Avaliação da Qualidade das Águas da Bacia da Lagoa da Pampulha. Avaliação dos Resultados do Período de 2006 a Belo Horizonte, novembro de 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação da Qualidade das Águas da Bacia da Lagoa da Pampulha. Avaliação dos Resultados do Período de 2006 a 2012. Belo Horizonte, novembro de 2013"

Transcrição

1 - Governo do Estado de Minas Gerais Sistema Estadual de Meio Ambiente Instituto Mineiro de Gestão das Águas Gerência de Monitoramento Hidrometeorológico Fonte: Estado de Minas 15/05/2013 Avaliação da Qualidade das Águas da Bacia da Lagoa da Pampulha Avaliação dos Resultados do Período de 2006 a 2012 Belo Horizonte Belo Horizonte, novembro de 2013

2 SEMAD - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Secretário Adriano Magalhães IGAM Instituto Mineiro de Gestão das Águas Diretoria Geral Marília Carvalho de Melo Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Monitoramento das Águas Jeane Dantas de Carvalho Gerência de Monitoramento Hidrometeorológico Wanderlene Ferreira Nacif, Química Coordenação do Projeto Águas de Minas Katiane Cristina de Brito Almeida, Bióloga I59a Instituto Mineiro de Gestão das Águas. Avaliação da qualidade das águas da Bacia da Lagoa da Pampulha: relatório / Instituto Mineiro de Gestão das Águas. --- Belo Horizonte: Instituto Mineiro de Gestão das Águas, p. : il. 1. Monitoramento ambiental. 2. Qualidade da água. 3. Bacia da Lagoa da Pampulha. I. Título. i

3 REALIZAÇÃO: IGAM Instituto Mineiro de Gestão das Águas Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Monitoramento das Águas Jeane Dantas de Carvalho Gerência de Monitoramento Hidrometeorológico Wanderlene Ferreira Nacif, Química Coordenação do Projeto Águas de Minas Katiane Cristina de Brito Almeida, Bióloga Coordenação do Monitoramento de Água Subterrânea Maricene Paixão, Geóloga Equipe Técnica Alice Helena dos Santos Alfeu, Engenheira de Minas Érlon Aide A. de Oliveira, Analista de Sistemas Fernanda Maia Oliveira, Bióloga Matheus Duarte Santos, Geógrafo Nádia Antônia Pinheiro dos Santos, Geógrafa Paula Pereira de Souza, Meteorologista Raimundo Nonato Frota Fernandes, Analista de Sistemas Regina Márcia Pimenta de Mello, Bióloga Reginaldo Ventura de Sá, Meteorologista Sérgio Pimenta Costa, Biólogo Vanessa Kelly Saraiva, Química Estagiários Átalo Pinto Coelho, estudante de Engenharia Ambiental Apoio Administrativo Marina Francisca Nepomuceno ii

4 APOIO: Coletas de Amostras e Análises Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI CETEC Gerência de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologia Ambiental Marcos Bartasson Tannús - Gerente de P&D Tecnologia Ambiental Cláudia Lauria Fróes Siúves Bióloga, Responsável Laboratório Cláudia Márcia Perrout Cerqueira Bióloga, Responsável Laboratório Enrico Sette Biólogo, Responsável Laboratório Hanna Duarte Almeida Ferraz Bióloga, Responsável Laboratório Jordana de Oliveira Vieira - Bióloga José Antônio Cardoso, Químico, Coordenador do Projeto Márcia de Arruda Carneiro - Bióloga Marina Andrada Maria - Bióloga Marina Miranda Marques Viana - Responsável Qualidade Mônica Alves Mamão - Bióloga Nathália Mara Pedrosa Chedid Bióloga, Responsável Laboratório Patrícia Neres dos Santos - Química, Responsável Coleta Patrícia Pedrosa Marques Guimarães - Química, Responsável Laboratório Gerência de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologia Química Olguita G. Ferreira Rocha, Química e Bioquímica Farmacêutica - Gerente Andréa Moreira Carvalho Hot de Faria - Química Renata Vilela Cecílio Dias Química, Responsável Laboratório iii

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO BACIA DA LAGOA DA PAMPULHA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS REDE DE MONITORAMENTO COLETAS E ANÁLISES LABORATORIAIS TÉCNICAS AMOSTRAIS METODOLOGIA DOS TRATAMENTOS DOS DADOS Indicadores de Qualidade das Águas Índice de Estado Trófico IET RESULTADOS E DISCUSSÃO ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA - IQA PARÂMETROS QUE INFLUENCIARAM NOS RESULTADOS DE IQA RUIM E/OU MUITO RUIM NA BACIA DA LAGOA DA PAMPULHA CONTAMINAÇÃO POR TÓXICOS CT ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO IET DENSIDADE DE CIANOBACTÉRIAS SITUAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DA LAGOA DA PAMPULHA AVALIAÇÃO AMBIENTAL ANÁLISE DOS RESULTADOS EM DESACORDO COM OS LIMITES LEGAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO A iv

6 1 INTRODUÇÃO O monitoramento da qualidade das águas no Estado de Minas Gerais foi estabelecido como competência do Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM na Lei Nº , de 17 de julho de 1997, que dispõe sobre a criação do IGAM. Trata-se do Projeto "Águas de Minas", que se encontra em curso desde o ano de 1997, implementado pela Fundação Estadual do Meio Ambiente FEAM e cuja coordenação passou a ser de responsabilidade do IGAM a partir de outubro de Os dezesseis anos de operação da rede de monitoramento vêm demonstrando a sua importância no fornecimento de informações básicas necessárias para a definição de estratégias e da própria avaliação da efetividade do Sistema de Controle Ambiental, sob responsabilidade da FEAM/COPAM, e para o Planejamento e Gestão Integrada dos Recursos Hídricos, subsidiando a formação e atuação dos Comitês e Agências de Bacias a cargo do IGAM/CERH. Este trabalho é fundamental para a continuidade do acompanhamento da situação de qualidade das águas do Estado, que vem sendo conduzido pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM), uma vez que o conhecimento da situação de qualidade dos corpos de água, seu comportamento, as tendências ao longo do tempo e o comprometimento pela presença de poluentes é ferramenta básica para a gestão integrada dos recursos hídricos. Nesse sentido, o IGAM vem desenvolvendo diversos projetos e programas cujo objetivo principal é monitorar e classificar qualitativamente e quantitativamente as águas superficiais e subterrâneas visando a sua proteção e o seu uso sustentável. A área de abrangência desse programa inclui as principais bacias dos rios mineiros. O monitoramento básico é realizado em locais estratégicos para acompanhamento da evolução da qualidade das águas, identificação de tendências e apoio a elaboração de diagnósticos. Além disso, os resultados obtidos no monitoramento permitem a identificação de locais onde é necessário um maior detalhamento. Nas regiões em que são dominantes as pressões ambientais decorrentes de atividades industriais, minerárias e de infraestrutura, são operadas redes de monitoramento específicas para cada tipo de pressão antrópica, as quais são denominadas redes dirigidas. Nesse contexto, o IGAM possui em sua rede básica de monitoramento 82 estações de amostragem localizadas na bacia do rio das Velhas, uma das mais importantes no cenário mineiro por apresentar uma elevada ocupação populacional, com uma expressiva atividade econômica, concentrada principalmente na região metropolitana de Belo Horizonte, onde estão presentes os maiores focos de poluição hídrica. Além da rede básica, existem ainda duas redes dirigidas, totalizando 127 pontos de amostragem distribuídos ao longo dessa bacia hidrográfica, dentre as quais destaca-se a rede de monitoramento da Bacia da Lagoa da Pampulha. No âmbito do projeto de revitalização da bacia do rio das Velhas (META 2014) foi contemplado o programa de despoluição da bacia da Pampulha como sendo uma das ações para a copa de Nesse sentido, a prefeitura de Belo Horizonte e a Copasa estão realizando diversas ações. A meta da Copasa para novembro de 2013 é que 97% do esgoto da região da Pampulha em Belo Horizonte e 95% em Contagem sejam coletados e direcionados para a ETE Onça. A prefeitura contratou os serviços de tratamento da água da Pampulha e dragagem o que garantirá 2m de lâmina d água mínima, com remoção de cerca de m 3 de sedimentos. Com o intuito de acompanhar todas as ações para recuperação da bacia da Lagoa da Pampulha o IGAM desenvolve o programa de monitoramento dos corpos de água 5

7 formadores da bacia desde o ano de A rede em operação foi adequada ao longo da execução dos trabalhos, uma vez que vários pontos de monitoramento foram canalizados ou tiveram o acesso dificultado por motivos diversos. Atualmente a rede de coleta conta com 38 estações de monitoramento. 2 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO 2.1 Bacia da Lagoa da Pampulha A Lagoa da Pampulha foi inaugurada em 1938 com o objetivo de abastecer a região norte de Belo Horizonte e amenizar os efeitos das chuvas. Na década de 40, o espaço foi transformado em um centro de lazer e turismo, por sua agradável paisagem, que atraía habitantes de várias regiões da cidade. Em 1970 a captação de água para abastecimento foi interrompida devido ao comprometimento da qualidade das águas. A bacia da Pampulha integra a bacia do ribeirão da Onça, que deságua no rio das Velhas no município de Santa Luzia. Sua área abrange cerca de 97 km² sendo 45% no município de Belo Horizonte e 55% em Contagem. A região possui 43% de sua área urbanizada, onde residem aproximadamente habitantes. A ocupação da região é distinta nos dois municípios. Em Contagem, localizam-se indústrias e áreas urbanas concentradas, embora existam regiões com ocupação esparsa e fazendas. Em Belo Horizonte predominam os espaços urbanizados e o setor econômico de serviços (CPRM, 2001). O crescimento urbano desordenado acarretou a impermeabilização do solo de diversas áreas e a ocupação de encostas. Além disso, as chuvas carreiam terra de obras e de áreas desmatadas para a Lagoa, ocasionando redução de sua capacidade de armazenamento, processo agravado com o rompimento da barragem em Os lançamentos de esgotos nas suas águas e o grande acúmulo de lixo nas margens prejudicam a qualidade do corpo lacustre. A capacidade de acumulação de água passou de 18 milhões de m 3 para 8,6 milhões de m 3, atualmente. A profundidade varia de 0,7 a 14,0 m nas proximidades do vertedouro (ORGANIZAÇÃO AMBIENTAL TERRA VIVA E SOMOS PAMPULHA, 2011). A área atual da superfície da Lagoa é de 196,84 ha, cerca de um terço menor do que na época de sua reinauguração em 1958 (300 ha), (RESCK, 2007). A rede de drenagem é densa, com oito principais tributários diretos, destacando-se os córregos Ressaca e Água Funda, em Belo Horizonte, e o córrego Bom Jesus e Sarandi em Contagem, responsáveis por 92,8% da vazão afluente da Lagoa da Pampulha. Também são os grandes responsáveis pelo aporte de sólidos e matéria orgânica e podem ser considerados como os tributários de maior poluição. A estação de tratamento de águas fluviais dos córregos Ressaca e Sarandi (ETAF) tem capacidade de tratar parte das águas desses córregos (vazão média dia 733 L/s) (COPASA, 2013), o que diminui parte do aporte da carga orgânica que chega a Lagoa. Com relação ao enquadramento das águas, o Conselho Estadual de Política Ambiental COPAM publicou em 24 de junho de 1997 a Deliberação Normativa Nº 020/97, enquadrando as águas da bacia do rio das Velhas, com base em estudos técnicos realizados pela Fundação Estadual do Meio Ambiente - FEAM. A Lagoa da Pampulha e seus tributários foram enquadrados na Classe 2. Como parte do contexto urbano, destacam-se o Centro Industrial de Contagem CINCO, a Central de Abastecimento de Minas Gerais S.A. - CEASA MG, o conjunto arquitetônico Oscar Niemeyer (igreja de São Francisco, Museu de Arte da Pampulha e Casa do Baile), parte das instalações do campus da Universidade Federal de Minas Gerais UFMG, o complexo esportivo Governador Magalhães Pinto (Mineirão e Mineirinho), além de diversas 6

8 associações e clubes de lazer (Pampulha Iate Cube, Clube Belo Horizonte, Iate Tênis Clube, Cube dos Rodoviários, etc) e centros de treinamento esportivos (América Futebol Clube e Cruzeiro Esporte Clube) (CPRM, 2001). As atividades industriais, embora estejam distribuídas por toda a região, destacam-se na região de Contagem. Sobressaem-se os ramos industriais metalúrgico, têxtil, alimentício e químico. As águas superficiais da bacia da Lagoa Pampulha são utilizadas principalmente para o abastecimento doméstico e industrial. Outros usos destacados são o de hotelaria, dessedentação de animais e recreação de contato primário. O monitoramento da qualidade das águas da Lagoa da Pampulha teve início no ano de 2006, com proposta inicial de monitoramento de 34 estações de amostragem de águas superficiais. Atualmente a rede de amostragem conta com 38 estações. Esse monitoramento tem permitido avaliar o processo de contaminação e degradação de alguns corpos de água. 3 OBJETIVOS 3.1 Objetivo geral Avaliar a qualidade das águas da bacia da Lagoa da Pampulha no período de 2006 a Objetivos específicos Apresentar os resultados dos seguintes indicadores: Índice de Qualidade das Águas IQA, Contaminação por Tóxicos CT, Índice de Estrado Trófico IET e Densidade de Cianobactérias dos corpos de água monitorados no período, avaliar a sua evolução temporal e principais parâmetros que influenciaram nos cálculos desses indicadores; Analisar e discutir os parâmetros que apresentaram violações dos limites legais na bacia, indicando os constituintes mais críticos na bacia da Lagoa da Pampulha; Apontar os fatores de degradação ambiental que podem ser apontados como contribuintes dos resultados observados. 4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Os procedimentos metodológicos adotados norteiam-se pelos objetivos principais estabelecidos para os trabalhos de monitoramento da qualidade das águas, que são: Diagnóstico - conhecer e avaliar as condições de qualidade das águas; Divulgação - divulgar a situação de qualidade das águas para os usuários; Planejamento - fornecer subsídios para o planejamento da gestão dos recursos hídricos da bacia da Lagoa da Pampulha, verificar a efetividade das ações de controle ambiental implementadas e propor prioridades de atuação. 4.1 Rede de Monitoramento A rede de monitoramento da bacia da Pampulha está em operação desde o terceiro trimestre de A rede em operação foi adequada ao longo da execução dos trabalhos, 7

9 uma vez que vários pontos de monitoramento foram canalizados ou tiveram o acesso dificultado por motivos diversos. Com o intuito de ampliar a rede amostral inicialmente operada, a partir do quarto trimestre de 2012 foi iniciado o monitoramento em mais 11 estações de coleta, quais sejam: córregos Sarandi antes da confluência com o córrego João Gomes (PV037), Sarandi antes da confluência com o córrego Ressaca (PV110), Ressaca antes da confluência com o córrego Sarandi (PV115), Bom Jesus próximo a sua foz na Lagoa da Pampulha (PV167), Braúnas próximo a sua foz na Lagoa da Pampulha (PV175), AABB antes de sua foz na Lagoa da Pampulha (PV180), Olhos D Água próximo a sua foz na Lagoa da Pampulha (PV190), no córrego Mergulhão antes de sua foz na lagoa (PV210), Lagoa da Pampulha próximo a Ilha dos Amores (PV230), Lagoa da Pampulha em frente a Igreja São Francisco (PV235) e Próximo ao vertedouro (PV240). Atualmente a rede de coleta conta com 38 estações de amostragem para águas superficiais descritas na Tabela 4.1. No presente estudo serão apresentados os dados da série histórica de monitoramento de 31 estações de monitoramento, no período de 2006 a Os resultados preliminares das 3 estações de monitoramento localizadas dentro da Lagoa serão apresentados no capítulo 6 SITUAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DA LAGOA DA PAMPULHA. A distribuição espacial das estações de amostragem monitoradas na bacia da Lagoa da Pampulha é apresentada na Figura

10 Tabela 4.1: Descrição e coordenadas geográficas das estações de amostragem de águas superficiais na bacia da Lagoa da Pampulha. Estação Descrição Estabelecimento Latitude Longitude PV005 Nascente do córrego Sarandi no bairro CINCO 15/03/ ' 23,8'' -44 0,4' 00,4'' PV010 Córrego do bairro Bernardo Monteiro antes da confluência com o córrego Sarandi 02/02/ ' 46,1'' -44 4' 43,9'' PV020 Córrego sem nome antes da confluência com o córrego Sarandi no bairro CINCO 02/02/ ' 48'' -44 3' 33,9'' PV030 Córrego do aterro do Perobas antes da confluência com o córrego Sarandi 02/02/ ' 53,1'' -44 3' 15,0'' PV037* Córrego Sarandi antes da confluência com o córrego João Gomes. 15/05/ ' 17,9'' ' 15,4'' PV040 Córrego do bairro Oitis antes da confluência com o córrego João Gomes 03/02/ ' 15'' -44 3' 6,1'' PV045 Córrego da Avenida 2 a montante de sua foz no córrego João Gomes. 03/02/ ' 13,3'' -44 2' 4,4'' PV055 Córrego Tapera antes da confluência com o no córrego Cabral 02/02/ ' 34,2'' -44 3' 5,9'' PV060 Córrego Cabral a jusante da confluência com o córrego Tapera 03/02/ ' 50,4'' -44 2' 39,5'' PV065 Córrego Cabral antes da confluência com o córrego Sarandi 03/02/ ' 57,3'' -44 2' 23,5'' PV070 Córrego Sarandi a jusante do córrego Cabral no parque Linear Confisco 30/01/ ' 43,1'' -44 2' 7'' PV075 Córrego da Luzia antes da confluência com o córrego Sarandi 08/02/ ' 30,3'' -44 1' 9,6'' PV080 Córrego Gandi antes da confluência com o córrego Sarandi 06/02/ ' 25,7'' -44 0' 54,1'' PV085 Córrego Flor d'água da Vila São José, antes da confluência com o córrego Ressaca 08/02/ ' 26,2'' -44 0' 22,8'' PV090 Córrego Ressaca antes da entrada do córrego Flor d'água da Vila São José 08/02/ ' 25,3'' -44 0' 16,4'' PV105 Córrego da Avenida Tancredo Neves antes da confluência com o córrego Ressaca 08/02/ ' 10,8'' ' 53,7'' PV110* Córrego Sarandi antes da confluência com o córrego Ressaca 31/03/ ' 39,6'' ' 49,8'' PV115* Córrego Ressaca antes da confluência com o córrego Sarandi. 31/03/ ' 39,6'' ' 49,8'' PV125 Córrego Bom Jesus a montante do córrego Banguelo 30/01/ ' 33'' ' 66'' PV130 Córrego Banguelo no bairro das Amendoeiras, a montante da Lagoa da Pampulha 30/01/ ' 52,3'' -44 2' 21'' PV135 Córrego da Avenida A antes da confluência com o córrego Bom Jesus 30/01/ ' 2,9'' -44 1' 56,1'' PV140 Córrego Xangrilá antes de sua foz no córrego da Avenida Nacional 31/01/ ' 16,7'' -44 1' 36,4'' PV145 Córrego da Avenida Nacional antes da confluência com o córrego Bom Jesus 31/01/ ' 44,8'' -44 1' 17,2'' PV150 Córrego Munizes a montante de sua foz no córrego Caju do Parque São Mateus 30/01/ ' 39,3'' -44 2' 14,2'' PV155 Córrego Munizes a montante de sua confluência com o córrego Bom Jesus 31/01/ ' 21,8'' -44 1' 25,2'' PV160 Córrego Bom Jesus antes de sua confluência com o córrego Água Funda 31/01/ ' 14,5'' -44 0' 47,8'' PV165 Córrego Bom Jesus após sua confluência com o córrego Água Funda 31/01/ , ,9 PV167* Córrego Bom Jesus próximo a sua foz na Lagoa da Pampulha 24/05/ ' 15,45'' ' 19,86'' PV175* Córrego Braúnas em sua foz na Lagoa da Pampulha. 17/05/ ' 02,9'' ' 18,3'' PV180* Córrego AABB antes de sua foz na Lagoa da Pampulha. 17/05/ ' 26,7'' ' 04,3'' PV185 Córrego Olhos d'água na entrada da galeria de concreto 15/03/ ' 44,3'' -44 0' 16,4'' PV190* Córrego Olhos D'Água em sua foz na Lagoa da Pampulha. 17/05/ ' 15,2'' ' 40,2'' PV200 Córrego Mergulhão próximo a sua nascente 08/02/ ' 25,3'' ' 58,5'' PV205 Córrego Mergulhão na área da BHTec, a montante da UFMG 08/02/ ' 04,8'' ' 35,8'' PV210* Córrego Mergulhão antes de sua foz na lagoa. 17/05/ ' 47,9'' ' 34,1'' PV220 Ribeirão Pampulha a jusante da barragem 15/03/ ' 39'' ' 44'' PV230* Lagoa da Pampulha próximo a ilha dos Amores 22/10/ ' 45,08'' ' 29,13'' PV235* Lagoa da Pampulha em frente à Igreja São Francisco 22/10/ ' 21,25'' ' 43,35'' PV240* Lagoa da Pampulha próximo ao vertedouro 22/10/ ' 44,97'' ' 07,32'' * Estações implantadas no quarto trimestre de

11 Figura 4.1: Distribuição dos pontos de amostragem na bacia da Lagoa da Pampulha. 10

12 4.2 Coletas e Análises Laboratoriais As amostragens e análises laboratoriais são realizadas pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI / Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais CETEC. Na bacia da Lagoa da Pampulha as campanhas de amostragem são trimestrais, com um total anual de 4 campanhas por estação de monitoramento. Nas campanhas completas, realizadas em março e em setembro, caracterizando respectivamente os períodos de chuva e estiagem, são analisados 45 parâmetros comuns ao conjunto de pontos de amostragem. Nas campanhas intermediárias, realizadas nos meses junho e dezembro, caracterizando os demais períodos climáticos do ano, são analisados 26 parâmetros. Em alguns pontos de monitoramento é analisado ainda o parâmetro densidade de cianobactérias. No Quadro 1 são apresentados os parâmetros de qualidade de água analisados na bacia da Lagoa da Pampulha. QUADRO 1 - Variáveis analisadas nas águas da bacia da Lagoa da Pampulha. Clorofila "a"* Fenóis totais* Sulfato total Coliformes totais e termotolerantes * Fósforo total* Sulfeto Densidade de cianobactérias** Magnésio total Temperatura da água/ar* Feofitina* Nitrato* Turbidez* Fitoplâncton (quali/quanti)** Nitrito** Arsênio total Alcalinidade (total, bicarbonato) Nitrogênio amoniacal* Cádmio total Cálcio total Nitrogênio orgânico* Chumbo total* Cianeto livre* Óleos e graxas* Cobre dissolvido* Cloreto total* Oxigênio dissolvido* Cromo total* Condutividade elétrica* ph* Estanho total Cor verdadeira Sólidos dissolvidos totais* Estrôncio DBO* Sólidos Sedimentáveis Ferro dissolvido* DQO* Sólidos suspensos totais* Manganês total* Durezas (total, Ca, Mg) Sólidos totais* Mercúrio total Substâncias tensoativas Níquel total Zinco total* * Parâmetros comuns a todos os pontos nas campanhas intermediárias. ** Parâmetros analisados em apenas alguns pontos específicos. 4.3 Técnicas amostrais Nas coletas foram adotadas as técnicas de amostragem e preservação especificadas na NBR 9898, da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT, ou as Normas do Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater APHA-AWWA- WPCF, última edição. As amostras foram do tipo simples e de superfície. As análises laboratoriais atenderam às normas aprovadas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial ou, na sua ausência, aos métodos indicados no Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater APHA- AWWA-WPCF, última edição. Os limites de detecção dos métodos de análise deverão, na medida das possibilidades técnicas, ser pelo menos 10 (dez) vezes inferiores aos padrões definidos para a classe 1 de enquadramento da Deliberação Normativa COPAM/CERH n 01/08. 11

13 4.4 Metodologia dos tratamentos dos dados Para avaliar a situação da qualidade dos recursos hídricos na bacia da Lagoa dapampulha, o Projeto Águas de Minas utiliza, além dos parâmetros monitorados, os indicadores: Índice de Qualidade das Águas IQA, Contaminação por Tóxicos CT, Índice de Estado Trófico- IET e Densidade de Cianobactérias, sendo que o último é realizado apenas alguns pontos específicos. Para a caracterização da qualidade das águas, os resultados analíticos referentes às águas superficiais foram confrontados com os limites de Classe definidos na Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH nº01/2008. Os dados da série histórica de monitoramento para este estudo, que compreendeu o período de 2006 a 2012, foram apresentados em gráficos box-plot, que permitem observar a tendência central e a variabilidade dos dados amostrais. Nesses gráficos foram incluídos a mediana (percentil 50%), os quartis inferior (percentil 25%) e superior (percentil 75%) e alguma outra medida da dispersão dos dados, como os valores mínimos e máximos. Optou-se por não considerar os resultados das estações implantadas no ano de 2012, devido ao pequeno número de dados. Exceção apenas para as estações localizadas de dentro da Lagoa em que foram avaliados os resultados obtidos no 4º trimestre de 2012 e discutidos no capítulo 6. Inseriram-se neste tipo de gráfico os limites estabelecidos pela Deliberação Normativa COPAM/CERH nº 01/08 como forma de identificar as estações que apresentaram resultados em desconformidade. Em relação aos corpos de água avaliados no presente estudo, todos os pontos amostrados pertencem bacia do rio das Velhas, sub-bacia do ribeirão Pampulha, enquadrada como Classe 2 conforme Deliberação Normativa do Conselho Estadual de Política Ambiental (COPAM) nº 20, datada de 24 de junho de Indicadores de Qualidade das Águas Índice de Qualidade das Águas IQA O IQA foi desenvolvido pela National Sanitation Foundation dos Estados Unidos, através de pesquisa de opinião junto a vários especialistas da área ambiental, quando cada técnico selecionou, a seu critério, os parâmetros relevantes para avaliar a qualidade das águas e estipulou, para cada um deles, um peso relativo na série de parâmetros especificados. O tratamento dos dados da mencionada pesquisa definiu um conjunto de nove parâmetros considerados mais representativos para a caracterização da qualidade das águas: oxigênio dissolvido, coliformes termotolerantes, ph, demanda bioquímica de oxigênio, nitrato, fosfato total, variação da temperatura da água, turbidez e sólidos totais. A cada parâmetro foi atribuído um peso, conforme apresentado na Tabela 4.2, de acordo com a sua importância relativa no cálculo do IQA, e traçadas curvas médias de variação da qualidade das águas em função da concentração do mesmo. 12

14 Tabela 4.2: Pesos atribuídos aos parâmetros para o cálculo do IQA Parâmetro Peso w i Oxigênio dissolvido OD (%ODSat) 0,17 Coliformes termotolerantes (NMP/100mL) 0,15 ph 0,12 Demanda bioquímica de oxigênio DBO (mg/l) 0,10 Nitratos (mg/l NO - 3 ) 0,10 Fosfato total (mg/l PO -2 4 ) 0,10 Variação da temperatura ( C) 0,10 Turbidez (UNT) 0,08 Resíduos totais (mg/l) 0,08 Para o cálculo do IQA adota-se o IQA multiplicativo, que é calculado pela seguinte equação: IQA = Onde: 9 i= 1 q wi i IQA = Índice de Qualidade de Água, variando de 0 a 100; q i = qualidade do parâmetro i obtido através da curva média específica de qualidade; w i = peso atribuído ao parâmetro, em função de sua importância na qualidade, entre 0 e 1. No Projeto Águas de Minas, os resultados laboratoriais gerados, alguns deles utilizados no cálculo do IQA, são armazenados em um banco de dados em Access, que também efetua comparações entre os valores obtidos. Na ausência de resultado do parâmetro oxigênio dissolvido e/ou coliformes termotolerantes, o IQA não é calculado. Em relação à ausência dos demais parâmetros, redefine os pesos correspondentes, de modo a ser obtido um resultado final compatível, ou seja, o peso é repartido igualmente entre os demais parâmetros. Ressalta-se que no âmbito do Projeto Águas de Minas, para o cálculo do IQA considera-se o qs da variação de temperatura constante e igual a 92. Os valores do índice variam entre 0 e 100, conforme a Tabela 4.3. Tabela 4.3: Classificação do Índice de Qualidade das Águas IQA Nível de Qualidade Faixa Excelente 90 < IQA < 100 Bom 70 < IQA < 90 Médio 50 < IQA < 70 Ruim 25 < IQA < 50 Muito Ruim 0 < IQA < 25 Assim definido, o IQA reflete a interferência por esgotos domésticos e outros materiais orgânicos, nutrientes e sólidos. 13

15 Contaminação por Tóxicos CT Em função das concentrações observadas dos parâmetros tóxicos: arsênio total, bário total, cádmio total, chumbo total, cianeto livre e cianeto total, cobre dissolvido, cromo total, fenóis totais, mercúrio total, nitrito, nitrato, nitrogênio amoniacal total e zinco total, a Contaminação por Tóxicos é caracterizada como Baixa, Média ou Alta. Comparamse os valores analisados com os limites definidos nas classes de enquadramento dos corpos de água na Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH nº 01/2008. A denominação Baixa refere-se à ocorrência de substâncias tóxicas em concentrações que excedam em até 20% o limite de classe de enquadramento do trecho do corpo de água onde se localiza a estação de amostragem. A contaminação Média refere-se à faixa de concentração que ultrapasse os limites mencionados no intervalo de 20% a 100%, enquanto a contaminação Alta refere-se às concentrações que excedam em mais de 100% os limites, como mostrado na Tabela 5.3. A pior situação identificada no conjunto total de resultados das campanhas de amostragem, para qualquer parâmetro tóxico, define a faixa de contaminação do período em consideração. Portanto, se apenas um dos parâmetros tóxicos em uma dada estação de amostragem mostrar-se com valor acima de 100%, isto é, o dobro da sua concentração limite apontada na Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH nº 01/2008, em pelo menos uma das campanhas do ano, a Contaminação por Tóxicos naquela estação de amostragem será considerada Alta no ano em análise. Tabela 4.4: Classificação da Contaminação por Tóxico CT Contaminação Concentração em relação à classe de enquadramento Baixa concentração < 1,2.P Média 1,2. P < concentração < 2.P Alta concentração > 2.P P = Limite de Classe definido na Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH nº 01/2008 Índice de Estado Trófico IET A eutrofização é o aumento da concentração de nutrientes, especialmente fósforo e nitrogênio, nos ecossistemas aquáticos, que tem como consequência o aumento de suas produtividades. Como decorrência deste processo, o ecossistema aquático passa da condição de oligotrófico e mesotrófico para eutrófico ou mesmo hipereutrófico (Esteves, 1998). O Índice de Estado Trófico (IET) tem por finalidade classificar corpos de água em diferentes graus de trofia, ou seja, avaliar a qualidade da água quanto ao enriquecimento por nutrientes e seu efeito relacionado ao crescimento excessivo do fitoplâncton. Os resultados correspondentes ao fósforo, IET(P), devem ser entendidos como uma medida do potencial de eutrofização, já que este nutriente atua como o agente causador do processo. A parte correspondente à clorofila-a, IET(CL), por sua vez, deve ser considerada como uma medida da resposta do corpo hídrico ao agente causador, indicando de forma adequada o nível de crescimento do fitoplâncton devido ao enriquecimento de nutrientes (CETESB, 2008). Segundo Lamparelli (2004), inicialmente foi utilizado no Brasil o IET de Carlson (1977) modificado por Toledo et al. (1983 e 1984). Entretanto, esse índice não se mostrou eficiente para a classificação de ambientes lóticos, sendo necessária uma nova adaptação. Através de correlações estatísticas entre as variáveis selecionadas, chegou-se a diferentes equações para se avaliar os resultados do fósforo total e da clorofila-a nos ambientes lênticos e lóticos. 14

16 O crescente aumento dos níveis de clorofila-a e nutrientes, especialmente de fósforo total, nos corpos de água monitorados no Estado tem alertado para o desenvolvimento de estudos que contribuam para um melhor entendimento da relação causa-efeito entre os processos produtivos e seu impacto ambiental em ecossistemas aquáticos. Portanto, a partir do ano de 2008, o Projeto Águas de Minas passou a utilizar o IET de Carlson (1977) modificado por Toledo et al. (1983 e 1984) e Lamparelli (2004) para aprimorar a avaliação da qualidade das águas. Segundo a CETESB (2008), para o cálculo do Índice do Estado Trófico, foram aplicadas apenas a clorofila-a e o fósforo total, uma vez que os valores de transparência muitas vezes não são representativos do estado de trofia, pois esta pode ser afetada pela elevada turbidez decorrente de material mineral em suspensão e não apenas pela densidade de organismos planctônicos, além de muitas vezes não se dispor desses dados. Desse modo, a transparência foi desconsiderada no cálculo do IET adotado pelo Projeto Águas de Minas, assim como na CETESB. As equações para o cálculo do IET(P) e IET(CL) em ambientes lóticos são apresentadas a seguir: IET(CL) = 10 { 6 [ ( 0,7 0,6 (ln(cl)) / ln 2 ] } 20, IET(P) = 10 { 6 [ (0,42 0,36 (ln(p)) / ln 2 ] } 20, onde, P = concentração de fósforo total medida à superfície da água, em µg/l, CL = concentração de clorofila-a medida à superfície da água, em µg/l e ln = logaritmo natural. As equações para ambientes lênticos são apresentadas abaixo: IET(CL) = 10 { 6 [ (0,92 0,34 (ln(cl)) / ln 2 ] } IET(P) = 10 { 6 [ (1,77 0,42 (ln(p)) / ln 2 ] } onde, P = concentração de fósforo total medida à superfície da água, em µg/l, CL = concentração de clorofila-a medida à superfície da água, em µg/l e ln = logaritmo natural. Os resultados apresentados de IET serão a média aritmética simples dos índices relativos ao fósforo total e à clorofila-a, segundo a equação: IET = [IET ( P ) + IET ( CL)] / 2, Como o processo de eutrofização envolve dois momentos distintos, causa e conseqüência, foi adotado no Projeto Águas de Minas a utilização do índice apenas quando os dois valores de IET, fósforo e clorofila-a, estiverem presentes. Para a classificação deste índice serão adotados os seguintes estados de trofia: ultraoligotrófico, oligotrófico, mesotrófico, eutrófico, supereutrófico e hipereutrófico (Lamparelli, 2004), cujos limites e características estão descritos nas Tabelas a seguir: 15

17 Tabela 4.5: Classificação do Estado Trófico Rios Categoria Estado Trófico Ponderação P-Total - P(µg/L) Clorofila-a (µg/l) Ultraoligotrófico IET < 47 P < 13 CL < 0,74 Oligotrófico 47 < IET < < P < 35 0,74 < CL < 1,31 Mesotrófico 52 < IET < < P < 137 1,31 < CL < 2,96 Eutrófico 59 < IET < < P < 296 2,96 < CL < 4,70 Supereutrófico 63 < IET < < P < 640 4,70 < CL < 7,46 Hipereutrófico IET > 67 P > 640 CL > 7,46 Tabela 4.6: Classificação do Estado Trófico Reservatórios Categoria Estado Trófico Ponderação P-Total - P(µg/L) Clorofila-a (µg/l) Ultraoligotrófico IET < 47 P < 8 CL < 1,17 Oligotrófico 47 < IET < 52 8 < P < 19 1,17 < CL < 3,24 Mesotrófico 52 < IET < < P < 52 3,24 < CL < 11,03 Eutrófico 59 < IET < < P < ,03 < CL < Supereutrófico 63 < IET < < P < ,55 < CL < 69,05 Hipereutrófico IET > 67 P > 233 CL > 69,05 Densidade de Cianobactérias As cianobactérias são microorganismos presentes em ambientes aquáticos e algumas espécies são capazes de produzir toxinas que podem ser prejudiciais à saúde humana e animal. Frente à sua importância para a qualidade de água e saúde pública e ao objetivo de manter a consonância entre os parâmetros monitorados e a legislação vigente, a avaliação da densidade de cianobactérias foi incluída no monitoramento da qualidade das águas do estado de Minas Gerais a partir de janeiro de Para tanto, foi definida uma rede de monitoramento que priorizasse locais em que predominam condições potencialmente propícias ao desenvolvimento de florações de cianobactérias. A análise de densidade de cianobactérias foi iniciada na bacia da Lagoa da Pampulha no quarto trimestre de 2011 em 2 estações de monitoramento, quais sejam: córrego da Avenida Tancredo Neves antes da confluência com o córrego Ressaca (PV105) e ribeirão Pampulha a jusante da barragem (PV220). A partir da quarta campanha de 2012 foi implementado o monitoramento de cianobactérias em mais três estações, localizadas dentro da Lagoa, quais sejam: próximo à Ilha dos Amores (PV230), em frente à Igreja São Francisco (PV235) e próximo ao vertedouro (PV240). Os resultados das análises laboratoriais são comparados aos limites estabelecidos na Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH nº 01/08 para cada classe de uso da água: cel/ml para corpos de água de classe 1, cel/ml para os de classe 2 e cel/ml para classe 3. No caso de uso para recreação de contato primário o valor máximo é de cel/ml. 16

18 5 RESULTADOS E DISCUSSÃO 5.1 Índice de Qualidade de Água - IQA Na Figura 5.1 observa-se a evolução temporal da frequência de ocorrência do IQA nas estações monitoradas na bacia da Lagoa da Pampulha, no período de 2006 a Pode-se verificar o predomínio de águas com qualidade Ruim ou Muito Ruim ao longo do período de monitoramento. De modo geral não se observa variações expressivas ao longo dos anos. Em 2012 as ocorrências de águas com qualidade Ruim ou Muito Ruim foram registradas em 73% dos resultados, apresentando uma melhoria em relação a 2011, quando essas condições foram observadas em 79% dos resultados. Ao contrário dos anos anteriores, em 2012, não foram registradas águas com IQA Bom. Em 2011 essa faixa de IQA esteve presente em 3% dos resultados. Destaca-se que o IQA Excelente não foi observado em nenhuma estação durante o período avaliado. Figura 5.1: Evolução temporal do Índice de Qualidade das Águas IQA na bacia da Lagoa da Pampulha no período de 2006 a % 44% 38% 27% 28% 42% 46% 36% 32% 36% 44% 44% 37% 33% 37% 0% 21% 22% 28% 25% 19% 18% 26% 4% 4% 1% 4% 2% 3% IQA - MUITO RUIM IQA - RUIM IQA - MÉDIO IQA - BOM IQA - EXCELENTE Na Figura 5.2 é apresentado o gráfico box-plot das ocorrências de IQA durante o período analisado, considerando individualmente as estações de monitoramento. Verifica-se que 43% das medianas se apresentaram na faixa de IQA Muito Ruim. As melhores condições de qualidade foram observadas nas estações de amostragem localizadas na nascente do córrego Sarandi (PV005), nos córregos Tapera antes da confluência com o córrego do Cabral (PV055) e Olhos d Água na entrada da galeria de concreto (PV185) e no ribeirão Pampulha a jusante da barragem (PV220), uma vez que essas estações apresentaram mais de 75% dos resultados de IQA no nível Médio. Ressalta-se que a estação de monitoramento localizada no ribeirão Pampulha reflete a capacidade que o corpo da Lagoa possui em depurar parte da carga orgânica que chegam aos corpos de água de seus formadores. É importante salientar que ainda existem trechos que recebem pouca carga de esgotos domésticos e industriais em áreas de fazendas e próximos às nascentes. As piores condições de IQA foram verificadas nos córregos do bairro Bernardo Monteiro (PV010), da Avenida 2 (PV045), do Cabral a montante de sua foz no córrego Sarandi (PV065), Sarandi a jusante do córrego do Cabral (PV070), da Luzia a montante de sua foz no córrego Sarandi (PV075), Ressaca a montante da entrada do 17

19 córrego Flor d Água (PV090) e no córrego Munizes a montante de sua confluência com o córrego Bom Jesus (PV155), uma vez que esses córregos apresentaram pelo menos 75% dos resultados na faixa de IQA Muito Ruim. A estação de monitoramento localizada no córrego da Luzia a montante de sua foz no córrego Sarandi (PV075) apresentou o menor valor de mediana (15,6). Esses resultados refletem as condições de qualidade dos corpos de água que recebem os lançamentos de esgotos domésticos sem tratamento e efluentes industriais dos municípios de Contagem e Belo Horizonte. A estação de amostragem localizada no córrego Gandi (PV080) apresentou a maior variabilidade dos dados, variando de IQA Ruim a Médio, com valor de 1º quartil igual a 19,7 e de 3º quartil igual a 54,9. Figura 5.2 Box-plot dos valores de IQA nos corpos de água monitorados na bacia da Lagoa da Pampulha no período 2006 a IQA IQA Muito Ruim IQA Ruim IQA Médio IQA Bom IQA Excelente Na Figura 5.3 é apresentado o percentual dos parâmetros que mais influenciaram nos resultados de IQA Ruim e/ou Muito Ruim por estação de monitoramento na bacia da Lagoa da Pampulha no período de 2006 a Observa-se que na maioria das estações os parâmetros coliformes termotolerantes, oxigênio dissolvido, demanda bioquímica de oxigênio e fósforo total foram os que mais contribuíram para a diminuição dos valores de IQA. 18

20 Figura 5.3 Percentual dos parâmetros que mais influenciaram nos resultados de IQA Ruim e/ou Muito Ruim por estação de monitoramento na bacia da Lagoa da Pampulha no período de 2006 a % 80% 60% 40% 20% 0% 20% 20% 20% 20% 20% 29% 29% 29% 14% 33% 33% 33% 6% 7% 6% 6% 19% 21% 24% 19% 6% 25% 21% 24% 25% 25% 29% 24% 25% 25% 21% 18% 25% 12% 24% 24% 24% 18% 50% 50% 21% 7% 14% 29% 29% 19% 6% 25% 25% 25% 18% 36% 18% 27% OD Coliformes Termotolerantes DBO Nitrato Fósforo Turbidez 100% 80% 50% 50% 17% 8% 8% 11% 22% 12% 18% 40% 9% 8% 18% 23% 9% 18% 50% 22% 50% 11% 50% 60% 25% 22% 24% 20% 27% 23% 27% 11% 40% 20% 0% 50% 50% 33% 8% 22% 22% 24% 24% 40% 27% 18% 31% 15% 27% 18% 50% 50% 44% 11% 50% OD Coliformes Termotolerantes DBO Nitrato Fósforo Turbidez No Anexo A é apresentado o mapa com a distribuição espacial das estações de amostragem monitoradas na bacia da Lagoa da Pampulha e os resultados da média anual de 2012 para Índice de Qualidade das Águas IQA para cada uma das estações. 5.2 Parâmetros que influenciaram nos resultados de IQA Ruim e/ou Muito Ruim na bacia da Lagoa da Pampulha A seguir serão discutidos os parâmetros que mais influenciaram nos resultados de IQA Ruim e/ou Muito Ruim observados na bacia da Lagoa da Pampulha para cada um dos pontos de monitoramento, sendo esses: coliformes termotolerantes, oxigênio dissolvido, demanda bioquímica de oxigênio e fósforo total, além do parâmetro demanda química de oxigênio, apesar deste não entrar no cálculo do IQA é importante na avaliação da matéria orgânica de difícil degradação. Todos os parâmetros foram avaliados quanto às suas concentrações e ao seu atendimento aos padrões previstos na legislação estadual, a Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH nº01/

21 COLIFORMES TERMOTOLERANTES Na Figura 5.4 encontra-se o gráfico box-plot dos resultados de coliformes termotolerantes para todas as estações de monitoramento no período de 2006 a As bactérias do grupo coliformes são uns dos principais indicadores de contaminações fecais originadas do trato intestinal do homem e de outros animais. Os resultados encontrados para esse parâmetro indicaram que as águas, na grande maioria das estações avaliadas, apresentam condições sanitárias ruins, uma vez que as medianas das contagens de coliformes termotolerantes foram superiores ao limite preconizado na legislação para rios de classe 2 (1.000 NMP/100 ml) em 96% das estações monitoradas. Esses resultados refletem o grande impacto dos lançamentos de esgotos domésticos sem tratamento nos tributários da bacia da Pampulha, tanto dos bairros do município de Belo Horizonte quanto de Contagem que drenam para essa bacia. Somente na estação de amostragem localizada no córrego do aterro Perobas antes da confluência com o córrego Sarandi (PV030) apresentou valor de mediana abaixo do limite estabelecido na legislação, com um valor de mediana de 600 NMP/100mL. Essa estação de amostragem drena a área do aterro Perobas. Figura Box-plot dos valores de coliformes termotolerantes (em escala logarítmica) nos corpos de água monitorados na bacia da Lagoa da Pampulha no período 2006 a ,0E+06 Box-Plot - Coliformes Termotolerantes Log (NMP/100 ml) 1,0E+05 1,0E+04 1,0E+03 1,0E+02 1,0E+01 1,0E+00 Limite DN 01/08 FÓSFORO TOTAL Os resultados para o parâmetro fósforo total são apresentados na Figura 5.5. O fósforo aparece nos cursos de água devido, principalmente, à descarga de esgoto sanitário. Observa-se que 68% das estações de amostragem apresentaram valores de mediana acima do valor limite estabelecido na legislação que é de 0,1 mg/l. Esses resultados refletem o grande impacto dos lançamentos de esgoto doméstico sem tratamento nos tributários da bacia da Pampulha, provenientes dos municípios de Belo Horizonte e Contagem. O aporte de fósforo total para a Lagoa da Pampulha é um fator preocupante, uma vez que esse fato contribui com melhores condições para o crescimento da comunidade algal, responsável pelo processo de eutrofização das águas. As estações de monitoramento localizadas nos córregos do bairro Bernardo Monteiro (PV010), da Avenida 2 (PV0045), Ressaca antes da entrada do córrego Flor d'água da Vila São José (PV 090), Flor d'água da Vila São José, antes da confluência com o córrego Ressaca (PV085) e no córrego da Luzia antes da confluência com o córrego 20

22 Sarandi (PV075), apresentaram os maiores valores de mediana, com concentrações acima de 1mg/L, o que representa valores 10 vezes superiores ao limite legal. Figura 5.5 Box-plot dos valores de fósforo total nos corpos de água monitorados na bacia da Lagoa da Pampulha no período de 2006 a ,0 Box-Plot - Fósforo Total 3,2 Fósforo (mg/l P) 2,4 1,6 0,8 0,0 Limite DN 01/08 Demanda Bioquímica de Oxigênio Na Figura 5.6 é apresentado o gráfico box-plot para os resultados do parâmetro demanda bioquímica de oxigênio (DBO) do período de 2006 a A DBO é a medida indireta da matéria orgânica na água através do cálculo do consumo de oxigênio por microorganismos, e tem sua presença limitada em até 5,0 mg/l em águas de classe 2. Os resultados de DBO indicaram que 54% dos corpos de água monitorados apresentam valores de mediana acima do limite legal, demonstrando a elevada quantidade de matéria orgânica presente na maioria dos trechos estudados. Destaque para as estações localizadas no córrego do bairro Bernardo Monteiro antes da confluência com o córrego Sarandi (PV010), no córrego da Avenida 2 antes da confluência com o córrego Sarandi (PV045) e córrego da Luzia antes da confluência com o córrego Sarandi (PV075), as quais obtiveram as maiores medianas com valores de 232 mg/l O 2, 121 mg/l O 2 e 142 mg/l O 2, respectivamente. Esses resultados corroboram a elevada carga orgânica que chegam aos corpos de água da bacia da Lagoa da Pampulha proveniente dos lançamentos de esgotos domésticos e efluentes industriais, particularmente de indústrias que apresentam elevada carga orgânica nos efluentes como alimentícia, têxteis e de papel. Destaca-se a estação de amostragem localizada no córrego do bairro Bernardo Monteiro, que apresentou valor máximo registrado de 921 mg/l O 2, estando esse resultado relacionado ao recebimento de efluentes de indústrias têxteis presentes da região. A melhor condição foi verificada na estação de amostragem localizada no córrego Bom Jesus a montante do córrego Banguelo (PV125), uma vez que todos os resultados da série histórica do monitoramento estiveram abaixo do limite estabelecido na legislação. Esse ponto se localiza em uma área que ainda predominam pastagens e cerrado degradado. 21

23 Figura 5.6 Box-plot dos valores de DBO nos corpos de água monitorados na bacia da Lagoa da Pampulha no período de 2006 a ,0E+03 Box-Plot - DBO LOG DBO (mg/l O 2 ) 1,0E+02 1,0E+01 1,0E+00 Limite DN 01/08 Demanda Química de Oxigênio Na Figura 5.7 é apresentado o gráfico box-plot dos resultados de demanda química de oxigênio (DQO) no período de monitoramento. A DQO representa a matéria orgânica quimicamente oxidável e não é limitada em águas de classe 2 pela legislação ambiental. Apesar de não haver limite na DN conjunta COPAM/CERH para este parâmetro e o mesmo não entrar no cálculo do IQA, a avaliação da relação DQO/DBO é importante para caracterizar o tipo de efluente gerado e assim direcionar o melhor tipo de tratamento. Quando a relação DQO/DBO se enquadra na faixa entre 1,7 a 2,4 o tratamento biológico possibilita a redução da matéria orgânica presente nos corpos de água, e a maior parte do aporte é proveniente de esgotos domésticos. Entretanto, quando a relação ultrapassa 2,4, grande parte do aporte de matéria orgânica é proveniente de efluentes industriais e para a redução da matéria orgânica nos corpos de água o tratamento físico-químico é recomendado. Desta forma, avaliou-se a relação DBO/DQO na série histórica de monitoramento para as estações de amostragem que apresentaram resultados de DBO acima do limite legal. Na Figura 5.8 são mostradas as medianas dos resultados da relação DQO/DBO. Observa que 62% dos resultados apresentaram como mediana valores acima de 2,4, indicando que a fração não biodegradável é alta. Sendo assim, apenas o tratamento biológico dos esgotos não é suficiente para a redução dos níveis de matéria orgânica presentes na maioria dos corpos de água da bacia da Lagoa da Pampulha. 22

24 Figura 5.7 Box-plot dos valores de DQO nos corpos de água monitorados na bacia da Lagoa da Pampulha no período de 2006 a ,0E+04 Box-Plot - DQO LOG DQO (mg/l O 2 ) 1,0E+03 1,0E+02 1,0E+01 1,0E+00 Figura 5.8 Relação DQO/DBO valores de DQO nos corpos de água monitorados na bacia da Lagoa da Pampulha no período de 2006 a Mediana da Razão DQO/DBO 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 PV005 PV010 PV020 PV030 PV040 PV045 PV050 PV060 PV065 PV070 PV075 PV080 PV085 PV090 PV105 PV130 PV135 PV140 PV145 PV150 PV155 PV160 PV165 PV200 PV205 PV220 Mediana DQO/DBO Oxigênio Dissolvido (OD) Os elevados valores de DBO acabaram comprometendo os níveis de oxigênio dissolvido nos corpos de água da bacia da Lagoa da Pampulha, como pode ser verificado na Figura 5.9. Os resultados de concentração de oxigênio dissolvido indicaram que, de maneira geral, os trechos estudados apresentam baixos níveis de oxigenação, uma vez que 79% das estações de monitoramento apresentaram valores de mediana em desconformidade com o limite estabelecido na legislação de, no mínimo, 5 mg/l de O 2. Os piores resultados para esse parâmetro foram encontrados nas estações localizadas nos córregos do bairro Bernardo Monteiro (PV010), Sem Nome (PV020), do aterro do Perobas antes da confluência com o córrego Sarandi (PV030), da Avenida 2 antes da confluência com o córrego Sarandi (PV045) e no córrego da Luzia antes da confluência com o córrego Sarandi (PV075). Nessas estações de amostragem todos os resultados de OD estiveram abaixo do limite estabelecido na legislação. Esses resultados indicam o elevado consumo de oxigênio dissolvido resultante da decomposição da matéria orgânica advinda de despejos domésticos e industriais provenientes dos municípios de Belo Horizonte e Contagem nesses corpos de água. 23

25 Figura Box-plot dos valores de OD nos corpos de água monitorados na bacia da Lagoa da Pampulha no período de 2006 a Box-Plot - OD Máx. 15 mg/l 8 6 (mg/l) Limite DN 01/ Contaminação por Tóxicos CT Na Figura 5.10 é apresentada a evolução da freqüência de ocorrência da Contaminação por Tóxicos CT na bacia da Lagoa da Pampulha. Observa-se que a prevalência de ocorrências de CT Baixa e Alta vem se alternando no período monitorado, sendo que em 2012 foi observado o maior percentual (51%) de ocorrência de CT Alta dos 7 anos de monitoramento. Figura 5.10 Evolução da freqüência de ocorrência da Contaminação por Tóxicos CT na bacia da Lagoa da Pampulha de 2006 a % 45% 49% 44% 42% 49% 48% 30% 47% 41% 43% 49% 43% 44% 51% 8% 10% 13% 10% 8% 8% 19% 0% Alta Média Baixa Os parâmetros que foram responsáveis pelas ocorrências de CT Média e/ou Alta na bacia da Pampulha no período de 2006 a 2012 são apresentados na Figura Observa-se que em 2012 os parâmetros responsáveis pelas ocorrências de CT foram: nitrogênio amoniacal total (55%), cianeto (22%), fenóis totais (9%), zinco total (8%), chumbo total (4%) e cobre dissolvido (2%). De maneira geral o nitrogênio amoniacal predomina ao longo da série histórica de monitoramento como o parâmetro que apresenta as maiores porcentagens de ocorrências de CT, seguido de chumbo e zinco. Destaca-se que os parâmetros cianeto livre e fenóis totais passaram a ser 24

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DE MINAS GERAIS EM RESUMO EXECUTIVO

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DE MINAS GERAIS EM RESUMO EXECUTIVO RESUMO EXECUTIVO QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DE MINAS GERAIS EM Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instituto Mineiro de Gestão das Águas Governo do Estado de Minas Gerais Sistema

Leia mais

Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil

Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil 1 Majane Marques Dias Lessa 2 Ana Alexandrina Gama da Silva RESUMO: Este estudo apresenta os resultados obtidos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO Maristela Silva Martinez (1) Bacharel em Química(USP), Mestre e Doutora em Físico-Química (IQSC- USP).

Leia mais

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-030 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO BAURU DETERMINAÇÃO DO IQA Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Especialista em Gestão Ambiental e em Controle da Poluição Ambiental; Mestre em Engenharia

Leia mais

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA V023 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA Ivo Luís Ferreira Macina (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do

Leia mais

SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA

SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA Magda Maria Marinho Almeida Química Industrial Universidade Federal do Ceará, Mestre em Tecnologia de Alimentos - UFC Fernando José Araújo

Leia mais

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA.

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. Vera Nobre Braz (1) Química Industrial. Mestre em Geoquímica pelo Centro de Geociências da UFPA. Coordenadora do Curso de Ciências Ambientais

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ Pietra Quelissa ROBE, Estudante de Controle Ambiental do IFC- Campus Camboriú Yasmin Nunes DA SILVA, Estudante

Leia mais

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Castellón, 23-24 de julio de 28. IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Resumo Nóbrega, C.C.; Souza, I.M.F.; Athayde Júnior, G.B.; Gadelha, C.L.M. Departamento de Engenharia

Leia mais

IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA

IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL.

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. Liliana Pena Naval* Doutorada pela Universidad Complutense

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CASCARDI SANEAMENTO BÁSICO LTDA S BIOLÓGICOS NORMA E /OU PROCEDIMENTO CONSUMO HUMANO, ÁGUA TRATADA E Contagem Padrão de

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-003- ANÁLISE TEMPORAL DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES DO AEROPORTO INTERNACIONAL

Leia mais

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO)

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) Sandra Parreiras Pereira Fonseca (1) Doutora em Recursos Hídricos e Ambientais e Mestre

Leia mais

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO Caracterização Histórica e Operacional da Estação de Tratamento de Esgotos Manoel Ferreira Leão Neto do Departamento Autônomo de Águas e Esgotos (DAAE) Araraquara-SP HISTÓRICO Simone Cristina de Oliveira

Leia mais

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA Rainier Pedraça de Azevedo (1) Engenheiro Civil graduado pela Universidade

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-028 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIACHO DE ÁGUA VERMELHA, MUNICÍPIO

Leia mais

Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios

Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG - campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós-graduação Revisão sistemática sobre os parâmetros de qualidade de água subterrânea em regiões onde operam cemitérios

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Desafios operacionais, reator UASB, Filtro Biológico Percolador, geração de odor.

PALAVRAS-CHAVE: Desafios operacionais, reator UASB, Filtro Biológico Percolador, geração de odor. II-151 - DESAFIOS OPERACIONAIS DE INÍCIO DE OPERAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DO TIPO REATOR UASB SEGUIDO DE FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR ETE NOVA CONTAGEM - MG Maria Letícia de Castro (1)

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE Miriam Suzana Rodrigues Schwarzbach 1 Resumo - Em 1997, o Departamento Municipal de Água

Leia mais

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco-

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco- Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco Maio 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. AVALIAÇÃO HIDROQUÍMICA... 3 3. CONCLUSÕES... 6 FIGURAS 2.1 PONTO DE COLETA RIO JOANES:

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL

SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL Maria Goretti Gurgel Mota de Castro Engenheira de Pesca - UFC/CE, Especialização em Engenharia Ambiental - Faculdade

Leia mais

SISTEMA DE CÁLCULO DA QUALIDADE DA ÁGUA (SCQA) Estabelecimento das Equações do índice de Qualidade das Águas (IQA)

SISTEMA DE CÁLCULO DA QUALIDADE DA ÁGUA (SCQA) Estabelecimento das Equações do índice de Qualidade das Águas (IQA) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE MINAS GERAIS - SEMAD Unidade de Coordenação Estadual - UCEMG / PNMA II PROGRAMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90 e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto nº 33.765, de 28/12/90, registrado

Leia mais

ENGENHARIA DE PROCESSOS EM PLANTAS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

ENGENHARIA DE PROCESSOS EM PLANTAS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 1 IDENTIFICAÇÃO Nome do Bolsista MANOEL REGINALDO FERNANDES Título do Programa ENGENHARIA DE PROCESSOS EM PLANTAS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Título do Curso / Especialização ENGENHARIA QUÍMICA / GRADUAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA Priscilla Dantas Rocha 1 ; Márcia Isabel Cirne França 2 ; Rodrigo Vieira Alves

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL CATEGORIA:

Leia mais

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM María del Pilar Durante Ingunza (1) Geóloga/Universidad Complutense de Madrid/Espanha, Mestre em Meio Ambiente/Universidad Politécnica de Madrid/Espanha,

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-046- RIO DOS SINOS RS. QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-046- RIO DOS SINOS RS. QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-046- RIO DOS SINOS RS. QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS Enio Henriques Leite (1) Engº

Leia mais

RESUMO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

RESUMO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS RESUMO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

Palavras chaves: Bacteriologia, Monitoramento, Qualidade de água e Águas superficiais.

Palavras chaves: Bacteriologia, Monitoramento, Qualidade de água e Águas superficiais. ESTUDO BACTERIOLÓGICO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO TOCANTINS, NO TRECHO COMPREENDIDO ENTE OS MUNÍCIPIOS DE CORONEL VALENTE E RETIRO (TO), A JUSANTE DA UHE SERRA DA MESA-GO. Ricardo H. P. B. Peixoto* Mestre

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Nitrificação, lodos ativados convencional, remoção de amônia, escala real

PALAVRAS-CHAVE: Nitrificação, lodos ativados convencional, remoção de amônia, escala real II 152 - AVALIAÇÃO DA NITRIFICAÇÃO E FATORES INTERVENIENTES NO PROCESSO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS POR LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL EM ESCALA REAL- ETE ARRUDAS Sirlei Geraldo de Azevedo (1) Especialista em

Leia mais

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE QUÍMICA LABORATÓRIO DE QUÍMICA ANALÍTICA E AMBIENTAL Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE Wilma Gomes da Silva CARMO*; Nora Katia SAAVEDRA Escola de Engenharia Civil - Programa de

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 5 Determinação de Cor Aparente - Espectrometria UV / VIS LQ: 2,5 PtCo/L Determinação de Aspecto - APPPEARANCE LQ: não se aplica Determinação de Turbidez por Turbidimetria LQ: 0,4 NTU Determinação

Leia mais

V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS

V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS Gustavo Silva de Carvalho (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Alagoas, Mestre em Hidráulica e Saneamento pela Escola

Leia mais

Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente na EEC/UFG. e-mail: emmanuel_dalessandro@hotmail.com.

Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente na EEC/UFG. e-mail: emmanuel_dalessandro@hotmail.com. EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DO MÓDULO A DA ETE DE TRINDADE GO Emmanuel Bezerra D ALESSANDRO (1) ; Nora Katia SAAVEDRA del Aguila (2) ; Maura Francisca da SILVA (3) (1) Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente

Leia mais

Identificação de municípios com condição crítica para a qualidade de água na bacia do rio Paraopeba

Identificação de municípios com condição crítica para a qualidade de água na bacia do rio Paraopeba Governo do Estado de Minas Gerais Sistema Estadual de Meio Ambiente Instituto Mineiro de Gestão das Águas Gerência de Monitoramento Hidrometeorológico Identificação de municípios com condição crítica para

Leia mais

Tema 15 Qualidade da água em rios e lagos urbanos

Tema 15 Qualidade da água em rios e lagos urbanos Tema 15 Qualidade da água em rios e lagos urbanos PHD2537 Introdução A poluição das águas é gerada por: - efluentes domésticos (poluentes orgânicos biodegradáveis, nutrientes e bactérias); - efluentes

Leia mais

feam 304 A titularidade dos serviços de esgotamento sanitário do município foi concedida à COPASA, desde o ano de 2004.

feam 304 A titularidade dos serviços de esgotamento sanitário do município foi concedida à COPASA, desde o ano de 2004. 304 Ibirité i - Diagnóstico O município de Ibirité, segundo dados do IBGE (2010), apresenta população total de 159.026 habitantes, sendo que 158.662 habitantes correspondem à população urbana e 364 à população

Leia mais

Nome do Autor: Endereço para correspondência:

Nome do Autor: Endereço para correspondência: TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA E SUA RELAÇÃO COM O USO DO SOLO EM DOIS MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS SP: RESERVATÓRIO DO TANQUE GRANDE E DO CABUÇU Nome do Autor: José Carlos

Leia mais

Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Fundação Estadual do Meio Ambiente. Inventário Estadual de Barragens do Estado de MINAS GERAIS

Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Fundação Estadual do Meio Ambiente. Inventário Estadual de Barragens do Estado de MINAS GERAIS Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Fundação Estadual do Meio Ambiente Inventário Estadual de Barragens do Estado de MINAS GERAIS Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos

Leia mais

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO Walter Luiz da P. B. Vieira (1) Engenheiro Civil pela Universidade Católica de Goiás. Especialista em

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior Introdução ao Tratamento de Esgoto Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO Sólidos ph Matéria Orgânica(MO) Nitrogênio Total Fóforo Total PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO ph Potencial

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO

ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO Lucas Blanger Bagnara*, Renata Baldessarini,

Leia mais

I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Taysa Tamara Viana Machado (1) Engenheira Civil pela

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL Isabelle Yruska de Lucena Gomes da Costa 1 ; Celso Augusto Guimarães Santos 2 ; Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega 3 1 Aluna

Leia mais

Uso de métodos estatísticos robustos na análise ambiental

Uso de métodos estatísticos robustos na análise ambiental Artigo Técnico Uso de métodos estatísticos robustos na análise ambiental DOI: 10.1590/S1413-41522014019010000588 Use of robust statistical methods to analyze environmental data Claudia Vilhena Schayer

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DA SUB-BACIA DOS RIO JURUENA-ARINOS, MT COM APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA (IQA NSF ) PARA OS ANOS DE 2012 E 2013

Leia mais

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE JULHO - 2010 Rosane Ferreira de Aquino Carlos Romay Pinto da Silva Cláudia Espírito Santo Jorge Reis Lustosa Eduardo Atahyde

Leia mais

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água;

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; Química de Águas Naturais todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; a água cobre 70% da superfície do planeta, apenas uma parte dessa quantidade (~2,8%) é água doce sendo que

Leia mais

VI-184 - MONITORAMENTO DO IMPACTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE BENEFICIAMENTO DE COURO NO MEIO HÍDRICO

VI-184 - MONITORAMENTO DO IMPACTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE BENEFICIAMENTO DE COURO NO MEIO HÍDRICO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-184 - MONITORAMENTO DO IMPACTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE BENEFICIAMENTO DE COURO NO

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS 7 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS Alice Monteiro de Carvalho (alicemonteiroc@gmail.com) 1 Jaqueline Silvana Moreira (jaquelinesmoreira@yahoo.com.br)

Leia mais

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Nome do Laboratório No da Certidão Validade Credenciador Matriz Descrição do Parâmetro Acquaplant Quimica do Brasil Ltda. 3/2013 20-12-2014

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ

DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ FARIAS, L. T. lazaro-tfarias@hotmail.com 1, SOUZA, L. D. luizuern@bol.com.br. 2 1- Aluno de Iniciação Científica da Universidade

Leia mais

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Instalação de Estações de Tratamento de Esgotos por Zona de Raízes em Estabelecimentos Agrícolas Familiares na Bacia Hidrográfica Rio Mourão Mostra Local de: Campo Mourão Categoria

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Barbara Almeida Souza (Centro Universitário Senac SP) Graduanda de Engenharia Ambiental. basouza2@gmail.com Maurício

Leia mais

Programa de Recebimento de Esgotos Não-Domésticos na Região Metropolitana de São Paulo

Programa de Recebimento de Esgotos Não-Domésticos na Região Metropolitana de São Paulo Programa de Recebimento de Esgotos Não-Domésticos na Região Metropolitana de São Paulo Relação institucional entre os órgãos estaduais Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Saneamento e Recursos

Leia mais

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ Marjory Barbosa Leite Tavares (1); Alana Karen Damasceno Queroga (2); Caroliny

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP HTU UTH INFLUÊNCIA DAS FONTES DIFUSAS DE OLUIÇÃO HÍDRICA NO COMORTAMENTO DO H NAS ÁGUAS DA SUB-BACIA DO RIO OCOÍ, TRIBUTÁRIO DO RESERVATÓRIO DE ITAIU BACIA DO ARANÁ III atrícia C. Cervelin, Victor Hugo

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS QUE COMPÕEM O ÍNDICE DE QUALIDADE DAS ÁGUAS (IQA) NA PORÇÃO MINEIRA DA BACIA DO RIO PARANAÍBA

ANÁLISE DE PARÂMETROS QUE COMPÕEM O ÍNDICE DE QUALIDADE DAS ÁGUAS (IQA) NA PORÇÃO MINEIRA DA BACIA DO RIO PARANAÍBA ANÁLISE DE PARÂMETROS QUE COMPÕEM O ÍNDICE DE QUALIDADE DAS ÁGUAS (IQA) NA PORÇÃO MINEIRA DA BACIA DO RIO PARANAÍBA Resumo Fernando Barbosa Costa Bacharel em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA Cristiane Silveira Tecnóloga em Gerenciamento Ambiental pela Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS Jaqueline Scapinello 1, Antônio Carlos Munarini 2, Gilza M. de Souza Franco 3 e Jacir Dal Magro 3 Resumo: A suinocultura é uma atividade

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, tendo em vista as competências que lhe foram conferidas pela Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS EM UM CENÁRIO DE CRISE HÍDRICA

GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS EM UM CENÁRIO DE CRISE HÍDRICA GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS EM UM CENÁRIO DE CRISE HÍDRICA A ÁGUA NO MUNDO E NO BRASIL Um sexto da população mundial, mais de um bilhão de pessoas, não têm acesso a água potável; Segundo a ONU,

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA Projeto Estruturador Revitalização do Rio das Velhas Meta 2010/2014 Palestrante: Wanderlene Ferreira Nacif Gerência de Monitoramento

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ Aline da Silva Rodrigues de Oliveira Graduanda em Geografia Licenciatura e Bolsista Voluntária

Leia mais

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2005 Qualidade da água pluvial aproveitada

Leia mais

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar Nº 20080901 Setembro - 2008 Maria Luiza Furtado de Mendonça, Luiz Roberto

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL ZANOTELLI, C. T. 1 ; MEDEIROS, R 2.; DESTEFANI, A 3.; MIRANDA, L.M. 4 ; MORATELLI JR, A 5. FISCHER, M. 5 1 Dra. em Engenharia de Produção, Professora

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS CARACTERÍSTICAS DE POTABILIDADE DA ÁGUA DE NASCENTES: EXEMPLO DE CASO NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

A INFLUÊNCIA DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS CARACTERÍSTICAS DE POTABILIDADE DA ÁGUA DE NASCENTES: EXEMPLO DE CASO NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. A INFLUÊNCIA DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO S CARACTERÍSTICAS DE POTABILIDADE DA ÁGUA DE SCENTES: EXEMPLO DE CASO NO MUNICÍPIO DE ALFES MG. Afrânio Teodoro Martins 1 e Fernando Shinji Kawakubo 2 afraniolg@hotmail.com.br,

Leia mais

Licença de Operação Corretiva. INTEGRAL ZONA DE AMORTECIMENTO USO SUSTENTÁVEL X NÃO BACIA FEDERAL: Rio Paraná BACIA ESTADUAL: Rio Grande UPGRH: GD4

Licença de Operação Corretiva. INTEGRAL ZONA DE AMORTECIMENTO USO SUSTENTÁVEL X NÃO BACIA FEDERAL: Rio Paraná BACIA ESTADUAL: Rio Grande UPGRH: GD4 Pág. 1 de 8 ANEXO DE INCLUSÃO DE CONDICIONANTES NO PARECER ÚNICO Nº 1771652/2013 (SIAM), APROVADO NA 104ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA URC DO COPAM SUL DE MINAS, REALIZADA EM 30 DE SETEMBRO DE 2013 INDEXADO AO

Leia mais

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 6.3.3.2.1 - Objetivo Geral...

Leia mais

CONTAMINAÇÃO DOS SEDIMENTOS DO RIO UBERABINHA, UBERLÂNDIA (MG)

CONTAMINAÇÃO DOS SEDIMENTOS DO RIO UBERABINHA, UBERLÂNDIA (MG) UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos CONTAMINAÇÃO DOS SEDIMENTOS DO RIO UBERABINHA, UBERLÂNDIA (MG) Patrícia Bonolo Cruvinel 1 Universidade Federal

Leia mais

A QUALIDADE DA ÁGUA E DO SEDIMENTO NA BACIA DO CÓRREGO TRIPUÍ, OURO PRETO MG: ENSAIOS DE ECOTOXIDADE E USO DO SOLO.

A QUALIDADE DA ÁGUA E DO SEDIMENTO NA BACIA DO CÓRREGO TRIPUÍ, OURO PRETO MG: ENSAIOS DE ECOTOXIDADE E USO DO SOLO. A QUALIDADE DA ÁGUA E DO SEDIMENTO NA BACIA DO CÓRREGO TRIPUÍ, OURO PRETO MG: ENSAIOS DE ECOTOXIDADE E USO DO SOLO. Mendes, I.A.S. 1 ; Ribeiro, E.V. 2 ; 1 UFMG Email:mendes.ias@gmail.com; 2 UFMG Email:elizenev@yahoo.com.br;

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: José Mendonça Bezerra Filho. SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Secretária: Fátima Brayner

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: José Mendonça Bezerra Filho. SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Secretária: Fátima Brayner Agência 1 GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Governador: José Mendonça Bezerra Filho SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Secretária: Fátima Brayner AGENCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO Aluna do Programa de Pós-Graduação do Mestrado em Geografia

Leia mais

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI MONITORAMENTO AMBIENTAL 1 - Locais a serem monitorados. 1.1- Quatorze seções transversais de córregos e rios para analise de parâmetros

Leia mais

Qualidade da Água no Lago de Sobradinho, BA: Análise de Componentes Principais

Qualidade da Água no Lago de Sobradinho, BA: Análise de Componentes Principais 177 Avaliação da Hercogamia e Sua Influência na Produção de Frutos de Maracujá... Qualidade da Água no Lago de Sobradinho, BA: Análise de Componentes Principais Water Quality in the Sobradinho Lake: Principal

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO POR DISPOSIÇÃO NO SOLO. SPSD / DVSD - Sandra Parreiras Pereira Fonseca

TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO POR DISPOSIÇÃO NO SOLO. SPSD / DVSD - Sandra Parreiras Pereira Fonseca TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO POR DISPOSIÇÃO NO SOLO SPSD / DVSD - Sandra Parreiras Pereira Fonseca TRATAMENTO X CUSTOS FONTE: Von Sperling (1997). INTRODUÇÃO Tipos de tratamento de esgoto por disposição

Leia mais

Processo de revitalização de rios urbanos análise compara8va dos projetos Tietê (São Paulo/SP) e Manuelzão (Bacia do Rio das Velhas/MG)

Processo de revitalização de rios urbanos análise compara8va dos projetos Tietê (São Paulo/SP) e Manuelzão (Bacia do Rio das Velhas/MG) Processo de revitalização de rios urbanos análise compara8va dos projetos Tietê (São Paulo/SP) e Manuelzão (Bacia do Rio das Velhas/MG) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - PPGMADE Roberta Giraldi Romano -

Leia mais

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS Porto Alegre-RS Brasil Conteúdo Desenvolvimento urbano e a fonte de impacto na gestão das águas As fases

Leia mais

PROCESSO E-07/202154/2001 QUALY LAB ANÁLISES AMBIENTAIS LTDA - 13/06/2014

PROCESSO E-07/202154/2001 QUALY LAB ANÁLISES AMBIENTAIS LTDA - 13/06/2014 Boletim de Serviço Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente Isaura Maria Ferreira Frega Vice-Presidente

Leia mais

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN I-71 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN Gabriela Marques dos Ramos Vargas Engenheira Química pela Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO HERCÍLIO EM IBIRAMA/SC

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO HERCÍLIO EM IBIRAMA/SC ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO HERCÍLIO EM IBIRAMA/SC Autores: Matheus José da SILVA 1, Elisa Lotici HENNIG 2, Ida Maria de OLIVEIRA 3, Gabriel M. R. GONINO 4 Identificação autores: 1: aluno do curso

Leia mais

AUTORES: TELES, Maria do Socorro Lopes (1); SOUSA, Claire Anne Viana (2)

AUTORES: TELES, Maria do Socorro Lopes (1); SOUSA, Claire Anne Viana (2) Saneamento Ambiental na periferia da cidade de Santana do Cariri/CE Brasil AUTORES: TELES, Maria do Socorro Lopes (1); SOUSA, Claire Anne Viana (2) INSTITUIÇÃO(ÕES): (1) Universidade Regional do Cariri

Leia mais

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA II-11 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA Irene Maria Chaves Pimentel (1) Graduanda em Engenharia Civil da Universidade Federal de Alagoas UFAL. Bolsista

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR Leticia Polesel Weiss (leticia_w@hotmail.com) Rosana Pinheiro Maria Aparecida Oliveira Hinsching

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais