Dados das Pesquisas. Instituições, Conflitos e Negociações Internacionais. Pesquisas Atualmente em Desenvolvimento (organizadas por título)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dados das Pesquisas. Instituições, Conflitos e Negociações Internacionais. Pesquisas Atualmente em Desenvolvimento (organizadas por título)"

Transcrição

1 Dados das Pesquisas Linha de Pesquisa: Pesquisas Atualmente em Desenvolvimento (organizadas por título) Título: Alternativas de Energia, Não Proliferação Nuclear e Segurança Energética na América do Sul Levantar os diversos conceitos de segurança energética na literatura e identificar os principais desafios à segurança energética do Brasil Desenvolvimento e Desigualdades Internacionais Eugenio Diniz Javier Vadell 1 Graduação FIP Puc Minas VADELL, Javier Alberto. Venezuela: A Dependência Econômica em Relação aos Estados Unidos, o Discurso Antiestadunidense de Hugo Chávez e os Dilemas para o Mercosul Título: Como validar o que podemos saber? O debate meta-teórico em Relações Internacionais e o lugar da antilogia nas auto-imagens da disciplina. O problema que este projeto procura enfrentar situa-se no quadro epistemológico das Relações Internacionais e orienta-se retrospectivamente: trata a série histórica de debates a partir do presente, isto é, a partir do debate meta-teórico contemporâneo, por vezes também chamado de interparadigmático ou debate póspositivista. Sucintamente, o projeto propõe a suspensão da ênfase na ontologia das Relações Internacionais e o enfoque em sua epistemologia. A hipótese liminar é a de que a contraposição estrita entre correntes teóricas das Relações Internacionais pode ser entendida a partir da figura retórica da antilogia: o princípio de que a qualquer argumento se opõe outro de igual força, se tomado como uma curiosa regra de ouro da disciplina, forneceu o espaço para o desenvolvimento como contínua reconstrução de todos os discursos teóricos do campo e a formação de seu estoque histórico de auto-imagens. Contemporaneamente, a partir do momento em que se abre o espaço para um debate que se faz além das teorias, passa a ser possível a redescrição das mesmas e, finalmente, o debate acerca de seus pressupostos. Em outros termos, a emergência do debate meta-teórico põe em suspensão a regra da antilogia e permite a demarcação do campo das Relações Internacionais. É a essa tarefa, ausente da literatura, que este projeto se lança. Eduardo S. Neves-Silva 2 Graduação (1 IC, 1 TCC), 1 Mestrado PUC Minas, (em análise) Critical Theory and Post-positivism: IR and the significance of Philosophy, Proceedings of SGIR Sixth Pan-European Conference on International Relations, Turin, September Título: Debates Teóricos e Meta-teóricos em RI O projeto visa discutir algumas das principais inflexões recentes no campo de Relações Internacionais, a partir da consideração de três conjuntos correlatos de problemas: 1. Como posição meta-teórica, visa compreender a imbricação entre problemas epistemológicos e ontológicos

2 que se faz no diálogo entre RI, Filosofia e Teoria Social a partir da virada lingüística. 2. Como abordagem teórica, ele se propõe a discutir: a constituição teórica do Internacional como um campo de estudo e uma categoria operatória; e os principais conceitos para o desenvolvimento da teoria; 3. Como questão de ordem metodológica, o projeto almeja: mapear programas de pesquisa e agendas; e aventar métodos de investigação em chave póspositivista. Eduardo S. Neves-Silva Paulo Esteves Cristiano Garcia Mendes 5 (5 TCC) Graduação FAPEMIG, PUC Minas NEVES-SILVA, EDUARDO. Debates Meta-teóricos em Relações Internacionais, Atas do Seminário Debates Teóricos e Meta-teóricos em Relações Internacionais, Belo Horizonte, Maio No prelo. Título: Estudos Estratégicos e Guerra no Século XXI O objetivo central deste projeto é analisar o impacto da mudança no alcance, letalidade, velocidade e capacidade informacional dos sistemas de armas sobre as dinâmicas combatentes e o pensamento estratégico no século XXI. : Coordenador 1 Graduação. Bolsa de Produtividade em Pesquisa [projeto iniciado em 2007/2] Título: Fatores Domésticos Condicionando um Processo de Paz: um estudo sobre as decisões de Israel nas negociações com os palestinos. Avaliar fatores da arena doméstica de Israel capazes de condicionar e limitar as decisões do governo daquele país no âmbito das negociações para a paz com os palestinos em dois momentos: durante o processo de paz fundamentado nos Acordos de Oslo ( ) e no período após o colapso das negociações baseadas na estrutura de Oslo (2001) até as eleições de 2006, quando Ehud Olmert assume o cargo de Primeiro-Ministro de Israel. (início: 2º. Semestre 2007) Liana Araújo Lopes 1 Graduação PUC- MINAS Ainda não foram geradas publicações Título: Guerra Assimétrica e Digitalização: Comparação entre as doutrinas americana e chinesa da guerra assimétrica e estudo sobre a modernização das forças armadas chinesas Trata-se de comparar as concepções americanas e chinesas sobre a guerra de quarta geração ou guerra assimétrica com a modernização empreendida em cinco áreas das Forças Armadas da China. Em seguida, de examinar as três filosofias chinesas da guerra (guerra popular, guerra local e revolução em assuntos militares), comparando-as com as decisões práticas tomadas no âmbito da construção e administração do armamento e demais meios militares. Por fim, de relacionar estes níveis

3 analíticos com o referente empírico : Jose Miguel Quedi Martins, Luiza Schneider, Fabrício Ávila 1 Graduação, 1 Mestrado acadêmico, 1 Doutorado CEPIK, Marco & AVILA, Fabrício & MARTINS, Jose Miguel. (2007). Armas Estratégicas: O Fim da Destruição Mútua Assegurada e a Distribuição De Poder No Sistema Internacional. Contexto Internacional, Vol 30, numero 1. [no prelo]. Título: Inovação Normativa e Institucional: Segurança internacional e direitos humanos no pós Guerra-Fria s: Geral: Avaliar o processo de inovação normativa e institucional no pós Guerra-Fria ( ) no que se refere à provisão de Segurança Coletiva e promoção dos Direitos Humanos na Sociedade Internacional. s Específicos: 1. Identificar os elementos constitutivos do processo de inovação normativa e institucional no campo dos Direitos Humanos no pós Guerra-Fria, destacando: (i) as iniciativas do Secretariado da Organização das Nações Unidas; (ii) as iniciativas dos estados nacionais ou de coalizões de estados; e, (iii) as iniciativas civis; 2. Identificar a dinâmica política (processo decisório, definição do mandato e operação) das Intervenções Humanitárias na Bósnia ( ), Somália ( ), Ruanda ( ) e, Kosovo (1999), e compreender seu impacto em termos de inovações normativas e institucionais no que se refere à responsabilidade internacional pela garantia dos direitos humanos; 3. Identificar a dinâmica política (processo decisório e escopo. : : Paulo Luiz Moreaux Lavigne Esteves : Cristiano Garcia Mendes 5 Graduação : A. ESTEVES, Paulo. Para uma genealogia do Estado Territorial Soberano. Revista de Sociologia e Política, v. 27, p , B. ESTEVES, Paulo ; CARDOSO, Marília. C.. Complexos Políticos Emergentes e os Direitos Humanos na Colômbia: Primeiras Aproximações 2007 C. ESTEVES, Paulo. Deslocados Internos: Emergências Complexas ou Complexos Políticos Emergentes? 2006 D. ESTEVES, Paulo; SEIXAS, Camila do Couto. Ordem e justiça na sociedade internacional: o problema das sanções multilaterais. In: Souza, Matilde de. (Org.). A agenda social das relações internacionais. Belo Horizonte: Editora PUC-Minas, 2005, v., p Título: Política de Defesa nos Estados Unidos e Brasil: Teste de um Modelo de Política Comparada A análise crítica de política de defesa põe o foco sobre as seguintes atividades: avaliação estratégica governamental; projeto de forças; planejamento de ações militares; orçamento consolidado de defesa; avaliação da política de defesa. As componentes de uma política de defesa sobre as quais recai o foco da análise crítica são: forças armadas concretas de cada país ou organização; estrutura integrada de comando e planejamento de defesa; institucionalidade governamental para a defesa; articulação entre política de defesa e política externa. Trata-se, portanto, de uma pesquisa sintética, de caráter documental, onde se compararão os elementos que, segundo o modelo analítico exposto pela primeira vez em Proença e Diniz (2002) - a ser reelaborado e desenvolvido

4 ao longo da pesquisa proposta -, constituem as políticas de defesa dos EUA, de modo a levantar indagações e alternativas a respeito das possibilidades da política de defesa do Brasil. A partir da consolidação da metodologia, espera-se: dispor de uma capacidade de avaliação das políticas de defesa de diversos países; disponibilizar aos formuladores da política externa brasileira um instrumento que lhes permita avaliar melhor as condições da inserção internacional do Brasil; disponibilizar aos formuladores da política de defesa brasileiros um instrumento de racionalização das despesas e decisões associadas à política de defesa brasileira.. Eugenio Pacelli Lazzarotti Diniz Costa A. DINIZ, Eugenio. Política Internacional após a 2ª Guerra do Golfo: situação atual e perspectivas. In: Clóvis Brigagão; Domício Proença Jr.. (Org.). O Brasil e os Novos Conflitos Internacionais. Rio de Janeiro: Gramma / Fundação Konrad Adenauer, 2006, v., p B. DINIZ, Eugenio. O Brasil e a MINUSTAH. Defense and Security Studies Review, Washington D.C., v. 5, n. 1, C. DINIZ, Eugenio. Da teoria à análise política: guerra do Iraque ou do reordenamento unipolar?. Cena internacional, Brasília, v. 7, n. 2, p. 4-27, D. DINIZ, Eugenio. A Al-Qaeda após os atentados de julho. Conjuntura Internacional, Belo Horizonte, E. DINIZ, Eugenio. Al-Qaeda sob pressão - Parte I. Conjuntura Internacional, F. DINIZ, Eugenio. Al-Qaeda sob pressão: Parte II - Iraque. Conjuntura Internacional, G. DINIZ, Eugenio. South Africa, Brazil and India: Cooperating in Defense. In: Alcides Costa Vaz. (Org.). Intermediate States, Regional Leadership and Security: India, Brazil and South Africa. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2006, v., p Título: Radar do Sistema Internacional O Radar é uma rede de monitoramento das tendências de mudança e continuidade do sistema internacional composta por especialistas altamente qualificados das mais importantes instituições de pesquisa do país. Sua produção é organizada em quatro áreas temáticas: Direitos Humanos, Integração Regional, Segurança Internacional e Economia Política.. : Mônica Herz Nizar Messari, 1 Graduação, 1 Mestrado acadêmico, 1 Doutorado Centro de Gestão e Estudos Estratégicos A. CEPIK, Marco ; AVILA, Fabrício ; MARTINS, Jose Miguel Quedi. Escudo Antimíssil EUA e Resposta Russa. Radar do Sistema Internacional, internet. B. CEPIK, Marco ; OLIVEIRA, Lucas Kerr. Petróleo e Conflitos na Nigéria. Radar do Sistema Internacional, internet. C. CEPIK, Marco ; OLIVEIRA, Lucas Kerr. Petróleo e Guerra Civil no Sudão. Radar do Sistema Internacional. D. CEPIK, Marco ; OLIVEIRA, Lucas Kerr. Petróleo e Segurança na África. Radar do Sistema Internacional. E. CEPIK, Marco. Resenha: Behera, Navnita. State, People and Security: The South Asian Context. Radar do Sistema Internacional. F. CEPIK, Marco. Resenha: Gill, Peter et al. Intelligence in an Insecure World. Radar do Sistema Internacional. Título: Rede de Pesquisa em Paz e Segurança Este projeto tem por finalidade a estruturação de uma rede de pesquisa em Paz e Segurança Internacional, que permitirá o adensamento dos laços que unem a pesquisa realizada nas universidades brasileiras e a formulação e a implementação da política externa brasileira, e

5 eventualmente também na formulação e implementação da política de defesa. O projeto funcionará com base em três eixos de pesquisa, a saber: 1) Agenda de segurança das organizações regionais. 2) Relação entre grandes potências e contextos regionais de segurança. 3) Análise de conflitos e segurança regional em perspectiva comparada. : : Alcides da Costa Vaz / Eugênio Pacelli Lazarotti Diniz Costa / Mônica Herz / Paulo Esteves / Rafael Villa / Reginaldo Mattar Nasser 5 Mestrado ESTEVES, Paulo. The International, the humanitarian and the political. In: Sixth Pan-European International Relations Conference, 2007, Turim. Online paper archive for the SGIR Turin Conference Londres: Standing Group on International Relations, Pesquisas Recentemente Concluídas (organizadas por data de conclusão) Título: Cooperação de Segurança: Brasil, África do Sul e Índia Delimitação empírica: O referente empírico do projeto é delimitado pelas unidades estatais constituídas pelos três países. Serão estudados seis fatores causais que condicionam as possibilidades de cooperação na área de segurança entre os governos centrais dos três países, sendo três fatores de tipo estrutural e três fatores de tipo institucional. Os três aspectos estruturais são: 1) O ambiente estratégico regional de cada país e a distribuição de poder característica de cada balança regional. 2) Os problemas de desenvolvimento sócioeconômico em cada país, com particular atenção para as condições de financiamento do setor público. 3) A capacidade instalada dos três países nas áreas de defesa nacional, inteligência e segurança pública. Os três tipos de configurações institucionais que serão comparadas são: 4) A rede de tratados, acordos e alianças da qual participa cada país na área de segurança internacional e as ameaças de segurança percebidas pelos governos centrais dos três países; 5) As instituições políticas democráticas com impacto mais direto no desempenho estatal nas áreas de provimento de bem-estar e segurança; 6) O desenho organizacional das forças armadas, ministérios da defesa, serviços de inteligência e de segurança, polícias e forças constabulares. Como o foco da pesquisa está posto na determinação do peso relativo de fatores causais de tipo estrutural ou estratégico e não sobre a variação histórica dos níveis de cooperação em segurança, o período temporal a ser considerado corresponde ao da situação internacional pós Problema de Pesquisa: Por que a cooperação entre os grandes países intermediários na área de segurança é baixa? Hipótese de Trabalho: Enquanto a natureza da cooperação é fortemente condicionada pelos fatores estruturais, os fatores explicativos políticoinstitucionais têm um peso maior na determinação do nível de cooperação de segurança entre os grandes países intermediários.. Concluída em Priscila Antunes 1 Graduação, 2 Mestrado acadêmico, 1 Doutorado Fundação Ford - Bolsa / Sociedade Brasileira de Instrução - SBI/IUPERJ - Auxílio financeiro

6 CEPIK, Marco. (2008). Segurança Nacional e Cooperação Sul-Sul: Índia, África do Sul e Brasil. In: LIMA, Maria Regina Soares & HIRST, Mônica. [organizadoras]. Paises Intermediários e Intercâmbios com o Brasil. Rio de Janeiro, FORD/IUPERJ. [no prelo]. Título: Política de Defesa nos Estados Unidos e União Européia: Teste de um Modelo de Política Comparada Um renovado interesse pelo desempenho institucional de organizações e políticas específicas no Estado contemporâneo é característico da produção científica recente em Política Comparada (Mair, 2000). Entretanto, não existem estudos comparativos sobre os processos de formação, decisão, implementação e avaliação de políticas públicas na área de defesa e segurança. No máximo, encontram-se na literatura especializada descrições idiográficas e seqüenciais das PDNs de países e/ou regiões selecionadas (e.g. Murray & Viotti, 1994). As próprias dificuldades práticas para a realização de estudos comparativos sobre temas de defesa e segurança nacional, ligadas ao peso do segredo governamental, indicam que não se trata aqui de uma política pública e de um complexo institucional igual a qualquer outro encontrável em regimes democráticos contemporâneos (Zegart, 1999). Portanto, não é razoável aceitar as limitações atuais do conhecimento comparativo sobre políticas de defesa nacional (PDN), reduzindo de saída as pretensões analíticas à mera descrição de suas variações fenomênicas conjunturais. Para avançar na pesquisa comparativa sobre temas de defesa e segurança no âmbito da Ciência Política é necessário especificar condições de teste para diferentes conjuntos de premissas teóricas. Assim, o problema analítico aqui proposto envolve testar a fecundidade da teoria da guerra de Clausewitz (1986) para a análise comparada de PDNs. Resumidamente, a definição conceitual proposta por Clausewitz para a guerra como sendo um ato de força para compelir nosso inimigo a fazer a nossa vontade é plena de conseqüências lógicas, das quais cabe mencionar a subordinação intrínseca dos meios de força aos fins políticos e a centralidade do combate para uma apreciação correta dos assuntos bélicos (Proença Jr, Diniz & Raza, 1999). Por razões organizacionais, políticas e históricas, em tempos de paz é comum perder-se de vista que uma política de defesa só pode realmente ser compreendida e explicada. Concluída em Eugenio Pacelli Lazzarotti Diniz Costa Oswaldo Dehon Roque Reis FAPEMIG Publicações relacionadas A. DINIZ, Eugenio. Relacionamentos Multilaterais na Unipolaridade: Uma Discussão Teórica Realista. Contexto Internacional, v. 28, p , B. DINIZ, Eugenio. Política Internacional após a 2ª Guerra do Golfo: situação atual e perspectivas. In: Clóvis Brigagão; Domício Proença Jr.. (Org.). O Brasil e os Novos Conflitos Internacionais. Rio de Janeiro: Gramma / Fundação Konrad Adenauer, 2006, v., p C. DINIZ, Eugenio. As eleições nos EUA e a Guerra contra o Terrorismo. In: Clóvis Brigagão; Domício Proença Jr.. (Org.). O Brasil e os Novos Conflitos Internacionais. Rio de Janeiro: Gramma / Fundação Konrad Adenauer, 2006, v., p Título: Comparando Sistemas Nacionais de Inteligência: África do Sul, Brasil, Colômbia e Índia O objetivo deste projeto é analisar a relação entre a reforma dos serviços de inteligência e o grau de consolidação democrática em três países: África do Sul, Brasil e Colômbia. A pesquisa será conduzida no Centre for Brazilian Studies da Oxford University, em Oxford, Reino Unido, sob a supervisão do Dr. Andrew Hurrell. Ao final deste período, os três casos serão revisados e um artigo

7 estritamente comparativo será redigido e publicado analisando as semelhanças e diferenças, bem como as implicações teóricas das descobertas empíricas sobre a relação entre inteligência e democracia em contextos como os do Brasil, África do Sul, Colômbia e Índia Concluída em CEPIK, Marco. (2008). Comparing National Intelligence Systems: Colômbia, Índia, South África and Brazil. Intelligence and National Security. Volume 23, Number 2. [no prelo]. Título: Regime Político e Serviços de Inteligência: legitimidade e efetividade no Brasil ( ) Qual a relação entre regime político e perfil organizacional e legal das atividades de inteligência? Esta é a pergunta que a pesquisa procura responder analisando o caso do Brasil. Segundo medidas agregadas mínimas, este país está aproximando-se dos limiares que permitem considerar o regime democrático consolidado. Isto se traduz em um marco legal desenvolvido para a área de inteligência, com mecanismos explícitos de coordenação, supervisão e controle externo. Entretanto, persistem problemas de desempenho das novas estruturas organizacionais que também são consistentes com os problemas persistentes indicados por medidas mais desagregadas de consolidação democrática. As duas constatações empíricas não são contraditórias, apenas mostram a relevância de uma abordagem teórica capaz de integrar perspectivas estruturais e estratégicas. Por um lado, a pesquisa realizada mostra que problemas de desempenho tendem a gerar renovados problemas de legitimidade. Por outro lado, demonstra-se como a utilização de medidas mais desagregadas de consolidação democrática e de capacidade estatal permitem uma associação mais clara entre as características do regime político e as mudanças observadas em diferentes países na área de inteligência ao longo dos últimos quinze anos. Concluída em Mestrado acadêmico Center For Civic Military Relations - Cooperação CEPIK, Marco. Regime Político e Sistema de Inteligência no Brasil: legitimidade e efetividade como desafios institucionais ( ). Dados - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 48, n. 01, p , 2005 Título: Agenda de Segurança Andes Brasil Com esse projeto, pretende-se identificar e priorizar os itens que compõem a agenda contemporânea de segurança entre o Brasil e os países da Comunidade Andina (Bolívia, Peru, Equador, Colômbia e Venezuela). Serão considerados dois eixos dessa agenda, o bilateral e o multilateral. Por meio da análise dos documentos produzidos pelos enlaces diplomáticos, especialmente nas áreas de defesa e segurança, bem como por meio de entrevistas e discussões com grupos focais, análise comparada de dados agregados e da realização de dois seminários regionais, será possível contribuir para uma melhor compreensão mútua dos problemas de segurança da região. Concluída em Adrian Bonilla, Socorro Ramirez, Ana Maria Sanjuan,

8 Monica Hirst 1 Graduação, 1 Mestrado acadêmico, 1 Doutorado Friedrich Ebert Stiftung - Auxílio financeiro CEPIK, Marco (Org.); RAMIREZ, Socorro (Org.). Agenda de Seguridad Andino- Brasilena: primeras aproximaciones. 1. ed. Bogota: IEPRI-FESCOL, v p. Título: Governança Global: a relação entre estados e organizações não-governamentais nas conferências da ONU da década de 1990 A partir do conceito de Governança Global, a pesquisa pretende compreender a relação entre ordem e justiça no cenário internacional. Para tanto, buscou-se investigar os padrões de relacionamento entre Organizações Não Governamentais transnacionais e governos em três Conferências da ONU na década de 1990: United Nations Conference on Environment and Development (1992); Fourth World Conference on Women e Second United Nations Conference on Human Settlements (1996). O trabalho explora dois níveis analíticos que informam os processos de produção de mecanismos de governança global: (1) a produção de demandas por justiça e seu encaminhamento às arenas de negociação multilateral e, (2) os resultados produzidos. Concluída em 2002 Paulo Esteves 4 Graduação : FIP PUC Minas 1. ESTEVES, Paulo. Governança Global: ordem e justiça na sociedade internacional. In: Esteves, Paulo Luiz. (Org.). Instituições Internacionais: comércio, segurança e integração. 01 ed. Belo Horizonte: Editora PUCMinas, 2003, v., p ESTEVES, Paulo. Politicizing Public Health: Brazilian Foreign Policy and HIV/AIDs Pandemic. In: The Berlin Roundtables on Transnationality, 2004, Berlim. Transnational Risks - a new challenge for a global civil society. Berlim : Irmgard Coninx Stiftung, ESTEVES, Paulo. Global Governance, Trade and Development: a View from the South. In: Fifth Pan-European International Relations Conference, 2004, Haia. Online Paper Archive of the Fifth Pan-European International Relations Conference. Londres : Taylor & Francis, ESTEVES, Paulo. Global Governance, Multilateralism and the struggle between haves and havenots: a view from the south. In: ACUNS Sixteenth Annual Meeting, 2003, Nova York. ACUNS Sixteenth Annual Meeting, ESTEVES, Paulo Global Governance: Multilateralism and the Struggle between haves have-notes: a view from the Brazilian foreign policy perspective, Paper presented at LASA Congress, Las Vegas, October, ESTEVES, Paulo. Governança Global: Ativismo Civil e a Dinâmica da Sociedade Internacional nos Summits da ONU da Década de 90. In: 3o Encontro da ABCP, 2002, Niterói. Encontro da ABCP, ESTEVES, Paulo. Transnational linkage and institutionalization process: climate change regime and nonstate actors in Brazil. In: 1er Congreso LatinoAmericano de Ciencia Politica, 2002, Salamanca. 1er Congreso LatinoAmericano de Ciencia Politica, 2002.

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

MINUTA DE DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

MINUTA DE DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 1 MINUTA DE DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS O Presidente da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, no uso de suas atribuições

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL International Seminar & Book Launch of "Surmounting Middle Income Trap: the Main Issues for Brazil" Institute of Latin American Studies (ILAS, CASS) Brazilian Institute of Economics at Getulio Vargas Foundation

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Introdução às relações internacionais

Introdução às relações internacionais Robert Jackson Georg Sørensen Introdução às relações internacionais Teorias e abordagens Tradução: BÁRBARA DUARTE Revisão técnica: ARTHUR ITUASSU, prof. de relações internacionais na PUC-Rio Rio de Janeiro

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos PROJETO APRESENTADO PELA ABCP À FUNDAÇÃO FORD E AO INSTITUTE FOR INTERNATIONAL EDUCATION (IIE). Leonardo Avritzer Carlos R. S. Milani Rachel Meneguello

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ Temas em Relações Internacionais I 4º Período Turno Manhã Título da

Leia mais

UniCuritiba Diagrama das Áreas de Concentração Monografia. Ciência Política

UniCuritiba Diagrama das Áreas de Concentração Monografia. Ciência Política Ciência Política Prof. MSc. Marlus Vinícius Forigo Política e Ideologia na Contemporaneidade. Política e Ideologia. Regimes autoritários. Cultura e Poder. Poder, ideologia e meios de comunicação. Aspectos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

ESCOLA DE DEFESA. Pesquisa em Estudos da Paz e da Guerra. Prof. Dr. Carlos Frederico Coelho cafrecoelho@gmail.com 08 Jul 2015

ESCOLA DE DEFESA. Pesquisa em Estudos da Paz e da Guerra. Prof. Dr. Carlos Frederico Coelho cafrecoelho@gmail.com 08 Jul 2015 ESCOLA DE DEFESA Pesquisa em Estudos da Paz e da Guerra Prof. Dr. Carlos Frederico Coelho cafrecoelho@gmail.com 08 Jul 2015 Prof. Carlos Coelho - Graduação em Ciências Jurídicas e Sociais na Faculdade

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

OIAPSS : UMA REDE DE INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS E NÃO

OIAPSS : UMA REDE DE INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS E NÃO O QUE DEVE SER OBSERVADO NUM SISTEMA DE SAÚDE? DESENVOLVIMENTO DE MATRIZ ANALÍTICA PARA ACOMPANHAMENTO DOS SISTEMAS DE SAÚDE DE PAÍSES IBERO-AMERICANOS AUTORES: Conill, E, Fernandes S, Dimitrov P, Xavier

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA DE DISCIPLINA Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais Disciplina: PRI 5017 Política Externa Brasileira FLS 5903 Temas

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 Tendências de pesquisa acadêmica na área de Gestão Pública e Fontes de Informação para Pesquisa Foco em CASP Prof. Ariel

Leia mais

A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA. Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD

A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA. Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD Palestra UFMS 05/06/2013 CONTEXTO SISTÊMICO Maior complexidade da agenda internacional

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias IPEA: Governança Democrática no Brasil Contemporâneo: Estado e Sociedade na Construção de Políticas

Leia mais

5) Igor Fuser http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=k4756106u7

5) Igor Fuser http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=k4756106u7 1) Antônio Pedro Tota http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=k4789712p4 Possui graduação em História pela Universidade de São Paulo (1973), doutorado em História Social pela mesma

Leia mais

ESCOLA DE DEFESA. Proposta pedagógica e fluxo discente do Programa de Pós-graduação em Ciências Militares

ESCOLA DE DEFESA. Proposta pedagógica e fluxo discente do Programa de Pós-graduação em Ciências Militares ESCOLA DE DEFESA Proposta pedagógica e fluxo discente do Programa de Pós-graduação em Ciências Militares Ten Cel Eduardo MIGON eduardomigon@gmail.com 08 Jul 2015 Ten Cel (Dr.) Eduardo MIGON - Doutorando

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Subsídios à participação brasileira no evento e considerações

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA Os Governadores e Governadoras, Intendentas e Intendentes, Prefeitas e Prefeitos do MERCOSUL reunidos no dia 16 de julho de 2015, na cidade de Brasília DF, por meio do Foro Consultivo

Leia mais

Seminario: Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Papel dos atores regionais Secretaria Permanente da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica Junho de 2010 TCA 1978/1980 Soberanía Navegação Educação

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR Referência: 2015 Curso: Bacharelado em Relações Internacionais DURAÇÃO IDEAL: 08 SEMESTRES 1 o semestre Aula Trabalho Semestral Anual DFD0125 Instituições de Direito EAE0110 Fundamentos

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

I Forum de Relações Internacionais das Agências Reguladoras. (Brasília, 28/12/2013)

I Forum de Relações Internacionais das Agências Reguladoras. (Brasília, 28/12/2013) I Forum de Relações Internacionais das Agências Reguladoras (Brasília, 28/12/2013) I A contribuição das Agências Reguladoras na cooperação técnica internacional brasileira Projetos e Atividades em Execução:

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Centro de Estudos Gerais Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos PPGEST Título da Disciplina:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de política internacional, intercâmbio internacional de experiências em políticas de desenvolvimento rural e atividades de cooperação

Leia mais

PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013

PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013 PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013 1 Composição Orçamentária ISAGS - 2013 (*) Natureza Valor anual (US$) Percentual Projetos 42,6% 1.001.200,00 Pessoal 37,9% 892.958,00 Gastos Operacionais

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Carga horária total: 360 horas. Dias e horários das aulas: Aulas às terças e quintas, das 18:30h às 22:00h. Professores:

Carga horária total: 360 horas. Dias e horários das aulas: Aulas às terças e quintas, das 18:30h às 22:00h. Professores: Título do Curso: Pós-graduação em Segurança e Defesa Departamento: Ciência Política e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciência Política e Relações Internacionais Dados dos Coordenadores: Gustavo

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PROJETO MASSUr PROJETO MASSUr

PROJETO MASSUr PROJETO MASSUr PROJETO MASSUr 1 Introdução 1 - MASSUr A urbanização sem planejamento tem trazido conseqüências nos diferentes campos apresentando impactos na saúde do indivíduo. Segundo Scaringella (2001) a crise da

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Rio+20: a China e a Estrutura Institucional Internacional para o Desenvolvimento Sustentável.

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Rio+20: a China e a Estrutura Institucional Internacional para o Desenvolvimento Sustentável. BRICS Monitor Especial RIO+20 Rio+20: a China e a Estrutura Institucional Internacional para o Desenvolvimento Sustentável Abril de 2012 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy

Leia mais

Divulgado relatório do Pentágono sobre as capacidades militares da China

Divulgado relatório do Pentágono sobre as capacidades militares da China Divulgado relatório do Pentágono sobre as capacidades militares da China Análise Segurança Cândida Cavanelas Mares 22 de junho de 2006 Divulgado relatório do Pentágono sobre as capacidades militares da

Leia mais

ESCOLA DE DEFESA. Projetos de Pesquisa em Gestão de Defesa. Prof. Dr. Luiz Rogério F. Goldoni. lgoldoni@hotmail.com

ESCOLA DE DEFESA. Projetos de Pesquisa em Gestão de Defesa. Prof. Dr. Luiz Rogério F. Goldoni. lgoldoni@hotmail.com ESCOLA DE DEFESA Projetos de Pesquisa em Gestão de Defesa Prof. Dr. Luiz Rogério F. Goldoni lgoldoni@hotmail.com 08 Jul 2015 Luiz Rogério Franco Goldoni - Doutor em Ciência Política pela UFF (2011); -

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Bye Bye Brasil. Olá Brasil? Cenários Articulação D3 Pesquisa de conjuntura

Bye Bye Brasil. Olá Brasil? Cenários Articulação D3 Pesquisa de conjuntura Bye Bye Brasil ou Olá Brasil? Cenários Articulação D3 Pesquisa de conjuntura Cenário Anunciado das agências internacionais - 3R Redução investimento Estrutura Equipe Reorientação Estratégia Prioridades

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro:

Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro: Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro: Ao cumprimentá-lo cordialmente, vimos pelo presente, em nome do Consórcio das Universidades Comunitárias Gaúchas COMUNG,

Leia mais

8º ANO ATIVIDADES ONLINE

8º ANO ATIVIDADES ONLINE 8º ANO ATIVIDADES ONLINE 1) Analise a tabela e responda. a) Entre os países andinos, qual apresenta maior desenvolvimento, de acordo com o IDH? E menor desenvolvimento? b)que tipo de produto predomina

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE Introdução 1. A Assembleia Mundial da Saúde, mediante a Resolução WHA62.14 (2009), Reduzir as desigualdades de saúde mediante ações sobre os determinantes

Leia mais

APL como Estratégia de Desenvolvimento

APL como Estratégia de Desenvolvimento APL como Estratégia de Desenvolvimento Marco Crocco Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional 3a Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais 1 A Difusão da Perspectiva de APL Um balanço

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE VOLUNTARIADO EMPRESARIAL: OPORTUNIDADES E LIMITES

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE VOLUNTARIADO EMPRESARIAL: OPORTUNIDADES E LIMITES MOVE 2015 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE VOLUNTARIADO EMPRESARIAL: OPORTUNIDADES E LIMITES CONFERÊNCIAS MOVE CENTRO DE VOLUNTARIADO DE SÃO PAULO INVESTIMENTO SOCIAL INTELIGENTE A Move foi cuidadosamente desenhada

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT:

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT: JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, Priscila da Cunha UFF CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues UFF GT: Movimentos Sociais e Educação

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Sistema Político Globalizante e a Questão Ambiental segundo David Held

Sistema Político Globalizante e a Questão Ambiental segundo David Held Sistema Político Globalizante e a Questão Ambiental segundo David Held sheyla rosana oliveira moraes(ufpa) Cientista Social, Especialista em Educação Ambiental, Estudante do Curso de Pos Graduação em Ciencia

Leia mais

ESCOLA DE DEFESA. Linha de Gestão de Defesa. Ariela Leske arieladiniz2@hotmail.com 08 Jul 2015

ESCOLA DE DEFESA. Linha de Gestão de Defesa. Ariela Leske arieladiniz2@hotmail.com 08 Jul 2015 ESCOLA DE DEFESA Linha de Gestão de Defesa Ariela Leske arieladiniz2@hotmail.com 08 Jul 2015 Apresentação pessoal Ariela Diniz Cordeiro Leske Doutora em Economia Profa da linha Pesquisa de Gestão de Defesa

Leia mais

Sessões 1 e 2: Apresentação da disciplina e o estudo das políticas públicas

Sessões 1 e 2: Apresentação da disciplina e o estudo das políticas públicas Disciplina: Instituições Políticas e Políticas Públicas no Brasil (EUR0204) Dia e horário: segunda, 14 às 17h. Carga horária: 45 horas Sala: I - 9 do Setor II Docente: Alan Daniel Freire de Lacerda Apresentação

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Patrocínios: Governos Nacionais e Locais, empresas, organismos de cooperação internacional, universidades, doações.

Patrocínios: Governos Nacionais e Locais, empresas, organismos de cooperação internacional, universidades, doações. Criando ferramentas para a garantia ao direito à convivência familiar e comunitária. Documento Preparatório do Seminário Relaf 2013 Fortalecendo os Avanços. Criando ferramentas para a Garantia do Direito

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Cadernos Adenauer REFORMAS NA ONU VALERIE DE CAMPOS MELLO MARÍA CRISTINA ROSAS JOÃO CLEMENTE BAENA SOARES VALERIA MARINA VALLE WILHELM HOFMEISTER

Cadernos Adenauer REFORMAS NA ONU VALERIE DE CAMPOS MELLO MARÍA CRISTINA ROSAS JOÃO CLEMENTE BAENA SOARES VALERIA MARINA VALLE WILHELM HOFMEISTER Cadernos Adenauer ANO VI 2005 Nº 01 VALERIE DE CAMPOS MELLO MARÍA CRISTINA ROSAS JOÃO CLEMENTE BAENA SOARES VALERIA MARINA VALLE WILHELM HOFMEISTER REFORMAS NA ONU Editor responsável Wilhelm Hofmeister

Leia mais

DECLARAÇÃO DO MÉXICO

DECLARAÇÃO DO MÉXICO DECLARAÇÃO DO MÉXICO No encerramento IV FÓRUM IBERO-AMERICANO DA AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS, realizado na cidade de México D.F., no período de 23 a 25 de maio de 2012, os membros do Grupo da Reflexão do Projeto

Leia mais

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP)

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) 1 REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Os BRICS e as Operações de Paz

Os BRICS e as Operações de Paz Os BRICS e as Operações de Paz Policy Brief #3 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Maio de 2011 Os BRICS e as Operações de Paz

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

XX Congresso Panamericano da Criança e do Adolescente

XX Congresso Panamericano da Criança e do Adolescente CD/doc. 18/08 Resolução CD/RES.07 (83-R/08) 5 de dezembro, 2008. PROJETO DE TEMÁRIO XX Congresso Panamericano da Criança e do Adolescente A realizar-se em Lima, Peru, setembro de 2009. Indice I. Introdução

Leia mais

I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática?

I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática? 1 SITES GOVERNAMENTAIS ENQUANTO MECANISMOS DE INFORMAÇÃO, TRANSPARÊNCIA E PARTICIPAÇÃO: TEORIA, INSTITUIÇÕES E ATORES Joscimar Souza Silva 1 Mestrando Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Resumo:

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa. O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia

Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa. O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia Centro de Estudos EuroDefense-Portugal Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia Desafios e opções para

Leia mais

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências Principais Biomas Sul-Americanos Amazônia: mais de 40% da América do Sul Vegetação da Grandeá Regiões Amazônicas dos países sul-americanos

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011)

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011) XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA (Manaus, 22 de novembro de 2011) COMPROMISSO DE MANAUS Os Ministros das Relações Exteriores

Leia mais

1. Introdução. 1 Segundo Seitenfus: apesar das escassas relações, são numerosos os laços que unem o Brasil ao

1. Introdução. 1 Segundo Seitenfus: apesar das escassas relações, são numerosos os laços que unem o Brasil ao 1. Introdução O objetivo deste trabalho é analisar o posicionamento brasileiro perante as normas internacionais relacionadas a intervenções humanitárias e missões de paz no período pós-guerra Fria, e como

Leia mais

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos Seminário AMCHAM 29 de Agosto de 2013 1 1. Os acordos de comércio 2 Crise não freou celebração de acordos de comércio Soma de Acordos Preferenciais

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para Novas Parcerias. Resenha Desenvolvimento

Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para Novas Parcerias. Resenha Desenvolvimento Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para Novas Parcerias Resenha Desenvolvimento Rúbia Rodrigues 17 de novembro de 2009 Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para

Leia mais

MBA em Gestão de Ativos.

MBA em Gestão de Ativos. /biinternational /biinternational MBA em Gestão de Ativos. Unidade WTC www.biinternational.com.br O B.I. International O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE/2013

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE/2013 CP019-A ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS PROF. CRISTIANO MORINI 2º SEMESTRE/2013 EMENTA: Classificação das organizações internacionais por natureza, abrangência e funções. Processo decisório. Organizações de

Leia mais

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento / Integração Franceline Hellen Fukuda 17 de maio de 2008 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento

Leia mais