PLANO TIC ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACHICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO TIC ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACHICO"

Transcrição

1 PLANO TIC ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACHICO O Coordenador TIC Maria Jacinta Lopes

2 IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR TIC Maria Jacinta Lopes CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA ESCOLA Escola Básica e Secundária de Machico "Vimos uma terra toda coberta de arvoredo até ao mar e daquela banda a névoa não descia do cume (...) Vimos uma baía grande..." ( Francisco Alcoforado, cronista do século XV). Era assim que descrevia o cronista a terra que hoje se chama Machico quando aqui chegaram os marinheiros experientes, Tristão Vaz e João Gonçalves Zarco, numa tarde calma do dia 1 de Julho de DESCRIÇÃO A Escola Básica e Secundária de Machico é frequentada por alunos de todas as freguesias que compõem o Concelho de Machico: Água de Pena, Caniçal, Machico, Porto da Cruz e Santo António da Serra. Salienta-se o facto de esta ser a única escola, neste mesmo concelho, que oferece ensino de nível secundário. Neste estabelecimento de ensino, o regime diurno possibilita a frequência das aulas desde o 5º ao 12º ano de escolaridade, e neste momento conta com cerca de 1930 alunos. O presente ano destaca-se com os cursos EFA - Educação e Formação para Adultos. Este estabelecimento de ensino está dotado de seis salas de informática, quatro no edifício norte e duas no edifício sul. Para além destas salas existem vários equipamentos informáticos distribuídos pelas seguintes áreas: Direcção Executiva, Biblioteca, sala de Directores de Turma, sala de coordenadores, sala de trabalho 402, gabinete jurídico, gabinete da psicóloga, gabinete do jornal, sala de secção de formação, sala de Educação Tecnológica, serviços administrativos e central telefónica. Para além disso, existem sete laboratórios móveis que poderão ser requisitados e utilizados nas salas de aula. [2]

3 Em relação ao acesso à Internet, está disponível no edifício Norte, Sul e na Biblioteca, disponível a toda a comunidade educativa. A sala de professores está dotada de rede Wireless disponível a todos os docentes. Quanto aos materiais audiovisuais, a escola possui vários equipamentos, tais como: vídeo projectores, televisões, leitores de DVD, rádios com leitores CD, retroprojectores, mesas de som, câmaras de filmar, máquinas fotográficas digitais e outros. COMUNIDADE ESCOLAR TOTAL DE ALUNOS 1930 FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS 26 AUXILIARES DE ACÇÃO EDUCATIVA 59 PROFESSORES DO QUADRO DE ESCOLA 110 PROFESSORES DO QUADRO DE ZONA PEDAGÓGICA 48 PROFESSORES CONTRATADOS 44 ENSINO BÁSICO 5º ANO 6º ANO Nº ALUNOS Nº TURMAS Nº ALUNOS Nº TURMAS CURRÍCULO NORMAL CURRÍCULO ED/FORMAÇÃO (CEFA 2º CICLO) TOTAL ENSINO BÁSICO CURRÍCULO 7º ANO 8º ANO 9º ANO Nº ALUNOS Nº TURMAS Nº ALUNOS Nº TURMAS Nº ALUNOS Nº TURMAS NORMAL CURRÍCULO FORMAÇÃO ( CEF ) EFA ENSINO RECORRENTE (UNID 3º CICLO) 23 (2 turmas)* 66 (3 turmas)* 13 (1 turma)* TOTAL * Não incluído no TOTAL desta tabela. [3]

4 10º ANO 11º ANO 12º ANO ENSINO SECUNDÁRIO Nº Nº Nº Nº Nº Nº ALUNOS TURMAS ALUNOS TURMAS ALUNOS TURMAS CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS ARTES VISUAIS CURSOS CIENTÍFICO- HUMANÍSTICOS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CIÊNCIAS SÓCIO- ECONÓMICAS LÍNGUAS E HUMANIDADES INFORMÁTICA CURSOS TECNOLÓGICOS DESPORTO 26 1 ADMINISTRAÇÃO ACÇÃO SOCIAL TÉCNICO ADMINISTRATIVO, INSTALADOR E REPARADOR DE COMPUTADORES TÉCNICO DE ACOLHIMENTO E CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO (CEF S) RECEPÇÃO AO TURISMO TÉCNICO DE INFORMAÇÃO E ANIMAÇÃO TURÍSTICA TÉCNICO DE SECRETARIADO TÉCNICO DE SOM TÉCNICO DE CONTABILIDADE CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PARA ADULTOS (CEFA S) 97 (4 turmas) ENS. RECORRENTE (POR MÓDULOS) 7 1 [4]

5 ESTRUTURA TECNOLÓGICA ESPAÇOS ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACHICO SALAS DE AULA 56 SALA DE AULA DE INFORMÁTICA 6 BIBLIOTECA 1 SALA DE PROFESSORES 2 GABINETE DO CONSELHO EXECUTIVO 2 SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS 1 GABINETE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL 1 REPROGRAFIA 1 AUDIOVISUAIS/MULTIMÉDIA 2 AUDITÓRIO 2 GABINETE DE INFORMÁTICA 1 LABORATÓRIOS 9 OUTROS [5]

6 RECURSOS TIC RECURSOS LOCALIZAÇÃO DESKTOPS 148 LAPTOPS 144 Salas de Informática, Laboratório de Informática, Biblioteca, Serviços Administrativos, Conselho Executivo, Reprografia, Audiovisuais/Multimédia, Gabinete de Informática, Gabinete de Educação Especial Gabinete de Informática, Laboratórios de Informática, Audiovisuais/Multimédia LABORATÓRIOS MÓVEIS 9 Laboratórios de Informática VIDEOPROJECTOR FIXOS 2 Auditório VIDEOPROJECTORES MÓVEIS QUADROS INTERACTIVOS MULTIMÉDIA FIXOS QUADROS INTERACTIVOS MULTIMÉDIA MÓVEIS 7 Audiovisuais/multimédia Salas de Informáticas, Laboratórios de Informática 11 Salas de aula SCANNERS 6 Serviços Administrativos, Salas de Informática MÁQUINAS FOTOGRÁFICAS DIGITAIS 2 Audiovisuais/Multimédia ACESSO WIRELESS 4 pontos SERVIDORES 3 UPS 3 Salas de Informática, Laboratórios de Informática, Sala de Professores, Bar dos Alunos, Biblioteca, Serviços Administrativos Laboratórios de Informática, Gabinete de Informática Laboratórios de Informática, Serviços Administrativos, [6]

7 IDENTIFICAÇÃO DA EQUIPA TIC NOME CARGO/FUNÇÕES QUE DESEMPENHA CONTACTO TELEFÓNICO ENDEREÇO DE CORREIO ELECTRÓNICO Engº José Maria Dias Drª Maria Jacinta Lopes Drª Lina Gouveia Dr. Emanuel Fernandes Dr. António Filipe Mendonça Dr. Valter Ornelas Drª Mónica Gouveia António Franco Presidente do Conselho Executivo - - Coordenadora TIC Prof. de Informática - Prof. De Física e Química - Prof. de Informática - Prof. de Informática - Comissão de Formação - Técnico Responsável pela - - Rede Informática [7]

8 DIAGNÓSTICO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACHICO O principal propósito relativamente ao projecto da Coordenação TIC, para o corrente ano lectivo, será continuar o trabalho desenvolvido até ao momento. Nomeadamente, em apoiar os professores interessados em actualizar-se e/ou aprender as TIC, mas também tentar influenciar a sua utilização àqueles, que por diversas razões, se opõem às mesmas. Alguns elementos são mais resistentes à mudança, à uniformização de documentos e à mudança de procedimentos. A escola tem trabalhado no sentido de dotar os elementos da sua comunidade de competências na área das TIC através de acções de formação/sensibilização. Nos últimos anos a escola tem feito uma grande aposta em termos de aquisição de equipamentos que possibilitem uma utilização efectiva das TIC na sala de aula. No entanto, torna-se necessário a aquisição de um maior número de Quadros Interactivos. É mais uma alternativa para enriquecer a prática lectiva porque cada vez mais a imagem assume um grande poder. Espera-se com este Plano, alcançar os seguintes resultados: Impulsionar a integração das TIC na escola; Melhoria nas condições de acesso aos recursos disponíveis; Melhoria na Prática Pedagógica dos professores; Colaboração na mudança no papel do professor; Capacidade de utilização consistente do computador como ferramenta de Aprendizagem e de criação de conhecimentos; Desenvolvimento de interesse e capacidade de auto aprendizagem e trabalho cooperativo com as TIC; Nesta etapa a comunidade escolar já está familiarizada com o cargo de Coordenador TIC, como tal, continuarei disponível a todos que precisem do meu apoio. [8]

9 OBJECTIVOS GERAIS Promover a utilização efectiva das TIC (Comunidade Escolar). Criar e divulgar um plano de formação em TIC. Promover e fomentar boas práticas com as TIC. Apoiar a Comunidade Educativa na utilização das TIC; Continuar a Divulgar e implementar outras tecnologias de informação - O quadro interactivo nas diferentes actividades lectivas ao longo do ano lectivo; Motivar os professores para o uso de ferramentas potenciadoras de situações de partilha e de aprendizagem; PARCERIAS COM OUTRAS ENTIDADES/INSTITUIÇÕES ESCOLARES IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE/INSTITUIÇÃO TIPO DE PARCERIA DURAÇÃO AVALIAÇÃO FINAL ESCOLAR Não existem parcerias de projectos/actividade com outras entidades ou instituições escolares para o corrente ano lectivo. [9]

10 ÍNDICE 1. Introdução 2. Eixos 2.1 Objectivos Centrais 3. Actividades 4. Cronograma TIC 5. Avaliação do Plano TIC 6. Divulgação do Projecto [10]

11 1. INTRODUÇÃO A Informação assumiu, desde que há comunicação, um papel importante em todas as áreas da sociedade. Mas esse papel, nunca foi tão decisivo e imprescindível como o é nos dias em que vivemos. É notório o papel que o computador assume na sociedade actual, de tal forma que, em quase todos os sectores de actividade, se surgisse uma catástrofe informática que implicasse a impossibilidade da sua utilização, surgiria obrigatoriamente o caos. As Tecnologias de Informação e Comunicação constituem um eixo vital do processo de desenvolvimento das sociedades modernas fazendo com que as escolas não possam alhear-se desta realidade. Assim, é desejável que não só se equacionem as potencialidades que as tecnologias contêm, mas é sobretudo importante mobilizá-las ao serviço da educação e do ensino, melhorando a eficácia do processo de ensinoaprendizagem. Foi a partir deste pressuposto que se tentou criar um plano anual das TIC vocacionado, sobretudo, para a comunidade educativa (alunos e professores). Pretende-se, com este plano, desenhar um referencial que inclua a vertente de diagnóstico com a de implementação das TIC, entendendo-as não como fins em si mesmas mas como meios que permitem a gestão de processos de ensino-aprendizagem e de avaliação em moldes substancialmente diferentes. O objectivo deste documento é o de providenciar respostas para o uso das TIC. O documento tem como base a realidade da escola e dos recursos disponíveis. Da partilha com os formadores e colegas na troca de ideias e de resolução de problemas e do feedback relativo às soluções propostas, foi possível construir este documento, que se pretende dinâmico e que será actualizado sempre que novas questões pertinentes nos sejam apresentadas por todos os que colaboram com o projecto. Este documento pretende reflectir a estratégia da Escola, para a promoção do uso das TIC e um conjunto de acções e actividades que promovam o uso pedagógico e transversalidade das TIC. [11]

12 2. EIXOS EIXO 1 [FORMAÇÃO - RELACIONADO COM O ACESSO E USO DAS TIC PELA COMUNIDADE EDUCATIVA] EIXO 2 [TECNOLOGIA - RELACIONADO COM A ORGANIZAÇÃO E PROMOÇÃO DO USO DOS RECURSOS TIC EXISTENTES NA ESCOLA] EIXO 3 [SOFTWARE DE PARTILHA E APRENDIZAGEM - RELACIONADO COM A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE POR PARTE DA COMUNIDADE EDUCATIVA] 2.1 OBJECTIVOS CENTRAIS EIXO 1 [FORMAÇÃO - RELACIONADO COM O ACESSO E USO DAS TIC PELA COMUNIDADE EDUCATIVA] OBJECTIVO CENTRAL [ PROMOVER E DIVULGAR ACÇÕES DE FORMAÇÃO PARA A COMUNIDADE EDUCATIVA, REFERENTES À AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS BÁSICAS NAS TIC]. EIXO 2 [TECNOLOGIA - RELACIONADO COM A ORGANIZAÇÃO E PROMOÇÃO DO USO DOS RECURSOS TIC EXISTENTES NA ESCOLA] OBJECTIVO CENTRAL [ DIVULGAR E IMPLEMENTAR OUTRAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO - O QUADRO INTERACTIVO NAS DIFERENTES ACTIVIDADES LECTIVAS AO LONGO DO ANO LECTIVO]. EIXO 3 [SOFTWARE DE PARTILHA E APRENDIZAGEM - RELACIONADO COM A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE POR PARTE DA COMUNIDADE EDUCATIVA] OBJECTIVO CENTRAL [ MOTIVAR OS PROFESSORES PARA O USO DE FERRAMENTAS POTENCIADORAS DE NOVAS SITUAÇÕES DE PARTILHA E DE APRENDIZAGEM]. [12]

13 3. ACTIVIDADES [EIXO 1 - OBJECTIVO CENTRAL] PROMOVER ACÇÕES DE FORMAÇÃO E APOIO AOS PROFESSORES NO USO DAS DIVERSAS FERRAMENTAS INFORMÁTICAS. Formação 1ª Actividade NOME DA ACTIVIDADE: Acção de Formação - PowerPoint OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: Reconhecer as potencialidades do PowerPoint na prática lectiva. DATA DESTINATÁRIOS: Ao longo do ano lectivo / Todos os Professores DINAMIZADORES: Dr. Roberto Santos FORMA DE ACOMPANHAMENTO: Grelhas de Registo RECURSOS: Computadores Impressoras Projecto Multimédia METAS A ATINGIR: Criar materiais pedagógicos utilizando esta ferramenta. Formação 2ª Actividade NOME DA ACTIVIDADE: Acção de Formação - MovieMaker OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: Reconhecer as potencialidades do MovieMaker na prática lectiva. DATA DESTINATÁRIOS: Ao longo do ano lectivo / Todos os Professores DINAMIZADORES: Dra Lídia Barros FORMA DE ACOMPANHAMENTO: Grelhas de Registo RECURSOS: Computadores Impressoras Projecto Multimédia METAS A ATINGIR: Criar materiais pedagógicos utilizando esta ferramenta. [13]

14 Formação 3ª Actividade NOME DA ACTIVIDADE: Acção de Formação AS TIC NA ACTUALIDADE OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: Reconhecer as potencialidades das TIC. DATA DESTINATÁRIOS: 2º Período / Auxiliares Acção Educativa DINAMIZADORES: Dra Lina Gouveia / Dr Emanuel Fernandes / Coordenadora Tic FORMA DE ACOMPANHAMENTO: Grelhas de Registo RECURSOS: Computadores Projecto Multimédia METAS A ATINGIR: Utilizar as TIC. [14]

15 [EIXO 2 - OBJECTIVO CENTRAL] DIVULGAR E IMPLEMENTAR OUTRAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (CÂMARAS DIGITAIS, QUADROS INTERACTIVOS, ETC.) NAS DIFERENTES ACTIVIDADES LECTIVAS E NÃO LECTIVAS DECORRENTES AO LONGO DO ANO LECTIVO. Divulgar e Implementar outras TIC 1ª Actividade NOME DA ACTIVIDADE: APOIO TIC OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: Incentivar os professores na utilização de diversas ferramentas na sala de aula. Criar conteúdos multimédia em contexto educativo. DATA DESTINATÁRIOS: Ao longo do ano lectivo Professores DINAMIZADORES: Coordenador TIC Drª Lina Gouveia FORMA DE ACOMPANHAMENTO: Grelhas de Registo RECURSOS: Computador com Internet METAS A ATINGIR: Criar materiais pedagógicos. Divulgar e Implementar outras TIC 2ª Actividade NOME DA ACTIVIDADE: O Quadro Interactivo na Sala de Aula OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: Criar conteúdos multimédia em contexto educativo. DATA DESTINATÁRIOS: Ao longo do ano lectivo Professores DINAMIZADORES: Dr. Emanuel Fernandes FORMA DE ACOMPANHAMENTO: Grelhas de Registo RECURSOS: Quadro Interactivo e Computador METAS A ATINGIR: Criar materiais pedagógicos. [15]

16 [EIXO 3 - OBJECTIVO CENTRAL] DIVULGAR E IMPLEMENTAR ALGUMAS FERRAMENTAS DE PARTILHA DE INFORMAÇÃO NOS DIFERENTES CONTEXTOS ESCOLARES. Eixo 3 1ª Actividade NOME DA ACTIVIDADE: Acção de Formação - GOOGLE DOCS E WEBSITES ESCOLARES OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: Divulgar a ferramenta Google Docs /Websites Escolares como recurso à partilha de Informação. DATA DESTINATÁRIOS: 2º Período / Todos os Professores DINAMIZADORES: Dra Lina Gouveia / Dr Emanuel Fernandes / Coordenadora Tic. FORMA DE Sessões Presenciais / Apoio Online ACOMPANHAMENTO: RECURSOS: Computadores com Internet METAS A ATINGIR: Implementar o recurso à partilha de Informação no corpo docente. Eixo 3 2ª Actividade NOME DA ACTIVIDADE: Acção de Formação Plataforma Moodle OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: Reconhecer as potencialidades do Moodle. DATA DESTINATÁRIOS: Ao longo do ano lectivo / Todos os Professores DINAMIZADORES: Dra Lídia Barros / Dra Sónia Valente de Caires FORMA DE ACOMPANHAMENTO: Grelhas de Registo RECURSOS: Computadores Projecto Multimédia METAS A ATINGIR: Utilizar esta plataforma na prática lectiva; Implementar o recurso à partilha de Informação no corpo docente. [16]

17 Eixo 3 3ª Actividade NOME DA ACTIVIDADE: DOTNETNUKE OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: DATA DINAMIZADORES: Criar site para a escola na plataforma DotNetNuke Ao longo do ano lectivo Dr. António Filipe Mendonça FORMA DE ACOMPANHAMENTO: Online RECURSOS: Computador com Internet. METAS A ATINGIR: Partilha de Informação online com toda a Comunidade Educativa. [17]

18 4. CRONOGRAMA TIC ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACHICO Actividades Mês Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Acção de Formação - PowerPoint Acção de Formação - Movie Maker Acção de Formação Quadros Interactivos Acção de Formação Introdução às TIC Acção de Formação - Moodle Apoio TIC (Websites Escolares, Google docs, Excel, PowerPoint, outros ) - sala Acção de Formação Google Docs e Websites Escolares DotNetNuke (criar website escola) [18]

19 5. AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PLANO TIC 1º - Momentos de Avaliação: Avaliação final (realizada no final do ano lectivo). Caberá à Coordenadora TIC fazer uma avaliação de todos os aspectos que envolveram as actividades e modificar aqueles que forem necessários em futuros eventos. É da responsabilidade da Coordenadora TIC redigir um relatório final para avaliar se as expectativas do plano TIC foram concretizadas ou não, assim como os seus resultados. 2º - Objectos de Avaliação: Todas as actividades desenvolvidas; Os trabalhos realizados; A metodologia dos trabalhos; 3º - Critérios de Avaliação: Taxa de utilização dos equipamentos; Número de professores que pediram apoio; Número de professores que fizeram formação; Objectivos alcançados; Quantidade de conteúdos multimédia partilhados. 4º - Instrumentos de Avaliação: tratamento e análise das folhas referentes ao material informático; reuniões formais e informais com os elementos da equipa TIC ( ) O Plano TIC será, igualmente, objecto de apreciação por parte da DSTE- DRE, para posteriormente ser implementado nas escolas ao longo do ano lectivo. A não aprovação do Plano TIC implica a renovação total ou parcial do Plano TIC inicialmente apresentado. No final do ano lectivo, a DSTE DRE analisará o processo de implementação do Plano TIC em cada escola e os resultados obtidos. [19]

20 6. DIVULGAÇÃO DO PROJECTO O Plano TIC será divulgado recorrendo: Reunião do Conselho Pedagógico; Sítio Web da escola; Site do Coordenador TIC Comunidades Moodle; Placard TIC Machico 10 de Novembro de O (A) Coordenador (a) Maria Jacinta Lopes [20]

21 QUESTÕES FREQUENTES 1. Devo seguir a estrutura do modelo apresentado? Sim. Tenho de criar eixos com o objectivo central para cada um e propor actividades que permitam a sua concretização. Na planificação das actividades, devo ter em conta os objectivos específicos, a quem se destinam, quando as vou realizar, quem me poderá auxiliar (membros da equipa de apoio), o que vou necessitar para a sua concretização e as metas/resultados a atingir. 2. Como definir os eixos? Cada escola deverá definir o número mínimo de 3 eixos. O eixo Estruturas Tecnológicas é dado como sugestão, a título exemplificativo. Cada escola tem flexibilidade para propor os eixos e respectivos objectivos centrais que entender. A cada eixo corresponde um objectivo central. 3. No plano, devo contemplar obrigatoriamente quantas actividades? O número de actividades obrigatórias é duas. No entanto, cada escola decide quantas actividades tenciona desenvolver, em função do contexto, do meio em que está inserida e da existência de outros factores que impossibilitem a concretização de algumas actividades. Assim, no eixo 1, posso planificar apenas duas actividades; enquanto que no eixo 2 e 3 posso planificar 4 actividades para cada. 4. Se eu quiser dar formação na minha escola, como faço para validar as formações que tenciono dar? Para validar acções de formação dadas nas escolas devo começar por consultar a documentação relativa ao processo de Validação das Acções de Formação no site da Direcção Regional de Educação em: A seguir, formalizo o pedido de validação de uma acção nesse mesmo sítio Web e aguardo uma resposta da parte da DRE. 9. Devo entregar o Plano TIC após aprovação em Conselho Escolar? Sim, é obrigatório que o Plano TIC seja aprovado em Conselho Escolar antes de ser entregue à DSTE DRE. [21]

22 10. O DCB Diploma de Competências Básicas em Tecnologias da Informação irá realizarse este ano nas escolas da RAM? Sim. Devo aguardar pelas informações que serão fornecidas oportunamente pelo Centro de Inovação. [22]

PLANO TIC. O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] 2 0 0 9-2 0 1 0

PLANO TIC. O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] 2 0 0 9-2 0 1 0 PLANO TIC 2 0 0 9-2 0 1 0 O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] EB1/PE Santa Cruz http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pescruz eb1pescruz@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR TIC Egídia

Leia mais

PLANO TIC 2009-2010. O Coordenador TIC Virgílio Freitas [1]

PLANO TIC 2009-2010. O Coordenador TIC Virgílio Freitas [1] PLANO TIC 2009-2010 O Coordenador TIC Virgílio Freitas [1] ESCOLA EB1/PE Visconde Cacongo URL: http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pevcacongo Email: eb1pevcacongo@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR

Leia mais

Projecto de Acompanhamento do Uso Educativo da Internet nas Escolas Públicas do 1.º ciclo no distrito de Bragança

Projecto de Acompanhamento do Uso Educativo da Internet nas Escolas Públicas do 1.º ciclo no distrito de Bragança Seminário Contextualização SOCIEDADE DE CONHECIMENTO E NOVAS TECNOLOGIAS NAS ZONAS RURAIS as novas acessibilidades na procura da qualidade de vida Projecto de Acompanhamento do Uso Educativo da Internet

Leia mais

PLANO TIC. O Coordenador TIC. E g í d i a F e r n a n d e s F e r r a z G a m e i r o 2 0 0 8-2 0 0 9

PLANO TIC. O Coordenador TIC. E g í d i a F e r n a n d e s F e r r a z G a m e i r o 2 0 0 8-2 0 0 9 PLANO TIC 2 0 0 8-2 0 0 9 O Coordenador TIC E g í d i a F e r n a n d e s F e r r a z G a m e i r o [1] ESCOLA EB1/PE Santa Cruz http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pescruz eb1pescruz@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Regulamento Interno 2014 1. A 1.1. Definição de A é um recurso básico do processo educativo, cabendo-lhe um papel central em domínios tão importantes como: (i) a aprendizagem

Leia mais

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC 30 Dossier Tic Tac Tic Tac MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC Texto de Elsa de Barros Ilustração de Luís Lázaro Contribuir para o aumento do sucesso escolar dos alunos, equipando as escolas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL * * * Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE GRELHA DE OBJECTIVOS INDIVIDUAIS DO PESSOAL DOCENTE (Decreto Regulamentar Nº 2/2008, de 10 de Janeiro) Identificação

Leia mais

MEDIATECA PLANO DE ACTIVIDADES 2009/2010

MEDIATECA PLANO DE ACTIVIDADES 2009/2010 Mediateca Plano de Actividades 2009/2010 pág. 1/6 Introdução MEDIATECA PLANO DE ACTIVIDADES 2009/2010 A Mediateca estrutura-se como um sector essencial do desenvolvimento do currículo escolar e as suas

Leia mais

Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE

Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE _ ENQUADRAMENTO GERAL _ Gabinete de Avaliação e Promoção da Qualidade Instituto Superior de Ciências Educativas 2011, Março Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE

Leia mais

Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura

Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura (vide instruções no URL: http://www.crie.min-edu.pt/portateis/index.htm) 1. Identificação

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

C406. Ensino e aprendizagem com TIC na educação pré-escolar e no 1º ciclo do Ensino Básico

C406. Ensino e aprendizagem com TIC na educação pré-escolar e no 1º ciclo do Ensino Básico C406. Ensino e aprendizagem com TIC na educação pré-escolar e no 1º ciclo do Ensino Básico Formadores: Eunice Macedo e Carlos Moedas Formando: Irene do Rosário Beirão Marques Entidade formadora: Centro

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI

Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI 2007 2008 Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI Documento de suporte às funções do Coordenador TIC para o ano lectivo 2007/2008. Objectivos, recursos existentes, necessidades ao nível das TIC, actividades

Leia mais

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Florin Zamfir 1, Fernando Delgado 2 e Óscar Mealha 1 1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

5. Ler cuidadosamente as mensagens de correio electrónico;

5. Ler cuidadosamente as mensagens de correio electrónico; Segundo o Guia para ambientes de aprendizagem digitais quer alunos, quer professores, precisam de novas competências ao nível da literacia digital à medida que cada vez mais recursos estão presentes na

Leia mais

Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal Centro de Competência TIC. Plano de Atividades 2015/2016

Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal Centro de Competência TIC. Plano de Atividades 2015/2016 Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal Centro de Competência TIC Plano de Atividades 2015/2016 Outubro de 2015 Centro de Competência TIC da Escola Superior do Instituto Politécnico

Leia mais

Plano de Atividades. Ano letivo 2011 / 2012

Plano de Atividades. Ano letivo 2011 / 2012 Plano de Atividades Ano letivo 2011 / 2012 Plano de Atividades de Informática @ 2011-2012 Plano de Atividades Pretende-se com este plano promover o uso efetivo das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO (PTE) 2010 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DOCUMENTO DE TRABALHO

PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO (PTE) 2010 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DOCUMENTO DE TRABALHO PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO (PTE) 2010 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DOCUMENTO DE TRABALHO Certificação de Nível 1 A formação deste nível é, assim, iminentemente, residual, visto que a maioria dos docentes a

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS Artigo 1º - Definição A Biblioteca Escolar - Centro de Recursos Educativos da Escola Secundária Quinta

Leia mais

PESSOAL DOCENTE AÇÕES DE FORMAÇÃO ACREDITADAS PELO CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA PARA O CENTRO EDUCATIS

PESSOAL DOCENTE AÇÕES DE FORMAÇÃO ACREDITADAS PELO CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA PARA O CENTRO EDUCATIS TREINO DA APTIDÃO MUSCULAR EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Registo: CCPFC/ACC-61196/09 Válida até: 30-09-2012 Destinado a: Professores dos Grupos 260 e 620 AERÓBICA NA ESCOLA - METODOLOGIA BÁSICA Registo: CCPFC/ACC-61225/09

Leia mais

Externato Académico. Projeto Educativo

Externato Académico. Projeto Educativo Externato Académico Projeto Educativo 2015-2018 Índice 1. Introdução... 3 2. Caracterização... 4 2.1. Recursos materiais e educativos... 5 3. Princípios orientadores... 7 3.1.Missão, Visão, Objetivos e

Leia mais

C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico

C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico Plano de Formação para a Certificação de Competências TIC Nível 2-2010 C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico - TURMA C - Formadores: Eunice Macedo

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

PLANO TIC. O Coordenador TIC Edgar Vieira Jardim 2010-2011 [1]

PLANO TIC. O Coordenador TIC Edgar Vieira Jardim 2010-2011 [1] PLANO TIC 2010-2011 O Coordenador TIC Edgar Vieira Jardim [1] IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR TIC Edgar Jardim 291740010 ctichbg@gmail.com edgarvj@gmail.com IDENTIFICAÇÃO DA EQUIPA TIC Prof. Carlos Mendonça

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC. www.estagiostic.gov.pt

Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC. www.estagiostic.gov.pt Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC www.estagiostic.gov.pt 1 Índice 1 Introdução 3 1.1 Programa de Estágios TIC 3 1.2 Objectivo da plataforma 3 1.3 Perfis 4 1.3.1 Escola 4 1.3.2 Empresa 4 1.3.3

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA ANEXO II DOMÍNIO: GESTÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Estudex PROJETOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS PARCERIAS CALENDARIZAÇÃO Sala de estudo para o

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes:

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes: Fevereiro 2014 Introdução A Escola é hoje um mundo onde todos os atores educativos têm voz por isso a facilidade, a celeridade, a clareza e a abertura são as caraterísticas da comunicação que possibilitam

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral

Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral «ÁREA DE PROJECTO COMO FAZER?» Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral Centro De Formação Penalva e Azurara Círculo de Estudos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

Encontro Rede de Espaços Internet 3 e 4 de Novembro de 2006, FIL, Lisboa

Encontro Rede de Espaços Internet 3 e 4 de Novembro de 2006, FIL, Lisboa Encontro Rede de Espaços Internet 3 e 4 de Novembro de 2006, FIL, Lisboa O papel do Entre Douro e Vouga Digital no combate à info-exclusão e no estímulo à participação cívica electrónica luis.ferreira@edvdigital.pt

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

Sistema de formação e certificação de competências

Sistema de formação e certificação de competências Sistema de Formação e Certificação de Competências Portal das Escolas Manual de Utilizador Docente Referência Projecto Manual do Utilizador Docente Sistema de formação e certificação de competências Versão

Leia mais

A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção

A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção A dinamização da Rede Social, constitui uma das preocupações/ dificuldades sentidas a nível local. Tendo em conta os vários princípios da acção previstos na Rede Social (Subsidiariedade, Integração, Articulação,

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade.

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade. Reitoria Circular RT-05/2009 Programa Qualidade 2009 Apesar dos constrangimentos financeiros impostos pelo orçamento atribuído para 2009, é importante garantir que são apoiadas as experiências e os projectos

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Total de Horas (a) (Ciclo de Formação) Componente de Formação Sociocultural Português

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES 152 AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES Silvana Alves Macedo 1 Reginaldo de Oliveira Nunes 2 RESUMO O processo da Auto-Avaliação Institucional ainda é um

Leia mais

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA,

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, PROTOCOLO Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL e MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2/7 A aposta na qualificação dos portugueses constitui uma condição essencial

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

Calendarização da Avaliação de Desempenho Docente Educadores e Professores dos Quadros - Anos Lectivos: 2007/2009

Calendarização da Avaliação de Desempenho Docente Educadores e Professores dos Quadros - Anos Lectivos: 2007/2009 Calendarização da Avaliação de Desempenho Docente Educadores e Professores dos Quadros - Anos Lectivos: 2007/2009 Desenvolvimento da Avaliação Intervenientes Calendarização Observações Definição dos Objectivos

Leia mais

REGULAMENTO DO CRC GAIA SUL

REGULAMENTO DO CRC GAIA SUL REGULAMENTO DO CRC GAIA SUL I - Natureza e funções do Centro de Recursos em Conhecimento Gaia Sul 1. O Centro de Recursos em Conhecimento Gaia Sul (CRC Gaia Sul), é uma unidade organizacional da responsabilidade

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM 1- Estabelecimentos de ensino integrados no projecto em anos lectivos transactos Os docentes colocados em estabelecimentos

Leia mais

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2.

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2. Projecto de Avaliação do Desempenho Docente Preâmbulo ( ) Artigo 1.º Objecto O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira

Leia mais

MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA

MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA ONTEÚDOS drte MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Belo Horizonte Município de Boane, Província de Maputo 2014 MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA INTRODUÇÃO Bem vindo ao curso de mestrado em Supervisão Pedagógica!

Leia mais

MINUTA EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS EDITAL PIP N 01/2014 PROJETO RN SUSTENTÁVEL PROJETOS DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (PIP)

MINUTA EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS EDITAL PIP N 01/2014 PROJETO RN SUSTENTÁVEL PROJETOS DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) MINUTA EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS EDITAL PIP N 01/2014 PROJETO RN SUSTENTÁVEL PROJETOS DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) O Projeto RN Sustentável, Acordo de Empréstimo (8276-BR) firmado entre o Governo do

Leia mais

Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira

Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira. 2011-2014 1 Programa de acção Um programa de acção para qualquer unidade orgânica deve atender aos objectivos

Leia mais

ESCOLA DE HOTELARIA E TURISMO DE CABO VERDE

ESCOLA DE HOTELARIA E TURISMO DE CABO VERDE PLANO ESTRATÉGICO PARA A OFERTA FORMATIVA DA ESCOLA DE HOTELARIA E TURISMO DE CABO VERDE Think Tomorrow: Estratégia Oferta Formativa 2014-2019 02, Maio de 2014 FICHA TÉCNICA Concepção e Redacção Sérgio

Leia mais

Avaliação da biblioteca escolar 2009-2013

Avaliação da biblioteca escolar 2009-2013 Avaliação da biblioteca escolar 2009-2013 2010 D. Gestão da biblioteca escolar Avaliação D.1 Articulação da BE com a escola/agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE. 3 D.2 Condições humanas e materiais

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação)

FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação) FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação) OBJECTIVOS: PRETENDE-SE COM ESTA FORMAÇÃO QUE O PARTICIPANTE ADQUIRA COMPETÊNCIAS DE FORMA A: - Facilitar,

Leia mais

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L.

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de 2010/2011 Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de de Pessoal Docente e Não Docente 2010/11 INTRODUÇÃO O Plano de do Instituto de S. Tiago surge da cooperação entre todas as

Leia mais

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do

Leia mais

http://www.aege.pt/avaliacao/lists/avaliar%20plano%20de%20actividades%201%2...

http://www.aege.pt/avaliacao/lists/avaliar%20plano%20de%20actividades%201%2... Page 1 of 17 Documentos e listas Criar Definições do site Ajuda Até AEGE Autoavaliação Avaliar Plano de Actividades 1.º Per - 2010-2011 Seleccione uma vista Descrição geral Resumo gráfico Todas as respostas

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos Plano Tecnológico da Educação Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos 23 de Jun de 2008 O Plano Tecnológico da Educação constitui-se como um poderoso meio

Leia mais

Plano de Atividades Formação Profissional

Plano de Atividades Formação Profissional Plano de Atividades Profissional Página 1 de 7 2015 Elaborado: Cristina Pereira Data: 19.02.2015 Aprovado: Direção Data: 26-02-2015 Profissional Página 2 de 7 ÍNDICE Introdução... 3 Objetivos Estratégicos...

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA Relatório de Autoavaliação Ano letivo 2014/2015 Grupo disciplinar de Página2 ÍNDICE INTRODUÇÃO. 3 I ENQUADRAMENTO. 3 1. Caracterização da estrutura educativa.

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

Curso: Formação de Formadores em Educação a Distância

Curso: Formação de Formadores em Educação a Distância Curso: Formação de Formadores em Educação a Distância Data de início: 28 de março de 2012 Data de término: 6 de maio de 2012 CARGA HORÁRIA: 40 horas DESCRIÇÃO: O curso de Formação de Formadores em Educação

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES

REGULAMENTO DA BOLSA DE AUDITORES Preâmbulo Tendo por objecto a salvaguarda da qualidade das auditorias executadas sobre actividades ou exercício farmacêuticos, a Ordem dos Farmacêuticos veio criar o presente regulamento da Bolsa de Auditores.

Leia mais

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL Ministério da Educação Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora nº2 Novo Programa de Português do Ensino Básico Sequência Didáctica 5º ano Ano lectivo de 2010/2011 Tipologia Textual O conto Competências

Leia mais

VIII Oficinas de Formação A Escola na Sociedade da Informação e do Conhecimento praticar ao sábado. E-repositórios. 26 de Maio de 2007

VIII Oficinas de Formação A Escola na Sociedade da Informação e do Conhecimento praticar ao sábado. E-repositórios. 26 de Maio de 2007 VIII Oficinas de Formação A Escola na Sociedade da Informação e do Conhecimento praticar ao sábado E-repositórios 26 de Maio de 2007 Intervenção de Maria João Gomes da Universidade do Minho Repositórios

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA Preâmbulo É cada vez mais consensual a importância estratégica que as pessoas (vulgarmente chamadas de recursos humanos) desempenharão

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

Plano Anual Actividades. Associação de Pais e Encarregados de Educação EBI Rainha D.Leonor Lencastre

Plano Anual Actividades. Associação de Pais e Encarregados de Educação EBI Rainha D.Leonor Lencastre Plano Anual Actividades Associação de Pais e Encarregados de Educação EBI Rainha D.Leonor Lencastre 2014/2015 INDICE Nota Introdutória 3 1. Áreas de ação 4 2. Representatividade 4 3. Divulgação/Informação

Leia mais

PROJETO SARAU DIGITAL

PROJETO SARAU DIGITAL PROJETO SARAU DIGITAL DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Escola Estadual José Mamede de Aquino Endereço: Rua Heitor Vieira de Almeida, nº 287, Jardim Aeroporto, Campo Grande, MS CEP 79.106-053 Telefone: (67) 3314

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

TEXTO DA COMUNICAÇÃO. Palmela THEKA: Aprender Partilhando, Partilhar Aprendendo

TEXTO DA COMUNICAÇÃO. Palmela THEKA: Aprender Partilhando, Partilhar Aprendendo TEXTO DA COMUNICAÇÃO Palmela THEKA: Aprender Partilhando, Partilhar Aprendendo Este projecto foi concebido no início do ano escolar de 2004/2005 quando decorria o segundo ano do processo de constituição

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias. Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias

RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias. Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias RELATÓRIO FINAL Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias Introdução Pontos Conteúdos Explicação dos objetivos do

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Escola Secundária com 3º Ciclo da Quinta das Flores PLANO TIC 2007/2008 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO por Sílvio Freire (Coordenador TIC) Coimbra 2008 Índice 1- Introdução...2 2 - Objectivos do Plano TIC...3

Leia mais

Criação de espaços de informação interactivos

Criação de espaços de informação interactivos Criação de espaços de informação interactivos Maria de Lurdes Camacho mlc@min-cultura.pt IPACA Luís Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt CEREM / UFP 3º Simpósio de I&D de Software Educativo, Évora Universidade

Leia mais

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares Título: Educação em Números - Portugal 2008 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Proteção Civil de Odivelas

Proteção Civil de Odivelas Proteção Civil de Odivelas 1 1 Introdução Tem sido apanágio deste Serviço apostar numa aculturação da população em termos de segurança e de Proteção Civil. Cremos por isso que cada indivíduo, como membro

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO. Ano Lectivo 2006 / 07

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO. Ano Lectivo 2006 / 07 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS Ano Lectivo 2006 / 07 O equipamento informático afecto ao Projecto será partilhado por vários

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego Montante Único

Leia mais

Escola Secundária da Amadora ESCOLA BÁSICA 2º E 3º CICLOS ROQUE GAMEIRO 27-05-2015

Escola Secundária da Amadora ESCOLA BÁSICA 2º E 3º CICLOS ROQUE GAMEIRO 27-05-2015 Escola Secundária da Amadora ESCOLA BÁSICA º E º CICLOS ROQUE GAMEIRO 7-05-015 Agrupamento de Escolas Pioneiros da Aviação Portuguesa Escola Secundária da Amadora Ensino Secundário (diurno) 1151 Ensino

Leia mais

Plano de Acção da Equipa do Plano Tecnológico da Educação

Plano de Acção da Equipa do Plano Tecnológico da Educação Ano Lectivo 2009/2010, 30 de Janeiro de 2010 Índice Introdução... 3 Caracterização do Agrupamento... 5 Equipa do... 6 Objectivos... 8 Actividades a Desenvolver... 10 Divulgação do plano PTE... 12 Avaliação

Leia mais

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola 2013/1014. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola 2013/1014. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola 2013/1014 Uma estratégia para O Projeto Educativo Local O que é um PMMEE? O Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola consiste num conjunto de objetivos

Leia mais

PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016

PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Santiago do Cacém Escola Básica Frei André da Veiga PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016 A. Currículo, literacias e aprendizagem Problemas identificados Falta

Leia mais

PDG da Área Administrativa 2013/2014

PDG da Área Administrativa 2013/2014 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL O Programa de Desenvolvimento Gerencial PDG do TRT9 para a área administrativa, no biênio 2013-2014, terá como foco a Gestão de Pessoas por Competências - GPC. A capacitação

Leia mais

Técnico de MULTIMÉDI@ Perfil de desempenho:

Técnico de MULTIMÉDI@ Perfil de desempenho: Curso Profissional Técnico de MULTIMÉDI@ Perfil de desempenho: Conhece e coloca em prática técnicas avançadas de captação Certificação: DIPLOMA DE 12ºANO; CERTIFICADO DE QUAL. PROF. DE NÍVEL 4 DA UE (Técnico

Leia mais