Relatório de Jogos de Marketing

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Jogos de Marketing"

Transcrição

1 Instituto Superior de Ciências Económicas e Empresariais Relatório de Jogos de Marketing Curso: Marketing Gestão e Empreendedorismo Disciplina: Simulação de Jogos de Marketing Docente: Vanda Leite Discentes: Adilson Veiga Helga Ortet Nildon de Pina Praia,27 de Junho de

2 Índice I. Sumário executivo3 II. Introdução 4 a) Objectivos da simulação 5 III. Apresentação da empresa 6 IV. Análise de desempenho financeiro e de marketing durante o semestre 7 V. Análise de mercado (interna e externa) 8 a) Clientes 8 b) Concorrentes 9 VI. Estratégia do produto 10 a) Desenho da marca 10 VII. Estrtégia de preços 11 VIII. Estrtégia de comunicação 13 I. Canais de distribuição 15. Avaliação da estratégia e desempenho da empresa no segundo ano 17 I. Identificação dos eventos que afectam a empresa ou o mercado 19 II. Pontos fortes e fracos 19 III. Situação actual 20 IV. Conclusão 22 2

3 Sumário Executivo O presente relatório descreve as actividades desenvolvidas e os resultados obtidos por uma equipa de gestores de uma empresa virtual na plataforma market place, no âmbito da disciplina de jogos de marketing, do 3º ano do curso Marketing Gestão e Empreendedorismo do ISCEE. Uma multinacional da área Electrónica, decidiu entrar no negócio de microcomputadores. Para isso, optou pela formação de uma divisão de PC Marketing para a expansão do seu mercado a nivel internacional. Existia a possibilidade de abrir lojas em vários continentes porém a nossa escolha recaiu sobre o continente americano nomeadamente E.U.A e Canadá. A região foi escolhida devido ao grande fluxo de pessoas e por ser de fácil acesso, e por ser um mercado onde se centralizam as classes alta e média da sociedade. Os segmentos escolhidos para a actuação da emrpresa foi o innovators e o travelers, devido a escolha dos segmentos, optamos em criar algo que atendesse as necessidades do nosso publico alvo. A fim de iniciar a actividade a Sede da Empresa facultounos apenas capital inicial em dinheiro para investimento, este foi designado para abertura de escritórios de vendas, marcas de design e pesquisa R & D de novas tecnologias. Nossa Divisão recebeu em cada um dos quartos e, para um total de de investimentos em dinheiro. A Gestão e Controle da Secção de PC dois anos eu se seguiram forma da total responsabilidade da equipa Informarket. A Sede expectava ver uma divisão autossuficiente e desenvolvida porém esta divisão deve não gerou lucro com as suas operações e pouco contribuiu para a gestão e o lucro de toda a corporação. O presente relatório irá descrever toda a evolução económico financeiro bem como todos os factores associados ao marketing que contribuíram para o insucesso da mesma. Palavraschave: Computadores; negócio; estratégias; competição; mercados; lucros; mercado. 3

4 Introdução No âmbito da disciplina Simulação de jogos de marketing foinos incumbido a elaboração de um relatório referente aula práctica de jogos de marketing (market place). O desafio lançado tinha como objectivo testar os nossos conhecimentos sobre a matéria dada durante o curso, bem como pôr na prática as nossas competências e habilidades pessoais em termos de negócio, cultura geral etc. O jogo em si consistiu em criar uma empresa no sector informático e usar os vários instrumentos de marketing para levar a empresa ao sucesso. Ao decorrer do trabalho foinos fornecido dados relativamente aos objectivos da empresa mãe (empresa multinacional da área Electrónica) e capital de investimento inicial para aproveitar de forma mais eficaz e eficiente. Todos os fabricantes poderiam vender através de escritórios de vendas de propriedade da empresa nos principais mercados metropolitanos de todo o mundo. A estratégia de marketing deveria ser focada em vendas directas a clientes empresariais. Foinos indicado cinco segmentos para servir no mercado de PC, referidos como o cortador de custos, Innovators, Mercedes, burro de carga, e os segmentos de viajante. 4

5 Objectivos da simulação Uma grande empresa internacional de electrónicos decidiu entrar no negócio de microcomputador e formou uma nova divisão de PC Marketing para alavancar os negócios. Fomos convidados para gerenciar essa divisão. O objectivo principal era criar uma nova linha de microcomputadores em vários mercados internacionais. Actividades e desafios propostos 1. Organizar a divisão, o nome da empresa, definir as responsabilidades de marketing, de compra de uma pesquisa de mercado. 2. Configurar loja; analisar o estudo de mercado, escolher os segmentosalvo iniciais, projectar uma marca para cada segmento de mercado e agendar a abertura de escritórios de vendas. 3. Prosseguir para teste de mercado; contratar força de vendas, atribuir o preço das marcas, projectar uma campanha de publicidade e realizar pesquisa de mercado. 4. Ajustar estratégia; rever os dados de mercado do mercado de teste, ajustar a estratégia e tácticas (design de marca, preços, publicidade, força de vendas) da divisão, conforme necessário. 5. Investir em pesquisa e desenvolvimento, a fim de introduzir novas características da marca para o mercado, expandir substancialmente a cobertura de mercado, adicionando novos escritórios de vendas. 6. Expandir a oferta de mercado; introduzir novas marcas com o novo R & D, continuar com a expansão do mercado, acrescentando as pessoas de vendas e novos escritórios. 7. Definir a estratégia de marketing; estudar os dados de mercado para determinar a melhor forma de atender às necessidades dos clientes e superar a concorrência por meio de design da marca, preços, publicidade, escritórios de novas vendas e incentivos da força de vendas. 8. Submeter e fechar o ano; refinar as tácticas de marketing e capitalizar sobre o trimestre mais forte do ano. 5

6 Apresentação da empresa Nome da empresa: Informarket Objectivos de marketing da empresa Focar em maiores mercados geográficos, mesmo que eles sejam mais caros; Construir uma posição de mercado e defendêla; Ser um fornecedor de serviços de alta qualidade no mercado; Missão: ajudar a desenvolver um ambiente empresarial eficiente e competitivo distribuindo soluções e serviços de alta tecnologia e qualidade visando a satisfação do cliente. Os segmentos escolhidos: O segmento Innovators é um segmento que precisa de um computador para lidar com grandes problemas computacionais (contabilidade, gestão de estoque, engenharia). Este segmento quer a tecnologia mais recente e vai pagar um prémio pequeno para este alto desempenho. O segmento do viajante quer um computador prático usar na estrada. Clientes viajantes são executivos e pessoas de vendas que viajam muito. Este segmento é moderadamente sensível ao preço. Responsabilidades Nomes Primeira responsabilidade Segunda responsabilidade ADY VEIGA Publicidade Pesquisa de Marketing Nildon Nivaldo Mendes De Pina Liderança Presidente geral Gestão da Marca Helga Ortet Gestão de Vendas Finança 6

7 anterior Análise de desempenho financeiro e de marketing durante o semestre De uma maneira geral, os indicadores de desempenho financeiros apresentados têm a finalidade de mostrar se a implementação e a execução dos objectivos traçados no planeamento da empresa estão contribuíram para a melhoria dos resultados. Sendo de extrema relevância para o processo decisório, desde que estejam em conformidade com a estratégia empresarial. Quarter 1 Profitability of Marketing Division Quarter 2 Quarter 3 Quarter 4 Quarter 5 Quarter 6 Quarter 7 Quarter 8 Revenues ,700 1,052,143 1,619,692 3,630,175 5,663,510 5,407,063 Rebates ,550 31,775 49, , , ,050 Cost of goods sold , ,539 1,275,351 2,653,650 3,929,475 3,762,506 Gross margin , , , ,075 1,563,160 1,368,507 Sales office leases , , , , , ,000 Sales force expense , , , ,000 2,566,047 3,521,147 Brand promotions ,276 3,240 Special programs ,400 99,600 Ad creation/revision ,000 60,000 60,000 60,000 30,000 0 Point of Purchase Display expenses ,200 1,800 3,200 3,200 Advertising expenses , , , , ,266 1,158,701 Engineering cost for new brands 0 120, , , , , Market research 65, ,000 20,000 40,000 40,000 40,000 40,000 Operating expenses 65, , ,238 1,258,312 1,544,327 1,654,066 3,672,189 5,125,888 Operating profit 65,100 Research and development costs Set up costs for new sales offices Net profit for division 65,100 Cumulative net profit for division 65, , ,661 1,035,483 1,249, ,991 2,109,029 3,757, ,062, , , , , , , ,761 1,035,483 1,979,244 4,541,239 6,520, ,991 7,515,474 2,109,029 3,757,381 9,624,503 13,381,884 De acordo com os indicadores económicofinanceiros acima descritos, podemos concluir que em termos contabilísticos a empresa se encontra numa situação de endividamento total podendo se considerar a medida de solvência total, abrindo posteriormente a mesma empresa mas com outro nome, pois seria necessário um esforço financeiro enorme para a sua recuperação. 7

8 Os objectivos estabelecidos pela empresa tais como, focar em maiores mercados geográficos, mesmo que eles sejam mais caros, construir uma posição de mercado e defendêla, ser um fornecedor de serviços de alta qualidade no mercado, forma parcialmente falhados pois mesmo estando num mercado atraente e ter um produto com qualidade não conseguimos retorno financeiro. O resultado das análises demonstraram que a empresa precisava investir mais no ponto de venda e explorar com maior intensidade os mercados por isso decidimos criar mais produtos investir em forças de vendas, abrir lojas, reforçar tecnologias, investir em P&D mais infelizmente esses investimentos avultados não trouxeram melhorias em termos de vendas e lucro. Análise de mercado (interna e externa) A empresa Informarket actuou no mercado geográfico da América do norte nomeadamente com lojas abertas em Montreal (Canada) e Nova Iorque (USA). Foram criadas duas marcas inicialmente a Informarket e info too, posteriormente foram modificadas para outras marcas Infobest, info new, worst behavior e info 3D (nova), sendo que a info too acabou por ser descontinuada em termos de vendas. Houve falta de organização estratégica da nossa parte pois não tínhamos a noção clara sobre como relacionar as características das marcas e as necessidades dos segmentos. Clientes Foi encomendada um estudo de mercado qualitativo com margem de erro de 4.9% e custo de u.m. relativamente as necessidades dos clientes cujos resultados foram os seguintes: 8

9 Relativamente ao segmento Innovators obtivemos informação de que seria relevante a nossa marca possuir características como por exemplo: Ter assistência técnica nas lojas, ter um computador com vários programas ou ainda que possa conectar se com vários outros micro computadores, etc Neste segmento seria importante para o cliente factores como por exemplo: ter um PC fácil de usar na rua, de fácil transporte, pequeno e rápido em termos de conexão á internet, etc Concorrentes As marcas concorrentes na simulação foram Inotech,Reycomputer,Reboot Inc, MCV company e System Informático. A Informarket reconhece a concorrência acirrada no mercado e no sector em termos regionais, nomeadamente dos concorrentes directos Inotech,Reycomputer e System informático. Em termos de concorrência no segmento Innovators tivemos que travar luta com os líderes da quota de mercado Reboot Inc e MCV Company inicialmente com a marca TRiPALiUM em destaque. Outro aspeto relevante a nível de competitividade é o facto do produto/marca TRiPALiUM ser classificado como aceitável pelos clientes inovador, e a nossa marca Infobest do mesmo segmento bem como todas as outras marcas foram classificadas abaixo dos padrões mínimos para os clientes inovador numa fase inicial. Posteriormente empresas como MCV Company e Inotech desenvolveram estratégias que lhes possibilitaram também alcançar tal aceitação. 9

10 Estratégia do produto A Informarket optou de imediato para criação de duas marcas/produtos destinado aos mercados de Montreal (Canada) e Nova Iorque. O Info too laptop, inovador com novas características e mais capacidades, especialmente direcionado a multitarefas e viajantes; Info market Desktop, de alta qualidade e preço atrativo, design atraente e direcionado a clientes inovadores. Infobest posteriormente criada, foi um dos produtos com maior aceitação, eis algumas características da sua concepção, a estratégia usada foi a de benchmarking mesmo assim sem sucesso desejado. Base Components High capacity hard drive Accounting/bookkeeping software Business Graphics software Data base software Statistical analysis software Engineering graphics software 19" high resolution monitor for desktop High performance processor Standard keyboard Rugged design for portability Standard network/internet connection Windows for professionals with high security protection info best Desenhos das marcas Posteriormente a marca Info Too descontinuada paulatinamente, e a marca Informarket modificada para info best (Innovators) e criamos a marca info 3D com um mix de características aceitáveis tanto para o segmento Innovators como travellers a estratégia baseava se em servir os dois segmentos. Porém a estratégia acabou por ser ineficaz como demonstrou os resultados. Para auxiliar na comercialização a Informarket ainda disponibilizou: Assistência pósvenda; 10

11 Divulgação/Publicidade no prestígio produto Modernização e competitividade agregando mais valor ao produto, tornando o diferenciado, investindo em P&D no sexto trimestre. Obs: tal estratégia deveria ser posta em prática no quarto trimestre porém por falta de atenção da nossa parte e algum desconhecimento da plataforma só no quinto trimestre é que contratamos as forças de vendas como mostra o quadro abaixo. North America Quarterly Training Costs 3,000 2,000 3,000 4,000 2,000 3,000 City Annual Salary Total Sales People Service Support CostCutter Innovators Mercedes Work Horse Traveler Montreal 60, New York 100, Total number of sales people in the prior quarter: Total number of sales people in the current quarter: 26 Net change in number of sales people in region: 22 4 Obs: foram criadas outras marcas como por exemplo: worst behavior Lord k, porém faltou algum critério da nossa parte em termos de construção da marca bem como a sua promoção. Estratégia de preços A ideia central da marca era criar um produto de alta qualidade e praticar um preço alto para ter um bom retorno já que estávamos a actuar no mercado em que os consumidores estavam dispostos a pagar um preço alto como demonstra o quadro abaixo e o custo de ter uma loja aberta nesse território é elevadíssimo. 11

12 Inicialmente o preço estabelecido pela nossa empresa com base no estudo de mercado, foi o seguinte: North America Brand Available for Sale Retail Price Price Rebate Sales Priority Point of Purchase Display info best 3, info too info3d 3, Face aos resultados houve necessidade de se promover alguns reajustes para tornar os produtos mais competitivos então nos trimestres que se seguiram adotamos sucessivamente a estratégia de baixar o preço para tentar atrair compradores. Exemplo do quarto trimestre (preços mágicos) North America Brand Available for Sale Retail Price Price Rebate Sales Priority Point of Purchase Display info New 3, info too Info3Dimension 2, No quinto trimestre foram modificadas algumas marcar e criadas outras marcas como a lord k e a worst behavior, a estratégia usada foi sempre a de preços baixos em relação aos concorrentes, dando descontos como demonstra a figura abaixo. 12

13 North America Brand Available for Sale Retail Price Price Rebate Sales Priority Point of Purchase Display info new 3, info too lord k 2, worst behavior 2, No final da simulação terminamos com a seguinte tabela de preços. North America Brand Available for Sale Retail Price Price Rebate Sales Priority Point of Purchase Display info new time 2, info too 2, lord k 2, worst behavior1 2, Com a pior posição em termos de quota de mercado tentamos oferecer mais descontos para atrair clientes. Estratégia de comunicação Esta foi a parte em que a empresa Informarket teve o pior desempenho pois numa altura em que era preciso promover os produtos e a loja a nossa empresa falhou em todos os sentidos. Enquanto os nossos concorrentes já tinham seleccionados os meios de comunicação e as regiões onde actuavam a nossa empresa por razões de visibilidade dos itens da plataforma não seguimos os procedimentos e acabamos por ficar penalizados conseguindo apenas no quinto trimestre. North America Number of times ad should run in market Media Cost lord k info new worst behavior Business Newspapers 23, General Business Magazine 16, Computer Magazines 5, General News Magazines 8, Leading Trade Journals 7, New Venture Magazines 9, Sports Magazines 24, Executive Business Magaz 29, Science & Technology Mag 15, Daily Newspaper 9, Leisure & Entertain Mag 18,

14 De acordo com as necessidades ou preferências dos consumidores no segmento Innovators os meios mais requisitados foram new venture magazines, Science &technology mag e computer magazines e foi nessa óptica que optamos promover a marca Worst Behavior nesse meio exceptuando o science & technology por ser um meio caro. No segmento travellers com a marca lord K e info new publicitamos através do sports magazines, que era uma das preferências dos nossos consumidores porém escolhemos os outros maios por serem mais baratos. A frequência das repetições das publicidades possivelmente ficou além das expectativas se compararmos com os números dos concorrentes porém não tínhamos a noção de qual era número de vezes que a plataforma permitia (se as repetições eram semanais ou mensais). North America Number of times ad should run in market City Cost Lord k Info new Worst behavior Montreal 5, New York 10, Relativamente ao design da nossa publicidade durante a simulação fizemos várias alterações com o objectivo de nos aproximar da estratégia usada pelos concorrentes mais fortes, sendo que por varias vezes após ter concebido as publicidades a plataforma nos chamou a atenção para a publicidade enganosa. Eis um exemplo de design das publicidades realizadas: lord k [modified] [lord k] worst behavior [new] [worst behavior] Mention Brand Name 8 8 Manufacturer`s rebate 7 3 Tackle really big problems 5 4 Local sales/service 5 Finance & accounting application 1 2 Data management application 2 Business graphics application 6 Presentation application 4 1 Easy to use, simple design 3 9 Picture business professionals 6 Picture office setting 7 14

15 Canais de distribuição Actuando na região da América do Norte a empresa optou por canais próprios, e contratação de forças de vendas. Esta estratégia também é assimilar a adotada pelos seus concorrentes. Nos primeiros quatro trimestre os custos com os canais deveriam ser maiores tendo em conta o período de abertura das lojas e contratação de forças de vendas, porém por motivos que se prendem á falta de entendimento da plataforma começamos a investir em expansão de lojas e investir em forças de vendas no 2º ano revelandose assim infrutífero pois os concorrentes já se encontravam muito mais avançados nesse aspecto. City Annual Salary Total Sales People North America Quarterly Training Costs 3,000 2,000 3,000 4,000 2,000 3,000 Service Support CostCutter Innovators Mercedes Work Horse Traveler Montreal 60, New York 100, O quadro acima demonstra que abrimos lojas no 1º ano, na cidade de Montreal e Nova Iorque mas praticamente não tínhamos força de vendas. Sales People: North America Quarterly Training Costs 3,000 2,000 3,000 4,000 2,000 3,000 City Annual Salary Total Sales People Service Support CostCutter Innovators Mercedes Work Horse Traveler Montreal 60, New York 100, No quarto trimestre tentamos recuperar o tempo perdido aumentando o número de colaboradores nas lojas (quadro acima). 15

16 Sales People: North America Quarterly Training Costs 3,000 2,000 3,000 4,000 2,000 3,000 City Annual Salary Total Sales People Service Support CostCutter Innovators Mercedes Work Horse Traveler Toronto 60, Montreal 60, New York 100, Los Angeles 100, O quadro acima demonstra que apenas no sétimo trimestre é que aumentamos o número de colaboradores nas lojas nessa altura a empresa já se encontrava muito mal financeiramente sendo assim por mais esforços realizados em melhorar a performance de vendas seria difícil recuperar o tempo perdido. Neste mesmo período foi disponibizado uma quantia de 5000 u.m, usados em investimentos de forças especiais de vendas (quadro abaixo). Special Sales Force Programs: Special sales force programs Number of sales people Total:87 Last Quarter:22 New:65 Sales Force Professional Training Program Typical cost per salesperson 1,000 Expenditure per salesperson 500 Total expenditure for this program 43,500 Sales Force Contest Program/Special Vacation Trip for Top Third of Sales Force Typical cost per salesperson 2,000 Monetary value of vacation 500 Total expenditure for this program 14,500 Sales Force Demonstration Kit Program Typical cost per demonstration kit 200 Expenditure per demonstration kit 200 Demonstration kit expires in quarter 10 Total expenditure for this program 17,400 16

17 Quadro final dos canais de distribuição City Annual Salary Total Sales People North America Quarterly Training Costs 3,000 2,000 3,000 4,000 2,000 3,000 Service Support CostCutter Innovators Mercedes Work Horse Traveler Toronto 60, Montreal 60, New York Los Angeles 100, , Total number of sales people in the prior quarter: Total number of sales people in the current quarter: 135 Net change in number of sales people in region: Cost to hire new sales people: 424,147 Cost to lay off sales people: 0 Cost to employ sales people for the quarter: 3,097,000 Avaliação da estratégia e desempenho da empresa durante o segundo ano Perante a situação desfavorável em termos de quota de mercado e consequentemente a ausência de lucros a empresa teve de adotar estratégias muito agressivas durante o segundo ano para tentar recuperar o tempo perdido pois já se encontrava numa posição muito desvantajosa. De forma geral a diferença entre o primeiro e o segundo ano residese sobre tudo num aumento substancial de investimentos no desenvolvimento do produto em acções de marketing na tentativa de promover a marca nas regiões com lojas abertas visando aumentar a rotatividade do nosso produto pois o número de vendas era insuficiente para alcançar um resultado que nos permitisse obter lucros. Onde pretendíamos chegar? As medidas definidas no plano de marketing inicialmente tinha o objectivo principal conquistar o mercado, em termos de percentagem de liderança mas como demonstra o quadro abaixo ficamos a quem das expectativas durante o primeiro ano e mesmo com vários investimentos a situação mantevese praticamente igual 17

18 Final do 4º trimestre Final do 8º trimestre Comparação financeira entre ano 1 e ano 2. Industry results for quarter: 3 Minimum Maximum Average Informarket Total Overall Financial Performance Market Performance Wealth No final do primeiro ano a performance financeira era negativa pois a empresa estava numa fase de investimentos acumulando dividas com o valor total de u.m. Em termos de performance do mercado os valores variaram entre 0.08 e No final do primeiro ano a situação financeira da empresa era aceitável pois o indicador (saúde financeira) encontravase em Cumulative industry results for last four quarters ending in quarter: 8 Minimum Maximum Average Informarket Total Overall Financial Performance Market Performance Wealth De acordo com o quadro o valor mínimo de rentabilidade total variou entre 0 á u.m terminando a empresa com o lucro zero. 18

19 Os valores do desempenho financeiro chegaram a um valor máximo de u.m terminando a empresa com u.m. A saúde financeira foi negativa (0.91) o que corresponde a um valor inaceitável para uma empresa manterse no mercado pois este valor indica que a empresa está a ter prejuízo. Identificação dos eventos que afectaram a empresa ou o mercado 1. Falta de planeamento estratégico; 2. Má política de preço (começamos a vender a um preço elevado porém o nosso produto não estava bem definido) 3. Falhas na estratégia de comunicação e canais de distribuição, nomeadamente facto de termos abertos lojas e não ter forças de vendas disponíveis e também ter desenhado a publicidade e não ter escolhido os meios de divulgação certos; 4. Factores externos como concorrentes com melhores produtos, melhores estratégias, como por exemplo mais lojas, maior nº de vendedores etc; 5. A empresa calculou o risco de investimento pois não tínhamos uma referência; 6. Durante a simulação a plataforma nos indicava que não tínhamos lojas abertas na região de norte da américa porem não conseguimos averiguar este facto pois na aplicação mostrava que as lojas estavam abertas. Pontos fortes e fracos Com a situação final da empresa é difícil apontar pontos fortes porém durante a simulação foi nos informado de que os clientes tinham um julgamento aceitável da nossa marca como demonstra o quadro abaixo ( final do primeiro ano). 19

20 Fraquezas Investimento sem retorno; Falta de soluções criativas para contornar as situações; Pior quota de mercado; Situação de endividamento total; Preço baixo dos produtos no segundo ano; Falta de organização do departamento de comunicação etc; Nº insuficiente de lojas. Situação actual Por já terem sidos apresentados os quadros da evolução do produto, da estratégia de preços bem como a de comunicação e canais de distribuição vamos tentar apenas descrever o nosso momento actual. A empresa Informarket começou mal mo mercado em termos estratégicos houve falhas diversas como por exemplo o alto valor investido em pesquisa de mercado, nº reduzido de lojas, forças de vendas em pequena escala num período inicial ou ainda investimento reduzido em publicidade etc. No segundo ano tentamos corrigir tais situações desfavoráveis, aumentando força de vendas, contratando promotores e também usar de forma mais eficaz os meios de comunicação, contudo não foi suficiente para alavancar a nossa empresa em termos económicofinanceiro, Devido aos elevados investimentos e a falta de vendas que pudessem gerar lucro, no momento a empresa se encontra numa situação de endividamento total, a solução seria apostar em investimento para o futuro ou acionar a insolvência num pior cenário. Em relação aos clientes, nesta fase a situação é desfavorável mas também de recuperação. Isto porque, a carteira de clientes tem aumentado, matematicamente distancia dos concorrentes é enorme apenas o System está perto em termos de quota de mercado com 5%. Será a empresa está preparada para enfrentar os desafios do futuro? A Informarket vai ter que repensar a sua estratégia a nível global, a empresa encontra se num período em que não pode investir devido a situação financeira negativa o que nos vai limitar em termos de desenvolvimento de actividades e acçôes de marketing que possam contribuir para o melhoramento da performance da empresa em termos de vendas. 20

21 Mesmo assim temos uma análise positiva em termos de investimento para o futuro o que nos pode dar alguma esperança de recuperação como demonstra o quadro Quarter 1 Quarter 2 Investment in Future Quarter 3 Quarter 4 Quarter 5 Quarter 6 Quarter 7 Quarter 8 Revenues ,700 1,052,143 1,619,692 3,630,175 5,663,510 5,407,063 Rebates ,550 31,775 49, , , ,050 Research and development costs Set up costs for new sales offices ,062, , , ,

22 Conclusão Esta simulação permitiu nos conhecer as dificuldades em gerir uma empresa na realidade, mesmo sendo virtual a simulação permitiunos sentir a pressão do negócio empresarial num mercado competitivo, nos deu a lição de que é preciso ter um planeamento estratégico alinhado as acções desenvolvidas permanentemente pela empresa, mas também nos fez sentir que podemos ser facilmente ultrapassados pelos concorrentes num mercado cada vez mais competitivo caso não houver um up grade constante da nossa marca, é preciso estar atento ao mercado, aos factores internos e externos que rodeiam a empresa e sobretudo ter ideias criativas para inovar os nossos produtos para que estes possam ir ao encontro também das necessidade dos consumidores alvo, dada as circunstâncias dos resultados poderíamos classificar como negativa a nossa prestação em termos de gestão de um empresa contudo gostaríamos de frisar que faltou algum domínio sobre as ferramentas da plataforma, tivemos algumas barreiras sobretudo a nivel da compreensão da parte funcional da plataforma no período do primeiro ano (quatro trimestres) pois quando finalmente começamos a perceber melhor e a tomar decisões mais acertadas o jogo já se encontrava na fase final. Mesmo assim consideramos ser muito positiva esta simulação pois são os erros que nos ensinam fazer as coisas da melhor forma, estamos a frequentar o curso de marketing com intuito de fortalecer os nossos conhecimentos, de aumentar as nossas capacidades, habilidades e competências para responder as solicitações de um mercado de trabalho muito exigente e o virtual market place contribuiu imenso para a equipa inteira. 22

RELATÓRIO: SIMULAÇÃO JOGOS DE MARKETING

RELATÓRIO: SIMULAÇÃO JOGOS DE MARKETING Página 0 de 16 2014 INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS ECONÓMICAS E EMPRESARIAIS RELATÓRIO: SIMULAÇÃO JOGOS DE MARKETING DISCENTES: Viena Garcia Cardoso & Nuno Miguel Lopes Sancha REBOOT INC MarketPlace Equipa

Leia mais

PROJETO DE SIMULAÇÃO APLICADO À GESTÃO Relatório final

PROJETO DE SIMULAÇÃO APLICADO À GESTÃO Relatório final INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS ECONÓMICAS E EMPRESARIAIS PROJETO DE SIMULAÇÃO APLICADO À GESTÃO Relatório final Docente: Dr. Rui Franganito Discentes: Alfredo Cotão Celly Fortes Mário Aguiar Nakita Lopes

Leia mais

Relatório jogos de Marketing

Relatório jogos de Marketing Relatório jogos de Marketing Disciplina: Simulação de jogos de Marketing Docente: Vanda Leite Discentes: Eurico Gonçalves / Rossana Barros/ Yara Teixeira 2014 I N S T I T U T O S U P E R I O R D E C I

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS. Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano

INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS. Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano Disciplina Jogos de Marketing RELATÓRIO FINAL DA INFORNET Página 1 Conteúdo 1-Análise

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

O projecto de sistemas de informação para as empresas de "Facility Services" e sua rede de parceiros

O projecto de sistemas de informação para as empresas de Facility Services e sua rede de parceiros PREMIVALOR O projecto de sistemas de informação para as empresas de "Facility Services" e sua rede de parceiros Rita Oliveira SEIDOR roliveira@seidor.es Telef.: +351 210 001 686 Lisboa, 6 Dezembro 2007

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 COMMERCIAL & MARKETING Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Geomarketing Expansão e Desenvolvimento de Negócio. Luis Pera Tiago Paulino Marco Viana

Geomarketing Expansão e Desenvolvimento de Negócio. Luis Pera Tiago Paulino Marco Viana Geomarketing Expansão e Desenvolvimento de Negócio Luis Pera Tiago Paulino Marco Viana Agenda Introdução Conceitos Gerais Orientação ao Negócio Valor Acrescentado do Geomarketing Gerir Forças de Vendas

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): E-mail: vmnf@yahoo.com Web: http://www.vmnf.net/ipam Aula 13 Sumário A Internet: Modelos de Negócio, Publicidade e Meios

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Correio(s) electrónico(s) Miguel Pedro Mendes d Araújo Morada(s) Rua António Gustavo Moreira, n.º 35 Hab. 2.5 4400-660 Vila

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras Termo Agente Análise SWOT Auditoria de marketing Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização Cash-and-carry Central de compras Ciclo de vida do produto/serviço Contexto de marketing

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

PRODUTOS INOVADORES CINCO PASSOS PARA ATINGIR O SUCESSO

PRODUTOS INOVADORES CINCO PASSOS PARA ATINGIR O SUCESSO PRODUTOS INOVADORES CINCO PASSOS PARA ATINGIR O SUCESSO CINCO PASSOS PARA ATINGIR O SUCESSO Os produtos são componentes diferenciadores nos serviços financeiros. E sempre o foram. Mas no ambiente competitivo,

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Commercial & Marketing. Estudos de Remuneração 2012

Commercial & Marketing. Estudos de Remuneração 2012 Commercial & Marketing Estudos de Remuneração 2012 Estudos de Remuneração Commercial & Marketing 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Funções de Marketing Funções Comerciais Assistente de Marketing pág. 12 Supervisor

Leia mais

Programa Região de Aveiro Empreendedora. Filipe Teles Pró-reitor

Programa Região de Aveiro Empreendedora. Filipe Teles Pró-reitor Programa Região de Aveiro Empreendedora Filipe Teles Pró-reitor 30 de junho de 2015 EIDT 2020: uma estratégia para a Região VISÃO Uma Região inclusiva, empreendedora e sustentável, que reconhece no seu

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

Módulo 2 Planeamento de Marketing. Capítulo 4. Atribuição de Preço. Dr. Andrea Grimm Dr. Astin Malschinger

Módulo 2 Planeamento de Marketing. Capítulo 4. Atribuição de Preço. Dr. Andrea Grimm Dr. Astin Malschinger Módulo 2 Planeamento de Marketing Capítulo 4 Atribuição de Preço Dr. Andrea Grimm Dr. Astin Malschinger CONTEÚDOS 2 MÓDULO 2 PLANEAMENTO DE MARKETING Capítulo 4: Atribuição de preços Autores: Dr. Andrea

Leia mais

Guião para a elaboração do. Plano de Negócios

Guião para a elaboração do. Plano de Negócios Guião para a elaboração do Plano de Negócios Não podes prever o futuro, mas podes escolher a direcção certa Guião Plano Negócios - Página: 1 / 23 INTRODUÇÃO O Plano de Negócios é um instrumento indispensável

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL Apesar das sequelas da crise financeira global e da ressaca de uma recessão em vários países, os analistas esperam que a procura de viagens

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Plano de Negócios Maria José Aguilar Madeira Silva Professora Auxiliar do DGE UBI 1 Objectivos Programa Conteúdo Lista de Questões

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

Marketing para exportadores de vinho

Marketing para exportadores de vinho Marketing para exportadores de vinho Apesar da longa tradição de fabrico de vinho em Portugal, as informações sobre o marketing destes produtos ainda são muito escassas. Dada a importância do sector para

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE INAPLICABILIDADE DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent.22/2007 Dendrite / Cegedim

Versão Pública. DECISÃO DE INAPLICABILIDADE DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent.22/2007 Dendrite / Cegedim DECISÃO DE INAPLICABILIDADE DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent.22/2007 Dendrite / Cegedim I. INTRODUÇÃO 1. Em 19 de Março de 2007, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos

Leia mais

PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO

PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO O objectivo dos Prémios Morningstar consiste em seleccionar os fundos e gestoras que mais valor proporcionaram aos participantes neste tipo de fundos,

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

App Banif Trader. Um canal de educação financeira. 8 de Outubro de 2015. Frederico Xavier da Costa Luís Sepulveda Catarina Santos

App Banif Trader. Um canal de educação financeira. 8 de Outubro de 2015. Frederico Xavier da Costa Luís Sepulveda Catarina Santos App Banif Trader Um canal de educação financeira Frederico Xavier da Costa Luís Sepulveda Catarina Santos 8 de Outubro de 2015 Banif - Banco de Investimento, SA Banif Trader Quem Somos - Banif 2014 Empreendedorismo:

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Gestão da Informação

Gestão da Informação Gestão da Informação Aplicações de suporte à Gestão da Informação na empresa Luis Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Aveiro, Fevereiro de 2001 Sistemas de informação para empresas Manutenção e exploração de sistemas

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

OFERTA FORMATIVA BRAGA

OFERTA FORMATIVA BRAGA 20 OFERTA FORMATIVA BRAGA Rua Diogo Botelho, 127 416-005 Porto T. +51 226 196 260 F. +51 226 196 259 www.catolicabs.porto.ucp.pt Campus Camões 4710-62 Braga T. +51 25 206 100 F. +51 25 206 10 www.braga.ucp.pt

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Organizações. Pedro Sousa

Organizações. Pedro Sousa Organizações Índice Introdução aos Tipos de Organizações Industriais Grossistas/Armazenistas Distribuição e Retalho Logística Serviços. Áreas das Organizações Financeira Recursos Humanos Produção Marketing

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Desde Janeiro 2006 Responsável pela Unidade de Negócios da Lisboagás para Lisboa e Amadora.

CURRICULUM VITAE. Desde Janeiro 2006 Responsável pela Unidade de Negócios da Lisboagás para Lisboa e Amadora. CURRICULUM VITAE Nome: Nuno Miguel de Campos Matos Vaz Neto Morada: Rua João de Oliveira Miguens, 5-5º C Código Postal e Localidade: 1350-187 Lisboa Nacionalidade: Portuguesa Telefone: +351917765911 E-mail:

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING

LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING NOVAS TENDÊNCIAS DE CONTABILIDADE DE GESTÃO MESTRADO CONTABILIDADE E FINANÇAS 2009/2010 1 Introdução Actualmente, com a transformação de uma economia localizada

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

Menores, mas com potencial de gigantes

Menores, mas com potencial de gigantes Menores, mas com potencial de gigantes 12 KPMG Business Magazine Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes O ano de 2008 foi um marco na história econômica

Leia mais

Desenvolver uma estratégia de marketing

Desenvolver uma estratégia de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Desenvolver uma estratégia de marketing O principal objectivo de uma Estratégia de Marketing é o desenvolvimento do negócio, tendo em linha de conta, a análise

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business Artigo original redigido por: Dien D. Phan Extraído do Information & Management, Vol.40, 2003 (pág.581-590) Introdução * E-business O seu

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

AULA NÚMERO 7 EMPRESA MISSAO, VISAO, VALOR, e OBJECTIVO DA EMPRESA ANALISE SWOT- FOFA

AULA NÚMERO 7 EMPRESA MISSAO, VISAO, VALOR, e OBJECTIVO DA EMPRESA ANALISE SWOT- FOFA AULA NÚMERO 7 EMPRESA MISSAO, VISAO, VALOR, e OBJECTIVO DA EMPRESA ANALISE SWOT- FOFA --------------------------------------------------------------------------------------------- I Conceito de Empresa

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS Eduardo Catroga 0. INTRODUÇÃO Vou analisar as questões principais seguintes: 1. QUAIS AS QUESTÕES ESTRATÉGICAS CHAVE DA ECONOMIA PORTUGUESA? 2. O QUE É QUE

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 São Paulo, 22 de março de 2012 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

PLANO DE AÇÃO . TREINAMENTOS . PROGRAMAS . PALESTRAS PARANAÍBA MS

PLANO DE AÇÃO . TREINAMENTOS . PROGRAMAS . PALESTRAS PARANAÍBA MS PLANO DE AÇÃO. TREINAMENTOS. PROGRAMAS. PALESTRAS PARANAÍBA MS 2015 TREINAMENTO - Ciclo de Palestras - Auxiliar o empresário, ou potencial empreendedor, desde a tomada de decisão de abrir um novo negócio

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 1 INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 3. PRIORIDADES ESTRATÉGICAS 3.1 Concretizar o Potencial da Biedronka 3.2 Assegurar o Crescimento de Longo Prazo 1. THE GROUP TODAY 4. EXPLORAR TODO O POTENCIAL

Leia mais

Instituto Superior das Ciências Económicas e Empresariais

Instituto Superior das Ciências Económicas e Empresariais Instituto Superior das Ciências Económicas e Empresariais RELATÓRIO ELABORADO NO ÂMBITO DA DISCIPLINA PROJECTO SIMULAÇÃO APLICADO À GESTÃO SIMULADOR MARKETPLACE6 2º LUGAR DO MERCADO 2 - GRUPO 3 - ALFA

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais Negócios Internacionais Capítulo IX Produção e Logística Global Carina Viveiros Carla Pereira Ruben Dias Rui Ponte Produção e Logística Global Objectivos: Descrever as diferentes dimensões da estratégia

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

Prof. Jorge Romero Monteiro 1

Prof. Jorge Romero Monteiro 1 Marketing 1 CONCEITOS DE MARKETING 2 Conceitos de Marketing O MARKETING é tão importante que não pode ser considerado como uma função separada. É o próprio negócio do ponto de vista do seu resultado final,

Leia mais

Desenvolvimento. da Estratégica Competitiva. Chapter Title. 15/e PPT

Desenvolvimento. da Estratégica Competitiva. Chapter Title. 15/e PPT McGraw-Hill/Irwin 2007 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. 6 Desenvolvimento Chapter Title da Estratégica Competitiva 15/e PPT Screen graphics created by: Jana F. Kuzmicki, Ph.D. Troy

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Planeamento Estratégico para Sociedades de Advogados ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planeamento Estratégico para Sociedades de Advogados ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planeamento Estratégico para Sociedades de Advogados ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 LEXDEBATA - PORTUGAL Fundada em Lisboa no ano de 2006, a LexDebata Seminários

Leia mais

Estudo de caso. A Brunner AG transita para o Cross-Media. Janeiro de 2011. Empresa suíça avança com equipamento digital de produção

Estudo de caso. A Brunner AG transita para o Cross-Media. Janeiro de 2011. Empresa suíça avança com equipamento digital de produção Estudo de caso Janeiro de 2011 Empresa suíça avança com equipamento digital de produção Comentários ou dúvidas? Índice Introdução... 3 Da impressão em offset para serviços de marketing em cross media...5

Leia mais

RESPONSABILIDADE CORPORATIVA DESEMPENHO POR PAÍS PORTUGAL

RESPONSABILIDADE CORPORATIVA DESEMPENHO POR PAÍS PORTUGAL 2008 RESPONSABILIDADE CORPORATIVA DESEMPENHO POR PAÍS PORTUGAL Sonae Sierra em Portugal A Sonae Sierra é a especialista internacional em centros comerciais, apaixonada por introduzir inovação e emoção

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

Advisory(Assessoria de Gestão)

Advisory(Assessoria de Gestão) Advisory(Assessoria de Gestão) Explorar a floresta aproveitando a incerteza, sem se perder entre as árvores As empresas que estão claramente focadas na criação de valor demonstram que sabem o que fazem,

Leia mais