NIAHOSM National Integrated Accreditation for Healthcare Organizations

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NIAHOSM National Integrated Accreditation for Healthcare Organizations"

Transcrição

1 NIAHOSM National Integrated Accreditation for Healthcare Organizations Eliana Cardoso Vieira Quintão CLIENT LOGO

2 A necessidade de nova alternativa Erros Médicos / Eventos Adversos - Evidências indicam que erros médicos ainda estão ocorrendo a uma taxa alarmante apesar dos atuais esforços para reduzi-los; - Hospitais se sentem obrigados a implementar medidas para abordar esses eventos; - Processos mal concebidos, inoperantes e sem coerência são as principais causa para estes resultados. Falta de infra-estrutura para o sistema de gestão da qualidade - Os processos em organizações de saúde são muito complexos e requerem validação para serem eficazes; - Os processos tornam-se mais difíceis de gerir e controlar quando são descentralizados; - A melhoria da qualidade, desempenho e resultados estão diretamente relacionados com o envolvimento e responsabilização pelos processos. Version Slide 2

3 Evitando eventos adversos CMS declara aos hospitais que os dados definem a necessidade de traçar novo futuro CDC: custo anual com custos preveníveis $4,5 bilhões Aumento da qualidade da assistência nos hospitais reduz o número de eventos - Eventos adversos resulta em sérias consequências para o paciente Version Slide 3

4 AHRQ - Cirurgias Agency for Healthcare Research and Quality publicou em 28 julho 2008 Health Services Research: custo anual estimado com eventos adversos preveníveis: $1,5 bilhões Seguradoras: - $ / paciente com falência respiratória aguda - $ / paciente com infecção pós operatória - 1/10 óbito em pacientes em até 90 dias PO erros preveníveis Version Slide 4

5 Novo modelo para a Acreditação Hospitalar Joint Commission CMS (Centers for Medicare and Medicaid Services) - Para receber reembolso pelo atendimento médico, um hospital deve ser acreditado por uma organização aprovada pelo CMS ou se submeter à avaliação através de um programa estatal; - JC tem privilégio legal - sem necessidade de se reportar ao CMS. Dez DNV solicita ao CMS aprovação de seu programa de acreditação Primeira alternativa privada para acreditação hospitalar dos últimos 40 anos Jul HR 6331 passa a ser lei Medicare Improvements for Patients and Providers Act - Retira da JC os privilégios estatutários especiais; - JC passa pela aprovação CMS revalidações bianuais. Version Slide 5

6 Novo modelo para a Acreditação Hospitalar 26 Set DNV (NIAHO) DIAS - é aprovada pelo CMS para avaliar hospitais em conformidade com as Condições de Participação para hospitais -CoP (42 CFR 482). - Validada bianualmente 2012 Atualizações - versão 10 Version Slide 6

7 Principais atualizações Telemedicina Gestão de medicamentos Anestesiologia Direitos do paciente Meio Ambiente Manutenção de equipamentos médicos Gestão de Riscos

8 Objetivo da NIAHO Contribuir para fortalecer a medidas para a segurança do paciente, da equipe e outros usuários Atender aos requisitos da CoP (Condições de Participação para Hospitais) CMS Centers for Medicare and Medicaid Objetivos CMS`CoP DNV NIAHO SM Coerente Estável Melhores Práticas Sustentável

9 Porque NIAHOSM Atende e excede os requisitos CoP; Inclui ISO 9001:2000 (base comprovada para melhoria contínua); Não exige pessoal adicional para implementação; Visitas anuais adicionam credibilidade; Foco na seqüência e interação dos processos por todo o hospital; Conduz à melhoria da segurança dos pacientes; Reduz custo com acreditação. Version Slide 9

10 Agrega valor ao Hospital Requisitos da NIAHO R NIAHO SM ISO31000 ISO9001 Análise crítica Auditoriia interna Ação corretiva e preventiva Melhores Práticas Consulta Cenário Identifica Analisa Avalia Trata Monitora Revisão Assistência em internação Terapia Intensiva Assistência cirúrgica Assistência Farmacêutica Processos... Version 21 August 2013 Transparên cia 10

11 Aplicando ISO 9001 em Saúde O que um hospital pode ganhar com a implantação ISO 9001? - Melhoria no sistema de qualidade reduzindo erros e aumentando o desempenho; - Melhoria na eficácia e na eficiência de processos que permitem erros e que são prejudicados com a complexidade; - Aumento na satisfação do paciente; - Experiência com o sucesso que a norma ISO 9001 tem produzido em outros setores, principalmente na indústria. Version Slide 11

12 NIAHOSM Certificação Integrada com a ISO 9001:2000 Conformidade/Certificação ISO 9001 deverá ser conquistada até 3 anos da data da Acreditação NIAHO SM Em concordância com a ONA (Organização Nacional de Acreditação) Nível 3 Em concordância com a legislação brasileira vigente ressaltando a Agência Nacional de Vigilância Sanitária e Conselho Federal de Medicina Version Slide 12

13 Infra-estrutura e Acreditação Melhoria na atenção e segurança ao paciente CMS (CoPs) Requisitos de Acreditação NIAHO (Consistente com CoPs CMS) Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9001:2000 (Infra-estrutura) Processos de Atenção ao Paciente e Operações de Apoio Version Slide 13

14 NIAHOSM - Metodologia Escopo: a instituição como um todo Processo de visitas: manutenções anuais e ciclo tri anual considerando também a tri anualidade da ISO e da ONA Falha no processo de conformidade/certificação ISO ou ONA implica na situação Acreditação NIAHO SM comprometida Version Slide 14

15 NIAHOSM Visita Uma ampla avaliação inclui: - observação do atendimento e dos serviços prestados para o paciente; - entrevistas com o paciente e / ou familiares; - entrevistas com a equipe envolvida; - revisão de prontuário médico. Utiliza-se como metodologia a rastreabilidade, para avaliar desempenho e comunicação entre os setores. Version Slide 15

16 NIAHOSM Categorias de constatações Conformidades Não conformidades: - categoria 1(maior): não atende a um requisito da norma, gerando quebra do sistema, ou a um requisito legal; - categoria 2 (menor): falha no atendimento a um requisito sem comprometimento da integridade do sistema; Oportunidade de melhorias Version Slide 16

17 NIAHOSM Tratamento de NC Consenso durante a visita DNV envia relatório em 10 dias Organização elabora Plano de Ação Corretivo - CAP NC categoria 1: CAP deve ser implementado em 60 dias e se necessário gera visita de follow up NC categoria 2: verificada na próxima visita Falha na implementação do CAP gera o status de Acreditação NIAHO SM comprometida devendo ser corrigida em até 4 meses. Version Slide 17

18 NIAHOSM Equipe de auditores Dimensionada de acordo com a complexidade e tamanho da organização; Mínimo de dois membros: um médico ou uma enfermeira e um especialista em segurança; Respeito ao termo de confidencialidade e à declaração de conflitos de interesse; Check-list como ferramenta de apoio. Version Slide 18

19 NIAHOSM Equipe de auditores Avaliador Generalista - Análise da Gestão da Qualidade - Gestão de Medicamentos - Análise do Corpo Clínico e de Recursos Humanos - Avaliação dos Serviços de Apoio (Laboratório, Imagem, Reabilitação) Avaliador Clínico - Atividades de avaliação operacional - Unidade hospitalar clínica - UTI, CCU, Obstetrícia, Departamento de Emergência, Centro Cirúrgico Especialista em Ambiente físico / Segurança vida - Avaliação do ambiente físico e planos de gestão - Visita às dependências da organização/segurança - Engenharia Clínica (Equipamentos) Version Slide 19

20 NIAHOSM Avaliação Os avaliadores vão dedicar especial atenção aos seguintes aspectos: Assistência ao paciente, incluindo tratamentos e terapias; Atividades das equipes, equipamentos, documentação, edificações, sons e cheiros; Integração de todos os serviços para determinar se funciona como um todo; Se a melhoria da qualidade é uma atividade que abrange toda a organização, incorporando cada serviço/ atividade da organização; Interação entre os diversos serviços hospitalares e registro destas atividades para garantir supervisão da gestão da qualidade, Adequação e eficácia do sistema de gestão da qualidade do hospital; Armazenamento, segurança e confidencialidade dos registros médicos. Version Slide 20

21 NIAHOSM Documentação Registros clínicos do paciente e sua validação por entrevistas; Planos de cuidados à saúde e planos de alta; Revisão da avaliação pré-cirúrgica, consentimento informado, relatório cirúrgico e registro anestésico (pré-, inter-e pós-operatório). Dados dos recursos humanos, competência/desempenho avaliações, e licenças; Documentos para determinar se um número suficiente de pessoal está disponível; Credenciamento do corpo clínico e dos envolvidos da área da saúde; Registros de manutenção e calibração para determinar se os equipamentos são periodicamente testados e/ou calibrados, se estão em bom funcionamento e se requisitos ambientais foram atendidos; Manuais de política e procedimentos; Contratos, se aplicável; Atas das atividades da organização conforme legislação. Version Slide 21

22 NIAHOSM Pontos fortes Aplicável para Instituição com Sistema de Qualidade amadurecido e consolidado; Abordagem focada em gestão de riscos Risk Based Certification Favorece o reconhecimento internacional e o intercâmbio na área da saúde; Ênfase em segurança predial com foco na segurança do paciente. Version Slide 22

23 NIAHOSM Agenda de Auditoria Reunião de Abertura com a Direção Revisão da documentação Equipe 1 Gestão da Qualidade Equipe 2 Atividades operacionais/ Atenção ao paciente Equipe 3 Ambiente físico/segurança - Tour Version Slide 23

24 NIAHOSM Requisitos e-cfr Data is current as of July 31, 2008 Title 42: Public Health PART 482 CONDITIONS OF PARTICIPATION FOR HOSPITALS Section Contents Subpart A General Provisions Basis and scope Provision of emergency services by nonparticipating hospitals. Subpart B Administration Condition of participation: Compliance with Federal, State and local laws Condition of participation: Governing body Condition of participation: Patient's rights. Subpart C Basic Hospital Functions Condition of participation: Quality assessment and performance improvement program Condition of participation: Medical staff Condition of participation: Nursing services Condition of participation: Medical record services Condition of participation: Pharmaceutical services Condition of participation: Radiologic services Condition of participation: Laboratory services Condition of participation: Food and dietetic services Condition of participation: Utilization review Condition of participation: Physical environment Condition of participation: Infection control Condition of participation: Discharge planning Condition of participation: Organ, tissue, and eye procurement. Version Slide 24

25 NIAHOSM Requisitos Sistema de Gestão da Qualidade Medicina Nuclear Corpo Diretivo Reabilitação Direção Obstetrícia Corpo Clínico Emergência Enfermagem Ambulatório Gestão de Pessoas Nutrição e Dietética Gerenciamento de medicamentos Direitos do Paciente Controle e Prevenção de Infecções Serviço Cirúrgico Sistema de Informação do Paciente Serviço de Anestesia Planejamento da alta Laboratório Revisão de Prontuários Cuidados Respiratório Análise de utilização Serviço de Imagem Ambiente Físico Transplantes Version Slide 25

26 NIAHOSM Requisitos QM - Sistema de Gestão da Qualidade QM. 1 Sistema de Gestão da Qualidade QM. 2 Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9001 QM. 3 Estrutura da Qualidade QM. 4 Representante da Direção QM. 5 Documentação e análise QM. 6 Requisitos do Sistema QM. 7 Medição, monitoramento e análise QM. 8 Sistema de Segurança ao Paciente Identificação e detecção da ocorrência e gravidade dos incidentes que tem impacto ou ameaçam a segurança dos pacientes. Processos definidos para diminuir o risco, planos de ação, medição, melhorias, política para informação dos pacientes e seus familiares. Version Slide 26

27 Grupo interdisciplinar Gestão da Qualidade Define a representatividade do representante da administração, enfermeira, farmácia, serviços de apoio, gestão da informação/ segurança, representantes do corpo clínico Monitoramento da efetividade do Sistema de Gestão da Qualidade

28 NIAHOSM Requisitos MS Corpo Clínico MS. 1 Organização da Equipe Médica MS. 2 Elegibilidade MS. 3 Comprometimento MS. 4 Responsabilidade MS. 5 Comitê Executivo MS. 6 Participação da Equipe Médica Comitês de gestão de medicamentos, controle de infecção, prontuários médicos, auditoria de prontuários e sistema de gestão da qualidade. MS. 7 Estatuto da Equipe Médica MS. 8 Nomeação MS. 9 Informações sobe Desempenho Uso de sangue, prescrição médica, desempenho em procedimentos de alto risco,... MS. 10 Educação Continuada,... Version Slide 28

29 NIAHOSM Requisitos MS Corpo Clínico MS. 11 Participação da Direção MS. 12 Privilégios clínicos MS. 13 Privilégios Médicas Temporárias MS. 14 Ações Corretivas ou de Reabilitação MS. 15 Requisitos admissionais MS. 16 Prontuário Médico MS. 17 Anamnese e Exame Físico MS. 18 Consulta MS. 19 Autópsia MA. 20 Telemedicina Version Slide 29

30 Define Evento Sentinela Evento Sentinela deve ser definido como uma ocorrência ou variação inesperada que leva à morte ou dano físico ou psíquico grave. Essa definição inclui os Eventos Adversos ou os Eventos Inaceitáveis do Fórum Nacional da Qualidade (NQF_ National Quality Forum) que são erros na assistência à saúde claramente identificáveis, preveníveis e sérios em suas consequências para os pacientes.

31 Desempenho profissional médico Dados de desempenho específico do profissional devem ser avaliados, analisados e ações apropriadas devem ser tomadas quando forem encontradas variações e\ ou os padrões assistenciais não tiverem sido alcançados, como determinados pelo o corpo clínico.

32 Privilégios clínicos SR.4 O regimento interno do corpo clínico deve incluir um processo de aprovação de outros profissionais de saúde para o cuidado dos pacientes no caso de emergências ou desastres. SR.4a Deve haver uma disposição para autorizar ao profissional independente a solicitar atendimentos externos que estejam dentro do seu escopo de atuação.

33 Telemedicina Assegurar que as instituições envolvidas nas atividades de telemedicina garantam o cumprimento de requisitos legais e mesmo nível de gestão do corpo clínico.

34 Serviço de enfermagem Verifique se as atribuições da enfermagem incluem considerações sobre a complexidade das necessidades de cuidados dos pacientes e que o corpo de enfermagem que assiste aos pacientes é capacitado e possui as qualificações exigidas. Reveja como é aplicado nas áreas assistenciais o processo para a determinação de como a enfermagem distribui suas atribuições e equipes. Esse processo deve incluir o seguinte: Necessidades dos pacientes; Necessidades especiais de pacientes específicos; e, Competência e qualificações do pessoal de enfermagem.

35 Plano de cuidados Uma avaliação de enfermagem será realizada dentro de 24h da admissão a avaliação de enfermagem deve refletir a filosofia do Departamento de Enfermagem para o cuidado do paciente. O uso de diagnóstico de enfermagem, rotinas ou diretrizes clínicas são permitidos e encorajados se contemplarem os requisitos mínimos. Todas as avaliações de enfermagem devem coletar dados suficientes para que a enfermeira esteja apta a desenvolver um plano de cuidados que garanta segurança ao paciente e contemple as concomitantes condições relevantes apresentadas.

36 Transfusões e medicamentos especiais SR.7 Protocolos aprovados e de acordo com a legislação Capacitação dos profissionais envolvidos : desde técnicas de punção até condução de reações transfusionais Dados clínicos para análise de indicação Instruções de uso

37 Gestão de medicamentos Reforça as boas práticas de segurança para: - administração do medicamento certo, - pelo colaborador certo, - no paciente certo, - na via certa, - utilizando materiais e equipamentos certos, - com estabilidade garantida - de acordo com a farmacocinética, - temporizado corretamente, - considerando o conjunto da prescrição. cont

38 Gestão de medicamentos - administração Verificar autorizaçao do profissional para administrar medicamentos capacitação dos profissionais para administrar medicamentos, considerando os requisitos citados anteriormente. Conhecimento das indicações, efeitos colaterais, interações medicamentosas, compatibilidade e limite de dose dos medicamentos administrados; cont

39 Gestão de medicamentos Identificação paciente Identificadores de paciente aceitáveis incluem mas não estão limitados a: o nome completo do paciente; um número de identificação fornecido pelo hospital; ou data de nascimento. Os identificadores devem ser confirmados pela pulseira de identificação do paciente, cartão de identificação, confirmação do próprio paciente (quando possível) ou outras definidas na política do hospital. A identificação do paciente deve ser confirmada para estar de acordo com o registro de administração e rotulagem de medicamentos antes da administração para assegurar que a medicação seja dada ao paciente correto. cont

40 Gestão de medicamentos - prescrição Políticas que definam os esquemas de prescrição de medicamentos considerando a farmacocinética, fatores específicos de determinados medicamentos e de pacientes, tais como: Medicamentos onde não devem ser aplicadas dosagens programadas. Dose imediata; Primeira dose de ataque Temporização de doses Doses especificamente programados para procedimentos; Seqüenciação de doses; doses programadas de acordo com níveis séricos de drogas; Testes terapeuticos, Medicamentos prescritos se necessário cont

41 Gestão de medicamentos - aprazamento Definição de tempo crítico para medicamentos programados: são os medicamentos para os quais a administração precoce ou tardia de mais de trinta minutos podem causar danos ou ter um impacto sobre a terapêutica pretendida ou efeito farmacológico. Cont...

42 Gestão de medicamentos - aprazamento Tempo crítico para medicamentos programados: Exemplos: antibióticos, anticoagulantes, insulina, anticonvulsivantes, imunossupressores, analgésicos, medicamentos com periodicidades muito especifica (quimioterápicos e coadjuvantes) Medicamentos que precisam ser administrados separadamente dos demais Medicamentos prescritos em intervalos menor que a cada 4 horas. cont

43 Gestão de medicamentos falhas de segurança Procedimentos e políticas definindo condutas quando houver quebras de requisitos relacionados a segurança do paciente e administração de medicamentos Análise de notificações de eventos relacionados a administração de medicamentos e revisão das práticas definidas. cont

44 Anestesiologia Responsabilidade por todos os tipos de sedação que ocorra no hospital Rever os critérios e as qualificações para os médicos e outros profissionais para obter privilégios para administrar anestesia / sedação Integração da anestesiologia com o sistema de gestão da qualidade Politica de anestesia considerando a a delimitação de responsabilidades pré e pós anestésicas. Avaliação pré-anestésica 20

45 Reabilitação Capacitação do profissional Registro das solicitações de intervenção da reabilitação Desenvolvimento de um plano de tratamento que deverá fazer parte do prontuário médico, incluindo objetivos, resultados e modificações que sejam necessárias 22

46 Direitos do paciente SR.1 esclarecimento sobre alta precoce SR.2 participação do paciente e os meios para tomar decisões informadas sobre sua / seu plano de cuidados; SR.3 Informação para o paciente ou familiar para envolvimento para tomar decisões informadas sobre o seu planejamento da assistência e tratamento, incluindo a possibilidade de requerer ou recusar o tratamento, SR.4 notificação imediata do "médico de admissão; SR.5 privacidade; SR.6 Prestação de cuidados em um ambiente seguro; SR.7 Liberdade de todas as formas de abuso ou assédio; SR.8 confidencialidade dos registros clínicos; SR.9 acesso aos registos clínicos,, SR.9 (a) O hospital não devem impedir os esforços dos indivíduos a obter acesso à sua própria clínica SR10 Direito a reclamaçao escrita SR11 Gerenciamento da dor SR12 assegurar a visitação de pessoas designadas pelo paciente/responsável SR13 Outros direitos para atender necessidades do paciente 23

47 Plano de alta Verificar se o plano de alta foi consistente com as necessidades do paciente Entrevistas com pacientes/responsáveis para verificar o envolvimento destes no desenvolvimento do plano de alta Se estão preparados para receber a alta Se houve capacitação de familiares/pacientes para a continuidade dos cuidados Se estavam informados sobre a possibilidade de buscar ajuda mesmo no pós alta 24

48 Política ambiente livre de tabaco Aplicável a toda a planta do hospital Seja demonstrado a progressão desta implantação 26

49 Manutenção de equipamentos Deve assegurar a disponibilidade e confiabilidade de todos os equipamentos do hospital Assegurar o plano de manutenções preventivas de acordo com a utilização dos equipamentos Assegurar capacitação dos responsáveis pela manutenção e pela utilização 27

50 Sistema de proteção a vida Programa de prevenção de violência no local de trabalho Criação de equipe de avaliação de ameaças Avaliação de riscos, controles e prevenções Educação continuada Relatórios de incidentes, investigação e acompanhamento Provisão de equipamentos em condições ideias de segurança para atendimento a situações de emergência/ desastres Prevenção e controle de ocorrência de lesão ou doença resultante da utilização de equipamentos 28

51 29

GESTÃO DE RISCOS HOSPITALARES

GESTÃO DE RISCOS HOSPITALARES GESTÃO DE RISCOS HOSPITALARES Hospital Management Summit Eliana Cardoso Vieira Quintão Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 1 Conhecendo a DNV Criada em 1864, na Noruega.

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP Laura Schiesari Diretora Técnica AGENDA I. A ANAHP II. Melhores Práticas Assistenciais III. Monitoramento

Leia mais

Normas e Diretrizes Interpretativas para Acreditação Internacional de Hospitais - DIAS

Normas e Diretrizes Interpretativas para Acreditação Internacional de Hospitais - DIAS DNV-GL NORMA DNV GL DNV-DS-HC102 EXIGÊNCIAS DE ACREDITAÇÃO INTERNACIONAL Normas e Diretrizes Interpretativas para Acreditação Internacional de Hospitais - DIAS AGOSTO 2014, VERSÃO 3.2 A versão eletrônica

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção

Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção Palestrante: Anatércia Miranda Auditor ONA/ISO DNV-Healthcare DNV Business Assurance, South America Mobile: +55 31 9978 28 19 Web: www.dnvba.com.br DNV Det

Leia mais

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico Sandra Abrantes Krug Seabra Outubro 2010 Agenda Gerenciamento de Risco Fatores Críticos de Sucesso Estamos fazendo certo? Gestão = Administração Administrar:

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO / Aprovação: Edison Cruz Mota MANUAL DA QUALIDADE Código: MQ Revisão: 13 Página: 1 de 16 Data: 15/12/2011 Arquivo: MQ_13.doc SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1. POLÍTICA DA

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-2 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

DNV. "Como as acreditadoras estão contribuindo para a melhoria da qualidade e o aumento da segurança dos pacientes em serviços de saúde?

DNV. Como as acreditadoras estão contribuindo para a melhoria da qualidade e o aumento da segurança dos pacientes em serviços de saúde? DNV "Como as acreditadoras estão contribuindo para a melhoria da qualidade e o aumento da segurança dos pacientes em serviços de saúde?" Internal Auditor ISO 9000 Why audit and what is an audit? Internal

Leia mais

AUDITORIAS EM SISTEMAS HIPERBÁRICOS REALIZAÇÃO DA PRIMEIRA AUDITORIA EM SISTEMAS HIPERBÁRICOS NO BRASIL

AUDITORIAS EM SISTEMAS HIPERBÁRICOS REALIZAÇÃO DA PRIMEIRA AUDITORIA EM SISTEMAS HIPERBÁRICOS NO BRASIL CURSO INTRODUTÓRIO SOBRE QUALIDADE E SEGURANÇA DOS SERVIÇOS DE MEDICINA HIPERBÁRICA AUDITORIAS EM SISTEMAS HIPERBÁRICOS REALIZAÇÃO DA PRIMEIRA AUDITORIA EM SISTEMAS HIPERBÁRICOS NO BRASIL Dr Roberto Bamman

Leia mais

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes, os princípios e a estrutura a serem considerados no processo de gerenciamento de riscos do Magazine

Leia mais

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM Óbidos, Novembro 2008 Maria da Saudade de Oliveira Custódio Lopes SUMÁRIO DE APRESENTAÇÃO A Política de Qualidade para as Instituições de Saúde:

Leia mais

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Cássio Eduardo Garcia (SENAC) cassiogarcia@uol.com.br Resumo Um dos principais instrumentos que uma organização pode utilizar para

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE UNIDADES DE INTERNAÇÃO Comissão de Gerenciamento de Risco NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA 2012 Luciane Lindenmeyer,

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503.

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. Ementa: Possibilidade de recusa na administração de um medicamento (preparado/diluído) por outro profissional. Administração

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO P-32 /2014 Área Responsável: Auditoria Interna OBJETIVO: Descrever a metodologia do FUNBIO à gestão de riscos, documentar os papéis e responsabilidades da

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V.

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V. REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP SEÇÃO I Da Estrutura Organizacional e Funcionamento da Subseção I Da Direção Subseção II Das Gerências Executivas Subseção III Do

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 47/CT/2015 Assunto: Administração de Radiofármaco Palavras chaves: Oncologia; Radiofármaco; Punção Venosa. I Solicitação recebida pelo Coren/SC: A punção venosa para aplicação

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança 1. CULTURA DE SEGURANÇA 1.1 1.2 1.3 1.4 A organização possui um elemento responsável pelas questões da segurança do doente A organização promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de

Leia mais

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology C O B I T Control Objectives for Information and related Technology Goiânia, 05 de Janeiro de 2009. Agenda Evolução da TI Desafios da TI para o negócio O que é governança Escopo da governança Modelos de

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos

DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos Adotada pela 18ª Assembleia Geral da Associação Médica Mundial (Helsinque, Finlândia,

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS: NOÇÕES DE BOAS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS E ACREDITAÇÃO HOSPITALAR

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS: NOÇÕES DE BOAS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS E ACREDITAÇÃO HOSPITALAR ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA CLÍNICA EDUARDO FROTA OLIVEIRA PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS: NOÇÕES DE BOAS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 052/2013 PRCI nº 102.600 Tickets nº 290.931, 292.084

PARECER COREN-SP CT 052/2013 PRCI nº 102.600 Tickets nº 290.931, 292.084 PARECER COREN-SP CT 052/2013 PRCI nº 102.600 Tickets nº 290.931, 292.084 Ementa: Protocolo de cirurgia segura - demarcação de lateralidade, responsabilidade da realização. 1. Do fato Enfermeiras referem

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Basileia III e Gestão de Capital

Basileia III e Gestão de Capital 39º ENACON Encontro Nacional de Contadores Basileia III e Gestão de Capital Novembro/2013 Agenda 1. Resolução 3.988, de 30/6/2011 2. Circular 3.547, de 7/7/2011: Icaap 3. Carta-Circular 3.565, modelo Icaap

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

O Art. 5º, Inciso II da Constituição Federal da República Federativa do Brasil:

O Art. 5º, Inciso II da Constituição Federal da República Federativa do Brasil: PARECER SETOR FISCAL Nº 38/2015 Assunto: Solicitação de parecer sobre as atribuições do Enfermeiro em ambulatório de farmácia particular. 1. Do fato: Gostaria de obter informações quanto às atribuições

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

3. A quem se aplica a RDC 67/2009? A todos os detentores de registro (inclusive cadastro) de produtos para a saúde sediados no Brasil.

3. A quem se aplica a RDC 67/2009? A todos os detentores de registro (inclusive cadastro) de produtos para a saúde sediados no Brasil. PERGUNTAS E RESPOSTAS RDC 67/2009 1. O que é a RDC 67/2009 e do que trata? É uma Resolução da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) que regulamenta a organização da tecnovigilância

Leia mais

PORTARIA CVS 05 de 05 de fevereiro de 2010

PORTARIA CVS 05 de 05 de fevereiro de 2010 PORTARIA CVS 05 de 05 de fevereiro de 2010 Atualização do fluxo de notificações em farmacovigilância para os Detentores de Registro de Medicamentos no Estado de São Paulo e dá providências correlatas;

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 Atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde previstos na RN nº 211, de 11 de janeiro de 2010. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

PROF. ENF. HYGOR ELIAS

PROF. ENF. HYGOR ELIAS PROF. ENF. HYGOR ELIAS ADMINISTRAR É... ADMINISTRAÇÃO É O PROCESSO DE PLANEJAR, ORGANIZAR, DIRIGIR E CONTROLAR AS AÇÕES DE UMA EMPRESA/INSTITUIÇÃO/SERVIÇO A FIM DE ALCANÇAR SEUS OBJETIVOS. O enfermeiro

Leia mais

CIRURGIA SEGURA 1 FINALIDADE 2 JUSTIFICATIVA. Protocolo de Serviço do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO DE SERVIÇO

CIRURGIA SEGURA 1 FINALIDADE 2 JUSTIFICATIVA. Protocolo de Serviço do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO DE SERVIÇO PROTOCOLO DE SERVIÇO CIRURGIA SEGURA Responsáveis: Vânia Segalin, Graziela Cauduro, Rafaela Andolhe Colaboradores: Roosi Zanon Código: PS03 CIRSEG Data: Dezembro/2015 1 FINALIDADE A finalidade do protocolo

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL Adriana Baptista da Cruz Löffel Coordenadora de Farmácia ACCamargo Cancer Center Especialista em Farmacologia Clínica CONCEITOS Reconciliar = ato de restabelecer

Leia mais

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi Revisão da ISO 9001:2015 Fernanda Spinassi Requisito 4 Contexto da Organização Está mais claramente definida a obrigação de monitorar e analisar criticamente as questões externas e internas da organização

Leia mais

INVESTIGAÇÕES EM TECNOVIGILÂNCIA

INVESTIGAÇÕES EM TECNOVIGILÂNCIA INVESTIGAÇÕES EM TECNOVIGILÂNCIA A principal finalidade da investigação de acidentes e / ou das reações adversas relacionados aos produtos de saúde, em especial no caso da Tecnovigilância, os equipamentos,

Leia mais

GESTÃO DE RISCO & QUALIDADE NA ASSISTÊNCIA. Maria Inês Pinheiro Costa GERISCO SUNAS

GESTÃO DE RISCO & QUALIDADE NA ASSISTÊNCIA. Maria Inês Pinheiro Costa GERISCO SUNAS GESTÃO DE RISCO & QUALIDADE NA ASSISTÊNCIA Maria Inês Pinheiro Costa GERISCO SUNAS Sujeira em maternidade mata 36 bebês... Chega a 16 os óbitos de recém nascidos na... Superbactéria é responsável por 31

Leia mais

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14 ANEXO I PSI Índice 1. FINALIDADE... 4 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. FREQUÊNCIA DE REVISÃO... 4 4. PORTAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 4 5. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 5.1. Segurança da Informação... 4 5.2. Confidencialidade...

Leia mais

Tabela 1 - Tempo total em número de dias de uma auditoria (mínimo) Tr a b a l h a d o r e s Nível A Nível B 100% IAF AI AS AR 60% IAF AI AS AR Fase 1

Tabela 1 - Tempo total em número de dias de uma auditoria (mínimo) Tr a b a l h a d o r e s Nível A Nível B 100% IAF AI AS AR 60% IAF AI AS AR Fase 1 Tabela 1 - Tempo total em número de dias de uma auditoria (mínimo) Tr a b a l h a d o r e s Nível A Nível B 100% IAF AI AS AR 60% IAF AI AS AR Fase 1 Fase 2 Fase 1 Fase 2 De 1 a 5 1,5 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS Página: 1 de 15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO 4. DOCUMENTAÇÃO DA QUALIDADE DA ORGANIZAÇÃO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Auditoria da função de gestão de riscos operacionais* 1 de Agosto 2007. *connectedthinking

Auditoria da função de gestão de riscos operacionais* 1 de Agosto 2007. *connectedthinking Auditoria da função de gestão de riscos operacionais* 1 de Agosto 2007 *connectedthinking Conteúdo Introdução Parte I - Auditoria específica (complementar) na área de risco operacional Parte II - Contexto

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Data: 20 de fevereiro de 2016 Versão: 6 Autor: Grupo de Compliance Global 1. Introdução Este documento

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 1 MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 2 Apresentação Menos de dez meses depois de ter sido criada pela Associação Médica Brasileira, a Câmara

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS

NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO (Issai 40 - Introdução) 1. A NBA 40 tem como objetivo ajudar os Tribunais de Contas a elaborar, estabelecer

Leia mais

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes Comitês do Banco BMG Introdução Os Comitês representam coletivamente os interesses do Banco BMG, nos diversos segmentos de sua organização. É política do Banco BMG, manter o controle permanente de seus

Leia mais

Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio Vargas PE

Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio Vargas PE 15º Encontro Nacional da Rede Sentinela Fórum Internacional de Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. comunicação interna, lidar e aprender com não-conformidades e interagir com as demais áreas da Instituição.

CONSULTA PÚBLICA. comunicação interna, lidar e aprender com não-conformidades e interagir com as demais áreas da Instituição. Dimensão Hospitalar A dimensão hospitalar foi estruturada em perspectivas, critérios e itens de avaliação, sendo que os critérios e itens de avaliação estão contemplados em seis perspectivas: 01 Ações

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

Caro parceiro, Queremos fornecedores e parceiros que tenham nível de comprometimento com a sociedade tão amplo quanto o do Rio 2016.

Caro parceiro, Queremos fornecedores e parceiros que tenham nível de comprometimento com a sociedade tão amplo quanto o do Rio 2016. Caro parceiro, O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 trabalha para entregar Jogos excelentes, com celebrações memoráveis que irão promover a imagem global do Brasil, baseados

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Auditoria e Análise Crítica do Sistema da Qualidade dos Laboratórios

Auditoria e Análise Crítica do Sistema da Qualidade dos Laboratórios Em Procedimento GGLAS 5 Auditoria e Análise Crítica do Sistema da Qualidade dos Laboratórios Proc./GGLAS nº 16 Página 1 de 15 Habilitação de Laboratório na Reblas Auditoria e Análise Crítica do Sistema

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 006/2014 EMENTA: Aprova Normas da Política de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Mapeamento de Riscos e Perigos em um Serviço de hemodinâmica: Busca pela qualidade contínua no processo de trabalho

Mapeamento de Riscos e Perigos em um Serviço de hemodinâmica: Busca pela qualidade contínua no processo de trabalho Mapeamento de Riscos e Perigos em um Serviço de hemodinâmica: Busca pela qualidade contínua no processo de trabalho Marian Valentini Pezzi Cristiane Vieira Pamela Silva Angelita Paganin Mauro Bertelli

Leia mais

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos.

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. POLÍTICA DE COMPLIANCE INTRODUÇÃO O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. Visto isso, a REAG INVESTIMENTOS

Leia mais

ANEXO V COMPETÊNCIAS DEFINIDAS

ANEXO V COMPETÊNCIAS DEFINIDAS ANEXO V COMPETÊNCIAS DEFINIDAS Compete as Unidades de Saúde (básica, secundária/ambulatórios follow up): 1. Realizar a identificação das crianças que cumprem os critérios estabelecidos para recebimento

Leia mais

Pesquisa sobre Segurança do Paciente em Hospitais (HSOPSC)

Pesquisa sobre Segurança do Paciente em Hospitais (HSOPSC) Pesquisa sobre Segurança do Paciente em Hospitais (HSOPSC) Instruções Esta pesquisa solicita sua opinião sobre segurança do, erros associados ao cuidado de saúde e notificação de eventos em seu hospital

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL FACENS / IAT Instituto de Aperfeiçoamento Tecnológico Curso de Pós-Graduação MBA Lato-Sensu em: Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Disciplina: Gerenciamento e Controle Ambiental Carga horária: 24h Prof.

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União LOGO Sumário da Apresentação Origens... Um pouco sobre Governança O papel da Unidade

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 04/IN01/DSIC/GSI/PR 01 15/FEV/13 1/8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

Leia mais

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria Módulo 4 Conceitos e Princípios de Auditoria NBR: ISO 14001:2008 Sistemas da Gestão Ambiental Requisitos com orientações para uso NBR:ISSO 19011: 2002 Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da

Leia mais

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO -CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Sistema Sicoob A Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional abaixo visa dar conformidade ao que dispõe a Resolução n 3.380/2006, do Conselho Monetário

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS Lizyanne Saldanha Soares 1, Natalia Máximo Souza Lima 2, Raquel Gusmão Oliveira

Leia mais