UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL FABRÍCIO NUNES DA MATA MONTALVÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL FABRÍCIO NUNES DA MATA MONTALVÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL FABRÍCIO NUNES DA MATA MONTALVÃO ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS COMPONENTES DAS FACHADAS ANÁPOLIS / GO 2011

2 ii FABRÍCIO NUNES DA MATA MONTALVÃO ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS COMPONENTES DAS FACHADAS PROJETO FINAL SUBMETIDO AO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOÍAS. ORIENTADORA: VALÉRIA CONCEIÇÃO MOURO COSTA ANÁPOLIS / GO 2011

3 iii FICHA CATALOGRÁFICA Montalvão, Fabrício Nunes da Mata Análise do desempenho dos componentes das fachadas. / Fabrício Nunes da Mata Montalvão Anápolis: Universidade estadual de Goiás Curso de Engenharia Civil, (ENC/UEG, Bacharel, Engenharia Civil, 2006) Projeto Final Universidade Estadual de Goiás. Unidade de Ciências Exatas e Tecnológicas. I. Montalvão, Fabrício Nunes da Mata II. Título III. Monografia CD ROM 1. Fachada 2. Desempenho 3. Revestimento 4. Durabilidade REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA MONTALVÃO, F. M. N. Análise do desempenho dos componentes das fachadas. Anápolis, GO, 58p CESSÃO DE DIREITOS NOME DO AUTOR: Fabrício Nunes da Mata Montalvão TÍTULO DA MONOGRAFIA DE PROJETO FINAL: Análise do desempenho dos componentes das fachadas GRAU: Bacharel em Engenharia Civil. ANO: É concedida à Universidade Estadual de Goiás a permissão para reproduzir cópias deste projeto final e para emprestar ou vender tais cópias somente para propósitos acadêmicos e científicos. O autor reserva outros direitos de publicação e nenhuma parte deste projeto final pode ser reproduzida sem a autorização por escrito do autor. Fabrício Nunes da Mata Montalvão Rua 33, nº 86, Vila Formosa 1ª etapa Anápolis/GO Brasil

4 iv FABRÍCIO NUNES DA MATA MONTALVÃO ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS COMPONENTES DAS FACHADAS PROJETO FINAL SUBMETIDO AO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE ESTDUAL DE GOÍAS COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE BACHAREL. APROVADO POR: VALÉRIA CONCEIÇÃO MOURO COSTA, M. Sc. (ORIENTADORA) CLÁUDIO MARRA ALVES, M. Sc. (EXAMINADOR INTERNO) JULIANO RODRIGUES DA SILVA, M. Sc. (EXAMINADOR INTERNO) DATA: ANÁPOLIS/2011

5 v RESUMO A análise do desempenho de fachadas fornece subsídios relativos às técnicas construtivas e aos materiais utilizados, permitindo a compreensão da compatibilidade construtiva dos componentes que interliga a durabilidade do edifício. O comportamento do revestimento de fachadas tem a preocupação das incidências de manifestações patológicas, que podem requer manutenção ou recuperação de suas fachadas. O objetivo principal deste projeto é analisar o desempenho de fachadas de três edifícios situados na cidade de Anápolis GO. A metodologia a utilizada será uma análise do desempenho do revestimento, sugestão para prevenir as incidências patológicas futuras e a conscientização da manutenção preventiva da fachada. As investigações das fachadas dos edifícios se deram por depoimentos do engenheiro de execução da obra, que também vem acompanhando pós-entrega do empreendimento. O comportamento das fachadas está claramente interligado com método executivo do revestimento e a manutenção pós-ocupação. Conclui-se, portanto, que independente do tipo de revestimento da fachada pode-se evitar algumas patologias, a partir de planejamento do projeto executivo de revestimento externo e, orientações em manutenções preventiva da fachada. Palavras chave: Fachadas; Desempenho; Durabilidade.

6 vi ABSTRACT The performance analysis provides facade grants relating to construction techniques and materials used, enabling constructive understanding of the compatibility of the components that connect the durability of the building. The behavior of the cladding has a concern that the incidence of pathological manifestations, which may require maintenance or recovery of their facades. The main objective of this project is to analyze the performance of facades of three buildings in the city of Anapolis - GO. The methodologies to be used will be an investigation into the facade of the building process by identifying the behavior after the coating run, suggestions for preventing future incidents and pathological awareness of preventive maintenance of the facade. Investigations of the facades of buildings are testimonies given by the engineer carrying out the work, which also accompanied the post-delivery of projects. The behavior of the facades is clearly connected with the Execute method of the coating and post-occupancy maintenance. We conclude, therefore, that regardless of the type of finish of the facade, you can prevent some diseases from the project planning executive outer covering and guidance on preventive maintenance of the facade. Keywords: Facades; Performance, Durability.

7 vii Lista de Figuras Figura 2. 1 Metodologia de avaliação de desempenho NBR (ABNT, 2007) Figura Camada constituinte de revestimento cerâmico (ANTUNES, 2010) Figura Revestimento em camada dupla (ANTUNES, 2010) Figura Fatores que influenciam nos SRF (SILVA, 2009) Figura Modificações ocorridas no sistema de revestimento de argamassa: (a) revestimento tradicional; (b) revestimento de camada única; (c) revestimento decorativo de monocamada aplicado sobre alvenaria e revestimento decorativo monocamada aplicado sobre a estrutura e concreto (PIOVEZAN e CRESCENCIO, 2003) Figura Desplacamento localizado no emboço (Fonte: GOOGLE IMAGENS, 2011) Figura Junta de movimentação deteriorada (ANTUNES, 2010) Figura Destacamento de pintura (Fonte: GOOGLE IMAGENS, 2011) Figura fissuração por movimentação diferenciada (FIGUEROLA, 2006) Figura Destacamento causado pela má preparação da massa (FIGUEROLA, 2006) Figura Vista da fachada do edifício A Figura Vista dos lados do edifício A Figura Fachada com acabamento travertino Figura Indicação do aparecimento de trinca Figura Detalhe do tratamento da trinca (SAINT-GOBAIN 2009) Figura Vista da fachada do edifício B Figura Vista dos lados do edifício B Figura Indicação do aparecimento de fissura Figura Vista da fachada do edifício D Figura Vista dos lados do edifício C Figura Indicação do aparecimento de trinca Figura Indicação da diferença de tonalidade

8 viii Lista de Tabelas Tabela Fatores que determinam na trabalhabilidade de argamassa (SOUSA, 2005, citado por ANTUNES, 2010) Tabela Requisitos analisados e especificação (FILHO, 2011) Tabela Traços recomendados por algumas entidades normalizadoras (CARAZEK, 2010) Tabela Roteiro dos componentes da fachada do edifício A Tabela Roteiro dos componentes da fachada do edifício B Tabela Roteiro dos componentes da fachada do edifício C

9 ix SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO IMPORTÂNCIA E JUSTIFICATIVA DO TEMA OBJETIVO ESTRUTURAÇÃO DA PESQUISA DESEMPENHO DE FACHADA DEFINIÇÃO METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO ENSAIOS DE MÉTODOS DE AVALIAÇÃO MANUTENABILIDADE DE FACHADAS DURABILIDADE EM FACHADAS DE EDIFÍCIO SISTEMAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS Definição Elementos de fachadas Base ou substrato Chapisco Emboço, reboco, camada única Argamassa Colante Acabamento decorativo Argamassa de rejunte PRINCIPAIS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM REVESTIMENTO DE FACHADAS Patologia em sistema de alvenaria Patologia do sistema de revestimento de argamassa Patologias em revestimento cerâmico Patologias do sistema de revestimento de pintura Patologias em monocamada PRINCIPAIS CAUSAS DAS PATOLOGIAS Causas associadas aos materiais Causa associado à dosagem ou traço Causas na especificação Causa decorrente do processo executivo... 24

10 x Causas decorrentes da ação de fatores externos METODOLOGIA CONSIDERAÇÕES INICIAIS DEFINIÇÕES DAS VARIÁVEIS CONTROLADAS E DE RESPOSTA DESCRIÇÃO DA METODOLOGIA UTILIZADA CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDOS DE CASO ABORDAGEM TÉCNICA DAS EDIFICAÇÕES PERÍCIA REALIZADA NOS ESTUDOS DE CASOS Revestimento em argamassa decorativa Revestimento com pintura Revestimento cerâmico ANÁLISE GLOBAL DOS EDIFÍCIOS INSPECIONADOS ELABORAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO DE FACHADA CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCLUSÕES SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 45

11 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 IMPORTÂNCIA E JUSTIFICATIVA DO TEMA Desde primórdios da humanidade, o homem sempre se preocupou em abrigar-se, inicialmente em cavernas protegendo do tempo e de animais selvagens. Ao longo dos anos, o homem sentiu necessidade de elaborar abrigos mais seguros, surgindo às primeiras construções feitas com materiais disponíveis na região. Portanto, o homem busca edificações mais duráveis, sólidas, confortáveis e seguras (GUIMARÃES, 2003). Existe a preocupação em construir edifícios que apresentam alto potencial de durabilidade, que é alcançada através do avanço na tecnologia e na ciência dos materiais. Também se têm buscado especiais cuidados à manutenção e na utilização dos edifícios (GUIMARÃES, 2003). Mesmo com a atenção voltada à durabilidade e manutenção das construções, percebem-se patologias nos revestimentos de fachadas em edifícios com vida útil curta. Exemplos de patologias comuns são: falhas provenientes de especificações de projeto, problemas com relação à durabilidade e qualidade dos materiais, falta ou insuficiência de operações de manutenção (SILVA, 2009). O presente trabalho se justifica em analisar o desempenho da fachada desde seu método executivo até após a entrega do investimento incluindo a importância da manutenção da fachada. O processo construtivo do revestimento considerará também a mão-de-obra que utilizou e a qualidade dos materiais aplicados. 1.2 OBJETIVO O objetivo principal do presente trabalho é analisar o desempenho do revestimento de fachada de edifícios da cidade de Anápolis-Go, ou seja, as vantagens e desvantagens do processo construtivo e manutenção das mesmas, consequentemente propor um conceito de iniciar um projeto com os requisitos e critérios de seu desempenho dividindo em quatro níveis: 1. Definir quais são os requisitos prioritários do revestimento das fachadas;

12 2 2. Adoção dos critérios de desempenho para os requisitos; 3. Definições da avaliação dos componentes do revestimento de fachadas e seu desempenho; 4. Finalizando com indicativos de projetos a serem adotadas no processo executivo da fachada. 1.3 ESTRUTURAÇÃO DA PESQUISA O presente trabalho se estrutura da seguinte forma: a) O capítulo 1 apresenta a importância do tema a ser estudado. Aborda o objetivo geral da pesquisa, assim como a estruturação do estudo de caso. b) O capítulo 2 aborda uma revisão bibliográfica com a fundamentação teórica, abordagens sobre o sistema de revestimento de fachada, as principais patologias que ocorrem em fachadas de edifícios e, os seus mecanismos de incidência. c) O capítulo 3 mostra a metodologia proposta e, a apresentação das atividades a serem realizadas. d) O capítulo 4 aborda os estudos de casos inspecionados e sugestões para uma melhor definição do processo construtivo e de manutenção da fachada, uma análise global desse estudo. e) No capítulo 5 são tecidos de conclusões e sugestões para abordagem do tema em pesquisas futuras. f) O capítulo 5 apresenta a referência bibliográfica utilizada no trabalho.

13 3 2 DESEMPENHO DE FACHADA 2.1 DEFINIÇÃO O conceito desempenho implica quais condições devem ser satisfeitas pelo produto, tanto nível no requisito, como no critério e, métodos de avaliação, quando submetido às condições normais em uso, segundo NBR (ABNT, 2007). Essas definições indicam os níveis de segurança, sustentabilidade e habitabilidade do edifício e de suas partes (SILVA, 2009). A norma de desempenho é utilizada como um procedimento de avaliação do desempenho de sistemas construtivos, onde estabelecem parâmetros de mercado para minimizar a não conformidade e, alcançar patamares mais diferenciados de desempenho como diferencial de produto (ANTUNES, 2010). O processo de avaliação do desempenho consiste em analisar o produto quando submetido às condições de exposição de uso e, o seu comportamento durante sua vida útil em relação às ações submetidas. 2.2 METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO A avaliação do desempenho de fachadas está interligada a exigência dos usuários e as condições de exposição que estão submetidos às mesmas, como os elementos e componentes. Nesse conceito determinam os requisitos e critérios atendidos pelos edifícios e suas partes qualitativamente e quantitativamente que são: os requisitos de desempenho, o critério de desempenho e método de avaliação (ANTUNES, 2010). A exigência dos usuários pode ser explicada como segurança, habitabilidade e sustentabilidade, como apresentada na Figura 2.1.

14 4 Figura 2. 1 Metodologia de avaliação de desempenho NBR (ABNT, 2007). Uma explicação minuciosa para esses critérios de identificação das exigências dos usuários é explicada por Filho e Hellene (1998). 1. Habitabilidade: a) Estanqueidade: os requisitos e critérios limitam a permeabilidade do ar em fachadas e coberturas de modo que garanta o conforto térmico. Quanto a estanqueidade a água os requisitos e critérios devem garantir aos elementos dos edifícios à água provenientes de chuvas, do solo e operações de limpeza e/ou uso. b) Conforto térmico: essa avaliação está interligada a partir de soluções construtivas e materiais empregados considerando-se as variações climáticas regionais. c) Conforto acústico: nos requisitos e critérios de desempenho, é avaliado pelo isolamento sonoro de elementos em relação a ruídos externos e internos produzido em recintos adjacentes, inclusive ruído proveniente de habitações próximas e ruído de equipamentos hidráulicos. Dessa maneira mantém à privacidade acústica dos usuários. 2. Sustentabilidade: a) Durabilidade: os requisitos e critérios de desempenho devem ser avaliados pela ação do calor, umidade, radiação ultravioleta, intempéries, atmosferas poluidoras, água, abrasão, agentes de limpeza e agentes biológicos. Para garantir a durabilidade na fase de projeto, considera-se a incompatibilidade de materiais e, detalhes construtivos que afetam o desempenho de fachadas.

15 5 b) Manutenibilidade: são métodos executivos realizados em edificações e suas partes durante sua vida útil, com objetivo de manter seus desempenhos iniciais. A manutenção é uma ação preventiva para evitar problemas futuros e, não apenas como uma ação corretiva, portanto a manutenção deve ser realizada periodicamente. 3. Segurança: a) Segurança estrutural: os elementos de requisitos e critérios de desempenho da habitação devem garantir que não atinja o estado-limite último e de utilização. O estado limite último é a ruína do elemento ou parte dela seja por ruptura, deformação excessiva ou perda de estabilidade e, o estado limite de utilização está ligado ao comprometimento da durabilidade, seja por fissuração excessiva ou deformações que ultrapasse os limites aceitáveis. b) Segurança contra o fogo: para avaliar a resistência ao fogo devem-se abranger os elementos de cobertura, paredes externas e internas, sendo que as reações contra o fogo visam os elementos de acabamento superficial. Os requisitos e critérios limitam a influência dos materiais e elementos do edifício na alimentação e propagação de um foco de incêndio acidental, interno e externo à habitação, e garantir aos elementos a resistência mínima ao fogo. 2.3 ENSAIOS DE MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Na avaliação do desempenho é feita uma investigação, baseada em métodos consistentes, capazes de obter um entendimento objetivo sobre o comportamento esperado do sistema, nas condições de uso definidas. Para adquirir uma avaliação do desempenho, exigese o conhecimento específico do edifício estudado, tais como os materiais e técnicas da construção, além das exigências dos usuários NBR (ABNT, 2007). Um critério minucioso sobre a avaliação do desempenho consiste na realização de ensaios laboratoriais, inspeções em protótipos ou em campo, simulações e análise de projetos NBR (ABNT, 2007). Através de coleta de dados adquiridos e, ensaio em geral é realizado um relatório para avaliação do desempenho de fachadas com explicações de identificações das patologias de fachadas identificadas, solicitação de ensaios a serem realizados (nos ensaios terão a

16 6 explicação e as metodologias a serem seguidas de acordo com referencias normativas) e soluções para inibição dessas patologias. Ensaios realizados para avaliar o desempenho de fachadas são: ensaios de caracterização, ensaios de desempenho, cálculos analíticos e julgamento técnico (FILHO e HELENE, 1998). Nos ensaios de caracterização estão relacionados os materiais e componentes empregados nos elementos, isto é, a determinação das características ou propriedades desses materiais. Os ensaios de desempenho simulam as condições de exposição do elemento de fachada e visa atender as condições de critérios de desempenho estabelecidos. Esse ensaio é conhecido no Brasil como impacto de corpo mole e, ensaios de solicitações transmitidas por peças suspensas ou ensaios de corpo duro, segundo a NBR (ABNT, 2007). O ensaio de corpo mole é realizado com impacto de um saco de couro tendo como princípio corpo com massa e forma conhecida em movimento pendular, atingindo o componente que provoca deslocamentos, deformações ou rupturas verificáveis, conforme a NBR (ABNT, 2007). A NBR (ABNT, 2007) define os ensaios de impacto do corpo duro realizado com impacto de esferas de aço lançada a partir do repouso em queda livre de diferentes alturas, atingindo o componente que provoca depressões verificáveis. Nesse ensaio os componentes da edificação não devem sofrer ruptura ou traspassamento sob qualquer energia de impacto, sendo tolerada a ocorrência de fissuras, lascamentos e outros danos em impactos de segurança. 2.4 MANUTENABILIDADE DE FACHADAS Manutenção de fachadas é um conjunto de atividades realizadas para recuperar ou conservar a funcionalidade de uma edificação e, os critérios constituintes, para atender as necessidades e segurança dos usuários, de acordo com a NBR (ABNT, 1999). Segundo a NBR (ABNT, 1999), na manutenção de uma edificação devem ser considerados alguns pontos importantes, tais como: Número e dispersão geográfica das edificações; Tipo de uso das edificações; Relações especiais de vizinhança e implicações no entorno da edificação;

17 7 Tamanho e complexidade funcional das edificações. Para o bom desempenho de um edifício, a manutenção de fachada deve ser preconizada, ainda em fase de projeto, prevendo que facilitem ou permitam o acesso à limpeza, estabelecendo as condições e a periodicidade, que colaboram com a durabilidade da construção (ANTUNES, 2010). A manutenção de fachada podem ser executadas e entendidas segundo Resende et al. (2001): Manutenção não planejada: são conjuntos de atividades realizadas para recuperar o desempenho perdido, devido a causas externas não previstas; Manutenção planejada preventiva: são as atividades realizadas durante a vida útil de uma construção, de maneira a antecipar-se ao surgimento de defeitos, ou seja, execução de atividades baseadas em planejamento e periodicidades fixas, permitindo uma redução de trabalhos extraordinários e menor interferência com a normal utilização do edifício; Manutenção planejada corretiva: são execuções em edificações que recuperam o desempenho perdido. As intempéries, como a umidade e a radiação solar, são os principais inimigos da conservação de fachadas. Em paredes externas de alvenaria revestidas de tijolo, madeira e pedra, a água ajuda na proliferação de fungos. Em contato com sol e chuva, o material da parede dilata e contrai, ocasionando bolhas na pintura, trincas e descolamentos de cerâmicas. Para evitar essas patologias, o ideal é conhecer os cuidados dos acabamentos ao encomendar o projeto de fachada (KOVACS, 2009). 2.5 DURABILIDADE EM FACHADAS DE EDIFÍCIO Segundo NBR (ABNT, 2007), a durabilidade do edifício e de seus sistemas é uma exigência econômica do usuário, pois está diretamente associada ao custo global do bem imóvel. A qualidade e durabilidade das fachadas, ao longo de toda sua vida útil, dependem de decisões tomadas desde o projeto da edificação até a manutenção e, a reparação dos sistemas adotados, normalmente da responsabilidade do usuário (SOUZA e VERÇOSA, 2003). De acordo com John (1998), são considerados mecanismos de se medir a durabilidade: A função onde o desempenho varia no tempo após a instalação do produto;

18 8 Por meio da vida útil, ou seja, o período de tempo no qual o produto se mantém com o desempenho acima dos níveis aceitáveis, havendo manutenção rotineira; Através de ensaios comparativos, entre a degradação numa amostra em análise por ambiente definido e, um padrão mínimo estabelecido, como sendo a degradação de um componente padrão. 2.6 SISTEMAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS Definição Segundo a NBR (ABNT, 2007), sistema é a maior parte funcional do edifício. Trata-se de um conjunto de elementos e componentes destinados a cumprir como um macro função que a define, como a fundação, estrutura, vedações verticais, instalações hidrossanitárias e cobertura. Segundo a NBR (ABNT, 1995), sistema de revestimento é o conjunto formado por revestimento de argamassa e acabamento decorativo, compatível com a natureza da base, com as condições de exposições, com o acabamento final e o desempenho, previstos em projetos. Portanto é entendível que em um sistema de revestimento de fachada, devem ser levados em consideração, tudo que interfira em sua vida útil e desempenho. As funções de um sistema de revestimento vão desde a proteção à alvenaria, regularização das superfícies, estanqueidade, até as funções de natureza estéticas, uma vez que se constitui do elemento de acabamento final das vedações (BAUER, 2005). Segundo BAUER (2005), os revestimentos em argamassa constituem-se em massa única, quando o acabamento é pintura, e o emboço quando a base é para outros revestimentos (exemplo: cerâmica, conforme Figura 2.2). No revestimento em duas camadas (emboço e reboco) tem-se o acabamento em pintura (Figura 2.3).

19 9 Figura Camada constituinte de revestimento cerâmico (ANTUNES, 2010). Figura Revestimento em camada dupla (ANTUNES, 2010) Elementos de fachadas Segundo SILVA (2009), as funções dos elementos de fachadas visam: Embelezar e proteger a edificação das intempéries; Promover a segurança e conforto dos usuários; Evitar a degradação dos materiais de construção. Os elementos de fachadas estão associados ao sistema de revestimentos, tais como: base ou substratos, chapisco, emboço, reboco, argamassa colante, acabamento decorativo e

20 10 argamassa de rejunte. A Figura 2.4 apresenta claramente os fatores que influenciam nos sistemas de revestimentos de fachadas. Figura Fatores que influenciam nos SRF (SILVA, 2009) Base ou substrato Em se tratando de sistema de revestimento, deve-se incluir desde a base do edifício, até o acabamento a ser aplicado, pois é importante nortear a escolha do revestimento em cada caso e, para isso é avaliado a interação base com a estrutura (ANTUNES, 2010). Bauer (2005) classifica os substratos de diferentes formas: Pela natureza dos materiais constituintes: alvenaria de blocos cerâmicos, blocos de concreto, blocos de concreto celular e os elementos estruturais em concreto (pilar, vigas e lajes); Pela função: elementos de vedação, estruturais; Por suas características físicas: textura, porosidade, capacidade de sucção de água (absorção capilar), propriedades mecânicas. As propriedades mecânicas do substrato, ou seja, os elementos que compõem alvenaria e a estrutura são fundamentais para influência nas características de suporte e

21 11 ancoragem para os sistemas de revestimentos. Torna-se importante considerar a otimização das características de deformabilidade do sistema de revestimento (BAUER, 2005). O sistema de revestimento deve ser compatível com a natureza do substrato, para o desenvolvimento da aderência, pois a rugosidade superficial do mesmo permite um maior intertravamento do revestimento à base, além de aumentar a superfície de contato, principalmente se a superfície for rugosa e tiver poros abertos. Sabe-se que os substratos rugosos possuem maior área de contato com a argamassa aplicada e, os substratos lisos devem ter as superfícies preparadas com o intuito de torná-las adequadamente rugosas (ANTUNES, 2010) Chapisco O chapisco é um dos elementos de preparação da base, deve apresentar aderência ao substrato e tem a função de regular a capacidade de sucção por parte da base. A espessura média do chapisco situa-se próxima de 5 mm, dependendo das características granulométricas da areia empregada (ANTUNES, 2010). Bauer (2005) classifica os chapiscos em diferentes naturezas: Chapisco convencional: composto da aplicação de uma argamassa fluída de cimento e areia média-grossa (superfície para dar a textura necessária), com o traço de volume da ordem de 1:3 (cimento:areia); Chapisco modificado com polímeros: muito parecido com o chapisco convencional, diferenciando-se pelo emprego de adesivos polímeros látex adicionado à água de misturas; Chapisco rolado: constituem-se da aplicação de uma argamassa de cimento e areia, de traço 1:3, em volume, em que se utilizam areia média. Também podem ser empregados adesivos poliméricos látex. A aplicação é feita com rolo de pintura (rolo para textura), não se devendo fazer movimentos de vai e vem, pois ocasiona selagem dos poros. O substrato deve ter condições muito boas de planeza para uma correta aplicação; Chapisco industrializados: é uma argamassa industrializada a qual se mistura com água, e aplica-se a mesma sobre o substrato com o uso de desempenadeira denteada (processo semelhante à argamassa colante para assentamento de cerâmica).

22 Emboço, reboco, camada única Emboço é o corpo do revestimento, cujas principais funções são as vedações, a regularização da superfície e, a proteção da edificação, evitando a penetração de agentes agressivos. O emboço também pode servir de base para outros revestimentos. Dependendo do tipo de acabamento especificado em projeto, o emboço pode se constituir em uma única camada de revestimento cuja função é a regularização da superfície e o acabamento (BAUER, 2005). A geometria da fachada está relacionada à capacidade de aderência do emboço às superfícies de suporte, o preenchimento de juntas e, a correção de irregularidades de parede. A boa aderência está interligada com a quantidade de água existente, o teor de aglomerantes e, o coeficiente de absorção do suporte, portanto o emboço normalmente emprega uma granulometria mais grossa do que as demais argamassas (ANTUNES, 2010). A Tabela 2.1 apresenta os fatores que influenciam na trabalhabilidade da argamassa sabendo-se que está relacionado com a boa aderência do emboço entre outros. Tabela Fatores que determinam na trabalhabilidade de argamassa (SOUSA, 2005, citado por ANTUNES, 2010) Fatores internos Teor de água muitas vezes definida em função da consistência necessária Tipo de mistura Fatores externos Proporção entre aglomerantes e agregados Tipo de transporte Natureza e teor dos plastificantes (cal, finos, argilosos, etc) Distribuição granulométrica, forma e textura dos grãos do agregado Natureza, teor e princípio ativo dos aditivos Tipo de aplicação no substrato Operações de sarrafeamento e desempeno Características da base de aplicação (tipo de preparo, rugosidade, absorção, etc) Reboco caracteriza-se em uma camada de acabamento dos revestimentos de argamassa, ou seja, uma camada fina com ou sem pintura devendo ter seu acabamento filtrado para após uma aplicação de tinta (ANTUNES, 2010).

23 13 O revestimento de camada única é aplicado diretamente sobre os substratos, portanto atende as exigências do emboço e da camada de acabamento. Nesse revestimento são necessárias operações específicas de execução, como sarrafeamento e acabamento realizado após sua aplicação. A argamassa para ser sarrafeada deve perder a plasticidade inicial, o que ocorre pela sucção de água, pelo substrato e, por evaporação. Ao executar o sarrafeamento, a argamassa deve esfarelar pelo corte da régua. O sarrafeamento precoce induz ao surgimento de fissuração e, o sarrafeamento retardado exige grande esforço para o corte da argamassa (BAUER, 2005). Segundo BAUER (2005), as espessuras nos revestimentos de argamassa é um problema sério. Espessuras superiores a 5 cm trazem problemas não apenas na sobrecargas, como também de retração e, provável fissuração Argamassa Colante A argamassa colante é um produto industrializado, à base de cimento, areia e aditivos, cujo preparo em obra exige apenas a adição de água nas proporções indicadas pelo fabricante, formando uma massa viscosa, plástica e aderente empregada no assentamento de peças cerâmicas para revestimentos de paredes e pisos (ANTUNES, 2010). A aplicação desse tipo de argamassa é em camada fina entre 3 mm a 5 mm, com uso de uma desempenadeira denteada, formando cordões e sulcos, havendo uma boa aderência com o emboço e, excelente trabalhabilidade. A Tabela 2.2 apresenta os requisitos e, os limites considerados para verificação da qualidade das argamassas colantes.

24 14 Requisito Tempo em aberto NBR14083 (2004) Tabela Requisitos analisados e especificação (FILHO, 2011) Método de ensaio Valor especificado Com a argamassa estendida sobre o substrato-padrão deve-se Com tempo em esperar 15 min para colocação das dez placas cerâmicas sobre aberto de 15 min a os cordões. O conjunto deve passar por 28 dias em cura nas resistência de condições ambientais prescritas na norma; após esse período as aderência deve ser placas cerâmicas são submetidas ao ensaio de arrancamento por 0,5 Mpa tração na velocidade uniforme de (250 ± 50) N/s até a ruptura Resistência de aderência NBR (2004) (cura normal) Com a argamassa estendida sobre o substrato-padrão deve-se esperar 5 min para colocação das dez placas cerâmicas sobre os cordões. O conjunto deve passar por 28 dias em cura nas condições ambientais precristas na norma; após esse período as placas cerâmicas são submetidas ao ensaio de arrancamento por tração na velocidade uniforme de (250 ± 50) N/s até a ruptura. 0,5 Mpa Resistência de Com a argamassa estendida sobre o substrato-padrão deve-se aderência NBR esperar 5 min para colocação das dez placas cerâmicas sobre os (2004) (cura cordões. O conjunto deve passar por 28 dias em cura nas submersa) condições ambienteis precristas na norma e então imerso em água até o dia do ensaio de arrancamento, sendo retirado apenas durante o tempo para colagem e secagem das peças metálicas para o ensaio de arracamento. o ensaio de arracamento também é por tração na velocidade uniforme de (250 ± 50) N/s até a ruptura. 0,5 Mpa Marcação NBR (2004) As embalagens da argamassa colante devem apresentar todas as informações especificadas na norma NBR Massa portaria Inmetro nº74 de 25/05/95 e nº140 de 17/10/01 A massa dos sacos deve apresentar a tolerância informada nas portarias citadas ao lado embalagem entre 1 a 10 kg; tolerância de 1,5%; embalagem entre 10 a 15 kg: tolerância de 150g embalagem acima de 15Kg: tolerância de 1%

25 Acabamento decorativo Revestimento decorativo monocamada é um produto que altera a forma de execução e a estrutura física do revestimento de fachadas em edifícios. Substitui o tradicional revestimento de argamassa: emboço e reboco (PIOVEZAN e CRESCENCIO, 2003). Segundo CARASEK (2010), o revestimento decorativo monocamada trata-se de um revestimento aplicado em uma única camada, que faz, simultaneamente, a função de regularização e decorativa. A sua composição é variável de acordo com o fabricante, contendo geralmente: cimento branco, cal hidratada, agregado de várias naturezas, pigmentos inorgânicos, fungicidas, além de vários aditivos (como o plastificante, retentor de água, incorporador de ar). A Figura 2.5 ilustra as modificações ocorridas no revestimento de argamassa em fachadas ao longo do tempo do revestimento tradicional até o revestimento decorativo. Figura Modificações ocorridas no sistema de revestimento de argamassa: (a) revestimento tradicional; (b) revestimento de camada única; (c) revestimento decorativo de monocamada aplicado sobre alvenaria e revestimento decorativo monocamada aplicado sobre a estrutura e concreto (PIOVEZAN e CRESCENCIO, 2003). O processo de produção do revestimento decorativo monocamada é diferente daquele utilizado na produção do revestimento tradicional. O revestimento decorativo monocamada dispensa o emprego de chapisco na alvenaria, a espessura de aplicação é da ordem da metade do utilizado no revestimento tradicional e, dispensa a pintura. A sua aplicação pode ser feita manualmente, ou através de projeção mecânica (PIOVEZAN & CRESCENCIO, 2003).

26 Argamassa de rejunte A argamassa de rejunte, conforme a NBR (ABNT, 2003), se constitui numa mistura industrializada de cimento Portland e outros componentes homogêneos e uniformes, para aplicação nas juntas de assentamento de placas cerâmicas. Jungiger e Medeiros (2003) destacam com principais funcões do rejunte: Auxiliar no desempenho estético do revestimento: deve-se ressaltar pelo acabamento das juntas, pois quanto mais profundo o friso do rejunte, maior a possibilidade de acúmulo de sujeiras; Estabelecer regularidade superficial: o rejunte tipo frisado seria inconveniente em supermercados, onde a reentrância das juntas poderia expor as bordas das juntas ao impacto danoso, portanto o rejunte tipo plano é mais adequado para essa situação; Compensar variação de bitola e facilitar assentamento das placas; Vedar o revestimento cerâmico: o rejunte nesse caso tem a função de evitar a passagem de agentes deletérios para trás do revestimento, ou seja, tem a função de vedar o revestimento cerâmico. Atuam no impedimento de passagem de água líquida, que pode levar o surgimento de manchas provenientes de lixiviação, danos por ciclos de secagem/umedecimento e, outros danos como eflorescência, corrosão de peças metálicas e, manchamento. Permitir difusão de vapor de água; Proporcionar alívio de tensões. 2.7 PRINCIPAIS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM REVESTIMENTO DE FACHADAS As manifestações patológicas são consequências gradativas de atribuições de fatores, ou seja, danos maiores de patologias é consequência de sobreposições de efeitos (ANTUNES, 2010). Entre as principais manifestações patológicas em revestimento de fachadas cita-se fissuração nas alvenarias, eflorescência, descolamento, destacamento do revestimento cerâmico e trinca.

27 Patologia em sistema de alvenaria A patologia em sistema de alvenaria relaciona-se com fissuração: interface alvenaria/estrutura, nas proximidades de aberturas como janelas e portas, topos de edifícios ou andares superiores (ANTUNES, 2010). A fissura na interface alvenaria/estrutura se localiza paralelamente ao componente estrutural (pilar, viga ou laje) aparecendo às fissuras horizontais ou verticais. A causa decorre de movimentos diferenciais, seja pela deformação de estruturas devido às flechas excessivas em vigamentos de vigas e lajes ou pela deficiência de ancoragem (ANTUNES, 2010). As vergas e as contravergas em aberturas de portas e janelas têm função estrutural nas tensões de cisalhamento ou tração, que evitam a fissuração na alvenaria absorvendo e redistribuindo os esforços na região (FILHO e HELENE, 1998). Fissuras em topo de edifícios são decorrentes de solicitação térmica, ou seja, dada juntas de materiais com diferentes coeficientes de dilatação térmica, expostos a mesma variação de temperatura (ANTUNES, 2010) Patologia do sistema de revestimento de argamassa As principais causas de patologias do sistema de revestimento de argamassa citam-se eflorescência, descolamento, fissura na argamassa e falha de juntas. Segundo Carasek (2010) os revestimentos em argamassas, a aderência assume grande importância, pois caso haja falha, podem ocorrer danos a vidas humanas pelo descolamento e pela queda de pedaços de revestimento, a Figura 2.6 ilustra um exemplo desse tipo de patologia.

28 18 Figura Desplacamento localizado no emboço (Fonte: GOOGLE IMAGENS, 2011). A permeabilidade à água é a propriedade que relaciona a estanqueidade da parede, portanto o revestimento tem a função de proteger o edifício da infiltração de água. Caso haja umidade nas paredes, ocorrerão manifestações patológicas como eflorescência, descolamento e manchas de bolor e mofo (CARASEK, 2010). O revestimento em argamassa deve também apresentar a capacidade de absorver pequenas deformações, para se deformar em ruptura ou por meio de pequenas microfissuras, de maneira a não se comprometer sua aderência, estanqueidade e durabilidade. Essa propriedade relaciona-se ao módulo de elasticidade e à resistência mecânica da argamassa que poderá influenciar na fissuração da mesma (CARASEK, 2010). Segundo BAUER (2005), as juntas são elementos estratégicos para alívio de esforços nos sistema de revestimento, ou seja, o papel da junta é conduzir a fissuração potencial para uma região localizada na junta. Portanto falhas de juntas manifestam patologias, e para se evitar esse tipo de problema devem atender às características geométricas previstas em projeto, controle durante a execução das juntas, escolha correta de materiais e o atendimento às normas vigentes (ANTUNES, 2010). A Figura 2.7 ilustra manifestação de falhas de juntas.

29 19 Figura Junta de movimentação deteriorada (ANTUNES, 2010) Patologias em revestimento cerâmico As manifestações patológicas em revestimento cerâmico citam-se destacamento de revestimento cerâmico, trincas, gretamento, fissuras e problemas com as juntas de assentamento. Os destacamentos são caracterizados pela perda de aderência das placas cerâmicas do substrato, ou da argamassa colante, quando as tensões surgidas no revestimento cerâmico ultrapassam a capacidade de aderência das ligações entre a placa cerâmica e a argamassa colante e/ou emboço (FORTENELLE e MOURA, 2004). As trincas, gretamento e fissuras são patologias que aparecem por causa da perda de integridade da superfície da placa cerâmica, que podem ficar limitada a um defeito estético (no caso de gretamento), ou pode evoluir para um destacamento (no caso de trincas). Essas patologias ocorrem normalmente nos primeiro e nos últimos andares do edifício, geralmente pela falta de especificação de juntas de movimentação e detalhes construtivos adequados (FORTENELLE e MOURA, 2004). A perda de estanqueidade da junta e envelhecimento do material de preenchimento inicia-se logo após a sua execução por meio de limpeza inadequada. A limpeza incorreta da junta pode causar deterioração de parte do material aplicado (uso de ácidos e bases concentrados), que, somados ataques de agentes atmosféricos agressivos e/ou solicitações mecânicas por movimentações estruturais, podem causar fissuração (ou mesmo trincas) bem como infiltração de água (FORTENELLE e MOURA, 2004).

30 Patologias do sistema de revestimento de pintura As patologias em revestimento de pintura são bolor ou mofo, saponificação, calcinação, desagregação da pintura, descascamento, manchas, bolhas, crateras e enrugamento. O destacamento da pintura juntamente com o reboco ou aparecimento de bolhas na pintura é causado pela ausência de cura mínimas exigidas no reboco e emboço (OLIVEIRA e DUMÊT, 2006). A Figura 2.8 ilustra a manifestação patológica através de destacamento. As infiltrações de água são causas mais frequentes da deterioração das pinturas causando descascamentos, destacamentos, bolhas, manchas, etc. Pontos de umidade ou vazamentos podem ser devido às infiltrações pelo solo ou tubulações que estejam com falhas em suas instalações, às áreas que não foram devidamente impermeabilizadas como jardineiras e lajes sem telhados expostas ao tempo, às impermeabilizantes desgastadas, infiltrações em banheiros e cozinhas devidas ao desgaste da argamassa de rejunte por serem áreas em contato direto com água ou umidade, etc (OLIVEIRA e DUMÊT, 2006). Figura Destacamento de pintura (Fonte: GOOGLE IMAGENS, 2011).

31 Patologias em monocamada O processo construtivo desse tipo de revestimento além de aplicado corretamente, também deve atentar com o projeto arquitetônico, pois será decisivo na durabilidade da monocamada. Atentando que falhas na manutenção nesse tipo de revestimento diminuem o desempenho da fachada, provocando correções onerosas e um aspecto estético ruim (FIGUEROLA, 2006). As patologias mais comuns em revestimento de argamassas cimentícias estão na fissuração por movimentação diferenciada e o destacamento causado pelo preparo ineficiente da base, a figura 2.9 e 2.10 relata essas manifestações patológicas. Figura fissuração por movimentação diferenciada (FIGUEROLA, 2006). Figura Destacamento causado pela má preparação da massa (FIGUEROLA, 2006). O revestimento em monocamada são texturizados e sujeitos ao acúmulo de poeira e fuligem, comprometendo o aspecto estético da fachada. Portanto recomenda-se uma lavagem periódica com água de dois em dois anos para diminuir o depósito de sujeira. Para melhorar essa lavabilidade é importante que após a execução do revestimento a aplicação de hidrofugantes ou repelentes de água, diminuindo a permeabilidade à água (FIGUEROLA, 2006).

32 22 Esse tipo de acabamento pode apresentar manchas causadas por hidróxido de cálcio liberado durante a reação de hidratação do cimento, promovendo o branqueamento da argamassa. Acrescenta-se também que os produtos com pigmentos orgânicos estão mais sujeitos a desbotamento do que aqueles que possuem pigmentos inorgânicos (FIGUEROLA, 2006). 2.8 PRINCIPAIS CAUSAS DAS PATOLOGIAS Causas associadas aos materiais O mercado atual tem passado por um crescente surgimento de novos materiais, portanto nem sempre esses são testados em conformidade com os requisitos e critérios de desempenho, conseguinte há um aumento nas patologias de fachadas. A busca pelo menor preço, a incorreta aplicação e o mau entendimento pelas características dos materiais também tem sido um aliado das manifestações patológicas (ANTUNES, 2010) Causa associado à dosagem ou traço De acordo com CARASEK (2010), um ponto de partida para dosagem de argamassas adequadas segue os traços recomendados em normas como visto na Tabela 2.3, esses traços pré-fixados são necessários, pois os materiais constituintes da argamassa diferem muito de uma região para outra, podendo gerar argamassas de comportamento inadequado. Tabela Traços recomendados por algumas entidades normalizadoras (CARAZEK, 2010). Traço em volume Tipo de argamassa cimento cal areia Referências Revestimento de paredes interno e de fachada a 11 NBR 7200 (ABNT, 1982)* Alvenaria em contato com o solo 1 0-1/4 2,25 a 3 x (volumes Alv. Sujeita a esforços de flexão Assentamento de 1 1/2 de alvenaria estrutural Uso gera, sem contato com solo 1 1 cimento +cal) Uso restrito, interno/baixa resist. 1 2 ASTM C 270

33 23 A granulometria dos agregados influencia uma boa dosagem na argamassa, ou seja, uma dosagem inadequada dos agregados desconsidera a influência da granulometria, textura e forma dos grãos e uma adequada distribuição granulométrica. As dosagens do cimento empregadas nas argamassas devem ser apropriadas a situações particulares de aplicação. O proporcionamento adequado do teor de cimento proporciona melhoras significativas na resistência mecânica e, na capacidade de aderência ao suporte. No entanto, uma dosagem desajustada deste constituinte, poderá ter fortes implicações em características relacionadas com a durabilidade dos revestimentos, como a retração plástica, e a permeabilidade ao vapor de água. (ANTUNES, 2010) Causas na especificação As manifestações patológicas decorrentes da má especificação resultam normalmente de omissões e/ou equívocos. Geralmente a decorrência dessas patologias é resultante da falta de leitura, ou até mesmo da ausência de projeto construtivo de fachadas (ANTUNES, 2010). Os projetos construtivos visam incorporar processos e métodos construtivos na sua concepção. Graças as suas proximidades com os processos construtivos e de sua interface com outros subsistemas, como as estruturas e sistemas prediais, esses projetos passam a possuir um valor extraordinário na execução de uma obra, além de contribuírem para o desempenho do edifício como um todo (MANESHI e MELHADO, 2008). Em projeto de revestimento de fachadas é importante seguir algumas diretrizes para a diminuição de manifestações patológicas (MEDEIROS e SABBATINI, 1999): Definição do tipo de revestimento; Especificação do padrão e qualidade dos serviços; Especificação da argamassa; Especificação das técnicas mais adequadas para execução; Definição dos detalhes arquitetônicos e construtivos; Especificação das condições para o início dos serviços e para o seu recebimento.

34 Causa decorrente do processo executivo Problemas de qualidade final nos revestimentos de fachadas têm causado transtornos para construtoras, seja pelo retrabalho ou pela insatisfação do consumidor final. As causas dessas manifestações patológicas não estão apenas na qualidade do material argamassa, mas também no reflexo do processo construtivo e, no processo executivo (MOURA, MASUERO, BONIN e CASTRO, ). Durante a execução de argamassa, as falhas são decorrentes da variação de mão-deobra. Em se tratando da projeção da argamassa sobre a base, caso a aplicação seja manual, a influência da habilidade do operário é muito grande, sendo susceptíveis as falhas pela uniformidade da energia de aplicação empregada e, consequentemente pela aderência incompleta à base (ANTUNES, 2010). Problemas em processo executivos, anteriores ao da execução da argamassa, também geram manifestações patológicas, tais como o assentamento de blocos no qual seu produto final apresenta paredes desaprumadas exigindo espessuras de argamassas exageradas, ocasionando a retração da argamassa (ANTUNES, 2010). O processo executivo de placas cerâmicas deve seguir a NBR (ABNT, 1996), pois o assentamento correto de placas cerâmicas impede a ocorrência de patologia como o desplacamento. As origens no aparecimento de manifestações patológicas em edificações podem ser sintetizadas da seguinte forma (SILVA, 2009): Materiais: Utilização de componentes (cerâmicas, juntas, rejunte, argamassa de assentamento, cimento, cal, areia e suas misturas) em desacordo com as especificações e recomendações da norma brasileira, ou, quando da sua inexistência, de normas internacionais e pesquisas já realizadas; Projeto: todos os aspectos ligados a concepção da edificação, desde a falta de coordenação entre projetos, escolha de materiais inadequados, até a negligência quanto a aspectos básicos, como posicionamento de juntas de trabalho e telas de reforço (metálicas ou plásticas); Produção: envolve o controle de recebimento de materiais, preparação das misturas, obediência aos prazos mínimos para a liberação dos serviços e, principalmente, o acompanhamento no prazo da execução de todas as camadas do sistema, sobretudo o assentamento das placas cerâmicas;

35 25 Uso: trata-se dos fatores ligados à operação durante a vida do componente e fundamentalmente, às atividades de manutenção requeridas para um desempenho adequado do conjunto com o decorrer dos anos Causas decorrentes da ação de fatores externos As fachadas, por estarem expostas ao meio ambiente e, as ações atmosféricas, apresentam uma probabilidade maior de deteriorar durante a sua vida útil, podendo causar comportamento diversos nos materiais, provocando variações físicas e/ou químicas. Entre os fatores externos com maior influência em deterioração da fachada estão a umidade e, as variações climáticas (ANTUNES, 2010). A umidade presente nas fachadas é uma grande incidência dos problemas relacionados à infiltração, independente da idade das construções. As variações do teor de umidade provocam movimentações de dois tipos: irreversíveis e reversíveis. As movimentações irreversíveis são aquelas que ocorrem geralmente logo após a fabricação do material e originam-se da perda ou ganho de água até que se atinja a umidade higroscópica de equilíbrio. As variações reversíveis ocorrem por variações de teor de umidade do material ao longo do tempo, ficando delimitadas a certo intervalo mesmo no caso de secar-se ou saturar-se completamente (CAMPOS, 2009). As variações se constituem num dos principais fatores de degradação de fachadas, com aspectos como choque térmico, efeito de vento e, chuvas de agravantes. Uma das principais alterações físicas provocadas pela temperatura é a variação dimensional por dilatação ou contração, que é responsável por gerar tensões, que levam ao aparecimento de deformações e fissuras (ANTUNES, 2010).

36 26 3 METODOLOGIA 3.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Tomando-se como referência a revisão bibliográfica e, analisando as diferentes metodologias empregadas pelos autores estudados, apresenta-se nesse capítulo a metodologia adotada para o estudo de caso, sendo dividida em duas partes distintas: 1. Levantamento de informações necessárias para a avaliação do desempenho, que foram obtidas por meio de vistorias do local e, do levantamento do histórico do projeto e da execução junto às construtoras; 2. Diagnóstico e avaliação dos elementos com perda de desempenho e, possíveis propostas para solucionar o problema encontrado. 3.2 DEFINIÇÕES DAS VARIÁVEIS CONTROLADAS E DE RESPOSTA O presente trabalho analisou o desempenho dos revestimentos das fachadas de 3 edifícios, situados na cidade de Anápolis GO, que possuem como variáveis controladas as seguintes características dos edifícios: quantidades próximas de pavimentos tipos, tempos aproximados de utilização e, proximidade de localização dos edifícios em estudo. São consideradas variáveis de resposta o tipo de revestimento utilizado na fachada, que são: Revestimento de monocamada; Revestimento com pintura e; Revestimento cerâmico. 3.3 DESCRIÇÃO DA METODOLOGIA UTILIZADA A metodologia em estudo objetivou-se em analisar o sistema de revestimento de fachadas, desde o processo construtivo, até o comportamento da fachada ao longo do tempo. Considerou-se a importância da manutenção e, os efeitos das manifestações patológicas devido ao processo construtivo.

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TR Tecnologia dos Revestimentos Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TEMA Ensaio de aderência de revestimentos de argamassa, gesso e cerâmica. OBJETIVO Analisar o grau de aderência dos revestimentos utilizados, em relação à norma técnica

Leia mais

23/05/2014. Professor

23/05/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Alvenarias Área de Construção Civil Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Elementos

Leia mais

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm

DIMENSÃO MÁXIMA PLACAS CERÂMICAS E PORCELANATOS. 45 x 45 cm. 45 x 45 cm. 60 x 60 cm. 60x 60 cm 01 DESCRIÇÃO: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade, ideal para assentamento de revestimentos cerâmicos, porcelanatos, pedras rústicas em áreas internas e externas em pisos e paredes; Aplicação

Leia mais

Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos

Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos Manifestações patológicas na construção Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos Pathology on facades with ceramic coatings Galletto, Adriana (1); Andrello, José Mario (2) Mestre em Engenharia

Leia mais

Como ocorrem e como evitar patologias em pisos de concreto? Veja as recomendações para escolha de materiais e reparo de falhas mais comuns

Como ocorrem e como evitar patologias em pisos de concreto? Veja as recomendações para escolha de materiais e reparo de falhas mais comuns Piso novo Como ocorrem e como evitar patologias em pisos de concreto? Veja as recomendações para escolha de materiais e reparo de falhas mais comuns Método "extremo" de recuperação, o overlay é praticamente

Leia mais

Assentar pisos e azulejos em áreas internas.

Assentar pisos e azulejos em áreas internas. CAMPO DE APLICAÇÃO Direto sobre alvenaria de blocos bem acabados, contrapiso ou emboço desempenado e seco, isento de graxa, poeira e areia solta, para não comprometer a aderência do produto. Indicado apenas

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO

ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO Resumo A utilização de estruturas pré fabricadas em concreto está numa crescente nesses últimos anos. Para a ABCIC (Associação

Leia mais

MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS: ANÁLISE DA FREQUÊNCIA DE OCORRÊNCIA EM ÁREAS INTERNAS DE EDIFÍCIOS EM USO EM PORTO ALEGRE

MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS: ANÁLISE DA FREQUÊNCIA DE OCORRÊNCIA EM ÁREAS INTERNAS DE EDIFÍCIOS EM USO EM PORTO ALEGRE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Alexandra Barcelos Rhod MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS: ANÁLISE DA FREQUÊNCIA DE OCORRÊNCIA

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Argamassa Biomassa Código: AB001

Ficha Técnica de Produto Argamassa Biomassa Código: AB001 1. Descrição: A é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos em sistemas de vedação vertical. O principal

Leia mais

Linha P05 Cime. Endurecedor mineral de superfície

Linha P05 Cime. Endurecedor mineral de superfície Linha P05 Cime Endurecedor mineral de superfície 1 Descrição. Composto granulométrico à base de cimento e agregados selecionados de origem mineral e/ou mineral metálica, para aplicações em sistema de aspersão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL! Construção Civil II 1 0 Semestre de 2015 Professoras Heloisa Campos e Elaine Souza

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL! Construção Civil II 1 0 Semestre de 2015 Professoras Heloisa Campos e Elaine Souza UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Construção Civil II 1 0 Semestre de 2015 Professoras Heloisa Campos e Elaine Souza EXERCÍCIO IMPERMEABILIZAÇÃO A seguir está modificado um

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Setembro, 2009 PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1 O QUE NÃO QUEREMOS: O QUE NÃO QUEREMOS, MESMO!! 2 NUNCA!!!! JAMAIS! 3 NA MINHA OBRA NÃO! Fonte:FUMEC É CADA UMA... 4 JÁ? TÃO CEDO...

Leia mais

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2. ÍNDICE 1 SUPERFICIES CERÂMICAS 2 PROTEÇÃO ÀS TELHAS E TIJOLOS 3 PRINCIPAIS FATORES QUA ALTERAM AS CARACTERISTICAS DAS SUPERFICIES CERAMICAS: HIDROFUGANTES E IMPERMEABILIZANTES 4.1 HIDROFUGANTES 4.1.1 TIPOS

Leia mais

Solução Integrada Italit

Solução Integrada Italit Solução Integrada Italit 1. Departamento Comercial Consultores especializados, adequadamente treinados para atender, informar e esclarecer sobre a melhor utilização da Unha de Produtos e Serviços Italit

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS Luciana Leone Maciel Mércia M. S. Bottura Barros Fernando Henrique Sabbatini São Paulo,

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES Prof. Marco Pádua Quando a construção se inicia, as fundações começam a ser executadas, os alicerces tomam forma e delimitam os cômodos,

Leia mais

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO Profº Joel Filho Introdução: Impermeabilização NBR 9575/2003 - Elaboração de Projetos de Impermeabilização Item 6 Projeto 6.1. Elaboração e responsabilidade técnica

Leia mais

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Uso da Cal

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Uso da Cal IPHAN/MONUMENTA Manual Prático Uso da Cal 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE SOLO-CIMENTO FICHA CATALOGRÁFICA-27 DATA: JANEIRO/2014.

ALVENARIA DE BLOCOS DE SOLO-CIMENTO FICHA CATALOGRÁFICA-27 DATA: JANEIRO/2014. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. ALVENARIA DE BLOCOS DE SOLO-CIMENTO FICHA CATALOGRÁFICA-27 DATA: JANEIRO/2014. Tecnologias, sistemas

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho.

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110 ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. André Azevedo Palestra apresentado na 10.Convenção Nordeste de Cerâmica Vermelha, Teresina, PI, 2015.. A série

Leia mais

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO DE FACHADA DE ARGAMASSA P R O M O Ç Ã O Início dos Serviços Alvenarias concluídas há 30 dias e fixadas internamente há 15 dias Estrutura concluída há 120 dias Contra marcos chumbados

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

REVESTIMENTO CERÂMICOS

REVESTIMENTO CERÂMICOS SEMINÁRIOS DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REALIZAÇÃO: IBAPE NACIONAL E IBAPE PR Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Foz do Iguaçu-PR II Seminário Nacional de Perícias de Engenharia PERÍCIAS EM FACHADAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1)

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1) AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DAS ARGAMASSAS COLANTES ACIII SOBRE SISTEMAS ACRÍLICOS E ACRÍLICOS CIMENTÍCIOS SERGIO MAROSSI (1) (1) Responsável Técnico da Citimat Impermeabilizantes Ltda. Citimat Impermeabilizantes

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo.

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo. N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO Estudo Comparativo Mafalda Ramalho EDIÇÃO: Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS Turíbio J. da Silva (1); Dogmar A. de Souza Junior (2); João F. Dias (3); Gercindo Ferreira (4)

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável, elástica e de grande durabilidade. Aplicação Campos de Aplicação - Impermeabilização de:. lajes de cobertura;. terraços;. calhas de concreto;.

Leia mais

Construction. Sikagard -550 W Elastic. Revestimento elástico com capacidade de ponte de fissuração para protecção de betão. Descrição do produto

Construction. Sikagard -550 W Elastic. Revestimento elástico com capacidade de ponte de fissuração para protecção de betão. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação:03.205 Versão nº 1 Sikagard -550 W Elastic Revestimento elástico com capacidade de ponte de fissuração para protecção de betão Construction

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS Hélder Maurício Antunes Cruz * a40472@alunos.uminho.pt José Barroso de Aguiar aguiar@civil.uminho.pt Resumo A presente comunicação reflecte um estudo na

Leia mais

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA

SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Soluções para Construção Fortaleza Março - 2015 SOLUÇÕES PRÁTICAS E INOVADORAS PARA A SUA OBRA Assentar e rejuntar Sobrepor Revestir Renovar QUALIDADE, CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO sempre foram as forças que

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO O que é uma Norma Técnica? O que é uma Norma Técnica? Documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido, que fornece, para uso repetitivo,

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra.

Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra. Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra. O sistema industrializado de Lajes Mistas Nervuradas da Tuper é composto por vigotas metálicas fabricadas com aço estrutural galvanizado

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

ASPECTOS EXECUTIVOS, SURGIMENTO DE ANOMALIAS E QUALIDADE DAS ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO

ASPECTOS EXECUTIVOS, SURGIMENTO DE ANOMALIAS E QUALIDADE DAS ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASPECTOS EXECUTIVOS, SURGIMENTO DE ANOMALIAS E QUALIDADE DAS ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO Adrianderson Pereira

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSTRUÇÃO CIVIL II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSTRUÇÃO CIVIL II REVEST. EM Ministério ARGAMASSA da Educação e GESSO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) EXECUÇÃO EM ARGAMASSAS E GESSO Chapisco; Emboço; Reboco; Pintura. Etapas

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS 1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS Advento da agricultura: + 10.000 AC Terra, pedra e madeira: materiais que abrigaram a humanidade Desuso Produção industrial de materiais Novos padrões estéticos Grandes concentrações

Leia mais

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO João Maurício Fernandes Souza¹; José Dafico Alves² ¹ Bolsista PIBIC/CNPq, Engenheiro Agrícola, UnUCET - UEG 2 Orientador, docente do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MANUTENÇÃO NA DURABILIDADE DOS REVESTIMENTOS DE FACHADA DE EDIFÍCIOS RESUMO ABSTRACT

A INFLUÊNCIA DA MANUTENÇÃO NA DURABILIDADE DOS REVESTIMENTOS DE FACHADA DE EDIFÍCIOS RESUMO ABSTRACT A INFLUÊNCIA DA MANUTENÇÃO NA DURABILIDADE DOS REVESTIMENTOS DE FACHADA DE EDIFÍCIOS Maurício Marques Resende (1); Mércia M.S.B. Barros (2); Jonas Silvestre Medeiros (3) (1) Escola Politécnica da USP São

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

Construction. Argamassa cimentosa fluída SCC reforçada com fibras para reparação de betão armado, pavimentação e ancoragem de varões de aço

Construction. Argamassa cimentosa fluída SCC reforçada com fibras para reparação de betão armado, pavimentação e ancoragem de varões de aço Ficha de Produto Edição de julho de 2014 Nº de identificação: 02.007 Versão nº 1 Sika Grout-312 RFA Argamassa cimentosa fluída SCC reforçada com fibras para reparação de betão armado, pavimentação e ancoragem

Leia mais

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA s.f. Ato ou efeito de pintar. Camada de recobrimento de uma superfície, com funções

Leia mais

MANUAL TÉCNICO PREALL

MANUAL TÉCNICO PREALL MANUAL TÉCNICO PREALL ÍNDICE 1. PRODUTO 2. RECEBIMENTO 3. ARMAZENAMENTO 4. PREPARAÇAO DO LOCAL DE APLICAÇÃO 5.1 DEFINIÇÃO DE JUNTA 5.2 ASSENTAMENTO 6. LIMPEZA 7. PROTEÇÃO 8. GARANTIA 9. PISO ELEVADO 10.

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso

Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso 1 Comparativo do desempenho de revestimento argamassado e revestimento com pasta de gesso Carolina de Lima Accorsi carolaccorsi@hotmail.com MBA Gerenciamento de Obras, Tecnologia e Qualidade da Construção

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

RECICLAGEM DE RESÍDUOS E CIDADANIA: PRODUÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES EM REGIME DE MUTIRÃO - PARTE II

RECICLAGEM DE RESÍDUOS E CIDADANIA: PRODUÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES EM REGIME DE MUTIRÃO - PARTE II RECICLAGEM DE RESÍDUOS E CIDADANIA: PRODUÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES EM REGIME DE MUTIRÃO - PARTE II Aline Gomes de Oliveira 1 ; Gustavo de Castro Xavier 2 ; Raphael dos

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo

SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo Entidades Setoriais Nacionais Mantenedoras SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo Endereço: Av.

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO Válida a partir de: 28.02.2008 Esta Norma fixa as condições mínimas de resistência e segurança exigíveis para guarda-corpos de edificações para uso privativo

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo FIPAI FUNDAÇÃO PARA O INCREMENTO DA PESQUISA E DO APERFEIÇOAMENTO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo Relatório Avaliação pós-ocupação

Leia mais

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi INTRODUÇÃO: Neste trabalho será apresentado um apanhado sobre as diversas formas de concreto e agregados bem como o seu uso, dando

Leia mais

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis CONCEITO O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis estruturais capazes de resistir às cargas verticais (telhados e pavimentos), perpendiculares

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442

BOLETIM TÉCNICO. Primeira linha em impermeabilizante acrílico. Rua Moisés Marx nº. 494 Vila Aricanduva, SP CEP 03507-000 -Fone / Fax : (11) 6191-2442 1 SELOFLEX R Primeira linha em impermeabilizante acrílico BOLETIM TÉCNICO Como qualquer tipo de impermeabilização flexível, a estrutura deverá estar seca, mínimo de 7 dias após a regularização, limpa de

Leia mais

SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo

SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo Entidades Setoriais Nacionais Mantenedoras SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo Endereço: Av.

Leia mais

Estudo Dirigido Prof.: Roberto Monteiro de Barros Filho

Estudo Dirigido Prof.: Roberto Monteiro de Barros Filho Materiais e Tecnologia Estudo Dirigido Prof.: Roberto Monteiro de Barros Filho AÇO INOXIDÁVEL 1) Defina o que é o aço inoxidável ou aço inox (Stainless Steel): 2) O que confere ao Aço Inoxidável a maior

Leia mais

Lareira a lenha Tipo Gota

Lareira a lenha Tipo Gota Lareira a lenha Tipo Gota Manual de instalação, uso e manutenção. ÍNDICE APRESENTAÇÃO CONSIDERAÇÕES INICIAIS EQUIPAMENTO - LAREIRA A LENHA GOTA CUIDADOS INSTALAÇÃO DA LAREIRA DESENHOS TÉCNICOS SISTEMA

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS INTRODUÇÃO O empirismo durante a especificação dos materiais A complexidade do número de variáveis envolvidas

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS . PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

Patologia. Ciência que estuda a origem, os sintomas e o mecanismo de ação das doenças MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO

Patologia. Ciência que estuda a origem, os sintomas e o mecanismo de ação das doenças MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Conhecer da evolução dos problemas Estudar as suas causas Fornecer informações para os trabalhos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1 DESCRIÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1 DESCRIÇÃO Página 1 de 9 MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Reforma na Unidade Sanitária Sede de Guarujá do Sul PROPRIETÁRIO: LOCAL: Rua Governador Jorge Lacerda, 448, Centro, Guarujá do Sul (SC) ÁREA TOTAL DA EDIFICAÇÃO:

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 27 DETERMINAÇÃO DAS CAUSAS DE FISSURAÇÃO EM VIGA DE CONCRETO PROTENDIDO USANDO SIMULAÇÃO NUMÉRICA Savaris, G.*, Garcia, S.

Leia mais

VEDAPREN. Densidade: 1,02 g/cm³ Aparência: Preto(a) Composição básica: Emulsão asfáltica modificada com elastômeros. Validade: 24 meses

VEDAPREN. Densidade: 1,02 g/cm³ Aparência: Preto(a) Composição básica: Emulsão asfáltica modificada com elastômeros. Validade: 24 meses Produto VEDAPREN é uma manta líquida, de base asfalto e aplicação a frio, pronta para uso e moldada no local. Cobre a estrutura com uma proteção impermeável. Apresenta ótimas características de elasticidade

Leia mais

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos Instruções de Instalação Pisos Vinílicos LinhadePisosLaminadosemPVC 2,3mmeClick Recomendações e Responsabilidades Os serviços de colocação devem ser repassados a profissionais instaladores de pisos com

Leia mais

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria

Leia mais

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Aditivos para argamassas e concretos Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Introdução Mehta: Quarto componente do concreto ; Estados

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA: CARACTERÍSTICAS E PECULIARIDADES

REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA: CARACTERÍSTICAS E PECULIARIDADES REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA: CARACTERÍSTICAS E PECULIARIDADES Coordenador: Elton Bauer ATENÇÃO A presente cópia é uma cópia de submissão deste texto para publicação. Face ao respeito aos direitos autorais,

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais