Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores:"

Transcrição

1 Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores: Alan Nogueira Sanches Felippe de Carvalho Barros Fernando Felizate Pereira Leandro de Marchi Sérgio Antônio Mathias da Silva Professor Orientador: Dr. Alexandre Brincalepe Campo Professores Co-orientadores: Ms. Maria Cristina Balejo Piedade Ms. Alberto Akio Shiga Ms. Gabriel Issa Jabra Shammas Instituição de ensino: Universidade São Judas Tadeu Produtos Utilizados: 1. LabVIEW versão USB 6211 O desafio: Desenvolver um sistema completo para medição e apresentação de sinais de eletromiografia conjugado a um sistema de eletro-estimulação. O sistema completo integra uma ferramenta única que pode ser utilizada pelo profissional de fisioterapia para o diagnóstico de lesões e/ou doenças que afetam o sistema eletrofisiológico. A solução: Este projeto tem o propósito de desenvolver um equipamento que seja capaz de fornecer informações para auxiliar o diagnóstico de lesões e/ou doenças que afetem o sistema eletrofisiológico. Para examinar as propriedades de condução das fibras nervosas motoras, será usada uma abordagem eletrofisiológica clássica. Isto é, um estímulo é aplicado em uma região e a resposta a esse estímulo será monitorada usando-se uma técnica extracelular em outra área. No desempenho dos estudos de condução do nervo motor, um nervo periférico misto será eletricamente eletro-estimulado por estímulos de curta duração e potenciais de ação são gerados nos axônios dos motoneurônios. Os potenciais de ação nervosa evocados serão propagados ao longo das fibras motoras e ativarão as junções neuromusculares (JNM) dos axônios motores estimulados. A transmissão para JNM resultará em potenciais de ação muscular das fibras musculares inervadas e acionarão a contração dos músculos inervados por essas fibras. Nesses estudos de

2 condução do nervo motor, a força real de contração não será medida. Os eletrodos serão posicionados no músculo para registrar potencial de ação muscular composto bifásico que acompanha a contração. A amplitude do PAMC evocado (também chamado de onda M) é proporcional aos números de unidades motoras despolarizadas e conseqüentemente é reflexo do tamanho da ativação das fibras musculares produzidas como um resultado da estimulação do nervo motor. Figura 1- Sistema supervisório para exame EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Como a corrente estará aumentada na estimulação do nervo motor, as fibras nervosas motoras serão recrutadas progressivamente até uma contração máxima ser produzida. Com esse nível de estimulação, um acréscimo adicional na amplitude não aumentará a amplitude da resposta evocada. Nesse ponto, todos os axônios motores diretamente abaixo do estimulador estarão acionados, o número máximo de junções neuromusculares terá sido acionado, e os potenciais de ação serão produzidos nas membranas das fibras musculares inervadas. Assegurando a estimulação máxima de todas as fibras musculares inervadas, a eletro-estimulação supramáxima resultará no registro de potenciais de ação musculares compostos máximos.

3 Durante o estudo da condução nervosa, nervos sensitivos também são acionados abaixo do estimulador. Os potenciais de ação nervosos sensoriais evocados serão propagados através das fibras sensoriais e os efeitos somados propagados através do nervo monitorado, dessa forma obtendo o potencial de ação do nervo sensorial composto PANSC (também conhecido por onda H). A resposta sensorial (PANSC) é menor em amplitude do que a PAMC, isso será demonstrado no medidor que será apresentado no programa supervisório (LabVIEW) (vide figura 1). Para o exame, um eletrodo de registro (chamado ativo) será colocado sobre o ponto motor, o segundo eletrodo (chamado referência) será colocado distalmente sobre o tendão de inserção do músculo, um terceiro eletrodo, o eletrodo terra, será colocado entre o eletrodo ativo e o eletrodo de referência, numa área óssea. A estimulação elétrica será fornecida pelo uso de um eletrodo bipolar preso à região a ser estimulada, conectado a um estimulador que produzirá uma corrente monofásica retangular e uma amplitude ajustável. O cátodo e o ânodo estarão separados numa distância relativa ao músculo a ser estimulado. O cátodo será colocado distalmente ao ânodo sobre o nervo, o mais próximo possível do eletrodo de registro sobre o músculo. As respostas (PAMC) e (PANSC) serão amplificadas analogicamente e deverão ser tratadas por um programa supervisório (LabVIEW) sendo apresentadas em forma numérica e gráfica. Nesse programa serão parametrizados: o tempo de exame, o nervo a ser examinado (com sua respectiva distância distal), a largura do pulso e a intensidade. Após finalização do exame, será apresentado o gráfico de EMG com, a amplitudes M, amplitude H e o cálculo da Velocidade de Condução Nervosa (VCNM) calculado por: distância _ distal( mm) Velocidade _ de _ condução = tempo _ L2 L1( ms) Com base dos dados colhidos e do gráfico amostrado, o clínico terá ferramentas para diagnosticar possíveis problemas eletrocondutivos que paciente possua. Resumo: Desenvolvimento de um equipamento para auxílio no diagnóstico de lesões e/ou doenças que afetem o sistema eletrofisiológico. O sistema consiste num ambiente desenvolvido em LabVIEW (versão 8.6) que possibilita ao fisioterapeuta a determinação de características do sinal do eletro-estímulo que será aplicado no paciente. Através de uma placa USB 6211 o sinal é aplicado a um circuito eletro-estimulador, o que ocasiona uma resposta do organismo. Os sinais capturados nos eletrodos - eletromiograma (EMG) - são amplificados e medidos pela placa de aquisição de sinais, sendo tratados e apresentados ao fisioterapeuta, que poderá identificar o formato gráfico e valores absolutos, como a velocidade de condução nervosa, latências e amplitude das ondas M e H. Esses dados serão convertidos num relatório que irá gerar informações complementares para o diagnóstico final.

4 Introdução O sistema desenvolvido é composto por três partes principais: circuito de medição e amplificação do eletromiograma, computador com placa de aquisição de sinais e circuito de eletro-estimulação, conforme apresentado na figura 2. A seguir são descritas cada uma destas partes. Figura 2 Diagrama de blocos do EMG Biofeedback Circuito de medição e amplificação do eletromiograma Eletrodos (Referência, Ativo e Passivo) São dispositivos de entrada de corrente em um sistema elétrico. Utilizamos eletrodos Ag/AgCl com 1 cm de diâmetro associado a um gel condutor que promove uma transição estável com relativo baixo ruído, possuindo, desta forma, um comportamento estável em função do tempo, estabelecido pelos padrões da SENIAM. O eletrodo composto de superfície de Ag/AgCl é o dispositivo de conexão entre o corpo e o sistema, permitindo uma reação eletrolítica. Os eletrodos diferenciais serão posicionados a 2 cm de distância nas localizações padronizadas pelo SENIAN e o eletrodo de referência será posicionada na região óssea mais próxima.

5 Em tratando da qualidade de aquisição do sinal EMG por parte dos eletrodos, faz-se necessária minimizar a influência da impedância pele/eletrodo. Deste modo, certos cuidados devem ser tomados, tais como limpeza da pele, remoção dos pelos e leve abrasão para remoção de células mortas. Figura 3 Disposição dos eletrodos do eletro-estimulador e do eletromiograma. Amplificador É um dispositivo eletrônico utilizado para amplificar pequenos sinais elétricos. Em função da baixa amplitude do sinal EMG durante a aquisição, faz-se necessária a amplificação do sinal para melhor processamento, tendo um sinal suficiente para medidas acuradas. Entretanto deve se lembrar que, além de amplificar o sinal de EMG, há também a amplificação de ruídos, que são quaisquer sinais do EMG não desejados. Devido à amplificação desses ruídos, se faz necessário o tratamento do sinal, que será realizado digitalmente. Conversor A/D O processo de digitalização de um sinal EMG analógico é realizado por conversores analógico/digital. Este dispositivo está acoplado a placa de aquisição de NATIONAL INSTRUMENTS (USB 6211), contendo um circuito AD (analógico/digital) de 16 bits garantindo uma excelente resolução, suficiente para caracterizar o sinal EMG. O dispositivo citado possui componentes comuns dos equipamentos eletrônicos e são utilizados para capturar sinais de voltagem (analógico) e expressar a informação em formato numérico (digitais números binários). Uma vez digitalizada, a informação pode ser processada pelo software e hardware para alcançar objetivos específicos,

6 lembrando que, com a digitalização, ocorre limite inerente ao grau de precisão causando perdas de informações, normalmente irrelevantes. Eletroestimulador: A estimulação elétrica pode ser usada para fortes contrações musculares fornecendo um meio de melhor tiro de tentar detectar mudanças na perfusão microvascular. Este eletro-estímulo é gerado por um sinal elétrico monofásico que será configurado em função de dois parâmetros fornecidos pelo fisioterapeuta no programa supervisório (LabVIEW) com as seguintes características: - A intensidade do eletro-estímulo; - A forma de onda do estímulo. A corrente do eletro-estímulo é proporcional à tensão liberada no arranjo analógico através de um potenciômentro digital. A corrente aplicada ao músculo do paciente poderá variar entre 1 e 99 ma. A forma de onda define o período de tempo em que o eletro-estímulo será aplicado ao músculo do paciente. Isso é feito através de modulação de sinal (PWM) que proporciona um eletro-estímulo de 0,5 a 3 ms. A tensão aplicada ao músculo é próxima de 70 volts. Figura 4 Representação ilustrativa dos sinais do eletroestimulador e do eletromiograma medido.

7 Filtro Passa-Banda A implementação digital do filtro é feita no programa LabVIEW, sendo que o filtro utilizado é do tipo Butterworth, pois possui resposta plana na transmissão do passa banda e minimiza seu ripple. Esse filtro é mais bem ajustado para preservação da linearidade da amplitude na região de passa banda, sendo, portanto, um candidato ideal ao condicionamento do sinal EMG. Esse filtro é completamente especificado pelo seu ganho máximo do passa banda, freqüência de corte e ordem do filtro. As recomendações do SENIAM com relação ao uso de filtros é a utilização de um filtro passa-banda com freqüências de trabalho entre Hz do tipo Butterworth de ordem 4. Retificação A retificação consiste em tomar válidas as amplitudes absolutas (em módulo) do sinal EMG. Desse modo, é possível rebater os valores negativos (full-wave) ou remover os valores negativos (half-wave) Detector de Envoltório A envoltória linear é uma média móvel que indica a magnitude do sinal EMG. Nesse módulo selecionamos uma janela de tempo que o software calculará a média desse tempo. É uma fase importante, pois elimina picos de ruído. Integrador A integração envolve a soma dos sinais durante um período de tempo ou até que uma voltagem máxima prevista seja alcançada antes que o integrador volte a zero. O padrão no qual o EMG soma ou declina é uma função da constante de tempo do integrador. Um pequeno tempo constante será permitido ao EMG integrado para seguir de perto os picos e baixadas do sinal retificado. Uma constante de tempo maior irá produzir muito mais suavização do sinal e requerer um longo tempo para o não integrado alcançar seu pico e um tempo mais longo para relaxar de volta à linha de base. Front-End O Front-End, desenvolvido em plataforma LabVIEW, terá a função de parametrizar as variáveis para o exame e mostrar graficamente e numericamente seu resultado.

8 Relatório do Exame Figura 5 Detalhe da tela do Sistema de Eletro-estimulação. Ao final do exame, os dados que foram captados e tratados serão apresentados em relatório (Arquivo em formato Portable Document Format) onde o profissional terá meios para comparar os sinais amostrados (em forma de gráfico e em tabelas com os valores padronizados). Figura 6 Relatório gerado pelo sistema.

9 Eletrodos (ativo, passivo) Os eletrodos de superfície que emitem o pulso elétrico são compostos de borracha condutora simples impregnada de carvão. Eles têm a função de transmitir o sinal elétrico ao local a ser estimulado. Para melhorar a transmissão do sinal e evitar possíveis problemas, se faz necessário a utilização do gel condutor. Circuito aquisitivo EMG O circuito aquisitivo EMG tem função de captar os sinais elétricos através dos eletrodos de superfície, amplificá-los e repassá-los para a placa de aquisição da National Instruments esse por último envia tais sinais para front-end criado através da plataforma LabVIEW. Esse circuito é analógico e é composto por: resistors, capacitores e amplificadores operacionais de alto ganho. Circuito eletro-estimulador O circuito eletro-estimulador terá a função de amplificar o sinal analógico emitido pela placa de aquisição da empresa NATIONAL INSTRUMENTS, a níveis necessários para a eletro-estimulação, controlando sua corrente seguindo parâmetros selecionados pelo operador. Nesse circuito foram tomadas certas precauções para prevenir um maufuncionamento e - neste caso - tomar medidas que garantam integridade do indivíduo. Figura 7 Sistema de Gerenciamento de Pacientes.

10 Biografia dos Autores: Alan Nogueira Sanches Nascido em 08 de Novembro de 1985 na cidade de São Paulo, Técnico em Artes Gráficas, Senai Theobaldo de Nigris, trabalha na ig - Internet Group do Brasil S/A, como estagiário de Engenharia da Computação, atuando na gerência de Infra-Estrutura de Parceiros. Felippe de Carvalho Barros Nascido em 15 de Maio de 1986 na cidade de São Paulo, Técnico em Telecomunicações, trabalha na Hewlett-Packard do Brasil S/A. como Consultor de Outsourcing, na área de Segurança Tecnológica responsável pela monitoração, análise de vulnerabilidades e a saúde das estações de trabalho. Fernando Felizate Pereira Nascido em 01 de Dezembro de 1980 na cidade de São Paulo, Técnico em Administração de Empresas, trabalha na Serasa Experian como analista de suporte unix. Leandro de Marchi Nascido em 08 de Outubro de 1984 na cidade de Guarulhos, Trabalha na CPM Braxis como analista de sistemas desenvolvendo softwares. Sérgio Antonio Mathias da Silva Nascido em 18 de Junho de 1967 na cidade de São Paulo, Técnico em Eletrônica, trabalha na R&A Telecom Ltda como supervisor no centro de reparos de equipamentos de telecomunicação.

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

EMG Biofeedback por Eletro-estimulação. 1/7 www.ni.com

EMG Biofeedback por Eletro-estimulação. 1/7 www.ni.com EMG Biofeedback por Eletro-estimulação "O sistema consiste num ambiente desenvolvido em LabVIEW que possibilita ao fisioterapeuta a determinação de características do sinal do eletro-estímulo que será

Leia mais

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Eudisley G. dos Anjos eudisley@les.ufpb.br Francisco A. Belo belo@les.ufpb.br Manuella D. C. Silva manuella@les.ufpb.br

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

Reconhecimento de imagem com uso de veículo autônomo. 1/5 www.ni.com

Reconhecimento de imagem com uso de veículo autônomo. 1/5 www.ni.com Reconhecimento de imagem com uso de veículo autônomo "Este artigo aborda o desenvolvimento de um veículo autônomo, que utiliza o reconhecimento de imagens para se locomover até um determinado objeto, identificado

Leia mais

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Departamento de Física e Ciência dos Materiais Caixa Postal 369-13560-970 São Carlos SP Brasil e-mail : andretec@ifsc.usp.br Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Introdução Neste projeto

Leia mais

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox 1- Scilab e a placa Lab_Uino A placa Lab_Uino, é uma plataforma aberta para aprendizagem de sistemas microprocessados. Com a utilização de um firmware especifico a placa Lab_Uino é reconhecido pelo sistema

Leia mais

Transdução de Grandezas Biomédicas

Transdução de Grandezas Biomédicas Transdução de Grandezas Biomédicas Aula 05 Mestrado em Eng. Biomédica Docente: > Marcelino M. de Andrade A Aula! Condicionadores de Sinais A grande variedade de sensores necessária para transformar um

Leia mais

Sistemas de Controle Digital

Sistemas de Controle Digital ADL 24 Cap 13 Sistemas de Controle Digital Vantagens dos Computadores Digitais O uso de computadores digitais na malha leva às seguintes vantagens sobre os sistemas analógicos: (1) custo, (2) flexibilidade

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA Muito se tem falado sobre os receptores de conversão direta, mas muita coisa ainda é desconhecida da maioria dos radioamadores sobre tais receptores.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS e acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM SENAI/PR 1 PLANO DE SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM N.º 1 (1) Seleção de capacidades, conteúdos formativos e definição da estratégia Unidade do SENAI:

Leia mais

SISTEMA E MEDIDOR ONLINE DE ESTABILIDADE ELÉTRICA DE FLUIDO DE PERFURAÇÃO

SISTEMA E MEDIDOR ONLINE DE ESTABILIDADE ELÉTRICA DE FLUIDO DE PERFURAÇÃO 1/11 SISTEMA E MEDIDOR ONLINE DE ESTABILIDADE ELÉTRICA DE CAMPO DA INVENÇÃO FLUIDO DE PERFURAÇÃO 1 2 A presente invenção refere-se a fluidos empregados na perfuração e completação de poços de petróleo.

Leia mais

A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS

A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS Cesar Ramos Rodrigues - cesar@ieee.org Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Tecnologia,

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Sumário CONVENÇÕES UTILIZADAS...3 DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS...4 ESPECIFICAÇÕES GERAIS...5 LED DE STATUS

Leia mais

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Monitor Cardíaco Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Giovani Baratto Santa Maria Agosto de

Leia mais

Aquisição de Dados. Aquisição de Dados. Centro de Pesquisas de Energia Elétrica. Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE

Aquisição de Dados. Aquisição de Dados. Centro de Pesquisas de Energia Elétrica. Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Aquisição de Dados Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Aquisição de Dados 1 Aquisição de Dados Analógicos Elementos: Sensores Sinais Circuitos condicionadores

Leia mais

Guia prático para configuração, coleta e utilização de oscilografias em relés digitais

Guia prático para configuração, coleta e utilização de oscilografias em relés digitais Guia prático para configuração, coleta e utilização de oscilografias em relés digitais Rafael Cardoso 1. OBJETIVO: Este guia de aplicação tem o objetivo de apresentar uma importante ferramenta disponível

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A4 (1A) FONTE CHAVEADA PAINEL SOLAR Uma aplicação possível

Leia mais

Signet 3-0250 Ferramenta de Configuração/ Diagnóstico USB-para-S 3 L

Signet 3-0250 Ferramenta de Configuração/ Diagnóstico USB-para-S 3 L Signet -0250 Ferramenta de Configuração/ Diagnóstico -para-s L -022.090 Portuguese -0250.090-CD Rev. B 10/07 Portuguese A ferramenta de confi guração/diagnóstico -para-s L, modelo -0250, fornece uma interface

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL PARA AQUISIÇÃO DE SINAIS E ANÁLISE DE FALHAS EM MÁQUINAS ROTATIVAS

INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL PARA AQUISIÇÃO DE SINAIS E ANÁLISE DE FALHAS EM MÁQUINAS ROTATIVAS Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL PARA AQUISIÇÃO DE SINAIS E ANÁLISE DE FALHAS EM

Leia mais

SISTEMA DE APONTAMENTO

SISTEMA DE APONTAMENTO Introdução SISTEMA DE APONTAMENTO Alunos: Lucas Castro Faria Carolina do Amaral Galhardo Orientador: Hans Ingo Weber Foi feito um estudo para aquisição de dados através da placa NI USB-6229, usando o programa

Leia mais

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor 225 Aplicações com OpAmp A quantidade de circuitos que podem ser implementados com opamps é ilimitada. Selecionamos aqueles circuitos mais comuns na prática e agrupamos por categorias. A A seguir passaremos

Leia mais

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação 857 Sistema de proteção Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação Sumário Seção Descrição Página 1.0 Funções de proteção... 1 Proteção Synchrocheck (25)... 1 Proteção

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430

DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430 19 a 21 de mar o de 2010 152 DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430 Luiz Dionisio Pedrini, Walter Antonio Gontijo Engenharia de Computação Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Leia mais

Tecnologia de faixa para falha

Tecnologia de faixa para falha Tecnologia de faixa para falha Por Tom Bell e John Nankivell Índice 1. Introdução 1 2. Equipamento de teste / processo de teste de PIM existente 2 3. Nova análise de RTF / limitações técnicas 3 4. Fluxograma

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

CDI 20705 Comunicação Digital

CDI 20705 Comunicação Digital CDI Comunicação Digital DeModulação em Banda Base Digital Communications Fundamentals and Applications Bernard Sklar ª edição Prentice Hall Marcio Doniak www.sj.ifsc.edu.br/~mdoniak mdoniak@ifsc.edu.br

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO

Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO CLAUDEMIR SANTOS

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos 1 Exercícios Pré-Laboratório Semana 1 1.1 Filtro RC 3º Trimestre de 2002 Figura 1:

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

Principais Meios de Transmissão Par Trançado Cabo Coaxial Fibra Ótica Micro Ondas

Principais Meios de Transmissão Par Trançado Cabo Coaxial Fibra Ótica Micro Ondas Modelo de Comunicação Propósito principal A troca de informação entre dois agentes Comunicação de Computadores Comunicação de Dados Transmissão de Sinais Agente Dispositivo de entrada Transmissor Meio

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação: Outubro de 2005 Data de Revisão: Outubro 2005

DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação: Outubro de 2005 Data de Revisão: Outubro 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 16 Data de Aprovação: Outubro de 2005 Data de Revisão: Outubro 2005 A comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PAR DE LUVAS INSTRUMENTALIZADAS PARA AQUISIÇÃO DE MOVIMENTOS APLICADAS AO PROCESSAMENTO E RECONHECIMENTO

Leia mais

Palavras-chave. 1. Introdução

Palavras-chave. 1. Introdução Proposta de gamificação dos sinais mioelétricos aplicados na reabilitação fisioterapêutica em pacientes com dificuldades em executar movimentos em membros superiores ou inferiores Ingred C. Teixeira 1,

Leia mais

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2)

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2) Manual do Usuário (Ver. 2) 1. Introdução O software RedeMB5 é uma ferramenta que permite monitorar em tempo real 247 medidores de energia ou multitransdutores digitais KRON em uma rede padrão RS-485 com

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de som e vibração Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Fundamentos

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ESPECTROFOTÔMETRO - EQUIPAMENTO 6 Ed. Cap. 13 Pg.351-380 6 Ed. Cap. 1 Pg.1-28 6 Ed. Cap. 25 Pg.703-725 09/04/2015 2 1 Componentes dos instrumentos (1) uma fonte estável de

Leia mais

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Instrumentação para Espectroscopia Óptica CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti INTRODUÇÃO Os componentes básicos dos instrumentos analíticos para a espectroscopia

Leia mais

3.1. Magnetômetro de Amostra Vibrante (VSM)

3.1. Magnetômetro de Amostra Vibrante (VSM) 9 3 O MAGNETÔMETRO De um modo geral, um magnetômetro é formado por um conjunto de equipamentos usados para medir o momento magnético de uma amostra para um determinado valor de campo aplicado. Os componentes

Leia mais

ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DA INTERAÇÃO CÉREBRO-COMPUTADOR: CONTROLE DE DISPOSITIVOS MECATRÔNICOS ATRAVÉS DA MENTE

ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DA INTERAÇÃO CÉREBRO-COMPUTADOR: CONTROLE DE DISPOSITIVOS MECATRÔNICOS ATRAVÉS DA MENTE 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DA INTERAÇÃO CÉREBRO-COMPUTADOR: CONTROLE DE DISPOSITIVOS MECATRÔNICOS ATRAVÉS DA MENTE Humberto Vinicius Paulino Baena 1 ; Munif

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

NI LabVIEW 2013 Biomedical Toolkit

NI LabVIEW 2013 Biomedical Toolkit ni.com NI LabVIEW 2013 Biomedical Toolkit Barbara Pracek Engenheira de Aplicação NI Graphical System Design no ensino e pesquisa Circuitos eletrônicos NI ELVIS Medição & Instrumentação NI mydaq RF & Comunicação

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Sumário DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS...4 LED DE STATUS DO MODULO...4 ESQUEMA DE LIGAÇÕES...5 LIGAÇÃO DO CABO DE COMUNICAÇÃO...6

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 3 que por sua vez, faz parte do CURSO de ELETRO ANALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá

Leia mais

CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC

CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC UFLA Universidade Federal de Lavras DEX Departamento de Ciências Exatas Bacharelado em CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC Autor: Edna Mie Kanazawa Orientador: Wilian Soares Lacerda Lavras, novembro

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

X-007 SISTEMA DE MEDIÇÃO MICROPROCESSADO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

X-007 SISTEMA DE MEDIÇÃO MICROPROCESSADO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO X-007 SISTEMA DE MEDIÇÃO MICROPROCESSADO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Celso J. Munaro Engenheiro Eletricista pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestre e Doutor em Automação

Leia mais

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Laboratório de Telecomunicações - Aula Prática 4 Sub-turma: 3 Nomes dos alunos: Tarefa 17 Ruído em um Link Digital Objetivo:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A7 () Analise o circuito a seguir e determine V A e V o. V A V

Leia mais

SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS

SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS Aluno: Lucas Grativol Ribeiro Orientador: Karla Tereza Figueiredo Leite Introdução As aplicações da robótica fora do contexto industrial têm

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO Marcella Scoczynski Ribeiro (UTFPR/UEPG) marcella_engcomp@yahoo.com.br Matheus Safraid (UEPG) msafraid@hotmail.com Resumo Este trabalho apresenta os benefícios

Leia mais

ELETROMIÓGRAFO ME 6000

ELETROMIÓGRAFO ME 6000 Página 1 de 5 ELETROMIÓGRAFO ME 6000 1. INTRODUÇÃO 2. POSICIONAMENTO DOS ELETRODOS 3. USO DO ELETROMIOGRÁFICO COM O SOFTWARE MEGA WIN 4. ME6000 3.1 Cuidados 3.2 Como ligar e usar os menus: Measure, File

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

TUTORIAL: AQUISIÇÃO DE SINAIS USANDO LABVIEW E MATLAB

TUTORIAL: AQUISIÇÃO DE SINAIS USANDO LABVIEW E MATLAB TUTORIAL: AQUISIÇÃO DE SINAIS USANDO LABVIEW E MATLAB Autor: Breno Ebinuma Takiuti Revisão: Gabriela Alexandra A. Ferreira Ilha Solteira, Janeiro de 2013. 1. Introdução Um dos instrumentos amplamente utilizados

Leia mais

Efeito Doppler. Ondas eletromagnéticas para detecção de velocidade. Doppler Effect. Electromagnetic waves for speed detention

Efeito Doppler. Ondas eletromagnéticas para detecção de velocidade. Doppler Effect. Electromagnetic waves for speed detention Efeito Doppler Ondas eletromagnéticas para detecção de velocidade Doppler Effect Electromagnetic waves for speed detention Helton Maia, Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba, Curso Superior

Leia mais

ni.com Adquirindo dados de medição com LabVIEW e CompactDAQ

ni.com Adquirindo dados de medição com LabVIEW e CompactDAQ Adquirindo dados de medição com LabVIEW e CompactDAQ "Se você pode medir o problema, você pode entender e assim resolve-lo" 2 Abordagem tradicional para medir sinais O registro de dados com papel e caneta

Leia mais

Módulo de Expansão E/S Analógicas

Módulo de Expansão E/S Analógicas Descrição do Produto O módulo de E/S analógicas destina-se tanto à leitura e conversão analógico-digital de sinais sob a forma de corrente ou tensão, como fornecer sinais de saída analógicos para controle

Leia mais

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Bose, R.C. 1 ; Kolm, D. 1 ; Paim, F. 1 ; Caetano,C.D.C. 2 ; Garbelotto,L.A. 2 ; Moraes, R. 1 1 - Engenharia Elétrica

Leia mais

Instituição: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA

Instituição: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA PROPOSTA DE REABILITAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM PACIENTES COM DIFICULTADADES EM EXECUTAR MOVIMENTOS EM MEMBROS SUPERIORES OU INFERIORES UTILIZANDO-SE SINAIS MIOELÉTRICOS NOS JOGOS VIRTUAIS COM APLICAÇÃO EM

Leia mais

Módulo 4 EA Termopar - 10 Bits

Módulo 4 EA Termopar - 10 Bits Módulo 4 EA Termopar - 1 Bits 119 Cód. Doc.: 61-41.3 Revisão: L 1. Descrição do Produto O módulo 119 é integrante das séries 6, 1 e 2 de controladores programáveis. Destina-se a leitura de temperaturas

Leia mais

Aula 19. Conversão AD e DA Técnicas

Aula 19. Conversão AD e DA Técnicas Aula 19 Conversão AD e DA Técnicas Introdução As características mais importantes dos conversores AD e DA são o tempo de conversão, a taxa de conversão, que indicam quantas vezes o sinal analógico ou digital

Leia mais

Conversão Analógica Digital

Conversão Analógica Digital Slide 1 Conversão Analógica Digital Até agora, discutimos principalmente sinais contínuos (analógicos), mas, atualmente, a maioria dos cálculos e medições é realizada com sistemas digitais. Assim, precisamos

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 -

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - T e c n o l o g i a Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. INTRODUÇÃO Kit de Máquinas Elétricas Rotativas -

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

RFID (Identificação por Radiofrequência)

RFID (Identificação por Radiofrequência) RFID (Identificação por Radiofrequência) Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de RFID, tecnologia wireless de identificação e coleta de dados. Vergílio Antonio Martins Engenheiro de Eletrônica

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

ESTUDO INICIAL DO MAGNETÔMETRO DE AMOSTRA VIBRANTE. Allan Alves Machado¹; Álvaro Santos Alves²

ESTUDO INICIAL DO MAGNETÔMETRO DE AMOSTRA VIBRANTE. Allan Alves Machado¹; Álvaro Santos Alves² ESTUDO INICIAL DO MAGNETÔMETRO DE AMOSTRA VIBRANTE. Allan Alves Machado¹; Álvaro Santos Alves² 1. Bolsista FAPESB/UEFS, Graduando em Física, Universidade Estadual de Feira de Santana, e-mail: allanalvesboy@hotmail.com

Leia mais

3 Montagem experimental

3 Montagem experimental 3 Montagem experimental Este capítulo tem o objetivo de apresentar a descrição da montagem e dos equipamentos utilizados para o desenvolvimento do trabalho experimental proposto. Primeiramente será discutida

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

NX-MAX6 MANUAL DO USUARIO V1.1

NX-MAX6 MANUAL DO USUARIO V1.1 MANUAL DO USUARIO V1.1 NEVEX Tecnologia Ltda. Copyright 2015- Todos os direitos Reservados Atualizado em: 21/05/2015 IMPORTANTE Máquinas de controle numérico são potencialmente perigosas. A Nevex Tecnologia

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

1 Esfera de aço 1 Transitor BC547

1 Esfera de aço 1 Transitor BC547 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO VICENTE DO SUL ROTEIRO DE MONTAGEM DA ATIVIDADE DE AQUISIÇÃO AUTOMÁTICA DE DADOS REOMETRIA DE FLUIDOS NEWTONIANOS PROFESSOR RAFHAEL BRUM WERLANG 1.0 OBJETIVO

Leia mais

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Paulo S. C. Molina molina@upf.br Matheus A. C.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00 Histórico N. Doc. Revisão Data Descrição Aprovado 601165 A 24/01/14 Inicial Faria Executado: Edson N. da cópia: 01 Página 1 de 7 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 2- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS E MECÂNICAS 2.1 - Entrada

Leia mais

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Rafael Dattinger Acadêmico Dalton Solano dos Reis - Orientador Roteiro Introdução/Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação apresenta experimentos planejados para desenvolver comunicações eletrônicas fundamentais. O é

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Prof. Hamilton Klimach Janeiro de 2002 OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Introdução Esse osciloscópio, como qualquer outro, tem por função apresentar a representação visual da tensão

Leia mais

VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA.

VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA. VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA. T. C. PARENTE 1, R.V.SAWAKI 1, J.E.C. ALEXANDRE 2, A.C. LIMA 3,

Leia mais

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB Este sistema é formado pelos seguintes elementos, compatíveis entre si e especialmente projetados para o estudo de máquinas elétricas. Código

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas Mídias Contínuas Processamento da Informação Digital Mídias Contínuas Mídias Contínuas (dinâmicas ou dependentes do tempo) Digitalização de Sinais Áudio Vídeo 1 Digitalização de Sinais Codificadores de

Leia mais

Inversor de Freqüência

Inversor de Freqüência Descrição do Funcionamento. Inversor de Freqüência Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil,

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03

Leia mais

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 05 102 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados ESTUDO, PROJETO

Leia mais

Aquário Automatizado

Aquário Automatizado Aquário Automatizado Alessandra Dutra Coelho alessandra.coelho@maua.br Bruno Tarantino, Gustavo B. Nascimento, Renato Marino, Rodrigo Pirolo Vivancos Escola de Engenharia Mauá Instituto Mauá de Tecnologia

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais