CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES"

Transcrição

1 CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion Marcos do Prado, esta atividade faz parte do Projeto de Iniciação Cientifica cujo objetivo é permitir que os alunos conheçam as diversas formas de pesquisa y estudo contribuindo com o nosso crescimento como acadêmicos. Foram vários os temas pesquisados, como fotografia, autorretrato, relação da literatura com as artes plásticas, mas todos tinham um intuito refletir sobre a construção do eu lírico ao mesmo tempo como esse eu lírico delineia o autorretrato na poesia de Cecília Meireles. Palavras-Chave: Cecília; Eu lírico; Autorretrato; INTRODUÇÃO Tenho como base deste estudo o poema Retrato do livro Viagem. Na introdução da Obra Poética de Cecília Meireles, Damasceno(1958,p XVIII) afirma Viagem estava não só dentro de linhas tradicionais, como também aspirava a ser e o foi a primeira obra acima de fronteiras que haja aparecido no modernismo. Com o livro Viagem (1937) a poetisa entra na sua fase de maturidade poética, tornase um símbolo da sua poesia, é um mergulho no interior do sujeito poético, sempre à procura de respostas acerca da vida humana e medita sobre o mundo que a rodeia. Por seus olhos observamos toda manifestação de vida, sendo a descrição um dos traços de sua poesia. Este livro é composto de 99 poemas, dentre os quais 13 são epigramas, os epigramas são poemas curtos, que tratam da felicidade, da poesia, do amor e até da morte, e oferecem unidade à obra. Alguns conceitos foram fundamentais ao longo desse estudo. A partir de agora passo a tratar de alguns deles. 1. Eu Lírico O que é eu lírico? O Eu-lírico é o "eu" que fala na poesia, é quando o poeta expressa sentimentos que não sentiu necessariamente, tratando então não do seu eu real, empírico, mas de um eu poético, ou lírico. O eu lírico é a "voz" que fala no poema, isso significa dizer que os sentimentos, ideias, emoções presentes nesses textos não são necessariamente do autor dele. O autor cria um dono para esses Página 1

2 sentimentos. O Eu-lírico é um recurso que possibilita a infinidade criativa dos sentimentos poéticos. No artigo O sujeito lírico entre a ficção e a autobiografia de Dominique Conde publicado pela Revista da USP, São Paulo, n.84, p , dezembro/fevereiro , oferece uma descrição clara do Eu lírico o sujeito lírico:...o sujeito lírico não poderia ser categorizado de forma estável, uma vez que ele consiste precisamente em um incessante duplo movimento do empírico em direção ao transcendental. Vale dizer então que o sujeito lírico, levado pelo dinamismo da ficcionalização, não está jamais acabado, e mesmo que ele não é. Longe de exprimir- se com o sujeito já constituído que o poema representaria ou exprimiria, o sujeito lírico está em permanente constituição, em uma gênese constantemente renovada pelo poema, fora do qual ele não existe. O sujeito lírico se cria no e pelo poema, que tem valor performativo. Essa gênese contínua impede, certamente, de definir uma identidade do sujeito lírico, que se fundaria sobre uma relação do mesmo ao mesmo. Paul Ricoeur mostra, então, que essa concepção de uma identidade-idem do sujeito em geral é artificial e redutora, pois ela não pode pensar a relação de alteridade, nem no espaço nem no tempo. Ele prefere a ideia de uma ipseidade(identidade pessoal) fundada na presença a si mesmo, sem postular a identidade. Da mesma maneira, seria melhor, sem dúvida, falar de uma ipseidade do sujeito lírico que lhe assegura, apesar de tudo, sob suas múltiplas máscaras, certa unidade como Ichpol(eu idêntico) (Husserl). Mas essa unidade do eu na multiplicidade dos atos intencionais, essencialmente dinâmica, está em constante devir: o sujeito lírico não existe, ele se cria. Na obra de Cecília Meireles o Eu lírico se manifesta como a voz narrativa da poesia, ele é distante, um mero observador despersonificado, assexuado, muitas vezes vazio. 2. Analise do Poema Retrato Eu não tinha este rosto de hoje, assim calmo, assim triste, assim magro, nem estes olhos tão vazios, Página 2

3 nem o lábio amargo Eu não tinha estas mãos sem força, tão paradas e frias e mortas; eu não tinha este coração que nem se mostra. Eu não dei por esta mudança, tão simples, tão certa, tão fácil: - em que espelho ficou perdida a minha face? O dicionário Houaiss define retrato como imagem de uma pessoa (real ou imaginária), reproduzida pela pintura, pelo desenho ou escultura. O retrato é um dos gêneros comuns da pintura e fotografia, sua força aconteceu no Renascimento, nesta época o homem passou a ser o centro das questões que envolviam o ser humano, além de ser o mais popular, foi o que sofreu mudanças. Teixeira Coelho (2008) menciona: Na história da arte, o retrato é talvez o gênero no qual mais fortemente se coloca a questão da verossimilhança. De que serve um retrato se ele não parece com o retratado? esta afirmação mostra uma representação rígida, com regras perante qualquer forma de expressão, os artistas modernos mostraram sua opinião em sua criação conquistando sua liberdade, Teixeira Coelho (2008) ressalta: E a resposta do artista moderno foi: quando um retrato não parece com o retratado, ele serve para fornecer o retrato do retratamte, pelo menos seu retrato intelectual, conceitual, estético e também seu retrato espiritual (COELHO, 2008, p.17) Outro ponto importante e que deve ser mencionado é o dialogo entre duas artes a pintura e a literatura. A comunicação entre essas duas formas de arte existe desde a antiguidade, em algumas épocas uma teve a supremacia sobre a outra, mas ela foi Página 3

4 tendo transformações ao longo do tempo, sua exemplificação pode ser vista no texto O pintor da Vida Moderna de Charles Baudelaire( ), ele defende que cada arte tem sua peculiaridade, não existindo comparação entre elas cada uma brilha com o que lê pertence, podendo conviver de forma harmônica. Neste poema quem reproduz a imagem é o espelho, o eu lírico descreve o rosto que vê refletido no espelho, o eu lírico não reconhece como sendo o seu, vejamos: Eu não tinha este rosto de hoje o eu lírico não se reconhece, temos a passagem do tempo, e a tristeza por confirmar que tudo passa, nada é definitivo, a ideia é intensificada pelo advérbio de negação não e pelo pronome demonstrativo este, que sugere a passagem do tempo, a transitoriedade da vida. No segundo verso: assim calmo, assim triste, assim magro, vemos que a repetição da palavra assim demostra que a mudança se deu em duas situações, no íntimo, na personalidade, como em assim calmo, assim triste, como fisicamente, assim magro. No terceiro e quarto versos nem estes olhos tão vazios, nem o lábio amargo constatamos o sofrimento e a desilusão pelas situações que viveu e deixaram marcas. No primeiro verso da segunda estrofe, Eu não tinha estas mãos sem força, o eu lírico continua observando as mudanças que se refletem em seu corpo, agora em suas mãos, elas não tem a força de outrora. O eu lírico continua a descrição de como as vê tão paradas e frias e mortas, notamos o tom melancólico. Ainda nesta estrofe, no terceiro verso, eu não tinha este coração assim como o eu lírico não reconhece o rosto aqui temos a mesma situação, sua descrição fica completa com o quarto verso que nem se mostra. seus sentimentos estão encolhidos, oprimidos, escondidos. Na terceira estrofe, no primeiro verso, Eu não dei por esta mudança o eu lírico percebe e assume que mudou fisicamente e interiormente, é uma constatação e menciona como aconteceu foi tão simples, tão certa, tão fácil como se lê no segundo verso. Novamente o eu lírico menciona a da transitoriedade da vida, essa passagem é o, mas certo que vamos ter, acontecerá com todos nós, mesmo assim, ficamos surpresos com isto. No penúltimo e últimos verso da última estrofe - em que espelho ficou perdida a minha face? O eu lírico sabe que o tempo passou e Página 4

5 as mudanças aconteceram, a questão é saber em que momento sua vitalidade desapareceu, em que momento o seu eu se perdeu. Para criar esta imagem o poeta usa uma metáfora espelho seria o lugar, o momento; face seria a vida, a juventude. O poema tem a estrutura de três estrofes e cada uma delas é composta por quatro versos, estes versos falam de um dos temas tratados por Cecília que é a morte, a musicalidade está sempre presente, sendo uma nuance de seus poemas. O título Retrato descreve perfeitamente o poema porque as imagens que surgem dele não são compatíveis, uma do eu lírico que procura na imagem do espelho um eu que se transformou na imagem refletida por ele é que o eu não reconhece. Conclusão: Vou transcrever uma declaração de Cecília Meireles, perguntada sobre qual seria o seu maior defeito, ela respondeu: uma certa ausência do mundo É a mais exata descrição de sua obra e do poema que estamos analisando, é singular, reflete uma procura constante, uma imersão interior à procura do seu eu, usando metáforas e outras figuras de linguagem, levanta temas como solidão, melancolia, fuga pelo sonho, o vazio do existir, saudades, sofrimento e morte. Essas características percorrerão toda sua obra lírica. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS BOSI, Alfredo. Historia Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, 1994 MEIRELES, Cecilia. Obra Poética de Cecília Meireles. Rio de Janeiro:José Aguilar, 1958 COELHO,Teixeira. Olhar e ser visto. São Paulo: Comunique, 2008;coleção Masp CONDE, Dominique. O sujeito lírico entre a ficção e a autobiografia. São Paulo: Revista da USP, 2009/2010. BAUDELAIRE,Charles. O Pintor da Vida Moderna. Minas Gerais: Autêntica,2010. Página 5

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Projeto Minha Identidade

Projeto Minha Identidade Projeto Minha Identidade Esta apostila é a primeira a ser desenvolvida com as crianças do Espaço Voar e tem como objetivo fortalecer o senso de identidade da criança como indivíduo, oferecendo situações

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO 61 Poema O que é: Segundo o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre coisas e palavras principalmente entre palavras circulamos. As palavras, entretanto, não circulam entre nós como folhas soltas no ar.

Leia mais

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter-

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- Algumas definições Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- relações. O sentido de um termo

Leia mais

1. As questões e as respostas esperadas

1. As questões e as respostas esperadas 1 Vestibular da Fundação Getúlio Vargas Direito 2007 Grade de Correção da Prova de Língua Portuguesa 1. As questões e as respostas esperadas Leia o texto Janela, de Carlos Drummond de Andrade e verifique

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

C: acima de 15 anos Cornélio Procópio

C: acima de 15 anos Cornélio Procópio Quem serei? Serei um pássaro errante perdido na imensidão do mundo ou um barco que vaga solitário nos mares da vida à procura de um porto de águas calmas onde possa se atracar? Ou serei triste poeta que

Leia mais

"Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida

Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Alciane Basílio de Almeida "Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida (Mestre em Psicologia - UCP 2014) Este trabalho tem por objetivo mostrar a relação

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Aquecimento inespecífico: Os participantes devem andar pela sala não deixando nenhum espaço vazio, andando cada um no seu ritmo.

Aquecimento inespecífico: Os participantes devem andar pela sala não deixando nenhum espaço vazio, andando cada um no seu ritmo. DINÂMICA DO ESPELHO Embrulha o espelho com papel de presente, mas dentro o espelho deve ser embrulhado com outro papel e colado a seguinte frase: Há pessoas que querem ser bonitas pra chamar a atenção,

Leia mais

Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte

Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte Priscila de Macedo Pereira e Souza Resumo: Uma experiência numa escola pública de Goiânia, usando da técnica Sticker Art para

Leia mais

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela.

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela. 1 The Bridgeman Art Library SÉRIE 1: retrato/ Vincent van Gogh 1889 Óleo sobre tela. 4 Ministério da Cultura e Endesa Brasil apresentam: Arteteca:lendo imagens (PRONAC 09-7945). para olhar pensar, imaginar...

Leia mais

COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Reflexão sobre aspectos da rotina nas creches e pré-escolas, tomando com motivação os desenhos de Francesco Tonucci e buscando apoio em alguns trabalhos teóricos significativos

Leia mais

Exame de Seleção 2009

Exame de Seleção 2009 2 PARTE II Leia atentamente o texto abaixo, O adolescente, de Mário Quintana, para responder à questão 1. A vida é tão bela que chega a dar medo. Não o medo que paralisa e gela, estátua súbita, mas esse

Leia mais

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 JESUS ESTÁ COMIGO QUANDO SOU DESAFIADO A CRESCER! OBJETIVO - Saber que sempre que são desafiados a crescer ou assumir responsabilidades, Jesus está com

Leia mais

_Márcio Moreno, 28 Sou um rapaz comum da geração do raprockandrollpsicodeliahardcoreragga. marciomoreno.com

_Márcio Moreno, 28 Sou um rapaz comum da geração do raprockandrollpsicodeliahardcoreragga. marciomoreno.com 23 24 25 _Márcio Moreno, 28 Sou um rapaz comum da geração do raprockandrollpsicodeliahardcoreragga. marciomoreno.com 26 27 Joe Navalha, 2013 28 TEXTO POR CAIO BASTOS Restam duas opções, ao se deparar com

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. UEPB E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br Aldeci Luiz de Oliveira Profa. Dra. PMCG E-mail:

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

A Pedagogia Clínica Biográfica

A Pedagogia Clínica Biográfica A Pedagogia Clínica Biográfica Josef David Yaari Sim, é isso que devo fazer, é isso que eu sou! Ocorre a urgência! O mundo, as empresas, iniciativas e muitos empreendimentos precisam de gente. Há uma demanda

Leia mais

3. Encaminhamento metodológico e sugestões de atividades complementares

3. Encaminhamento metodológico e sugestões de atividades complementares 3. Encaminhamento metodológico e sugestões de atividades complementares UNIDADE 1 BICHO E GENTE, CADA UM TEM UM JEITO DIFERENTE! A proposta deste tema é estimular a criança a perceber as diferenças existentes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Ciência Política Área de Concentração: Teoria Política e Interpretações do Brasil Título da Disciplina: Ceticismo

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PROJETO E DA AÇÃO.

DESCRIÇÃO DO PROJETO E DA AÇÃO. TÍTULO: 4 a FEIRA CULTURAL O HOMEM E O CINEMA AUTORAS: EVANDRA CRISTINA DA SILVA E RENATA APARECIDA DOS SANTOS ESCOLA ESTADUAL JARDIM DAS ROSAS (SERRANA/SP) COMUNICAÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA DESCRIÇÃO

Leia mais

EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar

EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar Acho que criatividade não é uma qualidade exclusiva dos artistas. Viver é um exercício de criatividade. Por Marialba

Leia mais

Lição 1 Como Amar os Inimigos

Lição 1 Como Amar os Inimigos Lição 1 Como Amar os Inimigos A. Como seus pais resolviam as brigas entres você e seus irmãos? B. Em sua opinião qual a diferença entre amar o inimigo e ser amigo do inimigo? PROPÓSITO: Aprender como e

Leia mais

claudia houdelier - maternidade maternidade

claudia houdelier - maternidade maternidade claudia houdelier - maternidade maternidade dedicatória para alexandre, meu único filho. de fora para dentro Tudo começa no ventre materno com certeza, a nossa história começa aqui. Uma história de uma

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho Catálogo 2013 Uma História que cheira a Café Isabel Vilarinho e Vanda Novais Não Desprezes os Provérbios Abel de Carvalho Género: Romance N.º Páginas: 112 ISBN: 978-989-20-3065-4 Género: Prosa / Literatura

Leia mais

Biodanza. Para Crianças e Jovens. Manuela Mestre Robert

Biodanza. Para Crianças e Jovens. Manuela Mestre Robert Biodanza Para Crianças e Jovens Manuela Mestre Robert FICHA TÉCNICA: TÍTULO Biodanza para Crianças e Jovens AUTORIA Manuela Mestre Robert Manuela Mestre Robert, 2008 CAPA Crianças do 1º ciclo do Ensino

Leia mais

Aluno (a): n o. Professora: Turma: Sala: Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Aluno (a): n o. Professora: Turma: Sala: Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Aluno (a): n o Professora: Turma: Sala: 2 o ano do Ensino Fundamental Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 2015 1 Para você, o que é o poema? VERSOS E ESTROFES Poema é um texto organizado em versos e estrofes.

Leia mais

Série 6 o ANO ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2011

Série 6 o ANO ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2011 Disciplina LINGUA PORTUGUESA Curso ENSINO FUNDAMENTAL II Professor MARIANA Série 6 o ANO ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2011 Aluno (a): Número: 1 - Conteúdo: Substantivos: comum

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo 1 O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e psiquiatra francês André Breton em 1924. Inserido

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br FUNÇÕES DA LINGUAGEM Professor Jailton www.professorjailton.com.br Comunicação e Intencionalidade discursiva / Funções Intrínsecas do Texto Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção

Leia mais

REDES SOCIAIS A crença de que dividimos tudo com todos o tempo todo se transformou em um grande prazer coletivo, diz

REDES SOCIAIS A crença de que dividimos tudo com todos o tempo todo se transformou em um grande prazer coletivo, diz Françoise Héritier A tecnologia gera alienação Herdeira intelectual de Lévi-Strauss, a antropóloga francesa diz que os pequenos prazeres da vida foram perdidos e que os recursos modernos impedem a reflexão

Leia mais

Vivência em Quadrinhos Artigo Inscrito no grupo Comunicação e Novas Mídias *

Vivência em Quadrinhos Artigo Inscrito no grupo Comunicação e Novas Mídias * Vivência em Quadrinhos Artigo Inscrito no grupo Comunicação e Novas Mídias * Alberto Ricardo Pessoa Mestre em Artes Visuais UNESP SP Professor do Depto. Comunicação e Artes da Universidade Presbiteriana

Leia mais

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS.

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS. ARTES VISUAIS - HABILIDADE ESPECÍFICA II - PROVA DE CRIAÇÃO - 2 a Etapa ARTES VISUAIS 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II PROVA DE CRIAÇÃO SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

PROJETO: SANTA MARIA EM FOCO

PROJETO: SANTA MARIA EM FOCO Vem, amigo, caminhemos nas veredas de Minas, nas trilhas do tempo. Teus olhos pousarão sobre uma paisagem e, aos poucos, descobrirás, nesta toda simplicidade, uma canção, um sorriso, palavras fraternas.

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO;

LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO; LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO; COMUNICAÇÃO, INTERAÇÃO SOCIAL E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE. LINGUAGEM É TODO SISTEMA QUE SE UTILIZA DE SIGNOS E QUE SERVE COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO. VERBAL:

Leia mais

FERNANDO AUGUSTO. Desenho, pintura, fotografia, livro de artista... Alguns projetos realizados. UMBIGO MUNDO 2002-20012

FERNANDO AUGUSTO. Desenho, pintura, fotografia, livro de artista... Alguns projetos realizados. UMBIGO MUNDO 2002-20012 FERNANDO AUGUSTO Desenho, pintura, fotografia, livro de artista... Alguns projetos realizados. UMBIGO MUNDO 2002-20012 Conjunto de 100 fotografias de umbigos feitos ao longo de 10 anos em várias partes

Leia mais

ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES

ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES 132 ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES September 21, 2010, by pontofinalmacau Claudio Cezar Henriques, filólogo e escritor brasileiro, esteve em Macau para uma palestra sobre a reforma ortográfica,

Leia mais

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO CONCEPÇÕES ACERCA DE UMA NOVA ORDEM SOCIETÁRIA O passado não se pode ser

Leia mais

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL AULA 13 LITERATURA PROFª Edna Prado REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL Na aula de hoje falaremos sobre o Realismo português. Mas para começarmos é importante que você saiba o que é realismo. Veja: REAL+ISMO

Leia mais

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13 APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre Aula 13 Identidade Visual Embora você possa nunca ter ouvido falar em identidade visual, todos nós estamos sempre sendo bombardeados pelas identidades

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO Dennys Rodrigues de Sousa* (Graduando em psicologia pela Faculdades Metropolitanas de Maringá - UNIFAMMA, Maringá-PR, Brasil); André Henrique Scarafiz,

Leia mais

20º. COLÓQUIO DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES CATÓLICOS [APC] Os 20 anos dos Colóquios APC. Cristina Nobre: Duas décadas revisitadas

20º. COLÓQUIO DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES CATÓLICOS [APC] Os 20 anos dos Colóquios APC. Cristina Nobre: Duas décadas revisitadas 20.º Colóquio da ACP [12 e 13 de Abril de 2002] Cristina Nobre: Duas décadas revisitadas 1 20º. COLÓQUIO DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES CATÓLICOS [APC] "Cultura: mapas velhos, redes novas" (Sociedade de

Leia mais

A.JOSÉ C.COELHO JOSEPH SHAFAN. Baratas em fabelas e Filosofias fabulosas

A.JOSÉ C.COELHO JOSEPH SHAFAN. Baratas em fabelas e Filosofias fabulosas A.JOSÉ C.COELHO JOSEPH SHAFAN Baratas em fabelas e Filosofias fabulosas J OSEPH S HAFAN Baratas em fabelas e Filosofias fabulosas 2005 A.José C.Coelho. Todos os direitos reservados. E-book Caprice lelahel.aj@uol.com.br

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO)

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer]

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] colagem, remix narrativa em banco de dados remix de referências de várias áreas novas tecnologias a maneira que eu trabalho Eu acredito, na verdade,

Leia mais

AULA DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA FESTA CRIATIVA Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

AULA DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA FESTA CRIATIVA Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br AULA DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA FESTA CRIATIVA Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Ele era um excelente e criativo professor de Educação Física. Um dia, a diretora da escola o procurou e disse: Dentro

Leia mais

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA BRINCADEIRA É COISA SÉRIA Márcia Maria Almeida Figueiredo Mestre em Educação e professora do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Agora eu era o rei Era o bedel e era também juiz E pela minha

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

Introdução à participação infantil

Introdução à participação infantil Seção 1 Introdução à participação 1.1 Uma visão bíblica da criança Em muitas culturas, as crianças são subestimadas. No entanto, Deus valoriza as crianças tanto quanto os adultos. Todos os seres humanos

Leia mais

Dados da Aula: Oficina de poesia para o 4º ano do Ensino Fundamental, com duração de duas aulas.

Dados da Aula: Oficina de poesia para o 4º ano do Ensino Fundamental, com duração de duas aulas. Dados da Aula: Oficina de poesia para o 4º ano do Ensino Fundamental, com duração de duas aulas. Título da Aula: Brincando com palavras Conteúdo da Aula Tipologia textual: Poema; Verso e estrofe; Produção

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões Desenhar, modelar, pintar: brincadeiras especiais No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino Aparecem no castelo materiais para desenhar, pintar e modelar que, juntamente com os brinquedos, passam a fazer

Leia mais

Arte em Movimento...

Arte em Movimento... Leonardo Koury Martins Arte em Movimento... Arte em Movimento... Sabemos que por mais que queremos as coisas certas, todas no lugar, fáceis de tocar ou de compreender tudo estará em constante transformação.

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

EstrelaMar e Golfilhote

EstrelaMar e Golfilhote EstrelaMar e Golfilhote Autora: Rosa Quinteiro Ilustrações: Carlos Pais Nome Ano Turma GUIÃO de LEITURA ORIENTADA Nome da obra Autor(a) _ Ilustração Editora A história que acabaste de ler conta-nos a aventura

Leia mais

Navegar pelas letras

Navegar pelas letras Página322 Navegar pelas letras RESENHA Adriana Carrion de Oliveira 1 Resenha do Livro: BUENO, Edna, PARREIRAS, Ninfa, SOARES, Lucília. Navegar pelas letras: as literaturas de língua portuguesa. Rio de

Leia mais

Poesia do Maternal ao Fundamental: Outros caminhos para o saber

Poesia do Maternal ao Fundamental: Outros caminhos para o saber Poesia do Maternal ao Fundamental: Outros caminhos para o saber Elaine Gai Torres 1 RESUMO Unir poesia, linguagem e brincadeira para compor a interiorização do imaginário infantil inegavelmente significa

Leia mais

AÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGOGICA. Profa Dra Nadia Aparecida Bossa

AÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGOGICA. Profa Dra Nadia Aparecida Bossa AÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGOGICA Profa Dra Nadia Aparecida Bossa Aprendizagem Envolve: O corpo individual herdado; O corpo construído especularmente; O desejo; A inteligência construída na interação

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

VOCÊ É MOTIVO DE LOUVOR? MARCAS DE LOUVOR

VOCÊ É MOTIVO DE LOUVOR? MARCAS DE LOUVOR 1 VOCÊ É MOTIVO DE LOUVOR? MARCAS DE LOUVOR Fp 1 3 Agradeço a meu Deus toda vez que me lembro de vocês. 4 Em todas as minhas orações em favor de vocês, sempre oro com alegria 5 por causa da cooperação

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome: Olá, amiguinho! Já estamos todos encantados com a sua presença aqui no 4 o ano. Vamos, agora, ler uma história e aprender um pouco

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

PROVA MULTIDISCIPLINAR I

PROVA MULTIDISCIPLINAR I Página1 COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO PROVA MULTIDISCIPLINAR I Matemática, CFB, Filosofia, Arte 3º bimestre de 2013 6º ano Ensino Fundamental Aluno: Série: 6º ANO Turma: Data: 21

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA Porto, Casa da Música, 29-31 de Outubro de 2007 A educação artística como arte de educar os sentidos Yolanda Espiña (Escola das Artes Universidade Católica Portuguesa)

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

PORTUGUÊS ENSINO MÉDIO. Prêmio Nobel de Química defende maior investimento do governo na ciência

PORTUGUÊS ENSINO MÉDIO. Prêmio Nobel de Química defende maior investimento do governo na ciência Texto 1 PORTUGUÊS Prêmio Nobel de Química defende maior investimento do governo na ciência Por Paulo Floro Em Ciência O Prêmio Nobel de Química, pesquisador norte-americano Martin Chalfie, defende a ciência

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa ACEITAÇÃO Ruy Miranda 1. O que é aceitação? Aceitar significa receber. Uma pessoa recebe a outra, abre as portas para

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação é o que se busca promover a partir da realização do Projeto Transformador:

Leia mais

Estudo de Caso na Abordagem do Psicodrama

Estudo de Caso na Abordagem do Psicodrama Estudo de Caso na Abordagem do Psicodrama Júlia Linéia Schapuiz Acadêmica e Estagiária de Psicologia Ms. Evandir Bueno Barasuol Professora e Orientadora O presente estudo trata-se de um caso clínico do

Leia mais

O Maçom Invisível. Jairo da Costa. edições

O Maçom Invisível. Jairo da Costa. edições O Maçom Invisível O Maçom Invisível Jairo da Costa edições zzagg Copyright 2013 by Jairo da Costa Todos os direitos desta edição reservados. Ne nhuma parte desta obra poderá ser reproduzida ou transmitida,

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

Fotobiografia microcosmo despercebido

Fotobiografia microcosmo despercebido 52 Fotobiografia microcosmo despercebido Pedro Alberto Nacer Zilli Texto e fotos M eu nome é Pedro Alberto Nacer Zilli, nasci no Uruguai em 1942, filho de pais descendentes de imigrantes italianos e libaneses.

Leia mais

Ou Isto ou Aquilo: uma breve análise da literatura infantil de

Ou Isto ou Aquilo: uma breve análise da literatura infantil de Ou Isto ou Aquilo: uma breve análise da literatura infantil de Camila V. Ramos da Silva 1 Cecília Meireles Resumo Cecília Meireles é uma autora muito consagrada no cenário literário brasileiro, sua obra

Leia mais

Quatro Parábolas de Jesus

Quatro Parábolas de Jesus Quatro Parábolas de Jesus Neste pacote há materiais para uma série de quatro lições sobre algumas Parábolas de Jesus. Primeiramente está incluído o guia do líder, seguido por folhas que podem ser utilizadas

Leia mais

PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013

PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013 PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013 ESCOLA: 1ºANO OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECIFICOS CONTEÚDOS AVALIAÇÃO BIBLIOGRAFIA Construir com o educando sobre a importância da sua existência e os cuidados

Leia mais

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo 4ª Semana Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo I- CONECTAR: Inicie o encontro com dinâmicas que possam ajudar as pessoas a se conhecer e se descontrair para o tempo que terão juntas. Quando

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Dra. Nadia A. Bossa. O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem

Dra. Nadia A. Bossa. O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem Aprendizagem humana Ao nascer, o bebê humano é recebido num mundo de cultura e linguagem que o antecede e ao qual necessita ter acesso. Porém falta

Leia mais

! " # $ % %& " ' % % $! & %() % ' % " $*" & #+ " +, % # # + " -.%/ # 0 / # 0 " " 1 / # 0 2 % # " + % # ) # # % 2 % "3 ' 4 # * 5 )#+ %

!  # $ % %&  ' % % $! & %() % ' %  $* & #+  +, % # # +  -.%/ # 0 / # 0   1 / # 0 2 % #  + % # ) # # % 2 % 3 ' 4 # * 5 )#+ % ! # $ & ' $! & () ' $* & #+ +, # # + -./ # 0 / # 0 1 / # 0 2 # + # ) # # 2 3 ' 4 # * 5 )#+ 6 77 7 7( 8 9 #! # $&# ' (( ( ) $ *&*+)9, -+ 9 93 $ & ) )! &! #'(!-# $. $'( /#-##! '-!/.# ( 01! + : # 3 + $#-!

Leia mais

O remédio musical. Gian Daher Berselli Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

O remédio musical. Gian Daher Berselli Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) O remédio musical Gian Daher Berselli Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Resumo: Esse artigo tem o intuito de identificar as diferentes reações e utilizações da musica como método terapêutico

Leia mais

DISCURSO DE POSSE NO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 4.1.99. Luiz Carlos Bresser Pereira

DISCURSO DE POSSE NO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 4.1.99. Luiz Carlos Bresser Pereira DISCURSO DE POSSE NO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 4.1.99 Luiz Carlos Bresser Pereira Quando o Presidente Fernando Henrique Cardoso me disse que o mais importante a ser realizado no Ministério da

Leia mais

CÓPULA CLODOALDO TURCATO

CÓPULA CLODOALDO TURCATO CÓPULA CLODOALDO TURCATO 2 CÓPULA Primeira Edição Editora do Livre Pensador Recife, Pernambuco 2013 Titulo Original Cópula Primeira Edição 3 Copyright @ 2012 by Clodoaldo Turcato Copyright da edição @

Leia mais

1 plano de trabalho. NO CAMINHO PARA CASA ÂNGELA SALDANHA doutoramento em educação artística FBAUP

1 plano de trabalho. NO CAMINHO PARA CASA ÂNGELA SALDANHA doutoramento em educação artística FBAUP NO CAMINHO PARA CASA ÂNGELA SALDANHA doutoramento em educação artística FBAUP Quem nunca se encontrou num ponto em que tudo lhe parece incerto, nunca chegará a nenhuma certeza (...) o espanto (...) é o

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

AS METÁFORAS DA MORTE NA POESIA DE AUTORES DA LITERATURA BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM LINGUÍSTICO-COGNITIVA

AS METÁFORAS DA MORTE NA POESIA DE AUTORES DA LITERATURA BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM LINGUÍSTICO-COGNITIVA AS METÁFORAS DA MORTE NA POESIA DE AUTORES DA LITERATURA BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM LINGUÍSTICO-COGNITIVA Vanessa Sales Carvalho (PIBIC-CNPQ) Orientadora: Profa. Dra. Silvana Maria Calixto de Lima (UESPI)

Leia mais