Sumário. Deadlock. Definição. Recursos. M. Sc. Luiz Alberto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário. Deadlock. Definição. Recursos. M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com"

Transcrição

1 Sumário Condições para Ocorrência de Modelagem de Evitando deadlock Algoritmo do banqueiro M. Sc. Luiz Alberto Aula - SO 1 Definição Um conjunto de N processos está em deadlock quando cada um dos N processos está bloqueado à espera de um evento que somente pode ser causado por um dos N processos do conjunto. Esta situação só poderá ser alterada por alguma iniciativa que parta de um processo fora do conjunto de N processos. s podem ocorrer quando vários processos recebem direitos de acesso exclusivo a dispositivos, arquivos, registros e etc. Qualquer coisa que pode ser usado por um único processo em um determinado instante de tempo. Preemptivo pode ser retirado do processo sem efeito colateral. Ex.: memoria. Não-preemptivo Recursos Não é possível retirar esse tipo de recurso do processo sem causar falha. Ex.: gravador de CD. Aula - SO 2 Aula - SO 3

2 Um processo poderá utilizar um recurso somente na seguinte sequencia: 1. requisição se requisição não puder ser satisfeita, o processo fica bloqueado 2. uso Recursos processo pode operar no recurso 3. liberação processo libera o recurso Condições para Ocorrência de 1) Condição de Exclusão Mútua Em um determinado instante, cada recurso está em uma de duas situações: Ou associado a um único processo Ou disponível 2) Condição de Posse e Espera Processos que, em um determinado instante, retêm recursos concedidos anteriormente podem requisitar novos recursos. Aula - SO 4 Aula - SO 5 Condições para Ocorrência de 3) Condição de Não-Preempção Recursos concedidos previamente a um processo não podem ser forçosamente tomados desse processo. Eles devem ser explicitamente liberados pelo processo que os retém. 4) Condição de Espera Circular Deve existir um encadeamento circular de dois ou mais processos; cada um deles encontra-se à espera de um recurso que está sendo usado pelo membro seguinte dessa cadeia. Modelagem de Cada processo e representado por um círculo e cada recurso por um quadrado. Uma seta do recurso R para o processo A significa que o recurso R esta alocado para o processo A (a) e uma seta do processo B para o recurso S significa que B solicitou pelo recurso S e esta esperando por esse recurso (b). Aula - SO 6 Aula - SO 7

3 Modelagem de Se ha um ciclo no grafo, ha deadlock. Na gura acima (c) o processo C possui o recurso U e espera pelo recurso T. O processo D possui o recurso T e espera U, ou seja, os processos C e D estão em deadlock. Modelagem de Execução sequencial Se os processos A B e C forem executados sequencialmente não haverá deadlock, porem não há paralelismo. Aula - SO 8 Aula - SO 9 Modelagem de Modelagem de Ocorrência de deadlock Ao construir o grafo de alocação de recursos, é possível notar que formou-se um ciclo, o que indica que haverá um deadlock no sistema. Evitando o deadlock Se o sistema operacional tem conhecimento do possível acontecimento de deadlock, ou seja, se o recurso que o processo requisitou já esta alocado por outro processo e essa requisição formará um ciclo no grafo, o sistema operacional pode bloquear o processo antes de aceitar a requisição. Aula - SO 10 Aula - SO 11

4 Condições para Ocorrência de Em geral, quatro estratégias são usadas para tratar deadlock: Ignorar por completo o problema Algoritmo do Avestruz. Detecção e recuperação Deixar os deadlocks ocorrerem, detectá-los e agir. Anulação dinâmica por meio de uma alocação cuidadosa de recursos. Prevenção, negando estruturalmente uma das quatro condições necessárias para gerar um deadlock. Como existem 4 condições necessárias para a ocorrência de deadlocks, uma maneira de impedir que estes ocorram e fazer com que uma destas 4 condições não seja nunca verdadeira. Aula - SO 12 Aula - SO 13 Impossibilitar a exclusão mutua: restringir ao máximo o numero de processos que podem solicitar um determinado recurso. Impressoras: spool de impressão (o recurso só pode ser solicitado ao gerenciador de impressão) Bloqueio de registros: SGBD Problemas: nem todos os recursos podem ser gerenciados por um processo único. Impossibilitar a posse e espera: impedir que os processos possuam recursos enquanto esperam por outros. Técnica 1: fazer com que os processos solicitem todos os recursos que necessitam, antes da execução. Problema: necessidade de conhecimento futuro, utilização não otimizada de recursos. Tecnica 2: um processo que solicita recursos deve liberar todos os recursos que adquiriu anteriormente para depois tentar adquirir de uma vez todos os recursos necessários. Problema: programação mais complexa, não previne o deadlock, apenas reduz a sua probabilidade de ocorrência. Aula - SO 14 Aula - SO 15

5 Impossibilitar a não preempção: garantir que sempre haja uma maneira de retirar um recurso de um processo. Problema: nem sempre é útil (ex: impressora) e pode conduzir a resultados inesperados (ex: bloqueio de registros). Impossibilitar a espera circular: impedir ciclos na alocação de recursos. Técnica: impor uma numeração global de todos os recursos do sistema e fazer com que os processos sigam esta ordem na requisição de recursos. Problema: grande quantidade de recursos (posições em tabelas, registros bloqueados, etc). Aula - SO 16 Aula - SO 17 Evitação de deadlock Um sistema está em estado seguro se há garantia de que não haverá deadlock. Caso contrário o sistema está em estado inseguro. O algoritmo de impedimento de deadlock deve garantir que o sistema nunca que em estado inseguro. ALGORITMO DO BANQUEIRO Objetivo: garantir o credito aos correntistas de um banco Entidades: clientes: processos unidade de crédito: recursos banqueiro: sistema operacional Algoritmo: Se uma solicitação de recursos leva a um estado seguro, atende-a. Senão, a solicitação e adiada por um tempo (processo bloqueado) solicitação segura: o banqueiro tem recursos suficientes para atender pelo menos um cliente. Aula - SO 18 Aula - SO 19

6 Evitação de deadlock Algoritmo do banqueiro para um recurso Conclusões O deadlock é um problema que pode ocorrer em um sistema onde: os processos detém recursos exclusivamente e; estando de posse de um recurso, o processo pode solicitar um outro recurso e; o recurso só pode ser liberado pelo próprio processo. Neste quadro, o deadlock e caracterizado pela presença de ciclos no grafo de alocação de recursos. Aula - SO 20 Aula - SO 21 Conclusões Dúvidas? Apesar de teoricamente possível, o tratamento de deadlocks e uma operação complexa. As técnicas propostas são de dois tipos: permitem que o processo solicite recursos em qualquer ordem e detectam o deadlock apos a sua ocorrência, causando um grande overhead no sistema (detecção e recuperação). restringem a ordem na qual os processos podem solicitar recursos, aumentando a complexidade da programação (prevenção) A maioria dos sistemas operacionais não utiliza nenhuma técnica de tratamento de deadlocks Aula - SO 22 Aula - SO 23

Deadlocks. Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Deadlocks. Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Dispositivos e recursos são compartilhados a todo momento: impressora, disco, arquivos,

Leia mais

Sistemas Operativos. Deadlocks. 3º ano ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@ipiaget.net)

Sistemas Operativos. Deadlocks. 3º ano ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@ipiaget.net) Sistemas Operativos Deadlocks 3º ano ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@ipiaget.net) Sistemas Operativos [2011/12] Eng.º Anilton Silva Fernandes

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I Sistemas Operacionais I Material Baseado no Livro Sistemas Operacionais Modernos 2ª. Ed. da Pearson Education 1 Agenda Deadlocks Gerenciamento de Memória 2 1 DEADLOCKS 3 Recursos Exemplos de recursos de

Leia mais

Recursos. Um recurso é ou um dispositivo físico (dedicado) do hardware, ou Solicitar o recurso: esperar pelo recurso, até obtê-lo.

Recursos. Um recurso é ou um dispositivo físico (dedicado) do hardware, ou Solicitar o recurso: esperar pelo recurso, até obtê-lo. Um recurso é ou um dispositivo físico (dedicado) do hardware, ou um conjunto de informações, que deve ser exclusivamente usado. A impressora é um recurso, pois é um dispositivo dedicado, devido ao fato

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

O texto desta seção foi publicado em http://msdn.microsoft.com/ptbr/library/ms177433.aspx. o http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/ms178104.

O texto desta seção foi publicado em http://msdn.microsoft.com/ptbr/library/ms177433.aspx. o http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/ms178104. AULA 12 - Deadlocks Em alguns casos pode ocorrer a seguinte situação: um processo solicita um determinado recurso e este não está disponível no momento. Quando isso ocontece o processo entra para o estado

Leia mais

Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br

Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br Principais problemas programação concorrente Deadlocks (impasses) Starvation (inanição) Condições de corrida Erros de consistência na

Leia mais

Sistemas Operativos: Deadlocks

Sistemas Operativos: Deadlocks Sistemas Operativos: Deadlocks Pedro F. Souto (pfs@fe.up.pt) March 30, 2012 Deadlocks Um deadlock é uma situação em que 2 ou mais processos ficam bloqueados indefinidamente pode ser uma race condition

Leia mais

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologias da Informação IESTI CCO 004 Sistemas Operacionais Prof. Edmilson Marmo Moreira 4.1 Introdução Capítulo 4 Gerência

Leia mais

Deadlocks. Sistemas Operacionais - Professor Machado

Deadlocks. Sistemas Operacionais - Professor Machado Deadlocks Sistemas Operacionais - Professor Machado 1 Deadlock - Definição Um conjunto de processos está em situação de deadlock se todo processo pertencente ao conjunto estiver esperando por um evento

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Terminologia Básica Utilizada em de Sistemas Terminologia Básica Uma série de termos

Leia mais

Sistemas Operacionais. DeadLock. Edeyson Andrade Gomes.

Sistemas Operacionais. DeadLock. Edeyson Andrade Gomes. Sistemas Operacionais DeadLock Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula DeadLock Metas Algoritmos 2 DeadLock Um estado de deadlock ocorre quando dois ou mais processos estão esperando por

Leia mais

Gerência do Processador

Gerência do Processador Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência do Processador Gerência do Processador No gerenciamento dos processos serão definidas as propriedades dos processos em execução, e a maneira

Leia mais

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto Sincronização e Comunicação entre Processos Adão de Melo Neto 1 INTRODUÇÃO Em um sistema multitarefa os processos alternam sua execução segundo critérios de escalonamento estabelecidos pelo sistema operacional.

Leia mais

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler O planejamento do projeto Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler 2 Introdução Processo de definição das atividades Sequenciamento de atividades Diagrama de

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

MC714 - Sistemas Distribuídos. Leandro Villas

MC714 - Sistemas Distribuídos. Leandro Villas MC714 - Sistemas Distribuídos Aula de Hoje Aula Passada Relógios Lógicos Relógios de Lamport Relógios Vetoriais Aula de Hoje Exclusão Mútua Algoritmos de Eleição Exclusão mútua Questão fundamental em SDs

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014 Página 1 de 9 Portaria nº 05/2014 Estabelece e Regulamenta a Política de Uso dos Computadores, Laboratórios de Informática e Equipamentos Eletrônicos da Faculdade de Tecnologia de Barueri. O Diretor da

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais GERÊNCIA DO PROCESSADOR MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 08 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Gerenciamento do Processador A gerência do processador pode ser considerada a atividade

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais

Sistemas Operacionais. Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery

Sistemas Operacionais. Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery Sistemas Operacionais Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery Conteúdo Programático CONTAS DE E GRUPOS DE O Microsoft Management Console - MMC Permissões de Segurança de um Console Contas de Usuários

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Programação Concorrente. 2º Semestre 2010

Programação Concorrente. 2º Semestre 2010 Programação Concorrente 2º Semestre 2 Tópicos de Hoje Assunto: Deadlocks Livro Texto Capítulo 4; Conceitos Iniciais; Tipos de Recursos; Condições necessárias para ocorrência de deadlock; Um sistemas livre

Leia mais

O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados.

O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados. O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados. A multiprogramação tem como objetivo permitir que, a todo instante, haja algum processo

Leia mais

Métodos de Sincronização do Kernel

Métodos de Sincronização do Kernel Métodos de Sincronização do Kernel Linux Kernel Development Second Edition By Robert Love Tiago Souza Azevedo Operações Atômicas Operações atômicas são instruções que executam atomicamente sem interrupção.

Leia mais

Disciplina de Sistemas Distribuídos. Sincronização em SD. Prof. M.Sc. Alessandro Kraemer kraemer@utfpr.edu.br. Kraemer

Disciplina de Sistemas Distribuídos. Sincronização em SD. Prof. M.Sc. Alessandro Kraemer kraemer@utfpr.edu.br. Kraemer Disciplina de Sistemas Distribuídos Sincronização em SD Prof. M.Sc. Alessandro kraemer@utfpr.edu.br Cronograma Contextualização Tipos de sincronização Mecanismos para sincronização da região crítica Exclusão

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

ANALISTA DE SISTEMAS - SUPORTE

ANALISTA DE SISTEMAS - SUPORTE QUESTÃO n o 1 Não é possível estabelecer a comunicação. Analisando o endereçamento do servidor A e do Roteador A, observamos que: o Servidor A está em uma rede IP com o endereço de rede (1º endereço da

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SINCRONIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 07, PÁGINA 101 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional sistemas multiprogramáveis Os sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Introdução a Banco de Dados. Aécio Costa

Introdução a Banco de Dados. Aécio Costa Introdução a Banco de Dados Aécio Costa Porque utilizamos BD? Banco de Dados Um banco de dados é uma coleção de dados persistentes, usada pelos sistemas de aplicação de uma determinada empresa. DATE (2003)

Leia mais

Modelos. Comunicação com clientes

Modelos. Comunicação com clientes Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas de Informação Brasília/DF

Leia mais

COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação. Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse

COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação. Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse Simulação O que é uma simulação? realização da evolução de um sistema estocástico no tempo Como caracterizar

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Deadlock Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano da Aula 2 Introdução Modelo de um Sistema Computacional Característica de um Deadlock Modelagem de um Deadlock (Grafos de

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais AULA 09 Sincronização de Processos - II Monitores Conforme comentamos, o uso equivocado dos semáforos pode levar a uma situação de deadlock, por isso devemos tomar cuidado ao programar utilizando este

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Introdução Introdução aos Sistemas Operacionais 1 2 3... n Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Compilador Editor de texto Browser Programas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Tipos de Tarefas (temporal) Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Tipos de Tarefas (temporal) Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/28 Roteiro Tipos de Tarefas Preempção Escalonamento de processos Tipos de escalonamentos 2/28 Tipos de Tarefas (temporal) Tarefas de tempo real Previsibilidade em

Leia mais

Banco de Dados Orientado a Objetos

Banco de Dados Orientado a Objetos Banco de Dados Orientado a Objetos MODELAGEM, ANÁLISE, PROJETO e CLASSIFICAÇÃO Interação combinando lógica, através de objetos que contém os dados. Estes divididos conforme seus tipos e métodos (classe),

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Programação Distribuída

Programação Distribuída Unidade 4 Programação Distribuída Transações Distribuídas O que são? São sistemas compostos por diversas partes cooperantes que são executadas em máquinas diferentes interconectadas por uma rede Exemplos

Leia mais

Segurança. Guia do Usuário

Segurança. Guia do Usuário Segurança Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. As informações contidas neste documento

Leia mais

Figure 2 - Nós folhas de uma árvore binária representando caracteres ASCII

Figure 2 - Nós folhas de uma árvore binária representando caracteres ASCII A ocorrência tamanho ASCII codificação de Huffman é um A Codificação método de compactação de Huffman caracteres (American e a variável codificação dos usado símbolos Standard para por cada muitas no Code

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 04 - Concorrência Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC, 2007. Mono x Multiprogramação

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos; - Desenvolver o Plano de Gerenciamento; - Construir um sistema

Leia mais

Até o final de década de 70, os sistemas operacionais suportavam apenas processos com um único thread;

Até o final de década de 70, os sistemas operacionais suportavam apenas processos com um único thread; CAPÍTULO VI THREADS 6.1 INTRODUÇÃO Até o final de década de 70, os sistemas operacionais suportavam apenas processos com um único thread; O sistema operacional Toth, em 1979, foi o primeiro a implementar

Leia mais

DIAGRAMA DE ATIVIDADES

DIAGRAMA DE ATIVIDADES DIAGRAMA DE ATIVIDADES Profª Lucélia Oliveira Email: lucelia.com@gmail.com DIAGRAMA DE ATIVIDADES É o diagrama com maior ênfase ao nível de algoritmo da UML e provavelmente um dos mais detalhistas. Era

Leia mais

DEADLOCKS IMPASSES. Vinícius Pádua

DEADLOCKS IMPASSES. Vinícius Pádua DEADLOCKS IMPASSES O que é um Deadlock? 2 O que é um Deadlock? Cenário Dois processos : Gravar CD com dados do scanner Processo A solicita o CD é autorizado Processo B solicita o scanner é autorizado Processo

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Introdução a Avaliação de Desempenho de Sistemas Prof. Othon M. N. Batista othonb@yahoo.com Roteiro Definição de Sistema Exemplo de Sistema: Agência Bancária Questões

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Processos e Threads Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula 2 Gerenciamento de Processos Threads Aplicações com múltiplas Threads Concorrência e Compartilhamento

Leia mais

Sistemas de Arquivos. André Luiz da Costa Carvalho

Sistemas de Arquivos. André Luiz da Costa Carvalho Sistemas de Arquivos André Luiz da Costa Carvalho Sistemas de arquivos Sistema de arquivos é o nome que se dá a implementação da organização de dados em discos. Vai desde o acesso a baixo nível até a interface

Leia mais

Gerência do Processador

Gerência do Processador Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência do Processador Desenvolvimento web II IMPORTANTE SABER Desenvolvimento web II DEADLOCK (interbloqueio, blocagem, impasse) Situação em

Leia mais

Layout Manual de Procedimentos Operacional Layout Arquivo Remessa Emissão de cartão tipo sequencial 4008/Comercialização de Produtos e Serviços

Layout Manual de Procedimentos Operacional Layout Arquivo Remessa Emissão de cartão tipo sequencial 4008/Comercialização de Produtos e Serviços Manual de Procedimentos Nº 4008.524.0537 Versão 00 Layout Manual de Procedimentos Operacional Layout Arquivo Remessa Emissão de cartão tipo sequencial 4008/Comercialização de Produtos e Serviços Elaborado

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS 1 SISTEMAS OPERACIONAIS Profª Josiane T. Ferri Licenciada em Computação prof.jositf@yahoo.com.br facebook.com/josiferri ESTRUTURA DO SISTEMA OPERACIONAL Embora a definição de níveis de privilégio imponha

Leia mais

Sumário. Administração de Banco de dados Módulo 12. Ilustração Backup-Recovery. Recuperação (Recovery) - Definição

Sumário. Administração de Banco de dados Módulo 12. Ilustração Backup-Recovery. Recuperação (Recovery) - Definição Sumário Administração de Banco de dados Módulo 12 1. Administração de SGBDs - Continuação 1.1. Recuperação (Recovery) 1.1.1. Recuperação de sistema 1.1.2. Recuperação da mídia M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Banco de Dados I. Construindo modelos de dados confiáveis

Banco de Dados I. Construindo modelos de dados confiáveis Banco de Dados I Construindo modelos de dados confiáveis SILBERSCHATZ et al, Sistemas de Banco de Dados Editora Campus, Rio de Janeiro, 2006, 3ª impressão. DATE, C J., Introdução a sistemas de banco de

Leia mais

Trabalho 7 Fila de prioridade usando heap para simulação de atendimento

Trabalho 7 Fila de prioridade usando heap para simulação de atendimento Trabalho 7 Fila de prioridade usando heap para simulação de atendimento Data: 21/10/2013 até meia-noite Dúvidas até: 09/10/2013 Faq disponível em: http://www2.icmc.usp.br/~mello/trabalho07.html A estrutura

Leia mais

BANCO DE DADOS I. Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br

BANCO DE DADOS I. Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br BANCO DE DADOS I Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br Tópicos Conceitos preliminares Definição de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados Níveis de Abstração de dados CONCEITOS

Leia mais

Gerenciando a memória

Gerenciando a memória Memória da impressora 1 Sua impressora vem com, pelo menos, 64 MB de memória. Para determinar a quantidade de memória instalada atualmente em sua impressora, selecione Imprimir menus no Menu Utilitários.

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados Prof. Hugo Souza Até agora vimos como é formada a infraestrutura física e lógica das bases de dados com os principais componentes

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation. As informações

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO I - Aspectos Gerais... 2 II - Proteção da Informação... 2 III - Responsabilidades... 3 IV - Informações Confidenciais... 3 V - Informações Privilegiadas... 4

Leia mais

Filas: conceitos e implementações

Filas: conceitos e implementações Estrutura de Dados I Filas: conceitos e implementações Cesar Rocha cesar@pontoweb.com.br 1 Objetivos Explorar os conceitos fundamentais acerca do uso de filas utilizando a linguagem C Organização e implementação,

Leia mais

CAPÍTULO 8. CONTROLE DE CONCORRÊNCIA

CAPÍTULO 8. CONTROLE DE CONCORRÊNCIA CAPÍTULO 8. CONTROLE DE CONCORRÊNCIA Este capítulo discute em detalhe o problema de controle de concorrência em bancos de dados distribuídos. Inicialmente, para motivar a discussão, são listados vários

Leia mais

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO SOFTWARE AO NÍVEL DO USUÁRIO SOFTWARE INDEPENDENTE DE DISPOSITIVOS ACIONADORES DE DISPOSITIVOS (DRIVERS) TRATAMENTO DE INTERRUPÇÕES HARDWARE FUNÇÕES: INTERFACE UNIFORME PARA OS DRIVERS USO DE BUFFERS INFORMAÇÃO

Leia mais

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico 1) Defina: a. Fluxo de controle A análise de fluxo de controle é a técnica estática em que o fluxo de controle através de um programa é analisado, quer com um gráfico, quer com uma ferramenta de fluxo

Leia mais

Soluções para gerenciamento de clientes e Impressão móvel

Soluções para gerenciamento de clientes e Impressão móvel Soluções para gerenciamento de clientes e Impressão móvel Guia do usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation.

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E TECNOLÓGICAS PLANO DE ENSINO

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E TECNOLÓGICAS PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO BSI-4 Faculdade: Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS OPERACIONAIS Professor: Paulo de Tarso Costa

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Algoritmos de Escalonamento

Algoritmos de Escalonamento Na aula anterior lgoritmos de Escalonamento Marcelo Johann Threads Sincronização Semáforos ula : Slide ula : Slide Plano da aula de Hoje. FIFO. SJF. Prioridade. Round-Robin 5. Múltiplas Filas 6. Garantido

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado Memória - Gerenciamento Sistemas Operacionais - Professor Machado 1 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache MMU (Memory Management Unit) Processador Tabela de Páginas TLB 2 Conceitos

Leia mais

Programação Concorrente

Programação Concorrente + XV Jornada de Cursos CITi Programação Concorrente Aula 1 Benito Fernandes Fernando Castor João Paulo Oliveira Weslley Torres + Suposições básicas Conhecimento básico sobre Programação Orientada a Objetos

Leia mais

e-nota NF-e (Nota Fiscal eletrônica)

e-nota NF-e (Nota Fiscal eletrônica) Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Sistema e-nota Safeweb Este manual (versão reduzida) apresenta informações específicas sobre o acesso ao Sistema Safeweb e-nota NF-e.

Leia mais

SYSMO INFORMÁTICA CRM CONTROLE DE PONTUAÇÃO MANUAL DO USUÁRIO SYSMO S1. Versão 1.00 SÃO MIGUEL DO OESTE SC, MAIO DE 2007.

SYSMO INFORMÁTICA CRM CONTROLE DE PONTUAÇÃO MANUAL DO USUÁRIO SYSMO S1. Versão 1.00 SÃO MIGUEL DO OESTE SC, MAIO DE 2007. SYSMO INFORMÁTICA CRM CONTROLE DE PONTUAÇÃO MANUAL DO USUÁRIO SYSMO S1 Versão 1.00 SÃO MIGUEL DO OESTE SC, MAIO DE 2007. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 2 CONFIGURAÇÃO... 3 2.1

Leia mais

Avaliação e Desempenho Aula 4

Avaliação e Desempenho Aula 4 Avaliação e Desempenho Aula 4 Aulas passadas Motivação para avaliação e desempenho Aula de hoje Revisão de probabilidade Eventos e probabilidade Independência Prob. condicional Experimentos Aleatórios

Leia mais

Seja uma rede de Petri definida pela tripla (L, T, A), e por sua marcação inicial M 0.

Seja uma rede de Petri definida pela tripla (L, T, A), e por sua marcação inicial M 0. AULA 22 ESTUDO E APLICAÇÕES DAS REDES DE PETRI COMO MECANISMO DE DESCRIÇÃO DE SISTEMAS. 6. Propriedades das redes Seja uma rede de Petri definida pela tripla (L, T, A), e por sua marcação inicial M 0.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Prof. Ms. Márcio Andrey Teixeira A Caracterização dos Sistemas Funções do S.O Administração de Processos Administração da Memória Principal Administração do Armazenamento Secundário Administração

Leia mais

GABARITO COMENTADO SISTEMAS OPERACIONAIS. PROF. Cláudio de C. Monteiro, Evanderson S. de Almeida, Vinícius de M. Rios

GABARITO COMENTADO SISTEMAS OPERACIONAIS. PROF. Cláudio de C. Monteiro, Evanderson S. de Almeida, Vinícius de M. Rios CURSO - TADS TURMA 2008.1 2 PERÍODO 3 MÓDULO AVALIAÇÃO MP2 DATA 02/10/2008 SISTEMAS OPERACIONAIS 2008/2 GABARITO COMENTADO SISTEMAS OPERACIONAIS PROF. Cláudio de C. Monteiro, Evanderson S. de Almeida,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Políticas e Declaração de

Leia mais

Capítulo 3 Deadlocks - Impasses

Capítulo 3 Deadlocks - Impasses Capítulo 3 Deadlocks - Impasses 3.1. Recurso 3.2. Introdução aos deadlocks 3.3. Algoritmo do avestruz 3.4. Detecção e recuperação de deadlocks 3.5. Evitando deadlocks 3.6. Prevenção de deadlocks 3.7. Outras

Leia mais

SEMINÁRIOS AVANÇADOS GESTÃO DE PROJECTOS

SEMINÁRIOS AVANÇADOS GESTÃO DE PROJECTOS SEMINÁRIOS AVANÇADOS DE GESTÃO DE PROJECTOS 2007 Victor Ávila & Associados - Victor Ávila & Associados Centro Empresarial PORTUGAL GLOBAL, Rua do Passeio Alegre, nº 20 4150- Seminários Avançados de Gestão

Leia mais