Comunicado Publicado quinta-feira, 31 de outubro de 2013 BAnz AT B2 Página 1 de 6

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicado Publicado quinta-feira, 31 de outubro de 2013 BAnz AT 31.10.2013 B2 Página 1 de 6"

Transcrição

1 Página 1 de 6 Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Diretiva para o programa especial da Federação Alemã para o Fomento da mobilidade profissional de jovens interessados em formação e jovens profissionais especializados desempregados (MobiPro-EU) 1 Finalidade e base jurídica De 28 de outubro de O Estado garante, no quadro do programa especial de jovens interessados em formação e jovens profissionais especializados em situação de desemprego na Europa, os serviços de apoio que sejam necessários para uma mediação bem sucedida relativa à formação profissional em contexto empresarial e ao emprego qualificado na Alemanha. Com isso será dado um contributo contra a elevada taxa de desemprego entre jovens dentro da União Europeia (UE) e para a cobertura da necessidade de profissionais especializados na Alemanha. No quadro do programa especial, podem ser integrados jovens da UE com idade entre 18 e 35 anos (em casos excecionais especialmente fundamentados, até aos 40 anos, por exemplo em profissões relativas à saúde) que possuam reduzidas perspetivas profissionais devido à situação crítica a nível de formação e de mercado de trabalho nos seus países de origem. Neste sentido, têm a possibilidade de conseguir na Alemanha uma formação profissional em contexto empresarial ou uma atividade qualificada numa profissão crítica. As profissões de funções críticas são o resultado da análise de profissões críticas da Bundesagentur für Arbeit (BA) (Agência Federal de Trabalho), a qual é atualizada regularmente. Neste sentido, podem ser consideradas as necessidades regionais após avaliação. O programa especial garante um contributo para o fortalecimento da mobilidade profissional no quadro do princípio da livre circulação garantida na UE. A diretiva de financiamento não pretende fundamentar um direito legal a financiamento. 1.2 Os instrumentos de fomento do programa especial destinam-se em particular a ultrapassar barreiras linguísticas e dificuldades previsíveis que possam impedir o processo de recrutamento e de contratação na Alemanha. Isto é válido particularmente para a aceitação de uma formação profissional em contexto empresarial por jovens interessados em formação em cujos países de origem não seja conhecido este tipo de formação profissional. Por isso, está prevista, em primeiro lugar, a realização de um estágio numa empresa de formação, especialmente para evitar posterior abandono da formação. 1.3 O programa especial é realizado pelo Zentrale Auslands- und Fachvermittlung (ZAV - Serviço de Recrutamento Internacional) da BA, na autoridade competente a que adiante se faz referência. 1.4 Com exceção das divergências reguladas nos números 4.3 e 4.4, são válidas as disposições administrativas relativas ao 44 do Regulamento do Orçamento Federal (BHO). 1.5 O Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais (BMAS) atribui à autoridade competente, para o cumprimento da finalidade, os meios para mediação à sua própria responsabilidade. A autoridade competente decide relativamente ao financiamento, mediante aprovação do BMAS, com base nos 23 e 44 do BHO, e mediante as disposições administrativas gerais daí decorrentes, salvo disposição em contrário na diretiva, assim como mediante as disposições da lei relativa ao processo administrativo (VwVfG) e mediante esta diretiva no âmbito da sua competência discricionária obrigatória e no âmbito daquela relativa à autoridade competente do BMAS para este efeito concernente à mediação da gestão orçamental atribuída. O candidato não possui o direito à concessão de subsídio. 1.6 A concessão de subsídios está sujeita a que a respetiva verba se encontre disponível. 2 Objeto do financiamento 2.1 Os seguintes apoios podem ser solicitados na preparação para a formação profissional na empresa ou para o estágio preparatório e durante a formação profissional na empresa ou durante o estágio de adaptação, sendo então criada a equivalência de um diploma profissional existente com a referência alemã de profissão: Financiamento de um curso preparatório de alemão no país de origem (ver secção I número 1 do catálogo de apoios financeiros [ver anexo]) Financiamento ou disponibilização de um curso de alemão como acompanhamento ao estágio (ver secção I número 2 do catálogo de apoios financeiros) Ajuda a despesas de viagem para a entrevista de emprego, para iniciar um estágio e para entrar na formação profissional em contexto empresarial ou eventualmente para uma interrupção prematura da mesma (ver secção I número 3 do catálogo de apoios financeiros) Subsídio para cobrir as despesas durante o estágio preparatório de formação ou durante a formação profissional em contexto empresarial (ver secção I número 4 do catálogo de apoios financeiros)

2 Página 2 de 6 Financiamento ou disponibilização de um subsídio com ajudas de acompanhamento à formação (ver secção I número 5 do catálogo de apoios financeiros) Fomento da língua alemã acompanhando o estágio de adaptação, acompanhamento pedagógico social e profissional, bem como apoio para cobrir as despesas durante o estágio de adaptação (ver secção I número 6 do catálogo de apoios financeiros) Solicitação de apoios por terceiros (ver secção I número 7 do catálogo de apoios financeiros) 2.2 Podem ser solicitados os seguintes apoios na preparação para e acompanhamento de uma atividade qualificada numa profissão crítica: Financiamento de um curso de alemão no país de origem ou na Alemanha (ver secção II número 1 do catálogo de apoios financeiros) Ajuda a despesas de viagem ou de mudança para entrevista de emprego ou início de uma atividade (ver secção II número 2 do catálogo de apoios financeiros) Reembolso dos custos do processo de reconhecimento para profissões críticas regulamentadas (ver secção II número 3 do catálogo de apoios financeiros) Financiamento de uma orientação inicial para jovens profissionais especializados na Alemanha (ver secção II número 4 do catálogo de apoios financeiros) 3 Beneficiários 3.1 Os beneficiários são todos aqueles que fazem uso da sua liberdade de circulação dentro da UE e que desejam obter uma formação profissional em contexto empresarial ou exercer uma atividade qualificada numa área profissional crítica na Alemanha. As pessoas que desejem ser apoiadas enquanto profissionais especializados na Alemanha têm de estar desempregadas na UE. As pessoas que desejem candidatar-se à formação profissional numa empresa devem possuir um certificado de conclusão do ensino secundário reconhecido, mas não devem ter ainda efetuado a formação profissional em contexto empresarial no seu país de origem. 3.2 No âmbito da formação profissional em contexto empresarial, terceiros (como organizações de câmaras, associações empresariais) podem receber um financiamento de projeto na qualidade de beneficiários. No quadro do projeto, podem ser solicitados os apoios sintetizados na secção I número 1 até à secção I número 6 e, após aprovação, implementados ou a assistência financeira pode ser encaminhada aos participantes. Para os apoios na secção I número 3 e secção I número 4 (ajuda a despesas de viagem e subsídio para cobrir as despesas), é necessária a apresentação de contratos de concessão entre o beneficiário e o estagiário ou formando. Podem ser solicitados custos administrativos no montante de até 5% do total do financiamento sem os apoios conforme a secção I número 4 do catálogo de apoios financeiros, caso seja alcançado por candidatura um tamanho de grupo de pelo menos dez formandos. A elegibilidade também está sujeita a que não sejam impostos pelo requerente nenhuns custos aos jovens que aspiram à formação profissional em contexto empresarial. 4 Outras condições e procedimentos 4.1 Para a aprovação de um subsídio é necessária uma candidatura por escrito. No âmbito da formação profissional em contexto empresarial, a submissão inicial da candidatura não deve ocorrer mais cedo do que doze meses antes do início programado da formação. A submissão de candidaturas é possível a partir de 1 de Novembro de A condição para a promoção de medidas é o parecer positivo das entidades promotoras da BA/ do ZAV ou a oferta por escrito de vagas para formação ou de emprego na Alemanha. 4.3 No âmbito do fomento da língua alemã, apenas são permitidas medidas para entidades promotoras que realizem cursos de línguas BAMF ao abrigo Fundo Social Europeu, sejam certificadas para cursos de integração pelo Departamento Federal de Migração e Refugiados ( Bundesamt für Migration und Flüchtlinge, BAMF), sejam institutos Goethe na Alemanha ou possuam uma licença de entidade promotora de acordo com o 178 do Livro III do Código Social ( Sozialgesetzbuch, SGB III) em conjunto com o 2 do AZAV. 4.4 No âmbito da promoção com ajudas de acompanhamento à formação, apenas são permitidas entidades promotoras que sejam certificadas segundo o Regulamento para a Acreditação e Licenciamento da Promoção do Emprego (Akkreditierungs- und Zulassungsverordnung Arbeitsförderung, AZAV). O domínio da licença de acordo com o 5 n.º 1 do AZAV é irrelevante. 4.5 O pagamento de subsídios para as chamadas medidas de apoio especificadas no número 2, que incorram fora da UE, como cursos de alemão nos países de origem e ajudas nas despesas de deslocação ou de mudança do país de origem para a Alemanha, é efetuado, por norma, após o adiantamento por parte do requerente ou da entidade promotora do curso de línguas no estrangeiro (princípio de reembolso). 4.6 O pagamento de subsídios é efetuado apenas mediante a apresentação de um contrato de formação profissional ou de trabalho ou mediante um parecer positivo das entidades promotoras da BA/ do ZAV, bem como o comprovativo da utilização dos meios para os fins previstos, de acordo com o catálogo de apoios financeiros.

3 Página 3 de Nos casos da frequência de cursos de línguas fora da UE, é necessário o comprovativo da utilização para os fins previstos mediante apresentação do certificado de participação emitido pela entidade promotora do curso, da respetiva fatura do custo do curso pela entidade promotora do curso ou do comprovativo de pagamento No respeitante à ajuda nas despesas de deslocação e de mudança, é necessário o comprovativo da utilização para os fins previstos mediante apresentação de um contrato de formação profissional ou contrato de trabalho, desde que não se trate da deslocação para entrevista de emprego, bem como uma declaração da empresa formadora ou entidade empregadora a confirmar que a entrevista se realizou, uma confirmação da empresa formadora da aceitação para estágio ou formação profissional na empresa (ajuda a despesas de deslocação) ou uma confirmação da entidade empregadora de que a relação de trabalho foi iniciada (ajuda a despesas de mudança). 4.7 A atribuição do subsídio será emitida mediante a ordem de entrada das candidaturas. Para a aprovação, pagamento e dedução do subsídio, assim como para o comprovativo e a verificação da utilização e, eventualmente, a necessária revogação da atribuição de subsídio e reposição do montante concedido, aplicam-se as disposições administrativas (VV) relativas ao 44 do BHO, número 8 do anexo 2, ao VV, número 5.1 do 44 do BHO, bem como os 48 até 49a das disposições da lei relativa ao processo administrativo (VwVfG), desde que não estejam previstas divergências nesta diretiva de financiamento e no catálogo de apoios financeiros. Não obstante o disposto no VV número 7.1 do 44 do BHO, o ZAV pode determinar o pagamento do subsídio antes da aplicabilidade da atribuição do mesmo, caso apenas dessa forma o objetivo do programa de apoio possa ser cumprido. Tal aplica-se somente a pessoas singulares enquanto beneficiários no quadro do apoio individual. 4.8 A autoridade competente possui direito de avaliação relativamente ao beneficiário. O direito de avaliação por parte do tribunal federal de contas decorre do descrito nos 91 e 100 do BHO. 5 Tipo, âmbito e montante de financiamento 5.1 O subsídio é concedido aos candidatos, de acordo com o número 3.1, a fundo perdido como financiamento de projeto no âmbito da existência de défice de financiamento. O subsídio, de acordo com o número 3.2, será concedido aos candidatos por meio de financiamento integral a fundo perdido. 5.2 As despesas sujeitas a subsídio são aquelas incluídas no catálogo de apoios financeiros como parte integrante da presente diretiva. 5.3 O volume de financiamento do programa especial para o período entre 2013 e 2016 ascende a um total de até 139 milhões de euros. 6 Outras disposições da diretiva A autoridade competente deve apresentar ao BMAS no final do primeiro trimestre do ano seguinte um resumo da aplicação do orçamento, assim como um relatório de síntese anual (relatório factual), com inclusão de dados estatísticos. Neste deve ser observado o estipulado no VV, número 11, letra a, cláusula 2 do 44 do BHO. 7 Início e duração do financiamento 7.1 A atribuição de subsídios é efetuada de acordo com o catálogo de apoios financeiros, com início não anterior a 2 de janeiro de 2013 e término o mais tardar a 31 de dezembro de No caso de cessação das condições de financiamento, este termina no final do mês em curso. 8 Entrada em vigor A diretiva entra em vigor no dia seguinte à publicação no diário da república alemão (Bundesanzeiger). Fica reservado o direito a alterações, devendo estas ser editadas em conformidade com as disposições administrativas gerais do número 15.2, cláusula 2 do 44 do BHO. A presente Diretiva substitui a Diretiva de 27 de dezembro de 2012 (BAnz AT B5) Berlim, 28 outubro de 2013 Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Em representação de Dr. E. Neifer-Porsch

4 Página 4 de 6 Anexo Catálogo de apoios financeiros Atribuição de subsídios e documentos comprovativos I. Podem ser solicitados os seguintes apoios na preparação para a formação profissional em contexto empresarial ou para o estágio preparatório e durante a formação profissional na empresa ou durante o estágio de adaptação: 1. Financiamento de um curso preparatório de alemão no país de origem Até 16 semanas, com um conjunto de 400 unidades curriculares (UC), no máximo, de 45 minutos na forma de módulos, aos preços habituais no país; no máximo 12 /UC (incluindo materiais de aprendizagem e de ensino). Processo de candidatura: A candidatura é feita antes do início do curso de línguas, indicando a entidade promotora prevista para o curso e os custos do mesmo. Deve ser ainda incluído um parecer positivo das entidades promotoras da BA/ do ZAV ou uma oferta por escrito de um estágio ou de uma formação profissional. Documentos comprovativos: Apresentação da confirmação fornecida pela entidade promotora do curso sobre a participação regular, assim como a fatura da mesma entidade dos respetivos módulos iniciados ou concluídos ou o comprovativo de pagamento. 2. Financiamento ou disponibilização de um curso de alemão como acompanhamento ao estágio Durante o estágio, até 12 semanas, com um conjunto de 210 UC de 45 minutos; no máximo 12 /UC (incluindo materiais de aprendizagem e de ensino). Processo de candidatura: A candidatura é feita antes do início do curso de línguas, adicionando o contrato de estágio da empresa formadora, com a indicação do local de estágio, assim como da inscrição do candidato junto de uma entidade promotora do curso de línguas. Documentos comprovativos: Confirmação da participação regular, assim como a fatura do custo do curso pela entidade promotora ou comprovativo de pagamento. 3. Ajuda a despesas de viagem para a entrevista de emprego, para iniciar um estágio e para entrar na formação profissional em contexto empresarial ou eventualmente para a interrupção prematura da mesma Para despesas de viagem para a entrevista de emprego e para o início do estágio, são reembolsadas as ajudas a despesas de viagem (ida e volta) no montante de 200 até uma distância simples de 500 km, 300 a partir de 500 km. Para o início ou a eventual interrupção prematura da formação profissional em contexto empresarial, podem ser reembolsados respetivamente 500. Estão aqui incluídos os eventuais custos associados à mudança de residência. Todas as despesas de viagem são pagas antecipadamente pelo candidato. Processo de candidatura: A candidatura é feita antes do início da viagem, com indicação da empresa formadora prevista. Deve ser ainda incluído um parecer positivo das entidades promotoras da BA/ do ZAV ou uma oferta por escrito de um estágio em contexto empresarial ou, no caso do início de uma formação profissional em contexto empresarial, o contrato de formação. Documentos comprovativos: Devem ser apresentados os seguintes documentos (não é necessária a apresentação de bilhetes): a) Declaração da empresa formadora a confirmar que a entrevista se realizou, b) Apresentação do contrato de estágio e confirmação da empresa formadora de que o estágio foi aceite ou c) Apresentação do contrato de formação e confirmação da empresa formadora de que a formação profissional na empresa foi iniciada ou terminada prematuramente. 4. Subsídio para cobrir as despesas durante o estágio preparatório de formação ou durante a formação profissional em contexto empresarial No máximo 818 por mês, tendo em conta a remuneração do estágio, até três meses (duração do estágio) ou tendo em conta a remuneração da formação. No quadro da formação profissional em contexto empresarial, são também reembolsadas duas viagens para casa (ida e volta) por ano de formação no montante de 200 até uma distância simples de 500 km, 300 a partir de 500 km. O montante de um máximo de 818 é acrescido de 130 para despesas com cuidados infantis, caso o/a estagiário(a) tenha filhos a seu cargo. Processo de candidatura: A candidatura é feita antes do início do estágio de acompanhamento à formação ou da formação profissional em contexto empresarial, adicionando o contrato de estágio ou de formação da empresa formadora. Documentos comprovativos: Certificado da empresa formadora relativo à participação regular no estágio ou certificado

5 da empresa formadora de que continua a existir uma relação de formação. Página 5 de 6 5. Financiamento ou disponibilização de um subsídio com ajudas de acompanhamento à formação (fomento da língua alemã, explicações sobre as aulas de formação profissional, assim como acompanhamento pedagógico social e profissional) O montante da aceitação dos custos para todo o período de formação é direcionado essencialmente conforme os fundos da Agência Federal de Trabalho para apoios de acompanhamento à formação (medidas AAF), que variam de acordo com a região. Quando, com base na mobilidade transfronteiriça seja necessário um apoio à integração social, que ultrapasse qualitativa e/ou quantitativamente o âmbito de um apoio de acompanhamento à formação tal como definido no 75 do SGB III, podem ser cobertos outros custos para as respetivas aplicações até ao montante de um valor único para apoios de acompanhamento à formação, caso a entidade promotora forneça, por sua vez, os recursos necessários para os gastos adicionais. Em casos específicos e no quadro do estágio e da formação profissional em contexto empresarial, podem ser também concedidos subsídios de representação para o acompanhamento voluntário por instituições de solidariedade no montante de 85 por mês e participante. Processo de candidatura: A candidatura para o apoio dos jovens é feita antes do início do subsídio de acompanhamento à formação adicionando o contrato de formação. Deve ser adicionada uma declaração da entidade promotora relativa à disponibilização dos recursos necessários para a superação de gastos adicionais, desde que devam ser reembolsados à mesma entidade custos pelos serviços que ultrapassem qualitativa e/ou quantitativamente o âmbito de um apoio de acompanhamento à formação tal como definido no 75 do SGB III. Documentos comprovativos: Relatório periódico do prestador de serviços relativamente ao tipo e conteúdo da prestação de serviço e à participação regular do candidato. 6. Fomento da língua alemã acompanhando o estágio de adaptação, acompanhamento pedagógico social e profissional, bem como apoio para cobrir as despesas durante o estágio de adaptação (máximo de 12 meses) Fomento da língua alemã acompanhando o estágio de adaptação, acompanhamento pedagógico social e profissional (apoios, ver secção I número 5) bem como cobertura das despesas durante o estágio de adaptação tendo em conta a remuneração da formação do terceiro ano de formação (apoios, ver secção I número 4). Processo de candidatura: A candidatura é feita antes do início do estágio de adaptação, adicionando o certificado de qualificação profissional escolar do país de origem, a decisão do processo de reconhecimento pela autoridade competente (pleno reconhecimento do conhecimento teórico e profissional necessário, lacunas nas capacidades e competências práticas), bem como um plano e contrato de estágio de adaptação numa empresa formadora aprovados pela autoridade competente de certificação. Documentos comprovativos: Certificado da empresa formadora relativo à participação regular no estágio de adaptação, bem como a decisão da autoridade competente relativa à equivalência da qualificação profissional estrangeira após a conclusão do estágio de adaptação. 7. Solicitação de apoios por terceiros Para além do apoio individual, um financiamento de projeto pode ser concedido por terceiros (beneficiários). Podem ser solicitados os apoios sintetizados na secção I número 1 até à secção I número 6 por terceiros e, após aprovação, implementados ou encaminhados aos participantes. Podem ser solicitados custos administrativos no montante de até 5% do total do financiamento sem os apoios conforme a secção I número 4 do catálogo de apoios financeiros, caso seja alcançado um tamanho de grupo de pelo menos dez formandos. A elegibilidade também está sujeita a que não sejam impostos pelo requerente nenhuns custos aos jovens que aspiram à formação profissional em contexto empresarial. Processo de candidatura: A candidatura é feita antes do início do primeiro apoio, adicionando todos os documentos acima mencionados nos apoios na secção I número 1 até secção I número 6, bem como a confirmação por escrito da empresa do número correspondente de vagas de estágio ou formação a disponibilizar. Deve também ser incluída uma programação do projeto, a partir da qual seja evidente a sequência dos módulos de financiamento com referência ao início da formação profissional na empresa. Documentos comprovativos: Para além dos elementos de prova por apoio descritos nos módulos de financiamento, o beneficiário tem de apresentar uma prova de utilização intermédia quantitativa por ano.

6 Também para a concessão do apoio na secção I número 3 e secção I número 4, é necessária a apresentação de um contrato de concessão entre o beneficiário e o estagiário ou formando.

7 Página 6 de 6 Podem ser solicitados os seguintes apoios na preparação para e acompanhamento de uma atividade qualificada numa profissão crítica: 1. Financiamento de um curso de alemão no país de origem ou na Alemanha II. Até 680 unidades curriculares de 45 minutos na forma de módulos, aos preços habituais no país; no máximo 12 /UC (incluindo materiais de aprendizagem e de ensino). Fica ao critério do candidato em que país da UE deve decorrer o ensino. Os custos do exame de certificação (B-2, nível de acordo com o Quadro Europeu Comum de Referência GER), no montante de até 150 são reembolsáveis. Processo de candidatura: A candidatura é feita antes do início do curso de línguas, indicando a entidade promotora prevista para o curso e os custos do mesmo. Deve ser ainda incluído um parecer positivo das entidades promotoras da BA/ do ZAV ou uma oferta por escrito de emprego na Alemanha. Documentos comprovativos: Apresentação da confirmação fornecida pela entidade promotora do curso sobre a participação regular, assim como a fatura da mesma entidade dos respetivos módulos iniciados ou concluídos ou o comprovativo de pagamento. 2. Ajuda a despesas de viagem ou de mudança para entrevista de emprego ou início de uma atividade Para despesas de viagem para a entrevista de emprego são reembolsadas valores únicos de despesas de viagem (ida e volta) no montante de 200 até uma distância simples de 500 km, 300 a partir de 500 km. Para o início de uma atividade, é reembolsado um valor único de despesas de mudança no montante de 890. Todas as despesas de viagem são pagas antecipadamente pelo candidato. Processo de candidatura: A candidatura é feita antes do início da viagem para a entrevista de emprego ou para o início da atividade, com indicação da entidade empregadora prevista. Deve ser ainda incluído um parecer positivo das entidades promotoras da BA/ do ZAV ou uma oferta por escrito de emprego na Alemanha. Documentos comprovativos: Devem ser apresentados os seguintes documentos (não é necessária a apresentação de bilhetes): a) Declaração da entidade empregadora a confirmar que a entrevista se realizou ou b) Apresentação do contrato de trabalho e confirmação da entidade empregadora de que o emprego foi aceite. 3. Reembolso dos custos do processo de reconhecimento para profissões críticas Até para custos processuais, incluindo traduções e certificações. Em casos específicos, podem estar também cobertos custos para medidas de adaptação, de forma a mitigar diferenças significativas (estágio de adaptação ou prova de aptidão). Processo de candidatura: A candidatura é feita antes do início do processo de reconhecimento mediante apresentação do diploma obtido fora da Alemanha. Deve ser ainda incluído um parecer positivo das entidades promotoras da BA/ do ZAV ou uma oferta por escrito de emprego na Alemanha. Documentos comprovativos: Apresentação dos custos à autoridade competente, das traduções e certificações, bem como o comprovativo de pagamento. 4. Financiamento de uma orientação inicial para jovens profissionais especializados na Alemanha Subsídios de representação para o acompanhamento voluntário por instituições de solidariedade para a orientação inicial dos jovens profissionais especializados na Alemanha no montante de 85 por mês e participante (máximo de seis meses). Processo de candidatura: A candidatura é feita antes do início das medidas do mentor voluntário da instituição de solidariedade, anexando o contrato de trabalho do jovem a acompanhar. O pagamento é feito após a verificação dos documentos comprovativos. Documentos comprovativos: Relatório do mentor voluntário relativamente ao tipo e conteúdo da prestação de serviço após a conclusão das medidas. Declinação de responsabilidade: A presente diretiva de financiamento foi originalmente publicada em alemão. O texto está igualmente disponível como tradução noutras línguas. A versão alemã do texto é a base juridicamente vinculativa para as interpretações das disposições.

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Directiva para o programa especial da Federação Alemã para o Fomento da mobilidade profissional de jovens interessados em formação e jovens profissionais

Leia mais

28-06-12 - Bolsas de Investigação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia

28-06-12 - Bolsas de Investigação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia Investigação 28-06-12 - Bolsas de Investigação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia Já está em vigor o novo diploma que regula as Bolsas de Investigação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE APOIOS SOCIAIS A CIDADÃOS RESIDENTES NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA Artigo 1.º (Objeto) O presente Regulamento define a natureza, os objetivos e as condições de atribuição

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 157/2015 de 11 de Novembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 157/2015 de 11 de Novembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 157/2015 de 11 de Novembro de 2015 Considerando que na Região Autónoma dos Açores, à semelhança do País, regista-se um elevado número de jovens

Leia mais

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente documento tem por objetivo o estabelecimento das regras e condições

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIO DE 2014 1 POR QUE RAZÃO O BCE COBRA UMA TAXA DE SUPERVISÃO? Ao abrigo do Regulamento (UE) n.º 1024/2013,

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º Objeto

CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º Objeto Nos termos do artigo 25º da Portaria nº 181-D/2015, de 19 de junho, aprova-se o Regulamento dos Regimes de Reingresso e de Mudança de Par Instituição/Curso na Escola Superior de Saúde Egas Moniz. CAPÍTULO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação da adoção de medidas ativas de emprego que incentivem a contratação

Leia mais

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1. Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Mobilidade de Pessoal para missões de ensino e/ou formação

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1. Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Mobilidade de Pessoal para missões de ensino e/ou formação Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem Mobilidade de Pessoal para missões de ensino e/ou formação (denominação legal da instituição de envio), sedeada na (morada

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto REGULAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas jurídicas aplicáveis aos atos e formalidades específicas dos

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO Medida Estímulo 2013 CONTACTOS: Porto Gold Finance, Lda. Tel/Fax: 22 986 24 00 e-mail: comercial@pgf.pt MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO Se pretende dinamizar o seu negócio não perca esta oportunidade. Sem

Leia mais

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Instituto Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO 1 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO DE APOIO À COMUNIDADE CIENTÍFICA (FACC)

REGULAMENTO DO FUNDO DE APOIO À COMUNIDADE CIENTÍFICA (FACC) REGULAMENTO DO FUNDO DE APOIO À COMUNIDADE CIENTÍFICA (FACC) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto Artigo 2.º Destinatários dos apoios Artigo 3.º Responsáveis pela candidatura Artigo

Leia mais

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 265/XII Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n.ºs 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de maio A Assembleia

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DA FEUP

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DA FEUP REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DA FEUP Aprovado em 17 de janeiro de 2012 por Despacho do Diretor ao abrigo da competência consagrada na alínea m) do artigo 17.º dos Estatutos da FEUP 1 ENQUADRAMENTO

Leia mais

FINANCIAMENTO DE UNIDADES DE I&D (2015-2020)

FINANCIAMENTO DE UNIDADES DE I&D (2015-2020) FINANCIAMENTO DE UNIDADES DE I&D (2015-2020) FAQ SOBRE A ELEGIBILIDADE DE DESPESAS Aquisição de instrumentos e equipamento científico e técnico, enquadráveis em Despesa Direta "Aquisição de instrumentos

Leia mais

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS O Município de Oliveira do Hospital entende como de interesse municipal as iniciativas empresariais que contribuem para o desenvolvimento e dinamização

Leia mais

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO Serviços de Saúde e Bem-estar Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO EUZINHO ATELIER DE SAÚDE ARTIGO 1º Denominação e Natureza 1. O EUzinho Atelier de Saúde é um programa

Leia mais

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade cultural no concelho

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Freguesia da Batalha REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO DA FREGUESIA DA BATALHA Introdução O associativismo desempenha um papel de importante valor na dinamização

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 Considerando que um dos objetivos do Programa do XI Governo Regional assenta no fomento de medidas de apoio ao

Leia mais

Preâmbulo CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS E ENQUADRAMENTO. Artigo 1º. Objeto âmbito

Preâmbulo CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS E ENQUADRAMENTO. Artigo 1º. Objeto âmbito Preâmbulo O Centro Cultural e de Convívio Académico D. Dinis (CCDD) é uma valência da Divisão de Oferta Integrada de Serviços (DOIS) dos Serviços de Ação Social da Universidade de Coimbra (SASUC), ligado

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 3962-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 147 31 de julho de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Portaria n.º 225-A/2012 de 31 de julho As importantes reformas que estão a ser implementadas na economia

Leia mais

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA Município de Idanha-a-Nova Contribuinte 501 121 030 PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, pretende implementar medidas de apoio social

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM FORMULÁRIO DE CANDIDATURA

SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM FORMULÁRIO DE CANDIDATURA (A preencher pelos serviços do IEM) Processo nº: /PIC/201 SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM PROGRAMA DE INCENTIVOS À CONTRATAÇÃO ( PIC) FORMULÁRIO

Leia mais

Mestrado Integrado em Medicina

Mestrado Integrado em Medicina Ao abrigo do disposto na alínea a) do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de março, com a redação dada pelo Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, e no exercício da competência conferida pela

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE 07 de abril de 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Foi publicada no passado dia 27 de fevereiro a Portaria n.º 57-A/2015 que aprova o Regulamento Específico

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º

BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º 1. Com o fim de estimular a valorização profissional e a especialização nos diversos domínios da Música, a Fundação

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN), que: 1. Tenham projetos aprovados e não estejam concluídos

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 137/2015 de 15 de Setembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 137/2015 de 15 de Setembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 137/2015 de 15 de Setembro de 2015 Considerando que um dos objetivos do Programa do XI Governo Regional assenta na criação de medidas de incentivo

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 7 de outubro de 2015. Série. Número 154

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 7 de outubro de 2015. Série. Número 154 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 7 de outubro de 2015 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 184/2015 Cria e regula o funcionamento

Leia mais

CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO, RECREATIVO, CULTURAL E SOCIAL

CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO, RECREATIVO, CULTURAL E SOCIAL CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO, CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO, RECREATIVO, CULTURAL E SOCIAL INTRODUÇÃO O Movimento Associativo

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.2 ACONSELHAMENTO Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O N.º 189/2008 CONSUN APROVA O REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSITÁRIO DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ.

R E S O L U Ç Ã O N.º 189/2008 CONSUN APROVA O REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSITÁRIO DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ. R E S O L U Ç Ã O N.º 189/2008 CONSUN APROVA O REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSITÁRIO DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ. (*) O Presidente do Conselho Universitário no uso de suas

Leia mais

Regulamento. Projeto Gouveia StartUp

Regulamento. Projeto Gouveia StartUp Regulamento Projeto Gouveia StartUp Projeto Gouveia StartUp Índice Preâmbulo 2 Capitulo I - Disposições Gerais 3 Leis Habilitantes 3 Âmbito Geográfico 3 Objeto 3 Candidatos 3 Capítulo II Gestão e Condições

Leia mais

Norma de Pagamentos. Os incentivos a conceder revestem a forma de subsídio não reembolsável.

Norma de Pagamentos. Os incentivos a conceder revestem a forma de subsídio não reembolsável. Norma de Pagamentos 1. Âmbito Nos termos do previsto no Contrato de Concessão de Incentivos estabelece-se a norma de pagamentos aplicável ao Empreende Jovem Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo. O

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL.

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL. INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL Edição 2015-2017 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de Fevereiro,

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 20 de janeiro de 2016. Série. Número 13

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 20 de janeiro de 2016. Série. Número 13 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 20 de janeiro de 2016 Série Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 1-A/2016/M Regula a atribuição de um subsídio

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores independentes Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado,

Leia mais

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António PREÂMBULO As taxas das autarquias locais, nos termos do artigo 3.º da Lei n.º 53 -E/2006, de 29 de dezembro, são tributos que assentam na prestação concreta de um serviço público local, na utilização privada

Leia mais

Termos e Condições Gerais de Vendas

Termos e Condições Gerais de Vendas Termos e Condições Gerais de Vendas 1º Escopo da aplicação (1) As condições a seguir são aplicáveis a todos os fornecimentos e serviços (por exemplo, instalações, projetos) da BrasALPLA. Estas condições

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação REGULAMENTO DO MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA (2º CICLO) Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

O PÚBLICO fez um guia explicativo para as cinco grandes mudanças deste regime.

O PÚBLICO fez um guia explicativo para as cinco grandes mudanças deste regime. Guia para o novo regime de subsídio de desemprego 02.01.2007 João Manuel Rocha, PÚBLICO O subsídio de desemprego tem, desde ontem, novas regras. Menos possibilidades de os desempregados poderem recusar

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

Princalculo Contabilidade e Gestão. Comércio Investe"

Princalculo Contabilidade e Gestão. Comércio Investe Comércio Investe" A medida "Comércio Investe", estruturada no âmbito do Fundo de Modernização do Comércio, representa uma nova fase de apoio à atividade comercial, marcada pela Simplificação de processos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL

ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL REGULAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA DE ALUNOS (PORTARIA 60/2012, de 29 de maio) Direção Regional da

Leia mais

REGULAMENTO DE PREÇOS ÍNDICE ALTERAÇÕES

REGULAMENTO DE PREÇOS ÍNDICE ALTERAÇÕES ÍNDICE 1 Objetivo e campo de aplicação 2 2 Definições 2 3 Referências bibliográficas 2 4 Introdução 2 5 Disposições gerais 2 6 Tabela de Preços para Acreditação de Laboratórios 4 7 Tabela de Preços para

Leia mais

Normas Internas Lourinhã, maio de 2015

Normas Internas Lourinhã, maio de 2015 Normas Internas Lourinhã, maio de 2015 1 Introdução 1.1 A Incubadora Startup Lourinhã é uma iniciativa da Câmara Municipal da Lourinhã e localiza-se no, na Lourinhã. 1.2 As presentes Normas Internas destinam-se

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR NETEMPREGO

MANUAL DO UTILIZADOR NETEMPREGO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL MANUAL DO UTILIZADOR NETEMPREGO Titular da candidatura Coordenação: Departamento de Formação Profissional Outubro 2015 ÍNDICE 3 1. Objetivos gerais do manual 3 2.

Leia mais

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes COMISSÃO EUROPEIA NOTA INFORMATIVA Estrasburgo/Bruxelas, 19 de novembro de 2013 «Erasmus+» - Perguntas mais frequentes (ver também IP/13/1110) O que é o «Erasmus+»? O «Erasmus+» é o novo programa da União

Leia mais

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Tendo por base o n.º 8 do artigo 112.º e o artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa, o Município de Nordeste

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

Programa de apoio à construção ou renovação de campos de relvado sintético em instalações desportivas Candidaturas e critérios de atribuição do apoio

Programa de apoio à construção ou renovação de campos de relvado sintético em instalações desportivas Candidaturas e critérios de atribuição do apoio Programa de apoio à construção ou renovação de campos de relvado sintético em instalações desportivas Candidaturas e critérios de atribuição do apoio Artigo 1.º (Destinatários) 1 - Poderão candidatar-se

Leia mais

Condições de participação Speciality & Fine Food Fair Reino Unido 07 a 09 de Setembro (Valor estimado para a participação de 9 empresas)

Condições de participação Speciality & Fine Food Fair Reino Unido 07 a 09 de Setembro (Valor estimado para a participação de 9 empresas) 1 Condições de participação Speciality & Fine Food Fair Reino Unido 07 a 09 de Setembro (Valor estimado para a participação de 9 empresas) Esta proposta de participação é válida para um elemento por empresa,

Leia mais

FICHA INFORMATIVA. Regulamento Municipal de Cedência e Utilização dos Espaços e Equipamentos da Fortaleza de Santiago

FICHA INFORMATIVA. Regulamento Municipal de Cedência e Utilização dos Espaços e Equipamentos da Fortaleza de Santiago FICHA INFORMATIVA Regulamento Municipal de Cedência e Utilização dos Espaços e Equipamentos da Fortaleza de Santiago LEGISLAÇÃO HABILITANTE AUDIÊNCIA DE INTERESSADOS Alíneas k) e ee) do n.º 1 do art.º

Leia mais

UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UAPPG Edital de pré-seleção para o programa do Colégio Doutoral Tordesillas do Grupo Tordesillas

UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UAPPG Edital de pré-seleção para o programa do Colégio Doutoral Tordesillas do Grupo Tordesillas UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UAPPG Edital de pré-seleção para o programa do Colégio Doutoral Tordesillas do Grupo Tordesillas O Magnífico Reitor da Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO Iniciativa Emprego Já

REGULAMENTO DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO Iniciativa Emprego Já REGULAMENTO DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO Iniciativa Emprego Já Nota Justificativa O combate ao flagelo do desemprego é uma das preocupações que deve nortear a gestão municipal, uma vez que é na criação

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016 Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo CANDIDATURAS 1. O pagamento da taxa de candidatura (quando aplicável) só se efetua uma única vez, desde que

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO CULTURAL E DAS ARTES. Guia de Candidatura

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO CULTURAL E DAS ARTES. Guia de Candidatura 2015 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO CULTURAL E DAS ARTES Guia de Candidatura 1. Objectivos Os objectivos deste Programa são como auxílio às associações locais de arte e cultura a criarem

Leia mais

Contributos para compreender e utilizar a. Dedução por Lucros Retidos e Reinvestidos (DLRR)

Contributos para compreender e utilizar a. Dedução por Lucros Retidos e Reinvestidos (DLRR) Contributos para compreender e utilizar a Dedução por Lucros Retidos e Reinvestidos (DLRR) A Lei n.º 83-C/2013, de 31 de dezembro (Orçamento do Estado para 2014), aprovou um novo benefício fiscal ao reinvestimento

Leia mais

Política de Seleção e Avaliação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais

Política de Seleção e Avaliação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais Política de Seleção e Avaliação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais Proposta do Conselho de Administração aprovada pela Assembleia Geral em 15 de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016 Preâmbulo O departamento de Acção Cultural da Fundação GDA, através do programa de Apoio a Bolsas de Qualificação

Leia mais

CHEQUE FORMAÇÂO. Como Funciona?

CHEQUE FORMAÇÂO. Como Funciona? CHEQUE FORMAÇÂO Como Funciona? A medida Cheque- Formação é um incentivo à qualificação e formação profissional dos trabalhadores, sendo um apoio direto do estado ao candidato, através do IEFP. Após a aprovação

Leia mais

SISTEMA DE APRENDIZAGEM EM PORTUGAL

SISTEMA DE APRENDIZAGEM EM PORTUGAL SISTEMA DE APRENDIZAGEM EM PORTUGAL Workshop de Formação Marta Pinto MentorTec Escola de Comércio do Porto, 17 março 2015 O Sistema Dual na Alemanha e Áustria O fenómeno do desemprego jovem Cerca de um

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo

Leia mais

Já fui beneficiário de uma mobilidade Erasmus. Posso candidatar-me novamente? Durante quanto tempo poderei realizar o período de mobilidade?

Já fui beneficiário de uma mobilidade Erasmus. Posso candidatar-me novamente? Durante quanto tempo poderei realizar o período de mobilidade? ERASMUS+ - MOBILIDADE DE ESTUDANTES PERGUNTAS FREQUENTES O que é o Erasmus+? Quais os tipos de mobilidade a que posso concorrer? Quem pode candidatar-se? Que restrições existem? Já fui beneficiário de

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 PREÂMBULO Compete ao município promover acções de interesse municipal, de âmbito cultural, social, recreativo e outros, e exercer um papel dinamizador junto

Leia mais

Município de ALMADA Normas e condições de acesso Página 1 de 7

Município de ALMADA Normas e condições de acesso Página 1 de 7 Município de ALMADA Normas e condições de acesso Página 1 de 7 Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de ALMADA Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objetivo) Pretende-se

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR

ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR 1 ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento define as tipologias de apoios a atribuir pela Junta de

Leia mais

O PEDIDO DE TPTD E A FORMAÇÃO ACADÉMICA

O PEDIDO DE TPTD E A FORMAÇÃO ACADÉMICA Versão 1.00 Regulamento O PEDIDO DE TPTD E A FORMAÇÃO ACADÉMICA Versão 1.00 Regulamento O PEDIDO DE TPTD E A FORMAÇÃO ACADÉMICA Edição: Coordenação: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P.

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO Havendo necessidade de se rever a regulamentação relativa

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES CONSÓRCIO DE IMÓVEIS GAZIN

DÚVIDAS FREQUENTES CONSÓRCIO DE IMÓVEIS GAZIN DÚVIDAS CONSÓRCIO DE IMÓVEIS 1. Posso adquirir mais de uma carta de crédito no consorcio de Imóveis? Sim, o consórcio lhe dá a possibilidade de adquirir mais de uma carta de crédito, mediante análise prévia,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE N.º 02/2013 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2013/09/30 Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à Elaborada por: Unidade de Certificação SÍNTESE A presente Circular atualiza

Leia mais

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101 II SÉRIE Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101 ÍNDICE SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Direção-Geral da Administração Escolar: Aviso n.º 6472-A/2014: Abertura do concurso externo

Leia mais

Apoios financeiros às actividades do i2ads e dos seus membros

Apoios financeiros às actividades do i2ads e dos seus membros FBAUP Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade Av. Rodrigues de Freitas 265 4049-021 Porto T - 225 192 400 F - 225 367 036 office@i2ads.org Apoios financeiros às actividades do e dos seus

Leia mais

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental.

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental. Regulamento PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1º Âmbito 1. O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe a dinamização de um concurso de ideias, denominado Concurso 50/50, destinado

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS Medidas de Apoio à Contratação CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Ana Henriques Moreira Portugal Agosto 2014 Entre 24 e 30 de Julho do corrente

Leia mais

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho (PREÂMBULO) Artigo 1.º Objeto O presente diploma procede à alteração do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho. Artigo 2.º Alterações

Leia mais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais Programa Horizon 2020 Fonte: Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece as Regras de Participação e Difusão relativas ao «Horizonte 2020 Programa-Quadro de Investigação

Leia mais

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil Estados Unidos CAPES/FIPSE. Edital CGCI n. 003/2008

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil Estados Unidos CAPES/FIPSE. Edital CGCI n. 003/2008 Programa Consórcios em Educação Superior Brasil Estados Unidos CAPES/ 1 Do programa e objetivo Edital CGCI n. 003/2008 1.1 O Programa CAPES/ tem como objetivo promover o intercâmbio e a cooperação em nível

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO

MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA COORDENAÇÃO DE INTERAÇÃO SERVIÇO ESCOLA-EMPRESA MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO COLINAS

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Valença

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Valença VALENÇAFINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Valença Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4.

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Manual do Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Ser Voluntário da Liga... 3 5. Reflexões prévias...

Leia mais