Redes sociais e conexões semânticas como reflexo hipertextual de ilustradores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes sociais e conexões semânticas como reflexo hipertextual de ilustradores"

Transcrição

1 Redes sociais e conexões semânticas como reflexo hipertextual de ilustradores Adriano Bernardo Renzi Escola Superior de Desenho Industrial UERJ Rua Alfredo Chaves, 6 Rio de Janeiro RJ cep: ABSTRACT Este artigo aborda conexões semânticas na internet que se expandem em redes de conhecimento com base nos princípios do hipertexto de Pierre Lèvy. Ilustradores utilizam a web para fomentar e expor seus conteúdos e projetos em um emaranhado hipertextual dinâmico que reflete sua vida profissional. A partir da 157 análises de redes de hipertexto, especificam-se 3 exemplos para melhor expor a relação entre artistas e suas redes. Author Keywords Redes sociais, hipertexto, ilustradores. ACM Classification Keywords H5.m. Social Interactions INTRODUCTION Andrew Keen (autor do livro cult of the amateur), no documentário Revolução Virtual (Kotrosky 2010), aponta que com a evolução da internet (desde sua programação inicial por Tim Berners-Lee) e sua presença cada vez mais cotidiana em nossas vidas, gradativamente leitores vem se transformando em editores. Cada vez mais as possibilidades de se expressar pela web por blogs, redes sociais, sites, youtube, podcasts etc, possibilitam pessoas de todo o mundo a criar e editar seus próprios conteúdos e a opinar sobre conteúdo dos outros. No passado não muito distante, a informação movia-se hierarquicamente através de poucas opções, sendo acessada somente através de meios tradicionais de comunicação: jornal, revista, televisão, rádio etc. A partir das diversas possibilidades atuais de mídias interativas, qualquer pessoa com um Iphone ou smartphone, por exemplo, pode fotografar ou filmar uma situação na rua Permission to make digital or hard copies of all or part of this work for personal or classroom use is granted without fee provided that copies are not made or distributed for profit or commercial advantage and that copies bear this notice and the full citation on the first page. To copy otherwise, or republish, to post on servers or to redistribute to lists, requires prior specific permission and/or a fee. CHI 2009, April 4 9, 2009, Boston, Massachusetts, USA. Copyright 2009 ACM /09/04...$5.00. e imediatamente expô-la em formato de post através de suas redes sociais, blog ou site. A exemplo disso, cita-se a utilização ativa da web na divulgação em tempo real da revolta pós-eleitorais no Quenia pelo site Ushahidi, fundado por Ory Okolloh. O site cujo nome significa testemunha em Swahili, expunha situações da revolta, que os meios tradicionais não mostravam. Mais recentemente, pode-se citar o início da revolução do Egito e mudança de poder político em 2011, fomentado por mensagens através de redes sociais (mais especificamente, o Facebook). No mesmo ano, tem-se exemplo do mesmo trâmite de informação com as revoltas urbano-sociais em Londres, onde transeuntes com telefone documentaram e divulgaram imagens incitativas ao início das manifestações e também auxiliaram na identificação dos responsáveis por incêndios e vandalismos pela cidade. À parte dos exemplos de revoluções sociais, profissionais relacionados a ramificações de atividade criativa, como fotógrafos, ilustradores, artistas plásticos, designers etc, mostram-se inclinados a utilizar a internet como ferramenta para expressão pessoal de seu trabalho. A utilização de portfólios online para exposição de projetos e atuação profissional cresce a cada ano e já a algum tempo começam a suplantar a necessidade de se montar um portfólio físico, peça essencial a 10 anos atrás para todo aluno de design, ilustração ou fotografia mostrar seu trabalho e prospectar novos clientes e/ou emprego. Associações de artistas utilizam internet e grupos de discussão como meio de trocar experiências, informações e fomentar assuntos de interesse comum. A entidade Sociedades dos Ilustradores do Brasil possui seu próprio site oficial (www.sib.org.br), onde dispõe mini portfolios dos membros, notícias, newsletter, diretrizes de ilustração, orçamento e busca de ilustradores por tipo de atuação e técnica de pintura. Observa-se que entre os 180 membros da SIB, 137 possuem site pessoal para expor seus trabalhos, 29 utilizam Blogspot como exposição principal de seus trabalho, 6 uzam o Carbonmade, 5 expoem através do Flickr, 1 utiliza o Tumblr e apenas 2 não linkam seus nomes da listagem de membros da SIB a nenhuma forma de exposição pela web. Ao buscar-se especificamente esses 2

2 ilustradores sem link aparente no site da SIB, descobriu-se que utilizam o linkedin e pinterest como fonte principal de auto exposição. Ou seja, de uma forma ou de outra, todos expõem seus trabalhos e projetos através de redes associativas na web. HIPERTEXTO Com base nas teorias de Lèvy (1993) sobre hipertexto, a imensa rede associativa que constitui nosso universo mental encontra-se em metamorfose permanente. As reorganizações podem ser temporárias e superficiais. O sentido de uma palavra não é outro senão guirlanda cintilante de conceitos e imagens que brilham por um instante ao seu redor. A reminiscência de seu brilho semântico orientará a interligação à palavra seguinte, e assim por diante. Os atores da comunicação ou os elementos da mensagem constroem e remodelam universos de sentido que nos unem e nos separam. E assim, ao ouvir uma palavra, ou clicar em um link, ativa-se imediatamente em nossa mente uma rede de outras palavras, de conceitos, de modelos, de imagens, de sons, de odores, de lembranças, de afetos etc. Inspirando-se em softwares e redes da web, Lèvy (ibidem) denomina essas ligações semânticas e conceituais de hipertexto. Preservando as possibilidades de múltiplas interpretações do modelo do hipertexto, o pesquisador caracteriza-o através de 6 princípios abstratos: 1. princípio da metamorfose: a rede hipertextual está em constante construção e renegociação. Ela pode permanecer estável durante certo tempo, mas a estabilidade em si é fruto de um trabalho conjunto. Sua extensão, sua composição e seu desenho estão permanentemente em jogo para os atores envolvidos, como em um post do Facebook que desencadeia diversas opiniões e adições de informação ao conteúdo inicial. 2. princípio da heterogeneidade: os nós e conexões de uma rede hipertextual são encontrados ao mesmo tempo em diversas imagens, sons, palavras, sensações, modelos etc. As conexões entre as diversas absorções da infomação serão lógicas e afetivas, como por exemplo, um mesmo fato jornalístico ser divulgado por texto e fotos de um site de notícias, por vídeos gravados por testemunhas, por documentos paralelos de especialistas e por boatos espalhados por redes sociais e s. 3. princípio de multiplicidade e de encaixe das escalas: o hipertexto se organiza em um modo fractal. Qualquer nó ou conexão pode revelar-se composto por toda uma rede de conceitos em si, e assim por diante. Em um site complexo estruturalmente como o portal da Fiocruz, por exemplo, existe uma rede de conexões de informação sobre a Fiocruz e suas pesquisas como um todo, mas ao aproximarmos especificamente para dentro do departamento responsável por doenças negligenciadas, existe uma rede de conteúdo e associações que trata, desde a descrição de cada doença negligenciada, à fotos e especificações de tratamento, bem como, opiniões de especialistas no assunto. 4. princípio de exterioridade: a rede não possui unidade orgânica. Seu crescimento e diminuição de significados, sua metamorfose e composição se altera pelas extremidades, como as adições semânticas feitas dentro e fora da internet, como, por exemplo, ao se navegar por conteúdos de um ilustrador: seu portfolio > seus projetos > suas exposições > suas pelestras > suas entrevistas princípio de topologia: tudo funciona semanticamente por proximidade. Por vizinhança. O curso de acontecimentos e ligações é uma questão de caminhos onde não há espaço universal homogêneo. Um internauta pode começar a sua navegação na web por um catálogo de ilustradores, como a Tupixel, e clicando em assuntos semanticamente vizinhos (ilustrador > site > projeto editorial > livro publicado > lançamento do livro > entrevista), terminar em um entrevista online de uma site sobre arte. 6. princípio de mobilidade dos centros: a rede não tem centro, ou melhor, possui permanentemente diversos centros que perpetuamente saltam de um nó a outro. Apesar de iniciar-se uma navegação em um ponto de interesse, a medida de clicamos e descobrimos conexões relacionadas, o centro do foco muda respectivamente, como exemplificado no princípio anterior. Segundo o pesquisador (ibidem), a evolução biológica fez com que desenvolvessemos a faculdade de imaginar nossas ações futuras e seu resultado sobre interações com o mundo através de modelos mentais. Por esses modelos, podemos antecipar o resultado de nossas intervenções e usar a experiência acumulada. Para futuras situações. A combinação dessas duas características, o dom da manipulação e da imaginação, pode explicar o fato de que quase sempre pensemos com o auxílio de metáforas, de pequenos modelos concretos, muitas vezes de origem técnica (Lèvy 1993). As tecnologias intelectuais misturamse à inteligência dos homens e para que as colectividades compartilhem um mesmo sentido, não basta que cada um receba a mesma mensagem. A construção do senso comum encontra-se exposta e como que materializada à elaboração coletiva de um hipertexto. ORALIDADE, ESCRITA, HIPERTEXTO Pierre Lèvy (1993) categoriza a comunicação e acúmulo de conhecimento em três categorias básicas e, apesar de simplistas, indica que estas disjunções são úteis por chamar a atenção para restrições materiais, elementos técnicos que condicionam formas de pensamento e as temporalidades de uma sociedade. A oralidade primária remete ao papel da palavra antes da

3 adoção da escrita. A palavra tem como função básica de gestão da memória social, e não apenas a livre expressão das pessoas ou a comunicação prática cotidiana. Em uma sociedade oral primária, quase todo edifício cultural está fundado sobre as lembranças dos indivíduos, e a inteligência, muitas vezes é identificada com a memória, sobretudo com a auditiva. Bardos, artífices e griots aprendiam seu ofício escutando os mais velhos. O conhecimento acumulado é originado hierarquicamente por uma figura central, ou grupo central, que detinha o conhecimento (como o guru, pajé, contador de histórias, conselho), e transmitido ao coletivo da tribo, aldeia, cidade, ou território de alcance limitado geograficamente. Lèvy sugere a sua representação gráfica como círculos, onde o conhecimento fica restrito a cada círculo sem a possibilidade de troca com outros círculos de conhecimento. Nessas culturas, qualquer proposição que não seja periodicamente retomada e repetida em voz alta está condenada a desaparecer. Não há como armazenar as representações verbais para futura reutilização. Já a oralidade secundária está relacionada a um estatuto da palavra que é complementar ao da escrita, tal como conhecemos hoje. O acúmulo de conhecimento pela escrita segue uma linearidade. O eterno retorno da oralidade é substituido pelas longas perspectivas da história. Reproduz no domínio da comunicação, a relação com o tempo e o espaço. Com a escrita, as representações perduram em outros formatos que não somente o canto ou a narrativa. Ao invés de estarem intimamente conectadas entre si para responder às retrições da memória de longo prazo humana, as representações passam a poder ser transmitidas e durar de forma autônoma e a partir de então, os números e palavras podem ser dispostos em listas e tabelas para futuras referências. As tecnologias culturais de fundamento escrituário permitem a circulação de microrepresentações livres, e não mais envoltas em uma narrativa. Autores como Goody, Havelock e Svembro (1998) indicam que um certo tipo de pensamento racional ou crítico só pode desenvolver-se ao se relacionar com a escrita. Calendários, datas, anais, arquivos, ao instaurarem referências fixas permitem o nascimento da história. O conhecimento é acumulado linearmente, representado graficamente por linhas, onde para se inserir novos conhecimentos, basea-se em diretrizes previamente documentadas temporalmente. A escrita hipertextual está mais próxima de um espetáculo do que da redação clássica. Ela exige equipes de autores, coordenadores, atores, iluminadores etc, em um verdadeiro trabalho coletivo. Inventar novas estruturas discursivas, descobrir as retóricas ainda desconhecidas do sistema dinâmico, do texto de geometria variável e da imagem animada, conceber ideografias nas quais cores, o som e o movimento se associam para significar. O acesso ao conhecimento da informação online é feito de forma totalmente seletiva, e não contínua como na escrita. Em princípio, busca-se conhecimento apenas daquilo que é procurado. O conteúdo não é lido no sentido próprio da palavra, e sim nas sínteses e idéias. O conhecimento de tipo operacional fornecido pelas redes da web perde a temporalidade linear da escrita ou circular da oralidade. Lèvy (ibidem) caracteriza o hipertexto como sendo a informação em tempo real, pontual, sem querer saber de onde vem e para onde vai. O foco é a velocidade da informação. O pesquisador representa o hipertexto como pontos no espaço. Como nós conectatos entre si semanticamente, formando redes de conhecimento interligados, sem início, sem fim, infinitamente. HIPERTEXTO NA ILUSTRAÇÃO Com base nas teorias das redes hipertextuais que a internet proporciona e a crescente utilização desse meio para artistas e profissionais do meio criativo se expressarem e documentarem seus próprios conteúdos e projetos, propôsse à turmas de primeiro período do curso de desenho industrial do Centro Universitário da Cidade, no Rio de Janeiro, a mapear e analisar redes hipertextuais de ilustradores como parte do projeto de aula. Cerca de 157 alunos participaram desta proposta dentro do período de 5 semestres. Cada aluno deveria escolher um ilustrador livremente, mapear e analisar suas conexões para apresentação dentro do espaço de 2 semanas. A escolha do tema ilustradores não seguiu nenhuma pesquisa científica anterior. Escolheu-se o tema pela proximidade e afinidade dos alunos por ilustração, bem como, a grande variedade de opções de escolha de ilustradores como possibilidade de análise, seja de origem brasileira ou internacional. Caso o aluno não apresentasse previamente preferência pessoal por algum ilustrador em particular, foi sugerido fazer-se uma busca pelo site da Sociedade dos Ilustradores do Brasil (www.sib.org.br) como ponto de partida para a escolha um ilustrador. A única restrição aplicada ao projeto refere-se a escolha de ilustradores que atuassem na profissão de ilustração. Artistas plásticos ou amigos considerados talentosos, mas não atuantes no meio, precisariam ser descartados. Por outro lado, artistas plásticos que atuassem também como ilustradores (como por exemplo Andrea Ebert ou Guto Lacaz) poderiam ser escolhidos para análise. As análises finais não seguiram padrões de formato ou documento. Cada aluno escolheu o meio que tivesse maior confortabilidade de construção e manuseio para entregar as informações. A não padronização de documentação objetivou antecipar que eventuais dificuldades de manuseio com algum software não distorcesse a análise. Considerando em se tratar de alunos do primeiro período, parte significativa demonstrava não ter nenhuma

4 familiaridade com softwares da Adobe de base vetorial, de edição de imagens ou de construção de apresentação. As análises foram entregues em grande maioria em documentos formato word, com auxílio de captura de imagens. Uma porcentagem menor utilizou-se de Powerpoint, ou similar, para construção visual das análises. Cerca de 3 alunos sentiram-se mais confortáveis entregando os resultados escritos a mão com imagens desenhadas e coladas, como paineis informativos. Todos os meios de expressar conteúdo foram aceitos. Observação dos ilustradores Após definido a escolha do ilustrador para análise, cada aluno deveria coletar e observar todos os meios pelos quais o seu objeto de estudo se expressa na internet. As mídias a serem observadas incluiram redes sociais (Facebook, Linkedin, Behance, Twitter etc), sites pessoais, blogs, associações afiliadas, revistas online, sites relacionados, Youtube, Vimeo e canais de notícias. Proceguindo notificação de quais mídias principais o ilustrador se expõe, deveria-se analisar como essas redes são conectadas, quais mídias originam links e para onde esses links direcionam. E se essas conexões se direcionam nos dois sentidos. Orientou-se a buscar, além das redes principais fomentadas pelos próprios ilustradores, os links e redes que advinham de outras fontes as quais os ilustradores analisados não teriam influencia direta, como sites ou blogs sobre ilustração, lançamentos de livros e exposições, entrevistas etc. A partir de observações iniciais separou-se as orígens de conexões em dois tipos: (1) as sementes, nós da rede que sofrem fomentos diretos do ilustrador; e (2) os frutos, conexões resultantes de fomentos sem nenhum intervenção direta do ilustrador. Para melhor especificar as duas características de acordo com o tema abordado, as sementes são atuantes no fomento de conteúdo do trabalho do ilustrador e sofrem manipulação direta deste, como suas redes sociais, seu site e associações que está afiliado. Os frutos são reverberações dessas atuações, que proliferam sem controle e sem manipulação direta, como entrevistas, reportagens e blogs de fãs. Após traçar essas conexões em mapeamento gráfico, cada aluno deveria expor análise e opinião pessoal de como a rede hipertextual de seu objeto de estudo funciona: quais as direções das conexões vislumbradas, quais as sementes, quais os frutos e quais nós fomentam determinadas redes e expõem seu trabalho. Relatórios que não apresentassem conclusões e opiniões pessoais ou que não mostrassem profundidade de busca ou análises foram descartados. Mesmo com tamanha diversidade de apresentações e tipos de aprofundamentos dos alunos participantes, é possível observar um direcionamento comum das análises e resultados durante o período abordado. Dado a amplitude de ilustradores selecionados pelos alunos para análise e a impossibilidade de descorrer sobre todos o ilustradores no espaço de um artigo, optou-se por utilizar exemplos de apenas 3 ilustradores como representantes do desenvolvimento da pesquisa: Benício, Carla Pilla e Patrícia Perez. A escolha dos ilustradores mencionados baseia-se em suas atuações profissionais e carreira, onde os três monstram-se em estágios diferentes de tempo e experiência. A possibilidade de se aplicar entrevista não-estruturada posterior para eventual necessidade de esclarecimento de dúvidas também foi determinate para reafirmar as escolhas. As entrevistas não-estruturadas contribuiram para certificação do mapeamento da carreira de cada um dos ilustradores. A sequencia e desenrolar das perguntas da entrevista basearam-se em técnicas sugeridas por Roger Mucchielli (1979) de modo a não distorcer resultados coletados. RESULTADOS Iniciando análise dos ilustradores pelo exemplo de maior experiência no mercado, observa-se que o ilustrador Benício (conhecido como o maior representante de ilustração de pin-ups no Brasil e criador de diversos cartazes nacionais de cinema), além de estar afiliado à SIB e consequentemente ser exposto por esse canal, possui seu próprio site e é atuante no Facebook. Essas são as 2 mídias que ele fomenta diretamente. Por outro lado, ao pesquisar-se seu nome pela ferramenta de busca do Google, os resultados apontam diversas entrevistas, reportagens e prêmios associados ao artista. Estes não são fomentados por ele diretamente. São conexões que se originam em pessoas que admiram seu trabalho, instituições que reconhecem sua importância e reverberações de lançamentos e premiações que recebeu ao longo da carreira. No caso do ilustrador Benício, as sementes seriam o seu site, o seu Facebook e o site da SIB. Todos as 3 são mídias que o próprio (ou seu assitente) utilizam para expor conteúdo e projetos pessoais. Os frutos, ou reverberações, seriam as entrevistas, filmagens e homenagens ao artista ao qual ele próprio não tem ação direta. Filmagens no site Globo.com, entrevista no canal UOL, na Veja, no Jornal das Dez, no Bom Dia PE, releases de livros e tantos outros são reconhecimentos de sua importância por meios de comunicação diversos e adimiradores de seu trabalho. A representação gráfica de sua rede de conexões pode ser observada na figura 1. As conexões em azul representam origem em sementes e conexões em rosa representam origem em frutos.

5 em sementes e conexões em rosa representam origem em frutos. Figura 1. Painel gráfico representativo da rede hipertextual do ilustrador Benício. Seta e quadros azuis representam as sementes, setas rosas de linha contínua representam os frutos com link direto para seu site, setas rosas de linha tracejada representam frutos sem link direto para seu site. Obs: muitos outros frutos foram encontrados durante a pesquisa, mas não seria possível representa-los todos graficamente no espaço disponível. Carla Pilla atua no mercado de ilustração ligada a literatura infantil desde Antes disso, considera que seus trabalhos eram espalhados por diversas áreas de atuação. Possui mídias que expõem seu portfólio online: seu site pessoal, o site Filé de Gato (a partir de 2010) e o blog Garatuja. Possui também quatro mídias sementes : Facebook pessoal, Twitter pessoal, Twitter Filé de Gato e o Facebook Filé de Gato, que fomentam notícias e novidades e direcionam conexões para seus 3 portfolios online (bem como se conectam entre si). Além desses, os sites da SIB e da AEILIJ fazem ligações diretas com seu site (a SIB e a AEILIJ permitem que cada membro indique apenas um link para portfolio pessoal) e o Linkedin aponta tanto para o site quanto para o blog. Todos esses nós citados são sementes que a própria Carla Pilla fomenta regularmente. A rede de conexões da ilustradora é representado graficamente na figura 2. Assim como no anterior, As conexões em azul representam origem Figura 2 representação gráfica das conexões semânticas de Carla Pilla. Elementos azuis são referentes a sementes, elementos rosas são referentes a frutos. Ligações rosa tracejadas são frutos provenientes de sites que falam da ilustradora, mas não oferecem link direto. No entanto, recentemente, observa-se um aumento de nós frutos que surgem gradativamente com sua maior atuação no mercado e sucesso das tiras Filé de Gato (publicadas no jornal Zero Hora em 2011) e atuação na coluna de Marta Medeiros. Editoras que publicam e distribuem livros com sua participação apontam diretamente para lançamentos e as vezes para um dos portfolios da Carla; blogs e sites relacionados a quadrinhos e literatura infantil também expõem trabalhos sobre a artista. Em entrevista nãoestruturada, Carla conta que a quantidade de trabalho crescente vem impedindo que ela se dedique tanto quanto antes ao fomento das sementes. A repercursão do Filé de Gato, participação em livros infantis e seus lançamentos, além de ilustrar coluna da Martha Medeiros acabam fomentando seu trabalho a partir do aumento da popularidade. Atualmente, mesmo que em rítmo menor, insere conteúdo

6 em seu Facebook pessoal e mantém atenção ao site Filé de Gato (que repete posts do respectivo Facebook). Anda pensando em quais mídias deverá apagar para focar em menos nós de conteúdo e facilitar a atenção que as suas redes requerem. Como último exemplo, Patrícia Perez atua mais recentemente no mercado e entrou na SIB (Sociedade de Ilustradores do Brasil) este ano (2013). Quando entrevistada diretamente aponta iniciar como ilustradora desde 2004, apesar dos trabalhos se resumirem a materias mensais para o jornal da UFRJ e ser muito mais atuante como designer. Seu portfolio é exposto pelo seu site profissional e apesar de possuir blog, este atua como uma ramificação do site. Além do website, seu Linkedin também expõe seu curriculo como ilustradora e designer, assim como a SIB expõe uma imagem sua e aponta para seu site pessoal. Figura 3 representação gráfica das conexões semânticas de Patrícia Perez. Elementos azuis são referentes a sementes, ligações rosa tracejadas são frutos provenientes de sites que falam da ilustradora, mas não oferecem link direto. Utiliza Facebook, Behance, Twitter e Flickr como mídias fomentadoras que direcionam para seu site. Além desses, possui trabalhos a venda no Cazulo, que retorna link para seu site, e uma ilustração para download gratuito no site Casa e Jardim. Não foi observado nenhum nó fruto sem seu fomento direto que direcionasse para seu portfolio. A representação gráfica de sua rede de conexões pode ser observada na figura 3. As conexões em azul representam origem em sementes e conexões em rosa representam origem em frutos. CONCLUSÃO E DISCUSSÃO Mesmo exibindo-se apenas 3 objetos de estudo dentre as mais de 150 análises feitas, observa-se que as redes de conexões de cada ilustrador reflete metaforicamente seu posicionamento no mercado de ilustração e respectiva metamorfose durante o passar do tempo. A própria proporção de nós fomentadores, denominados sementes neste artigo, e de nós e conexões que reverberam e se proliferam sem controle, denominado frutos neste artigo, parecem ser resultados da rede hipertextual de cada um dos ilustradores. Tem-se em uma ponta o ilustrador Benício, com anos de experiência e com traço e trabalho bastante reconhecidos em todo o país (pelo menos nos ramos relacionados a sua atuação). Ele possui um site como base para expor seu portfolio, uma mídia fomentadora (Facebook) e uma associação de fomento (SIB). Ao ser indagado sobre suas sementes, admitiu que os posts do Facebook passaram a ocorrer este ano por conta da atuação direta do genro para promover seu trabalho. Ele próprio não tem afinidade para alimentar os posts continuamente. Por outro lado, os nós e conexões que levam ao seu site se proliferam sem controle nenhum. As diversas reportagens, entrevistas, admiradores, referências acumuladas no decorrer de sua trajetória artística criam e proliferam amplamente conteúdos e nós de conhecimento pela rede. Carla Pilla mostra uma metamorfose na rede no decorrer dos anos, reflexo das mudanças qua ocorreram em sua carreira como ilustradora. A partir de 2010, quando o Filé de Gato se inicia na web, sua atividade fomentadora era crescente com 3 bases para portfolio, duas bases de associação e 4 fontes fomentatoras de posts. Todas interligadas e ativamente disseminando e gerando conteúdo com foco em suas ilustrações. Poucas referências se apresentavam como frutos. O despertar do interesse pelas tiras Filé de Gato e seleção para atuar no jornal Zero Hora em 2011, bem como, paralela atuação na coluna de Martha Medeiros e projetos de livros infantis nos últimos 2 anos, diminuiu consideravelmente seu tempo disponível para atuar no fomento de posts e gradativa aparição de reverberação de nós na rede que a ilustradora não possui ação direta. Observou-se que as origens de fomento tem relação com projetos que participa, ao qual editoras, blogs de assunto relacionado, seguidores começam criar conteúdo e apontar links para seu trabalho. Na outra ponta encontra-se a ilustradora Patrícia Perez, recentemente integrante da SIB, com 3 bases de portfolio (apesar do blog mostrar-se como ramificação do site) e 1 associação de referência (SIB). Os canais de fomento são

7 principalmente 3, mas o mais atuante é o Facebook. Atualmente sua exposição no Linkedin tem trazido bons resultados, mas relacionados frequentemente com design. Até o momento de formulação deste artigo, foi observado apenas um link de origem do blog Estante diferente como nó de fomento sem seu controle direto. Além do reflexo metafórico de suas vidas profissionais na rede hipertextual da web, o que é interessante observar é a mutação constante dessa rede. As ligações e conexões de todos os 3 exemplos mudaram durante os anos influenciados pela metamorfose de suas vidas profissionais, assim como a de tantos outros observados. Mudanças de foco para fomento de conteúdo, aumento e diminuição de referências na rede, mídias abandonadas em prol de novas e interessantes opções, ou simplesmente abandonadas por perder importância na hierarquia de prioridades do artista. A rede cresce e diminui pelas beiradas, como o princípo da exterioridade de Lèvy (1993), assim como a moblidade dos centros de foco e a constante metamorfose das conexões. Em poucos anos foi possível notar algumas dessas mudanças de conexões e tudo indica que possivelmente continuarão a se modificar, infinitamente e sem controle. Com os futuros surgimentos de novas opções de exposição e interação na rede hipertextual, mudanças na cultura virtual e influências das transformações da vida, novas observações são necessárias para mapear e entender como esses reflexos se dão na rede. AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer a todos os alunos que cursaram a disciplina Design e Interatividade e participaram do projeto de análise de hipertexto. Cada gráfico criado, cada opinião exposta, cada discussão em cima das observações foram de extrema importância para a coleta de informação durante o período citado no artigo. Agradecimento especial à Patrícia Perez, Carla Pilla e Benício pela disponibilidade em tirar dúvidas sobre pontos de suas carreiras para uma maior precisão nos exemplos expostos. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Goody, Jack. La logique de l'escriture: aux origines de societè humane. Armando Colin, Paris Associação dos Escritores e Ilustradores Infantis e Juvenis. Disponível até 31 de maio de 2013 no site: 3. Junior, Gonçalo. E Benício criou a mulher. Ópera Gráfica Editora, São Paulo, Kotrosky, Aleks. Virtual Revolution. BBC, London Disponível, até 31 de maio de 2013 no site: 5. Lèvy, Pierre. Tecnologias da inteligência. Editora 34, São Paulo Mucchielli, Roger. O questionário na pesquisa psicosocial. São Paulo: Martins Fontes, Svembro, Jesper Phrasikleia. Antropologie de la lecture en Grèce ancienne. La Dècouvert, Paris, Sociedade dos Ilustradores do Brasil. Disponível até 31 de maio de 2013 no site:

O guia completo para uma presença. online IMBATÍVEL!

O guia completo para uma presença. online IMBATÍVEL! O guia completo para uma presença online IMBATÍVEL! Sumário Introdução 3 Capítulo 1 - Produção de Conteúdo: Por que e Como produzir 5 Capítulo 2 - Distribuição e Divulgação 8 Capítulo 3 - Monitoramento

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

NEWSLETTER COMO PROPULSORA DE ACESSOS NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

NEWSLETTER COMO PROPULSORA DE ACESSOS NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA NEWSLETTER COMO PROPULSORA DE ACESSOS

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO CONVERSA DE ELEVADOR Sendo um empreendedor social, você sabe como é importante ser capaz de descrever sua organização, definindo o que diferencia seu trabalho e detalhando o

Leia mais

Tabela de Preços Sugeridos

Tabela de Preços Sugeridos WEBSITE Estrutura básica Área institucional Área estática: quem somos, o que fazemos, onde estamos etc. Área de contato E-mail, telefone, formulário etc. Área core Gerenciador de conteúdo para cadastro

Leia mais

Características do jornalismo on-line

Características do jornalismo on-line Fragmentos do artigo de José Antonio Meira da Rocha professor de Jornalismo Gráfico no CESNORS/Universidade Federal de Santa Maria. Instantaneidade O grau de instantaneidade a capacidade de transmitir

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

Autor (a): Bruna de Lima SILVA 2 Orientador: Professor Dr. Rozinaldo Antonio MIANI 3 Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR

Autor (a): Bruna de Lima SILVA 2 Orientador: Professor Dr. Rozinaldo Antonio MIANI 3 Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR O Uso da Internet na Comunicação Comunitária: Análise do Portal Índios Online 1 Autor (a): Bruna de Lima SILVA 2 Orientador: Professor Dr. Rozinaldo Antonio MIANI 3 Universidade Estadual de Londrina, Londrina,

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 01 06 JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES AGUIRRE, Alexandra 1 BASÍLIO,

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL http://pt.wordpress.com http://.wordpress.org Autor: Calvin da Silva Cousin Orientação: Profª Drª Sílvia Porto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL www.blogger.com Autor: Calvin da Silva Cousin Orientação: Profª Drª Sílvia Porto Meirelles Leite SUMÁRIO 1. O

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

5 A prática das imagens

5 A prática das imagens 83 5 A prática das imagens 5.1. O ato fotográfico As informações reunidas durante a coleta de dados serão aqui apresentadas de acordo com a nacionalidade dos respondentes. Explanaremos inicialmente sobre

Leia mais

Social Media em 5 etapas

Social Media em 5 etapas Como estruturar seu sistema de Social Media em 5 etapas O que é este guia? O Guia de inicialização em social media foi criado pela G&P como uma forma de ajudar e incentivar as mais diversas empresas do

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR josuevitor16@gmail.com @josuevitor Marketing Digital Como usar a internet

Leia mais

www.jornalcidademg.com.br Mídia Kit

www.jornalcidademg.com.br Mídia Kit J O R N A L www.jornalcidademg.com.br Mídia Kit 2014 UM POUCO SOBRE NÓS O objetivo principal desse projeto é oferecer uma ferramenta fácil e inteligente para divulgar informações sobre nossa cidade e região.

Leia mais

PROJETO INOVAÇÃO NAS ESCOLAS EDITAL PARA SELEÇÃO DE REDES PARCEIRAS EM 2016

PROJETO INOVAÇÃO NAS ESCOLAS EDITAL PARA SELEÇÃO DE REDES PARCEIRAS EM 2016 PROJETO INOVAÇÃO NAS ESCOLAS EDITAL PARA SELEÇÃO DE REDES PARCEIRAS EM 2016 Agosto de 2015 Sobre o projeto Inovação nas Escolas O projeto Inovação nas Escolas é uma iniciativa que visa à implementação,

Leia mais

Aline Santos Carlos Augusto Peterson Almeida Rafael Rodrigues Ramon Assis

Aline Santos Carlos Augusto Peterson Almeida Rafael Rodrigues Ramon Assis Aline Santos Carlos Augusto Peterson Almeida Rafael Rodrigues Ramon Assis Marketing Digital Trabalho científico apresentado ao Professor Edvaldo Jr., docente da matéria Marketing Digital, da turma de Produção

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

para imprensa Brand Book

para imprensa Brand Book para imprensa Brand Book Release Passei Direto Uma ferramenta que vem para revolucionar a experiência dos estudantes universitários O Passei Direto (www.passeidireto.com) é uma rede social com foco acadêmico

Leia mais

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Vinícius DAMAZIO 2 Luciana PACHECO 3 Gabriel SAMPAIO 4 Sylvia MORETZSOHN 5 Ildo NASCIMENTO 6 Universidade Federal Fluminense, Niterói,

Leia mais

Igor Zon Balbino. novembro/2011

Igor Zon Balbino. novembro/2011 Igor Zon Balbino novembro/2011 Mídias sociais são ferramentas projetadas para permitir a interação social a partir do compartilhamento e da criação colaborativa de informação nos mais diversos formatos

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

Manual Backup Online. Manual do Usuário. Versão 1.0.1. Copyright Backup Online 2014. https://backuponlinegvt.com.br

Manual Backup Online. Manual do Usuário. Versão 1.0.1. Copyright Backup Online 2014. https://backuponlinegvt.com.br Manual Backup Online Manual do Usuário Versão 1.0.1 Copyright Backup Online 2014 https://backuponlinegvt.com.br 1 Manual Backup Online 1 Índice 1 Índice... 2 2 Backup Online...Erro! Indicador não definido.

Leia mais

MOBILE APPS. Principais características. Permitir que o cliente compre produtos e serviços diretamente via app

MOBILE APPS. Principais características. Permitir que o cliente compre produtos e serviços diretamente via app MOBILE APPS Aplicativo para relacionamento e marketing digital, pronto para todos os dispositivos móveis, nas plataformas ios, Android (aplicativos nativos) e mobile web, para plataformas como BlackBerry

Leia mais

Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania

Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania Sumário Objetivos do Blog... 2 Log-in... 3 Esqueci minha senha... 4 Utilizando o Blog... 5 Encontrando seu Blog... 5 Conhecendo o

Leia mais

Classes Funcionais 21

Classes Funcionais 21 Classes Funcionais 21 3 Classes Funcionais Em todo trabalho de classificação funcional é necessário determinar quais serão as classes funcionais utilizadas. Esta divisão não se propõe a ser extensiva,

Leia mais

Mídias sociais: apoio a qualidade de vida e a mobilidade humana

Mídias sociais: apoio a qualidade de vida e a mobilidade humana Mídias sociais: apoio a qualidade de vida e a mobilidade humana Nuria Sampietro (01); Roberto Sganzerla (02); Sara Benenkanp (03). SBCTrans Endereço: Rua Monteiro Lobato, 151 Jd. Montanhão São Bernardo

Leia mais

Título: ESTRATÉGIAS DE AMPLIAÇÃO DA PRESENÇA DO FLEURY MEDICINA E SAÚDE NAS REDES SOCIAIS

Título: ESTRATÉGIAS DE AMPLIAÇÃO DA PRESENÇA DO FLEURY MEDICINA E SAÚDE NAS REDES SOCIAIS Título: ESTRATÉGIAS DE AMPLIAÇÃO DA PRESENÇA DO FLEURY MEDICINA E SAÚDE NAS REDES SOCIAIS Autores: William Malfatti 1 ; Thaís Arruda 2 ; Sergio Auerbach 3 ; Kleber Soares Filho 4 ; Alex Fernandes 5 ; Melina

Leia mais

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Andreia Solange Bos 2 Rodrigo Moreira 3 Instituto Federal Farroupilha- Campus Alegrete Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí,

Leia mais

1. Áudio. Esta seção servirá para o cliente inserir músicas em formato mp3 para que os visitantes do site possam ouvi-las através do site.

1. Áudio. Esta seção servirá para o cliente inserir músicas em formato mp3 para que os visitantes do site possam ouvi-las através do site. 1. Áudio Esta seção servirá para o cliente inserir músicas em formato mp3 para que os visitantes do site possam ouvi-las através do site. 2. Atendimento online Seção destinada para que os visitantes do

Leia mais

MANUAL DE MEMBRO COMUNIDADE DO AMIGO

MANUAL DE MEMBRO COMUNIDADE DO AMIGO SUMÁRIO Efetuando o Login na comunidade... 3 Esqueceu sua senha?... 3 Página Principal... 4 Detalhando o item Configurações... 5 Alterar Foto... 5 Alterar Senha... 5 Dados Pessoais... 6 Configurações de

Leia mais

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz;

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz; E-mail marketing, muitas vezes considerada uma forma de marketing pessoal, é uma das mais valiosas ferramentas de web marketing, uma das mais visadas e mais focada pelos marqueteiros. Vamos nos concentrar

Leia mais

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES CONTEÚDOS ANTES DE INICIAR A SUA AVENTURA NAS REDES, TENHA EM CONTA AS SEGUINTES DICAS: Atribua a administração de cada canal e/ou estratégia a alguém que faça parte da sua empresa; Dê formação à sua equipa

Leia mais

Manual Vivo Sync. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Vivo 2013. http://vivosync.com.br

Manual Vivo Sync. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Vivo 2013. http://vivosync.com.br Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright Vivo 2013 http://vivosync.com.br 1 1 Índice 1 Índice... 2 2 Vivo Sync... 5 3 Vivo Sync Web... 6 3.1 Página Inicial... 6 3.1.1 Novo Contato... 7 3.1.2 Editar Contato...

Leia mais

Nossos internautas: São bem formados e informados. Frequentadores assíduos do site 58% 52% 53%

Nossos internautas: São bem formados e informados. Frequentadores assíduos do site 58% 52% 53% Audiência Nossos internautas: São bem formados e informados Frequentadores assíduos do site Usam a internet para pesquisar preços e fazer compras Têm renda própria 58% 52% dizem que o site faz parte de

Leia mais

criar colaborar comunicar Tecnologia para Crescer

criar colaborar comunicar Tecnologia para Crescer Tecnologia para Crescer Com o crescimento da banda larga e smartphones/ tablets, conteúdos têm sido criados e consumidos em uma taxa alarmante. Atualmente, a definição de conteúdo mudou e não se trata

Leia mais

Manual Vivo Sync. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Vivo 2013. http://vivosync.com.br

Manual Vivo Sync. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Vivo 2013. http://vivosync.com.br Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright Vivo 2013 http://vivosync.com.br 1 1 Índice 1 Índice... 2 2 Vivo Sync... 4 3 Vivo Sync Web... 5 3.1 Página Inicial... 5 3.1.1 Novo Contato... 6 3.1.2 Editar Contato...

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

O que você está lendo? Prêmio para leitoras e leitores de 15 a 17 anos

O que você está lendo? Prêmio para leitoras e leitores de 15 a 17 anos O que você está lendo? Prêmio para leitoras e leitores de 15 a 17 anos CONVOCATÓRIA 2015 A Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), com o apoio dos Ministérios

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP Empresa Nome fantasia: Rádio Kiss FM Razão Social: Kiss Telecomunicações LTDA. Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Campinas 107,9 MHz; Brasília 94,1 MHz CNPJ: 59.477.240/0001-24.

Leia mais

Relatório do Portal Rádio Margarida do 2º trimestre de 2011

Relatório do Portal Rádio Margarida do 2º trimestre de 2011 O portal da Rádio Margarida em Defesa dos Direitos de Crianças e Adolescentes na Amazônia já está online desde fevereiro de 2010. O objetivo do veículo é disponibilizar materiais educativos que contribuam

Leia mais

Como produzir um Curso on line

Como produzir um Curso on line Como produzir um Curso on line 1 - Introdução Este tutorial visa estimular a produção de cursos on line na forma mais profissional possível. O público alvo deste tutorial é qualquer indivíduo interessado

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais)

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais) PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA Ensino Fundamental (séries finais) O Clickideia é um portal educacional (www.clickideia.com.br), desenvolvido com o apoio do CNPq e da UNICAMP, que apresenta conteúdos didáticos

Leia mais

3º Encontro Nacional de Produção Cultural: Website 1. Caio Amaral da CRUZ 2. Sérgio Sobreira ARAUJO 3. Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA

3º Encontro Nacional de Produção Cultural: Website 1. Caio Amaral da CRUZ 2. Sérgio Sobreira ARAUJO 3. Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA 3º Encontro Nacional de Produção Cultural: Website 1 Caio Amaral da CRUZ 2 Sérgio Sobreira ARAUJO 3 Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA RESUMO Com o objetivo de divulgar informações e ações importantes

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

Dicas de Marketing Pessoal utilizando as Mídias Sociais. Mídias Sociais e Marketing Pessoal

Dicas de Marketing Pessoal utilizando as Mídias Sociais. Mídias Sociais e Marketing Pessoal Dicas de Marketing Pessoal utilizando as Mídias Sociais Mídias Sociais Sites de Redes Sociais são serviços de web que permitem aos usuários (1) construir um perfil público ou semipúblico dentro de um sistema

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM GUIÃO DE PESQUISA DE INFORMAÇÃO

ELABORAÇÃO DE UM GUIÃO DE PESQUISA DE INFORMAÇÃO ELABORAÇÃO DE UM GUIÃO DE PESQUISA DE INFORMAÇÃO Este guia pretende ajudar os professores e os alunos na criação de guiões de pesquisa de informação. Os guiões de pesquisa podem ser mais ou menos detalhados,

Leia mais

BLOG: GRUPO DE DISCUSSÃO: PODCAST:

BLOG: GRUPO DE DISCUSSÃO: PODCAST: O MUNDO ONLINE Uma das marcas dessa nova era são as redes sociais. Comunidades online como o Facebook, Twitter, Fousquare, Youtube e outras, possibilitam a comunicação entre as pessoas, ao mesmo tempo,

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

1 Introdução. Dentre os conceitos que estudamos, o Inbound Marketing (Marketing Receptivo) é um que não pode passar em branco.

1 Introdução. Dentre os conceitos que estudamos, o Inbound Marketing (Marketing Receptivo) é um que não pode passar em branco. Sumário 1 Introdução... 3 2 Mas afinal o que é Inbound Marketing?... 4 3 Desenvolvimento de sites e Inbound Marketing... 5 4 Etapas do Inbound Marketing... 6 4.1 Atrair tráfego... 7 4.1.1 SEO (Search Engine

Leia mais

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com. SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL Expositor Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.br (61) 9613-6635 5 PILARES DO MARKETING DIGITAL 1 2 3 4 5 Presença digital: Ações

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

Nosso conteúdo. Gente de Arte: Resenha feita por nossos colaboradores que tratam de textos críticos ou reflexivos sobre variados assuntos.

Nosso conteúdo. Gente de Arte: Resenha feita por nossos colaboradores que tratam de textos críticos ou reflexivos sobre variados assuntos. Mídia Pack Quem somos? O Arte Ref é uma revista online bilingue, dedicada a publicar notícias sobre arte contemporânea tanto do cenário nacional quanto internacional. Desde o seu lançamento em 2008, o

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Web Design; Convergência; Produção Digital; Identidade Visual.

PALAVRAS-CHAVE: Web Design; Convergência; Produção Digital; Identidade Visual. Reformulação Visual do site DNA UFF 1 Sara Alencar DIAS 2 Tamires Teixeira SANTOS 3 Isadora Soares LESSA 4 Prof. Guilherme Bento de Faria LIMA 5 Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ RESUMO O seguinte

Leia mais

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM INTRODUÇÃO/DESENVOLVIMENTO Bruna Vieira de Oliveira Ricardo Rigaud Salmito 1 Esta pesquisa pretende analisar se a criação do site da rádio São Francisco

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LAUREATE INTERNACIONAL EDUCATION Klaibert Miranda Jacqueline Cícera Florêncio dos Santos Valter Garoli Mariana Estima do Nascimento PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Portal FENAM e Ambientes 2.0 Plano de comunicação digital 2010/2011

Portal FENAM e Ambientes 2.0 Plano de comunicação digital 2010/2011 Plano de Monetização Portal FENAM e Ambientes 2.0 Plano de comunicação digital 2010/2011 Brasília, 03 de dezembro de 2010 APRESENTAÇÃO Criado em Brasília em 2008, o Portal FENAM tem uma proposta única

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

Eurípedes Alcântara Diretor de Redação

Eurípedes Alcântara Diretor de Redação 1 Informar, esclarecer e entreter o leitor, elevando seu nível de compreensão dos fatos, das tendências que sejam relevantes para a sua vida pessoal, profissional e sua compreensão do mundo. Eurípedes

Leia mais

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 Bruna Mayara de Lima Cibotto 2 ; Patrícia Marques da Silva Prado 2 ; Ana Paula Machado Velho 3. RESUMO: O presente

Leia mais

Portfólio Web Design e Marketing Digital

Portfólio Web Design e Marketing Digital Portfólio Web Design e Marketing Digital Chandra Santos Especialista em Marketing e Design Digital pela ESPM Rio. Bacharel em Comunicação Social/Jornalismo pela Estácio (Clique nos ícones e me acompanhe)

Leia mais

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL INTRODUÇÃO Já imaginou ter acesso a dados e estatísticas do website do concorrente? Com alguns aplicativos e ferramentas, isso já é possível. Com ajuda deles, você

Leia mais

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.1. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.1. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br Manual do Usuário Nextel Cloud Manual do Usuário Versão 1.0.1 Copyright Nextel 2014 http://nextelcloud.nextel.com.br 1 Manual do Usuário Nextel Cloud 1 Índice 1 Índice... 2 2 Nextel Cloud... 3 3 Instalação

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS

Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA 50 milhões de usuários IDADE MÍDIA 90 milhões de brasileiros na WEB, 70 milhões na rede social Facebook e mais de 30 milhões no Twitter ADEUS

Leia mais

Qlik Sense Cloud. Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados.

Qlik Sense Cloud. Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik Sense Cloud Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik, QlikTech,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Internet; Web; Webjornalismo; Portal; Estadão.

PALAVRAS-CHAVE: Internet; Web; Webjornalismo; Portal; Estadão. Análise das características do webjornalismo no portal de notícias Estadão 1 ROCHA, Arisson Leda da 2 JÚNIOR, Josemar Pereira de Freitas 3 MATOS, Igson Luiz de Souza 4 MACIEL, Alexsander Nickson Leda 5

Leia mais

Internet Visão Geral. O que é a Internet? Ong Ação Cidadã

Internet Visão Geral. O que é a Internet? Ong Ação Cidadã Internet Visão Geral Ong Ação Cidadã O que é a Internet? INTERNET é o conjunto de computadores conectados em escala mundial, utilizando o protocolo TCP/IP para comunicar entre si. Nasceu em 1969 com a

Leia mais

Título: Guia do Aluno EAD Autor: Adriana V. Bassut Edição: Novembro 2009. Guia do Aluno EAD

Título: Guia do Aluno EAD Autor: Adriana V. Bassut Edição: Novembro 2009. Guia do Aluno EAD Título: Guia do Aluno EAD Autor: Adriana V. Bassut Edição: Novembro 2009 Guia do Aluno EAD Sumário SUMÁRIO...2 INTRODUÇÃO...3 METODOLOGIA...3 AULAS VIRTUAIS...4 INSCRIÇÃO...4 APROVAÇÃO...5 PRESENÇA...5

Leia mais

Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1

Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1 Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1 Jaqueline ECLISSI 2 Jesse James dos SANTOS 3 Sergio RODRIGUES 4 Daniele DOMINGOS 5 Drielle Ferreira de LIMA 6 Adriana

Leia mais

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais - TJMG Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes - EJEF Programa de Educação a Distância do TJMG EAD-EJEF Programa EAD-EJEF Manual do Estudante Versão

Leia mais

Quer Criar um Blog Mas não sabe Como? Essas 5 Dicas vão trazer muitos esclarecimentos.

Quer Criar um Blog Mas não sabe Como? Essas 5 Dicas vão trazer muitos esclarecimentos. Quer Criar um Blog Mas não sabe Como? Essas 5 Dicas vão trazer muitos esclarecimentos. Quero criar um blog mas nem sei por onde começar direito?!? Essa é uma dúvida comum para muitos, não se preocupe,

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão SET 2014 A SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão) é a principal associação de profissionais que trabalham com tecnologias e sistemas operacionais

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

Hábitos de uso e comportamento dos internautas brasileiros em mídias sociais. Setembro de 2009

Hábitos de uso e comportamento dos internautas brasileiros em mídias sociais. Setembro de 2009 Hábitos de uso e comportamento dos internautas brasileiros em mídias sociais Setembro de 2009 A pesquisa Hábitos de uso e comportamento dos internautas brasileiros em mídias sociais foi direcionada para

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM Jornal Revista Televisão Rádio Internet - Relata o que já passou e o que vai acontecer; -Credibilidade; - Cobertura

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Marketing Digital. Político. Gabinete 2015. NorteServer. Digital. Marketing Digital de Resultado

Marketing Digital. Político. Gabinete 2015. NorteServer. Digital. Marketing Digital de Resultado Marketing Digital Político Gabinete 2015 NorteServer Digital Marketing Digital de Resultado FUNIL TUDO COMEÇA COM UM BOM FUNIL DE CONTEUDO PARA SEU MANDATO. ENGAJE TODA A SUA BASE. INSTAGRAM A REDE SOCIAL

Leia mais

Mídias Sociais: Conhecendo, aplicando e monitorando. Entenda como você pode trabalhar e monitorar mídias sociais, com foco no Twitter e Facebook.

Mídias Sociais: Conhecendo, aplicando e monitorando. Entenda como você pode trabalhar e monitorar mídias sociais, com foco no Twitter e Facebook. 1 Mídias Sociais: Conhecendo, aplicando e monitorando. Entenda como você pode trabalhar e monitorar mídias sociais, com foco no Twitter e Facebook. O que você vai encontrar neste ebook: Por que eu preciso

Leia mais

Quem é Ana Luiza Cunha?

Quem é Ana Luiza Cunha? Apresentação WSI Quem é a WSI? Fundada em 1995 Nascimento da Internet 1.100 Consultores de Marketing Digital 81 países 12 grandes Centros de Produção Receita estimada da rede: acima de US$160 milhões Parceiros:

Leia mais

Manual do Ambiente Moodle para Alunos

Manual do Ambiente Moodle para Alunos UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL Manual do Ambiente Moodle para Alunos Versão 1.0b Setembro/2011 Direitos Autorais: Essa apostila está licenciada sob uma Licença Creative Commons 3.0 Atribuição de

Leia mais

Guia Completo. Modelos de Posts para seu Blog

Guia Completo. Modelos de Posts para seu Blog 45 Guia Completo Modelos de Posts para seu Blog O que tem neste Guia? Nesse ebook Exclusivo, você vai conhecer 45 Modelos diferentes com ideias geniais para você criar os seus posts! 1. Lista Top 10 2.

Leia mais

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright Nextel 2014 http://nextelcloud.nextel.com.br 1 Nextel Cloud... 4 2 Nextel Cloud Web... 5 2.1 Página Inicial... 6 2.1.1 Meu Perfil... 7 2.1.2 Meu Dispositivo...

Leia mais

Integração com a Mídia Social

Integração com a Mídia Social Guia rápido sobre... Integração com a Mídia Social Neste guia... Vamos mostrar como integrar seu marketing com as mídias sociais para você tirar o maior proveito de todo esse burburinho online! Nós ajudamos

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR Novell Teaming - Guia de início rápido Novell Teaming 1.0 Julho de 2007 INTRODUÇÃO RÁPIDA www.novell.com Novell Teaming O termo Novell Teaming neste documento se aplica a todas as versões do Novell Teaming,

Leia mais