A ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA NA POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL COMO ORIENTADORA DO EMPREGO DO POLICIAMENTO OSTENSIVO PARA A COPA DO MUNDO DE 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA NA POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL COMO ORIENTADORA DO EMPREGO DO POLICIAMENTO OSTENSIVO PARA A COPA DO MUNDO DE 2014"

Transcrição

1 PAULO ROBERTO BATISTA DE OLIVEIRA A ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA NA POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL COMO ORIENTADORA DO EMPREGO DO POLICIAMENTO OSTENSIVO PARA A COPA DO MUNDO DE 2014 Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. Orientador: Ivan Fialho Cel QEMA Mat Bel (EB). Rio de Janeiro 2011

2 C2011 ESG Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitido a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários e citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG. Paulo ROBERTO B. Oliveira Cel QOPM/DF Biblioteca General Cordeiro de Farias Oliveira, Paulo Roberto Batista de A atividade de Inteligência na Polícia Militar do Distrito Federal como orientadora do emprego do Policiamento Ostensivo para a Copa do Mundo da FIFA de 2014/Paulo Roberto Batista de Oliveira. Rio de Janeiro: ESG, fl.: il. Orientador: Ivan Fialho Cel QEMA Mat Bel (EB). Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. 1. Inteligência de Segurança Pública. 2. Policiamento Ostensivo. 3. Copa do Mundo de Planejamento. I. Titulo.

3 Aos meus amados sogros PETRONIO e ALDAIR.

4 AGRADECIMENTOS Ao Cel QEMA Mat Bel (EB) Ivan Fialho pelas orientações seguras no transcorrer deste trabalho. Oficial íntegro pelo qual tive o privilégio de tê-lo como orientador, ainda no Curso de Superior de Inteligência Estratégica/2009, Turma SISBIN 10 anos. Nossa Turma o reconhece como nosso comandante pela conduta irrepreensível e pelo amor dedicado a arte de ensinar. Ao CF (T) Fortunato Lameiras pela ímpar camaradagem e pelo alto grau de profissionalismo demonstrado no transcorrer do CAEPE. Aos estagiários da Turma Segurança e Desenvolvimento pelo convívio harmonioso de todas as horas. Ao Corpo Permanente da ESG pelos ensinamentos e orientações que me fizeram refletir, cada vez mais, sobre a importância de se estudar o Brasil com a responsabilidade implícita de ter que melhorar. A Brasilene, minha esposa e companheira; aos meus amados filhos Paulo Roberto e Nayane pela compreensão, mais uma vez, de minha longa ausência. Ao meu pai Erlís, companheiro, amigo e grande incentivador de minha carreira.

5 O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete. Aristóteles

6 RESUMO Esta monografia aborda a Atividade de Inteligência de Segurança Pública na assessoria do planejamento da Polícia Militar do Distrito Federal para a Copa do Mundo de Futebol da FIFA para O objetivo deste estudo é, a partir do Caderno de Atribuições da FIFA para as cidades-sedes, especialmente Brasília, fornecer subsídios que sirvam de base para a implementação de um planejamento eficiente e eficaz no emprego do policiamento ostensivo que atenda as necessidades específicas e gerais de um evento desta magnitude. A metodologia adotada comportou uma pesquisa bibliográfica e documental, visando buscar referenciais teóricos, além da experiência pessoal do autor. Discorre o que vem a ser a Inteligência; a sua doutrina; as possibilidades de emprego como organização, atividade e conhecimento; o Sistema Brasileiro de Inteligência e a Inteligência de Segurança Pública. Aborda-se, ainda, a Inteligência no âmbito da Segurança Pública do Distrito Federal e, especialmente, na Polícia Militar. Apresenta-se o Caderno de Atribuições da FIFA e suas implicações na Segurança Pública, especialmente na inteligência. Discorreu-se sobre os aspectos estruturais de Brasília como uma das sedes dos jogos. A partir deste estudo e das ações a serem desenvolvidas no Distrito Federal, foram levantados pontos fortes e fracos no ambiente interno e oportunidades e ameaças no externo que poderão ser induzidos para o ambiente da Polícia Militar. A conclusão indica que a Inteligência atua na assessoria para a tomada de decisão nos níveis estratégico e tático da organização policial e será fundamental para enfrentar os desafios da Copa, apontando ainda, para a necessidade do comprometimento de todos os atores envolvidos nos eventos. Palavras chave: Inteligência de Segurança Pública. Policiamento Ostensivo. Copa do Mundo de Planejamento.

7 RESUMEM Esta monografía aborda la Actividad de Inteligencia de Seguridad Pública en el asesoramiento de planificación de la Policía Militar del Distrito Federal para la Copa del Mundo de la FIFA El objetivo de este estudio es, con base en el Cuaderno de Asignaciones de la FIFA para las ciudades anfitrionas, especialmente Brasilia, presentar subsidios que sirvan de base para la implementación de una planificación eficiente y eficaz en el empleo del policiamiento ostensivo que atienda las necesidades específicas y generales de un evento de esta magnitud. La metodología consistió en una búsqueda bibliográfica y documental con el fin de obtener referenciales teóricos, más allá de la experiencia personal del autor. Explica lo que se hace la inteligencia, su doctrina, oportunidades de empleo como organización, actividad y conocimiento, el Sistema Brasileño de Inteligencia y la Inteligencia de Seguridad Pública. Abarca también la inteligencia dentro de la Seguridad Pública del Distrito Federal, y en especial de la Policía Militar. Se presenta el Cuaderno de Asignación de la FIFA y sus implicaciones para la seguridad pública, especialmente en la inteligencia. Habló sobre los aspectos estructurales de Brasilia como una de las sedes de los juegos. De este estudio y las acciones a desarrollar en el Distrito Federal, se plantearon las fortalezas y debilidades, de las oportunidades internas y externas y las amenazas que pueden ser inducidas en el medio ambiente de la Policía Militar. El hallazgo indica que la Inteligencia actua en la asesoría para la toma de decisiones a nivel estratégico y táctico de la organización policial y será esencial para afrontar los retos de la Copa, sigue apuntando la necesidad de un compromiso de todos los actores involucrados en los eventos. Palabras clave: Inteligencia de Seguridad Pública. Policiamiento Ostensivo. Copa del Mundo de Planificación.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 Apreensão de drogas com apoio do Policiamento Velado FIGURA 2 Ação do Policiamento Velado em apoio ao Planejamento de Operação Policial FIGURA 3 Setor Hoteleiro Norte em Brasília FIGURA 4 Perspectiva do Futuro Estádio Nacional FIGURA 5 Centros de Comando e Controle Integrados para a Copa de

9 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 Atividade de Inteligência e Investigação Criminal QUADRO 2 Matriz SWOT da PMDF para a Copa

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABIN ABIH-DF BOPE CA 2014 CAVE CBI CBM CCCI CGAI CI CInt CNT COAF COI COINT CPV CSIE C5I DCC DEPATE DEPRO DF DIPO DNISP DODF DOE DP DPF EM EsIMEx Agência Brasileira de Inteligência Associação Brasileira da Indústria de Hotéis Distrito Federal Batalhão de Operações Especiais Caderno de Atribuições da Fédération Internationale de Football Association para a Copa do Mundo de 2014 Centro Administrativo Vivencial e Esporte Curso Básico de Inteligência Corpo de Bombeiros Militar Centros de Comando e Controle Integrado Coordenação-Geral do Plano de Ações de Integração em Segurança Pública Centro de Inteligência Curso de Inteligência Conselho Nacional de Turismo Conselho de Controle de Atividades Financeiras Curso de Operações de Inteligência Coordenação de Inteligência Curso de Policiamento Velado Curso Superior de Inteligência Estratégica Comando, Controle, Comunicação, Computador, Coordenação e Inteligência Departamento de Controle e Correição Departamento de Atividades Especiais Departamento de Políticas, Programas e Projetos Distrito Federal Divisão de Inteligência Policial Doutrina Nacional de Inteligência de Segurança Pública Diário Oficial do Distrito Federal Divisão de Operações Especiais Delegacia de Polícia Departamento de Polícia Federal Estado-Maior Escola de Inteligência Militar do Exército

11 ESG FIFA GDF Escola Superior de Guerra Fédération Internationale de Football Association Governo do Distrito Federal GSI Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República GTOI 2014 Grupo Tecnologia, Operações e Inteligência para a Copa 2014 HUMINT IBGE IDH IMINT INFOSEG ISP MJ OSINT PAC PCDF Human Intelligence Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Índice de Desenvolvimento Humano Imagery intelligence Sistema Nacional de Integração de Informações em Justiça e Segurança Pública Inteligência de Segurança Pública Ministério da Justiça Open source intelligence Programa de Aceleração do Crescimento Polícia Civil do Distrito Federal PDE/FIFA 2014 Plano de Diretrizes Estratégicas da Copa do Mundo FIFA 2014 PLADINT PMDF RENACH RENISP SACr SENASP SIECT SIGINT SISBIN SISP SIPOM SsI SSP/DF SWOT UPM VLT Plano Diretor de Inteligência Polícia Militar do Distrito Federal Rede Nacional de Carteira de Habilitação Rede Nacional de Inteligência de Segurança Pública Seção de Análise Criminal Secretaria Nacional de Segurança Pública Seção de Inteligência Estratégica, Ciência e Tecnologia Signals intelligence Sistema Brasileiro de Inteligência Subsistema de Inteligência de Segurança Pública Sistema de Inteligência da Polícia Militar Subsecretaria de Inteligência Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal Strengths, Weaknesses, Opportunities and Threats Unidade Policial Militar Veículo Leve de Transporte

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO A ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA BASES CONCEITUAIS O SISTEMA BRASILEIRO DE INTELIGÊNCIA A INTELIGÊNCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA A Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança Pública do Distrito Federal A Inteligência Policial na Polícia Civil do Distrito Federal A INTEGRAÇÃO COM O SISTEMA BRASILEIRO DE INTELIGÊNCIA 27 3 A INTELIGÊNCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA NA POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL A ORGANIZAÇÃO INTERNA O EMPREGO DO POLICIAMENTO VELADO Atuação do Policiamento Velado AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL O CADERNO DE ATRIBUIÇÕES DA FÉDÉRATION INTERNACIONALE DE FOOTBALL ASSOCIATION PARA A COPA DO MUNDO DE ASPECTOS GERAIS BRASÍLIA COMO CIDADE SEDE ATRIBUIÇÕES DA POLÍCIA MILITAR NA COPA DE MATRIZ SWOT ATUAÇÃO DA INTELIGÊNCIA DA POLÍCIA MILITAR ANÁLISE CRÍTICA CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 70

13 13 1 INTRODUÇÃO [...] somente o governante esclarecido empregará os melhores talentos para fins de Inteligência e, assim, obterá grandes resultados. SUN TZU Em 2007, o Brasil, penta Campeão Mundial de Futebol, recebeu o privilégio e as responsabilidades de organizar o Campeonato da Fédération Internationale de Football Association (FIFA) de Trata-se do segundo maior evento desportivo do mundo, ficando atrás apenas dos Jogos Olímpicos. Em 2008, foram definidas as sedes, assim os Estados escolhidos e o Governo Federal e local tinham seis anos para se organizarem. Estamos em 2011, a menos de três anos da Copa. Este estudo abordará o trabalho a ser desenvolvido pelos Serviços de Inteligência, especialmente o da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), antes e durante os eventos, tendo como base o Caderno de Atribuições 1 da FIFA (CA 2014) para o país sede. Neste sentido, cabe o alerta que os aspectos estruturais 2 que envolvem a realização de um evento desta magnitude não serão abordados. Brasília, capital da República, é uma das cidades brasileiras escolhida para sediar os jogos do mundial. Assim, por motivos de interesse institucional, o centro deste estudo está focado na inteligência como uma ferramenta de assessoria para o trabalho a ser desenvolvido pela PMDF na preservação da ordem pública além, por óbvio, da integração com os demais Órgãos de Inteligência que também atuarão nos eventos. A Polícia Militar se configura, à luz do ordenamento jurídico, no órgão incumbido das atividades preventivas e, por vezes, repressivas frente à criminalidade. E, talvez por constituir a parte mais visível 3 do enfrentamento diário do crime, em face de sua acessibilidade, tal Instituição tem ensejado discussões quanto as suas características: estrutura; formação profissional; competências; modo de atuar; especialmente com o uso da atividade de inteligência; o emprego da força e a 1 Trata-se de documento reservado e de circulação restrita. 2 Entenda-se como aspectos estruturais os investimentos e obras necessárias para o desenvolvimento do evento os quais são de responsabilidade tanto do Governo Federal quanto do Distrito Federal. 3 Para Bittner (2003, p. 29) é o órgão de governo mais facilmente acessado e a presença mais visível do poder do Estado, tanto para o bem como para o mal.

14 14 abordagem policial; natureza de suas atividades; controle interno e externo e apreciação de desvios de conduta pelos seus pares e pela Justiça. No que concerne particularmente à atividade de inteligência, a Polícia Federal, a Civil e a Militar, a exemplo dos principais e eficientes organismos policiais do mundo, conceberam de maneira autônoma seus órgãos de inteligência com o propósito de fazer frente ao recrudescimento da criminalidade e disseminar uma nova metodologia de trabalho, propiciando otimização de recursos humanos e materiais das respectivas Instituições. As definições existentes na Constituição Federal e na legislação infraconstitucional a respeito das atribuições das Instituições estatais seriam as bases legais para a delimitação do campo de atuação de seus órgãos de inteligência, os quais, atuando em sintonia com a especialidade e vocação de sua instituição, emprestariam maior eficiência e sinergia aos seus órgãos próprios incumbidos da segurança pública. Pois bem. A inteligência é uma das ferramentas para a obtenção de conhecimentos voltados para o processo de tomada de decisões e de implementação de políticas públicas nas áreas de política externa, defesa nacional e preservação da ordem pública. Por sua vez, a inteligência de segurança pública (ISP), que será o foco deste trabalho, atua no suporte e auxílio das investigações e na assessoria para tomada de decisão nos níveis tático e estratégico da organização policial. Neste último nível, de cunho prospectivo e pró-ativo, analisa tendências da criminalidade apoiando a gestão da segurança pública na formulação de novas políticas, programas e planos focados mais nas causas estruturais do que conjunturais. No nível tático, a inteligência produz conhecimentos que possibilitam o eficiente, eficaz e racional emprego do policiamento ostensivo da Polícia Militar. Assim, tem como objetivo produzir informações operacionais a serem utilizadas pelos Comandantes com a finalidade de enfrentar a criminalidade com maior eficiência e eficácia, proporcionando à sociedade maior segurança. Trata-se de uma atividade adicional de busca de dados, com o objetivo de produzir informações criminais operacionais. Assim este trabalho visa a demonstrar, em termos gerais, como a PMDF vem se preparando para enfrentar os desafios da Copa do Mundo 2014 e as

15 15 possíveis ações a serem adotadas com base no CA 2014, especialmente com o emprego do seu Órgão de Inteligência. O presente trabalho possui como tema catalogado pela Escola Superior de Guerra - Inteligência Estratégica, aqui integrada ao contexto da segurança pública do Distrito Federal. Por sua vez, este tema delimita-se A atividade de Inteligência na Polícia Militar do Distrito Federal como orientadora do emprego do Policiamento Ostensivo para a Copa do Mundo da FIFA de Seguindo esse viés, constitui-se como problema a ser investigado: Em que medida a produção e difusão de informações criminais no campo operacional por meio da atividade de inteligência contribuem para o emprego eficiente e eficaz do policiamento ostensivo na Copa do Mundo de 2014 frente às inúmeras atribuições dadas a Polícia Militar de acordo com as atribuições apresentadas pela FIFA às cidades-sede? A fim de perseguir o problema formulado foram levantadas as seguintes hipóteses: H1. A produção e difusão de informações criminais nos campos estratégico e operacional por meio da atividade de inteligência contribuem para o emprego eficiente e eficaz do policiamento ostensivo na Copa do Mundo de H2. O planejamento do policiamento ostensivo em atendimento ao CA 2014 no campo da Segurança Pública para as cidades-sede é imprescindível para uma maior sensação de segurança no quadro dos eventos decorrentes da Copa do Mundo de Assim, o presente trabalho teve por objetivo geral identificar a importância da inteligência como orientadora do emprego do policiamento ostensivo da Polícia Militar visando a uma maior segurança para os eventos da Copa do Mundo de Estabeleceram-se, ainda, como objetivos específicos: i. Analisar a doutrina de inteligência de Segurança Pública; ii. Analisar a inteligência da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) nos seus aspectos próprios de formação, emprego e doutrina; e iii. Analisar o CA 2014 para as cidades-sede quanto aos aspectos de Segurança Pública e seus reflexos para a inteligência.

16 16 No segundo capítulo foi conceituado o que vem a ser a Inteligência; a sua doutrina; as possibilidades de emprego como organização, atividade e conhecimento; o Sistema Brasileiro de Inteligência (SISBIN); a Inteligência de Segurança Pública (ISP) e sua interação com o SISBIN. O fulcro desse capítulo foi estudar o desenvolvimento nacional da ISP que se deseja e a sua ligação com o SISBIN. No terceiro capítulo foi estudada a Inteligência da Polícia Militar do Distrito Federal; sua doutrina; formação; recrutamento; normas internas; capacitação e emprego atual por meio do Serviço Velado. Foram apresentadas, ainda, situações reais do emprego da inteligência como suporte de orientação do policiamento ostensivo. No capítulo seguinte foi apresentado o CA 2014 e suas implicações na Segurança Pública, especialmente na inteligência. Discorreu-se sobre os aspectos estruturais de Brasília como uma das sedes dos jogos. A partir deste estudo e das ações a serem desenvolvidas no Distrito Federal, foram levantados pontos fortes e fracos no ambiente interno e oportunidades e ameaças no externo que poderão ser induzidos para o ambiente da Polícia Militar. No quinto capítulo Análise Crítica apresentou-se a discussão dos resultados colhidos pondo-os em confronto com os objetivos específicos. No último capítulo Conclusão apresentou-se a validação do objetivo geral bem como as hipóteses formuladas. Além disso, retorna-se ao problema inicial onde foi possível abstrair, a partir do estudo, dezessete conclusões que poderão servir de base para a tomada de decisão pelo Alto Comando da Corporação. Evidentemente, os estudos desenvolvidos não pretendem esgotar o tema, mas muito pelo contrário, concentra-se na busca de mecanismos que sirvam, tecnicamente, como fator de argumentação e convencimento dos vários setores sejam internos ou externos, que possam estar envolvidos na implementação de medidas que melhorem o emprego do policiamento ostensivo para os eventos da Copa do Mundo de 2014.

17 17 2 A ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA Qual é sua sugestão para melhorar a atuação da polícia? - Melhorar a qualificação dos policiais e oferecer a eles melhores condições de trabalho. - É preciso instituir o policiamento preventivo e ostensivo. - Investir em inteligência e combater a corrupção. (grifo nosso) - Os salários dos policiais deveriam ser mais compatíveis com os riscos inerentes à função. Revista Época. A voz rouca das ruas. Edição n. 435, 18 de setembro de p BASES CONCEITUAIS A Escola Superior de Guerra (ESG) (2009) entende que a Inteligência possui um espaço específico e fundamental como instrumento do Estado para fins de defesa das Instituições e dos interesses nacionais. Neste diapasão, a ESG (2009, p. 87) desenvolve um conceito próprio da Atividade de Inteligência Estratégica: [...] é o exercício permanente de ações direcionadas à obtenção de dados e à avaliação de situações relativas a óbices que venham impedir ou dificultar a conquista ou a manutenção dos Objetivos Nacionais. Neste sentido, a atividade de inteligência é desenvolvida pelas agências governamentais as quais são responsáveis pela coleta, análise e disseminação das informações. Essas agências também são conhecidas como Serviços de Inteligência; Serviços Secretos ou Serviços de Informações. Possui como característica, dentre outras, a atuação em um universo antagônico; o uso de recursos especializados para fins de superação de obstáculos e a análise por meio da seleção de dados e informações significativas, estas direcionadas para as questões relativas à soberania nacional e à defesa do Estado. Ela se distingue de outros serviços de assessoramento pela especificidade da tarefa a qual é envolvida por questões de segredo (entendido como informação não disponível publicamente), haja vista que proporciona conhecimentos que visam a garantir o atingimento dos objetivos nacionais e/ou protegê-los de óbices e ameaças que venham a se contrapor.

18 18 Lowenthal (2007) difere a inteligência das outras funções do Governo sob duas dimensões: a primeira se refere ao aspecto de segredo que a envolve e a segunda, devido a esse sigilo pode-se tornar uma fonte de consternação, de ansiedade em um país democrático. Difere, ainda, a informação da inteligência. A informação seria qualquer coisa que possa ser conhecida, não se preocupando como ela é descoberta. Por sua vez, a inteligência se refere à informação que satisfaz as necessidades declaradas ou entendidas dos planejadores de políticas. Destaca que toda inteligência é informação, mas nem toda informação é inteligência 4. Por outro lado, a revolução na tecnologia da informação, no comércio e na política desde o fim da Guerra Fria está apenas tornando as fontes abertas mais acessíveis, onipresentes e valiosas. Colocando simplesmente, pode-se colher mais inteligência aberta com maior facilidade e menor custo do que nunca antes. A explosão na OSINT 5 está transformando o mundo da inteligência, com a emergência de versões abertas da arte secreta da inteligência humana (HUMINT) 6, da imagem aérea (IMINT) 7 e da inteligência de sinais (SIGINT) 8. Kent (1967, p. 32) acreditava que os produtores e utilizadores de informações devem estar suficientemente próximos das políticas, planejamento e operações, para obter o máximo de orientação, mas não tão próximos a ponto de perderem sua objetividade e integridade de julgamento 9. 4 Para aprofundar o tema ver: LOWENTHAL, Mark. Intelligence: from secrets to policy. In PEAKE, Hayden B. Studies in Intelligence. New York, USA, CQ Press, vol. 51, n 2, OSINT (Open source intelligence) é o termo usado, principalmente em inglês, para descrever a inteligência, no sentido de informações, obtida por meio dados disponíveis para o público em geral. 6 HUMINT (Human Intelligence) é o termo usado, principalmente em inglês, para descrever a inteligência, no sentido de informações, obtida por meio de seres humanos. 7 IMINT (Imagery intelligence) é o termo usado, principalmente em inglês, para descrever a inteligência, no sentido de informações, obtida por meio da obtenção de imagens, assim como de satélites e aeronaves. 8 SIGINT (Signals intelligence) é o termo inglês usado para descrever a actividade de coleta de informações, por meio da interceptação de sinais de comunicações entre pessoas ou máquinas. 9 Lowental, Platt e Kent são leituras obrigatórias para os interessados no tema de inteligência. Para aprofundar ver: KENT, Sherman. Informações estratégicas. Trad. Cel Hélio Freire. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1967.

19 19 É consenso entre os especialistas que discutem a atividade de inteligência pelo mundo que nenhuma grande democracia pode prescindir de seus serviços secretos. Afinal e votado especificamente para o enfrentamento da criminalidade, tanto o Estado quanto a Sociedade precisam ser protegidos e àqueles que competem à tomada de decisão necessitam de assessoramento. Aqui vale um alerta: que a atividade de inteligência não se confunde com a atividade de investigação. A inteligência atua na busca de informação negada e por meio de técnicas operacionais próprias auxilia a investigação que tem por escopo preparar a ação penal. Assim entendido a inteligência não prende, mas pode por meio de seus agentes infiltrarem em organizações criminosas 10, se confundir com o público; efetuar levantamentos de dados, locais e pessoas; empregar equipamentos especiais; etc. Neste diapasão é interessante esclarecer os conceitos inerentes a atividade de inteligência sob o prisma da investigação policial; assessoria; emprego estratégico e emprego tático. Assim é conveniente observar que a atividade de investigação policial é voltada para a obtenção de evidências, indícios e provas de materialidade e autoria de crime subsidiando o processo criminal. Enquanto que a inteligência de segurança pública atua no suporte e auxílio das investigações e na assessoria para tomada de decisão nos níveis tático e estratégico da organização policial. Nessa linha de raciocínio, no nível Estratégico assume o cunho prospectivo e pró-ativo, analisa tendências de criminalidade apoiando a gestão da segurança pública na formulação de novas políticas, programas e planos focados mais nas causas estruturais do que conjunturais. A produção de conhecimento necessário ao estabelecimento de uma política de segurança pública decorrerá do: mapeamento da criminalidade; identificação de criminosos; áreas de atuação; modalidade de ação; 10 A respeito da infiltração de agentes em organizações criminosas ver: Revista Época. Editora Globo. Os agentes que se infiltram no tráfico de drogas. Edição 637, 02 de agosto de 2010, pág 104 a 107.

20 20 modus operandi; e demais conhecimentos úteis que proporcionem uma avaliação real de cenário, o que poderá possibilitar aos decisores adotarem as medidas necessárias à prevenção e a repressão no enfrentamento da criminalidade. De outra parte, no nível Tático, produz conhecimentos que possibilitam o eficiente, eficaz e racional emprego do policiamento ostensivo da Polícia Militar. Por sua vez, no âmbito da Polícia Federal e Civil, assessora suas unidades nas investigações de natureza complexa 11, prestando suporte nos casos que necessitam do emprego de técnicas operacionais de inteligência e de tecnologia. Como ilustração, se apresenta a seguir um quadro simplificado por meio do qual se distingue a atividade de inteligência da investigação criminal. Atividade de Inteligência Investigação Criminal Proativa; Visão de Futuro; Compreensão do fenômeno, suas causas, conseqüências e de como enfrentar o problema por meio de atuações específicas; Não se preocupa com a produção de prova; Não se preocupa em buscar a verdade e sim a realidade; Assessoria qualificada produtora de conhecimentos; e Reativa; Visão de passado e presente; Objetiva esclarecer a autoria e comprovar a materialidade; Ocupa-se da produção de prova; Preocupa-se com a busca da verdade; Não é atividade de assessoria; e Pode ser de natureza exploratória e sistemática. Quadro 1 Atividade de Inteligência e Investigação Criminal Fonte: O autor (2011). Em regra é exploratória. 11 É interessante esclarecer que o Departamento de Correição e Controle da PMDF (Corregedoria) também emprega a atividade de inteligência no assessoramento das investigações de natureza complexa que envolva Policiais Militares em crimes de natureza militar.

21 SISTEMA BRASILEIRO DE INTELIGÊNCIA Inicialmente é interessante observar que a Lei nº 9.883/1999 criou, pela ordem, em seu artigo 1º, o Sistema Brasileiro de Inteligência (SISBIN) e, no seu artigo 3º, a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN). Abstrai-se que a Lei buscou afirmar a superior importância do Sistema frente à Agência. Assim, o SISBIN tem a responsabilidade de integrar as ações de planejamento e execução das atividades de inteligência, incluindo o processo de obtenção, análise e disseminação de informações necessárias ao processo decisório do Poder Executivo, bem como a salvaguarda da informação contra o acesso de pessoas ou órgãos não autorizados. A Lei também destaca como principais fundamentos do Sistema a preservação da soberania nacional, a defesa do Estado Democrático de Direito e a dignidade da pessoa humana. O Manual de Inteligência do SISBIN (2005), atendendo o dispositivo da citada Lei, define a atividade de inteligência 12 como sendo um instrumento de Estado, para assessoramento das autoridades governamentais no planejamento, na execução e no acompanhamento das políticas de Estado, cujo propósito é a manutenção de um fluxo sistemático de conhecimentos necessários ao processo decisório no âmbito nacional, estabelecendo a ABIN como órgão central do SISBIN 13. Cepik (2003) entende que a inteligência é especializada em inteligência externa (foreign intelligence); inteligência militar 14 (military intelligence) e inteligência interna. Em outra obra, para o mesmo autor (2005), além desses componentes, na última década tem-se observado a formação de sistemas nacionais de inteligência 12 Lei nº 9.883/1999. Art 1º 2º - [...] inteligência a atividade que objetiva a obtenção, análise e disseminação de conhecimentos dentro e fora do território nacional sobre fatos e situações de imediata ou potencial influência sobre o processo decisório e a ação governamental e sobre a salvaguarda e a segurança da sociedade e do Estado. 13 A criação da ABIN se deu por meio da Lei 9.883, de 7 de dezembro de A referida lei, pela ordem, em seu artigo 1º, instituiu o SISBIN e, no artigo 3º, criou a ABIN, com o intuito de afirmar a superior importância do Sistema. A citada lei no seu Art 1º 3º define Contra-inteligência como a atividade que busca neutralizar a inteligência adversa. 14 Por sua vez, a inteligência militar se ocupa de uma atividade técnica militar especializada, permanentemente exercida, com o objetivo de produzir conhecimentos de interesse do Comandante de qualquer nível hierárquico e proteger conhecimentos sensíveis, instalações e pessoal das Forças Armadas contra ações realizadas ou patrocinadas pelos serviços de inteligência oponentes e/ou adversos. Este conceito é estabelecido pelo Manual IP Neste sentido, esta atividade é desenvolvida nos Centros de Inteligência do Exército, Marinha e Aeronáutica (CIEx, CIMar e CIAer, respectivamente).

A ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA NA POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL COMO ORIENTADORA DO EMPREGO DO POLICIAMENTO OSTENSIVO PARA A COPA DO MUNDO DE 2014

A ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA NA POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL COMO ORIENTADORA DO EMPREGO DO POLICIAMENTO OSTENSIVO PARA A COPA DO MUNDO DE 2014 PAULO ROBERTO BATISTA DE OLIVEIRA A ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA NA POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL COMO ORIENTADORA DO EMPREGO DO POLICIAMENTO OSTENSIVO PARA A COPA DO MUNDO DE 2014 Trabalho de Conclusão

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. Aprova a instituição e o funcionamento da equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais do IPEA.

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA. A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA. A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e Imigração Ilegal/Irregular realizado em Brasília, Brasil, entre os dias 27 e 29 de novembro de 2006, reuniu

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PR 29/07/2013 Instrução Normativa Nº 24/2013 Assunto: Institui a Política

Leia mais

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 Estabelece as competências da Secretaria de Segurança Legislativa do Senado Federal e das Subsecretarias e Serviços a ela subordinados. O DIRETOR-GERAL DO SENADO FEDERAL,

Leia mais

Curso de Análise de Inteligência A Produção do Conhecimento de Inteligência sem mistérios!

Curso de Análise de Inteligência A Produção do Conhecimento de Inteligência sem mistérios! Curso de Análise de Inteligência A Produção do Conhecimento de Inteligência sem mistérios! Cel R1 EB André Haydt Castello Branco O CURSO DE ANÁLISE DE INTELIGÊNCIA fornece os fundamentos ao desempenho

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA (CSIE)

CURSO SUPERIOR DE INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA (CSIE) MINISTÉRIO DA DEFESA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA Cognoscere ut Consilium Dare CURSO SUPERIOR DE INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA (CSIE) RESUMO HISTÓRICO Ao término da Segunda Guerra Mundial, em razão das novas ideias

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A atividade de inteligência no combate ao crime organizado: o caso do Brasil RESUMO Joanisval Brito Gonçalves* Além de operações de busca dos conhecimentos protegidos, a atividade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 040/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ARRANJO INSTITUCIONAL O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO BRAX66 - Fortalecimento da Secretaria Nacional de Justiça em cooperação jurídica

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

RELATÓRIO MELHORIA DA ESTRUTURA POLICIAL CORPO DE BOMBEIROS

RELATÓRIO MELHORIA DA ESTRUTURA POLICIAL CORPO DE BOMBEIROS RELATÓRIO MELHORIA DA ESTRUTURA POLICIAL CORPO DE BOMBEIROS Na data de 03 de maio de 2011 1 o então Coordenador do Projeto Entorno, Luís Guilherme Martinhão Gimenes, reuniu-se com o Comandante Geral do

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO O mundo corporativo tem demonstrado muito interesse nos aspectos que se relacionam à adoção de metodologias de controles internos, motivado

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

A INTELIGÊNCIA NO COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

A INTELIGÊNCIA NO COMBATE AO CRIME ORGANIZADO A INTELIGÊNCIA NO COMBATE AO CRIME ORGANIZADO Uma abordagem propositiva Karla Padilha Os desafios da inteligência no combate ao crime organizado As atividades de inteligência, ainda que tenham avançado

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

ATO Nº 229/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 229/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 229/2013 Aprova a Norma Complementar de Criação da Equipe de Tratamento e Resposta a Incidentes na Rede de Computadores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 10/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Inventário e Mapeamento de Ativos de Informação nos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011)

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) Dispõe sobre as competências da Secretaria de Infraestrutura de Tecnologia da

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto TERMO DE REFERÊNCIA Nº. /2011 CAPA Projeto Agência:

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para aprimoramento das estratégias e metodologias

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações ORIGEM Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Número da Norma Complementar

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC T 12 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro

Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro Apoio: Brasília - DF, 07 de Outubro de 2014. ANATOMIA DO CRIME ORGANIZADO Marco Teórico O Crime Organizado como ameaça

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 9, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional

EDITAL SAL/MJ Nº 9, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 44 (61) 2025 76 / 114 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 9, DE 0 DE JULHO DE 2015

Leia mais

PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO DIRETOR GERAL DO IBIO AGB DOCE

PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO DIRETOR GERAL DO IBIO AGB DOCE PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO DIRETOR GERAL DO IBIO AGB DOCE Data: 08/05/2014 Sumário 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO CARGO... 4 3. QUALIFICAÇÃO... 5 3.1. FORMAÇÃO ACADÊMICA:... 5 3.2. EXPERIÊNCIA

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços!

Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços! 1 of 14 Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços! 2 of 14 Quem somos Criada em 2002 - Equipe de especialistas oriundos de unidades especiais das áreas de inteligência e segurança do Estado de Israel.

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA 1 PERFIL CÓDIGO TI PLENO PRODUTO 01: Capacidade do INMET de aperfeiçoar e

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 442, DE 1º DE JULHO DE 2010

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 442, DE 1º DE JULHO DE 2010 RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 442, DE 1º DE JULHO DE 2010 Institui o Centro Integrado de Operações de Segurança Pública CIOSP no âmbito da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N 0 5.618, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei nº 7.456, de 2006 e nº 7.741, de 2010) Dispõe sobre a regulamentação da profissão

Leia mais