III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 1 ESTRUTURAS EXISTENCIAIS COM TER E HAVER: VARIAÇÃO NO MELHOR PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 1 ESTRUTURAS EXISTENCIAIS COM TER E HAVER: VARIAÇÃO NO MELHOR PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL"

Transcrição

1 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 1 ESTRUTURAS EXISTENCIAIS COM TER E HAVER: VARIAÇÃO NO MELHOR PORTUGUÊS FALADO NO BRASIL SANTOS, Wendel Silva dos Santos 1 RAMOS, Conceição de Maria de Araujo 2 Resumo Análise da substituição do verbo haver pelo verbo ter em estruturas existenciais no português do Maranhão. Utilizando-se os dados pertencentes ao Banco de Dados do Projeto Atlas Linguístico do Maranhão ALiMA, este estudo, recorte de um estudo mais amplo, apresenta a análise de fatores linguísticos e sociais que condicionam o uso de uma das estruturas em questão, no falar de 38 sujeitos, ouvidos durante a pesquisa. A análise dos dados evidencia o favorecimento do uso do verbo ter, mais do que o verbo haver, para a construção de estruturas existenciais. Esta pesquisa, ao examinar dados da língua em seu uso real, ajuda a desmistificar o mito de que no Maranhão se fala o melhor português do Brasil, contribuindo, consequentemente, para o delineamento da identidade do maranhense, via o estudo da língua(gem), fator de identificação cultural de uma comunidade. Palavras-chave: Língua. Identidade. Estruturas existenciais. Português falado no Maranhão. Abstract Replacement s analysis of the verb haver by verb ter in existential structures in Maranhão s Portuguese. Using the database of Projeto Atlas Linguístico do Maranhão AliMA, this study, division of a wider research, presents the analysis of linguistic and social factors that propitiate the use of one of the two forms focused in 38 speaker s speech. The data analysis makes clear the partiality of the use of verb ter, more than the verb haver, to create existential structures. This research, analyzing the language data in real use, helps to demystify the myth that in Maranhão is spoken the best Portuguese in Brazil, contributing, thus, to outline the maranhense s identity, via the study o the language, factor of a community s cultural identification. Key words: Language. Identity. Existential structures. Portuguese spoken in Maranhão. 1 Graduando em Letras, pela Universidade Federal do Maranhão e auxiliar de pesquisa do Projeto Atlas Linguístico do Maranhão ALiMA. 2 Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Alagoas; professora do Departamento de Letras da Universidade Federal do Maranhão e coordenadora do Projeto Atlas Linguístico do Maranhão ALiMA.

2 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 2 INTRODUÇÃO É pensamento compartilhado entre os pesquisadores da área da linguística que os indivíduos de uma determinada comunidade não falam do mesmo modo. A partir dessa constatação, muitos têm sido os estudos que se voltam para a análise qualitativa e quantitativa da variação linguística, em situações de uso real da língua. Com esta pesquisa, propomos descrever um fenômeno morfossintático que se tem mostrado bastante frequente no português brasileiro e bastante evidente no português falado no Maranhão a variação nos usos dos verbos ter e haver na construção de estruturas com sentido de existência. Pretendemos identificar e investigar qual das duas variantes linguísticas tem se mostrado mais recorrente no Estado. Além disso, pretendemos contribuir para o delineamento da identidade do maranhense, pelo viés linguístico, isto é, examinando o português falado no Maranhão, uma vez que, ainda hoje, há quem defenda a ideia cristalizada de que o Maranhão é o estado brasileiro onde se melhor fala o português. Mais do que reiterar a manutenção, ou não, desse mito (cf. BAGNO, 2001), a nossa intenção é, por meio de usos reais da fala, mostrar que esse mito não se sustenta, uma vez que, como poderemos perceber, nos resultados desta pesquisa, o verbo haver não é o único utilizado para expressar existência, conforme prescreve a gramática normativa da língua, e que seu uso tem sido suplantado (cf. MATTOS E SILVA, 2002) pelo verbo ter. Com este estudo pretendemos enfocar o processo de variação não como um erro, mas como uma marca da identidade linguística, pois, como afirma Bortoni-Ricardo (2005), a variação linguística é, mais do que uma ruptura com o sistema imposto, uma marca da identidade social. METODOLOGIA Ao estudarmos a língua considerando sua relação com o contexto social, histórico, geográfico em que seus usuários se inserem, constatamos a heterogeneidade linguística, resultado da diversidade existente no interior dos grupos sociais. A partir desse reconhecimento, há a necessidade de registro dessa diversidade. Nesse ponto estão inseridas as pesquisas da geolinguística/dialetologia e da sociolinguística. De acordo com Corvalan (apud CARDOSO, 2010, p. 26), a dialetologia e a sociolinguística têm sido consideradas sinônimas,

3 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 3 [...] uma vez que ambas as disciplinas estudam a língua falada, o uso linguístico e estabelecem as relações que existem entre certos traços linguísticos e certos grupos de indivíduos. Assim como a sociolinguística, a dialetologia reconheceu desde cedo a existência da heterogeneidade linguística. Aliando, portanto, os enfoques teórico-metodológicos da geolinguística/dialetologia e da sociolinguística variacionista, constituindo-se, pois, em um estudo geo-sociolinguístico, esta pesquisa se estrutura nas seguintes etapas: i) pesquisa bibliográfica no âmbito da linguística e da sociolinguística, com ênfase nos estudos sobre morfossintaxe; ii) delimitação e seleção do corpus com base nos inquéritos pertencentes ao Banco de Dados do Projeto ALiMA 3, realizados em nove localidades integrantes da rede de pontos do atlas. São elas: São Luís, Alto Parnaíba, Bacabal, Balsas, Brejo, Imperatriz, São João dos Patos, Tuntum e Turiaçu. São considerados o questionário morfossintático 4 e as perguntas metalinguísticas 5 e iii) análise qualitativa dos dados, a fim de verificarmos a ocorrência do fenômeno em estudo. SOBRE A VARIAÇÃO TER/HAVER NO PORTUGUÊS Muitos pesquisadores têm se ocupado em verificar o uso variável dos verbos ter e haver em estruturas existenciais (cf. RAMOS; BEZERRA, 2009; CALLOU; AVELAR, 2002; GÄRTHER, 1996, entre outros). Alguns desses estudos têm demonstrado que a alternância nos usos de haver por ter, em construções existenciais, é uma das características mais marcantes do português falado no Brasil (cf. LEITE, 2002). Essa característica também tem evidenciado que, cada vez mais, o português brasileiro se distancia do português europeu e se aproxima do português falado em países africanos, como Moçambique e Angola (cf. LEITE et al, 2002). Utilizando dados que datam do século XIII, Mattos e Silva (2002) verificaram a alternância nos usos de ter e haver na formação de estruturas existenciais. No período arcaico do português competiam, nesse contexto, os verbos haver e ser. Ressaltamos que, como evidencia Mattos e Silva (2002, p. 135), [...] já no chamado latim vulgar habēre, verbo de posse no latim padrão, está documentado nos séculos IV e V como existencial [...]. Já no período explicitado, a autora mostra que já havia predominância de ser como existencial, com 56% das ocorrências, encontradas em documentos oficiais, e 44% das ocorrências para o verbo haver, encontradas em textos literários. A partir da amostra e

4 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 4 da análise do corpus citado, Mattos e Silva (2002, p. 137) afirma que encontrou raras evidências [...] da possibilidade já de variação entre haver/ter como verbo <<existencial>> e também da concordância de haver com o SN que o segue no plural. Para fins de comprovação, a autora apresenta o seguinte exemplo Temos mais este verbo [h]ei, [h]ás que é de genero diverso pelo oficio que tem. Ramos e Bezerra (2009) chamam a atenção para o que Mattos e Silva postula sobre a variação entre haver e ter, tendo como base a Carta de Caminha. Segundo os autores, [...] são os contextos opacos, isto é, aqueles em que o verbo ter pode receber uma interpretação existencial sem que a interpretação possessiva seja excluída, que permitiram, ao longo da história do português, a expansão do domínio de ter em direção a haver existencial [...] Retirado da própria Carta de Caminha, o fragmento seguinte exemplifica a citação de Ramos e Bezerra: [...] se metiam [eles] em almaadias duas ou tres que hy tinham. No estudo sobre a Carta de Caminha, Mattos e Silva (1996, p. 186) reiteram as condições de uso dos verbos haver, afirmando que: [...] é haver o verbo existencial utilizado, ou seja, é o verbo que ocorre em estruturas que não selecionam sujeito, mas um sintagma nominal interpretado como complemento direto e um elemento locativo expresso por sintagma preposicional ou por um seu substituto adverbial. Ao explicitar as condições de uso para o verbo ter, Mattos e Silva (1996, p. 192) afirmam que, no período arcaico, o verbo [...] ter é, por excelência, um verbo de posse [...], mas que apresenta variação com haver na construção de estruturas possessivas do tipo bens adquiríveis imateriais por parte do possuidor, como em Ele tem fé. Ressaltamos, porém, que essas acepções dos verbos ter e haver voltam-se para as condições de uso no contexto em que se insere o período arcaico da língua portuguesa. Silva (1813 apud RAMOS; BEZERRA, 2009), em seu Diccionario da lingua portugueza, atribui dois conceitos para o verbo haver. O primeiro conceito registra o verbo haver com o sentido de ter, conseguir, alcançar, obter, a exemplo de Houve della dois filhos.

5 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 5 O segundo conceito registra o verbo haver com sentido de existir, tal qual a gramática normativa o concebe atualmente, a exemplo de Ha homens virtuosos, e outros que não o são. Silva reconhece, no entanto, que essa é a visão dos gramáticos e, em seguida, acrescenta a sua acepção para haver, explicando que se trata de um verbo ativo, que significa possuir, ter. Acrescenta ainda que o verbo haver não pode, sozinho, significar existir. Em O dialeto caipira, Amadeu Amaral (1976 [1920]) descreve os usos do verbo haver e ter impessoais. Para o autor, temos utilizado ter impessoalmente em vez de haver. Ele afirma que essa variação se dá em estruturas em que o complemento não encerra a noção temporal. O exemplo a seguir, registrado por Amaral, ratifica seu pensamento: Tinha muita gente na eigreja e Tem home que não gosta de caçada. Além disso, o autor complementa sua descrição, afirmando que quando o complemento é tempo, ano, semanas, emprega-se às vezes haver, porém, mais geralmente, fazer [...] (AMARAL, 1976 [1920], p. 77) (grifos originais). O verbo haver, segundo o autor, está sendo utilizado em raras construções, levando, consequentemente, ao avanço do verbo ter em estruturas existenciais. Ao afirmar que a ocorrência de ter existencial [...] é usual, especialmente na linguagem menos formal, contrariando os preceitos do que ela denomina gramática tradicional, que prevê o verbo haver e não o verbo ter nas construções existenciais, Neves (2003, p. 744) reconhece o alargamento do domínio de ter sobre o espaço de haver. Ao afirmar que a ocorrência de ter existencial [...] é usual, especialmente na linguagem menos formal, contrariando os preceitos do que ela denomina gramática tradicional, que prevê o verbo haver e não o verbo ter nas construções existenciais, Neves (2003, p. 744) reconhece o alargamento do domínio de ter sobre o espaço de haver. Em seu estudo sobre o português europeu e o português brasileiro, Monteiro (1959[1931]) afirma que, no português falado no Brasil, o verbo ter segue a mesma evolução do verbo habēre no latim vulgar. Segundo o autor, o verbo que possuía a carga semântica de existir era o verbo esse: Erant omnino itinera duo... A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E A CONTRUÇÃO DE IDENTIDADE É certo que os indivíduos de uma determinada sociedade estabelecem entre si funções sociais específicas. De modo mais amplo, esses indivíduos mantêm relações entre

6 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 6 si, desempenhando o que se tem denominado de papéis sociais. Segundo Bortoni-Ricardo (2004, p. 23), os papéis sociais [...] são um conjunto de obrigações e de direitos definidos por normas socioculturais [...] são construídos no próprio processo de interação humana.. Ainda, segundo a autora, quando do uso da linguagem, no processo comunicativo, estabelecemos papéis sociais. Nos mais diversos ambientes, desempenhamos papéis sociais diversos: em casa, os pais e os filhos têm seus papéis definidos; na escola, professores, diretores, alunos, também, possuem papéis definidos. Dessa maneira, a variação linguística também vai se definindo, uma vez que os filhos não falam com os pais da mesma forma que falam entre si; e os alunos de uma escola não falam com os professores e/ou com os diretores da escola, da mesma maneira com que interagem com os colegas de turma. Esse tipo de comportamento é o que Bortoni-Ricardo (2004) denomina de regras que determinam as ações dos diversos domínios sociais. Por isso, não podemos pensar que exista esta ou aquela variedade superior. Bortoni-Ricardo (2004, p. 33) afirma que essa crença [...] sobre a superioridade de uma variedade ou falar sobre os demais é um dos mitos que se arraigam na cultura brasileira, e que, mais do que superioridade, os falares particulares de cada região são, na verdade, [...] um instrumento identitário, isto é, um recurso que confere identidade a um grupo social. Para Le Page (apud BORTONI-RICARDO, 2005), os diversos comportamentos linguísticos estão submetidos às múltiplas influências do que ele reconhece como sendo os diferentes aspectos da identidade social, que são: sexo, idade, localização, pertencimento étnico, ocupação, religião e relações com sujeitos mais próximos, sendo competentes, no âmbito da comunicação. Sobre a questão da competência comunicativa, nos reportamos à etnografia da comunicação (GARFINKEL apud MORALES, 2004, p. 31), que tem como principal objetivo [...] determinar o que um indivíduo necessita saber para comunicar-se com êxito em uma dada comunidade e, evidentemente, o que concerne à aquisição desses saberes 6, incluindo, aí, não apenas regras de comunicação, linguísticas e/ou sociais, mas também outras regras de interação, como a cultura. Esta, por sua vez, serve de base para a construção de contextos básicos para os eventos sociais e a consolidação dos processos de interação. A seguir, verificaremos de que maneira os sujeitos envolvidos na pesquisa demarcam, por meio do uso, ou não, do verbo haver nas construções existenciais, a sua

7 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 7 identidade linguística, o que nos possibilita delinear a identidade do maranhense, com base no português falado no Estado. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS Os resultados obtidos a partir da análise dos dados nos permitiram fazer inferências sobre o objeto de estudo desta pesquisa, nas localidades pesquisadas: São Luís, Alto Parnaíba, Bacabal, Balsas, Brejo, Imperatriz, São João dos Patos, Tuntum e Turiaçu 7. Ressaltamos que, para a realização deste estudo, levamos em consideração fatores linguísticos e sociais que podem condicionar, ou não, o uso de uma das estruturas variantes por nós estudadas: animacidade do argumento interno (+ ou animado) e tempo verbal, para caracterizar os fatores linguísticos, e localidade, idade, gênero e escolaridade para representar os fatores sociais. Logo na distribuição geral dos dados, percebemos que o verbo ter ocupa a quase totalidade dos casos. A análise geral levou em consideração os fatores sociais e os linguísticos, selecionados para a pesquisa. Tabela 1 Distribuição geral dos dados HAVER TER TOTAL ,4% 97,5% 100% Percebemos que em 330 ocorrências 100% dos casos o verbo ter ocorre 322 vezes, representando um percentual de 97,5% dos casos, contra 8 ocorrências de haver que, por sua vez, representa, apenas, 2,4% desse percentual. Com a distribuição dos dados nas localidades investigadas, percebemos que há certa uniformidade nessa distribuição, com exceção de São Luís, que possui o maior número de ocorrências, pelo fato de apresentar, em seu corpus, a categoria universitários.

8 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 8 Tabela 2 Distribuição dos dados por localidade LOCALIDADES HAVER % TER % TOTAL SÃO LUÍS 3 4,2% 68 95,8% 71 ALTO PARNAÍBA 2 7,4% 25 92,6% 27 BACABAL 1 2,6% 38 97,4% 39 BALSAS % 35 BREJO % 43 IMPERATRIZ % 49 SÃO JOÃO DOS PATOS 2 8,3% 22 91,6 24 TUNTUM % 16 TURIAÇU % 26 Como podemos perceber na distribuição por localidade, muito escasso tem sido o uso do verbo haver para a construção de estruturas existenciais, havendo, inclusive, lugares em que o verbo ter suplantou, completamente, o verbo haver. Já no que concerne à distribuição dos dados entre os sujeitos mais jovens e os mais idosos, verificamos que ambos optam quase que igualmente pela forma inovadora, conforme mostra a tabela a seguir. Tabela 3 Distribuição dos dados por faixa etária FAIXA ETÁRIA HAVER TER % jovens ,3% idosos ,9% Como evidencia a Tabela 3, são os idosos que mais utilizam o verbo ter. Isso nos leva a inferir que o alargamento do domínio do verbo ter em direção ao de haver, em construções existenciais, não é recente. Contudo, vale enfatizar que são eles os que, ainda, mantêm a forma padrão. Na tabela a seguir, demonstraremos a distribuição dos dados quanto ao fator sexo.

9 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 9 Tabela 4 Distribuição dos dados por sexo GÊNERO HAVER TER % homens ,6% mulheres ,7% A distribuição dos dados evidencia que são as mulheres as que mais utilizam o verbo haver, com 5 ocorrências, ao contrário dos homens, sujeitos desta pesquisa, que utilizam este verbo apenas 3 vezes. Consequentemente, são eles os que mais utilizam o verbo ter, com 84 ocorrências, contrastando com o resultado apresentado pelas mulheres com 61 ocorrências, como ilustra o exemplo a seguir, extraído da fala de um homem de Alto Parnaíba, da primeira faixa etária, com ensino fundamental. (01) INQ. E como era a cidade, antigamente, em termos de festas? O que tu lembras. INF. Era... era legal. INQ. Como é que era, conta aí. INF. Era pequeninha. Quando tinha uma festa, tinha um lugar, todo mundo ia, e todos alegre, também, né? No exemplo supracitado, percebemos o comportamento de um homem, da primeira faixa etária, com ensino fundamental, em relação à construção de uma estrutura existencial. No exemplo a seguir, verificaremos o comportamento de uma mulher de São Luís, da segunda faixa etária, com curso superior completo, em relação à construção de uma estrutura existencial: (02) INQ. Como era a cidade, antigamente, assim, em termos de festas, né? O que é que acontecia aqui? Você se lembra, assim, nas festas aqui de São Luís? INF. Em São Luís? O que é que acontecia? Com as festas, assim, mais, que eu mais participava eram as festas de natal porque tinha um pastoral que é... que hoje se chama auto de natal, né, o teatro. Mas chamava pastoral, onde tinha o nascimento, tinha... primêro tinha a anunciação pelo anjo Gabriel, então, eu sempre era o anjo Gabriel porque tinha o cabelão cumprido era bem magra e... e cantava bem. A partir dos exemplos, confirmamos a quase equivalência entre homens e mulheres quanto ao uso do verbo ter. Verificamos que não há, por parte dos falantes, qualquer tipo de estigma no que concerne ao uso deste verbo na construção de estruturas

10 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 10 existenciais. A seguir, verificaremos a distribuição dos dados, levando em consideração os fatores linguísticos animacidade do argumento interno e o tempo verbal. Tabela 5 Fator linguístico Animacidade do argumento interno ANIMACIDADE DO ARGUMENTO INTERNO HAVER TER % animado ,8% + animado ,1% Segundo Avelar (2006, p. 58), a animacidade do argumento interno permite a seguinte divisão: Animado, inanimado material, espaço (designação de locais públicos, bairros, cidades, regiões, localização em geral), abstrato e, Evento. Essas duas possibilidades apresentam como características comuns os traços [+ animado] e [- animado]. No corpus analisado, verificamos o favorecimento do verbo ter em todos os tipos de argumentos, como demonstrado nos exemplos a seguir, extraído da fala de um homem de Bacabal, da primeira faixa etária, com ensino fundamental: (03) INQ. E como era a cidade, aqui, antes. Como era Bacabal? INF. Aqui? Bacabal, aqui, era pequeno, era pequeno. Num tinha muita, num tinha muito emprego, num tinha... nada, num tinha supermercado, tudo pequeno. Aí depois foi crescendo, crescendo. (Inint.) era supermercados, Paraíba, essas loja aí tudo. Foi desenvolvendo mais a cidade. Cresceu... O exemplo acima corrobora a distribuição dos dados na Tabela 7. Para os casos de animacidade do argumento interno [+ animado], há 44 ocorrências do verbo ter e apenas 3 do verbo haver, selecionado no exemplo a seguir: (04) INQ. Então por essa sua colocação você percebe que há diferenças... entre o Maranhão e outros estados INF. Há sim. Há sim. Isso, isso. Há diferenças entre uma pessoa maranhense e uma pessoa de São Paulo, como eu tava falando. Com relação ao exemplo (04), vale destacar que foi realizado por um indivíduo de São Luís, da segunda faixa etária, com curso superior completo. Essas duas características

11 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 11 poderiam mostrar certa manutenção da norma, mas, com a escassa ocorrência do verbo haver, não sustentamos tal possibilidade. No que concerne à animacidade do argumento interno [-animado], há 99 casos do verbo ter, e 5 ocorrências do verbo haver, como demonstrado no exemplo abaixo, extraído da fala de uma mulher de Alto Parnaíba, da segunda faixa etária, com ensino fundamental: (05) INQ. E havia festa? INF. Havia. INQ. Como é que era? INF. Tocada de sanfona, de vela. Aí, as coisa foi melhorando. Havia uns lampião. Eles compravam um lampião, né, levavam prá lá, era assim. Quando eu era nova, ah, eu dancei muito. Gora não, cabou, morreu a puga do pé, nem lembro. Essas 5 ocorrências nos parecem, no entanto, resultado da fala do entrevistador que, ao utilizar o verbo haver na pergunta, motivou o falante a utilizá-lo, também. Na tabela a seguir, verificamos a distribuição dos dados em função dos tempos verbais presente e pretérito. Tabela 6 Fator linguístico Tempo verbal TEMPO VERBAL HAVER TER % pretérito ,1% presente ,8% Em uma perspectiva geral, percebemos que a variável tempo presente é um fator relevante no que concerne ao uso de ter por haver em estruturais existenciais. Convém destacar que a forma da terceira pessoa do presente do indicativo do verbo haver há soam, muitas vezes, estranha para muitos falantes com nível de escolaridade mais baixo. Como podemos observar, o maior número de usos ocorre com o presente, com 107 das 151 ocorrências 70,8% do total, distribuídas entre os verbos haver, com 5 ocorrências, e o verbo ter, com 102. Com o verbo no pretérito, verificamos um total de 44 ocorrências 29,1% do total, distribuídas entre os verbos haver, com 3 ocorrências, e o verbo ter, com 41 ocorrências desse total. CONSIDERAÇÕES FINAIS

12 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 12 Nesta pesquisa, buscamos verificar a alternância nos usos dos verbos ter e haver na construção de estruturas existenciais no português falado no Maranhão. Para tanto, utilizamos corpus extraído do Banco de Dados do Projeto Atlas Linguístico do Maranhão ALiMA. Consideramos fatores sociais, como localidade, sexo, escolaridade e idade, e fatores linguísticos, como animacidade do argumento interno (+animado e animado) e tempo verbal. Considerando o que prescreve a gramática normativa o uso do verbo haver em estruturas existenciais do tipo há pessoas reunidas nesta sala buscamos observar se, de fato, os maranhenses preservam a forma canônica, e que fatores condicionam o uso dessa forma. Os resultados de nossa pesquisa mostram que o uso do verbo haver em construções desse tipo tem se tornado cada vez mais raro, com o verbo ter suplantando o verbo haver, corroborando o que Mattos e Silva (2002) afirma sobre o fenômeno de variação na construção de estruturas existenciais. Constatamos, assim, a consolidação do uso do verbo ter em estruturas existenciais, na língua falada no Maranhão. As raras ocorrências de haver existencial em nossos dados aparecem na fala de idosos e de universitários; entre os universitários, como resultado do efeito gatilho, confirmando, assim, o que disse Jucá Filho na década de 50 do século passado (1953, p. 102): [...] qualquér que viva no Brasil sabe que o verbo haver é entre nós exótico [...]. Além da perspectiva morfossintática, podemos afirmar que a substituição do verbo haver pelo verbo ter, em estruturas existenciais, é a exemplificação do pensamento de Bortoni-Ricardo (2005, p. 176), ao afirmar que, quando falamos, movemo-nos num espaço sociolinguístico multidimensional e usamos os recursos da variação linguística para expressar esta ampla e complexa gama de identidades distintas [...]. Além disso, promovemos a desmistificação do mito de que no Maranhão se fala o melhor português, além de realizarmos uma fotografia do uso real do português, no Maranhão. NOTAS EXPLICATIVAS 3 Os informantes do ALiMA, em número de quatro por localidade investigada, exceto em São Luís, onde foram entrevistadas oito pessoas, são selecionados com base no perfil descrito, a seguir. Pessoas de ambos os sexos, distribuídas, igualmente, em duas faixas etárias faixa I, de 18 a 30 anos, e faixa II, de 50 a 65 anos. Quanto à escolaridade são considerados sujeitos alfabetizados e que tenham cursado, no máximo, até a 4 a série do Ensino Fundamental. Apenas na capital do Estado, onde há maior densidade populacional e grande diversidade de estratos sociais, o número de informantes é maior, de modo a incluir universitários. Os

13 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 13 informantes devem ser naturais da localidade linguística pesquisada, devendo não se ter daí afastado por mais de um terço de suas vidas. Seus pais devem ser também, preferentemente, da mesma localidade linguística. 4 Questão 46: Como era esta cidade, antigamente, em termos de festas? [Antigamente, esta cidade era mais desenvolvida? Por quê?/ Questão 47: Você/ o(a) senhor(a) sabe se tem vida em outro planeta? 5 Questão 1: Como chama a língua que você/ o(a) senhor(a) fala?/ Questão 2: Tem gente que fala diferente aqui em (citar a cidade onde está)? Se houver, identificar os grupos que falam diferente / Questão 3: Poderia dar um exemplo do modo como falam essas pessoas que falam diferente?/ Questão 4: E, em outros lugares do Brasil, fala-se diferente daqui de (citar a cidade onde está)?/ Questão 5: Poderia dar um exemplo do modo como falam em outros lugares do Brasil?/ Questão 6: No passado, falavam diferente aqui? 6 A tradução deste trecho que, se encontra no corpo do trabalho, é de nossa autoria. [...] determinar lo que un individuo necesita saber para comunicarse com éxito en una comunidad dada y, por supuesto, lo relativo a la adquisición de esos saberes. 7 A realização da pesquisa em Alto Parnaíba, Balsas e Imperatriz foi financiada pelo CNPq, processo nº /2009-2, bem como a de São João dos Patos, Tuntum e Turiaçu, processo nº / REFERÊNCIAS AMARAL, Amadeu. O dialeto caipira. São Paulo: Casa Editora O Livro, BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico. São Paulo: Edições Loyola, MARIS BORTONI-RICARDO, Stella. Educação em língua materna: a sociolingüística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004 MARIS BORTONI-RICARDO, Stella. Nós cheguemu na escola, e agora?: Sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, CALLOU, D. & AVELAR, J. Estruturas com ter e haver em anúncios do século XIX. Para uma História do Português Brasileiro, vol.iii: Novos Estudos, p Humanitas FFLCH/USP, MARCELINO CARDOSO, Suzana Alice. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola Editorial, Série Linguagem. GÄRTNER, Eberhard. Particularidades morfossintáticas do português de Angola e Moçambique. Confluência. Rio de Janeiro, n. 12, p JUCÁ FILHO, Cândido. O fator psicológico na evolução sintática: contribuições para uma estilística brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Organização Simão, LEITE, Yonne; CALLOU, Dinah; MORAES, João. Processos de mudança no português do Brasil: variáveis sociais. In: CASTRO, Ivo; DUARTE, Inês. Razões e emoção: Miscelânea de estudos em homenagem a Maria Helena Mira Mateus. vol. 1. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, p Disponível em: < <http://www.letras.ufrj.br/posverna/docentes/ pdf>. Acesso em: 20 jan

14 III Seminário Linguagem e Identidades: múltiplos olhares 14 MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. A variação haver/ter. In: MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. (Orgs.). A carta de Caminha: testemunho linguístico de Salvador: EDUFBA, p MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. A variação ser/estar e haver/ter nas Cartas de D. João III entre 1540 e 1553: comparação com os usos coetâneos de João de Barros. In: MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia; MACHADO FILHO, Américo Venâncio Lopes. (Orgs.). O português quinhentista: estudos linguísticos. Salvador: EDUFBA; Feira de Santana: UEFS, p MONTEIRO, Clóvis. Evolução gramatical do português falado no Brasil. In: MONTEIRO, Clóvis. Português da Europa e português da América. 3.ed. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, p LÓPES MORALES, Humberto. Sociolingüística. 3. ed. España: GREDOS Biblioteca Románica Hispánica, DE MOURA NEVES, Maria Helena. Guia de usos do português: confrontando regras e usos. São Paulo: Editora UNESP, DE ARAUJO RAMOS, Conceição de Maria; MENDES BEZERRA, José de Ribamar. Estruturas com ter e haver em anúncios de jornais maranhenses do século XIX. Comunicação apresentada no I Congresso Internacional de Linguística Histórica Homenagem a Rosa Virgínia Mattos e Silva, Salvador, 2009.

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS.

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (820-825) MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Luciene MARTINS (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Dinah

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA Emanuelle Camila Moraes de Melo Albuquerque (autora bolsista), Renata

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades. Dinah Callou e Erica Almeida

Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades. Dinah Callou e Erica Almeida Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades Dinah Callou e Erica Almeida Universidade Federal do Rio de Janeiro Abstract This paper discusses four linguistic processes in two

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O TRABALHO NA TERCEIRA IDADE: A CONTINUAÇÃO DE UMA IDENTIDADE SOCIAL? Rosimeire de Oliveira Sueli Galego de carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, Brasil Resumo O número de idosos tem

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO O objeto de estudo dessa pesquisa são os sintagmas preposicionados

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES INTRODUÇÃO Francieli Motta da Silva Barbosa Nogueira (Mestranda em Língua e Cultura UFBA/CAPES) A variação linguística é um fenômeno

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE Cherma Miranda PEREIRA (UFPA) 1 Celso FRANCÊS JÚNIOR (UFPA) Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar os resultados da pesquisa sobre o preconceito

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail. O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.com 1. Introdução Podemos considerar inegável que um dos fatores atuantes

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

Palavras-chave: mídia, sociedade de cultura, meios de comunicação de massa.

Palavras-chave: mídia, sociedade de cultura, meios de comunicação de massa. MÍDIA, IDENTIDADE CULTURAL E SOCIEDADE Viviane L Martins Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP Resumo Este artigo visa uma breve análise sobre o modo como a mídia interage com a sociedade de cultura.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

TER/HAVER EXISTENCIAIS NA ESCRITA DE ALUNOS DE 5ª E 6ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA CIDADE DE MARACANAÚ/CE 1

TER/HAVER EXISTENCIAIS NA ESCRITA DE ALUNOS DE 5ª E 6ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA CIDADE DE MARACANAÚ/CE 1 VITÓRIO, Elyne G. S. L. A. Ter/haver existenciais na escrita de alunos de 5ª e 6ª séries do Ensino Fundamental da cidade de Maracanaú/CE. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. Vol. 5, n. 9, agosto

Leia mais

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 167-173, 2009 167 MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Jussara Abraçado Tainá Soares Teixeira

Leia mais

A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA

A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA Trabalho 001 A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA Sheila Marcelino Izabel; Márcia M. Junkes E-mail: sheilamarcelino@unifebe.edu.br Palavras chave: Textos acadêmicos,

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP)

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP) ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP) Pretendemos apresentar aqui os dados de um estudo exploratório, que é a primeira fase de

Leia mais

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA 178 REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA FEBA, Berta Lúcia Tagliari 1... ler é solidarizar-se pela reflexão, pelo diálogo com o outro, a quem altera e que o altera (YUNES, 2002,

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso.

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso. III Congresso Internacional III Congresso Internacional, I Simpósio Ibero-Americano e VIII Encontro Nacional de Riscos Guimarães RISCO AMBIENTAL E VULNERABILIDADE: DISCUSSÃO CONCEITUAL A PARTIR DE TRABALHOS

Leia mais

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Marta Oliveira Barros¹ ORIENTADORA: Dra. Daniela Gomes de Araújo Nóbrega² INTRODUÇÃO

Leia mais

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA IMPACTOS DO PIBID/INGLÊS SUSTENTABILIDADE NOS ALUNOS André Henrique Gonçalves (UESC) henriqueios@live.com Laura de Almeida (UESC) prismaxe@gmail.com RESUMO

Leia mais

Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo

Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo Nome: Janet Strauss, Consultora do World Fisheries Trust Relatório Relativo ao Mês de: Março de 2006 Resumo Executivo Entre 6 e 26 de março de 2006,

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE?

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - POLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL PROFESSORA MORGANA BOZZA ALUNAS DA TURMA 71 DA ESCOLA

Leia mais

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA O USO MULTIFUNCIONAL DO VERBO TER EM TEXTOS VEICULADOS PELA REVISTA VEJA 35 Marise Rodrigues Guedes (UESC) mariseguedess@hotmail.com Maria Felicidade Penha de Lacerda (UESC) Tatiana Falcão Rodrigues Cardoso

Leia mais

A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO: UM FOCO NA PERCEPÇÃO E ATITUDES DO APOSENTADO.

A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO: UM FOCO NA PERCEPÇÃO E ATITUDES DO APOSENTADO. Revista Ceciliana Dez 2(2): 41-45, 21 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO:

Leia mais

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011 Pesquisa IBOPE Ambiental Setembro de 2011 Com quem falamos? Metodologia & Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas telefônicas. Objetivo geral Identificar

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO

UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- Nascimetno, M.D. 1 ; Moura, N.S.V. 2 ; Souza, B.S.P. 3 ; 1 UFRGS Email:mdnascimento@ymail.com; 2 UFRGS Email:nina.moura@ufrgs.br; 3 UFSM Email:bernardosps@yahoo.com.br;

Leia mais

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Girllaynne Marques Vinícius Nicéas 1 Universidade Federal de Pernambuco A obra A norma oculta, do linguista brasileiro Marcos Bagno 2 (2003),

Leia mais

Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1

Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1 RESUMO Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1 Ailanda Ferreira Tavares 2 Alciane Ayres da Mota 3 Raimunda Monteiro 4 Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, Pará O livro-reportagem

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância e necessidade do uso de tecnologias no trabalho escolar

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA É o trabalho educativo desenvolvido pelo docente numa modalidade de ensino na qual os sujeitos envolvidos estabelecem uma relação pedagógica em que a comunicação

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 64 A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 Edson da Silva Santos e-mail: edsonsporte@hotmail.com Bolsista FAPESB, Bacharelando

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Trabalho / PEM Tema: Frameworks Públicos Grupo: equipe do TCC Entrega: versão digital, 1ª semana de Abril (de 31/03 a 04/04), no e-mail do professor (rodrigues.yuri@yahoo.com.br)

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS.

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. Prof. Dr. Isauro Beltrán Nuñez Prof. Dr. Betania Leite Ramalho INTRODUÇÃO A pesquisa que

Leia mais

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP Semântica 28/jan/2014 António Leal a.leal006@gmail.com AGENDA Semântica Frásica: Tempo (considerações gerais)

Leia mais

OBJETIVOS DA EDUCAÇÃO RURAL JATAIENSE PARA OS ALUNOS QUE TRABALHAM E ESTUDAM NO CAMPO

OBJETIVOS DA EDUCAÇÃO RURAL JATAIENSE PARA OS ALUNOS QUE TRABALHAM E ESTUDAM NO CAMPO OBJETIVOS DA EDUCAÇÃO RURAL JATAIENSE PARA OS ALUNOS QUE TRABALHAM E ESTUDAM NO CAMPO Andrêane Rodrigues RAMOS Universidade Federal de Goiás/Campus Jataí andreane-ramos@hotmail.com Cátia Regina Assis Almeida

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Planejamento Anual 2014 ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Identificação da turma: 3 Colegial A 1 Semestre de 2014 Identificação do professor: Tiago Silva de Oliveira Área do conhecimento: Língua Portuguesa

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 3, pág. 2451

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 3, pág. 2451 O PLURAL DAS PALAVRAS TERMINADAS EM -ÃO: MUDANÇA OU VARIAÇÃO ESTÁVEL? Miriam Cristina Almeida Severino (UFRJ) cristinasmiriams@yahoo.com.br Christina Abreu Gomes (UFRJ) christina-gomes@uol.com.br 1. Introdução

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO SISMÉDIO NA ESCOLA PROFESSOR JOSÉ SOARES DE CARVALHO- GUARABIRA-PB Gyslâynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues EEEFM Professor José Soares de Carvalho

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA Curso Reconhecido pela Resolução nº do Conselho Nacional de Educação/CNE

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA Curso Reconhecido pela Resolução nº do Conselho Nacional de Educação/CNE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA Curso Reconhecido pela Resolução nº do Conselho Nacional de Educação/CNE A implantação do curso é uma solicitação que vem sendo feita pelos próprios

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ÊNFASE EM MULTILETRAMENTOS O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS Monissa Mattos - 2 Ten CMPA LETRAMENTO letrar é mais do que alfabetizar,

Leia mais