancoragens. Aspecto / Cor Componente A: branco. Componente B: preto. Mistura (A+B): cinzento claro. Ficha de Produto Edição de Setembro de 2012 Nº de identificação: 04.201 Versão nº 3 Sika AnchorFix -1 Cola de endurecimento rápido para ancoragens Descrição do produto Cola para ancoragens em dois componentes,

Leia mais

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares)

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) Nota Introdutória Este documento é um anexo ao livro Tecnologia Mecânica Tecnologia da Deformação

Leia mais

ESTUDO NUMÉRICO DO COMPORTAMENTO DE PERFIS EM U INVERTIDOS EM LIGAÇÕES DE COLUNAS TUBULARES COM VIGAS I

ESTUDO NUMÉRICO DO COMPORTAMENTO DE PERFIS EM U INVERTIDOS EM LIGAÇÕES DE COLUNAS TUBULARES COM VIGAS I ESTUDO NUMÉRICO DO COMPORTAMENTO DE PERFIS EM U INVERTIDOS EM LIGAÇÕES DE COLUNAS TUBULARES COM VIGAS I Luís B. Magalhães a,*, Carlos S. Rebelo b e Sandra S. Jordão c a ISISE, Escola Superior de Tecnologia,

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

Reservatório de controle de enchentes na Praça da Bandeira: projeto e execução

Reservatório de controle de enchentes na Praça da Bandeira: projeto e execução Reservatório de controle de enchentes na Praça da Bandeira: projeto e execução Francisco Marques Terratek, Rio de Janeiro, Brasil, francisco.marques@terratek.com.br Alberto Ortigão Terratek, Rio de Janeiro,

Leia mais

Ancoragem. RoofSafe. Pronto para entrar em acção quando for necessário. A NOVA e inovadora ancoragem RoofSafe. com

Ancoragem. RoofSafe. Pronto para entrar em acção quando for necessário. A NOVA e inovadora ancoragem RoofSafe. com Ancoragem Pronto para entrar em acção quando for necessário A NOVA e inovadora ancoragem com Vista da ancoragem com a tecnologia de gestão de forças SpiraTech. Imagem apenas para fins ilustrativos. SpiraTech

Leia mais

3 Descrição do Programa Experimental

3 Descrição do Programa Experimental 5 3 Descrição do Programa Experimental A melhor forma de se obter o comportamento global e local de estruturas aparafusadas é por meio de ensaios experimentais realizados em laboratório. Com esses ensaios

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR António Costa REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR Aplicação Alteração do sistema estrutural Aumento da capacidade resistente Correcção do comportamento em serviço Exemplos

Leia mais

instalação de sistemas de terras

instalação de sistemas de terras 94 José Ribeiro joseribeiro@casafelix.pt instalação de sistemas de terras 1. Capturar o raio. Capturar o raio para um ponto conhecido de ligação preferida utilizando um sistema de ponta captora aérea específica

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1. Introdução Neste capítulo é apresentado um breve resumo sobre os tópicos envolvidos neste trabalho, com o objetivo de apresentar a metodologia empregada na prática para realizar

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Manual Técnico Sistema Cobiax

Manual Técnico Sistema Cobiax Manual Técnico Manual Técnico Sistema Cobiax ÍNDICE INTRODUÇÃO AO SISTEMA COBIAX... 2 PORQUÊ UTILIZAR O SISTEMA COBIAX... 3 LAJE COBIAX versus LAJE MACIÇA... 3 LAJE COBIAX versus LAJE ALIGEIRADA... 3 IMPACTO

Leia mais

CÉLULA DE CARGA PARA MEDIÇÃO DE ESFORÇOS DE TRAÇÃO E COMPRESSÃO

CÉLULA DE CARGA PARA MEDIÇÃO DE ESFORÇOS DE TRAÇÃO E COMPRESSÃO CÉLULA DE CARGA PARA MEDIÇÃO DE ESFORÇOS DE TRAÇÃO E COMPRESSÃO João Carlos Pinheiro Beck, Dr.- beck@pucrs.br Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento

Leia mais

SEGURANÇA NA MONTAGEM DE ANDAIMES E ESCORAMENTOS IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO.

SEGURANÇA NA MONTAGEM DE ANDAIMES E ESCORAMENTOS IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO. SEGURANÇA NA MONTAGEM DE ANDAIMES E ESCORAMENTOS IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO. ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 1.1 HISTÓRIA 1.2 ORGANIGRAMA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS METÁLICAS Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-08/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a utilização de estacas

Leia mais

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES Capítulo 6 SOLOS REFORÇADOS - EXECUÇÃO 6. Solo reforçado Com o aumento das alturas de escavação, os custos com estruturas de contenção tradicionais de concreto aumentam consideravelmente. Assim, as soluções

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler Resistências dos Materiais dos Materiais - Aula 5 - Aula 7 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7 Professor Alberto Dresch Webler 1 Aula 7 Tensão e deformação de cisalhamento; Tensões e cargas admissíveis;

Leia mais

Posto de transformação compacto de manobra interior MT/BT até 1000 kva - 24/36 KV KIOBLOC. índice. apresentação 2. características 3.

Posto de transformação compacto de manobra interior MT/BT até 1000 kva - 24/36 KV KIOBLOC. índice. apresentação 2. características 3. Posto de transformação compacto de manobra interior MT/BT até 1000 kva - 24/36 KV KIOBLOC índice apresentação 2 características 3 componentes 4 instalação 5 gama 6 escolha 8 planos 10 MERLIN GERIN 3 apresentação

Leia mais

SISTEMA DE BARRAS ROSCADAS CORTARTEC VSP

SISTEMA DE BARRAS ROSCADAS CORTARTEC VSP SISTEMA DE BARRAS ROSCADAS CORTARTEC VSP SISTEMAS DE BARRAS ROSCADAS BARRAS ROSCADAS As caracteristicas mais significativas das barras CORTARTEC VSP são: Processo de fabricação mediante laminação a quente.

Leia mais

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos

A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos Fernando G. Branco CICC, Dep. Eng. Civil, Univ. Coimbra Portugal fjbranco@dec.uc.pt Luís Godinho CICC,

Leia mais

4. Programa Experimental

4. Programa Experimental 4. Programa Experimental Para a determinação das propriedades de deformabilidade e resistência dos arenitos em estudo a serem utilizados no modelo numérico, foram executados ensaios de compressão simples

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Coberturas Inclinadas de Telhado 1 de 10 1.Objectivos 1.1 A presente especificação estabelece as condições técnicas a satisfazer em coberturas inclinadas de telhado LightCob

Leia mais

TÉCNICAS DE MELHORAMENTO DE SOLOS - Parte 3

TÉCNICAS DE MELHORAMENTO DE SOLOS - Parte 3 N.21 Janeiro / Fevereiro 2004 TÉCNICAS DE MELHORAMENTO DE SOLOS - Parte 3 INJECÇÕES e VIBROCOMPACTAÇÃO Nuno Gonçalo Cordeiro Marques de Almeida EDIÇÃO: Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação.

A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação. INTRODUÇÃO A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação. Cada vez mais os diferentes tipos de estrutura ganham

Leia mais

Uso de ferramentas. Um aprendiz de mecânico de manutenção. Ferramentas de aperto e desaperto

Uso de ferramentas. Um aprendiz de mecânico de manutenção. Ferramentas de aperto e desaperto A U A UL LA Uso de ferramentas Um aprendiz de mecânico de manutenção verificou que uma máquina havia parado porque um parafuso com sextavado interno estava solto. Era preciso fixá-lo novamente para pôr

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

LAJE MISTA PERFIL H60

LAJE MISTA PERFIL H60 LAJE MISTA PERFIL H60 JUL2013 05 EMPRESA 05 POLÍTICA DE QUALIDADE 06 INTRODUÇÃO 07 08 PERFIL H60 LAJES MISTAS 10 TABELAS DE CÁLCULO 12 13 16 19 22 EXEMPLO H60 0.7 mm H60 0.8 mm H60 1.0 mm H60 1.2 mm 25

Leia mais

REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS

REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS REFORÇO DE EDIFICIOS EXISTENTES DE BETÃO ARMADO COM CONTRAVENTAMENTOS METÁLICOS P. Marques Eng. Mecânico Univ. Aveiro Aveiro, Portugal F. Teixeira-Dias Prof. Auxiliar Univ. Aveiro Aveiro, Portugal H. Varum

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM E DESMONTAGEM DAS PLATAFORMAS MÓVEIS

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM E DESMONTAGEM DAS PLATAFORMAS MÓVEIS P.880.0 de 20 REGISTO DE ALTERAÇÕES: Elaborado Verificado Aprovado EDIÇÃO DESCRIÇÃO Representante Permanente do empreiteiro em obra Gestor da Qualidade (Obra) Director Técnico Empreitada Data Criação (PA)

Leia mais