Relatório Final. Preparação para a Dissertação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Final. Preparação para a Dissertação"

Transcrição

1 Preparação para a Dissertação Candidato: Miguel Mesquita Guimarães Oliveira Braga Preponente na Empresa: José Araújo Orientador na FEUP: Aníbal Ferreira Co-Orientador na FEUP: Fabien Guyon Versão

2 Histórico de Versões Relatório Final Versão Data Hora Autor Descrição /01/ h25 Miguel Braga Formatação do Documento e Introdução de Informação /01/ h30 Miguel Braga Reestruturação do template do documento e organização da informação, descrição do objetivo, metodologias e realização do overview do documento /02/ h30 Miguel Braga Explicação do conceito: BPM, Inserção de informação acerca dum Software de aquisição do valor exato dos BPM s /03/ h00 Miguel Braga Explicação do conceito: Tempo, Inserção de informação acerca de outro Software de aquisição do valor exto dos BPM s /03/ h00 Miguel Braga Finalização da explicação dos conceitos relacionados com BPM e Tempo. Inserir informações acerca das aplicações comerciais /03/ h30 Miguel Braga Inserção de informação acerca de um software para rastreamento de BPM s em tempo real /03/ h00 Miguel Braga Aperfeiçoamento da explicação do software IBT /04/ h00 Miguel Braga Alteração da Capa /05/ h00 Miguel Braga Aperfeiçoamento da informação relativa à aplicação comercial do retalho /05/ h25 Miguel Braga Levantamento de Requisitos, Sistema a Implementar /07/ h00 Miguel Braga Reformulações da estrutura frásica do documento /07/ h00 Miguel Braga Planeamento do Trabalho e formatação final do Índice 2

3 Índice 1. Objetivos Metodologia Overview do Documento Introdução Conceitos Musicais A. Tempo...10 B. Batidas Por Minuto Tecnologias associadas A. MixMeister...15 B. BPM Counter...16 C. IBT INESC Porto Beat Tracking Aplicação Comercial A. Saúde...17 B. Lazer...17 C. Retalho Levantamento e Especificação de Requisitos A. Requisitos de Marketing...20 B. Requisitos da Empresa...20 C. Ciclo de Vida do Produto Sistema a Implementar A. Sistemas preditivo e descritivo...22 B. Exemplo prático da utilização do sistema globa Plano de Trabalho Conclusão Referências ANEXO

4 Lista de Figuras Figura 1 Sistema on-line Figura 2 Sistema SAB e CDT Figura 3 Sistema PI Figura 4 Interface Gráfica Figura 5 Sistema off-line

5 Lista de tabelas Relatório Final Tabela 1 - Tabela de requisitos do subsistema SAB Tabela 2 - Tabela de requisitos do subsistema PI Tabela 3 - Tabela de requisitos do subsistema CDT Tabela 4 - Cronograma

6 Glossário Análise de Requisitos: A análise de requisitos visa compreender a necessidade a que o sistema se propõe a dar resposta, devendo por isso ser abordada do ponto de vista do cliente e não ter caracter técnico. Ciclo de vida: É importante que ainda na fase de desenvolvimento do projeto seja pensado o que fazer nas fases posteriores de maturação ou mesmo na de declínio do projeto, para que não haja risco deste nunca as atingir por ser necessária numa fase intermédia uma restruturação profunda que não possa ser suportada financeira ou tecnologicamente. Dance Music Tipo de música. Drum and Bass Tipo de música. Especificação de Requisitos: O documento de especificação de requisitos expressa as características que o sistema deve ter para conseguir atingir a performance que dele se espera. É orientado para quem projeta o sistema, sendo portanto de caracter técnico e dá origem aos designados Requisitos de Engenharia. Não deve avançar soluções de implementação. Grindcore Tipo de música. House Tipo de música. Jazz bebop Tipo de música. Pitch Tom de uma música. Open Source Arquitetura de propriedade aberta ou programa que não acarreta custos associados à sua aquisição e download. Sistema: resultado de um conjunto de atividades interrelacionadas, designadas genericamente por Processo de Engenharia de Sistemas, que dá resposta a uma necessidade. Stakeholders: Todas as pessoas ou entidades que serão afetadas pelo sistema. Real-time system Sistema que funciona em tempo real Requisitos Funcionais: funcionalidades que o sistema deve ter em funcionamento normal. Requisitos não Funcionais: definem a forma como o sistema deve atuar em situação de avaria ou características que se tragam qualidade adicional de funcionamento. Restrições - tipo especial de requisito que por ser uma decisão prévia viola a propriedade da abstracção. Pode ter origens diversas: performance, legais, de interface ou ambientais, entre outros. Rock Tipo de música Speedcore Tipo de música Soul Tipo de música Tempo Ritmo de uma música 6

7 Acrónimos e Siglas BPM: Beat Per Minute, ou batidas por minuto. DJ: Disco Jóquei 7

8 1. Objetivos O presente documento, surge no âmbito da disciplina, Preparação da Dissertação, do Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, no segundo semestre, do ano letivo de 2012/13. O seu objetivo principal é enfatizar o Estado de Arte, sobre o tema a ser desenvolvido durante a Dissertação. Para tal, será realizada uma descrição de todos os conceitos relativos ao tema em estudo e identificadas as seguintes propostas: Descrever o que é o Beat Per Minute; Descrever o que é o Tempo; Identificar e clarificar quais as tecnologias existentes para a obtenção, em Real-Time, dos BPM s; Identificar as principais etapas do processo de engenharia, bem como pontos fortes, lacunas, falhas e possíveis correções; Outro objetivo deste documento é a realização do levantamento dos requisitos e a sua especificação. Para tal vai ser analisados os requisitos de marketing, da empresa e o ciclo de vida do produto. Um outro objetivo é mostrar como o protótipo vai ser realizado e mostrar um exemplo de aplicação do protótipo. Finalmente o último objetivo deste documento é mostrar um planeamento do trabalho a realizar durante o semestre em que a Dissertação vai ser realizada. Este projeto foi desenvolvido tendo como pressuposto, as necessidades da empresa Inovreatail, através da supervisão do coordenador da FEUP, Fabien Guyon e com a monitorização do preponente da Empresa, José Araújo. 2. Metodologia A metodologia de trabalho a implementar assenta na obtenção de informação de vários artigos/sites e a compilação dos mesmos, para descrever os diversos tipos de temas a abordar durante a dissertação. 3. Overview do Documento De acordo com o descrito na metodologia e no objetivo, a informação deste documento está dividida em quatro partes distintas. A primeira parte destina-se à introdução, a qual tem como objetivo, situar o contexto da dissertação. Em seguida, é feita uma explicação dos conceitos musicais implicados, nomeadamente, o conceito de BPM e o conceito de Tempo. Segue-se a exploração e identificação de algoritmos e técnicas existentes 8

9 capazes de obter os BPM em tempo-real. Na fase seguinte do documento, descrevem-se as aplicações que a informação recolhida na obtenção do valor dos BPM s poderá afetar nas diversas áreas de interesse, como por exemplo na área de retalho. Na secção seguinte é efetuada uma breve exposição do sistema e descrevem-se sumariamente os requisitos do cliente A quarta secção consiste em várias tabelas de resumo da especificação de requisitos uma para cada subsistema do projecto, ordenadas de acordo com a prioridade de implementação do requisito. 4. Introdução O objetivo principal da Unidade Curricular, Preparação para a Dissertação, é a exploração do tema da Dissertação, o levantamento das tecnologias existentes e a aplicação do protótipo a realizar na área comercial. O tema da Dissertação é a Monitorização da Batida da Música, numa loja de retalho. Para isso, será necessário desenvolver um protótipo que seja capaz de analisar a batida da música, numa loja de retalho, ou seja, de que maneira esta ferramenta consegue analisar a música que está na loja, de forma a obter o ritmo da mesma (obtenção dos BPM) e, através deste, fazer uma correlação com o lucro de vendas durante um dia. Para perceber o que é o ritmo de uma música será necessário explorar os conceitos musicais referentes às Batidas Por Minuto (BPM) e ao Tempo. Só depois de perceber tais conceitos, é que se vai realizar o levantamento dos diferentes softwares e possíveis hardwares, para a obtenção do valor dos BPM de cada música. Posteriormente, realizar-se-á o estudo de, como a informação relativa ao número médio dos BPM s durante um período de tempo definido, poderá ter repercussões no lucro da loja de retalho. Numa fase prédesenvolvimento do protótipo, vai-se realizar um levantamento dos requisitos do sistema a implementar e a especificação dos mesmos. Em seguida o próximo passo será perceber qual vai ser a interação dos diferentes sistemas a implementar, esquematizando em diagramas de blocos. Por último elaborar-se-á um plano de trabalho mostrando num cronograma. 9

10 5. Conceitos Musicais Dentre os conceitos musicais, existem dois que são de grande relevância para o tema em estudo, a saber: A. Tempo Na terminologia musical, Tempo é a velocidade ou ritmo de uma determinada peça musical. Tempo é o elemento crucial da maioria das composições musicais, uma vez que afeta o comportamento das pessoas e pode implicar uma maior dificuldade de realização de uma peça musical. a) Medir o Tempo O Tempo de uma peça musical é, tipicamente, escrito no início da mesma. Nas músicas modernas ocidentais, para além do tempo, normalmente é indicado as Batidas Por Minuto. Isto significa que o valor particular da nota (por exemplo, um quarto de nota ou semimínima) é especificado com uma certa a batida e uma certa marca. Isto dá-nos um certo número de batidas que têm de ser tocadas por minuto. Quanto maior for o Tempo, maior é o número de batidas que devem ser tocadas num minuto e, consequentemente, a peça musical deve ser efetuada mais acelerada. Marcações de ritmos matemáticos deste tipo tornaram-se cada vez mais populares durante a primeira metade do século XIX, após a invenção do metrónomo, por Johann Nepomuk Mälzel, embora os metrónomos iniciais fossem um pouco inconsistentes. Beethoven foi o primeiro compositor a usar o metrónomo, e em 1817 publicando as indicações metronómicas para as suas - naquela altura - oito sinfonias. Algumas dessas marcas são hoje controversas, tais como, as usadas na "Hammerklavier" Sonata e na Nona Sinfonia, sendo muitas delas incrivelmente rápidas, como foi, ainda, o caso das obras de Schumann. Com a vinda da música moderna eletrónica, o BPM, tornou-se numa medida extremamente precisa. Na sequência das músicas é corrente usar sistemas de obtenção de BPM, para denotar Tempo. Como alternativa às marcas do metrónomo, alguns dos compositores do século XX (como Béla Bartók e John Cage) dariam o tempo total de execução de uma peça musical, a partir do qual, o Tempo adequado poderia ser aproximadamente calculado. O Tempo é tão crucial atualmente, como, o era antigamente. Na música eletrónica, saber o valor preciso dos BPM s é importante para os DJ s conseguirem realizar o beatmatching. 10

11 b) Vocabulário musical para o Tempo No decorrer dos tempos, algumas peças musicais não possuíam a indicação do tempo matemático. Em relação à música clássica era habitual descrever-se o Tempo duma peça musical, através de uma ou mais palavras, sendo, a maioria delas redigidas em língua italiana, devido à origem dos seus grandes compositores, ao longo, do século XVII. Foi neste período que os indicadores de Tempo foram amplamente usados. Antes do metrónomo, as palavras eram a única forma de descrever o Tempo de uma composição de música. No entanto, após a invenção do metrónomo, estas palavras continuaram a ser usadas, muitas vezes, adicionalmente, indicando o humor da peça e, assim, esbatendo a tradicional distinção entre Tempo e indicadores de humor. Por exemplo, Presto e Allegro, ambos indicavam a velocidade de execução (Presto é o mais rápido), mas allegro também significa alegria (vindo do seu significado em italiano). Presto, por outro lado, indicava velocidade, enquanto tal. Pode-se adicionar algumas palavras italianas que indicam não só o Tempo, como também, o humor. Por exemplo, agitato no Allegro do último movimento de, George Gershwin, no piano concerto, indicam o Tempo (indubitavelmente mais rápido que um normal Allegro) e o humor ( agitado ). c) Perceber o Tempo Em alguns casos (muitas vezes, até ao final do período do Barroco) as convenções que regiam a composição musical eram tão fortes que nenhum ritmo teve de ser indicado. Por exemplo, o primeiro movimento do terceiro concerto de Bach s Brandenburg, não teve qualquer indicação do Tempo ou do humor da peça musical. Para atribuir nomes aos movimentos, os editores de gravação recorriam a medidas pontuais, por exemplo, marcando o movimento de Brandenburg de Allegro, Sem indicação, e, assim, por diante. No período Renascentista, a maioria das músicas foram compostas para fluírem com um Tempo definido pelo tato, e batiam, aproximadamente, à taxa do batimento cardíaco. Tal valor da nota correspondia ao tato que era indicado pelo compasso mensural. Muitas vezes, uma peça musical particular ou género musical implicava um Tempo próprio. Assim, os músicas esperavam um minueto para realizar um ritmo bastante imponente que fosse mais lento do que a Valsa Vienense e mais rápido que a Perpetuum Mobile e, assim, por diante. Um dos exemplos que é possível referenciar, relativamente, aos tempos a atribuir, foi o caso de, Ludwig van Beethoven que apesar de não ser um minueto, escreveu em In tempo d un Menuetto, durante o seu movimento, no Piano Sonata Op. 54. As cartas das músicas populares usavam termos como, bossa nova, balada, e rock latino, da mesma forma. 11

12 É de vital importância lembrar que, quando se interpretam estas palavras não só existe uma mudança de tempos, mas também, de lugar para lugar e, às vezes, uma mudança na ordenação dos termos. Assim, um moderno largo é mais lento que um adagio, mas no período do Barroco, foi mais rápido. d) Marcas básicas de tempo As definições das marcas italianas referentes ao Tempo, estão disponíveis no Dicionário de Música de Harvard e/ou no dicionário Italiano-Inglês. Ao adicionar um -íssimo no fim da palavra, o som é amplificada/executado mais alto, adicionando -ino ou -etto no final da palavra, o som é diminuído/executado mais baixo. As marcas do metrónomo são aproximações gerais. Nota: Dependendo do tempo da assinatura e da peça em si, as marcas do metrónomo são um guia para apenas definir o Tempo de uma peça musical. Estas marcas podem não ser apropriadas em todas as circunstâncias. As diferentes marcas são as seguintes: Larghissimo muito, muito lento (19 BPM e a baixo) Grave lento e solene (20 40 BPM) Lento lentamente (40 45 BPM) Largo amplamente (45 50 BPM) Larghetto mais ampla (50 55 BPM) Adagio lento e imponente (literalmente, "à vontade") (55 65 BPM) Adagietto bastante lento (65 69 BPM) Andante moderato um pouco mais lento do que andante (69-72 BPM) Andante em ritmo de caminhada (73 77 BPM) Andantino ligeiramente mais rápido do que andante (embora, em alguns casos pode ser considerada como significando um pouco mais lento do que andante) (78-83 BPM) Marcia moderato moderadamente, à maneira de uma marcha (83-85 BPM) Moderato moderadamente (86 97 BPM) Allegretto moderadamente rápido ( BPM) Allegro rápido, de forma rápida e brilhante ( BPM) Vivace animado e rápido ( BPM) (mais rápido do que allegro) Vivacissimo muito rápido e animado ( BPM) Allegrissimo muito rápido ( BPM) Presto muito rápido ( BPM) Prestissimo extremamente rápido (178 BPM and over) 12

13 B. Batidas Por minuto (BPM) As Batidas por Minuto (BPM) são, uma unidade, tipicamente, usada para medir o tempo numa música e a frequência cardíaca. O número indicado pelos BPM s como por exemplo, 128.0, refere-se ao número de vezes em que a batida é repetida num minuto. O tempo BPM de uma peça de música é convencionalmente mostrado na sua pontuação como uma marca do metrónomo. Isso indica que deve haver 120 batimentos de semimínima (ou um quarto de nota) por minuto. No compasso simples é convencional mostrar o tempo em termos da duração da nota, na parte inferior. Assim, um 4/4 irá mostrar uma semimínima (ou um quarto de nota, como acima, enquanto, que um 2/2 mostraria uma mínima ou meia nota). Num composto compasso a batida consiste na duração de três notas (assim, temos 3 colcheias (oito notas) por batida num compasso de 6/8), para que uma forma pontilhada da seguinte duração de nota seja usada. Os compassos compostos mais comuns são: 6/8, 9/8 e 12/8, e usam, portanto, um semimínima pontuada (um quarto de nota pontuada) para indicar a sua batida por minuto. Compassos exóticos e, particularmente, compassos lentos podem indicar o tempo da batida por minuto usando outras durações de notas. As batidas por minuto tornou-se uma terminologia comum, na discoteca, devido à sua utilidade para os DJ s e continua a ser importante, dentro do mesmo género musical e noutro género de Dance Music. No contexto da medição, se as batidas são semínimas (um quarto de nota) podem ser ou num compasso (às vezes a medição é ambígua e se isso acontecer chama-se down-beats), ou em batidas de bateria (tipicamente bass-drum ou outra funcionalidade auditiva sintetizada similar). Valores maiores de BPM são, portanto, atingidos se aumentarmos o número de batidas de bateria, sem aumentar o ritmo de uma música. Música House está à volta dos BPM, a música Trance está à volta dos BPM e a música Drum and Bass está à volta dos BPM. Existem músicas que são produzidas exclusivamente com um número específico de BPM s, como por exemplo, Psytrance com 145 BPM e Speedcore and Gabber a exceder os 180 BPM s. a) Batidas Por Minuto extremas Valores de BPM s mais extremos encontrados em algumas peças de música, são realizáveis no mesmo tempo de base, com padrões de bateria muito rápido, muitas vezes expressa como rolos de bateria. Tais composições, normalmente, são exibidas com um ritmo subjacente muito mais lento, mas pode aumentar os BPM, adicionando as batidas de precursão adicionais. Subgéneros de música extrema, como Speedcore e Grindcore, muitas vezes esforçam para alcançar taxas anormalmente elevadas de BPM. O uso de ritmo extremo era muito usado no rápido Jazz bebop entre 1940 e A música Jazz comum, como Cherokee foi muitas vezes realizada usando um quarto de nota igual a ou, 13

14 algumas vezes, superior a 368 BPM. Algumas músicas famosas de Charlie Parker ( Bebop, Shaw Nuff ) foram realizadas a mais de 380 BPM. A música de John Coltrane, chamada Giant Steps foi realizada a uns incríveis 374 BPM. b) Beatmatching Uma das ferramentas usadas pelos DJ s é o Beatmatching, o qual tem como função, acelerar a música para cima ou para baixo, de forma a fazer coincidir o tempo com a música que estava a ser tocada, anteriormente, para criar a impressão de que as duas músicas estão a ser misturadas. Os DJ s muitas vezes preferem realizar o beatmatch dos ritmos subjacentes das músicas, em vez de usar o valor estrito do BPM, sugerido pelo kick drum, especialmente, quando usado com faixas de música com ritmo elevado. Uma faixa com 240 BPM s, por exemplo, coincide a batida com uma faixa com 120 BPM sem que se aumente ou diminua a velocidade da música, porque ambas vão ter um ritmo subjacente de 120 semimínimas (notas de um quarto) por minuto. Assim, uma música soul (á volta de 75 a 90 BPM s) pode ser bem misturada com uma música com uma batida de drum and bass (de 150 a 185 BPM). Quando se acelera ou diminui uma música numa plataforma giratória também conhecida como gira-discos ou deck, o pitch e o Tempo estão ligados: girar o disco 10% mais rápido tanto o pitch como o Tempo será 10% mais rápido. Existem alguns Softwares capazes de mudar o pitch sem mudar o Tempo (Master- Tempo) e vice-versa (Key-change). Alguns dos controladores usados pelos DJ s, que consistem em dois gira-discos e uma mesa de mistura, têm essa capacidade. A esta capacidade chama-se time-stretching ou pitch-shifting. Isto funciona bastante bem quando, existem poucos ajustamentos (± 20%), mas quando existem muitas mudanças, o resultado pode ser ruidoso e dissonante. c) Medidas por Minuto As Medidas por Minuto (MPM) ou Barras por Minuto são outra forma de medir a velocidade de uma música. A velocidade da música pode ser expressada como sendo o número de medidas/barras num minuto. É usado, comummente, num salão de dança. 14

15 6. Tecnologias associadas Uma resposta comum e muitas vezes inconsciente quando se ouve uma música, é bater com um pé, no tempo da batida. A tarefa computacional que tenta replicar este comportamento é conhecido como rastreamento da batida ou mais comummente, chamado de beat tracking. A identificação do tempo da batida de um sinal musical pode ser obtido de uma ou de duas maneiras, seja através de um rastreamento preditivo ou de descritivo da batida. O rastreamento preditivo da batida é conceptualmente próximo do comportamento humano, pois o tempo da batida é estimado numa forma casual, ou seja, predizer, em tempo real, enquanto ouvir/analisar a entrada da música. Já o rastreamento descritivo da batida não requer tal casualidade, pois o algoritmo permite aceder a toda a música antes de determinar a localização das batidas da música. Enquanto os mais antigos algoritmos de rastreamento das batidas operavam em tempo real, muitos algoritmos desenvolvidos na atualidade, adotaram o caminho descritivo, uma vez que algoritmos em offline são empiricamente mais precisos do que os algoritmos preditivos e, também, porque estes algoritmos usam rastreadores de batida que não precisam de estimar a batida de forma preditiva. Existem pois, muitos Softwares disponíveis para realizar a obtenção do valor dos BPM s. De seguida serão apresentados dois Softwares que trabalham de forma descritiva (offline) e um que trabalha de forma preditiva (online ou em tempo real). A. MixMeister BPM Analyzer Um exemplo muito concreto de um programa que se baseia num sistema descritivo de rastreamento das batidas por minuto é o MixMeister BPM Analyzer. MixMeister BPM Analyzer é um programa Open-Source que se pode usar para, automaticamente detetar o valor exacto dos BPM s de qualquer música. As tags, na maioria dos arquivos das músicas digitais não fornecem nenhuma informação quanto ao valor do BPM da música e outros contém estimativas, que muitas vezes, são estimativas imprecisas. Quer se escolha músicas para se misturar, criar uma seleção de músicas com uma específica harmonia, ou comparar diferentes versões de uma música, o Software MixMeister BPM Analyzer facilita o processo de encontrar o valor correto dos BPM s. Este é um simples programa. O motor de medição BPM é adaptado a partir da linha MixMeister Technology que já foi premiada como sendo um Software profissional para um DJ, e gera valores precisos de BPM. MixMeister BPM Analyzer suporta arrastar e soltar arquivos do Windows Explorer, e permite classificar uma lista de músicas por título, artista, ou BPM. Pode-se atualizar as tags ID3 em arquivos de música com informação de BPM exata, e ainda se pode imprimir o valor dos BPM s obtido para a coleção de música selecionada, ou até mesmo, exportar contagem de BPM para uso noutros programas como, o Excel ou bancos de dados de música. 15

16 B. BPM Counter Um outro exemplo de um programa baseado no rastreamento descritivo da batida é o BPM Counter. BPM Counter é um detector de Batidas Por Minuto rápido e preciso para músicas no formato de MP3. Este programa é útil para os DJ s que necessitam de obter a informação de toda a sua coleção de músicas rapidamente e, ainda, uma mistura de músicas, que tenham efetuado, ou uma amostra duma música. Este programa preocupa-se em fazer com que o utilizador não perca tempo a medir manualmente os BPM clicando num botão ao mesmo tempo que a batida da música é realizada. Este programa permite ao utilizador navegar por qualquer um diretório e o programa mostrará todos os ficheiros compatíveis de áudio (.mp3 e.wav) e inicia a deteção dos BPM s automaticamente. Um erro comum dos outros detetores de BPM s é mostrar apenas metade ou o dobro do valor atual dos BPM s por causa de descodificar ficheiros.mp3 com fraca qualidade. Já este programa usa descodificadores de áudio de alta qualidade como Audio Converter Plus, para garantir o equilíbrio entre a performance e a precisão. C. IBT INESC Porto Beat Tracking Este Software é um programa que se baseia num sistema preditivo que funciona em tempo real para indução do tempo e rastreamento das batidas de um sinal de áudio de uma música. O IBT é um programa que está escrito, em parte, em C++ e, parte, vindo do framework livre de MARSYAS (Music ). O sistema integra uma monitorização automática e um mecanismo de recuperação de estado que aplica reinduções de Tempo e Batidas numa arquitetura de rastreamento de batidas baseada em multiagente. Este programa processa sequencialmente uma função contínua inicial de detecção, enquanto propaga hipóteses paralelas do Tempo e das batidas. As batidas podem ser previstas num modo de utilização casual ou não casual, o que torna o sistema adequado para diversas aplicações. O programa avalia a performance do sistema em ambos os modos em dois cenários de aplicação: standard (usando um banco de dados relativamente grande de clips de áudio) e streaming (usando longos streams de áudio compostos por clips concatenados). Este programa mostra, experimentalmente, a utilidade de monitorizar automaticamente o mecanismo de recuperação de estado num cenário de streaming (ou seja, melhorar a precisão do rastreamento da batida e melhorar o tempo da reação). O programa ainda demonstra que funciona eficientemente e está ao mesmo nível que algoritmos semelhantes. Este programa é multi-plataforma, open-source, disponível gratuitamente e inclui ainda plugins, para diferentes conhecidas plataformas de análise, síntese e visualização de áudio. 16

17 7. Aplicações Comerciais A. Saúde Esta é uma das áreas onde se torna, por vezes, imperativo a obtenção do valor das Batidas Por Minuto. Existem dois casos em que é importante medir os BPM s do coração: no caso de um doente num hospital e no caso de um atleta de alta competição. No caso em que um paciente de uma unidade de saúde se encontrar numa situação delicada, é crítica a obtenção dos BPM. Nestes casos, usa-se máquinas específicas para avaliar as Batidas Por Minuto do coração para saber se ele está demasiado acelerado ou prestes a parar. Caso o coração esteja acelerado, os médicos injetam medicamentos que permitem o coração diminuir o seu ritmo cardíaco para que não haja uma paragem cardíaca devido à alta frequência cardíaca. No caso em que os BPM s do coração estiverem abaixo do normal e quase a chegar a zero, os médicos usam os choques elétricos para reanimar o paciente. Na segunda situação, temos os atletas de alta competição que usam dispositivos parecidos com relógios para monitorizar o seu coração durante uma longa corrida, um sprint ou algum exercício num ginásio de forma a potencializar o seu esforço físico durante o treino. B. Lazer Frequentemente e como foi explicado anteriormente, nem o melhor dos DJ s conhece todas as músicas que possuiu e, por isso, não sabe avaliar qual o valor exato dos BPM s de cada música. Saber o valor exato dos BPM s de cada música ajuda extremamente o DJ a juntar as músicas que têm mais ou menos o mesmo valor de BPM s e que têm um som similar. O DJ pode inserir estas músicas num CD para usá-lo durante ou numa festa, numa discoteca ou num bar/café/esplanada. Ao saber que um certo CD tem um dado valor médio de BPM, permite ao DJ diminuir o tempo gasto na sincronização das duas músicas e, assim, melhorar a qualidade das passagens e usar esse mesmo tempo ganho, a colocar efeitos na música ou interagir com os ouvintes da música. É extremamente útil que o DJ consiga sincronizar as músicas, pois só assim é que se consegue obter o mesmo ritmo durante toda a noite e fazer com que as pessoas que o estão a ouvir não sintam a ocorrência das passagens. Um DJ experiente consegue sincronizar as músicas sem a informação dos BPM s, mas gasta muito tempo a faze-lo, tempo esse no qual ele podia estar atento à primeira música para saber qual é o melhor momento que se deve realizar a passagem de uma música para a outra. Já para facilitar a vida aos DJ s, de forma a melhorar a qualidade das passagens numa discoteca ou bar/café/esplanada, existem programas de 17

18 obtenção dos BPM os quais ajudam os DJ s a preparar o set de músicas que vão utilizar durante uma atuação. C. Retalho O comportamento de um consumidor numa loja de roupa pode ser definido como uma atividade, diretamente envolvida em obter, consumir e dispor de produtos ou serviços, incluindo os processos decisórios que antecedem e sucedem estas ações (Engel, 2000, p. 4). Atmospherics é definido como uma área de pesquisas sobre o comportamento do consumidor que investiga o efeito de características do ambiente de consumo sobre determinados comportamentos. (Seco-Ferreira, 2007). A motivação pode ser uma das implicações sobre o comportamento dos funcionários causados pelas variáveis ambientais. Uma das variáveis ambientais que se salienta numa loja é a variável: música, ambiente que atua sobre a motivação e comportamento, tanto dos vendedores como da influência exercida sobre a perceção e o comportamento dos consumidores. Pode-se ainda verificar que, cada loja de roupa está vocacionada para um determinado tipo de comprador, que, por sua vez, se insere num determinado estatuto social. Um exemplo concreto que se verifica é o facto dos compradores da Massimo Dutti ou da Giovanni Gali ou até mesmo da Gant, para além de possuírem melhores condições monetárias também são, geralmente, consumidores com uma faixa etária mais velha que os da Pull & Bear ou os da Tiffosi. Consoante o tipo de lojas, existem um tipo específico de consumidores para cada loja. Esse tipo específico de consumidores tem, geralmente, gostos musicais diferentes e, como tal, normalmente, um comprador da Gant não iria apreciar ouvir House (com por volta de 128 BPM s), mas sim apreciaria, algo mais lento, como Bossa Nova, (por volta de 100 BPM s) quando entra na loja. Já o consumidor da Pull & Bear apreciará ouvir uma música House. A satisfação produzida, no consumidor, ao ouvir um género de música que aprecia, levará a que ele fique mais tempo na loja, quanto muito, só para acabar de ouvir a música. Ora, se o consumidor permanecer mais tempo dentro da loja é porque se sente mais confortável dentro dela, ou seja, maior serão as probabilidades de escolher uma peça de roupa e comprá-la. Mas, nem sempre os consumidores compram uma roupa só porque apreciam a música que está a passar na loja, muitas vezes não compram uma peça de roupa porque os funcionários da loja não são simpáticos e não ajudam na escolha da mesma. O simples facto, dos funcionários também apreciarem a música, também fará com que os funcionários fiquem mais bem-dispostos e, com isso, auxiliem o consumidor a comprar uma, ou mais, peças de roupa. Assim se pode concluir que existe uma gama de valores de BPM s de uma seleção de músicas para o qual existe uma maior probabilidade de atingir um lucro favorável numa dada loja, uma vez que ambos, consumidor e funcionários estão mais confortáveis e mais predispostos a comprar ou vender, respetivamente. Para isso, é necessário obter o número dos BPM s da seleção de 18

19 músicas da loja. Isto pode ser feito on-line, ou seja, durante um período de tempo na loja usando um ou mais dispositivos de reconhecimento do valor dos BPM s, ou até mesmo um Software que analisa as músicas que estão a tocar no exterior e devolve o valor em cada segundo e o valor médio durante o período de tempo que o Software foi executado. Também poderá ser feito off-line, ou seja, medir o valor dos BPM s de uma selecção de músicas antes ou depois da música ter sido tocada na loja. Para saber qual é o melhor valor dos BPM s médios de uma seleção de música é necessário estabelecer uma relação entre o valor médio dos BPM s dessa seleção de música e o lucro obtido. Para saber se um tipo de BPM s funciona melhor ou pior numa loja será necessário analisar dois ou mais dias diferentes que tenham sido submetidos às mesmas condições. Não se pode comparar um dia da semana que tenha 128 BPM s de média na seleção de músicas com um dia de fim-de-semana/feriados que tenha 130 BPM s; nem se pode comparar um dia saldos com um dia sem saldos; nem um dia no início do mês (onde as pessoas possuem mais dinheiro) com um dia no final do mês (onde as possibilidades monetárias são muito menores). È conveniente, efetuar a comparação em dois dias similares, no qual se usou uma seleção de músicas diferente. Note-se que existem músicas de diferentes géneros com o mesmo número de BPM s, como é o caso de algumas músicas de Rock e de House, portanto, pode-se dizer que saber apenas o número médio de BPM s de uma seleção de músicas é vantajoso para saber qual é o valor de excelência de cada loja de retalho, de forma a obter o maior lucro possível. Este é o objetivo da dissertação. 19

20 8. Levantamento e Especificação de Requisitos A. Requisitos de Marketing Este projeto tem como objetivo desenvolver um sistema capaz de adquirir em tempo-real e no modo off-line o valor dos BPM s das músicas que vão passando numa qualquer loja de retalho. Após uma reunião com o preponente da Dissertação pode-se levantar certos requisitos do sistema a implementar. Entre eles são: Obtenção do valor médio dos BPM s num dado período de tempo da loja. Análise dos valores dos BPM s de cada música existente da loja de forma a poder escolher as músicas com os BPM s que, potencialmente, trarão mais lucro à loja. B. Requisitos da Empresa Dada a complexidade do projeto, foram identificados dois domínios de intervenção: Sistemas de Aquisição dos BPM s (SAB). Processamento da informação (PI). Comunicações entre dispositivo e a estação de terra (CDT). As tabelas abaixo resumem os requisitos de Engenharia do sistema. Cada tabela engloba os requisitos de um dos domínios mencionados acima. Os requisitos podem ser do tipo funcional (F), não funcional (NF) ou restrições (R). Os requisitos a itálico são opcionais. A prioridade mais alta é representada com o menor índice. Tabela 1 - Tabela de requisitos do domínio SAB. Tipo Requisito Prioridade F Adquirir o valor dos BPM s on-line 1 F Adquirir o valor dos BPM s off-line 1 F Aquisição do tempo da amostra de cada BPM medido on-line 1 F Obtenção do valor do Tempo da música 2 F Obtenção do valor do volume da música 3 20

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Como funciona a MEO Cloud?

Como funciona a MEO Cloud? Boas-vindas O que é a MEO Cloud? A MEO Cloud é um serviço da Portugal Telecom, lançado a 10 de Dezembro de 2012, de alojamento e sincronização de ficheiros. Ao criar uma conta na MEO Cloud fica com 16

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia. Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions.

Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia. Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions. Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions.pt Conteúdo Introdução... 2 Gestão de acessos... 3 Ficha de

Leia mais

Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor

Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor Sistema de Gerenciamento de Loja - SIGEL Documento de Visão Versão 1.0.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 13/01/2011 0.1 Versão preliminar do levantamento de requisitos funcionais e não

Leia mais

Pesquisa e organização de informação

Pesquisa e organização de informação Pesquisa e organização de informação Capítulo 3 A capacidade e a variedade de dispositivos de armazenamento que qualquer computador atual possui, tornam a pesquisa de informação um desafio cada vez maior

Leia mais

Fiery Network Controller para DocuColor 250/240 SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Exemplos de fluxo de trabalho

Fiery Network Controller para DocuColor 250/240 SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Exemplos de fluxo de trabalho Fiery Network Controller para DocuColor 250/240 SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS Exemplos de fluxo de trabalho 2005 Electronics for Imaging, Inc. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos

Leia mais

Análise real de dados

Análise real de dados Análise real de dados Para tacógrafos analógicos e digitais www.siemensvdo.com 1 Maximize todas as potencialidades dos tacógrafos digitais Novas obrigações, novas opções de análise Para si e para a sua

Leia mais

Manual de Utilizador Documentos de Transporte. TOConline. Suporte. Página - 1

Manual de Utilizador Documentos de Transporte. TOConline. Suporte. Página - 1 TOConline Suporte Página - 1 Documentos de Transporte Manual de Utilizador Página - 2 Índice Criação de um documento de transporte... 4 Definições de empresa- Criação de moradas adicionais... 9 Comunicação

Leia mais

Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio

Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio Manual SM Contratos & Avenças Versão 2.8.4 Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio 1 Índice SoftSolutions, Lda 2000/2012. Todos os direitos reservados...3 Todos os direitos reservados...3

Leia mais

Nós fazemos fácil o difícil

Nós fazemos fácil o difícil O serviço TrustThisProduct é baseado na ideia de que informação detalhada e de confiança sobre um produto é a forma de chegar às mãos do consumidor. Como resultado, a pessoa ficará mais satisfeita com

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

Audacity. Os primeiros passos com o Audacity!

Audacity. Os primeiros passos com o Audacity! Audacity Os primeiros passos com o Audacity! João Torres joao.torres@dgidc.min-edu.pt Milena Jorge milena.jorge@dgidc.min-edu.pt Dezembro de 2009 Conteúdo 1 Sobre este documento 2 2 O que é o Audacity?

Leia mais

Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados 2011/2012

Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados 2011/2012 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados 2011/2012 Enunciado do 2 o Projecto Data de entrega: 11 de Novembro de 2011 às 23h59 1 Introdução O EuroMilhões é uma lotaria

Leia mais

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix.

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. Gerir Clientes no Gestix A Ficha de Cliente Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. O Gestix oferece-lhe diversas formas de conhecer e acompanhar os seus clientes. Explore-o como uma poderosa

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho 20 Capítulo 3 Avaliação de Desempenho Este capítulo aborda como medir, informar e documentar aspectos relativos ao desempenho de um computador. Além disso, descreve os principais fatores que influenciam

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12

7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12 7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12 Este programa permite gerir toda a sua colecção de músicas, vídeos e até mesmo imagens, estando disponível para download no site da Microsoft, o que significa que mesmo quem

Leia mais

Como fazer benchmark do computador

Como fazer benchmark do computador O que é o Índice de Experiência do Windows? O Índice de Experiência do Windows é uma medição que informa como o seu PC funciona com o Windows e usa uma pontuação básica para classificar a experiência que

Leia mais

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] [1] Aranda SQL COMPARE Versão 1.0 Aranda Software Corporation 2002-2007. Todos os direitos reservados. Qualquer documentação técnica fornecida pela Aranda software Corporation é um produto registrado da

Leia mais

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII Anexo VIII Este Manual do Usuário possui caráter informativo e complementar ao Edital do Leilão de Venda de Reduções Certificadas de Emissão nº 001/2012, promovido pela Prefeitura da Cidade de São Paulo

Leia mais

BEMVINDO AO ONLINE SHIPPING MANUAL

BEMVINDO AO ONLINE SHIPPING MANUAL Online Shipping BEMVINDO AO ONLINE SHIPPING MANUAL EM VIAGEM OU NO ESCRITÓRIO, O ONLINE SHIPPING LEVA-O LÁ. É ideal para empresas com um pequeno volume de envios, secretariados, receções, viajantes frequentes

Leia mais

Documentação sobre a Tecnologia RAID

Documentação sobre a Tecnologia RAID Documentação sobre a Tecnologia RAID Enquanto especialista no armazenamento de dados, a LaCie reconhece que quase todos os utilizadores de computadores irão necessitar de uma solução de cópia de segurança

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Engenharia de software A economia de todos os países desenvolvidos depende do software. O

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Seminário Sobre Reunir Registros

Seminário Sobre Reunir Registros Seminário Sobre Reunir Registros Esta lição e seus recursos de aprendizado podem ser usados para preparar um seminário de três a quatro horas sobre preparar, reunir, processar e entregar os registros a

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador> FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) a ser desenvolvido

Leia mais

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS Próx Antes de Iniciar O objetivo deste documento é apresentar os passos necessários para instalar a versão mais recente do Zim 8.50 para Windows.

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

PHC Mensagens SMS CS

PHC Mensagens SMS CS PHC Mensagens SMS CS O potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC O envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo. Uma comunicação com sucesso: ganhos de tempo e de dinheiro

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens Ana Estevens, nº 120138001 Trabalho realizado na Unidade Curricular de Processos de Experimentação

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Índice

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Índice Índice Caderno 2 PG. MS-Excel 2010: estrutura básica das planilhas, conceitos de células, linhas, colunas, pastas e gráficos, elaboração de tabelas e gráficos, uso de fórmulas, funções e macros, impressão,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Objetivos Diferenciar as diversas formas de armazenamento Compreender o que é e como definir a porcentagem de agregação Conhecer a possibilidade da utilização de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral MICROSOFT WORD 2007 George Gomes Cabral AMBIENTE DE TRABALHO 1. Barra de título 2. Aba (agrupa as antigas barras de menus e barra de ferramentas) 3. Botão do Office 4. Botão salvar 5. Botão de acesso à

Leia mais

Supply4Galp (S4G) FAQs Fornecedores Versão 1.0 03.02.2014

Supply4Galp (S4G) FAQs Fornecedores Versão 1.0 03.02.2014 Lista de FAQs 1. Registo de Fornecedor e Gestão da Conta... 4 Q1. Quando tento fazer um novo registo na Plataforma S4G, recebo uma mensagem a indicar que a minha empresa já se encontra registada.... 4

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

GUIA DO FORMANDO. Ética e Deontologia Profissional do Psicólogo

GUIA DO FORMANDO. Ética e Deontologia Profissional do Psicólogo GUIA DO FORMANDO Índice Enquadramento... pág. 3 Descrição do Curso... Destinatários... Objetivos de aprendizagem... Estrutura e Duração do Curso... Autor... Metodologia Pedagógica... Avaliação e Certificação...

Leia mais

para Mac Guia de Inicialização Rápida

para Mac Guia de Inicialização Rápida para Mac Guia de Inicialização Rápida O ESET Cybersecurity fornece proteção de última geração para o seu computador contra código malicioso. Com base no ThreatSense, o primeiro mecanismo de verificação

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Music Beat. Miguel Mesquita Guimarães Oliveira Braga 1.9.0

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Music Beat. Miguel Mesquita Guimarães Oliveira Braga 1.9.0 Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Music Beat Miguel Mesquita Guimarães Oliveira Braga 1.9.0 Dissertação realizada no âmbito do Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores

Leia mais

Tese Mestrado Manuel Teixeira Apresentaça o da Proposta de Tese

Tese Mestrado Manuel Teixeira Apresentaça o da Proposta de Tese Tese Mestrado Manuel Teixeira Apresentaça o da Proposta de Tese Título Desenvolvimento e Comercialização de Software de Gestão multiplataforma em regime de Aluguer Objetivos Extensão de um Software de

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Guia de Utilização. emeg - Avaliação

Guia de Utilização. emeg - Avaliação Guia de Utilização emeg - Avaliação O GUIA O Guia Este guia foi desenvolvido para auxiliar na utilização do software emeg dentro do processo de avaliação de Prêmios que utilizam o MEG Modelo de Excelência

Leia mais

Manual de iniciação rápida. ActivEngage

Manual de iniciação rápida. ActivEngage Manual de iniciação rápida Manual de iniciação rápida Manual de iniciação rápida Quais as novidades? 2 Registo 4 Votação 9 Resultados da votação 16 Mais informações 17 TP1780-PT Edição 2 2010 Promethean

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft PowerPoint 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que você precisa Clique

Leia mais

Criar Pesquisas. Guia rápido sobre...

Criar Pesquisas. Guia rápido sobre... Guia rápido sobre... Criar Pesquisas Neste guia... Aprenda a fazer perguntas as vezes que forem necessárias e obter os dados que você necessita para melhorar seus produtos, personalizar campanhas e ficar

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

Sistema De Entrega Guia Do Usuário

Sistema De Entrega Guia Do Usuário Sistema De Entrega Guia Do Usuário LEONARDO DA VINCI - Transferência de inovação MEDILINGUA - Advancing vocational competences in foreign languages for paramedics MEDILINGUA - Promovendo competências profissionais

Leia mais

Como instalar o Kobo Desktop para Mac... 7. Como encontrar livros... 9. Como classificar a sua biblioteca... 11

Como instalar o Kobo Desktop para Mac... 7. Como encontrar livros... 9. Como classificar a sua biblioteca... 11 Kobo Desktop Manual Do Utilizador Índice Sobre o Kobo Desktop... 4 Como descarregar e instalar o Kobo Desktop... 6 Como instalar o Kobo Desktop para Mac... 7 Como comprar ebooks com o Kobo Desktop... 9

Leia mais

Dell Premier. Guia de Compras e Pedidos. Fazendo Login na sua Página Premier. Três formas de comprar

Dell Premier. Guia de Compras e Pedidos. Fazendo Login na sua Página Premier. Três formas de comprar Dell Premier Guia de Compras e Pedidos A Dell Premier é o seu próprio site de suporte e compras seguro e personalizado, que permite um processo de compra fácil, eficiente e econômico. Examine este Guia

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática FRANCIS RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN

Leia mais

s em Me d iç d l KlimaLogg Pro SOFTWARE

s em Me d iç d l KlimaLogg Pro SOFTWARE KlimaLogg Pro Ma n In s tr Soluç u çõ s em Me es ão d iç õe d l a u e SOFTWARE Software KlimaLogg Pro Registrador de umidade e temperatura Índice Visão geral...03 Guia Rápido...03 Configuração do dispositivo

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz Manual do Utilizador PowerPoint 2013 Carlos Diniz Índice 1. Acerca do PowerPoint 2013... 3 1.1. Principais caraterísticas do PowerPoint 2013... 3 2. Trabalhar no interface do PowerPoint 2013... 3 2.1.

Leia mais

Sincronização. Tempo e Relógios. Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol

Sincronização. Tempo e Relógios. Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol Sincronização Tempo e Relógios Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol 1 O papel do tempo Crucial na ordenação de eventos Tempo Real? - Função

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho.

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho. Conceitos básicos e modos de utilização das ferramentas, aplicativos e procedimentos do Sistema Operacional Windows XP; Classificação de softwares; Principais operações no Windows Explorer: criação e organização

Leia mais

3 Acrescentar Recursos

3 Acrescentar Recursos 2010 1 publicar o nome, sua descrição, a data de publicação, a duração e sua repetição. Funcionará como a agenda do professor, a qual os estudantes não terão acesso. Para finalizar, selecione o Tipo de

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Ajuda do Sistema Aquarius.

Ajuda do Sistema Aquarius. Ajuda do Sistema Aquarius. Esta ajuda é diferenciada da maioria encontrada nos sistemas de computador do mercado. O objetivo desta ajuda é literalmente ajudar o usuário a entender e conduzir de forma clara

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DOS JOGOS DE MÁQUINAS AUTOMÁTICAS DE FORTUNA OU AZAR

PROJETO DE REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DOS JOGOS DE MÁQUINAS AUTOMÁTICAS DE FORTUNA OU AZAR PROJETO DE REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGRAS DOS JOGOS DE MÁQUINAS AUTOMÁTICAS DE FORTUNA OU AZAR O Regime Jurídico dos Jogos e Apostas online (RJO), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 66/2015, de 29 de

Leia mais

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Conhecer os dispositivos de armazenamento por meio do conceito e dos tipos de memórias utilizadas no computador. Subsistemas de memória Memória

Leia mais

Calculadora Virtual HP Prime

Calculadora Virtual HP Prime Calculadora Virtual HP Prime Número de peça HP: NW280-3002 Edição 2, fevereiro de 2014 Avisos Legais Este manual e os exemplos nele incluídos são fornecidos "tal como estão" e estão sujeitos a alteração

Leia mais

MANUAL DO CURSO. Direito Penal Tributário 2.ª Edição

MANUAL DO CURSO. Direito Penal Tributário 2.ª Edição MANUAL DO CURSO Direito Penal Tributário 2.ª Edição ÍNDICE ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTOR METODOLOGIA PEDAGÓGICA AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PORTAL

Leia mais

Declaração de utilização prevista. Exclusão de responsabilidade

Declaração de utilização prevista. Exclusão de responsabilidade Como posso permitir que um paciente partilhe dados comigo? Como posso ligar um convite de paciente a um registo de paciente na minha conta web? Como é que os dados partilhados de um paciente são transferidos

Leia mais

Thomas Hub Guia do Utilizador

Thomas Hub Guia do Utilizador Thomas Hub Guia do Utilizador O seu novo e melhorado sistema de apoio à decisão sobre pessoas Descubra a forma simples e rápida de diagnosticar e desenvolver o Capital Humano Acompanhe-nos 1 Guia do Utilizador

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores Trabalhos Práticos Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores 1. Objectivos 2. Calendarização 3. Normas 3.1 Relatório 3.2 Avaliação 4. Propostas Na disciplina de Programação

Leia mais

Sincronização. Sincronização de Relógios. Relógios Físicos

Sincronização. Sincronização de Relógios. Relógios Físicos Sincronização Embora a comunicação entre processos seja essencial em Sistemas Distribuídos, a sincronização de processos é também muito importante. Por exemplo: o É importante que vários processos não

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET Ao mesmo tempo em que hoje se tornou mais fácil falar a longa distância, pela multiplicidade de opções e operadoras de telefonia, também surgem as

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

HP NonStop Server Capacity Planning

HP NonStop Server Capacity Planning HP NonStop Server Capacity Planning Serviços HP Dados técnicos Determinar futuros requisitos de capacidade de hardware para sistemas NonStop de processamento de transações online em constante crescimento

Leia mais

INSTALAÇÃO E USO DO ASSINADOR LIVRE. Índice:

INSTALAÇÃO E USO DO ASSINADOR LIVRE. Índice: Proposto por: Marcos Stallone Santos / Karla Ferreira Moreira Analisado por: Aprovado por: Índice: 1 - O Assinador Livre:...2 2 - Pré-requisitos para instalação:...2 3 - Download e Instalação do Assinador

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria MANUAL DO CURSO ÍNDICE ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTORES FUNCIONAMENTO E METODOLOGIA DO CURSO AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PORTAL E CONTEÚDOS MULTIMÉDIA PORTAL ORDEM

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS...

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS... Índice 1 INTRODUÇÃO...2 1.1 JANELA ÚNICA DE ENTIDADES...3 1.2 PERMISSÕES POR UTILIZADOR...4 1.3 RESTRIÇÕES À VISUALIZAÇÃO/MANIPULAÇÃO...6 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 2.1 CRITÉRIOS DE PESQUISA...8 2.2 LISTA

Leia mais

A Estação da Evolução

A Estação da Evolução Microsoft Excel 2010, o que é isto? Micorsoft Excel é um programa do tipo planilha eletrônica. As planilhas eletrônicas são utilizadas pelas empresas pra a construção e controle onde a função principal

Leia mais

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI)

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) 4. Montagem do Computador Disco rígido limpeza; Disco rígido verificação de erros (modo gráfico); Disco rígido verificação de erros (linha de comandos;

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais