Registro, memória e transmissão cultural: os textos culinários e o caderno de receitas 1 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Registro, memória e transmissão cultural: os textos culinários e o caderno de receitas 1 2"

Transcrição

1 Registro, memória e transmissão cultural: os textos culinários e o caderno de receitas 1 2 Rogéria Campos de Almeida Dutra (UFJF/MG) Resumo: A transmissão das práticas culinárias podem encontrar espaços diversos de realização. Frequentemente são acionadas através da transmissão oral, da educação ao vivo, onde quem aprende a fazer, o faz assistindo (e lembrando-se de) quem sabe fazer em ação. Esta dimensão faz parte, ou fez durante muito tempo, do processo de socialização da maioria das mulheres em nossa sociedade. A sistematização deste saber vem se materializando, nas sociedades letradas, através da elaboração de receitas como forma de transmissão da cultura culinária de determinado grupo social. Este trabalho tem como objetivo analisar a produção deste instrumento de transmissão dos saberes e em particular dos cadernos de receita, tradicionalmente objeto de interesse e investimento feminino que vem sofrendo alterações, quanto a sua elaboração e utilização frente a modernização da sociedade e utilização de recursos outros de registro, como livros de culinária e blogs virtuais. Palavras-chave: textos culinários, transmissão cultural, escritura feminina 1 Trabalho apresentado na 29ª Reunião Brasileira de Antropologia, realizado entre os dias 03 a 06 de agosto de 2014, Natal, RN 2 A autora agradece o apoio da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG) à sua participação neste evento. 1

2 A transmissão de práticas culinárias e suas receitas ocorrem na atualidade de modos variados e flexíveis, acompanhando a multiplicidade de formas comunicacionais presentes em nossa sociedade. No contexto da ampliação dos contatos e intercâmbios, as receitas são divulgadas independentemente de relações sociais estabelecidas localmente, através de sua publicação em livros ou em sites e blogs na internet. Ainda assim, apesar da diversidade de meios de multiplicação, a forma mais imediata de transmissão deste saber, a partir da tradição oral, ainda persiste: campo da educação ao vivo onde quem aprende a fazer o faz acompanhando, assistindo (ou lembrando-se de) quem sabe fazer, em ação. Este processo faz parte, ou fez durante muito tempo, do processo de socialização da maioria das mulheres em nossa sociedade. É neste grupo que se situam aquelas que sabem fazer, mas não sabem com a precisão matemática dizer como fazer, pois a apreensão é intuitiva: sentindo o ponto da massa, ou a quantidade exata de tempero utilizado. Entre a transmissão oral e o registro publico, através da publicação em livros ou na internet, encontramos a sistematização deste saber presente nos Cadernos de Receitas, instrumento eminentemente feminino e, na maioria das vezes, patrimônio familiar. O Caderno de Receitas se situa também na forma intermediária no que toca à autoria. Se as publicações de receitas em livros, que lidam com a transmissão culinária a partir de uma escrita formalizada, divulgada na esfera pública, trazem a experiência da autoria, por outro lado, a transmissão oral versa a culinária como saber coletivo, da memória coletiva de um grupo ou sociedade. Os manuscritos culinários domésticos incorporam estes dois extremos, um saber coletivo, familiar, local, regional e o saber vivido, exercício da expressão e experiência pessoal. O conjunto de saberes e práticas envolvidos na cozinha de uma sociedade ou grupo social faz parte de sua herança cultural. Como parte integrante da vida cotidiana, ocupa lugar proeminente entre os marcadores da experiência do pertencimento, de fronteiras identitárias. Seja nacional, regional ou étnica a cozinha situa-se no campo da configuração histórica e cultural singular no processo de constituição de marcas duráveis da tradição. Grossi (1983), ao analisar a Cozinha Bretã, na França contemporânea, menciona a produção de cartões postais desta região, não com paisagens ou monumentos, mas com a fotografia de bolos de sua cozinha regional, acompanhados com as respectivas receitas. Receitas que, como monumentos, constituem patrimônio cultural, que se transformam em pratos emblemáticos, combinações singulares, contribuindo para uma definição legítima do mundo social. 2

3 Este processo de registro, contudo, ocorre através de diferentes formas de narrativa, razão pela qual se torna objeto de reflexão no campo das relações entre cultura e práticas alimentares. A cultura do manuscrito Apesar de atravessarem décadas, ou séculos na forma de textos, poemas, orações dentre outros, os usos da linguagem escrita estão localizados no tempo e no espaço. A prática da escrita se insere no campo das práticas sociais mais amplas, governadas por regras sociais que regulam a distribuição dos textos, os contextos de produção, assim como as formas prescritivas de acesso. Todo registro, grafado em pedra, no couro, ou no papel pode ser considerado arquivo de informações. Tal fato, porém, não implica serem estas formas exclusivas, uma vez que a experiência social pode estar atrelada à memória humana em sua forma mais autônoma, como no caso de muitas sociedades tribais, com cultura predominantemente oral, confiada a alguns, como os anciãos. As formas culturais de utilização da linguagem escrita não estão desvinculadas de eventos sociais, sejam eles públicos, domésticos ou mesmo privados, identificando-se diferentes comunidades discursivas. Algumas práticas de escrita possuem maior visibilidade, com poder de influencia, que outras, porém todas se encontram vinculadas a fins que podem extrapolar o próprio ato do registro. Podemos identificar eventos domésticos que envolvam a prática da escrita, inseridos no leque de recursos comunicativos possíveis a determinado contexto social, relacionados ao domínio da casa e da vida cotidiana. São práticas de escrita (e leitura) aprendidas e reguladas pelas relações sociais estabelecidas e pelo sentido a elas conferido, inseridas no campo do aprendizado informal. Neste sentido, estes textos, sejam diários, cartas ou receitas culinárias devem ser compreendidos como recurso deste grupo doméstico, realizado em relações sociais, ao invés de mera propriedade individual. A cultura dos manuscritos domésticos tem sido objeto de investigação e reflexão de historiadores como fonte de conhecimento do contexto de produção da vida cotidiana de grupos sociais nas sociedades ocidentais. (Chartier, 1991; Ezell, 2007; Gushurst- Moore, 2012). A difusão da prática da escrita (e leitura) faz parte do processo de transformação cultural observado nestas sociedades a partir do Renascimento, 3

4 considerada como uma das transformações mais importantes da Idade Moderna. Contudo, este processo gradual de aquisição da habilidade de escrever, que se segue à habilidade de ler, não é homogêneo. Há diferenças entre ocupações, entre a cidade e o campo, entre gêneros - a escrita entre as mulheres, de acordo com Chartier (1991), observada através da taxa de assinaturas Europa do sec.xvii, é de cerca de 30% menor. Apesar da heterogeneidade do acesso, o desenvolvimento da habilidade de ler e escrever possibilitou neste contexto o envolvimento em práticas novas, onde a relação pessoal com o texto lido ou escrito passa a dispensar mediações externas da autoridade dos especialistas e dos intérpretes constituindo-se no espaço privado. No caso da pratica da leitura e escrita femininas observa-se que estiveram condicionadas à posição social destas mulheres, seja na estrutura social, seja na configuração do espaço doméstico. Se a leitura feminina se torna facilmente associada ao prazer sensual e à intimidade, no sentido da leitura como lazer (Chartier, op.cit.), há outros contextos em que o domínio das letras envolve a participação das mulheres como gerenciadoras da manutenção das redes sociais informais ou das demandas do cotidiano doméstico e familiar, como cartas e receitas culinárias. Os manuscritos domésticos apresentam narrativas de experiências pessoais, são formas de escritas da vida não intencionadas à publicação, caracterizando-os assim pela liberdade de construção do texto, sem compromisso com as convenções formais da escrita. A cultura do manuscrito doméstico envolve cartas, diários, notas, reflexões religiosas, poemas, receitas, que de acordo com Gushurst-Moore (2012) têm a peculiaridade de sofrerem de forma mais lenta modificações em sua linguagem se comparado à escrita pública. Alguns incluem a linguagem resumida, no estilo taquigráfico, demonstrando a intimidade de seu trânsito. Tratam, sobretudo, dos assuntos domésticos, uma escrita do ponto de vista feminino que tem como tema central a experiência vivida. Neste sentido, se inscreve na historia pessoal, o que se pode visualizar na prática da utilização destes registros como fonte para elaboração do memorial no funeral na Inglaterra entre séculos XVII e XIX. (Ezell, 2007). Os manuscritos culinários e o caderno de receitas Dos eventos literários domésticos podemos destacar, em particular, as receitas culinárias, registradas nos cadernos de receitas ou papéis avulsos perdidos em gavetas, 4

5 afixados em locais estratégicos, que remetem ao evento cotidiano de cozinhar. A primeira aproximação que se faz a respeito do que significaria uma receita reside na análise de sua origem morfológica latina, cujo sentido associa-se à ideia de conceito e captura, ou seja, indica uma tentativa de sistematização. Subentende uma ordem de ações concatenadas para um fim, razão pela qual é prescritiva. Trazem o composto de uma linguagem escrita e sistemas matemáticos, incorporadas que estão no campo amplo das praticas sociais domésticas associadas ao provimento da comida, e ao cuidado. Neste sentido, envolvem relações sociais e a construção dos papéis de gênero no trabalho doméstico. As receitas são construídas através da modelagem histórica e cultural, variando em seu formato e conteúdo.. Antes que especializados no registro culinário, os exemplares europeus, do que identificamos hoje como Caderno de Receitas, do início da era moderna, particularmente na Inglaterra e Irlanda, trazem assuntos diversos do trato doméstico: além de receitas culinárias,, registros de aluguéis, de nascimentos e óbitos dos membros da família. Com múltiplos propósitos, estes manuscritos envolvem os processos de criação e transmissão num complexo jogo entre experiência pessoal e autoria coletiva. Por se situar no campo de ação feminino, lidando com um saber doméstico fortemente ancorado na prática, alguns autores (op.cit.) destacam estes textos culinários como janela alternativa para a expressão individual das mulheres. Ao mesmo tempo são objetos que seguem a linhagem feminina daquele grupo: Leong (2013) fala-nos de situações que envolvem a autoria múltipla, ou colaborativa de descendência matrilinear. Os manuscritos culinários femininos trazem consigo a natureza multimodal, contendo uma variedade de meios comunicativos para expressão. Daí a flexibilidade na forma da escrita, como na leitura: a escrita é passível de alterações, e sua leitura, praticada sem uma ordem estabelecida.. Trata-se da construção de uma situação retórica que envolve a habilidade prática e mundana através de uma representação textual circulando entre a escritura propriamente dita, as receitas, e as conversas sobre as receitas, e vice-versa. As conversas informais sobre as receitas, e o cozinhar se definem como prática que permite efetivação de uma rede feminina de relações sociais expressando a estreita vinculação entre práticas sociais, práticas textuais e práticas corporais,. Tratam do mundo do trabalho e das atividades artesanais. Como papéis intergeracionais acolhem a escrita por muitas mãos, as alterações e acréscimos, além de comentários. Neste sentido as receitas culinárias têm muito a dizer sobre a história dos 5

6 artefatos, além de fonte de pesquisa dos hábitos alimentares nativos, daquela região, ou contexto histórico. As transformações ocorridas ao longo dos últimos séculos em relação aos textos culinários são representativas da mudança mais ampla das formas de vida e do cotidiano domestico, na medida em que envolvem ingredientes, combinações, utensílios, medidas e formas de uso historicamente determinados. A associação entre culinária e práticas medicinais domésticas esteve presente nestes manuscritos durante longo período de tempo, se modificando a partir do final do século XIX frente à especialização das tecnologias médicas e o desenvolvimento da cultura farmacêutica. Os saberes populares sobre as ervas medicinais envolviam chás, infusões de ervas compostas, xaropes, unguentos, preparados na cozinha, indicando o domínio artesanal de uma ciência empírica que vai inspirar a elaboração das primeiras fórmulas medicinais. Antes que propriedade intelectual destes saberes, sua presença nos manuscritos domésticos deve ser compreendida como um exemplo de participação pessoal no domínio consensual de tratamentos eficazes, baseados na autoridade da experiência no repertorio women folk. Como exemplo, A note of my mother salve, destacado por Gushurst-Moore (2012), indica a existência de várias versões da mesma fórmula, referindo-se neste caso à versão materna, acompanhada por comentários. Estes registros incluem fórmulas para o trato medicinal da casa em seu sentido amplo, envolvendo o cuidado com humanos e animais: To make a paste of Geneva the true way, por exemplo, é um tratamento para diarreia em bezerros. Através deste meio de registro e transmissão do saber medicinal popular é que foi possível, posteriormente, a compilação de manuais de tratamentos caseiros presentes nas boticas, apontando a exploração da ciência química informal e empírica. Os manuscritos culinários se sintonizam com os ritmos da vida social, do cotidiano ordinário aos eventos festivos; o calendário católico religioso, por exemplo, rigidamente seguido, muitas vezes está subentendido nas receitas dedicadas aos dias magros, ou para o período de quaresma, apresentando formulas culinárias afinadas ao jejum de carne vermelha. Rezam o saber das adequações, da classificação dos eventos e sua compatibilidade alimentar. As receitas festivas se localizam no campo da opulência dos ingredientes e do tempo despendido para sua elaboração. Por outro lado, os constrangimentos financeiros de determinado grupo familiar pode ser apreendido pela natureza de receitas e pelo tipo de ingredientes. 6

7 Muitas receitas são registradas por diferentes estilos de letra, indicando a capacidade orgânica de envolver várias autorias, se tornando personalizadas através de correções e renovações. Trazem, contudo, como pressupostos, o compartilhamento de um mesmo universo social na medida em que supõem concepções de momentos ordinários e extraordinários, o uso de utensílios semelhantes, além do domínio de habilidades. Ao se situarem entre a transmissão oral e o texto impresso implicam em seus modos de transmissão diferentes níveis de percepção. Este conhecimento tácito com domínio de habilidades corporais e sensoriais subentende o processo de socialização através da observação e acompanhamento como, por exemplo, a atividade de mexer o molho que inclui a forma de mexer, o utensílio necessário, além da temperatura do fogo. De forma geral podemos analisar uma receita culinária a partir de seus componentes, tradutores de seu contexto de produção: título, ingredientes, medidas, utensílios, formas de preparo. Apesar de na atualidade, com a intensa circulação de receitas, os títulos terem conteúdo variado, versando sobre ingredientes, sua forma de apresentação, origem étnica, eventos comemorativos, dentre outros, chama a atenção dos estudiosos dos manuscritos culinários domésticos a presença de títulos que se referenciam à pessoa que o transmitiu, evidenciando as redes sociais estabelecidas naquele grupo familiar: Anne Miller Cream Sugar Cookies. Ou então, estão endereçadas a alguém: This recipe for the elixir of long life taken from the French recipe Mr. Pitt brought from France in 1771.O título, neste sentido, se torna referência para a linhagem da receita. Christo (1986) faz referência - em sua compilação de receitas oriundas de cadernos de receitas de senhoras mineiras do período entre 1850 e a uma receita intitulada Doquê Sá Joaquina, um título curioso, pois ao mesmo tempo em que faz referência à cozinheira Sá Joaquina, incorpora a interlocução: do que é feito? Os títulos também trazem o prestígio de nomes importantes, ou importados, para eventos especiais, como Miss Guynt, doce usado nas festas natalinas entre as famílias mineiras, ou Gelatina Rei Alberto, em homenagem ao soberano belga. Biscoiio D.Pedro I, Bom-Bocado Legalista, Pudim Abolucionista, Bolo Republicano demonstram que o panorama de acontecimentos políticos, da esfera pública, não estão confinados às reuniões masculinas, mas infiltrados e sentidos na vida privada.(ferreira; Mello, s/d) Há ainda títulos que indicam o processo de elaboração, como Biscoitos Ligeiros, Cem-duzentos-trezentos Pão de Minuto, Pudim um-dois-tres, Torta Preguiçosa. Vale destacar ainda os nomes afrodisíacos de biscoitos e docinhos, de 7

8 influência da doçaria conventual portuguesa, destacados por Freyre (1973, 1987) e Cascudo (1983): Baba de Moça, Bolo dos Namorados, Amor aos Pedaços, Beijos de Cabloca, Boquinha de Moça, Chuviscos de Amor, Engorda Padre, Espera Marido, Sonhos de Freira, que de acordo com Freyre, demonstram nosso particular apreço aos doces oleosos e açucarados. Os ingredientes utilizados traduzem o repertório de produtos comestíveis disponíveis àquela comunidade, além de instruir ao olhar presente às modificações das preferências alimentares. As receitas indicam, muitas vezes, a fartura do uso de ovos em doces e bolos, assim como a utilização de gordura animal, como banha de porco em biscoitos, demonstrando uma gramática alimentar não afinada à sensibilidade moderna, ou a modificação do leque de produtos comestíveis, como é o caso de Munheca de Samambaia, ou Tatu Assado. (Christo, 1986). Rumsy (2009: 81) chama a atenção para as receitas com instruções mínimas, com economia de palavras até mesmo na lista de ingredientes. Hickory nut cake, por exemplo é uma receita de bolo, na qual na lista de ingredientes citados não constam a própria noz: instruções mínimas, complementadas pela conversa, além de proteger a receita de sua reprodução. Há receitas sem medidas, somente com formas de preparo, ou então, com as formas de preparo, mas sem medidas. Variam entre os extremos da experiência pessoal (um punhado, tempero à gosto) ou em acordo aos padrões de medida utilizados na época (1 arrátel, por exemplo). As composições que os entremeiam revelam, sobretudo o padrão comunitário, como a utilização de utensílios (1 prato fundo, 1 pires), assim como referenciais comparativos, butter and lard the size of a walnut, three pennysworth of sugar. Os procedimentos, por sua vez, indicam a grande demanda de tempo dedicado ao trabalho da cozinha, fundamentado na forma artesanal de elaboração, numa temporalidade específica que subentende a sintonia com a lida cotidiana, em processo. Novamente nos deparamos com a experiência sensível no controle do calor, do ponto da mistura, que subentende uma prática relacional, em diálogo com outras mulheres, razão pela qual não há menções à temperatura do fogo, ao tempo do assamento, ou a sugestões de servir. Os cadernos de receitas são testemunhos de uma época, tratam de uma forma de vida centrada na vida familiar, na medida em que pretende sistematizar a vivência alimentar deste grupo. Como patrimônio familiar guardam a configuração de uma sensibilidade partilhada, da educação do gosto. Freyre (1987) dá destaque às receitas de família, no Nordeste açucareiro, carregando nomes dos senhores e de seus engenhos, 8

9 transmitidas entre gerações, guardadas em segredo, definindo uma linhagem de distinção, como Bolo Cavalcanti ou Bolo Souza Leão. Christo ( 1986 ) por sua vez, evidencia a importância do caderno de receitas na composição da identidade feminina, de uma mulher casada e mãe de família, presente na vida social rural e no universo das cidades mineiras no final do século XIX. Estes manuscritos apontam o domínio de um saber e seu processo de sistematização que não devem ser desprezados, uma vez que indicam construção do conhecimento e aplicação de uma ciência empírica da composição de substâncias e elementos. Os utensílios registrados nas receitas apontam para o universo material de sua contextualização, seguindo as condições tecnológicas deste universo. Do fogão à lenha, passando pelas urupemas nordestinas às cuscuzeiras de barro, os utensílios indicam o complexo ecológico e regional envolvido nas formas de vida daquela grupo ou sociedade. Considerações finais Inscritas nos cadernos, em pedaços soltos de papel, rapidamente registrados a partir do resgate de conversas, as receitas acumuladas ao longo da vida, possuem poder de evocação. Kirshemblatt-Gimblett (1989) relembra as páginas dos diários das prisioneiras do campo de concentração Terezin, na antiga Tchecoslováquia, dedicadas ao registro de receitas de pratos luxuosos significantes da abundância de sua vida anterior. A memória coletiva, de acordo com Halbawachs (1996), é sobretudo da vida vivida, fruto de testemunho, diferentemente da memória histórica, que advém de acontecimentos externos à experiência pessoal. Construída a partir de quadros sociais, tem fundo coletivo, uma vez que a evocação se constitui recorrendo aos outros. Extrapola a consciência individual, criando um sentimento de pertença ao grupo, não existindo fora do tempo e do espaço coletivos. A eleição de formas de vida emblemáticas da originalidade e autenticidade faz parte do processo de patrimonialização que vem ocorrendo nas sociedades modernas ocidentais ao longo do último século. O reconhecimento da cultura material teve grande contribuição para a valorização dos objetos como forma de resgate da memória de uma coletividade, expressando seu patrimônio e herança cultural. Kirshemblatt-Gimblett (op.cit.), contudo, chama a atenção para a necessidade de procurar entender os objetos com foco no seu uso, e não somente na originalidade de sua criação, valorizando, 9

10 portanto, além de artesãos/artistas, pessoas comuns que ao longo da vida, envolvem-se necessariamente com objetos. Estes repertórios possuem poder de evocação, sendo, portanto guardados e colecionados, através dos quais a vida é reunida e significada. Largamente descritas, representadas e imaginadas (pelo discurso masculino), as mulheres o relato histórico oficial relegou, ao longo de séculos, ao silêncio e à invisibilidade. De acordo com Perrot (2007), este fato se deve sobretudo ao silêncio das fontes, ou a própria legitimidade delas, razão pela qual se observa a ausência de discursos autênticos que revelem percepção feminina do mundo. No contexto da escassez de vestígios materiais de mulheres comuns, os Cadernos de Receitas trazem como contribuição este resgate da memória coletiva feminina, um relato histórico que destaca sua ação no mundo. 10

11 Referências Bibliográficas. BARTON, D et alii.(eds) Situated literacies: theorizing reading and writing in context. London: Routledge, CASCUDO, Luis C. História da Alimentação no Brasil. São Paulo/Belo Horizonte: Editora USP/Itatiaia, CHARTIER, Roger. As práticas da escrita in: ARIÈS, Phillipe; DUBY, Georges. História da Vida Privada v.3 Do Renascimento ao Século das Luzes. São Paulo: Companhia das Letras p CHRISTO, Maria Stella L. Fogão de Lenha. Quitandas e Quitutes de Minas Gerais, Petrópolis: Vozes, EZELL, Margareth. Domestic Papers: manuscript culture and early Modern wome s life writing. In: DOWD, M,; ECKERLE, J.(eds) Genre and women s life writing in Early Modern England. Aldershot: Ashgate Publishing, p FERREIRA, A.; MELLO, B. Manuscritos culinarios: uma historia do cotidiano das mulheres de Joao Pessoa. Disponivel em: Acessado em 20 mai2014. FLEITZ, Elizabeth. Cooking codes: cookbook discourses as a woman s rhetorical practices. Present Tense, vol 1, issue 1, 2010.p

12 FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala. Formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Rio de Janeiro, José Olympio, 1973 FREYRE, Gilberto. Açúcar: Uma sociologia do doce com receitas de bolos e doces do Nordeste. S o Paulo: Companhia das Letras, GROSSI, Miriam P. Crepes, fars et galletes: une approche de la cuisine bretonne. Paris, Universite Paris V, GUSHURST-MOORE, Bruna. A Garden in her cups: botanical medicines of the Anglo- American home Plymouth University. nov.2012 Disponivel em: HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Sao Paulo: Centauro, KIRSHEMBLATT-GIMBLETT, Barbara. Objects of memory: material culture as life review. In: ORING, Elliot.(ed) Folk Groups and Folklore Genres. A reader. Logan: Utah State University Press, 1989.p LEONG, Elaine. Collecting knowledge for the family: recipes, gender and practical knowledge in the Early Modern English Household. Centaurus, vol.55, 2013.p MAC CON IOMAIRE, M.; CASHMAN, D. Irish Culinary Manuscripts and Printed Books: a discussion. Petits Propos Culinaires, 94, 2011.p PERROT, Michelle. Minha historia das mulheres. Sao Paulo: Contexto, RUMSEY, Suzanne Kesler. Cooking, recipes and work ethic: passage of a heritage literacy practice. Journal of Literacy and Technology. Vol 10, n.1. April p

13 13

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

A preocupação com a memória e o Patrimônio Cultural vem ganhando espaço,

A preocupação com a memória e o Patrimônio Cultural vem ganhando espaço, MEMÓRIA GASTRONÔMICA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIC MEMORY AND LONDRINENSE CULTURAL HERITAGE Prof. Dr. Leandro Henrique Magalhães 1 Profa. Dra. Mirian Cristina Maretti 1 Sonia Maria Dantas

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA Maria de Fátima Soares Ribeiro Monografia apresentada para a conclusão do Curso de Gestão Empresarial para a Indústria Química GETIQ pela Escola de Química da

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MOURA FILHA 1, Maria Berthilde CAVALCANTI FILHO 2, Ivan QUEIROZ 3, Louise Costa GONDIM 4, Polyanna Galvão RESUMO Nos últimos

Leia mais

CONTEÚDO ANUAL 2016 OBJETIVOS GERAIS:

CONTEÚDO ANUAL 2016 OBJETIVOS GERAIS: CONTEÚDO ANUAL 2016 SEGMENTO: Ensino Fundamental I SÉRIE: 1º ano OBJETIVOS GERAIS: Criar condições para o desenvolvimento integral das crianças, considerando as possibilidades de aprendizagem que apresentam,

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Caderno do aluno UM POR BIMESTRE: teoria, exercícios de classe, as tarefas de casa atividades complementares.

Caderno do aluno UM POR BIMESTRE: teoria, exercícios de classe, as tarefas de casa atividades complementares. NOSSA META Que todos os alunos entendam todas as nossas aulas! TUDO GIRA EM TORNO DA AULA COMO? Aula bem proposta (autor) Aula bem preparada (professor) Aula bem dada (professor) Aula bem assistida (aluno)

Leia mais

O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS

O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS Gilianne Vicente dos Santos; Aline Giseli da Silva Lima; JacineideVirgínia Borges O. da Silva

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DEPARTAMENTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO AA 285 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I LÍNGUA PORTUGUESA NO 6º E 7º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Língua Portuguesa. Elaborar propostas de trabalho com diferentes gêneros textuais que contemplem também textos literários.

Leia mais

ACERVO A. TITO FILHO:

ACERVO A. TITO FILHO: ACERVO A. TITO FILHO: PROPOSTAS PARA UMA PESQUISA NA INTERNET Jordan Bruno Oliveira Ferreira * A pesquisa sobre a obra de A. Tito Filho 1 começou como projeto do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUVINEL,Fabiana Rodrigues Docente do curso de pedagogia da faculdade de ciências humana- FAHU/ACEG Garça/SP e-mail:fabianarde@ig.com.br ROCHA,

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

Terapia Comunitária. Uma forma de atuação no espaço público.

Terapia Comunitária. Uma forma de atuação no espaço público. Trabalho apresentado na II Congresso Brasileiro de Terapia Comunitária Terapia Comunitária. Uma forma de atuação no espaço público. Autora: Lia Fukui Co-autora: Liliana Beccaro Marchetti Instituição: TCendo.sp

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 APRENDENDO COM A PRÁTICA REFLEXIVA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA FINS ESPECÍFICOS Mônica de Souza Coimbra (UFF e CPII) 19 coimbra.nit@gmail.com Ana Paula Moreira Duro 20 Joyce Ferreira de Oliveira 21 Kelly

Leia mais

SCRAPBOOK A Arte de decorar álbuns de fotografias

SCRAPBOOK A Arte de decorar álbuns de fotografias Guia do professor Módulo III SCRAPBOOK A Arte de decorar álbuns de fotografias Introdução As lembranças são fundamentais para a elaboração da História de um País, de instituições, de clubes ou de pessoas.

Leia mais

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita 55 Ana Teberosky neste capítulo propomos uma experiência sobre linguagem escrita cujo enfoque é a interação entre os materiais, a atuação dos professores

Leia mais

PRODUÇÃO DE TEXTO COM O GÊNERO RELATO DE MEMÓRIAS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PRODUÇÃO DE TEXTO COM O GÊNERO RELATO DE MEMÓRIAS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PRODUÇÃO DE TEXTO COM O GÊNERO RELATO DE MEMÓRIAS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA José Carlos Lourenço da Silva Universidade Estadual da Paraíba-UEPB Adriano.exatas@hotmail.com Eduardo da Silva Andrade

Leia mais

Atividade extra. Lingua falada. Lingua escrita e gêneros textuais. Questão 1. Língua Portuguesa e Literatura

Atividade extra. Lingua falada. Lingua escrita e gêneros textuais. Questão 1. Língua Portuguesa e Literatura Atividade extra Lingua falada. Lingua escrita e gêneros textuais Questão 1 Sabemos que linguagem é todo sistema de signos que serve de meio de comunicação entre indivíduos, e pode ser percebido pelos diversos

Leia mais

Educação alimentar e nutricional

Educação alimentar e nutricional Educação alimentar e nutricional Disciplinas envolvidas: Matemática, Português, Sociologia, Educação Física, História e Arte. Justificativa: A Educação Alimentar e Nutricional é um campo de conhecimento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

Historia das relações de gênero

Historia das relações de gênero STEARNS, P. N. Historia das relações de gênero. Trad. De Mirna Pinsky. Sao Paulo: Contexto, 2007. 250p. Suellen Thomaz de Aquino Martins Santana 1 Historia das relações de gênero aborda as interações entre

Leia mais

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil.

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. PEREZ, Léa Freitas. Festa, religião e cidade. Corpo e Alma do Brasil. Porto Alegre: Medianiz, 2011, 211p. Mauro Dillmann 1 Gilberto

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

LETRAMENTO ACADÊMICO: BREVE ANÁLISE DOS CONFLITOS QUE EMERGEM NO USO DE RESENHAS POR PARTE DE ALUNOS INGRESSANTES NO DOMÍNIO ACADÊMICO

LETRAMENTO ACADÊMICO: BREVE ANÁLISE DOS CONFLITOS QUE EMERGEM NO USO DE RESENHAS POR PARTE DE ALUNOS INGRESSANTES NO DOMÍNIO ACADÊMICO LETRAMENTO ACADÊMICO: BREVE ANÁLISE DOS CONFLITOS QUE EMERGEM NO USO DE RESENHAS POR PARTE DE ALUNOS INGRESSANTES NO DOMÍNIO ACADÊMICO ELIANE FEITOZA OLIVEIRA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS). Resumo

Leia mais

Grande Diploma. Diploma de Cozinha. Diploma de Confeitaria. Certificado de Cozinha Básica. Certificado de Confeitaria Básica

Grande Diploma. Diploma de Cozinha. Diploma de Confeitaria. Certificado de Cozinha Básica. Certificado de Confeitaria Básica Duração 2 anos Grande Diploma Valor $57.000 A taxa de diploma inclui Ingredientes, uniformes, conjunto de facas Wüsthof e 2 livros Diploma de Cozinha Diploma de Confeitaria Horas por semana 18 Certificado

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

UMA NOVA DIMENSÃO À VOLTA DA SUA MESA

UMA NOVA DIMENSÃO À VOLTA DA SUA MESA SERVIÇOS DE MESA E FAQUEIRO UMA NOVA DIMENSÃO À VOLTA DA SUA MESA HÁ UM BANCO QUE AJUDA A DAR CERTEZAS AO FUTURO. A CAIXA, COM CERTEZA. VISTA ALEGRE Acrescente uma nova dimensão de elegância e prestígio

Leia mais

Nuno Miguel Costa, Museu Marítimo de Ílhavo. Foto: Bacalhau tradicional de consoada, preparado pelo Chef Alex (Restaurante Dom Coutinho - Ílhavo)

Nuno Miguel Costa, Museu Marítimo de Ílhavo. Foto: Bacalhau tradicional de consoada, preparado pelo Chef Alex (Restaurante Dom Coutinho - Ílhavo) De posta alta e bem demolhado, acompanhado com batatas, couves portuguesas, ovos, alhos e regado abundantemente com azeite, o prato de bacalhau da Ceia de Natal é muito mais do que um simples bacalhau

Leia mais

Plano de Aula Org.: Claudio André - 1 TEXTO INSTRUCIONAL: APRENDENDO A CONSTRUIR ESTE GÊNE- RO TEXTUAL A PARTIR DE RECEITAS TÍTULO:

Plano de Aula Org.: Claudio André - 1 TEXTO INSTRUCIONAL: APRENDENDO A CONSTRUIR ESTE GÊNE- RO TEXTUAL A PARTIR DE RECEITAS TÍTULO: Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: TEXTO INSTRUCIONAL: APRENDENDO A CONSTRUIR ESTE GÊNE- RO TEXTUAL A PARTIR DE RECEITAS Nível de Ensino: Ensino Fundamental / Anos Iniciais Ano/Semestre de Estudo 4º ano Componente

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 1º CICLO - 1º ANO DE ESCOLARIDADE PORTUGUÊS PLANIFICAÇÃO MENSAL DE JANEIRO DOMÍNIOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) MATERIAIS/RECURSOS MODALIDADES

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo:

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: A família patriarcal no Brasil e seus desdobramentos. 2 Habilidade: Reconhecer que a ideologia patriarcal influenciou a configuração

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

Conviver Bem: Proporcionando Espaço de Convívio, Lazer e Cultura

Conviver Bem: Proporcionando Espaço de Convívio, Lazer e Cultura 14 Conviver Bem: Proporcionando Espaço de Convívio, Lazer e Cultura Iná Aparecida de Toledo Piza Furlan Administradora de Empresa Especialista em Gestão da Qualidade de Vida na Empresa na UNICAMP INTRODUÇÃO

Leia mais

MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE

MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE PAULA VIRGÍNIA DE ALMEIDA ROCHETTI (FE - UNICAMP). Resumo Vários estudos vêm sendo feitos a fim de investigar a relação que as mulheres têm com o romance. Alguns buscam as

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA Luiz Rafael Moretto Giorgetti Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP (Ex-aluno) e-mail: rafael_giorgetti@hotmail.com

Leia mais

Mini-curso - Descrição

Mini-curso - Descrição Mini-curso - O CORPO NA DINÂMICA DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO: ENSINAR A CONDIÇÃO HUMANA E ENSINAR A IDENTIDADE TERRENA Autora: Profª Drª Alice Maria Corrêa Medina Universidade de Brasília - UnB Resumo

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014

Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014 Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014 Festa do Divino Espírito Santo e seu registro fotográfico. Jairton Ortiz

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Grande Diploma. Certificado de Cozinha Básica. Certificado de Confeitaria. Básica. Certificado de Cozinha Intermediária

Grande Diploma. Certificado de Cozinha Básica. Certificado de Confeitaria. Básica. Certificado de Cozinha Intermediária 9 meses Grande Diploma 1.324.000 Diploma de Cozinha Diploma de Confeitaria Certificado de Cozinha Básica Certificado de Confeitaria Básica Certificado de Cozinha Intermediária Certificado de Cozinha Superior

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). HISTÓRIAS DE VIDA: A PERCEPÇÃO SOBRE A INFÂNCIA EM GRUPOS DE IDOSOS Dayane Couto, Eduarda Rezende Freitas, Aline Francine Corrêa Vaz, Hortênsia Isabela Santos Vieira, Laíse Navarro Jardim Universidade

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

Universalização do acesso, com permanência e aprendizagem em tempo adequado no ensino fundamental: ELSIO J. CORÁ

Universalização do acesso, com permanência e aprendizagem em tempo adequado no ensino fundamental: ELSIO J. CORÁ Universalização do acesso, com permanência e aprendizagem em tempo adequado no ensino fundamental: possibilidades a partir do espaço escolar e do espaço habitado ELSIO J. CORÁ JUNHO/ 2015 Universalização

Leia mais

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Profª Drª Suzana Lima Vargas UFJF suzana_lima@uol.com.br Aida do Amaral Antunes UFJF amaral.aida@yahoo.com.br Andreza de Souza

Leia mais

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE ACOMPANHAMENTO DE ACADÊMICOS DO PROJETO COMUNITÁRIO DA PUCPR

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE ACOMPANHAMENTO DE ACADÊMICOS DO PROJETO COMUNITÁRIO DA PUCPR PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PUCPR PRÓ-REITORIA COMUNITÁRIA DIRETORIA DE PASTORAL E IDENTIDADE INSTITUCIONAL NÚCLEO DE PROJETOS COMUNITÁRIOS SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / / ÁREA DO CONHECIMENTO: LÍNGUA INGLESA CARGA HORÁRIA: 1 AULA SEMANAL PLANO DA I UNIDADE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES *Apresentar-se, cumprimentar

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia INTRODUÇÃO: A proposta desse trabalho é apresentar a pesquisa de Mestrado,

Leia mais

PRD - 2013 - Descrição das Oficinas do Ciclo 3

PRD - 2013 - Descrição das Oficinas do Ciclo 3 OFICINA 1 - DIFICULDADES DE/NA APRENDIZAGEM. VAGAS: 30 Professor Responsável: Maria Aparecida Dias / Hora / Local: sábados 23 de novembro e 07 de dezembro das 09:00 às 13:00h CAMPUS SÂO CRISTÓVÃO I (Pedrinho).

Leia mais

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR Letícia Tadra do Carmo 105 Universidade

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

Receita Culinária. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Receita Culinária. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Receita Culinária CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO NOS CURSOS DE LETRAMENTO DE JOVENS E ADULTOS NÃO ESCOLARIZADOS

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO NOS CURSOS DE LETRAMENTO DE JOVENS E ADULTOS NÃO ESCOLARIZADOS A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO NOS CURSOS DE LETRAMENTO DE JOVENS E ADULTOS NÃO ESCOLARIZADOS Sylvia Bueno Terzi Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP O objetivo do trabalho é apresentar e discutir o

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

HABILIDADES DE LEITURA

HABILIDADES DE LEITURA HABILIDADES DE LEITURA QUESTÃO 1 Os PCNs Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa prescrevem como se deve organizar o ensino de Língua Portuguesa. Assinale a alternativa cuja afirmação está

Leia mais

VALORIZAÇÃO DE FORMULAÇÕES CULINÁRIAS A PARTIR DO ARROZ VERMELHO E DIVULGAÇÃO NAS REDES SOCIAIS.

VALORIZAÇÃO DE FORMULAÇÕES CULINÁRIAS A PARTIR DO ARROZ VERMELHO E DIVULGAÇÃO NAS REDES SOCIAIS. VALORIZAÇÃO DE FORMULAÇÕES CULINÁRIAS A PARTIR DO ARROZ VERMELHO E DIVULGAÇÃO NAS REDES SOCIAIS. FARIAS 1, Natália Silva de; OLIVEIRA 2, Márcia Roseane Targino de; PETELINKAR 3, Gabriel Pereira; SILVA

Leia mais

CIRANDA DOS SABORES: DA DOÇARIA PORTUGUESA ÀS MESAS POPULARES

CIRANDA DOS SABORES: DA DOÇARIA PORTUGUESA ÀS MESAS POPULARES 133 CIRANDA DOS SABORES: DA DOÇARIA PORTUGUESA ÀS MESAS POPULARES Alessandra Gomes Coutinho FERREIRA UFPB Beliza Áurea de Arruda MELLO PROLING/UFPB Há nos doces Horatius, coisas que não deduz tua vã filosofia.

Leia mais

Guia Alimentar para a População Brasileira

Guia Alimentar para a População Brasileira Guia Alimentar para a População Brasileira Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Departamento de Atenção Básica Secretaria de Atenção à Saúde Ministério da Saúde Revisão do Guia Alimentar para a

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Letras Tradução Inglês-Português Ementário

Letras Tradução Inglês-Português Ementário Letras Tradução Inglês-Português Ementário Componentes Curriculares CH Ementa Cultura Clássica 04 Estudo da cultura das civilizações clássica em suas diversas fases, tendo em vista reflexões sobre a contribuição

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais